NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3"

Transcrição

1 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Formação do Pessoal Docente Formação do Pessoal Não Docente Formação orientada para os alunos Formação orientada para os pais e os encarregados de educação 5 2. O PLANO DE FORMAÇÃO Os públicos - alvo 6 Pessoal Docente 6 Pessoal Não Docente 6 Alunos 7 Pais e encarregados de educação Objetivos Gerais Explicitação de necessidades e levantamento de interesses Objetivos Estratégicos e Áreas de Formação Organização da Formação Formação Externa Formação Interna Formação organizada pela Biblioteca Escolar Formação organizada pelo PES Formação organizada pelo GAAF Avaliação do Plano de Formação 13 Plano de Formação 2012/2015 Página 1

2 NOTA INTRODUTÓRIA O Plano de Formação do Agrupamento de Escolas José Cardoso Pires persegue duas finalidades: 1. Desenvolvimento pessoal e profissional de todos os que trabalham nas escolas do agrupamento: pessoal docente e pessoal não docente. 2. Desenvolvimento organizacional do agrupamento, na medida em que conjuga propostas de formação para todos os elementos presentes no processo de ensinoaprendizagem: professores, assistentes operacionais, técnicos, pais e encarregados de educação e, também, os próprios alunos. Assim, o documento base que presidiu à elaboração deste Plano de Formação foi o Projeto Educativo, no respeito por aquelas que estão identificadas como as suas áreas estruturantes, nomeadamente: Promoção do desenvolvimento integral da criança e do jovem, contribuindo para o seu crescimento harmonioso. Prevenção e tratamento dos casos de indisciplina. Promoção de estratégias para o sucesso escolar. Promoção de espaços e experiências de aprendizagem complementares. Plano de Formação 2012/2015 Página 2

3 1. ENQUADRAMENTO LEGAL A responsabilidade e obrigatoriedade de organizar um Plano de Formação em cada agrupamento de escolas/escola não agrupada estão legalmente enquadradas pelo Decreto-Lei nº 75/2008, de 22 de abril, republicado pelo Decreto-Lei nº 137/2012, de 2 de julho. A leitura destes normativos legais esclarece que, no âmbito das suas competências (Artigo 20º.2), cabe ao Diretor, ouvido o Conselho Pedagógico: b) Aprovar o plano de formação e de atualização do pessoal docente e não docente, ouvido também, no último caso o município. Os normativos determinam ainda, como competências do Conselho Pedagógico (Artigo 33º): d) Apresentar propostas e emitir parecer sobre a elaboração do plano de formação e de atualização do pessoal docente e não docente. 1.1 Formação do Pessoal Docente O Estatuto da Carreira Docente, Decreto-Lei nº 41/2012, de 21 de fevereiro, consagra como direitos profissionais, entre outros (Artigo 4º.2), na alínea b) Direito à informação e formação para o exercício da função educativa e, mais à frente (Artigo 6º.1) esclarece que este direito é garantido: a) Pelo acesso a ações de formação contínua regulares, destinadas a atualizar e aprofundar os conhecimentos e as competências profissionais dos docentes. A relevância da formação para a função docente está bem explanada no facto do Estatuto da Carreira Docente reservar todo um capítulo, o III, à temática da Formação do Pessoal Docente, começando por referenciá-la aos princípios gerais da Lei de Bases do Sistema Educativo e desenvolvendo-a (Artigos 12º a 16º) nas suas componentes de Formação inicial, Formação especializada, Formação contínua e Ações de formação contínua. O diploma legal que regulamenta a Avaliação do Desempenho Docente, o Decreto Regulamentar nº 26/2012, de 21 de Fevereiro, procede ao desenvolvimento dos princípios que presidiram ao estabelecimento de um novo regime para esta avaliação e assume (Artigo 4º) a Formação contínua e desenvolvimento profissional como uma das suas dimensões, a par da Científica e pedagógica e da Participação na escola e relação com a comunidade. Plano de Formação 2012/2015 Página 3

4 1.2 Formação do Pessoal Não Docente Quanto à necessidade de organizar e garantir um plano de formação para o pessoal não docente, o Estatuto Específico do Pessoal Técnico-profissinal, Administrativo e de Apoio Educativo dos Estabelecimentos Públicos de Educação Pré-escolar e dos Ensinos Básico e Secundário, Decreto-Lei nº 184/2004, de 29 de julho, determina (Artigo 4º) como sendo um dever específico: e) Participar em acções de formação, nos termos da lei, e empenhar-se no sucesso das mesmas. Este diploma legal agrega à Formação do Pessoal Não Docente uma oferta de formação inicial e formação contínua (Artigo 30º). Também o Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho da Administração Pública SIADAP (Lei nº 66-B/2007, de 28 de Dezembro) estabelece como objetivos globais do SIADAP (Artigo 6º): c) Identificar as necessidades de formação e desenvolvimento profissional adequadas à melhoria do desempenho dos serviços dos dirigentes e dos trabalhadores; d) Promover a motivação e o desenvolvimento das competências e qualificações dos dirigentes e trabalhadores, favorecendo a formação ao longo da vida. 1.3 Formação orientada para os alunos Artigo 39º. 2 A escola é o espaço coletivo de salvaguarda efetiva do direito à educação, devendo o seu funcionamento garantir plenamente aquele direito. Estatuto do Aluno e da Ética Escolar O Estatuto do Aluno e da Ética Escolar, Lei nº 51/2012, de 5 de setembro, consagra no seu Artigo 39º, como responsabilidade dos membros da comunidade educativa, a salvaguarda efetiva do direito à educação e à igualdade de oportunidades no acesso à escola, bem como a promoção de medidas que visem o empenho e o sucesso escolares, a prossecução integral dos objetivos dos referidos projetos educativos, incluindo os de integração sociocultural, e o desenvolvimento de uma cultura de cidadania capaz de fomentar os valores da pessoa humana, da democracia e exercício responsável da liberdade individual e do cumprimento dos direitos e deveres que lhe estão associados. Plano de Formação 2012/2015 Página 4

5 1.4 Formação orientada para os pais e os encarregados de educação Artigo 43º. 1 Aos pais ou encarregados de educação incumbe uma especial responsabilidade, inerente ao seu poder-dever de dirigirem a educação dos seus filhos e educandos nos interesses destes e de promoverem ativamente o desenvolvimento físico, intelectual e cívico dos mesmos. Estatuto do Aluno e da Ética Escolar A Lei nº 51/2012, de 5 de setembro confere aos pais ou encarregados de educação obrigações acrescidas no desempenho dos seus papéis de educadores, consagrando como suas responsabilidades: a) Acompanhar ativamente a vida escolar do seu educando; b) Promover a articulação entre a educação na família e o ensino na escola; d) Contribuir para a criação e execução do projeto educativo e do regulamento interno da escola e participar na vida da escola. Plano de Formação 2012/2015 Página 5

6 2. O PLANO DE FORMAÇÃO 2.1 Os públicos - alvo Só ensina quem aprende e quem aprende, ensina. Paulo Freire Este Plano de Formação foi estruturando a partir da noção de que a Escola é uma realidade global e complexa, formadora e integradora de todos os que nela desempenham os seus papéis. Partindo desta constatação, no Plano de Formação estão identificados quatro gruposalvo: Pessoal Docente A relevância da formação para o desenvolvimento profissional dos docentes é, por isso só, já uma certeza. Uma formação ajustada à realidade do território educativo representa uma mais-valia para os seus papéis como professor, não só porque conduz a uma melhoria das suas práticas, reforçando a sua função de mediador nas aprendizagens dos seus alunos, como o ajuda a preparar-se para responder adequadamente às solicitações do seu quotidiano pedagógico, ajustando a sua função docente às experiências sociais dos contextos onde trabalha. O sentido desta formação reconhece-se não só pela valorização dos conhecimentos formais e científicos, mas também pela procura de uma adequação das práticas formativas aos contextos profissionais dos docentes. Pessoal Não Docente O conceito de uma escola que se pretende inclusiva faz repensar o papel e as funções do pessoal não docente nos estabelecimentos de ensino. Nas dinâmicas de uma escola que se quer para todos os assistentes operacionais deixaram de ser apenas aqueles que tratam da limpeza e do apoio logístico. O seu contacto diário com as crianças e os alunos nos pátios e recreios confere-lhes uma posição privilegiada na observação de comportamentos, pelo que é necessário proporcionar-lhes um reforço de informação e de formação em áreas como a Educação para a Saúde, as Necessidades Educativas Especiais e a Gestão de conflitos / Relações interpessoais, capacitando-os não só para intervir mais positivamente na resolução de problemas, mas também para uma melhor compreensão da relação Escola Família. Quanto aos assistentes técnicos, uma melhoria da qualidade do seu serviço e das técnicas de atendimento ao público são fatores que ajudam a determinar o clima de escola e as relações com a comunidade. Plano de Formação 2012/2015 Página 6

7 Alunos O Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas José Cardoso Pires estabelece, como uma das suas áreas estruturantes a Promoção do desenvolvimento integral da criança e do jovem, contribuindo para o seu crescimento harmonioso. Ao entender a formação do aluno nesta perspetiva global, é possível considerar que os contributos que o trabalho escolar traz para o seu desenvolvimento integral se efetivam na consolidação das aprendizagens específicas e curriculares, mas também no aperfeiçoamento de capacidades, atitudes e valores nos domínios social e afetivo, nomeadamente aquelas que se relacionam com a qualidade dos comportamentos, pessoais e coletivos. Pais e encarregados de educação A efetividade das relações que as escolas conseguirem estabelecer com as famílias e a comunidade pode e deve ser medida pela continuidade no acompanhamento, por parte dos pais e encarregados de educação, do percurso escolar dos seus filhos e educandos. Assim, e reconhecendo a importância do contexto familiar para o desenvolvimento integral das crianças e dos jovens, o conjunto de propostas que se apresentam como sendo de formação orientada para os pais e encarregados de educação visa guiar as famílias na educação e desenvolvimento dos seus educandos, conferindo-lhes mais ferramentas para, em conjunto com os professores e técnicos que trabalham nas escolas, ajudá-los a cumprir com sucesso os seus percursos escolares e educativos. 2.2 Objetivos Gerais 1. Promover o desenvolvimento profissional do Pessoal Docente. 2. Promover o desenvolvimento profissional do Pessoal Não Docente. 3. Promover junto da comunidade discente o gosto e a prática da leitura autónoma. 4. Promover junto da comunidade discente hábitos e estilos de vida saudável. 5. Promover junto dos pais e encarregados de educação práticas de interação com a escola. A definição dos objetivos gerais deste Plano de Formação concretiza-se a partir do seu cruzamento com os objetivos gerais do Projeto Educativo. Deste modo, é possível reforçar Plano de Formação 2012/2015 Página 7

8 entre estes dois documentos estruturantes uma relação equilibrada e complementar, porque os seus objetivos se servem reciprocamente. Quadro 1. Cruzamento dos Objetivos Gerais do Plano de Formação com o Projeto Educativo PÚBLICO-ALVO Pessoal Docente PLANO DE FORMAÇÃO 1. Promover o desenvolvimento profissional do Pessoal Docente. Cruzamento dos Objetivos Gerais PROJETO EDUCATIVO Objetivo 1 Aumentar o sucesso escolar dos alunos, em relação à evolução média dos resultados por disciplina, atendendo ao contexto socioeducativo das turmas e/ou anos. Objetivo 4 Contribuir para a resolução dos conflitos nas relações interpessoais. Pessoal Não Docente Alunos Pais e encarregados de educação 2. Promover o desenvolvimento profissional do Pessoal Não Docente. 3. Promover junto da comunidade discente o gosto e a prática da leitura autónoma. 4. Promover junto da comunidade discente hábitos e estilos de vida saudável. 5. Promover junto dos pais e encarregados de educação práticas de interação com a escola. Objetivo 5 Fomentar o trabalho colaborativo entre os docentes. Objetivo 4 Contribuir para a resolução dos conflitos nas relações interpessoais. Objetivo 6 Promover um bom ambiente entre todos os intervenientes na vida escolar. Objetivo 2 Desenvolver a aprendizagem do Português padrão, pelos alunos de Português Língua Não Materna. Objetivo 4 Contribuir para a resolução dos conflitos nas relações interpessoais. Objetivo 7 Promover a Saúde, a Segurança e a Higiene na Escola. Objetivo 8 Estreitar as relações com a comunidade. Objetivo 9 Envolver os Encarregados de Educação na vida das escolas do agrupamento. Plano de Formação 2012/2015 Página 8

9 2.3 Explicitação de necessidades e levantamento de interesses A problematização das situações, feita em contexto pelos vários intervenientes no processo formativo constitui a chave para o desenvolvimento de modalidades de formação centradas na escola. Rui Canário A matriz que preside a este Plano de Formação é a de que qualquer formação deve estar ajustada à realidade do agrupamento de escolas, afecta ao cumprimento dos objetivos gerais do seu Projeto Educativo. Da mesma maneira, as experiências informais de formação interna trazem um valor acrescentado à formação, não só porque são as pessoas nas escolas os seus principais recursos formativos, mas também porque são as respostas mais ajustadas às situações / problemas com que as escolas se deparam quotidianamente. 2.4 Objetivos Estratégicos e Áreas de Formação A contextualização deste Plano de Formação está patente nas áreas de formação que se pretendem desenvolver e que surgem da definição dos objetivos estratégicos apontados para o Plano de Formação. Quadro 2. Objetivos Estratégicos e Áreas de Formação Pessoal Docente Objetivo Geral do PLANO DE FORMAÇÃO Promover o desenvolvimento profissional do Pessoal Docente Objetivos estratégicos 1.1 Melhorar os resultados escolares dos alunos 1.2 Melhorar a qualidade das aprendizagens dos alunos 1.3 Melhorar a qualidade das relações entre professores e alunos Áreas de formação Coadjuvação e Diferenciação Pedagógica Gestão de conflitos e indisciplina Plano de Formação 2012/2015 Página 9

10 Pessoal Não Docente Objetivo Geral do PLANO DE FORMAÇÃO Promover o desenvolvimento profissional do Pessoal Não Docente Objetivos estratégicos 2.1 Melhorar a qualidade do trabalho dos assistentes operacionais 2.2 Melhorar a qualidade e a funcionalidade dos serviços técnicos e administrativos Áreas de formação Gestão comportamental e comunicação pedagógica na relação com crianças e alunos Trabalho com crianças e alunos com necessidades educativas especiais Área administrativa e de atendimento ao público Alunos Objetivos Gerais do PLANO DE FORMAÇÃO Promover junto da comunidade discente o gosto e a prática da leitura autónoma Objetivos estratégicos Áreas de formação 3.1 Formar utilizadores no uso dos Literacia da Informação recursos bibliográficos Promover junto da comunidade discente hábitos e estilos de vida saudável Objetivos estratégicos 4.1 Promover atitudes saudáveis na adolescência, prevenindo comportamentos de risco 4.2 Prevenir situações de violência e abuso físico e social Áreas de formação Educação para a Saúde Violência em contexto escolar Pais e encarregados de educação Objetivo Geral do PLANO DE FORMAÇÃO Promover junto dos pais e encarregados de educação práticas de interação com a escola Objetivos estratégicos 5.1 Aproximar os pais e encarregados de educação da escola e da vida dos seus educandos Áreas de formação Competências parentais Plano de Formação 2012/2015 Página 10

11 2.5 Organização da Formação Formação Externa O Agrupamento de Escolas José Cardoso Pires integra duas redes de formação, que creditam a oferta de formação para Pessoal Docente e Pessoal Não Docente: Centro de Formação da Associação de Escolas do Concelho da Amadora (CFAECA) A oferta e organização de formação creditada para o Pessoal Docente e para o Pessoal Não Docente são da responsabilidade do CFAECA. Faz ainda parte do CFAECA a Câmara Municipal da Amadora, entidade promotora da oferta de formação dirigida ao pessoal não docente. Instituto Superior de Ciências do Trabalho e Empresa Instituto Universitário de Lisboa No âmbito do Programa TEIP 3 TERRITÓRIOS EDUCATIVOS DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA o plano de acompanhamento do perito externo do ISCTE IUL prevê a realização de ações de formação / sensibilização para o Pessoal Docente em temáticas que integram as áreas de formação propostas neste plano: - Gestão de conflitos e indisciplina - Gestão da diversidade cultural e étnica - Gestão de equipas / lideranças intermédias - Gestão da aprendizagem no Primeiro Ciclo - Matemática Formação Interna Potenciando os recursos humanos internos, estão programadas uma série de atividades, dirigidas a alunos e a pais e encarregados de educação, da responsabilidade de formadores internos, nomeadamente a Professora Bibliotecária, a professora responsável pelo Programa Educação para a Saúde e a equipa do Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família (GAAF). Estas atividades estão integradas no Plano Anual de Atividades. Plano de Formação 2012/2015 Página 11

12 Formação organizada pela Biblioteca Escolar Quadro 3. Área de formação Literacia da Informação Destinatários Temáticas Recursos internos Alunos Utilização autónoma do fundo documental Professora bibliotecária Recursos externos Parceiros Rede de Bibliotecas Escolares Para além das sessões de trabalho em biblioteca com os alunos, realizam-se ações de literação da informação para professores, com o objetivo de os capacitar para uma utilização autónoma das bibliotecas nas escolas de Primeiro Ciclo com Jardim-de-Infância. Destinatários Temática Recursos externos Parceiros Educadoras de Infância Professores do Primeiro Ciclo Utilização autónoma do fundo documental para o trabalho com as turmas Rede de Bibliotecas Escolares A Biblioteca Escolar produz e disponibiliza para alunos e professores tutoriais, que correspondem a ferramentas de literacia de informação, para apoio a uma eficaz utlização dos espaços de biblioteca escolar, mas também de apoio ao desenvolvimento do currículo Formação organizada pelo PES Quadro 4. Área de formação Educação para a Saúde Destinatários Temáticas Recursos internos Alunos Prevenção do uso de substâncias psicoativas Prevenção de comportamentos de risco na adolescência VIH / SIDA Alcoolismo GAAF Recursos externos Parceiros Centro de Respostas integradas de Lisboa Ocidental Unidade de Cuidados da Comunidade Associação Abraço Associação Alcoólicos Anónimos Complementarmente à formação orientada para os alunos, o PES desenvolve um programa de formação na área da Educação para a Saúde, com o objetivo de estabelecer um guião de linhas orientadoras, adequado ao trabalho posterior com grupos identificados como de maior risco (prevenção seletiva): Plano de Formação 2012/2015 Página 12

13 Destinatários Temática Recursos externos Parceiros Coordenador dos diretores de turma Diretor do curso CEF Técnicos do GAAF Responsável pelos assistentes operacionais Chefe de segurança Prevenção do uso de substâncias psicoativas Equipa de Prevenção do Centro de Respostas Integradas de Lisboa ocidental Formação organizada pelo GAAF Quadro 5. Área de formação Violência em contexto escolar Destinatários Temáticas Recursos internos Alunos Bullying Equipa GAAF Recursos externos Parceiros Quadro 6. Área de formação Competências parentais Destinatários Temáticas Recursos internos Pais e encarregados de educação Acompanhamento escolar dos educandos Equipa GAAF Recursos externos Parceiros 2.6 Avaliação do Plano de Formação O Plano de Formação, que ao acompanhar o Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas José Cardoso Pires fica definido até 2014/2015, pode, e deve, ser sempre atualizado em função dos recursos e ofertas disponíveis. A sua avaliação deve ser contínua e, no final de cada ano letivo, em reunião de Conselho Pedagógico, conjuntamente com a avaliação do Plano Anual de Atividades, devem ser ponderadas as eventuais alterações. Sem prejuízo de outras propostas, compete à Diretora a apresentação do relatório final de execução do Plano de Formação, para o qual serão considerados os seguintes elementos: - relatórios das atividades de formação integradas no Plano Anual de Atividades - grau de satisfação dos envolvidos nas ações de formação Plano de Formação 2012/2015 Página 13

14 NOTA FINAL Este Plano de Formação foi apresentado em reunião de Conselho Pedagógico realizada a 12 de dezembro de 2012, tendo merecido a concordância de todos os conselheiros. Amadora, 12 de Dezembro de 2012 A Diretora Cristina Maria Bento Madaleno Plano de Formação 2012/2015 Página 14

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PRADO Plano Estratégico de Melhoria 2014/2017 O Plano de Melhoria da Escola é um instrumento fundamental para potenciar o desempenho

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2014.2018

REGULAMENTO INTERNO 2014.2018 REGULAMENTO INTERNO 2014.2018 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MANUEL TEIXEIRA GOMES PORTIMÃO 0 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS 4 5 SECÇÃO I DEFINIÇÃO E DISPOSIÇÕES GERAIS 6 SECÇÃO II

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO PESSOAL DOCENTE E PESSOAL NÃO DOCENTE

PLANO DE FORMAÇÃO PESSOAL DOCENTE E PESSOAL NÃO DOCENTE PLANO DE FORMAÇÃO PESSOAL DOCENTE E PESSOAL NÃO DOCENTE Compreendemos a necessidade de olhar a mudança num duplo movimento de integração - endógeno e exógeno: Bolívar (2007:28) As mudanças devem assim

Leia mais

Externato Académico. Projeto Educativo

Externato Académico. Projeto Educativo Externato Académico Projeto Educativo 2015-2018 Índice 1. Introdução... 3 2. Caracterização... 4 2.1. Recursos materiais e educativos... 5 3. Princípios orientadores... 7 3.1.Missão, Visão, Objetivos e

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª

PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª Cria o Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Exposição de motivos A Escola defronta-se hoje com uma multiplicidade de tarefas a que a sociedade e principalmente

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 O presente relatório traduz a avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/Santa Cruz do

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja Regulamento Interno 2014 1. A 1.1. Definição de A é um recurso básico do processo educativo, cabendo-lhe um papel central em domínios tão importantes como: (i) a aprendizagem

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 21 de julho de 2014. Série. Número 132

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 21 de julho de 2014. Série. Número 132 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 21 de julho de 2014 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Despacho n.º 196/2014 Aprova o Calendário Escolar dos estabelecimentos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s S a n t o s S i m õ e s Regulamento Interno Serviço de Educação Especial 1 Artigo 1.º Definição 1.1. O Presente documento define e regula o funcionamento e a missão

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Cuba. Plano de Formação

Agrupamento de Escolas de Cuba. Plano de Formação Agrupamento de Escolas de Cuba Plano de Ano Letivo de 2012/2013 Índice Introdução... 3 1- Departamento curricular da educação pré-escolar... 6 2- Departamento curricular do 1º ciclo... 6 3- Departamento

Leia mais

SECÇÃO IV PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO: PARTICIPAÇÃO NO AGRUPAMENTO DE

SECÇÃO IV PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO: PARTICIPAÇÃO NO AGRUPAMENTO DE SECÇÃO IV PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO: PARTICIPAÇÃO NO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Artigo 74.º Direitos dos pais e encarregados de educação São direitos dos pais e encarregados de educação: a) Participar

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES STEDIM 2015

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES STEDIM 2015 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES STEDIM 2015. Serviço Técnico de Educação para a Deficiência Intelectual e Motora Direção Regional de Educação e Recursos Humanos Região Autónoma da Madeira Caminho de Santo António,

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015 1 PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO Psicólogas do Externato Pré-Escolar Dra. Irene Lopes Cardoso 1º Ciclo - (1º e 2º anos) Dra. Irene Lopes Cardoso (3º e 4º anos) Dra. Manuela Pires

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES Agrupamento de Escolas Elias Garcia 2013/2016 1 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2013/2016 O Plano Plurianual de Atividades (PPA) constitui um dos documentos de autonomia,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA Escola Básica e Secundária do Levante da Maia PLANO DE OCUPAÇÃO PLENA DE TEMPOS ESCOLARES 2013-2017 Crescer, Saber e Ser Página 0 (Anexo I) ÍNDICE I. Nota Introdutória

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE COMISSÃO PARA A CIDADANIA E A IGUALDADE DE GÉNERO MUNICÍPIO DO BARREIRO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE COMISSÃO PARA A CIDADANIA E A IGUALDADE DE GÉNERO MUNICÍPIO DO BARREIRO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE COMISSÃO PARA A CIDADANIA E A IGUALDADE DE GÉNERO E MUNICÍPIO DO BARREIRO 1 Entre: O Município do Barreiro pessoa coletiva de direito público com o nº 506673626 com sede no

Leia mais

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO AE de maximinos EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO 2012/2013 Equipa de Autoavaliação Alcina Pires Ana Paula Couto Antonieta Silva António Rocha Beatriz Gonçalves José Pedrosa Paula Mesquita

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro Escola Sede: E.B. 2,3 de Pegões 1. FUNCIONAMENTO DO SPO Desenvolve o seu trabalho com base em atribuições e competências legais, adaptadas ao contexto

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo X Regulamento do Mérito Escolar Artigo 1.º Prémios de valor, mérito e excelência 1. Para efeitos do disposto na alínea h) do ponto 1 do artigo 7.º, conjugado

Leia mais

Formulário de Candidatura Nº de entrada /2015

Formulário de Candidatura Nº de entrada /2015 Formulário de Candidatura Nº de entrada /2015 INFORMAÇÃO GERAL Antes de começar a preencher o presente formulário de candidatura, por favor leia o regulamento do CONCURSO CUIDAR 15, disponível no sítio

Leia mais

A qualidade humana e pedagógica que carateriza o Externato Eduarda Maria está associada aos seguintes fatores:

A qualidade humana e pedagógica que carateriza o Externato Eduarda Maria está associada aos seguintes fatores: PROJETO EDUCATIVO 2 Índice 1 Introdução 2 Quem Somos 2.1 O Externato Eduarda Maria 2.2 - Caraterização do Colégio 2.2.1 Caraterização Humana 2.2.2 Caraterização Física 2.2.3 Organização Estrutural 3 Projeto

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013/2015

PLANO DE AÇÃO 2013/2015 PLANO DE AÇÃO 2013/2015 INTRODUÇÃO: Os planos de formação previstos na alínea b) do n.º 2 do artigo 20.º e na alínea d) do artigo 33.º, ambos do Decreto -Lei n.º 75/2008, de 22 de Abril, devem conter,

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR COORDENADOR: Vanda Teixeira 1. FUNDAMENTAÇÃO/ CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICAÇÃO a) O Desporto Escolar constitui uma das vertentes de atuação do Ministério da Educação e Ciência com maior transversalidade

Leia mais

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Regulamento Interno 2013/14 2016/17 Índice INTRODUÇÃO... 6 ORGANIGRAMA... 7 Constituição do Agrupamento... 7 Comunidade Educativa... 7 Órgãos de Administração

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Artigo 1º Objectivo e Âmbito 1. Os (SPO) constituem um dos Serviços Técnico-Pedagógicos previsto no artigo 25º alínea a) do Regulamento Interno

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 233/XII

PROPOSTA DE LEI N.º 233/XII PROPOSTA DE LEI N.º 233/XII PLANO NACIONAL DE AÇÃO PARA OS DIREITOS DA CRIANÇA As crianças são encaradas como sujeitos de direitos, a partir do momento em que o seu bem-estar é concebido como uma consequência

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X

Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X Grupo Parlamentar ANTE-PROJECTO DE LEI N.º /X ESTABELECE UM MODELO INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E DO DESEMPENHO DE EDUCADORES E DOCENTES DO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO Exposição de motivos A avaliação

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR ANO LETIVO 2013/2014 Departamento do Pré- Escolar 2013/2014 Page 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Introdução A avaliação em educação é um elemento integrante

Leia mais

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação ÍNDICE 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA 3.1 História 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Processos 4.2 Requisitos da Documentação 4.3 Controlo dos

Leia mais

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio:

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio: Projeto Educativo Creche Humanus C.A.M. 1 de 11 Índice Introdução... 3 Quem somos?...3 As Dimensões do Projeto Educativo Dimensão Global da Criança.. 5 Dimensão Individual.... 6 Dimensão das Aquisições..

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

Plano de Gestão do Risco (2013-2015)

Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Camões, I.P. Janeiro de 2013 Lisboa, janeiro de 2013 Camões, Instituto da Cooperação e da Língua Av. da Liberdade, 270 1250-149 Lisboa 1 Índice Índice... 2 Acrónimos...

Leia mais

NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL

NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL CONSELHO MUNICIPAL Conselho Municipal de Educação de Praia Grande DELIBERAÇÃO Nº 02/2001 Normas regimentais básicas para as Escolas de Educação Infantil. NORMAS REGIMENTAIS BÁSICAS PARA AS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE MESTRADO QUE CONFEREM HABILITAÇÃO PROFISSIONAL PARA A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO O presente regulamento estabelece o enquadramento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RUY BELO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RUY BELO PLANO DE FORMAÇÃO 1 PLANO DE FORMAÇÃO Índice Introdução 4 Pressupostos teóricos 5 Enquadramento legal 7 Âmbito da formação (objetivos) 9 Docentes Não docentes Pais e encarregados de educação Levantamento

Leia mais

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Regulamentos CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Secção Permanente do Senado de 16 de Novembro de 2005 Exposição de Motivos O desenvolvimento de um projecto de qualidade educativa

Leia mais

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS ESTATUTO DO ALUNO DIREITOS E DEVERES - LEI 39/2010, DE 2 DE SETEMBRO Artigo 7.º Responsabilidade dos alunos 1. Os alunos são responsáveis, em termos adequados à sua idade e capacidade de discernimento,

Leia mais

REVISÃO - ANEXO XII REGULAMENTO INTERNO CURSOS VOCACIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO

REVISÃO - ANEXO XII REGULAMENTO INTERNO CURSOS VOCACIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO REVISÃO - ANEXO XII REGULAMENTO INTERNO CURSOS VOCACIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO PREÂMBULO Este regulamento é um documento orientador, de cariz predominantemente pedagógico, que especifica as normas que

Leia mais

ESTATUTOS DA ESCOLA PROFISSIONAL DE HOTELARIA DE FÁTIMA 2014/2015 P01

ESTATUTOS DA ESCOLA PROFISSIONAL DE HOTELARIA DE FÁTIMA 2014/2015 P01 P01 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Constituição e Denominação 1. A Escola Profissional de Hotelaria de Fátima, adiante designada por EHF ou Escola, foi criada em 1993, então designada como Pólo

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 2 de julho de 2014. Série. Número 99

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 2 de julho de 2014. Série. Número 99 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 2 de julho de 2014 Série Sumário ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DAMADEIRA Resolução da Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira

Leia mais

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2.

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2. Projecto de Avaliação do Desempenho Docente Preâmbulo ( ) Artigo 1.º Objecto O presente diploma regulamenta o sistema de avaliação do desempenho do pessoal docente estabelecido no Estatuto da Carreira

Leia mais

Normas e Critérios Gerais de Avaliação. Cursos Profissionais

Normas e Critérios Gerais de Avaliação. Cursos Profissionais Normas e Critérios Gerais de Avaliação Cursos Profissionais O formador deve orientar toda a sua atividade didática no sentido de promover o sucesso educativo do formando através de planificações contextualizadas,

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Plano Anual de Atividades 2015/ 2016 Ser,Intervir e Aprender PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º2; EB1 com JI da Serra das Minas

Leia mais

CARTA DOS DIREITOS DO CLIENTE

CARTA DOS DIREITOS DO CLIENTE CARTA DOS DIREITOS DO CLIENTE 2010 APRESENTAÇÃO A gestão da qualidade das organizações da economia social inspira-se em orientações normativas, corporizadas em Normas da Qualidade internacionalmente reconhecidas,

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal REGULAMENTO DO SERVIÇO DE COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ ESCOLAR E DO SERVIÇO DE REFEIÇÕES NO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO, DE GESTÃO DIRECTA DO MUNICÍPIO DE LEIRIA Aprovado em reunião de Câmara a 30

Leia mais

A Formação Contínua de Professores: uma Leitura do Decreto- Lei 22/2014

A Formação Contínua de Professores: uma Leitura do Decreto- Lei 22/2014 Casanova, M. P. (2015). A Formação Contínua de Professores: uma leitura do Decreto-Lei 22/2014. In A Formação Continua na Melhoria da Escola. Revista do CFAECA. Almada: CFAECA (pp. 12-18). In http://issuu.com/almadaformarevista/docs/9forma

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

Carta de Missão. (Portaria nº 266/2012, de 30 de agosto)

Carta de Missão. (Portaria nº 266/2012, de 30 de agosto) Carta de Missão (Portaria nº 266/2012, de 30 de agosto) Nome Germano António Alves Lopes Bagão Escalão: 8º Escola Professor do quadro da EBI Frei António das Chagas, do Agrupamento de Escolas de Vidigueira

Leia mais

Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15

Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15 Agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15 A prática da cidadania constitui um processo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Ano Letivo 2015/16

REGIMENTO INTERNO Ano Letivo 2015/16 Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família REGIMENTO INTERNO Ano Letivo 2015/16 Introdução O Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família, doravante designado GAAF, resulta de uma proposta de reestruturação, pelos

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. Departamento de Expressões Educação Especial

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. Departamento de Expressões Educação Especial CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de Expressões Educação Especial INTRODUÇÃO A Educação Especial, através dos Docentes de Educação Especial (DEE), intervêm na realidade escolar, realizando ações diversificadas

Leia mais

Quadros de Valor e de Excelência. C e n t r o d e E s t u d o s d e F á t i m a. Regulamento dos Quadros de Valor e de Excelência

Quadros de Valor e de Excelência. C e n t r o d e E s t u d o s d e F á t i m a. Regulamento dos Quadros de Valor e de Excelência Quadros de Valor e de Excelência C e n t r o d e E s t u d o s d e F á t i m a Regulamento dos Quadros de Valor e de Excelência Centro de Estudos de Fátima Regulamento dos Quadros de Valor e de Excelência

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Departamento da Educação Pré Escolar CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Introdução A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática

Leia mais

5ª Conferência Internacional de Educação Financeira

5ª Conferência Internacional de Educação Financeira A Educação Financeira nas Escolas: O Referencial de Educação Financeira e a formação de docentes 5ª Conferência Internacional de Educação Financeira Perspetivas e reflexões: por uma cidadania ativa Educação

Leia mais

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PRINCÍPIOS Caráter holístico e contextualizado do processo de desenvolvimento e aprendizagem da criança; Coerência entre os processos de avaliação e os princípios subjacentes

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

I SÉRIE - N.º 16-18-4-2002

I SÉRIE - N.º 16-18-4-2002 466 Decreto Legislativo Regional n.º 13/2002/A de 12 de Abril Organização e funcionamento do sistema de reconhecimento e validação de competências e da educação e formação de adultos A Lei de Bases do

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO Agrupamento Vertical de Escolas São Vicente/Telheiras (171931) PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO 2009 2012 Sede: ESCOLA BÁSICA 2, 3 DE TELHEIRAS Nª 2 Rua Fernando Namora 1600-454 LISBOA Telef.: 217121260

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

Direitos e Deveres dos Alunos e Pais / Encarregados de Educação

Direitos e Deveres dos Alunos e Pais / Encarregados de Educação ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS CÓNEGO JOÃO JACINTO GONÇALVES DE ANDRADE Morada: Estrada da Lapa, 9350-079 Campanário Contactos: Correio Eletrónico: eb23jjgandrade@madeira-edu.pt Telefone: 291950310 Fax:

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Maio 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) Edição e propriedade

Leia mais

Programa Municipal de Apoio aos Projetos Socioeducativos Eixo1: Plano Anual de Atividades FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano Letivo 2013-2014

Programa Municipal de Apoio aos Projetos Socioeducativos Eixo1: Plano Anual de Atividades FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano Letivo 2013-2014 Programa Municipal de Apoio aos Projetos Socioeducativos Eixo1: Plano Anual de Atividades FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano Letivo 2013-2014 1. Identificação agrupamento de escolas Identificação: Agrupamento

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

Critérios de avaliação dos alunos Abrangidos pela Educação Especial

Critérios de avaliação dos alunos Abrangidos pela Educação Especial Critérios de avaliação dos alunos Abrangidos pela Educação Especial ANO LETIVO 2013-2014 Departamento de Educação Especial Proposta Ano Letivo 2013-2014 Avaliação dos alunos com NEE de carácter permanente,

Leia mais

ANEXO XII REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO SECUNDÁRIO

ANEXO XII REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO SECUNDÁRIO ANEXO XII REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO SECUNDÁRIO PREÂMBULO Este regulamento constitui-se como um documento orientador, de cariz predominantemente pedagógico, que específica as normas que

Leia mais

Lei n.º 21/2008 de 12 de Maio

Lei n.º 21/2008 de 12 de Maio Lei n.º 21/2008 de 12 de Maio Primeira alteração, por apreciação parlamentar, ao Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de Janeiro, que define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

Regimento. do Conselho Municipal de Educação. município, garantir o adequado ordenamento da rede educativa nacional e municipal;

Regimento. do Conselho Municipal de Educação. município, garantir o adequado ordenamento da rede educativa nacional e municipal; Regimento do Conselho Municipal de Educação Ao abrigo do artigo 8º do Decreto-Lei nº 7/2013, de 15 de janeiro, alterado pela Lei nº 41/2003, de 22 de agosto (objeto da Declaração de Retificação nº 13/2003,

Leia mais

CENTRO DE APOIO FAMILIAR E ACONSELHAMENTO PARENTAL

CENTRO DE APOIO FAMILIAR E ACONSELHAMENTO PARENTAL CENTRO DE APOIO FAMILIAR E ACONSELHAMENTO PARENTAL REGULAMENTO INTERNO CENTRO SOCIAL DA PARÓQUIA DE MIRAGAIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I (Objeto) O Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental,

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DO AGRUPAMENTO

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DO AGRUPAMENTO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DO AGRUPAMENTO Pré-Escolar, 1º, 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico, Cursos de Educação Formação e Cursos EFA Ano letivo 2012/2013 1 I - CARATERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO 1- Contexto sociocultural

Leia mais

REGIMENTO Interno Avaliação De Desempenho Docente

REGIMENTO Interno Avaliação De Desempenho Docente REGIMENTO Interno Avaliação De Desempenho Docente ÍNDICE Artigo 1.º Disposições iniciais e princípios gerais 3 Artigo 2.º Docentes avaliados 4 Artigo 3.º Momento em que ocorre a avaliação de desempenho

Leia mais

Agrupamento de Escolas Venda do Pinheiro 121423. Regulamento Interno 2013/2017

Agrupamento de Escolas Venda do Pinheiro 121423. Regulamento Interno 2013/2017 Agrupamento de Escolas Venda do Pinheiro 121423 Regulamento Interno 2013/2017 Conselho Geral, 16 de janeiro de 2014 Alterações introduzidas a 10 de setembro de 2014 Alterações introduzidas a 15 de dezembro

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO E A CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO E A CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO E A CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ Entre: O MUNICÍPIO DA LOUSÃ, pessoa coletiva n.º 501121528, com sede na Vila da Lousã, neste

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e G u i a - P o m b a l

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e G u i a - P o m b a l 2014/2018 ÍNDICE ÍNDICE...2 PREÂMBULO...3 Capítulo I...3 Disposições Gerais...3 Artigo 1.º - Âmbito de aplicação...3 Artigo 2.º - Objeto...3 Artigo 3.º - Composição...3 Artigo 4.º - Designação dos representantes...3

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 JULHO 2015 1. Enquadramento. O presente Plano Estratégico para o ano 2015-2016, dá cumprimento ao disposto no artigo 15.º do Despacho Normativo n.º6/2014, de 26 de maio. Apresentam-se

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos (COD. 172145) PLANO DE MELHORIA 2012/2013

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos (COD. 172145) PLANO DE MELHORIA 2012/2013 Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos (COD. 172145) PLANO DE MELHORIA 2012/2013 (reformulado após a reunião de Peagógico de 13/03/2013 Áreas de melhoria 1. Melhorar a disciplina 1.1 Sensibilização

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA Julho de 2012 Rua da Verónica, 37, 1170-384 Lisboa Tel: 218860041/2 Fax: 218868880 Email: geral@aegv.pt INDICE I. Introdução. 3 II. Ponto de partida.....

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

REGIMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE REGIMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Artigo 1.º Disposições iniciais e princípios gerais 1. A avaliação do desempenho docente funciona nos termos do disposto no quadro de referência constituído

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO

ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO Setembro 2013 ...A condição humana devia ser o objecto essencial de todo o ensino. (M.O. Mourin 2000) Índice 1-Introdução... 3 2 Caracterização do Meio...

Leia mais

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L.

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de 2010/2011 Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de de Pessoal Docente e Não Docente 2010/11 INTRODUÇÃO O Plano de do Instituto de S. Tiago surge da cooperação entre todas as

Leia mais

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9 COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO REGULAMENTO Serviços de Psicologia e de Orientação INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA nep.010.1 Página 1 de 9 Índice Índice... 2 1. Definição dos Serviços... 3 2.Objectivos....3

Leia mais

Bolsa de Avaliadores Externos

Bolsa de Avaliadores Externos 1. Conceito Bolsa de Avaliadores Externos Regulamento Anexo 2, ata 6/12 A Bolsa de Avaliadores Externos (BAE) do Centro de Formação Francisco de Holanda é o conjunto de avaliadores responsáveis pela avaliação

Leia mais

Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento

Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento Informações Gerais Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento 1. Educação pré escolar Objetivos da educação pré escolar Oferta educativa: *Componente letiva *Componente não letiva (CAF) Ocupação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS 1 Índice

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE 2014/2015. Regulamento dos Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE 2014/2015. Regulamento dos Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE 2014/2015 Regulamento dos Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência Introdução Os Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência dos Ensinos Básico e Secundário

Leia mais

ESTATUTO 10 de setembro de 2014

ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTRUTURA ORGÂNICA A Escola Artística e Profissional Árvore é um estabelecimento privado de ensino, propriedade da Escola das Virtudes Cooperativa de Ensino Polivalente

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES O Plano Plurianual de Atividades é um documento de planeamento que define, em função do Projeto Educativo, os objetivos, as formas de organização e de programação das atividades e que procede à identificação

Leia mais

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições gerais Art.º 1.º Habilitação O Regulamento Orgânico da FCUL assenta nos preceitos da legislação

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2013 / 2014. agrupamentodeescolasdagafanhadaencarnação

PLANO DE FORMAÇÃO 2013 / 2014. agrupamentodeescolasdagafanhadaencarnação PLANO DE FORMAÇÃO 2013 / 2014 agrupamentodeescolasdagafanhadaencarnação Índice I. CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 5 II. FUNDAMENTAÇÃO... 7 2.1. PESSOAL DOCENTE... 7 2.1.1 DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR...

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2015/2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

Critérios de Avaliação. Departamento Educação Pré-Escolar

Critérios de Avaliação. Departamento Educação Pré-Escolar Critérios de Avaliação Departamento Educação Pré-Escolar 2015/2016 Critérios de Avaliação As principais diretrizes normativas referentes à avaliação na Educação Pré-Escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais