A CANÇÃO DE NINAR EM MUSICOTERAPIA COMO FACILITADORA DA CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO DO VÍNCULO MÃE-BEBÊ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CANÇÃO DE NINAR EM MUSICOTERAPIA COMO FACILITADORA DA CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO DO VÍNCULO MÃE-BEBÊ"

Transcrição

1 A CANÇÃO DE NINAR EM MUSICOTERAPIA COMO FACILITADORA DA CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO DO VÍNCULO MÃE-BEBÊ Gláucia Tomaz Marques Pereira 1 Resumo: O presente trabalho é desenvolvido no CRASA/APAE, Anápolis-GO, que atende crianças com disfunção neuromotora e síndromes diversas, com objetivo de trabalhar vínculo mãe-bebê e expressão de conteúdos internos, através da construção de canções de ninar. Estratégia essa utilizada como primeira etapa de um projeto desenvolvido pela Musicoterapeuta e Psicóloga da instituição, em atuação transdisciplinar. Serão apresentadas reflexões sobre a voz da mãe, canção em Musicoterapia e canção de ninar potencialidade para promover e facilitar a construção do vínculo mãe-bebê, além de promover acolhimento devido à constatação de que a criança nasceu diferente. Palavras-chave: Canção de ninar. Musicoterapia. Vínculo mãe-bebê. Este trabalho pretende descrever o referencial teórico conceitual utilizado em uma das etapas do projeto desenvolvido para as mães de bebês com necessidades especiais no CRASA Centro de Reabilitação e Atenção à Saúde Auditiva unidade da APAE 2, Anápolis-Goiás, que atende usuários com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor, disfunção neuromotora e síndromes diversas; e, também apresentar metodologicamente a primeira etapa desse projeto que é intitulado: Mães Que Cantam. O projeto foi desenvolvido para acolhimento da mãe que vivencia a constatação de que seu filho não corresponderá à perfeição por ela idealizada (SOUZA, 2003). Esse reconhecimento pode trazer prejuízos na relação mãe-bebê e influenciar nos aspectos de desenvolvimento psicossocial da criança e na dinâmica família. Mesmo os recém-nascidos já são capazes de sentir o ambiente psíquico a seu redor. E nessa situação estarão também envolvidos em todos os sentimentos de tristeza e rejeição dos pais (ibid, p. 3). Devido à problemática existente nesse processo, as profissionais Musicoterapeuta e Psicóloga desenvolveram um projeto com atuação transdisciplinar para ajudar a mãe a elaborar os sentimentos decorrentes dessa constatação. O projeto tem como objetivo geral trabalhar o vínculo mãe-bebê e conteúdos pertinentes ao reconhecimento de que a criança nasceu diferente. Estabelece três etapas 1 Especialização em Artes pela FIJ (Faculdades Integradas de Jacarepaguá, Rio de Janeiro, 2009). Bacharel em Musicoterapia pela Universidade Federal de Goiás (ano 2005). Desde dezembro de 2009, atua como Musicoterapeuta do Centro de Reabilitação e Atenção à Saúde Auditiva da APAE, Anápolis-GO, atendendo pacientes com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor, disfunção neuromotora e/ou síndromes diversas. E- mail: 2 Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais

2 inicias: fortalecimento e construção do vínculo mãe-bebê, etapas do desenvolvimento da criança e vida familiar. Este trabalho propõe refletir sobre a primeira etapa do projeto, em que se utiliza a canção de ninar em Musicoterapia para abertura do canal de comunicação e expressão dos conteúdos internos, além de favorecer, a partir da ação de cantar e compor, a construção e/ou fortalecimento do vínculo da mãe com o seu bebê. A Voz que Fala, Canta e Embala as Canções de Ninar A voz é um instrumento a serviço de dois atos: a fala e o canto. Pellizzari (1993) afirma que a voz é a produção sonora emergente de um corpo vivo. O primeiro contato com o mundo dos sons advém das experiências sonoras intra-uterinas e da voz da mãe. Esta voz materna envolve o bebê com os sons que parte da fala, das canções que canta. A voz da mãe é importante para o bebê e a sua fala é do mesmo modo especial. O modo particular que caracteriza a fala materna foi nomeado por vários pesquisadores como motherese. No Brasil, essa fala pode ser nomeada como manhês, mamanhês ou maternalês (MARIANO, 2010, p. 33). O manhês é a voz da mãe expressa de forma significativa para a criança. O bebê, mesmo que não responda verbalmente para a mãe, pode expressar seus sentimentos através do sorriso, gestos ou balbucios. Ferreira (2000) acrescenta que o manhês não é próprio da mãe, mas, sim, a construção de um diálogo entre mãe e bebê a partir de significados que a mãe atribui aos sinais produzidos pela criança (s/p). Em relação à música, Ferreira (2000) afirma que os elementos do manhês são muito próximos aos elementos musicais. Nas canções de ninar a melodia é simples e, como no motherese, os sons são repetitivos e rítmicos (...). Emitindo sons, a partir do balbucio, a criança estaria criando alguma coisa a partir do que ouve da mãe, identificando-se com ela. (s/p). Para Benenzon (1985), a voz da mãe se faz presente na identidade sonora universal do bebê: nos primeiros momentos do nascimento e dias do novo ser (p. 46). O ISO universal é descrito pelo autor como uma identidade sonora que caracteriza ou identifica a todos os seres humanos, independente de seus contextos sociais, culturais, históricos e psicofisiológicos particulares. (p. 46). Passarini (2009, apud BENENZON, 2008) registra que o ISO universal representa os sons inseridos no inconsciente, e estes estão relacionados aos sons produzidos pelos batimentos cardíacos, pela inspiração e expiração, os sons da natureza como vento e água. A

3 autora acrescenta que, em termos musicais, algumas canções de ninar, ritmos binários e alguns intervalos entre notas também fazem parte dessa identidade sonora universal. Assim sendo, a voz da mãe e algumas canções de ninar podem fazer parte da identidade sonora que identifica o bebê desde os primeiros dias de nascido. Pensando sobre a relação da canção de ninar e a Musicoterapia, Arnon (2011) relata que o uso das canções de ninar como ferramenta de intervenção, deve-se ao fato de que apresentam estrutura musical simples, e neste caso, os lactentes podem diferenciá-las claramente, além de apresentar um tom mais baixo e ritmo mais lento, usado e reconhecido em várias culturas. O recém-nascido e, principalmente, o lactente pré-termo são incapazes de discriminar canções complexas (p. 184). O autor descrevendo sobre o trabalho desenvolvido no ambiente da terapia intensiva neonatal, a partir do uso da canção de ninar como ferramenta musicoterápica, constatou índice mais elevado de aleitamento materno nos grupos que participaram das sessões de Musicoterapia que no grupo controle. Verificou também que música ao vivo, cantada por voz feminina, apresentou efeitos positivos para os lactentes prematuros estáveis. O cantar da mãe, especialmente aliado a outros estímulos, como contato pele a pele (por exemplo, no método mãe-canguru), pode ser uma maneira bastante eficaz para acalmar os lactentes. (ibid). A canção de acalanto é apresentada por Millecco Filho et al. (2001) como uma ação que envolve o cantar e o contato corporal. A respeito das canções de ninar brasileiras, o autor reflete sobre a aparente contradição (pag. 38) entre conteúdos, ora poéticos e ora assustadores, dividindo essas canções nas seguintes características: exorcizadoras, ameaçadoras, afetivas, tranquilizadoras ou desmistificadoras, religiosas; contudo, independente da forma do acalanto há a presença, a voz suave e o abraço de quem acalenta. Mesmo os perigos aparentes contidos nas letras mais ameaçadoras, são neutralizados por essa presença, por esse abraço, por essa voz (2001, p. 41). Para Karst (2004), a mãe cantar músicas que sejam significativas para relação mãe-bebê pode fortalecer os laços afetivos entre os dois. A autora (2004, p. 30), citando Stahlschmidt (in: ROHENKOHL, 2002, p. 261), completa quer canções escolhidas, quer canções compostas especialmente em homenagem ao bebê, estas funcionam, aparentemente, como ilustrações do papel de espelho da mãe, descrito por Winnicott (1975) como uma das primeiras formas de percepção do bebê sobre si mesmo, a partir do que observa quando olha para a mãe e esta demonstra, em seu olhar, como o percebe.

4 Millecco Filho et al. (2001) acrescenta que a maternagem é a condição básica para que a criança se sinta suficientemente amada para prosseguir desenvolvendo-se. O Projeto: algumas reflexões O projeto Mães que Cantam acolhe mãe e bebê encaminhados para o setor de Musicoterapia e Psicologia. As terapeutas realizam a entrevista inicial para coletar dados específicos da sua área de atuação e para detectar possíveis dificuldades sócio-afetivas que envolvem a relação mãe-bebê. A anamnese musicoterápica, realizada pela Musicoterapeuta, objetiva coletar informações sobre a vivência sonora familiar, aspectos sociais e culturais da criança/família, breve histórico sobre o período gestacional da mãe, nascimento da criança, hipótese diagnóstica e medicamentos administrados, registrando-as na Ficha Musicoterápica 3. A Psicóloga, na anamnese psicológica 4, coleta informações sobre aspectos psicológicos e sociais; encaminhando, se necessário, a mãe para o projeto. Após a entrevista inicial, a dupla terapêutica se reúne e define os objetivos específicos. O atendimento terapêutico ocorre uma vez por semana, no período de trinta minutos, na sala de Musicoterapia. A ação conjunta das profissionais no mesmo espaço de atendimento realiza-se a partir da atuação transdisciplinar, em que, após o estabelecimento de objetivos comuns e investigações sobre o modo de atuação de cada um, trabalham juntos numa mesma sessão com o paciente (VON BARANOW, 1999, p. 52). Para a primeira etapa do projeto são estabelecidos procedimentos específicos que objetivam acolher a mãe e o bebê, pois é no espaço da terapia que a mãe estabelece o primeiro contato com as profissionais, com a música, com sua musicalidade, com sua expressão, ambiente este preparado para abertura do canal de comunicação. Também, nesse momento inicial, o bebê participa escutando e respondendo aos estímulos sonoros através dos gestos, balbucios e/ou vocalizações. Em Musicoterapia, o cantar é um veículo auto-expressivo, em que a mãe pode utilizar essa ferramenta como um caminho que facilite a emersão e liberação dos seus conteúdos internos. Para Queiroz (2003), a auto-expressão advinda do cantar promove a comunicação, integração do individuo com ele mesmo e com o outro, isto é, a mãe integrada com o seu bebê. 3 BENENZON, 1985: p. 72, 73. Modelo adaptado para a clientela da instituição. 4 CABALLO & SIMON, Formulário para entrevista clínica inicial. Modelo adaptado pela Psicóloga.

5 Inicialmente, as terapeutas apresentam o projeto e reforçam o contrato terapêutico. Posteriormente, a Musicoterapeuta propõe para mãe compor uma canção de ninar para o seu bebê, como um presente sonoro, para projetar o que acredita ser importante no momento acalentar. Nesse momento, a canção de ninar é utilizada em Musicoterapia como ferramenta para que a mãe possa se expressar, voltando o olhar, o toque e a voz para o seu bebê. Na Musicoterapia, a composição de canções é uma prática em que o cliente cria a melodia, a letra ou qualquer produto relacionado à canção, registrando-a de alguma forma. O Musicoterapeuta auxilia o cliente neste processo, às vezes assumindo a responsabilidade dos aspectos mais técnicos do processo, adequando a participação do cliente de acordo com sua capacidade musical (BRUSCIA, 2000, p. 128). No Projeto Mães Que Cantam, a mãe é estimulada a escolher entre compor uma nova canção de ninar: melodia, ritmo, letra e harmonia, ou parodiar uma canção conhecida escolha livre da melodia, que seja do seu universo sonoro ou utilizando melodia apresentada em áudio 5 pela Musicoterapeuta. (...) os acalantos, canções infantis ou canções que fazem parte da identidade sonora da mãe, fortalecem o vínculo mãe-bebê, como é possível observar na constatação de FRACALOSSI (2003, p. 9) a partir de atendimentos musicoterápicos com mães de prematuros: a música que elas gostam, diz mais delas. As músicas que gostam, provavelmente ouviam durante a gestação, sendo também as que os bebês estão mais familiarizados. O quê a mãe ouve e sente é o quê o bebê também ouve e sente. (KARST, 2006, p. 10) No decorrer do processo, observou-se que algumas mães apresentaram dificuldade inicial para cantar, criar, produzir, afirmando não ter capacidade para executar a atividade proposta; o que pareceu também refletir a dificuldade de algumas mães no acalentar, olhar, falar e interagir com o bebê. Estas mães foram acolhidas nas suas necessidades, recebendo o suporte da Musicoterapeuta e a intervenção Psicológica, para que o processo da sua construção fosse facilitado e para que pudessem expressar seus sentimentos e conteúdos internos. Entretanto, outras mães apresentaram facilidade para compor, nomear e cantar suas canções, parecendo satisfeitas com o cumprimento da tarefa. Estas observações sobre o comportamento das mães mediante a atividade proposta na primeira etapa do processo terapêutico são importantes, pois fornecem informações que auxiliam a condução do trabalho e facilitam estabelecer novas estratégias para as outras etapas do processo. 5 CD contendo canções de ninar instrumentadas.

6 Considerações Finais Uma notícia inesperada pode causar muitos problemas, a descoberta de que o bebê desejado tem uma condição especial pode abalar a dinâmica familiar. A mãe, quando não consegue elaborar seus sentimentos mediante a constatação de que seu filho é diferente, apresenta prejuízos na relação com o bebê, ações que interferem no modo de olhar, tocar, embalar e acalentar. O fortalecimento do vínculo mãe-bebê é a primeira estratégia para o enfrentamento da problemática da criança, pois essa relação é importante tanto para o desenvolvimento e manutenção do bem-estar físico e emocional do bebê como para modificar o estado emocional da mãe. A voz da mãe faz parte do universo sonoro da criança e a mãe que canta, embala, acalma e acalenta. Vários autores apresentam a importância da canção de ninar como estratégia para o fortalecimento do vínculo mãe-bebê, seja pela estrutura musical simples da canção ou pela ação de voltar o olhar, tocar e abraçar o bebê durante o cantar. Em Musicoterapia, a canção se apresenta como uma ferramenta expressiva e um veículo facilitador para liberação dos conteúdos internos. A composição de canção é uma estratégia para que a mãe possa expressar seus sentimentos, sendo acolhida e apoiada pela Musicoterapeuta no processo de criar. No Projeto Mães Que Cantam percebemos que a composição de canções de ninar tem-se apresentado como ferramenta para a melhora do vínculo, aumento do contato visual e físico, maior interação e aceitação sobre a problemática da criança. As mães que apresentaram dificuldade para compor foram acolhidas pelas profissionais, sendo valorizadas em cada etapa do processo dessa construção. Referências Bibliográficas ARNON, S. Music therapy intervention in the neonatal intensive care unit environment. In: JORNAL DE PEDIATRIA, Rio de Janeiro, v. 87, n. 3, p , Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/jped/v87n3/en_a01v87n03.pdf>. Acesso em: 26 mai BENENZON, R. O Manual de Musicoterapia. Trad. Clementina Nastari. Rio de Janeiro: Enelivros, BRUSCIA, K. E. Definindo Musicoterapia. Trad. Mariza Velloso Fernandez Conde. Rio de Janeiro: Enelivros, 2000.

7 CABALLO, V. E.; SIMON, M. A. Manual de Psicologia Clínica Infantil: transtornos específicos. São Paulo: Livraria Santos Editora, FERREIRA, S. S. Por que falar ao bebê se ele não compreende? In: II CONGRESSO NACIONAL SOBRE O BEBÊ: PSICANÁLISE E INTERDISCIPLINARIDADE, 2000, Recife. Disponível em: <http://www.interseccaopsicanalitica.com.br/art051.htm>. Acesso em: 03 mai KARST, T. L. Musicoterapia com mães de recém-nascidos internados em UTI Neonatal. In: XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE MUSICOTERAPIA, 2006, Goiânia-GO. Anais eletrônicos. Goiânia: SGMT, Comunicação oral. Disponível em: <http://www.sgmt.com.br/anais/p01pesquisaartigo/pa07-karst&craveiro_artigo_pesquis a_anais.pdf>. Acesso em: 01 abr Musicoterapia com Mães de Recém-Nascidos Internados em UTI Neonatal. Goiânia, GO, UFG, Originalmente apresentada como monografia para conclusão de curso, Universidade Federal de Goiás, MARIANO, D. K. A relação mãe-bebê e a constituição subjetiva da criança. Londrina, PR, UEL, Originalmente apresentada como trabalho de conclusão de curso, Universidade Estadual de Londrina, Disponível em: <http://www.uel.br/ceca/ pedagogia/pages/arquivos/danielly%20karina%20mariano.pdf>. Acesso em: 05 abr MILLECCO Filho, L. A.; BRANDÃO, M. R. E.; MILLECCO, R. P. É Preciso Cantar: musicoterapia, cantos e canções. Rio de Janeiro: Enelivros, PASSARINI, L. B. F. Musicoterapia como tratamento complementar do mal de Alzheimer. In: III CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE PSICOGERONTOLOGIA, 2009, PUC, São Paulo. Disponível em: <http://www.centrobenenzon.com.br/cmbb/pdf/ mal_de_alzheimer. pdf>. Acesso em: 25 abr PELLIZZARI, P. Musicoterapia Psicoanalítica: el malestar en la voz. Buenos Aires: Ricardo R. Resio, QUEIROZ, G. J. P. Aspectos da Musicalidade e da Música de Paul Nordoff e suas implicações na prática da clínica musicoterapêutica. São Paulo: Apontamentos, SOUZA, A. M. C. (org.). A Criança Especial: temas médicos, educativos e sociais. São Paulo: Roca, VON BARANOW, A. L. Musicoterapia: uma visão geral. Rio de Janeiro: Enelivros, 1999.

MÃES QUE CANTAM: A CANÇÃO NA RELAÇÃO DE AJUDA PARA MÃES DE BEBÊS COM SÍNDROME DE DOWN TRANSDISCIPLINARIDADE ENTRE MUSICOTERAPIA E PSICOLOGIA

MÃES QUE CANTAM: A CANÇÃO NA RELAÇÃO DE AJUDA PARA MÃES DE BEBÊS COM SÍNDROME DE DOWN TRANSDISCIPLINARIDADE ENTRE MUSICOTERAPIA E PSICOLOGIA MÃES QUE CANTAM: A CANÇÃO NA RELAÇÃO DE AJUDA PARA MÃES DE BEBÊS COM SÍNDROME DE DOWN TRANSDISCIPLINARIDADE ENTRE MUSICOTERAPIA E PSICOLOGIA Gláucia Tomaz Marques Pereira 1 RESUMO O Projeto Mães Que Cantam,

Leia mais

Experiências de Re-criação Musical e Composição Musical em Musicoterapia: estratégias de enfrentamento ao estresse?

Experiências de Re-criação Musical e Composição Musical em Musicoterapia: estratégias de enfrentamento ao estresse? Experiências de Re-criação Musical e Composição Musical em Musicoterapia: estratégias de enfrentamento ao estresse? SILVA, Fernanda Ortins 1 ; CRAVEIRO DE SÁ, Leomara. Mestrado em Música / Escola de Música

Leia mais

OS INSTRUMENTOS MUSICAIS COMO FORMA DE EXPRESSÃO DA

OS INSTRUMENTOS MUSICAIS COMO FORMA DE EXPRESSÃO DA 68 OS INSTRUMENTOS MUSICAIS COMO FORMA DE EXPRESSÃO DA SONORIDADE INTERNA AUTORA: ANA PAULA CHIZZOLINI CERVELLINI 4 Integrar a música à terapia é integrar o corpo, porque a música é feita, dita, tocada

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Musicoterapia, Consigna, Dinâmica Grupal. INTRODUÇÃO

PALAVRAS-CHAVE: Musicoterapia, Consigna, Dinâmica Grupal. INTRODUÇÃO AS CONSIGNAS EM MUSICOTERAPIA GRUPAL * Éber Marques Júnior Claudia Regina de Oliveira Zanini Ivany Fabiano Medeiros Escola de Música e Artes Cênicas/UFG Contatos: marquesjunior.e@hotmail.com, mtclaudiazanini@gmail.com,

Leia mais

Levante e cante: um projeto de musicoterapia realizado com. mães da Casa Ronald McDonald.

Levante e cante: um projeto de musicoterapia realizado com. mães da Casa Ronald McDonald. 1 Levante e cante: um projeto de musicoterapia realizado com mães da Casa Ronald MCdonald PETERSEN, Elisabeth Martins 1 bethpet@ajato.com.br MOUTA, Daysi Fernandes 2 dmouta@terra.com.br RESUMO: Este trabalho

Leia mais

As práticas em Educação Musical Especial: possíveis contribuições da Musicoterapia 1

As práticas em Educação Musical Especial: possíveis contribuições da Musicoterapia 1 As práticas em Educação Musical Especial: possíveis contribuições da Musicoterapia 1 Claudia Eboli Santos 2 Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO claudiaeboli@hotmail.com Resumo Este

Leia mais

O movimento inverso ao desenvolvimento musical no processo musicoterápico 1

O movimento inverso ao desenvolvimento musical no processo musicoterápico 1 O movimento inverso ao desenvolvimento musical no processo musicoterápico 1 José Davison da Silva Júnior Universidade Federal de Pernambuco UFPE davisonjr@click21.com.br Resumo: Este relato surgiu a partir

Leia mais

PACIENTES COM DEFICIENCIA INTELECTUAL ESPECTRO AUTÍSTICO E O FAZER MUSICAL: UMA ASSOCIAÇÃO POTENCIALMENTE TRATÁVEL COM RARO DIAGNÓSTICO

PACIENTES COM DEFICIENCIA INTELECTUAL ESPECTRO AUTÍSTICO E O FAZER MUSICAL: UMA ASSOCIAÇÃO POTENCIALMENTE TRATÁVEL COM RARO DIAGNÓSTICO PACIENTES COM DEFICIENCIA INTELECTUAL ESPECTRO AUTÍSTICO E O FAZER MUSICAL: UMA ASSOCIAÇÃO POTENCIALMENTE TRATÁVEL COM RARO DIAGNÓSTICO Mirna Rosangela Barboza Domingos 1, Elaine K 2. e Márcio Andrian

Leia mais

MÚSICA COMO ELEMENTO PSICOSSOCIAL E TERAPÊUTICO * Rosemyriam Cunha 1 Maria Carolina dos Santos Cruz 2

MÚSICA COMO ELEMENTO PSICOSSOCIAL E TERAPÊUTICO * Rosemyriam Cunha 1 Maria Carolina dos Santos Cruz 2 MÚSICA COMO ELEMENTO PSICOSSOCIAL E TERAPÊUTICO * Rosemyriam Cunha 1 Maria Carolina dos Santos Cruz 2 RESUMO Este trabalho configura-se como uma pesquisa empírico-exploratória, de caráter qualitativo,

Leia mais

Reflexões sobre vivências musicais: Musicoterapia com crianças surdas

Reflexões sobre vivências musicais: Musicoterapia com crianças surdas Reflexões sobre vivências musicais: Musicoterapia com crianças surdas Resumo: Este trabalho apresenta reflexões sobre vivências musicais que aconteceram no decorrer do estágio curricular do curso de Musicoterapia

Leia mais

TÍTULO: CRIANÇAS ACOLHIDAS: TRABALHO DE MATERNAGEM DENTRO DE UMA INSTITUIÇÃO

TÍTULO: CRIANÇAS ACOLHIDAS: TRABALHO DE MATERNAGEM DENTRO DE UMA INSTITUIÇÃO TÍTULO: CRIANÇAS ACOLHIDAS: TRABALHO DE MATERNAGEM DENTRO DE UMA INSTITUIÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO FILADÉLFIA AUTOR(ES):

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA MUSICOTERAPIA NO TRATAMENTO DE PACIENTES DEPRESSIVOS *

A CONTRIBUIÇÃO DA MUSICOTERAPIA NO TRATAMENTO DE PACIENTES DEPRESSIVOS * A CONTRIBUIÇÃO DA MUSICOTERAPIA NO TRATAMENTO DE PACIENTES DEPRESSIVOS * Camila Lima e Silva.. Musicoterapeuta pela Universidade Federal de Goiás.. Musicoterapeuta no Despertar Núcleo Educacional e Terapêutico.

Leia mais

A importância da musicoterapia para o envelhecimento ativo

A importância da musicoterapia para o envelhecimento ativo 18 A importância da musicoterapia para o envelhecimento ativo Daiane Pazzini Marques Resumo: Este artigo tem como objetivo ressaltar a importância que a musicoterapia tem para o idoso que busca um envelhecimento

Leia mais

Propiciar a socialização da criança através da participação numa comunidade mais ampla, onde descubra e domine regras próprias do convívio social.

Propiciar a socialização da criança através da participação numa comunidade mais ampla, onde descubra e domine regras próprias do convívio social. EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

A TRAJETÓRIA DA MUSICOTERAPIA EM UM CENTRO DE REABILITAÇÃO FÍSICA EM TERESINA- PIAUÍ *

A TRAJETÓRIA DA MUSICOTERAPIA EM UM CENTRO DE REABILITAÇÃO FÍSICA EM TERESINA- PIAUÍ * A TRAJETÓRIA DA MUSICOTERAPIA EM UM CENTRO DE REABILITAÇÃO FÍSICA EM TERESINA- PIAUÍ * Nydia Cabral Coutinho do Rego Monteiro 1 RESUMO Esta pesquisa, em desenvolvimento, descreve os primeiros passos do

Leia mais

Objetivos da SMAM 2013

Objetivos da SMAM 2013 Objetivos da SMAM 2013 1. Conscientizar da importância dos Grupos de Mães (ou do Aconselhamento em Amamentação) no apoio às mães para iniciarem e manterem a amamentação. 2. Informar ao público sobre os

Leia mais

Clínica é uma sala ou é um gesto? Ou: A musicalidade na formação dos alunos em Musicoterapia 1

Clínica é uma sala ou é um gesto? Ou: A musicalidade na formação dos alunos em Musicoterapia 1 Clínica é uma sala ou é um gesto? Ou: A musicalidade na formação dos alunos em Musicoterapia 1 Gregório Pereira de Queiroz 2 PALAVRAS CHAVE: setting, musicoterapia didática, formação do musicoterapeuta

Leia mais

A DINÂMICA DOS ATELIÊS DO CAIC/UEPG CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (PERÍODO INTEGRAL): PROJETO EM AÇÃO/REFLEXÃO/AÇÃO

A DINÂMICA DOS ATELIÊS DO CAIC/UEPG CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (PERÍODO INTEGRAL): PROJETO EM AÇÃO/REFLEXÃO/AÇÃO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A DINÂMICA

Leia mais

A PESSOA COM NECESSIDADES ESPECIAIS, A MUSICA E A MUSICOTERAPIA

A PESSOA COM NECESSIDADES ESPECIAIS, A MUSICA E A MUSICOTERAPIA A PESSOA COM NECESSIDADES ESPECIAIS, A MUSICA E A MUSICOTERAPIA MT.MS. Ana Sheila Tangarife (revisado em 2010) A música, embora seja Arte sem palavras, possui uma linguagem própria e abstrata. Quando falamos

Leia mais

A POTÊNCIA DA MÚSICA EM PACIENTES PSIQUIÁTRICOS- DO SETTING AO PALCO. * RESUMO

A POTÊNCIA DA MÚSICA EM PACIENTES PSIQUIÁTRICOS- DO SETTING AO PALCO. * RESUMO A POTÊNCIA DA MÚSICA EM PACIENTES PSIQUIÁTRICOS- DO SETTING AO PALCO. * RESUMO Kenia B. da Cruz 1. Esse trabalho tem por objetivo configurar a potência da música especificamente em pacientes psiquiátricos.

Leia mais

AS RELAÇÕES DAS CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS EM ATIVIDADES LÚDICAS: ABORDAGEM DA PSICOMOTRICIDADE RELACIONAL

AS RELAÇÕES DAS CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS EM ATIVIDADES LÚDICAS: ABORDAGEM DA PSICOMOTRICIDADE RELACIONAL AS RELAÇÕES DAS CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS EM ATIVIDADES LÚDICAS: ABORDAGEM DA PSICOMOTRICIDADE RELACIONAL Atos Prinz Falkenbach. UNIVATES-Centro Universitário. Lajeado, Brasil.

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 RECÉM NASCIDO PRÉ-TERMO DE MÃE ADOLESCENTE: UM RELATO DE CASO AUTORES: Giovanna Carolina Guedes 1 Cláudia Silveira Viera Jéssica Chritina Acosta Kamila Lubenow Vanessa Rosseto RESUMO: INTRODUÇÃO: Anualmente

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). MUSICOTERAPIA COMO TRATAMENTO COMPLEMENTAR NO MAL DE ALZHEIMER Luisiana B. França Passarini Centro de Musicoterapia Benenzon Brasil São Paulo, Brasil Resumo: Este artigo pretende abordar os principais

Leia mais

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II Músicas infantis. Danças, músicas e personagens folclóricos. Conhecer textos e melodias folclóricos; Entoar músicas do folclore brasileiro; Dançar músicas folclóricas; Imitar

Leia mais

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS 1 1 Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS Rosimar Bortolini Poker A principal conseqüência da surdez refere-se aos prejuízos na comunicação natural dos sujeitos surdos que atingem

Leia mais

MUSICOTERAPIA NA SALA DE ESPERA

MUSICOTERAPIA NA SALA DE ESPERA MUSICOTERAPIA NA SALA DE ESPERA Um instrumento valioso na Política de Humanização da Assistência Hospitalar LOCAL: Centro Médico Vila Mariana (Hospital Vila Mariana ) EQUIPE: Luisiana F Passarini E Wanderley

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta *

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * ARTIGOS A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * Raquel Moreira Pádova ** Introdução A questão que analiso neste trabalho, se refere à atuação do psicólogo nos grupos de pré-consulta

Leia mais

CÍRCULOS SONOROS PARA UM NASCIMENTO FELIZ UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO MUSICAL PARA GESTANTES E BEBÊS

CÍRCULOS SONOROS PARA UM NASCIMENTO FELIZ UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO MUSICAL PARA GESTANTES E BEBÊS 1 CÍRCULOS SONOROS PARA UM NASCIMENTO FELIZ UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO MUSICAL PARA GESTANTES E BEBÊS ANGELA PHILIPPINI pomar@alternex.com.br 2 INTRODUÇÃO: No princípio era o Som... Assim é desde o início

Leia mais

musicoterapia Formação do Musicoterapeuta Musicoterapia

musicoterapia Formação do Musicoterapeuta Musicoterapia Musicoterapia A Musicoterapia é a utilização da música e/ou dos elementos musicais (som, silêncio, ritmo, melodia, harmonia) pelo musicoterapeuta e pelo paciente ou grupo, em um processo estruturado para

Leia mais

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na 48 1.5. Aberastury: o nascimento de um neo-kleinianismo Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na Argentina, Arminda Aberastury fazia parte do grupo de Angel Garma, que

Leia mais

Como uma onda no ar: a música na humanização dos cuidados

Como uma onda no ar: a música na humanização dos cuidados ISSN: 1676-4285 Como uma onda no ar: a música na humanização dos cuidados Leila Bergold¹, Vera Sobral² 1 Hospital Central do Exército 2 Universidade Federal Fluminense RESUMO O texto fala da música, de

Leia mais

AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA A PARTIR DO DESENHO INFANTIL. Otília Damaris Psicopedagoga

AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA A PARTIR DO DESENHO INFANTIL. Otília Damaris Psicopedagoga AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA A PARTIR DO DESENHO INFANTIL Otília Damaris Psicopedagoga AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA A PARTIR DO DESENHO INFANTIL O desenho é uma das formas de expressão

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL EM MATERNIDADE NA CIDADE DE BARBALHA-CE

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL EM MATERNIDADE NA CIDADE DE BARBALHA-CE PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL EM MATERNIDADE NA CIDADE DE BARBALHA-CE Séfora Batista Almeida¹; Maria Auxiliadora Ferreira Brito² ¹Estudante do Curso de Medicina da Faculdade de Medicina

Leia mais

MÚSICA E CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1

MÚSICA E CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 MÚSICA E CONSTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Autora: Juliete Soares de Albuquerque Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Co-autora: Geruslandia Almeida

Leia mais

MUSICOTERAPIA E BIOÉTICA: UM ESTUDO DA MÚSICA COMO ELEMENTO IATROGÊNICO

MUSICOTERAPIA E BIOÉTICA: UM ESTUDO DA MÚSICA COMO ELEMENTO IATROGÊNICO MUSICOTERAPIA E BIOÉTICA: UM ESTUDO DA MÚSICA COMO ELEMENTO IATROGÊNICO José Davison da Silva Júnior Leomara Craveiro de Sá RESUMO: Trata-se de uma pesquisa em desenvolvimento, vinculada a um Programa

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL]

2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL] 2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL] Plano Anual de Expressão Musical Ano Letivo 2012/2013 Introdução: Esta atividade pretende que os alunos fortaleçam o gosto natural pela expressão musical

Leia mais

A CANÇÃO COMO RECURSO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO DA AFASIA *

A CANÇÃO COMO RECURSO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO DA AFASIA * A CANÇÃO COMO RECURSO TERAPÊUTICO NA REABILITAÇÃO DA AFASIA * Rosana Saldanha Silva Especialista em Musicoterapia e Fonoaudiologia Musicoterapeuta e Fonoaudióloga rosasal@terra.com.br Resumo: Este estudo

Leia mais

INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR. MÚSICA NA CRECHE: Possibilidades de musicalização para bebês.

INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR. MÚSICA NA CRECHE: Possibilidades de musicalização para bebês. UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA MUSICALIZAÇÃO I JOAO FORTUNATO SOARES DE QUADROS JUNIOR INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR MÚSICA NA CRECHE São Luís

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL III - 2012 OBJETIVOS - CRIANÇAS DE TRÊS ANOS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL III - 2012 OBJETIVOS - CRIANÇAS DE TRÊS ANOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL III - 2012 OBJETIVOS - CRIANÇAS DE TRÊS ANOS De acordo com o PCN e o Referencial Curricular da Educação Infantil, a instituição deve criar um ambiente

Leia mais

TÍTULO DO TRABALHO: O USO DA PARTITURA COLORIDA NO APRENDIZADO MUSICAL DO SURDO: CONTRIBUIÇÕES E POSSIBILIDADES.

TÍTULO DO TRABALHO: O USO DA PARTITURA COLORIDA NO APRENDIZADO MUSICAL DO SURDO: CONTRIBUIÇÕES E POSSIBILIDADES. TÍTULO DO TRABALHO: O USO DA PARTITURA COLORIDA NO APRENDIZADO MUSICAL DO SURDO: CONTRIBUIÇÕES E POSSIBILIDADES. OBJETIVOS Igor Ortega Rodrigues A partitura colorida, desenvolvida por Celso Wilmer, professor

Leia mais

Título do trabalho. O Efeito da Música Sagrada no Processo de Individuação. Andreia Valente Tarsitano Eugenia Cordeiro Curvêlo.

Título do trabalho. O Efeito da Música Sagrada no Processo de Individuação. Andreia Valente Tarsitano Eugenia Cordeiro Curvêlo. Título do trabalho O Efeito da Música Sagrada no Processo de Individuação Andreia Valente Tarsitano Eugenia Cordeiro Curvêlo Resumo O presente trabalho vem investigar literatura especializada sobre individuação

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA E MUSICOTERAPIA APLICADA EM BEBÊS E CRIANÇAS COM: Por Lic. Gabriel Federico

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA E MUSICOTERAPIA APLICADA EM BEBÊS E CRIANÇAS COM: Por Lic. Gabriel Federico Como a música impacta no desenvolvi- mento infantil? síndrome de down, paralisia cerebral e os diferentes transtornos neurológicos. XIII Si m p ó s i o Br a s i l e i r o de Mu s i c o t e r a p i a,cu

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: DOCÊNCIA E GESTÃO EDUCACIONAL (Currículo iniciado em 2009)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: DOCÊNCIA E GESTÃO EDUCACIONAL (Currículo iniciado em 2009) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA: DOCÊNCIA E GESTÃO EDUCACIONAL (Currículo iniciado em 2009) CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2171 C/H 102 Fundamentos e concepções sobre a organização curricular

Leia mais

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA 1 A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA Glória Maria Alves Ferreira Cristofolini RESUMO Sala de aula, lugar de construção do saber, de alegrias e sensibilidades. É assim que penso o verdadeiro sentido

Leia mais

UNIVERSIDADE DE STRABOURG

UNIVERSIDADE DE STRABOURG UNIVERSIDADE DE STRABOURG URP/SCLS Unidade de pesquisa em psicologia: Subjetividade, cognição e laço social EA 2071 Dir. Pr. S. LESOURD Faculdade de Psicologia 12, rue Goethe 67000, Strasbourg França Claude

Leia mais

O VÍNCULO AFETIVO ENTRE MÃE E RECÉM-NASCIDO, NA UTI NEONATAL. Cardoso, MAS¹; Santos, LDO¹; Silva, AF¹; Specian, CM ³ ; GAMA, SAS ².

O VÍNCULO AFETIVO ENTRE MÃE E RECÉM-NASCIDO, NA UTI NEONATAL. Cardoso, MAS¹; Santos, LDO¹; Silva, AF¹; Specian, CM ³ ; GAMA, SAS ². O VÍNCULO AFETIVO ENTRE MÃE E RECÉM-NASCIDO, NA UTI NEONATAL Cardoso, MAS¹; Santos, LDO¹; Silva, AF¹; Specian, CM ³ ; GAMA, SAS ². ¹ Faculdade de Ciências da Saúde - Enfermagem. Universidade do Vale do

Leia mais

ESTÁGIO EDUCAÇÃO MUSICAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ESTÁGIO EDUCAÇÃO MUSICAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 ESTÁGIO EDUCAÇÃO MUSICAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carolina SeccoBianquini 1 CARACTERIZAÇÃO DA ATIVIDADE DE ESTÁGIO O presente trabalho foi desenvolvido no CEI UEL (Centro de Educação Infantil da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ALUNOS DA TURMA 103 DA ESCOLA ESTADUAL MARANHÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

PROJETO BRINCOS, CANTIGAS E OUTRAS BRINCADEIRAS CANTADAS

PROJETO BRINCOS, CANTIGAS E OUTRAS BRINCADEIRAS CANTADAS PROJETO BRINCOS, CANTIGAS E OUTRAS BRINCADEIRAS CANTADAS Rosângela Vitale Mazzanti Michele de Assis Negri RESUMO: Este trabalho apresenta o Projeto realizado na EMEB Dr. Edward Aleixo de Paula, bem como

Leia mais

Análise de conhecimentos e práticas de mães sobre saúde bucal

Análise de conhecimentos e práticas de mães sobre saúde bucal Análise de conhecimentos e práticas de mães sobre saúde bucal ROSIANGELA RAMALHO DE SOUZA KNUPP URUBATAN VIEIRA DE MEDEIROS PAULA BAPTISTA MACHADO DE MELLO DENNIS DE CARVALHO FERREIRA MÁRCIA MARIA PEREIRA

Leia mais

Universidade de São Paulo

Universidade de São Paulo Universidade de São Paulo Observação e análise da atividade motora apresentada por um bebê de 4 meses de idade durante a audição de duas peças musicais: Sinfonia no. 40 de Mozart e a música Happy Nation

Leia mais

A ATIVIDADE DE MUSICALIZAÇÃO NO ESPAÇO DA EDUCAÇÃO INFANTIL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

A ATIVIDADE DE MUSICALIZAÇÃO NO ESPAÇO DA EDUCAÇÃO INFANTIL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A ATIVIDADE DE MUSICALIZAÇÃO NO ESPAÇO DA EDUCAÇÃO INFANTIL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Resumo VIEGAS, Elis Regina dos Santos 1 - UFGD Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias

Leia mais

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS BEZERRA 1, Aíla Murielle Medeiros CORDEIRO 1, Ingrydh KOCH 1, Bernard; LIMA 1, Tácia Adriana Florentino de NUNES

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

Música e Serviço Social Integrando Saberes 1

Música e Serviço Social Integrando Saberes 1 Música e Serviço Social Integrando Saberes 1 Ana Luiza Leal Liliam Barros Heliana Soria 2 UFPA/ICA O Projeto MÚSICA E SERVIÇO SOCIAL integrando saberes resulta de um processo construído no Projeto Luamim

Leia mais

FORMAÇÃO LEITORA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Daniela Andrade Coelho da Fonseca 1, Marilani Soares Vanalli 2

FORMAÇÃO LEITORA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Daniela Andrade Coelho da Fonseca 1, Marilani Soares Vanalli 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1155 FORMAÇÃO LEITORA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Daniela Andrade Coelho da Fonseca 1, Marilani Soares Vanalli 2 1 Mestranda

Leia mais

Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Roberta Cury de Paula 2

Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Roberta Cury de Paula 2 Processos Borderline: confiança que se estende ao ambiente Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1 Roberta Cury de Paula 2 Profa. Dra. Valéria Barbieri 3 Resumo Apesar do amplo estudo dos aspectos biológicos

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL NO TRATAMENTO DE ESQUIZOFRÊNICOS * Clarice Moura Costa

A LINGUAGEM MUSICAL NO TRATAMENTO DE ESQUIZOFRÊNICOS * Clarice Moura Costa A LINGUAGEM MUSICAL NO TRATAMENTO DE ESQUIZOFRÊNICOS * Clarice Moura Costa PALAVRAS CHAVE: psiquiatria, esquizofrênicos, linguagem musical, cultura, prazer, processo musicoterápico Vem sendo desenvolvido,

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Maria dos Prazeres Nunes 1 INTRODUÇÃO No Brasil a expansão da educação ocorre de forma lenta, mas, crescente nas últimas décadas. Com base nas determinações

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br

Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO NO SERVIÇO ODONTOLÓGICO Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br É a proposta de uma nova relação entre usuário, os profissionais que o atendem e os serviços. Todos

Leia mais

CURRÍCULO DE MÚSICA NO 1º CICLO Música nas Actividades de Enriquecimento Curricular. Cursos de Formação Contínua de Professores

CURRÍCULO DE MÚSICA NO 1º CICLO Música nas Actividades de Enriquecimento Curricular. Cursos de Formação Contínua de Professores CURRÍCULO DE MÚSICA NO 1º CICLO Música nas Actividades de Enriquecimento Curricular Cursos de Formação Contínua de Professores Meloteca 02/07/2008 1º ANO DE ESCOLARIDADE VOZ Desenvolver os aspectos essenciais

Leia mais

Consulta pediátrica. Dra Denise Marques Mota 2011

Consulta pediátrica. Dra Denise Marques Mota 2011 Consulta pediátrica Dra Denise Marques Mota 2011 Introdução Pediatria A consulta pediátrica é a base do exercício da pediatria Supervisionar Crescimento Desenvolvimento Diagnosticar e tratar Educar Orientar

Leia mais

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA PROJETO: ARTES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL O CORPO E A MENTE EM AÇÃO LUCAS DO RIO VERDE 2009 APRESENTAÇÃO Em primeiro lugar é preciso compreender

Leia mais

Promover a interação e a comunicação social que envolva os aspectos afetivos, sensoriais, estéticos e cognitivos.

Promover a interação e a comunicação social que envolva os aspectos afetivos, sensoriais, estéticos e cognitivos. Música Objetivo da Aula Promover a interação e a comunicação social que envolva os aspectos afetivos, sensoriais, estéticos e cognitivos. Desde que se começou a estudar a história da humanidade, tem-se

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

Figura 1. Interface do Ambiente Virtual GenVirtual

Figura 1. Interface do Ambiente Virtual GenVirtual O ambiente virtual, denominado GenVirtual, foi desenvolvido com tecnologia de Realidade Aumentada. O GenVirtual possibilita adicionar no mundo real do usuário objetos virtuais musicais que simulam sons

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Autor: Telma Pantano Data: 30/12/2009 Releitura realizada por Lana Bianchi e Vera Lucia Mietto. A identificação precoce de um

Leia mais

Palavras chave: Formação de Professores, Tecnologias Assistivas, Deficiência.

Palavras chave: Formação de Professores, Tecnologias Assistivas, Deficiência. FORMAÇÃO CONTINUADA ONLINE DE PROFESSORES PARA ATUAÇÃO COM ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIAS Gislaine Coimbra Budel PUC PR Elaine Cristina Nascimento PUC PR Agência Financiadora: CAPES Resumo Este artigo apresenta

Leia mais

Massagens para Crianças. Telma Batista 27 de Janeiro

Massagens para Crianças. Telma Batista 27 de Janeiro Massagens para Crianças Telma Batista 27 de Janeiro A Importância do acto de TOCAR 1 - Após a Segunda Guerra Mundial pesquisas realizadas revelaram que a causa do marasmo estava relacionada Com a falta

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM NASCIMENTO PREMATURO Francisca Daniela de Morais Roberto moraisfrancisca@bol.com.br Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU regcps@yahoo.com.br

Leia mais

A MUSICOTERAPIA NA ONCOLOGIA PEDIÁTRICA: DELIMITAÇÃO DE UM CAMPO DE ATUAÇÃO HOSPITALAR *

A MUSICOTERAPIA NA ONCOLOGIA PEDIÁTRICA: DELIMITAÇÃO DE UM CAMPO DE ATUAÇÃO HOSPITALAR * A MUSICOTERAPIA NA ONCOLOGIA PEDIÁTRICA: DELIMITAÇÃO DE UM CAMPO DE ATUAÇÃO HOSPITALAR * Eliamar Apª de Barros Fleury e Ferreira 1 Graduada em Piano Licenciada em Música Especialista em Musicoterapia na

Leia mais

Reflexão. A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação. Aluna: Ana Isabel Araújo Olim

Reflexão. A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação. Aluna: Ana Isabel Araújo Olim 1 Reflexão A Música, as Canções e a utilização de instrumentos na Educação Aluna: Ana Isabel Araújo Olim As escolas, ao longo do ano letivo, trabalham várias temáticas sociais. O infantário Donamina, para

Leia mais

O BRINCAR E A CLÍNICA

O BRINCAR E A CLÍNICA O BRINCAR E A CLÍNICA Christine Nunes (psicóloga clínica, candidata da SPRJ) RESUMO: O presente trabalho, propõe a uma breve exposição do que pensa Winnicott sobre o brincar e a sessão analítica estendendo

Leia mais

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1 RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Catharine Prata Seixas (PIBIC/UFS) Aline Grazielle Santos Soares Pereira (PIBIX/UFS) INTRODUÇÃO Vygotsky (1991), diz que o pensamento e a linguagem

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS NO RESULTADO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL

INFLUÊNCIA DOS ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS NO RESULTADO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL INFLUÊNCIA DOS ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS NO RESULTADO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL CARNEIRO 1 Cláudia; CAVALVANTI 2 Hannalice; NETA 3 Ivanilde; SOUZA 4 Dayse Centro de Ciências da Saúde /Departamento de

Leia mais

Sumário. Introdução... 7

Sumário. Introdução... 7 3 Sumário Introdução... 7 1. Somos especialistas em linguagem corporal... 9 Como os homens se comunicam, 10Comunicação linguística, 10Comunicação não linguística, 10O ato de comunicação, 11Importante:

Leia mais

Ao término da montaria, o aluno entrega o objeto identificador ao próximo da seqüência já organizada para que este vá até o cavalo a fim de realizar

Ao término da montaria, o aluno entrega o objeto identificador ao próximo da seqüência já organizada para que este vá até o cavalo a fim de realizar A EQUOTERAPIA COMO RECURSO TERAPÊUTICO APLICADO AO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DE ALUNOS DEFICIENTES MENTAIS Introdução Autora: Tatiana Naraya Puzzi de Campos Fisioterapeuta Itapetininga/SP Palavras-chave:

Leia mais

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA...

EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... EMEI PROFº ANTONIO CARLOS PACHECO E SILVA PROJETO PEDAGÓGICO 2012 BRINCAR NÃO É BRINCADEIRA... JUSTIFICATIVA Desde o nascimento a criança está imersa em um contexto social, que a identifica enquanto ser

Leia mais

ROSSI, Tereza Ribeiro de Freitas. Brincar: uma opção para a interação entre mãe ouvinte/filho surdo. Campinas: Unicamp, 2000. 169p.

ROSSI, Tereza Ribeiro de Freitas. Brincar: uma opção para a interação entre mãe ouvinte/filho surdo. Campinas: Unicamp, 2000. 169p. CADER, Fatima Ali Abdalah Abdel,; FÁVERO, Maria Helena (orientadora) - Leitura e escrita na sala de aula: uma pesquisa de intervenção com crianças surdas. UNB. Resumo Este trabalho descreve e analisa etapas

Leia mais

O GEDSP E AS LEITURAS PARA A RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE: A EXPERIÊNCIA MATERNO-INFANTIL

O GEDSP E AS LEITURAS PARA A RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE: A EXPERIÊNCIA MATERNO-INFANTIL O GEDSP E AS LEITURAS PARA A RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE: A EXPERIÊNCIA MATERNO-INFANTIL Paula Aparecida dos Santos Rodrigues¹; Adriele Freire de Souza²; Conrado Neves Satlher³. ¹Psicóloga, Residente

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012 ) No caso específico da disciplina de E. Musical, do 5ºano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

MUSICOTERAPIA NO HOSPITAL GERAL DE GUARUS UMA PERSPECTIVA NO SETOR PÚBLICO * RESUMO

MUSICOTERAPIA NO HOSPITAL GERAL DE GUARUS UMA PERSPECTIVA NO SETOR PÚBLICO * RESUMO MUSICOTERAPIA NO HOSPITAL GERAL DE GUARUS UMA PERSPECTIVA NO SETOR PÚBLICO * RESUMO Ana Christina Santos Mussalem 1 Andréa Toledo Farnettane 2 Este trabalho propõe uma leitura dos avanços e das dificuldades

Leia mais

CANTANDO AS HISTÓRIAS QUE CORPORIFICAMOS Fabiane Alonso Sakai

CANTANDO AS HISTÓRIAS QUE CORPORIFICAMOS Fabiane Alonso Sakai 1 CANTANDO AS HISTÓRIAS QUE CORPORIFICAMOS Fabiane Alonso Sakai Cante uma canção bonita falando da vida em ré maior, cante uma canção que agüente esta paulada e a gente bate o pé no chão, canto que não

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PSICOLOGIA NO ATENDIMENTO A MÃES E PAIS NA MATERNIDADE

A IMPORTÂNCIA DA PSICOLOGIA NO ATENDIMENTO A MÃES E PAIS NA MATERNIDADE 6 A IMPORTÂNCIA DA PSICOLOGIA NO ATENDIMENTO A MÃES E PAIS NA MATERNIDADE Ana Paula Santos; Camile Haslinger Cássia Ferrazza Alves Elenara Farias Lazzarotto Da Costa Ligia Andrea Rivas Ramirez Cristina

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL INSTITUIÇÃO SINODAL DE ASSINTÊNCIA, EDUCAÇÃO E CULTURA - ISAEC ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL SINODAL SETE DE SETEMBRO NÃO-ME-TOQUE /RS REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL 1 SUMÁRIO 1- CARACTERIZAÇÃO DA

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 1º VOLUME ARTES VISUAIS O FAZER ARTÍSTICO Criação de desenhos, pinturas e colagens, com base em seu próprio repertório. Exploração das possibilidades oferecidas por diferentes

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

O Autismo E O Lúdico

O Autismo E O Lúdico O Autismo E O Lúdico Autora: Lucinéia Cristina da Silva (FEF) * Coautora: Alexandra Magalhães Frighetto (UFMT) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: A apresentação desse artigo tem como

Leia mais

A língua brasileira de sinais. A língua brasileira de sinais - LIBRAS

A língua brasileira de sinais. A língua brasileira de sinais - LIBRAS A língua brasileira de sinais Os sinais, essa dança das palavras no espaço, são minha sensibilidade, minha poesia, meu eu íntimo, meu verdadeiro estilo.(emmanuelle Laborit) 1 A língua brasileira de sinais

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Equipe Anep

APRESENTAÇÃO. Equipe Anep APRESENTAÇÃO A Edição do Currículo de Ensino religioso e Ética para a Educação Básica (Educação infantil, Ensino fundamental e Ensino médio) é o resultado de um laborioso esforço de um grupo de educadores

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A IMPORTÂNCIA DO ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS (LIBRAS) PARA O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DO DEFICIENTE AUDITIVO Daisy Mara Moreira de Oliveira (UFS) dayseoliveira01@hotmail.com Derli

Leia mais