O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO REGIONAL COMO INSTRUMENTO PARA ALCANÇAR A META DE COBERTURA VACINAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO REGIONAL COMO INSTRUMENTO PARA ALCANÇAR A META DE COBERTURA VACINAL"

Transcrição

1 O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO REGIONAL COMO INSTRUMENTO PARA ALCANÇAR A META DE COBERTURA VACINAL NA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A POLIOMIELITE NA SUPERVISÃO TÉCNICA DE SAÚDE DE M BOI MIRIM Primeira etapa JUNHO 2007 Em 15/10/2006, quando da REUNIÃO de PLANEJAMENTO ANUAL da SUPERVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE de M BOI MIRIM, subordinada ao CENTRO DE CONTROLE DE DOENÇAS COVISA, da SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO PAULO, colocamos em discussão a realização da próxima CAMPANHA DE VACINAÇÃO contra a POLIOMIELITE (Primeira Fase junho de 2007) e que poderia ser planejada de uma forma inovadora; utilizando parâmetros demográficos norteados pelo SISTEMA DE INFORMAÇÕES da ATENÇÃO BÁSICA (SIAB), visto que a região é a única do município que conta com o PROGRAMA DE AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE (PACS) e PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF) implantado em 100% de sua área territorial.

2 CRS-SUL área de 654,7 km hab 22,7% da população do município 15 Distritos Administrativos 6 Subprefeituras 5 Supervisões Técnicas de Saúde Neste primeiro quadro temos a representação geográfica da região da COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE SUL, com seus quinze DISTRITOS ADMINISTRATIVOS, seis SUBPREFEITURAS e cinco SUPERVISÕES TÉCNICAS DE SAÚDE, dentro do município de SÃO PAULO, bem como sua área territorial e população. Cidade de São Paulo Subprefeitura de M Boi Mirim População: hab. Área: 62,1 Km 2 Densidade Demográfica: 8,3 hab/km 2

3 Neste segundo quadro temos a representação geográfica da região da SUBPREFEITURA DE M BOI MIRIM e da SUPERVISÃO TÉCNICA DE SAÚDE DE M BOI MIRIM, com seus dois DISTRITOS ADMINISTRATIVOS, JARDIM SÃO LUIZ e JARDIM ÂNGELA, dentro do município de SÃO PAULO, bem como sua área territorial, população e densidade demográfica. A POLIOMIELITE é uma doença transmissível aguda, causada por um agente infeccioso viral RNA VÍRUS, gênero ENTEROVÍRUS, família PICORNAVIRIDAE, com os tipos 1, 2 e 3. A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS) pretende erradicar a POLIOMIELITE mundialmente, porém, ela persiste de forma significativa em vários países do planeta. A situação mundial da POLIOMIELITE ainda não é satisfatória. Em 2006, o número de casos de poliomielite selvagem foi de 1997, resultado de infecção pelo vírus selvagem da poliomielite em 14 países, comparados aos 1979 casos no ano de 2005 em 16 países. Hoje, a maior preocupação do Comitê Internacional de Erradicação da Poliomielite (ACPE), é a Nigéria onde vários sorotipos de vírus selvagens 1 e 3 continuam circulantes no MEIO AMBIENTE. A Nigéria conta com 65% dos casos globais e é hoje o maior reservatório de POLIOVÍRUS selvagem do mundo. Apesar de todo esforço internacional na Nigéria, principalmente nos seus estados do NORDESTE, mais de 20% das crianças menores de cinco anos nunca receberam uma única dose da vacina contra a POLIOMIELITE. A Índia é o segundo maior reservatório de POLIOVÍRUS mundial, com 25 % dos casos mundiais. A situação nesse país é desafiadora. Há duas realidades diferentes: no estado de Bihar onde somente 20 casos foram notificados em 2006 e todos por vírus selvagem do tipo 1 (provavelmente a transmissão do vírus seja interrompida no ano 2007); e em Uttar Pradesh onde há um surto de poliovírus tipo 1, e a

4 transmissão do vírus é facilitada pela alta densidade populacional e pelas condições higiênico-sanitárias muito ruins. Os outros dois países que ainda mantêm casos de POLIOMIELITE selvagem são o Paquistão e Afeganistão, este último com aumento no número de casos em A POLIOMIELITE foi de alta incidência no BRASIL. Hoje, encontra-se erradicada graças ao trabalho de vacinação e vigilância epidemiológica desenvolvidos desde Em 1994 o Brasil recebeu o Certificado de Erradicação da Transmissão Autóctone do Poliovírus Selvagem. Mesmo assim, é preciso, ainda, manter altas coberturas de vacinação, de forma homogênea, e uma vigilância epidemiológica ativa capaz de identificar imediatamente a reintrodução do POLIOVÍRUS e adotar medidas de controle capazes de impedir a sua disseminação. É sensível, hoje, a melhora nas coberturas vacinais da população menor de cinco anos, com as vacinas contra a POLIOMIELITE, principalmente a partir de estratégias específicas, como a realização da multivacinação nos DIAS NACIONAIS DE CAMPANHA. Esses dias, realizados a partir de 1980, permitiram a não ocorrência de casos de poliomielite desde abril de As ações voltadas aos menores de cinco anos são implementadas na rotina, nos dias regionais e nacionais de multivacinação e por intermédio de ações específicas de intensificação, cobrindo a totalidade dos nascidos em cada ano e completando o esquema daqueles que, por diferentes motivos, não foram vacinados no primeiro ano de vida. A campanha é uma ação que tem um fim determinado e específico. É uma estratégia com abrangência limitada no tempo, que visa, sobretudo, a vacinação em massa de uma determinada população, com uma ou mais vacinas. A intensa mobilização da comunidade, principalmente por meio dos veículos de comunicação de massa, e, também, a ampliação do número de postos, faz com que a população fique mais próxima da vacina, possibilitando o alcance de maiores contingentes e a obtenção de altos índices de cobertura.

5 Considerando o alto custo financeiro e a grande mobilização de recursos (humanos, institucionais) e da comunidade, a oportunidade da campanha deve ser aproveitada para administrar todas as vacinas em crianças ou em outros grupos de risco, iniciando ou completando o esquema de vacinação estabelecido. A meta proposta para as CAMPANHAS NACONAIS DE VACINAÇÃO contra a POLIOMIELITE é de imunizar 95% das crianças de 0 a 5 anos de idade, e, para as regiões onde contamos com o PACS/PSF, a cobertura vacinal é de 100% dessa mesma população-alvo. A seguir, apresentamos uma SÉRIE HISTÓRICA com informações sobre as últimas CAMPANHAS MUNICIPAIS para a cidade de SÃO PAULO, de 2001 a 2006, onde verificamos a insuficiência das COBERTURAS VACINAIS em relação às metas propostas pelo MINISTÉRIO DA SAÚDE. MUNICÍPIO DE SÃO PAULO CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A POLIOMIELITE (em menores de 5 a) COBERTURAS VACINAIS E HOMOGENEIDADE 2001 A HOMOG ª fase 84,9 87, ,6 87,2 86,5 homog ª fase 86,9 86,5 93,3 88,5 89,4 88,8 homog Fonte: SI-API/CCD/COVISA/SMS

6 Analisando essa realidade insatisfatória, propusemos a urgente e sistemática organização dos SERVIÇOS DE SAÚDE da nossa região de responsabilidade técnica-administrativa-sanitária; utilizando o PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO LOCAL como ferramenta metodológica para alcançar o objetivo de melhorar a COBERTURA VACINAL contra a POLIOMIELITE nas crianças de 0 a 5 anos de idade da área de M BOI MIRIM. O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO LOCAL, não é outra coisa senão a ciência e a arte de construir maior governabilidade aos nossos destinos, enquanto pessoas, comunidades, organizações sociais ou nações. O processo de planejamento, portanto, diz respeito a um conjunto de elementos e processos teóricos, desenhos e procedimentos metodológicos e técnicas de grupo que podem ser aplicados a qualquer tipo de organização social que demanda um objetivo, que persegue uma mudança situacional futura. O planejamento não trata apenas das decisões sobre o futuro, mas questiona principalmente qual é o futuro de nossas decisões. O planejamento deve centrar sua atenção no panorama conjuntural e no jogo dinâmico dos atores sociais; representando uma permanente passagem entre o conflito, a negociação e o consenso, determinando onde tudo se decide. Na conjuntura concreta acumula-se ou não recursos de poder relacionados ao balanço político global das ações de governo. É por isso que planeja quem governa, e governa quem, de fato planeja. Quem tem capacidade de decisão e responsabilidade de conduzir as políticas públicas deve obrigatoriamente envolverse no planejamento. A atividade de COORDENAÇÃO, assim, é indissociável do PLANEJAMENTO. Com a implantação em 100% das UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE do PACS/PSF, operacionalizando e alimentando regularmente o SISTEMA DE INFORMAÇÕES da ATENÇÃO BÁSICA (SIAB), há o delineamento exato; demográfico e espacial, da

7 população-alvo, propiciando a melhoria dos indicadores vacinais, qualitativos e quantitativos em questão. O SIAB é um sistema idealizado para agregar e para processar as informações sobre a população visitada. Estas informações são recolhidas em FICHAS de cadastramento e de acompanhamento e analisadas a partir dos RELATÓRIOS de consolidação dos dados. São instrumentos de coleta dos dados: cadastramento das FAMÍLIAS FICHA A; acompanhamento de GESTANTES FICHA B-Ges; acompanhamento de HIPERTENSOS FICHA B-HA; acompanhamento de DIABÉTICOS FICHA B-DIA; acompanhamento de pacientes com TUBERCULOSES FICHA TB; acompanhamento de pacientes com HANSENÍASE FICHA HAN; acompanhamento de CRIANÇAS FICHA C (Cartão da Criança); registro de atividades, procedimentos e notificações FICHA D. O instrumento utilizado para o acompanhamento da criança - a FICHA C é uma cópia do CARTÃO DA CRIANÇA padronizado pelo Ministério da Saúde, utilizado pelos diversos serviços de saúde nos municípios. Este Cartão é produzido em dois modelos distintos: um para a criança de gênero masculino e outro para a criança do gênero feminino. Toda família que tenha uma criança menor de cinco anos, acompanhada por uma unidade de saúde deve possuir este Cartão. É ele que servirá como fonte básica dos dados que serão coletados pelo AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE (ACS). Cada família recebe a visita do AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE, no mínimo, uma vez ao mês. Nessa VISITA DOMICILIÁRIA, o ACS registra o nascimento de novas crianças e faz seu acompanhamento vacinal, bem como de todas as demais crianças menores de 5 anos daquela família. A ENFERMEIRA e o MÉDICO da equipe de SAÚDE DA FAMÍLIA supervisionam o trabalho do ACS, e também realizam visitas domiciliárias, sempre que necessário. Mensalmente a produção de VISITAS DOMICILIARES e PROCEDIMENTOS TÉCNICOS são registrados no

8 SIAB, tornando-o um programa atualizado e muito próximo da realidade demográfica e sanitária. Na ocasião da reunião de 15/10/2006, definimos que realizaríamos, para o ano de 2007, uma CAMPANHA DE VACINAÇÃO contra a POLIOMIELITE orientada pelas informações do SIAB, envolvendo vários atores e gestores regionais e locais, num esforço para reverter o insatisfatório quadro da COBERTURA VACINAL da região de M BOI MIRIM. Nos meses subseqüentes à reunião, sensibilizamos e treinamos os 31 gerentes de UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE, bem como AUXILIARES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS, ENFERMEIROS e AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE, dessas mesmas unidades, em temas relacionados ao SIAB, processo de trabalho no PACS/PSF, IMUNOBIOLÓGICOS e dinâmica na SALA DE VACINAS e CAMPANHAS COMUNITÁRIAS DE VACINAÇÃO. De maneira simultânea foram desencadeados treinamentos gerenciais de PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO LOCAL, com avaliações periódicas de indicadores populacionais e administrativos, com a proposição de metas qualitativas e quantitativas para melhoria da prestação de serviços em SAÚDE, com ênfase na COBERTURA VACINAL das crianças menores de 5 anos. Em JUNHO/2007, cerca de duas semanas antes do início da CAMPANHA DE VACINAÇÃO NACIONAL contra a POLIOMIELITE, realizamos uma pesquisa de informações demográficas recentes do SIAB da região, auxiliados pela equipe do CEINFO local, buscando os quantitativos populacionais de crianças de 0 a 1 ano (prioritárias) e de 1 a 5 anos, distribuídas em cada um dos 31 equipamentos de saúde de M BOI MIRIM, respeitando seu processo de territorialização, bem como suas especificidades e heterogeneidades.

9 Supervisão de Saúde M Boi Mirim 40 Equipamentos de Saúde: 31 UBS; 01 UARS; 03 AMAS; 02 CAPS; 01 CECC0; 01 CASA ADOLECENTE; 01 CENTRO DE DIAGNÓSTICO. As informações demográficas da população-alvo foram apresentadas de forma sistematizada na REUNIÃO PREPARATÓRIA para a CAMPANHA NACIONAL de VACINAÇÃO CONTRA A POLIOMIELITE em 12/06/2007, para todos os 31 ENFERMEIROS responsáveis pelas CAMPANHAS no nível local, após toda a apresentação do INFORME TÉCNICO VACINAL e do PERFIL EPIDEMIOLÓGICO da POLIOMIELITE. Diante do desafio de alcançar e, até mesmo ultrapassar a COBERTURA VACINAL, o PLANO OPERATIVO para a CAMPANHA foi estabelecido; contamos com a oferta de 99 postos de vacinação (fixos e satélites supermercados, creches, escolas, igrejas, sociedades civis organizadas,...) e a convocação de 913 profissionais coordenadores, vacinadores, anotadores e operacionais. Para o sábado de CAMPANHA 16/06/2007, contamos com a colaboração de 42 viaturas com motoristas, oriundos de diferentes instituições públicas e cooperadas, que permitiram o transporte de funcionários e insumos. Em nosso escritório central da SUPERVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE; contamos com 15 profissionais multidisciplinares, que desenvolveram atividades de supervisão in loco nas UBS, recepção e consolidação de dados de produção vacinal, transmissão dessas informações para instâncias superiores da

10 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE, e atendimento com resolubilidade das diversas intercorrências inerentes ao evento. Os supervisores multidisciplinares da equipe da SUPERVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE percorreram todas as UBS e observaram a dinâmica vacinal e o fluxo de atendimento dos munícipes, sempre orientando os coordenadores locais da CAMPÓLIO sobre os quantitativos populacionais que deveriam ser imunizados. Todos os profissionais envolvidos trabalharam muito, e para nossa alegria, não tivemos nenhuma intercorrência grave. A CAMPÓLIO teve início em 16/06/2007, sendo finalizada em 25/06/2007. Todos os dias foram de muito trabalho para as equipes vacinadoras, no atendimento à população-alvo e na alimentação das estatísticas, sempre com avaliações parciais da COBERTURA VACINAL referenciada pelo SIAB, desencadeando a busca-ativa das crianças ainda faltosas, inclusive com o deslocamento de profissionais em atividades extra-muros e visitas domiciliárias. Ao final do período da CAMPANHA NACIONAL DE VACINAÇÃO CONTRA A POLIOMIELITE (CAMPÓLIO) Primeira Fase de 2007, a SUPERVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DE M BOI MIRIM apresentou os seguintes resultados: # COBERTURA VACINAL de 106,37% em crianças de 0 a 1 ano de idade, com população estimada pelo SEADE de crianças e doses aplicadas. # COBERTURA VACINAL de 93,86% em crianças de 1 a 5 anos de idade, com população estimada pelo SEADE de crianças e doses aplicadas. # COBERTURA VACINAL de 96,18% em crianças de 0 a 5 anos de idade, com população estimada pelo SEADE de crianças e doses aplicadas. # A região da S.T.S. M BOI MIRIM ficou em SÉTIMO LUGAR no ranking das melhores COBERTURAS VACINAIS do município de SÃO PAULO, ficando à frente de outras 19 regiões.

11 # A região da S.T.S. M BOI MIRIM ficou em SEGUNDO LUGAR no ranking das regiões que mais doses de vacina SABIN aplicaram; # A região da S.T.S. M BOI MIRIM foi a região que mais postos vacinadores manteve durante o SÁBADO de CAMPANHA 99 unidades. # A região da S.T.S. M BOI MIRIM fez doses de vacinas SABIN há mais do que em 2006, ocasião em que registrou doses de vacinas aplicadas. # A região da S.T.S. M BOI MIRIM foi a única região da COORDENADORIA DE SAÚDE SUL que atingiu e ultrapassou a meta de COBERTURA VACINAL para o município de SÃO PAULO. Para ilustrar os resultados acima descritos, apresentamos algumas publicações oficiais do CCD-COVISA EQUIPE DE IMUNIZAÇÕES, com os resultados da CAMPANHA DE VACINAÇÃO contra a POLIOMIELITE FASE I da região da SUVIS M BOI MIRIM:

12 Crianças Não Vacinadas na 2ª. Etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite, ª Fase 2006 = 88,8% Homogeneidade = 27% Resíduo PERUS PERUS TREMEMBÉ ANHANGUERA JARAGUÁ TREMEMBÉ ANHANGUERA JARAGUÁ BRASILÂNDIA BRASILÂNDIA CACHOEIRINHA CACHOEIRINHA JAÇANÃ MANDAQUI PIRITUBA SÃO FREGUESIA TUCURUVI DO Ó V. GUILHERME V. LEOPOLDINA FUNDA PERDIZES ALTO DE PINHIEROS JAGUARÉ RIO PEQUENO BARRA LAPA S. CECÍLIA LAÇÃO B. VISTA JD. PINHEIROS JD. PAULISTA V. JACUÍ PONTE RASA TATUAPÉ VILA MATILDE SÉ FORMOSA ARI-CANDIVA JAGUARÉ CONSO B. VISTA JD. PAULISTA CIDADE LÍDER VILA ÁGUA FORMOSA ARI-CANDIVA C. TIRADENTES PRUDENTE ITAIM BIBI C. BELO CURSINO SACOMÃ GUAIANASES JOSÉ BONIFÁCI O PARQUE DO CARMO S. LUCAS VILA S. MATEUS IGUATEMI SAPOPEMBA SAÚDE C. LIMPO ITAIM PAULISTA LAJEADO CARRÃO MOÓCA CAMBUCI MOEMA IGUATEMI V. CURUÇA ITAQUERA ARTUR ALVIM BRÁS SÉ LIBER DADE IPIRANGA MORUMBI VILA SÔNIA V. ANDRADE V. ANDRADE S. RAFAEL C. BELO CURSINO C. LIMPO SANTO AMARO VILA MATILDE RASA S. MATEUS SAPOPEMBA SAÚDE TATUAPÉ V.MARIANA RAPOSO TAVARES SÃO MIGUEL V. JACUÍ PONTE RASA PARI BELEM REPUBLIC A JD. V. MARIA PENHA B. RETIRO C. TIRADENTES PRUDENTE ITAIM BIBI S. CECÍLIA LAÇÃO PINHEIROS BUTANTÃ RIO PEQUENO S. LUCAS VILA MOEMA FUNDA PERDIZES ALTO DE PINHIEROS J. HELENA ERMELINO MATARAZZO CANGAÍBA BARRA LAPA GUAIANASES JOSÉ BONIFÁCI O PARQUE DO CARMO V. MEDEIROS V. GUILHERME JAGUARA LAJEADO CIDADE LÍDER VILA ÁGUA IPIRANGA MORUMBI ITAQUERA ARTUR ALVIM V.MARIANA VILA SÔNIA V CARRÃO MOÓCA CAMBUCI LIBER DADE RASA RAPOSO TAVARES V. CURUÇA V. LEOPOLDINA BRÁS TUCURUVI SANTANA CASA VERDE LIMÃO PARI BELEM REPUBLIC A DO Ó ITAIM PAULISTA PENHA B. RETIRO CONSO BUTANTÃ V. MARIA JAÇANÃ MANDAQUI FREGUESIA DOMINGOS SÃO MIGUEL CANGAÍBA JAGUARA SÃO J. HELENA ERMELINO MATARAZZO SANTANA CASA VERDE LIMÃO V PIRITUBA V. MEDEIROS DOMINGOS SACOMÃ S. RAFAEL SANTO AMARO JABAQUARA JABAQUARA C. REDONDO J. SÃO LUIZ C. REDONDO C. GRANDE J. SÃO LUIZ C. ADEMAR C. GRANDE C. ADEMAR SOCORRO SOCORRO Sem resíduo PEDREIRA PEDREIRA CIDADE DUTRA J. ÃNGELA CIDADE DUTRA J. ÃNGELA 434 ~1.500 Maior ou igual 95% ~ a 94 % GRAJAÚ ~ GRAJAÚ < 90% ~ PARELHEIROS PARELHEIROS ~ Limite de Município Limite de Município MARSILAC Limite de Distrito Administrativo MARSILAC Limite de Distrito Administrativo Limite de Subprefeituras Limite de Subprefeituras 1ª Fase 2007 CV = 89,93% Homogeneidade = 27% Resíduo Em comparação com a 1ª Fase de 2006 foram aplicadas doses a menos. Crianças Não Vacinadas na 1ª. Etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite, 2007 PERUS TREMEMBÉ ANHANGUERA JARAGUÁ PERUS BRASILÂNDIA CACHOEIRINHA TREMEMBÉ ANHANGUERA JARAGUÁ SÃO DO Ó JAÇANÃ MANDAQUI PIRITUBA FREGUESIA V V. GUILHERME BARRA LAPA FUNDA PERDIZES ALTO DE PINHIEROS JAGUARÉ S. CECÍLIA CONSO JD. JD. PAULISTA V. JACUÍ V. MARIA TATUAPÉ ARTUR ALVIM BRÁS SÉ CAMBUCI LIBER DADE ITAIM PAULISTA ALTO DE PINHIEROS JAGUARÉ IPIRANGA MORUMBI MOEMA S. CECÍLIA JD. PAULISTA VILA REPUBLIC A DADE CURSINO MOEMA ARTUR ALVIM LAJEADO CIDADE LÍDER FORMOSA ARI-CANDIVA GUAIANASES PARQUE DO CARMO JOSÉ BONIFÁCI O C. TIRADENTES S. LUCAS VILA PRUDENTE C. BELO IGUATEMI SACOMÃ S. RAFAEL SANTO AMARO S. MATEUS IGUATEMI SAPOPEMBA CURSINO SACOMÃ S. RAFAEL JABAQUARA C. REDONDO J. SÃO LUIZ C. GRANDE JABAQUARA C. ADEMAR Sem resíduo SOCORRO C. GRANDE C. ADEMAR PEDREIRA SOCORRO CIDADE DUTRA J. ÃNGELA PEDREIRA 33 ~1.500 Maior ou igual 95% CIDADE DUTRA ~ a 94 % < 90% GRAJAÚ ~ GRAJAÚ ~ PARELHEIROS ~ PARELHEIROS Limite de Município Limite de Município MARSILAC Limite de Distrito Administrativo MARSILAC Limite de Distrito Administrativo Limite de Subprefeituras ITAIM PAULISTA ITAQUERA V. ANDRADE S. MATEUS SANTO AMARO J. ÃNGELA V. CURUÇA CARRÃO VILA ÁGUA SAÚDE C. REDONDO J. SÃO LUIZ CAMBUCI ITAIM BIBI C. LIMPO C. BELO LIBER IPIRANGA MORUMBI VILA SÔNIA V. ANDRADE C. LIMPO VILA MATILDE BRÁS SÉ MOÓCA VISTA RASA RAPOSO TAVARES C. TIRADENTES S. LUCAS SAPOPEMBA SAÚDE TATUAPÉ V.MARIANA GUAIANASES JOSÉ BONIFÁCI O PARQUE DO CARMO SÃO MIGUEL V. JACUÍ PARI BELEM CONSO JD. PONTE RASA PENHA B. RETIRO LAÇÃO PINHEIROS BUTANTÃ V. MARIA LAJEADO CIDADE LÍDER ARI-CANDIVA PRUDENTE ITAIM BIBI RIO PEQUENO ITAQUERA FORMOSA V.MARIANA VILA SÔNIA FUNDA PERDIZES CARRÃO VILA ÁGUA RASA RAPOSO TAVARES LAPA B VILA MATILDE MOÓCA. VISTA V. CURUÇA PONTE RASA V. LEOPOLDINA PARI BELEM REPUBLIC A LAÇÃO PINHEIROS BUTANTÃ SÃO MIGUEL J. HELENA ERMELINO MATARAZZO CANGAÍBA BARRA PENHA B. RETIRO B RIO PEQUENO J. HELENA ERMELINO MATARAZZO CANGAÍBA JAGUARA V. LEOPOLDINA V. MEDEIROS V. GUILHERME JAGUARA V. MEDEIROS SANTANA CASA VERDE LIMÃO TUCURUVI SANTANA CASA VERDE LIMÃO V TUCURUVI DOMINGOS DO Ó FREGUESIA DOMINGOS CACHOEIRINHA SÃO JAÇANÃ MANDAQUI PIRITUBA BRASILÂNDIA Limite de Subprefeituras

13 Comparação do Número de Postos e de Doses Aplicadas da Vacina Contra Poliomielite em Crianças < 5 anos - Município de São Paulo 1ª Fase de 2006 e 2007 SUVIS Postos Programados Diferença Doses Aplicadas < 5 anos Diferença Sé/Santa Cecília Butantã Lapa/Pinheiros Ipiranga V. Mariana/Jabaquara V. Prudente Móoca/Aricanduva Penha Cid. Tiradentes Guaianazes Itaquera São Mateus E. Matarazzo Itaim Paulista São Miguel Cachoeirinha Santana Tremembé/Jaçanã Vila Maria Brasilândia/FÓ Perus/Pirituba Capela do Socorro Parelheiros Santo Amaro/Cid Ademar C Limpo/C Redondo M Boi Mirim Total Município

14 COBERTURA VACINAL POR S.T.S. NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SUVIS Cobertura (%) Móoca/Aricanduva 115,92 Ipiranga 103,52 Tremembé/Jaçanã 102,84 Vila Maria 102,27 Sé 99,33 Brasilândia/FÓ 97,66 M Boi Mirim 96,18 E. Matarazzo 93,82 Penha 92,66 Perus/Pirituba 91,85 Butantã 89,69 Vila Prudente 89,5 C. Limpo/C. Redondo 89,1 Santo Amaro/Cid Ademar 89,02 Itaquera 88,97 São Mateus 88,47 São Miguel 88,46 V.Mariana/Jabaquara 87,47 Santana 87,1 Guaianazes 84,17 Parelheiros 82,7 Capela do Socorro 81,89 Cachoeirinha 81,71 Itaim Paulista 78,84 Lapa/Pinheiros 75,12 Cidade Tiradentes 67,04

15 CONCLUSÃO O Método do PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO é, antes de tudo, um eficiente e oportuno enfoque metodológico, com alguns princípios e visões filosóficas sobre a produção social, a cidadania, a liberdade humana e a governabilidade do PODER PÚBLICO. A análise de problemas, a identificação de cenários, a visualização de outros atores sociais, a ênfase na análise estratégica são elementos fundamentais e diferenciadores desse planejamento, em relação a outros métodos de planejamento. O método tem particular validade e excepcionalidade de resultados, no setor público onde a presença de problemas verdadeiramente complexos e mal-estruturados compõe o cenário dominante. Esta é uma vantagem metodológica vital para uso em organizações públicas onde estas questões fazem parte indissociável da produção de políticas públicas e do relacionamento entre staff político-dirigente e quadro de funcionários permanentes. Numa realidade fragmentada e susceptível a questões complexas, onde os problemas sociais se proliferam, exigindo o direcionamento e o redirecionamento dos diferentes atores, inclusive da comunidade organizada no exercício de sua cidadania na busca de soluções mais lógicas e integrais, torna-se necessário um enfoque de planejamento abrangente e participativo que possa dar conta desta complexidade e que favoreça a articulação as diversas esferas de poder no enfrentamento dos problemas. A utilização do PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO na CAMPANHA NACIONAL DE VACINAÇÃO contra a POLIOMIELITE na região da SUPERVISÃO TÉCNICA DE SAÚDE DE M BOI MIRIM, Primeira Fase de 2007, demonstrou a surpreendente melhoria nos resultados de COBERTURA VACINAL, conforme as informações finais da SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE e mostrou-nos o caminho que deveremos seguir nos próximos anos, desenvolvendo e consolidando esse método qualitativo de produção de políticas públicas e de elevação da qualidade de vida da população atendida pelos nossos serviços.

16 Este trabalho mostrou ser, também, um importante fator de sensibilização de todos os funcionários envolvidos, através da demonstração da utilidade dos instrumentos já existentes, fazendo com que as equipes passassem a se dedicar mais na produção de seus dados, além de atingir e ultrapassar metas municipais, sem nenhum custo adicional, somente com o conhecimento das estruturas já existentes e a otimização dos serviços, levando a um benefício incalculável à população. Ele não revelou apenas as decisões para o futuro, mas questionou o futuro de nossas decisões. Pela organização dos serviços, baseada em um Planejamento estratégico, disseminado a todos funcionários envolvidos, tomamos decisões sobre o futuro da Imunização em massa da STS de M Boi Mirim e avaliamos um futuro bem promissor para nossas decisões, criando condições para a realização de um trabalho de qualidade com uma Equipe treinada e sensibilizada. Atualmente estamos em plena segunda fase da Campanha Nacional de Poliomielite ( 25 a 31 de agosto de 2007) e, segundo dados oficiais parciais do CCD/COVISA, a STS de M Boi Mirim é o primeiro lugar do Município em número de Postos de Vacinação e número total de doses aplicadas em crianças menores de 5 anos e está em quinto lugar em Cobertura Vacinal em menores de cinco anos.

17 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO REGIONAL COMO INSTRUMENTO PARA ALCANÇAR A META DE COBERTURA VACINAL NA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A POLIOMIELITE NA SUPERVISÃO TÉCNICA DE SAÚDE DE M BOI MIRIM Primeira etapa JUNHO 2007

Estoque de Outorga Onerosa não Residencial

Estoque de Outorga Onerosa não Residencial Estoque de Outorga Onerosa não Residencial Outubro 2013 O relatório sobre o Estoque de Outorga Onerosa é realizado com o objetivo de analisar as informações sobre o estoque de potencial construtivo na

Leia mais

Uso de Serviços Públicos de Saúde

Uso de Serviços Públicos de Saúde Uso de Serviços Públicos de Saúde Metodologia Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. OBJETIVO GERAL Levantar junto à população da área em estudo

Leia mais

AV. PAULISTA, 688 SÃO PAULO / SP CEP: 01310-909 TEL. (11) 3549-5500

AV. PAULISTA, 688 SÃO PAULO / SP CEP: 01310-909 TEL. (11) 3549-5500 ZONA SECCIONAL FISCAL Nº DISTRITO DISTRITOS Oeste Oeste Seccional Lapa Rua: Pio XI, 999 Alto da Lapa CEP: 05060-000 Tel.(11) 3834-0530 lapa@crosp.org.br Seccional Lapa Rua: Pio XI, 999 Alto da Lapa CEP:

Leia mais

Perspectivas demográficas dos distritos do Município de São Paulo: o rápido e diferenciado processo de envelhecimento

Perspectivas demográficas dos distritos do Município de São Paulo: o rápido e diferenciado processo de envelhecimento Perspectivas demográficas dos distritos do Município de São Paulo: o rápido e diferenciado processo de envelhecimento As projeções populacionais até 2030 para os distritos da capital, realizadas pela Fundação

Leia mais

EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2013

EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2013 Abril DE 2014 EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2013 Em 2013, cresceu o número de diaristas e diminuiu o de mensalistas com e sem carteira de trabalho. Elevou-se o rendimento médio

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO AGOSTO DE 2013

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO AGOSTO DE 2013 PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO AGOSTO DE 2013 As pessoas que procuraram moradias para alugar em agosto de 2013 encontraram locações com valores mais altos em relação

Leia mais

Indicadores técnicos e de percepção

Indicadores técnicos e de percepção Indicadores técnicos e de percepção Observatório Cidadão Nossa São Paulo Banco virtual que disponibiliza um conjunto de indicadores sociais, ambientais, econômicos, políticos e culturais sobre a cidade

Leia mais

Observatório de Recursos Humanos em Saúde de São Paulo SES/SP CEALAG FGV 2006/2007.

Observatório de Recursos Humanos em Saúde de São Paulo SES/SP CEALAG FGV 2006/2007. Observatório de Recursos Humanos em Saúde de São Paulo SES/SP CEALAG FGV 2006/2007. RECURSOS HUMANOS EM ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE E PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMILIA NÚCLEO DE ESTUDOS SOBRE AS PROFISSÕES EM ATENÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº 56.142, DE 29 DE MAIO DE 2015

DECRETO Nº 56.142, DE 29 DE MAIO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 56.142, DE 29 DE MAIO DE 2015 Cria os Conselhos Tutelares de Capão Redondo, Cidade Líder, Jaraguá,

Leia mais

ZARA S EXPRESS TABELA DE PONTOS - SERVIÇOS AVULSOS MOTO FRETE FONE: 11 2606-9330 / NEXTEL: 11 94759-1121 /94707-8867 RÁDIO: 35*22*75829 / 35*1*28443

ZARA S EXPRESS TABELA DE PONTOS - SERVIÇOS AVULSOS MOTO FRETE FONE: 11 2606-9330 / NEXTEL: 11 94759-1121 /94707-8867 RÁDIO: 35*22*75829 / 35*1*28443 ZARA S EXPRESS TABELA DE PONTOS - SERVIÇOS AVULSOS MOTO FRETE FONE: 11 2606-9330 / NEXTEL: 11 94759-1121 /94707-8867 RÁDIO: 35*22*75829 / 35*1*28443 LOCALIDADES/REGIÃO SERVIÇO MÍNIMO LOCALIDADE CENTRO

Leia mais

Quadro da desigualdade em São Paulo

Quadro da desigualdade em São Paulo Quadro da desigualdade em São Paulo CULTURA Acervo de livros infanto-juvenis das bibliotecas municipais per capita Número de livros infanto-juvenis disponíveis em acervos de bibliotecas e pontos de leitura

Leia mais

CRAS - Centro de Referência de Assistência Social

CRAS - Centro de Referência de Assistência Social CRAS - Centro de Referência de Assistência Social O Centro de Referência de Assistência Social CRAS é uma unidade pública estatal de base territorial, localizada em áreas de vulnerabilidade social. Executa

Leia mais

SÃO PAULO SOB O OLHAR DAS CONSULTORAS NATURA

SÃO PAULO SOB O OLHAR DAS CONSULTORAS NATURA SÃO PAULO SOB O OLHAR DAS CONSULTORAS NATURA Metodologia e Amostra Pesquisa junto às consultoras Natura da cidade de São Paulo. Metodologia quantitativa, questionário auto-preenchido COLETA DOS DADOS Setembro

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 504/2011, dos Vereadores Claudio Prado (PDT) e José Police Neto (PSD)

PROJETO DE LEI Nº 504/2011, dos Vereadores Claudio Prado (PDT) e José Police Neto (PSD) PROJETO DE LEI Nº 504/2011, dos Vereadores Claudio Prado (PDT) e José Police Neto (PSD) Institui-se o Programa de Desenvolvimento Local Câmara de Animação Econômica, no âmbito da Secretaria Municipal de

Leia mais

PRINCIPAIS RESULTADOS DO CENSO DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA DA CIDADE

PRINCIPAIS RESULTADOS DO CENSO DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA DA CIDADE 1 PRINCIPAIS RESULTADOS DO CENSO DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA DA CIDADE DE SÃO PAULO, 2009 Silvia Maria Schor Maria Antonieta da Costa Vieira Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da

Leia mais

Venda de imóveis usados cai 46,15% e locação encolhe 36,25% em dezembro em São Paulo

Venda de imóveis usados cai 46,15% e locação encolhe 36,25% em dezembro em São Paulo Pesquisa CRECI Aluguel-Venda residencial/imóveis usados Cidade de São Paulo Dezembro de 2008 Venda de imóveis usados cai 46,15% e locação encolhe 36,25% em dezembro em São Paulo Nem o 13 o salário salvou

Leia mais

Secretaria Municipal de Assistência Social EDITAL DE CHAMAMENTO PARA A CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS

Secretaria Municipal de Assistência Social EDITAL DE CHAMAMENTO PARA A CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS Diário Oficial do Município de São Paulo PREFEITA MARTA SUPLICY Palácio das Indústrias Parque D. Pedro II - CEP 03003-000 - Pabx:225-9077 Ano 49 - Número 7 - São Paulo, terça-feira, 13 de janeiro de 2004

Leia mais

DECRETO N , DE 18 DE FEVEREIRO DE 2008 Cria os Conselhos Tutelares de José Bonifácio e Jardim São Luiz e reorganiza os demais Conselhos

DECRETO N , DE 18 DE FEVEREIRO DE 2008 Cria os Conselhos Tutelares de José Bonifácio e Jardim São Luiz e reorganiza os demais Conselhos DECRETO N 49.228, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2008 Cria os Conselhos Tutelares de José Bonifácio e Jardim São Luiz e reorganiza os demais Conselhos Tutelares no Município de São Paulo; altera o Anexo Único integrante

Leia mais

Relação dos Cartórios Eleitorais de São Paulo

Relação dos Cartórios Eleitorais de São Paulo Relação dos Cartórios Eleitorais de São Paulo 1ª ZONA ELEITORAL - EITORAL ATENDIDOSASTA Endereço Avenida Brigadeiro Luís Antônio, 453 BELA VISTA Telefone (0xx11) 3101 9031/3101 8683/3106 9167 Fax 3101

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GRAVIMÉTRICA E FÍSICO QUÍMICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

CARACTERIZAÇÃO GRAVIMÉTRICA E FÍSICO QUÍMICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO CARACTERIZAÇÃO GRAVIMÉTRICA E FÍSICO QUÍMICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO 1 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO GERAL...5 1 APRESENTAÇÃO...6 2 INTRODUÇÃO GERAL DO RELATÓRIO...9 II. ESTUDO

Leia mais

Venda de imóveis usados cresce 140,29% em Fevereiro e mercado retorna a nível pré-crise

Venda de imóveis usados cresce 140,29% em Fevereiro e mercado retorna a nível pré-crise Pesquisa CRECI Imóveis usados/aluguel-venda residencial Cidade de São Paulo Fevereiro de 2009 Pesquisa apurou crescimento de 31,23% na locação Venda de imóveis usados cresce 140,29% em Fevereiro e mercado

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO NOVEMBRO DE 2014

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO NOVEMBRO DE 2014 PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO NOVEMBRO DE 2014 Os contratos novos de aluguéis de casas e de apartamentos na capital paulista subiram em média 0,6% em novembro relativamente

Leia mais

Estoque de Outorga Onerosa não Residencial

Estoque de Outorga Onerosa não Residencial Estoque de Outorga Onerosa não Residencial Setembro 2015 O relatório sobre o Estoque de Outorga Onerosa é realizado com o objetivo de analisar as informações sobre o estoque de potencial construtivo na

Leia mais

Estoque de Outorga Onerosa Residencial Outubro 2015

Estoque de Outorga Onerosa Residencial Outubro 2015 Estoque de Outorga Onerosa Residencial Outubro 2015 O relatório sobre o Estoque de Outorga Onerosa é realizado com o objetivo de analisar as informações sobre o estoque de potencial construtivo na cidade

Leia mais

Estoque de Outorga Onerosa Residencial Março 2014

Estoque de Outorga Onerosa Residencial Março 2014 Estoque de Outorga Onerosa Residencial Março 2014 O relatório sobre o Estoque de Outorga Onerosa é realizado com o objetivo de analisar as informações sobre o estoque de potencial construtivo na cidade

Leia mais

Estoque de Outorga Onerosa Residencial Julho 2014

Estoque de Outorga Onerosa Residencial Julho 2014 Estoque de Outorga Onerosa Residencial Julho 2014 O relatório sobre o Estoque de Outorga Onerosa é realizado com o objetivo de analisar as informações sobre o estoque de potencial construtivo na cidade

Leia mais

Estoque de Outorga Onerosa Residencial Dezembro 2014

Estoque de Outorga Onerosa Residencial Dezembro 2014 Estoque de Outorga Onerosa Residencial Dezembro 2014 O relatório sobre o Estoque de Outorga Onerosa é realizado com o objetivo de analisar as informações sobre o estoque de potencial construtivo na cidade

Leia mais

vereador José Police Neto

vereador José Police Neto vereador José Police Neto O que é o Conselho Participativo Municipal? O Conselho Participativo Municipal tem caráter eminentemente público e é um organismo autônomo da sociedade civil, reconhecido pelo

Leia mais

Projeto de Informatização. Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP?

Projeto de Informatização. Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP? Projeto de Informatização Como implantar um Sistema de Informação para a Saúde Pública em SP? Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo Assessoria Técnica

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana do Município de São Paulo

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana do Município de São Paulo Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano - SMDU Departamento de Urbanismo - DEURB Departamento de

Leia mais

MOVIMENTO NOSSA SÃO PAULO GRUPO DE TRABALHO DE ORÇAMENTO DA PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO

MOVIMENTO NOSSA SÃO PAULO GRUPO DE TRABALHO DE ORÇAMENTO DA PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO MOVIMENTO NOSSA SÃO PAULO GRUPO DE TRABALHO DE ORÇAMENTO PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA O ANO 2009 DA PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO Novembro de 2008 RECEITAS Composição da Arrecadação Orçamento 2009 Receita

Leia mais

Venda de imóveis usados e locação residencial começam ano em baixa

Venda de imóveis usados e locação residencial começam ano em baixa Pesquisa CRECISP Imóveis Usados-Venda/Aluguel residencial Cidade de São Paulo Janeiro de 2011 Venda de imóveis usados e locação residencial começam ano em baixa A venda de imóveis usados residenciais e

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo

Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo PREGÃO FEDERAL n.º 23/2009 APÊNDICE B Etapas de execução dos serviços Serviços que deverão ser executados na 1ª etapa. Comercial com 15 pavimentos: 1º ao 11º, 13º e 14º andares sim não sim 4.641 Sede I

Leia mais

IMPORTÂNCIA E DESAFIOS DO VAREJO PARA A BAIXA RENDA. Juracy Parente GVcev 17 de junho de 2004

IMPORTÂNCIA E DESAFIOS DO VAREJO PARA A BAIXA RENDA. Juracy Parente GVcev 17 de junho de 2004 IMPORTÂNCIA E DESAFIOS DO VAREJO PARA A BAIXA RENDA Juracy Parente GVcev 17 de junho de 2004 MERCADO DE BAIXA RENDA UM SEGMENTO DE CRESCENTE IMPORTÂNCIA E INTERESSE No Mundo: - Rápido crescimento econômico

Leia mais

NTT1500548792 01/04/2015 14:47 01/04/2015 18:53 RJO RECREIO Proteção Equipamento - Disjuntor Manutenção de Rede

NTT1500548792 01/04/2015 14:47 01/04/2015 18:53 RJO RECREIO Proteção Equipamento - Disjuntor Manutenção de Rede UF Local Causa da Solução Aplicada NTT1500548131 01/04/2015 08:35 01/04/2015 11:35 SPO VILA JACUI Proteção Equipamento - Disjuntor Manutenção de Rede NTT1500548592 01/04/2015 13:24 01/04/2015 16:05 SPO

Leia mais

A Incidência de Homicídios entre a População Jovem Negra no Brasil. 02 de Dezembro de 2015

A Incidência de Homicídios entre a População Jovem Negra no Brasil. 02 de Dezembro de 2015 A Incidência de Homicídios entre a População Jovem Negra no Brasil 02 de Dezembro de 2015 Adolescentes são assassinados na Baixada Fluminense Rio de Janeiro Diário da Manhã 02/10/2015 Estudo mostra que

Leia mais

LEI Nº 13.399, DE 1º DE AGOSTO DE 2002 (Projeto de Lei nº 546/01, do Executivo)

LEI Nº 13.399, DE 1º DE AGOSTO DE 2002 (Projeto de Lei nº 546/01, do Executivo) LEI Nº 13.399, DE 1º DE AGOSTO DE 2002 (Projeto de Lei nº 546/01, do Executivo) Dispõe sobre a criação de Subprefeituras no Município de São Paulo, e dá outras providências. MARTA SUPLICY, Prefeita do

Leia mais

Venda de imóveis usados e locação têm queda em São Paulo em junho

Venda de imóveis usados e locação têm queda em São Paulo em junho Pesquisa CRECISP Imóveis usados/venda-aluguel residencial Cidade de São Paulo Junho de 2010 Venda de imóveis usados e locação têm queda em São Paulo em junho As vendas de imóveis usados caíram 15,53% e

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL (1988) através. do cotidiano da população tem se mostrado diferente. O Sistema Único de Saúde (SUS)

A CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL (1988) através. do cotidiano da população tem se mostrado diferente. O Sistema Único de Saúde (SUS) 14 1. INTRODUÇÃO A CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL (1988) através de seu artigo 196, garante que: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas

Leia mais

Coordenação de Políticas para Migrantes QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO À POPULAÇÃO MIGRANTE POR AGENTES PÚBLICOS ÁREA DE REFERÊNCIA: SAÚDE / ANO: 2014

Coordenação de Políticas para Migrantes QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO À POPULAÇÃO MIGRANTE POR AGENTES PÚBLICOS ÁREA DE REFERÊNCIA: SAÚDE / ANO: 2014 QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO À POPULAÇÃO MIGRANTE POR AGENTES PÚBLICOS ÁREA DE REFERÊNCIA: SAÚDE / ANO: 2014 RELATÓRIO FINAL Coordenação de Políticas para Migrantes Secretaria Municipal de Direitos Humanos

Leia mais

Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 79. Renda e Trabalho

Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 79. Renda e Trabalho Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 79 Renda e Trabalho A dimensão Renda e Trabalho aparece naturalmente como um importante indicador de qualidade de vida. Não há como discutir o assunto dentro

Leia mais

Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos

Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Organização Agosto / 2010 São Paulo e a Bacia

Leia mais

BANCA GRANDE SÃO PAULO VESTIBULAR 2015

BANCA GRANDE SÃO PAULO VESTIBULAR 2015 BANCA GRANDE SÃO PAULO VESTIBULAR 2015 A ASR Mídia entende a mídia exterior como uma poderosa ferramenta de comunicação, fundamental para construção de uma imagem positiva para sua marca. Roteiros especiais

Leia mais

PESQUISA CRECI NOVEMBRO/2005

PESQUISA CRECI NOVEMBRO/2005 PESQUISA CRECI NOVEMBRO/2005 Pesquisa CRECI-SP Imóveis usados/aluguel residencial Novembro de 2005 Capital/SP Locação de imóveis aumenta 1,93% e a venda de usados tem alta modesta em SP O número de imóveis

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL EXPLORATÓRIA RETROSPECTIVA DO PADRÃO ESPACIAL DOS RISCOS RELATIVOS DE NASCIMENTOS PRÉ-TERMO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

ANÁLISE ESPACIAL EXPLORATÓRIA RETROSPECTIVA DO PADRÃO ESPACIAL DOS RISCOS RELATIVOS DE NASCIMENTOS PRÉ-TERMO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO ANÁLISE ESPACIAL EXPLORATÓRIA RETROSPECTIVA DO PADRÃO ESPACIAL DOS RISCOS RELATIVOS DE NASCIMENTOS PRÉ-TERMO NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marina Jorge de Miranda Departamento de Geografia FFLCH USP marinajmiranda@usp.br

Leia mais

Sistemas de Informação em Saúde. Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP)

Sistemas de Informação em Saúde. Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP) Sistemas de Informação em Saúde Informatização da Atenção Básica Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SMS-SP) Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de

Leia mais

ESTIMATIVA DA POPULAÇÃO EXCLUSIVAMENTE USUÁRIA SUS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO (*)

ESTIMATIVA DA POPULAÇÃO EXCLUSIVAMENTE USUÁRIA SUS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO (*) Ano 1, Boletim 1 Fevereiro de 2010 ESTIMATIVA DA POPULAÇÃO EXCLUSIVAMENTE USUÁRIA SUS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO (*) Apresentação Com intuito de garantir o Direito à Saúde dos cidadãos, o SUS realiza ações

Leia mais

MAPA DA DESIGUALDADE 2016 CLIQUE AQUI PARA COMEÇAR

MAPA DA DESIGUALDADE 2016 CLIQUE AQUI PARA COMEÇAR MAPA DA DESIGUALDADE 2016 CLIQUE AQUI PARA COMEÇAR TEMA PARA NAVEGAR PELOS INDICADORES, CLIQUE NO TEMA INDICADOR ASSISTÊNCIA SOCIAL CULTURA 2 EDUCAÇÃO ESPORTE HABITAÇÃO INCLUSÃO DIGITAL MEIO AMBIENTE SAÚDE

Leia mais

08/05 DRE Pirituba Subprefeitura Lapa Local Emei Santos Dumont - Rua Diana, 250 - Pompéia Telefone: 3873-6281/ 3864-0999 Horário - 9h às 13h

08/05 DRE Pirituba Subprefeitura Lapa Local Emei Santos Dumont - Rua Diana, 250 - Pompéia Telefone: 3873-6281/ 3864-0999 Horário - 9h às 13h Relação de locais para as plenárias públicas 04/05 DRE - São Mateus Subprefeitura - São Mateus Local - CEU São Mateus - Rua Curumatim, 221 - Parque Boa Esperança Telefone: 11 2732-8117 05/05 DRE - Ipiranga

Leia mais

Evolução do Índice de Vulnerabilidade Juvenil

Evolução do Índice de Vulnerabilidade Juvenil Evolução do Índice de Vulnerabilidade Juvenil 2000/2005 Maio 2007 SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO EVOLUÇÃO DO ÍNDICE

Leia mais

Configuração e tipologias

Configuração e tipologias OsE s p a ç o sp ú b l i c o ses u ai n f l u ê n c i an ame l h o r i ad aq u a l i d a d ed ev i d a O que são Espaços Públicos? P O espaço público é considerado como aquele que, dentro do território

Leia mais

Cidade de Direitos. 1 1 novo hospital. 2 1 novo hospital. 3 1 novo hospital. 4 10 novas unidades AMA-Especialidades

Cidade de Direitos. 1 1 novo hospital. 2 1 novo hospital. 3 1 novo hospital. 4 10 novas unidades AMA-Especialidades Cidade de Direitos 1 1 novo hospital 2 1 novo hospital 3 1 novo hospital 4 10 novas unidades AMA-Especialidades 5 50 unidades de atendimento odontológico AMA-Sorriso 6 Garantir 7 ou mais consultas para

Leia mais

Sou da Paz comenta dados da Secretaria da Segurança Pública sobre o 4º trimestre de 2013

Sou da Paz comenta dados da Secretaria da Segurança Pública sobre o 4º trimestre de 2013 Sou da Paz comenta dados da Secretaria da Segurança Pública sobre o 4º trimestre de 2013 Desde o início de 2012 o Instituto Sou da Paz tem se voltado a análise sistemática das estatísticas divulgadas pela

Leia mais

Mortes violentas na cidade de São Paulo em 2011: panorama das causas e perfil das vítimas

Mortes violentas na cidade de São Paulo em 2011: panorama das causas e perfil das vítimas Mortes violentas na cidade de São Paulo em 2011: panorama das causas e perfil das vítimas Mortes violentas na cidade de São Paulo em 2011 Fabiana Bento e Ligia Rechenberg Organização: Instituto Sou da

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO NOVEMBRO DE 2015

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO NOVEMBRO DE 2015 PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO NOVEMBRO DE 2015 No mês de novembro, os valores médios observados caíram 0,1%, em relação ao mês anterior. No acumulado de 12 meses,

Leia mais

CEInfo. Boletim CEInfo Informativo Censo Demográfico 2010. Resultados parciais do Censo Demográfico 2010 para o Município de São Paulo

CEInfo. Boletim CEInfo Informativo Censo Demográfico 2010. Resultados parciais do Censo Demográfico 2010 para o Município de São Paulo Boletim CEInfo Informativo Censo Demográfico 2010 nº 02, Julho 2012 Resultados parciais do Censo Demográfico 2010 para o Município de São Paulo Apresentação Dando continuidade a divulgação dos dados do

Leia mais

Sistema de Informação da Atenção Básica SIAB Indicadores 2001

Sistema de Informação da Atenção Básica SIAB Indicadores 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Sistema de Informação da Atenção Básica SIAB Indicadores 2001 4. a edição atualizada Série G. Estatística e Informação em

Leia mais

Uma dose de BOM SENSO em tudo o que a gente faz. Alinhamento Comitê 5S maio/07

Uma dose de BOM SENSO em tudo o que a gente faz. Alinhamento Comitê 5S maio/07 Uma dose de BOM SENSO em tudo o que a gente faz. Alinhamento Comitê 5S maio/07 REGRAS DE TRÂNSITO Para maior êxito e qualidade no resultado dos nossos trabalhos, precisamos colaborar no sentido de: Sermos

Leia mais

Resultados da Plataforma dos Centros Urbanos São Paulo 1ª. Edição

Resultados da Plataforma dos Centros Urbanos São Paulo 1ª. Edição Resultados da Plataforma dos Centros Urbanos São Paulo 1ª. Edição Análise das metas municipais 1. Reduzir a mortalidade neonatal precoce 2. Ampliar a cobertura dos programas de atendimento à saúde da família

Leia mais

Informativo Semanal N 43

Informativo Semanal N 43 Informativo Semanal N 43 Paschoal Flavio Leardini e Vera Governador 2015-2016 INDICAÇÃO DE DIRIGENTES 2016-2017 URGENTE! Muitos clubes ainda não reportaram seus dirigentes 2016-17 ao Rotary International.

Leia mais

Preço médio de imóveis residenciais em São Paulo Agosto 2015

Preço médio de imóveis residenciais em São Paulo Agosto 2015 Preço médio de imóveis residenciais em São Paulo Agosto 2015 Crédito foto: Lucas B. Salles, 2008, Wikipedia (https://en.wikipedia.org/wiki/file:edif%c3%adcio_copan,_sp.jpg) Introdução Cenário macro econômico

Leia mais

CENSO DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE (2011) Principais Resultados RUA NA MUNICIPALIDADE DE SÃO PAULO

CENSO DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE (2011) Principais Resultados RUA NA MUNICIPALIDADE DE SÃO PAULO Prefeitura do Município de São Paulo - PMSP Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social - SMADS Núcleo de Pesquisas em Ciências Sociais - FESPSP CENSO DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA NA

Leia mais

2017 clique aqui para começar

2017 clique aqui para começar mapa da desigualdade 2017 clique aqui para começar contexto brasil contexto brasil Entre os países para os quais existem dados disponíveis, o Brasil é o que mais concentra renda no 1% mais rico, sustentando

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul ANA GABRIELA BATISTA MARQUES RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR II UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE SANTA CECÍLIA-HCPA

Universidade Federal do Rio Grande do Sul ANA GABRIELA BATISTA MARQUES RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR II UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE SANTA CECÍLIA-HCPA Universidade Federal do Rio Grande do Sul ANA GABRIELA BATISTA MARQUES RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR II UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE SANTA CECÍLIA-HCPA Porto Alegre 2011 1 ANA GABRIELA BATISTA MARQUES RELATÓRIO

Leia mais

A cidade vai parar na (i)mobilidade urbana?

A cidade vai parar na (i)mobilidade urbana? A cidade vai parar na (i)mobilidade urbana? IDELT Dr. Joaquim Lopes da Silva Junior Maio/2012 prioridade para o transporte coletivo Corredores de ônibus metropolitanos REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO JANEIRO DE 2015 5,3 3,8 3,5

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO JANEIRO DE 2015 5,3 3,8 3,5 PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO JANEIRO DE 2015 No primeiro mês de 2015, os aluguéis registraram alta de 0,4%, comparado com o mês anterior. Considerando o comportamento

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO MAIO DE 2015

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 Os aluguéis das casas e apartamentos no mês de maio permaneceram estáveis em relação aos valores de abril. Em relação

Leia mais

- Narcóticos Anônimos

- Narcóticos Anônimos - Narcóticos Anônimos ENTIDADE COORDENADORES/CONTATO Narcóticos Anônimos N.A - Fúlvio César Durço Site: www.na.org.br/csaspnorte 8876-1711 e-mail: fulviofilipe@hotmail.com e-mail : coordenador.sp.norte@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE DOS LOCAIS DE RESIDÊNCIA E TRABALHO DA POPULAÇÃO OCUPADA CONSTRUÇÃO DE NOVO INDICADOR PARA OS ESTUDOS DE MOBILIDADE URBANA

ANÁLISE DOS LOCAIS DE RESIDÊNCIA E TRABALHO DA POPULAÇÃO OCUPADA CONSTRUÇÃO DE NOVO INDICADOR PARA OS ESTUDOS DE MOBILIDADE URBANA ANÁLISE DOS LOCAIS DE RESIDÊNCIA E TRABALHO DA POPULAÇÃO OCUPADA CONSTRUÇÃO DE NOVO INDICADOR PARA OS ESTUDOS DE MOBILIDADE URBANA Emilia Mayumi Hiroi 20ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA CATEGORIA:

Leia mais

Dados científicos apontam o rápido envelhecimento da população brasileira nas últimas

Dados científicos apontam o rápido envelhecimento da população brasileira nas últimas Projeto de Implantação da Rede de Atenção à Saúde da Pessoa Idosa (RASPI) na Coordenadoria Regional de Saúde Oeste: busca de um novo paradigma de atenção. Autores: Leonardo Jose Costa de Lima; Alexandre

Leia mais

Infográficos Cidades@

Infográficos Cidades@ Page 1 of 21 Instituto eiro de Geografia e Estatística Infográficos Cidades@ - SP Page 2 of 21 Dados Básicos População Área Bioma 11.244.369 hab. 1.523,28 km 2 Mata Atlântica Localização da Sede Page 3

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE REPRODUTIVO DE CÃES E GATOS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

PROGRAMA DE CONTROLE REPRODUTIVO DE CÃES E GATOS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PROGRAMA DE CONTROLE REPRODUTIVO DE CÃES E GATOS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - COVISA CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES - CCZ 29 de abril/2014 Objetivos PPCRCG Promoção da

Leia mais

Coleta Seletiva na Cidade de São Paulo com Inclusão de Catadores

Coleta Seletiva na Cidade de São Paulo com Inclusão de Catadores Coleta Seletiva na Cidade de São Paulo com Inclusão de Catadores Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PGIRS Implementando a Política Nacional de Resíduos Sólidos na Cidade de São Paulo Processo

Leia mais

PERFIL DA POPULAÇÃO DE MICRO-ÁREAS DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO BAIRRO SANTA FELICIDADE DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR

PERFIL DA POPULAÇÃO DE MICRO-ÁREAS DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO BAIRRO SANTA FELICIDADE DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR PERFIL DA POPULAÇÃO DE MICRO-ÁREAS DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO BAIRRO SANTA FELICIDADE DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR Ângela Gonçalves da Silva 1 Aline Reche Mendonça 2 Samuel Leandro Santos 3 Adeline Furutani

Leia mais

DIA 04/05/2015 (SEGUNDA-FEIRA)

DIA 04/05/2015 (SEGUNDA-FEIRA) ROTEIRO DE ELEIÇÃO DE DELEGADOS SINDICAIS 2015/2016 DIA 04/05/2015 (SEGUNDA-FEIRA) 8h30 13h30 14h30 08h30 9h40 CDD PAULISTA CDD JARDIM AMÉRICA CDD ESTÁDIO AC CONSOLAÇÃO AC FREI CANECA AC PRAÇA DO CARMO

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO LESTE

PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO LESTE PLANO MUNICIPAL DA HABITAÇÃO PLANO DE AÇÃO REGIONAL LESTE Legenda: Subprefeitura Vias Principais de acesso Linha de Metrô / CPTM Região Leste 08 Subprefeituras: Penha, Ermelino Matarazzo, São Miguel Paulista,

Leia mais

Cidade de Direitos. 15 Jornada de 7 horas no Ensino. 1 1 novo hospital. 16 9 anos no Ensino Fundamental. 17 120.000 novas famílias no Programa de

Cidade de Direitos. 15 Jornada de 7 horas no Ensino. 1 1 novo hospital. 16 9 anos no Ensino Fundamental. 17 120.000 novas famílias no Programa de Cidade de Direitos 1 1 novo hospital Freguesia do Ó 2 1 novo hospital Parelheiros 3 1 novo hospital Vila Matilde 4 10 novas unidades AMA-Especialidades 5 50 unidades de atendimento odontológico AMA-Sorriso

Leia mais

A+B1 B2+C DE 58 Estações 04 Linhas 900 Carros Linha 1 - Azul 2,200.000 Linha 2 - Verde 1,200.000 Linha 3 - Vermelha 3,000.000 Linha 5 - Lilás 563.000 Estações Fluxo Estações Fluxo Estações Fluxo Estações

Leia mais

3. A vulnerabilidade social nas subprefeituras que compõem as Zonas Norte, Oeste e Centro do Município de São Paulo

3. A vulnerabilidade social nas subprefeituras que compõem as Zonas Norte, Oeste e Centro do Município de São Paulo CEM-NORTE-18 a 38\ 5/1/04 6:17 PM Page 18 3. A vulnerabilidade social nas subprefeituras que compõem as Zonas Norte, Oeste e Centro do Município de São Paulo No presente caderno, é apresentada a situação

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS MACROPROCESSOS BÁSICOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

ORGANIZAÇÃO DOS MACROPROCESSOS BÁSICOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Fortaleza Maio, 2013 SAÚDE 1 ORGANIZAÇÃO DOS MACROPROCESSOS BÁSICOS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE OFICINA 3 CADASTRO FAMILIAR E DIAGNÓSTICO LOCAL MANAUS - Julho, 2013 1 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE Secretário

Leia mais

Regional Norte Dados Gerais. Aproximadamente 29% Regional Norte vive em assentamentos precários. 7 Subprefeituras. Área Assentamentos Norte*

Regional Norte Dados Gerais. Aproximadamente 29% Regional Norte vive em assentamentos precários. 7 Subprefeituras. Área Assentamentos Norte* Regional Norte Dados Gerais 7 Subprefeituras Área de São Paulo CASA VERDE/CACHOEIRINHA CASA CASAVERDE/CACHOEIRINHA VERDE/CACHOEIRINHA VERDE/CACHOEIRINHA CASA CASA VERDE/CACHOEIRINHA CASA VERDE/CACHOEIRINHA

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTRACEPÇÃO CIRÚRGICA NA ATENÇÃO BÁSICA INTEGRADO AO PLANEJAMENTO FAMILIAR DAS UNIDADES BÁSICA DE SAÚDE

ORGANIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTRACEPÇÃO CIRÚRGICA NA ATENÇÃO BÁSICA INTEGRADO AO PLANEJAMENTO FAMILIAR DAS UNIDADES BÁSICA DE SAÚDE ORGANIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTRACEPÇÃO CIRÚRGICA NA ATENÇÃO BÁSICA INTEGRADO AO PLANEJAMENTO FAMILIAR DAS UNIDADES BÁSICA DE SAÚDE ELIZABETH OLIVEIRA BRAGA ELVIS FERREIRA DUARTE MARCIA BOCCATO SÃO PAULO

Leia mais

Elementos para suporte na Decisão Clínica e organização da atenção na Área de Saúde da Mulher

Elementos para suporte na Decisão Clínica e organização da atenção na Área de Saúde da Mulher PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Implantação da linha de cuidado em Saúde da Mulher na USF Hidrolândia Área temática Elementos para suporte na Decisão Clínica e organização da atenção

Leia mais

Gerência de Vigilância de Produtos e Serviços de Interesse à Saúde COVISA

Gerência de Vigilância de Produtos e Serviços de Interesse à Saúde COVISA Gerência de Vigilância de Produtos e Serviços de Interesse à Saúde COVISA Coordenação de Vigilância em Saúde COVISA Núcleo técnico de Informação Núcleo Técnico de Comunicação Assessorias Acompanhamento

Leia mais

DOM 21/08/2002 p.92-96

DOM 21/08/2002 p.92-96 DOM 21/08/2002 p.92-96 SUBSTITUTIVO nº 01 AO PROJETO DE LEI 546/2001 Dispõe sobre a criação de no Município de São Paulo, e dá outras providências. A Câmara Municipal de São Paulo DECRETA: CAPÍTULO I DAS

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Avaliação da Estratégia de Saúde da Família

Sistema de Monitoramento e Avaliação da Estratégia de Saúde da Família Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Sistema de Monitoramento e Avaliação da Estratégia de Saúde da Família Conceitos, metodologia de cálculo e metas de acompanhamento Patrícia

Leia mais

Igualdade Racial em São Paulo: Avanços e Desafios

Igualdade Racial em São Paulo: Avanços e Desafios Igualdade Racial em São Paulo: Avanços e Desafios PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Fernando Haddad Prefeito Antonio da Silva Pinto Secretário da Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial Maurício

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Palestrante: Carolina Ferri Programa de Saúde da Família Estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes

Leia mais

SUMÁRIO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO - 2004. Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Urbano. Ricardo Trovão e Ronaldo Frederico

SUMÁRIO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO - 2004. Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Urbano. Ricardo Trovão e Ronaldo Frederico SUMÁRIO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO - 2004 Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) Urbano Ricardo Trovão e Ronaldo Frederico PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FEA - Faculdade de Economia

Leia mais

LEI Nº 16.099, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014

LEI Nº 16.099, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo LEI Nº 16.099, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014 (Projeto de Lei nº 467/14, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo

Leia mais

DIRETÓRIO MUNICIPAL DE SÃO PAULO

DIRETÓRIO MUNICIPAL DE SÃO PAULO Todos os aspectos organizativos do PED 2017 estarão sob responsabilidade de uma Comissão de Organização composta em cada instância. As inscrições de chapas, teses e candidatos (as) a presidente para a

Leia mais

O emprego e a mobilidade do trabalhador na Região Metropolitana

O emprego e a mobilidade do trabalhador na Região Metropolitana ISSN 2317-9953 SEADE n o 4 julho 2013 O emprego e a mobilidade do trabalhador na Região Metropolitana de São Paulo Coordenação e edição Edney Cielici Dias Autores deste número Alexandre Jorge Loloian,

Leia mais

INDICADORES POR DISTRITO

INDICADORES POR DISTRITO INDICADORES POR DISTRITO Assistência social População em situação de rua - acolhidos* Porcentagem da população em situação de rua em cada distrito sobre o total da cidade. (*acolhidos - pessoas que, também

Leia mais

O compromisso da Rede de Saúde Santa Marcelina com o Meio Ambiente

O compromisso da Rede de Saúde Santa Marcelina com o Meio Ambiente O compromisso da Rede de Saúde Santa Marcelina com o Meio Ambiente Rede de Saúde Santa Marcelina Abrangência e População de Referência População: 2.500.000 habitantes Hospital Universitário Principal referência

Leia mais

Organização do Espaço na Cidade de São Paulo

Organização do Espaço na Cidade de São Paulo Organização do Espaço na Cidade de São Paulo A Copa do Mundo e o Desenvolvimento da Zona Leste Arq. Alberto Fasanaro Lauletta Setembro / 2011 Histórico da Expansão Urbana Até 1929 LEGENDA São Paulo Região

Leia mais

A esperança é que este movimento colabore para a constituição de um processo e de um sentimento Nosso.

A esperança é que este movimento colabore para a constituição de um processo e de um sentimento Nosso. Esse documento é produto da reflexão conjunta de aproximadamente cem educadores representantes de várias instâncias da Secretaria Municipal de Educação Assessoria Técnica de Planejamento, Diretoria de

Leia mais