OS INSTRUMENTOS MUSICAIS COMO FORMA DE EXPRESSÃO DA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS INSTRUMENTOS MUSICAIS COMO FORMA DE EXPRESSÃO DA"

Transcrição

1 68 OS INSTRUMENTOS MUSICAIS COMO FORMA DE EXPRESSÃO DA SONORIDADE INTERNA AUTORA: ANA PAULA CHIZZOLINI CERVELLINI 4 Integrar a música à terapia é integrar o corpo, porque a música é feita, dita, tocada e cantada como manifestação corporal.(fregtman, 1989, p.17) A música sempre foi uma constante na vida do homem e por isso mesmo ela é tão antiga quanto a humanidade. (LEINIG, 1977, p.13) Os povos primitivos já faziam uso de uma linguagem musical, onde os sons eram produzidos pela voz e instrumentos, aliados ao movimento corporal (dança). Desde os tempos antigos a música era aplicada com a finalidade de curar, por curandeiros e depois por médicos. E, ao longo da História, a música foi sendo deixada de lado em seu uso terapêutico, e foi passando por um aprimoramento estético cada vez maior até chegar à música eletrônica. Os instrumentos musicais da humanidade acompanharam esta evolução, que varia de acordo com cada cultura do país onde estão inseridos. O século 20 é marcado pelo desenvolvimento tecnológico, onde as mudanças passam a acontecer em ritmo cada vez mais acelerado. Neste contexto, a Musicoterapia ressurge nos Estados Unidos, a partir do trabalho de músicos profissionais com pacientes neuróticos da Primeira Guerra Mundial. Os resultados positivos destas experiências atraíram o interesse de alguns médicos e então se passou a considerar necessário um treinamento específico para tornar o músico um terapeuta. A Federação Mundial de Musicoterapia a definiu como a utilização da música e/ou dos elementos musicais (som, ritmo, melodia e harmonia) pelo musicoterapeuta e pelo cliente ou grupo, em um processo estruturado para facilitar e promover a comunicação, o relacionamento, a aprendizagem, a mobilização, a expressão e a organização (física, emocional, mental, social e cognitiva) para desenvolver potenciais e desenvolver ou recuperar funções do indivíduo de forma que ele possa alcançar melhor integração intra e interpessoal e conseqüentemente uma melhor qualidade de vida. (RUUD.In_BRUSCIA, 2000, p.286) No presente trabalho será dado ênfase na utilização dos instrumentos musicais no contexto terapêutico e, principalmente, no método de Musicoterapia do psiquiatra argentino Rolando Benenzon intitulado: Não-verbal. Este é considerado um método 4 Ana Paula Chizzolini Cervellini é musicoterapeuta (CPMT 176/06) graduada pela Faculdade de Artes do Paraná e aluna do Curso de Formação em Psicologia Corporal pelo Instituto Reichiano. Atua na área de Dependência Química e Clínica. 68

2 69 ativo, com a utilização de instrumentos musicais (e também o movimento e a voz) como forma de expressão e de objeto intermediário entre paciente e terapeuta. No início do trabalho, o musicoterapeuta faz uma entrevista inicial com cada paciente, preenchendo uma ficha musicoterapêutica com informações a respeito do histórico musical deste, bem como, de sua cultura, meio ambiente. Partindo do Princípio de Iso, formulado pelo mesmo teórico, cada indivíduo possui um Iso, que significa Identidade Sonora. Esta identidade se forma a partir de suas vivências musicais desde o nascimento e ao longo da vida, tem influência da família, sociedade e cultura onde o indivíduo está inserido, bem como do meio-ambiente. Estas informações são de grande importância para uma melhor análise e interação frente às expressões musicais do paciente. Durante as sessões a fala (verbal) não é utilizada e o musicoterapeuta participa como elemento de continência, deixando o grupo ou paciente livre para se expressar da forma como quiser e intervindo musicalmente somente quando for necessário. Não há um tempo determinado de duração, sendo o mínimo 40 minutos. Dentro deste contexto, o instrumento musical é definido como: todo elemento capaz de produzir um som audível ou capaz de produzir um movimento que possa ser vivenciado como mensagem, como meio de comunicação.... (BENENZON, 1988, p.72) Benenzon (1988, p.72) classifica os instrumentos utilizados em Musicoterapia em: instrumentos corporais, instrumentos criados, instrumentos musicais propriamente ditos e instrumentos eletrônicos. Os instrumentos corporais foram os primeiros a ser utilizados pelo homem, desde a pré-história. O corpo humano é um dos instrumentos mais completos em termos de possibilidades sonoras, englobando fenômenos sonoros internos como a respiração ou as batidas do coração, a voz, percussão através de batidas leves, estalos, etc... Como recurso terapêutico, a utilização do corpo pode ter a finalidade de promover efeitos regressivos (no caso de sons internos);o auto conhecimento e sensibilização através do toque, entre outros... Os instrumentos criados surgiram na humanidade quando os homens começaram a explorar possibilidades de produzir som em objetos externos, como extensão do próprio corpo. Na Musicoterapia, podem ser fabricados ou improvisados pelos pacientes ou pelo terapeuta, com materiais que se encontram presentes na vida cotidiana do paciente. Assim, procura-se estimular a criatividade e estabelecer um vínculo terapêutico maior, uma vez que o instrumento criado converte-se mais rapidamente em objeto intermediário por estar intimamente ligado ao ISO do paciente. Os instrumentos musicais propriamente ditos englobam todos os instrumentos fabricados pelo homem ao longo do processo evolutivo da humanidade que possui utilidade sonora ou musical e que favoreça a vinculação com a Musicoterapia. Para isso eles devem ser de simples manejo, fácil deslocamento (a fim de permitir que a expressão corporal possa ocorrer de maneira livre), de possibilidades sonoras inteligíveis e claras, e que sua presença sirva como estímulo para tornar-se um objeto intermediário. Já os instrumentos eletrônicos, que são aqueles onde um mecanismo elétrico substitui a ação mecânica, não são muito indicados neste modelo de Musicoterapia uma vez que não propiciam um vínculo terapêutico direto onde terapeuta e paciente estejam ativos, a não ser através de movimentos corporais como a dança. Existe todo um simbolismo que envolve cada instrumento e engloba a forma, a textura, a temperatura, a qualidade e a maneira de se tocar. Dentro da sessão, cabe ao terapeuta reconhecer e se comunicar a partir desta leitura, tendo como base os dados da entrevista inicial e relação terapêutica. 69

3 70 A Psicologia Corporal foi desenvolvida por W. Reich; sua metodologia visa desbloquear couraças musculares no corpo visto por ele como o inconsciente dos indivíduos. Lowen, cliente e mais tarde aluno de Reich, tomou parte neste trabalho e conduziu-o de uma forma diferente para criar a sua Bioenergética. Ambos visam o desbloqueio das couraças musculares, a diferença é que Reich pensa as energias humanas como predominantemente sexuais enquanto Lowen acredita que são energias advindas do coração e do amor do homem. Assim, a proposta do presente trabalho é fazer uma relação direta e complementar entre a leitura feita pela Musicoterapia e a leitura corporal da Bioenergética: uma leitura da energia através dos sons amplificados pelos instrumentos musicais. Quando um corpo vibrante emite som, há energia posta em movimento. Ele emite energia. Os corpos e os instrumentos de música constituem emissores de energia. (FREGTMAN, 1989, p.56)... o som se revela como portador de energia e os instrumentos como objetos amplificadores da energia do paciente. (FREGTMAN, 1989, p.57) O corpo emite energia, a sua energia interna, e o instrumento musical se torna um amplificador, um elemento que dá voz a essa expressão, tornando-a audível e possibilitando uma comunicação. A quantidade de energia que um indivíduo possui e como ele a usa irá determinar e refletir em sua personalidade (LOWEN, 1982, p.41) Então, através da energia sonora do paciente expressa pelo instrumento musical, torna-se possível perceber a personalidade do paciente. A forma como ele usa sua energia e como ele se coloca perante o mundo. Também a forma como ele se relaciona com as outras pessoas fica audível dentro deste contexto. Em termos humanos, tocar é um contato de sensibilidades entre pessoas. (LOWEN, 1982, p.80) O contato musical feito a partir dos instrumentos musicais, do movimento e da voz propõe uma interação diferenciada entre terapeuta e paciente, que depende da energia sonora (ou não/silêncio) colocada em movimento. A forma como cada paciente toca um instrumento musical externaliza sua energia e sonoridade interna, afetando os outros e se deixando afetar. Fazendo contato. Segundo o Dicionário Silveira Bueno, a palavra tocar significa: pôr a mão em; apalpar; ter contato com; atingir com um golpe; fazer soar; tirar sons de; executar; anunciar; fazer ouvir(um som); comover; sensibilizar; atingir; chegar a; experimentar; provar... (p.663) A palavra tocar aplica-se tanto ao toque corporal quanto ao instrumental, com relações, contatos e conseqüências muito semelhantes.... ainda que o toque não necessite ser diretamente físico, é uma coisa do corpo. Quando recebo um toque, ele atinge meu corpo. O toque também é recíproco. Quando envio uma mensagem (...), também recebo uma mensagem de volta. (LEVY, 1990, p.89) Da mesma maneira que um terapeuta corporal afeta seu paciente com um toque, o musicoterapeuta afeta seu paciente ao tocar um outro instrumento pois o som chega ao outro pelos ouvidos, pela pele, por energia sonora, e assim provoca reações fisiológica que mobilizam reações emocionais. Num grupo, todos estão se afetando e sendo afetados e dessa forma a qualidade do contato e de interação é audível na produção sonora. A vibração sonora possibilita uma massagem de dentro para fora. A sensação interna dessas estruturas ressonantes estimuladas evoca lembranças, facilita o emergir de sentimentos. (CHAGAS, In: 70

4 71 O instrumento musical é um mediador na comunicação, um enlace transacional fundamental com o mundo exterior. Esse modo comunicacional sonoro funciona num nível subcortical, mais ligado com o inconsciente, não intelectualizado e racionalizado, que expressa simbolicamente tensões emocionais de forma direta e espontânea. (FREGTMAN, 1989, p.52) Assim como o corpo expressa de modo mais fiel o que o indivíduo sente e sua história de vida, a expressão sonora pelo instrumento musical funciona da mesma forma. Assim, espera-se que o instrumento sirva como objeto intermediário, criando canais de comunicação ou fluidificando aqueles que se encontram rígidos ou estereotipados. Entretanto, da mesma forma que na comunicação verbal, existem expressões nos instrumentos que não são auto-expressivas, embora sejam espontâneas e inconscientes, e mostram o estado de bloqueio do paciente. Isso fica mais evidente quando o paciente já aprendeu a tocar algum instrumento e faz performances que soam desconexas e empobrecidas. A vida emocional de um indivíduo depende da motilidade do seu corpo, que por sua vez é uma função do fluxo de excitação através dele. Os distúrbios nesse fluxo ocorrem em forma bloqueios, que se manifestam em áreas onde a motilidade do corpo é reduzida. (LOWEN, 1982, p.47) Considerando que é preciso movimento para se expressar através dos instrumentos, se torna mais evidente a motilidade do corpo e os distúrbios no fluxo de energia. Lowen (1982) fala a respeito de uma linguagem corporal que engloba sinais e expressões que transmitem informações sobre o indivíduo. Essa linguagem tem sua origem no coração e na transmissão do sentimento de amor. Sem amor a si próprio, aos demais, a natureza e ao universo, o individuo é frio, alienado e desanimado. Dos nossos corações flui o calor que nos une ao mundo em que vivemos (LOWEN, 1982, p. 77). Na visão da Bioenergética a energia vital do amor flui do coração em direção à periferia do corpo. No caminho esta energia poderá passar e ser expressa ou bloqueada por canais específicos de comunicação; são eles: boca e garganta, braços e mãos e cintura e pelve. Ao tocar um instrumento, o individuo poderá estar expressando tanto a energia que flui de seu coração como os bloqueios que porventura, ele possui em si. Os bloqueios da boca e garganta que se manifestam em tensões nesta região que fazem a voz expressar angústia, choro reprimido, sofrimentos, dores e prazeres nãoexpressos o que muitas vezes se percebe numa voz fraca, chorosa ou agressiva. O mesmo ocorre na passagem do ar para tocar um instrumento de sopro. Os bloqueios nos braços e mãos aparecem em tensões desde a região dos ombros até os músculos da mão. Dependendo do tipo de toque que o individuo aplica no instrumento fica visível tanto bloqueios no corpo quanto no som. Por exemplo: uma pessoa com tensão nesta região irá forçar incrivelmente o ombro e o pescoço para segurar o violino e poderá retirar deste um som fraco ou agressivo dependendo do tipo de bloqueio existente na mão que segura o arco. Um outro exemplo é quando existe uma desconexão entre os braços\mãos e o corpo, onde a pessoa toca um ritmo contagiante no chocalho, pandeiro ou atabaque e não movimenta o resto do corpo. Os bloqueios na cintura e pelve relacionam-se com uma desconexão da metade superior e inferior do corpo e também no contato com o chão e podem ser observadas não tanto pela sonoridade expressa pelo instrumento, mas pelo movimento que vem aliado a isto. Quando cantamos ou tocamos um instrumento, somos chamados a conectar nossos ouvidos com nossas mentes, nossos olhos com nossas mãos, nossos pensamentos com nossos sentimentos, nossas fantasias inconscientes com nossas intenções 71

5 72 conscientes, nossas crenças com nossas ações; nossos mundos internos com o mundo externo e a nos conectarmos aos outros. (SAKAI, 2004, p.4) A Musicoterapia surge como uma alternativa não só de leitura desses bloqueios, mas também como ferramenta que possibilita auto-conhecimento, auto-percepção, desbloqueio de tensões, a auto-expressividade e mudanças. Para este fim, procura-se ensinar o paciente a conhecer os seus próprios sons, a ligá-los, articulá-los, buscando conseguir que os diferencie e possa dar nome aos afetos com que carrega cada um deles, entendendo que essa produção sonora pode relacionar-se com os seus conflitos. (FREGTMAN, 1989, p.59) Referências Bibliográficas: BENENZON, R. Teoria da Musicoterapia. 2 ed. São Paulo: Summus, BRUSCIA, K.E. Definindo Musicoterapia. 2 ed. Rio de Janeiro: Enelivros, CHAGAS, M. Considerações acerca da utilização da música em terapia. In: Acesso em: abril de FREGTMAN, C.D. Corpo, Música e Terapia. São Paulo: Cultrix, LEINIG, C.E. Tratado de Musicoterapia. São Paulo: Sobral, LEVY, R.B. Só posso tocar você agora! São Paulo: Ed. Brasiliense, LOWEN, A. Bioenergética.São Paulo: Summus, SAKAI, F.A. Cantando as histórias que corporificamos.in: Convenção Brasil Latino América, Congresso Brasileiro e Encontro Paranaense de Psicoterapias Corporais. 1., 4., 9. Foz do Iguaçu: Anais... Centro Reichiano, CD-ROM. TOCAR; In: Dicionário Silveira Bueno. 5 ed. São Paulo: Lisa, p

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA 1 A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA Glória Maria Alves Ferreira Cristofolini RESUMO Sala de aula, lugar de construção do saber, de alegrias e sensibilidades. É assim que penso o verdadeiro sentido

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS SENSAÇÕES DO CORPO NA FLEXIBILIDADE DA POSTURA E NO CONTATO COM O AMBIENTE

A PERCEPÇÃO DAS SENSAÇÕES DO CORPO NA FLEXIBILIDADE DA POSTURA E NO CONTATO COM O AMBIENTE 1 A PERCEPÇÃO DAS SENSAÇÕES DO CORPO NA FLEXIBILIDADE DA POSTURA E NO CONTATO COM O AMBIENTE RESUMO Luciana Gandolfo O objetivo da prática da eutonia é orientar a pessoa a focalizar a atenção em um segmento

Leia mais

..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..

..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-.. 1 PSICOTERAPIA CORPORAL APLICADA A CASAIS SOB O ENFOQUE DA BIOSSÍNTESE Maria de Nazaré Nery RESUMO Psicoterapia de casal tem como foco principal a relação dos cônjuges, independente do caráter ou relação

Leia mais

A CANÇÃO DE NINAR EM MUSICOTERAPIA COMO FACILITADORA DA CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO DO VÍNCULO MÃE-BEBÊ

A CANÇÃO DE NINAR EM MUSICOTERAPIA COMO FACILITADORA DA CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO DO VÍNCULO MÃE-BEBÊ A CANÇÃO DE NINAR EM MUSICOTERAPIA COMO FACILITADORA DA CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO DO VÍNCULO MÃE-BEBÊ Gláucia Tomaz Marques Pereira 1 Resumo: O presente trabalho é desenvolvido no CRASA/APAE, Anápolis-GO,

Leia mais

CONSTELAÇÕES FAMILIARES E SEU EMPREGO EM PSICOTERAPIA CORPORAL

CONSTELAÇÕES FAMILIARES E SEU EMPREGO EM PSICOTERAPIA CORPORAL 1 CONSTELAÇÕES FAMILIARES E SEU EMPREGO EM PSICOTERAPIA CORPORAL Ernani Eduardo Trotta Juliana Lima Bezerra RESUMO A incorporação de novos recursos terapêuticos pode contribuir para a ampliação da eficácia

Leia mais

musicoterapia Formação do Musicoterapeuta Musicoterapia

musicoterapia Formação do Musicoterapeuta Musicoterapia Musicoterapia A Musicoterapia é a utilização da música e/ou dos elementos musicais (som, silêncio, ritmo, melodia, harmonia) pelo musicoterapeuta e pelo paciente ou grupo, em um processo estruturado para

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

O PROCESSO DE MUSICALIZAÇÃO NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE

O PROCESSO DE MUSICALIZAÇÃO NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE O PROCESSO DE MUSICALIZAÇÃO NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE Romero Bomfim dos Santos 1 ; Elida Roberta Soares de Santana²; Bruno Fernandes

Leia mais

Experiências de Re-criação Musical e Composição Musical em Musicoterapia: estratégias de enfrentamento ao estresse?

Experiências de Re-criação Musical e Composição Musical em Musicoterapia: estratégias de enfrentamento ao estresse? Experiências de Re-criação Musical e Composição Musical em Musicoterapia: estratégias de enfrentamento ao estresse? SILVA, Fernanda Ortins 1 ; CRAVEIRO DE SÁ, Leomara. Mestrado em Música / Escola de Música

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Musicoterapia, Consigna, Dinâmica Grupal. INTRODUÇÃO

PALAVRAS-CHAVE: Musicoterapia, Consigna, Dinâmica Grupal. INTRODUÇÃO AS CONSIGNAS EM MUSICOTERAPIA GRUPAL * Éber Marques Júnior Claudia Regina de Oliveira Zanini Ivany Fabiano Medeiros Escola de Música e Artes Cênicas/UFG Contatos: marquesjunior.e@hotmail.com, mtclaudiazanini@gmail.com,

Leia mais

Oficina Pré Jornada VI Jornada Paranaense de Psicologia Corporal

Oficina Pré Jornada VI Jornada Paranaense de Psicologia Corporal Oficina Pré Jornada VI Jornada Paranaense de Psicologia Corporal CORPO E MÚSICA EM M V M N O O I E T Mt. Fabiane Alonso Sakai CPMT93/97 Musicoterapeuta Clínica, experiência de 12 anos na clínica de reabilitação

Leia mais

PERSPECTIVAS TEÓRICO-PRÁTICAS DE PSICÓLOGOS REICHINIANOS E NEO- REICHINIANOS

PERSPECTIVAS TEÓRICO-PRÁTICAS DE PSICÓLOGOS REICHINIANOS E NEO- REICHINIANOS PERSPECTIVAS TEÓRICO-PRÁTICAS DE PSICÓLOGOS REICHINIANOS E NEO- REICHINIANOS PAGANINI, Isabela Acadêmica - Faculda ciências da saú (FASU) RONDINA, Regina Cássia Docente (FASU) COLOMBO, Maristela Docente

Leia mais

O BLOQUEIO RESPIRATÓRIO E SUAS CONSEQUÊNCIAS SOBRE A SAÚDE EMOCIONAL Liane Veronese

O BLOQUEIO RESPIRATÓRIO E SUAS CONSEQUÊNCIAS SOBRE A SAÚDE EMOCIONAL Liane Veronese O BLOQUEIO RESPIRATÓRIO E SUAS CONSEQUÊNCIAS SOBRE A SAÚDE EMOCIONAL Liane Veronese Resumo O artigo tem como objetivo enfatizar o valor da respiração para a saúde física e emocional e as conseqüências

Leia mais

O DIAFRAGMA. 1. Descrição: É um músculo que separa o tórax do abdômen. Tem formato de sino, côncavo, para baixo. É altamente enervado e vascularizado.

O DIAFRAGMA. 1. Descrição: É um músculo que separa o tórax do abdômen. Tem formato de sino, côncavo, para baixo. É altamente enervado e vascularizado. Respiração O DIAFRAGMA 1. Descrição: É um músculo que separa o tórax do abdômen. Tem formato de sino, côncavo, para baixo. É altamente enervado e vascularizado. Sofre ação tônica do sistema nervoso simpático

Leia mais

EXPECTATIVAS E CONFLITOS NA MATERNIDADE E NA PATERNIDADE

EXPECTATIVAS E CONFLITOS NA MATERNIDADE E NA PATERNIDADE 1 EXPECTATIVAS E CONFLITOS NA MATERNIDADE E NA PATERNIDADE Maria Luiza Mello de Carvalho Gabriela Lorenzo Fernandez Koatz RESUMO O objetivo desta atividade será trabalhar expectativas e vivências dos participantes,

Leia mais

PSICOPATOLOGIA DO TRABALHO E A PESTE EMOCIONAL

PSICOPATOLOGIA DO TRABALHO E A PESTE EMOCIONAL PSICOPATOLOGIA DO TRABALHO E A PESTE EMOCIONAL (2006) Francisco Tosta Graduado em Administração de Empresas pela PUC/PR, Brasil Acadêmico de Psicologia da Universidade Tuiuti do Paraná, Brasil A frequentar

Leia mais

Título do trabalho. O Efeito da Música Sagrada no Processo de Individuação. Andreia Valente Tarsitano Eugenia Cordeiro Curvêlo.

Título do trabalho. O Efeito da Música Sagrada no Processo de Individuação. Andreia Valente Tarsitano Eugenia Cordeiro Curvêlo. Título do trabalho O Efeito da Música Sagrada no Processo de Individuação Andreia Valente Tarsitano Eugenia Cordeiro Curvêlo Resumo O presente trabalho vem investigar literatura especializada sobre individuação

Leia mais

A POTÊNCIA DA MÚSICA EM PACIENTES PSIQUIÁTRICOS- DO SETTING AO PALCO. * RESUMO

A POTÊNCIA DA MÚSICA EM PACIENTES PSIQUIÁTRICOS- DO SETTING AO PALCO. * RESUMO A POTÊNCIA DA MÚSICA EM PACIENTES PSIQUIÁTRICOS- DO SETTING AO PALCO. * RESUMO Kenia B. da Cruz 1. Esse trabalho tem por objetivo configurar a potência da música especificamente em pacientes psiquiátricos.

Leia mais

HEALING E DESENVOLVIMENTO HUMANO, UM CAMINHO PARA A EXPRESSÃO ESPIRITUAL DO SER.

HEALING E DESENVOLVIMENTO HUMANO, UM CAMINHO PARA A EXPRESSÃO ESPIRITUAL DO SER. 1 Resumo HEALING E DESENVOLVIMENTO HUMANO, UM CAMINHO PARA A EXPRESSÃO ESPIRITUAL DO SER. Cynthia Sampaio Healing e Desenvolvimento Humano constitui uma abordagem de auto desenvolvimento que envolve o

Leia mais

CANTANDO AS HISTÓRIAS QUE CORPORIFICAMOS Fabiane Alonso Sakai

CANTANDO AS HISTÓRIAS QUE CORPORIFICAMOS Fabiane Alonso Sakai 1 CANTANDO AS HISTÓRIAS QUE CORPORIFICAMOS Fabiane Alonso Sakai Cante uma canção bonita falando da vida em ré maior, cante uma canção que agüente esta paulada e a gente bate o pé no chão, canto que não

Leia mais

BRINCAR NA ESCOLA: EM BUSCA DE UMA SAÚDE VIBRANTE

BRINCAR NA ESCOLA: EM BUSCA DE UMA SAÚDE VIBRANTE BRINCAR NA ESCOLA: EM BUSCA DE UMA SAÚDE VIBRANTE Jenifer Malgarin Kitamura RESUMO A proposta deste artigo é apresentar os benefícios da inserção de atividades lúdicas do brincar na escola. A mesma pode

Leia mais

Psicologia Aplicada em Portugal

Psicologia Aplicada em Portugal Psicologia Aplicada em Portugal Áreas Técnicos de Saúde Mental Psicologia Educacional Psicologia do Trabalho Psicologia Profissional Psicologia Clínica Psicologia Criminal Psicologia Desportiva Psicólogo

Leia mais

Música é linguagem que organiza, intencionalmente, os sons e o silêncio, no continuum espaço-tempo.

Música é linguagem que organiza, intencionalmente, os sons e o silêncio, no continuum espaço-tempo. CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO MUSICAL SESC/SEDU MÓDULO 1: ELEMENTOS DA MÚSICA PROF. DARCY ALCANTARA (UFES) CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO MUSICAL SESC/SEDU DOMINGO - MANHÃ REVISÃO DOS CONCEITOS DE MÚSICA, RITMO E MELODIA

Leia mais

O IMAGINÁRIO CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES PARA UMA PSICOPEDAGOGIA REICHIANA

O IMAGINÁRIO CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES PARA UMA PSICOPEDAGOGIA REICHIANA 1 O IMAGINÁRIO CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES PARA UMA PSICOPEDAGOGIA REICHIANA Paulo F. C. Borges Sandra Mara Volpi* RESUMO Esta comunicação versa sobre a pesquisa e os resultados da prática do O Imaginário

Leia mais

Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL

Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL Belo Horizonte 1999 INTRODUÇÃO A Psicologia Comunitária tem sido um dos campos onde a Psicologia tem tido um expressivo crescimento. Trabalhar em comunidades

Leia mais

A PESSOA COM NECESSIDADES ESPECIAIS, A MUSICA E A MUSICOTERAPIA

A PESSOA COM NECESSIDADES ESPECIAIS, A MUSICA E A MUSICOTERAPIA A PESSOA COM NECESSIDADES ESPECIAIS, A MUSICA E A MUSICOTERAPIA MT.MS. Ana Sheila Tangarife (revisado em 2010) A música, embora seja Arte sem palavras, possui uma linguagem própria e abstrata. Quando falamos

Leia mais

EXERCÍCIOS DE BIOENERGÉTICA E AUTOEXPRESSÃO NA ARTE DE CANTAR

EXERCÍCIOS DE BIOENERGÉTICA E AUTOEXPRESSÃO NA ARTE DE CANTAR EXERCÍCIOS DE BIOENERGÉTICA E AUTOEXPRESSÃO NA ARTE DE CANTAR João Paulo Maczuga Sandra Mara Volpi RESUMO O canto é uma forma de expressão das emoções e dos sentimentos do ser humano. Na Bioenergética

Leia mais

COMUNICACIÓN LIBRE 31 O DESEHO DA FIGURA HUMANA COMO MÉTODO CLÍNICO DE AVALIAÇÃO DE ESTRESSE EM EQUIPE DE ENFERMAGEM.

COMUNICACIÓN LIBRE 31 O DESEHO DA FIGURA HUMANA COMO MÉTODO CLÍNICO DE AVALIAÇÃO DE ESTRESSE EM EQUIPE DE ENFERMAGEM. COMUNICACIÓN LIBRE 31 O DESEHO DA FIGURA HUMANA COMO MÉTODO CLÍNICO DE AVALIAÇÃO DE ESTRESSE EM EQUIPE DE ENFERMAGEM. Nome: MARIA DE LOURDES SERAFIM O Desenho da figura Humana como método clínico de avaliação

Leia mais

O movimento inverso ao desenvolvimento musical no processo musicoterápico 1

O movimento inverso ao desenvolvimento musical no processo musicoterápico 1 O movimento inverso ao desenvolvimento musical no processo musicoterápico 1 José Davison da Silva Júnior Universidade Federal de Pernambuco UFPE davisonjr@click21.com.br Resumo: Este relato surgiu a partir

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

A DINÂMICA DO GRUPO E SUAS LEIS 1 Heloisa Junqueira Fleury

A DINÂMICA DO GRUPO E SUAS LEIS 1 Heloisa Junqueira Fleury A DINÂMICA DO GRUPO E SUAS LEIS 1 Heloisa Junqueira Fleury O Psicodrama está intimamente ligado ao trabalho com grupos. MORENO, (1993, 1994) a partir de estudos sociométricos, apresentou princípios que

Leia mais

INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR. MÚSICA NA CRECHE: Possibilidades de musicalização para bebês.

INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR. MÚSICA NA CRECHE: Possibilidades de musicalização para bebês. UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA MUSICALIZAÇÃO I JOAO FORTUNATO SOARES DE QUADROS JUNIOR INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR MÚSICA NA CRECHE São Luís

Leia mais

CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA

CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA CULTURA ORAL E SEUS PROCESSOS MNEMÔNICOS MARILENE MEIRA DA COSTA RESUMO: É difícil pensar em se memorizar um texto ou até mesmo uma história, sem o recurso da escrita. Mais difícil ainda, é imaginar como

Leia mais

GRUPO DE CONVIVÊNCIA: A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOTERAPIA CORPORAL NUM SERVIÇO DE SAÚDE MENTAL Patricia Ziani Benites

GRUPO DE CONVIVÊNCIA: A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOTERAPIA CORPORAL NUM SERVIÇO DE SAÚDE MENTAL Patricia Ziani Benites 1 GRUPO DE CONVIVÊNCIA: A CONTRIBUIÇÃO DA PSICOTERAPIA CORPORAL NUM SERVIÇO DE SAÚDE MENTAL Patricia Ziani Benites O presente artigo retrata, antes de tudo, um aprendizado de amor, o qual estou tendo a

Leia mais

AS RELAÇÕES AMOROSAS E OS TRAÇOS DE CARÁTER

AS RELAÇÕES AMOROSAS E OS TRAÇOS DE CARÁTER 1 AS RELAÇÕES AMOROSAS E OS TRAÇOS DE CARÁTER Eloá Andreassa Resumo: As relações amorosas continuam sendo mais que um objetivo na vida das pessoas, é uma necessidade, um sonho, até uma esperança. Porém,

Leia mais

PROJETO MÚSICA NA ESCOLA

PROJETO MÚSICA NA ESCOLA Rede Salesiana de Escolas. Entusiasmo diante da vida. PROJETO MÚSICA NA ESCOLA Escola: Nossa Senhora Auxiliadora Níveis de Ensino: Fundamental II Coordenação Pedagógica: Maria das Graças L. N. Ferreira

Leia mais

Propiciar a socialização da criança através da participação numa comunidade mais ampla, onde descubra e domine regras próprias do convívio social.

Propiciar a socialização da criança através da participação numa comunidade mais ampla, onde descubra e domine regras próprias do convívio social. EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL

VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL Elisa Nélia da Cunha Brasiliense 1 Resumo: O objetivo deste texto é expor, segundo Vygotsky, a importância das brincadeiras de fazde-conta

Leia mais

MUSICOTERAPIA CORPORAL Fabiane Alonso Sakai Chiara Lorenzzetti Claudimara Zanchetta

MUSICOTERAPIA CORPORAL Fabiane Alonso Sakai Chiara Lorenzzetti Claudimara Zanchetta 1 MUSICOTERAPIA CORPORAL Fabiane Alonso Sakai Chiara Lorenzzetti Claudimara Zanchetta Na Musicoterapia o corpo humano é considerado por muitos como o instrumento musical mais completo. Quando este corpo

Leia mais

BIOFEEDBACK - SUPERANDO O ESTRESSE E AS COURAÇAS MUSCULARES COM A INTELIGÊNCIA DO CORAÇÃO

BIOFEEDBACK - SUPERANDO O ESTRESSE E AS COURAÇAS MUSCULARES COM A INTELIGÊNCIA DO CORAÇÃO 1 BIOFEEDBACK - SUPERANDO O ESTRESSE E AS COURAÇAS MUSCULARES COM A INTELIGÊNCIA DO CORAÇÃO Resumo Marco Aurélio Varassin Hernandes Com o advento das pesquisas científicas e com o avanço da tecnologia

Leia mais

ANATOMIA E APTIDÕES MUSICAIS

ANATOMIA E APTIDÕES MUSICAIS OUVIDO AFINADO TESTES REVELAM QUE AS PESSOAS SEM FORMAÇÃO MUSICAL RECONHECEM UM ACORDE, UMA MELODIA INACABADA OU VARIAÇÕES SOBRE UM TEMA TÃO BEM QUANTO UM MÚSICO PROFISSIONAL. A MÚSICA SE INSTALARIA NO

Leia mais

Sumário. Introdução... 7

Sumário. Introdução... 7 3 Sumário Introdução... 7 1. Somos especialistas em linguagem corporal... 9 Como os homens se comunicam, 10Comunicação linguística, 10Comunicação não linguística, 10O ato de comunicação, 11Importante:

Leia mais

DANÇA E MASSAGEM NA HARMONIZAÇÃO DOS CHAKRAS, DILUINDO BLOQUEIOS ENERGÉTICOS.

DANÇA E MASSAGEM NA HARMONIZAÇÃO DOS CHAKRAS, DILUINDO BLOQUEIOS ENERGÉTICOS. RESUMO COMO REFERENCIAR ESSE ARTIGO 1 DANÇA E MASSAGEM NA HARMONIZAÇÃO DOS CHAKRAS, DILUINDO BLOQUEIOS ENERGÉTICOS. Aparecida Dias Soares Carlos Eduardo Cantúsio Abrahão O objetivo da vivência é possibilitar

Leia mais

O BRINKAR COMO TRANSFORMADOR DA ENERGIA

O BRINKAR COMO TRANSFORMADOR DA ENERGIA 1 Resumo O BRINKAR COMO TRANSFORMADOR DA ENERGIA Brasilda Rocha Nosso objetivo é abordar os conceitos teóricos e práticos da terapia corporal com crianças e adolescentes, visando concretizar posturas teóricas

Leia mais

Levante e cante: um projeto de musicoterapia realizado com. mães da Casa Ronald McDonald.

Levante e cante: um projeto de musicoterapia realizado com. mães da Casa Ronald McDonald. 1 Levante e cante: um projeto de musicoterapia realizado com mães da Casa Ronald MCdonald PETERSEN, Elisabeth Martins 1 bethpet@ajato.com.br MOUTA, Daysi Fernandes 2 dmouta@terra.com.br RESUMO: Este trabalho

Leia mais

Transferência erótica na psicoterapia corporal *

Transferência erótica na psicoterapia corporal * 1 Transferência erótica na psicoterapia corporal * Luiza Revoredo de Oliveira Reghin ** * Texto apresentado na mesa redonda com este tema no Instituto de Biodinâmica, em 19 de junho de 2002. Presentes

Leia mais

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA Rogério Santos Grisante 1 ; Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: A prática da expressão corporal na disciplina de Artes Visuais no Ensino Fundamental II pode servir

Leia mais

Figura 1. Interface do Ambiente Virtual GenVirtual

Figura 1. Interface do Ambiente Virtual GenVirtual O ambiente virtual, denominado GenVirtual, foi desenvolvido com tecnologia de Realidade Aumentada. O GenVirtual possibilita adicionar no mundo real do usuário objetos virtuais musicais que simulam sons

Leia mais

ESPIRITUALIDADE E SAÚDE: UMA PERSPECTIVA BIOENERGÉTICA

ESPIRITUALIDADE E SAÚDE: UMA PERSPECTIVA BIOENERGÉTICA 1 ESPIRITUALIDADE E SAÚDE: UMA PERSPECTIVA BIOENERGÉTICA Périsson Dantas do Nascimento RESUMO O trabalho tem como objetivo principal elaborar um diálogo entre a Psicossomática e a Análise Bioenergética,

Leia mais

O processo de aquisição da linguagem escrita: estudos de A. R. Lúria e L. S. Vygotsky

O processo de aquisição da linguagem escrita: estudos de A. R. Lúria e L. S. Vygotsky O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ESCRITA: ESTUDOS DE A. R. LÚRIA E L. S. VYGOTSKY Ana Carolina Rosendo Gonzalez C. Baptista Edileusa Lopes de L. Alves Kátia Garcia Vanessa Leite * INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

I - Desenvolvimento Humano

I - Desenvolvimento Humano I - Desenvolvimento Humano 1.1. Conceito O desenvolvimento humano se estabelece através da interação do indivíduo com o ambiente físico e social. Se caracteriza pelo desenvolvimento mental e pelo crescimento

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal

PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal Ano de escolaridade: 3.º e 4.º Ano Ano lectivo: 2011/2012 Professor/a da Disciplina:... Agrupamento/Escola:.

Leia mais

OFICINA CRIATIVA é o trabalho de atendimento individual ou grupal, composto de certas etapas, no qual o sujeito expressa criativamente uma imagem

OFICINA CRIATIVA é o trabalho de atendimento individual ou grupal, composto de certas etapas, no qual o sujeito expressa criativamente uma imagem CURSO: PSICOPEDAGOGIA Universidade São Judas Tadeu Módulo: INTERVENÇÕES PSICOPEDAGÓGICAS Observação: Todos os textos foram elaborados pela professora Rosa Maria Carvalho da Silveira. Alguns desses textos

Leia mais

Teóricos da abordagem fenomenológica. Prof. Roberto Peres Veras

Teóricos da abordagem fenomenológica. Prof. Roberto Peres Veras Teóricos da abordagem fenomenológica Prof. Roberto Peres Veras Psicologia Fenomenológica Técnica Método Teoria Concepção de homem Concepção de mundo Filosofia Fenomenologia - Escola Filosófica Edmund Husserl

Leia mais

A ENERGIA DO BRINCAR: UMA ABORDAGEM BIOENERGÉTICA

A ENERGIA DO BRINCAR: UMA ABORDAGEM BIOENERGÉTICA 1 A ENERGIA DO BRINCAR: UMA ABORDAGEM BIOENERGÉTICA Dayane Pricila Rausisse Ruon Sandra Mara Volpi* RESUMO O brincar é um tema bastante discutido e de muita importância no desenvolvimento infantil. Esse

Leia mais

SOBRE MÃOS: DA MÃOZADA À TERAPIA

SOBRE MÃOS: DA MÃOZADA À TERAPIA 1 SOBRE MÃOS: DA MÃOZADA À TERAPIA Paulo Borges RESUMO A apresentação deste artigo refere-se à parte teórica do pôster homônimo e destina-se a ilustrar uma reflexão a respeito das mãos presentes no trabalho

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL NO TRATAMENTO DE ESQUIZOFRÊNICOS * Clarice Moura Costa

A LINGUAGEM MUSICAL NO TRATAMENTO DE ESQUIZOFRÊNICOS * Clarice Moura Costa A LINGUAGEM MUSICAL NO TRATAMENTO DE ESQUIZOFRÊNICOS * Clarice Moura Costa PALAVRAS CHAVE: psiquiatria, esquizofrênicos, linguagem musical, cultura, prazer, processo musicoterápico Vem sendo desenvolvido,

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS O JOGO SEGUNDO A TEORIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DE WALLON Cleudo Alves Freire Daiane Soares da Costa Ronnáli da Costa Rodrigues Rozeli Maria de Almeida Raimunda Ercilia Fernandes S. de Melo Graduandos

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

TÍTULO DO TRABALHO: O USO DA PARTITURA COLORIDA NO APRENDIZADO MUSICAL DO SURDO: CONTRIBUIÇÕES E POSSIBILIDADES.

TÍTULO DO TRABALHO: O USO DA PARTITURA COLORIDA NO APRENDIZADO MUSICAL DO SURDO: CONTRIBUIÇÕES E POSSIBILIDADES. TÍTULO DO TRABALHO: O USO DA PARTITURA COLORIDA NO APRENDIZADO MUSICAL DO SURDO: CONTRIBUIÇÕES E POSSIBILIDADES. OBJETIVOS Igor Ortega Rodrigues A partitura colorida, desenvolvida por Celso Wilmer, professor

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

MEDITANDO À LUZ DO PATHWORK. Clarice Nunes

MEDITANDO À LUZ DO PATHWORK. Clarice Nunes PROGRAMA PATHWORK DE TRANSFORMAÇÃO PESSOAL PATHWORK - RIO DE JANEIRO/ESPÍRITO SANTO HELPERSHIP FORMAÇÃO HELPER Coordenadora do PPTP HELPERSHIP MARIA DA GLÓRIA RODRIGUES COSTA MEDITANDO À LUZ DO PATHWORK

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

ENSAIO SOBRE AS ESCOLHAS: A DIFICULDADE DE FAZER FOCO, DE DIZER NÃO E DE ABRIR E FECHAR AS MÃOS

ENSAIO SOBRE AS ESCOLHAS: A DIFICULDADE DE FAZER FOCO, DE DIZER NÃO E DE ABRIR E FECHAR AS MÃOS 1 ENSAIO SOBRE AS ESCOLHAS: A DIFICULDADE DE FAZER FOCO, DE DIZER NÃO E DE ABRIR E FECHAR AS MÃOS Cristian Alencar RESUMO Diariamente as pessoas têm que fazer escolhas em suas vidas. No trabalho, nos relacionamentos,

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CURSO DE FORMAÇÃO EM SHIATSU Por Márcia Gregato

UMA EXPERIÊNCIA DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CURSO DE FORMAÇÃO EM SHIATSU Por Márcia Gregato UMA EXPERIÊNCIA DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CURSO DE FORMAÇÃO EM SHIATSU Por Márcia Gregato Introdução Visando possibilitar uma visão global do processo de aprendizagem

Leia mais

Promover a interação e a comunicação social que envolva os aspectos afetivos, sensoriais, estéticos e cognitivos.

Promover a interação e a comunicação social que envolva os aspectos afetivos, sensoriais, estéticos e cognitivos. Música Objetivo da Aula Promover a interação e a comunicação social que envolva os aspectos afetivos, sensoriais, estéticos e cognitivos. Desde que se começou a estudar a história da humanidade, tem-se

Leia mais

Potencial PSI. Educação. www.potencialpsi.com.br

Potencial PSI. Educação. www.potencialpsi.com.br Educação O povo feliz é o povo que mais se preocupa com a educação de seus filhos, seja na educação intelectual seja na educação dos sentimentos. Umpovoinstruídoamaotrabalhoesabecomocrescercomele. Ao nascer,

Leia mais

Piaget diz que os seres humanos passam por uma série de mudanças previsíveis e ordenadas; Ou seja, geralmente todos os indivíduos vivenciam todos os

Piaget diz que os seres humanos passam por uma série de mudanças previsíveis e ordenadas; Ou seja, geralmente todos os indivíduos vivenciam todos os Teoria cognitivista Piaget utilizou os princípios conhecidos como o conceito da adaptação biológica para desenvolver esta teoria; Ela diz que o desenvolvimento da inteligência dos indivíduos acontece à

Leia mais

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS.

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS. BARBOSA, S. L; BOTELHO, H. S. Jogos e brincadeiras na educação infantil. 2008. 34 f. Monografia (Graduação em Normal Superior)* - Centro Universitário de Lavras, Lavras, 2008. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês Regina Orth de Aragão Sumário Breve histórico. O acolhimento

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais

Como uma onda no ar: a música na humanização dos cuidados

Como uma onda no ar: a música na humanização dos cuidados ISSN: 1676-4285 Como uma onda no ar: a música na humanização dos cuidados Leila Bergold¹, Vera Sobral² 1 Hospital Central do Exército 2 Universidade Federal Fluminense RESUMO O texto fala da música, de

Leia mais

Existe uma terapia específica para problemas sexuais?

Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Maria de Melo Azevedo Eu acho que a terapia sexual para casos bem específicos até que pode funcionar. Ou, pelo menos, quebra o galho, como se diz.

Leia mais

As práticas em Educação Musical Especial: possíveis contribuições da Musicoterapia 1

As práticas em Educação Musical Especial: possíveis contribuições da Musicoterapia 1 As práticas em Educação Musical Especial: possíveis contribuições da Musicoterapia 1 Claudia Eboli Santos 2 Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO claudiaeboli@hotmail.com Resumo Este

Leia mais

Palavras-chave: amadurecimento, amor, equilíbrio. ..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..

Palavras-chave: amadurecimento, amor, equilíbrio. ..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-..-.. 1 AMAR É PARA EQUILIBRISTAS Eloá Andreassa Hugo César Gaete Verdugo Resumo: O amor é a questão fundamental da vida. Mas não sabemos o que exatamente é o amor e é a vida que vai nos ensinar sobre ele através

Leia mais

APERFEIÇOAMENTO HUMANO PARA O DIFERENCIAL PROFISSIONAL

APERFEIÇOAMENTO HUMANO PARA O DIFERENCIAL PROFISSIONAL 1 APERFEIÇOAMENTO HUMANO PARA O DIFERENCIAL PROFISSIONAL Carolina Mulek Lima Daniele Barbieri RESUMO Vivemos em um mundo corporativo cada vez mais competitivo. Hoje, o profissional, para ser bem sucedido,

Leia mais

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL Christiano de Oliveira Pereira 1 RESUMO O caráter específico de cada indivíduo é resultante de todas as experiências

Leia mais

CONSCIÊNCIA CORPORAL E AUTORREGULAÇÃO: UM CAMINHO PARA LIBERTAÇÃO

CONSCIÊNCIA CORPORAL E AUTORREGULAÇÃO: UM CAMINHO PARA LIBERTAÇÃO CONSCIÊNCIA CORPORAL E AUTORREGULAÇÃO: UM CAMINHO PARA LIBERTAÇÃO Bárbara Machuca Thon RESUMO A consciência corporal e autoconhecimento trazem elementos para se atingir a saúde e bem estar interior. O

Leia mais

Curso sobre a EFT. (a acupuntura emocional sem agulhas) e os princípios da Psicologia Energética

Curso sobre a EFT. (a acupuntura emocional sem agulhas) e os princípios da Psicologia Energética Curso sobre a EFT (a acupuntura emocional sem agulhas) e os princípios da Psicologia Energética Curso com certificado, credenciado pela AAMET (Association of Advancement of Meridian Techniques www.aamet.org)

Leia mais

COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO

COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO Sobre o curso: A criatividade, produtividade e a estabilidade emocional são a base para o progresso de qualquer natureza, mas, infelizmente, a rotina, responsabilidades

Leia mais

ASPECTOS PSICOAFETIVOS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO. Prof. Enéas R. Teixeira

ASPECTOS PSICOAFETIVOS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO. Prof. Enéas R. Teixeira ASPECTOS PSICOAFETIVOS NAS RELAÇÕES DE TRABALHO Prof. Enéas R. Teixeira CONSIDERAÇÕES INICIAIS Objetivos da aula Compreender as implicações psicoafetivas nas relações de trabalho em saúde Buscar formas

Leia mais

A ATIVIDADE DE MUSICALIZAÇÃO NO ESPAÇO DA EDUCAÇÃO INFANTIL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

A ATIVIDADE DE MUSICALIZAÇÃO NO ESPAÇO DA EDUCAÇÃO INFANTIL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A ATIVIDADE DE MUSICALIZAÇÃO NO ESPAÇO DA EDUCAÇÃO INFANTIL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Resumo VIEGAS, Elis Regina dos Santos 1 - UFGD Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias

Leia mais

Harmonização Corporal

Harmonização Corporal XI Congresso Brasileiro de Psicomotricidade: Diálogos e Interseções com a Psicomotricidade Um Século de História 50 anos de Brasil - Rio de Janeiro RJ - 06 à 08 de setembro de 2010 Harmonização Corporal

Leia mais

1. Identificação 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação 1

1. Identificação 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação 1 1. Identificação Agrupamento de Escolas Zona Urbana de Viseu Nº de crianças e idades abrangidas: 20 (3 aos 6 anos) Ano letivo: 2012/2013 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação

Leia mais

Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br

Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br Oficinas para Atividades com Grupos Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br I - OBJETO DO TRABALHO: 1. Analisar as principais questões metodológicas dos processos grupais, a partir

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA 1 A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA José Fernando de Freitas RESUMO Os doentes têm uma relação especial com suas doenças. A mente diz que quer se curar, mas, na realidade,

Leia mais

Medicina Psicossomática

Medicina Psicossomática Medicina Psicossomática A Medicina Psicossomática trata dos problemas Físicos, Orgânicos, Emocionais, que tenham uma origem de fundo emocional. Comunicação Não Verbal Comunicação Não Verbal é a expressão

Leia mais

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na 48 1.5. Aberastury: o nascimento de um neo-kleinianismo Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na Argentina, Arminda Aberastury fazia parte do grupo de Angel Garma, que

Leia mais

PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: CAMINHOS DA ECOLOGIA. Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI)

PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: CAMINHOS DA ECOLOGIA. Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI) PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: CAMINHOS DA ECOLOGIA Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI) Diego Porto Rocha (Universidade Federal do Piauí - UFPI) Adelany Brena Cardoso de Oliveira (Universidade

Leia mais

MÓDULO 2 MÓDULO 1 MÓDULO 3 MÓDULO 4 GESTÃO COMPORTAMENTAL NEUROCOACHING COMUNICAÇÃO NOS NEGÓCIOS PSICOLOGIA POSITIVA

MÓDULO 2 MÓDULO 1 MÓDULO 3 MÓDULO 4 GESTÃO COMPORTAMENTAL NEUROCOACHING COMUNICAÇÃO NOS NEGÓCIOS PSICOLOGIA POSITIVA MÓDULOS MÓDULO 1 MÓDULO 2 MÓDULO 3 NEUROCOACHING GESTÃO COMPORTAMENTAL MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO NOS NEGÓCIOS PSICOLOGIA POSITIVA MÓDULO 1 NEUROCOACHING PENSAR BEM RÁPIDO FALAR BEM FÁCIL AGIR BEM MELHOR Aprenda

Leia mais

A importância da musicoterapia para o envelhecimento ativo

A importância da musicoterapia para o envelhecimento ativo 18 A importância da musicoterapia para o envelhecimento ativo Daiane Pazzini Marques Resumo: Este artigo tem como objetivo ressaltar a importância que a musicoterapia tem para o idoso que busca um envelhecimento

Leia mais

Planificação Anual 1º Ano AEC Expressão Musical 2014/2015

Planificação Anual 1º Ano AEC Expressão Musical 2014/2015 Planificação Anual 1º Ano AEC Expressão Musical 2014/2015 Unidades Conteúdos Competências Actividades Recursos/Materiais Unidade 1 Unidade 2 Primeira Abordagem lúdica de Sensibilização e exploração do

Leia mais

RENASCER PARA O CORPO. VIVER PLENAMENTE.

RENASCER PARA O CORPO. VIVER PLENAMENTE. RENASCER PARA O CORPO. VIVER PLENAMENTE. Elen Patrícia Piccinini Leandro Dierka Patrícia Asinelli Silveira RESUMO Em meio à correria e compromissos do dia a dia é difícil prestar atenção em nosso corpo.

Leia mais

A Música na Antiguidade

A Música na Antiguidade A Música na Antiguidade Josemar Bessa A palavra música deriva de arte das musas em uma referência à mitologia grega, marca fundamental da cultura da antigüidade ocidental. No entanto muitos estudiosos

Leia mais

CORPO EM TERAPIA. Palavras-chave: Gestalt-terapia, percepção, contato, psicologia corporal.

CORPO EM TERAPIA. Palavras-chave: Gestalt-terapia, percepção, contato, psicologia corporal. CORPO EM TERAPIA CARRIJO, Aline Franciele, Rodrigues* CASADEI, Gabriela, Macedo* GUIRADO, Luma* MINARDI, Marcela, Zamboni* RAAD, Ana, Carolina* TONNET, Vanessa* BERVIQUE, Janete de Aguirre** RESUMO: O

Leia mais

A música foi-nos dada por causa da harmonia. E a harmonia, que tem movimentos semelhantes às revoluções da nossa alma, foi-nos dada pelas musas não

A música foi-nos dada por causa da harmonia. E a harmonia, que tem movimentos semelhantes às revoluções da nossa alma, foi-nos dada pelas musas não A música foi-nos dada por causa da harmonia. E a harmonia, que tem movimentos semelhantes às revoluções da nossa alma, foi-nos dada pelas musas não como uma ajuda para os nossos prazeres irracionais mas

Leia mais

MEDICINA PÓS-REICHIANA APRESENTAÇÃO DE UM CASO CLÍNICO Roberto Brunow Ventura

MEDICINA PÓS-REICHIANA APRESENTAÇÃO DE UM CASO CLÍNICO Roberto Brunow Ventura 1 MEDICINA PÓS-REICHIANA APRESENTAÇÃO DE UM CASO CLÍNICO Roberto Brunow Ventura RESUMO Esta apresentação tem como objetivo ilustrar a importância de usarmos uma visão global do paciente na prática clínico-terapêutica.

Leia mais

Valorização da Profissão

Valorização da Profissão Valorização da Profissão O que é um Terapeuta Holístico? O Terapeuta Holístico exerce sua profissão mantendo e equilibrando a bioenergia do cliente, para isso, utiliza-se de técnicas e recursos holísticos,

Leia mais