ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA"

Transcrição

1 ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico de Melhoria-

2 Prioridades Educativas A Escola Secundária c/ 3º Ciclo D. Manuel I, Beja, pretende ter como missão preparar jovens para a vida ativa, transmitindo confiança, competência e valores na formação de jovens e adultos: Uma escola de valores, que educa para os valores. A sua visão é fazer das diferenças o potencial e a chave para o seu sucesso. Assume-se como uma escola baseada nos valores da confiança, empenho, partilha, responsabilidade, altruísmo e tolerância. In Projeto Educativo ESDMI A Diretora no seu Projeto de Intervenção, de acordo com a caracterização da escola e com a reflexão avaliativa dos problemas, constrangimentos e oportunidades de progresso e desenvolvimento diagnosticados traçou um Plano de Ação Estratégico de Melhoria que tem como grandes metas para o quadriénio 2011/2015: Alunos: Aumentar os níveis de assiduidade e participação, tendo em vista o desenvolvimento de uma cultura de cidadania, responsabilidade, qualidade e excelência. Docentes: Envolver os Docentes na elaboração do Projeto Curricular de Escola, contribuindo para melhores resultados educativos. Pessoal não docente: Mobilizar o Pessoal para os objetivos definidos pela Escola. Escola: Desenvolver uma cultura de responsabilidade, promovendo a autonomia e prosseguindo uma Escola de Qualidade. In CHAGAS, Maria José. Projeto de Intervenção, 2011 A partir da reflexão sobre os resultados da autoavaliação da escola, foi elaborado o Projeto Educativo de Escola (doravante PEE), cabendo a sua operacionalização ao desenho de um plano de ação estratégico que garanta a consecução das metas aí consagradas. O PEE traça de forma genérica ações de melhoria preconizadas no Relatório da Equipa de Autoavaliação, que aqui são especificadas, de forma a traçarem-se metas intermédias que conduzam ao cumprimento dos objetivos gerais e da missão da escola: melhorar a qualidade das aprendizagens e o nível de competências dos alunos, fomentar o desenvolvimento profissional dos agentes educativos, promovendo um ambiente cooperativo e educar a comunidade para a sustentabilidade, em paralelo com o reforço dos valores de cidadania e o desenvolvimento de diferentes literacias.

3 2. Plano de Ação Estratégico para o Ano Letivo 2011/ 2012 Para operacionalizar o Projeto Educativo de Escola e alcançar as metas e objetivos estratégicos aí propostos, definem-se especificamente, para o ano letivo 2011/2012, as seguintes metas prioritárias a privilegiar e respetivas ações de melhoria: DOMÍNIOS DE AÇÃO EDUCATIVA: LIDERANÇA METAS Adquirir um conhecimento mais aprofundado dos documentos estratégicos da Escola por 25% dos elementos da comunidade educativa. AÇÕES DE MELHORIA Divulgação dos documentos estratégicos da Escola, através da comunicação digital: plataforma moodle, página eletrónica da escola e correio eletrónico. Promoção da discussão democrática de todos os documentos, entre as estruturas pedagógicas e educativas, antes da sua submissão para aprovação aos órgãos competentes. Realização célere de reparações de eventuais danificações, responsabilizando os autores; Desempenho mais eficiente na limpeza das salas de aula e limpeza regular das instalações sanitárias; Assegurar que 90% de todos os espaços físicos e equipamentos da escola se mantêm em bom estado de manutenção e preservação. Resolução dos problemas dos espaços desportivos da escola em parceria com o grupo disciplinar de Educação Física; Manutenção dos espaços de lazer e espaços ajardinados; Construção de cartazes com situação/problema para sensibilização da comunidade para a importância da preservação dos espaços e equipamentos escolares. Envolvimento dos alunos em atividades que visem a decoração e manutenção de determinados espaços e materiais, nomeadamente nas disciplinas de formação cívica e clubes afins. Reforço do sistema de controlo de entradas na escola através da identificação de todos os colaboradores internos e externos e visitantes. Aplicação de um mecanismo de abertura automático parta entrada dos veículos pelo portão das traseiras. Reforçar as medidas de segurança interna e externa da escola. Resolução de todos os problemas de segurança em tempo útil, com o envolvimento e responsabilização de todos os intervenientes educativos. Realização de simulacros e ações de sensibilização para questões de segurança. Incentivar a participação de pais e encarregados de educação, garantindo que a sua participação se traduza numa taxa de 30% Estruturação de um o Clube de Proteção Civil, apoiando todas as ações constantes do seu Plano de Atividades. Implementação de canais de comunicação interativos digitais com os pais/encarregados de educação, com

4 registo da frequência e nº de resposta. Diálogo permanente com a Associação de Pais e Encarregados de Educação, incentivando-os a desenvolverem atividades que os envolvam na vida da escola e dos seus educandos. Incentivo à participação efetiva dos pais e Encarregados de Educação no Conselho Pedagógico da Escola. Promoção da oferta educativa certificada para adultos, no âmbito da aprendizagem ao longo da vida, junto dos pais e encarregados de educação. Envolvimento ativo dos pais nos PCT, convidando-os para assistir às atividades. Designação de um gestor de parcerias. Consolidar a planificação e concretização de atividades em parceria e rede, dando-lhe visibilidade e criando mecanismos centralizados de controlo do funcionamento. Promover anualmente a auto-formação e a formação em grupo, incentivando as modalidades de formação, círculos de estudo, oficinas e projetos. Produzir um relatório de autoavaliação anual e divulgá-lo a toda a comunidade. Promoção e divulgação de atividades e, mediante artigos/noticias na página da Escola, WiKimanueli e redes sociais. Realização de contactos com várias instituições da cidade (o IPB, a CMB, o Hospital, etc.) com o objectivo de desenvolver actividades conjuntas (workshops para alunos/professores, acções de voluntariado, organização de eventos solidários, ), fazendo uma ligação com todos os cursos. Recolha das necessidades e propostas de formação, promovendo-se pelo menos uma ação de formação nas áreas específicas da docência ou outras consideradas pertinentes de acordo com o plano formação 2011/2012; Promoção de, pelo menos, duas ações de formação para pessoal não docente que se considerem pertinentes de acordo com o plano formação 2011/2012. Consolidação do modelo de autoavaliação CAF e divulgação do relatório no moodle e página da escola. Constituição de um grupo responsável pela supervisão, acompanhamento e avaliação de cada ação de melhoria, vulgo Equipa de Autoavaliação da escola. Concretizar as metas do PEE a 50%. Cooperação com a Equipa de autoavaliação de escola na dinamização do projeto de autoavaliação da qualidade do serviço educativo prestado pela escola, proporcionando os recursos humanos e materiais necessários à avaliação do grau de consecução das estruturas e dos projetos estruturantes da escola (Projeto Educativo, Projetos Curriculares de Escola e de Turma, Plano Anual de Atividades e Plano Estratégico de Melhoria). Divulgação anual dos resultados da avaliação da concretização de cada ação de melhoria.

5 DOMÍNIOS DE AÇÃO EDUCATIVA: PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM METAS Aumentar a frequência do trabalho colaborativo: Envolver até 70% os grupos disciplinares em trabalho sectorial para planificação do processo ensino-aprendizagem; Elevar a articulação de atividades em regime de transdisciplinaridade em pelo menos 50%. AÇÕES DE MELHORIA Articulação do trabalho pedagógico com e entre os coordenadores de departamento, coordenadores de curso e entre o coordenador e os diretores de turma; Promoção do funcionamento regular de reuniões sectoriais entre docentes do mesmo grupo e entre docentes da mesma turma, para a partilha de materiais, atividades, experiências estratégias e instrumentos de aferição. Seleção de atividades que permitam a transdisciplinaridade. Partilha de saberes e experiências entre grupos afins. Diálogo com as lideranças intermédias, para incentivar o desenvolvimento do trabalho colaborativo e cooperativo no sentido da construção de práticas profissionais de qualidade nas várias estruturas. Promoção da articulação de atividades e projetos entre departamento/docentes e equipa BE. Indução do fator do trabalho colaborativo na compatibilidade de horários Aumentar o grau de satisfação dos vários intervenientes com os ambientes de ensino e de aprendizagem (acima 75 pontos CAF). Envolvimento da escola em projectos, ações e actividades de desenvolvimento articulado de competências de leitura e literacias, promovendo: - a elaboração de guiões com orientações específicas de pesquisa/experimentação, dos processos, dos produtos e avaliação para a realização de trabalhos práticos; - a definição regras para a elaboração de relatórios; - a definição de regras para a apresentação/defesa dos trabalhos de investigação; - a utilização e otimização das TIC no ensino e aprendizagem, nomeadamente, software educativo. Diversificação, diferenciação e ajustamento de práticas pedagógicas, no sentido de responder aos desafios da heterogeneidade da população escolar e adaptar-se às necessidades dos jovens e adultos. Promoção da participação e responsabilização dos alunos no seu processo de aprendizagem e valorização da autoavaliação crítica. Aproximar os resultados dos testes intermédios aos dos resultados dos testes dos professores (ensino básico: 10%; ensino secundário: dois valores) Participação da Escola no projeto dos testes intermédios. Criação de grupo de trabalho para análise comparativa dos

6 resultados internos e dos testes intermédios. Delineação de estratégias de melhoria face à análise dos resultados por cada docente envolvido. Aplicação dos critérios de classificação utilizados nos exames nacionais nos instrumentos de avaliação internos. Reforçar o valor e excelência dos alunos. Realização de itens de avaliação típicos dos exames nacionais/testes intermédios bem como de actividades que desenvolvam a capacidade de interpretação e de produção de texto. Criação de um quadro de valor e excelência, para atribuição de um diploma de valor e excelência, em sessão pública. Divulgação de boas práticas e resultados. Garantir que 70% das atividades se integram na temática do PEE. Assegurar que 90% das atividades contribuem para a construção de projetos curriculares coerentes. Consolidar o projeto Sala de Estudo. Aumentar o trabalho colaborativo entre docentes e a BE, no âmbito de atividades de apoio ao desenvolvimento curricular e promoção da leitura até 75 %. Este trabalho deverá ter impacto na elevação de competências leitoras e de informação, valores e atitudes, indispensáveis à formação da cidadania e à aprendizagem ao longo da vida em 75% ou mais dos alunos. Divulgação, promoção e incentivo à participação dos alunos em eventos/competições a nível nacional/ internacional. Articulação de projetos e atividades com o PEE e programas curriculares. Elaboração de planos de apoio educativo em função das necessidades identificadas nos conselhos de turma de 3º período do ano letivo anterior, de informações constantes nos processos de alunos vindos de outras escolas e das propostas das áreas disciplinares. Orientação dinâmica dos apoios educativos, reorganizando ou reajustando as modalidades e/ou metodologias em função dos dados de avaliação. Preservação /manutenção dos equipamentos da BE. Atribuição de horas TE aos docentes um horário alargado e multidisciplinar para funcionamento da Sala de Estudo de forma a continuar a proporcionar o apoio aos alunos no desenvolvimento de competências de estudo e hábitos de trabalho autónomo e de pesquisa. Incentivo à utilização da BE e articulação com a sua equipa nas planificações curriculares de grupos disciplinares e nos Planos curriculares de turma, para a realização de sessões de formação/ informação, de apoio ao currículo e leitura. Promoção de atividades, concursos ou workshops de leitura/ escrita em colaboração com a associação de pais e EE, de forma a fomentar o gosto por estas atividades. Criação do jornal da Escola, em formato electrónico. Atingir a taxa de 15% de alunos envolvidos em projetos. Manter o número de projetos desenvolvidos. Manter o número de projetos premiados ou com mais-valia para a Constituição de oficinas de escrita e leitura. Incentivo e apoio à realização de, pelo menos, um projeto por ano: - direcionado para o desenvolvimento de uma cidadania ativa, nomeadamente no plano social, ambiental e do

7 escola. património histórico-cultural e para a educação para estilos de vida saudáveis (projeto da educação para a saúde e desporto escolar). -de intervenção na Escola/comunidade escolar (campanhas de solidariedade social, separação seletiva de lixo, eficiência energética ); -com ligação ao exterior (meio local, regional, nacional ou internacional). Divulgação dos projetos em curso, e dos resultados obtido, utilizando a comunicação social, e redes sociais, junto da população estudantil. Nomeação de um coordenador de projectos - pesquisa e promoção de projectos. DOMÍNIOS DE AÇÃO EDUCATIVA: RESULTADOS ESCOLARES METAS Aumentar a taxa de conclusão dos cursos de ensino profissional para 46% (situação atual: 42,86% v. média nacional 60,08%). AÇÕES DE MELHORIA Desenvolvimento de medidas no âmbito dos conselhos de turma para aumentar a taxa de conclusão. Realização de recomendações trimestrais, a partir do Conselho Pedagógico, do conselho de diretores de curso e grupos disciplinares, para elaboração de estratégias adequadas, nos conselhos de turma para a condução dos alunos à conclusão dos cursos. Adequação de procedimentos e instrumentos à especificidade das turmas/alunos. Adaptação das atividades a desenvolver às características dos aluno/turma, sem comprometer as exigências dos Cursos. Reforço da componente laboratorial das aulas nos cursos profissionais. Elaboração de atividades de diagnóstico que possibilitem trabalhar as dificuldades mais significativas no grupo turma. Manter nos exames do 9º Ano uma classificação média acima da média nacional e atingir as Metas 2015 em termos de % de positivas nos exames (Português 70%; Matemática 55%). Conseguir, gradualmente, um desvio médio entre as classificações internas e as dos exames nacionais não superior a 2 valores. Manter e aumentar nos exames do ensino secundário uma classificação média acima da média nacional e atingir as Metas 2015 em termos de % de positivas nos exames (Português 60%; Matemática 50%). Realização de reuniões no sentido de selecionar os conteúdos básicos e indispensáveis, ao nível das áreas de formação, de forma a promover as aprendizagens promotoras de sucesso. Comparação dos resultados escolares internos com os externos e com os nacionais, objeto de análise pelo Conselho Pedagógico, departamentos e grupos disciplinares, de forma a serem traçadas ações para manutenção dos bons resultados e melhoria dos menos bons. Promoção da aferição de modalidades, critérios e instrumentos de avaliação em consonância com o Referencial de escola. Situação atual (% positivas versus média nacional): 9º ano: Português 79% v. 71%; Matemática 81% v. 51%; 12º ano: Português 68% v. 61%; Matemática 63% v. 66%.

8 Diminuir as taxas de repetência no âmbito das Metas 2015 (7º ano: 17%; 8º ano: 8,3%; 9º ano: 4,4%; 10º ano: 13,3 %; 11º ano: 18,3%; 12º ano: 36%). Aumentar a taxa de sobrevivência dos Cursos Profissionais para 70% (situação atual 63%). Cumprir as Metas 2015 (taxa de desistência escolar): alunos 14 anos menor 1%; alunos 15 anos menor 2%; alunos 16 anos menor 4%. Reduzir a taxa de formandos desistentes nos cursos EFA em pelo menos 50%. Desenvolvimento de medidas no âmbito dos conselhos de turma para combater a repetência: Promoção da avaliação integral do aluno no seio dos conselhos de turma; Situação atual (% de repetência versus média nacional); 7º ano: 20,8% v. 16,7%; 8º ano: 8,3% v. 11%; 9º ano: 4,4% v. 12,7%; 10º ano: 14,5% v. 13,4%; 11º ano: 20,9% v. 9,1% 12º ano: 49% v. 32,9 Orientação e diversificação da oferta formativa com vista à criação de percursos alternativos que visem a redução do abandono escolar e a desistência dos formandos adultos. Situação atual (taxa desistência escolar): alunos 14 anos 0%; alunos 15 anos 2,7%; alunos 16 anos 4,4%. Realização de trabalhos de grupo, com maior regularidade, nos cursos EFA, de forma a consolidar o espírito de equipa e o incentivo ao envolvimento dos alunos em projetos. Divulgação da oferta formativa de forma mais abrangente. Atingir o Patamar A, definido pela ANQ para CNO's. Normalização do regime de faltas nos cursos EFA a par de maior interatividade formando/formador em termos de identificação e resposta diferenciada às necessidades dos formandos... Diversificação da oferta formativa com ajustamento às condicionantes futuras e do mercado de trabalho e integrando todas as modalidades nacionais previstas na área da formação de adultos. Continuação da promoção de ações de divulgação. Reforço da presença do CNO junto dos parceiros e divulgar as atividades do CNO aos parceiros e à comunidade em geral. Aumentar as taxas de certificação parcial e total dos cursos EFA em 10%. Atingir um número médio igual ou superior a 100 horas de formação certificada por formando. Agilização do processo de encaminhamento dos adultos. Apresentação de propostas de realização de certificações parciais aos adultos em processo que já evidenciaram algumas competências, mas que evidenciam um elevado nível de absentismo. Reforço das atividades promovidas pelos mediadores, quer na área de Aprender com Autonomia, quer na área PRA. Implementação de temas de vida e atividades integradoras nos EFA de Básico e Secundário, com vista a um reforço da motivação.

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES Inovação e Qualidade Plano de Ação Estratégico - 2012/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES PROJECTO DE INTERVENÇÃO PLANO DE ACÇÃO ESTRATÉGICO 2012/2013 Escola de Oportunidades e de Futuro Telmo

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017

PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014 / 2017 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PRADO Plano Estratégico de Melhoria 2014/2017 O Plano de Melhoria da Escola é um instrumento fundamental para potenciar o desempenho

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado

Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado Projeto global de autoavaliação do Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado 1. Introdução O Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado (AEMC) entende a autoavaliação como um processo ao serviço do seu desenvolvimento

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral.

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral. Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o impacto que as atividades desenvolvidas tiveram nos resultados escolares

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

Introdução... 3. Diagnóstico estratégico... 5. Visão e missão... 7. Finalidades e objetivos estratégicos... 8. Monitorização e avaliação...

Introdução... 3. Diagnóstico estratégico... 5. Visão e missão... 7. Finalidades e objetivos estratégicos... 8. Monitorização e avaliação... PROJETO EDUCATIVO Triénio 2012/2015 Colaborar, Formar, Construir o Futuro ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA Página 1 de 16 Índice Introdução... 3 Diagnóstico... 5 Visão e missão... 7 Finalidades e

Leia mais

2013/2014 [PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - BIBLIOTECA ESCOLAR]

2013/2014 [PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - BIBLIOTECA ESCOLAR] Projeto / Atividade Objetivos Intervenientes Recursos/ materiais Voluntários de Leitura Construir relações/parcerias com a BMP e com as redes locais (ADA/Centro Comunitário de Portel) BE - Vamos Partilh@r

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Fernando Namora AMADORA 12 e 13 jan. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar Agrupamento de Escolas de Arronches Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar João Garrinhas Agrupamento de Escolas de Arronches I. PRINCIPIOS, VALORES E MISSÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico Relatório 008-009 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Cuba. Plano de Formação

Agrupamento de Escolas de Cuba. Plano de Formação Agrupamento de Escolas de Cuba Plano de Ano Letivo de 2012/2013 Índice Introdução... 3 1- Departamento curricular da educação pré-escolar... 6 2- Departamento curricular do 1º ciclo... 6 3- Departamento

Leia mais

PLANO DE MELHORIA DA BIBLIOTECA da FAV PARA 2015/2016

PLANO DE MELHORIA DA BIBLIOTECA da FAV PARA 2015/2016 Agrupamento de Escolas de Santiago do Cacém Escola Básica Frei André da Veiga PLANO DE MELHORIA DA BIBLIOTECA da FAV PARA 2015/2016 A. Currículo, literacias e aprendizagem Problemas identificados Falta

Leia mais

Aumentar o sucesso educativo Taxa de sucesso 7º ano 79% 8º ano 80% 9º Ano 66% Melhorar a qualidade do sucesso

Aumentar o sucesso educativo Taxa de sucesso 7º ano 79% 8º ano 80% 9º Ano 66% Melhorar a qualidade do sucesso ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA PLANO TEIP 2014-2015 AÇÕES (a vermelho, ações propostas, mas que, por motivos de vária ordem, não é possível dinamizar, na totalidade ou nos s ou turmas referidos)

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA Projeto de Intervenção 2015/2019 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MANUEL TEIXEIRA GOMES PORTIMÃO PROJETO DE INTERVENÇÃO 2015-2019 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 JULHO 2015 1. Enquadramento. O presente Plano Estratégico para o ano 2015-2016, dá cumprimento ao disposto no artigo 15.º do Despacho Normativo n.º6/2014, de 26 de maio. Apresentam-se

Leia mais

Plano de Melhorias do Agrupamento

Plano de Melhorias do Agrupamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRANCISCO SIMÕES Plano Melhorias do Agrupamento 2014/2016 Equipa Autoavaliação Setembro 2014 Conhece-te a ti mesmo Aforismo grego inscrito no pronaus do templo Apolo em Delfos Página

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES Agrupamento de Escolas Elias Garcia 2013/2016 1 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2013/2016 O Plano Plurianual de Atividades (PPA) constitui um dos documentos de autonomia,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo X Regulamento do Mérito Escolar Artigo 1.º Prémios de valor, mérito e excelência 1. Para efeitos do disposto na alínea h) do ponto 1 do artigo 7.º, conjugado

Leia mais

Projeto Educativo de Escola

Projeto Educativo de Escola -- Escola Secundária da Ribeira Grande Projeto Educativo de Escola 2013-2016 Projeto apreciado em reunião de Conselho Pedagógico do dia 2 de maio de 2013 B Escola Secundária da Ribeira Grande - Projeto

Leia mais

Carta de Missão. (Portaria nº 266/2012, de 30 de agosto)

Carta de Missão. (Portaria nº 266/2012, de 30 de agosto) Carta de Missão (Portaria nº 266/2012, de 30 de agosto) Nome Germano António Alves Lopes Bagão Escalão: 8º Escola Professor do quadro da EBI Frei António das Chagas, do Agrupamento de Escolas de Vidigueira

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

Plano de Melhoria. Biénio 2013/2015

Plano de Melhoria. Biénio 2013/2015 Escola EB1 João de Deus CÓD. 242 937 Escola Secundária 2-3 de Clara de Resende CÓD. 346 779 AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE CÓD. 152 870 Plano de Melhoria Biénio 2013/2015 Agrupamento de Escolas de Clara

Leia mais

AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013

AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013 AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO EDUCATIVO 2010/2013 O presente documento constitui-se como uma avaliação final que procura refletir, não só a evolução dos aspetos indicados nas avaliações anteriores como também

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 1.1 Formação do Pessoal Docente 3 1.2 Formação do Pessoal Não Docente 4 1.3 Formação orientada para os alunos 4 1.4 Formação orientada para os pais e

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar. e no Ensino Básico Relatório-Síntese. Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora

Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar. e no Ensino Básico Relatório-Síntese. Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no Ensino Básico Relatório-Síntese Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE ÉVORA CÓDIGO 135537 CONCELHO DE ÉVORA DELEGAÇÃO REGIONAL

Leia mais

DGEstE Direção de Serviços da Região Centro

DGEstE Direção de Serviços da Região Centro DGEstE Direção de Serviços da Região Centro Bibliotecas Escolares - Plano Anual de Atividades (PAA) Ano letivo 2014/2015 Este PAA encontra-se estruturado em 4 domínios (seguindo as orientações da RBE)

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 O presente relatório traduz a avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/Santa Cruz do

Leia mais

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR COORDENADOR: Vanda Teixeira 1. FUNDAMENTAÇÃO/ CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICAÇÃO a) O Desporto Escolar constitui uma das vertentes de atuação do Ministério da Educação e Ciência com maior transversalidade

Leia mais

Plano de Actividades 2009

Plano de Actividades 2009 Plano de Actividades 2009 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência a Lei Orgânica (Decreto-lei nº

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014/2015

Plano Anual de Atividades 2014/2015 Ação do PE e Atividade Ação nº1: Diversificação Pedagógica: a) Componente local do currículo (rentabilizar a cultura patrimonial ambiental e histórica da região); b) Assessorias Pedagógicas (colaboração

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES O Plano Plurianual de Atividades é um documento de planeamento que define, em função do Projeto Educativo, os objetivos, as formas de organização e de programação das atividades e que procede à identificação

Leia mais

Avaliação da biblioteca escolar 2009-2013

Avaliação da biblioteca escolar 2009-2013 Avaliação da biblioteca escolar 2009-2013 2010 D. Gestão da biblioteca escolar Avaliação D.1 Articulação da BE com a escola/agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE. 3 D.2 Condições humanas e materiais

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO

ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO Setembro 2013 ...A condição humana devia ser o objecto essencial de todo o ensino. (M.O. Mourin 2000) Índice 1-Introdução... 3 2 Caracterização do Meio...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS 1 Índice

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 21 de julho de 2014. Série. Número 132

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 21 de julho de 2014. Série. Número 132 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 21 de julho de 2014 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Despacho n.º 196/2014 Aprova o Calendário Escolar dos estabelecimentos

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS PROJETO DE APOIO EDUCATIVO Ano Letivo 2015-2016 ÍNDICE ÍNDICE 2 CAPÍTULO I 3 (Introdução) 3 CAPÍTULO II 3 (Objetivos) 3 CAPÍTULO III 4 (Destinatários) 4 CAPÍTULO IV

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013/2015

PLANO DE AÇÃO 2013/2015 PLANO DE AÇÃO 2013/2015 INTRODUÇÃO: Os planos de formação previstos na alínea b) do n.º 2 do artigo 20.º e na alínea d) do artigo 33.º, ambos do Decreto -Lei n.º 75/2008, de 22 de Abril, devem conter,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo. Ano letivo 2012/2013

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo. Ano letivo 2012/2013 RELATÓRIO FINAL DE EXECUÇÃO DO PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES RELATIVO A 2012/2013 1 - Enquadramento O presente relatório tem enquadramento legal no artigo 13.º alínea f, do Decreto -Lei nº 75/2008, de 22

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA JULHO 2015 1 Abreviaturas AEAG Agrupamento de Escolas Dr. António Granjo CAF Common Assessment Framework (Estrutura Comum de Avaliação) AM - Ação de Melhoria

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO Agrupamento Vertical de Escolas São Vicente/Telheiras (171931) PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO 2009 2012 Sede: ESCOLA BÁSICA 2, 3 DE TELHEIRAS Nª 2 Rua Fernando Namora 1600-454 LISBOA Telef.: 217121260

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Escola Básica do 1.º Ciclo com Pré-escolar de São Paulo PLANO ANUAL DE ESCOLA

Escola Básica do 1.º Ciclo com Pré-escolar de São Paulo PLANO ANUAL DE ESCOLA Escola Básica do 1.º Ciclo com Pré-escolar de São Paulo PLANO ANUAL DE ESCOLA Ano letivo: 2015/2016 INTRODUÇÃO Enquadramento legal Avaliação Aprovação EVENTOS 1.ºperíodo 2.ºperíodo 3.ºperíodo REUNIÕES

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Departamento da Educação Pré Escolar CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Introdução A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática

Leia mais

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento Avaliação Interna e monitorização do Projeto Educativo do Agrupamento 2014-2015 0 1. INTRODUÇÃO No ano letivo (2012/13), no nosso agrupamento, concluiu-se um processo de autoavaliação iniciado em 2009/10,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PROENÇA-A-NOVA - 160799. Plano de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PROENÇA-A-NOVA - 160799. Plano de Melhoria Índice Objetivo... 2 1 Introdução... 2 2... 3 2.1 Identificação do Agrupamento... 3 2.2 Áreas de Melhoria... 3 2.3 Identificação das Ações de Melhoria... 4 2.4 Visão global do Plano de melhoria.... 5 3

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO - PROJETO DO CONTRATO DE AUTONOMIA ANEXO II DOMÍNIO: GESTÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR Estudex PROJETOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS PARCERIAS CALENDARIZAÇÃO Sala de estudo para o

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

Projecto de Acompanhamento do Uso Educativo da Internet nas Escolas Públicas do 1.º ciclo no distrito de Bragança

Projecto de Acompanhamento do Uso Educativo da Internet nas Escolas Públicas do 1.º ciclo no distrito de Bragança Seminário Contextualização SOCIEDADE DE CONHECIMENTO E NOVAS TECNOLOGIAS NAS ZONAS RURAIS as novas acessibilidades na procura da qualidade de vida Projecto de Acompanhamento do Uso Educativo da Internet

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Plano Anual de Atividades 2015/ 2016 Ser,Intervir e Aprender PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º2; EB1 com JI da Serra das Minas

Leia mais

I [Escreva o subtítulo do documento] ESCOLA C+S DE CAMINHA

I [Escreva o subtítulo do documento] ESCOLA C+S DE CAMINHA ATL,LDA TEL.:(053)215650 PROJETO DE INTERVENÇÃO º 4776/2014, de 8 de abril I [Escreva o subtítulo do documento] ESCOLA C+S DE CAMINHA Agrupamento de Escolas Sidónio Pais, Caminha Concurso prévio à eleição

Leia mais

2015/2016. Página 1 de 11 I. NOTA INTRODUTÓRIA 2. EIXOS ESTRATÉGICOS 2.1. OFERTA EDUCATIVA, NOVOS PÚBLICOS, ATRATIVIDADE. Código IMP.EM.EI.

2015/2016. Página 1 de 11 I. NOTA INTRODUTÓRIA 2. EIXOS ESTRATÉGICOS 2.1. OFERTA EDUCATIVA, NOVOS PÚBLICOS, ATRATIVIDADE. Código IMP.EM.EI. 2015/2016 I. NOTA INTRODUTÓRIA A missão, os princípios e os valores de uma instituição são fulcrais para a sua definição estratégica, conforme expresso nos seus estatutos. O Instituto Superior de Ciências

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015 1 PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO Psicólogas do Externato Pré-Escolar Dra. Irene Lopes Cardoso 1º Ciclo - (1º e 2º anos) Dra. Irene Lopes Cardoso (3º e 4º anos) Dra. Manuela Pires

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. Plano de Ação da EB1/JI do Bairro do Areias. Relatório Final de Autoavaliação do Plano de Ação de Estabelecimento da EB1 do Areias

RELATÓRIO FINAL. Plano de Ação da EB1/JI do Bairro do Areias. Relatório Final de Autoavaliação do Plano de Ação de Estabelecimento da EB1 do Areias RELATÓRIO FINAL Plano de Ação da EB1/JI do Bairro do Areias Relatório Final de Autoavaliação do Plano de Ação de Estabelecimento da EB1 do Areias Introdução Pontos Conteúdos Explicação dos objetivos do

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas de Sátão 2015-2016 Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos

Leia mais

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PRINCÍPIOS Caráter holístico e contextualizado do processo de desenvolvimento e aprendizagem da criança; Coerência entre os processos de avaliação e os princípios subjacentes

Leia mais

Introdução. Para a condução de cada ação teremos presentes duas questões importantes:

Introdução. Para a condução de cada ação teremos presentes duas questões importantes: Fevereiro 2014 Introdução A Escola é hoje um mundo onde todos os atores educativos têm voz por isso a facilidade, a celeridade, a clareza e a abertura são as caraterísticas da comunicação que possibilitam

Leia mais

Normas e Critérios Gerais de Avaliação. Cursos Profissionais

Normas e Critérios Gerais de Avaliação. Cursos Profissionais Normas e Critérios Gerais de Avaliação Cursos Profissionais O formador deve orientar toda a sua atividade didática no sentido de promover o sucesso educativo do formando através de planificações contextualizadas,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO MOITA PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO MOITA PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FRAGATA DO TEJO MOITA PROJETO EDUCATIVO TRIÉNIO 2014-2017 1 ÍNDICE Capítulo 1 Orientação Estratégica do PE... 3 1.1. Missão do Agrupamento... 3 1.2. Finalidades e Objetivos Estratégicos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA Julho de 2012 Rua da Verónica, 37, 1170-384 Lisboa Tel: 218860041/2 Fax: 218868880 Email: geral@aegv.pt INDICE I. Introdução. 3 II. Ponto de partida.....

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE BEJA Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo 550 Informática Ano Lectivo 2015/16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação é uma componente essencial do processo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR ANO LETIVO 2012-2013 Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Instrumento essencial ao DESENVOLVIMENTO DO CURRÍCULO Uma estrutura ao SERVIÇO DA ESCOLA Recurso fundamental

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

PESSOAL DOCENTE AÇÕES DE FORMAÇÃO ACREDITADAS PELO CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA PARA O CENTRO EDUCATIS

PESSOAL DOCENTE AÇÕES DE FORMAÇÃO ACREDITADAS PELO CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA PARA O CENTRO EDUCATIS TREINO DA APTIDÃO MUSCULAR EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Registo: CCPFC/ACC-61196/09 Válida até: 30-09-2012 Destinado a: Professores dos Grupos 260 e 620 AERÓBICA NA ESCOLA - METODOLOGIA BÁSICA Registo: CCPFC/ACC-61225/09

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08 PROJETO EDUCATIVO Revisão: 02 Data: 26/01/2015 Pág.: 1/ 08 Uma Escola com Identidade FINALIDADES E PRINCIPIOS GERAIS O projeto educativo de uma Escola Profissional mais do que um referencial de ação, nos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA

ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA Ano lectivo 2010 / 2011 Introdução De modo a dar cumprimento à legislação em vigor, tendo como base os objectivos do Projecto Educativo: Diminuir o Insucesso e abandono

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 18 de maio de 2016. Série. Número 89

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 18 de maio de 2016. Série. Número 89 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 18 de maio de 2016 Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EDUCAÇÃO Portaria n.º 211/2016 Primeira alteração

Leia mais

PLANO DE MELHORIA Julho 2014

PLANO DE MELHORIA Julho 2014 PLANO DE MELHORIA Julho 2014 Índice Nota Introdutória... 2 1. Resultados da avaliação externa... 3 2. Áreas e ações de melhoria... 4 3. Acompanhamento e divulgação... 7 AET Plano de melhoria 2014/2015

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR ANO LETIVO 2013/2014 Departamento do Pré- Escolar 2013/2014 Page 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Introdução A avaliação em educação é um elemento integrante

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ERMESINDE

PROJETO EDUCATIVO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ERMESINDE Conhecimento e humanismo PROJETO EDUCATIVO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ERMESINDE 2013/2017 Índice Preâmbulo... 3 Quem somos?... 4 Análise Swot... 5 Plano Estratégico... 9 Avaliação... 21 Divulgação do

Leia mais

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L.

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de 2010/2011 Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de de Pessoal Docente e Não Docente 2010/11 INTRODUÇÃO O Plano de do Instituto de S. Tiago surge da cooperação entre todas as

Leia mais

Proposta para o Plano de Atividades - Biblioteca Escolar 14/15

Proposta para o Plano de Atividades - Biblioteca Escolar 14/15 Professor: Ana Maria Galveia Taveira Proposta para o Plano de Atividades - Biblioteca Escolar 14/15 O Plano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar divide-se em quatro grandes áreas de funcionamento/intervenção,

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO

DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO Ano letivo 2013-2014 Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) REFERENCIAL IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO ESCOLAR Agrupamento de Escolas D. Sancho I

Leia mais

PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL

PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL 2015/2016 A EQUIPA: Fátima Martins, Manuela Parreira, Ana Paula Melo, Vera Moura, Manuela Simões, Anabela Barroso, Elsa Carvalho, Graça

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas do Montijo 23, 24 e 27 fev. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA Escola Básica e Secundária do Levante da Maia PLANO DE OCUPAÇÃO PLENA DE TEMPOS ESCOLARES 2013-2017 Crescer, Saber e Ser Página 0 (Anexo I) ÍNDICE I. Nota Introdutória

Leia mais

Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento

Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento Informações Gerais Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento 1. Educação pré escolar Objetivos da educação pré escolar Oferta educativa: *Componente letiva *Componente não letiva (CAF) Ocupação

Leia mais

Literacia, Cidadania, Sucesso

Literacia, Cidadania, Sucesso Literacia, Cidadania, Sucesso A existência humana é uma tarefa permanente de leitura da vida: ler a vida é escrever e reescrever o mundo. Rosa (2008: 107) Projecto Educativo 2010 / 2013 2 INTRODUÇÃO Dando

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

Candidato: ANTÓNIO PEREIRA PINTO Professor do Quadro do Agrupamento de Escolas D. Sancho I. Vila Nova de Famalicão, 9 de abril de 2013

Candidato: ANTÓNIO PEREIRA PINTO Professor do Quadro do Agrupamento de Escolas D. Sancho I. Vila Nova de Famalicão, 9 de abril de 2013 PROJETO DE INTERVENÇÃO: Por uma escola centrada na aprendizagem que se repensa e se reconstrói. CANDIDATURA AO CARGO DE DIRETOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I Aviso de abertura: 4531/2013 de 3 de

Leia mais

Projeto Educativo de Escola

Projeto Educativo de Escola Projeto Educativo de Escola Professor 2012-2016 Índice 1. Identificação 02 2. Introdução 03 3. Princípios... 04 4. Valores.. 06 5. Objetivos Metas Estratégias... 07 6. Avaliação 11 7. Bibliografia 12 8.

Leia mais

Relatório de Coordenação das Bibliotecas Escolares INTRODUÇÃO

Relatório de Coordenação das Bibliotecas Escolares INTRODUÇÃO Relatório de Coordenação das Bibliotecas Escolares INTRODUÇÃO A equipa pedagógica das Bibliotecas Escolares (BE) do agrupamento propôs um conjunto de atividades tendo em conta a articulação com o Modelo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA JOAQUIM SERRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA JOAQUIM SERRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA JOAQUIM SERRA Relatório de Autoavaliação Ano letivo 2014/2015 Grupo disciplinar de Página2 ÍNDICE INTRODUÇÃO. 3 I ENQUADRAMENTO. 3 1. Caracterização da estrutura educativa.

Leia mais

PLANO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO (PTE) 2010 PROGRAMA DE FORMAÇÃO DOCUMENTO DE TRABALHO

PLANO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO (PTE) 2010 PROGRAMA DE FORMAÇÃO DOCUMENTO DE TRABALHO PLANO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO (PTE) 2010 PROGRAMA DE FORMAÇÃO DOCUMENTO DE TRABALHO Certificação de Nível 1 A formação deste nível é, assim, iminentemente, residual, visto que a maioria dos docentes a

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GRÂNDOLA PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GRÂNDOLA PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GRÂNDOLA PROJETO EDUCATIVO PARECER FAVORÁVEL DO CONSELHO PEDAGÓGICO AVE/ESAIC, EM 3.SETEMBRO.2015 APROVADO EM CONSELHO GERAL, EM 29. SETEMBRO. 2015 I - Enquadramento O concelho

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais