Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação"

Transcrição

1 Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação Carlos Eduardo Sanches da Silva, Dr. (UNIFEI) Dalton Péricles de Almeida (UNIFEI) Daniela Barreto (UNIFEI) João Batista Turrioni, Dr. (UNIFEI) Resumo A gestão de configuração vem adquirindo grande importância não somente para a organização das empresas, mas como requisito de certificação, exigido nas principais iniciativas internacionais de certificação de qualidade de processo de software: ISO 9000, CMM (Capability Maturity Model) e SPICE (Software Process Improvement and Capability Determination). Com base na estrutura da Gestão de Configuração de Software (GCS), serão apresentadas as vantagens da adoção desta prática nas empresas de desenvolvimento de software e também nas empresas que possuem pequenos grupos de desenvolvimento, mesmo que este não seja o seu core business. Palavras chave: Gestão de configuração, desenvolvimento de software, documentação. 1. Introdução Atualmente, a qualidade exigida no desenvolvimento de um produto de software vem aumentando. Com isso, maior qualidade e maior produtividade são fatores críticos para a competitividade das organizações. Paralelamente, os produtos de software estão se tornando cada vez mais complexos. Essa situação vem propiciando o uso de teorias e ferramentas que garantam a satisfação desses requisitos. Dentre essas ferramentas, uma que vem se destacando é a Gestão de Configuração de Software (GCS). A GCS está, em geral, relacionada a iniciativas de desenvolvimento de software em que o processo de desenvolvimento é bem definido, com atividades agrupadas em fases que possuem produtos bem definidos e documentados. Neste contexto, GCS é a espinha dorsal sobre a qual as fases do desenvolvimento são conduzidas e os produtos, tanto finais como intermediários, controlados. Este artigo surgiu da necessidade de alinhamento entre os conceitos de GCS e as premissas que justifiquem a sua utilização pelas empresas e/ou grupos de desenvolvimento de software. A finalidade deste artigo é identificar os principais fatores que devem ser considerados na implantação de um sistema de GCS, suas vantagens, independente da necessidade de certificação (ISO 9000, CMM...), e apresentar uma breve estatística sobre a utilização de GCS nas empresas brasileiras. 2. Conceitos A GCS pode ser definida como o processo através do qual todos os componentes de um sistema de informação (hardware e software), as suas inter-relações, a sua documentação e mesmo os processos de trabalho associados são administrados, principalmente no que se refere às parametrizações para o bom funcionamento do conjunto e as alterações que vão sendo necessárias. ENEGEP 2003 ABEPRO 1

2 Segundo Oliveira et al (2001) A Gerência de Configuração de Software propõe-se a minimizar os problemas surgidos durante o ciclo de vida do software através de um controle sistemático sobre as modificações. Não é objetivo da GCS coibir as modificações, pelo contrário, é facilitá-las. Procura-se apenas cuidar que elas ocorram de forma sistemática e controlada para evitar, ou minimizar, as suas decorrências negativas. As modificações em um produto de software são inevitáveis durante seu ciclo de vida. Elas podem ocorrer pelo surgimento de novas necessidades dos clientes, que exigem modificações dos dados produzidos por sistemas de informação ou até mesmo por restrições de orçamento ou cronograma, que causam redefinições no sistema ou produto. Como as mudanças nos produtos de software são intrínsecas, se não forem bem controladas, podem levar à perda de controle do produto e, como conseqüência, comprometer sua integridade e qualidade. O principal objetivo da GCS é possibilitar o controle das mudanças de forma eficiente, contribuindo para a melhoria do processo de desenvolvimento. Muitos desenvolvedores de software, em grande parte, não consideram as modificações que o software sofre durante seu desenvolvimento ou durante o seu ciclo de vida como um fato normal. Para estes desenvolvedores, as alterações se tornam tarefas complexas e por vezes demoradas. Esta situação ocorre principalmente devido a falta de informação consistente dos anseios dos clientes em relação ao software, falta de dados sobre como este foi construído ou até mesmo, em alguns casos, informações básicas, tais como: em que ambiente o software é utilizado e/ou quais são as suas funcionalidades. Como a função da GCS é o controle dos produtos de software, as modificações devem ser encaradas naturalmente, fazendo com que sua realização possa ser feita de forma segura, controlada e rastreável. A GCS enfoca que toda a documentação pertinente a um projeto tem que ser guardada e atualizada, seguindo uma linha que é adotada em outros ramos da engenharia.. O acesso a esta documentação para fins de consulta deve ser facilitado, mas as modificações devem ser estritamente controladas para evitar inconsistências e perdas de informação. Só o processamento disciplinado dos artefatos de um projeto garante que estes manterão a qualidade, a consistência e a atualidade ao longo das mudanças que acontecem durante a vida dos projetos e dos produtos. Uma concepção errônea, comum a muitas pretensas implantações, consiste em julgar que estão realizando uma gestão de configuração, pelo simples fato de usarem uma ferramenta de gestão de configuração, principalmente para a realização de controle de versões. Na realidade, a GCS envolve todo um conjunto de regras e procedimentos, que são apenas parcialmente automatizáveis. Dentre as normas que indicam as diretrizes para a gestão de configuração, temos a NBR ISO (Quality Management Guidelines for Configuration Management). Esta norma fornece orientação no uso da gestão de configuração na indústria e na relação com outros sistemas e procedimentos de gestão. Procura descrever todo o ciclo de desenvolvimento de um produto e foi concebida como forma de atender os requisitos de GCS estabelecidos na família de normas ISO As demais normas que formalizam GCS são as seguintes: ISO/IEC 12207, Information Technology Software Life Cycle Process; ISO/IEC TR 15846, Information Technology Configuration Management for Software. Tradicionalmente, a gestão de configuração é aplicada através de quatro atividades principais, conforme a Figura 1 [CUNHA (2001)]: ENEGEP 2003 ABEPRO 2

3 Gestão de Configuração Atividades para melhoria do processo Identificação Define os itens de configuração Controle Controla as mudanças do produto e as alterações na documentação Auditoria Relatório de estado Provê informações sobre o produto e a documentação Figura 1. Estrutura das atividades da GCS A seguir, cada uma das principais atividades da GCS são detalhadas, baseadas em Cunha (2001) e Pressman (1995): Identificação: Consiste em selecionar os itens de configuração (software configuration items - SCIs) e armazenar suas características físicas e funcionais. Os SCIs são as informações que são criadas como parte do processo de engenharia de software. Qualquer documento importante para o desenvolvimento deve tornar-se um item de configuração, mas os itens mais comuns são Especificação do Sistema, Plano de Projeto de Software, Especificação dos Requisitos de Software, Manual Preliminar do Usuário, Especificação do Projeto, Listagem do código-fonte, Plano e Procedimento de testes, entre outros Após a seleção dos itens que devem ser controlados e a definição de como estes itens devem ser identificados para que possam ser facilmente encontrados, devem ser definidas as datas ou etapas do projeto para que estes itens se tornam linhas básicas. A linha básica é um marco de referência no desenvolvimento de um software, que é caracterizado pela entrega de um ou mais itens de configuração e pela aprovação desses itens, obtida através de revisão técnica formal. Por exemplo, os elementos de uma Especificação de Projeto foram documentados e revisados. Erros são encontrados e corrigidos. Assim que todas as partes da especificação forem revisadas, corrigidas e depois aprovadas, a Especificação de Projeto torna-se uma linha básica. A partir de então, as mudanças na Especificação de Projeto devem ser feitas somente depois que cada uma delas for avaliada e aprovada. Controle: Uma das partes mais críticas do controle de configuração. O controle consiste na implementação de mecanismos que regulem as modificações sob a alçada da gestão de configuração. Devem ser levados em conta a natureza da modificação, a identificação de novos elementos envolvidos e o efeito da alteração nos demais elementos do sistema. O mecanismo de controle deve evitar a ocorrência de incompatibilidade. Auditoria: Processo realizado para verificar se o produto desenvolvido está de acordo com o que foi definido nas especificações ou em outra documentação contratual. Existem duas vertentes essenciais: PCA - Physical Configuration Audit: Verificação física da localização do hardware, software ou documentação; ENEGEP 2003 ABEPRO 3

4 FCA Functional Configuration Audit: Verificação de que as práticas anteriormente definidas estão sendo corretamente realizadas. A necessidade da realização de auditorias deve ser determinada no plano de gestão de configuração de software, podendo ter um caráter periódico (anual, bienal) ou um caráter mais contínuo, como nos grandes projetos, nos quais as mesmas são necessárias durante a evolução do produto para garantir a conformidade com o que foi planejado. Relatório de Estado: Consiste no registo e relato do estado da configuração completa do sistema em momentos definidos. Os relatórios devem ser capazes de responder às seguintes perguntas: O que aconteceu? Quem fez? Quando aconteceu? O que mais será afetado?. Em grandes projetos, aconselha-se que os relatórios de estado também possam ser instantâneos do sistema. Esta prática, geralmente, é suportada por ferramentas de software. Esta forma de criação dos relatórios minimiza a possibilidade de existência de um relatório desatualizado em relação a real configuração do sistema. Estes relatórios instantâneos desempenham um papel vital no sucesso em grandes projetos, pois possibilitam às diversas pessoas envolvidas no desenvolvimento trabalharem de forma sincronizada, evitando trabalhos conflitantes ou redundantes, uma vez que os mesmos mostram quais tarefas já foram feitas, quando e por quem. 2. Implantação de GCS Para a implantação da GCS não existe nenhum tipo de roteiro formalizado, que possa ser aplicado em todos os tipos de organização, uma vez que cada uma delas apresenta cenários diversos umas das outras, tais como necessidades diferentes, além de variados tipos de recursos humanos e computacionais. Entretanto, seguem abaixo os quatro pontos básicos que devem ser considerados numa implantação de GCS: - Identificação do que se pretende controlar; - Definição do tipo de controle a ser estabelecido; - Controle de que as modificações planejadas sejam implementadas de acordo com o especificado; - Criação de registros que permitam aos interessados a obtenção de informações do estado em que se encontram os itens sob controle. Após a definição dos pontos básicos, as próximas etapas a serem consideradas são: Definir o plano (de configuração): É no plano que se descreve a abordagem ao problema de gestão de configuração. Dele constam: procedimentos, políticas, cronogramas e responsabilidades; As normas IEEE Std: e ANSI/IEEE Std descrevem uma estrutura para elaboração de um plano de GCS. Estabelecer a gestão de configuração: Conjunto de ferramentas utilizadas para automatizar o processo. Dentre as atividades que podem ser automatizadas, temos o armazenamento, a gestão de versões, a gestão de relatórios e o controle de acesso. Definir a estratégia de adoção da gestão de configuração: Cujo propósito é auxiliar a adoção das práticas de gestão de configuração de forma a proporcionar uma transição o menos traumática possível da forma atual em que a organização está trabalhando para a forma na qual a organização deverá trabalhar. ENEGEP 2003 ABEPRO 4

5 Durante o processo de implantação deve-se ter sempre em mente os vários benefícios importantes que serão alcançados através da implantação da GCS. Estes benefícios possibilitarão à organização um aumento considerável em qualidade e flexibilidade. Dentre estes benefícios, os mais difundidos são: - Assegurar que as modificações efetuadas no produtos estão de acordo com as especificações já analisadas, acordadas com o cliente e aprovadas; - Facilidade para acomodar mudanças, uma vez que através das documentações geradas durante o ciclo de vida do software é possível facilmente identificar quais pontos serão afetados pela mudança e qual será o impacto desta mudança no produto; - Maior controle sobre os produtos, pois todo o seu ciclo de vida é documentado; - Economia de tempo no desenvolvimento, devido a minimização do tempo gasto em não conformidades entre o produto em desenvolvimento e as reais necessidades e anseios do cliente, pois nada é feito sem uma prévia análise; - Facilidade na geração de versões diferentes de um mesmo produto de software; - Facilidade em retornar à situações anteriores, pois todas as alterações não ocorrem sem uma análise de impacto sobre o produto existente e são executadas de maneira pontual, sendo facilmente identificadas e restauradas ao estado anterior. Entretanto não podemos desconsiderar os variados custos gerados por uma implantação desse tipo. Apesar de ser composta por conceitos simples e de fácil entendimento, a principal barreira enfrentada pela implantação da GCS é a mudança cultural que deve ocorrer na organização, pois a mesma representa alterações nos métodos de trabalho de vários setores, envolvendo aspectos técnicos e gerenciais. Em algumas situações, a grandeza destas mudanças muitas vezes são responsáveis pelo desencorajamento das pessoas afetadas pelo processo. Com isto, pode-se notar que a implantação da GCS não ocorre sem custos para empresa e estes custos não podem ser desprezados durante o processo de implantação, para que o objetivo final possa ser plenamente atingido. Estes custos podem ser agrupados em dois tipos: - Custos com a adoção, os quais envolvem capacitação (aquisição de informação) e treinamento do pessoal envolvido no processo; - Custos para a implementação, que envolvem recursos humanos (pessoal envolvido na implantação da GCS ), recursos computacionais (computadores e dispositivos a serem utilizados para armazenamento das informações) e ferramentas de GCS (ferramentas para automatização do processo da GCS). 3. A utilização da GCS no Brasil No Brasil, o assunto ainda é pouco conhecido e não existem no mercado ferramentas nacionais de destaque para o controle das atividades automatizáveis da GCS. Atualmente, percebe-se um interesse crescente por GCS. Esse interesse pode ser atribuído em grande parte à busca por certificações de qualidade, como ISO 9000, ou nível de maturidade, de acordo com o CMM, mas também devido às necessidades colocadas pela competição do mercado que, cada vez mais, exige qualidade. De acordo com Oliveira et al (2001), verifica-se maior incidência do uso de GCS em empresas multinacionais ou de grande porte. Além disso, deve-se observar também que o aumento de formalismo altera a rotina de trabalho da organização como um todo, gerando um ENEGEP 2003 ABEPRO 5

6 série de procedimentos de trabalho a mais que devem ser seguidos. Esta situação torna-se mais grave quando a observamos pela ótica da realidade nacional, na qual boa parte dos produtos de software são desenvolvidos por pequenas empresas, com no máximo 10 funcionários, que lutam contra a escassez de recursos e as deficiências tecnológicas para manter seus produtos no mercado. Neste cenário, todo aumento de formalidade é visto inicialmente como aumento desnecessário na carga de trabalho. Para ilustrar o uso da GCS pelas empresas brasileiras, podemos tomar como parâmetro a pesquisa Qualidade e Produtividade no Setor de Software Brasileiro. Essa pesquisa é desenvolvida, a cada dois anos, pela Secretaria de Política de Informática do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT/SEPIN), em parceria com entidades representativas do setor, como SOFTEX (Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro), ABEP (Associação Brasileira de Empresas Estaduais de Processamento de Dados), ABES (Associação Brasileira de Empresas de Software), ABINEE (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica), ASSESPRO (Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação, Software e Internet) e SUCESU (Sociedade de Usuários de Informática e Telecomunicações). Segundo a pesquisa Qualidade e Produtividade no Setor de Software Brasileiro realizada entre empresas que desenvolvem, distribuem ou editaram software 23,4% dessas empresas utilizavam GCS em Apesar de ainda representar um pequeno número de empresas, esse resultado demostra um significativo crescimento em relação aos 6,8% de empresas que utilizavam GCS em Conclusão A implantação de GCS e sua utilização em uma organização não é uma tarefa fácil, mas devese manter em foco que as mudanças ocorridas com a implentação trazem muitos benefícios para a qualidade do software produzido, melhorando a satisfação do cliente, diminuindo os retrabalhos e, principalmente, facilitando as manutenções e alterações no software durante seu ciclo de vida. A mesma possibilita ainda que mudanças simples possam ser feitas em softwares complexos sem que ocorra perda de qualidade e funcionalidade, e que mudanças complexas possam ser feitas de forma pontual e gradativa, de maneira que estas mudanças se tornem simples e ocorram sem dificuldades. Isto faz com que uma organização que adote a GCS se torne flexível e competitiva no mercado, pois produz software com qualidade e flexibilidade durante todo o ciclo de vida do mesmo. Deve-se destacar que, como em todos os processos de melhoria da qualidade, o não comprometimento dos escalões superiores pode inviabilizar o uso da GCS em uma organização, uma vez que a mesma não pode ser encarada como sendo simplesmente uma ferramenta ou um procedimento a ser seguido, mas sim uma mudança na cultura da organização. Referências ANSI/IEEE Std CUNHA, PAULO RUPINO DA. Gestão de Configuração (Configuration Management CM) IEEE Std: PRESSMAN, ROGER S. Engenharia de Software. Rio de Janeiro: Makron Books, Software Configuration Management (SCM): A pratical guide. United States of America: Albuquerque Operations Office, ENEGEP 2003 ABEPRO 6

7 OLIVEIRA, ANGELINA A. A. C. P. de. Gerência de Configuração de Software: Evolução de Software sob Controle ITI Instituto Nacional de Tecnologia e Informação. ENEGEP 2003 ABEPRO 7

Gerência de Configuração de Software Introdução

Gerência de Configuração de Software Introdução Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Ciência da Computação Processo de Engenharia de Software II Gerência de Configuração de Software Introdução Rafael Leonardo Vivian {rlvivian.uem

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática www.asrconsultoria.com.br Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade 1 Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Qualidade de software É cada dia maior o número de empresas que buscam melhorias em seus processos de desenvolvimento de software. Além do aumento da produtividade e da diminuição do retrabalho, elas buscam

Leia mais

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1 Qualidade Plácido A. S. Neto 1 1 Gerência Educacional de Tecnologia da Informação Centro Federal de Educação Tecnologia do Rio Grande do Norte 2006.1 - Planejamento e Gerência de Projetos Agenda Introdução

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 1 VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Elvis Ferreira da Silva* Msc. Marta Alves de Souza** Msc. Helder

Leia mais

ISO/IEC 20000:2005. Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006

ISO/IEC 20000:2005. Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006 ISO/IEC 20000:2005 Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006 André Jacobucci andre.jacobucci@ilumna.com +55 11 5087 8829 www.ilumna.com Objetivos desta Apresentação

Leia mais

Qualidade de Software. Aécio Costa

Qualidade de Software. Aécio Costa de Software Aécio Costa A Engenharia pode ser vista como uma confluência de práticas artesanais, comerciais e científicas [SHA90]. Software sem qualidade Projetos de software difíceis de planejar e controlar;

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software. Profº Aldo Rocha

Introdução à Qualidade de Software. Profº Aldo Rocha Introdução à Qualidade de Software Profº Aldo Rocha Agenda O que é Qualidade? O que é Qualidade de Software? Qualidade do Produto e do Processo Normas e Organismos Normativos Qualidade de Software e Processos

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software UFES - Universidade Federal do Espírito Santo Engenharia de Software Notas de Aula PARTE I E-mail: falbo@inf.ufes.br Curso: Engenharia da Computação (Atualizadas por e Monalessa Perini Barcellos - 2011)

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software Gerenciamento de Configuração de Software Prof. Ricardo Argenton Ramos [Baseado na apresentação do prof. Masiero ICMC-USP] Contexto para Gerência de Configuração 2 Problema dos Dados Compartilhados Desenvolvedor

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software

Introdução à Qualidade de Software FACULDADE DOS GUARARAPES Introdução à Qualidade de Software www.romulocesar.com.br Prof. Rômulo César (romulodandrade@gmail.com) 1/41 Objetivo do Curso Apresentar os conceitos básicos sobre Qualidade de

Leia mais

Passos para a implantação de Gerência de Configuração de Software em pequenas e médias empresas

Passos para a implantação de Gerência de Configuração de Software em pequenas e médias empresas Passos para a implantação de Gerência de Configuração de Software em pequenas e médias empresas Ederson Luis Posselt, Joel Henri Walter Instituto de Informática Universidade de Santa Cruz do Sul(UNISC)

Leia mais

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQP SW Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Categoria 2.36: Métodos de Gestão Soltin - Soluções

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Introdução Qualidade é um dos principais objetivos da Engenharia de Software. Muitos métodos, técnicas e ferramentas são desenvolvidas para apoiar a produção com qualidade. Tem-se

Leia mais

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelos de gerência CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelo de maturidade: CMM CMM (Capability Maturity Model) é um modelo subdividido em 5 estágios

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO

TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

Gerência de Configuração de Software. Msc. Ernani Sales Implementador Oficial MPS.BR ernani@webapsee.com

Gerência de Configuração de Software. Msc. Ernani Sales Implementador Oficial MPS.BR ernani@webapsee.com Gerência de Configuração de Software Msc. Ernani Sales Implementador Oficial MPS.BR ernani@webapsee.com Introdução O que é GCS? Terminologia Agenda Modelos, Padrões e Normas Processo de GCS Padrão IEEE

Leia mais

"QUAL A IMPORTÂNCIA DA ADOÇÃO DA NORMA ISO 12207 NAS EMPRESAS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE?".

QUAL A IMPORTÂNCIA DA ADOÇÃO DA NORMA ISO 12207 NAS EMPRESAS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE?. "QUAL A IMPORTÂNCIA DA ADOÇÃO DA NORMA ISO 12207 NAS EMPRESAS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE?". MARCELO NOGUEIRA UNIP - Universidade Paulista Mestrado em Engenharia de Produção Abstract The systems development

Leia mais

Requisitos de Ferramentas de Gerenciamento de Configuração

Requisitos de Ferramentas de Gerenciamento de Configuração Requisitos de Ferramentas de Gerenciamento de Configuração Viviane Nogueira Pinto de Oliveira 1 1Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Av. Antônio Carlos, 6627 CEP

Leia mais

Qualidade de Software. MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos)

Qualidade de Software. MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos) Qualidade de Software MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos) Qualidade de Software MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos)

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Atividade da gerência da qualidade

Atividade da gerência da qualidade O que é qualidade de software? Qualidade, de forma simplista, significa que o produto deve esta de acordo com a especificação. Problemas: Tensão entre requisitos do cliente: Eficiência, confiança, etc.

Leia mais

Normas e Padrões de Qualidade em Software - I

Normas e Padrões de Qualidade em Software - I Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em - I Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br Certificação da Qualidade Certificações emitidas por entidades públicas conceituadas: 9 ABIC Selo

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE MODULO 3 SISTEMA DE GARANTIA DA QUALIDADE CONTEÚDO 3.1 A ABORDAGEM NBR ISO 9000 3.2 MODELOS DE QUALIDADE DE PRODUTO DE SOFTWARE 3.2.1 NBR ISO/IEC 9126 (SOFTWARE) 3.2.2 NBR ISO/IEC

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Gerenciamento de Serviços de TIC ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Agenda O que é serviço de TIC? O que é Qualidade de Serviços de TIC? O que é Gerenciamento de Serviços de TIC? ISO IEC/20.000-2005 ITIL versão

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA MATURIDADE DE PROCESSOS EM EMPRESAS CERTIFICADAS PELA NBR ISO 9001:2000, COMO UM INDICADOR DA GESTÃO POR PROCESSOS

DETERMINAÇÃO DA MATURIDADE DE PROCESSOS EM EMPRESAS CERTIFICADAS PELA NBR ISO 9001:2000, COMO UM INDICADOR DA GESTÃO POR PROCESSOS DETERMINAÇÃO DA MATURIDADE DE PROCESSOS EM EMPRESAS CERTIFICADAS PELA NBR ISO 9001:2000, COMO UM INDICADOR DA GESTÃO POR PROCESSOS Marcos Eduardo Andreazza Jaguaribe 1 Dr. Luiz Gonzaga Mariano Filho 1

Leia mais

GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G)

GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G) GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G) LONDRINA - PR 2014 GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G)

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Conceitos, estudo, normas Giuliano Prado de Morais Giglio profgiuliano@yahoo.com.br Objetivos Definir Qualidade Definir Qualidade no contexto de Software Relacionar Qualidade de Processo

Leia mais

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO Gerência de Mudanças as Objetivos Minimizar o impacto de incidentes relacionados a mudanças sobre

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES

ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES Vilson Raphael Vello de Andrade 1 ;

Leia mais

1993/97. Qualidade no Setor de Software Brasileiro

1993/97. Qualidade no Setor de Software Brasileiro 1993/97 SSQP/SW - PBQP Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade Subcomitê Setorial da Qualidade e Produtividade em Software (criado em junho de 1993) Objetivo Geral Atingir padrões internacionais

Leia mais

Resumo. 1. Introdução. Abstract. 2. Motivação

Resumo. 1. Introdução. Abstract. 2. Motivação Um Estudo para a Definição de Processos das Gerências da Qualidade e da Configuração em um Ambiente Integrado para Apoio ao Desenvolvimento e Gestão de Projetos de Software Abdala, Martha A. D.; Lahoz,

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 03 In a calm sea every man is a pilot. Engenharia de Software I Aula 3 Gerenciamento de

Leia mais

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Tiago Domenici Griffo 1, Gothardo Francisco de Magalhães Santos 1, Rodrigo Becke Cabral 1 1

Leia mais

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Prof. Edison A. M. Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br Objetivo (1/1) Conceituar PROCESSO E CICLO DE VIDA, identificar e conceituar

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.3 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Objetivos: Introduzir os três modelos para implementar

Leia mais

GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 1 GERENCIAMENTO ESTRATÉGICO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO RESUMO DO ARTIGO Este artigo se propõe a apresentar uma panorâmica do uso da Segurança da Informação e sua importância como diferencial competitivo

Leia mais

Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas?

Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas? Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas? Fábio Martinho. obtido [on-line] na URL http://www.testexpert.com.br/?q=node/669, em 11/03/2008. Segundo a NBR

Leia mais

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Plano de Negócio AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Rodovia Celso Garcia Cid 2500 86051-990, Londrina - PR aztech@aztech.com.br André Ricardo Gonçalves - CEO / Tecnologia argoncalves@aztech.com.br

Leia mais

Gerência de Configuração em Ambientes de Desenvolvimento de Software Orientados a Organização

Gerência de Configuração em Ambientes de Desenvolvimento de Software Orientados a Organização Gerência de Configuração em Ambientes de Desenvolvimento de Software Orientados a Organização Sávio Figueiredo, Gleison Santos, Ana Regina Rocha COPPE UFRJ {savio, gleison, darocha}@cos.ufrj.br SBQS 2004

Leia mais

Gerência de Configuração de Software

Gerência de Configuração de Software Gerência de Configuração de Software Desenvolvendo software de forma eficiente e disciplinada O Cristine Dantas É bacharel em Informática pela UFRJ e mestre em Engenharia de Sistemas e Computação pela

Leia mais

O EMPREGO DA METODOLOGIA PMBOK PARA SUBSIDIAR A IMPLANTAÇÃO DA NORMA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO ISO17799

O EMPREGO DA METODOLOGIA PMBOK PARA SUBSIDIAR A IMPLANTAÇÃO DA NORMA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO ISO17799 O EMPREGO DA METODOLOGIA PMBOK PARA SUBSIDIAR A IMPLANTAÇÃO DA NORMA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO ISO17799 Cesar de Souza Machado, Msc UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis Abstract The

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB Plano de Disciplina Ano Letivo: 2013-1 º Semestre Dados da Disciplina Código Disc. Nome

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

GERÊNCIA DE PROJETOS DE SOFTWARE: MEDIDAS DE QUALIDADE PARA AVALIAÇÃO DE SOFTWARE

GERÊNCIA DE PROJETOS DE SOFTWARE: MEDIDAS DE QUALIDADE PARA AVALIAÇÃO DE SOFTWARE GERÊNCIA DE PROJETOS DE SOFTWARE: MEDIDAS DE QUALIDADE PARA AVALIAÇÃO DE SOFTWARE Kedna Vieira Martins 1 Robson Seleme 2 RESUMO Este trabalho visa apresentar um estudo sobre como medir a qualidade de um

Leia mais

Curso de Engenharia de Computação PROCESSO DE GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE

Curso de Engenharia de Computação PROCESSO DE GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE Curso de Engenharia de Computação PROCESSO DE GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE Francis Hooliver Moura de Souza Coelho Itatiba São Paulo Brasil Dezembro de 2007 ii Curso de Engenharia de Computação

Leia mais

Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação. Laboratório de Tecnologia de Software LTS

Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação. Laboratório de Tecnologia de Software LTS Rede Paraense de Pesquisa e Inovação em Tecnologia da Informação e Comunicação Laboratório de Tecnologia de Software LTS Qualidade de Produto Cláudio Martins claudiomartins2000@gmail.com www.ufpa.br/redetic

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo QUALIDADE DE SOFTWARE - PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

CLEVERSONTPP@GMAIL.COM

CLEVERSONTPP@GMAIL.COM UM BREVE DESCRITIVO DO MODELO MPS-BR (MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO) E SUAS PERSPECTIVAS PARA O FUTURO CLÉVERSON TRAJANO PRÉCOMA PORTES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Giovani Hipolito Maroneze 1, Jacques Duílio Branches 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.001 86.057-970

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software UFES - Universidade Federal do Espírito Santo Engenharia de Software Notas de Aula E-mail: falbo@inf.ufes.br 2005 Capítulo 1 - Introdução UFES - Universidade Federal do Espírito Santo 1 Capítulo 1 Introdução

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU Jessé de Souza da Silva, José Arnaldo de Oliveira Almeida, Gabriel Pereira da Silva Gerenciamento de Configuração de Software Uma Abordagem Conceitual João Pessoa 2015 FACULDADE

Leia mais

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Conceitos de Qualidade. CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Conceitos de Qualidade. CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA 2º SEMESTRE 2002 CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software Prof. Dr. Adilson Marques da Cunha Conceitos de Qualidade CES-32 / CE-230

Leia mais

Visão Geral da Qualidade de Software

Visão Geral da Qualidade de Software Visão Geral da Qualidade de Software Glauber da Rocha Balthazar Faculdade Metodista Granbery (FMG) Bacharel em Sistemas de Informação Rua Batista de Oliveira, 1145-36010-532 - Juiz de Fora - MG glauber_rochab@yahoo.com.br

Leia mais

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Ana Regina Rocha Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Coordenadora da Equipe Técnica do Modelo MPS Uma Organização com bom desempenho gasta 80% de

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE Kleber ALMEIDA Docente da

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina:Projeto de Sistemas Qualidade de software cynaracarvalho@yahoo.com.br Qualidade de software Qualidade

Leia mais

GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivo Apresentar a GC (Gerencia de Configuração) no contexto da Engenharia de Software Mostrar a importância da GC no controle

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO Primeira Fase

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO Primeira Fase 122 ANEXO A Questionário de Avaliação Este anexo contém o Questionário utilizado para avaliar as características do mantenedor, o nível de experiência da equipe de manutenção e o nível de conhecimento

Leia mais

SIMPROS 2002 Plano de Melhoria de Processos de Software da ATECH

SIMPROS 2002 Plano de Melhoria de Processos de Software da ATECH Plano de Melhoria de Processos de Software da ATECH Recife, Brasil - 10-13/09/2002 - www.sp.senac.br/simpros2002 página 1 Fundação Aplicações de Tecnologias Críticas Atech É uma Instituição que concebe,

Leia mais

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio CMM Capability Maturity Model Silvia Regina Vergilio Histórico O DoD patrocinou a fundação do SEI (Software Engineering Institute) na Universidade de Carnegie Mellon (Pittsburg) com o objetivo de propor

Leia mais

6 Infraestrutura de Trabalho

6 Infraestrutura de Trabalho 6 Infraestrutura de Trabalho Este capítulo tem como objetivo fornecer uma visão geral do ambiente de trabalho encontrado na organização estudada, bem como confrontá-lo com a organização ideal tal como

Leia mais

ISO 9000-3 3 e ISO 9001

ISO 9000-3 3 e ISO 9001 QUALIDADE DO PROCESSO ISO 9000-3 3 e ISO 9001 Baseado no material do prof. Mario Lúcio Cortes http://www.ic.unicamp.br/~cortes/mc726/ 1 Normas da Série ISO 9000 Introdução ISO 9000 (NBR ISO 9000, versão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

ivirtua Solutions 4 ITIL

ivirtua Solutions 4 ITIL ivirtua Solutions 4 ITIL ivirtua Solutions ITIL WHITEPAPER ITIL INTRODUÇÃO O ITIL é o modelo de referência para endereçar estruturas de processos e procedimentos à gestão de TI, organizado em disciplinas

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Um modelo para Certificação ISO 9001:2000 em PMEs

Um modelo para Certificação ISO 9001:2000 em PMEs Um modelo para Certificação ISO 9001:2000 em PMEs Raimundo S.N. Azevedo Arnaldo D. Belchior Universidade de Fortaleza, Mestrado em Informática Aplicada, Fortaleza-Ceará, Brasil, 60811-341 sales.mia@unifor.br,

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3

Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 9000-3 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6: PSP Capítulo

Leia mais

Requisitos de Ferramentas de Gerenciamento de Configuração

Requisitos de Ferramentas de Gerenciamento de Configuração Requisitos de Ferramentas de Gerenciamento de Configuração Viviane Nogueira Pinto de Oliveira 1 1Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Av. Antônio Carlos, 6627 CEP

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Prof. Sam da Silva Devincenzi sam.devincenzi@gmail.com ISO International Organization for Standardization Organização não governamental que elabora normas internacionais, que visam

Leia mais

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR Fonte: http://www.softex.br/mpsbr/_home/default.asp Apostilas disponíveis no site 1 NORMAS: NBR ISO NBR ISO/IEC CMM SPICE Continuação... 2 NORMAS VISÃO GERAL NBR

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais