Código: CHCB.PI.FMED.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de Objectivo. 2. Aplicação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Código: CHCB.PI.FMED.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 10. 1. Objectivo. 2. Aplicação"

Transcrição

1 Código: CHCB.PI.FMED.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de Objectivo Este procedimento tem como objectivo definir os procedimentos adoptados para o Serviço de Medicina do. 2. Aplicação Este procedimento aplica-se ao Serviço de Medicina do, do Centro Hospitalar Cova da Beira. 3. Referências Bibliográficas Joint Commission International Normas de Acreditação para Hospitais Janeiro 2003 Norma Acesso e Continuidade dos mesmos 1.5, 2, 3, 4 e 5 Avaliação do doente 1, 2, 3 e 4 Cuidados Prestados ao doente 1, 2, 3 e 4 Educação do doente e da família 1 e 4 Não aplicável. 4. Definições

2 Código: CHCB.PI.FMED.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:2 de Responsabilidades Tipo de documento Elaboração/ Modificação Aprovação Distribuição/ Divulgação Responsável pelo cumprimento CHCB.PI.FMED.01 Médico Director da Unidade Funcional do Fundão e Todos os serviços Colaboradores do serviço de Medicina do Fundão 6. Procedimento 1. Organização do espaço físico O Serviço tem no total 40 camas distribuídas por: 20 Camas mulheres 20 Camas homens 2. Organigrama Director de Serviço Médicos Enfermeiro-Chefe (Homens) Enfermeiro-Chefe (Mulheres) Administrativo Auxiliar Enfermeiros Enfermeiros 3. Equipa descrição da equipa (e tarefas)

3 Código: CHCB.PI.FMED.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:3 de 10 A equipa é constituída por Médicos, Enfermeiros, Administrativos e Auxiliares. 3.1 Passagem de turno A passagem de turno é efectuada entre Enfermeiros de acordo com os seguintes critérios: Ocorrência do turno Estado geral do doente: Psicológico Físico Social Meios complementares de diagnóstico a efectuar Vigilâncias registadas Informações em geral A passagem de turno de Enfermeiros é efectuada às 8hr, 16hr e 0 hr. 3.2 Visitas As visitas em conjunto são realizadas semanalmente com: Médicos Enfermeiro-Chefe Dietista O Farmacêutico, Assistente Social e Fisioterapeuta passam visitas sempre que estão disponíveis. 3.3 Refeições Os colaboradores são revezados para irem almoçar, no período compreendido entre as 12hr e as 14hr. 3.4 Regras de actuação na falta de pessoal Enfermeiros/Auxiliares de Acção Médica/Secretárias em períodos de sobrecarga de trabalho

4 Código: CHCB.PI.FMED.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:4 de 10 1 Efectua-se a troca de turnos entre colaboradores ou recorre-se a horas extraordinárias. 2 No caso de Médicos, os profissionais assumem os doentes dos colegas, no caso de faltas, impedimentos ou férias. 4. Selecção de directivas clínicas A pesquisa de directivas clínicas é sistematizada, de acordo com as Guidlines do serviço. 5. Acesso do Doente no internamento Critérios de internamento 1. Anomalia grave do equilíbrio electrolítico ou valores de gazes no sangue anormais em qualquer um dos quatro seguintes parâmetros: Na<123mEq/L ou 156mEq/L K<2.5mEq/L ou >6.0mEq/L Hco3<20mEq/L ou HCO3>36mEq/L Ph arterial <7.3 ou > Perda aguda da visão ou da audição (nas 45 horas da admissão) 3. Perda aguda da mobilidade de qualquer parte do corpo (nas 45 horas da admissão) 4. Febre persistente >38ºC, durante mais de 5 dias 5. Hemorragia activa 6. Hipoglicémia com uso de anti diabéticos orais 7. Diabéticos com descompensação aguda; cetoacidose diabética; coma hiperosmular 8. Pneumonia, insuficiência respiratória aguda. 9. Insuficiência cardíaca descompensada 10. Ataque súbito ou perda da consciência (coma ou desorientação)

5 Código: CHCB.PI.FMED.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:5 de Evidência electrocardiográfica de isquémia aguda, com suspeita de enfarte do miocárdio 12. Insuficiência renal aguda ou crónica agudizada 13. Insuficiência hepática. 14. Patologias que necessitem de estudo, definido pelo clínico.

6 Código: CHCB.PI.FMED.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:6 de 10 Urgência Consulta Externa Transferência Interna Administrativo Avaliação inicial do Médico Internamento Acolhimento Avaliação inicial de Enfermagem MCDT Internos ou Externos Não Sim Não Ensinos Sim Reavaliações (Médicos, Enfermeiros, Outros Técnicos) Alta Morgue Centro de Saúde Domicílio Transferência para outra Unidade de Saúde Consulta Externa Contra parecer Médico

7 Código: CHCB.PI.FMED.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:7 de Acolhimento do doente, acompanhante e visitas O acolhimento do doente fica a cargo dos Enfermeiros do Serviço. A preparação da medicação e a sua administração é da responsabilidade dos Enfermeiros do Serviço. Orgânica funcional (circuitos do doente) Acompanhamento aos: Meios Complementares de Diagnostico Os doentes que necessitam de exames complementares são acompanhados pelo Auxiliar de Acção Médica ou Enfermeiro dependendo do estado do doente. Consulta Externa Os doentes são acompanhados pelo Auxiliar de Acção Médica. Transferência interna e externa Interna O Enfermeiro decide o tipo de acompanhamento a efectuar de acordo com os seguintes critérios: Oxigenioterapia permanente Acamado Monitorizado Necessidade de cuidados especializados de enfermagem Externa (incluindo o Hospital Pêro da Covilhã) O Médico decide o tipo de acompanhamento a efectuar de acordo com os critérios estabelecidos anteriormente.

8 Código: CHCB.PI.FMED.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:8 de 10 Morgue O acompanhamento do defunto é efectuado pelo Auxiliar de Acção médica do Serviço. Alta O acompanhamento do doente fica a cargo da família ou do seu representante legal. A saída do serviço faz-se após contacto com o Enfermeiro de serviço Refeições As refeições são administradas sob ajuda dos Enfermeiros e dos Auxiliares de Acção Médica do Serviço Administração de terapêutica / Farmácia A administração de terapêutica fica a cargo dos Enfermeiros. A chave do cofre dos psicotrópicos e estupefacientes encontra-se com o Enfermeiro responsável de turno Informação à família A informação só pode ser dada à família ou representante do doente, após consentimento do mesmo, pelos Médicos. No caso do doente se encontrar inconsciente ou desorientado, a informação poderá ser prestada pelo Médico ou familiar directo. Os Médicos definem horas específicas durante a semana para atendimento aos familiares ou representantes dos doentes.

9 Código: CHCB.PI.FMED.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:9 de 10 A informação prestada pelo Enfermeiro: Diagnósticos de Enfermagem e problemas de Enfermagem identificados Informações relacionadas com o bem-estar do doente Dieta Informações relacionadas aquando a alta clínica 5.2 Avaliação inicial Avaliação das capacidades de aprendizagem (Utente/pessoa significativa) A avaliação das capacidades de aprendizagem são efectuadas e registadas no Processo Clínico Critérios de validação da admissão 6. Reavaliações As reavaliações pelos clínicos são efectuadas diariamente, e sempre que a situação clínica se altera. 7. Plano de cuidados O plano de cuidados é integrado por Médico, Enfermeiro, podendo recorrer-se a outros Técnicos, nomeadamente Assistente Social, Dietista, Psicóloga, Animadora Cultural e Fisioterapeuta.

10 Código: CHCB.PI.FMED.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:10 de Avaliação multidisciplinar 1. Revisão de decisão de terapêutica A revisão da decisão de terapêutica é da responsabilidade do Médico. 2. Reuniões de serviço No serviço existem reuniões em conjunto uma vez por semana. 3. Planeamento de alta O planeamento de alta é da responsabilidade do Médico com a informação complementar dos Enfermeiros, Assistente Social e Secretária Clínica. 7. Registos Designação Indexação Responsável pelo Arquivo Arquivo Activo Arquivo Semi- Activo CHCB.PI.FMED.01 Intranet Responsável da Qualidade 1 Ano 3 Anos 8. Anexos Não aplicável.

CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO

CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO PROJECTO CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO do Hospital de Santa Maria CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO MARIA RAPOSA Todos os anos, um número crescente de crianças, dos 0 aos 18 anos de idade, são assistidas

Leia mais

Planificação dos Serviços Farmacêuticos

Planificação dos Serviços Farmacêuticos Planificação dos Serviços Farmacêuticos As modificações introduzidas na Farmácia Hospitalar nas últimas duas décadas Pressupôs uma reorganização e uma nova planificação das estruturas existentes Objectivos

Leia mais

ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM

ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM Óbidos, Novembro 2008 Maria da Saudade de Oliveira Custódio Lopes SUMÁRIO DE APRESENTAÇÃO A Política de Qualidade para as Instituições de Saúde:

Leia mais

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Índice Capítulo I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1 - Noção e âmbito material Art.º 2 - Objectivos

Leia mais

Check-list Procedimentos de Segurança

Check-list Procedimentos de Segurança 1. CULTURA DE SEGURANÇA 1.1 1.2 1.3 1.4 A organização possui um elemento responsável pelas questões da segurança do doente A organização promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de

Leia mais

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra Assessoria Jurídica www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra Assessoria Jurídica www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801 LEI N.º 3808, DE 04 DE MAIO DE 2012. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DE CARGOS DE PROVIMENTO EFETIVO, ABERTURA DE VAGAS E ALTERAÇÃO NO ANEXO I D, DAS LEIS MUNICIPAIS Nº 2.099/2003 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2003 E 2875,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO REGULAMENTO Artigo 1.º Designação A Escola Superior de Desporto de

Leia mais

0612- Noções Básicas de Gestão Técnica de Recursos Humanos

0612- Noções Básicas de Gestão Técnica de Recursos Humanos 0612- Noções Básicas de Gestão Técnica de Recursos Humanos Trabalho elaborado por: Vera Valadeiro, nº20 TAG 4 Índice Conteúdo Função:... 3 Descrição da Função:... 3 Perfil da Função:... 4 Processo de Recrutamento:...

Leia mais

Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:1 de 17. 1. Objectivo

Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:1 de 17. 1. Objectivo Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:1 de 17 1. Objectivo Caracterizar o da Unidade de Consulta Externa do e definir os seus procedimentos. 2. Aplicação Centro Hospitalar da Cova da Beira.

Leia mais

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 O Decreto Legislativo Regional n.º 16/2008/A, de 12 de junho, que procedeu à criação da Rede de cuidados continuados

Leia mais

Dimensão Focalização no Utente. Check-list Focalização no Utente

Dimensão Focalização no Utente. Check-list Focalização no Utente 1. Consentimento informado 1.1 1.2 1.3 Check-list Focalização no Utente Tem formalmente aprovada uma política de obtenção de consentimento informado e esclarecido para atos clínicos Os registos do consentimento

Leia mais

Regulamento Interno. (Artigo 25º do Decreto Lei nº 500/99)

Regulamento Interno. (Artigo 25º do Decreto Lei nº 500/99) Regulamento Interno (Artigo 25º do Decreto Lei nº 500/99) Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Definição) 1 A Santa Casa da Misericórdia de Galizes é uma associação de solidariedade social, vulgo Instituição

Leia mais

- NORMAS DE FUNCIONAMENTO -

- NORMAS DE FUNCIONAMENTO - - NORMAS DE FUNCIONAMENTO - O Colégio Laranja e Meia destina-se a receber crianças dos 3 meses aos 6 anos. Horário - Abertura : 8.30 horas - Encerramento : 19 horas As actividades pedagógicas decorrem

Leia mais

O CHCB emprega mais de 1400 colaboradores;

O CHCB emprega mais de 1400 colaboradores; Inaugurado em 17 Janeiro de 2000, o CHCB foi construído segundo padrões de alta qualidade, sujeito às mais rigorosas exigências tecnológicas. É a maior e mais sofisticada Unidade de Saúde de toda a Região

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Medidas preventivas de comportamentos agressivos/violentos de doentes - contenção física Nº: 08/DSPSM/DSPCS DATA: 25/05/07 Para: Contacto na DGS: ARS, Hospitais do SNS, Serviços Locais e Regionais

Leia mais

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios de Admissão em Longo Internamento O Centro Psicogeriátrico Nossa Senhora de Fátima (CPNSF), oferece serviços especializados

Leia mais

A percepção dos enfermeiros na contextualização dos Fundamentos de Enfermagem

A percepção dos enfermeiros na contextualização dos Fundamentos de Enfermagem A percepção dos enfermeiros na contextualização dos Fundamentos de Enfermagem Isabel Lourenço / Professora Adjunta Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior de Saúde Drº Lopes Dias ilourenco@ess.ipcb.pt

Leia mais

TRANSPORTE INTER-HOSPITALAR PEDIÁTRICO DA REGIÃO NORTE NORMAS DE ACTIVAÇÃO E CRITÉRIOS DE TRANSPORTE

TRANSPORTE INTER-HOSPITALAR PEDIÁTRICO DA REGIÃO NORTE NORMAS DE ACTIVAÇÃO E CRITÉRIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE INTER-HOSPITALAR PEDIÁTRICO DA REGIÃO NORTE NORMAS DE ACTIVAÇÃO E CRITÉRIOS DE TRANSPORTE O sistema de Transporte Inter-hospitalar Pediátrico (TIP) foi formalmente criado por protocolo entre

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CAT

REGULAMENTO INTERNO DO CAT REGULAMENTO MISERICÓRDIA DA FREGUESIA DE SANGALHOS INTERNO DO CAT CAPITULO I Norma I Natureza do Estabelecimento Tipo de Estabelecimento: Centro de Acolhimento Temporário de Crianças e Jovens em Risco

Leia mais

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos REGULAMENTO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO INTEGRADO EM CONTABILIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR CAPÍTULO I Objectivos e Definição Artigo 1º

Leia mais

Unidades prestadores de cuidados de saúde do SNS. Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt)

Unidades prestadores de cuidados de saúde do SNS. Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt) NÚMERO: 006/2015 DATA: 08/04/2015 ASSUNTO: Gestão Integrada da Obesidade Requisitos para Centros de Tratamento Cirúrgico de Obesidade PALAVRAS-CHAVE: Tratamento Cirúrgico de Obesidade, Obesidade PARA:

Leia mais

Administração Central do Sistema de Saúde Workshop: Gestão do Processo de Integração Vertical das ULS. Jorge Varanda.

Administração Central do Sistema de Saúde Workshop: Gestão do Processo de Integração Vertical das ULS. Jorge Varanda. Administração Central do Sistema de Saúde Workshop: Gestão do Processo de Integração Vertical das ULS 1 Reconhecer a importância de planear atempadamente a alta do doente, num contexto de integração de

Leia mais

Lei n.º 16/2007, de 17 de Abril, Exclusão da ilicitude nos casos de interrupção voluntária da gravidez

Lei n.º 16/2007, de 17 de Abril, Exclusão da ilicitude nos casos de interrupção voluntária da gravidez 1/5 Lei n.º 16/2007, de 17 de Abril, Exclusão da ilicitude nos casos de interrupção voluntária da gravidez JusNet 850/2007 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 75, Série I, 17 Abril 2007;

Leia mais

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares Título 1 Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares 2 Sumário Breve caracterização do risco de incêndio Medidas de segurança de natureza física Projecto de

Leia mais

ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa Serviços de Acção Social Gabinete de Aconselhamento ao Aluno

ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa Serviços de Acção Social Gabinete de Aconselhamento ao Aluno ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa Serviços de Acção Social Gabinete de Aconselhamento ao Aluno NORMAS GERAIS DE FUNCIONAMENTO 1. INTRODUÇÃO O Gabinete de Apoio ao Aluno, foi criado em Julho de 2007

Leia mais

Projeto Cuidar em Parceria

Projeto Cuidar em Parceria 16/10/2013 Plano Definição / relevância Dinâmica Aspetos facilitadores /dificultadores Estratégias Resultados Propostas Objetivos Promover o Sensibilizar sobre o seu impacto na qualidade dos cuidados Estimular

Leia mais

Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares

Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem THAÍLA TANCCINI Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares Porto Alegre 2011 2 THAÍLA TANCCINI Relatório de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS. Art.º 1.º (Definições e Objectivos)

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS. Art.º 1.º (Definições e Objectivos) REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS Art.º 1.º (Definições e Objectivos) O CRIFZ, Centro de Recuperação Infantil de Ferreira do Zêzere, é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos,

Leia mais

PADI. Programa de Atenção domiciliar ao Idoso

PADI. Programa de Atenção domiciliar ao Idoso PADI Programa de Atenção Objetivos do programa Apesar dos benefícios óbvios da internação quando necessária, o paciente idoso afastado da rotina de casa e da família apresenta maior dificuldade de recuperação,

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO AVISO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO AVISO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO AVISO 1. Nos termos da alínea g) do nº 1 do artigo 21 da Lei nº 3/2004 de 15 de Janeiro, do artigo 20º e do nº 2 do artigo 21º da Lei nº 2/2004, de 15 de Janeiro, com

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Artigo 1º Objectivo e Âmbito 1. Os (SPO) constituem um dos Serviços Técnico-Pedagógicos previsto no artigo 25º alínea a) do Regulamento Interno

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE AVEIRO COMPLEXO SOCIAL (MOITA - OLIVEIRINHA) Regulamento Interno SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Janeiro. 2004 Capítulo I Natureza e Fins - Art.º 1.º 1.º O Serviço de Apoio

Leia mais

ANEXO Sétimo Aditamento e Revisão dos Compromissos Específicos do Interior da China no Domínio da Liberalização do Comércio de Serviços 1

ANEXO Sétimo Aditamento e Revisão dos Compromissos Específicos do Interior da China no Domínio da Liberalização do Comércio de Serviços 1 ANEXO Sétimo Aditamento e Revisão dos Específicos do Interior da China no Domínio da Liberalização do Comércio de Serviços 1 1. Serviços Comerciais A. Serviços Profissionais d. Serviços de Arquitectura

Leia mais

PROCEDIMENTO DE GESTÃO

PROCEDIMENTO DE GESTÃO Página: 1 de 7 ÍNDICE 1. OBJECTIVO 2 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2 3. DEFINIÇÕES 2 4. REFERÊNCIAS 2 5. RESPONSABILIDADES E MODOS DE PROCEDER 2 5.1. Cuidados em Situação de Emergência 2 5.2. Cuidados de Saúde

Leia mais

HOSPITAL DE DOENÇAS TROPICAIS DR. ANUAR AUAD. Thais Yoshida Coordenadora do SVS Serviço de Vigilância em Saúde NISPGR/SVS/HDT/HAA

HOSPITAL DE DOENÇAS TROPICAIS DR. ANUAR AUAD. Thais Yoshida Coordenadora do SVS Serviço de Vigilância em Saúde NISPGR/SVS/HDT/HAA HOSPITAL DE DOENÇAS TROPICAIS DR. ANUAR AUAD Thais Yoshida Coordenadora do SVS Serviço de Vigilância em Saúde NISPGR/SVS/HDT/HAA HISTÓRIA varíola Difteria sarampo Poliomielite tétano Meningite Febre tifóide

Leia mais

Formação Profissional dos Assistentes Técnicos no Centro Hospitalar do Porto, e.p.e. Oferta/Procura e Feed-back

Formação Profissional dos Assistentes Técnicos no Centro Hospitalar do Porto, e.p.e. Oferta/Procura e Feed-back Formação Profissional dos Assistentes Técnicos no Centro Hospitalar do Porto, e.p.e. Oferta/Procura e Feed-back CONTEXTO: Falta de Competências Específicas no acesso à carreira Os níveis de escolaridade

Leia mais

3 - Local de trabalho Jardim de Infância de Salsas, Concelho de Bragança - Departamento de Educação Social e Cultural, do Município de Bragança.

3 - Local de trabalho Jardim de Infância de Salsas, Concelho de Bragança - Departamento de Educação Social e Cultural, do Município de Bragança. Publique-se no Diário da Republica, O Presidente da Câmara AVISO N.º 9/2011 PROCEDIMENTO CONCURSAL COMUM PARA CONTRATACÃO EM REGIME DE CONTRATO DE TRABALHO EM FUNCÕES PÚBLICAS POR TEMPO DETERMINADO/ TERMO

Leia mais

- Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais -

- Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais - - Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais - A segurança do doente é uma preocupação crescente nos Hospitais Portugueses, tal como acontece noutros países da Europa e do resto do mundo.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação ESCOLA SECUNDÁRIA DAS LARANJEIRAS Proposta de PLANO DE TRABALHO Do Serviço de Psicologia e Orientação A Psicóloga: Sara Quaresma ANO LECTIVO 2010/2011 PLANO DE TRABALHO Ao longo deste ano lectivo serão

Leia mais

Hospital Central do Funchal: Internistas na vanguarda de um novo modelo de gestão hospitalar

Hospital Central do Funchal: Internistas na vanguarda de um novo modelo de gestão hospitalar 2015-11-23 19:36:19 http://justnews.pt/noticias/hospital-central-do-funchal-internistas-na-vanguarda-de-um-novo-modelo-de-gestao-hospitalar Hospital Central do Funchal: Internistas na vanguarda de um novo

Leia mais

Escolher um programa de cuidados infantis

Escolher um programa de cuidados infantis Escolher um programa de cuidados infantis A escolha de um programa de cuidados infantis é uma opção muito pessoal para cada família. O melhor programa é aquele que mais tem a ver com a personalidade, gostos,

Leia mais

PROCEDIMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE ESTUPEFACIENTES E PSICOTRÓPICOS NO CENTRO HOSPITALAR DE SÃO JOÃO, EPE

PROCEDIMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE ESTUPEFACIENTES E PSICOTRÓPICOS NO CENTRO HOSPITALAR DE SÃO JOÃO, EPE PROCEDIMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE ESTUPEFACIENTES E PSICOTRÓPICOS NO CENTRO HOSPITALAR DE SÃO JOÃO, EPE Chrystelle Gonçalves 1, Cláudia Galvão 2, Sónia Ferreira 2, António Carvalho 1,2, Paula Horta Carinha

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Manual de Políticas da CERCI Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/Março 2013 Aprovado por/data Direção/18.03.2013 Revisto por/data Índice 1. Política e Objetivos

Leia mais

Centro de Saúde da Figueira da Foz

Centro de Saúde da Figueira da Foz Centro de Saúde da Figueira da Foz PT Prime e HIS implementam Solução integrada de Processo Clínico Electrónico, Gestão de Atendimento, Portal e Mobilidade. a experiência da utilização do sistema VITA

Leia mais

III CONGRESSO DE TRAUMA DO VALE DO PARAÍBA

III CONGRESSO DE TRAUMA DO VALE DO PARAÍBA TRAUMA 2010 III CONGRESSO DE TRAUMA DO VALE DO PARAÍBA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS TRAUMA FAST TRACK ORGANIZAÇÃO DOS CUIDADOS HOSPITALARES URGENTES AO DOENTE TRAUMATIZADO - UMA VIA VERDE PARA O TRAUMA Carlos Mesquita

Leia mais

Contratualização em Medicina

Contratualização em Medicina Um Outro Olhar sobre o Hospital Contratualização em Medicina Carlos Dias UAG Medicina H. S. João Unidade Autónoma de Gestão Estrutura de gestão intermédia, responsável pela gestão e acompanhamento dos

Leia mais

Satisfação dos profissionais das Equipas de Cuidados Continuados Integrados (ECCI) Isaura Serra Maria Laurência Gemito

Satisfação dos profissionais das Equipas de Cuidados Continuados Integrados (ECCI) Isaura Serra Maria Laurência Gemito 1 Satisfação dos profissionais das Equipas de Cuidados Continuados Integrados (ECCI) Isaura Serra Maria Laurência Gemito -01-2013 Referencial teórico 2 O efeito cumulativo da diminuição da mortalidade

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL ASSISTENTE DE ACÇÃO EDUCATIVA (M/F)

PERFIL PROFISSIONAL ASSISTENTE DE ACÇÃO EDUCATIVA (M/F) PERFIL PROFISSIONAL ASSISTENTE DE ACÇÃO EDUCATIVA (M/F) PERFIL PROFISSIONAL Assistente de Acção Educativa Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE - SERVIÇOS DE APOIO A CRIANÇAS

Leia mais

Acções Integradas sobre o Sentido da Audição

Acções Integradas sobre o Sentido da Audição Semana da Ciência e Tecnologia 23 a 30 de Novembro de 2002 Acções Integradas sobre o Sentido da Audição http://www.inescporto.pt/cienciaviva Datas: 25 de Novembro de 2002: Colégio Internato dos Carvalhos

Leia mais

Gestão em Enfermagem II

Gestão em Enfermagem II Gestão em Enfermagem II Leiria, setembro 2015 Prof. Saudade Lopes 1 Sumário 5.ª aula (3h) 7/10/2015 Recursos humanos Gestão recursos humanos: conceito e prájcas. Resultados dos trabalhos de pesquisa nos

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO PROCESSO SELETIVO 2013 Nome: PARTE 1 BIOESTATÍSTICA, BIOÉTICA E METODOLOGIA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO PROCESSO SELETIVO 2013 Nome: PARTE 1 BIOESTATÍSTICA, BIOÉTICA E METODOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO PROCESSO SELETIVO 2013 Nome: PARTE 1 BIOESTATÍSTICA, BIOÉTICA E METODOLOGIA 1) Um histograma construído a partir de informações amostrais de uma variável

Leia mais

NASCER COM QUALIDADE

NASCER COM QUALIDADE HOSPITAL DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO, EPE - BARREIRO NASCER COM QUALIDADE Em 2007 registámos 1900 partos. Crescemos relativamente a 2006. Prestamos cuidados diferenciados de excelência à grávida e à puérpera.

Leia mais

Projeto de Melhoria Contínua da Qualidade dos Cuidados de Enfermagem. Prevenção, Tratamento e Monitorização de Úlceras de Pressão

Projeto de Melhoria Contínua da Qualidade dos Cuidados de Enfermagem. Prevenção, Tratamento e Monitorização de Úlceras de Pressão HOSPITAL ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO CANTANHEDE Projeto de Melhoria Contínua da Qualidade dos Cuidados de Enfermagem Prevenção, Tratamento e Monitorização de Úlceras de Pressão Cantanhede, abril de 2011

Leia mais

Documento SGS. PLANO DE TRANSIÇÃO da SGS ICS ISO 9001:2008. PTD3065 - v010-2008-11 Pág 1 de 6

Documento SGS. PLANO DE TRANSIÇÃO da SGS ICS ISO 9001:2008. PTD3065 - v010-2008-11 Pág 1 de 6 PLANO DE TRANSIÇÃO da SGS ICS ISO 9001:2008 PTD3065 - v010-2008-11 Pág 1 de 6 1 Introdução A ISO 9001:2008 e o Processo de Transição da SGS ICS A International Organization for Standardization (ISO) publicou,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt REGULAMENTO INTERNO Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt OBJECTIVOS DA CHUPETA "Proporcionar o atendimento individualizado da criança num clima de segurança

Leia mais

Publique-se no Diário da Republica, O Presidente da Câmara AVISO N.º 11/2011

Publique-se no Diário da Republica, O Presidente da Câmara AVISO N.º 11/2011 Publique-se no Diário da Republica, O Presidente da Câmara AVISO N.º 11/2011 PROCEDIMENTO CONCURSAL COMUM PARA CONTRATACÃO EM REGIME DE CONTRATO DE TRABALHO EM FUNCÕES PÚBLICAS POR TEMPO DETERMINAVEL/TERMO

Leia mais

7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior. No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio

7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior. No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio 7. Saúde 7.1. Estruturas de Saúde no Concelho de Rio Maior No que concerne às infra-estruturas de Saúde, o Concelho de Rio Maior dispõe de um Centro de Saúde com 10 extensões distribuídas pelas Freguesias

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE APRESENTAÇÃO Caro Residente, Este manual tem o objetivo informá-lo sobre a dinâmica do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde (RMS) nas áreas de concentração: Saúde Cardiovascular e Saúde Indígena

Leia mais

REDE DE REFERENCIAÇÃO DE OFTALMOLOGIA - SERVIÇO DE URGÊNCIA ANO DE 2008

REDE DE REFERENCIAÇÃO DE OFTALMOLOGIA - SERVIÇO DE URGÊNCIA ANO DE 2008 REDE DE REFERENCIAÇÃO DE OFTALMOLOGIA - SERVIÇO DE URGÊNCIA ANO DE 2008 A. No âmbito da política de requalificação dos Serviços de Urgência, no sentido de racionalizar recursos humanos disponíveis, tentando

Leia mais

Regulamento Interno IP

Regulamento Interno IP Regulamento Interno IP EQUIPA LOCAL DE INTERVENÇÃO DE ESTREMOZ DO SISTEMA NACIONAL DE INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (SNIPI) REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza 1 - A

Leia mais

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção O QUE ESPERAR DO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 1 Maio de 2011 Introdução Este documento destina-se a voluntários e promotores envolvidos no SVE. Fornece informações claras a voluntários

Leia mais

Serviço de Reabilitação

Serviço de Reabilitação Serviço de Reabilitação Relatório de Actividades.1.2.3.4 Tratamento de casos Implementação da política de reabilitação Desenvolvimento de equipamentos sociais Desenvolvimento de actividades 31 Relatório

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX

REGULAMENTO INTERNO. Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX Administração Regional de Saúde d Agrupamento de Centros de Saúde XXXXXXXX REGULAMENTO INTERNO Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX Localidade Mês / Ano Índice Introdução... 3 Capítulo I: Disposições

Leia mais

1. O presente Regulamento estabelece os meios de prevenção, de controlo e de reabilitação de trabalhadores, no âmbito do consumo de álcool e drogas.

1. O presente Regulamento estabelece os meios de prevenção, de controlo e de reabilitação de trabalhadores, no âmbito do consumo de álcool e drogas. Prevenção e Controlo do Consumo do Álcool e Drogas I. OBJECTO DO REGULAMENTO 1. O presente Regulamento estabelece os meios de prevenção, de controlo e de reabilitação de trabalhadores, no âmbito do consumo

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 73/2013 de 1 de Julho de 2013

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 73/2013 de 1 de Julho de 2013 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 73/2013 de 1 de Julho de 2013 Tendo por aceite que os órgãos de gestão das unidades de saúde devem manter os seus representantes clínicos, mas

Leia mais

Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt)

Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt) NÚMERO: 005/2015 DATA: 25/03/2015 ASSUNTO: Telerradiologia PALAVRAS-CHAVE: Radiologia, Neurorradiologia; telemedicina; teleconsulta PARA: Instituições do Sistema de Saúde CONTACTOS: Departamento da Qualidade

Leia mais

Inês Silva Pereira. Relatório de Estágio. Universidade Fernando Pessoa. Faculdade Ciências da Saúde

Inês Silva Pereira. Relatório de Estágio. Universidade Fernando Pessoa. Faculdade Ciências da Saúde Inês Silva Pereira Relatório de Estágio Universidade Fernando Pessoa Faculdade Ciências da Saúde Porto, 2014 Inês Silva Pereira Relatório de Estágio Universidade Fernando Pessoa Faculdade Ciências da

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DANÇA DESPORTIVA REGULAMENTO DE SEGURANÇA E UTILIZAÇÃO DOS ESPAÇOS DE ACESSO PÚBLICO

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DANÇA DESPORTIVA REGULAMENTO DE SEGURANÇA E UTILIZAÇÃO DOS ESPAÇOS DE ACESSO PÚBLICO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE DANÇA DESPORTIVA REGULAMENTO DE SEGURANÇA E UTILIZAÇÃO DOS ESPAÇOS DE ACESSO PÚBLICO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto O presente regulamento aprova normas e medidas

Leia mais

ESTUDOS AVANÇADOS EM ANESTESIA PARA TRANSPLANTAÇÃO HEPÁTICA, RENO-PANCREÁTICA, RENAL E CÓRNEA

ESTUDOS AVANÇADOS EM ANESTESIA PARA TRANSPLANTAÇÃO HEPÁTICA, RENO-PANCREÁTICA, RENAL E CÓRNEA Serviço de Anestesiologia do Centro Hospitalar do Porto Director de Serviço Dr. Humberto Machado Março de 2014 ESTUDOS AVANÇADOS EM ANESTESIA PARA TRANSPLANTAÇÃO HEPÁTICA, RENO-PANCREÁTICA, RENAL E CÓRNEA

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1980L0155 PT 31.07.2001 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B DIRECTIVA DO CONSELHO de 21 de Janeiro de 1980 que tem por objectivo a coordenação

Leia mais

2 o AVISO DE ESCLARECIMENTOS E RETIFICAÇÃO DE ERROS OU OMISSÕES NAS PEÇAS DO CONCURSO

2 o AVISO DE ESCLARECIMENTOS E RETIFICAÇÃO DE ERROS OU OMISSÕES NAS PEÇAS DO CONCURSO CONCURSO PÚBLICO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PARA O COMPLEXO 2 o AVISO DE ESCLARECIMENTOS E RETIFICAÇÃO DE ERROS OU OMISSÕES NAS PEÇAS DO CONCURSO O Ministério

Leia mais

Portaria n.º 124/99, de 17 de Fevereiro Ensaios clínicos de medicamentos veterinários

Portaria n.º 124/99, de 17 de Fevereiro Ensaios clínicos de medicamentos veterinários Ensaios clínicos de medicamentos veterinários A elevada complexidade de muitas patologias animais motiva a incessante procura da medicina e da indústria farmacêutica com o objectivo de se investigar ou

Leia mais

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 Para os efeitos estipulados no artigo 14.º do Decreto -Lei n.º 305/2009 de 23 de Outubro, torna público que, a Assembleia de Freguesia em reunião

Leia mais

Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância

Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância 1. Enquadramento 1.1 Nota Introdutória Através da Organização Mundial de Saúde e das respectivas autoridades nacionais de Saúde, Ministério

Leia mais

Concurso da Prefeitura Municipal de São José da Tapera 2012 Provas objetivas realizadas em 06-05 - 2012 GABARITO DEFINITIVO (18-06 - 2012)

Concurso da Prefeitura Municipal de São José da Tapera 2012 Provas objetivas realizadas em 06-05 - 2012 GABARITO DEFINITIVO (18-06 - 2012) 1. Arquiteto 1 E 1 E 2 B 2 B 3 A 3 A 4 C 4 C 5 E 5 E 6 B 6 B 7 C 7 C 8 E 8 E 9 B 9 B 10 D 10 D 11 C 11 C 12 A 12 A 13 D 13 D 14 A 14 A 15 A 15 A 16 A 16 A 17 A 17 A 18 E 18 E 19 B 19 B 20 E 20 E 21 A 21

Leia mais

Regulamento Interno da Resposta Social de Lar de Idosos CAPITULO I. Artigo 1º. Artigo 2º

Regulamento Interno da Resposta Social de Lar de Idosos CAPITULO I. Artigo 1º. Artigo 2º Regulamento Interno da Resposta Social de Lar de Idosos CAPITULO I (Natureza e Objectivos) Artigo 1º Caracterização e Localização A Associação Lageosense de Solidariedade Social (adiante designada por

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Natureza) Art.º - 1º - O Centro de Infância, Velhice e Acção Social da Senhora da Hora (CIVAS) é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Regulamento Interno do ATL Juvenil Aprender Mais

Regulamento Interno do ATL Juvenil Aprender Mais Página 1 de 6 Regulamento Interno do Sede Fórum Luís de Camões, sala 9 Brandoa 2650-197 Amadora Tel: 21 476 02 06 Fax: 21 476 25 48 Telm: 91 054 14 04 E-mail: abcd.brandoa@sapo.pt Escola Básica 2, 3 Sophia

Leia mais

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar Histórico 2005: Início dos trabalhos com financiamento da prefeitura municipal de Cascavel. 2008: ampliação dos serviços para 2 equipes de

Leia mais

Política de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho

Política de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho Política de Tratamento de Clientes e Terceiros Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho 31 de Agosto de 2009 Índice INTRODUÇÃO-----------------------------------------------------------------------------------------------------------2

Leia mais

Luxemburgo-Luxemburgo: AO 10559 Serviços logísticos integrados 2013/S 234-405266. Anúncio de concurso. Serviços

Luxemburgo-Luxemburgo: AO 10559 Serviços logísticos integrados 2013/S 234-405266. Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:405266-2013:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: AO 10559 Serviços logísticos integrados 2013/S 234-405266 Anúncio de

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2015

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2015 ASSOCIAÇÃO NACIONAL DA ESPONDILITE ANQUILOSANTE PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO DE 2015 I INTRODUÇÃO Nos termos da alínea b) do Artigo 35.º dos Estatutos da ANEA, a Direcção desta associação apresenta

Leia mais

Tecnologias de Computadores. Trabalho elaborado por: João Christophe Batista nº 23043 Ricardo Monteiro nº 26455 Telmo Lopes nº 27656

Tecnologias de Computadores. Trabalho elaborado por: João Christophe Batista nº 23043 Ricardo Monteiro nº 26455 Telmo Lopes nº 27656 Tecnologias de Computadores Trabalho elaborado por: João Christophe Batista nº 23043 Ricardo Monteiro nº 26455 Telmo Lopes nº 27656 Este tema suscita interesse na medida em que a medicina é um dos principais

Leia mais

Anúncio de concurso. Fornecimentos

Anúncio de concurso. Fornecimentos 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:333384-2013:text:pt:html Alemanha-Karlsruhe: Fornecimento de um sistema de vídeo para gestão de riscos destinado ao centro

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO DISCIPLINA: Docente Técnico de Turismo Operações Técnicas em Empresas Turísticas António José Borralho Ramalho N.º TOTAL DE MÓDULOS

Leia mais

Serviços de Acção Social do IPVC. Normas de funcionamento da Bolsa de Colaboradores

Serviços de Acção Social do IPVC. Normas de funcionamento da Bolsa de Colaboradores Aprovadas pelo Conselho de Acção Social do IPVC em 1 de Fevereiro de 2011 Serviços de Acção Social do IPVC Normas de funcionamento da Bolsa de Colaboradores O Conselho de Acção Social do Instituto Politécnico

Leia mais

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T.

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. 54 3Inquérito às necessidades de formação profissional em higiene e segurança do trabalho 59 Inquérito às necessidades de formação profissional

Leia mais

Processo Clínico. O próximo passo

Processo Clínico. O próximo passo Processo Clínico Electrónico: O próximo passo Sumário 1. Saúde: Uma Realidade Complexa 2. Implementação de SI na Saúde 2.1. Uma estratégia conjunta 2.2. Benefícios, constrangimentos e, desafios 3. Processo

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho Os hospitais são organizações de grande complexidade organizativa que exigem dos profissionais ligados à gestão especial competência

Leia mais

PÓVOA DE LANHOSO REGULAMENTO INTERNO

PÓVOA DE LANHOSO REGULAMENTO INTERNO PÓVOA DE LANHOSO REGULAMENTO INTERNO REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, nº 147/99 de 1 de Setembro, regula a criação, competência

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011 Atualiza o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde previstos na RN nº 211, de 11 de janeiro de 2010. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

PARECER N.º 2 / 2012

PARECER N.º 2 / 2012 PARECER N.º 2 / 2012 DOTAÇÃO DE PESSOAL NO SERVIÇO DE PEDIATRIA ONCOLÓGICA 1. A questão colocada Solicitar o parecer da Ordem acerca da dotação de pessoal no serviço de Pediatria Oncológica, dado que não

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS CONCELHO DE VILA NOVA DE CERVEIRA

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS CONCELHO DE VILA NOVA DE CERVEIRA REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO CONCELHO DE VILA NOVA DE CERVEIRA Regulamento Interno da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens do Concelho de Vila Nova de Cerveira

Leia mais

Pós-avaliação AIA. As fases da AIA no DL 69/2000. Selecção dos projectos. Definição do âmbito. Consulta pública. Elaboração do EIA

Pós-avaliação AIA. As fases da AIA no DL 69/2000. Selecção dos projectos. Definição do âmbito. Consulta pública. Elaboração do EIA Pós-avaliação AIA As fases da AIA no DL 69/2000 Selecção dos projectos Definição do âmbito Consulta pública Elaboração do EIA Apreciação técnica do EIA Consulta pública Decisão DIA Pós-avaliação Consulta

Leia mais

Montepio, Portugal. Tecnologia de recirculação de notas na optimização dos processos de autenticação e de escolha por qualidade

Montepio, Portugal. Tecnologia de recirculação de notas na optimização dos processos de autenticação e de escolha por qualidade Montepio, Portugal Tecnologia de recirculação de notas na optimização dos processos de autenticação e de escolha por qualidade A qualidade e fiabilidade dos recirculadores Vertera foram determinantes na

Leia mais

Avaliação do Desempenho dos Médicos.

Avaliação do Desempenho dos Médicos. ORDEM DE SERVIÇO Nº. 24/13 De: 12.11.2013 ASSUNTO: Regulamento de Funcionamento do Conselho Coordenador de Avaliação do Desempenho dos Médicos. Vem o Conselho de Administração, por este meio, informar

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPETÊNCIAS ESPECIFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÓNICA E PALIATIVA

REGULAMENTO DE COMPETÊNCIAS ESPECIFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÓNICA E PALIATIVA REGULAMENTO DE COMPETÊNCIAS ESPECIFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÓNICA E PALIATIVA APROVADO POR UNANIMIDADE NA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 22 DE OUTUBRO DE

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GESTOR

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GESTOR REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GESTOR Aprovado, por maioria com alterações, na Assembleia Geral Extraordinária de 12 de dezembro de 2014, após aprovação pelo Conselho Diretivo a 1

Leia mais

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres)

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Regulamento A. T. L. Capítulo I Âmbito de Aplicação e Objectivos Art.º 1º 1- O presente regulamento visa definir

Leia mais