O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL"

Transcrição

1 O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão de curso realizado sobre o papel do estágio na formação profissional. Foi realizada uma pesquisa com os egressos do Programa Lext-Oesste e com os atuais extensionistas e estagiários, abordando o processo de trabalho a partir do qual as atividades no Lext-Oesste são organizadas e relacionando-o com o processo de trabalho do Serviço Social. Os resultados indicam as contribuições do estágio nesse campo para a atuação profissional, onde os egressos apontam para a atuação a partir dos conhecimentos adquiridos no período de formação e os estagiários, para a contribuição no entendimento dessas atividades. Palavras-chave: Formação profissional, trabalho profissional e processo de trabalho. INTRODUÇÃO A inserção no Programa Lext-Oesste deu-se, em um primeiro momento, no sentido de observar e conhecer a dinâmica das ações desenvolvidas nesse campo de estágio na condição de aluna extensionista. No segundo momento, como estagiária, atuei em uma atividade de assessoria desenvolvida no segundo semestre de 2006 que tratava da construção de instrumentos para a atuação do assistente social, onde, nesse caso, foram construídos quatro jogos em articulação com a equipe de assistentes sociais da Vara de família do Fórum de São Gonçalo, e a segunda experiência foi com o público da terceira idade através do Projeto Tempo de Aprender, uma experiência desenvolvida desde 2005, que atualmente é o grupo para o qual nossas ações estão voltadas. Segundo IAMAMOTO (1998: 268): O estágio constitui um momento da formação profissional que articula teoria e prática em meio ao processo de aprendizagem do aluno em relação às dimensões teórico-metodológicas, técnico-operativa e ético-política, sendo um momento da vida acadêmica do aluno onde ele terá a oportunidade de vivenciar a dinâmica da profissão escolhida. Entendendo o espaço do estágio como um espaço onde serão construídas respostas para as demandas identificadas na realidade a partir de um determinado referencial teórico, o que caracteriza o processo de trabalho do assistente social, nesse sentido o estágio, em articulação com o conteúdo das demais disciplinas que compõem a formação em 1

2 Serviço Social, vai capacitar o aluno para intervir em diferentes situações que irão surgir em seu cotidiano profissional. O estágio é um dos espaços privilegiados de contato direto dos acadêmicos com o cotidiano institucional no mercado de trabalho, como as experiências de trabalho desenvolvidas por assistentes sociais e outros profissionais afins. O Programa Lext-Oesste (Laboratório de Extensão-Organização de Experiências em Serviço Social, Trabalho e Educação) é um programa de Extensão da Universidade Castelo Branco e atua a partir de sete frentes, que chamamos de NAE Núcleo de Atividades Extensionistas, são eles: Adolescente, Comunidade, Criança, Família, Mulher, Terceira Idade e Trabalhador. Através dessas frentes de atuação realiza-se o conjunto de atividades que compõem o Programa Lext-Oesste e que são organizadas a partir de nossas linhas de ação, são elas: Estágio Supervisionado, capacitação de equipes profissionais, ações interventivas, atividades investigativas, cursos, produção de material pedagógico e publicações. O mercado de trabalho, que se organiza a partir de exigências mais restritas, demanda hoje, majoritariamente, por profissionais com uma boa qualificação técnicooperativa atendendo a uma necessidade de mercado, onde o objetivo é atender às solicitações da população de forma mais imediata possível causando a impressão de uma boa atuação, mas que revela a ausência de uma preocupação com a efetiva transformação social. Esse mercado de trabalho que demanda por profissionais meramente operativos constitui um grande desafio ao profissional que busca compreender a realidade social analisando e refletindo teoricamente sobre ela, sendo o assistente social um trabalhador assalariado que muitas vezes atua em condições que não favorecem a reflexão teórica e crítica sobre seu próprio fazer profissional; nesse sentido, em que medida os profissionais que compartilham dessa concepção conseguem estabelecer em seu cotidiano espaços onde possam refletir sobre o seu fazer profissional? Ou apenas os profissionais incorporam as dimensões técnico-operativas que são trabalhadas durante o estágio e a formação de maneira geral? Mas será que essa vivência em um campo de estágio que investe em uma formação diferenciada, de fato, resulta na qualificação de novos sujeitos profissionais que buscam apresentar em seus respectivos campos de atuação profissional os reflexos dessa formação diferenciada? O objetivo geral do trabalho foi analisar os egressos, estagiários e extensionistas do Programa Lext-Oesste, identificando o papel do estágio na formação profissional. E os 2

