Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento"

Transcrição

1 Uma Abordagem para Tratamento de Regras de Negócio nas Fases Iniciais do Desenvolvimento Marco Antonio De Grandi, Valter Vieira de Camargo, Edmundo Sérgio Spoto Centro Universitário Eurípides de Marília (Univem) Caixa Postal Marília SP Brazil {valter, Resumo. Neste artigo é mostrada uma abordagem para apoiar a identificação e classificação de regras de negócio. As diretrizes mostradas fornecem apoio para que os próximos passos do desenvolvimento possam tratar as regras de negócio de forma separada do núcleo do software. Palavras-Chave: Regras de Negócio. 1 Introdução Regras de negócio (RNs) são declarações cujo objetivo é influenciar, ou guiar, o comportamento de um negócio [8]. Elas têm por objetivo definir as características do negócio que norteiam a execução dos requisitos funcionais de um software. Pesquisadores argumentam que a sensibilidade das RNs às mudanças de requisitos faz com que elas devam ser tratadas de forma mais adequada e sistemática durante o desenvolvimento de um sistema [1,8,9]. Uma maneira de prover esse tratamento é fornecer mecanismos para que as RNs sejam identificadas, classificadas, registradas e implementadas separadamente do núcleo do software, facilitando a manutenção, a modularização e conseqüentemente fornecendo melhores níveis de reúso. O objetivo principal desse artigo é fornecer diretrizes para a identificação e classificação das RNs, fornecendo apoio para que as próximas etapas do desenvolvimento possam tratá-las de forma separada do núcleo do software, facilitando sua manipulação e resultando em sistemas mais manuteníveis e reusáveis. Para isso são definidos critérios para a identificação e classificação das RNs, fornecendo assim a base inicial para que os próximos passos do desenvolvimento possam tratar as regras de negócio de forma separada do núcleo do software. O artigo está organizado da seguinte forma: Na Seção 2 são apresentados os conceitos relevantes às RNs. Na Seção 3 é apresentada a abordagem. Na seção 4 encontram-se os trabalhos relacionados a esse, e na Seção 5 as considerações finais. 2 Regras de Negócio As RNs podem ser classificadas em diversas formas [2,6,8,9]. Nesse trabalho é utilizada a classificação proposta por [9], por ser uma síntese de outros tipos de

2 classificação e possuir foco nos tipos de RNs que normalmente são utilizados em sistemas de informação. Nesse esquema, as RNs são separadas em três grupos (Informações Restritivas, Habilitadoras e Derivações) que originam os cinco tipos de RNs: Restrições, Diretrizes, Habilitadoras de Ações, Derivação por Computação e por Inferência. A implementação das RNs em um sistema de informação deve respeitar alguns princípios básicos [8,9] que visam viabilizar a manutenção das RNs, devido à sua natureza volátil. Esses princípios são: 1. Separação (Separate): As RNs devem ser implementadas de forma separada dos requisitos e do próprio sistema. Esse princípio busca incentivar o reúso das regras e possibilitar que elas possam ser alteradas independentemente de outras características do sistema; 2. Rastreamento (Trace): As RNs devem possuir uma rastreabilidade que permita identificar os artefatos de software utilizados para sua implementação, com isso, o impacto sobre a alteração de uma regra pode ser mensurado; 3. Externalização (Externalize): Toda a regra deve ser expressa num formato compreensível para que seja possível a realização de auditorias de negócio, por pessoas não-técnicas; 4. Posicionamento (Position): As RNs devem estar preparadas para mudanças, uma vez que por meio das regras pode-se mudar o curso regular do negócio. Para o cumprimento desses princípios, é necessário que o desenvolvimento das RNs possa ser acompanhado durante as fases iniciais do ciclo de vida de um sistema. Esse acompanhamento pode ser feito mediante mecanismos que permitam identificar, classificar, modelar e mapear as regras de uma fase para a outra do desenvolvimento. 3 A Abordagem Proposta A abordagem proposta neste artigo envolve duas etapas: a elaboração de casos de uso com gabarito e a identificação/classificação das RNs. Na Figura 1 são mostradas algumas etapas genéricas do desenvolvimento clássico de um sistema e também os pontos que sofrem influência da abordagem proposta neste artigo, sendo que, os quadros pontilhados representam os novos artefatos utilizados, e o quadro adicionado na fase de Análise representa uma nova atividade, necessária à proposta desse trabalho e que é discutida nas próximas subseções. Gabarito para registro dos casos de uso Relação de RNs Documentos de Requisitos Elicitação/ Coleta de Requisitos Identificação e Classificação das RN Análise Projeto Implementação Implantação Figura 1. Adaptação do ciclo de vida de desenvolvimento de software à proposta.

3 3.1 Elaboração de Casos de Uso com Gabarito A identificação de RNs durante o levantamento de requisitos deve ser auxiliada por meio do uso de um gabarito (template) para a documentação e registro dos casos de uso. O gabarito utilizado nesse trabalho (Figura 2) é uma adaptação do gabarito proposto por [4]. A extensão foi feita para apoiar de forma mais adequada a identificação das RNs. Isso ocorre por meio do registro de informações específicas, oriundas do documento de requisitos que posteriormente irão se tornar RNs. Caso de Uso: Descrição: Premissas: Passos: 1: 2: Variações: Não Funcional: Questões: Pré-Condições: Condição Pós-Condições: Condição Gatilhos: Tipo de Gatilho Diretriz Habilitador Derivação Gatilho Relacionamentos: Caso de Uso Tipo de Relação Função da Relação Condição Habilitador Derivação Informações aos Atores: Condição Informação Figura 2. Gabarito para Documentação de Caso de Uso Para o preenchimento das novas seções do gabarito proposto, deve-se utilizar informações obtidas no documento de requisitos do sistema com o apoio de diretrizes que devem ser aplicadas aos documentos de requisitos. São elas: 1. Pré-Condições: Indicam as condições, tais como restrições de negócio, que devem ser satisfeitas na ocorrência do caso de uso; 2. Pós-Condições: Indicam condições de negócio que devem ser satisfeitas para que o caso de uso seja concluído; 3. Gatilhos: São procedimentos que devem ser disparados, independente do cluxo de execução do caso de uso, após a execução, com sucesso, de um caso de uso, sempre que a condição estabelecida for satisfeita; 4. Relacionamentos: São todos os relacionamentos que o caso de uso possua com os demais, desde que exerçam uma função de negócio. O tipo de relação pode ser: Associação, Extensão ou Inclusão. A função da relação pode ser derivação ou habilitadora de ações; 5. Informações aos Atores: São informações fornecidas aos atores relacionados ao caso de uso, podendo ocorrer em qualquer ponto de um caso de uso. Essas diretrizes devem ser aplicadas com o objetivo de identificar os comportamentos de negócio presentes nos requisitos. Portanto deve-se atentar para que essas informações sejam políticas da companhia, padrões de indústria, leis e regulamentações governamentais, ou ter outro tipo de origem que esteja vinculado ao comportamento que o software deve ter para refletir um comportamento específico da

4 companhia. As demais pré e pós-condições, gatilhos, relacionamentos e informações aos atores, devem ser implementadas no software da forma convencional, sem necessariamente serem tratadas como RNs, e sem, portanto, estarem informadas nas novas seções do gabarito proposto. Portanto, antes da inserção das informações em cada uma das novas seções do gabarito é necessário fazer uma crítica no intuito de certificar que realmente trata-se de uma informação que reflete um comportamento de negócio. 3.2 Identificação e Classificação de Regras de Negócio Uma vez que os casos de uso estejam documentados com o gabarito proposto, é possível a identificação das RNs mediante aplicação de alguns critérios. Na Tabela 1 são apresentados os critérios de identificação e subseqüente classificação das RNs. Esses critérios que foram elaborados com o objetivo de extrair as RNs dos casos de uso e classificá-las, tomando como base sua localização nas seções do gabarito mostrado na Figura 2. Tabela 1. Critérios para Identificação e Classificação das Regras de Negócio Tipo de RN Restrições Diretrizes Habilitadoras de Ações Derivação Critério de Identificação -Itens informados na seção Pré-Condições ou Pós-Condições. -Itens informados na seção Informações aos Atores. -Itens informados na seção Gatilhos, que sejam do tipo Diretrizes. -Itens informados na seção Gatilhos e que tenha a função Habilitador. -Itens informados na seção Associações e que a função Habilitador. -Itens informados na seção Gatilhos e que tenham a função Derivação. -Itens informados na seção Associações e que tenham a função Derivação. Com a aplicação desses critérios em todos os casos de uso, obtêm-se o conjunto total de RNs existentes no sistema. Em seguida sugere-se a elaboração de um artefato para registrar as regras que foram identificadas no passo anterior. Esse artefato é mostrado na Tabela 2. Na primeira coluna desse artefato deve ser informado a RN em si, em seguida seu tipo, e o caso de uso que deu origem a ela. Na quarta coluna deve ser informada a seção do caso de uso que gerou a regra e na quinta a identificação da RN. Note-se que esse registro propicia um mapeamento entre as RNs e cada caso de uso que deram origem a elas, auxiliando na rastreabilidade dessas RNs nessas fases iniciais do desenvolvimento. Tabela 2. Relação de Regras de Negócio (por caso de uso) Regra Tipo Caso de Uso Seção Id. RN Restrição Realizar Pré-Condição 1 Duração Reserva Reserva No preenchimento da data de chegada e da data de saída, o número de dias da reserva não deve exceder a 7 Caso o hóspede possua faturas vencidas e não pagas o sistema deverá gerar uma advertência por débitos, na efetivação da reserva. Diretriz Realizar Reserva Gatilho 1 Inadimplência Sugere-se também que as RNs identificadas sejam representadas graficamente como casos de uso. Dessa forma, pode-se ter uma visão mais ampla do sistema e dos

