Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:1 de Objectivo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:1 de 17. 1. Objectivo"

Transcrição

1 Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:1 de Objectivo Caracterizar o da Unidade de Consulta Externa do e definir os seus procedimentos. 2. Aplicação Centro Hospitalar da Cova da Beira. 3. Referências Bibliográficas Não se aplica. 4. Definições Não se aplica. Director do /

2 Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:2 de Responsabilidades Tipo de documento Elaboração/Modificação Aprovação Distribuição/Divulgação Serviço de Psicologia Responsável pelo cumprimento CHCB.PI.HF.02 Clínica Unidade de Consulta Externa do Conselho de Administração Serviços Psicóloga Clínica 6. Procedimento 1. Procedimentos e Caracterização do Serviço O, adstrito à Unidade de Consulta Externa do Departamento do Fundão, apresenta-se como um serviço fornecedor que presta o apoio psicológico (definido nas competências profissionais da área em questão) a serviços e unidades previamente definidas. Trata-se de um apoio que se concretiza em serviços prestados directamente ao doente em duas situações distintas; internamento e consulta externa. Os serviços onde é prestado apoio de forma sistemática no internamento, são a Unidade de Tratamento de Alcoologia e o Serviço de Medicina Paliativa. No Serviço de Medicina e na Unidade de Infecciologia o apoio só é prestado se tal for solicitado por escrito pelos médicos responsáveis pelo doente a referenciar. Director do /

3 Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:3 de 17 Apoio do Serviços de Internamento Apoio Sistemático Apoio Após Solicitação Unidade de Tratamento de Alcoologia Serviço de Medicina Serviço de Medicina Paliativa Unidade de Infecciologia Fig. 1- Organigrama do Apoio do Serviço de Psicologia ao Internamento Relativamente ao apoio prestado aos doentes em ambulatório, ele é efectuado em Consulta Externa, dividindo-se em três áreas distintas: os doentes dependentes de álcool que são provenientes da Unidade de Alcoologia, os doentes do Serviço de Medicina Paliativa ou os seus familiares e doentes com diversos quadros clínicos (com ou sem psicopatologia), que se enquadrem num contexto de seguimento psicoterapêutico individual e que são enviados pelos médicos dos serviços de internamento já referidos, através de um impresso existente para o efeito, onde são referidas a identificação completa do doente, o seu diagnóstico e os motivos da necessidade de avaliação/seguimento psicológico. Director do /

4 Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:4 de 17 Apoio do Ambulatório Seguimento Sistematizado Seguimento por solicitação Alcoólicos Psicologia Clínica Doentes da M. Paliativa Fig. 2- Organigrama do Apoio do Serviço de Psicologia ao Ambulatório 1.1. Procedimento do Serviço na área da Alcoologia Todos os doentes que dão entrada na Unidade de Tratamento de Alcoologia são acompanhados pelo psicólogo clínico do serviço. O atendimento destes doentes é de forma imediata. São inicialmente avaliados nas variáveis psicológicas intervenientes e determinantes do padrão do comportamento aditivo de alcoolismo, considerando-se o abuso de álcool como um padrão comportamental socialmente aprendido, onde intervêm factores de ordem cognitiva, fisiológica, social e psicológica. Assim torna-se relevante avaliar também o seu funcionamento psicológico do doente em questão aos níveis emocional, interpessoal, familiar, ocupacional e social, Nessa avaliação são utilizados como instrumentos privilegiados a entrevista (estruturada e não estruturada) com o doente e familiares (quando estes existem e se mostram colaborantes para o efeito) e a aplicação de questionários de auto-resposta. Director do /

5 Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:5 de 17 Após a fase avaliativa inicial, segue-se a fase interventiva, que é levada a cabo em contactos individuais e/ou em grupo 1. Esta fase de intervenção tem diversos objectivos terapêuticos, integrados numa perspectiva psicológica de que o tratamento do alcoolismo é essencialmente uma modificação de um comportamento (de bebedor a não bebedor), pelo que se torna essencial intervir nas seguintes áreas; Promoção do estado de motivação para a mudança, com a utilização de estratégias e técnicas psicoterapêuticas específicas; Definição clara dos objectivos do tratamento no pós-alta, nomeadamente a abstinência de bebidas alcoólicas, procurando sempre que o doente compreenda e aceite as razões e argumentos que justificam os objectivos; Permitir a ventilação de emoções e expectativas relativamente ao seu percurso de vida anterior, tratamento e antecipação do futuro póstratamento; Preparar o doente para o aspecto central que é a prevenção da recaída no pós-alta, utilizando estratégias específicas de intervenção psicoterapêutica do Modelo de Prevenção de Recaída; Debater e modificar as Expectativas Positivas dos Efeitos do Álcool (construto cognitivo altamente relacionado com os consumos elevados e as recaídas); Resolução/Minimização de situações de conflituosidade/ ruptura familiar; Modificação de expectativas desadequadas face ao processo de tratamento e consequências futuras; 1 A definição da realização de um maior número de contactos individuais ou em grupo é uma decisão técnica do psicólogo clínico e que se relaciona directamente com as características especificas de cada grupo de doentes internados, o seu número mais ou menos reduzido e com as necessidades específicas de contactos individuais avaliadas inicialmente para cada doente. Director do /

6 Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:6 de 17 Psicoterapia individual em situações de presença de alterações emocionais significativas (estados depressivos, ansiógenos, etc.). No momento da alta, todos os doentes são encaminhados para o seguimento em ambulatório, sendo informados de tal facto pelo psicólogo clínico. É-lhes entregue informação escrita onde consta o dia e a hora da consulta, a designação da mesma e a identificação do profissional que irá acompanhá-lo. Verbalmente transmite-se informação sobre a localização do serviço de Consulta Externa. No ambulatório os doentes são acompanhados durante cerca de um ano, com uma periodicidade variável em função da disponibilidade da agenda, mas sobretudo das necessidades específicas de cada doente e forma de evolução mais ou menos favorável do seu seguimento. A primeira sessão dura aproximadamente uma hora e as subsequentes cerca de meia hora, sendo que em cada sessão é agendado o dia e hora exacta da sessão seguinte. Os objectivos terapêuticos deste acompanhamento são um pouco coincidentes com os já referidos anteriormente para o internamento, enfatizando sobretudo os aspectos relacionados com a prevenção da recaída e o debate de estratégias de resolução dos problemas e dificuldades que vão surgindo ao longo do percurso de abstinência, nomeadamente a dificuldade em mantê-la Procedimento do Serviço na área da Medicina Paliativa Os doentes que dão entrada no Serviço de Medicina Paliativa não são todos avaliados e seguidos pelo Psicólogo Clínico do Serviço uma vez que, num considerável número de situações a sua situação clínica não o permite (por exemplo, estado de inconsciência, situação terminal avançada, dificuldades de comunicação devidas à própria patologia, Director do /

7 Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:7 de 17 etc.) Assim, só os doentes que são referenciados na reunião clínica semanal do serviço 2 são avaliados e acompanhados pelo Psicólogo Clínico. O atendimento destes doentes é de forma imediata, após a solicitação. Os doentes são avaliados numa série de parâmetros previamente definidos, numa entrevista estruturada, com vista a avaliar as principais alterações e preditores de problemas a nível psicológico decorrentes da situação em que se encontram relativamente à sua doença neoplásica e confronto com a morte mais ou menos eminente. Nomeadamente são avaliados nas seguintes áreas: situação familiar, laboral e financeira, dinâmica familiar e alterações devidas à situação de doença, breve história da doença neoplásica e informação recebida do médico assistente, história de doença oncológica em familiares próximos, história de lutos anteriores, preditores de risco do processo de luto (como relações de ambivalência, dependência, projectos de vida cortados pela doença, entre outros), existência de preocupações e necessidades psicológicas específicas do estado terminal em que se encontram, presença de estados depressivos, ansiosos, exacerbação de sentimentos como cólera, raiva e processos de negação. Numa perspectiva teórica dos Cuidados Paliativos, o apoio à família dos doentes é tão importante como o apoio dado ao próprio doente, pelo que também os familiares são avaliados e acompanhados sempre que tal se demonstra necessário. Aqui as áreas importantes são a resolução de problemas de ordem prática, que muitas vezes não se solucionam por bloqueios comunicacionais, a ventilação de sentimentos de perda que muitas vezes não são passíveis de o serem com o doente, a orientação em atitudes e comportamentos mais adequados na fase terminal, preparação para o processo de luto e avaliação de preditores de processos de luto complicado. Este último factor implica muitas vezes o seguimento dos familiares em ambulatório, após a morte do doente, como forma de apoio ao luto, nas situações em que um dos 2 Ver mais adiante Articulação entre Serviços para mais pormenores. Director do /

8 Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:8 de 17 médicos do serviço de Medicina Paliativa ou o Psicólogo Clínico o considere necessário e o familiar sentir essa necessidade e vontade. As sessões prolongam-se pelo tempo considerado necessário para a resolução dos problemas existentes a nível emocional e vão sendo combinadas com o doente sessão a sessão. 2. Articulação entre Serviços 2.1. Articulação entre a Psicologia Clínica e a Unidade de Tratamento da Alcoologia Como já foi referido anteriormente todos os doentes internados na Unidade de Tratamento de Alcoologia (UTA) são objecto de avaliação e intervenção do Serviço de Psicologia Clínica, pelo que não há necessidade de encaminhamento dos mesmos pelos médicos da Unidade. A informação relevante de cada doente é registada no seu processo clínico. A integração dos cuidados entre os membros da equipa da UTA é concretizada através de uma reunião semanal onde são analisadas as situações relativas à evolução de cada doente no tratamento que está ser levado a cabo. Além disso, analisam-se soluções para as dificuldades/problemas específicos que vão surgindo, bem como dos procedimentos necessários com vista à planificação da alta de cada doente, ou seja procede-se a uma articulação dos cuidados dos diversos profissionais que dão apoio à Unidade. Nesta reunião é também feita a triagem dos pedidos de internamento de novos doentes, bem como a planificação da sua admissão. Sempre que surgem situações pontuais que não podem esperar pela reunião para serem resolvidas, o psicólogo clínico contacta ou é contactado pelos profissionais intervenientes, no sentido de articularem as suas actuações. Director do /

9 Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:9 de 17 Na altura da alta, o psicólogo clínico coloca no processo clínico um impresso com a data e hora da primeira sessão de seguimento em ambulatório, que é entregue ao doente pela Secretária de Unidade no momento exacto da saída do doente do Hospital, juntamente com outra documentação (receitas, por exemplo). É também a Secretária de Unidade, o profissional responsável pelo registo escrito da identificação do doente, data e hora da sessão, que depois entrega nos serviços administrativos da Consulta Externa, para que possa ser feito o seu registo no programa informático (SONHO). No dia da primeira sessão, o doente vai aos serviços administrativos da Consulta Externa confirmar a sua presença, munido do impresso que lhe foi entregue na altura da alta. O administrativo regista a sessão no programa informático e levanta o processo do doente, que é depois entregue ao psicólogo clínico. O doente é então orientado para o gabinete de consulta por um auxiliar de acção médica. No final da sessão, o doente é informado pelo psicólogo clínico de qual o dia em que deverá voltar, ficando com um registo escrito da data e hora no seu Cartão de Doente. O psicólogo clínico entrega ao administrativo da Consulta Externa uma listagem com os dias e as horas das sessões subsequentes para cada doente, para que este proceda ao seu agendamento informático Articulação entre a Psicologia Clínica e o Serviço de Medicina Paliativa O Serviço de Medicina Paliativa realiza semanalmente uma reunião multidisciplinar com as diversas áreas profissionais que prestam apoio no Serviço. Nesta reunião são analisadas as necessidades dos doentes que estão internados, são trocadas informações entre as diversas áreas profissionais, no sentido de as articular e integrar nos cuidados ao doente, são apresentados os doentes novos, cabendo aos médicos do Serviço pedir a avaliação pelo Psicólogo Clínico dos doentes que preenchem os requisitos para tal. Director do /

10 Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:10 de 17 Quando há necessidade de encaminhar uma familiar de um doente falecido no Serviço de medicina Paliativa para um acompanhamento em ambulatório, o Psicólogo Clínico define o dia e a hora, informa por escrito o administrativo da Consulta Externa, que procede à marcação informática e à transmissão da informação ao familiar via carta ou telefone (em função da brevidade da data definida). O seguimento em ambulatório prolonga-se pelo tempo considerado necessário pelo psicólogo clínico, sendo em cada sessão marcada a sessão subsequente, ficando o doente com o registo escrito da mesma no seu Cartão de Doente. Nesse mesmo dia, o psicólogo clínico entrega ao administrativo da Consulta Externa a listagem dos doentes e das respectivas marcações de sessões subsequentes, para que este proceda ao seu agendamento informático Articulação entre a Psicologia Clínica e o Serviços de Medicina e Unidade de Infecciologia O apoio dado pelo psicólogo clínico a estas áreas médicas é feito em função das necessidades verificadas pelos médicos dos serviços. Assim, quando é sentida a necessidade de avaliação/intervenção psicológica, o médico preenche um impresso existente para o efeito, que contem a identificação completa do doente, os motivos que levam o profissional médico a requerer o apoio da Psicologia, a data e a assinatura do médico responsável pelo doente. Este impresso é entregue ao psicólogo clínico pela Secretária de Unidade, cabendo ao psicólogo clínico definir a hora a que vai estabelecer o primeiro contacto com o doente e a necessidade de manter ou não um acompanhamento do doente, quer no internamento, quer no pós-alta, em ambulatório. Director do /

11 Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:11 de Definição das áreas de competências dos profissionais de Psicologia Clínica Os profissionais que exercem funções no âmbito da psicologia no hospital têm que possuir um certificado de licenciatura em Psicologia, ramo de Psicologia Clínica. A certificação no ramo ou área da Psicologia Clínica pode ser verificada directamente no Certificado de Habilitações, ou, caso se verifique a ausência desta informação no mesmo, através da fotocópia autenticada da ficha curricular, que contém informação sobre a área de estágio frequentada. Esta formação académica garante que estes profissionais possuam as seguintes competências gerais, específicas de um profissional em Psicologia Clínica: Saber realizar uma avaliação psicológica (com ou sem recurso a testes de avaliação psicológica, neuropsico-lógica, etc.); Saber conduzir uma entrevista de avaliação psicológica; Possuir conhecimentos teóricos sobre as diversas áreas de intervenção da Psicologia Clínica e da Saúde, nomeadamente conhecer o background teórico da problemática dos conhecimentos sobre comportamentos aditivos, doentes terminais, psicopatologias diversas, etc. 3 Ter formação teórica e experiência clínica supervisionada em intervenção psicoterapêutica pelo menos num modelo teórico de intervenção (e.g. Cognitivo-comportamental, dinâmico, desenvolvimentista). Para além destas competências gerais, a intervenção na área da Psicologia Clínica exige algumas competências específicas, directamente relacionadas com as áreas fortes da sua intervenção, que em seguida discriminamos. 3 Obviamente, este conhecimento iniciado na formação de base deverá ser complementado com formação pós-graduada específica, que não só complemente os conhecimentos já adquiridos, mas também permita manter uma actualização constante dos mesmos. Director do /

12 Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:12 de Competências específicas relacionadas com a área dos comportamentos aditivosalcoolismo Ter formação teórica de base em modelos psicológicos do alcoolismo, e.g. modelo cognitivo-comportamental, o que permitirá a conceptualização e o know-how para a implementação dos processos terapêuticos de modificação do comportamento alcoólico através da aplicação de técnicas específicas de um profissional de Psicologia Clínica; Saber realizar uma avaliação completa destes doentes, no que concerne aos aspectos psicológicos relevantes para o consumo de álcool, sendo esta integrada numa perspectiva do alcoolismo como um fenómeno biopsico-social, onde são essenciais os seguintes factores: Factores biológicos como a severidade da dependência ou síndrome de privação; Saber distinguir entre Abuso e Dependência de Álcool, através da aplicação de critérios pré-definidos como os da DSM-IV ou ICD- 10; Estar familiarizado com as variáveis psicológicas a avaliar relacionadas com o internamento actual (se é a primeira vez, se veio por iniciativa própria, atribuições causais, índice inicial de motivação, expectativas relativas ao processo de tratamento, entre outros); Saber aplicar, cotar e interpretar instrumentos de avaliação específicos, como os questionários de auto-avaliação que avaliam aspectos diversos como a dependência, a deterioração cognitiva, as Director do /

13 Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:13 de 17 crenças e expectativas pessoais acerca do álcool, o estádio de mudança, etc.; Saber proceder a uma análise funcional do comportamento de bebida, relacionando as variáveis antecedentes (estímulos para beber), os factores mediacionais (atitudes, expectativas acerca dos efeitos do álcool, expectativas de auto-eficácia, Efeito da Violação da Abstinência, Auto-Estima, Expectativas Negativas do Deixar de beber), os padrões de consumo de álcool (tipo e quantidade de bebida, local e hora do consumo, companhias habituais) e as consequências do consumo (efeitos directos do consumo, reacções comportamentais); Saber avaliar as consequências e repercussões do consumo aos níveis familiar, laboral, social e psico-físico, bem como a existência de eventuais variáveis potenciadoras do abuso de álcool como as aptidões sociais do doente, a existência de apoio conjugal ou familiar, as oportunidades de reforço positivo por outras actividades (trabalho, por exemplo) e o nível de stress experienciado com o tratamento e objectivos terapêuticos futuros; Saber pesquisar e detectar a presença de eventual psicopatologia primária ou secundária ao consumo (perturbações do humor, da ansiedade, debilidade mental, psicoses, etc.); Ter competências teóricas e práticas 4 na intervenção psicoterapêutica na modificação do comportamento aditivo de alcoolismo nomeadamente: 4 Conferidas pela licenciatura em Psicologia Clínica, que deve incluir um estágio com prática clínica supervisionada com a duração de um ano lectivo e que deverão ser complementadas com formação posterior em modelos de intervenção terapêutica em comportamentos aditivos- alcoolismo. Director do /

14 Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:14 de 17 Estar familiarizado e saber implementar estratégias psicoterapêuticas motivacionais de promoção da mudança do comportamento de consumo de álcool, que pretendem que os doentes atinjam uma decisão de mudança e gerem um compromisso com essa decisão, numa linha teórica dos Modelos Transteórico de Prochaska e DiClementi e Entrevista Motivacional de Miller e Rollnick; Possuir competências técnicas de transmissão de informação sobre alguns aspectos relevantes acerca do álcool, como a sua acção bifásica, os seus efeitos imediatos e a médio e longo prazo; Possuir competências teóricas e práticas que permitam implementar estratégias de reestruturação cognitiva, que envolvem um conjunto de processos psicoterapêuticos dirigidos à modificação directa das crenças e expectativas acerca dos efeitos do álcool, factores cognitivos altamente relacionados, quer com o padrão de consumo, quer com o processo de recaída; Saber conduzir sessões psicoterapêuticas (individuais e/ou de grupo) onde se promova a aprendizagem de estratégias de enfrentamento de situações problema e de alto risco, bem como o treino de aptidões de recusa e resistência à pressão para beber; Ter competência teórica e prática que permita saber conduzir sessões especificamente dirigidas para o componente de prevenção da recaída, especialmente orientadas para os três principais factores associados com a recaída: incapacidade para lidar com estados emocionais negativos intrapessoais, incapacidade para lidar com conflitos interpessoais com pessoas significativas e incapacidade para lidar com a pressão social para beber; Director do /

15 Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:15 de 17 Ter competências em psicoterapia individual (por exemplo cognitivo-comportamental) para intervenção individual em problemas eventualmente existentes mas não directamente relacionados com o consumo de álcool; Saber efectuar intervenções familiares no sentido de os orientar enquanto participantes activos do processo de mudança (e não meros espectadores), promovendo comportamentos de monitorização do comporta-mento, mas sobretudo de efectivação de suporte/apoio no quotidiano pós-alta. Além disso, também é importante saber identificar e intervir terapêuticamente em eventuais patologias sistémicas da relação familiar/conjugal/filial Competências específicas relacionadas com a área dos Cuidados Paliativos Ter formação teórica básica em Cuidados Paliativos, nomeadamente no que se refere aos seus pilares teóricos básicos como seja: Cuidados Paliativos são cuidados activos; O doente é considerado na sua globalidade; O trabalho em equipa multidisciplinar é essencial; O objectivo é melhorar a qualidade de vida; O alvo dos cuidados é a pessoa doente e não a doença. Ter formação pré ou pós graduada que confira competências teóricas e práticas em Cuidados Paliativos, especialmente nas seguintes áreas de avaliação/intervenção: Avaliação das necessidades psicológicas e emocionais específicas dos doentes e familiares do Serviço de Medicina Paliativa (SMP), Director do /

16 Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:16 de 17 nomeadamente as suas preocupações, medos, alterações ocorridas no sistema familiar devidas à doença, etc.; Comunicação adequada (entre profissionais, doente e família e também entre os elementos da família e o doente); Apoio ao luto (do doente e família), através de técnicas psicoterapêuticas específicas; Apoio directo ao doente e família nomeadamente para: fomentar os seus recursos de enfrentamento adaptativo da situação de doença, aumentar a sensação de controle, reduzir a sensação de ameaça, promover uma atitude de apoio incondicional e apoio emocional, resolver/minimizar problemas emocionais específicos (como sentimentos de solidão, raiva, ansiedade, perda de interesse, etc.). Possuir as seguintes aptidões: Comunicação Treino de Resolução de problemas Controle de reacções Emocionais Intensas Auto-Controle Reconhecer situações de ruptura emocional, nele próprio e nos outros profissionais da equipa, prevenindo assim o burnout tão comum nas equipas de Cuidados Paliativos. Por último parece-nos importante salientar que o psicólogo clínico na equipa de Cuidados paliativos tem que possuir um background teórico-prático que lhe permita ser formador dos restantes membros da equipa nos aspectos psicológicos dos cuidados e também na prevenção de situações de burnout. Director do /

17 Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:17 de Colaborações O Serviço de Psicologia está também vocacionado para colaborar com o Departamento de Psicologia e Educação da Universidade da Beira Interior. 7. Registos Designação Indexação Responsável pelo Arquivo Arquivo Activo Arquivo Semiactivo CHCB.PI.HF.02 Intranet Colaborador destinado 3 Anos 2 Anos 8. Anexos Não se aplica. Director do /

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação ESCOLA SECUNDÁRIA DAS LARANJEIRAS Proposta de PLANO DE TRABALHO Do Serviço de Psicologia e Orientação A Psicóloga: Sara Quaresma ANO LECTIVO 2010/2011 PLANO DE TRABALHO Ao longo deste ano lectivo serão

Leia mais

Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos

Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos Introdução Os comportamentos adictos têm vindo a aumentar na nossa sociedade. Os problemas, ao nível do local e das relações no trabalho,

Leia mais

ESCOLA DE PAIS.nee. Programa Escola de Pais.nee Formadora: Celmira Macedo

ESCOLA DE PAIS.nee. Programa Escola de Pais.nee Formadora: Celmira Macedo 1 PROGRAMA DA ESCOLA DE PAIS I. Introdução A escola de pais apresenta-se com um espaço de formação para famílias (preferencialmente famílias de crianças com necessidades especiais), estando igualmente

Leia mais

ANEXO C Linhas Orientadoras para a Fase Formativa. (Decreto-Lei n.º 3/2011, de 6 de Janeiro)

ANEXO C Linhas Orientadoras para a Fase Formativa. (Decreto-Lei n.º 3/2011, de 6 de Janeiro) ANEXO C Linhas Orientadoras para a Fase Formativa Procedimento Especial de Obtenção do Grau de Especialista por Equiparação ao Estágio da Carreira dos TSS Ramo Psicologia Clínica (Norte, Centro Sul e Ilhas)

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam SESFUBMULT_P_06N8977 De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 1.1 Formação do Pessoal Docente 3 1.2 Formação do Pessoal Não Docente 4 1.3 Formação orientada para os alunos 4 1.4 Formação orientada para os pais e

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 1 PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 2 1. Introdução O processo de adaptação e ajustamento ao PNFT entra em 2012 na sua fase terminal

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt REGULAMENTO INTERNO Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt OBJECTIVOS DA CHUPETA "Proporcionar o atendimento individualizado da criança num clima de segurança

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19 REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA Pág.1/19 Índice DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. Localização 3 2. Âmbito 3 3. Política e Estratégia de Actuação 3 4. Inscrições

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro Escola Sede: E.B. 2,3 de Pegões 1. FUNCIONAMENTO DO SPO Desenvolve o seu trabalho com base em atribuições e competências legais, adaptadas ao contexto

Leia mais

Código: CHCB.PI.FMED.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 10. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI.FMED.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 10. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI.FMED.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 10 1. Objectivo Este procedimento tem como objectivo definir os procedimentos adoptados para o Serviço de Medicina do. 2. Aplicação Este procedimento

Leia mais

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha

PSICOLOGIA APLICADA. A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha PSICOLOGIA APLICADA A. Filipa Faria Cátia Silva Barbara Fernandes Ricardo Rocha Psicologia aplicada É impossível pensar em psicologia, sem pensar em intervenção, pois esta tem uma dimensão prática que

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Perturbações da Personalidade: Perturbação da Personalidade Borderline e Perturbação da Personalidade Evitante. Joana Gonçalves

Perturbações da Personalidade: Perturbação da Personalidade Borderline e Perturbação da Personalidade Evitante. Joana Gonçalves Perturbações da Personalidade: Perturbação da Personalidade Borderline e Perturbação da Personalidade Evitante Joana Gonçalves Perturbação da Personalidade Borderline Provavelmente a perturbação de personalidade

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

Abordagem de avaliação de riscos psicossociais no Instituto Português de Oncologia do Porto

Abordagem de avaliação de riscos psicossociais no Instituto Português de Oncologia do Porto Abordagem de avaliação de riscos psicossociais no Instituto Português de Oncologia Auditório do Instituto de Emprego e Formação Profissional Lisboa - 6 de Março de 2012 - Campanha Europeia de Prevenção

Leia mais

PREVENÇÃO DE RECAÍDA

PREVENÇÃO DE RECAÍDA PREVENÇÃO DE RECAÍDA Alessandro Alves Noventa por cento do sucesso se baseia simplesmente em insistir. Woody Allen A recaída tem sido descrita tanto como um resultado a visão dicotômica de que a pessoa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Artigo 1º Objectivo e Âmbito 1. Os (SPO) constituem um dos Serviços Técnico-Pedagógicos previsto no artigo 25º alínea a) do Regulamento Interno

Leia mais

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003 8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB N. o 282 6 de Dezembro de 2003 Portaria n. o 13/2003 de 6 de Dezembro Considerando que o DecretoLei n. o 205/96, de 25 de Outubro, vem alterar a disciplina jurídica da

Leia mais

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos REGULAMENTO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO INTEGRADO EM CONTABILIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR CAPÍTULO I Objectivos e Definição Artigo 1º

Leia mais

MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE

MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Despacho Conjunto n.º 891/99 No domínio da intervenção precoce para crianças com deficiência ou em risco de atraso grave de desenvolvimento,

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

0612- Noções Básicas de Gestão Técnica de Recursos Humanos

0612- Noções Básicas de Gestão Técnica de Recursos Humanos 0612- Noções Básicas de Gestão Técnica de Recursos Humanos Trabalho elaborado por: Vera Valadeiro, nº20 TAG 4 Índice Conteúdo Função:... 3 Descrição da Função:... 3 Perfil da Função:... 4 Processo de Recrutamento:...

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA A CadSolid tem como missão contribuir para a modernização da indústria portuguesa, mediante o desenvolvimento e comercialização de produtos e serviços inovadores, personalizados e concebidos para satisfazer

Leia mais

Trabalho realizado por: Diva Rafael 12ºA nº15

Trabalho realizado por: Diva Rafael 12ºA nº15 Trabalho realizado por: Diva Rafael 12ºA nº15 Ano Lectivo: 2007/2008 Índice Introdução O que é a psicologia O que é a psicologia clínica Entrevista Conclusão Bibliografia Pág.3 Pág.4 Pág.5 Pág.7 Pág.9

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais A Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, revê o Código do Trabalho, mas mantém em vigor disposições assinaladas do anterior Código do Trabalho de 2003, e da sua regulamentação, até que seja publicado diploma

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Departamento da Educação Pré Escolar CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Introdução A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática

Leia mais

REGIMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE MEDICINA DO TRABALHO

REGIMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE MEDICINA DO TRABALHO Extracto do REGIMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE MEDICINA DO TRABALHO Aprovado em reunião do Conselho Nacional Executivo de 17 de Julho de 2001 SECÇÃO IV Do Acesso ao Título de Especialista Artº 19º

Leia mais

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 O Decreto Legislativo Regional n.º 16/2008/A, de 12 de junho, que procedeu à criação da Rede de cuidados continuados

Leia mais

Psicologia Aplicada em Portugal

Psicologia Aplicada em Portugal Psicologia Aplicada em Portugal Áreas Técnicos de Saúde Mental Psicologia Educacional Psicologia do Trabalho Psicologia Profissional Psicologia Clínica Psicologia Criminal Psicologia Desportiva Psicólogo

Leia mais

ESCOLA DE MEDICINA FAMILIAR /Primavera 2015

ESCOLA DE MEDICINA FAMILIAR /Primavera 2015 Apresentação Formação Médica Contínua ESCOLA DE MEDICINA FAMILIAR /Primavera 2015 Peniche - Consolação 6 a 9 de Maio de 2015 Local: Hotel Atlântico Golf **** Praia da Consolação 2525-150 Atouguia da Baleia

Leia mais

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Índice Capítulo I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1 - Noção e âmbito material Art.º 2 - Objectivos

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial?

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Para efeitos de elegibilidade para a educação especial deve-se, antes de mais, ter presente o grupo - alvo ao qual esta se destina alunos

Leia mais

Manual de Procedimentos no âmbito da Educação Especial

Manual de Procedimentos no âmbito da Educação Especial AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE PAIVA Escola Sede: Escola Secundária de Vila Nova de Paiva Rua Padre Joaquim Rodrigues da Cunha 3650-219 Vila Nova de Paiva Telefone: 232609020 Fax:232609021 http://esvnp.prof2000.pt

Leia mais

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015 1 PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO Psicólogas do Externato Pré-Escolar Dra. Irene Lopes Cardoso 1º Ciclo - (1º e 2º anos) Dra. Irene Lopes Cardoso (3º e 4º anos) Dra. Manuela Pires

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações In partnership: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

CERTIFICADOS DE APTIDÃO PROFISSIONAL (CAP) PARA:

CERTIFICADOS DE APTIDÃO PROFISSIONAL (CAP) PARA: CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 218423502 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA 14/06 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA

Leia mais

Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira

Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira Preâmbulo No âmbito dos novos desafios, exigências e problemas que se colocam às universidades nacionais e internacionais e aos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES Aprovado em 26 de março de 2013 0 ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESC0LARES

Leia mais

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção O QUE ESPERAR DO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 1 Maio de 2011 Introdução Este documento destina-se a voluntários e promotores envolvidos no SVE. Fornece informações claras a voluntários

Leia mais

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Coordenação do Internato Médico de Saúde Pública PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA (Aprovado pela Portaria 47/2011, de 26 de Janeiro) Internato 2012/2016 ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO 1 1. DURAÇÃO

Leia mais

Regulamento de Gestão de Reclamações

Regulamento de Gestão de Reclamações Regulamento de Gestão de Reclamações no Banco Santander Totta, SA Introdução A Qualidade de Serviço é, para o Banco Santander Totta, SA, um referencial e a forma por excelência de se posicionar e distinguir

Leia mais

Código: CHCB.PI.HF.04 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas: 1 de 10. 1. Objectivo. 2. Aplicação. 3. Referências Bibliográficas. 4.

Código: CHCB.PI.HF.04 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas: 1 de 10. 1. Objectivo. 2. Aplicação. 3. Referências Bibliográficas. 4. Caracterização da Código: CHCB.PI.HF.04 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas: 1 de 10 1. Objectivo Caracterizar o serviço e procedimentos da do Hospital do Fundão. 2. Aplicação Centro Hospitalar da Cova da Beira

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DA FORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJECTO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DA FORMAÇÃO... 3 3. POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 4. FORMAS E MÉTODOS DE SELECÇÃO... 4 4.1. Selecção

Leia mais

A Apreciação Geral. Sem esta abordagem torna se incontornável um impasse no desenvolvimento do processo negocial.

A Apreciação Geral. Sem esta abordagem torna se incontornável um impasse no desenvolvimento do processo negocial. A Apreciação Geral Relativamente às anteriores propostas negociais enviadas a 20/2/2009 e objecto de discussão na reunião realizada a 3/3/2009, verificamos a evolução para a apresentação de um único documento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS FICHAS DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS GRUPOS PROFISSIONAIS: TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO, TÉCNICO PROFISSIONAL E ADMINISTRATIVO, OPERÁRIO E AUXILIAR ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO:

Leia mais

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9 COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO REGULAMENTO Serviços de Psicologia e de Orientação INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA nep.010.1 Página 1 de 9 Índice Índice... 2 1. Definição dos Serviços... 3 2.Objectivos....3

Leia mais

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Workshop1 Voluntariado na área social e humanitária nacional Dinamizadores: Vo.U Associação de Voluntariado Universitário

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CONSULTORIA E AUDITORIA ALIMENTAR AUDITOR LÍDER ISO

PÓS-GRADUAÇÃO CONSULTORIA E AUDITORIA ALIMENTAR AUDITOR LÍDER ISO PÓS-GRADUAÇÃO CONSULTORIA E AUDITORIA ALIMENTAR AUDITOR LÍDER ISO 22000:2005 Lead Auditor Training course ENTIDADES PARCEIRAS SGS PORTUGAL SOCIEDADE GERAL DE SUPERINTENDÊNCIA, S.A. O Grupo SGS Société

Leia mais

Sistema de formação e certificação de competências

Sistema de formação e certificação de competências Sistema de Formação e Certificação de Competências Portal das Escolas Manual de Utilizador Docente Referência Projecto Manual do Utilizador Docente Sistema de formação e certificação de competências Versão

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM 01 APROVADO POR: CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO 16 03 2012 Data: 16/03/2012 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

43. Inovar a supervisão em Enfermagem: um projecto de investigação-intervenção

43. Inovar a supervisão em Enfermagem: um projecto de investigação-intervenção 43. Inovar a supervisão em Enfermagem: um projecto de investigação-intervenção Ana Macedo 1*, Rafaela Rosário 1, Flávia Vieira 2, Maria Silva 1, Fátima Braga 1, Cláudia Augusto 1, Cristins Araújo Martins

Leia mais

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Guia do Formador drmadorr1manda. Aprender a Relação Humana

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Guia do Formador drmadorr1manda. Aprender a Relação Humana ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Guia do Formador drmadorr1manda Aprender a Relação Humana Autor: Micaela Ramos Título: Aprender a Relação Humana Coordenação da Mala Formativa:

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS

FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS EDIÇÃO Nº1/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Fiscalização de obra ferramentas e metodologias 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER A construção

Leia mais

O ENSINO SUPERIOR (2007) RESUMO

O ENSINO SUPERIOR (2007) RESUMO O ENSINO SUPERIOR (2007) Ana Moreira Psicóloga Clínica Email: ana_marco@hotmail.com RESUMO A ideia de que o Ensino Superior não é uma entidade puramente educativa, mas que se compõe de múltiplas tarefas

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE. (De acordo com o Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro)

REFLEXÃO SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE. (De acordo com o Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro) REFLEXÃO SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE (De acordo com o Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro) Ao iniciar esta reflexão convém referir, caso subsista ainda alguma dúvida,

Leia mais

Relatório sobre Actividades Subsidiadas Instruções de Preenchimento

Relatório sobre Actividades Subsidiadas Instruções de Preenchimento Relatório sobre Actividades Subsidiadas Instruções de Preenchimento Observações 1. (1) O Relatório sobre Actividades Subsidiadas é composto por duas partes: Parte A Sumário Geral do Plano Subsidiado; Parte

Leia mais

Programa de Unidades Curriculares Opcionais

Programa de Unidades Curriculares Opcionais Programa de Unidades Curriculares Opcionais Para assegurar que todos os alunos tenham acesso a UC que permitam perfazer as exigências em créditos (ECTS) de UC Opcionais dos respectivos Planos de Estudo,

Leia mais

Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X

Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X ESTABELECE UM MODELO INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E DO DESEMPENHO DE EDUCADORES E DOCENTES DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO Exposição de motivos A avaliação

Leia mais

DEPRESSÃO. Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» «Depressão?! O que é?»

DEPRESSÃO. Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» «Depressão?! O que é?» DEPRESSÃO Tristeza vs Depressão «Será que estou deprimido?» Em determinados momentos da nossa vida é normal experienciar sentimentos de «grande tristeza». Para a maioria das pessoas, tais sentimentos surgem

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS PRISIONAIS

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS PRISIONAIS QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS PRISIONAIS Dados sócio-demográficos: Género: F M Idade:... (anos) Escolaridade: Ensino Secundário Licenciatura Mestrado Doutoramento

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TÉCNICA EM REGISTROS E PRODUÇÃO DAS INFORMAÇÕES EM SAÚDE

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TÉCNICA EM REGISTROS E PRODUÇÃO DAS INFORMAÇÕES EM SAÚDE Laboratório de Educação Profissional em Informações e Registros em Saúde LIRES CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TÉCNICA EM REGISTROS E PRODUÇÃO DAS INFORMAÇÕES EM SAÚDE Nome da Unidade: Escola Politécnica de Saúde

Leia mais

ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa Serviços de Acção Social Gabinete de Aconselhamento ao Aluno

ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa Serviços de Acção Social Gabinete de Aconselhamento ao Aluno ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa Serviços de Acção Social Gabinete de Aconselhamento ao Aluno NORMAS GERAIS DE FUNCIONAMENTO 1. INTRODUÇÃO O Gabinete de Apoio ao Aluno, foi criado em Julho de 2007

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS

REGULAMENTO INTERNO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS REGULAMENTO INTERNO BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS ENTIDADE PROMOTORA: SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO ENTIDADES PARCEIRAS: MUNICÍPIO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO E CENTRO DE SAÚDE DE SOBRAL

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Art.º 1.º (Natureza e finalidade do Ensino Clínico) Art.º 2.º (Supervisão clínica dos estudantes em Ensino Clínico)

Art.º 1.º (Natureza e finalidade do Ensino Clínico) Art.º 2.º (Supervisão clínica dos estudantes em Ensino Clínico) Art.º 1.º (Natureza e finalidade do Ensino Clínico) 1) A formação no Curso de Licenciatura da ESEnfVR-UTAD privilegia a formação em alternância, requerendo experiências significativas de aprendizagem em

Leia mais

A experiência do PASSADO, as necessidades do PRESENTE a melhoria do FUTURO REUNIÃO DE TRABALHO NÚCLEOS DA ÁREA DE LISBOA

A experiência do PASSADO, as necessidades do PRESENTE a melhoria do FUTURO REUNIÃO DE TRABALHO NÚCLEOS DA ÁREA DE LISBOA A experiência do PASSADO, as necessidades do PRESENTE a melhoria do FUTURO REUNIÃO DE TRABALHO NÚCLEOS DA ÁREA DE LISBOA 04 Dez 2008 PROJECTO/PROGRAMA CUIDADOS DE SAÚDE / PTSD 2009-2012 OBJECTIVO PRINCIPAL

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA FORMADOR/A/S EM GESTÂO ADMINISTRATIVA E SECRETARIADO PARA O

Leia mais

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.)

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) É atribuição do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) no sector da

Leia mais

Formação Profissional dos Assistentes Técnicos no Centro Hospitalar do Porto, e.p.e. Oferta/Procura e Feed-back

Formação Profissional dos Assistentes Técnicos no Centro Hospitalar do Porto, e.p.e. Oferta/Procura e Feed-back Formação Profissional dos Assistentes Técnicos no Centro Hospitalar do Porto, e.p.e. Oferta/Procura e Feed-back CONTEXTO: Falta de Competências Específicas no acesso à carreira Os níveis de escolaridade

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Medidas preventivas de comportamentos agressivos/violentos de doentes - contenção física Nº: 08/DSPSM/DSPCS DATA: 25/05/07 Para: Contacto na DGS: ARS, Hospitais do SNS, Serviços Locais e Regionais

Leia mais

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância Regras&Sugestões- Formação e Consultoria, Lda. Guia de Apoio ao Formando Data de elaboração: abril de 2014 CONTACTOS Regras & Sugestões Formação e Consultoria, Lda. Av. General Vitorino laranjeira, Edifício

Leia mais

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração:

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração: EngIQ Programa de Doutoramento em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química Uma colaboração: Associação das Indústrias da Petroquímica, Química e Refinação (AIPQR) Universidade de Aveiro Universidade

Leia mais

Projeto de Música Pop e Rock

Projeto de Música Pop e Rock Projeto de Música Pop e Rock Docentes: Ângelo Cunha Paulo Bispo Teresa Laranjeira Externato Marista de Lisboa Introdução A Música é única para os seres humanos e como as outras artes, é tão básico como

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho)

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) Âmbito e Definição Artigo 1º 1. O presente documento regula

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX

REGULAMENTO INTERNO. Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX Administração Regional de Saúde d Agrupamento de Centros de Saúde XXXXXXXX REGULAMENTO INTERNO Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX Localidade Mês / Ano Índice Introdução... 3 Capítulo I: Disposições

Leia mais

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO DE PSICOPEDAGOGIA

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO DE PSICOPEDAGOGIA NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO DE PSICOPEDAGOGIA I - APRESENTAÇÃO Este manual destina-se a orientação dos procedimentos a serem adotados durante o estágio supervisionado. Procuramos ser objetivos e práticos

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Clarificação Técnica

Clarificação Técnica Clarificação Técnica Face à confusão entre Cuidados de Saúde Primários do Trabalho e cuidados diferenciados de Medicina do Trabalho A Portaria n.º 112/2014, de 23 de maio, regula a prestação de Cuidados

Leia mais

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Florin Zamfir 1, Fernando Delgado 2 e Óscar Mealha 1 1 Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

Relatório de projecto

Relatório de projecto Relatório de projecto 9ºB 2005/2006 Página 1 de 12 1) Projecto inicial O projecto proposto é fruto de uma proposta independente que se integrou num dos projectos a integrar e desenvolver na disciplina

Leia mais

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento Enquadramento Lei nº 39/2010, de 2 de Setembro «CAPÍTULO VI Mérito escolar Artigo 51.º -A Prémios de mérito 1 Para efeitos do disposto na alínea h) do artigo 13.º, o regulamento interno pode prever prémios

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CAT

REGULAMENTO INTERNO DO CAT REGULAMENTO MISERICÓRDIA DA FREGUESIA DE SANGALHOS INTERNO DO CAT CAPITULO I Norma I Natureza do Estabelecimento Tipo de Estabelecimento: Centro de Acolhimento Temporário de Crianças e Jovens em Risco

Leia mais

Centro de Apoio Psicológico e Intervenção em Crise - CAPIC DEPARTAMENTO DE EMERGÊNCIA MÉDICA

Centro de Apoio Psicológico e Intervenção em Crise - CAPIC DEPARTAMENTO DE EMERGÊNCIA MÉDICA Centro de Apoio Psicológico e Intervenção em Crise - CAPIC DEPARTAMENTO DE EMERGÊNCIA MÉDICA CENTRO DE APOIO PSICOLÓGICO E INTERVENÇÃO EM CRISE - CAPIC Apoio à população e às equipas de emergência com

Leia mais

CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO

CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO PROJECTO CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO do Hospital de Santa Maria CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO MARIA RAPOSA Todos os anos, um número crescente de crianças, dos 0 aos 18 anos de idade, são assistidas

Leia mais

GESTÃO DOCUMENTAL. Saiba como Organizar, Implementar e Gerir um Sistema de

GESTÃO DOCUMENTAL. Saiba como Organizar, Implementar e Gerir um Sistema de Pela primeira Vez em Angola! Seminário Saiba como Organizar, Implementar e Gerir um Sistema de GESTÃO DOCUMENTAL Alcance Níveis Elevados de Qualidade e Reduza Custos Operacionais e Financeiros LUANDA 28

Leia mais