3 objetivos específicos se dividem em: analisar o perfil das atividades desenvolvidas pelos egressos, estagiários e extensionistas no período de inserção no Programa Lext-Oesste; investigar em que medida as preocupações e formas de condução do Programa com as atividades desenvolvidas foram ou poderão ser incorporadas e como no cotidiano profissional dos egressos, dos estagiários e dos extensionistas do Programa Lext-Oesste; e avaliar quais as principais contribuições identificadas a partir da experiência no Programa Lext-Oesste em relação à compreensão sobre o trabalho do assistente social. DESENVOLVIMENTO A relação estabelecida entre a educação, instituições que atuam com essa política e o mercado constitui uma relação de cumplicidade, assim a educação se torna um recurso utilizado para atender às demandas estabelecidas pelo mercado onde a lógica da mercadoria acaba sendo incorporada, transformando os sujeitos e as relações estabelecidas nessa dimensão em algo que ao invés de possuir um valor humano passa a possuir um valor de mercado. Essa educação não é capaz de oferecer subsídios para que os indivíduos sejam capazes de elaborar uma análise crítica sobre a realidade, tendo um modelo que mantém os indivíduos domesticados, oprimidos, em posição acrítica e passiva, impedindoos de buscar sua autonomia enquanto sujeitos sociais. Sendo o mercado a esfera que orienta todas as relações sociais, a educação a qual nós temos acesso hoje é uma educação que visa atender as suas necessidades e também submetida aos interesses da classe dominante, que busca a manutenção e a permanência de seu poder. Para estar apto a servir a esse mercado, os indivíduos se tornam alvo de uma preparação que não consiste somente em aperfeiçoar habilidades e conhecimentos técnicos, mas que os manipule de forma a facilitar sua dominação. O processo de mercantilização se faz presente no campo educacional de duas maneiras. Uma interferindo na forma como essa educação é conduzida, visando preparar os indivíduos para atender as demandas do mercado e outra transformando a educação em mais uma mercadoria a ser ofertada pelo mercado, onde o acesso e a qualidade desse serviço vão estar diretamente ligados ao valor que cada um está disposto ou tem possibilidade de pagar. Em meio às reformas de Estado, com a finalidade de ajustar nosso país às exigências do mercado mundial e conseqüentemente do capital, diversas instâncias sociais 3

4 sofreram transformações, já que o mercado se afirma como árbitro das relações não só econômicas como também sociais, culturais e educacionais. Isso pode explicar a resistência das forças políticas à aprovação da proposta inicial da LDB que foi elaborada em meio a um processo de discussões em seminários, conferências e reuniões caracterizando um processo democrático de construção dessa proposta que, para ser aprovada, teve que ser submetida a inúmeras restrições e alterações, pois essa proposta inicial da LDB poderia representar uma ameaça aos interesses das forças políticas que submeteram a proposta da LDB a mudanças como condicionantes de sua aprovação; o fizeram objetivando a adequação da proposta ao projeto societário do interesse do governo em articulação com as exigências do mercado mundial. Logo, a LDB aprovada se correlaciona com a ideologia da desregulamentação, flexibilização e privatização. A realidade da educação de nível superior não é exclusiva dessa dimensão da educação, tanto a educação superior quanto os demais níveis da educação são submetidos à lógica do mercado à medida em que o acesso passa a ser mediado pelo consumo, o indivíduo só tem direito de ter acesso através da aquisição de um serviço ofertado pelo mercado. Com isso afirma-se a diretriz mercantilista a que vem sendo submetido o campo educacional no Brasil. A que assistimos e vivenciamos é uma transição da educação da esfera pública para a esfera do mercado, onde a educação perde seu caráter de construção de conhecimento e valorização da experiência dos indivíduos passando a ser uma transmissão de conhecimentos e fazendo dessa prática algo que pode ser vendido rendendo altos lucros para o mercado, além de um treinamento do aluno visando ofertá-lo ao mercado de trabalho como mais uma peça necessária para a acumulação do capital. A prática educativa se dá em meio a contextos históricos, culturais e políticos, ou seja, uma mesma concepção de prática educativa vai ser aplicada de maneira diferenciada de acordo com o contexto no qual ela vai estar inserida e dos interesses que perpassam essa esfera, nesse sentido é necessário desenvolver um olhar crítico sobre a concepção de educação trabalhada hoje pelo Estado e por outras instituições, pelas escolas e pelas universidades, que consiste em uma educação que em sua maior parte visa preparar e capacitar os indivíduos para a atuação no mercado de trabalho, essa relação acaba resultando em uma série de aspectos relevantes que hoje passam ao longo do campo educacional. 4

5 Entender a realidade que perpassa a prática profissional é importante também para a compreensão acerca das transformações no âmbito da formação, reconhecendo a articulação entre esses dois momentos. O contexto histórico não só é relevante para a atuação profissional, como parte integrante do trabalho do assistente social, como também se relaciona com a recente redefinição da formação profissional, onde no decorrer das décadas de 80 e 90 as reformas do Estado e as conseqüentes transformações vivenciadas na sociedade em função da lógica mercantilista trouxeram a necessidade de mudanças em todas as dimensões da profissão acarretando inevitáveis rebatimentos para a formação em Serviço Social. O currículo da formação em Serviço Social atualmente articula as disciplinas visando contemplar o aluno de forma que ele possa compreender a realidade social em sua totalidade e não cada dimensão isoladamente, de maneira fragmentada, o que possibilita uma articulação entre as dimensões histórica, política e as possibilidades profissionais que se colocam para o assistente social e essa capacidade de articulação é necessária para a atuação com qualquer segmento social. Na década de 80, o Serviço Social viveu um momento de reflexão sobre as dimensões da própria profissão e desse processo resultam o código de ética profissional, a lei de regulamentação da profissão de Serviço Social e as novas diretrizes gerais para o curso de Serviço Social. Esse conjunto de diretrizes vai estabelecer bases que irão orientar desde a formação até o trabalho profissional. Esse processo de articulação entre o Serviço Social e o contexto histórico deveria ter seu início ainda no âmbito da formação, o que possibilita também o envolvimento dos alunos na construção de alternativas elaboradas no âmbito acadêmico para os profissionais, onde a universidade, através da extensão universitária, tem essa dimensão de construção de novas propostas de ação profissional, como um dos compromissos que perpassam a relação entre a sociedade e a universidade enquanto espaço de produção de conhecimento. As diferentes demandas que surgem advindas das necessidades da sociedade em cada momento histórico são o objeto sobre o qual as diferentes profissões irão elaborar suas alternativas de atuação de acordo com o seu campo de intervenção. As mudanças e transformações que são identificadas nessas demandas da população vão se constituir em rebatimentos diretos nas formas de condução das diferentes profissões. As relações que são estabelecidas hoje na sociedade enquanto objeto e alvo da ação profissional é o que 5

6 determina uma ação articulada com a realidade da dinâmica na qual esse profissional se insere. No âmbito da formação profissional é preciso construí-la além da sala de aula, e a universidade, independente de ser uma instituição de caráter público ou privado, é uma instituição que tem como uma de suas características a relação com a sociedade e a participação do aluno no esforço de aproximação dessa instituição com a comunidade em geral é um caminho para que o aluno possa estabelecer essa relação com a realidade social ainda no espaço da formação e na condição diferenciada da condição de profissional, que no caso do aluno permite dúvidas, questionamentos e aprendizado para uma futura atuação na profissão. No entanto, o profissional de Serviço Social deve se apropriar de subsídios que não se limitem aos que se encontram disponíveis nos espaços institucionais para não reduzir sua atuação a um caráter meramente burocrático. Essa percepção pode, e precisa, começar a ser construída ainda na universidade identificando a necessidade de uma formação profissional que leve o estudante a construir o seu conhecimento não somente a partir do espaço da universidade, mas uma formação abrangente, que possibilite ao aluno a inserção e a participação em espaços para além dos muros da universidade, como seminários, palestras, fóruns e demais opções que levem esse estudante a ser sujeito de sua formação, viabilizando uma futura atuação mais política e crítica desse profissional em detrimento de uma formação moldada com limites restritos aos espaços da universidade, que pode resultar em uma concepção de profissão com esse mesmo caráter. Uma das dimensões do ofício do assistente social é a dimensão teórica e é ainda no período em que o estudante de Serviço Social encontra-se na graduação que ele vai iniciar sua capacitação para a elaboração dessas reflexões conhecendo e se apropriando dos instrumentais que vão possibilitar essas construções e também é o espaço em que o aluno entra em contato com os aportes teóricos que irão fundamentar suas observações possibilitando uma futura atuação profissional teoricamente sustentada, sendo essa articulação que vai diferenciar o posicionamento do profissional de um posicionamento pautado no senso comum, do qual todos somos detentores antes do contato com o mundo acadêmico e o estágio será um dos espaços onde o aluno terá a possibilidade de construir esta articulação no decorrer de sua inserção acadêmica. As ações que são desenvolvidas pelo Programa Lext-Oesste com os diferentes públicos são concebidas tendo como eixo orientador a relação existente entre o Serviço 6

7 Social, trabalho e educação, onde a inserção dessas categorias em um contexto histórico denomina sua alteração de acordo com a transformação da configuração da sociedade. A instauração de um novo padrão de produção demanda por mudanças no campo políticoideológico, com reflexos no campo da reprodução social como base de sustentação desse padrão de produção. Nesse caso, as transformações que ocorrem na esfera da produção, ou seja, no mundo do trabalho são acompanhadas por transformações no âmbito cultural, incluindo mudanças no campo educacional. No momento em que nasce o Programa Lext-Oesste a área da educação ainda não se constituía em um campo vasto para a inserção do Serviço Social, mas era identificada como uma área estratégica para investimento naquele momento. Um dos fatores que justifica esse interesse é a elevação do significado que a educação escolarizada passou a ter diante das transformações no mundo do trabalho, o que justifica o interesse da universidade e dos assistentes sociais em investigar esse campo. O Programa Lext-Oesste é um campo de estágio da Universidade Castelo Branco que se organizou a partir de ações que envolvem a dimensão interventiva e a dimensão investigativa do fazer profissional do assistente social, ou seja, o campo teórico-prático do fazer profissional, entendendo essas duas dimensões enquanto componentes que se articulam e não como componentes distintos. Essa compreensão se expressa na forma de organização e desenvolvimento das ações no cotidiano desse campo de estágio, onde a inserção do grupo de estagiários e extensionistas que compõe a equipe do programa ocorre no desenvolvimento de ações como planejamento, capacitação, avaliação, sistematização, assessorias, reflexões teóricas, socialização onde a realização dessas ações tem como pressuposto a supervisão realizada pelo professor responsável pelo campo. Essa pesquisa foi desenvolvida através das avaliações feitas pelos egressos, que se inseriram nesse campo e pelos atuais estagiários e extensionistas que ainda se encontram inseridos no Programa Lext-Oesste, a fim de analisar como os entrevistados situam o papel desenvolvido pela realização do estágio em sua formação profissional. O tipo de pesquisa escolhida para a realização desse estudo foi a pesquisa qualitativa, que segundo a abordagem da autora Minayo (2007) é um tipo de pesquisa que ocorre a partir de uma das características fundamentais do ser humano, a sua capacidade de reflexão que não pode ser apreendida através da pesquisa somente quantitativa. 7

8 O roteiro das entrevistas foi elaborado a partir dos eixos e dos objetivos que se encontram relacionados no quadro de análise, em anexo. Por se tratarem de dois grupos com características diferenciadas, lembrando que um grupo corresponde a profissionais que tiveram períodos de inserção no Lext-Oesste no decorrer de sua formação profissional e outro grupo ainda se encontra inserido no estágio, foram elaborados dois roteiros para entrevista onde algumas questões foram formuladas de maneira diferente considerando a particularidade de cada grupo. Cada etapa do roteiro se relaciona com um eixo e mesmo com formulações diferentes, as questões abordam o mesmo conteúdo no roteiro correspondente aos dois grupos. As categorias que foram utilizadas para a análise do material foram: ensino superior, buscando uma reflexão acerca da educação de maneira geral estabelecendo uma discussão até chegar ao ensino superior abordando algumas das questões que perpassam a realidade dessa política atualmente, tendo em vista o processo de mercantilização que estabelece uma correlação de forças entre a concepção de educação somente enquanto mercadoria e os espaços que atuam segundo essa política em uma dimensão de busca pela construção do conhecimento; formação profissional, enquanto categoria que relacionada ao ensino superior abrange dimensões como o ensino em sala de aula e a vivência no espaço do estágio como parte dessa formação; o Serviço Social, onde as transformações na realidade com a qual atua representam reflexos na formação dos profissionais que precisam desenvolver a capacidade teórico-metodológica para lidar com as demandas dos usuários que são alvo da ação profissional; processo de trabalho e trabalho profissional, onde a abordagem dessas duas categorias possibilita relacionar a atuação no estágio, através de seu processo de trabalho, com a atuação nos espaços ocupacionais em que o assistente social se insere. E os eixos que orientaram a análise dos conteúdos foram: trajetória de inserção no Programa Lext-Oesste e perfil das atividades desenvolvidas; relação entre as atividades desenvolvidas durante a inserção no Programa Lext-Oesste e as atividades que compõem o cotidiano do fazer profissional do assistente social; e o papel do estágio no processo de formação profissional e possíveis contribuições para o trabalho profissional. CONCLUSÕES E CONSIDERAÇÕES FINAIS A realização dessa pesquisa possibilitou o contato com profissionais que tiveram a inserção no Lext-Oesste como parte de sua formação profissional e foi possível perceber o 8

9 grande número de contribuições que a inserção essa prática trouxe para a atuação desses profissionais, assim como foi importante conhecer algumas experiências profissionais, mesmo que de forma breve. Algumas atividades foram incorporadas com maior intensidade no cotidiano profissional e outras nem tanto, porém, mesmo não sendo incorporadas em sua totalidade, o desenvolvimento dessas atividades ainda no decorrer do estágio contribuiu para a construção da postura profissional e para a condução do trabalho de maneira geral. Foi possível perceber também ao longo da pesquisa uma relação entre as falas do grupo de egressos, de estagiários e extensionistas que, embora participando em épocas diferentes, se inserindo em frentes diferentes, estando em períodos de estágio diferentes, percebem a dinâmica do Lext-Oesste de maneira parecida, o que demonstra o envolvimento do grupo na dinâmica do estágio de maneira comprometida com as concepções trabalhadas no Lext-Oesste, o que resulta em reflexos para a atuação profissional. O objetivo do Lext-Oesste de contribuir para a formação de profissionais com capacidade para pensar criticamente sobre a realidade e sobre seu próprio trabalho articulando a dimensão teórica e a dimensão metodológica é claramente expresso na fala dos entrevistados, expressando que esse comprometimento tem reflexos na formação e na atuação profissional. REFERÊNCIAS ALMEIDA, N. L. T. Retomando a temática da Sistematização da prática. Revista Em Pauta. n. 10. Rio de Janeiro: UERJ, Extensão e Capacitação Permanente na Faculdade de Serviço Social da UERJ. Revista Em Pauta. n. 12. Rio de Janeiro: UERJ, O projeto de formação profissional em Serviço Social e a universidade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, Assessoria e extensão universitária. Rio de Janeiro: [s.n], s/d.. Desafios contemporâneos para a formação profissional em Serviço Social. Rio de Janeiro: [s.n.], Proposta de criação do Projeto Lext-Oesste. Rio de Janeiro, UCB. BEHRING, Elaine Rossetti. Biblioteca básica do Serviço Social: Política social fundamentos e história. São Paulo: Cortez,

10 10 CRESS 7ª R. Assistente Social: Ética e Direitos Coletânea de Leis e Resoluções. 4ª ed. Rio de janeiro, DESLANDES, S. F. GOMES, R. MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. 25. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, FREIRE, Paulo. Política e educação. 3. ed. São Paulo: Cortez, FRIGOTTO, Gaudêncio. Os professores e a reinvenção da escola. São Paulo: Cortez, GOMES, MODESTO & FERREIRA. Relatório referente à disciplina de Estágio IV. Rio de Janeiro: Lext-Oesste / UCB, IAMAMOTO, Marilda Villela. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 13. ed. São Paulo: Cortez, Renovação e conservadorismo no Serviço Social. 9.ed. São Paulo: Cortez, NETTO, J. P. Transformações societárias e serviço social Notas para uma análise prospectiva da profissão no Brasil. Revista Serviço Social & sociedade. São Paulo: Cortez, n. 50. RIMES, V. Assessoria e extensão universitária: um estudo sobre a experiência do projeto Lext-Oesste f. TCC (Graduação em Serviço Social). Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Castelo Branco. SANTANA, N. M. O processo de supervisão na formação profissional do assistente social. Rio de Janeiro: [s.n.], s/d. SERRA, Rose (org.). Trabalho e reprodução: Enfoques e abordagens. 1. ed. São Paulo: Cortez, SILVA JUNIOR, João dos Reis & SGUISSARDI, Valdemar. Novas faces da educação superior no Brasil. 2. ed. rev. São Paulo: Cortez, 2001.

A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS

A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS A EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS ADULTOS Alyson Fernandes de Oliveira 1 Hanna Maia Marques de Mello 2 Ana Paula de Almeida Saraiva Magalhães 3 Renata Emiko Basso Hayashi 4 Resumo: Com o elevado

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Palavras-chave: Formação continuada de professores, cinema, extensão universitária.

Palavras-chave: Formação continuada de professores, cinema, extensão universitária. CINEMA UNIVERSITÁRIO: A EXTENSÃO COMO ESPAÇO PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO (UNEMAT) André Luiz Borges Milhomem (UNEMAT) Egeslaine de Nez (UNEMAT) Maria

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DO PROJETO "BRINCANDO COM A COMUNIDADE".

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DO PROJETO BRINCANDO COM A COMUNIDADE. 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DO PROJETO "BRINCANDO COM A COMUNIDADE". AMANDA RIBEIRO MIRANDA NHADYA NASCIMENTO BRITO IESMA/UNISULMA amirandaimp@hotmail.com nhadyabrito@hotmail.com

Leia mais

TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira

TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira 1 Qualquer que seja o campo de atuação\intervenção o Profissional deve: Elaborar um Plano de Intervenção (definição dos instrumentos teórico-metodológicos e técnicooperativos);

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE ALMEIDA, Rozelaine Rubia Bueno D 1 Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar uma reflexão sobre as mudanças na legislação do Ensino

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil Carmen Teresa Kaiber kaiber@ulbra.br ULBRA/RS, Brasil Modalidade:

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Costa, Daiene de Cássia Souza da Email: daienecassia@hotmail.com Vasconcellos, Maura Maria Morita Email: mmorita@sercomtel.com.br

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO 1 OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Leordina Ferreira Tristão Pedagogia UFU littledinap@yahoo.com.br Co

Leia mais

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais NASCIMENTO, C. C. S. 1 ;SILVEIRA, R. B. B. 2 ; MONTEFUSCO, C. 3 ; Resumo O projeto de ensino ora apresentado

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 A LDB, no Titulo VI, trata dos Profissionais da Educação, considerando sob essa categoria não só os professores, que são responsáveis pela gestão da sala de aula, mas

Leia mais

LEITURA E ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COM LUDICIDADE

LEITURA E ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COM LUDICIDADE LEITURA E ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COM LUDICIDADE Martyhellen Maria Monteiro da Silva - Acadêmica do 8º período do Curso de Pedagogia-UVA, Bolsista do PIBID/UVA-Pedagogia

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 432 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO Resumo HOÇA, Liliamar Universidade Positivo liliamarh@up.com.br MORASTONI, Josemary- Universidade Positivo

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA 1 GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA Valéria Aparecida Vieira Velis Orientador: Prof. Dr. Celso Luiz Ap. Conti Mestrado em Educação Linha de pesquisa:

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO RESOLUÇÃO CAS Nº 07 / 2007 De 05 de agosto de 2007 Reformula o Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia, a ser implantado a partir do 2º semestre do ano letivo de 2007. CONSIDERANDO

Leia mais

OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER

OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER OFICINAS PEDAGÓGICAS: CONSTRUINDO UM COMPORTAMENTO SAUDÁVEL E ÉTICO EM CRIANÇAS COM CÂNCER Autores RESUMO LIMA 1, Matheus OCCHIUZZO 2, Anna Rosa Centro de Ciências da Saúde Departamento de Enfermagem Psiquiatria

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL E MOVIMENTOS SOCIAIS - PRÁTICAS EDUCATIVAS NOS ESPAÇOS NÃO ESCOLARES

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL E MOVIMENTOS SOCIAIS - PRÁTICAS EDUCATIVAS NOS ESPAÇOS NÃO ESCOLARES EDUCAÇÃO NÃO FORMAL E MOVIMENTOS SOCIAIS - PRÁTICAS EDUCATIVAS NOS ESPAÇOS NÃO ESCOLARES Deneusa Luzia Rodrigues - UNIVILLE Elizabete Tamanini UNIVILLE Programa de Mestrado em Educação - UNIVILLE Resumo:

Leia mais

O que é protagonismo juvenil?

O que é protagonismo juvenil? O que é protagonismo juvenil? Branca Sylvia Brener * Índice Protagonismo Juvenil Por que a participação social dos jovens? O papel do educador Bibliografia Protagonismo Juvenil A palavra protagonismo vem

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Campus Regional de Ivaiporã. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

SERVIÇO SOCIAL. Campus Regional de Ivaiporã. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos SERVIÇO SOCIAL Campus Regional de Ivaiporã 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Serviço Social PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção?

PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção? 1 PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção? Gissele Carraro 1 Nilda Stecanela 2 RESUMO O artigo discute alguns elementos imprescindíveis da gestão do planejamento

Leia mais

O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência.

O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência. Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência.

Leia mais

CAJUP CARNAÚBA - CENTRO DE ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR CARNAÚBA PLANO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO

CAJUP CARNAÚBA - CENTRO DE ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR CARNAÚBA PLANO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO CAJUP CARNAÚBA - CENTRO DE ASSESSORIA JURÍDICA POPULAR CARNAÚBA PLANO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO Falar em democracia e silenciar o povo é uma farsa. Falar em humanismo e negar os homens é uma mentira.

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL DOS GRADUANDOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL DOS GRADUANDOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL DOS GRADUANDOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Wanderlânyo de Lira Barboza * Emmanuel De Sousa Fernandes Falcão ** Resumo: O presente trabalho aborda reflexões

Leia mais

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL Márcio Henrique Laperuta 1 Rodrigo Santos2 Karina Fagundes2 Erika Rengel2 UEL- Gepef-Lapef-PIBID RESUMO

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS 1

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PROGRAMA NACIONAL ESCOLA DE GESTORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR DE NOVOS CONHECIMENTOS

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar

GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar GESTÃO ESCOLAR: Motivação para melhorar Betina Waihrich Teixeira 1 Sandra Maria do Nascimento de Oliveira 2 Resumo: O gestor escolar deve ter uma boa liderança de comunicação, sabendo interagir com sua

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

PROCESSO EDUCATIVO, DA SALA DE AULA À EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROCESSO EDUCATIVO, DA SALA DE AULA À EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 PROCESSO EDUCATIVO, DA SALA DE AULA À EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Ariana Aparecida Soares Leonel 1 Ana Paula Ferreira 2 Natália Pereira Inêz 3 Frank José Silvera Miranda 4 RESUMO

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO Prof. Msc Milene Silva Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista, desenvolvimentista e críticas. Função

Leia mais

A MEDIAÇÃO ARTICULADA COM USO DE TECNOLOGIAS: CONTRUÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA INCLUSÃO

A MEDIAÇÃO ARTICULADA COM USO DE TECNOLOGIAS: CONTRUÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA INCLUSÃO A MEDIAÇÃO ARTICULADA COM USO DE TECNOLOGIAS: CONTRUÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA INCLUSÃO Resumo Silvana Souza Silva Alves 1 - UnB Amaralina Miranda de Souza 2 - UnB Grupo de Trabalho Diversidade e inclusão

Leia mais

E GE HARIA SOCIAL: UMA OVA DIME SÃO PARA A FORMAÇÃO DO E GE HEIRO. Santos, D. C.

E GE HARIA SOCIAL: UMA OVA DIME SÃO PARA A FORMAÇÃO DO E GE HEIRO. Santos, D. C. 1 E GE HARIA SOCIAL: UMA OVA DIME SÃO PARA A FORMAÇÃO DO E GE HEIRO Santos, D. C. I APRESE TAÇÃO DA DISCIPLI A E GE HARIA SOCIAL 1 Introdução Em 1997, o MEC, por intermédio da Secretaria de Educação Superior,

Leia mais

ASPECTOS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS NA EDUCAÇÃO CONTINUADA

ASPECTOS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS NA EDUCAÇÃO CONTINUADA ASPECTOS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS NA EDUCAÇÃO CONTINUADA Área Temática: Educação Responsável pelo trabalho: Tatiana Comiotto Menestrina Instituição: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA (UDESC) Departamento:

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2

SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2 SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2 RESUMO: O capitalismo financeiro está fortemente projetado na sociedade contemporânea,

Leia mais

AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL?

AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL? AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL? Jailza de Lima Oliveira (UNEB - Bolsista PIBID/CAPES) Larissa Santos do Sacramento (UNEB - Bolsista PIBID/CAPES) Lucimara de Oliveira Soares (UNEB -

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Educação de Qualidade ao seu alcance EDUCAR PARA TRANSFORMAR O CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO: LICENCIATURA

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS OFERECIDAS NO CURSO DE PEDAGOGIA Catálogo 2012

EMENTAS DAS DISCIPLINAS OFERECIDAS NO CURSO DE PEDAGOGIA Catálogo 2012 EP107 Introdução à Pedagogia Organização do Trabalho Pedagógico Ementa: O objetivo das ciências da educação. O problema da unidade, especificidade e autonomia das ciências da educação. A educação como

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO PROJETO DE INCLUSÃO DIGITAL NO COTIDIANO DAS FAMÍLIAS INSERIDAS NO NÚCLEO DE GESTÃO E PROJETOS SOCIAIS (NGPS)

AS CONTRIBUIÇÕES DO PROJETO DE INCLUSÃO DIGITAL NO COTIDIANO DAS FAMÍLIAS INSERIDAS NO NÚCLEO DE GESTÃO E PROJETOS SOCIAIS (NGPS) AS CONTRIBUIÇÕES DO PROJETO DE INCLUSÃO DIGITAL NO COTIDIANO DAS FAMÍLIAS INSERIDAS NO NÚCLEO DE GESTÃO E PROJETOS SOCIAIS (NGPS) Luciana de Souza Pascoal Fonseca Vânia da Conceição Silva Amorim Maria

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Edson Mayer Mestrando em Educação em Ciências e Matemática PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais

VIVÊNCIAS NA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

VIVÊNCIAS NA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL VIVÊNCIAS NA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL Área temática: Educação Eixo temático: Educação, Comunicação e Extensão Responsável pelo Trabalho: Salette Marinho de Sá 1 Autores participantes:

Leia mais

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA Suzana Marssaro do Santos - suzanamarsaro@hotmail.com Priscila Moessa Bezerra - p-moessabezerra@hotmail.com Célia Regina de Carvalho

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 AS PROPOSTAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTADAS NOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRONHOS FRANCO, C.

Leia mais

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1 FACULDADE PIO DÉCIMO LICENCIATURA EM QUÍMICA ENSINO DE QUÍMICA ÁREA 4 PROF a MARIA ANTÔNIA ARIMATÉIA FREITAS QUESTÃO 01 Com base na projeção da população brasileira para o período 2010-2040 apresentada

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE Stella Maris Pissaia 1 Giseli Dionize Bobato 2 RESUMO: Neste resumo apresentamos uma descrição compreensiva das experiências vivenciadas a partir do contato teórico durante

Leia mais

Palavras chaves: Pedagogia da alternância, Pedagogia empreendedora, formação profissional, ensino-aprendizagem.

Palavras chaves: Pedagogia da alternância, Pedagogia empreendedora, formação profissional, ensino-aprendizagem. O PRINCÍPIO DA PEDAGOGIA EMPREENDEDORA NO CURSO TÉCNICO DE AGROPECUÁRIA, DA ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA DO PACUÍ. DARLENE DO SOCORRO DEL-TETTO MINERVINO DR. SANDRA REGINA GREGÓRIO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS.

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. CLáudia Mônica dos Santos RESUMO: Esse estudo tem por objetivo conhecer como a prática profissional vem

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS. Danielli da Silva Almeida Universidade Estadual de Londrina danii-geo@hotmail.

O ENSINO DE GEOGRAFIA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS. Danielli da Silva Almeida Universidade Estadual de Londrina danii-geo@hotmail. O ENSINO DE GEOGRAFIA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Danielli da Silva Almeida Universidade Estadual de Londrina danii-geo@hotmail.com RESUMO Este artigo tem como objetivo refletir sobre as abordagens do

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA Tema debatido na série Integração de tecnologias, linguagens e representações, apresentado no programa Salto para o Futuro/TV Escola, de 2 a 6 de maio de 2005 (Programa 1) INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO

Leia mais

5. Considerações Finais

5. Considerações Finais 5. Considerações Finais A realização deste trabalho nos possibilitou algumas conclusões. Assim apontamos que as Assistentes Sociais entrevistadas para nossa pesquisa demonstraram em suas reflexões que

Leia mais

O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR DO MUNICIPIO DE JUSSARA-BA: BREVES REFLEXÕES

O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR DO MUNICIPIO DE JUSSARA-BA: BREVES REFLEXÕES O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR DO MUNICIPIO DE JUSSARA-BA: BREVES REFLEXÕES RESUMO Cristiane Kuhn de Oliveira Universidade do Estado da Bahia UNEB cristiane-kuhn@hotmail.com O presente artigo expõe os resultados

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA Genilson José da Silva Universidade Federal da Paraíba genilsonjos27@gmail.com Maria das Graças de Almeida Baptista Universidade Federal da Paraíba - mgabaptista2@yahoo.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA Tamara Nomura NOZAWA 1 Telma Lúcia Aglio GARCIA 2 Edmárcia Fidelis ROCHA

Leia mais

PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2012.2

PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2012.2 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO (PSD-G) 2012.2 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional, que sejam capazes de transformar

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL OBRIGATÓRIO

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL OBRIGATÓRIO MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL OBRIGATÓRIO COORDENNAÇAO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Profª Msc Liana Maria Ibiapina do Monte SUMÁRIO APRESENTAÇÃO CARACTERIZAÇÃO TERMINOLOGIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROPOSTA PARA (RE)CONSTRUÇÃO DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROPOSTA PARA (RE)CONSTRUÇÃO DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO PROPOSTA PARA (RE)CONSTRUÇÃO DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO Vitória Junho de 2003 ELEMENTOS NORTEADORES O Projeto Pedagógico de Curso explicita os fundamentos teóricometodológicos, os

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE MAQUETES COMO RECURSO DE ENSINO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOS ANOS 6º ANOS

UTILIZAÇÃO DE MAQUETES COMO RECURSO DE ENSINO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOS ANOS 6º ANOS UTILIZAÇÃO DE MAQUETES COMO RECURSO DE ENSINO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOS ANOS 6º ANOS Resumo Regiane Aparecida Kusman 1 - TUIUTI-PR Grupo de Trabalho - Educação e Meio Ambiente Agência Financiadora: não

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: um estudo de caso do Projeto Teste da Orelhinha em Irati e Região (TOIR)

REFLEXÕES SOBRE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: um estudo de caso do Projeto Teste da Orelhinha em Irati e Região (TOIR) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação Considerando a importância de estudos que abordem dimensões

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

Unidade III ORIENTAÇÃO E PRÁTICA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO EM AMBIENTES ESCOLARES E NÃO ESCOLARES. Prof. Tarciso Oliveira

Unidade III ORIENTAÇÃO E PRÁTICA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO EM AMBIENTES ESCOLARES E NÃO ESCOLARES. Prof. Tarciso Oliveira Unidade III ORIENTAÇÃO E PRÁTICA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO EM AMBIENTES ESCOLARES E NÃO ESCOLARES Prof. Tarciso Oliveira 7. A gestão da educação em ambientes não escolares A pedagogia como ciência da educação

Leia mais

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE AVALIAÇÃO DA GESTÃO PIBID UEPB POR (AS) COORDENADORES (AS), SUPERVISORES (AS) E ALUNOS (AS) BOLSISTAS

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE AVALIAÇÃO DA GESTÃO PIBID UEPB POR (AS) COORDENADORES (AS), SUPERVISORES (AS) E ALUNOS (AS) BOLSISTAS ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE AVALIAÇÃO DA GESTÃO PIBID UEPB POR (AS) COORDENADORES (AS), SUPERVISORES (AS) E ALUNOS (AS) BOLSISTAS Juarez Nogueira Lins Universidade Estadual da Paraíba junolins@yahoo.com.br

Leia mais

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE Vânia Maria Nunes dos Santos INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 12

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Nilson Duarte Rocha 1 Lúcio Jorge Hammes 2 Resumo Este artigo apresenta a epistemológica para a efetivação de uma educação ambiental transformadora do sujeito-aluno

Leia mais

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA Daricson Caldas de Araújo (IFPE) daricsoncaldas@gmail.com RESUMO Este artigo de revisão de literatura

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE (Concepções de Ciência, Professores de Química, Educação Integrada)

PALAVRAS-CHAVE (Concepções de Ciência, Professores de Química, Educação Integrada) CONCEPÇÕES SOBRE CIÊNCIA DOS PROFESSORES DE QUÍMICA DO ENSINO MÉDIO DO IFG CAMPUS GOIÂNIA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO INTEGRADA. Layla Karoline Tito ALVES, Instituto de Química,layla.quimica@gmail.com.

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO MULTIMÍDIA SOBRE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIA PARENTERAL: INTRAVENOSA, INTRAMUSCULAR E SUBCUTÂNEA

CONSTRUÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO MULTIMÍDIA SOBRE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIA PARENTERAL: INTRAVENOSA, INTRAMUSCULAR E SUBCUTÂNEA CONSTRUÇÃO DE MATERIAL EDUCATIVO MULTIMÍDIA SOBRE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIA PARENTERAL: INTRAVENOSA, INTRAMUSCULAR E SUBCUTÂNEA BORGES *, Ângela André PUCPR angelaborges2005@yahoo.com.br MACIEL

Leia mais

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual:

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial Trabalho, Emprego e Renda Autogestão, Autodefesa e Família APAE : INTEGRALIDADE DAS AÇÕES NO CICLO

Leia mais

O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE

O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE 1 O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE Recife, maio/2010 Ana Paula Teixeira Bruno Silva Universidade Federal

Leia mais

NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE

NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE NEAPI UMA PROPOSTA DE SUPORTE PEDAGÓGICO NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA, TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO E ALTAS HABILIDADES/SUPERDOTAÇÃO VANESSA PINHEIRO profvanessapinheiro@gmail.com

Leia mais

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática.

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática. DESAFIOS DO ENSINO DA INFORMÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES RESUMO Jéssyca Edly Messias Ribeiro (IFRN) jeh_edly@hotmail.com Jefferson Hernane da Silva

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

O conteúdo matemático e seu ensino em um curso de Pedagogia a distância: o tutor virtual como formador

O conteúdo matemático e seu ensino em um curso de Pedagogia a distância: o tutor virtual como formador O conteúdo matemático e seu ensino em um curso de Pedagogia a distância: o tutor virtual como formador Luciane de Fatima Bertini Cármen Lúcia Brancaglion Passos Introdução A formação dos professores para

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA NO CONTEXTO DE CRECHE

UMA EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA NO CONTEXTO DE CRECHE UMA EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA NO CONTEXTO DE CRECHE COSTA, Efigênia Maria Dias 1 NEVES, Elidiana Oliveira das 2 OLIVEIRA, Marta Luis de 3 SANTOS, Jefferson Silva de Barros 4 SILVA, Luiz Eduardo

Leia mais

IDEIAS SOBRE INCLUSÃO NO ESPAÇO ESCOLAR: O QUE DIZEM OS PROFESSORES?

IDEIAS SOBRE INCLUSÃO NO ESPAÇO ESCOLAR: O QUE DIZEM OS PROFESSORES? IDEIAS SOBRE INCLUSÃO NO ESPAÇO ESCOLAR: O QUE DIZEM OS PROFESSORES? Jakson Luis Galdino Dourado (UFPB) jaksonpsi@gmail.com Emília Galdino Ferraz (UFPB) emilia_271@hotmail.com Herbert Costa do Rêgo (UEPB)

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR

GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR Girlene dos Santos Souza 1 ; Danielle Lima de Oliveira 1 ; Josilene Maria de Almeida 2 ; Ana Maria Pereira de Lima 3 ; Ângela Cristina

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS No que se refere à relação entre educação e sociedade, julgue os Com relação às concepções pedagógicas, julgue os próximos itens. itens a seguir. 60 A vivência grupal na forma

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE FIGUEIREDO, Katherine Medeiros¹; OLIVEIRA, Claudimary

Leia mais

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ CORRÊA, D. M. W²; SILVEIRA, J. F²; ABAID, J. L. W³ 1 Trabalho de Pesquisa_UNIFRA 2 Psicóloga, graduada no Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

O papel e a importância do Coordenador Pedagógico no espaço escolar

O papel e a importância do Coordenador Pedagógico no espaço escolar O papel e a importância do Coordenador Pedagógico no espaço escolar Na classe, o trabalho dos pequenos, Jean Geoffroy, 1881. Fonte: http://www.wikigallery.org/ Coordenador ontem Até 1961 não existe a figura

Leia mais

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS Mais informações: Site PIBID: http://www.pibid.ufrn.br/ Site LEM/UFRN: http://www.ccet.ufrn.br/matematica/lemufrn/index.html E-mail do LEM/UFRN: lem2009ufrn@yahoo.com.br

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO MONIKE CRISTINA SILVA BERTUCCI Universidade Federal de São Carlos mobertucci@yahoo.com.br RESUMO Este artigo relata uma

Leia mais

PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACIPLAC

PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACIPLAC PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACIPLAC GAMA/DF - 2015 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3. 2. OBJETIVOS... 4. 2.1. Geral... 4. 2.2.Específicos... 4. 3. EIOS AVALIATIVOS... 5. 3.1. Eixos de Avaliação Institucional

Leia mais

Folclore Brasileiro: Uma possibilidade de se ensinar o conceito de número na Educação Infantil em um espaço não-formal de aprendizagem.

Folclore Brasileiro: Uma possibilidade de se ensinar o conceito de número na Educação Infantil em um espaço não-formal de aprendizagem. 1 Folclore Brasileiro: Uma possibilidade de se ensinar o conceito de número na Educação Infantil em um espaço não-formal de aprendizagem. Cristiane Vinholes Jacomelli Prof(a). Dr(a) Maria do Carmo de Sousa

Leia mais