Usando RDL para Derivação de Produtos em uma Linha de Produtos de Software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Usando RDL para Derivação de Produtos em uma Linha de Produtos de Software"

Transcrição

1 Usando RDL para Derivação de Produtos em uma Linha de Produtos de Software Juliano Dantas Santos Universidade Federal do Rio de Janeiro COPPE - Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Disciplina: Tópicos Especiais de Engenharia de Software I 22 de março de / 22

2 Motivação do trabalho Derivar produtos em LPS não é uma tarefa fácil. Grande quantidade de parâmetros e dependências impĺıcitas. Suporte automatizado é uma necessidade para gerenciar a complexidade e a variabilidade inerente a uma LPS. Além disto, a automatização também contribuirá na qualidade do produto, no time-to-market e até na redução do custo final dos produtos. 2 / 22

3 Motivação do trabalho Derivar produtos em LPS não é uma tarefa fácil. Grande quantidade de parâmetros e dependências impĺıcitas. Suporte automatizado é uma necessidade para gerenciar a complexidade e a variabilidade inerente a uma LPS. Além disto, a automatização também contribuirá na qualidade do produto, no time-to-market e até na redução do custo final dos produtos. 2 / 22

4 Motivação do trabalho Derivar produtos em LPS não é uma tarefa fácil. Grande quantidade de parâmetros e dependências impĺıcitas. Suporte automatizado é uma necessidade para gerenciar a complexidade e a variabilidade inerente a uma LPS. Além disto, a automatização também contribuirá na qualidade do produto, no time-to-market e até na redução do custo final dos produtos. 2 / 22

5 Motivação do trabalho Derivar produtos em LPS não é uma tarefa fácil. Grande quantidade de parâmetros e dependências impĺıcitas. Suporte automatizado é uma necessidade para gerenciar a complexidade e a variabilidade inerente a uma LPS. Além disto, a automatização também contribuirá na qualidade do produto, no time-to-market e até na redução do custo final dos produtos. 2 / 22

6 Objetivos RDL (Reuse Description Language) [Oliveira 07] poderá facilitar a derivação de produtos? Sim. Como? Quais as limitações? Parcialmente. O que pode ser acrescentado ou alterado na linguagem para que ela facilite esta derivação? 3 / 22

7 Objetivos RDL (Reuse Description Language) [Oliveira 07] poderá facilitar a derivação de produtos? Sim. Como? Quais as limitações? Parcialmente. O que pode ser acrescentado ou alterado na linguagem para que ela facilite esta derivação? 3 / 22

8 Objetivos RDL (Reuse Description Language) [Oliveira 07] poderá facilitar a derivação de produtos? Sim. Como? Quais as limitações? Parcialmente. O que pode ser acrescentado ou alterado na linguagem para que ela facilite esta derivação? 3 / 22

9 Trabalhos Relacionados MetaCase: baseado em DSL (Domain Specific Languages). Chastek: baseado em linguagem natural. Kang: baseado em Modelo de Características (Features Model). Diaz: baseado em AHEAD-TS e em scripts ant ou makefiles. 4 / 22

10 Trabalhos Relacionados MetaCase: baseado em DSL (Domain Specific Languages). Chastek: baseado em linguagem natural. Kang: baseado em Modelo de Características (Features Model). Diaz: baseado em AHEAD-TS e em scripts ant ou makefiles. 4 / 22

11 Trabalhos Relacionados MetaCase: baseado em DSL (Domain Specific Languages). Chastek: baseado em linguagem natural. Kang: baseado em Modelo de Características (Features Model). Diaz: baseado em AHEAD-TS e em scripts ant ou makefiles. 4 / 22

12 Trabalhos Relacionados MetaCase: baseado em DSL (Domain Specific Languages). Chastek: baseado em linguagem natural. Kang: baseado em Modelo de Características (Features Model). Diaz: baseado em AHEAD-TS e em scripts ant ou makefiles. 4 / 22

13 Linha de Produtos de Software (LPS) Definição de LPS É um conjunto de sistemas compartilhando um conjunto de características comuns e gerenciáveis, que satisfazem às necessidades específicas de um segmento de mercado particular, e que são desenvolvidos a partir de um conjunto comum de artefatos de uma forma prescritiva [Clements 02a]. 5 / 22

14 Como funciona uma LPS? 6 / 22

15 Plano de Produção de LPS Ele é composto por várias seções, mas iremos nos concentrar no roteiro de produção em si. 7 / 22

16 RDL Reuse Description Language É uma linguagem de descrição de reuso que é utilizada para especificar processos de reuso de modelos (design) orientados por objetos. Ela pode ser utilizada para determinar, através de um roteiro (script), o processo de instanciação de framework OO. 8 / 22

17 Ambiente de RDL: ReuseTool 9 / 22

18 Principais comandos de RDL Comando Sintaxe Criação de Classe NEW CLASS(Class) Criação de Método NEW METHOD(Class, operation) Criação de Atributo NEW ATTRIBUTE(Class, attribute) Definição de Herança NEW INHERITANCE(Class,ChildClass) Atribuição de Código ADD CODE(Class, operation, code) Escolha de Elemento ELEMENT CHOICE(Class.component) Comando de Extensão CLASS EXTENSION(Class, NewClass) Seleção de Extensão SELECT CLASS EXTENSION(Class) Extensão de Método METHOD EXTENSION(Class, newmethod, ChildClass) Atribuição de Valor VALUE ASSIGNMENT(Class, attribute, newvalue) Seleção de Valor VALUE SELECTION(Class, attribute, values) Interação com o usuário? [Por exemplo, CLASS EXTENSION(Class,?)] Recuperaçao de Pacote RETRIEVE PACKAGE(Package) Recuperação de Classe RETRIEVE CLASS(Class) 10 / 22

19 Características de RDL 1. Permite a automatização. 2. Permite a manipulação de modelo de design. 3. Possibilita a interação com reutilizador. 4. Permite extensibilidade do modelo de design. 5. Pode ser usada de um forma prescritiva para o processo de instanciação de Frameworks OO. 11 / 22

20 Características de RDL 1. Permite a automatização. 2. Permite a manipulação de modelo de design. 3. Possibilita a interação com reutilizador. 4. Permite extensibilidade do modelo de design. 5. Pode ser usada de um forma prescritiva para o processo de instanciação de Frameworks OO. 11 / 22

21 Características de RDL 1. Permite a automatização. 2. Permite a manipulação de modelo de design. 3. Possibilita a interação com reutilizador. 4. Permite extensibilidade do modelo de design. 5. Pode ser usada de um forma prescritiva para o processo de instanciação de Frameworks OO. 11 / 22

22 Características de RDL 1. Permite a automatização. 2. Permite a manipulação de modelo de design. 3. Possibilita a interação com reutilizador. 4. Permite extensibilidade do modelo de design. 5. Pode ser usada de um forma prescritiva para o processo de instanciação de Frameworks OO. 11 / 22

23 Características de RDL 1. Permite a automatização. 2. Permite a manipulação de modelo de design. 3. Possibilita a interação com reutilizador. 4. Permite extensibilidade do modelo de design. 5. Pode ser usada de um forma prescritiva para o processo de instanciação de Frameworks OO. 11 / 22

24 O que foi feito? 1. Identificação de trabalhos relacionados (automatização de PLPP usando DSL - Domain-specific languages). 2. Automatizar a derivação de produtos na Linha de Produtos para E-commerce, proposta por [Gomaa 04], onde a arquitetura de referência é OO e o modelo de design é UML. 12 / 22

25 O que foi feito? 1. Identificação de trabalhos relacionados (automatização de PLPP usando DSL - Domain-specific languages). 2. Automatizar a derivação de produtos na Linha de Produtos para E-commerce, proposta por [Gomaa 04], onde a arquitetura de referência é OO e o modelo de design é UML. 12 / 22

26 Descrição da LPS para E-commerce Foi proposta por [Gomaa 04] para ilustrar como UML pode ser usada para representar LPS s. Basicamente, é um LPS para criar dois tipos de sistemas: B2B (Business-to-Business) e B2C (Business-to-Customer). 13 / 22

27 Descrição da LPS para E-commerce Foi proposta por [Gomaa 04] para ilustrar como UML pode ser usada para representar LPS s. Basicamente, é um LPS para criar dois tipos de sistemas: B2B (Business-to-Business) e B2C (Business-to-Customer). 13 / 22

28 Modelo do Produto B2B 14 / 22

29 Modelo do Produto B2C 15 / 22

30 Modelo da LPS para E-commerce 16 / 22

31 Modelo da LPS para E-commerce 17 / 22

32 Pseudo-código 01. KERNEL() 02. IF (B2B) 03. variabilidadeb2b() 04. ELSE 05. variabilidadeb2c() IF (WHOLESALER) 08. opcionalws() 18 / 22

33 Conclusões O foco de RDL é instanciar framework OO (extensibilidade). Em geral, LPS possui um modelo bem definido. Derivar um produto, na maioria das vezes, significa fazer um corte neste modelo (seleção de classes). RDL deverá suportar bem novos recursos linguísticos (RETRIEVE CLASS, por exemplo), para permitir uma melhor derivação de produtos em LPS. 19 / 22

34 Conclusões O foco de RDL é instanciar framework OO (extensibilidade). Em geral, LPS possui um modelo bem definido. Derivar um produto, na maioria das vezes, significa fazer um corte neste modelo (seleção de classes). RDL deverá suportar bem novos recursos linguísticos (RETRIEVE CLASS, por exemplo), para permitir uma melhor derivação de produtos em LPS. 19 / 22

35 Conclusões O foco de RDL é instanciar framework OO (extensibilidade). Em geral, LPS possui um modelo bem definido. Derivar um produto, na maioria das vezes, significa fazer um corte neste modelo (seleção de classes). RDL deverá suportar bem novos recursos linguísticos (RETRIEVE CLASS, por exemplo), para permitir uma melhor derivação de produtos em LPS. 19 / 22

36 O que poderá ser feito? RDL poderá ser estendida para dar um aspecto mais dinâmico ao processo de derivação das LPS. Um ambiente poderá ser proposto para atender a esta demanda. 20 / 22

37 O que poderá ser feito? RDL poderá ser estendida para dar um aspecto mais dinâmico ao processo de derivação das LPS. Um ambiente poderá ser proposto para atender a esta demanda. 20 / 22

38 Principais referências Chastek 02 Chastek, G. and McGregor, J., Guidelines for Developing a Product Line Production Plan, Technical Report, CMU/SEI, McGregor 05 McGregor, J., Preparing for Automated Derivation of Products in a Software Product Line, Technical Report, CMU/SEI, Gomaa 07 Gomaa, H., Automated Software Product Line Engineering and Product Derivation, The 40th Hawaii International Conference on System Sciences, Oliveira 07 Oliveira, T., Alencar, P., Lucena, C. and Cowan, D., RDL: A language for framework instantiation representation, The Journal of Systems and Software, Gomaa 04 Gomaa, H., Designing Software Product Lines with UML: From Use Cases to Pattern-Based Software Architectures, Addison Wesley Longman Publishing Co., Inc., / 22

39 Dúvidas ou Sugestões 22 / 22

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web } Com o forte crescimento do comércio eletrônico por

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software Linhas de Produtos de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Linhas de Produtos de Software Processo de Desenvolvimento de Software Linhas de Produtos de Software Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Departamento Acadêmico de Gestão e Tecnologia da Informação

Leia mais

Linha de Produtos de Software (SPL) em Java: Teoria e Prática

Linha de Produtos de Software (SPL) em Java: Teoria e Prática Linha de Produtos de Software (SPL) em Java: Teoria e Prática Prof. Me. Djan Almeida Santos Prof. Me. Pablo Freire Matos Slides baseados no material elaborado pelos professores: Ingrid Oliveira de Nunes,

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

SYSTEM-ENV: PLANEJAMENTO AUTOMATIZADO DE AVALIAÇÃO DE LINHAS DE PRODUTO DE SOFTWARE

SYSTEM-ENV: PLANEJAMENTO AUTOMATIZADO DE AVALIAÇÃO DE LINHAS DE PRODUTO DE SOFTWARE SYSTEM-ENV: PLANEJAMENTO AUTOMATIZADO DE AVALIAÇÃO DE LINHAS DE PRODUTO DE SOFTWARE André Felipe 1; Anderson da Silva Marcolino 2; Edson A. Oliveira Junior 3 RESUMO: Linha de Produto de Software (LPS)

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Um Componente de Gerenciamento de Execução de Workflow Segundo a Abordagem de Linha de Produto de Software

Um Componente de Gerenciamento de Execução de Workflow Segundo a Abordagem de Linha de Produto de Software Um Componente de Gerenciamento de Execução de Workflow Segundo a Abordagem de Linha de Produto de Software Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Radames J. Halmeman 1 radames@cm.cefetpr.br Fabrício R.

Leia mais

Introduzindo Variabilidade no Desenvolvimento de Sistemas Multi-Agentes

Introduzindo Variabilidade no Desenvolvimento de Sistemas Multi-Agentes Introduzindo Variabilidade no Desenvolvimento de Sistemas Multi-Agentes Aluno: Guilherme Nascimento Pate Santos Orientadores: Carlos José Pereira de Lucena Ricardo Choren Noya gsantos@inf.puc-rio.br, lucena@inf.puc-rio.br,

Leia mais

Uma Abordagem de Engenharia de Requisitos Para Linhas de Produtos de Software

Uma Abordagem de Engenharia de Requisitos Para Linhas de Produtos de Software Uma Abordagem de Engenharia de Requisitos Para Linhas de Produtos de Software Gabriela Guedes de Souza, Jaelson Castro e Carla Silva ggs@cin.ufpe.br, jbc@cin.ufpe.br, carla@dce.ufpb.br DEPARTAMENTO DE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software. Eduardo Barbosa da Costa

Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software. Eduardo Barbosa da Costa Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software Eduardo Barbosa da Costa Juiz de Fora, MG Julho de 2008 Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software

Leia mais

MODELAGEM DE UM SUBSISTEMA IMOBILIÁRIO UTILIZANDO LINHAS DE PRODUTO DE SOFTWARE MODELING A REAL ESTATE SUBSYSTEM USING SOFTWARE PRODUCT LINES

MODELAGEM DE UM SUBSISTEMA IMOBILIÁRIO UTILIZANDO LINHAS DE PRODUTO DE SOFTWARE MODELING A REAL ESTATE SUBSYSTEM USING SOFTWARE PRODUCT LINES MODELAGEM DE UM SUBSISTEMA IMOBILIÁRIO UTILIZANDO LINHAS DE PRODUTO DE SOFTWARE MODELING A REAL ESTATE SUBSYSTEM USING SOFTWARE PRODUCT LINES Silvia Ribeiro Mantuani 1 ; Fernando Henrique Campos 2 ; Vinícius

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE PROJETO ARQUITETURAL BASEADO EM COMPONENTES NO CONTEXTO DE ENGENHARIA DE DOMÍNIO

UMA ABORDAGEM DE PROJETO ARQUITETURAL BASEADO EM COMPONENTES NO CONTEXTO DE ENGENHARIA DE DOMÍNIO 231 UMA ABORDAGEM DE PROJETO ARQUITETURAL BASEADO EM COMPONENTES NO CONTEXTO DE ENGENHARIA DE DOMÍNIO Ana Paula Terra Bacelo Resumo Reuso de software é considerada uma forma eficiente de aumentar a produtividade

Leia mais

Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes

Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes Ana Paula Blois 1, 2, Karin Becker 2, Cláudia Werner 1 1 COPPE/UFRJ, Universidade Federal do Rio de Janeiro,

Leia mais

Introdução ao Design

Introdução ao Design Introdução ao Design João Arthur e Guilherme Germoglio Coordenação de Pós-graduação em Informática - COPIN 16/10/2008 João Arthur e Guilherme Germoglio 1/ 33 Roteiro 1 Introdução Objetivos 2 Definições

Leia mais

2 Engenharia de Software

2 Engenharia de Software 20 2 Engenharia de Software 2.1 Design de Sistemas Orientados a Objetos Os Sistemas Orientados a Objetos não são mais novidade hoje em dia já estando há muitos anos no mercado. A orientação a objetos permite

Leia mais

7 Trabalhos Relacionados A idéia é tentar dar todas as informações que ajudem os outros a julgar o valor da sua contribuição; não apenas as informações que levem o julgamento a uma direção em particular.

Leia mais

Padrões de projeto 1

Padrões de projeto 1 Padrões de projeto 1 Design Orientado Objeto Encapsulamento Herança Polimorfismo Design Patterns 2 Responsabilidades Booch e Rumbaugh Responsabilidade é um contrato ou obrigação de um tipo ou classe. Dois

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

Engenharia de Domínio baseada na Reengenharia de Sistemas Legados

Engenharia de Domínio baseada na Reengenharia de Sistemas Legados 1021 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Engenharia de Domínio baseada na Reengenharia de Sistemas Legados Cássia Zottis¹, Profa. Dra. Ana Paula Terra Bacelo 1 (orientadora) 1 Faculdade de Informática,

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Histórico: Linha de Produção. Linha de Produtos de Software. Reuso vs. Customização. Mercado Competitivo. Linha de Produtos de Software

Histórico: Linha de Produção. Linha de Produtos de Software. Reuso vs. Customização. Mercado Competitivo. Linha de Produtos de Software DCC / ICEx / UFMG Histórico: Linha de Produção Linha de Produtos de Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Produtos em geral eram feitos manualmente Com o crescimento do consumo,

Leia mais

Avaliando modelos arquiteturais através de um checklist baseado em atributos de qualidade

Avaliando modelos arquiteturais através de um checklist baseado em atributos de qualidade Avaliando modelos arquiteturais através de um checklist baseado em atributos de qualidade Aluno: Rafael Ferreira Barcelos barcelos@cos.ufrj.br Orientador: Guilherme Horta Travassos ght@cos.ufrj.br Nível:

Leia mais

Linhas de Produtos de Software. Professor: Uirá DIMAp / UFRN, 2009.2

Linhas de Produtos de Software. Professor: Uirá DIMAp / UFRN, 2009.2 Linhas de Produtos de Software Professor: Uirá DIMAp / UFRN, 2009.2 Aula 4: Modelagem de Variabilidades em Requisitos Modelagem de Requisitos Documentação textual Não limita a expressividade dos requisitos

Leia mais

Agenda da Aula. Resumo dos Padrões (Aula 4) Padrões Arquiteturais. Arquitetura Cliente-Servidor. Arquitetura Cliente-Servidor

Agenda da Aula. Resumo dos Padrões (Aula 4) Padrões Arquiteturais. Arquitetura Cliente-Servidor. Arquitetura Cliente-Servidor Reuso de Software Aula 05 Agenda da Aula Linha de Produtos de Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo reuso.software@gmail.com 19 Março 2012 Padrões arquiteturais Cliente-Servidor

Leia mais

Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos

Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos Universidade Federal de Uberlândia Rodrigo Reis Pereira Prof. Dr. Marcelo Almeida Maia Agenda Motivação Introdução Modelagem

Leia mais

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR. CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior II - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR. CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior II - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROVA DE NÍVEL SUPERIOR CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior II - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1. O ambiente Delphi suporta o desenvolvimento de aplicações orientadas a objetos por meio da linguagem Object

Leia mais

Eclipse Process Framework

Eclipse Process Framework Ins>tuto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Natal- Central Diretoria Acadêmica de Gestão e Tecnologia da Informação Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO EM DIREÇÃO A UMA SEMÂNTICA DA LINGUAGEM DE DESCRIÇÃO DE REUSO EM UML/OCL

Leia mais

Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação

Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação Em Busca de uma Arquitetura de Referência para Frameworks de Aplicação Dirigidos por Modelos para Sistemas de Informação Valdemar Vicente GRACIANO NETO 1 ; Juliano Lopes DE OLIVEIRA 1 1 Instituto de Informática

Leia mais

Arquitetura de Software. Silvia Regina Vergilio

Arquitetura de Software. Silvia Regina Vergilio Arquitetura de Software Silvia Regina Vergilio Atividades de Projeto Projeto Geral ou Preliminar: fase que traduz a especificação do sistema em termos da arquitetura de dados e de módulos. Descreve a organização

Leia mais

Comparando Modelos Arquiteturais de Sistemas Legados para Apoiar a Criação de Arquiteturas de Referência de Domínio

Comparando Modelos Arquiteturais de Sistemas Legados para Apoiar a Criação de Arquiteturas de Referência de Domínio SBCARS 2007 Comparando Modelos Arquiteturais de Sistemas Legados para Apoiar a Criação de Arquiteturas de Referência de Domínio Aline P. V. de Vasconcelos 1,2, Guilherme Z. Kümmel 1, Cláudia M. L. Werner

Leia mais

Análise qualitativa sobre as metodologias do desenvolvimento de software em product in line.

Análise qualitativa sobre as metodologias do desenvolvimento de software em product in line. Relatório do GPES UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Relatório referente à pesquisa preliminar da análise qualitativa sobre as metodologias de desenvolvimento de software baseado em product in

Leia mais

Relatório do GPES. Arquitetura Geral do Framework

Relatório do GPES. Arquitetura Geral do Framework Relatório do GPES UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Relatório referente ao desenvolvimento da arquitetura geral do framework de preço de venda. Realizado no período de 29 de junho de 2010 a 30

Leia mais

Engenharia Reversa para Recuperação de Modelos de Sistemas Desenvolvidos em PL/SQL

Engenharia Reversa para Recuperação de Modelos de Sistemas Desenvolvidos em PL/SQL Engenharia Reversa para Recuperação de Modelos de Sistemas Desenvolvidos em PL/SQL Rodnei Couto 1, Luana Lachtermacher 1, Soeli Fiorini 1, Akeo Tanabe 1, Gustavo Carvalho 1, Arndt von Staa 1, Ricardo Choren

Leia mais

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira SOA - Service Oriented Architecture Marcelo Canevello Ferreira Índice Arquitetura baseada em componentes Introdução a SOA Principais conceitos de SOA SOA Framework Abordagem de integração Conclusões Evolução

Leia mais

Elaboração de Especificações de Casos de Uso para Linhas de Produto de Software Baseada em Fragmentos

Elaboração de Especificações de Casos de Uso para Linhas de Produto de Software Baseada em Fragmentos Elaboração de Especificações de Casos de Uso para Linhas de Produto de Software Baseada em Fragmentos Diego O. Araújo 1, Eber A. Schmitz 1, Alexandre L. Correa 1, Antonio J. Alencar 1 1 Programa de Pós-Graduação

Leia mais

PL-SCIENCE: CONECTANDO ONTOLOGIAS E MODELOS DE FEATURES EM UMA LINHA DE PRODUTO PARA APLICAÇÕES CIENTÍFICAS

PL-SCIENCE: CONECTANDO ONTOLOGIAS E MODELOS DE FEATURES EM UMA LINHA DE PRODUTO PARA APLICAÇÕES CIENTÍFICAS PL-SCIENCE: CONECTANDO ONTOLOGIAS E MODELOS DE FEATURES EM UMA LINHA DE PRODUTO PARA APLICAÇÕES CIENTÍFICAS Gabriella Castro Barbosa Costa gabriellacbc@gmail.com Orientadores Regina Maria Maciel Braga

Leia mais

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reuso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reutilização de Software Na maioria das áreas de engenharia de software, sistemas são desenvolvidos

Leia mais

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Capítulo 1 Processo de Desenvolvimento de Software Metodologia de Desenvolvimento de Software Uma metodologia é um conjunto de métodos,

Leia mais

Engenharia de Linha de Produtos de Software e o Processo de Análise Automática: uma visão geral

Engenharia de Linha de Produtos de Software e o Processo de Análise Automática: uma visão geral Engenharia de Linha de Produtos de Software e o Processo de Análise Automática: uma visão geral Cristiano Politowski - pesquisador Dr. Fabrícia Roos Frantz - orientadora Agenda SPLE Engenharia de Linha

Leia mais

Diagrama de Classes. Diagrama de Classes. Diagramas de Classe. POST Criando Diagramas de Classe. Como construir (2)

Diagrama de Classes. Diagrama de Classes. Diagramas de Classe. POST Criando Diagramas de Classe. Como construir (2) Diagrama de Classes Diagrama de Classes Modelo de classes de especificação Perspectiva de Projeto Ilustra as especificações de software para as classes e interfaces do sistema. É obtido através da adição

Leia mais

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br)

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Investigando aspectos da geração de novos produtos de software Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Estrutura Parte1. Inovação é igual em software? Parte 2. Processo de Desenvolvimento de Novos Produtos

Leia mais

Proposta de um processo de construção da arquitetura de software para aprendiz

Proposta de um processo de construção da arquitetura de software para aprendiz Proposta de um processo de construção da arquitetura de software para aprendiz Vinícius Fernandes de Jesus 1, Jandira Guenka Palma 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Leia mais

Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos. Principais conceitos

Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos. Principais conceitos Introdução ao Paradigma Orientado a Objetos Principais conceitos Paradigmas de Programação PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA X PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS Paradigma Programação estruturada Na programação estrutura

Leia mais

4ª Parte Processo de Teste

4ª Parte Processo de Teste 4ª Parte Processo de Teste Atividades de preparação Ø Planejamento: define itens a testar, aspectos gerenciais e recursos necessários; para a execução da bateria de testes. Ø Desenho: completa as especificações

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

Um Metamodelo para Variabilidade e Rastreabilidade em Linhas de Produtos de Software

Um Metamodelo para Variabilidade e Rastreabilidade em Linhas de Produtos de Software Um Metamodelo para Variabilidade e Rastreabilidade em Linhas de Produtos de Software Yguaratã Cerqueira Cavalcanti Tema: Engenharia e Arquitetura de Software (Processos, métodos e ferramentas para desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. 2. ORIENTADOR: Prof. Msc. Thelma Elita Colanzi Lopes 3. DEPARTAMENTO: DIN

RELATÓRIO FINAL. 2. ORIENTADOR: Prof. Msc. Thelma Elita Colanzi Lopes 3. DEPARTAMENTO: DIN PPG/PES UEM RELATÓRIO FINAL 1. ACADÊMICO(S) PARTICIPANTE(S): Antonio Carlos Contieri Júnior 2. ORIENTADOR: Prof. Msc. Thelma Elita Colanzi Lopes 3. DEPARTAMENTO: DIN 4. TÍTULO DO PROJETO: Implementação

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Metodologia para a Adaptação de Processos de Software baseada no Modelo SSE-CMM

Metodologia para a Adaptação de Processos de Software baseada no Modelo SSE-CMM Metodologia para a Adaptação de Processos de Software baseada no Modelo SSE-CMM Rosana Wagner, Lisandra Manzoni Fontoura Programa de Pós-Graduação em Informática (PPGI) Centro de Tecnologia Universidade

Leia mais

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Resumo. A fim de flexibilizar o fluxo de controle e o fluxo de dados em Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWf),

Leia mais

MODELAGEM DE UMA SOLUÇÃO DE INTEGRAÇÃO PARA O PROCESSO DE REMATRÍCULA DA UNIVERSIDADE UNIJUÍ 1

MODELAGEM DE UMA SOLUÇÃO DE INTEGRAÇÃO PARA O PROCESSO DE REMATRÍCULA DA UNIVERSIDADE UNIJUÍ 1 MODELAGEM DE UMA SOLUÇÃO DE INTEGRAÇÃO PARA O PROCESSO DE REMATRÍCULA DA UNIVERSIDADE UNIJUÍ 1 Igor G. Haugg 2, Rafael Z. Frantz 3, Fabricia Roos-Frantz 4, Sandro Sawicki 5. 1 Pesquisa de Iniciação em

Leia mais

Linha de Produto de Software

Linha de Produto de Software Linha de Produto de Software Jair C Leite DIMAp/UFRN O que é linha de produto de software? Técnica de produção baseada em outras engenharias fábricas que desenvolvem uma mesma família de produtos com partes

Leia mais

Framework para jogos de cartas

Framework para jogos de cartas Framework para jogos de cartas por André Luís Knabben e Thiago Robert Professor Doutor Ricardo Pereira e Silva Orientador Resumo Projetar artefatos de software visando a reusabilidade é uma tarefa complexa.

Leia mais

Apresentação da disciplina

Apresentação da disciplina Sistemas de Informação I Apresentação da disciplina Nazareno Andrade Objetivo Discutir técnicas avançadas de Análise e Projeto de Software empregadas no desenvolvimento de software focando em melhorar

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

Modelagem Específica de Domínio em Linhas de Produto de Software na Computação Ubíqua

Modelagem Específica de Domínio em Linhas de Produto de Software na Computação Ubíqua Modelagem Específica de Domínio em Linhas de Produto de Software na Computação Ubíqua Eduardo F. Z. Santana, Raphael P. de Oliveira, Antonio F. do Prado, Wanderley L. de Souza, Mauro Biajiz Departamento

Leia mais

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br MC302A Modelagem de Sistemas com UML Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br Modelamento de Sistemas e Orientação a Objetos O paradigma de Orientação a Objetos oferece um conjunto de características

Leia mais

Descrição Geral da Mobile Media

Descrição Geral da Mobile Media Descrição Geral da Mobile Media Mobile Media (YOUNG, 2005) é uma LPS composta por aplicações que manipulam músicas, vídeos e fotos para dispositivos móveis, como celulares e palm tops. Ela provê suporte

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos e Metodologias para Desenvolvimento de Software Cascata, Prototipação, Espiral e RUP Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br

Leia mais

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Frameworks Pasteur Ottoni de Miranda Junior 1-Definição Apesar do avanço das técnicas de desenvolvimento de software, a construção de software ainda é um processo extremamente complexo.a reutilização tem

Leia mais

FA PorT: Um Framework para Sistemas Portfólio-Tutor utilizando Agentes

FA PorT: Um Framework para Sistemas Portfólio-Tutor utilizando Agentes FA PorT: Um Framework para Sistemas Portfólio-Tutor utilizando Agentes Fábio Nicácio de Medeiros, Flávio Mota Medeiros, Arturo Hernández Domínguez Instituto de Computação Universidade Federal de Alagoas

Leia mais

Etapas da Elaboração de um Projeto de Banco de Dados

Etapas da Elaboração de um Projeto de Banco de Dados Etapas da Elaboração de um Projeto de Banco de Dados Apresentar os modelos de dados em rede, hierárquicos, relacionais e orientados a objetos. Demonstrar as etapas de desenvolvimento de um projeto de banco

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Introdução ao Visual Studio VB.Net. Programação Estruturada. Prof. Celso Candido ADS / REDES / ENGENHARIA

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Introdução ao Visual Studio VB.Net. Programação Estruturada. Prof. Celso Candido ADS / REDES / ENGENHARIA Introdução ao Visual Studio VB.Net Programação Estruturada 1 Nesse momento inicial não iremos programar em VB.Net, usando o Visual Studio, mas conhecer alguns comandos e variáveis usadas em uma linguagem

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução a linguagem UML

Leia mais

AIPLE-IS: An Approach to Develop Product Lines for Information Systems Using Aspects

AIPLE-IS: An Approach to Develop Product Lines for Information Systems Using Aspects AIPLE-IS: An Approach to Develop Product Lines for Information Systems Using Aspects Rosana T. Vaccare Braga Fernão S. R. Germano Stanley F. Pacios Paulo C. Masiero Instituto de Ciências Matemáticas e

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Otavio Pereira Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Orientador: Ricardo Pereira e Silva Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Informática e Estatística - INE Florianópolis

Leia mais

A Experiência na Implantação do Processo de Gerência de Reutilização no Laboratório de Engenharia de Software da COPPE/UFRJ

A Experiência na Implantação do Processo de Gerência de Reutilização no Laboratório de Engenharia de Software da COPPE/UFRJ A Experiência na Implantação do Processo de Gerência de Reutilização no Laboratório de Engenharia de Software da COPPE/UFRJ Reinaldo C. Silva Filho 1, Anne Elise Katsurayama 1, Gleison Santos 1, Leonardo

Leia mais

MODELOS DE PROCESSO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

MODELOS DE PROCESSO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com MODELOS DE PROCESSO Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivo Apresentar os modelos de processos de desenvolvimento de software Permitir uma melhor compreensão do processo de desenvolvimento

Leia mais

GERAÇÃO DE SISTEMAS HOSPITALARES EM TEMPO REAL UTILIZANDO LINHAS DE PRODUTO DE SOFTWARE

GERAÇÃO DE SISTEMAS HOSPITALARES EM TEMPO REAL UTILIZANDO LINHAS DE PRODUTO DE SOFTWARE GERAÇÃO DE SISTEMAS HOSPITALARES EM TEMPO REAL UTILIZANDO LINHAS DE PRODUTO DE SOFTWARE Bruno Gomes Araújo 12, Ricardo Alexsandro de Medeiros Valentim 1, Tulio de Paiva Marques Carvalho 13, Robinson Luís

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

Exame de Qualificação para o Doutorado

Exame de Qualificação para o Doutorado Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Exame de Qualificação para o Doutorado EVOLMANAGER:

Leia mais

GERADOR DE APLICAÇÕES WEB BASEADO EM UMA LINGUAGEM DE PADRÕES DEFINIDA EM XML

GERADOR DE APLICAÇÕES WEB BASEADO EM UMA LINGUAGEM DE PADRÕES DEFINIDA EM XML GERADOR DE APLICAÇÕES WEB BASEADO EM UMA LINGUAGEM DE PADRÕES DEFINIDA EM XML GENERATOR WEB APPLICATION BASED ON A PATTERN LANGUAGE DEFINED IN XML Prof. Me Anderson Pazin a.pazin@gmail.com RESUMO Linguagens

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Roteiro Introdução Descrição: Sistema de Ponto de Vendas Casos de Usos Atores Fluxo de Eventos Cenários Formato de Documentação de Casos de Uso Diagramas de Casos de

Leia mais

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE

CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE CASE Orientada a Objetos com Múltiplas Visões e Implementação Automática de Sistemas - MVCASE Tathiana da Silva Barrére Antonio Francisco do Prado Vitor César Bonafe E-mail: (tathiana,prado,bonafe)@dc.ufscar.br

Leia mais

Projeto com Reuso. Projeto com Reuso. Tópicos. Objetivos. Construir o software a partir de componentes reutilizáveis. Traduzidos por Jacinta Pereira

Projeto com Reuso. Projeto com Reuso. Tópicos. Objetivos. Construir o software a partir de componentes reutilizáveis. Traduzidos por Jacinta Pereira Projeto com Reuso Projeto com Reuso Construir o software a partir de componentes reutilizáveis. Traduzidos por Jacinta Pereira Apresentados/Alterados por Rossana Andrade Ian Sommerville 2000 Software Engineering,

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações

Desenvolvimento de Aplicações FV-RAD (Field Values) A Practical Framework for Rapid Application Development Luís Filipe Ferreira 28 de Abril de 2008 Desenvolvimento de Aplicações User Interface - Console - Forms - Web - Mobile UI Logic

Leia mais

Variabilidade em Interfaces de Usuário em Linhas de Produto de Software baseadas na Web: um Estudo Exploratório

Variabilidade em Interfaces de Usuário em Linhas de Produto de Software baseadas na Web: um Estudo Exploratório UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO GUSTAVO SCHMID DE JESUS Variabilidade em Interfaces de Usuário em Linhas de Produto de Software

Leia mais

Uma Abordagem Dinâmica de Linha de Produto para Gestão de Processos de Negócio

Uma Abordagem Dinâmica de Linha de Produto para Gestão de Processos de Negócio Uma Abordagem Dinâmica de Linha de Produto para Gestão de Processos de Negócio Trabalho de Mestrado Roberto dos Santos Rocha (Aluno), Marcelo Fantinato (Orientador) Programa de Pós-graduação em Sistemas

Leia mais

MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java

MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java Leonardo Gresta Paulino Murta Gustavo Olanda Veronese Cláudia Maria Lima Werner {murta, veronese, werner}@cos.ufrj.br COPPE/UFRJ Programa

Leia mais

Programação orientada a objetos usando a linguagem C++ CDTN Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear

Programação orientada a objetos usando a linguagem C++ CDTN Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear Programação orientada a objetos usando a linguagem C++ CDTN Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear Belo Horizonte, Setembro de 2000 1- Objetivo: Ministrar o curso de Treinamento em Programação

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Sistema de Apoio ao Ensino de Modelagem de Software Uma extensão para o editor de programação BlueJ

Sistema de Apoio ao Ensino de Modelagem de Software Uma extensão para o editor de programação BlueJ IV Encontro de Pesquisa PUCSP/TIDD 2011 Sistema de Apoio ao Ensino de Modelagem de Software. Uma extensão para o editor de programação BlueJ Autor: Luciano Gaspar - E-mail: tigaspar@hotmail.com Orientador:

Leia mais

ABCTool - Uma Ferramenta para Cooperação Baseada na Arquitetura do Sistema

ABCTool - Uma Ferramenta para Cooperação Baseada na Arquitetura do Sistema ABCTool - Uma Ferramenta para Cooperação Baseada na Arquitetura do Sistema Cynthia Maria Silva de Barros Mestranda do PPGEE-PUC-Minas* cmsbarros@zipmail.com.br Carlos Alberto Marques Pietrobon Professor-Orientador

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE TESTE PARA COMPUTADORES DE SUPERVISÃO DE BORDO DE SATÉLITES

PADRONIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE TESTE PARA COMPUTADORES DE SUPERVISÃO DE BORDO DE SATÉLITES PADRONIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE TESTE PARA COMPUTADORES DE SUPERVISÃO DE BORDO DE SATÉLITES Thiago Duarte Pereira 1, Fabricio de Novaes Kucinskis 2 e Mauricio Gonçalves Vieira Ferreira 3 Instituto Nacional

Leia mais

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1.

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1. Modelos de Sistema Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1 Objetivos Explicar por que o contexto de um sistema deve ser modelado como parte do processo de RE Descrever

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

Software Architectures ACM Reference Format

Software Architectures ACM Reference Format Modularization of Variabilities From Software Product Lines of Web Information Systems (Modularizando Variabilidades em Linhas de Produto de Sistemas de Informação Web) DEMÓSTENES SENA (demostenes.sena@ifrn.edu.br),

Leia mais

Uma Estensão do STREAM para Escolha de Padrões Arquiteturais baseada em Requisitos Não-Funcionais

Uma Estensão do STREAM para Escolha de Padrões Arquiteturais baseada em Requisitos Não-Funcionais Uma Estensão do STREAM para Escolha de Padrões Arquiteturais baseada em Requisitos Não-Funcionais Fábio Silva 1,2, Marcia Lucena 1, Leonardo Lucena 2, Roniceli Moura 1 1 Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

ANÁLISE DE REQUISITOS EM LINHAS DE PRODUTO DE SOFTWARE

ANÁLISE DE REQUISITOS EM LINHAS DE PRODUTO DE SOFTWARE ANÁLISE DE REQUISITOS EM LINHAS DE PRODUTO DE SOFTWARE THIAGO FERNANDES LINS DE MEDEIROS Universidade Federal de Pernambuco posgraducao@cin.ufpe.br www.cin.ufpe.br/~posgraduacao RECIFE, 02 DE AGOSTO DE

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

1/26/2009. Baseadas em http://www.voelter.de/services/mdsdtutorial.html. Experiência pessoal/profissional/acadêmica

1/26/2009. Baseadas em http://www.voelter.de/services/mdsdtutorial.html. Experiência pessoal/profissional/acadêmica Baseadas em http://www.voelter.de/services/mdsdtutorial.html Experiência pessoal/profissional/acadêmica 1 Metamodelo UML Meu Metamodelo Meu processo de negócios Meu processo de negócios Stereotypes Perfis

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE REGRAS DE DESIGN EM PROGRAMAS JAVA E ASPECTJ

ESPECIFICAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE REGRAS DE DESIGN EM PROGRAMAS JAVA E ASPECTJ VII CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PIBIC/CNPq/UFCG-2010 ESPECIFICAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE REGRAS DE DESIGN EM PROGRAMAS JAVA E ASPECTJ Solon Barbosa de Aguiar

Leia mais

Análise e Projeto Orientados a Objeto

Análise e Projeto Orientados a Objeto Análise e Projeto Orientados a Objeto Objetivos Comparar e contrastar Análise e Projeto Definir O que vamos fazer na disciplina? Saber uma linguagem de programação orientada a objeto (OO) não é suficiente

Leia mais

Uma Linguagem Específica de Domínio com Geração de Código Paralelo para Visualização de Grandes Volumes de Dados

Uma Linguagem Específica de Domínio com Geração de Código Paralelo para Visualização de Grandes Volumes de Dados Uma Linguagem Específica de Domínio com Geração de Código Paralelo para Visualização de Grandes Volumes de Dados Cleverson Ledur, Dalvan Griebler, Luiz Gustavo Fernandes, Isabel Manssour Pontifícia Universidade

Leia mais

Programação Orientada a Objeto em Python

Programação Orientada a Objeto em Python Programação Orientada a Objeto em Python Seminário de LP III Por: ¹Adriana Nery Ramos, ¹Daniel Andersen Cerqueira Lima,¹Fabilone Santos da Silva, ¹Janaina C.C. G. Reis, ¹Jonisson S. Santos, ¹Roberta Idelfonso

Leia mais

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas Gerenciamento de Gerenciamento de Configuração Novas versões de sistemas de software são criadas quando eles: Mudam para máquinas/os diferentes; Oferecem funcionalidade diferente; São configurados para

Leia mais