Projeto de Domínio baseado em Ontologias na Engenharia de Domínio Multiagente

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de Domínio baseado em Ontologias na Engenharia de Domínio Multiagente"

Transcrição

1 s Projeto de Domínio baseado em Ontologias na Engenharia de Domínio Multiagente Steferson Ferreira, Rosário Girardi e Carla Faria Resumo O projeto de domínio, uma das fases do processo da Engenharia de Domínio, busca a construção de soluções computacionais reutilizáveis de uma família de sistemas. Este artigo apresenta a DDEMAS, uma técnica para o projeto de domínio na Engenharia de Domínio Multiagente. São descritas as fases e produtos da técnica para o projeto arquitetural e de frameworks multiagente. É também apresentada a ONTODD uma ferramenta baseada em ontologias que auxilia a aplicação da DDEMAS. Palavras-chave - Engenharia de Domínio, Frameworks, Ontologias, Projeto de Domínio, Sistemas Multiagente. I. INTRODUÇÃO construção sistemática de software reutilizável é uma Aprática crescente da Engenharia de Software, para a definição de artefatos que possam ser reutilizados em várias situações comuns. O reuso busca o aumento da produtividade, da qualidade e a diminuição de custos e do tempo de desenvolvimento. Juntamente com a reutilização, a prática no desenvolvimento baseado em agentes vem aumentando considerando as vantagens deste paradigma para a resolução de problemas complexos. Na Engenharia de Domínio Multiagente [15], a fase de projeto de domínio busca a construção de frameworks multiagente reutilizáveis no desenvolvimento de aplicações multiagente de uma família de sistemas. Este artigo apresenta a DDEMAS ( Domain Design for Multi-agent Systems ) uma técnica que provê uma abordagem sistemática ao projeto de domínio da Engenharia de Domínio Multiagente e a ONTODD ( Generic Ontology for Domain Design ), uma ferramenta que auxilia a aplicação da DDEMAS. A DDEMAS e a ONTODD são ilustrados através de exemplos de um estudo de caso para a construção de um framework multiagente para a recuperação e filtragem da informação [7]. O artigo está organizado da seguinte forma. Na seção II é apresentada a técnica DDEMAS, detalhando-se cada uma das suas fases e atividades. Na seção III é apresentada a ferramenta ONTODD. Na seção IV são descritos trabalhos relacionados ao Projeto do Domínio e ao Projeto de sistemas multiagente. Por fim, na seção V são apresentadas algumas conclusões sobre este trabalho. II. DDEMAS: UMA TÉCNICA PARA O PROJETO DE DOMÍNIO NA ENGENHARIA DE DOMÍNIO MULTIAGENTE A DDEMAS [25] é uma técnica para a construção de soluções computacionais de uma família de sistemas multiagente. Através da utilização de informações contidas em um modelo de domínio com os requisitos dos sistemas da família e uma coletânea de padrões é construído um framework multiagente através da instanciação da ONTODD, uma ontologia genérica que auxilia a aplicação da técnica (Fig. 1). Coletânea de Padrões Modelo de domínio DDEMAS ONTODD Framework multiagente Fig. 1. Os insumos e os produtos da técnica DDEMAS A tabela I apresenta as fases, tarefas e produtos da técnica DDEMAS, s a seguir. TABELA I FASES, TAREFAS E PRODUTOS DA TÉCNICA DDEMAS Fases Tarefas Produtos Modelo de agentes Mod. de interações Modelagem de agentes, interações e atividades Projeto global Projeto Modelagem de agentes Modelagem de interações e atividades Construção do esboço do framework Seleção de padrão arquitetural Refinamento do framework Detalhamento dos agentes do framework Seleção de padrão de projeto Refinamento dos agentes Mod. de atividades Esboço do modelo arquitetural Modelo arquitetural Mod. de atividades Mod. de projeto A. Modelagem de agentes, interações e atividades Nesta fase são identificados os agentes que irão compor o framework e suas interações com base em informações do modelo de domínio baseado em ontologias [6][18][23][24], obtido na fase de Análise de Domínio e Usuários da Engenharia de Domínio Multiagente através da aplicação da técnica GRAMO [8][12][20]. 1) Modelagem de agentes O objetivo desta tarefa é identificar e especificar os agentes que irão compor o framework em um modelo de agentes (Fig. 2). Tem-se como proposta inicial o mapeamento um papel para um agente. Porém, podem existir situações onde um 7

2 agente pode englobar mais de um papel, ou ainda, da necessidade de atribuir um papel a mais de um agente, de forma a atender requisitos de coesão, desempenho e reusabilidade. Cada agente irá realizar um conjunto de atividades necessárias para o cumprimento de suas responsabilidades. Estas atividades são derivadas diretamente das atividades dos papéis desempenhados pelos agentes. : Nome do Papel: Nome(s) do(s) papel(is) referente(s) Responsabilidades: - Responsabilidade que este agente tem. Atividades: -Atividades realizadas por este agente -Atv 1. -Atv 2. Interações: -Lista das interações necessárias para a realização das atividades. Representação de um agente no modelo de agentes Fig. 2. A identificação das interações entre agentes deve ser executada em paralelo com a identificação dos agentes, pois aspectos como níveis de troca de informações ou utilização de recursos podem influenciar a definição dos agentes. Deve-se fazer uma análise da necessidade de se integrar agentes que possuam responsabilidades afins, atividades próximas ou comunicação em excesso, ou da necessidade de se atribuir atividades de um papel a mais de um agente. 2) Modelagem de interações e atividades Esta tarefa está ligada à tarefa de modelagem de agentes. Junto com a identificação dos agentes é preciso identificar e especificar suas interações em um modelo de interações. O detalhamento de interações (origem, destino e seqüência) nas quais um agente participa é representado no modelo de interações. Deve-se fazer um mapeamento do modelo de interações entre papéis do modelo de domínio ao modelo de interações entre agentes considerando os papéis que cada agente desempenha. A representação gráfica deste modelo segue a representação do diagrama de pacotes da AUML [11]. As atividades dos agentes e suas interações devem ainda ser mostradas em modelos de atividades. As atividades deste modelo são obtidas das listas de atividades dos agentes contidos no modelo de agentes. É construído um modelo de atividades para cada modelo de interações entre agentes. A representação gráfica deste modelo segue o padrão do diagrama de atividades da AUML [11]. B. Projeto global Nesta fase é construído o framework multiagente. Os agentes modelados na fase anterior são integrados para formar uma solução computacional ao problema especificado no modelo de domínio. São representados os agentes, entidades externas, suas interações e comunicações. Estes agentes são organizados de forma que o sistema resolva eficientemente o problema, reutilizando boas soluções de projeto disponíveis em uma coletânea de padrões. 1) Construção do esboço do framework Nesta tarefa é especificado um primeiro esboço do framework representando os agentes que o compõem, as s interações entre eles e as entidades externas à sociedade. O produto desta tarefa é uma primeira versão do modelo arquitetural. Na construção deste esboço devem-se observar os modelos de agentes, de interações e atividades, que ilustram as interações entre os agentes e entidades externas e as atividades destes agentes na busca dos objetivos do sistema especificados no modelo de domínio. Deve-se identificar as comunicações entre os agentes e entidades externas, mostrando-as no esboço. Dos modelos de interações são extraídas as comunicações entre agentes e entidades externas (Fig. 3). Recuperador : Indexador : Usuário Interfaceador : Construtor de Surrogate : Descobridor : Fonte de Informação Fig. 3. Esboço do framework 2) Seleção de padrão arquitetural Deve-se refinar o esboço inicial do framework utilizando boas soluções arquiteturais conhecidas para seu contexto particular de aplicação, considerando aspectos de coordenação e cooperação entre os agentes. Para estes fins é utilizada uma coletânea de padrões arquiteturais para o projeto de sistemas multiagente [9][14][21][22], que fornece soluções para a estruturação do sistema multiagente, enfatizando os aspectos de coordenação e cooperação entre os agentes da sociedade, da seguinte forma: 1. Analisa-se o problema ou subproblema que o framework pretende resolver. 2. Seleciona-se um ou mais padrões adequados ao problema e contexto abordados. 3. Depois de selecionados os padrões volta-se a analisar o esboço do framework, organizá-lo seguindo a solução proposta pelo(s) padrão(ões). É estabelecido então, uma estrutura organizacional para sociedade multiagente, aplicando-se a solução descrita no padrão. 4. Definiem-se os mecanismos de cooperação e coordenação a serem utilizados pelos agentes da sociedade sugeridos pelo padrão selecionado. 3) Refinamento do framework Esta tarefa destina-se a construção do framework definitivo e sua representação na versão definitiva do modelo arquitetural (Fig. 4). Para isso são levados em conta o esboço do framework e a solução sugerida pelo padrão selecionado. As soluções dos padrões escolhidos devem ser aplicadas ao problema, seguindo a forma de aplicação descrita no padrão. C. Projeto Nesta fase é realizado o projeto de cada um dos agentes que compõem o framework. 8

3 1) Detalhamento dos agentes do framework Nesta tarefa é efetuada uma análise do conhecimento e comportamento de cada um dos agentes do framework. O produto desta fase é um modelo de atividades. É construído um modelo de atividades para cada agente, através do refinamento da lista de atividades representada no modelo de agentes e no modelo de atividades produzidos na fase de Modelagem de agentes, interações e atividades. O modelo de atividades deve representar todas as atividades de um agente, independentemente dos objetivos a serem alcançados pelo sistema. A notação gráfica do modelo de atividades é a do diagrama de atividades da AUML [11]. Após criados os modelos de atividades s, deve-se fazer uma breve descrição do funcionamento de cada agente identificado, baseando-se nos comportamentos, atividades e operações, para que posteriormente, na construção dos agentes, estas informações sejam utilizadas. O comportamento requerido dos agentes é analisado segundo os dois tipos básicos de agentes [3]: reativo e deliberativo. De posse das atividades, operações e conhecimento dos agentes, passa-se à construção da arquitetura interna de cada agente. Camada de gerenciamento do usuário Camada de tratamento de informações Camada de busca de informações 11: Usuário Interfaceador : Construtor de Surrogate : 3: 2: Descobridor : 5: 6: 1: Fonte de Informação 10: 7: 4: Recuperador : 9: Indexador : Fig. 4. Modelo arquitetural definitivo 2) Seleção de padrões de projeto Nesta tarefa é realizada uma análise de possíveis padrões de projeto que se aplicam aos comportamentos dos agentes da sociedade. Para isto buscam-se na coletânea, padrões de projeto adequados às tarefas destes agentes [9] [22]. O processo funciona da seguinte forma: 1. Analisa-se o problema ou subproblema que o agente pretende resolver. 2. Seleciona-se um ou mais padrões que combinem com o problema e o contexto tratados, além de analisar as forças destes padrões; 3. Caso não exista nenhum padrão que forneça soluções ao 8: s comportamento do agente, deve-se utilizar os padrões básicos: deliberativos e reativos, especializando-os segundo os comportamentos específicos. 4. Depois de selecionados os padrões, os agentes são estruturados segundo a solução proposta pelo(s) padrão(ões). 3) Refinamento dos agentes Esta tarefa destina-se a criação do modelo de projeto que representa os agentes e suas arquiteturas internas, definidas através da aplicação dos padrões de projeto selecionados na tarefa anterior. A estrutura deve estar baseada em módulos que englobam o comportamento e o conhecimento do agente. É construído um modelo de projeto para cada agente. Na Tabela II temos um exemplo de modelo de projeto, ilustrando o detalhamento de um agente. TABELA II TABELA REPRESENTANDO UMA PARTE DO MODELO PROJETO DETALHADO Descrição detalhada do agente Recuperador Papel: Recuperador Padrão de projeto : Padrão reativo Atividades: receber surrogate da consulta, requisitar índice, receber índices, fazer análise de similaridade, comparar surrogates e enviar resultados. Módulos Conteúdos Sensores Receber surrogate da consulta, receber índices indexados Se receber requisição de surrogate de consulta então Regras requisitar e receber índice; se recebeu índice então realizar comparar surrogates e fazer análise de similaridade... Ação Fazer análise de similaridade, comparar surrogates Comunicação Requisitar índice, enviar resultados III. ONTODD: UMA FERRAMENTA PARA O PROJETO DE DOMÍNIO DA ENGENHARIA DE DOMÍNIO MULTIAGENTE A ferramenta ONTODD [17] é uma meta ontologia que representa o conhecimento da técnica DDEMAS facilitando e auxiliando sua aplicação. A ferramenta foi construída com o Protege [5], um ambiente de edição de bases de conhecimento. Uma ontologia no Protégé consiste de: classes: conceitos no domínio abordado que constituem uma hierarquia taxonômica; slots: que descrevem propriedades de classes e instâncias; facetas: que descrevem propriedades de slots e permitem a especificação de restrições nos valores dos slots. A ontologia está agrupada em 3 classes principais: Conceitos da modelagem, Tarefas da modelagem e Produtos da modelagem. Os conceitos da modelagem refletem os conceitos envolvidos e definidos na aplicação da técnica, agentes, atividades e padrões, entre outros. As classes tarefas da modelagem representam as tarefas definidas pela DDEMAS que devem ser seguidas na construção dos produtos da modelagem (Fig. 5). O processo de construção de frameworks multiagente guiado pela ONTODD é ilustrado na Fig. 1. Através da instanciação de meta-classes da ONTODD, em conjunto com a utilização de coletâneas de padrões para a fase de projeto é construída uma ontologia que modela um framework multiagente. Através da instanciação de meta-classes Produtos da 9

4 modelagem, são construídos os produtos das diferentes fases (Tabela I) contendo as especificações necessárias para a construção do framework. s Fig. 8. Exemplo de modelo de interações As atividades dos agentes, obtidas das instancias da metaclasse agente, e suas interações são representadas em modelos de atividades (Fig. 9). Fig. 5. Hierarquia de meta-classes da ONTODD A. Modelagem de agentes A tarefa Modelagem de agentes busca a construção do modelo de agentes, uma instância da meta-classe modelo de agentes (Fig. 6). Fig. 9. Exemplo de Modelo de atividades C. Construção do esboço do framework Através desta tarefa, a meta-classe esboço do modelo arquitetural é instanciada (Fig. 10). Os agentes que compõem o esboço são extraídos do modelo de agentes e as comunicações entre agentes e entidades externas são extraídas dos modelos de interações. Fig. 6. Exemplo de modelo de agentes É criada uma instancia da meta-classe modelo de agentes onde cada papel do modelo de papéis é associado a uma instância da meta-classe (Fig. 7). Fig. 7. Exemplo de instância de um agente B. Modelagem de interações e atividades Na tarefa Modelagem de interações e atividades é realizada a instanciação das meta-classes modelo de interações e modelo de atividades. O modelo de interações (Fig. 8) é obtido a partir de um modelo de interações entre papéis e entidades externas do modelo de domínio. Fig. 10. Exemplo de esboço do modelo arquitetural D. Seleção de padrão arquitetural Logo após a construção do esboço, o framework deve ser refinado através da seleção e utilização de padrões arquiteturais. Estes padrões e seus atributos estão representados na ONTODD, como instâncias da meta-classe padrão arquitetural. As características do esboço servem como base para a verificação das instâncias da meta-classe padrão arquitetural (Fig. 11). Fig. 11. Padrões arquiteturais de uma coletânea E. Refinamento do framework O esboço do modelo arquitetural é refinado e organizado seguindo a solução encontrada no(s) padrão(ões) 10

5 selecionado(s). A definição do modelo arquitetural definitivo pode ser observada na Fig. 12. s MaSE [10], MADS [19], porém poucas abordam a construção de produtos reutilizáveis. As técnicas para o projeto do domínio como as metodologias ODM [2] e FODA [4], não estão direcionadas a abordagem multiagente. Este trabalho é parte do projeto de pesquisa MaAE ( Multi- Agent Application Engineering ) [12][15][16] que busca o desenvolvimento de um ambiente para a Engenharia de Domínio Multiagente composto de um conjunto de ferramentas e uma biblioteca de abstrações de software de alto nível reutilizáveis no desenvolvimento de aplicações baseadas em agentes: modelos de domínio, modelos de usuários, padrões de projeto global e, linguagens específicas de domínio, frameworks multiagente e agentes de software. Fig. 12. Exemplo de modelo arquitetural final Esta tarefa destina-se a construção do modelo arquitetural definitivo, que representa o framework final, através da instanciação da meta-classe modelo arquitetural. F. Detalhamento dos agentes do framework Através desta tarefa é criado o modelo de atividades (Fig. 13). Primeiramente são construídos modelos de atividades s dos agentes, através do refinamento das atividades dos agentes representados nos modelos de atividades. Fig. 14. Exemplo de modelo arquitetural Fig. 13. Exemplo de modelo de atividades G. Seleção de padrão de projeto Com os modelos de atividades s construídos e descrição do conhecimento e comportamento dos agentes, são analisadas as instâncias dos padrões de projeto de acordo com os comportamentos dos agentes, centrando-se nos slots que descrevem o contexto e problema tratados. H. Refinamento dos agentes Nesta tarefa é construído o modelo arquitetural (Fig. 14) mostrando os agentes e sua arquitetura, descrevendo seus módulos internos e funcionamento. Cada modelo contém a descrição do agente, o padrão seguido e os módulos internos dos agentes com suas operações e conhecimento. Aplicando o padrão selecionado, o agente é estruturado em módulos, que foram instanciados da meta-classe Módulo. Cada módulo possui atividades, operações e conhecimento representados em instâncias das meta-classes Comportamento e Conhecimento. IV. TRABALHOS RELACIONADOS Existem várias técnicas e metodologias para o desenvolvimento de aplicações multiagente como a GAIA [1], V. CONCLUSÃO Este trabalho apresentou DDEMAS, uma técnica para o Projeto de Domínio na Engenharia de Domínio Multiagente e a ONTODD, uma ferramenta que auxilia a aplicação da técnica. A ONTODD é uma meta ontologia que representa o conhecimento acerca do desenvolvimento de framework multiagente segundo a DDEMAS. A DDEMAS e a ONTODD estão sendo avaliadas e refinadas através da sua aplicação na construção de frameworks para a recuperação e filtragem da informação [25]. Também estão sendo estendidas suas aplicações na resolução de problemas específicos, como a recuperação e filtragem de informação jurídica [7]. O objetivo final é a elaboração de uma metodologia para a Engenharia de Domínio Multiagente, com o desenvolvimento de técnicas para as fases de Análise de Domínio e Usuários, Projeto e Implementação de Domínio, através da integração da DDEMAS com a GRAMO, uma técnica baseada em ontologias para a construção de modelos de domínio e usuários na Análise de Domínio e Usuários [8] [20], que gera os modelos de domínio e usuários utilizados na DDEMAS. VI. REFERÊNCIAS Periódicos: [1] M. Wooldridge, N. R. Jennings, and D. Kinny, The GAIA methodology for agent-oriented analysis and design, Journal of Autonomous Agents and Multi-Agent Systems v. 3 n. 3, pp , [2] S. Shlaer, and S. Mellor, An Object-Oriented Approach to Domain Analysis, ACM SIGSOFT Software Engineering Notes, v.14 n.5, p.66-77, July

6 Livros: [3] S. Russell and P. Norvig, Artificial intelligence: A Modern Approach. Prentice Hall International, Inc., Relatórios Técnicos: [4] S. Cohen, K. Kang, J. Hess, W. Novak and S. Peterson, Feature Oriented Domain Analysis (FODA) Feasibility Study, Technical Report, Pittsburgh, Pa.: Software Engineering Institute, Carnegie Mellon University, (CMU/SEI-90-TR-21), [5] Protégé Project. (2003) Acesso em: 05 de abril de Artigos publicados em Anais: [6] A. Lindoso, I. Serra, e R. Girardi, ONTOINFOJUS: Um Modelo de Domínio baseado em Ontologias para o Acesso à Informação na Área Jurídica, Anais do V Encontro de Informática do Tocantins (ENCOINFO 2003), Palmas, Tocantins, Brasil, Ed. ULBRA, pp [7] A. Lindoso, I. Ribeiro e R. Girardi, Uma Experiência no Projeto de um Framework para a recuperação e filtragem da Informação na Engenharia de Domínio Multiagente, artigo submetido. [8] C. Faria, R. Girardi e I. Serra, Modelagem de Domínio e Usuários baseada em Ontologias na Engenharia de Domínio Multiagente, artigo submetido. [9] I. Ribeiro e R. Girardi, Padrões Arquiteturais e de Projeto para a Modelagem de Usuários baseada em s, Anais da 3rd Latin American Conference on Pattern Languages of Programming (SugarLoafPlop 2003), Porto de Galinhas, Brasil. [10] J. Dileo, T. Jacobs, and S. Deloach, Integrating Ontologies into Multiagent Systems Engineering, Proceedings of the 4nd International Bi-Conference Workshop on Agent Oriented Information Systems (AOIS 2002), Bologna, Italy. [11] J. Odell, H. V. D. Parunak and B. Bauer, Extending UML for agents, Proceedings of the 2nd International Bi-Conference Workshop on Agent-Oriented Information Systems at the 17th National conference on Artificial Intelligence (AOIS Worshop at AAAI 2000), Austin, USA, Gerd Wagner, Yves Lesperance, and Eric Yu eds, pp [12] R. Girardi, and C. Faria, A Generic Ontology for the Specification of Domain Models, Proceedings of the 1st International Workshop on Component Engineering Methodology (WCEM 2003) at Second International Conference on Generative Programming and Component Engineering, Efurt, Germany, Ed. Sven Overhage and Klaus Turowski, pp [13] R. Girardi, Engenharia de Software baseada em s, Anais do IV Congresso Brasileiro de Ciência da Computação, Itajaí, Santa Catarina, Brasil. (A ser publicado) [14] R. Girardi, I Ribeiro and G. Bezerra, Towards a System of Patterns for the Design of Agent-Based Systems, Proceedings of the 2 nd Nordic Conference on Pattern Languages of Programs (VikingPLoP 2003), Bergen, Norway. [15] R. Girardi, Multi-Agent Domain Engineering, Proceedings of the 3 rd Ibero-American Symposium on Software Engineering and Knowledge Engineering (JIISIC 2003) at Scientific Cooperation, Valdívia, Chile, Universidad Nacional de Jujuy, pp [16] R. Girardi, Reuse in Agent-based Application Development, Proceedings of the 1 st International Workshop on Software Engineering for Large-Scale Multi-Agent Systems (SELMAS 2002) at ICSE 2002, Orlando, Florida, United States. [17] S. Ferreira e R. Girardi, Especificação de uma Ontologia Genérica para o Projeto de Domínio de Aplicações Multiagente, Anais da Chilean Computing Week 2003 (CCW 2003), Chillán, Chile. Dissertações e Monografias: [18] A. Lindoso, Desenvolvimento de um Modelo de Domínio baseado em Ontologias para o Acesso à Informação Jurídica, Monografia de Graduação, Departamento de Informática, Universidade Federal do Maranhão UFMA, [19] A. Sodré, MADS: Uma Metodologia baseada em s para o Desenvolvimento de Software, Dissertação (Mestrado em Engenharia de Eletricidade) Área de Ciência da Computação, Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade Federal do Maranhão UFMA, [20] C. Faria, Uma Técnica para a Aquisição e Construção de Modelos de Domínio e Usuários baseados em Ontologias para a Engenharia de s Domínio Multiagente, Dissertação (Mestrado em Engenharia de Eletricidade) Área de Ciência da Computação, Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade Federal do Maranhão UFMA, [21] G. B. Silva Junior, Padrões Arquiteturais para o Desenvolvimento de Aplicações Multiagente, Dissertação (Mestrado em Engenharia de Eletricidade) Área de Ciência da Computação, Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade Federal do Maranhão UFMA, [22] I. Ribeiro, Um Sistema de Padrões baseados em s para a Modelagem de Usuários e Adaptação de Sistemas, Dissertação (Mestrado em Engenharia de Eletricidade) Área de Ciência da Computação, Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade Federal do Maranhão UFMA, [23] J. Fernandes, Desenvolvimento de um Modelo de Domínio e Usuários baseado em Ontologias para a Área da Pecuária, Monografia de Especialização, CEAPS, Departamento de Informática, Universidade Federal do Maranhão - UFMA, [24] N. Cerveira, Desenvolvimento de um Modelo de Domínio baseado em Ontologias para a Área Turística, Monografia de Especialização, CEAPS, Departamento de Informática, Universidade Federal do Maranhão - UFMA, [25] S. Ferreira, Uma técnica e uma ferramenta para o projeto de domínio global e de sistemas multiagente, Dissertação (Mestrado em Engenharia de Eletricidade) Área de Ciência da Computação, Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade Federal do Maranhão UFMA, VII. BIOGRAFIAS Steferson Lima Costa Ferreira Mestre em Ciência da Computação, Universidade Federal do Maranhão, UFMA, Brasil, Graduado em Ciência da Computação na Universidade Federal do Maranhão, UFMA, Brasil, Atua como Analista de Sistemas na Secretaria da Fazenda do Estado do Maranhão. Possui publicações em anais de eventos nacionais relacionados com suas atividades de pesquisa. Profª Rosário Girardi (http://maae.deinf.ufma.br/rgirardi.html) Doutor em Informática, Universidade de Genebra, Suíça, Mestre em Ciência da Computação, UFRGS, Brasil, Engenheiro de Sistemas em Computação, UdelaR, Uruguai, Professor Adjunto da Universidade Federal do Maranhão. Atua como docente, pesquisador e orientador no Curso de Pós-graduação em Engenharia Elétrica e no Curso de Graduação em Ciência da Computação. Suas áreas de especialização e pesquisa são Engenharia de Software e Engenharia de Conhecimento. Coordena projetos de pesquisa na área de desenvolvimento de sistemas multiagente, com apoio do CNPq. Carla Gomes de Faria Mestre em Ciência da Computação, Universidade Federal do Maranhão, UFMA, Brasil, Especialista em Análise e Projeto de Sistemas, Universidade Federal do Maranhão, UFMA, Brasil, Graduada em Processamento de Dados, Centro Universitário do Maranhão, UNICEUMA, Brasil, Atua como Assistente de Pesquisa em projeto de desenvolvimento de sistemas multiagente, com apoio do CNPq. Possui publicações em anais de eventos nacionais e internacionais relacionados com suas atividades de pesquisa. 12

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Carla Gomes de Faria1, Ismênia Ribeiro de Oliveira1, Rosario Girardi1 1Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Leia mais

GRAMO: Uma Técnica para a Construção de Modelos de Domínio Reutilizáveis no Desenvolvimento de Sistemas Multiagente

GRAMO: Uma Técnica para a Construção de Modelos de Domínio Reutilizáveis no Desenvolvimento de Sistemas Multiagente GRAMO: Uma Técnica para a Construção de Modelos de Domínio Reutilizáveis no Desenvolvimento de Sistemas Multiagente Carla Gomes de Faria (UFMA) carla@postal.elo.com.br Rosario Girardi (UFMA) rgirardi@deinf.ufma.br

Leia mais

Uma Experiência no Projeto de um Framework Multiagente para a Recuperação e Filtragem de Informação

Uma Experiência no Projeto de um Framework Multiagente para a Recuperação e Filtragem de Informação Uma Experiência no Projeto de um Framework Multiagente para a Recuperação e Filtragem de Informação Alisson Neres Lindoso, Rosario Girardi, Ismênia Ribeiro Resumo Um framework multiagente é uma arquitetura

Leia mais

Um Modelo de Domínio e Usuários da Área Turística baseado em Ontologias

Um Modelo de Domínio e Usuários da Área Turística baseado em Ontologias Um Modelo de Domínio e Usuários da Área Turística baseado em Ontologias Carla Gomes de Faria, Rosario Girardi e Raimundo Osvaldo Vieira Resumo Um modelo de domínio e usuários é um artefato de software

Leia mais

Um Processo para a Engenharia de Domínio e de Aplicações Multiagente: As Fases de Projeto de Domínio e de Aplicações

Um Processo para a Engenharia de Domínio e de Aplicações Multiagente: As Fases de Projeto de Domínio e de Aplicações Um Processo para a Engenharia de Domínio e de Aplicações Multiagente: As Fases de Projeto de Domínio e de Aplicações Adriana Leite 2, Rosario Girardi 1 1 DEINF/GESEC - Universidade Federal do Maranhão

Leia mais

ONTORMAS: Uma ferramenta dirigida por ontologias para a Engenharia de Domínio e de Aplicações Multiagente

ONTORMAS: Uma ferramenta dirigida por ontologias para a Engenharia de Domínio e de Aplicações Multiagente ONTORMAS: Uma ferramenta dirigida por ontologias para a Engenharia de Domínio e de Aplicações Multiagente Adriana Leite 1, Rosario Girardi 1 1 DEINF/GESEC Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Av. dos

Leia mais

DESENVOLVENDO SISTEMAS MULTI-AGENTES

DESENVOLVENDO SISTEMAS MULTI-AGENTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA DESENVOLVENDO SISTEMAS MULTI-AGENTES UTILIZANDO TROPOS E JADEX PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno: Bárbara

Leia mais

Combinando MAS-School, ANote e JADE para o Desenvolvimento de Sistemas Multi-agentes

Combinando MAS-School, ANote e JADE para o Desenvolvimento de Sistemas Multi-agentes Combinando MAS-School, ANote e JADE para o Desenvolvimento de Sistemas Multi-agentes Enyo J. T. Gonçalves, Gilzamir F. Gomes, Mariela I. Cortés, Robson Feitosa, Yrleyjander S. Lopes, Gustavo Augusto L.

Leia mais

Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes

Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes Ana Paula Blois 1, 2, Karin Becker 2, Cláudia Werner 1 1 COPPE/UFRJ, Universidade Federal do Rio de Janeiro,

Leia mais

Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento

Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento Marco Antonio De Grandi, Valter Vieira de Camargo, Edmundo Sérgio Spoto Centro Universitário Eurípides de Marília

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução a linguagem UML

Leia mais

Uma Abordagem de Engenharia de Requisitos Para Linhas de Produtos de Software

Uma Abordagem de Engenharia de Requisitos Para Linhas de Produtos de Software Uma Abordagem de Engenharia de Requisitos Para Linhas de Produtos de Software Gabriela Guedes de Souza, Jaelson Castro e Carla Silva ggs@cin.ufpe.br, jbc@cin.ufpe.br, carla@dce.ufpb.br DEPARTAMENTO DE

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA DESENVOLVIMENTO DE AGENTES: UM ESTUDO DE CASO NA MICROECONOMIA

UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA DESENVOLVIMENTO DE AGENTES: UM ESTUDO DE CASO NA MICROECONOMIA UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA DESENVOLVIMENTO DE AGENTES: UM ESTUDO DE CASO NA MICROECONOMIA VANESSA M. BERNY, DIANA F. ADAMATTI, DANIELA FERREIRA GOMES, ANTONIO C. DA ROCHA COSTA RESUMO Este artigo

Leia mais

Avaliando modelos arquiteturais através de um checklist baseado em atributos de qualidade

Avaliando modelos arquiteturais através de um checklist baseado em atributos de qualidade Avaliando modelos arquiteturais através de um checklist baseado em atributos de qualidade Aluno: Rafael Ferreira Barcelos barcelos@cos.ufrj.br Orientador: Guilherme Horta Travassos ght@cos.ufrj.br Nível:

Leia mais

Engenharia de Software. Tema 1. Introdução à Engenharia de Software Profa. Susana M. Iglesias

Engenharia de Software. Tema 1. Introdução à Engenharia de Software Profa. Susana M. Iglesias Engenharia de Software Tema 1. Introdução à Engenharia de Software Profa. Susana M. Iglesias Sistemas Computacionais Automatiza ou apóia a realização de atividades humanas (processamento da informação)

Leia mais

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes Diagrama de Casos de Uso O modelo de casos de uso visa responder a pergunta: Que usos (funcionalidades) o sistema terá? ou Para que aplicações o sistema

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software 3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software A tarefa de planejar os ciclos de construção do software pode partir de diretrizes básicas. Estas diretrizes visam orientar que os ciclos de

Leia mais

ONTOINFOJUS: um Modelo de Domínio baseado em Ontologias para o Acesso à Informação na Área Jurídica

ONTOINFOJUS: um Modelo de Domínio baseado em Ontologias para o Acesso à Informação na Área Jurídica ONTOINFOJUS: um Modelo de Domínio baseado em Ontologias para o Acesso à Informação na Área Jurídica Alisson Neres Lindoso, Ivo da Cunha Serra, Rosario Girardi GESEC/DEINF Universidade Federal do Maranhão

Leia mais

ADS-Fusion: Fusão de dados para detecção de anomalias baseada na teoria de evidência de Dempster-Shafer

ADS-Fusion: Fusão de dados para detecção de anomalias baseada na teoria de evidência de Dempster-Shafer Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Sistemas de Computação Graduação em Ciência da Computação ADS-Fusion: Fusão de dados para detecção de anomalias baseada na teoria de evidência de Dempster-Shafer

Leia mais

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás

Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Ontologia de Domínio da Biodisponibilidade de Ferro: Uma Experiência no Projeto Nutri-Fuzzy-Orixás Alessandra Brito F. Oliveira 1; Vera Maria Benjamim Werneck 1 ; Regina Serrão Lanzillotti 1 ; Haydée Serrão

Leia mais

Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído

Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ana Paula Chaves 1, Jocimara Segantini Ferranti 1, Alexandre L Erário 1, Rogério

Leia mais

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Alexandro Deschamps (Ápice) alexandro@apicesoft.com Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo. Uma das grandes

Leia mais

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP Conceitos RUP RUP, abreviação de Rational Unified Process (ou Processo Unificado da Rational), é um processo de Engenharia de software criado pela Rational Software Corporation(a qual foi incorporada pela

Leia mais

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Ben-Hur de Sousa Lopes¹, Jaime William Dias¹ ¹Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí Paraná Brasil

Leia mais

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS)

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS) AORML uma linguagem para modelagem de uma aplicação Multiagentes: Uma Aplicação no Sistema Expertcop. Hebert de Aquino Nery, Daniel Gonçalves de Oliveira e Vasco Furtado. Universidade de Fortaleza UNIFOR

Leia mais

FA PorT: Um Framework para Sistemas Portfólio-Tutor utilizando Agentes

FA PorT: Um Framework para Sistemas Portfólio-Tutor utilizando Agentes FA PorT: Um Framework para Sistemas Portfólio-Tutor utilizando Agentes Fábio Nicácio de Medeiros, Flávio Mota Medeiros, Arturo Hernández Domínguez Instituto de Computação Universidade Federal de Alagoas

Leia mais

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto 5. Fase de Projeto A Fase de Projeto caracteriza-se por transformar as informações modeladas durante a Fase de Análise em estruturas arquiteturais de projeto com o objetivo de viabilizar a implementação

Leia mais

Modelo de Negociação do Ambiente ICS

Modelo de Negociação do Ambiente ICS Modelo de Negociação do Ambiente ICS Sofiane Labidi 1, Bernardo W. Maia Jr. 1, Sérgio G. Martins 1 1 Laboratório de Sistemas Inteligentes Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Av. dos Portugueses, s/n

Leia mais

Extensão de MAS-ML para a Modelagem de Agentes BDI

Extensão de MAS-ML para a Modelagem de Agentes BDI Extensão de MAS-ML para a Modelagem de Agentes BDI Evilásio C. Júnior, Enyo J. T. Gonçalves, Yrleyjander S Lopes, Emmanuel S. Freire, Mariela I. Cortés Abstract Agents based on the Belief Desire Intention

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

Framework para jogos de cartas

Framework para jogos de cartas Framework para jogos de cartas por André Luís Knabben e Thiago Robert Professor Doutor Ricardo Pereira e Silva Orientador Resumo Projetar artefatos de software visando a reusabilidade é uma tarefa complexa.

Leia mais

Francisca Raquel de Vasconcelos Silveira Gustavo Augusto Lima de Campos Mariela Inés Cortés

Francisca Raquel de Vasconcelos Silveira Gustavo Augusto Lima de Campos Mariela Inés Cortés Francisca Raquel de Vasconcelos Silveira Gustavo Augusto Lima de Campos Mariela Inés Cortés Introdução Trabalhos Relacionados Abordagem Proposta Considerações Finais Conclusão Trabalhos Futuros 2 Agentes

Leia mais

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar

Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Guia para elaboração do Modelo de Domínio Metodologia Celepar Agosto 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiamodelagemclassesdominio.odt Número de páginas: 20 Versão Data Mudanças Autor

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

2 Engenharia de Software

2 Engenharia de Software 20 2 Engenharia de Software 2.1 Design de Sistemas Orientados a Objetos Os Sistemas Orientados a Objetos não são mais novidade hoje em dia já estando há muitos anos no mercado. A orientação a objetos permite

Leia mais

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial

Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Aplicação de um Metamodelo de Contexto a uma Tarefa de Investigação Policial Lucas A. de Oliveira, Rui A. R. B. Figueira, Expedito C. Lopes Mestrado em Sistemas e Computação Universidade de Salvador (UNIFACS)

Leia mais

Especificação de Testes Funcionais usando Redes de Petri a Objetos para Softwares Orientados a Objetos

Especificação de Testes Funcionais usando Redes de Petri a Objetos para Softwares Orientados a Objetos Especificação de Testes Funcionais usando Redes de Petri a Objetos para Softwares Orientados a Objetos Autor(a): Liliane do Nascimento Vale 1 Orientador: Stéphane Júlia 1 1 Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE Tathiana da Silva Barrére Antonio Francisco do Prado Vitor César Bonafe E-mail: (tathiana,prado,bonafe)@dc.ufscar.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 11 APRESENTAÇÃO Nesta aula serão discutidos os conceitos relacionados

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE PROJETO ARQUITETURAL BASEADO EM COMPONENTES NO CONTEXTO DE ENGENHARIA DE DOMÍNIO

UMA ABORDAGEM DE PROJETO ARQUITETURAL BASEADO EM COMPONENTES NO CONTEXTO DE ENGENHARIA DE DOMÍNIO 231 UMA ABORDAGEM DE PROJETO ARQUITETURAL BASEADO EM COMPONENTES NO CONTEXTO DE ENGENHARIA DE DOMÍNIO Ana Paula Terra Bacelo Resumo Reuso de software é considerada uma forma eficiente de aumentar a produtividade

Leia mais

DESENVOLVENDO O SISTEMA

DESENVOLVENDO O SISTEMA DESENVOLVENDO O SISTEMA Declaração da Necessidade O primeiro passo do processo de análise de sistema envolve a identificação da necessidade [Pressman-95]. Normalmente o analista reúne-se com o usuário

Leia mais

Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação

Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação Valdemar Vicente GRACIANO NETO 1 ; Juliano Lopes DE OLIVEIRA 1 1 Instituto de Informática

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos e Metodologias para Desenvolvimento de Software Cascata, Prototipação, Espiral e RUP Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

Metodologia para a Adaptação de Processos de Software baseada no Modelo SSE-CMM

Metodologia para a Adaptação de Processos de Software baseada no Modelo SSE-CMM Metodologia para a Adaptação de Processos de Software baseada no Modelo SSE-CMM Rosana Wagner, Lisandra Manzoni Fontoura Programa de Pós-Graduação em Informática (PPGI) Centro de Tecnologia Universidade

Leia mais

Modelando com UML Unified Modeling Language

Modelando com UML Unified Modeling Language Modelando com UML Unified Modeling Language AHMED ALI ABDALLA ESMIN 1 1 ILES ULBRA Instituto de Informática - Universidade Luterana do Brasil de Informática Cx. Postal 271 CEP 78.9860-000 Ji-Paraná (RO)

Leia mais

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância HERMOSILLA, Lígia Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais de Garça FAEG - Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone (14) 3407-8000

Leia mais

MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES

MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES FOZ DO IGUAÇU 2013 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1

Leia mais

Usando RDL para Derivação de Produtos em uma Linha de Produtos de Software

Usando RDL para Derivação de Produtos em uma Linha de Produtos de Software Usando RDL para Derivação de Produtos em uma Linha de Produtos de Software Juliano Dantas Santos Universidade Federal do Rio de Janeiro COPPE - Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais

Proposta de Trabalho Sistema de Monitoramento de animais de Estimação. Herminio Paucar Curasma (hcurasma@inf.puc-rio.br) Departamento de Informática

Proposta de Trabalho Sistema de Monitoramento de animais de Estimação. Herminio Paucar Curasma (hcurasma@inf.puc-rio.br) Departamento de Informática PUC Proposta de Trabalho Sistema de Monitoramento de animais de Estimação Herminio Paucar Curasma (hcurasma@inf.puc-rio.br) Departamento de Informática PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Processo de Software - Revisão

Processo de Software - Revisão Processo de Software - Revisão Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Pressman, R. S. Engenharia de Software, McGraw-Hill, 6ª. Edição,

Leia mais

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Fábio Levy Siqueira 1 and Paulo Sérgio Muniz Silva 2 1 Programa de Educação Continuada da Poli-USP, São Paulo, Brazil 2 Escola Politécnica

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

Ontologias na Computação

Ontologias na Computação Ontologias na Computação Claudio Akio Namikata, Henrique Sarmento, Marcio Valença Ramos cjnamikata90@hotmail.com, rique-182@hotmail.com, maxtr3m3@hotmail.com Resumo: Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

Introdução à. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.

Introdução à. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu. "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

Diagrama de Casos de Uso

Diagrama de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User Guide Medeiros,

Leia mais

Definição de Processo de Software através da Composição de Atributos de Casos Similares

Definição de Processo de Software através da Composição de Atributos de Casos Similares Definição de Processo de Software através da Composição de Atributos de Casos Similares Márcia Maria A. Brasil 1, Mariela Inês Cortés 1 1 Departamento de Estatística e Computação Universidade Estadual

Leia mais

Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software. Eduardo Barbosa da Costa

Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software. Eduardo Barbosa da Costa Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software Eduardo Barbosa da Costa Juiz de Fora, MG Julho de 2008 Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software

Leia mais

Cordis-FBC: um Ambiente Configurado TABA com Gerência do Conhecimento

Cordis-FBC: um Ambiente Configurado TABA com Gerência do Conhecimento Cordis-FBC: um Ambiente Configurado TABA com Gerência do Conhecimento Karina Villela, Ana Regina Rocha, Alvaro Rabelo Jr, Guilherme Travassos COPPE/UFRJ e Fundação Bahiana de Cardiologia Objetivos e Justificativas

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados e Modelagem de Dados

Fundamentos de Banco de Dados e Modelagem de Dados Abril - 2015 Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Computação Pós Graduação Lato Sensu em Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados e Modelagem de Dados Prof. Dr. Josiel Maimone de Figueiredo

Leia mais

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio 1. Introdução ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio Geraldo Zimbrão da Silva (IM/UFRJ) Victor Teixeira de Almeida (COPPE/UFRJ) Jano Moreira de Souza (COPPE/UFRJ) Francisco Gonçalves Pereira

Leia mais

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos. Análise Orientada a Objetos Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos. Análise Orientada a Objetos Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti. Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Análise Orientada a Objetos Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br 1 Contextualizando... Fonte: [1] O Processo de ER pode ser

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

A construção de um manual sobre a utilização dos modelos também poderá alavancar o uso das representações. Este conteria a explicação detalhada da

A construção de um manual sobre a utilização dos modelos também poderá alavancar o uso das representações. Este conteria a explicação detalhada da 6 Conclusões No âmbito do framework teórico da Engenharia Semiótica, este trabalho faz parte de um esforço conjunto para desenvolver ferramentas epistêmicas que apóiem a reflexão do designer durante o

Leia mais

PL-SCIENCE: CONECTANDO ONTOLOGIAS E MODELOS DE FEATURES EM UMA LINHA DE PRODUTO PARA APLICAÇÕES CIENTÍFICAS

PL-SCIENCE: CONECTANDO ONTOLOGIAS E MODELOS DE FEATURES EM UMA LINHA DE PRODUTO PARA APLICAÇÕES CIENTÍFICAS PL-SCIENCE: CONECTANDO ONTOLOGIAS E MODELOS DE FEATURES EM UMA LINHA DE PRODUTO PARA APLICAÇÕES CIENTÍFICAS Gabriella Castro Barbosa Costa gabriellacbc@gmail.com Orientadores Regina Maria Maciel Braga

Leia mais

Um Modelo Conceitual bem Fundamentado para Adequação do Método FrameWeb a Múltiplos Frameworks

Um Modelo Conceitual bem Fundamentado para Adequação do Método FrameWeb a Múltiplos Frameworks Um Modelo Conceitual bem Fundamentado para Adequação do Método FrameWeb a Múltiplos Frameworks Beatriz Franco Martins Souza (mbeatrizfranco@yahoo.com.br) Computer Science Department Federal University

Leia mais

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Use of UML modeling in a management system for a food franchising Richard B. N. Vital, Tatiane M. Vital.

Leia mais

Projeto SIAC 2.0: Uma aplicação do framework Demoiselle para o desenvolvimento de Sistema de Informações Acadêmicas da UFBA (SIAC)

Projeto SIAC 2.0: Uma aplicação do framework Demoiselle para o desenvolvimento de Sistema de Informações Acadêmicas da UFBA (SIAC) Projeto SIAC 2.0: Uma aplicação do framework Demoiselle para o desenvolvimento de Sistema de Informações Acadêmicas da UFBA (SIAC) André Luís Monteiro P. dos Santos 1, Fernando Cezar Borges 1, Leandro

Leia mais

Definir o espaço das informações das organizações; Realizar o detalhamento das análises dos fluxos de dados;

Definir o espaço das informações das organizações; Realizar o detalhamento das análises dos fluxos de dados; MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EAD Módulo 1 Arquitetura dos sistemas de informação A unificação das perspectivas desenvolvidas pelo modelo de negócio e dos sistemas de informação formam a arquitetura

Leia mais

1 Introdução. Componentes Usuários. Provedor de Serviços. Figura 1.1 Ambiente de oferecimento de serviços

1 Introdução. Componentes Usuários. Provedor de Serviços. Figura 1.1 Ambiente de oferecimento de serviços 1 Introdução Nos últimos anos, houve um aumento notável de demanda por plataformas com suporte a diferentes mídias. Aplicações manipulando simultaneamente texto, vídeo e áudio são cada vez mais comuns.

Leia mais

Arquitetura de Software. Silvia Regina Vergilio

Arquitetura de Software. Silvia Regina Vergilio Arquitetura de Software Silvia Regina Vergilio Atividades de Projeto Projeto Geral ou Preliminar: fase que traduz a especificação do sistema em termos da arquitetura de dados e de módulos. Descreve a organização

Leia mais

Ambientes Computacionais para o Desenvolvimento e Aplicação de Sistemas de Documentação Ativa

Ambientes Computacionais para o Desenvolvimento e Aplicação de Sistemas de Documentação Ativa Plano de Trabalho Ambientes Computacionais para o Desenvolvimento e Aplicação de Sistemas de Documentação Ativa Professores Ana Cristina Garcia Bicharra 1 e Flávio Miguel Varejão 2 1 Laboratório de Documentação

Leia mais

Engenharia de Ontologias Seminário UPON

Engenharia de Ontologias Seminário UPON Engenharia de Ontologias Seminário UPON Núcleo de Estudos em Modelagem Conceitual e Ontologias Bruno Nandolpho Machado Vinícius Soares Fonseca Professor: Ricardo de Almeida Falbo Agenda RUP Método UPON

Leia mais

Parte 2 ENGENHARIA WEB

Parte 2 ENGENHARIA WEB Parte 2 ENGENHARIA WEB 1 Engenharia Web Conjunto de abordagens sistemáticas, disciplinadas e quantificáveis para o desenvolvimento Web Visando a qualidade com uso de conceitos de engenharia Englobando

Leia mais

Programação Orientada a Objeto

Programação Orientada a Objeto Programação Orientada a Objeto Prof Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Ementa Levar o aluno a discutir, exercitar e consolidar o uso de técnicas de programação que tenham um impacto considerável sobre

Leia mais

Introdução a INGENIAS:

Introdução a INGENIAS: Universidade do Estado do Rio Grande do Norte UERN Universidade Federal Rural do Semi-Árido UFERSA Mestrado em Ciência da Computação MCC Disciplina: Engenharia de Software Orientada a Agentes Professores:

Leia mais

Análise qualitativa sobre as metodologias do desenvolvimento de software em product in line.

Análise qualitativa sobre as metodologias do desenvolvimento de software em product in line. Relatório do GPES UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Relatório referente à pesquisa preliminar da análise qualitativa sobre as metodologias de desenvolvimento de software baseado em product in

Leia mais

Diagrama de Estrutura Composta

Diagrama de Estrutura Composta Diagramas da UML Diagrama de Estrutura Composta Diagrama de Casos de Uso Indicação: Análise de Requisitos Permite descobrir os requisitos funcionais do sistema Fornece uma descrição clara e consistente

Leia mais

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos Prof. Ricardo J. Rabelo Conteúdo Introdução & Problemática

Leia mais

Casos de uso Objetivo:

Casos de uso Objetivo: Casos de uso Objetivo: Auxiliar a comunicação entre os analistas e o cliente. Descreve um cenário que mostra as funcionalidades do sistema do ponto de vista do usuário. O cliente deve ver no diagrama de

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 28 Revisão para a Prova 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 28-28/07/2006 1 Matéria para a Prova 2 Gestão de projetos de software Conceitos (Cap. 21) Métricas (Cap.

Leia mais

Ementas Disciplinas Eletivas

Ementas Disciplinas Eletivas Ementas Disciplinas Eletivas INFORMÁTICA Administração de Redes CH: 60 h Créditos: 2.1.0 Pré-requisito(s): Redes de Computadores II Conceitos e políticas de administração de redes. Gerência de redes e

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies

SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies SABiO: Systematic Approach for Building Ontologies Ricardo de Almeida Falbo Engenharia de Ontologias Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Preocupações Principais do

Leia mais

MARACATU. A component search tool. Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes

MARACATU. A component search tool. Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes MARACATU A component search tool Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes Vinicius Cardoso Garcia July 29, 2005 Agenda Introdução Especificação

Leia mais

COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DE CURSO INTRA-UNIDADE

COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DE CURSO INTRA-UNIDADE PROJETO PEDAGÓGICO I. PERFIL DO GRADUANDO O egresso do Bacharelado em Economia Empresarial e Controladoria deve ter sólida formação econômica e em controladoria, além do domínio do ferramental quantitativo

Leia mais

Um Processo de Engenharia de Requisitos Baseado em Reutilização de Ontologias e Padrões de Análise

Um Processo de Engenharia de Requisitos Baseado em Reutilização de Ontologias e Padrões de Análise Um Processo de Engenharia de Requisitos Baseado em Reutilização de Ontologias e Padrões de Análise Ricardo de Almeida Falbo, Aline Freitas Martins, Bruno Marques Segrini, Gleison Baiôco, Rodrigo Dal Moro

Leia mais

Análise e Projeto de Software

Análise e Projeto de Software Análise e Projeto de Software 1 Mundo Real Modelagem Elicitação Análise Problemas Soluções Gap Semântico Mundo Computacional Elicitação de Requisitos Análise de Requisitos Modelagem dos Requisitos 2 Projeto

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais