ALEXANDRE MODESTO BRAUNE Educação Participativa: União, Transparência, Construção da Qualidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALEXANDRE MODESTO BRAUNE Educação Participativa: União, Transparência, Construção da Qualidade"

Transcrição

1 PLANO DE GESTÃO À CANDIDATURA AO CARGO DE DIRETOR-GERAL PRO-TEMPORE DO CAMPUS ARAGUAÍNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS. ALEXANDRE MODESTO BRAUNE Educação Participativa: União, Transparência, Construção da Qualidade União entre alunos, técnicos, professores e comunidade na construção participativa de uma educação de qualidade padrão IFTO-Araguaína.

2 Apresentação. ARAGUAÍNA-TO, 11 DE OUTUBRO DE para contato: A Educação nasce do propósito de aperfeiçoamento da pessoa, enquanto ser individualizado que é, porém, com necessidades coletivas de interação mútua na comunidade. Quer seja no âmbito familiar, profissional ou escolar. Não se pode falar em Educação sem que se pense em união com o propósito de mudar a realidade vigente, buscando incorporar ao educando valores que fortaleçam os princípios democráticos de direito, a valorização da vida, o respeito à coletividade e às diversidades étnicas, raciais, de gênero, culturais e religiosas. A Educação só se efetiva se a união de propósitos educacionais tenha por base a pessoa, educando, família, comunidade, equipe administrativa e educador, para tanto, buscamos um plano de trabalho que valorize essas dimensões e seus reais executores, os que vivem o processo educacional em sua plenitude, pois a Instituição não é sua estrutura física, a Instituição somos nós que a vivemos diuturnamente, acreditando que nosso campus pode ser um templo à virtude do ensino. Por isso elegeu-se como tema norteador desta proposta de trabalho a Educação Participativa: União, Transparência, Construção da Qualidade. União entre alunos, técnicos e professores na construção participativa de uma educação de qualidade padrão IFTO-Araguaína. por acreditar que todos estão empenhados em trilhar o caminho de construção e solidificação de uma instituição de ensino que seja efetiva no seu objetivo de contribuir com a formação técnica e tecnológica de nossos educandos e comunidade. Por acreditar que é possível construir um padrão de qualidade de excelência de nível mundial e não regional somente, que chamaremos de Padrão-IFTO-Araguaína, onde nossos alunos possam buscar um lugar ao sol de igual para igual com qualquer profissional de mesmo nível e profissão no mundo. Para construir esta escola que queremos precisamos continuamente refletir sobre a escola que temos, e para isso, necessário é o envolvimento de todos que a constituem, assim constrói-se uma gestão participativa onde todos são ouvidos e as diferenças respeitadas, nesse diapasão conquista-se o respeito a todas as decisões tomadas que se tornaram efetivas por terem sido fruto do exercício cidadão de participar. Oferecer ensino, pesquisa e extensão no âmbito da Educação Profissional e Tecnológica, por meio da produção e difusão de conhecimentos, contribuindo para a formação cidadã e o desenvolvimento sustentável. É a meta que se ambiciona. Precisamos atentar que a Educação é um bem público e de qualidade, assim sendo, precisa oferecer aos seus educandos uma formação crítica. Por isso este Plano de Trabalho, busca valorizar a Gestão Democrática e Participativa de todos aqueles que integram o Campus Araguaína. Isso exigirá de todas e de todos, respeito à diversidade, a busca por inovação, empreendedorismo e cooperativismo entre educandos, família, comunidade, equipe administrativa e educadores, com todos contribuindo nosso desenvolvimento será sustentável por permitir a otimização dos recursos públicos.

3 O Comprometimento que se propõe é com o Campus Araguaína em particular e com o IFTO em Geral, todos juntos venceremos as dificuldades interpostas em nosso caminho. Alexandre Modesto Braune Candidato a Diretor Geral Pro-Tempore do Campus Araguaína-IFTO. É Professor do Ensino Básico Técnico e Tecnológico do Campus Araguaína desde 2009 integrando o primeiro grupo de professores concursados para a implantação do campus. Bacharel em Enfermagem e Direito. Casado, possui dois filhos nascidos em Araguaína. Chegou ao Tocantins em Novembro de 2001 com a missão de trabalhar com minorias indígenas, atuou na Casa de Saúde Indígena de Araguaína coordenando o serviço de enfermagem da CASAI e dos Pólos Indígenas a ela ligados, por seu empenho e dedicação ao trabalho, foi agradecido por duas oportunidades com o título de Profissional do Ano pelo Rotary Clube de Araguaína em 2002 e 2004, sempre buscou participar de serviços comunitários voluntários, notadamente no Cantinho do Vovô e Juventude Araguainense. É especialista em Metodologia do Ensino, atua na docência desde 1995 e possui experiência nos três níveis: técnico, graduação e pós-graduação. Sua notada experiência administrativa foi construída por sua atuação como Coordenador de Curso Técnico por mais de 04 anos, Diretor Interventor de Hospital Público, Diretor de Enfermagem, Conselheiro Regional de Enfermagem, Supervisor do PROFAE (Programa de Profissionalização de Auxiliares de Enfermagem MEC/MS) em 11 municípios do Estado do Rio de Janeiro. Coordenação de Educação Permanente do Instituto de Medicina Tropical do Tocantins FMT. Diretrizes de Trabalho. Como a proposta de trabalho que se apresenta é de uma Gestão Democrática e Participava, não se ousou engessar as diretrizes como algo terminativo. Apresenta-se a seguir as linhas norteadoras para a construção desta Gestão que se almeja, ao longo do processo retornaremos inúmeras vezes a este documento para melhorar, inserir, retirar, viabilizar e efetivar essas ações, por isso, desde já, conclamamos toda a comunidade que acompanhe o processo não só como espectador, mas como artífice. Gestão pressupõe tomada de decisões por ser executiva na sua essência, fruto de reflexões, os temas que ora se apontam nascem do conhecimento teórico que foi colocado à prova na lida diária com o processo educacional, com educadores de diversos matizes, com educandos havidos por conhecimento e por equipe administrativa dedicada. Pretende-se: Discutir a criação de novos cursos técnicos sobre a perspectiva da comunidade estudantil, sistema empregador (público e privado) e as capacidades instaladas e as que virão a se construir no PDI; Discutir a criação de novos cursos de tecnologia sobre a perspectiva da comunidade estudantil, sistema empregador (público e privado) e as capacidades instaladas e as que virão a se construir no PDI; Reelaborar Projeto Pedagógico Institucional e Plano de Desenvolvimento Institucional, alinhado com os anseios de toda a comunidade do Campus Araguaína. Planejar e implantar as melhorias nos cursos Técnicos: Integrados, Subsequentes e Proeja (laboratórios química, física, matemática, biologia, letras e artes, análises clínicas, enfermagem, informática, proeja, administração -, visitas técnicas, propostas de extensão e pesquisa); Implantar avaliação institucional; Planejar e implantar melhorias nos Setores de Apoio às Atividades de Ensino; Efetivar o Sistema de Informações Estudantis;

4 Elaborar as Diretrizes de Gestão das Atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão do Campus; Planejar e implantar o Programa de Capacitação Docente e Experiências Relevantes; Planejar e implantar os processos administrativos necessários a licitação e aquisição de bens e serviços do campus; Capacitar os servidores nos processos administrativos em suas respectivas áreas e especialidades; Consolidar a estrutura administrativa do Campus; Implantar o sistema de divisão orçamentária participativa e de execução financeira e fiscal; Desenvolver o Programa de Qualidade de Vida no trabalho para os servidores do Campus; Desenvolver o Programa de Qualidade de Vida voltado aos discentes, família e comunidade do Campus; Estruturar os espaços de lazer (convivência) e alimentação digna e de custo acessível no Campus para toda a comunidade; Ampliação da Biblioteca (espaço físico e acervo); Ampliação das políticas de assistência estudantil com a diversificação das bolsas-auxílio aos estudantes; Reestruturação e Ampliação do Auditório do Campus; Ampliação da Rede de Acessibilidade (Internet) a toda a comunidade do Campus; Definição do terreno para ampliação do Campus junto ao poder público constituído; Pactuar junto ao poder público e empresa de ônibus: guarita com iluminação adequada, transporte, horários viáveis de circulação dos ônibus, pavimentação, segurança pública nos horários de entrada e saída e rondas periódicas nos diversos turnos de funcionamento do campus; Ampliação dos Serviços de Reprografia com acessibilidade a todas e todos nos diversos turnos de funcionamento do Campus; Efetivar a Transparência nas ações da Instituição e prestação de contas; Planejar e Criar o Ginásio Poliesportivo e de local adequado para prática esportiva; quadra poliesportiva para educação física; Visitar as Instituições Públicas e Privadas dos seguimentos da indústria, comércio, serviços e saúde que tenham alguma relação com os cursos em andamento e os que

5 poderiam vir a serem criados no campus para pactuação de acordos efetivos dos espaços de estágio supervisionado, buscar a proposição de leis que possam ampliar as ofertas de estágio, e trazer as empresas para dentro do IFTO, para dialogar, criar ferramentas que possam melhorar os estágios e a relação ensino/empresa/comunidade. Pactuar com Organizações Filantrópicas, de ação social e comunitária, inseridas na comunidade que tenham algum tipo de demanda vinculante as atividades desenvolvidas no campus, para serem espaços de trabalhos de extensão. Pactuar com as Instituições Públicas e Privadas que possam vir a serem parceiras no fomento da Ciência e Tecnologia como subsidiárias do desenvolvimento de pesquisas. Divulgar as ações, programas, pesquisas, atividades de extensão, atividades culturais de todos os alunos, servidores e colaboradores, por meio de participação em mídias, programas e fomentando o desenvolvimento de meios e peças que possam levar a comunidade local, regional, estadual, nacional e mundial as potencialidades, realizações e o conhecimento que é a mola propulsora de nossa instituição. Como filmes, peças de teatro, programas de TV, espaços e colunas em mídia eletrônica escrita e televisionada, TV IFTO-Araguaína (uma TV via internet), artigos em revistas. Fomentar a criação de espaços para desenvolvimento de programa de capacitação para docentes e discentes para aprimorar as técnicas e metodologias de pesquisa, uso das ferramentas do Portal CAPEs, elaborar projetos de extensão para financiamentos externos, elaborar projetos de pesquisa para financiamentos externos, assim construindo o perfil dos pesquisadores de acordo com as demandas regionais e nacionais; Buscar parcerias com centros de excelências que possam adotar o IFTO araguaína como parceiro no seu programa de desenvolvimento e de apoio a novos grupos de pesquisa e programas de pós graduação, que num futuro gere um mestrado radiado neste Campus. Fomentar e Implantar os eventos científicos regulares do Campus e seu calendário; Implantar um calendário de datas comemorativas com atividades promovidas pela coordenação de extensão e de pesquisa, bem como participar dos eventos cívicos e culturais da cidade de araguaina, da região, do estado e do Brasil. Desenvolver estratégias didático-pedagógicas que permitam estabelecer diálogos entre ensino, práticas de pesquisa e atividades de extensão no âmbito do Campus em particular e do IFTO em Geral. Padronizar e normatizar os processos educacionais através da implantação de conselhos consultivos e órgãos colegiados. Planejar e implantar a Gestão Democrática e Participativa;

6 Lançar as bases para implantação do planejamento estratégico institucional do campus; Criar um pátio de incubadoras de empresas dentro do IFTO no âmbito da áreas de nossa atuação. Construção de laboratórios didáticos de química, física e biologia, padrão MEC, para ensino médio. Elaboração de Projetos de Laboratórios de Pesquisas. Ressalta-se que a execução do um plano de trabalho forjado no anseio e na vontade da comunidade que constituí o Campus Araguaína ira fortalecer e solidificar a representação política não partidária para buscar junto aos órgãos da esfera municipal, estadual e federal, apoio a implementação de infraestrutura necessária para a promoção da educação, da pesquisa, do desenvolvimento tecnológico e da difusão do saber. Assim, pactuar emendas parlamentares, cadastrar nossos projetos no banco de dados do SINCOV, pactuar com ministérios e secretarias os projetos a serem contemplados em carta convites e futuros editais. Estar em comum sintonia com políticas e estratégias de ministérios da educação, saúde, telecomunicações em seus projetos e ações. Como tê-los presentes com voz ativa na criação de nossos cursos do ensino básico, técnico e tecnológico passando pelo ensino médio (Integrado e Subsequente), Graduação e Pós-Graduação. Ante o exposto, agradecemos a atenção de todas e de todos, o plano não está pronto pois sua contribuição é o que o tornará forte e possível de ser executado, a Gestão não se consolida em uma pessoa somente e sim na interação de todas e de todos na busca da Educação Efetiva. Contribuam. Muito Obrigado. Alexandre Modesto Braune

Estrutura do PDI 2014-2018

Estrutura do PDI 2014-2018 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) além de constituir um requisito legal, tal como previsto no Artigo

Leia mais

3.1 Ampliar o número de escolas de Ensino Médio de forma a atender a demanda dos bairros.

3.1 Ampliar o número de escolas de Ensino Médio de forma a atender a demanda dos bairros. Meta 1 - Universalizar, até 2016, o atendimento escolar da população de quatro e cinco anos, e ampliar, até 2025, a oferta de Educação Infantil de forma a atender a 50% da população de até 3 anos. Estratégias:

Leia mais

MINUTA REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DO SERVIDOR EM CARGOS TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO IFFLUMINENSE APRESENTAÇÃO

MINUTA REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DO SERVIDOR EM CARGOS TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO IFFLUMINENSE APRESENTAÇÃO MINUTA REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DO SERVIDOR EM CARGOS TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO IFFLUMINENSE APRESENTAÇÃO O Servidor em Cargos Técnico-Administrativos em Educação possui peculiaridades

Leia mais

Criar cursos de graduação, tanto presenciais quanto à distância, e pós-graduação multidisciplinares.

Criar cursos de graduação, tanto presenciais quanto à distância, e pós-graduação multidisciplinares. 12.1) Otimizar a capacidade instalada da estrutura física e de recursos humanos das instituições públicas de educação superior mediante ações planejadas e coordenadas, de forma a ampliar e interiorizar

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro. Plano de Trabalho. Gestão 2012 2015. Rodrigo Leitão Diretor

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro. Plano de Trabalho. Gestão 2012 2015. Rodrigo Leitão Diretor Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Plano de Trabalho Gestão 2012 2015 Diretor Candidato ao cargo de Diretor-Geral do Campus Uberaba do IFTM Professor Rodrigo Afonso

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DANÇA

PLANO NACIONAL DE DANÇA PLANO NACIONAL DE DANÇA I APRESENTAÇÃO II - DIRETRIZES E AÇÕES II HISTÓRICO DO SETOR NO PAÍS III DIAGNOSE DE POTENCIAL E PONTOS CRÍTICOS DO SETOR IV DADOS DO SETOR PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES E INDICADORES

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

CANDIDATURA A DIRETORA-GERAL. Isabel Cristina Adão. Plano de Trabalho para a Gestão 2013-2015

CANDIDATURA A DIRETORA-GERAL. Isabel Cristina Adão. Plano de Trabalho para a Gestão 2013-2015 CANDIDATURA A DIRETORA-GERAL Isabel Cristina Adão Plano de Trabalho para a Gestão 2013-2015 APRESENTAÇÃO A comunicação triunfa, o planeta é atravessado por redes, fax, telefones celulares, modems, Internet.

Leia mais

Demonstrativo de Programas Temáticos Conferência Por Orgão - PPA 2016-2019. 2017 2018 2019 Total. Rio Grande do Norte 5 5 5 5 20

Demonstrativo de Programas Temáticos Conferência Por Orgão - PPA 2016-2019. 2017 2018 2019 Total. Rio Grande do Norte 5 5 5 5 20 Orgão Programa 0008 - EDUCAÇÃO SUPERIOR E TECNOLÓGICA Objetivo 0307 - Fortalecer a política de ensino superior de graduação e pós-graduação, por meio da sua interiorização, do desenvolvimento da pesquisa,

Leia mais

RESOLVE AD REFERENDUM DO CONSELHO:

RESOLVE AD REFERENDUM DO CONSELHO: RESOLUÇÃO N o 02/2008, DO CONSELHO DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS Aprova o Regimento do Programa de Educação, Saúde e Cultura Populares, da Faculdade de Ciências Integradas do Pontal, e dá

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO

POLÍTICA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO REITORIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO POLÍTICA

Leia mais

Plano de Gestão Pró-IFSC Jaraguá 2016-2019

Plano de Gestão Pró-IFSC Jaraguá 2016-2019 Plano de Gestão Pró-IFSC Jaraguá 2016-2019 Candidato: Diretor-Geral: Jaison Vieira da Maia Indicações: Diretora de Ensino, Pesquisa e Extensão: Catia Regina Barp Machado. Chefe do Departamento de Administração:

Leia mais

A UNIOESTE E O CAMPUS QUE QUEREMOS

A UNIOESTE E O CAMPUS QUE QUEREMOS REMI SCHORN PLANO DE TRABALHO DO CANDIDATO A DIRETOR DO CAMPUS DA UNIOESTE TOLEDO Docentes, Agentes Universitários e Acadêmicos Unidos Por Um Campus Melhor A UNIOESTE E O CAMPUS QUE QUEREMOS Reunimos e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250 PROGRAMA Nº- 250 QUALIFICAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS E DEPENDENTES QUÍMICOS SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Realizar Cursos de Capacitação para Profissionais que atuam na área de reabilitação

Leia mais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Educação de Qualidade ao seu alcance EDUCAR PARA TRANSFORMAR O CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO: LICENCIATURA

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

PLANO DE TRABALHO GESTÃO 2014-2018

PLANO DE TRABALHO GESTÃO 2014-2018 PLANO DE TRABALHO GESTÃO 2014-2018 Prof. ALEX AGUIAR LÉDO O bom gestor, gerencia a equipe pela afetividade a compreensão e a sabedoria das palavras; nunca usa palavra de desmotivação e jamais impõe sua

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

PLANO DE AÇÃO GESTÃO 2016 2020 APRESENTAÇÃO

PLANO DE AÇÃO GESTÃO 2016 2020 APRESENTAÇÃO Eu queria uma escola que lhes ensinasse a pensar, a raciocinar, a procurar soluções (...) Eu também queria uma escola que ensinasse a conviver, cooperar, a respeitar, a esperar, saber viver em comunidade,

Leia mais

ASSESSORIA DE AÇÕES INCLUSIVAS

ASSESSORIA DE AÇÕES INCLUSIVAS ASSESSORIA DE AÇÕES INCLUSIVAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO TÂNIA DUBOU HANSEL INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA Política de Inclusão na Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica O Instituto Federal Farroupilha

Leia mais

DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG. Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011

DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG. Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011 DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011 Diretrizes de Apoio a Projetos de Extensão no IF SUDESTE-MG 1 Av.

Leia mais

Programa de Gestão Estratégica da chapa 1

Programa de Gestão Estratégica da chapa 1 Programa de Gestão Estratégica da chapa 1 Apresentamos a primeira versão do programa de gestão estratégica da chapa Construindo Juntos um ICT de Excelência. Esse documento é fruto de uma construção coletiva,

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

PLANO DE GESTÃO PARTICIPATIVA DA UFRPE NO QUADRIÊNIO 2012/2016 COMPROMISSO E AÇÃO!

PLANO DE GESTÃO PARTICIPATIVA DA UFRPE NO QUADRIÊNIO 2012/2016 COMPROMISSO E AÇÃO! PLANO DE GESTÃO PARTICIPATIVA DA UFRPE NO QUADRIÊNIO 2012/2016 COMPROMISSO E AÇÃO! 1 2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO................................................ PRINCÍPIOS E COMPROMISSOS QUE NORTEIAM O PLANO

Leia mais

Sessão de elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (Guia de Orientação)

Sessão de elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (Guia de Orientação) Sessão de elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (Guia de Orientação) Março de 2014 1. Apresentação Este guia de orientação tem por finalidade auxiliar os coordenadores das Unidades Administrativas

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO PLANO DE TRABALHO DE CANDIDATURA AO CARGO DE DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 INCLUIR NA UFU ACESSIBILIDADE E PERMANÂNCIA COM QUALIDADE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Valéria Manna Oliveira FAEFI - Universidade Federal Uberlândia Claudia Dechichi CEPAE - Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Propostas por Segmentos: Docente, TAEs e Discente

Propostas por Segmentos: Docente, TAEs e Discente Propostas por Segmentos: Docente, TAEs e Discente A ELEIÇÃO OCORRERÁ DIAS 14 E 15 DE ABRIL Para votar é necessário apresentar o crachá ou documento oficial com foto. Neste caso, é preciso saber o número

Leia mais

RESULTADOS ALCANÇADOS

RESULTADOS ALCANÇADOS Política para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão 2.1. Coerência das políticas de ensino, pesquisa e extensão com os documentos oficiais. Objetivos Ações Realizadas RESULTADOS ALCANÇADOS

Leia mais

MUNICÍPIO DE BOM PRINCÍPIO Estado do Rio Grande do Sul

MUNICÍPIO DE BOM PRINCÍPIO Estado do Rio Grande do Sul ANEXO III DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS DO MAGISTÉRIO CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Coordenar as atividades específicas da área, participando do planejamento e

Leia mais

Nome da Ação 1.2: Descrição da Ação 1.2: Nome da Ação 1.3: Descrição da Ação 1.3:

Nome da Ação 1.2: Descrição da Ação 1.2: Nome da Ação 1.3: Descrição da Ação 1.3: PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Coxim 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Biologia Obs.: Para proposta interdisciplinar,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

Fórum Estadual de Educação PR Plano Nacional de Educação PNE 2011/2020

Fórum Estadual de Educação PR Plano Nacional de Educação PNE 2011/2020 Fórum Estadual de Educação PR Plano Nacional de Educação PNE 2011/2020 Sessão de Debate Regional Sudoeste, 01/07/2011 UTFPR Campus Pato Branco Região: Sudoeste Cidade: Pato Branco Data do debate: 01-07-2011

Leia mais

Planejamento estratégico 2016-2019

Planejamento estratégico 2016-2019 Planejamento estratégico 2016-2019 Fortalecer as instituições e a qualidade dos serviços públicos para fortalecer a democracia e a competitividade. www.agendapublica.org.br 2 GOVERNANÇA PARA UM FUTURO

Leia mais

ADILSON PASINI PLANO DE TRABALHO APRESENTAÇÃO

ADILSON PASINI PLANO DE TRABALHO APRESENTAÇÃO ADILSON PASINI Unioeste Direção Geral do Campus de Foz do Iguaçu PLANO DE TRABALHO 2016 / 2019 APRESENTAÇÃO O Campus de Foz do Iguaçu é uma unidade que precisa se fortalecer no âmbito da Unioeste e da

Leia mais

Candidato: Raigenis da Paz Fiuza

Candidato: Raigenis da Paz Fiuza MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA - SETEC INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA - IFBA PLANO DE TRABALHO PARA O PERÍODO DE GESTÃO 2014-2017

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO IFMG CAMPUS OURO PRETO Resultados da Oficina de Planejamento e das Reuniões Setoriais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO IFMG CAMPUS OURO PRETO Resultados da Oficina de Planejamento e das Reuniões Setoriais PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO IFMG CAMPUS OURO PRETO Resultados da Oficina de Planejamento e das Reuniões Setoriais Escopo O IFMG Campus Ouro Preto atua, de forma integrada, nas áreas do ensino, pesquisa

Leia mais

RESOLUÇÃO N 008/2015. A Diretora Geral da Faculdade Unilagos, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Legislação em vigor, RESOLVE

RESOLUÇÃO N 008/2015. A Diretora Geral da Faculdade Unilagos, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Legislação em vigor, RESOLVE RESOLUÇÃO N 008/2015 Dispõe sobre a inclusão de políticas do aluno autista no Núcleo de Pesquisa e Estudos em Educação para a diversidade e Inclusão da Mantida. A Diretora Geral da, no uso das atribuições

Leia mais

METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Meta 01. Universalizar, até 2016, o atendimento escolar da população de 04 a 5 anos de idade e ampliar, a oferta de educação infantil em creches de forma a atender a 50% da população

Leia mais

!!!!!!!! AVANÇAR!E!INOVAR!MAIS! Anísio!Brasileiro!e!Florisbela!Campos!

!!!!!!!! AVANÇAR!E!INOVAR!MAIS! Anísio!Brasileiro!e!Florisbela!Campos! AVANÇAREINOVARMAIS AnísioBrasileiroeFlorisbelaCampos ProgramadeGestão201522019 UFPE abril2015 SUMÁRIO( SUMÁRIO( 2 DEFENDENDO(PRINCÍPIOS(E(CUMPRINDO(COMPROMISSOS( 4 POR(QUÊ(AVANÇAR(E(INOVAR(MAIS( 6 1(EXCELÊNCIA(NA(FORMAÇÃO(ACADÊMICA(

Leia mais

CONSELHOS ESCOLARES E COLEGIADOS DOS CURSOS TÉCNICOS

CONSELHOS ESCOLARES E COLEGIADOS DOS CURSOS TÉCNICOS CONSELHOS ESCOLARES E COLEGIADOS DOS CURSOS TÉCNICOS TERMO DE ABERTURA DO PROJETO AMPLIADO Portfólio de Projetos Estratégicos de 2013 Objetivo Estratégico: PS05 Implantar 5 ações para melhorar o processo

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA NÚCLEO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NAI É preciso avaliar para aprimorar CONSIDERAÇÕES INICIAIS A UNISANTA desenvolveu,

Leia mais

DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS. Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004

DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS. Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004 DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004 DIRETRIZES DA POLÍTICA DE GRADUAÇÃO 1. Estímulo e apoio ao desenvolvimento dos projetos pedagógicos

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional 2006-2010

Plano de Desenvolvimento Institucional 2006-2010 Plano de Desenvolvimento Institucional 2006-2010 1 Reitor Gilberto Cezar Pavanelli Vice-Reitor Ângelo Aparecido Priori Comissão Central de Elaboração do PDI José Roberto Pinheiro de Melo Bruno Luiz Domingos

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

Como se viu, a base dessa estruturação foram os Eixos Referenciais, que passaremos a descrever:

Como se viu, a base dessa estruturação foram os Eixos Referenciais, que passaremos a descrever: Conforme se pode inferir da publicação Planejamento Estratégico do Sistema Profissional 2009-2014: O Sistema Profissional é composto por organizações - com identidade e características próprias que devem

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº 063 CONSUPER/2013 Dispõe sobre a regulamentação de Curso de Formação Inicial e Continuada ou Qualificação Profissional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O

Leia mais

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba Visão Institucional O Campus Caraguatatuba do IFSP desenvolveu-se nos últimos anos, ampliando os cursos oferecidos, desde a Formação Inicial e Continuada, passando pelos Cursos Técnicos, de Tecnologia,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE GENÉTICA Planejamento Estratégico 2012-2016 Março de 2012 2 Planejamento Estratégico DEPARTAMENTO DE GENÉTICA 1. Missão O Departamento

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Outubro de 2008 1 INTRODUÇÃO A Política de Desenvolvimento Social formaliza e orienta o compromisso da PUCRS com o desenvolvimento social. Coerente com os valores e princípios

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (UNIR)- PERFIL - TECNICOS, SUPERVISORES, TUTORES (EAD)

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (UNIR)- PERFIL - TECNICOS, SUPERVISORES, TUTORES (EAD) AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (UNIR)- PERFIL - TECNICOS, SUPERVISORES, TUTORES (EAD) Por favor, continue respondendo. A seguir, breves questões relacionados ao seu perfil. Agradecemos a atenção as questões que

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

REGIMENTO DO MEMORIAL DA REPÚBLICA PRESIDENTE ITAMAR FRANCO

REGIMENTO DO MEMORIAL DA REPÚBLICA PRESIDENTE ITAMAR FRANCO TÍTULO I Da Natureza e da Missão Institucional Art. 1º. O Memorial da República Presidente Itamar Franco, órgão suplementar vinculado à Reitoria da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), tem por

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2016

PLANO DE GESTÃO 2015-2016 PLANO DE GESTÃO 2015-2016 FAUSTO DE MARTTINS NETTO Candidato a Diretor Geral Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Câmpus Muriaé Construção coletiva do caminho

Leia mais

PROAECI ALEXSANDRO RODRIGUES Pró-Reitor de Assuntos Estudantis e Cidadania em exercício 1

PROAECI ALEXSANDRO RODRIGUES Pró-Reitor de Assuntos Estudantis e Cidadania em exercício 1 PROAECI ALEXSANDRO RODRIGUES Pró-Reitor de Assuntos Estudantis e Cidadania em exercício 1 Seção de Gestão da Informação Chefe de Seção 1 VIVIANA CORRÊA Secretária da PROAECI Secretária 1 BRUNELA VINCENZI

Leia mais

EIXO V 348. Gestão Democrática, Participação Popular e Controle Social 349. A articulação e mobilização da sociedade civil e de setores do Estado

EIXO V 348. Gestão Democrática, Participação Popular e Controle Social 349. A articulação e mobilização da sociedade civil e de setores do Estado EIXO V 348. Gestão Democrática, Participação Popular e Controle Social 349. A articulação e mobilização da sociedade civil e de setores do Estado assumiram grande importância, especialmente a partir do

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR DECRETO Nº 4.059, DE 1º DE OUTUBRO DE 2008 CRIA OS NÚCLEOS DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO ÂMBITO DA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL

EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL PROPOSTAS PRIORITÁRIAS EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL SUB EIXO 1.1 - Produção de Arte e Bens Simbólicos - Implementar políticas de intercâmbio em nível regional, nacional e internacional,

Leia mais

META NACIONAL 12: elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por

META NACIONAL 12: elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por META NACIONAL 12: elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população de 18 (dezoito) a 24 (vinte e quatro)

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO: MARÇO DE 2009 A MARÇO DE 2012 CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MODELO DE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO: MARÇO DE 2009 A MARÇO DE 2012 CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS MODELO DE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO: MARÇO DE 2009 A MARÇO DE 2012 CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS APRESENTAÇÃO DO CURSO Caracterização geral do Curso de Ciências Econômicas da Unemat: Denominação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.375, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.375, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.375, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

ENSINO MÉDIO DIFERENCIAIS PEDAGÓGICOS ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO. Processo de Admissão

ENSINO MÉDIO DIFERENCIAIS PEDAGÓGICOS ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO. Processo de Admissão ENSINO MÉDIO PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ESTUDANTES PARA 2015 PROPOSTAS PEDAGÓGICAS A fase da escolha de qual carreira seguir acontece, normalmente, durante o ensino médio. Tendo de vivenciar mudanças

Leia mais

Sistema Penitenciário Regional Rio de Janeiro Escola de Gestão Penitenciária RJ 7 a 9 de dezembro de 2005

Sistema Penitenciário Regional Rio de Janeiro Escola de Gestão Penitenciária RJ 7 a 9 de dezembro de 2005 Relatório-síntese do I Seminário de Articulação Nacional e Construção de Diretrizes para a Educação no Sistema Penitenciário Regional Rio de Janeiro Escola de Gestão Penitenciária RJ 7 a 9 de dezembro

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Nº 20/2014 de 07 de novembro de 2014. Assunto: processo de pactuação de vagas 2015-1. Prezados Coordenadores,

NOTA INFORMATIVA Nº 20/2014 de 07 de novembro de 2014. Assunto: processo de pactuação de vagas 2015-1. Prezados Coordenadores, NOTA INFORMATIVA Nº 20/2014 de 07 de novembro de 2014 Assunto: processo de pactuação de vagas 2015-1. Prezados Coordenadores, Nos dias 3 e 4 deste mês participamos de reunião com a coordenação nacional

Leia mais

ANEXO 1. Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC. 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015

ANEXO 1. Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC. 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015 ANEXO 1 Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015 Docência em Educação Infantil A oferta de curso integra a política nacional de formação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE CHAPECÓ

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE CHAPECÓ FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE CHAPECÓ CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 517 de 12 de junho de 2013, publicada no DOU em 13 de junho de 2013. Diretor da Faculdade: Silvana Marcon Coordenador Núcleo

Leia mais

PROPOSTAS PRIORITÁRIAS

PROPOSTAS PRIORITÁRIAS PROPOSTAS PRIORITÁRIAS EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL SUB EIXO: 1.1 - Produção de Arte e Bens Simbólicos 1 - Implementar políticas de intercâmbio em nível regional, nacional e internacional

Leia mais

U N I V E R S I D A D E P A R A N A E N S E U N I P A R Mantenedora Associação Paranaense de Ensino e Cultura - APEC

U N I V E R S I D A D E P A R A N A E N S E U N I P A R Mantenedora Associação Paranaense de Ensino e Cultura - APEC PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2011/2015 Relatório do Plano de Trabalho 2014 I - ENSINO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL E A DISTÂNCIA: a) Promover a revisão dos projetos pedagógicos dos cursos com CPC

Leia mais

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS O componente curricular denominado Atividades Acadêmico-Científico- Culturais foi introduzido nos currículos

Leia mais

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA APRESENTAÇÃO DOS 04 (QUATRO) EIXOS A SEREM DISCUTIDOS NA CONFERÊNCIA EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Foco Nacional: Impactos da Emenda Constitucional

Leia mais

O que é o Projeto TRILHAS?

O que é o Projeto TRILHAS? O que é o Projeto TRILHAS? É um conjunto de material elaborado para instrumentalizar e apoiar o trabalho docente no campo da leitura, escrita e oralidade, com o objetivo de inserir as crianças do 1 º ano

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA

PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA Introdução O Plano Setorial da Superintendência da Leitura e do Conhecimento do Estado do Rio de Janeiro é fruto

Leia mais

EDITAL N.01/2014 SELEÇÃO DE ALUNOS BOLSISTAS PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID)

EDITAL N.01/2014 SELEÇÃO DE ALUNOS BOLSISTAS PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE PROGRAMAS E PROJETOS PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID EDITAL N.01/2014

Leia mais

PNE: análise crítica das metas

PNE: análise crítica das metas PNE: análise crítica das metas Profa. Dra. Gilda Cardoso de Araujo Universidade Federal do Espírito Santo Ciclo de Palestras do Centro de Educação 2015 Metas do PNE Contexto Foram 1.288 dias de tramitação,

Leia mais

MATRIZ ESTRATÉGICA DO IFAM

MATRIZ ESTRATÉGICA DO IFAM PERSPECTIVA EFICIÊNCIA GERENCIAL (PROCESSOS INTERNOS) RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS APERFEIÇOAMENTO E GESTÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DO IFAM MODELO DE GESTÃO DE TI AVALIAÇÃO

Leia mais

PARECER CME/THE Nº024/2008

PARECER CME/THE Nº024/2008 CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA Rua Lizandro Nogueira, 1536 - Centro. Telefone: (0xx86)3215-7639 CEP.: 64.000-200 - Teresina - Piauí E-Mail: semec.cme@teresina.pi.gov.br PARECER CME/THE Nº024/2008

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

Instrumento de Avaliação Institucional pré teste de Curso. ( aplicado em dezembro de 2015 para o Docente. )

Instrumento de Avaliação Institucional pré teste de Curso. ( aplicado em dezembro de 2015 para o Docente. ) Instrumento de Avaliação Institucional pré teste de Curso ( aplicado em dezembro de 2015 para o Docente. ) 2015 DOCENTES_AVALIACAO_INSTITUCIONAL 2015_E_DE_CURSO (PRE-TESTE) AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2015

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

META NACIONAL 15: garantir, em regime de colaboração entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, no prazo de 1 (um) ano de vigência deste PNE, política nacional de formação dos profissionais

Leia mais

Edital 02/2015 Seleção de Projetos Comunitários 2016

Edital 02/2015 Seleção de Projetos Comunitários 2016 UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LUTERANA DO BRASIL AELBRA. Reconhecida pela Portaria Ministerial n.º 681 de 07/12/89 D.O.U. de 11/12/89 Edital 02/2015 Seleção

Leia mais

Plano de Governo 2013/2016 Secretaria Municipal de Saúde

Plano de Governo 2013/2016 Secretaria Municipal de Saúde Secretaria Municipal de Saúde Garantir o bom funcionamento e reais condições de atendimento a população em toda Rede de Serviços de Saúde, de forma eficiente; Fortalecer o Conselho Municipal de Saúde,

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Curso Gestão Administrativa e Captação de Recursos Módulo III - Junho - 2013

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Curso Gestão Administrativa e Captação de Recursos Módulo III - Junho - 2013 P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Curso Gestão Administrativa e Captação de Recursos Módulo III - Junho - 2013 Planejamento Estratégico Municipal Atividade prática Pensar em problemas e soluções.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santos

Prefeitura Municipal de Santos Prefeitura Municipal de Santos Estância Balneária SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO Seção de Suplência/ SESUPLE Parceiros do Saber Projeto de alfabetização de Jovens e Adultos Justificativa

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT Projeto Institucional - Faculdades Atibaia FAAT Parceria entre o Ensino Superior e a Escola Pública na formação inicial e continuada

Leia mais

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO PLANO DE GESTÃO CANDIDATURA A DIREÇÃO GERAL DO IFSC CÂMPUS CHAPECÓ ROBERTA PASQUALLI DIRETORA GERAL LUIS FERNANDO POZAS DIRETOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO ELIANDRO LUIZ MINSKI DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE ARTES, HUMANIDADES E LETRAS CAHL CURSO DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE ARTES, HUMANIDADES E LETRAS CAHL CURSO DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE ARTES, HUMANIDADES E LETRAS CAHL CURSO DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA ESTÁGIO SUPERVISIONADO I - ATIVIDADE DE OBSERVAÇÃO ELABORAÇÃO DE DIAGNÓSTICO SOBRE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais