A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70"

Transcrição

1 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste na recuperação das formas de representação da cultura do Rio de Janeiro na década de 70, mediante a análise do material audiovisual das telenovelas produzidas pela Rede Globo. Considerando as relações existentes entre o contexto político de regime militar e a consolidação de uma indústria cultural, as telenovelas se apresentam como fontes de forte influência sobre os valores e comportamentos da população brasileira. Nesse contexto, o presente trabalho objetiva principalmente a análise do discurso ditatorial militar presente nas telenovelas dos anos 70. Procedimentos Metodológicos A metodologia utilizada para a elaboração do projeto é de caráter qualitativo, utilizando-se da análise de fontes primárias. A pesquisa utiliza como pressupostos teóricos os conceitos de Nestor Garcia Canclini, por esse autor analisar as diversas manifestações culturais e a constituição de culturas híbridas, relacionando os dois conceitos e analisando-os em relação ao contexto em que se inserem. A pesquisa baseou-se na análise das telenovelas produzidas pela Rede Globo durante a década de 70. Esse material audiovisual encontra-se disponível no site 1 Doutor em História pela Universidade de São Paulo e professor no curso de Licenciatura em História da Universidade Castelo Branco (UCB). Orientador do Programa de Pesquisa de Iniciação Científica & Tecnológica (PIBIC&T/UCB). Linha de pesquisa História e Ensino de História do Brasil do Laboratório de Pesquisas em História (LAPHIS) da Universidade Castelo Branco. Campus Realengo, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. 2 Graduanda em História pela Universidade Castelo Branco (UCB). Acadêmica Voluntária PIBICT/UCB (Vigência: Out/2013 a Out/2014). Linha de pesquisa História e Ensino de História do Brasil do Laboratório de Pesquisas em História (LAPHIS) da Universidade Castelo Branco. Campus Realengo, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

2 Youtube, nosso principal banco de dados. É necessário salientar que são poucas as telenovelas que possuem grande quantidade de episódios disponíveis, devido aos incêndios ocorridos na Rede Globo, que acarretaram em grandes perdas audiovisuais. Devido a esse fato, foram considerados todos os fragmentos de telenovelas disponíveis e não apenas episódios completos. Foram realizados também estudos bibliográficos de livros, textos e artigos relacionados ao tema com o propósito de possibilitar uma maior compreensão dos conceitos relevantes à pesquisa e do contexto histórico em destaque. Houve o destaque para dois importantes documentos elaborados por entidades governamentais da época, o Ato Institucional n.º 5, de 13 de dezembro de 1968, e o Decreto-Lei n.º 74, de 21 de novembro de Discussão dos resultados Entre os anos 60 e 70, o Brasil passou por um processo de consolidação de uma indústria cultural. Com o desenvolvimento dos meios de comunicação e a inserção da lógica capitalista na esfera cultural, a cultura tornou-se mercadoria e entretenimento para as massas. Isso estimulou o desenvolvimento de uma sociedade de massas facilmente manipulável pela mídia e pelas ideias e comportamentos propagados pelos meios de comunicação, que assegurou maior controle sobre as decisões da sociedade. Nesse contexto, a televisão foi um meio de comunicação de destaque que contou com diversos aprimoramentos técnicos e artísticos. Com o surgimento do videotape, houve possibilidade de comercialização de seus programas, além dos importantes acontecimentos mundiais tais como a contracultura, os movimentos por direitos sociais, e as guerras por libertação nacional terem feito dela o meio mais favorável para a disseminação de informações. Isso gerou o aumento de sua produção e consumo, pois, segundo Mattos, ela era lembrada continuamente das suas responsabilidades para com a cultura e o desenvolvimento nacional (MATTOS, 1990, p. 17) 3. O golpe de 1964 que instaurou o regime militar no Brasil utilizou como estratégia para a consolidação de sua legitimidade a continuidade do desenvolvimento 3 MATTOS, S. Origens e desenvolvimento histórico da televisão brasileira. In:. Um Perfil da TV Brasileira (40 anos de história: ). Salvador: A Tarde p

3 econômico. Interessava-lhe fomentar na sociedade o consenso de que o progresso era capaz de garantir inúmeros benefícios à população, mas que sua manutenção era possível apenas mediante a manutenção da ordem. Suas políticas econômicas visavam ao desenvolvimento nacional, baseando-se numa rápida industrialização. Dessa forma, o Estado estimulou o desenvolvimento da indústria cultural, influenciando os meios de comunicação que passaram a favorecer as medidas adotadas pelo governo. A maior expressão dessa afirmação se dá pela criação do Conselho Federal de Cultura em 1966, que objetivava a elaboração do Plano Nacional de Cultura e a maior atuação do governo no espaço cultural, possibilitando maior fiscalização dos conteúdos que se difundiam na sociedade e facilitando a radicalização da censura. Os meios de comunicação de massa, assim, funcionariam como um sistema para comunicar mensagens e símbolos às massas em geral com a missão de divertir, entreter e informar, como também de inculcar nos indivíduos valores, crenças e códigos de comportamento que os integrarão em estruturas institucionais da sociedade mais ampla (FERREIRA, 1991, p. 159) 4. As produções artísticas não apenas foram impedidas de disseminar informações contrárias ao regime vigente, como também foram utilizadas por ele para difundir a ideia de valorização dos aspectos nacionais e importância do progresso, ideologia que, unida à defesa da moral e dos bons costumes (FICO, 2003, p. 191) 5, pautava o governo. Isso revela as fortes relações mantidas entre os agentes da indústria cultural e o Estado, perceptível no instante em que definimos esses agentes como o grande empresariado controlador das mídias, e enfatizamos a relação entre empresariado e regime militar. Os anos 70 trouxeram fortes transformações na sociedade, caracterizadas pelo rápido desenvolvimento da tecnologia e fortalecimento da censura, além do hábito comum de autocensura adotado por grande parte dos artistas. A televisão tornou-se um poderoso e influente meio de comunicação de massa, fortalecido pela maior produção das telenovelas que se tornaram os programas de maior audiência e lucratividade das emissoras. Modernização, desenvolvimento capitalista, autoritarismo e lutas sociais pela constituição de uma esfera pública, ou até mesmo de um outro tipo de 4 FERREIRA, A. As redes de TV e os senhores da Aldeia Global. In: NOVAES, A. (Org.). Rede Imaginária: televisão e democracia. São Paulo: Companhia das Letras, p FICO, C. Espionagem, polícia política, censura e propaganda: os pilares básicos da repressão. In: DELGADO, L. A. N.; FERREIRA, J. (Org.). O Brasil Republicano: regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, p

4 sociedade, entrelaçaram-se de tal maneira, sobretudo a partir dos anos 1970, que qualquer desses aspectos só pode ser compreendido levando- se em conta os demais (RIDENTI, 2014, p. 26) 6. Nesse período, os enredos das telenovelas abordavam temáticas do cotidiano, exibindo rotinas do dia a dia que as aproximavam da realidade do público que as assistia. Fugiam do exagero melodramático característico dos dramalhões latinos que tanto marcaram as telenovelas dos anos 60. Na década de 70, as telenovelas possuíam características realistas, com temáticas nacionalistas que evidenciavam as especificidades dos povos e territórios brasileiros. É também nos anos 70 que a Rede Globo começa a se consolidar como a emissora de maior prestígio da televisão brasileira, caracterizada por produções inovadoras e uma visão empresarial, obtidas principalmente pelo acordo com a empresa Time Life. Era uma emissora que mantinha fortes relações não só com o sistema econômico que ascendia junto a ela, como também com o sistema político vigente. Isso é perceptível quando observamos os diversos favores que lhe foram concedidos não só pelo regime militar, mas por todos os governos em que esteve presente. Partindo do princípio de que a emissora sempre se focou na produção de telenovelas e de que sempre manteve firmes relações com os governos brasileiros, podemos afirmar que nos anos 70 suas telenovelas passaram a representar com frequência fontes de difusão e exaltação dos ideais contidos no regime militar, pois durante a pesquisa foi possível perceber que nesse período as temáticas das telenovelas sofreram transformações, passando a refletir as ideias que o regime militar difundia. Como sugere Carlos Fico, era uma emissora afinada com as diretrizes da ditadura (FICO, 2003, p. 193) 7. Durante o governo Médici, de 1969 a 1974, houve uma grande preocupação com o conteúdo televisivo que seria propagado para a população, devido a forte influência que passou a repercutir sobre a sociedade. Seu discurso enaltecia os benefícios possíveis de ser advindos do progresso e valorizava fortemente a questão nacional. Durante o governo Geisel, de 1974 a 1979, a situação de crise do milagre-econômico pela qual o 6 RIDENTI, M. As oposições à ditadura: resistência e integração. In: REIS, D. A.; RIDENTI, M.; MOTTA, R. P. S. (Org.). A Ditadura que mudou o Brasil: 50 anos do golpe de Rio de Janeiro: Zahar, p FICO, C. Espionagem, polícia política, censura e propaganda: os pilares básicos da repressão. In: DELGADO, L. A. N.; FERREIRA, J. (Org.). O Brasil Republicano: regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, p

5 Brasil passava foi acompanhada pelo aumento da inflação e por perdas salariais. Isso acarretou numa transformação do discurso, visível nas temáticas abordadas pelas telenovelas. Mediante as análises das telenovelas produzidas pela Rede Globo na primeira metade dos anos 70, é possível perceber a ênfase em ambientes rurais ou ambientes urbanos, onde se desenvolve o enredo das telenovelas. As temáticas dos ambientes rurais apresentam frequentemente forte caráter de crítica social, questionando o poder dos chefes políticos que governavam aquelas regiões. As diferenças sociais são enfatizadas, acompanhadas por suas consequências negativas. No entanto, é uma crítica direcionada a uma forma específica de poder, ao dos antigos coronéis, época de dificuldades para uma sociedade que não era pautada pelo progresso. Nas telenovelas que se desenvolvem em ambientes urbanos, há uma tendência contrária. Nelas, é visível uma grande facilidade e tendência para a ascensão social de seus personagens, que muitas vezes alcançam melhores condições de vida de maneira rápida e sem grande necessidade de esforço. O empresariado e suas relações com a classe média e pobre aparecem em frequente destaque. Essa ideia de facilidade de ascensão social se liga ao discurso modernizante do regime militar, de que numa sociedade desenvolvida, todos possuem as mesmas possibilidades. É notável também nas telenovelas urbanas uma ausência de crítica. A vida da alta sociedade e seus privilégios se destaca por sobre as dificuldades do dia a dia da maioria da população. A desigualdade social, os problemas financeiros, a violência e tudo mais que caracteriza as cidades são omitidos, destacando-se o luxo e tudo de favorável que a modernidade pode oferecer. São raras as críticas ao governo, e a abordagem das temáticas é transferida para os conflitos pessoais, dramas familiares, problemas amorosos e aos diferentes perfis dos indivíduos sociais. As telenovelas produzidas pela Rede Globo a partir de 1975 mantiveram algumas temáticas e acrescentaram outras. Permaneceram as temáticas urbanas, mas houve destaque também para as produções de época que adaptaram diversas histórias literárias para as telenovelas, adquirindo caráter educativo. Sendo assim, os ambientes rurais que antes apareciam com temáticas críticas foram substituídos por romances clássicos que valorizavam a cultura e o território brasileiros, coincidindo com a ideologia de valorização da história e cultura nacional difundida pelo governo.

6 As temáticas pessoais em que prevaleciam as características da sociedade permaneceram frequentes, no entanto, as temáticas que enfatizavam a facilidade de ascensão social sofreram uma transformação. Não prevalecia mais o discurso único e exclusivo de facilidade de ascensão social e financeira, pois passava a ser revelada a possibilidade de crise. As desigualdades da sociedade moderna e suas características negativas passaram a ser também evidenciadas, refletindo a situação pela qual o Brasil estava passando. Nesse contexto, as temáticas das telenovelas urbanas passaram a normalizar a questão das diferenças sociais, revelando as dificuldades diárias pelas quais a população passava e legitimando essa condição. Isso trazia a ideia de que, numa sociedade moderna, os agentes sociais deveriam não apenas aprender a desfrutar das facilidades proporcionadas pelo progresso, mas também adaptar-se às dificuldades advindas desse mesmo progresso. Considerações Finais Nossa pesquisa busca a recuperação das formas de representação da cultura na cidade do Rio de Janeiro, considerando a aceleração da urbanização sofrida pelo Brasil durante os anos 70 e a consequente massificação dos meios de comunicação, além do contexto histórico de ditadura militar que regia esse período caracterizado pela forte ação da censura e propaganda. Ao analisar as telenovelas produzidas pela Rede Globo nos anos 70, procuramos destacar também o discurso ditatorial militar que se manifesta em suas temáticas, evidenciando as relações existentes entre a emissora e o regime militar, a maneira como o discurso vai se adaptando às situações vivenciadas pelo Brasil, e as formas como vai sendo representado nessas telenovelas.

7 Referências Bibliográficas ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. A Indústria Cultural: O Esclarecimento Como Mistificação das Massas. In:. Dialética do Esclarecimento: Fragmentos Filosóficos. Rio de Janeiro: Zahar, p AMORIM. E. R. História da TV brasileira. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, p. (Coleção cadernos de pesquisa). BAHIENSE, R. Vítima e Cúmplice. In: NOVAES, A. (Org.) Rede Imaginária: televisão e democracia. São Paulo: Companhia das Letras, p BRASIL. Câmara dos Deputados. Decreto-Lei nº 74, de 21 de novembro de Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/ /decreto-lei novembro republicacao pe.html>. Acesso em: 10 de outubro de BRASIL. Presidência da República. Ato Institucional nº 5, de 13 de dezembro de Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ait/ait htm>. Acesso em: 10 de outubro de CANCLINI. N. G. O Porvir do Passado. In:. Culturas Híbridas: Estratégias para entrar e sair da Modernidade. São Paulo: Edusp, p FERREIRA, A. As redes de TV e os senhores da Aldeia Global. In: NOVAES, A. (Org.). Rede Imaginária: televisão e democracia. São Paulo: Companhia das Letras, p FICO, C. Espionagem, polícia política, censura e propaganda: os pilares básicos da repressão. In: DELGADO, L. A. N.; FERREIRA, J. (Org.). O Brasil Republicano: regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, p FRANÇA, J. S. Indústria Cultural e Ditadura Militar no Brasil dos anos 70. Sumaré Revista Acadêmica Eletrônica, Pernambuco, v. 2, Disponível em < Acesso em: 14 de outubro de 2014.

8 MATTOS, S. Origens e desenvolvimento histórico da televisão brasileira. In:. Um Perfil da TV Brasileira (40 anos de história: ). Salvador: A Tarde p PRETI, D. A linguagem da TV: o impasse entre o falado e o escrito. In: NOVAES, A. (Org.). Rede Imaginária: televisão e democracia. São Paulo: Companhia das Letras, p REIS, D. A. A ditadura faz cinquenta anos: história e cultura política nacionalestatista. In: REIS, D. A.; RIDENTI, M.; MOTTA, R. P. S. (Org.). A Ditadura que mudou o Brasil: 50 anos do golpe de Rio de Janeiro: Zahar, p RIDENTI, M. As oposições à ditadura: resistência e integração. In: REIS, D. A.; RIDENTI, M.; MOTTA, R. P. S. (Org.). A Ditadura que mudou o Brasil: 50 anos do golpe de Rio de Janeiro: Zahar, p ROCHA, L. L. F. Novelas: histórico, empréstimos e doações na construção da indústria cultural brasileira. In: VI Congresso Nacional de História da Mídia, 2008, Rio de Janeiro. Anais. VI Congresso Nacional de História da Mídia, SANTIAGO, S. Alfabetização, leitura e sociedade de massas. In: NOVAES, A. (Org.). Rede Imaginária: televisão e democracia. São Paulo: Companhia das Letras, p SANTOS, M. L. Debatendo 40 anos de Rede Globo: história e perspectivas na política, mercado e cultura. Eptic Revista Eletrônica Internacional, v. 8, n. 6, setembro/dezembro Disponível em < Acesso em: 13 de outubro de SIEGA, P. R. A seguir, cenas de um Regime Militar: política e propaganda nas novelas brasileiras dos anos Fenix Revista de História e Estudos Sociais, Campinas, v. 4, n. 2, abril/maio/junho Disponível em <http://www.revistafenix.pro.br/>. Acesso em: 13 de outubro de XAVIER, N. Ordem cronológica de novelas Globo de Disponível em: <http://www.teledramaturgia.com.br/tele/cr70_n.asp>. Acesso em: 27 de janeiro de 2014.

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE OS CONTEÚDOS DE HISTÓRIA E AS REPRESENTAÇÕES DE SUAS PRÁTICAS EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE ENSINO BÁSICO NA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO

A RELAÇÃO ENTRE OS CONTEÚDOS DE HISTÓRIA E AS REPRESENTAÇÕES DE SUAS PRÁTICAS EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE ENSINO BÁSICO NA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 36 42 A RELAÇÃO ENTRE OS CONTEÚDOS DE HISTÓRIA E AS REPRESENTAÇÕES DE SUAS PRÁTICAS EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE ENSINO BÁSICO NA ZONA OESTE DO RIO

Leia mais

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema Luciana Ferreira Pinto 1 1.Introdução Desde o início da Escola dos Anais, na França, os objetos de estudo da História vêm se modificando, exigindo

Leia mais

Ditadura e democracia: entre memórias e história

Ditadura e democracia: entre memórias e história e-issn 2175-1803 Ditadura e democracia: entre memórias e história REIS FILHO, Daniel Aarão. Ditadura e democracia no Brasil: do golpe de 1964 à Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Zahar, 2014. Autores:

Leia mais

A CAMPANHA CONTRA A BAIXARIA NA TV: DISCUSSÃO SOBRE A CULTURA DE MASSA

A CAMPANHA CONTRA A BAIXARIA NA TV: DISCUSSÃO SOBRE A CULTURA DE MASSA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 361 A CAMPANHA CONTRA A BAIXARIA NA TV: DISCUSSÃO SOBRE A CULTURA DE MASSA Carlos Henrique Demarchi Mestre em Comunicação/Universidade

Leia mais

COMO FAZER PESQUISA NA TUTORIA? POSSIBILIDADES DO PLANO DE AÇÃO NAS ATRIBUIÇÕES DO TUTOR PESQUISADOR

COMO FAZER PESQUISA NA TUTORIA? POSSIBILIDADES DO PLANO DE AÇÃO NAS ATRIBUIÇÕES DO TUTOR PESQUISADOR 1 COMO FAZER PESQUISA NA TUTORIA? POSSIBILIDADES DO PLANO DE AÇÃO NAS ATRIBUIÇÕES DO TUTOR PESQUISADOR Indaial - SC - Abril 2012 Ana Luisa Fantini Schmitt - Centro Universitário Leonardo da Vinci (UNIASSELVI)

Leia mais

FUTEBOL BRASILEIRO, DE CULTURA POPULAR À ESPETÁCULO GLOBAL: UMA ANÁLISE DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

FUTEBOL BRASILEIRO, DE CULTURA POPULAR À ESPETÁCULO GLOBAL: UMA ANÁLISE DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X FUTEBOL BRASILEIRO, DE CULTURA POPULAR À ESPETÁCULO GLOBAL:

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA Genilson José da Silva Universidade Federal da Paraíba genilsonjos27@gmail.com Maria das Graças de Almeida Baptista Universidade Federal da Paraíba - mgabaptista2@yahoo.com.br

Leia mais

Meios de Comunicação e Cuba. Ditadura ou Democracia?

Meios de Comunicação e Cuba. Ditadura ou Democracia? Meios de Comunicação e Cuba. Ditadura ou Democracia? Karine Rio PHILIPPI, graduanda em Ciências Sociais pela UNESP Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara. São Paulo. Anita SIMIS, professora Livre-Docente

Leia mais

COMUNICAÇÃO E TECNOLOGIA: O VÍDEO COMO VEÍCULO DE

COMUNICAÇÃO E TECNOLOGIA: O VÍDEO COMO VEÍCULO DE COMUNICAÇÃO E TECNOLOGIA: O VÍDEO COMO VEÍCULO DE COMUNICAÇÃO RURAL. Cenira Almeida Sampaio Marta Rocha do Nascimento As tecnologias de comunicação sempre foram tidas como instrumentos facilitadores e

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA

A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA Moura (2001) nos traz um desafio preocupante, não só a partir do debate sobre a melhoria estrutural das escolas em comunidades quilombola, da qualificação continuada dos professores,

Leia mais

Pedro de Almeida CANTO 2 Universidade Federal do maranhão

Pedro de Almeida CANTO 2 Universidade Federal do maranhão Conexão Brasil: presença de educação com música através da radiodifusão e formação de rede 1 Pedro de Almeida CANTO 2 Universidade Federal do maranhão RESUMO Contextualiza a educação dentro da história

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

O Proeja no IFG: o processo seletivo para admissão aos cursos ofertados no Campus Goiânia

O Proeja no IFG: o processo seletivo para admissão aos cursos ofertados no Campus Goiânia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDRAL DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS MARCELO MENDES DOS SANTOS O Proeja no IFG: o processo seletivo para

Leia mais

OS DIREITOS INFANTO-JUVENIS DAS CRIANÇAS INDÍGENAS NA HISTÓRIA DO BRASIL: UMA BUSCA POR CIDADANIA

OS DIREITOS INFANTO-JUVENIS DAS CRIANÇAS INDÍGENAS NA HISTÓRIA DO BRASIL: UMA BUSCA POR CIDADANIA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X OS DIREITOS INFANTO-JUVENIS DAS CRIANÇAS INDÍGENAS NA HISTÓRIA

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES DO USO DO MARCO LÓGICO/ZOOP EM UMA MÉDIA ONG DE EDUCAÇÃO POPULAR. Cristina Schroeter Simião 1

LIMITES E POSSIBILIDADES DO USO DO MARCO LÓGICO/ZOOP EM UMA MÉDIA ONG DE EDUCAÇÃO POPULAR. Cristina Schroeter Simião 1 LIMITES E POSSIBILIDADES DO USO DO MARCO LÓGICO/ZOOP EM UMA MÉDIA ONG DE EDUCAÇÃO POPULAR. Cristina Schroeter Simião 1 I. Introdução do Marco Lógico/Zopp na Aditepp: Limites e Possibilidades. No ano de

Leia mais

Os Desafios da Cidadania nas Sociedades Contemporâneas

Os Desafios da Cidadania nas Sociedades Contemporâneas Os Desafios da Cidadania nas Sociedades Contemporâneas Emília Cristine Pires Neste texto, discutiremos o conceito de cidadania, analisando sua concepção tradicional elaborada por T. H. Marshall, como também

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 1 O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Ana Carolina Corrêa 1 RESUMO O presente artigo pretende refletir sobre a urgente e necessária efetivação da

Leia mais

DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994.

DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994. DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994. Promulga o Tratado Geral de Cooperação e Amizade e o Acordo Econômico Integrante do Tratado Geral de Cooperação e Amizade, entre a República Federativa do Brasil

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE Resumo O estudo objetiva discutir os desafios dos cursos de formação de professores frente à inserção

Leia mais

FASCÍCULO INTRODUTÓRIO PROGRAMA ELEITOR DO FUTURO FORMAÇÃO PARA A EDUCAÇÃO POLÍTICA

FASCÍCULO INTRODUTÓRIO PROGRAMA ELEITOR DO FUTURO FORMAÇÃO PARA A EDUCAÇÃO POLÍTICA FASCÍCULO INTRODUTÓRIO PROGRAMA ELEITOR DO FUTURO FORMAÇÃO PARA A EDUCAÇÃO POLÍTICA Introdução A Escola e outros espaços educativos, como ONGs, movimentos sociais, pastorais e sindicatos vêm, através de

Leia mais

Midialivristas, uni-vos!

Midialivristas, uni-vos! LUGAR COMUM Nº25-26, pp. 137-141 Midialivristas, uni-vos! Adriano Belisário Gustavo Barreto Leandro Uchoas Oona Castro Ivana Bentes A comunicação é um campo de batalhas. Nela, o status quo se faz consenso.

Leia mais

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil ID/ES Tão perto e ainda tão distante A 90 milhas de Key West. Visite Cuba. Cartão postal de 1941, incentivando o turismo em Cuba. 1 Desde a Revolução de 1959, Cuba sofre sanções econômicas dos Estados

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: ENTRE A POLÍTICA E A PRÁTICA

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: ENTRE A POLÍTICA E A PRÁTICA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: ENTRE A POLÍTICA E A PRÁTICA Fernanda Araujo Coutinho Campos 1 Hormindo P. de Souza Junior 2 RESUMO Este artigo apresenta parte dos

Leia mais

MAXIMIZAÇAO DE LUCRO: ATRAVÉS DA REDUÇAO DE CUSTOS

MAXIMIZAÇAO DE LUCRO: ATRAVÉS DA REDUÇAO DE CUSTOS MAXIMIZAÇAO DE LUCRO: ATRAVÉS DA REDUÇAO DE CUSTOS SIMONE DA SILVA GARCIA Discente do Curso de Tecnologia em Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS. EDNA MARIA DA SILVA COGGO Docente

Leia mais

A FORMAÇÃO DO CONHECIMENTO EM DIREITOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO

A FORMAÇÃO DO CONHECIMENTO EM DIREITOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO A FORMAÇÃO DO CONHECIMENTO EM DIREITOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO Resumo Jaderson Felisberto Valério 1 - PUCPR Reginaldo Rodrigues da Costa 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

Programa Sonora Eletrônica 1. Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS

Programa Sonora Eletrônica 1. Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS Programa Sonora Eletrônica 1 Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS RESUMO O uso e a produção áudio-visual no jornalismo hoje, não depende mais exclusivamente

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA PARTICIPATIVA NO ATUAL GOVERNO DO ESTADO¹

A GESTÃO DEMOCRÁTICA PARTICIPATIVA NO ATUAL GOVERNO DO ESTADO¹ A GESTÃO DEMOCRÁTICA PARTICIPATIVA NO ATUAL GOVERNO DO ESTADO¹ MOUSQUER, Maria Elizabete Londero ² ; RUVIARO, Lidiane ³;WESLING, Fabricia; CESAR, Josiane Canto; ¹ Trabalho de Pesquisa UFSM ² Orientadora

Leia mais

Políticas (públicas) Sociais de Educação e a Mobilização Social: desafios e perspectivas de ampliar a cidadania. Augusto Tarso Pinheiro Moreira

Políticas (públicas) Sociais de Educação e a Mobilização Social: desafios e perspectivas de ampliar a cidadania. Augusto Tarso Pinheiro Moreira Políticas (públicas) Sociais de Educação e a Mobilização Social: desafios e perspectivas de ampliar a cidadania Augusto Tarso Pinheiro Moreira Brasília, 29 de outubro de 2010 2 Políticas (públicas) Sociais

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

DISCURSO DO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS, NELSON P

DISCURSO DO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS, NELSON P DISCURSO DO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS, NELSON P. SIROTSKY, NO 3º ENCONTRO DAS CORTES SUPREMAS DO MERCOSUL BRASÍLIA, 21 DE NOVEMBRO DE 2005 A Associação Nacional de Jornais, que tenho

Leia mais

ACESSIBILIDADE E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: EXPERIÊNCIA COM UM ALUNO CEGO DO CURSO DE GEOGRAFIA, A DISTÂNCIA

ACESSIBILIDADE E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: EXPERIÊNCIA COM UM ALUNO CEGO DO CURSO DE GEOGRAFIA, A DISTÂNCIA ACESSIBILIDADE E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: EXPERIÊNCIA COM UM ALUNO CEGO DO CURSO DE GEOGRAFIA, A DISTÂNCIA Maria Antônia Tavares de Oliveira Endo mariantonia@cead.ufop.br Curso de Geografia 1900 Paulo

Leia mais

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE AVALIAÇÃO DA GESTÃO PIBID UEPB POR (AS) COORDENADORES (AS), SUPERVISORES (AS) E ALUNOS (AS) BOLSISTAS

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE AVALIAÇÃO DA GESTÃO PIBID UEPB POR (AS) COORDENADORES (AS), SUPERVISORES (AS) E ALUNOS (AS) BOLSISTAS ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE AVALIAÇÃO DA GESTÃO PIBID UEPB POR (AS) COORDENADORES (AS), SUPERVISORES (AS) E ALUNOS (AS) BOLSISTAS Juarez Nogueira Lins Universidade Estadual da Paraíba junolins@yahoo.com.br

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DA LIBRAS NO GÊNERO JORNALÍSTICO TELEVISIVO: ELEMENTOS EXTRALINGÜÍSTICOS NA PRODUÇÃO DE SENTIDOS

INTERPRETAÇÃO DA LIBRAS NO GÊNERO JORNALÍSTICO TELEVISIVO: ELEMENTOS EXTRALINGÜÍSTICOS NA PRODUÇÃO DE SENTIDOS INTERPRETAÇÃO DA LIBRAS NO GÊNERO JORNALÍSTICO TELEVISIVO: ELEMENTOS EXTRALINGÜÍSTICOS NA PRODUÇÃO DE SENTIDOS Marcus Vinícius Batista Nascimento Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP RESUMO

Leia mais

TV UFBA uma experiência em processo Área Temática: Comunicação Marise Berta de Souza Universidade Federal da Bahia (UFBA) Resumo Palavras-chave

TV UFBA uma experiência em processo Área Temática: Comunicação Marise Berta de Souza Universidade Federal da Bahia (UFBA) Resumo Palavras-chave TV UFBA uma experiência em processo Área Temática: Comunicação Marise Berta de Souza Universidade Federal da Bahia (UFBA) Resumo: A comunicação se propõe abordar o espaço de produção de uma televisão universitária,

Leia mais

NO CAMPO DO ADVERSÁRIO: FUTEBOL E IDENTIDADE NACIONAL NOS ANOS 1960. Palavras-chave: História política, futebol, propaganda política.

NO CAMPO DO ADVERSÁRIO: FUTEBOL E IDENTIDADE NACIONAL NOS ANOS 1960. Palavras-chave: História política, futebol, propaganda política. Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 173 177 NO CAMPO DO ADVERSÁRIO: FUTEBOL E IDENTIDADE NACIONAL NOS ANOS 1960. Raphael Graciano Barroso 1 Renato Soares Coutinho 2 Palavras-chave:

Leia mais

Palavras chave: Práticas pedagógicas. Didática. Direitos humanos. Democracia.

Palavras chave: Práticas pedagógicas. Didática. Direitos humanos. Democracia. DIDÁTICA E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE DIREITOS HUMANOS NO COTIDIANO ESCOLAR: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Resumo Aida Maria Monteiro Silva 1 Universidade Federal de Pernambuco A temática da Educação em Direitos

Leia mais

Palavras-chave: Mercado Publicitário. Publicidade e Propaganda. TV Digital.

Palavras-chave: Mercado Publicitário. Publicidade e Propaganda. TV Digital. 8 1ª Jornada Científica de Comunicação Social A pesquisa em Comunicação: tendências e desafios O ADVENTO DA TV DIGITAL E A PRODUÇÃO DE CAMPANHAS PUBLICITÁRIAS UM ESTUDO ENFOCANDO AS PERSPECTIVAS FUTURAS

Leia mais

Os Direitos Humanos no debate parlamentar da Câmara dos Deputados nos anos da ditadura militar (1964-1985)

Os Direitos Humanos no debate parlamentar da Câmara dos Deputados nos anos da ditadura militar (1964-1985) RÓBINSON TAVARES DE ARAÚJO Os Direitos Humanos no debate parlamentar da Câmara dos Deputados nos anos da ditadura militar (1964-1985) Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do Cefor,

Leia mais

Prof. Ms. Julio Cesar Fernandes II CICLO ESPM - BRASIL MÚLTIPLAS IDENTIDADES agosto de 2014

Prof. Ms. Julio Cesar Fernandes II CICLO ESPM - BRASIL MÚLTIPLAS IDENTIDADES agosto de 2014 Prof. Ms. Julio Cesar Fernandes II CICLO ESPM - BRASIL MÚLTIPLAS IDENTIDADES agosto de 2014 Indústria Cultural Teoria Crítica; Estudos Culturais; Produção cultural: obras ou serviços. Criados; Elaborados;

Leia mais

DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA CONTEMPORANEIDADE. Aida Monteiro

DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA CONTEMPORANEIDADE. Aida Monteiro DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA CONTEMPORANEIDADE Aida Monteiro 2011 Direitos Humanos Para Todos/as Os Direitos Humanos são frutos da luta pelo reconhecimento, realização e universalização

Leia mais

Serviço Social na Previdência Social

Serviço Social na Previdência Social Trajetória do Serviço Social na Política Previdenciária SERVIÇO SOCIAL - legalmente instituído na Previdência em abril de 1944. Implantado gradativamente nos Institutos de Aposentadorias e Pensões. Posteriormente,

Leia mais

Política de Governança

Política de Governança José Alves Rocha Presidente do Conselho Deliberativo Silvoney Sales de Almeida Vice-Presidente do Conselho Deliberativo Carlos Sérgio Sampaio Falcão Presidente do Conselho Diretor Epifânio Carneiro Vice-Presidente

Leia mais

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Avaliação Econômica como instrumento para o aprimoramento da gestão das ações sociais 26/09/2013 Fundação

Leia mais

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA Silmara Oliveira Moreira 1 Graduanda em Geografia/UESB, Bolsista da UESB E-mail: silmara.geo@gmail.com Resumo: O objetivo

Leia mais

NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE

NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE PEDAGÓGICO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA, TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO E ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO VANESSA PINHEIRO profvanessapinheiro@gmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: A DISCIPLINA DIDÁTICA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

FORMAÇÃO DOCENTE: A DISCIPLINA DIDÁTICA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Resumo FORMAÇÃO DOCENTE: A DISCIPLINA DIDÁTICA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Gabriela Clotilde Dos Santos Monteiro Helenice Maia Este trabalho apresenta uma discussão sobre a disciplina Didática

Leia mais

O golpe da publicidade: as marcas discursivas da ideologia autoritária 1

O golpe da publicidade: as marcas discursivas da ideologia autoritária 1 O golpe da publicidade: as marcas discursivas da ideologia autoritária 1 Daiane Fresinghelli 2 Mara Regina Rodrigues Ribeiro 3 Resumo O presente trabalho relaciona-se com o material de publicidade veiculado

Leia mais

TECNOLOGIAS, EDUCAÇÃO E A CRITICIDADE DIANTE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS, EDUCAÇÃO E A CRITICIDADE DIANTE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Tecnologia, Educação e Inclusão TECNOLOGIAS, EDUCAÇÃO E A CRITICIDADE DIANTE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Ângela Maria Oliveira da Cruz Silva Antonilma S. de Almeida Castro (orientadora, Mestre em Educação

Leia mais

VÍDEO-AULA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO EM FÍSICA

VÍDEO-AULA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO EM FÍSICA VÍDEO-AULA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO EM FÍSICA Glenda Clemes 1, Hilson José Gabriel Filho 1, Samuel Costa 2 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina/Acadêmicos do curso de

Leia mais

A ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL (1964-1984)

A ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL (1964-1984) A ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL (1964-1984) Renata Leite Moura renata.leite@aluno.uece.br Maria Rafaela de Oliveira rafaoliveira800@gmail.com Roberta Rocha Olímpio betynha_ro@hotmail.com

Leia mais

PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Ações de educação sanitária e ambiental e de mobilização social

PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Ações de educação sanitária e ambiental e de mobilização social PROJETO DE TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Ações de educação sanitária e ambiental e de mobilização social PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DE ATIVIDADES Detalhamento de ações Convênio Caixa Econômica Federal nº189201-11

Leia mais

CONGRESSO NACIONAL VETO Nº 11 DE 2016

CONGRESSO NACIONAL VETO Nº 11 DE 2016 CONGRESSO NACIONAL VETO Nº 11 DE 2016 Veto Parcial aposto ao Projeto de Lei do Senado nº 437, de 2012 (nº 8.084/2014, na Câmara dos Deputados, devolvido ao Senado como ECD nº 8/2015), que Disciplina a

Leia mais

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS.

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Daiane Ferreira Ferreira* Resumo Este trabalho trata de atividades

Leia mais

Cursos Superiores de Tecnologia do IFRN 1 uma análise epistemológica do currículo

Cursos Superiores de Tecnologia do IFRN 1 uma análise epistemológica do currículo Cursos Superiores de Tecnologia do IFRN 1 uma análise epistemológica do currículo Costa, N. L. 1 ; Silva, A. M. 2 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, Brasil 2

Leia mais

A DISCIPLINA TRABALHO-EDUCAÇÃO E SEUS REBATIMENTOS NO CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO RIO DE JANEIRO Ana Paula Santos Guimarães UFRJ

A DISCIPLINA TRABALHO-EDUCAÇÃO E SEUS REBATIMENTOS NO CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO RIO DE JANEIRO Ana Paula Santos Guimarães UFRJ 1 A DISCIPLINA TRABALHO-EDUCAÇÃO E SEUS REBATIMENTOS NO CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO RIO DE JANEIRO Ana Paula Santos Guimarães UFRJ Resumo O presente trabalho tem por proposição identificar

Leia mais

PROGRAMA TV ESCOLA - PROJETO DE GESTÃO COMPARTILHADA 1999/2000

PROGRAMA TV ESCOLA - PROJETO DE GESTÃO COMPARTILHADA 1999/2000 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA-SEED DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA -DEPEAD COORDENAÇÃO DE PLANEJAMENTO EM EAD/COPEAD. PROGRAMA TV ESCOLA - PROJETO DE

Leia mais

A POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO BRASIL: DA DITADURA MILITAR AO PROCESSO DE REDEMOCRATIZAÇÃO INTRODUÇÃO

A POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO BRASIL: DA DITADURA MILITAR AO PROCESSO DE REDEMOCRATIZAÇÃO INTRODUÇÃO V SIMPÓSIO REGIONAL DE FORMACAO PROFISSIONAL 1 E XXI A POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO BRASIL: DA DITADURA MILITAR AO PROCESSO DE REDEMOCRATIZAÇÃO Ana Carolina de Paula 1 Carla Thomaz Januário 2 Solange da Cruz

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E CONSELHOS GESTORES DE POLITICAS PUBLICAS. Tutor(a) a Distância:Maria Lucia Pereira Tutor(a) Presencial: Thais c.

SERVIÇO SOCIAL E CONSELHOS GESTORES DE POLITICAS PUBLICAS. Tutor(a) a Distância:Maria Lucia Pereira Tutor(a) Presencial: Thais c. SERVIÇO SOCIAL E CONSELHOS GESTORES DE POLITICAS PUBLICAS Tutor(a) a Distância:Maria Lucia Pereira Tutor(a) Presencial: Thais c. Santos Acadêmicos(A): Registro Acadêmico RA: Maria Angélica dos Santos 3355566667

Leia mais

As Relações Públicas no Secretariado Executivo

As Relações Públicas no Secretariado Executivo 2010 Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação As Relações Públicas no Secretariado Executivo Giovanna de Araújo LEITE 1 Universidade de Pernambuco - UPE Autarquia do Ensino

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR: PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE NA ESCOLA. Marleide Rodrigues da Silva Perrude

GESTÃO ESCOLAR: PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE NA ESCOLA. Marleide Rodrigues da Silva Perrude GESTÃO ESCOLAR: PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE NA ESCOLA. Marleide Rodrigues da Silva Perrude RESUMO Temos por objetivo nesta pesquisa, analisar, sob uma perspectiva histórica, o modelo de gestão da escola

Leia mais

Wanessa Valeze Ferrari Bighetti Universidade Estadual Paulista, Bauru/SP e-mail: wanessa_ferrari@hotmail.com

Wanessa Valeze Ferrari Bighetti Universidade Estadual Paulista, Bauru/SP e-mail: wanessa_ferrari@hotmail.com O papel da media literacy na capacitação de jovens eleitores para o exercício da cidadania um estudo sobre o reconhecimento do apelo à memória como ferramenta de convencimento nas eleições de 2014 Wanessa

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Formação de professores de Biologia e a prática docente no contexto do ensino por investigação INTRODUÇÃO Para superar os entraves que dificultam a construção do ensino

Leia mais

INTRODUÇÃO. Currículo e Educação Infantil

INTRODUÇÃO. Currículo e Educação Infantil INTRODUÇÃO Currículo e Educação Infantil A Educação Infantil é dever e obrigação do Estado e responsabilidade política e social da sociedade e não apenas daqueles que vivenciam a realidade escolar, utilizando-se

Leia mais

MULHERES DA PESCA E DO CINEMA UM EXPERIMENTO CINEMATOGRÁFICO NO MUNICIPIO DE ITAPISSUMA - PE

MULHERES DA PESCA E DO CINEMA UM EXPERIMENTO CINEMATOGRÁFICO NO MUNICIPIO DE ITAPISSUMA - PE MULHERES DA PESCA E DO CINEMA UM EXPERIMENTO CINEMATOGRÁFICO NO MUNICIPIO DE ITAPISSUMA - PE Silvana Marpoara 1, Maria do Rosário de Fátima de Andrade Leitão 2 1 Silvana Marpoara é jornalista, produtora

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA NO BRASIL

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA NO BRASIL POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA NO BRASIL Ana Paula Domingos Baladeli 1 Introdução As transformações científicas e tecnológicas vivenciadas atualmente impulsionam cada vez mais

Leia mais

Ética Profissional e os Desafios de Concretizar Direitos no Sistema Penal. Marco Antonio da Rocha

Ética Profissional e os Desafios de Concretizar Direitos no Sistema Penal. Marco Antonio da Rocha Ética Profissional e os Desafios de Concretizar Direitos no Sistema Penal Marco Antonio da Rocha O LUGAR DA ÉTICA NA SOCIEDADE FILOSOFIA: PRECISAMOS DE UMA PARA VIVER??? Ou uma breve reflexão sobre os

Leia mais

IX Conferência Ibero-americana de Cultura Montevidéu, 13 e 14 de julho de 2006 CARTA CULTURAL IBERO-AMERICANA PROJETO

IX Conferência Ibero-americana de Cultura Montevidéu, 13 e 14 de julho de 2006 CARTA CULTURAL IBERO-AMERICANA PROJETO IX Conferência Ibero-americana de Cultura Montevidéu, 13 e 14 de julho de 2006 CARTA CULTURAL IBERO-AMERICANA PROJETO 1 CARTA CULTURAL IBERO-AMERICANA PREÂMBULO Os Chefes de Estado e de Governo dos países

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS.

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. CLáudia Mônica dos Santos RESUMO: Esse estudo tem por objetivo conhecer como a prática profissional vem

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - PNE (2001-2010): A REALIDADE EXISTENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - PNE (2001-2010): A REALIDADE EXISTENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - PNE (2001-2010): A REALIDADE EXISTENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Mayane Almeida da Silva 1 mayanea@yahoo.com.br Priscila Azevedo de Amorim 2 Priscila22@yahoo.com.br Maira Nunes

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

O PAPEL DAS POLÍTICAS SOCIAIS E O TERCEIRO SETOR

O PAPEL DAS POLÍTICAS SOCIAIS E O TERCEIRO SETOR O PAPEL DAS POLÍTICAS SOCIAIS E O TERCEIRO SETOR Ana Paula S. Giroto ALVES 1 Resumo: o Estado é parte integrante, que foi e é determinado, pelas mudanças na estrutura da sociedade e pelas relações sociais

Leia mais

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES 1 CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A discussão que vem sendo proposta por variados atores sociais na contemporaneidade

Leia mais

CAJUP CARNAÚBA - CENTRO DE ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR CARNAÚBA PLANO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO

CAJUP CARNAÚBA - CENTRO DE ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR CARNAÚBA PLANO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO CAJUP CARNAÚBA - CENTRO DE ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR CARNAÚBA PLANO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO Falar em democracia e silenciar o povo é uma farsa. Falar em humanismo e negar os homens é uma mentira.

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº.../2010

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº.../2010 PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº.../2010 Revoga a Resolução Legislativa 02/2001 e disciplina a administração o e o funcionamento da TV Câmara Santa Maria. Art. 1º - Esta resolução disciplina os objetivos, os princípios,

Leia mais

Palavras-chave: extensão, comunicação, divulgação, escolas.

Palavras-chave: extensão, comunicação, divulgação, escolas. VISITANDO : RELATOS DAS EXPERIÊNCIAS DE PROXIMIDADE ESTABELECIDAS COM INSTITUIÇÕES DE ENSINO DE PELOTAS E REGIÃO Área Temática: Educação Fabíola Mattos Pereira (Coordenadora da Ação) Fabíola Mattos Pereira

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil Carmen Teresa Kaiber kaiber@ulbra.br ULBRA/RS, Brasil Modalidade:

Leia mais

Prova Docente & formação de professores no Brasil

Prova Docente & formação de professores no Brasil AESUFOPE Porto Alegre, 23 de novembro de 2012 Prova Docente & formação de professores no Brasil Maria Beatriz Luce UFRGS/FacEd Núcleo de Estudos de Política e Gestão da Educação Prova Docente & formação

Leia mais

Avaliação externa como instrumento da gestão do sistema de ensino: a adesão e os impasses para a busca de melhoria na educação

Avaliação externa como instrumento da gestão do sistema de ensino: a adesão e os impasses para a busca de melhoria na educação Avaliação externa como instrumento da gestão do sistema de ensino: a adesão e os impasses para a busca de melhoria na educação MOREIRA, Rozemeiry dos Santos Marques SORDI, Mara Regina Lemes de UNICAMP

Leia mais

3 O Serviço Social no setor de ONGs

3 O Serviço Social no setor de ONGs 3 O Serviço Social no setor de ONGs Uma análise sobre a atuação do assistente social em organizações não governamentais (ONGs) deve partir da reflexão sobre a configuração da sociedade civil brasileira,

Leia mais

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS Wilson Camerino dos Santos Junior Instituto Federal do Espírito Santo/ caducamerino@yahoo.com.br RESUMO A pesquisa apresenta

Leia mais

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL HAROLDO LOGUERCIO CARVALHO * A nova ordem internacional que emergiu com o fim da

Leia mais

Formação Continuada para Educadores da Educação Infantil promovida pelo projeto Ciência Lúdica para crianças : pressupostos, atividades e vivências

Formação Continuada para Educadores da Educação Infantil promovida pelo projeto Ciência Lúdica para crianças : pressupostos, atividades e vivências Formação Continuada para Educadores da Educação Infantil promovida pelo projeto Ciência Lúdica para crianças : pressupostos, atividades e vivências Maria José da Silva Rocha Resumo O trabalho que apresentarei

Leia mais

A DITADURA BRASILEIRA DE 1964

A DITADURA BRASILEIRA DE 1964 A DITADURA BRASILEIRA DE 1964 Dalmo A. Dallari * 1. A DITADURA E SUAS VARIANTES A história da humanidade tem sido uma confirmação reiterada do acerto da advertência do eminente político e historiador inglês

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 017/2008

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 017/2008 DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 017/2008 Regulamenta a criação de Empresas Juniores na Universidade de Taubaté. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, na conformidade do Processo n R-057/2007, nos Artigos 6 a 8, 81 ( 1 ) e

Leia mais

GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - HABILITAÇÃO JORNALISMO

GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - HABILITAÇÃO JORNALISMO 1 GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - HABILITAÇÃO JORNALISMO ESTRUTURA CURRICULAR O curso de Comunicação Social - habilitação Jornalismo será ofertado, preferencialmente, no turno matutino, terá a duração

Leia mais

MÍDIA COMUNITÁRIA: NOVAS TECNOLOGIAS E A EMERGÊNCIA DO LOCAL1. Paulo Roberto BOTÃO

MÍDIA COMUNITÁRIA: NOVAS TECNOLOGIAS E A EMERGÊNCIA DO LOCAL1. Paulo Roberto BOTÃO MÍDIA COMUNITÁRIA: NOVAS TECNOLOGIAS E A EMERGÊNCIA DO LOCAL1 Paulo Roberto BOTÃO RESUMO - Este trabalho tem como objetivo apresentar alguns apontamentos sobre o desenvolvimento das mídias comunitárias

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA 1 GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA Valéria Aparecida Vieira Velis Orientador: Prof. Dr. Celso Luiz Ap. Conti Mestrado em Educação Linha de pesquisa:

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS ASSUNTO: Regulamentação Do Programa de Educação a Distância e Instituição do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) no CEFET-MG RELATÓRIO 1. Bases

Leia mais

Eixo Temático ET-14-004 - Outros

Eixo Temático ET-14-004 - Outros 578 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 2014 Eixo Temático ET-14-004 - Outros COLETIVO ESTAÇÃO (SOUSA-PB): APLICAÇÃO DE TECNOLOGIAS SOCIAIS PARA MELHORIA

Leia mais

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL Márcio Henrique Laperuta 1 Rodrigo Santos2 Karina Fagundes2 Erika Rengel2 UEL- Gepef-Lapef-PIBID RESUMO

Leia mais

TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO

TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO Raquel Monteiro Alberto Moraes - Graduanda do curso de Pedagogia (UERJ) Renata Oliveira de Sousa- Graduanda do curso de Pedagogia (UERJ) A sociedade atual se encontra imersa

Leia mais