5 relacionamentos que essas RNs mantêm com os demais casos de uso funcionais. Para que os casos de uso referentes às RNs sejam diferenciados dos demais, sugere-se também a utilização do estereótipo <<business rule>> e a criação de visões individuais para as RNs, com o intuito de não poluir o diagrama de casos de uso. Os casos de uso que representam RNs devem ser relacionados aos seus casos de uso base por meio de relacionamentos do tipo Extensão (Extend), uma vez que geralmente as RNs dependem de uma condição para serem acionadas, ou seja, elas representam um comportamento adicional ao caso de uso base. Um exemplo da modelagem de RNs no diagrama de casos de uso é mostrado na Figura 3, no qual o caso de uso base RealizarReserva possui duas RNs nomeadas Inadimplência e DuraçãoReserva. Essa modelagem deve representar a influência de RNs sobre o comportamento de um caso de uso. Pode-se observar que essas RNs foram obtidas a partir do artefato Relação de Regras de Negócio mostrado na Tabela2 e modeladas de acordo com as diretrizes apresentadas anteriormente. Figura 3. Exemplo da modelagem de RNs no diagrama de casos de uso. 4 Trabalhos Relacionados Nos últimos anos a utilização das RNs na engenharia de software gerou diversas linhas distintas de pesquisa, entre elas estão as pesquisas que focam a captura e representação sistemática das RNs bem como sua posterior tradução para códigos de linguagens de programação [7], as que visam a implementação das RNs com a tecnologia Adaptive Object Models [10], as que focam a implementação das RNs por meio de tecnologias específicas, como por exemplo, as linguagens baseadas em regras [8,9]. Existem ainda as pesquisas que sugerem a implementação das RNs com POA [3,5], contudo, focando apenas a implementação do software sem abordar as fases de projeto. E por fim as pesquisas que focam o rastreamento das RNs nos artefatos do software no ambiente OO, como em [1,11]. 5 Considerações Finais e Trabalhos Futuros Nesse trabalho foi apresentada uma abordagem para apoiar a identificação e a classificação das RNs no início do desenvolvimento. Essa abordagem é composta um modelo de gabarito para a documentação dos casos de uso, e pelas diretrizes para a

6 identificação e classificação das RNs, fornecendo apoio para que as próximas etapas do desenvolvimento possam tratá-las de forma separada do núcleo do software. Com a aplicação da abordagem foi observado que as RNs podem ser tratadas de forma separada e independente do núcleo do software. Esse resultado é o inicio de um processo cujo objetivo é apoiar o desenvolvimento das RNs ao longo das fases de projeto do sistema, obtendo-se assim a implementação das RNs de forma separada do núcleo do software, o que resulta em sistemas mais legíveis e manuteníveis Acredita-se que a contribuição principal desse artigo seja a proposta de identificação e classificação das RNs. Fornecendo assim, uma diretriz para o tratamento de RNs nas atividades de análise e projeto, permitindo sua modelagem de forma desvinculada e independente. Como contribuição secundária está a obtenção de uma rastreabilidade entre as RNs identificadas e o caso de uso no qual elas foram identificadas. Referências 1. Bajec, M.; Krisper, M.: A methodology and tool support for managing business rules in organizations, In: Information Systems (2004) 2. Business Rules Group: Defining Business Rules: What Are They Really? Disponível em: 3. Camargo, V. V.; Masiero, P. C.: Frameworks Orientados a Aspectos, In XIX Simpósio Brasileiro de Engenharia de Software, Uberlândia, Brasil (2005) 4. Coleman, D.: A Use Case Template: draft for discussion, Disponível em: citeseer.ist.psu.edu/ html 5. Cibrán, M. A.; Suvée, D.; D Hondt, M.; Vanderperren, W.; Jonckers, V.: Integrating Rules with Object-Oriented Software Applications using Aspect- Oriented Programming. In: Proceedings of the International Conference of the Argentine Society for Computer Science and Operational Research, Córdoba, Argentina (2004) 6. Date, C. J.: What Not How The Business Rules Approach to Application Development. Boston: Addison-Wesley (2000), 7. Morgado, G. P.: Regula Uma Ferramenta para o Gerenciamento de Regras de Negócio. Monografia (Projeto Final de Curso), Universidade Federal do Rio de Janeiro Departamento de Ciência da Computação, Rio de Janeiro, Brasil (2005) 8. Ross, R. G.: Principles of the Business Rule Approach. Boston: Addison-Wesley (2003) 9. Von Halle, B.: Business rules applied: building better systems using the business rules approach. New York: John Wiley & Sons, Inc (2002) 10. Yoder, J.; Balaguer, Federico; Johnson, Ralph: Adaptive Object-Models for Implementing Business Rules. In: Third Workshop on Best-Practices for Business Rules: Design and Implementation OOPSLA 2001, Tampa Bay (2001) 11. Wan-Kadir, W.M.N.; Loucopolos, P.: Relating evolving business rules to software design. In: Journal of Systems Architecture (2004)

Uma Abordagem para Acompanhamento de Regras de Negócio Transversais ao Longo do Desenvolvimento

Uma Abordagem para Acompanhamento de Regras de Negócio Transversais ao Longo do Desenvolvimento Uma Abordagem para Acompanhamento de Regras de Negócio Transversais ao Longo do Desenvolvimento Marco Antonio De Grandi, Valter Vieira de Camargo, Edmundo Sérgio Spoto Centro Universitário Eurípides de

Leia mais

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio 1. Introdução ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio Geraldo Zimbrão da Silva (IM/UFRJ) Victor Teixeira de Almeida (COPPE/UFRJ) Jano Moreira de Souza (COPPE/UFRJ) Francisco Gonçalves Pereira

Leia mais

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software 3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software A tarefa de planejar os ciclos de construção do software pode partir de diretrizes básicas. Estas diretrizes visam orientar que os ciclos de

Leia mais

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto 5. Fase de Projeto A Fase de Projeto caracteriza-se por transformar as informações modeladas durante a Fase de Análise em estruturas arquiteturais de projeto com o objetivo de viabilizar a implementação

Leia mais

Análise de Sistemas. Contextualização. O Sucesso. Aula 4. Instrumentalização. Aula 4. Prof. Emerson Klisiewicz. Clientes satisfeitos

Análise de Sistemas. Contextualização. O Sucesso. Aula 4. Instrumentalização. Aula 4. Prof. Emerson Klisiewicz. Clientes satisfeitos Análise de Sistemas Aula 4 Contextualização Prof. Emerson Klisiewicz Aula 4 Gerenciamento de Requisitos Refinamento de Requisitos Aprovação de Requisitos Matriz de Rastreabilidade O Sucesso Clientes satisfeitos

Leia mais

MARCO ANTONIO DE GRANDI UMA ABORDAGEM DE IDENTIFICAÇÃO E MODELAGEM DE REGRAS DE NEGÓCIO E SEUS RELACIONAMENTOS TRANSVERSAIS

MARCO ANTONIO DE GRANDI UMA ABORDAGEM DE IDENTIFICAÇÃO E MODELAGEM DE REGRAS DE NEGÓCIO E SEUS RELACIONAMENTOS TRANSVERSAIS FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA - UNIVEM MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MARCO ANTONIO DE GRANDI UMA ABORDAGEM DE IDENTIFICAÇÃO E MODELAGEM DE REGRAS

Leia mais

5. Contagem de Pontos de Função no Desenvolvimento de Software utilizando Métodos Ágeis

5. Contagem de Pontos de Função no Desenvolvimento de Software utilizando Métodos Ágeis 5. Contagem de Pontos de Função no Desenvolvimento de Software utilizando Métodos Ágeis Este capítulo descreve orientações, sobre a utilização da métrica Ponto de Função, para medição e remuneração de

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Objetivos da disciplina Descrever o processo de Gerenciamento e Engenharia de Requisitos para projetos Treinar alunos no Gerenciamento de Requisitos Apresentar estudos de caso

Leia mais

Versão 6.04.00 Setembro/2013. Manual de Processos. Módulo Protocolo

Versão 6.04.00 Setembro/2013. Manual de Processos. Módulo Protocolo Versão 6.04.00 Setembro/2013 Manual de Processos Módulo Protocolo 1 1 2 2 Sumário Sumário... 3 Introdução ao Manual de Processos... 4 Conceituado os Processos de Negócio... 5 Estrutura do Manual de Processos...

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

REQUISITOS DE SISTEMAS

REQUISITOS DE SISTEMAS REQUISITOS DE SISTEMAS MÓDULO 2 PROCESSOS DE NEGÓCIOS CONTEÚDO 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS MODELAGEM (BPM e UML) PROCESSOS X REQUISITOS 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES

MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO MODELAGEM DO SISTEMA: DIAGRAMA DE ATIVIDADES FOZ DO IGUAÇU 2013 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável

O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável MAC5715 - Tópicos Avançados em POO O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável Raphael Y. de Camargo e Carlos Alexandre Queiroz 30 de outubro de 2003 1 Intenção O padrão auto-adaptável permite o desenvolvimento

Leia mais

Desenvolvimento de uma Técnica de Inspeção de Diagrama de Estados com apoio dos Diagramas de Atividades descrevendo os Casos de Uso do Software

Desenvolvimento de uma Técnica de Inspeção de Diagrama de Estados com apoio dos Diagramas de Atividades descrevendo os Casos de Uso do Software Desenvolvimento de uma Técnica de Inspeção de Diagrama de Estados com apoio dos Diagramas de Atividades descrevendo os Casos de Uso do Software Karen Miyuki Nakazato Guilherme Horta Travassos {kmn, ght}@cos.ufrj.br

Leia mais

FATEsC - Uma Ferramenta de apoio ao teste estrutural de componentes

FATEsC - Uma Ferramenta de apoio ao teste estrutural de componentes FATEsC - Uma Ferramenta de apoio ao teste estrutural de componentes Vânia Somaio Teixeira 1,2, Marcio Eduardo Delamaro 1, Auri Marcelo Rizzo Vincenzi 3 1 Programa de Pós-graduação em Ciência da Computação

Leia mais

Revista Intellectus Ano VIII Nº. 19

Revista Intellectus Ano VIII Nº. 19 GESTÃO DE REQUISITOS LEGAIS E CONFORMIDADE AMBIENTAL UTILIZANDO O MÉTODO ZOPP Legal requirements and environmental compliance management through Zopp method RIGOLETTO, Ivan de Paula Centro Universitário

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados e Sistemas para Internet Disciplina: Projeto Integrador III Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados e Sistemas para Internet Disciplina: Projeto Integrador III Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados e Sistemas para Internet Disciplina: Projeto Integrador III Prof.: Fernando Hadad Zaidan Ago-2008 1 Gestão de requisitos 2 Bibliografia: PAULA

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil

Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projetos/turma 149 29 de julho de 2015 Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil Flávia Ciqueira

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO

COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO MODELAGEM DA ESTRUTURA LÓGICA DE UM SISTEMA: CLASSES E DIAGRAMAS DE CLASSE FOZ DO IGUAÇU 2013

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 11 APRESENTAÇÃO Nesta aula serão discutidos os conceitos relacionados

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO Jorge Luiz Maria Junior 1 Profa. MSc. Rosangela Kronig 2 Resumo Através dos sistemas de informação, as organizações mundiais buscam práticas

Leia mais

Repositório para o rastreamento de requisitos funcionais derivados de regras de negócio

Repositório para o rastreamento de requisitos funcionais derivados de regras de negócio Repositório para o rastreamento de requisitos funcionais derivados de regras de negócio Adriana Cristina de Melo 1 Paulo Sérgio Muniz Silva 2 Resumo: As mudanças nos negócios de uma empresa levam à adaptação

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados

Leia mais

REGISTRO DE PROJETOS

REGISTRO DE PROJETOS REGISTRO DE PROJETOS 1. REGISTRO DE PROJETOS Esta aplicação tem o objetivo de realizar o Registro de Projetos da Instituição. É possível, incluir, alterar ou excluir essas informações. 1.1. Acessando a

Leia mais

TEXTO: INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

TEXTO: INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL FACENS / IAT Instituto de Aperfeiçoamento Tecnológico Curso de Pós-Graduação MBA Lato-Sensu em: Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental Disciplina: Gerenciamento e Controle Ambiental Carga horária: 24h Prof.

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 2 - ANÁLISE DE REQUISITOS DE SOFTWARE APLICATIVO 1. INTRODUÇÃO Entender os requisitos de um problema está entre as tarefas mais difíceis na construção de um software. Na maioria das vezes o cliente

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DA GESTÃO DA TECNOLOGIA, DA INOVAÇÃO E DA EDUCAÇÃO

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DA GESTÃO DA TECNOLOGIA, DA INOVAÇÃO E DA EDUCAÇÃO SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTE 28 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DA GESTÃO DA TECNOLOGIA, DA INOVAÇÃO E DA EDUCAÇÃO MODELO

Leia mais

Uma Solução Simples e Prática para Gerenciar Requisitos, Visando a Qualidade do Software Guilherme Motta

Uma Solução Simples e Prática para Gerenciar Requisitos, Visando a Qualidade do Software Guilherme Motta Uma Solução Simples e Prática para Gerenciar Requisitos, Visando a Qualidade do Software Guilherme Motta A Dataprev, Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social, é uma empresa pública e tem

Leia mais

Um Modelo Conceitual bem Fundamentado para Adequação do Método FrameWeb a Múltiplos Frameworks

Um Modelo Conceitual bem Fundamentado para Adequação do Método FrameWeb a Múltiplos Frameworks Um Modelo Conceitual bem Fundamentado para Adequação do Método FrameWeb a Múltiplos Frameworks Beatriz Franco Martins Souza (mbeatrizfranco@yahoo.com.br) Computer Science Department Federal University

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA DESENVOLVIMENTO DE AGENTES: UM ESTUDO DE CASO NA MICROECONOMIA

UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA DESENVOLVIMENTO DE AGENTES: UM ESTUDO DE CASO NA MICROECONOMIA UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA DESENVOLVIMENTO DE AGENTES: UM ESTUDO DE CASO NA MICROECONOMIA VANESSA M. BERNY, DIANA F. ADAMATTI, DANIELA FERREIRA GOMES, ANTONIO C. DA ROCHA COSTA RESUMO Este artigo

Leia mais

Avaliando modelos arquiteturais através de um checklist baseado em atributos de qualidade

Avaliando modelos arquiteturais através de um checklist baseado em atributos de qualidade Avaliando modelos arquiteturais através de um checklist baseado em atributos de qualidade Aluno: Rafael Ferreira Barcelos barcelos@cos.ufrj.br Orientador: Guilherme Horta Travassos ght@cos.ufrj.br Nível:

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA-AERONÁUTICA MPS-43: SISTEMAS DE CONTROLE APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Prof. Davi Antônio dos Santos (davists@ita.br) Departamento de Mecatrônica

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas:

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas: 1 2 1 Apresentação Este documento tem por objetivo apresentar orientações para a redação e formatação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) na modalidade de Artigo Científico. Para a elaboração do artigo

Leia mais

Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto

Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto Amaury Bordallo Cruz (PEP/UFRJ) bordalo@ugf.br Elton Fernandes - (Coppe-UFRJ) - elton@pep.ufrj.br Solange Lima (PEP/UFRJ) solangelima@petrobras.com.br

Leia mais

Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional

Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional Lucas Indrusiak, Renato Azevedo, Giovani R. Librelotto UNIFRA Centro Universitário Franciscano Rua dos Andradas, 1614 97.010-032 Santa

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

Integrando o Framework I* com a Gerência de Risco

Integrando o Framework I* com a Gerência de Risco Integrando o Framework I* com a Gerência de Risco Jean Poul Varela¹, Jaelson Castro¹, Victor F. A. Santander² ¹Centro de Informática, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil. {jpv, jbc}@cin.ufpe.br

Leia mais

Engenharia de Software Unidade IX Análise Essencial Abordagem Básica

Engenharia de Software Unidade IX Análise Essencial Abordagem Básica Engenharia de Software Unidade IX Análise Essencial Abordagem Básica franciscogerson10@gmail.com Prof. rancisco Gerson A. de Meneses Conteúdo Programático Introdução Comparação (Estruturada / Essencial)

Leia mais

Política Gestão de Configuração e Mudança

Política Gestão de Configuração e Mudança Política Gestão de Configuração Histórico de Alteração Data Versão Descrição Autor 20/08/2011 1 Versão Inicial Danilo Costa Versão 1 Pág. 2 de 7 Índice 1. POLÍTICA 4 1.1 Aplicabilidade 4 2. CONCEITUAÇÃO

Leia mais

2010 INTERNATIONAL SOFTWARE MEASUREMENT & ANALYSIS CONFERENCE

2010 INTERNATIONAL SOFTWARE MEASUREMENT & ANALYSIS CONFERENCE 2010 INTERNATIONAL SOFTWARE MEASUREMENT & ANALYSIS CONFERENCE Melhoria Contínua - Análise de Pontos de Função como uma Ferramenta de Qualidade Laboratório de Engenharia de Software da PUC Centro de Competência

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Versão 1 MDS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 1 Presidente INCRA Rolf Hackbart Diretor de Gestão Estratégica DE - INCRA Roberto Kiel Coordenador Geral

Leia mais

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Use of UML modeling in a management system for a food franchising Richard B. N. Vital, Tatiane M. Vital.

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS USANDO BPMN (BUSINESS PROCESS MODEL AND NOTATION) E IOT (INTERNET DAS COISAS)

MODELAGEM DE PROCESSOS USANDO BPMN (BUSINESS PROCESS MODEL AND NOTATION) E IOT (INTERNET DAS COISAS) WHITE PAPPER Rafael Fazzi Bortolini Diretor, Cryo Technologies Orquestra BPMS rafael@cryo.com.br Internet das Coisas e Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM) são duas disciplinas ou tendências à primeira

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação DESENVOLVIMENTO DE UMA MÉTRICA DE COMPLEXIDADE DE REQUISITOS

8º Congresso de Pós-Graduação DESENVOLVIMENTO DE UMA MÉTRICA DE COMPLEXIDADE DE REQUISITOS 8º Congresso de Pós-Graduação DESENVOLVIMENTO DE UMA MÉTRICA DE COMPLEXIDADE DE REQUISITOS Autor(es) CARLOS ROBERTO PAVIOTTI Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS 1. Introdução A crescente evolução

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DE CURSO INTRA-UNIDADE

COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DE CURSO INTRA-UNIDADE PROJETO PEDAGÓGICO I. PERFIL DO GRADUANDO O egresso do Bacharelado em Economia Empresarial e Controladoria deve ter sólida formação econômica e em controladoria, além do domínio do ferramental quantitativo

Leia mais

Fasci-Tech MAPEAMENTO DOS PROCESSOS DE NEGÓCIO PARA DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Fasci-Tech MAPEAMENTO DOS PROCESSOS DE NEGÓCIO PARA DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO MAPEAMENTO DOS PROCESSOS DE NEGÓCIO PARA DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Resumo: Carlos Alberto dos Santos 1 Profa. MSc. Rosangela Kronig 2 Abstract: Num ambiente globalizado e em constante

Leia mais

Análise e Projeto OO com UML. Lição 3 Especificação e Modelagem de Requisitos com UML

Análise e Projeto OO com UML. Lição 3 Especificação e Modelagem de Requisitos com UML Análise e Projeto OO com UML Lição 3 Especificação e Modelagem de Requisitos com UML Prof. Fábio Bianchi Campos 1 Objetivos Gerais Apresentar as características básicas de uma especificação de requisitos;

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

Resolução da lista de exercícios de casos de uso

Resolução da lista de exercícios de casos de uso Resolução da lista de exercícios de casos de uso 1. Explique quando são criados e utilizados os diagramas de casos de uso no processo de desenvolvimento incremental e iterativo. Na fase de concepção se

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

Framework para jogos de cartas

Framework para jogos de cartas Framework para jogos de cartas por André Luís Knabben e Thiago Robert Professor Doutor Ricardo Pereira e Silva Orientador Resumo Projetar artefatos de software visando a reusabilidade é uma tarefa complexa.

Leia mais

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Ana Carolina Oliveira Santos Carlos Eduardo Sanches Da Silva Resumo: O sistema de custos

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

Elicitação de requisitos e análise

Elicitação de requisitos e análise Elicitação de requisitos e análise Esta atividade divide-se em dois esforços maiores: Elicitação dos requisitos em si Técnicas de elicitação Análise do que foi elicitado Processo de análise 1 Que é um

Leia mais

Diagnóstico de Processos em Organizações Intensivas em Software Usando um Sistema Especialista

Diagnóstico de Processos em Organizações Intensivas em Software Usando um Sistema Especialista Computer on the Beach 2015 - Artigos Completos 169 Diagnóstico de Processos em Organizações Intensivas em Software Usando um Sistema Especialista Chaiene M. da Silva Minella¹, Marcello Thiry¹, Anita da

Leia mais

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF

Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Utilizando os Diagramas da UML (Linguagem Unificada de Modelagem) para desenvolver aplicação em JSF Ben-Hur de Sousa Lopes¹, Jaime William Dias¹ ¹Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí Paraná Brasil

Leia mais

Tópicos Avançados em Engenharia de Software

Tópicos Avançados em Engenharia de Software Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Matemática e Computação Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Tópicos Avançados em Engenharia de Software Padrões e Frameworks (Aula 01-

Leia mais

Código Revisão Data Emissão Aprovação PPG 1.0 18/02/2016 HS - RC RCA SUMÁRIO

Código Revisão Data Emissão Aprovação PPG 1.0 18/02/2016 HS - RC RCA SUMÁRIO Código Revisão Data Emissão Aprovação PPG 1.0 18/02/2016 HS - RC RCA Título: Política de Controles Internos Riscos Corporativos SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. PRINCÍPIOS... 2 3. ABRANGÊNCIA... 2 4. DEFINIÇÕES...

Leia mais

Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br

Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br Apoio à Decisão Gerencial na Alocação de Recursos Humanos em Projetos de Software Ahilton Silva Barreto ahilton@cos.ufrj.br Orientadores: Márcio de Oliveira Barros e Cláudia Maria Lima Werner {marcio,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ELABORAÇÃO DE PROJETOS Unidade II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA Profa. Eliane Gomes Rocha Pesquisa em Serviço Social As metodologias qualitativas de pesquisa são utilizadas nas Ciências Sociais e também no Serviço Social,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Relatório Final - MS777 Modelagem matemático/probabilística dos módulos acústicos e de linguagem de sistemas

Leia mais

O Processo de Engenharia de Requisitos

O Processo de Engenharia de Requisitos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo de Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 2o.

Leia mais

PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA. Alexandre Painhas

PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA. Alexandre Painhas PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA Alexandre Painhas Referencial Teórico Instrumento que objetiva a elaboração do planejamento da informatica na organização, com objetivo de servir de apoio aos processos de

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Fábio Levy Siqueira 1 and Paulo Sérgio Muniz Silva 2 1 Programa de Educação Continuada da Poli-USP, São Paulo, Brazil 2 Escola Politécnica

Leia mais

Etapas de elaboração de um plano de contingência para a área de tecnologia da informação em âmbito corporativo

Etapas de elaboração de um plano de contingência para a área de tecnologia da informação em âmbito corporativo Etapas de elaboração de um plano de contingência para a área de tecnologia da informação em âmbito corporativo 1 Prof. Me. Washington Lopes da Silva Mestre em Engenharia Elétrica Concentração em Engenharia

Leia mais

Ferramentas para Uso e Publicação de Dados Abertos por Movimentos Sociais: uma abordagem participativa

Ferramentas para Uso e Publicação de Dados Abertos por Movimentos Sociais: uma abordagem participativa Ferramentas para Uso e Publicação de Dados Abertos por Movimentos Sociais: uma abordagem participativa Alan Freihof Tygel Greco PPGI NCE & IM UFRJ Defesa de Qualificação de Doutorado 23/05/2014 Orientadora:

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

Arquitetura Proposta

Arquitetura Proposta Componentização e Integração de Sistemas de Informação em Saúde de Grande Porte Bianca de Oliveira Spazziani 1, Fabiane Bizinella Nardon 1 1 Fundação Atech / Vidatis Sistemas de Informação em Saúde, São

Leia mais

A construção de um manual sobre a utilização dos modelos também poderá alavancar o uso das representações. Este conteria a explicação detalhada da

A construção de um manual sobre a utilização dos modelos também poderá alavancar o uso das representações. Este conteria a explicação detalhada da 6 Conclusões No âmbito do framework teórico da Engenharia Semiótica, este trabalho faz parte de um esforço conjunto para desenvolver ferramentas epistêmicas que apóiem a reflexão do designer durante o

Leia mais

Indicadores de Desempenho associados a Mapeamento de Processos: Estudo de Caso em Instituição Pública Brasileira

Indicadores de Desempenho associados a Mapeamento de Processos: Estudo de Caso em Instituição Pública Brasileira Indicadores de Desempenho associados a Mapeamento de Processos: Estudo de Caso em Instituição Pública Brasileira Monica Rottmann de Biazzi (DEP/EPUSP) monica.rottmann@poli.usp.br Antonio Rafael Namur Muscat

Leia mais

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes

UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes UML: Diagrama de Casos de Uso, Diagrama de Classes Diagrama de Casos de Uso O modelo de casos de uso visa responder a pergunta: Que usos (funcionalidades) o sistema terá? ou Para que aplicações o sistema

Leia mais

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS Fabiana Fraga Ferreira Bacharelanda em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP Conceitos RUP RUP, abreviação de Rational Unified Process (ou Processo Unificado da Rational), é um processo de Engenharia de software criado pela Rational Software Corporation(a qual foi incorporada pela

Leia mais

ESTENDENDO A UML PARA REPRESENTAR RESTRIÇÕES DE INTEGRIDADE

ESTENDENDO A UML PARA REPRESENTAR RESTRIÇÕES DE INTEGRIDADE ESTENDENDO A UML PARA REPRESENTAR RESTRIÇÕES DE INTEGRIDADE Fabiana Gomes Marinho Faculdade Lourenço Filho Resumo: Na UML, a modelagem conceitual dos dados é descrita pelo diagrama de classes, que através

Leia mais

Boas práticas, vedações e orientações para contratação de serviços de desenvolvimento e manutenção de software (Fábrica de Software)

Boas práticas, vedações e orientações para contratação de serviços de desenvolvimento e manutenção de software (Fábrica de Software) MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Tecnologia da Informação Departamento de Infraestrutura e Serviços de Tecnologia da Informação Departamento de Governança e Sistemas de Informação

Leia mais

Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído

Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ana Paula Chaves 1, Jocimara Segantini Ferranti 1, Alexandre L Erário 1, Rogério

Leia mais

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 Alexandre Nixon Soratto, Msc. (INMETRO) ansoratto@inmetro-sc.gov.br Gregório Varvakis, PhD. (UFSC) grego@egc.ufsc.br Resumo

Leia mais

Engenharia de Requisitos de Software

Engenharia de Requisitos de Software Engenharia de Requisitos de Software Marcelo Otone Aguiar, MSc, PMP PROJETOS 1 O que é Projeto Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. PMI

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO BALANCED SCORECARD EM EMPRESAS SEM FINS LUCRATIVOS: UM ESTUDO DE CASO

A UTILIZAÇÃO DO BALANCED SCORECARD EM EMPRESAS SEM FINS LUCRATIVOS: UM ESTUDO DE CASO A UTILIZAÇÃO DO BALANCED SCORECARD EM EMPRESAS SEM FINS LUCRATIVOS: UM ESTUDO DE CASO Rogério Teixeira Mâsih, M. Sc. Universidade Federal de Santa Catarina masih@eps.ufsc.br Sidnei Vieira Marinho, M. Sc.

Leia mais

Ambiente Autodesk para engenharia multidisciplinar

Ambiente Autodesk para engenharia multidisciplinar Kleber Souza Bastos EngMEX A busca pelo aumento de produtividade e pela melhoria continua de qualidade levou ao largo uso de ferramentas de apoio. Com isso surgiram inúmeras ferramentas para aplicações

Leia mais

Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2

Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2 Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2 Prof. Francisco Gerson A. de Meneses Diagramas de Interação... O diagrama de interação na verdade é um termo genérico aplicado à junção de dois outros diagramas:

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

O modelo Entidade-Relacionamento. Agenda: -Modelagem de dados utilizando O Modelo Entidade-Relacionamento

O modelo Entidade-Relacionamento. Agenda: -Modelagem de dados utilizando O Modelo Entidade-Relacionamento O modelo Entidade-Relacionamento Agenda: -Modelagem de dados utilizando O Modelo Entidade-Relacionamento 1 Antes de começarmos: A modelagem conceitual é uma fase muito importante no plamejamento de um

Leia mais

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Frameworks Pasteur Ottoni de Miranda Junior 1-Definição Apesar do avanço das técnicas de desenvolvimento de software, a construção de software ainda é um processo extremamente complexo.a reutilização tem

Leia mais

Gestão de Riscos. Risco

Gestão de Riscos. Risco Gestão de Riscos A crescente importância da TI para os processos de negócio de uma empresa trouxe em paralelo, também, um aumento de problemas de segurança em relação à informação. Assim, a necessidade

Leia mais

Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software. Eduardo Barbosa da Costa

Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software. Eduardo Barbosa da Costa Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software Eduardo Barbosa da Costa Juiz de Fora, MG Julho de 2008 Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software

Leia mais

Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes

Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes Ana Paula Blois 1, 2, Karin Becker 2, Cláudia Werner 1 1 COPPE/UFRJ, Universidade Federal do Rio de Janeiro,

Leia mais