QUANDO A LINGUAGEM ESCRITA SE TORNA OBJETO ESCOLAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUANDO A LINGUAGEM ESCRITA SE TORNA OBJETO ESCOLAR"

Transcrição

1 QUANDO A LINGUAGEM ESCRITA SE TORNA OBJETO ESCOLAR Resumo SILVA, Denise Miyabe 1 - UEL Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou com financiamento O presente trabalho analisou 97 produções textuais de 11 alunos da 5º ano do ensino fundamental de uma escola pública do município de Rolândia, cidade localizada no norte do Paraná. O objetivo do trabalho foi de compreender o trabalho pedagógico com a escrita na escola, em particular a produção textual e refletir sobre o papel do professor mediador nesse processo. Para tanto foram analisados os primeiros textos do ano letivo, que faziam parte de uma avaliação solicitada aos professores pela Secretaria Municipal de Educação, com a finalidade de verificar o nível de escrita dos alunos. A análise dos textos prosseguiu durante os meses de fevereiro, março, abril, maio e junho a fim de verificar se houve mudanças na escrita das crianças através da mediação do professor. A abordagem de pesquisa escolhida foi a qualitativa interpretativa, que analisou as produções através da perspectiva enunciativodiscursivo, que considera a linguagem escrita em sua relação com a história (conhecimento) e com a sociedade, com seus diversos usos e apropriações, o que permitiu compreender os sentidos produzidos pelo ensino escolar na interação com as condições socioculturais das crianças. Percebeu-se que o problema está, não só na situação de produção textual que coloca os alunos para escreverem, cada um consigo mesmo, e todos sobre o mesmo assunto, situação esta de produção difícil de encontrar fora da escola, mas no fato de ser ela tão privilegiada em detrimento de outras situações reais. A pesquisa permitiu concluir que quase não houve mediação do professor no trabalho de escrita dos textos em sala de aula, a não ser o de assepsia da língua através das correções de erros ortográficos. Para que haja melhora significativa nas produções textuais dos alunos, é necessária uma mudança na concepção de ensino da linguagem escrita. Palavras-chave: Produção textual. Linguagem escrita. Professor mediador. Introdução O ensino da linguagem escrita na escola tem, permanecido enjaulado a práticas tradicionais, a mais conhecida de todas é o ensino da língua portuguesa em etapas. A preocupação central dessa metodologia, tão utilizada na escola, tem sido colocada na ortografia e na gramática, deixando em segundo plano a construção e compreensão textual, 1 Mestranda em Educação pela Universidade Estadual de Londrina Paraná.

2 16591 principalmente quanto ao aspecto discursivo, um enfoque que tem gerado consequências sérias, como a transformação da escrita de objeto social em objeto escolar, tendo como reflexo produções textuais sem significado, apenas um amontoado de palavras no papel. Segundo Gonçalves (2000): No dizer de Pécora, o que ocorre é que a escola, na sua trajetória histórica, falseia as condições de escrita e não fornece ao estudante as ferramentas de uma prática interativa da língua. [...] com esse falseamento, a escrita torna-se um exercício penoso que cristaliza o discurso. Exemplos disso são as frases-feitas, argumentos de senso comum que, frequentemente, aparecem em textos dos educandos. Outra consequência foi evidenciada pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2009, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que revelou que o índice de analfabetos funcionais corresponde a 20,3% da população com mais de 15 anos. Weisz (2009, p.17) ressalta a necessidade de admitir que nossa incapacidade para ensinar a ler e escrever tem sido responsável por um verdadeiro genocídio intelectual. A autora alerta que nem sempre o professor sabe a diferença entre copiar e escrever e assim acaba promovendo o bom copista e retendo os que leem e escrevem precariamente, o que explica por que tantos alunos chegam ao 5º ano do ensino fundamental sem compreensão leitora de um texto simples e até mesmo sem saber escrever. Os exames nacionais e internacionais que avaliam a educação no Brasil (PISA, Prova Brasil) evidenciam a dificuldade que os alunos têm em produzir textos de qualidade e de compreender o que leem. Uma das causas apontadas para esse fenômeno crescente é, para muitos, a redação escolar ou produção de texto da maneira como vem sendo ensinada. Diante desse contexto a construção desta pesquisa foi motivada, em particular, por minhas experiências como educadora, principalmente pelos momentos de produção de texto junto aos alunos. Momentos em que, como mediadora, percebia que a maior dificuldade nem sempre era a forma do dizer, mas o próprio dizer. Dessa forma, este estudo se propôs a refletir sobre a língua escrita para além da sua forma, debruçou-se sobre seu conteúdo, pois consideramos que os erros quanto à forma e conteúdo, cometidos por crianças que ainda estão na condição de aprendizes, são na verdade, preciosos indícios de um processo em curso de aquisição da representação escrita da linguagem, registros de momentos em que a criança torna evidente a manipulação que faz da

3 16592 própria linguagem, história da relação com que ela (re)constrói ao começar a escrever/ler (ABAURRE, FIAD e SABINSON, 1997, p.16-17). Assim, foram analisadas as produções textuais de alunos do 5º ano do Ensino Fundamental, com o objetivo de compreender o trabalho pedagógico com a escrita na escola, em particular a produção textual e refletir sobre o papel do professor mediador nesse processo. A Linguagem Escrita na Escola Na escola, as práticas tradicionais de ensino muitas vezes caminham lado a lado das novas concepções de aprendizagem, talvez pelo mal costume de se apossar do novo apenas no discurso. Ainda é comum na escola o ensino da linguagem escrita em etapas, da parte (letras e sílabas) para o todo, numa ordem, a qual supõem, do mais fácil para o mais difícil, do formar palavras, frases, para mais adiante trabalharem a compreensão e produção de textos. Nessa perspectiva o trabalho com a escrita na escola tem se debruçado sobre a ortografia. Zorzi (1998) ao expor sua experiência no atendimento fonoaudiológico afirma que, a maioria das queixas da escola está relacionada muito mais a dificuldades ortográficas do que a ausência de "sentido ou coerência ao seu texto, que os temas são pouco explorados, que há uma forte influencia de estilos orais [...] Pode-se até pensar que o que mais chama a atenção não é a dificuldade de construção textual, mas, sim, se a criança escreve de modo ortograficamente correto ou não (ZORZI, 1998, p. 14). Não é incomum encontrar crianças do 5º ano produzindo textos que desconsideram o leitor, que muitas vezes não entendem o que o escritor quis dizer, pois escrevem mecanicamente, tendo como resultado um produto desinteressante, com uma pobreza de vocabulário e conteúdo, sem criatividade, sem organização, feito por obrigação. As criança (e os adultos) tem suficiente conhecimento automatizado da linguagem para gerar peças de discurso relativamente coerentes, passo a passo. O problema com esses textos é que eles costumam ser rotineiros, lineares, clichês, escritos para satisfazer o professor [...] Ao ler esses textos, não acontece nada com o leitor, ele não recebe nenhuma informação que encerre alguma novidade, não encontra nenhuma argumentação demolidora nem tem a oportunidade de se comover com alguma metáfora ou comparação original. Com o escritor também não aconteceu nada comovente; simplesmente obedeceu uma ordem. (LANDSMANN 1998, p.31 grifo nosso).

4 16593 O fato de muitos alunos não saberem se expressar através da escrita evidencia que, muitas vezes, o exercício da cópia e de outras práticas tradicionais no trabalho com a escrita na escola, leva-os a escrever sobre algo vazio de sentido tanto para o escritor, quanto para o leitor. Uma vez que a escola, tão a vontade com as práticas tradicionais de ensino, repete formulas, modelos ineficientes, como o tema sempre solicitado em redações escolares, minhas férias. Formar pessoas capazes de se expressar através da escrita e também de compreender o escrito, para além de sua forma, implica em criar situações em que as produções textuais se aproximem das situações reais ao invés de situações artificiais. O tema "Minha Férias" é um bom exemplo de uma das muitas situações artificiais em que os alunos são chamados a escrever. Nem toda criança comunga do mesmo entendimento ou sentido relacionado às férias. Para muitas crianças, principalmente as de classes populares, férias é o período sem aulas, não acontece nada de especial em seu meio social, não há uma mobilização familiar em torno de um projeto de férias, de uma viagem, ou uma vivência do tipo. Assim esse tema proposto se torna uma atividade superficial, em que a criança não escreve o que viveu, pois nem sempre aquilo que ela viveu converge com aquilo que a escola espera. E esse distanciamento entre realidade e as práticas de escrita na escola podem gerar no aluno uma relação de sofrimento com saber. O uso da escrita ao longo da história produziu uma variedade de modos discursivos, textos e temas tão ricos que poderiam ser explorados quanto a sua utilidade, necessidade ou valor estético, mas que vem sendo trabalhados na escola de maneira superficial, desconsiderando o fato de que a relação da criança com a linguagem escrita na escola pode engessá-la ou estimulá-la enquanto escritora. Segundo Bakhtin (2011) Quanto melhor dominamos os gêneros tanto mais livremente os empregamos, tanto mais plena e nitidamente descobrimos neles a nossa individualidade (onde é possível e necessário), refletimos de modo mais flexível e sutil a situação singular de comunicação; em suma realizamos de modo mais acabado o nosso livre projeto de discurso (p.285). Dessa forma, o trabalho pedagógico com a escrita na escola com o objetivo de formar crianças capazes de se expressar através da escrita tendo em mente um projeto de discurso, implica trazer as situações de produção de textos para situações reais, destacando sua função social concreta, permitindo e incentivando a construção de textos com significado.

5 16594 Contudo, a escola, via de regra, coloca as crianças para escreverem, cada uma consigo mesma, e todas sobre o mesmo assunto, esse tipo de situação de produção é difícil de se encontrar fora da escola, e talvez isso seja um dos motivos pelo qual as crianças encontrem tanta dificuldade. O problema não está na situação de produção textual em si, mas, no fato de ela ser tão privilegiada em detrimento de outras situações reais em que a linguagem se materializa. Nesse caso as palavras não são signos para as crianças, porque não tem significado para além de si, são na verdade uma atividade que se encerra em si mesma. Metodologia de Pesquisa Esta pesquisa buscou compreender o trabalho pedagógico com a escrita na escola, em particular a produção textual, e refletir sobre o papel do professor mediador nesse processo. As produções textuais analisadas são de alunos do 5º ano do Ensino Fundamental de uma escola da Rede Pública Municipal de Ensino de Rolândia, cidade localizada no norte do Paraná. Para análise foram utilizados 97 textos de 11 dos 20 alunos. A escolha dos sujeitos da pesquisa e de suas produções foi aleatória. Todos os textos foram produzidos em sala de aula durante o período de fevereiro, março, abril, maio e junho. A análise foi dividida em duas etapas, a primeira denominada A escrita: Momentos Iniciais e a Segunda, A Escrita no Primeiro Semestre. Inicialmente, foram analisados os textos que faziam parte de uma avaliação solicitada aos professores pela Secretaria Municipal de Educação com a finalidade de verificar o nível de escrita dos alunos no início do ano escolar. Em seguida, foi realizado um estudo das produções escritas pelos alunos ao longo do primeiro semestre de Na Segunda etapa, das 11 crianças ficaram apenas 10, pois uma delas se mudou. As propostas de produção de texto feitas pela professora incluem, reescrita, biografia, leitura de imagens, texto coletivo, texto informativo, reprodução, narração e dissertação. Neste trabalho, a abordagem de pesquisa escolhida foi a qualitativa interpretativa, dado o interesse de compreender como a escrita das crianças se manifesta na produção textual através de suas escolhas, conhecimento e no próprio dizer. Esta pesquisa analisou as produções textuais através da perspectiva enunciativodiscursivo, que considera a linguagem escrita em sua relação com a história (conhecimento) e com a sociedade, com seus diversos usos e apropriações, o que permitiu compreender os

6 16595 sentidos produzidos pelo ensino escolar na interação com as condições socioculturais das crianças. Assim, neste estudo observaram-se dois momentos diferentes, o primeiro que evidencia o que a criança pode e sabe fazer com a escrita sem a interferência do professor e o segundo, em que o professor faz a mediação através da correção das produções textuais. Análise do Corpus A análise das produções textuais no início do ano letivo permite verificar o que cada criança sabe sobre a linguagem escrita, além de revelar pontos que precisam ser trabalhados em sala de aula. Os textos analisados neste estudo são preciosos indícios que dão pistas da relação sujeito e linguagem escrita ao longo do processo de aprendizagem e permitem observar não só o que as crianças são capazes de produzir sem a interferência do professor, mas também as escolhas por determinados gêneros discursivos, suas hipóteses, dúvidas e ideias a respeito da escrita. Transcrição e análise dos textos Por se tratar de uma pesquisa de análise qualitativa extensa, aqui serão transcritos apenas os textos produzidos por 2 das 11 crianças, especificamente, parte do conjunto de textos de Cibele e Fernando (os nomes foram mudados para resguardar a identidade das crianças). Transcrição e análise dos textos de Cibele Texto 1 Para a produção deste texto a professora deu aos alunos apenas o título: O Deserto da Arábia. A escolha quanto ao melhor tipo de texto, sua finalidade e tudo o mais ficou a critério da criança. O Deserto da Arábia Era um dia lindo eles andam no deserto de camelos lá tem tempestade de areia eles usam lenço na cabeça, usam calça brusa comprida até o juelho no deserto não tem rio nem lagoa no deserto tem miragem lá no deserto é muito calor eles moram em casas. (Texto produzido em fevereiro de 2009).

7 16596 O texto de Cibele de início apresenta uma expressão própria de narração e logo em seguida se transforma num texto descritivo. É comum que narração e descrição apareçam juntas em um texto, contudo essa composição não está nem lá nem cá. Como narração não apresenta um enredo e como descrição o texto se encontra empobrecido de detalhes que ajudam a compor os aspectos físicos e/ou psicológicos. Falta elementos que permitam o leitor criar uma imagem mental mais elaborada a respeito do tema, a impressão que temos é que conforme lemos seu texto flash de imagens, fragmentadas e caracturizadas, vão se apresentando, porém não compõem um todo. Se pensarmos nas etapas de produção textual podemos entender esse texto como sendo um momento de geração de ideias, colocadas no papel sem um controle intencional e contínuo da criança. Porém, para esta escritora sua missão foi cumprida, este que devia ser para ele um esboço é na verdade seu texto final. O tema para essa criança foi um disparador de ideias, nem todas pertinentes. Cibele desenvolveu seu texto em apenas um parágrafo, sem coesão nem fluência, apresentando falta de pontuação, erros ortográficos e uma escrita apoiada na oralidade. Texto 2 Nesta atividade, a proposta era produzir um texto a partir da leitura de imagens compostas por quatro quadros, conforme figura 1, que retratavam atividades próprias dos índios, sendo que a organização da sequência dos quadros e a escolha do título ficavam a critério dos alunos. O tema índios foi escolhido pela proximidade da data comemorativa. Figura 1- Atividades do índio Fonte: Caderno de produção de texto do aluno, 2009.

8 16597 Em uma linda manhã a casa de Cacique caiu e fez a quele barulhão todo mundo que morava perto se assustaram abriram as portas e olharam para fora e ficaram com medo. O outro índio que mora perto da casa de Cacique foi ver se tinha maçã, chegando lá o pé estava carregado, então o indiozinho pegou as maçãs e levol para casa. Então ele entrou na casa dele e entregou as maçãs para o seu irmão, e ele foi fazer o suco, depois que ele acabou foram tomar o suco. Depois que acabou de tomar o suco ele esperou um pouco para depois ir brincar com os tigres e ficaram felizes para sempre (Texto produzido em abril de 2009). Podemos perceber com este texto que a escrita de Cibele progrediu, já compreendeu a estrutura de um texto, que deve ter começo, meio e fim. Isso fica evidenciado no inicio quando usa a expressão em uma linda manhã. Depois narra os acontecimentos com base na leitura de imagens e para finalizar usa o recurso próprio dos contos de fadas felizes para sempre. Em sua leitura das imagens não fica presa apenas no ilustrado, vai além. No entanto, seu texto ainda não apresenta uma ideia central que sirva de fio condutor, de forma que os eventos não apresentam ligação entre si. O primeiro paragrafo se mostra como um acontecimento totalmente desprendido de todo o resto da história. Texto 3 Nesta atividade a professora propôs a reprodução da história E era onça mesmo de Monteiro Lobato, correspondente a primeira parte da obra Caçadas de Pedrino. A reprodução, segundo Condemarín e Chadwick (1987) requer que se escreva o substancial do conteúdo, mobiliza e desenvolve a memória, a habilidade de sintetizar, de verbalizar para si mesmo, de reformular e de se expressar pela escrita. E era onça mesmo! Em uma bela manhã Marquês de Rabicó chegou assustado com muito medo contou para Tia Anastácia, Dona Benta e as crianças Pedrinho já ficou com vontade de buscar a onça só que Tia Anastácia e Dona Benta não gostaram. Eles saíram escondido para Tia Anastácia e Dona Benta não ver, chegando lá foram procurar a onça encontrando a onça foram atirar na direção dela. Começou a andar igual gato para dar o bote como as armas não funcionaram então Pedrinho gritou: Salvem-se quem puder. Tinha uma árvore (Texto produzido em maio de 2009). Nessa atividade Cibele, ao escolher o que reproduzir, deixa de lado informações importantes, como: Onde o Marquês de Rabicó chegou? O que ele contou? As respostas o leitor mais familiarizado com as histórias de Monteiro Lobato, popularizadas através da série televisiva sobre o Sítio do Pica-Pau-Amarelo, e pela informação subsequente, Pedrinho ficou

9 16598 com vontade de buscar a onça. Sua maneira de recontar a história evidencia sua despreocupação com o leitor, até porque o leitor de suas produções é justamente sua professora, que contou a história e, portanto sabe do que ela está falando. Ao recontar a história comete alguns equívocos, como quando escreveu contou para Tia Anastácia, Dona Benta e as crianças, na verdade Rabicó contou a Pedrinho que viu, mas não viu. Viu os rastros, o miado, mas não chegou a ver de fato a onça. Pedrinho então conta a Narizinho e após convencê-la da caçada sai recrutando o restante do grupo para expedição. No entanto ninguém conta sobre a onça, nem para Tia Anastácia nem para Dona Benta. Cibele provavelmente confundiu a fala Pedrinho que alertou a Narizinho que se contasse a avó, ela iria morrer de medo ou os levaria de volta para a cidade. Nota-se que além da ausência da conclusão do texto há também a dificuldade em utilizar os sinais de pontuação. Na análise do conjunto de textos de Cibele percebemos que quase sempre os inicia com a expressão Era um dia lindo e suas variantes, Em uma bela manhã e Em uma linda manhã, o que demonstra certa limitação em seu repertório. Muitas vezes se perde no percurso gerativo do sentido. A maioria dos seus textos não apresenta um fio condutor e praticamente em todas as atividades em que a professora dá o tema ou título, Cibele desenvolve um texto desconexo dos mesmos. Do primeiro até o último texto analisado, a criança continua a misturar os tipos textuais, sem intencionalidade, muito dos seus textos continuam sendo um amontoado de ideias pouco exploradas. As limitações quanto à estrutura, pontuação, coesão ainda estão presentes em seus textos, assim como a dificuldade em dar-lhes um desfecho. Quase todos os textos produzidos por Cibele parecem estar inacabados. Persiste ainda a forte influência da oralidade, além de outras alterações ortográficas. Transcrição e análise dos textos de Fernando Texto 1 O deserto da Arábia A Arábia é um lugar muito quente e as pessoa tenn que andar com chapeu e ropa grosa se não eles se queima. Tannbenn tenn muitas miraje. E nunn dia quente também acontece muitas tempestade de areia e Furacões de área. Os árabes como são chamados eles andão enn canelos eles tenn unn bicho muito perigoso a cobra naja ela e uma cobra muito perigosa e venenosa eles moram numas tenda e os prensepe e ele mora no castelo (Texto produzido em fevereiro de 2009).

10 16599 O texto de Fernando está mais para um agrupamento de ideias sobre o tema do que uma produção textual. Não conseguiu estabelecer uma ligação entre um parágrafo e outro, talvez porque ainda não aprendeu a criar um fio condutor dentro do texto, o que o ajudaria a compor um todo bem articulado. No primeiro parágrafo descreve as vestimentas típicas do povo que lá vive e no segundo descreve o clima, porém suas descrições não são detalhadas, faltam elementos que permitam caracterizar melhor o povo e o clima. A mudança de assunto também ocorre dentro do próprio parágrafo, no terceiro e último parágrafo dá a impressão que vai falar sobre o povo árabe, em seguida fala da cobra naja e finaliza falando sobre moradia. Sua descrição sobre o deserto da Arábia apresenta mais aspectos gerais que particulares, com exceção da atenção especial que dá para cobra naja. Não há uma continuidade em sua descrição, uma vez que não permite ao leitor ir criando um retrato do lugar, de maneira que os detalhes vão sendo adicionados parágrafo a parágrafo, até que a imagem esteja completa. Pelo contrário, é como se fosse dado ao leitor vários retratos em que ele apenas pudesse olhar de relance. Há muitas ideias que se bem desenvolvidas resultariam num texto de qualidade, entretanto não houve revisão e muito menos reelaboração do texto. Resumindo, seu texto tem coerência, faz sentido, mas não tem coesão, também apresenta limitações quanto à pontuação, ortografia, vocabulário e gramática, além de demonstrar que sua escrita tem forte influência da oralidade. Texto 2 Nesta atividade, de leitura de imagens, conforme figura 1, a mesma feita por Cibele, Fernado se esqueceu de colocar o título. Um belo dia Joca estava enchendo ums jarros de água porque ele ia fazer sua casa nova. Na construção de sua casa ele teve que catar um monte de bambu para construir a porta da casa, quando noutou a casa tinha desarrumado com o vento. Ele pesou melhor descansar e foi brincar com seus amigos tigres. E comer as frutas que catou (Texto produzido em abril de 2009). Seu texto apresenta um fio condutor, a construção da casa, porém faz uma ligação tênue entre os quadros. A motivação de algumas ações do personagem é meio confusa, por

11 16600 exemplo, quando enche os jarros com água porque ia fazer uma casa nova, não explica em que iria utilizar tanta água. Não articula bem os quadros de forma que o parágrafo final não conclui sua história. Texto 3 E era onça mesmo! Era um belo dia rabico estava na floresta comendo frutas quando ouviu um barulho de um gato so que muito mais forte quando ele olhou para o chão viu um monte de pegada de gato so que muito maior. Pedrino teve a ideia de fazer uma reunião para caçar a onsa. Pedrinho levou uma espingarda que fes escondida de sua vó a emilia pegou o espeto de asar (Texto produzido em junho de 2009). Fernando não chega a concluir o texto. Inicia bem, mas deixa de contar como Pedrinho ficou sabendo da onça. Não faz nem o encadeamento das ações, nem a articulação entre elas, causando problemas de entendimento para o leitor, por exemplo: no segundo parágrafo, dá a impressão de que Pedrinho levou a espingarda para a reunião. A limitação quanto à pontuação também prejudica a fluência da narrativa. Percebemos, ao analisar o conjunto de textos de Fernando, que o planejamento não faz parte de sua rotina de produção textual. Ainda não compreendeu a produção de texto como um processo, a vê apenas como um produto. O que revelam os textos Estes textos apresentam dificuldades próprias de escritores iniciantes que não se veem como autores, não percebem a produção textual como um processo que deve ser monitorado por eles, e não somente pela professora, mas se dão por satisfeitos com uma única versão de seus textos, os quais entendem como produto final. De modo geral, todas as crianças demonstraram nas atividades de leitura de imagens, predominância da leitura pontual e descritiva, quadro a quadro, quando na verdade as ilustrações, para as crianças desta série, já deveriam ser vistas como janelas, inspirando-as a dar vida às cenas, tendo em mente o conjunto da narrativa. Apresentam uma sequência de ideias e acontecimentos bastante confusa; não produzem ligação entre um assunto e outro; misturam os tipos e gêneros textuais; fazem uso excessivo de conjunções e sujeitos explícitos; têm um repertório bastante limitado; controlam

12 16601 a produção no nível da frase apresentando grande dificuldade em pensar no todo, na macroestrutura, além da total ausência de planejamento e pobreza de recursos linguísticos. Percebe-se que não aconteceu nenhuma grande e significativa mudança nos textos dos alunos, do começo do ano letivo até este momento, mesmo após a ação intermediativa do professor. Provavelmente, por não ser também a sua ação significativa e direcionada a auxiliar as crianças a superarem suas dificuldades objetivando uma melhora qualitativa de suas produções. A quase ausência da tarefa de reescrita dos textos \analisados, e a falta de revisão pelo próprio aluno, demonstra que essa não é uma solicitação comum por parte do professor, de modo que as operações de revisão se limitam a correções ortográficas decorrentes das intervenções diretas da professora nos momentos de correção. Perde-se o princípio dialógico do trabalho pedagógico, uma vez que os textos são em sua maioria textos de uma versão só, não há mais espaço para interação onde o professor na correção instiga o aluno a dialogar com o texto, com seus interlocutores, com o contexto e com outros textos. Segundo Souza e Osório (2003, p. 02), [...] a natureza da intervenção que o professor realiza, na produção textual do aluno, tem relação direta com a maior ou menor qualidade desse produto. Portanto, essa ação do professor não tem um fim em si mesma, mas só adquire significação se conduz o aluno à reescrita de seu texto com o objetivo de buscar uma escrita qualitativamente melhor. A ausência da prática da revisão orientada e reescrita dos textos que analisados, como uma das etapas da produção textual, faz com que uma pergunta ecoe em nossas mentes: Reescrevendo, o que mudaria? Considerações Finais Os problemas encontrados nas produções de textos analisadas neste estudo vão além dos aspectos notacionais e discursivos. Estão também no próprio dizer, ou seja, no conteúdo, na visão de mundo ainda pautado mais no mundo da cultura oral do que no mundo da cultura escrita, o que demonstra que a escola ainda não cumpriu o seu objetivo de mergulhar essas crianças no mundo da cultura escrita, já que ainda não conseguem se expressar por meio da escrita. Escrevem o dizer do outro, Era uma vez, Em uma bela manhã, Em um lindo dia e nunca o seu próprio dizer, porque ainda não aprenderam como fazê-lo.

13 16602 Outro problema das produções está, não só na situação de produção textual que coloca os alunos para escreverem, cada um consigo mesmo, e todos sobre o mesmo assunto, situação esta de produção difícil de encontrar fora da escola, mas no fato de ser ela tão privilegiada em detrimento de outras situações reais. Assim, compreendemos que a escrita, enquanto objeto escolar, aprisiona a mente das crianças. O despreparo e, consequentemente, a incapacidade dos professores de ensinar tem sido responsável por um verdadeiro genocídio intelectual (WEISZ, 2009). Dessa forma, no trabalho pedagógico com a escrita, a escola não tem assegurado aos alunos o domínio eficiente da linguagem escrita, o que nos levou a refletir e repensar o papel da escola e do professor mediador no ensino da linguagem escrita. O papel da escola no ensino da escrita envolve grandes responsabilidades, sendo a maior e mais importante delas dar às crianças as ferramentas necessárias para utilizar a linguagem escrita em sua completude e concretude. Espera-se que durante o processo de ensino-aprendizagem da escrita na escola a criança saia da posição de bom copista e reprodutor de frases feitas, para se transformar em autor, através de uma metodologia que explore a linguagem escrita em sua totalidade e em seu uso real, numa concepção dialógica e interacionista. Nesta perspectiva, o professor mediador é aquele que está preparado para trazer a reflexão e a compreensão dos diversos gêneros textuais e sua construção, a fim de formar escritores capazes de expressar pela escrita suas intenções, sentimentos, necessidades e tudo o mais, com autonomia, pois ao instituir uma prática intersubjetiva, através de uma prática pedagógica que leve em conta a reflexão, será possível resgatar um discurso mais pessoal, mais autêntico de nossos sujeitos (GONÇALVES, 2000). Para tanto, deve ter bem claro o propósito de que e para que são solicitadas as produções textuais, assim como as formas de correção, pois a prática pedagógica de tal professor implica utilizar de uma estratégia de correção que vá além da indicação de erros, ou resolução dos mesmos para o aluno, da assepsia da língua, deixando-o apenas com a tarefa de copista. Pressupõe uma estratégia que indica a causa do erro, evidenciando assim o processo e não o produto. Sendo assim, a avaliação contínua do conhecimento dos alunos e do trabalho do professor é indispensável para nortear o plano de ação docente. A experiência e história de vida, o nível socioeconômico cultural e os conhecimentos trazidos pelos alunos são bases importantes para o trabalho pedagógico. O trabalho pedagógico deve agir a partir de e sobre

14 16603 esta bagagem das crianças, de maneira que venha preencher as lacunas conceituais e fornecer elementos, conhecimentos intelectuais, científicos e culturais, a fim de ajudá-las a reelaborarem o seu conhecimento e elaborar um novo repertório, mais amplo e mais intelectualizado que sirva a elas não só para uso eficaz da escrita enquanto objeto social, mas também como instrumento de acesso autônomo na participação no mundo da cultura escrita. Desenvolver um trabalho real e significativo com a escrita tem se mostrado um desafio, já que a escola tem produzido analfabetos funcionais em massa. Isso denuncia que os problemas de ensinagem têm alcançado os altos níveis da educação e nos leva a compreender que o trabalho com a linguagem escrita não pode mais se restringir a forma de dizer, mas deve provocar mudanças no próprio dizer, e isto exige uma mudança na concepção de ensino da linguagem escrita. REFERÊNCIAS ABAURRE, M. B. M. ; FIAD, R. S. & MAYRINK-SABISON, M. L. T. Cenas de Aquisição da Escrita: o sujeito e o trabalho com o texto. Campinas, SP: Associação de Leitura do Brasil (ALB): Mercado de Letras, BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 6º ed. São Paulo: Martins Fontes, BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP/MEC. Programa Internacional de Alunos PISA, Disponível em: < /www.inep.gov.br/internacional/pisa/novo>. Acesso em: 03 mar BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP/MEC. Prova Brasil, Disponível em: <http: //www.provabrasil.inep.gov.br>. Acesso em 03 mar CONDEMARÍN, M. & CHAWICK, M. A escrita Criativa e Formal. Porto Alegre, Artes Médicas, GONÇALVES, A. V. A Produção de Texto numa Perspectiva Dialógica Disponível em:< Acesso em 06 jun LANDSMANN, L. T. Aprendizagem da Linguagem Escrita. São Paulo: Ática, 3º ed., INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD,. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br>. Acesso em 03 mar

15 16604 SOUZA, T. B. & OSÓRIO, A. M. do N. A Mediação Pedagógica na Produção de Texto: um diálogo possível e necessário. In: ANPED, 26, Poços de Caldas, Disponível em:<http://www.anped.org.br/reunioes/26/inicio.htm>. Acesso em: WEISZ, T. A saída é a formação do professor alfabetizador. Revista Nova Escola. Editora Abril, Edição Especial n.22, p.17, mar/2009. ZORZI, J. L. Aprender a escrever: A apropriação do sistema ortográfico. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

Produção textual: quando a linguagem escrita se torna objeto escolar

Produção textual: quando a linguagem escrita se torna objeto escolar ARTIGO DE PESQUISA Produção textual: quando a linguagem escrita se torna objeto escolar Produção textual: quando a linguagem escrita se torna objeto escolar Denise Miyabe da Silva RESUMO Introdução: O

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos

Leia mais

Oficina inaugural de produção textual sobre o texto narrativo

Oficina inaugural de produção textual sobre o texto narrativo Oficina inaugural de produção textual sobre o texto narrativo Caro Monitor, Esta oficina tem como objetivo geral favorecer o primeiro contato do aluno da EJA Ensino Fundamental com o tipo textual que será

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59 Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br Graduada em pedagogia e fonoaudiologia, Pós-graduada em linguagem, Professora da Creche-Escola

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM A FORMAÇÃO TEÓRICO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA NOVA CONCEPÇÃO DE ENSINO- APRENDIZAGEM PROFª.. MS. MARIA INÊS MIQUELETO CASADO 28/05/2009 OBJETIVO - Contribuir para a reflexão

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO INTRODUÇÃO Solange dos Santos (UFS) A leitura tem sido por muito tempo um tema muito debatido

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino Pedagogia Profª Silvia Perrone Ensino de Língua Portuguesa Roteiro Teorias que orientam o ensino: empirista e construtivista. A visão de texto nas diferentes teorias. Ensinar a produzir textos na escola.

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Manoela Afonso UNESP - Campus Bauru-SP manoela_afonso@hotmail.com Comunicação Oral Pesquisa Concluída

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Título do artigo: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Disciplina: Alfabetização Selecionadora: Beatriz Gouveia 16ª Edição do

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

Pedagogia. Comunicação matemática e resolução de problemas. PCNs, RCNEI e a resolução de problemas. Comunicação matemática

Pedagogia. Comunicação matemática e resolução de problemas. PCNs, RCNEI e a resolução de problemas. Comunicação matemática Pedagogia Profa. Luciana Miyuki Sado Utsumi Comunicação matemática e resolução de problemas PCNs, RCNEI e a resolução de problemas Consideram aspectos fundamentais, como: As preocupações acerca do ensino

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA 178 REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA FEBA, Berta Lúcia Tagliari 1... ler é solidarizar-se pela reflexão, pelo diálogo com o outro, a quem altera e que o altera (YUNES, 2002,

Leia mais

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE Adriane Trindade Lopes Universidade do Estado do Pará adriane_lopes18@yahoo.com.br Gleida Tayanna Conde de Sousa

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA Avaliação Da Prática Docente A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA PRÁTICA DOCENTE Autora: Maria Peregrina de Fátima Rotta Furlanetti Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Estadual

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem A avaliação no Programa de Alfabetização é processual. O seu propósito é o de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa.

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa. LEITURA E ESCRITA COMO PROCESSO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA PERSPECTIVA SÓCIO-COGNITIVA E INTERATIVA Marta Oliveira Barros¹ Josias Silvano Barros² ORIENTADORA: Dra. Maria de Lourdes da Silva Leandro³ RESUMO

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro Olimpíada de LP Escrevendo o futuro QUATRO GÊNEROS EM CARTAZ: OS CAMINHOS DA ESCRITA Cristiane Cagnoto Mori 19/03/2012 Referências bibliográficas RANGEL, Egon de Oliveira. Caminhos da escrita: O que precisariam

Leia mais

111 ENSINO FUNDAMENTAL

111 ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO FUNDAMENTAL 111 A ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO 112 O Sistema Público Municipal de Ensino de Viana, acompanhando as mudanças educacionais de ordem político-pedagógica

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Informação-Prova de Equivalência à Frequência ENSINO SECUNDÁRIO PROVA ESCRITA E ORAL Prova de Equivalência à Frequência de Espanhol, 11º ano (Iniciação) Prova 375 (ter como referência quadro III do Desp.Norm.5/2013)

Leia mais

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Regina Luzia Corio de Buriasco * UEL reginaburiasco@sercomtel.com.br Magna Natália Marin Pires* UEL magna@onda.com.br Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino*

Leia mais

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS

PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª. Msc. Clara Maria Furtado claramaria@terra.com.br clara@unifebe.edu.br PLANEJAMENTO Representa uma organização de ações em direção a objetivos bem definidos, dos recursos

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Rubricas e guias de pontuação

Rubricas e guias de pontuação Avaliação de Projetos O ensino a partir de projetos exibe meios mais avançados de avaliação, nos quais os alunos podem ver a aprendizagem como um processo e usam estratégias de resolução de problemas para

Leia mais

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 Helker Silva Paixão 2 Universidade Federal de Lavras helkermeister@gmail.com Patrícia Nádia Nascimento Gomes 3 Universidade Federal de Lavras paty.ufla@yahoo.com.br

Leia mais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Datas: 11 e 18 de Setembro Horário: 14:00h às 17:40h Carga Horária: 8 horas Vagas: O número mínimo de inscritos será: 20 pessoas

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

ANÁLISE DOS TEXTOS PRODUZIDOS POR UMA TURMA DO 3ºANO DO ENSINO MÉDIO À LUZ DOS CRITÉRIOS DO ENEM

ANÁLISE DOS TEXTOS PRODUZIDOS POR UMA TURMA DO 3ºANO DO ENSINO MÉDIO À LUZ DOS CRITÉRIOS DO ENEM ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ANÁLISE DOS TEXTOS PRODUZIDOS POR UMA TURMA DO 3ºANO DO ENSINO

Leia mais

Notícias do grupo. REUNIÃO DE PAIS 1º ANO B e C 1º SEMESTRE/2011 PROFESSORAS:CRIS E JULIANA 21/3/2011

Notícias do grupo. REUNIÃO DE PAIS 1º ANO B e C 1º SEMESTRE/2011 PROFESSORAS:CRIS E JULIANA 21/3/2011 REUNIÃO DE PAIS 1º ANO B e C 1º SEMESTRE/2011 PROFESSORAS:CRIS E JULIANA Notícias do grupo QUANDO EU TINHA UM ANO, EU ESTAVA APENAS COMEÇANDO. QUANDO EU TINHA DOIS, EU ERA QUASE NOVO. QUANDO EU TINHA TRÊS,

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas.

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas. ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática I Era uma vez um gato xadrez... Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto.

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 9 ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 POSSIBILIDADES DE PESQUISA E AUTORIA COM O APOIO DAS TECNOLOGIAS: A EXPERIÊNCIA DA TURMA B21 DA EMEF PROF. JUDITH MACEDO DE ARAÚJO NO LABORATÓRIO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Cursos Científico-Humanísticos. Curso de Línguas e Humanidades Disciplina de Formação Específica - Literatura Portuguesa. Ano Letivo 2012-2013

Cursos Científico-Humanísticos. Curso de Línguas e Humanidades Disciplina de Formação Específica - Literatura Portuguesa. Ano Letivo 2012-2013 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE Escola Secundária da Portela Escola EB 2,3 Gaspar Correia Escola EB1 Catela Gomes Escola EB1/JI Quinta da Alegria Escola EB1/JI Portela Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 Rochelle Lopes da Silva- UVA 2 Andrea Abreu Astigarraga- UVA INTRODUÇÃO De acordo

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO Competências de comunicação Pesos Instrumentos Parâmetros

Leia mais

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ Geane Apolinário Oliveira Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) - Geane-cg@hotmail.com RESUMO: Este

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia INTRODUÇÃO: A proposta desse trabalho é apresentar a pesquisa de Mestrado,

Leia mais

4. Implicações pedagógicas

4. Implicações pedagógicas Esta criança tem 4 de idade. Verifica-se que se utiliza das letras de seu nome e apenas vai rearranjando sua ordem. Sua leitura é global. Caracterizando-se, portanto no nível 2 diferenciação na escrita.

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM Mayara Myrthes Henriques Santos Universidade Estadual da Paraíba, mayara.mhs@gmail.com RESUMO: O processo de ensino e aprendizagem

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO Mayrla Ferreira da Silva; Flávia Meira dos Santos. Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mayrlaf.silva2@gmail.com

Leia mais

AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS

AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS Adailton Almeida Barros - adailton.almeida.barros@gmail.com (UNESPAR/FECILCAM) PIBID Subprojeto/Língua Inglesa

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Marechal Floriano Peixoto, 61 Cep:84430-000 Fone/Fax:(42)34361327 e-mail: iuvalcidesmunhoz@seed.pr.gov.br Imbituva - Paraná Projeto de Leitura

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Por que a criança de seis anos no ensino fundamental? Porque, pelo que entendi, em minha vida inteirinha, para umas coisas serei grande, para outras, pequenininha.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA Camila Escarlety Costa 1, Jaciara Serafim De Souza 2, Lídia Thaislene Dos Santos 3, Nora Lucia Corrêa 4. 1 Universidade

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola http://luizsoaresdecassia.blogspot.com.br APRENDER A ESCREVER Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola Todos os anos, milhares de meninos e meninas do ensino fundamental de todo

Leia mais

AS ESTRATÉGIAS DE PERSONALIZAÇÃO DO ALUNO EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

AS ESTRATÉGIAS DE PERSONALIZAÇÃO DO ALUNO EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO AS ESTRATÉGIAS DE PERSONALIZAÇÃO DO ALUNO EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Resumo PORTILHO, Evelise Maria Labatut PUCPR evelisep@onda.com.br ALVES, Larissa Maria Volcov PUCPR - PIBIC larissavolcov@hotmail.com

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA GT 13 - DIÁLOGOS ABERTOS SOBRE A EDUCAÇÃO BÁSICA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA Daniella

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais