CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA"

Transcrição

1 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM BANCO DE DADOS LUCAS YOSHIOKA SISTEMA WEB DE GERENCIAMENTO DE CONSULTAS MÉDICAS INTEGRADO A UM APLICATIVO ANDROID LINS/SP 2º SEMESTRE/2013

2 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM BANCO DE DADOS LUCAS YOSHIOKA SISTEMA WEB DE GERENCIAMENTO DE CONSULTAS MÉDICAS INTEGRADO A UM APLICATIVO ANDROID Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de Lins Prof. Antonio Seabra para obtenção do Título de Tecnólogo em Banco de Dados Orientador Prof. Me Adriano Bezerra LINS/SP 2º SEMESTRE/2013

3 LUCAS YOSHIOKA SISTEMA WEB DE GERENCIAMENTO DE CONSULTAS INTEGRADO A UM APLICATIVO ANDROID Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de Lins, como parte dos requisitos para obtenção do título de Tecnólogo em Banco de Dados sob orientação do Prof. Me. Adriano Bezerra Data de Aprovação: 05 de Dezembro de 2013 Orientador: Prof. Me. Adriano Bezerra Prof. Me. Rodrigo Moura J. Ayres Profa. Me. Gisele Molina Becari

4 Ao meu pai Mário, minha mãe Lourdes, in memorian, meus avós Kazuto, in memorian e Myioko e minha irmã Thaisa, que me apoiaram a cada dia de trabalho para que pudesse alcançar meus objetivos. Lucas Yoshioka.

5 AGRADECIMENTOS Ao final de mais uma etapa concluída, gostaria de agradecer primeiramente ao meu pai, Mario Yoshioka, que nunca mediu esforços para me ajudar em todos os desafios de minha vida. À minha irmã, Thaisa, minha vó Alice, meus tios Armando e Zuleika, minhas primas Simone e Patrícia, e demais familiares que sempre encorajaram a estudar. Meu sincero agradecimento ao orientador Me Adriano Bezerra, pelos ensinamentos, paciência e atenção, que foram cruciais para o termino do trabalho. A todos os meus amigos, sem exceções, especialmente Lucas Ferreira e Larissa Rattigueri, que estiveram a maior parte do tempo comigo e sempre me ajudaram muito. Agradeço também a todos os professores e funcionários da Fatec que, diretamente ou indiretamente participaram dessa conquista. Lucas Yoshioka

6 RESUMO A internet já tem uma grande parcela de contribuição nas empresas. Diariamente, milhões de transações já dependem de seu uso. Em paralelo, os smartphones tem cada vez mais espaço no mercado. Segundo dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel, 2013), o Brasil terminou o mês de outubro de 2013 com 269,9 milhões de celulares. O presente trabalho visa um campo ainda pouco explorado com o objetivo de automatizar o gerenciamento das consultas de uma clínica. Para isso, foi desenvolvido um sistema web integrado a um aplicativo móvel para o sistema operacional Android. Todos os cadastros necessários para a realização de uma consulta estarão contidos no sistema. Paciente e Profissional poderão agendar consultas, bem como re-agendar e cancelar uma já cadastrada. Além disso, o aplicativo móvel trará comodidade ao paciente, pois permitirá o agendamento de uma consulta pelo smartphone, tendo como requisitos apenas acesso à internet e sistema operacional Android. Para a implementação do projeto, foi utilizada a linguagem de programação Java, juntamente ao framework JavaServer Faces e a biblioteca de componentes PrimeFaces, o banco de dados PostgreSQL e a SDK do Android. Palavras-chave: sistema web, dispositivos móveis, jsf, primefaces, consultas médicas, clínica.

7 ABSTRACT The Internet already have a great contribution for companies. Daily, millions of transactions depend on it. In parallel, smartphones has increasingly more space in market. According to Agência Nacional de Telecomunicações, (ANATEL, 2013), Brazil has finished the month of october 2013 with 269,9 millions of smartphones. This project aims a field that is not so explored with the goal of transform the process of scheduling an appointment in a clinic automated. All the necessary data to perform an appointment are contained in the web system. Professional and pacient will be able to schedule, reschedule and appointment, or cancel an appointment that is already schedule. Furthermore, the mobile app will bring convenience, because it will allow the scheduling of and appointment by the smartphone, having as requiriments internet access and the operational system Android. To implement the project, the Java programming language was used along the framework JavaServer Faces and PrimeFaces component library, the PostgreSQL database and the Android SDK. Keywords: web system, mobile devices, jsf, primefaces, medical scheduling, clinical.

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura Eclipse IDE Figura IDE PostgreSQL Figura Código fonte HTML Figura Resultado Figura Principais benefícios da automatização de processos Figura Modelagem lógica do banco de dados Figura Modelagem Relacional do Banco de dados do Sistema Figura Diagrama de Classe Fonte Diagrama de Caso de Uso Figura Diagrama de Atividade (Efetuar Login) Figura Diagrama de Sequência (Efetuar Login) Figura MVC (Efetuar Login) Figura Diagrama de Atividade (Manter Paciente) Figura Diagrama de Atividade (Deletar Paciente) Figura Diagrama de Sequência (Manter e Deletar Paciente) Figura MVC (Manter Paciente) Figura Diagrama de Caso de Uso (Manter Profissional) Figura Diagrama de Atividade (Deletar Paciente) Figura Diagrama de Sequência (Manter e Deletar Profissional) Figura MVC (Manter Paciente) Figura Diagrama de Atividade (Manter Serviços) Figura Diagrama de Atividade (Deletar Serviços) Figura Diagrama de Sequência (Manter e Deletar Serviços) Figura MVC (Manter Serviços) Figura Diagrama de Atividade (Manter Convênio) Figura Diagrama de Atividade (Deletar Convênio) Figura Diagrama de Sequência (Manter e Deletar Convênio) Figura MVC (Manter Convênio) Figura Diagrama de Atividade (Agendar Consulta)

9 Figura Diagrama de Atividade (Re-agendar Consulta) Figura Diagrama de Atividade (Cancelar Consulta) Figura Diagrama de Sequência (Manter e Deletar Consulta) Figura MVC (Manter Consulta) Figura Diagrama de Atividades (Autorizar Solicitação) Figura Diagrama de Sequência (Autorizar Solicitação) Figura MVC (Autorizar Solicitação) Figura Tela de Login Figura Tela de Serviços Figura Adicionar e Alterar Serviço Figura Tela de Convênios Figura Adicionar e Alterar Convênio Figura Tela de Paciente Figura Cadastro Paciente Figura Alteração de Paciente Figura Tela de Profissional Figura Cadastro de Profissional Figura Alteração de Profissional Figura Seleção de Serviços e Convênios Figura Dias e horários de um profissional Figura Tela de Consultas Figura Tela de Agendamento Figura Agendamento de Consultas Figura Tela de Consultas Não Autorizadas Figura Notificação Figura Tela de Login (aplicativo) Figura Tela de cadastro (aplicativo) Figura Dashboard (aplicativo) Figura Atualizar cadastro (aplicativo) Figura Tela de Agendamento de Consulta... 59

10 LISTA DE QUADROS Quadro Usuários do Sistema Quadro Necessidades e Recursos... 28

11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ACID - Atomicidade, Consistência, Isolamento e Durabilidade. ANATEL - Agência Nacional de Telecomunicações. ANSI - American National Standards Institute API - Application Programming Interface ARO - Army Research Office CERN - Organização Européia de Pesquisa Nuclear CSS - Cascading Style Sheets DARPA - Defence Advanced Research Projects Agency GUI - Componentes de Interface de Usuário HTML - HyperText Markup Language HTTP - HyperText Transfer Protocol IDE - Ambiente de Desenvolvimento Integrado IETF - Internet Engineering Task Force JCP - Java Community Process JSF - JavaServer Faces MVC - Modelo, Visão e Controle OHA - Open Handset Alliance OMG - Object Management Group PDE - Plug-in Developmente Environment SDK - Software Development Kit SGBD - Sistema Gerenciador de Banco de Dados SGML - Standard Generalized Markup Language SQL - Linguagem de Pesquisa Estruturada UML - Linguagem de Modelagem Unificada W3C - World Wide Web Consortium

12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO TECNOLOGIAS UTILIZADAS JAVA ECLIPSE JAVASERVER FACES PRIMEFACES ANDROID SQL POSTGRESQL PL/PGSQL UML HTML CSS ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMA ANÁLISE DE NEGÓCIO Instruções do problema Análise de mercado Atores envolvidos no processo Ambiente atual VISÃO GERAL DO PRODUTO Perspectiva do mercado Características CONSIDERAÇÕES FINAIS ANÁLISE MÓDULO ADMINISTRADOR (WEB) MÓDULO USUÁRIO (MOBILE) BANCO DE DADOS Modelagem Lógica Modelagem Relacional DIAGRAMA DE CLASSE... 32

13 3.5 DIAGRAMA DE CASO DE USO ESPECIFICAÇÕES DE HISTÓRIAS E DIAGRAMAS Efetuar Login Manter Paciente Manter Profissional Manter Serviços Manter Convênio Manter Consulta Autorizar Solicitação PROTÓTIPO INTERFACE DO SISTEMA WEB Tela de Login Tela de Serviços Tela de Convênios Tela de Paciente Tela de Profissional Tela de Consulta Autorizar Agendamento INTERFACE DO APLICATIVO MÓVEL Tela de Login CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 61

14 14 INTRODUÇÃO Os processos internos de uma corporação antes da tecnologia da informação (TI) apresentavam várias dificuldades, como a lentidão na troca de informação entre departamentos, demora na execução de serviços de estoque, administração, contabilidade, além da duplicidade de dados e operações. (BRITO, ANTONIALLI E SANTOS, 1997) Desde a ascensão da internet, o mundo corporativo tem se revolucionado rapidamente a ponto de afirmar que o capitalismo sofreu mudanças desde então, como o surgimento de empresas online inflando o mercado de ações. Essa rede acelerou as relações entre fornecedores, clientes, produtores, administradores e todos os que fazem parte dessa cadeia produtiva. (KENSKI, 2002) Segundo Lecheta (2010) o mercado de celulares está em ascensão. Mais de 3 bilhões de pessoas possuem um aparelho celular, o que representa mais ou menos metade da população mundial. O mercado corporativo também está crescendo, e diversas empresas estão incorporando aplicações móveis a seu cotidiano para agilizar seus negócios. (LECHETA, 2010) De acordo com Brito, Antonialli e Santos (1997), a competitividade entre as empresas vem sofrendo mudanças, e cada vez mais exigindo adaptações rápidas e contínuas do modo de se gerenciar a firma. A informação passa a ser um recurso de estratégia para as empresas. Ela pode gerar as condições necessárias para o alcance dos objetivos, de promover a corporação frente a seus concorrentes que não possuam um nível de informatização equiparado ou superior. Esse trabalho tem como objetivo o desenvolvimento de um sistema web de gestão consultas para consultórios médicos, odontológicos, de terapia, entre outros. O sistema visa otimizar rotinas manuais, evitar extravios de dados, controlar os processos de agendamento de consulta de forma detalhada, manter o controle de cadastros de pacientes e médicos, entre outras funcionalidades. Em paralelo, também será desenvolvido um aplicativo móvel para o sistema operacional Android integrado ao sistema web. Isso fará com que o paciente tenha controle de seu cadastro e consultas pelo smartphone.

15 15 Com o desenvolvimento do sistema, acredita-se que no crescimento da empresa, visando a melhor prestação de serviço ao cliente a partir das informações contidas no software e de relatórios bem estruturados, que possam servir de base para decisões rápidas e precisas. Para que o sistema web e aplicativo funcionem de acordo com as necessidades da clínica, foram definidas algumas etapas. Primeiramente será feita a análise de requisitos, ou seja, coleta de todos os dados que servirão de alicerce no desenvolvimento do projeto. Em seguida será realizada a análise de processos, é uma fase muito importante, pois toda a arquitetura do sistema será baseado nos diagramas gerados. A próxima etapa consiste no estudo das ferramentas que serão utilizadas no desenvolvimento do sistema. Por fim, são apresentadas as conclusões do trabalho, juntamente com seus resultados.

16 16 1 TECNOLOGIAS UTILIZADAS Neste capítulo serão abordadas as tecnologias utilizadas para desenvolver o sistema web e o aplicativo Android para gerenciar os consultórios. 1.1 JAVA Em 1991, na Sun Microsystem, foi iniciado o Green Project, o berço da linguagem de programação Java, orientada a objetos. O projeto foi criado por Patrick Naughton, Mike Sheridan, e James Gosling, mas não com o objetivo de desenvolver uma nova linguagem, mas sim de antecipar e planejar o próximo passo do mundo digital. (SOUZA, NARDEN, REHEM, 2010) Em 1995, foi lançada uma nova versão do Oak, uma nova linguagem de programação, que foi rebatizada para Java. A principio foi projetada para se mover por meio das redes de dispositivos como rede e internet. Com isso, aplicações poderiam ser executadas dentro dos browsers, o que promoveu a rápida disseminação da dinâmica da tecnologia Java. (SOUZA, NARDEN, REHEM, 2010) De acordo com Moraes (2009), desde seu lançamento em 1995, a plataforma Java foi adotada mais rapidamente do que qualquer outra linguagem de programação da história da computação. Em 2003 atingiu a marca de 4 milhões de desenvolvedores de todo o mundo. Hoje é executado em mais de 850 milhões de computadores pessoais e em bilhões de dispositivos, tendo seu ambiente de execução em web browsers, mainframes, sistemas operacionais, celulares, palmtops, cartões inteligentes, entre outros. 1.2 ECLIPSE Segundo Faria et al (2010), o projeto foi inicialmente criado pela IBM em 2001 e suportado por um consórcio de fornecedores de software. O Eclipse é uma plataforma de desenvolvimento de software livre extensível baseada em Java. O Eclipse possui o Plug-in Development Environment (PDE), que permite desenvolver ferramentas que se integram perfeitamente ao seu ambiente, embora muitos

17 17 usuários utilizam a plataforma como um Ambiente Integrado de Desenvolvimento (IDE). A figura 1.1 ilustra sua interface. Figura Eclipse IDE O Eclipse não se limita apenas a linguagem Java. Estão disponíveis plug-ins que dão suporte para linguagens de programação, como C/C++ e COBOL. Sua estrutura também pode ser utilizada como base para outros aplicativos não relacionados ao desenvolvimento de software. (FARIA et al, 2010) 1.3 JAVASERVER FACES O JavaServer Faces (JSF) surgiu da necessidade de um framework orientado a interface de usuário robusto para aplicações web, como o Swing é para aplicações desktop. Foi criado através do Java Community Process (JCP) por um grupo de líderes em tecnologia, incluindo a Sun Microsystems, Oracle, Borland, entre outros. (PAGANINI, 2010) Na prática, a utilização do JSF torna fácil o desenvolvimento através de componentes de interface de usuário (GUI), pois possibilita a conexão dos componentes a objetos de negócios de forma simplificada. (PAGANINI, 2010)

18 18 Paganini (2010) explica que o JSF é um framework modelo-visão-controle (MVC) para web e de um modelo de interfaces gráficas baseado em eventos. Como é baseado no padrão MVC, uma das vantagens é a separação entre visualização e regras de negócio. A idéia desse padrão é dividir uma aplicação em três camadas, modelo, visão e controle. O modelo representa os objetos de negócio, além de fornecer ao controlador de acesso aos dados. A visualização é responsável em como os dados serão apresentados para o usuário e encaminhar ações dos usuários para o controlador. Já o controle é responsável por fazer a ligação entre o modelo e a visualização, além de interpretar as ações do usuário e as traduzir para uma operação sobre o modelo, onde são realizadas mudanças para gerar uma visualização apropriada. (PAGANINI, 2010) 1.4 PRIMEFACES O PrimeFaces é uma das várias bibliotecas de componentes disponíveis para construção de aplicações web. Ele oferece um conjunto de componentes, com versões estáveis e referências de uso. (PRIMEFACES, 2010) Segundo Paganini (2011) o PrimeFaces foi um dos primeiros a dar suporte ao JSF 2.0. Além de ser um framework leve, trabalha muito bem com JavaScript. É de fácil uso e não é necessário configurações adicionais. Em seu showcase encontra-se mais de cem componentes que tornaram a aplicação web muito mais agradáveis, além da facilidade de uso. (PAGANINI, 2011) 1.5 ANDROID De acordo com Lecheta (2010), Android é um sistema operacional open source baseado no kernel do Linux para dispositivos portáteis. Pertence ao Google e a Open Handset Alliance (OHA), um grupo formado por empresas do mercado de telefonia de celulares liderados pelo Google. Entre alguns integrantes do grupo, estão a HTC, LG, Motorola, Samsung, Sony Ericsson, Toshiba, Sprint Nextel, China Mobile, T-Mobile, ASUS, Intel, Garmin e muito mais. O Android é a primeira plataforma completamente livre e de código aberto, o que representa grande vantagem para sua evolução, visto que programadores do mundo inteiro poderão contribuir para sua evolução. (LECHETA, 2010.)

19 19 Lecheta (2010) diz que o Android Software Development Kit (SDK) proporciona ferramentas e chamadas Application Programming Interface (API) na linguagem Java para desenvolvimento de aplicativos. 1.6 SQL Segundo Lima (2012), a Linguagem de Pesquisa Estruturada (SQL) é uma linguagem de consulta a banco de dados, criado na década de 70 pela IBM, com base nos conceitos de álgebra relacional. Foi desenvolvida para padronização dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBDs) relacionais existentes. Lima (2012) afirma que em 1986, a American National Standards Institute (ANSI) adaptou e criou um padrão para a linguagem SQL. A importância dessa padronização para os SGBDs, e mais especificamente para quem trabalha com eles é enorme, tendo em vista que é possível criar uma consulta a um banco de dados Oracle, e essa mesma funcione no SQL Server ou no PostgreSQL, entre outros, permitindo que desenvolvedores possam fazer consultas para a maioria dos casos sem precisar conhecer um determinado banco de dados, apenas a linguagem SQL, apesar de que cada SGBD implementa acréscimos na linguagem com o intuito de dar ainda mais poder e consequentemente ganhar vantagens em relação a seus concorrentes. 1.7 POSTGRESQL Em 1986, o professor Michael Stonebraker liderou o projeto Postgres contando com o patrocínio da Defence Advanced Research Projects Agency (DARPA), Army Research Office (ARO) e da National Science Foundation (NSF). Até 1993 o Postgres estava sendo desenvolvido na Universidade de Berkeley. Em 1994, Andrew Yu e Jolly Chen adicionaram um interpretador SQL, renomeando o projeto para Postgres95. (CRUZ, OLIVEIRA, 2007) Cruz e Oliveira (2007) explicam que em agosto de 1896, Marc Fournier, Bruce Momjuan e Vadim B. Mikheev lançaram a primeira versão fora da Universidade de Berkeley, e deram inicio à tarefa de estabilizar o seu código. Em 1996, o projeto foi renomeado para PostgreSQL. A versão 6.0 foi lançada em janeiro de 1997, e desde

20 20 então, desenvolvedores voluntários de todo o mundo, coordenados pela internet, tem mantido o software e desenvolvido novas funcionalidades. O PostgreSQL é um poderoso Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD). Apesar de ter se tornado popular a pouco tempo no Brasil, o projeto está ativo há muito tempo, possuindo uma forte reputação. Esse SGBD funciona na maioria dos sistemas operacionais, além de incorporar totalmente os conceitos de Acrônimo de Atomicidade, Consistência, Isolamento e Durabilidade (ACID), um conceito muito utilizado na ciência da computação para caracterizar uma transação. Sua interface é muito intuitiva, como mostra a figura 1.2. (SMANIOTO, 2007) 1.8 PL/PGSQL Figura IDE PostgreSQL. Fonte: Elaborada pelo autor, PL/pgSQL é uma linguagem procedural desenvolvida para o SGBD PostgreSQL estendida da linguagem de consulta estruturada (SQL). Os objetivos do projeto eram criar uma linguagem procedural que pudesse ser utilizada para criar procedimentos de funções e gatilhos, adicionar estruturas de controle à SQL, realizar processamentos processos, herdar todos os tipos de dado, funções e

21 21 operadores definidos pelo usuário, ser definida como confiável pelo servidor, além da facilidade de utilização da ferramenta. (POSTGRESQL, 2005) A linguagem SQL é a que o PostgreSQL utiliza como linguagem de comandos. É portável e fácil de ser aprendida, porém, todas as declarações SQL devem ser executadas individualmente pelo servidor de banco de dados. (POSTGRESQL, 2005) 1.9 UML Scheeren (2009), explica que antes do surgimento da Linguagem de Modelagem Unificada (UML), dezenas de metodologias a desenvolvimento de especificações de análise de projeto orientadas a objeto foram propostas. Isso criou um ambiente caótico sobre vários aspectos. Um deles é que a diversidade de notações propostas nas metodologias de análise e projeto orientado a objeto dificultava quem estava acostumado a uma notação compreender um projeto especificado em outra. O primeiro rascunho de UML divulgado recebeu o nome de Método Unificado e sua versão era numerada como 8. Foi lançado em outubro de 1995 como uma publicação da empresa Rational, tendo Rumbaug e Booch, dois proponentes de metodologias, como autores. Após isso, Jacobson, outro metodologista, juntou-se ao grupo. Em junho de 1996 foi lançada a versão 0.9, que consistia em uma soma à versão 0.8 e que continha a mudança do nome para Linguagem de Modelagem Unificada. (SCHEEREN, 2009) Com o objetivo de tornar a UML um padrão internacional, e não apenas mais uma notação de mais uma empresa, a Rational uniu-se com outras empresas em um consórcio e desenvolveram a versão 1.0. Essa versão foi submetida ao Object Management Group (OMG), uma entidade normalizadora de notação orientada a objetos. (SCHEEREN, 2009) De acordo com Teófilo (2007), a UML é um conjunto de notações, principalmente gráficas, que os métodos de desenvolvimento usam para representar projetos. Seu objetivo é unificar, numa linguagem única, ideias, princípios e notações de vários pesquisadores.

22 HTML Em 1980 Tim Berners-Lee propôs um projeto baseado no conceito de hipertexto, denominado Enquire, que no início foi desenvolvido na linguagem Pascal. Em 1989, com ajuda de um estudante da Organização Européia de Pesquisa Nuclear (CERN) chamado Robert Cailliau, Tim Berners-Lee conseguiu implementar a primeira comunicação bem sucedida entre um cliente HyperText Transfer Protocol (HTTP) e um servidor através da internet. (WILLIAM, 2012) A primeira versão do HTML foi baseada na linguagem Standard Generalized Markup Language (SGML). O SGML estruturava documentos a partir de tags, e a partir desse conceito, o HTML se estruturou. A maior diferença entre essas duas linguagens de marcação, é que o HTML permite a ligação de uma página à outra. Esse conceito de interligação entre páginas é a base do funcionamento de toda a web. (WILLIAM, 2012) O HTML surgiu em 1990, e durante seus cinco primeiros anos sofreu várias revisões e alterações na sua especificação. Nessa época, seu padrão era controlado pela CERN e Internet Engineering Task Force (IETF). Após 1995, seu padrão passou a ser regularizado pela World Wide Web Consortium (W3C), entidade que regula os padrões web. (WILLIAM, 2012) Segundo Alvarez (2004), HTML é uma linguagem com a qual se definem as páginas web. Trata-se de um conjunto de etiquetas usados para definir a forma de apresentação de um texto ou outros elementos da página, como mostram as figuras 1.3 e 1.4. Figura Código fonte HTML. Fonte: W3Schools, 2013.

23 23 Figura Resultado. Fonte: W3Schools, CSS Quando o HTML foi criado, não tinha o objetivo de formatar a informação. A medida que a ferramenta foi se popularizando e evoluindo, foram incluídas algumas funcionalidades, como o domínio de controlar algumas aparências para o documento. Isso fez com que o HTML ficasse muito complexo, difícil de entender e manter. Outro problema, era que os browsers tinham diferentes implementações, que dificultava a visualização das páginas, trazendo menos controle na navegação pela web. (EIS, 2006) Em 1994, Hakon Wium Lie propôs a criação do Cascading Style Sheets (CSS). Aceitando a proposta feita por Hakon, Bert Bos começou a trabalhar no projeto. Em 1995 eles apresentaram a proposta e finalmente, o W3C se interessou pelo projeto e resolveu criar uma equipe, liderada por Hakon e Bert Bos. (EIS, 2006) A princípio o CSS foi desenvolvido para habilitar a separação do conteúdo e formato de um documento de apresentação, incluindo elementos como cores, formatos de fontes e layout. Esta separação proporcionou maior flexibilidade e controle de como as características são exibidas. (PEREIRA, 2009) Segundo Pereira (2009), o CSS é uma folha de estilo, composta por camadas e utilizada para definir a apresentação em páginas de internet. Ele define como serão exibidos os elementos contidos no código de uma página.

24 24 2 ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMA Neste capítulo serão apresentados os principais problemas enfrentados por consultórios não informatizados. Tais empecilhos servirão de base para o desenvolvimento do sistema web, a fim de melhorar a administração da clínica. Além disso, será apresentada também uma visão ampla do produto de software e do seu potencial no mercado onde atuará. 2.1 ANÁLISE DE NEGÓCIO Neste tópico serão abordados os principais problemas levantados em entrevista, além de uma breve introdução sobre o mercado alvo em que o software deverá atuar Instruções do problema Em entrevista realizada a um consultório oftalmológico localizado no município de Lins, São Paulo, foram levantados os principais problemas que dificultam a realização dos processos básicos da empresa. Os problemas encontrados foram: Cadastro demorado - Esse procedimento é fundamental para o controle da empresa. É realizado na primeira consulta do paciente. O fato da ficha ser preenchida manualmente, torna o processo lento e passível de erros. Localização das fichas - Por mais que as fichas sejam armazenadas de forma organizada, o processo de localização se torna demorado, pois é feita de forma manual. O extravio de fichas ou mesmo o desgaste com o tempo, além de prejudicar o controle de dados da empresa, também faz com que outro longo cadastro seja preenchido em uma próxima visita do cliente. Geração de relatórios - O cenário atual faz da geração de relatórios uma tarefa difícil, tendo em vista que a base de dados pode não ser consistente além de possíveis erros na coleta de informações. Esses problemas implicam na falta de informações sobre os pacientes, na geração de relatórios imprecisos, que possam prejudicar as decisões tomadas pela empresa, na lentidão para realizar

25 25 processos simples e importantes e também na demora para o atendimento do paciente. A solução proposta desse projeto é a criação de um sistema web que gerencie e otimize os processos de consulta das clínicas, em paralelo a praticidade e comodidade proporcionada pelo aplicativo Android. A figura 2.1 ilustra alguns dos benefícios que pretende-se alcançar com o desenvolvimento do projeto. Figura Principais benefícios da automatização de processos. Fonte: The Delphi Group Análise de mercado O projeto visa abranger a área da saúde, como consultórios médicos, odontológicos, terapêuticos, entre outros. O projeto será separado em dois módulos, web e mobile. O sistema web juntamente ao aplicativo móvel visa o desenvolver uma dinâmica interessante ao consultório. Além de manter algumas das rotinas diárias automatizadas, tanto o agendamento, re-agendamento e cancelamento de consultas como os cadastros poderão ser feitos pelo paciente em qualquer lugar ou horário, necessitando apenas de conexão à internet e sistema operacional Android. Com a união dessas duas tecnologias, torna-se mais fácil o gerenciamento de consultas, além de possibilitar o crescimento do número de pacientes, visto que a inovação, praticidade e rapidez podem atrair muitos novos clientes.

26 Atores envolvidos no processo Os principais atores do sistema e aplicativo serão a(o) secretária(o) e o(a) paciente. A secretária(o) operará o sistema, diferente do paciente, que operará somente o aplicativo. O Quadro 1 descreve as responsabilidades que cada ator terá no sistema. Função Descrição Responsabilidades 0Secretária(o) Fornece o primeiro Responsável por: contato com o paciente, desde seu cadastro, até o agendamento da próxima consulta. Manter o cadastro de pacientes Manter o cadastro de serviços Manter o cadastro de convênios Manter o cadastro de agendas Agendar, Reagendar e Cancelar consultas Aceitar as requisições de agendamento, reagendamento Geração de Paciente Recebe o serviço prestado pela empresa. Quadro Usuários do Sistema Fonte: Elaborado pelo autor relatórios Responsáveis pelo: Requisição de agendamento, reagendamento e cancelamento de consultas online Manter cadastro Ambiente atual A clínica onde foi realizado o levantamento de requisitos está estruturada atualmente com cinco profissionais (dois médicos e três dentistas) e três secretárias. Cada profissional tem a sua sala e é responsável pelo seu estoque de produtos. Dentre os envolvidos, as(os) secretárias(os) atuam diretamente com os clientes gerenciando consultas e zelando pelo bom funcionamento dos processos internos.

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS Janderson Fernandes Barros ¹, Igor dos Passos Granado¹, Jaime William Dias ¹, ² ¹ Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CERVA TOISS. por

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CERVA TOISS. por UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CERVA TOISS por Daniel Teixeira Braga Trabalho de Conclusão de curso II Prof. Marcos Echevarria

Leia mais

Busca Certa Combustíveis

Busca Certa Combustíveis UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Busca Certa Combustíveis por Luma Melo Borges Documento de conclusão da disciplina de Trabalho

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

Software automatizado para controle de consultas da clínica de fisioterapia

Software automatizado para controle de consultas da clínica de fisioterapia Software automatizado para controle de consultas da clínica de fisioterapia Jeverson Siqueira 1, Wallace Caldeira 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Ciência da Computacão Faculdades Anglo Americano de Foz do Iguaçu

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET WEBSITE MUNDO MULHER GABRIELA DE SOUZA DA SILVA LUANA MAIARA DE PAULA SILVA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

Codificar Sistemas Tecnológicos

Codificar Sistemas Tecnológicos Codificar Sistemas Tecnológicos Especificação dos Requisitos do Software Sistema de gestão para a Empresa Cliente SlimSys Autor: Equipe Codificar Belo Horizonte MG Especificação dos Requisitos do Software

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

Pré-Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso Tiago Garcia Pereira 1. INTRODUÇÃO

Pré-Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso Tiago Garcia Pereira 1. INTRODUÇÃO UM PADRÃO ABERTO DE SOFTWARE PARA COMPUTAÇÃO MÓVEL: UM ESTUDO SOBRE GOOGLE ANDROID 1. INTRODUÇÃO O aumento do número usuários de dispositivos móveis atrai cada vez os desenvolvedores a produzir aplicações

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Programação para Dispositivos Móveis

Programação para Dispositivos Móveis Programação para Dispositivos Móveis Fatec Ipiranga Análise e Desenvolvimento de Sistemas Aula 02 História do desenvolvimento de software para dispositivos móveis Dalton Martins dmartins@gmail.com São

Leia mais

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 7, JUL/DEZ 2009 O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB Marcelo Rodrigo da Silva Ribeiro 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil marcelo.rodrigo@live.com,

Leia mais

Banco de Dados. PostgreSQL

Banco de Dados. PostgreSQL Banco de Dados PostgreSQL 2010 Banco de Dados PostgreSQL Banco de Dados II Equipe: Equipe Postgre Líder: Alexandre Strauss... 01 Aline Cássia Lima dos Santos... 02 Erik Machado... 09 Fernando Gomes Brandão...

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID Maik Olher CHAVES 1 ; Daniela Costa Terra 2. 1 Graduado no curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Sistema de pedidos para estabelecimentos de alimentação: QuickPed. Adailton Antonio Ribeiro

Sistema de pedidos para estabelecimentos de alimentação: QuickPed. Adailton Antonio Ribeiro 2011 Sistema de pedidos para estabelecimentos de alimentação: QuickPed Adailton Antonio Ribeiro UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS BACHARELADO EM SISTEMAS

Leia mais

Sistema de Inteligência Patrimônial. Especificação dos Requisitos

Sistema de Inteligência Patrimônial. Especificação dos Requisitos Sistema de Inteligência Patrimônial Especificação dos Requisitos Especificação dos Requisitos Data Versão: 18 / 11 / 2015 Histórico das Revisões Data Versão Descrição Autor 23 / 11/ 2015 1.0 Versão Inicial

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciências da Computação. Raphael Ottoni Santiago Machado de Faria

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciências da Computação. Raphael Ottoni Santiago Machado de Faria Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciências da Computação Raphael Ottoni Santiago Machado de Faria MONOGRAFIA DE PROJETO ORIENTADO EM COMPUTAÇÃO I Rastreamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. MURILO NUNES ELIAS FLORIANÓPOLIS SC 2007/2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi (Sistema de Gerenciamento Financeiro) Especificação dos Requisitos do Software Gerenciador Financeiro CITi Versão 1.0 Autores: Bruno Medeiros de Oliveira Igor Rafael Medeiros Pedro Araújo de Melo Tiago

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

2ª Edição Ricardo R. Lecheta

2ª Edição Ricardo R. Lecheta Google Aprenda a criar aplicações para dispositivos móveis com o Android SDK 2ª Edição Ricardo R. Lecheta Novatec capítulo 1 Introdução ao Android 1.1 Introdução O mercado de celulares está crescendo cada

Leia mais

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS PAULO ALBERTO BUGMANN ORIENTADOR: ALEXANDER ROBERTO VALDAMERI Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática

Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO Curso Superior de Graduação em ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática Por AUGUSTO CARRICONDE

Leia mais

Web Design Aula 01: Conceitos Básicos

Web Design Aula 01: Conceitos Básicos Web Design Aula 01: Conceitos Básicos Professora: Priscilla Suene priscilla.silverio@ifrn.edu.br Motivação Motivação Motivação Motivação Roteiro Introdução Papéis e Responsabilidades Construindo um site

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Sistema de Controle de Viaturas por Pablo Wasculewsky de Matos Orientador: Prof. Me. André Vinicius

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM BANCO DE DADOS LARISSA RATTIGUERI CARDOSO LUCAS DANIEL FERREIRA

Leia mais

Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis

Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis Visão Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 24/06/12

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais

EVOLUÇÃO NO DESENVOLVIMENTO COM O HTML 5

EVOLUÇÃO NO DESENVOLVIMENTO COM O HTML 5 EVOLUÇÃO NO DESENVOLVIMENTO COM O HTML 5 Bruno Chesine Giroldo 1,2, Willian Fressati 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Brunogiroldo2@gmail.com wyllianfressati@unipar.br Resumo. Este

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA MÓVEL PARA CARTÃO FIDELIDADE

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA MÓVEL PARA CARTÃO FIDELIDADE UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA JAVA E DESENVOLVIMENTO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS VANESSA IWAMOTO DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA

Leia mais

Sistema para gestão de restaurante

Sistema para gestão de restaurante Sistema para gestão de restaurante Luciana Tavares Rosa luciana.rosa@inf.aedb.br AEDB Fábio Rezende Dutra fabio.dutra@inf.aedb.br AEDB Resumo:O sistema para gestão de restaurante é um software desenvolvido

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo

Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo Tema; Delimitação do Problema; Hipóteses ou questões de pesquisa; Objetivos; Justificativa; Revisão Bibliográfica; Cronograma; Referências. Desenvolver

Leia mais

Documento de Visão. Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01

Documento de Visão. Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01 Documento de Visão Versão 2.5 Projeto SysTrack - Grupo 01 Junho de 2011 Histórico de revisão: DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTORES 19/02/2011 1.0 Versão inicial. João Ricardo, Diogo Henrique. 24/02/2011 2.0 Modificação

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Documento de Visão. Sistema de Ponto Eletrônico A2MEPonto. Versão 1.0

Documento de Visão. Sistema de Ponto Eletrônico A2MEPonto. Versão 1.0 Documento de Visão Sistema de Ponto Eletrônico A2MEPonto Versão 1.0 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 23/10/2010 #1 Elaboração do documento. Eduardo Neto Versão 1.0 Documento de Visão A2ME

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE

SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE Marcio Jose Mantau,1 Giovane Farias Aita2, Jaison Ademir Savegnani3, Carlos Alberto Barth4 Palavras-chave: Sistemas de

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile 393 Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile Lucas Zamim 1 Roberto Franciscatto 1 Evandro Preuss 1 1 Colégio Agrícola de Frederico Westphalen (CAFW) Universidade Federal de Santa Maria

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ESTRELA TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISTEMA DE LOCADORA. Rodrigo Luiz da Rosa

ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ESTRELA TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISTEMA DE LOCADORA. Rodrigo Luiz da Rosa ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ESTRELA TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISTEMA DE LOCADORA Rodrigo Luiz da Rosa Estrela 2012 EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação TÍTULO: SISTEMA DE LOCADORA AUTOR:

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SISTEMA DE GESTÃO DO CAPITAL INTELECTUAL.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SISTEMA DE GESTÃO DO CAPITAL INTELECTUAL. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SISTEMA DE GESTÃO DO CAPITAL INTELECTUAL por Luisiane Pereira Costa Pinto Trabalho de Curso II submetido

Leia mais

TECNOLOGIAS E FERRAMENTAS UTILIZADAS EM UMA ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB

TECNOLOGIAS E FERRAMENTAS UTILIZADAS EM UMA ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB TECNOLOGIAS E FERRAMENTAS UTILIZADAS EM UMA ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB Ruan Alves Brandão 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil brandao15@gmail.com

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi.

Introdução ao Delphi. Introdução. Edições do Software. Capítulo 1. InforBRás - Informática Brasileira Ltda. O Que é o Delphi. Capítulo 1 O Que é o Delphi Diferenças entre Delphi Client/Server do Delphi for Windows Características que compõem o Integrated Development Invironment (IDE) Como o Delphi se encaixa na família Borland

Leia mais

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO Djalma Gonçalves Costa Junior¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí - PR - Brasil djalma.g.costajr@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo FARMAINFOR Modernização da Farmácia do Hospital Mater Day Documento de Requisitos Versão 1.1 Histórico de Revisão

Leia mais

MONITOR E PREDITOR DE CONECTIVIDADE WIRELESS BASEADA EM LOCALIZAÇÃO GPS

MONITOR E PREDITOR DE CONECTIVIDADE WIRELESS BASEADA EM LOCALIZAÇÃO GPS MONITOR E PREDITOR DE CONECTIVIDADE WIRELESS BASEADA EM LOCALIZAÇÃO GPS Aluna: Eleonora Cominato Weiner Orientador: Markus Endler Introdução A palavra mobilidade ganha mais importância a cada instante,

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com No início A Web é criada em 1989, para ser um padrão de publicação e distribuição de textos científicos e acadêmicos.

Leia mais

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo

Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo Maximus Software Soluções Tecnológicas Ltda. A empresa que desenvolve o seu Produto ao Máximo FARMAINFOR Modernização da Farmácia do Hospital Mater Day Documento de Requisitos Versão 2.0 Histórico de Revisão

Leia mais

ETEC IRMÃ AGOSTINA Alexandre Del Picolo R.A: 112141 Gabriela Khazrik Ferreira R.A: 112124 Raphael Lins R.A: 112133 Vitor Celestino R.

ETEC IRMÃ AGOSTINA Alexandre Del Picolo R.A: 112141 Gabriela Khazrik Ferreira R.A: 112124 Raphael Lins R.A: 112133 Vitor Celestino R. ETEC IRMÃ AGOSTINA Alexandre Del Picolo R.A: 112141 Gabriela Khazrik Ferreira R.A: 112124 Raphael Lins R.A: 112133 Vitor Celestino R.A: 112142 DROIDMED São Paulo 2012 ETEC IRMÃ AGOSTINA Alexandre Del Picolo

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Software Livre ESL2/2008. Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML

Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Software Livre ESL2/2008. Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML Histórico de Revisão Versão 0.1 Data 01/06/09 Revisor Descrição Versão inicial Sumário 1. Introdução...4 1.1 Visão geral deste documento...4 1.2 Módulos

Leia mais

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Manual de utilização do sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Sistema integrado de controle médico Acesso... 3 Menu principal... 4 Cadastrar... 6 Cadastro de pacientes... 6 Convênios... 10

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO PARA EMPRESAS DE SUPRIMENTOS DE INFORMÁTICA

SISTEMA DE GERENCIAMENTO PARA EMPRESAS DE SUPRIMENTOS DE INFORMÁTICA Resumo SISTEMA DE GERENCIAMENTO PARA EMPRESAS DE SUPRIMENTOS DE INFORMÁTICA Felipe Marques Limonta 1 limonta8@gmail.com Rafael Lucas Monteiro 2 rafaelmonteiro100@hotmail.com Carlos Alberto Lucas 3 profcarloslucas@gmail.com

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Ciência da Computação Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Taciana Lima Lourenço Silva Schuenemann Estudo de Viabilidade Clínica médica

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL EDILBERTO SILVA, CLEYCIONE (9245) 2, JONATHAN CAVALCANTE (9288) 2, MARCELO GOMES (9240) 2, NILTON

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Universidade Estadual do Oeste do Paraná Universidade Estadual do Oeste do Paraná Estudo de Requisitos de um software para uma loja de lentes de contato Bruno Eduardo Soares Leonardo Zanotto Baggio Maykon Valério da Silva Cascavel, 10 de Junho

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 08 APRESENTAÇÃO Na aula de hoje vamos apresentar e discutir como definir

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO Fred Paulino Ferreira, Leonardo Couto, Renato Maia, Luiz G. Montanha Departamento

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de 2012.

PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de 2012. PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de. ACRESCENTA A ARQUITETURA DE PADRÕES TECNOLÓGICOS DE INTEROPERABILIDADE -, NO SEGMENTO RECURSOS TECNOLÓGICOS, O PADRÃO TECNOLÓGICO SISTEMAS DE GERENCIAMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado)

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) SISTEMA INTERNO INTEGRADO PARA CONTROLE DE TAREFAS INTERNAS DE UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Sistema Gestor de Áreas de Transformação (SIGAT): Gerenciando áreas de transformação de concessionárias do setor elétrico

Sistema Gestor de Áreas de Transformação (SIGAT): Gerenciando áreas de transformação de concessionárias do setor elétrico Sistema Gestor de Áreas de Transformação (SIGAT): Gerenciando áreas de transformação de concessionárias do setor elétrico Wagner da Costa Araújo 1, José Flávio Gomes Barros 2 1 Bacharel em Sistemas de

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais