7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema"

Transcrição

1 7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema TÍTULO JUSTIFICATIVA Pontes da Leitura por Ravel Andrade de Sousa As atividades descritas neste projeto foram por mim realizadas na Sala de Leitura, a partir do ano de O espaço fica dentro da sede do projeto Casa Brasil, situado no bairro Granja Portugal, pertencente à região do Grande Bom Jardim em Fortaleza. Essa região, que engloba quatro outros bairros, ficou conhecida nacionalmente pelos seus índices de violência. Ela possui o pior IDH da cidade, e altos índices de assassinatos. No ano de 2010, o Grande Bom Jardim produziu cerca de 120 assassinatos por situação de violência. Diante desses índices tão assustadores, algo precisava ser feito. Uma série de ações voltadas para a cidadania, esporte, cultura e lazer foram criadas pelo poder público para combater a criminalidade entre jovens e adolescentes. Eu, que havia saído de uma região não tão violenta quanto a do Bom Jardim, chego para dar minha contribuição para cultura e cidadania das pessoas dessa região. Em princípio tive muito medo de adentrar uma região com índices tão assustadores. Mas o desejo de dar sequência ao meu trabalho e poder contribuir também com o processo de pacificação e cidadania daquele lugar, me deram força e principalmente coragem para encarar o desafio. Com uma bagagem adquirida em experiências anteriores, pensei em aplicar atividades que costumava realizar em outros espaços. Nada foi fácil. A Sala de Leitura sequer possuía estantes para expor um rico acervo que estava encaixotado em um depósito. Móveis quebrados, lixo e sujeira compunham o espaço de leitura. Tratei eu mesmo de limpar a sala, consertar mesas, cadeiras, TV, e improvisar nas mesas, um local para que os livros fossem expostos aos visitantes. Logo em seguida, tracei um plano de trabalho, feito conforme as demandas surgidas em reuniões junto à comunidade, e pus em prática devolvendo o espaço com qualidade para as pessoas. Conforme constatado em conversas com representantes da comunidade, pais e frequentadores do lugar, a deficiência em relação à leitura era comum. Então precisávamos investir todos os esforços para atendermos os anseios da comunidade e oferecermos livro e leitura para auxiliar no desenvolvimento da cidadania daquelas pessoas que viviam em um universo repleto de violência, criminalidade e sem perspectivas promissoras. A leitura poderia contribuir nesse processo, e eu estava lá para cumprir com minha missão de ser mediador entre as pessoas e os livros. Mas como fazer atividades de estímulo à leitura entre pessoas tão carentes? Carentes até mesmo de comida. Eu me perguntava isso antes de iniciar os trabalhos. Com o tempo esse questionamento deixou de existir.

2 OBJETIVO As ações realizadas objetivam oferecer incremento às atividades escolares ligadas à leitura e escrita, estabelecer um processo formativo e informativo para pessoas de diversas faixas etárias e atuar como uma opção de lazer e entretenimento dentro da comunidade. Perseguindo esses objetivos, criei uma série de atividades, eventos e encontros que preenchessem a rotina da Sala de Leitura, para que ela fosse um bom motivo para que as pessoas deixassem o medo um pouco de lado e saíssem de suas casas. Esse plano de ação foi desenvolvido em reuniões com representantes da comunidade e equipe de trabalho do projeto. Em princípio nos vimos diante de alguns empecilhos, como falta de estrutura, falta de material e até mesmo falta de segurança no local. Mas sobravam criatividade e força de vontade em ver o espaço funcionando plenamente. A partir disso, delimitei o que precisava ser feito para que a Sala de Leitura desse sua contribuição na vida das pessoas daquela comunidade, potencializando os processos de aquisição das linguagens oral e escrita, desenvolvimento das aptidões pessoais e para a mudança da realidade do local. METODOLOGIA Após quase um mês de reestruturação do espaço, dei início a um ciclo formativo com atividades voltadas para crianças, adolescentes e jovens. Criei a Oficina de Leitura e Aprimoramento das Linguagens. Atividade realizada todas as terças e quintas, nos períodos da manhã e tarde, e contemplava sessenta crianças e adolescentes. O objetivo era desenvolver as competências relacionadas à língua e leitura, complementando e o trabalho feito no ambiente escolar. Realizamos periodicamente atividades de produção textual, leitura oral, interpretação do texto e aprimoramento da escrita. Em paralelo, nos outros dias da semana, uma vasta programação de entretenimento, formação e informação dentro do espaço de leitura. Para que mais coisas acontecessem, foi preciso fazer parcerias. Encontrei no Centro Cultural do Bom Jardim um grande parceiro que ajudou a diversificar e potencializar as nossas ações. Através dessa parceria, conseguimos oferecer cursos como Técnica de Desenho Artístico, Produção de Fanzine, Produção de Quadrinhos e Informática para as Artes. Todos esses cursos eram oferecidos gratuitamente, com dois encontros semanais e com duração de um a três meses. Também fizemos parceria com o CRAS (Centro de Referência à Assistência Social), que mensalmente realizava encontros/palestras, com temas específicos para crianças, adolescentes, jovens e adultos, contando com profissionais como psicólogos, assistentes sociais, dentistas e

3 outros técnicos de áreas específicas. Os encontros abordavam temas como higiene pessoal, sexualidade na adolescência, ações preventivas para à saúde feminina e masculina, direitos humanos, entre outros. Todas essas ações, aparentemente sem relação direta com a leitura, complementavam e fortaleciam o trabalho voltado para a leitura. Além de transformarem o espaço de leitura em um ambiente multifuncional, essas ações atraiam cada vez mais público, chamando atenção para a Sala de Leitura. Na linha de eventos, fizemos o Encontro com o Escritor. Trouxemos Rafael Limaverde para falar sobre o seu livro Pelos Caminhos de Nostra América. Rafael fez um bate-papo muito rico sobre o livro, que narrava sua viagem de bicicleta por alguns países da América Latina, e sorteou três livros para o público presente. Mas considero nosso maior feito a I Feira de Distribuição de Livros. A Feira surgiu a partir de uma demanda da comunidade por livros. Muitos alunos ainda não haviam recebido livros da escola e também havia pessoas que estudavam por conta própria, em casa, para concursos, vestibulares e ENEM, e não tinham livros para lhes auxiliar. Assim nasceu a ideia do evento. Durante cerca de três meses recebemos e arrecadamos cerca de seiscentos livros para serem distribuídos no evento. Esses livros eram de pessoas que os tinham em casa e estavam sem uso. Eram livros didáticos, livros de literatura variados, e ainda tinha revista em quadrinhos novinha para as crianças. As pessoas tiveram um dia todo para escolherem até quatro livros de acordo com sua necessidade. Fizemos uma ponte entre quem tinha livros e quem precisava deles. O evento contemplou cerca de 150 pessoas, diretamente, e deu uma visibilidade enorme para a instituição sendo destaque nos principais veículos de mídia de Fortaleza. Com essa ação, conseguimos mostrar para a cidade que também aconteciam coisas boas na região do Grande Bom Jardim. Sempre tive a iniciativa de mostrar para os frequentadores da Sala de Leitura, outros espaços e opções de busca de conhecimento e lazer. Sendo assim, programei visitas à importantes e acessíveis espaços da cidade. Fizemos uma visita ao Centro Cultural do Bom Jardim. Esse Centro realiza atividades de formação técnica em artes, além de oferecer uma programação de diversas linguagens como música, dança, teatro, cinema e contação de história. É um espaço que fica em um bairro vizinho, mas muitas pessoas da Granja Portugal não tinham acesso. O motivo principal, para adolescentes e jovens especialmente, era a rivalidade que existia entre facções nos bairros. Para muitos, adentrar o bairro vizinho representava um risco. Conseguimos um ônibus e levamos um grupo de cerca de sessenta crianças e adolescentes, em dois turnos, para conhecer esse importante Centro da região do qual a maioria só havia ouvido falar. Também fizemos uma visita a um espaço muito especial: a Gibiteca de Fortaleza. Lá, crianças e adolescentes se divertiram com a infinidade de quadrinhos dos tipos mais variados, nacionais e internacionais, além de aprenderem sobre como se deve manusear um livro/gibi sem que ele sofra desgaste.

4 Todas essas atividades são pensadas com um fim educativo e formativo. Realizadas de forma a seguir um plano sequência que incentiva a evolução intelectual dos participantes, além de propiciar momentos de integração com um novo universo. Foi pesando nisso que utilizei todo meu potencial criativo para conseguir fazer algo mesmo sem recursos. A criatividade foi a ferramenta mais importante para que todas essas ações fossem desenvolvidas. AVALIAÇÃO Os resultados são visíveis. Principalmente os alcançados com a Oficina de Leitura e Aprimoramento das Linguagens. Os pais dos participantes me procuravam diariamente para comentar sobre a melhoria de seus filhos não somente nos assuntos relacionados à escola mas também ao comportamento em casa. O aumento do interesse pela leitura também era visível. O espaço, que muitas pessoas de ruas vizinhas sequer conheciam, sempre teve índices crescentes na frequência dos eventos e das atividades. Cheguei ao ponto de infelizmente não poder receber mais pessoas para participar da Oficina de Leitura e Aprimoramento das Linguagens, devido ao grande número e participantes já inscritos. Chegamos a sessenta, que era o limite estabelecido logo na segunda semana do período de inscrições. O espaço ganhou fama de ser onde se recebia livros e revistas em quadrinhos gratuitamente. Isso iniciou-se quando eu distribuía revistas em quadrinhos, novas, após as atividades. Essas revistas eram oriundas de uma parceria fechada com a Biblioteca Municipal Dolor Barreira. Mas isso ganhou mais força com a Feira de Distribuição de Livros. Mesmo após o dia da Feira, continuávamos recebendo pessoas em busca de livros. Passamos a receber permanentemente doações de livros, que ficavam disponíveis para serem encaminhados a quem estivesse necessitando. Com isso fortalecemos a presença e a imagem da Sala de Leitura dentro da região do Grande Bom Jardim, também conhecida como Território da Paz após o início das ações de pacificação. Além do livro de frequência, tínhamos o cadastro dos frequentadores que nos apresentava o fluxo de origem deles. Eram pessoas oriundas de quase todo o Território. As parcerias por mim firmadas junto às escolas, centros culturais, bibliotecas e associações comunitárias, também serviram pra potencializar e difundir as ações do projeto Casa Brasil como um todo. Percebi a importância e a responsabilidade do trabalho que eu estava desenvolvendo. Era algo que estava quebrando as fronteiras entre os bairros e causando um impacto muito positivo na vida das pessoas. Com o tempo, esqueci o medo que sentia todo dia quando chegava pra trabalhar. Sinto-me transformado. Mais forte, mais destemido e com outro olhar sobre a vida.

5 Oficina de criação literária Recebimento de revista após atividade Conversa sobre sexualidade na adolescência Oficina de produção textual I Feira de Distribuição de Livros I Feira de Distribuição de Livros I Feira de Distribuição de Livros Oficina de Produção Textual Oficina de Criação de Caderno Artesanal

6 Oficina de produção textual Oficina de Produção de Caderno Visita ao Centro Cultural do Bom Jardim Recebimento de revista após atividade Visita ao Centro Cultural do Bom Jardim Recebimento de revista em quadrinhos Oficina de artes plásticas Recebimento de revista após atividade Visita à Gibiteca de Fortaleza Exibição de vídeo Pintura livre Encontro com o Escritor

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema 7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema PROJETO Livro Aberto por Ravel Andrade de Sousa JUSTIFICATIVA O trabalho descrito a seguir foi por mim realizado a partir do início do ano de 2009, na biblioteca

Leia mais

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2

Bartolomeu Campos Queirós. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. I SBN 85-7694 - 111-2 Ficava intrigado como num livro tão pequeno cabia tanta história. O mundo ficava maior e minha vontade era não morrer nunca para conhecer o mundo inteiro e saber muito da vida como a professora sabia.

Leia mais

Programação Cultural - Biblioteca de São Paulo (BSP) - Público Jovem

Programação Cultural - Biblioteca de São Paulo (BSP) - Público Jovem Programação Cultural - Biblioteca de São Paulo (BSP) - Público Jovem Sorrisos!?? Vamos falar sobre isso Programação Cultural na BSP A Programação Cultural na BSP faz parte da essência da biblioteca. Conjunto

Leia mais

FORMAÇÃO DE MONITORES RELACIONANDO EDUCAÇÃO FORMAL E NÃO FORMAL EM MUSEUS DE CIÊNCIA

FORMAÇÃO DE MONITORES RELACIONANDO EDUCAÇÃO FORMAL E NÃO FORMAL EM MUSEUS DE CIÊNCIA POSTER FORMAÇÃO DE MONITORES RELACIONANDO EDUCAÇÃO FORMAL E NÃO FORMAL EM MUSEUS DE CIÊNCIA Nome do Grupo de Trabalho: Educação Popular Número do Grupo de Trabalho: 06 Autora: ISABEL APARECIDA MENDES Co-autora

Leia mais

ações de cidadania Atendimento direto ECE-SP recebe a comunidade com equipe qualificada e atividades orientadas Revista Linha Direta

ações de cidadania Atendimento direto ECE-SP recebe a comunidade com equipe qualificada e atividades orientadas Revista Linha Direta ações de cidadania Atendimento direto ECE-SP recebe a comunidade com equipe qualificada e atividades orientadas Valéria Araújo Quando crianças, adolescentes, jovens e familiares do distrito da Brasilândia

Leia mais

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES TIERRE OTIZ ANCHIETA 1 MÔNICA HEITLING 2 TAINAN SILVA DO

Leia mais

Projeto Leitura Viva na Vila Rubi Realizado pela Biblioteca do Centro Educacional Unificado CEU Vila Rubi

Projeto Leitura Viva na Vila Rubi Realizado pela Biblioteca do Centro Educacional Unificado CEU Vila Rubi 50 Relato de experiência Projeto Leitura Viva na Vila Rubi Realizado pela Biblioteca do Centro Educacional Unificado CEU Vila Rubi Anselina Oliveira Soares Coordenadora da Biblioteca - Biblioteca CEU Vila

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Autoconhecimento. Terceira idade; qualidade de vida; idosos; asilo. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chave: Autoconhecimento. Terceira idade; qualidade de vida; idosos; asilo. INTRODUÇÃO QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE: RESGATANDO A DIGNIDADE DO IDOSO DENTRO DO AMBIENTE ASILAR Lara Cristina Queiroz Ferreira - lara.cristina2105@hotmail.com RESUMO Este estudo teve por objetivo o autoconhecimento

Leia mais

PROJETO DE INCENTIVO À LEITURA E AS PRÁTICAS LEITORAS DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ

PROJETO DE INCENTIVO À LEITURA E AS PRÁTICAS LEITORAS DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 PROJETO DE INCENTIVO

Leia mais

ARTICULANDO CINEMA, MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO

ARTICULANDO CINEMA, MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO 1 ARTICULANDO CINEMA, MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO MAIARA DE SOUZA (UEPB) maiara.m.souza@gmail.com SENYRA MARTINS CAVALCANTI (ORIENTADORA, UEPB) senyra@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO O Projeto de Extensão O cinema

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Um na Estrada Caio Riter

Um na Estrada Caio Riter Um na Estrada Caio Riter PROJETO DE LEITURA 1 O autor Caio Riter nasceu em 24 de dezembro, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. É bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Pontifícia

Leia mais

SETE NOSSOS PROFESSORES. DIRETOR Ir. Inácio Ferreira Dantas

SETE NOSSOS PROFESSORES. DIRETOR Ir. Inácio Ferreira Dantas DIRETOR Ir. Inácio Ferreira Dantas VICE DIRETORA EDUCACIONAL Bruna Sousa dos Santos ASSESSOR ADMINISTRATIVO Manuel da Silva Lima SETE NOSSOS PROFESSORES Basquete Prof. Carlos Magno Futsal Prof. José Maria

Leia mais

Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida

Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida Violência gera debate sobre a redução da maioridade penal Projetos da PUCPR proporcionam aos adolescentes novas oportunidades de vida Um adolescente entre 16 e 18 anos de idade, que assalta e mata alguém,

Leia mais

Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957.

Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957. Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957. FORMAÇÃO

Leia mais

TEdAM. Educação Ambiental

TEdAM. Educação Ambiental 290 Educação Ambiental TEdAM Resumo O projeto TEdAm tem como meta principal introduzir novas formas de construção, cooperação e circulação de conhecimentos e informações, capazes de auxiliar o processo

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA

PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA Introdução O Plano Setorial da Superintendência da Leitura e do Conhecimento do Estado do Rio de Janeiro é fruto

Leia mais

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica?

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? Categories : Copa Pública Date : 18 de setembro de 2012 Maria Aparecida Menezes Vieira, a Cida, de 46 anos, há mais de 20 anos faz ponto na rua Afonso

Leia mais

Minha Casa Minha Vida PROJETO DE TRABALHO SOCIAL-PTS RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PTS NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA AGOSTO-2015

Minha Casa Minha Vida PROJETO DE TRABALHO SOCIAL-PTS RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PTS NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA AGOSTO-2015 Minha Casa Minha Vida PROJETO DE TRABALHO SOCIAL-PTS RELATÓRIO DAS AÇÕES DO PTS NO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA AGOSTO-2015 SENHOR DO BONFIM - BAHIA 2015 1 ATIVIDADES: DESCRIÇÃO A correta utilização

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Grupo Atitude Vila Macedo

Mostra de Projetos 2011. Grupo Atitude Vila Macedo Mostra de Projetos 2011 Grupo Atitude Vila Macedo Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Centro de Referência

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Câmpus Curitiba RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Câmpus Curitiba RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Câmpus Curitiba RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO ROSILENE XAVIER DA SILVA LOPES Relatório apresentado ao

Leia mais

PEDAGOGIA SOCIAL: NARRATIVAS DE UMA DIRETORA DE UMA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL

PEDAGOGIA SOCIAL: NARRATIVAS DE UMA DIRETORA DE UMA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PEDAGOGIA SOCIAL: NARRATIVAS DE UMA DIRETORA DE UMA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL Andressa Arruda de Lima Edriano Pereira da Silva Karla Christiane de Góis Lira Vanessa Luana da Silva RESUMO O presente

Leia mais

CULTURA OBJETIVOS E METAS

CULTURA OBJETIVOS E METAS CULTURA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração das políticas públicas na área de cultura com a participação de mais entidades e partidos políticos, via projetos e via mobilização

Leia mais

Evento O evento teve início com a participação da artista e produtora cultural Tuka Villa- Lobos, que falou sobre a contribuição e a importância das

Evento O evento teve início com a participação da artista e produtora cultural Tuka Villa- Lobos, que falou sobre a contribuição e a importância das Projeto Soma A promoção da integração entre arte, cultura, educação e esporte é a ferramenta adotada pelo Projeto Soma para combater o bullying e o preconceito nas escolas públicas do Distrito Federal

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PROFISSÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL - V

REFLEXÕES SOBRE A PROFISSÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL - V REFLEXÕES SOBRE A PROFISSÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL - V edilbertodonsantos@gmail.com Vocês já ouviram alguém dizer que polícia é igual criança, quando está perto incomoda e quando está longe faz falta?

Leia mais

QUESTIONÁRIO 1. ALUNO(A) 4 a Série EF

QUESTIONÁRIO 1. ALUNO(A) 4 a Série EF 1. SEXO a.( ) Masculino. b.( ) Feminino. 2. COMO VOCÊ SE CONSIDERA? a.( ) Branco(a). b.( ) Pardo(a). c.( ) Preto(a). d.( ) Amarelo(a). e.( ) Indígena. 3. QUAL A SUA IDADE? 8 anos 9 anos 10 anos 11 anos

Leia mais

coleção Conversas #9 - junho 2014 - m i o o Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #9 - junho 2014 - m i o o Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. sou Eu Por do que coleção Conversas #9 - junho 2014 - Candomblé. tã estou sen d o o discri m i na da? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 Fala cidadão: promovendo o direcionamento social, educacional e profissional do aluno da E.J.A, visando à transformação de sua realidade, na construção da cidadania Mostra Local

Leia mais

09/09/2004. Discurso do Presidente da República

09/09/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na solenidade de recepção da delegação brasileira que participou das Olimpíadas de Atenas Palácio do Planalto, 09 de setembro de 2004 Meu caro Grael, Meu querido René Simões,

Leia mais

A escola como construtora da identidade coletiva e multidimensional

A escola como construtora da identidade coletiva e multidimensional I CONCURSO DE REDAÇÃO DO PROJETO EducaNilópolis O projeto Educa Nilópolis, em desenvolvimento nas 22 escolas da rede municipal de ensino de Nilópolis, visa qualificar e dinamizar a rede municipal de ensino

Leia mais

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Ingrid Dos Santos Gonçalves 2, Sarai De Fátima Silveira De Souza 3, Andrisa Kemel Zanella 4. 1 projeto de extensão

Leia mais

Educação Sexual e Metodologia

Educação Sexual e Metodologia Educação Sexual Marcos Ribeiro Educação Sexual e Metodologia...Não saco nada de Física Literatura ou Gramática Só gosto de Educação Sexual E eu odeio Química... Legião Urbana Essa discussão não é recente.

Leia mais

Circo, Arte Educação e Cidadania

Circo, Arte Educação e Cidadania Circo, Arte Educação e Cidadania Proponente : Organização Cultural Ambiental Memorial Descritivo - Ilustrado Relatório de atividades 2014 1 Índice de atividades Histórico do Projeto Circo...03 Objetivo...03

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010 Pais e Alunos Proposta de Trabalho Ensino Médio 2010 A partir de 2010 o nosso projeto pedagógico do Ensino Médio estará ainda mais comprometido com a formação integral

Leia mais

5 Passos para vender mais com o Instagram

5 Passos para vender mais com o Instagram 5 Passos para vender mais com o Instagram Guia para iniciantes melhorarem suas estratégias ÍNDICE 1. Introdução 2. O Comportamento das pessoas na internet 3. Passo 1: Tenha um objetivo 4. Passo 2: Defina

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. e Alexsandro da Silva. 1 Andréa Carla Agnes e Silva é dinamizadora do Programa "Escola Aberta", sob orientação de Telma Ferraz Leal

1. INTRODUÇÃO. e Alexsandro da Silva. 1 Andréa Carla Agnes e Silva é dinamizadora do Programa Escola Aberta, sob orientação de Telma Ferraz Leal TÍTULO: OFICINA DE LEITURA: UMA PROPOSTA DINÂMICA PARA FORMAÇÃO DE LEITORES AUTORA: Andréa Carla Agnes e Silva 1 INSTITUIÇÃO: Universidade Federal de Pernambuco Escola Aberta ÁREA TEMÁTICA: Educação 1.

Leia mais

Programas Vencedores: seis 9º Concurso FNLIJ Os Melhores Programas de Incentivo à Leitura junto a Crianças e Jovens de todo o Brasil 2004

Programas Vencedores: seis 9º Concurso FNLIJ Os Melhores Programas de Incentivo à Leitura junto a Crianças e Jovens de todo o Brasil 2004 Programas Vencedores: seis 9º Concurso FNLIJ Os Melhores Programas de Incentivo à Leitura junto a Crianças e Jovens de todo o Brasil 2004 1º Lugar: Programa Leitura e Ciência. Programa Leitura e Ciência.

Leia mais

PROJETO TV CEDRO ROSA: A GRANDE SÃO PAULO VISTA PELOS OLHARES DOS PEQUENOS 1 Marcelo Augusto Pereira dos Santos 2

PROJETO TV CEDRO ROSA: A GRANDE SÃO PAULO VISTA PELOS OLHARES DOS PEQUENOS 1 Marcelo Augusto Pereira dos Santos 2 PROJETO TV CEDRO ROSA: A GRANDE SÃO PAULO VISTA PELOS OLHARES DOS PEQUENOS 1 Marcelo Augusto Pereira dos Santos 2 Resumo Este artigo aborda o projeto TV Cedro Rosa, desenvolvido na Escola Municipal de

Leia mais

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema JUSTIFICATIVA

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema JUSTIFICATIVA JUSTIFICATIVA O projeto denominado LEITURA EM PROGRESSO é uma proposta do Ponto de Cultura NEC e Biblioteca Comunitária Orlando Miranda, localizados no Centro Cultural Fundição Progresso, Lapa - local

Leia mais

FORMAÇÃO DE JOGADORES NO FUTEBOL BRASILEIRO PRECISAMOS MELHORAR O PROCESSO? OUTUBRO / 2013

FORMAÇÃO DE JOGADORES NO FUTEBOL BRASILEIRO PRECISAMOS MELHORAR O PROCESSO? OUTUBRO / 2013 FORMAÇÃO DE JOGADORES NO FUTEBOL BRASILEIRO PRECISAMOS MELHORAR O PROCESSO? OUTUBRO / 2013 Recentemente, escrevi uma crônica cujo texto apresentava algumas possíveis causas para que o processo de formação

Leia mais

DA FOLHA DE PAPEL À TELA DIGITAL: CENAS DE LETRAMENTO EM OFICINAS DE TIRINHAS

DA FOLHA DE PAPEL À TELA DIGITAL: CENAS DE LETRAMENTO EM OFICINAS DE TIRINHAS DA FOLHA DE PAPEL À TELA DIGITAL: CENAS DE LETRAMENTO EM OFICINAS DE TIRINHAS Luiza Alice Lima Rocha 1 (UFC) Resumo: Frente ao avanço das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs), buscamos inseri-las

Leia mais

Aprimoramento através da integração

Aprimoramento através da integração Aprimoramento através da integração Uma parceria para implementar uma solução de aprendizagem em tempo recorde Visão Geral Com mais de 70 anos de excelência na produção de conhecimento no Brasil, a Fundação

Leia mais

20 ANOS DE UNESCO NO COLÉGIO BENJAMIN CONSTANT

20 ANOS DE UNESCO NO COLÉGIO BENJAMIN CONSTANT 20 ANOS DE UNESCO NO COLÉGIO BENJAMIN CONSTANT Fachada restaurada e preservada do Colégio Benjamin Constant (igual de 1924) Neste ano de 2012, o Colégio Benjamin Constant comemora 20 anos de associação

Leia mais

A importância da participação de crianças e jovens nas práticas de cinema e educação

A importância da participação de crianças e jovens nas práticas de cinema e educação A importância da participação de crianças e jovens nas práticas de cinema e educação POR RAQUEL PACHECO 1 Há muitos anos que o investigador David Buckingham (2009) aborda e baseia seu trabalho na Convenção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO OBEDUC RANIÉRE ANDRÉ FERNANDES.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO OBEDUC RANIÉRE ANDRÉ FERNANDES. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO OBEDUC RANIÉRE ANDRÉ FERNANDES. ANÁLISE DAS MEMÓRIAS DOS PROFESSORES DA ESCOLA MUNICIPAL DE TEMPO INTERGRAL JARDIM

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Relato de experiência do Projeto A Paz que tenho em Casa desenvolvido no Centro de Referência de Assistência Social CRAS Vila Rosa Palmeira/PR

Relato de experiência do Projeto A Paz que tenho em Casa desenvolvido no Centro de Referência de Assistência Social CRAS Vila Rosa Palmeira/PR 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

ANEXO I. Roteiro para Inspeção Bimestral das Unidades de Internação. (artigos 94, 95 e 124, do Estatuto da Criança e do Adolescente)

ANEXO I. Roteiro para Inspeção Bimestral das Unidades de Internação. (artigos 94, 95 e 124, do Estatuto da Criança e do Adolescente) SIGLAS: ANEXO I Roteiro para Inspeção Bimestral das Unidades de Internação (artigos 94, 95 e 124, do Estatuto da Criança e do Adolescente) ECA: Estatuto da Criança e do Adolescente; Informações Iniciais

Leia mais

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre anterior, dentro de contextos que buscavam enfatizar o

Leia mais

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no VISITA AO AMAPÁ FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça A Justiça brasileira deve se humanizar. A afirmação foi feita pela ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

distribuição gratuita - fevereiro de 2012

distribuição gratuita - fevereiro de 2012 distribuição gratuita - fevereiro de 2012 desenhos - Estúdio enquadrinho Por que essa pergunta, filho? É que a gente queria pedir para ele arrumar o campinho. A grama de lá está tão ruim que não dá pra

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

TRABALHO VOLUNTÁRIO VISITA AO LAR DA TERCEIRA IDADE DONA VILMA

TRABALHO VOLUNTÁRIO VISITA AO LAR DA TERCEIRA IDADE DONA VILMA 140 TRABALHO VOLUNTÁRIO VISITA AO LAR DA TERCEIRA IDADE DONA VILMA Lucas Moreira Professor Almiro Ferreira RESUMO Através deste trabalho será desenvolvido o conceito de responsabilidade social, onde para

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PARATY INSTITUTO C&A DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO CASA AZUL

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PARATY INSTITUTO C&A DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO CASA AZUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PARATY INSTITUTO C&A DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO CASA AZUL EDITAL CONCURSO ESCOLA DE LEITORES PARATY - RJ 2009/2010 OBJETO: Seleção de projetos para o Concurso

Leia mais

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE Anexo 2 O documento que se apresenta em seguida é um dos que consideramos mais apelativos neste estudo visto ser possível ver Cecília Menano e João dos Santos e a cumplicidade que caracterizou a sua parceria

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

Programa Petrobras Cultural 2007/2008 Projetos Contemplados

Programa Petrobras Cultural 2007/2008 Projetos Contemplados Programa Petrobras Cultural 2007/2008 Projetos Contemplados CURTA-SE VIII Festival Ibero-Americano de Curtas-Metragens de Sergipe Protocolo: 4 Proponente: Centro de Estudos Casa Curta-SE Estado do Proponente:

Leia mais

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 1 JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 ENTREGADOR DE CARGAS 32 ANOS DE TRABALHO Transportadora Fácil Idade: 53 anos, nascido em Quixadá, Ceará Esposa: Raimunda Cruz de Castro Filhos: Marcílio, Liana e Luciana Durante

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO Ações de Inclusão Social e de Combate à Pobreza Modelo Próprio de Desenvolvimento Infra-estrutura para o Desenvolvimento Descentralizado Transparência na Gestão

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses?

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses? Transcrição da entrevista: Informante: nº15 Célula: 5 Data da gravação: Agosto de 2009 Geração: 2ª Idade: 35 Sexo: Masculino Tempo de gravação: 10.24 minutos INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS SAMARA DA SILVA VIEIRA (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto:

Leia mais

Objetivos da SMAM 2013

Objetivos da SMAM 2013 Objetivos da SMAM 2013 1. Conscientizar da importância dos Grupos de Mães (ou do Aconselhamento em Amamentação) no apoio às mães para iniciarem e manterem a amamentação. 2. Informar ao público sobre os

Leia mais

Relatório de Intercâmbio

Relatório de Intercâmbio Relatório de Intercâmbio 1. Dados de identificação: Informações pessoais e acadêmicas: Aline Vieira de Lima +55 83 9986 1705 aline.vieira@gmail.com Programa: PIANI Universidade anfitriã: Instituto Superior

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

Prática de leitura: a aplicabilidade do Sarau Literário no Colégio São Francisco Xavier

Prática de leitura: a aplicabilidade do Sarau Literário no Colégio São Francisco Xavier Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Prática de leitura: a aplicabilidade do Sarau Literário no Colégio São Francisco Xavier Paulo Vitor Oliveira (CSFX - FSFX) - paulo.vitoroliveira@yahoo.com.br Thiago Rosa

Leia mais

Perguntas e Respostas Mais Cultura nas Escolas

Perguntas e Respostas Mais Cultura nas Escolas Perguntas e Respostas Mais Cultura nas Escolas O que é "Mais Cultura nas Escolas"? O PROGRAMA MAIS CULTURA NAS ESCOLAS consiste em iniciativa interministerial firmada entre os Ministérios da Cultura (MINC)

Leia mais

CASA DAS CALDEIRAS UMA VIAGEM PELA HISTÓRIA

CASA DAS CALDEIRAS UMA VIAGEM PELA HISTÓRIA CASA DAS CALDEIRAS UMA VIAGEM PELA HISTÓRIA UM ESPAÇO ÚNICO, ABERTO PARA AS DINÂMICAS ARTÍSTICAS E CULTURAIS A Casa das Caldeiras é uma construção fabril de alvenaria de tijolos, construída na década de

Leia mais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UMANAS IFCH FACULDADE DE EDUCAÇÃO FACED Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais Curso: Ciências Sociais

Leia mais

Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos

Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos Módulo Intermediário - Mídia Rádio Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos Rádio e escola: a tecnologia a serviço de ecossistemas comunicativos e do protagonismo juvenil Eliany Salvatierra Doutoranda

Leia mais

A experiência do Baú de leitura

A experiência do Baú de leitura A experiência do Baú de leitura Sueli Maria Gonçalves Hitti 1 Vera Maria Oliveira Carneiro 2 No Baú, qualquer baú, é onde guardamos lembranças, alegres e tristes, objetos preciosos, outros de valor afetivo,

Leia mais

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Histórias de Comunidade de Aprendizagem Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Introdução O projeto Comunidade de Aprendizagem é baseado em um conjunto de atuações de êxito voltadas para a transformação

Leia mais

ESTATUDO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

ESTATUDO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE ESTATUDO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (*) ANGELA GUADAGNIN A sociedade de forma organizada conquistou na constituição que os direitos das crianças e adolescentes fossem um dever a ser implantado e respeitado

Leia mais

䇾Tudo o que acontece no mundo, seja no meu país, na minha cidade ou no meu bairro,

䇾Tudo o que acontece no mundo, seja no meu país, na minha cidade ou no meu bairro, 䇾Tudo o que acontece no mundo, seja no meu país, na minha cidade ou no meu bairro, acontece comigo. Então eu preciso participar das decisões que interferem na minha vida.䇿 (Herbert de Souza Betinho) CONSELHOMUNICIPALDOSDIREITOS

Leia mais

Avaliação-Pibid-Metas

Avaliação-Pibid-Metas Bolsista ID: Claines kremer Avaliação-Pibid-Metas A Inserção Este ano o reingresso na escola foi diferente, pois já estávamos inseridas na mesma há praticamente um ano. Fomos bem recepcionadas por toda

Leia mais

ED WILSON ARAÚJO, THAÍSA BUENO, MARCO ANTÔNIO GEHLEN e LUCAS SANTIGO ARRAES REINO

ED WILSON ARAÚJO, THAÍSA BUENO, MARCO ANTÔNIO GEHLEN e LUCAS SANTIGO ARRAES REINO Entrevista Cláudia Peixoto de Moura Nós da Comunicação tendemos a trabalhar com métodos qualitativos, porque, acredito, muitos pesquisadores desconhecem os procedimentos metodológicos quantitativos ED

Leia mais

COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL

COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL 389 COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL Ruth de Sousa Ferreira Silva Mestranda em Artes pela Universidade Federal de Uberlândia Introdução Este relato de experiência tem como

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ

CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ Luisa de Oliveira Demarchi Costa 1 ; Verônica Regina Müller 2 RESUMO: Este

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

FASCÍCULO INTRODUTÓRIO PROGRAMA ELEITOR DO FUTURO FORMAÇÃO PARA A EDUCAÇÃO POLÍTICA

FASCÍCULO INTRODUTÓRIO PROGRAMA ELEITOR DO FUTURO FORMAÇÃO PARA A EDUCAÇÃO POLÍTICA FASCÍCULO INTRODUTÓRIO PROGRAMA ELEITOR DO FUTURO FORMAÇÃO PARA A EDUCAÇÃO POLÍTICA Introdução A Escola e outros espaços educativos, como ONGs, movimentos sociais, pastorais e sindicatos vêm, através de

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural SENAR-AR/CE

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural SENAR-AR/CE Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROGRAMA AGRINHO: TEMA SAÚDE Qual a importância da discussão da saúde para nossa comunidade? A população da nossa comunidade tem problemas de saúde? Quais? Essa população

Leia mais

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio No segundo semestre de 1970, as revistas que publicavam fotonovelas no Brasil ocupavam o segundo lugar em tiragem e circulação, perdendo apenas para as revistas

Leia mais

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 369 PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Jorge Leonardo Garcia (Uni-FACEF) Sílvia Regina Viel Rodrigues (Uni-FACEF) O Ensino da Matemática Hoje As aulas típicas

Leia mais

COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho

COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho Dois assuntos atualmente recebem muita atenção dos educadores e gestores em Educação: o acompanhamento da evolução do Índice de Desenvolvimento

Leia mais

Espaço Ilha da Cultura Biblioteca Comunitária Profa. Martha Ribeiro Alves

Espaço Ilha da Cultura Biblioteca Comunitária Profa. Martha Ribeiro Alves Espaço Ilha da Cultura Biblioteca Comunitária Profa. Martha Ribeiro Alves Leandro Augusto de Andrade Daqui a duzentos ou trezentos anos, ou mesmo mil anos não se trata de exatidão haverá uma vida nova.

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão final: Karla Bento de Carvalho Projeto Gráfico: Fernando Selleri Silva Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Leia mais

Projeto: Trocando Ideias com a Direção. 10º Prêmio SINEPE/RS de Destaque em Comunicação Categoria: Gestão de Comunicação e Relacionamento

Projeto: Trocando Ideias com a Direção. 10º Prêmio SINEPE/RS de Destaque em Comunicação Categoria: Gestão de Comunicação e Relacionamento Projeto: Trocando Ideias com a Direção 10º Prêmio SINEPE/RS de Destaque em Comunicação Categoria: Gestão de Comunicação e Relacionamento Apresentação da Instituição Educacional Em 26 de setembro de 1988,

Leia mais

PROJETO SABER VIVER: LAZER E RECREAÇÃO NA TERCEIRA IDADE

PROJETO SABER VIVER: LAZER E RECREAÇÃO NA TERCEIRA IDADE ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PROJETO SABER VIVER: LAZER E RECREAÇÃO NA TERCEIRA IDADE Marcela Cristina Vergilio Lipori 1 Renan Augusto de Ramos 2 Clóris Regina Blanski Grden 3 Emanoel Severo 4 Lílian Maria Pinheiro

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante cerimônia de assinatura de atos e declaração à imprensa

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante cerimônia de assinatura de atos e declaração à imprensa , Luiz Inácio Lula da Silva, durante cerimônia de assinatura de atos e declaração à imprensa Porto Príncipe-Haiti, 28 de maio de 2008 Meu caro amigo, presidente René Préval, presidente da República do

Leia mais

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 JESUS ESTÁ COMIGO QUANDO SOU DESAFIADO A CRESCER! OBJETIVO - Saber que sempre que são desafiados a crescer ou assumir responsabilidades, Jesus está com

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Literatura na escola: Encantando professores, formando leitores

Literatura na escola: Encantando professores, formando leitores Literatura na escola: Encantando professores, formando leitores Renata Cavalcanti Eichenberg PUCRS De acordo com Bruno Bettelheim (1980), a criança, à medida que se desenvolve, aprende passo a passo a

Leia mais

Boletim do Instituto 3M de Inovação Social

Boletim do Instituto 3M de Inovação Social Boletim do Instituto 3M de Inovação Social Curso CURSO DE REPARAÇÃO AUTOMOTIVA PARA JOVENS O Instituto 3M de Inovação Social promove, a partir de novembro, um curso profissionalizante de reparação automotiva.

Leia mais

Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010. Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010

Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010. Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010 Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010 Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010 Sumário Introdução 3 Objetivos Estratégicos 4 Metodologia 5 Resultados Estratégicos 9 Resultados Reação

Leia mais

JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO INICIAL COM A DISCIPLINA OFICINA DE MATEMÁTICA EM PARCERIA COM O PIBID

JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO INICIAL COM A DISCIPLINA OFICINA DE MATEMÁTICA EM PARCERIA COM O PIBID JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO INICIAL COM A DISCIPLINA OFICINA DE MATEMÁTICA EM PARCERIA COM O PIBID Cléia Ferreira da Costa da Matta Universidade Federal do Acre - UFAC libriana34@hotmail.com

Leia mais

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni Título MUDANÇAS DE CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA EM UM CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Doutoranda da Universidade Anhangura/ Uniban

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais