Custos de Mudança e Externalidades de Rede: Uma Análise da Portabilidade Numérica na Telefonia Móvel Brasileira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Custos de Mudança e Externalidades de Rede: Uma Análise da Portabilidade Numérica na Telefonia Móvel Brasileira"

Transcrição

1 Custos de Mudança e Externalidades de Rede: Uma Análise da Portabilidade Numérica na Telefonia Móvel Brasileira Caio Virgilio Bueno Magano Escola de Economia de São Paulo, Fundação Getulio Vargas (EESP/FGV), Brasil Cláudio Ribeiro de Lucinda Professor Doutor, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo (FEA-RP/USP), Brasil Resumo Neste artigo analisamos como uma redução nos custos de mudança afeta os mercados em que existem externalidades de rede. Para isto, utilizamos o exemplo da introdução da portabilidade numérica no Brasil. Inicialmente foram revisitadas as principais correntes da literatura, e na parte empírica foi construída uma base de dados por Área de Numeração, durante três anos. Os resultados do modelo econométrico apontam para uma convergência nas participações de mercado, sendo menor onde há maior disparidade entre as participações de mercado. A redução nos custos de mudança com a portabilidade numérica, neste caso, apenas agiu no sentido de acentuar estas tendências. Palavras-chave: Externalidades de Rede, Telecomunicações, Custos de Mudança Classificação JEL: L96; L11; L14 Abstract In this paper we analyze how a reduction in switching costs affects markets with network externalities. In order to do so, the introduction of mobile number portability in Brazil was considered. Initially the literature on switching costs and network externalities was reviewed, and the empirical part comprises a dataset covering all local area codes in Brazil. The econometric results point out to a convergence in market shares, although lower in those areas in which the dispersion in market shares was higher. The decrease in switching costs due to number portability, in this case, only heightened this effect, increasing convergence and at the same time making it more difficult in local areas in which the dispersion was greater. Recebido em novembro de 2009, aprovado em maio de address: Revista EconomiA Janeiro/Abril 2012

2 Caio Virgilio Bueno Magano e Cláudio Ribeiro de Lucinda 1. Introdução Custos de mudança, juntamente com externalidades de rede, fazem com que seja mais difícil para que um consumidor mude de fornecedor de produtos ou serviços para outro que melhor atenda às suas necessidades. Por isso, não é de se surpreender que estes temas ganharam muita atenção na literatura especializada em Organização Industrial, especialmente nas pesquisas mais relacionadas com a tecnologia da informação. Nesta ampla linha de pesquisa, o objetivo do presente artigo é investigar empiricamente quais seriam os efeitos sobre as participações de mercado das empresas decorrentes de uma redução nos custos de mudança percebidos pelos consumidores. Com externalidades de rede, tal redução poderia agir no sentido de aumentar a participação de mercado das maiores empresas, uma vez que os clientes das menores empresas podem ser tentados a aproveitar os efeitos das externalidades de rede. Por outro lado, mesmo com externalidades de rede, o exercício do poder de mercado por parte das maiores empresas pode fazer com que suas participações de mercado se reduzam. Para lidar com este dilema na literatura o presente artigo foca no mercado brasileiro de telefonia móvel em que, entre setembro de 2008 e março de 2009, ocorreu uma redução nos custos de mudança no setor com a introdução da portabilidade numérica. Com esta medida, dentro de uma mesma área de numeração (código DDD), os consumidores poderiam mudar de operadora móvel mantendo o seu número. Segundo a TEKELEC, multinacional norte-americana que desenvolve soluções de sinalização e comutação para empresas do setor, o processo envolveria cerca de R$ 2,5 bilhões em investimentos por parte das operadoras (IT WEB 2009). Muitas vezes, o usuário de telefonia tem em seu número de telefone uma importante referência pessoal e profissional. Por exemplo, na ausência da portabilidade, uma empresa que investe em publicidade e vincula sua imagem a um número de telefone percebe um obstáculo quando deseja mudar de operadora. Para ela, a troca significa perder o investimento feito na divulgação do número. Outro exemplo é quando as pessoas divulgam seus números para outras, neste caso a substituição da prestadora de serviço representa um risco de perda de vínculos com terceiros. Estas barreiras podem prender o usuário à operadora mesmo quando ela não apresenta uma boa qualidade de serviço nem tarifas competitivas. Para investigar este tema, o estudo foi dividido em quatro seções. A primeira parte apresenta uma breve revisão da literatura sobre o assunto, discorrendo sobre quais seriam os principais modelos teóricos utilizados para determinar quais seriam os efeitos esperados da redução de custos de mudança em mercados com externalidades de rede. Note-se que, até o momento, a literatura empírica sobre o tema é bastante escassa, quando não inexistente. O objetivo do capítulo é criar uma referência de análise dos possíveis resultados da medida. A seguir, na terceira seção, é realizada a análise econométrica e a quarta seção conclui. 182 EconomiA, Brasília(DF), v.13, n.1, p , jan/abr 2012

3 Custos de Mudança e Externalidades de Rede: Uma Análise da Portabilidade Numérica 2. Literatura Teórica A literatura teórica analisa a introdução da portabilidade numérica como uma redução de custos de mudança, em mercados que podem ou não possuir externalidades de rede. Em mercados em que não existem externalidades de rede, a ausência da portabilidade numérica faz com que os consumidores possuam menores incentivos para a mudança, o que segundo Klemperer (1987a) seria um incentivo para as empresas cobrarem maiores preços dos consumidores. Este é o resultado clássico em teoria econômica, que apenas começou a ser revisitado com o começo da literatura sobre externalidades de rede. Em um contexto de externalidades de rede, teríamos que esta dificuldade dos consumidores em mudar rapidamente de operadora faz com que o incentivo para outros se juntarem a esta rede aumenta, tornando as participações de mercado mais estáveis ao longo do tempo. Ou seja, é difícil observarmos uma rápida alteração no ranking das participações de mercado neste tipo de situação. No entanto, esta estabilidade nas participações de mercado não é ininterrupta; ao cobrar maiores preços, a empresa com maior participação de mercado acaba por ver seus competidores ganhando participação às suas custas (cf. Klemperer 1987a,b; Farrell e Shapiro 1988; Beggs e Klemperer 1992; Shaffer e Zhang 2000). Aoki e Small (1999) investigam quais seriam os efeitos de uma redução nos custos de mudança em um mercado com externalidades de rede. Os autores concluem que, quando consideram os custos associados com a implantação da portabilidade, os benefícios líquidos não são necessariamente positivos (ou seja, os ganhos com a maior competição não são necessariamente suficientes para cobrir o gasto real de recursos com a portabilidade). Outros artigos importantes sobre o tema foram os de Gans et alii (2001) e Haucap (2003), que busca ilustrar o fato que os consumidores, na presença de portabilidade numérica, não sabem mais quais em quais operadoras suas chamadas irão parar. Em um contexto em que há discriminação de preços nas chamadas móveis entre chamadas dentro da mesma rede (on-net) e chamadas entre redes (off-net), isto leva a uma uniformização nos preços das chamadas entre telefones móveis em um nível mais alto, reduzindo o bem-estar dos consumidores. Shi et alii (2002) modelam a rede de telefonia móvel com esta característica incorporando o seguinte efeito: quando as operadoras discriminam preços entre ligações, cobrando uma tarifa menor para ligações dentro de sua rede e uma tarifa maior para ligações fora de sua rede, quanto mais usuários a operadora possui, maior será o benefício percebido pelos usuários. Uma vez que o modelo destes autores servirá de base para a análise empírica que se segue, ele será mais detalhado. Segundo o modelo destes autores, assume-se uma série de hipóteses: existência de duas operadoras a e b (sendo a a maior), base de custo marginal semelhante entre elas, que ligações on-net têm um custo menor que ligações off-net devido a taxas de interconexão, uma função de utilidade do consumidor monotonicamente crescente e côncava em relação a quantidade de serviços de comunicação, um padrão EconomiA, Brasília(DF), v.13, n.1, p , jan/abr

4 Caio Virgilio Bueno Magano e Cláudio Ribeiro de Lucinda de chamadas uniforme dos usuários, a qualidade das operadoras é determinada exogenamente e não é diferenciável e que os consumidores conseguem antecipar a concentração de equilíbrio de mercado. Tais premissas são comuns na literatura teórica para economia das telecomunicações, datando desde os primeiros estudos de Laffont et alii (1998a,b). Para um mercado de tamanho N, temos que o número de usuários de cada operadora pode ser definido por Nθ a para a operadora a e, analogamente, Nθ b para a operadora b. Com a operadora a sendo a maior, temos que a participação de mercado desta operadora, θ a é maior do que θ b. Cada usuário, de acordo com Laffont et alii (1998a,b), pode ligar para outros usuários da mesma operadora ou para usuários de outra operadora. A interação estratégica se dá em um estágio de forma sequencial, antes do qual os consumidores já estão associados a uma das duas operadoras, com participações de mercado iniciais iguais a θ a e θ b. Inicialmente, as operadoras se movem, ao estabelecerem suas políticas de preços e, a seguir os consumidores decidem a qual operadora pertencer. Uma vez que as ligações off-net envolvem mais de uma operadora, supõe-se que elas sejam mais caras. Em especial, o custo marginal de uma ligação on-net é dado por c e o custo marginal da ligação off-net é dado por ηc, sendo η > 1 e o custo implícito da interconexão dado por η 1. Levando isto em conta, e na ausência de regulação que estipule preços iguais para ligações on e off-net, temos que a empresa oferecerá uma tarifa em duas partes, com preços por uso diferenciados para ligações on e off-net. Ou seja, para um consumidor da operadora i a conta telefônica é dada por T = F i + p ii q ii + p ij q ij, em que F i seria a tarifa fixa da operadora i, p ii o preço para chamadas on-net e p ij o preço para chamadas off-net. Analogamente, q ii denota o número de minutos para chamadas dentro da rede e q ij para chamadas fora da rede. A decisão do consumidor é sobre quanto de serviços de comunicação adquirirá, dados os preços dos serviços estabelecidos pela operadora. Para a quantidade de minutos off-net, q ij, esta variável é a solução para o seguinte problema de otimização: max q ij u(q ij ) p ij q ij Sendo que este termo i pode corresponder à operadora a ou à operadora b. Representaremos a função de utilidade indireta pelo valor da função objetivo no máximo, ou seja, v (p ij ) ou ainda v ij. Fazendo um processo similar para a decisão de chamadas on-net, temos que o valor da utilidade indireta do consumidor pelas chamadas on-net por v ii. O bem-estar global de todos os tipos de chamadas para um cliente da operadora i é dado por: w i = nσ i v ii +nσ j v ij F i em que σ i representa a participação de mercado da empresa i, e σ j a da empresa j. Note-se que a notação das participações de mercado mudou pois σ se altera em 184 EconomiA, Brasília(DF), v.13, n.1, p , jan/abr 2012

5 Custos de Mudança e Externalidades de Rede: Uma Análise da Portabilidade Numérica resposta às decisões da empresa com relação aos preços dos serviços e/ou tarifas de acesso. Uma vez que as operadoras competem por preços, o consumidor decidirá a qual rede se associará, sendo aquela que ofereceria o maior w i. Depois de associado a uma rede, o consumidor somente poderia mudar de operadora se incorresse em um custo de mudança, denotado por ψ ij. Ou seja, se o consumidor estivesse associado à rede a, a satisfação decorrente de se continuar associado seria igual a w a ; no entanto, se escolhesse mudar para a companhia b, teríamos que este consumidor apenas derivaria satisfação igual a w b ψ ab. Os autores neste modelo assumem uma distribuição uniforme para os custos de mudança, definida no intervalo [0, Ψ]. Dadas estas premissas para os custos de mudança, ao longo da interação entre as empresas os consumidores mudarão de operadora até o ponto em que a diferença de bem-estar seja exatamente igual ao custo de mudança, ou seja, até o ponto em que ψ ab = w a w b. Em equilíbrio, temos que as participações de mercado das empresas serão dadas por: σi = θ i + θ i(θ i θ j )n v Ψ 2θ j n v (θ i θ j )Ψ/3 Ψ 2θ j n v em que v = v ii v ij representa o benefício adicional da diferença de preços de ligação on-net em relação às ligações off-net. Segundo esta fórmula, a participação de mercado da empresa depende da diferença nas participações iniciais de mercado, mas como esta diferença de participações de mercado implicaria em maiores tarifas fixas, há um desincentivo a maiores participações de mercado. Além disso, podemos derivar as seguintes implicações específicas à redução dos custos de mudança, o que é diretamente relacionado com o tema da portabilidade numérica. Em primeiro lugar, a redução de custos de mudança ocasionada pela portabilidade numérica tende a reduzir a diferença nas partes fixas das tarifas. Esta redução tende a aumentar a participação de mercado. No entanto, se os custos de mudança forem inicialmente altos e a redução ocasionada pela portabilidade numérica for pequena, 1 haverá uma convergência nas participações de mercado. Agora, se a redução nos custos de mudança for grande, as participações de mercado tendem a divergir. Neste sentido, a proposição de Shi et alii (2002) coloca os problemas de pesquisa do presente artigo: a introdução da portabilidade numérica no Brasil tendeu a aumentar ou a diminuir as diferenças nas participações de mercado das empresas? Ou ela agiu aumentando a participação de mercado das empresas que já eram maiores? 1 Mais especificamente, tal que Ψ n v > 3θa ainda. EconomiA, Brasília(DF), v.13, n.1, p , jan/abr

6 Caio Virgilio Bueno Magano e Cláudio Ribeiro de Lucinda 3. Análise Empírica O estudo empírico que se segue se encaixa em uma literatura empírica de avaliação dos efeitos da política de portabilidade numérica, mas, até o momento, difere da literatura prévia em alguns aspectos relevantes. Em primeiro lugar, ela utiliza dados de mercado, diferentemente dos estudos de Lee et alii (2006) e Kim e Yoon (2004). O primeiro dos artigos mencionados busca avaliar até que ponto a portabilidade numérica é, de fato, um custo de mudança, com o uso de uma pesquisa de campo. A conclusão destes autores é que ainda que a portabilidade numérica seja um importante redutor dos custos de mudança, ela foi incapaz de acabar completamente com os custos de mudança. O segundo estudo, também focado na importância da portabilidade numérica para a redução dos custos de mudança, também encontra conclusões similares. Outra diferença do presente texto é que, diferentemente de Grzybowski (2005), temos um modelo teórico informando a especificação empírica especificamente para a portabilidade numérica. Em Grzybowski (2005), o autor buscava analisar os efeitos sobre preço e competição decorrentes da introdução de portabilidade numérica, mas utiliza um modelo de forma reduzida em que a portabilidade numérica é assumida como deslocador na curva de oferta (na hipótese de aumento de competitividade). Em termos de foco, portanto, o presente artigo é mais próximo de um estudo de Viard (2007), para o mercado de linhas 0800 nos Estados Unidos, ainda que neste artigo também o autor utilize um modelo de forma reduzida para a estimativa dos modelos. A presente análise utilizou dados mensais sobre participação, dados de qualidade sobre as prestadoras de serviço e o cronograma da efetivação da portabilidade no Brasil (ver no Anexo 1). Estes dados estão disponíveis no site da ANATEL. 2 O período de análise foi de junho de 2006 a junho de Estas informações foram capturadas e compiladas para formar uma base de dados em que a unidade seccional era formada pela junção da operadora com um código de área em um instante do tempo. A primeira das variáveis criadas é a participação de mercado por operadora em cada área de DDD por mês, representada por s ijt, em que i denota a área de numeração (código DDD), j a operadora e t o instante do tempo. 3 A razão pela qual temos, além da operadora, a área de numeração, é porque a portabilidade é válida entre números dentro de uma mesma área de numeração. Esta é a base para a variável dependente do nosso modelo: s ijt = s ijt s ijt A dados podem ser acessados diretamente através do endereço: SMP/Administracao/Consulta/ParticipacaoMercado/tela.asp?SISQSmodulo= Acesso em 26 jul Não foram considerados no estudo os códigos de área: 91,92,93,94,95,96,97,98,99. Este dados pareciam apresentar problemas. 186 EconomiA, Brasília(DF), v.13, n.1, p , jan/abr 2012

7 Custos de Mudança e Externalidades de Rede: Uma Análise da Portabilidade Numérica As variáveis independentes também foram definidas em termos de trios (área de numeração, operadora e instante do tempo). A primeira delas é a distância em relação à igualdade nas participações de mercado: X1 ijt = (1 N it s ijt ) ( ) A definição da variável X1 ijt também pode ser expressa como 1 sijt 1, sendo N it o denominador da fração o correspondente a uma divisão equitativa do mercado. Ou seja, quão maior esta variável, mais desigual é a participação de mercado. A segunda variável é o desvio-padrão das participações de mercado em uma área de numeração em um instante do tempo: DP it = D.P.(s ijt ) Note-se que, neste caso, a variável DP it não possui o subscrito j, pois ela é igual para uma mesma área de numeração em um dado instante do tempo. A terceira variável é qualitativa, representando o instante em que a portabilidade numérica foi implantada nas diferentes áreas de numeração. Esta variável, representada por por t it, tem o valor de um quando a portabilidade foi implantada e zero antes deste momento. O Anexo 1 tem as datas em que a portabilidade foi implantada em cada área de numeração. As duas últimas variáveis dizem respeito à qualidade dos serviços e a capacidade de cobertura das operadoras. A primeira delas é a participação no número de estações rádiobase 4 em cada uma das áreas de numeração, e é representada por ERB ijt. Para montar a série histórica, foi a partir dos dados fornecidos no site da ANATEL foi considerado que a ERB entrava em operação após a data de obtenção da primeira licença. A última variável tenta capturar diferenças na qualidade do serviço e é denominada Q ijt, sendo a Taxa de Reclamação de cobertura e de Congestionamento de Canal de Voz por 1000 (mil) Acessos em operação. O valor usado é relativo. O índice é subtraído do valor médio das concorrentes da operadora em uma região. As estatísticas descritivas estão na Tabela 1: Alguns fatos estilizados podem ser observados a partir dos resultados acima. Em primeiro lugar, temos que a média de participação das empresas é aproximadamente 0,25, o que é consistente com participações similares para empresas uma vez que na maior parte das áreas de numeração temos quatro ou cinco empresas. Do ponto de vista de cobertura, observamos, por um lado, uma participação média similar à de aparelhos, por volta de 0,25, mas uma dispersão muito menor. No entanto, observamos habitualmente uma variação relativamente pequena de mês a mês nas participações de mercado, com o máximo de variação positiva da ordem de 3 pontos 4 A participação em termos de Estações Radio Base (ERBs 6 ) foi calculada para medir com maior melhor a extensão de atuação de uma operadora em uma determinada localidade. Uma ERB é um equipamento que permite a conexão entre os telefones celulares e as companhias telefônicas, e sua atuação é limitada em dois sentidos, um deles a capacidade de chamadas que pode processar e o outro a zona geográfica coberta. EconomiA, Brasília(DF), v.13, n.1, p , jan/abr

8 Caio Virgilio Bueno Magano e Cláudio Ribeiro de Lucinda Tabela 1 Estatísticas descritivas Mínimo Máximo Média Desv. pad. s ijt 0 0,73 0, , s ijt -0,02 0,03 3,76E-06 0,00517 ERB ijt 0 0,52 0, , D.P.(s ijt) 0 0,32 0, , X1 ijt -1,92 1-0, , N it 0 5 3, ,45848 Q ijt -250,2 749,7-0, ,28368 percentuais e a mínima variação negativa de 2 pontos percentuais. A Figura 1, que mostra a evolução das participações de mercado em quatro diferentes áreas de numeração, mostra bem como estas participações são estáveis mês a mês. Fig. 1. Evolução das participações de mercado DDD 11 São Paulo DDD 16 Ribeirão Preto Mkt. Share Mkt. Share Período Período VIVO CLARO VIVO CLARO TIM OI TIM OI DDD 21 Rio de Janeiro DDD 61 Brasília Mkt. Share Mkt. Share Período Período VIVO CLARO VIVO CLARO TIM OI TIM OI Podemos notar que, apesar das mudanças nas participações de mercado ser bastante pequenas quando consideradas mês a mês, ainda assim existem tendências nestas participações de mercado, quando consideramos um período de tempo mais 188 EconomiA, Brasília(DF), v.13, n.1, p , jan/abr 2012

9 Custos de Mudança e Externalidades de Rede: Uma Análise da Portabilidade Numérica longo. Além disso, alguns gráficos sugerem que as participações de mercado para algumas operadoras estão ficando mais parecidas ao longo do tempo. No entanto, resultados mais definitivos terão de esperar até uma análise empírica mais formal, o tema da subseção seguinte Modelo econométrico O modelo inicial proposto para analisar se a portabilidade numérica teve efeitos sobre maior igualdade nas participações de mercado das empresas ou não é o seguinte: s ijt =X1 ijt 1 (β 1 +β 2 port it +β 3 DP it +β 4 DP it port it )+β 5 ERB ijt +β 6 Q ijt +f ij +f t +ε ijt Cada um dos coeficientes possui uma interpretação interessante do ponto de vista da dinâmica de participações de mercado. Por exemplo, o coeficiente β 1 indica se, na ausência da portabilidade numérica, as participações de mercado já convergiriam para a igualdade. Caso este coeficiente seja positivo, teríamos que as empresas em ques ijt 1 > 1 N it 1 teriam sua participação de mercado reduzida emtevice-versa. O coeficiente β 2 verifica se houve uma mudança nesta dinâmica devido à introdução da portabilidade numérica, enquanto os coeficientes β 3 e β 4 incorporam o efeito da dispersão nas participações de mercado dentro da área de numeração sobre a eventual convergência nas participações de mercado. Também podemos motivar a inclusão da variável DP it no modelo econométrico a partir do modelo teórico de Shi et alii (2002). Quanto maior a diferença entre as participações de mercado, maior a probabilidade que a diferença entre a utilidade de se pertencer à maior das redes e se pertencer à menor seja superior aos custos de mudança, levando à divergência nas participações de mercado. Portanto, se observássemos β 1 positivo, deveríamos esperar β 4 negativo. Antes de discutirmos os outros coeficientes, é necessário discutir as hipóteses de identificação implícitas. Existem dois potenciais problemas de identificação subjacentes a um modelo como o proposto acima. O primeiro deles diz respeito à potencial simultaneidade entre a variável representativa da variação nas participações de mercado, s ijt, e a referente à implantação da portabilidade, port it. Aparentemente, o cronograma estabelecido não foi construído com base nas participações de mercado ou a diferença entre elas. A idéia do Grupo de Implementação da Portabilidade, encarregado de determinar o cronograma de implantação da medida, era de em um primeiro momento estabelecer um conjunto de Áreas de Numeração que fossem representativas dos diferentes tipos de áreas desde um estado (DDD 67), passando por capitais e chegando a cidades do interior dos estados. A segunda questão diz respeito a eventuais variáveis omitidas, que possam ser correlacionadas com os regressores do modelo e que estejam viesando os EconomiA, Brasília(DF), v.13, n.1, p , jan/abr

10 Caio Virgilio Bueno Magano e Cláudio Ribeiro de Lucinda coeficientes estimados. Variáveis como esforço de marketing e precificação 5 não estão representados diretamente aqui, além de algumas características percebidas do serviço das operadoras e que vão além do critério colocado em Q ijt. No entanto, acreditamos que a inclusão de efeitos individuais por par DDD e operadora captura tanto diferenças em esforços de marketing por operadora, por DDD, além das respostas específicas por DDD a ações de marketing das operadoras. 6 Finalmente, com relação à inferência sobre os coeficientes, temos que os erros padrão dos mesmos foram calculados com clustering por DDD conforme Wooldridge (2002), refletindo o fato que a heterogeneiade não observável em termos dos diferentes mercados pode afetar os erros-padrão dos coeficientes. Para fins de comparação, em cada uma das especificações, são apresentados também os resultados sem nenhum tipo de efeito individual. Os resultados da Tabela 2 indicam alguns pontos tanto sobre qual a dinâmica da competição antes da introdução da portabilidade numérica quanto os efeitos da mesma sobre esta dinâmica. Em primeiro lugar, o coeficiente β 1 é positivo, indicando um movimento de convergência das participações de mercado entre as diferentes operadoras dentro de um mesmo DDD. Por exemplo, peguemos o valor de 0,0171 observado na terceira coluna, obtido com a estimação com efeitos fixos de tempo e par Operadora/DDD. Isso significa que, em um mercado com quatro empresas, sendo que três delas possuem participações de 26% e a quarta com participação de 22%, esperaríamos uma redução de 0,068 pontos percentuais na participação das três maiores no mês seguinte, e um aumento de 0,208 pontos percentuais na participação da maior operadora, tudo o mais mantido constante. Note-se, todavia, que o efeito de β 1 é fortemente mitigado pela dispersão nas participações de market share; ou seja, o efeito descrito no parágrafo anterior é mais forte nas situações em que as participações de mercado das empresas são mais próximas. Ou seja, os valores mostrados como ilustração no parágrafo anterior tendem a ser menores quando levamos em conta o desvio-padrão dos market shares. No máximo valor observado para a amostra para DP it, temos que o efeito de β 1 é quase que eliminado. O papel da introdução da portabilidade numérica, neste contexto, apenas reforçou as características já observadas anteriormente. Com β 2 e β 4 respectivamente positivos e negativos, o movimento de convergência de participações de mercado se torna mais forte, especialmente nas áreas de DDD com menor desvio-padrão entre as participações de mercado. Ou seja, a dinâmica das participações de mercado implícita pelo modelo acima indica que há uma forte competição entre operadoras com grande participação de mercado mas, ao 5 Note-se que as operadoras móveis possuem muita liberdade para a sua estruturação de planos de serviço e de precificação dos mesmos. Elas são obrigadas apenas a fornecer um plano, chamado de plano básico, cujo preço é regulado. Outros planos, chamados de planos alternativos são livremente ofertados, precisando apenas ser registrados juntos à agência. 6 Para entendermos melhor este ponto, quando temos efeitos fixos separados de operadora e DDD, a diferença entre os efeitos individuais em um mesmo instante do tempo entre DDD s é igual para todas as operadoras. Com efeitos específicos para o par operadora e DDD, temos que a diferença entre DDD s pode ser diferente entre operadoras. 190 EconomiA, Brasília(DF), v.13, n.1, p , jan/abr 2012

11 Custos de Mudança e Externalidades de Rede: Uma Análise da Portabilidade Numérica Tabela 2 Resultados da estimação M.Q.O. Ef. Fixos Ef. Fixos X1 itj 1 0,00416 *** 0,0173 *** 0,0171 *** -3,78 (6.26) (6.42) X1 itj 1 port it 0, ,00225 * 0,00229 * -1,21 (2.42) (2.41) X1 itj 1 DP it -0,0134 * -0,0485 *** -0,0499 *** (-2,55) (-3.76) (-4.00) X1 itj 1 DP it port it -0, ,0138 ** -0,0133 ** (-0,94) (-2,94) (-2.79) ERB itj 0,0108 *** 0,0142 0,0142-4,12-1,59 (1.61) Q itj 0,00108 ** 0,00108 *** 0,00107 ** -2,76-3,51 (3.44) Constante -0,00268 *** -0, ,00369 (-3,89) (-1,84) (-1.68) Dummy empo Não Não Sim N R Estatísticas t entre Parênteses. (d) para mudança discreta da dummy de 0 para 1. * p<0.05, ** p<0.01, *** p< mesmo tempo, para as operadoras que entram em áreas de numeração com poucos assinantes, há uma dificuldade na aquisição de novos clientes. Tal fenômeno pode se dever à existência de externalidades de rede combinadas com discriminação de preços por chamadas entre assinantes de uma mesma operadora. Neste sentido, a introdução da portabilidade não conseguiu modificar esta tendência, apenas intensificando a competição entre as grandes operadoras e mantendo difícil a entrada de novos competidores com poucos clientes. Alternativamente, podemos entender os resultados como a redução nos custos de mudança ocasionada pela portabilidade numérica não foi grande o suficiente para compensar as vantagens de se pertencer à maior das redes. EconomiA, Brasília(DF), v.13, n.1, p , jan/abr

12 Caio Virgilio Bueno Magano e Cláudio Ribeiro de Lucinda 3.2. Análise de Robustez dos Resultados Nesta seção, será investigada a robustez dos resultados a diferentes especificações do modelo. A primeira das possibilidades investigadas diz respeito ao fato de que não necessariamente a portabilidade afetou a variação das participações de mercado da forma postulada anteriormente. Ou seja, é possível que a portabilidade tenha efeitos sobre a mudança nas participações de mercado independentemente da tendência de convergência ou divergência das participações de mercado, e β 2 e β 4 já incorporariam tal efeito. Neste sentido, foi estimado o seguinte modelo: s ijt =X1 ijt 1 (β 1 +β 2 port it +β 3 DP it +β 4 DP it port it )+β 5 ERB ijt +β 6 Q ijt +β 7 port it +β 8 DP it +β 9 DP it port it +f ij +f t +ε ijt A principal diferença deste modelo em relação ao da seção anterior é que ele coloca como regressores adicionais as variáveis de portabilidade e de desvio-padrão das participações de mercado. Os coeficientes estimados para este modelo estão apresentados na Tabela 3: Os resultados da Tabela 3 indicam que as principais conclusões da seção anterior, em que há uma tendência à convergência nas participações de mercado, ainda que mitigada pelo grau de dispersão das participações. Além disso, os efeitos que a portabilidade trouxe sobre esta dinâmica também se mantiveram. O principal efeito adicional obtido a partir da inclusão destas variáveis é que o desvio padrão aparenta estar positivamente correlacionado com a variação nos market shares. A segunda análise de robustez realizada diz respeito à definição de qual medida de dispersão de participações de mercado utilizar se a em t ou em t 1. Ou seja, estimou-se o seguinte modelo: s ijt =X1 ijt 1 (β 1 +β 2 port it +β 3 DP it 1 +β 4 DP it 1 port it ) +β 5 ERB ijt +β 6 Q ijt +f ij +f t +ε ijt Os resultados desta alternativa estão na Tabela 4: Os resultados da Tabela 4 apontam para a manutenção da conclusão que a portabilidade numérica aumentou a tendência de convergência nas participações de mercado, especialmente nas regiões em que as mesmas são relativamente parecidas. Apenas o resultado que o efeito de convergência nas participações de mercado é menor com maior desvio-padrão antes da portabilidade não se manteve. Uma última análise de robustez trata da possibilidade de, tendo em vista a elevada persistência das participações de mercado quando consideradas mês a mês, tenhamos cometido algum erro de especificação por não incorporarmos este fato em nosso modelo. Por isso, estimamos a seguinte variação no modelo básico: s ijt =X1 ijt 1 (β 1 +β 2 port it +β 3 DP it +β 4 DP it port it )+β 5 ERB ijt +β 6 Q ijt +γ s ij 1t +f ij +f t +ε ijt Os resultados estão apresentados na Tabela EconomiA, Brasília(DF), v.13, n.1, p , jan/abr 2012

13 Tabela 3 Análise de robustez 1 Custos de Mudança e Externalidades de Rede: Uma Análise da Portabilidade Numérica M.Q.O. Ef. Fixos Ef. Fixos X1 ijt 1 0,00442 *** 0,0187 *** 0,0183 *** -3,71-6,74-6,82 port it 0, , , ,64 (-0,35) (-1,20) DP it 0,00517 ** 0,0161 *** 0,0133 ** -2,94-4,45-3,46 DP it port it -0,00515 * 0, , (-2,56) -0,1-0,15 X1 ijt 1 port it 0, ,00236 * 0,00242 * -1,06-2,54-2,64 X1 ijt 1 DP it -0,015 * -0,055 *** -0,0547 *** (-2,58) (-4,40) (-4,50) X1 ijt 1 DP it port it -0, ,0141 ** -0,0139 ** (-0,75) (-3,02) (-2,99) ERB ijt 0,0108 *** 0,0166 0,0163-4,1-1,87-1,86 Q ijt 0,00107 ** 0,00104 ** 0,00104 ** -2,76-3,35-3,34 Constante -0,00338 *** -0,00703 ** -0,00668 ** (-4,23) (-3,07) (-2,87) Dummy tempo Não Não Sim N R2 0, , ,06154 Estatísticas t entre Parênteses. (d) para mudança discreta da dummy de 0 para 1. * p<0.05, ** p<0.01, *** p< Os resultados da Tabela 5 são bastante similares do ponto de vista dos resultados anteriores, com apenas uma diferença: para áreas de numeração em que a dispersão nas participações de mercado é grande, o efeito de convergência desaparece. No entanto, o efeito da portabilidade continua sendo apenas de acentuar uma EconomiA, Brasília(DF), v.13, n.1, p , jan/abr

14 Caio Virgilio Bueno Magano e Cláudio Ribeiro de Lucinda Tabela 4 Análise de robustez 2 M.Q.O. Ef. Fixos Ef. Fixos X1 itj 1 0,00363 ** 0,0118 *** 0,0118 *** -3,46-4,34-4,46 X1 ijt 1 port it 0, ,00246 * 0,00248 * -1,24-2,57-2,52 X1 ijt 1 DP it 1-0,0103 * -0,0176-0,0198 (-2,14) (-1,27) (-1,46) X1 ijt 1 DP it 1 port it -0,0076-0,0148 ** -0,0143 ** (-0,99) (-3,13) (-2,95) ERB ijt 0,0108 *** 0,0145 0,0145-4,12-1,61-1,62 Q ijt 0,0011 ** 0,00109 *** 0,00108 *** -2,77-3,6-3,54 Constante -0,00266 *** -0, ,00371 (-3,87) (-1,82) (-1,66) Dummy tempo Não Não Sim N R2 0, , ,05457 Estatísticas t entre Parênteses. (d) para mudança discreta da dummy de 0 para 1. * p<0.05, ** p<0.01, *** p< dinâmica já existente. Todos estes resultados apontam para uma importante robustez das principais conclusões da análise empírica: tendência de convergência nas participações de mercado, sendo menor nas áreas de numeração em que a dispersão era maior e apenas uma acentuação deste movimento após a redução nos custos de mudança. 194 EconomiA, Brasília(DF), v.13, n.1, p , jan/abr 2012

15 Custos de Mudança e Externalidades de Rede: Uma Análise da Portabilidade Numérica Tabela 5 Análise de robustez 2 M.Q.O. Ef. Fixos Ef. Fixos X1 ijt *** *** *** (3.72) (5.60) (5.60) X1 ijt 1 port it * * (1.19) (2.51) (2.60) X1 ijt 1 DP it * ** *** (-2.53) (-3.35) (-3.57) X1 ijt 1 DP it port it ** ** (-0.91) (-3.11) (-3.00) ERB ijt *** * * (4.06) (2.16) (2.15) Q ijt ** *** *** (2.68) (3.66) (3.64) s ijt *** *** (-1.88) (-9.11) (-9.53) Constante *** * * (-3.82) (-2.38) (-2.28) Dummy tempo Não Não Sim N R Estatísticas t entre Parênteses. (d) para mudança discreta da dummy de 0 para 1. * p<0.05, ** p<0.01, *** p< EconomiA, Brasília(DF), v.13, n.1, p , jan/abr

16 Caio Virgilio Bueno Magano e Cláudio Ribeiro de Lucinda 4. Conclusões Neste artigo analisamos como uma redução nos custos de mudança, percebidos pelos consumidores, afeta os mercados em que existem externalidades de rede. Para isto, utilizamos o exemplo do mercado brasileiro de telefonia móvel que, no período entre setembro de 2008 e março de 2009 passou a permitir aos usuários a portabilidade numérica. De acordo com estas medidas, o consumidor poderia mudar de operadora de telefonia móvel mantendo o número, desde que estivesse em uma mesma área de numeração. Inicialmente, foi revisada a literatura relevante sobre o tema, começando com as contribuições clássicas de Klemperer (1987b) e Farrell e Shapiro (1988) que indicam que, mesmo com externalidades de rede ainda existe uma tendência para a convergência nas participações de mercado. Estes autores apontam que esta tendência continua sendo forte quando temos uma redução nos custos de mudança de operadora. No entanto, uma literatura mais recente vem questionando esta conclusão, em especial no contexto em que os ofertantes são capazes de discriminar preços. Em um contexto de telecomunicações, Shi et alii (2002) indicam que é possível observarmos uma divergência nas participações de mercado em resposta a uma redução nos custos de mudança. Intuitivamente, estes autores afirmam que isto ocorre porque, ao discriminar preços entre chamadas dentro de uma mesma rede e as chamadas fora da rede, fica mais fácil para que os consumidores pertencentes a operadoras menores mudem para as que possuem mais assinantes. Para discriminar entre estas duas hipóteses, foram compilados dados sobre participações de mercado das operadoras brasileiras por Área de Numeração (código DDD), datas de implantação da portabilidade numérica, assim como medidas de qualidade de serviço e de qualidade de cobertura (número de estações rádio-base), para dados mensais entre junho de 2006 e junho de Estes dados serviram de base para o modelo econométrico subsequente. Os resultados do modelo econométrico indicavam que havia uma tendência para a convergência nas participações de mercado das empresas dentro das diferentes áreas de numeração; no entanto, esta tendência era menos pronunciada nas áreas de numeração em que a dispersão entre as participações de mercado era maior. Com a portabilidade numérica e a redução nos custos de mudança, os resultados indicam que esta tendência se acentuou. Ou seja, depois que os consumidores puderam mudar de operadora e manter o número, as pequenas diferenças de participação de mercado tendiam a desaparecer mais rapidamente. Para as operadoras com participação de mercado muito menor, no entanto, ficou mais difícil ganhar assinantes. 196 EconomiA, Brasília(DF), v.13, n.1, p , jan/abr 2012

17 Custos de Mudança e Externalidades de Rede: Uma Análise da Portabilidade Numérica Referências bibliográficas Aoki, R. & Small, J. (1999). Economics of number portability: Switching cost and two-part tariff. Working Paper 18, CRNEC. University of Auckland. Disponível em: http: //dx.doi.org/ / Acesso em Janeiro de Beggs, A. & Klemperer, P. (1992). Multi-period competition with switching costs. Econometrica, 60: Farrell, J. & Shapiro, C. (1988). Dynamic competition with switching costs. Journal of Economics, 19: Gans, J. S., King, S. P., & Wooldbridge, G. (2001). Numbers to the people: Regulation, ownership and local number portability. Information Economics and Policy, 13: Grzybowski, L. (2005). Regulation of mobile telephony across the European Union: An empirical analysis. Journal of Regulatory Economics, 28: Haucap, J. (2003). Telephone number allocation: A priority rights approach. European Journal of Law Economics, 15: IT WEB (2009). Disponível em: Acesso em 26 jul Kim, H. & Yoon, C. (2004). Determinants of subscriber churn and customer loyalty in the Korean mobile telephony market. Telecommunications Policy, 28: Klemperer, P. (1987a). The competitiveness of markets with switching costs. Rand Journal of Economics, 18: Klemperer, P. (1987b). Markets with consumer switching costs. Quarterly Journal of Economics, 102: Laffont, J. J., Rey, P., & Tirole, J. (1998a). Network competition I: Overview and nondiscriminatory pricing. Rand Journal of Economics, 29:1 37. Laffont, J. J., Rey, P., & Tirole, J. (1998b). Network competition II: Price discrimination. Rand Journal of Economics, 29: Lee, J., Kim, Y., Lee, J. D., & Park, Y. (2006). Estimating the extent of potential competition in the Korean mobile telecommunications market: Switching costs and number portability. International Journal of Industrial Organization, 24: Shaffer, G. & Zhang, Z. J. (2000). Pay to switch or pay to stay: Preference-based price discrimination in markets with switching costs. Journal of Economics & Management Strategy, 9: Shi, M., Chiang, J., & Rhee, B. (2002). Price competition with reduced consumer switching costs: The case of wireless number portability in the cellular phone industry. Management Science, 52: TELECO (2009). Portal de informações sobre o mercado de telecomunicações brasileiro. Disponível em: Acesso em 26 jul Viard, V. B. (2007). Do switching costs make markets more or less competitive? The case of 800-number portability. Rand Journal of Economics, 38: Wooldridge, J. M. (2002). Econometric Analysis of Cross Section and Panel Data. The MIT Press. EconomiA, Brasília(DF), v.13, n.1, p , jan/abr

18 Caio Virgilio Bueno Magano e Cláudio Ribeiro de Lucinda Anexo 1 Cronograma de Implantação da Portabilidade Numérica Ano Data de Códigos nacionais(ddd) % da pop.nacional favorecida onde a portabilidade foi ativação ativada comercialmente Nos CNs Acumulado /set ,46% 9,46% 03/nov ,79% 11,25% 10/nov ,85% 17,10% 17/nov ,70% 25,80% 24/nov ,00% 31,80% 01/dez ,81% 37,61% /jan ,76% 46,37% 12/jan ,82% 53,19% 19/jan ,03% 63,21% 26/jan ,56% 64,78% 02/fev ,93% 69,71% 09/fev ,87% 79,58% 16/fev ,55% 84,13% 02/mar ,87% 100,00% Fonte: TELECO (2009). 198 EconomiA, Brasília(DF), v.13, n.1, p , jan/abr 2012

3 Literatura teórica

3 Literatura teórica 23 3 Literatura teórica O FFP é um exemplo de programa bem sucedido na indução de lealdade dos consumidores. Tal programa recompensa consumidores por acúmulo de viagens numa mesma companhia, enquanto pune

Leia mais

Custos de Mudança e Externalidades de Rede:

Custos de Mudança e Externalidades de Rede: Custos de Mudança e Externalidades de Rede: Uma análise da portabilidade numérica na telefonia móvel brasileira Resumo: Neste artigo analisamos como uma redução nos custos de mudança, percebidos pelos

Leia mais

Convergência tecnológica, Inovação e Direito da Concorrência no séc. XXI.

Convergência tecnológica, Inovação e Direito da Concorrência no séc. XXI. 20.º Seminário Internacional de Defesa da Concorrência Convergência tecnológica, Inovação e Direito da Concorrência no séc. XXI. Márcio de Oliveira Júnior CADE Há várias formas de abordar a relação entre

Leia mais

Aplicação de Métodos de Escolha Discreta na Estimação da Demanda por Serviços de Acesso à Internet Igor Vilas Boas de Freitas

Aplicação de Métodos de Escolha Discreta na Estimação da Demanda por Serviços de Acesso à Internet Igor Vilas Boas de Freitas Aplicação de Métodos de Escolha Discreta na Estimação da Demanda por Serviços de Acesso à Internet Igor Vilas Boas de Freitas Brasília, 11 de setembro de 2014 1T07 2T07 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 4T08 1T09

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar?

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar? 1 Conheça o sistema de Voz sobre IP (ou VOIP) O que é Voz sobre IP / Voz sobre Internet Protocolo? R. Voz sobre IP permite que você faça ligações telefônicas utilizando uma rede de computadores, como a

Leia mais

5 Conclusões e Recomendações

5 Conclusões e Recomendações 5 Conclusões e Recomendações 5.1 Conclusões O objetivo deste estudo foi utilizar a base de dados de clientes de uma empresa para desenvolver um modelo de regressão logística que determine o risco de cancelamento

Leia mais

Por: Pedro Arlindo, Anabela Mabota, António Paulo, Cynthia Donovan e David Tschirley 1

Por: Pedro Arlindo, Anabela Mabota, António Paulo, Cynthia Donovan e David Tschirley 1 24 de Março de 2004 flash No 38 P Resultados das Pesquisas do SIMA-DEST e Departamento de Análise de Políticas MADER-Direcção de Economia Mudanças nos Padrões de Consumo na Zona Sul: Que Opções Alimentares

Leia mais

Resultados 3T14_. Relações com Investidores Telefônica Brasil S.A. Novembro de 2014.

Resultados 3T14_. Relações com Investidores Telefônica Brasil S.A. Novembro de 2014. Resultados 3T14_ Novembro de 2014. Disclaimer Esta apresentação pode conter declarações baseadas em estimativas a respeito dos prospectos e objetivos futuros de crescimento da base de assinantes, um detalhamento

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

7. As Entrevistas. A seguir pode ser verificado o resumo das respostas dessas entrevistas:

7. As Entrevistas. A seguir pode ser verificado o resumo das respostas dessas entrevistas: 102 7. As Entrevistas Nesse item foram entrevistados 6 diretores da empresa, que, de alguma forma, estiveram envolvidos no processo de lançamento e consolidação da Oi no mercado. Como pode ser visto no

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho de 2011 Mercado Brasileiro de Telecomunicações Oi: Perfil, Cobertura e Estratégia Resultados Operacionais e Financeiros Aliança com a Portugal Telecom e Aumento de Capital

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

4 A Telefonia Móvel no Brasil

4 A Telefonia Móvel no Brasil 4 A Telefonia Móvel no Brasil 4.1 Breve Histórico da Telefonia Móvel O uso da telefonia móvel teve início no Brasil no final de 1990. Em 30 de dezembro deste ano o Sistema Móvel Celular (SMC) começou a

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

3 Concurso de Rentabilidade

3 Concurso de Rentabilidade 3 Concurso de Rentabilidade 3.1.Motivação O capítulo anterior mostra que a motivação dos fundos de investimento é a maximização da expectativa que a população tem a respeito da rentabilidade de suas carteiras.

Leia mais

Número 03 São Paulo, 15 de julho de 2013. Operadora: Indicadores econômico-financeiros

Número 03 São Paulo, 15 de julho de 2013. Operadora: Indicadores econômico-financeiros Número 03 São Paulo, 15 de julho de 2013 Operadora: Indicadores econômico-financeiros 1. Desempenho Operacional A Claro encerrou 2012 com 65,2 milhões de celulares no país, variação de 8% em relação a

Leia mais

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA Service Virtualization

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA Service Virtualization CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA Service Virtualization PERFIL DO CLIENTE Indústria: Telecomunicações Empresa: TIM Brasil Colaboradores:

Leia mais

REGULAMENTO. Promoção Nextel 3G Controle 45R

REGULAMENTO. Promoção Nextel 3G Controle 45R REGULAMENTO Promoção Nextel 3G Controle 45R Esta promoção é comercializada pela NEXTEL TELECOMUNICAÇÕES Ltda., prestadora do Serviço Móvel Pessoal SMP, doravante denominada simplesmente NEXTEL, situada

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF Brasília, 10 de agosto de 2012. Assunto: Contribuição à Consulta Pública nº

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

RACIONAL EXPECTATIONS AND THE THEORY OF PRICE MOVEMENTS, uma análise

RACIONAL EXPECTATIONS AND THE THEORY OF PRICE MOVEMENTS, uma análise RACIONAL EXPECTATIONS AND THE THEORY OF PRICE MOVEMENTS, uma análise Ana Isabel Quinteiro Lopes Gonçalves Loureiro, Faculdade de Economia do Porto Bárbara Andrea Pereira Ribeiro, Faculdade de Economia

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Tecnologias de telefonia celular GSM (Global System for Mobile Communications) Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Leia mais

São Paulo (SP), 20 de julho de 2015.

São Paulo (SP), 20 de julho de 2015. São Paulo (SP), 20 de julho de 205. Discurso do Diretor de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos, Tony Volpon, no Encontro com Investidores promovido pela CM Capital Markets. Gostaria

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Brasília/DF Maio/2013 15 anos de LGT Em 1997, na corrida pelo usuário, a

Leia mais

MUDANÇAS NA RELAÇÃO ENTRE A PME E A PED COM A NOVA METODOLOGIA DA PME

MUDANÇAS NA RELAÇÃO ENTRE A PME E A PED COM A NOVA METODOLOGIA DA PME MUDANÇAS NA RELAÇÃO ENTRE A PME E A PED COM A NOVA METODOLOGIA DA PME Maurício Cortez Reis Professor do Dept de Economia da PUC - Rio 1 INTRODUÇÃO A Pesquisa Mensal de Emprego (PME), realizada pelo IBGE

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Fagundes Consultoria Econômica jfag@unisys.com.br Escola Superior da Advocacia - ESA CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Noções de Microeconomia Índice Fundamentos de Microeconomia: princípios

Leia mais

Prática e Gerenciamento de Projetos

Prática e Gerenciamento de Projetos Universidade de São Paulo Escola de Artes, Ciências e Humanidades Prática e Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos do Projeto Equipe: Jhonas P. dos Reis Marcelo Marciano Mário Januário Filho

Leia mais

REGULAMENTO. Promoção Nextel 3G Smart Blackberry 300

REGULAMENTO. Promoção Nextel 3G Smart Blackberry 300 REGULAMENTO Promoção Nextel 3G Smart Blackberry 300 Esta promoção é comercializada pela NEXTEL TELECOMUNICAÇÕES Ltda., prestadora do Serviço Móvel Pessoal SMP, doravante denominada simplesmente NEXTEL,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTO NA PRÁTICA GLOSSÁRIO

AVALIAÇÃO DE IMPACTO NA PRÁTICA GLOSSÁRIO 1 AVALIAÇÃO DE IMPACTO NA PRÁTICA GLOSSÁRIO Amostra aleatória. Também conhecida como amostra probabilística. A melhor maneira de evitar uma amostra enviesada ou não-representativa é selecionar uma amostra

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Código de Seleção de Prestadora (CSP) Este tutorial apresenta o Código de Seleção de Prestadora (CSP) utilizado no Brasil para chamadas de longa distância. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

Por que custa caro ligar de telefone fixo para celular?

Por que custa caro ligar de telefone fixo para celular? Por que custa caro ligar de telefone fixo para celular? César Mattos 1 A ampla difusão da telefonia celular levou a alguns comportamentos curiosos dos usuários. Muitos compram telefones que comportam chip

Leia mais

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014.

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. Tanto as pessoas físicas quanto as jurídicas têm patrimônio, que nada mais é do que o conjunto

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica Rivalidade após entrada: o impacto imediato do aplicativo Uber sobre as corridas de táxi porta-a-porta 1 Departamento de Estudos Econômicos

Leia mais

5 Resultados. 1 Os resultados apresentados foram obtidos com 1 rodada do simulador.

5 Resultados. 1 Os resultados apresentados foram obtidos com 1 rodada do simulador. 5 Resultados A dificuldade em modelar analiticamente o comportamento de sistemas celulares hierarquizados faz com que grande parte dos estudos de desempenho destes sistemas seja baseada em simulações.

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles AS EXPECTATIVAS DO CLIENTE COM O SERVIÇO Expectativas dos clientes São crenças acerca da execução do serviço que

Leia mais

A TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. DIVULGA O RESULTADO DO QUARTO TRIMESTRE DE 2000 E DO ANO DE 2000

A TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. DIVULGA O RESULTADO DO QUARTO TRIMESTRE DE 2000 E DO ANO DE 2000 TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. João Cox Vice Presidente de Finanças e Diretor de Relações com Investidores jcox@telepart.com.br 0XX61-429-5600 Leonardo Dias Gerente de Relações com Investidores

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3

Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 Gerenciamento de Serviços de TI Processos Técnicos - Aulas 1 a 3 A Informática, ou Tecnologia da Informação, antigamente era vista como apenas mais um departamento, como um apoio à empresa. Hoje, qualquer

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público?

Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público? Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público? Quais argumentos poderiam ser usados por uma empresa prestadora de serviço de

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA LISA

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA LISA CUSTOMER SUCCESS STORY Maio 2014 TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA LISA PERFIL DO CLIENTE Indústria: Telecomunicações Empresa: TIM Brasil Colaboradores: 12,167 mil EMPRESA

Leia mais

EFEITO DO FGTS E SEGURO-DESEMPREGO SOBRE AS FALSAS DEMISSÕES

EFEITO DO FGTS E SEGURO-DESEMPREGO SOBRE AS FALSAS DEMISSÕES EFEITO DO FGTS E SEGURO-DESEMPREGO SOBRE AS FALSAS DEMISSÕES Aluno: Oliver Casiuch Orientador: Gustavo Gonzaga Introdução O Fundo de Garantia sobre Tempo de Serviço (FGTS) foi criado em 1966. As firmas

Leia mais

Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em um projeto.

Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em um projeto. Discussão sobre Nivelamento Baseado em Fluxo de Caixa. Item aberto na lista E-Plan Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Ano 2010 No. 1 Telefonia móvel: São acessíveis os serviços na América Latina?

Ano 2010 No. 1 Telefonia móvel: São acessíveis os serviços na América Latina? Policy Brief Ano 2010 No. 1 Telefonia móvel: São acessíveis os serviços na América Latina? A telefonia móvel teve um crescimento espectacular em América Latina, e hoje alcança um nível de penetração próximo

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

ESTÁ EM VIGOR O NOVO REGULAMENTO DE ÁREAS LOCAIS DA TELEFONIA FIXA

ESTÁ EM VIGOR O NOVO REGULAMENTO DE ÁREAS LOCAIS DA TELEFONIA FIXA Brasília, 8 de junho de 2004 Agência Nacional de Telecomunicações - APC ESTÁ EM VIGOR O NOVO REGULAMENTO DE ÁREAS LOCAIS DA TELEFONIA FIXA O novo Regulamento de Áreas Locais do Serviço Telefônico Fixo

Leia mais

Número 04 São Paulo, 07 de outubro de 2013. Operadora:

Número 04 São Paulo, 07 de outubro de 2013. Operadora: Número 04 São Paulo, 07 de outubro de 2013 Operadora: Indicadores operacionais e financeiros 2º trimestre/2013 1. Desempenho Operacional - Claro No 2º trimestre de 2013 (2T13) a Claro teve aumento de 5,6%

Leia mais

CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO

CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO A COMBINAÇÃO DA DINÂMICA DE SISTEMAS E A ANÁLISE ESTATÍSTICA MELHORA O PROCESSO DE DECISÃO EM SISTEMAS LOGISTICOS FECHADOS

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO PACOTE DE INTERNET DIÁRIO PRÉ PAGO

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO PACOTE DE INTERNET DIÁRIO PRÉ PAGO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO PACOTE DE INTERNET DIÁRIO PRÉ PAGO O presente Termo tem a finalidade de regular as relações entre a CLARO S.A., empresa autorizatária do Serviço Móvel Pessoal, inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de 1 Introdução Os economistas norte-americanos Joseph Stiglitz, George Akerlof e Michael Spence foram agraciados, em 2001, com o Prêmio Nobel de Economia, devido à contribuição dada por seus trabalhos, no

Leia mais

Análise Comparativa entre Provedores de Internet 3G, no Estado do Acre.

Análise Comparativa entre Provedores de Internet 3G, no Estado do Acre. Análise Comparativa entre Provedores de Internet 3G, no Estado do Acre. Luiz Felipe de Oliveira Pinheiro * RESUMO Vamos aqui fazer uma comparação entre planos de internet 3G, (oferta/demanda), e tentar

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Estruturação de uma Concessão/PPP: Regulação Econômica de Infraestruturas

Estruturação de uma Concessão/PPP: Regulação Econômica de Infraestruturas Estruturação de uma Concessão/PPP: Regulação Econômica de Infraestruturas 1º Simpósio Nacional de Auditoria de PPPs 15/05/2013 Roteiro da Apresentação 1. Motivação 2. Governo e Infraestrutura 3. Quando

Leia mais

TIM Participações S.A. Resultados do 1T06. 5 de Maio de 2006

TIM Participações S.A. Resultados do 1T06. 5 de Maio de 2006 TIM Participações S.A. Resultados do 5 de Maio de 2006 1 Principais realizações Desempenho do Mercado Desempenho Financeiro 2 Status da Reestruturação Corporativa Principais realizações Melhorando a Estrutura

Leia mais

DEBATE: UPP x MERCADO RELEVANTE. Arthur Barrionuevo

DEBATE: UPP x MERCADO RELEVANTE. Arthur Barrionuevo DEBATE: UPP x MERCADO RELEVANTE Arthur Barrionuevo Agenda: 1. Mercado relevante 2. Método UPP 3. Produtos Homogêneos 4. Conclusão Introdução Introdução Horizontal Merger Guidelines Uma operação (fusão,

Leia mais

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE! Como calcular o fluxo de caixa! Qual a fórmula para determinar a capacidade de pagamento! Como analisar a liquidez Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

3 o SEMINÁRIO DE DIREITO ECONÔMICO Preço e Direito da Concorrência. Arthur Barrionuevo Professor da FGV SP arthur.barrionuevo@fgv.

3 o SEMINÁRIO DE DIREITO ECONÔMICO Preço e Direito da Concorrência. Arthur Barrionuevo Professor da FGV SP arthur.barrionuevo@fgv. 3 o SEMINÁRIO DE DIREITO ECONÔMICO Preço e Direito da Concorrência Arthur Barrionuevo Professor da FGV SP arthur.barrionuevo@fgv.br Preços em Setores Regulados Tendências Regulatórias e o Controle de Preços

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013 www.pwc.com Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Agenda Introdução Como abordar o problema Discussões Conclusão PwC 2 Introdução PwC 3 Introdução Visões do Marketing Marketing tem que fazer

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS DEZEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

TARIFAÇÃO DE CHAMADAS DE LONGA DISTÂNCIA NACIONAL E INTERNACIONAL - A INFORMAÇÃO DA TARIFA NO INÍCIO DA LIGAÇÃO. Claudio Nazareno Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações,

Leia mais

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel BGAN Transmissão global de voz e dados em banda larga Banda larga para um planeta móvel Broadband Global Area Network (BGAN) O firm das distâncias O serviço da Rede Global de Banda Larga da Inmarsat (BGAN)

Leia mais

Telefonia Móvel. Audiência Pública da Comissão de Defesa do Consumidor Requerimentos 03/2011 e 05/2011 24 de março de 2011

Telefonia Móvel. Audiência Pública da Comissão de Defesa do Consumidor Requerimentos 03/2011 e 05/2011 24 de março de 2011 Telefonia Móvel Audiência Pública da Comissão de Defesa do Consumidor Requerimentos 03/2011 e 05/2011 24 de março de 2011 Sumário Base de clientes Investimentos Empregos gerados Competição Preço dos serviços

Leia mais

Perfil de investimentos

Perfil de investimentos Perfil de investimentos O Fundo de Pensão OABPrev-SP é uma entidade comprometida com a satisfação dos participantes, respeitando seus direitos e sempre buscando soluções que atendam aos seus interesses.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS UFG Pró-Reitoria de Administração e Finanças PROAD GESTÃO DE TELEFONIA NA UFG. Eng. Leonardo E.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS UFG Pró-Reitoria de Administração e Finanças PROAD GESTÃO DE TELEFONIA NA UFG. Eng. Leonardo E. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS UFG Pró-Reitoria de Administração e Finanças PROAD GESTÃO DE TELEFONIA NA UFG Eng. Leonardo E. Guimarães Telecomunicações/telefonia no Brasil CONCESSÕES (MEADOS DO SÉCULO

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

05) Um mesmo assinante poderá ter em casa o acesso normal do STFC e o AICE? - O assinante poderá ter somente um AICE e poderá ter outro plano.

05) Um mesmo assinante poderá ter em casa o acesso normal do STFC e o AICE? - O assinante poderá ter somente um AICE e poderá ter outro plano. 01) O que é AICE? Significa Acesso Individual Classe Especial. É um Plano básico e com regulamentação própria (Regulamentado pela Resolução Nº 586, da ANATEL, de 05 de abril de 2012). Modalidade de telefonia

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

Destaques do trimestre

Destaques do trimestre Resultados 3T12 Destaques do trimestre 1 Empresa integrada é líder no índice de satisfação do cliente 2 Líder indiscutível nos segmentos de maior receita com foco na geração de valor 3 Melhora sequencial

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de primeiro grau. Qual será o menor preço que ela cobrará,

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Do reajuste tarifário das chamadas telefônicas do STFC envolvendo acessos do SMP e

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Do reajuste tarifário das chamadas telefônicas do STFC envolvendo acessos do SMP e Do reajuste tarifário das chamadas telefônicas do STFC envolvendo acessos do SMP e SME à luz do Regulamento anexo à Resolução nº 576/2011 da Anatel Luciana Chaves Freire Félix Procuradora Federal em Brasília-DF

Leia mais

FEMSA Gerencia mais de 80 mil Tickets Mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager

FEMSA Gerencia mais de 80 mil Tickets Mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager CUSTOMER SUCCESS STORY Julho 2013 FEMSA Gerencia mais de 80 mil Tickets Mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager PERFIL DO CLIENTE Indústria: Bebidas Companhia: FEMSA Funcionários: +177

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

RELATÓRIO DA ENQUETE SOBRE INTERNET MÓVEL

RELATÓRIO DA ENQUETE SOBRE INTERNET MÓVEL RELATÓRIO DA ENQUETE SOBRE INTERNET MÓVEL Você tem plano de internet contratado para o seu celular? 27% 73% Sim 373 73% Não 141 27% Você sabe qual é a sua franquia de dados (MB ou GB)? 36,11 % 63,88% Sim

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais