CMM. Práticas de Gerência de Configuração

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CMM. Práticas de Gerência de Configuração"

Transcrição

1 REGINALDO PEREIRA DE SOUZA CMM Práticas de Gerência de Configuração Universidade São Francisco Itatiba 2004

2 ii REGINALDO PEREIRA DE SOUZA CMM Práticas de Gerência de Configuração Pesquisa desenvolvida sob orientação do professor Adalberto Nobiato Crespo para obtenção do título de graduação do curso de Análise de Sistemas da USF - Itatiba Universidade São Francisco Itatiba 2004

3 iii CMM Práticas de Gerência de Configuração REGINALDO PEREIRA DE SOUZA Monografia defendida e aprovada em 06 de dezembro de 2004 pela Banca Examinadora assim constituída: Prof. Adalberto Nobiato Crespo (Orientador) USF Universidade São Francisco Itatiba SP. Prof. Alencar de Melo Júnior (Membro Interno) USF Universidade São Francisco Itatiba SP. Prof. Rodrigo Prado (Membro Interno) USF Universidade São Francisco Itatiba SP.

4 iv RESUMO Esta pesquisa tem como objetivo principal, descrever as atividades de SCM Software Configuration Manager (Gerência de Configuração de Software), utilizando as práticas de Nível 2 do modelo de qualidade de software CMU/SEI-CMM Carnegie Mellon University/ Software Engineering Institute-Capability Maturity Model, também conhecido como CMM, mostrando as vantagens do desenvolvimento paralelo, componentização e a economia que se faz ao contemplar o modelo. Desta pesquisa, resulta um modelo contendo os procedimentos que possam ser implementados em uma software house que queira incluir SCM no seu processo de desenvolvimento de software. Portanto, os passos para atingir os benefícios de SCM formam o escopo principal desta pesquisa, mas para tais conclusões fez-se necessário estudar todo o modelo CMU/SEI-CMM Carnegie Mellon University/ Software Engineering Institute-Capability Maturity Model, com seus 5 (cinco) níveis de maturidade e suas áreas chaves, além do processo de engenharia de software RUP Rational Unified Process. ABSTRACT This research has as its main goal to describe the SCM - Software Configuration Manager activities using the practices of Level 2 in the model of software quality CMU/SEI-CMM Carnegie Mellon University/Software Engineering Institute-Capability Maturity Model, also known as CMM, showing the advantages of the parallel development, componentization and the economy made when contemplating the model. From this research results a model containing the procedures that can be deployed in a software house that would like to include SCM in its software development process. Therefore, the steps to reach the SCM benefits make the main scope of this research. But, for such conclusions, it was necessary to study the entire model CMU/SEI- CMM Carnegie Mellon University/ Software Engineering Institute-Capability Maturity Model with its five (5) levels of maturity and its key areas, besides the software engineering process RUP - Rational Unified Process.

5 v SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO MODELOS DE REFERÊNCIA CMM Capability Maturity Model Nível 1 Inicial Nível 2 Repetível Nível 3 Definido Nível 4 Gerenciado Nível 5 Em Otimização RUP - Rational Unified Process SCM SOFTWARE CONFIGURATION MANAGER Conceito Metas (Goals) Atividades Artefatos Plano de Gerência de Configuração Itens de Configuração (ICs) Requisição de Mudança Relatório de Balanço Release Notes FERRAMENTAS Rational ClearCase CVS - Concurrent Versions System StarTeam Microsoft Visual SourceSafe Rational ClearQuest CR MODELO DE PROCESSO DE GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO E MUDANÇA Fluxo de Atividades Estabelecer Gerência de Configuração Criar Ambiente de Configuração Gerenciar Mudanças Gerenciar Itens de Configuração Gerenciar Baseline e Release Monitorar Subcontratada CONSIDERAÇÕES FINAIS GLOSSÁRIO REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS BIBLIOGRAFIA... 38

6 vi 10. APÊNDICES Apêndice A Template de Plano de Gerência de Configuração Apêndice B Template de Relatório de Balanço de Configuração Apêndice C Template de Release Notes Apêndice D Template de Formulário de Requisição de Mudança... 38

7 7 1. INTRODUÇÃO A necessidade de sobrevivência comercial em um mercado sem fronteiras faz com que as empresas vivam um processo de transformação contínua. Especificamente, as empresas de software são umas das mais afetadas por estas transformações, dada a dinâmica dos componentes envolvidos num projeto de software. Neste contexto, a Engenharia de Software tem por finalidade auxiliar na construção de softwares da melhor maneira possível. Embora vários esforços no sentido de se produzir software com maior produtividade e qualidade tenham ocorrido em décadas anteriores, foi nos anos 90 que se iniciou um movimento de entendimento e solução de problemas crônicos que afetam a indústria de software, principalmente os relacionados ao não cumprimento de prazos, orçamentos e funcionalidades requeridas em seus produtos. Foi reconhecido que vários desses problemas estariam baseados no fato da construção de software estar sendo conduzida por métodos improvisados e de maneira artesanal, muitas vezes, mais dependente do talento profissional e de esforços heróicos individuais, do que de processos formais orientados ao gerenciamento e à engenharia de software. Com isso, os modelos de qualidade do processo de software ganharam visibilidade mundial. Em especial, o CMU/SEI-CMM Carnegie Mellon University/ Software Engineering Institute-Capability Maturity Model ou, simplesmente, CMM [1]. Uma das áreas-chaves desse processo é a SCM Software Configuration Manager (Gerência de Configuração de Software), que tem como objetivo estabelecer e manter a integridade dos produtos do projeto de software ao longo de todo o ciclo de vida de software do projeto.

8 8 2. MODELOS DE REFERÊNCIA A seguir serão apresentados o Modelo de Capacitação de Maturidade (Capability Maturity Model CMM) e o Processo Unificado da Rational (Rational Unified Process RUP), de grande aceitação em nível internacional e que foram utilizados como referência para a elaboração desta pesquisa CMM Capability Maturity Model O CMM é uma iniciativa do SEI para avaliar e melhorar a capacitação de empresas que produzem software. O projeto CMM foi apoiado pelo Departamento de Defesa do governo dos Estados Unidos (DOD), que é um grande consumidor de software e precisava de um modelo formal que permitisse selecionar os seus fornecedores de software de forma adequada. Embora não seja uma norma emitida por uma instituição internacional como a ISO ou o IEEE, este modelo tem tido uma grande aceitação mundial. O CMM é um guia designado a ajudar as organizações de software a selecionar estratégias de melhoria de processos[2]. O objetivo deste modelo é que o processo de software possa ser repetido, controlado e medido e estabelecer uma compreensão comum entre clientes e a equipe de desenvolvimento de software sobre a necessidade dos clientes, o CMM leva a organização em direção a uma visão integrada onde as necessidades técnicas devem ser mantidas consistentes com as atividades desenvolvidas e com o planejamento do projeto[3]. Para efetuar este processo, os requisitos do software devem ser documentados e revistos pelos gerentes de software e grupos afetados, incluindo representantes dos clientes e da comunidade de usuários. O modelo auxilia as organizações a implementarem um processo de melhoria gradativa, baseado em níveis de maturidade. O termo maturidade está associado ao grau de conhecimento, controle e sistemática de execução de um processo de software atingido por

9 9 uma organização[1]. O CMM se divide em cinco níveis conforme pode se observar na figura 2.1 apresentada abaixo: processo em melhoria contínua Em otimização (5) processo disciplinado Repetível (2) processo previsível Gerenciado (4) processo padronizado Definido (3) Pouco Controlado Inicial (1) Figura 2.1 Cada nível especifica um conjunto de processos que devem ser estabelecidos para se atingir a maturidade correspondente ao nível. Adicionalmente, cada nível serve de base para o estabelecimento dos processos do nível seguinte. Os cinco níveis do CMM são organizados em áreas chave (KPA). Ao todo, o modelo possui 18 áreas chave. Cada área chave possui 5 características comuns: Compromisso em realizar Capacidade de realizar Atividades realizadas Medição e Análise Verificação da Implementação Cada área chave possui práticas chave (KP). Ao todo, o modelo possui 316 práticaschave.

10 10 As áreas chave do processo constituem a primeira divisão sistemática dentro dos níveis de maturidade de uma organização. Esses grupos de atividades, quando executadas em conjunto, satisfazem um conjunto de metas relevantes para a melhoria da capacitação do processo. O CMM considera cada área chave um processo particular. Os níveis de maturidade descrevem os problemas mais predominantes daquele nível. Uma organização migra de um nível a outro sempre que consegue operacionalizar todas as áreas-chave específicas de um nível Nível 1 Inicial O processo de software é considerado como desorganizado, e ocasionalmente também caótico. Poucos processos são definidos e as qualidades alcançadas pelo software, os processos e o conhecimento pertencem às pessoas e não aos projetos. No primeiro nível do modelo destacam-se as seguintes características: Estágios das atividades mal definidos; Dificuldade de visualizar e gerenciar o progresso e as atividades do projeto; Os requisitos fluem no processo de uma forma não controlada e há um produto resultante; O cliente somente verifica se os seus requisitos foram atendidos na entrega do produto. Áreas-chave de Processo: Este nível não possui áreas-chave de processos.

11 Nível 2 Repetível Processos básicos de gerenciamento de projetos são estabelecidos para monitoramento de custo, prazo e funcionalidade. A necessária disciplina do processo é adequada para repetir sucessos anteriores em projetos com aplicações similares. No nível de maturidade definido como repetível, as políticas de gerenciamento do software e os procedimentos detalhados para sua implementação estão estabilizados. O planejamento e o gerenciamento dos novos projetos são baseados na experiência adquirida em projetos similares anteriormente executados. Um dos objetivos a ser alcançado no CMM Nível 2 é tornar corporativos todos os processos de gerenciamento de software, o que permitirá à organização repetir sistematicamente as melhores práticas internas estabelecidas pelas várias experiências adquiridas em projetos anteriores. Um efetivo processo de gerenciamento de software deve ser praticado, documentado, garantido, treinado, medido e constantemente melhorado. Projetos em organizações com CMM Nível 2 têm controles básicos de gerenciamento de software. As estimativas de tempo, recursos e custos do software são baseadas nos históricos dos projetos anteriores e projetadas através dos requisitos estabelecidos no atual projeto. Os gerentes de software possuem um controle de rastreabilidade em relação aos custos, cronogramas, funcionalidades e defeitos. Os problemas são identificados na mesma etapa em que são gerados, evitando a propagação de erros para fases posteriores. Os requisitos de software e todos os produtos gerados durante o desenvolvimento são sistematicamente monitorados, possibilitando um acompanhamento da evolução do seu tamanho e complexidade. Os padrões de desenvolvimento do software são definidos e a organização garante que estão sendo sistematicamente seguidos.

12 12 As organizações CMM Nível 2 que empregam terceiros (subcontratados) para todo ou parte dos processos de desenvolvimento de um software, devem estruturar políticas claras e padronizadas de como estabelecer vínculos precisos e transparentes no relacionamento cliente-fornecedor. O processo de software de uma organização CMM Nível 2 pode ser entendido como um processo disciplinado, pois as políticas de planejamento e rastreamento do projeto de software estão estáveis e as práticas aplicadas a determinados projetos podem ser convenientemente repetidas corporativamente. O processo de software está sob o controle de um consolidado modelo de gerenciamento de projetos regido por planos objetivos e realistas, estimados a partir das experiências de projetos anteriores. No segundo nível do modelo destacam-se as seguintes características: As atividades, medições, pontos e verificação estão definidos; Requisitos do cliente e produtos do trabalho são controlados; É possível medir qualidade, custo e cronograma; O processo de desenvolvimento de software permite o gerenciamento entre pontos de transição ( milestones ); O cliente pode analisar o produto durante o processo de software ( checkpoints ); Existem mecanismos formais para a correção de desvios; Os processos pertencem aos projetos e não às pessoas. Áreas chave de Processo: RM Gerência de Requisitos SPP Planejamento de Projeto de Software SPTO Acompanhamento e Supervisão do projeto de Software

13 13 SSM Gerenciamento de subcontratado de software SQA Garantia da qualidade de software SCM Gerência da configuração de software Nível 3 Definido O processo de software para as atividades de gerenciamento e engenharia é documentado, padronizado e integrado no âmbito da organização e todos os projetos são adaptados deste processo. No nível de maturidade classificado como Definido, os diversos processos padronizados de desenvolvimento de software estão adequadamente documentados. Os processos de gerenciamento do software estão convenientemente integrados aos processos de engenharia de software, tornando o modelo de processos único e integrado às diversas áreas organizacionais. Os processos estabelecidos em organizações CMM Nível 3 são usados e ajustados para auxiliar os gerentes e profissionais de software a ganharem mais produtividade. A organização busca as melhores práticas de engenharia de software quando padronizam seus processos de software. Há um grupo responsável por estabelecer e documentar as atividades do processo de software denominado SEPG (Software Engineering Process Group). Um amplo programa de treinamento corporativo deverá ser implementado para desenvolver gerentes e profissionais e capacitá-los a desempenhar melhor suas funções, empregando uma política contínua de transferência do conhecimento e adequado desenvolvimento e aprimoramento de habilidades. As organizações CMM Nível 3 conseguem gerenciar processos dinâmicos de desenvolvimento de software. A partir de um processo padrão desenvolvimento, essas organizações podem acrescentar, modificar ou eliminar atividades, dependendo das

14 14 características e riscos envolvidos no projeto, possibilitando a criação de um processo de desenvolvimento customizado a cada situação. A equipe do SEPG estabelece os pontos de processo que possibilitam a customização e estabelece os critérios de flexibilização e em quais situações serão empregadas. Um processo bem definido inclui pré-requisitos para início das fases do projeto, artefatos obrigatórios e opcionais, padrões e modelos de referência, procedimentos de execução dos trabalhos, mecanismos de verificação de documentos, artefatos de saída e critérios de finalização das etapas. Nesse nível, é possível visualizar claramente como cada projeto em execução está evoluindo. O processo de software de uma organização CMM Nível 3 pode ser entendido como padronizado e consistente porque ambas as atividades de engenharia e desenvolvimento estão estáveis e replicáveis. Todos os aspectos relativos a um produto de software como custos, atividades e funcionalidades estão sob controle e a qualidade é medida e registrada. Existe uma visão corporativa do processo de desenvolvimento, um entendimento claro sobre as atividades e responsabilidades estabelecidas neste processo de software. No terceiro nível do modelo destacam-se as seguintes características: As atividades no processo definido de projeto de software são visíveis; Os processos utilizados estão estabelecidos e padronizados em toda a organização; Como estão estáveis, os processos podem ser medidos quantitativamente; Gerentes e engenheiros entendem suas atividades e responsabilidades no processo; Gerenciamento preparado pró-ativamente para possíveis riscos; O cliente pode obter status atualizado, rapidamente e corretamente, com detalhe entre as atividades; Os processos pertencem agora a organização e não aos projetos.

15 15 Áreas chave de Processo: OPF Foco no processo da organização OPD Definição do processo da organização TP Programa de treinamento ISM Gerência Integrada de Software SPE Engenharia de Produto de Software IC Coordenação entre grupos PR Revisões técnicas formais Nível 4 Gerenciado Medições detalhadas do processo de software e qualidade do produto são coletadas. Ambos são quantitativamente entendidos e controlados. O gerenciamento quantitativo do processo tem o seu foco no processo e a capacidade do processo é conhecida quantitativamente. Quando o desempenho cai fora dos limites, deve-se identificar a razão e a realizar ações corretivas adequadas. Controle quantitativo no CMM significa qualquer técnica quantitativa ou baseada em métodos estatísticos. As palavras estatística e quantitativa envolvem necessariamente dados (números). Gerenciamento baseado em dados (fatos) resulta em decisões objetivas. No Nível 2, o foco da qualidade é conformidade com os requisitos, já no Nível 4, há uma ênfase na compreensão das necessidades do cliente, do usuário final e da organização. No Nível 4 dados são coletados e analisados nos diversos projetos da organização, metas mensuráveis de qualidade de produto são definidas e utilizadas.

16 16 No quarto nível do modelo destacam-se as seguintes características: Medidas de qualidade e produtividade são coletadas em todos os projetos; Gerentes possuem uma base de dados para tomadas de decisões; A habilidade de prever resultados é maior e a variabilidade do processo é menor; O cliente pode estabelecer um entendimento quantitativo da capacidade do processo e riscos antes do projeto iniciar; Áreas chave de Processo: QPM Gestão quantitativa dos processos SQM Gestão da qualidade de software Nível 5 Em Otimização Processo contínuo de melhoria é possível pela realimentação quantitativa do processo e da condução de idéias inovadoras e tecnológicas. O processo de melhoria no Nível 5 pode ser considerado como um estilo de vida da organização. Nas organizações maduras todos estão envolvidos nas atividades de melhoria. Uma das finalidades no Nível 5 é identificar a causa dos defeitos e evitar que eles aconteçam novamente. Envolve analisar defeitos que foram encontrados no passado, realizar ações específicas para evitar a ocorrência desses tipos de defeitos no futuro. No Nível 5 existe um grande foco na analise das causas, por exemplo, verifica-se porque o processo permitiu que o defeito ocorresse; o que no processo necessita ser corrigido para prevenir a ocorrência do defeito no futuro.

17 17 Existe no Nível 5 também uma preocupação com a identificação de novas tecnologias (ex. ferramentas, métodos e processos) e transferi-las para a organização de uma forma disciplinada. Envolve identificar, selecionar e avaliar novas tecnologias. Outra preocupação do Nível 5 é a de melhorar continuamente os processos de software utilizados na organização com o objetivo de melhorar a qualidade de software, aumentando a produtividade e diminuindo o ciclo de desenvolvimento do produto. No quinto nível do modelo destacam-se as seguintes características: Melhoria contínua do processo objetivando produtividade e qualidade; Gerentes são aptos a estimar e monitorar a eficácia das mudanças; Forte relação de parceria com o cliente. Áreas chave de Processo: DP Prevenção de não-conformidades TCM Gestão de Mudança Tecnológica PCM Gestão de Mudança do Processo 2.2. RUP - Rational Unified Process O padrão CMM especifica detalhadamente O QUÊ deve ser feito. O mercado muitas vezes, se perguntou COMO fazê-lo. Uma das empresas que se habilitou a responder esta questão foi a Rational Software Corporation que desenvolveu, com esta finalidade, o processo de engenharia de software Rational Unified Process (RUP). O Rational Unified Process é um processo de engenharia de software, cujas principais características são um desenvolvimento iterativo e incremental, orientado a objetos, com foco na criação de uma arquitetura robusta, análise de riscos, e a utilização de casos de uso para o desenvolvimento. O RUP foi desenvolvido para ser aplicável a uma

18 18 grande classe de projetos diferentes e pode ser considerado como um modelo genérico para processos de desenvolvimento. Isso significa que ele deve ser configurado para ser usado eficientemente [4]. Alguns conceitos do RUP definem: o ator - cujas responsabilidades e comportamentos podem ser aplicados a diversos indivíduos - a atividade, a unidade de trabalho de um determinado ator e os artefatos, que são elementos utilizados, criados ou modificados pela ação do ator durante a atividade. A atuação em uma atividade ao longo do tempo é denominada tarefa, e gera, na coletividade um workflow, isto é, uma seqüência que produz um resultado observável. Figura 2.1 A figura 2.1 mostra a arquitetura geral do RUP. O RUP tem duas dimensões: O eixo horizontal representa o tempo e mostra os aspectos do ciclo de vida do processo à medida que se desenvolve; O eixo vertical representa as disciplinas, que agrupam as atividades de maneira lógica, por natureza.

19 19 A primeira dimensão representa o aspecto dinâmico do processo quando ele é aprovado e é expressa em termos de fases, iterações e marcos. A segunda dimensão representa o aspecto estático do processo, como ele é descrito em termos de componentes, disciplinas, atividades, fluxos de trabalho, artefatos e papéis do processo. O gráfico mostra como a ênfase varia através do tempo. Por exemplo, nas iterações iniciais, dedicamos mais tempo aos requisitos. Já nas iterações posteriores, gastamos mais tempo com implementação. O RUP se encontra definido em quatro fases: Concepção, Elaboração, Construção e Transição, cada uma com objetivos específicos. Na fase de Concepção, deve-se estabelecer o escopo e a viabilidade econômica do projeto. Na Elaboração, o objetivo é eliminar os principais riscos e estabelecer uma arquitetura estável a partir da qual o sistema poderá evoluir. Na fase de Construção, um produto completo é desenvolvido de maneira iterativa até que esteja pronto para ser passado aos usuários, o que ocorre na fase de Transição, onde uma versão beta do sistema é disponibilizada. No final da Transição pode ser iniciado um novo ciclo de desenvolvimento para a evolução do produto, o que envolveria todas as fases novamente. Todas as fases têm ao final um marco (milestone) de verificação de quais objetivos da fase foram alcançados [4]. Estas fases geram, cada uma, artefatos e revisões nos requisitos de construção do software. Dentre os vários workflows do modelo RUP, tem destaque o de Gerência de Configuração e Mudança, representante da KPA de SCM, que mantém a integridade dos artefatos do projeto. Este workflow, por si próprio, gera como artefatos o plano de Gerência de Configuração e as solicitações de alterações, além de atas de reuniões sobre a infraestrutura do projeto. Conforme observado na figura 2.1, este processo é continuo desde o inicio do projeto, com um crescimento constante das atividades.

20 20 3. SCM SOFTWARE CONFIGURATION MANAGER 3.1. Conceito A área chave SCM Software Configuration Manager (Gerência de Configuração e Mudança) é a disciplina que gerencia e controla a evolução de um software através, basicamente, de controle formal de versões e solicitações de mudança. Esta área chave permite que gerentes, analistas, programadores, testadores e usuários entendam o sistema não apenas em seu estado atual, mas também em seus estados anteriores e, devido às mudanças em curso, em um estado futuro. A adoção de SCM por uma empresa envolve custos e benefícios que devem ser considerados. Os principais benefícios decorrentes da aplicação estão entre a facilidades para acomodar mudanças, o maior controle sobre os produtos, a economia de tempo de desenvolvimento, a facilidades na geração de versões diferentes de um mesmo produto de software (customização), a manutenção de históricos de produtos e a facilidades de se voltar a situações anteriores. Os principais custos, por outro lado, são o treinamento e os investimentos para a implementação, que englobam recursos humanos e computacionais. Entre os conceitos fundamentais de SCM está o conceito de Itens de Configuração, que pode ser definido como cada um dos elementos de informação que são criados durante o desenvolvimento de um produto de software, ou que para este desenvolvimento sejam necessários, que são identificados de maneira única e cuja evolução é passível de rastreamento [2]. Outro importante conceito é o de baseline (Configurações-Base). Por baseline, entende-se um conjunto bem definido de Itens de Configuração que representam um estágio do desenvolvimento, que é passível de modificações apenas mediante um mecanismo formal de alterações[1]. Portanto, se podem medir as quatro atividades principais de SCM como sendo: Identificação de Itens de Configuração

21 21 Controle de configuração das baselines Administração de estado das baselines (processo formal de mudanças) Auditagem desta configuração Todas essas atividades levam a um objetivo final, o controle de versões, que engloba a automatização do rastreamento de arquivos, a prevenção de conflitos entre desenvolvedores, permitindo o desenvolvimento paralelo, a recuperação de versões prévias para manutenção ou upgrade e a agregação de novos módulos, funcionalidades ou requisitos Metas (Goals) Meta 1 Meta 2 Meta 3 Meta 4 As atividades de Garantia da Qualidade de Software são planejadas. A aderência dos produtos de software e das atividades aos padrões, aos procedimentos e aos requisitos estabelecidos é verificada objetivamente. As atividades e os resultados das atividades de Garantia da Qualidade de Software são informados às pessoas e aos grupos afetados. As questões de não conformidade, que não podem ser resolvidas internamente ao projeto, são levadas ao conhecimento da gerência superior Atividades Atividade 1 É elaborado um plano de GCS para o projeto de software, de acordo com procedimentos documentados.

22 22 Atividade 2 Atividade 3 Atividade 4 Atividade 5 Atividade 6 Atividade 7 Atividade 8 Atividade 9 Atividade 10 Um plano de GCS documentado e aprovado é utilizado como base para a realização das atividades de GCS. Um sistema de biblioteca para gerência de configuração é estabelecido como repositório para as configurações básicas (baselines) de software. Os produtos de trabalho de software a serem colocados sob Gerência de configuração são identificados. As solicitações de alterações e relatórios de problemas para todos os itens/unidades de configuração são iniciados, revisados, aprovados e encaminhados de acordo com um procedimento documentado. As alterações das configurações básicas (baselines) são controladas de acordo com um procedimento documentado. Os produtos são criados a partir da biblioteca de configuração básica do software (baseline) e suas versões são controladas de acordo com um procedimento documentado. A situação dos itens/unidades de configuração é registrada de acordo com um procedimento documentado. Os relatórios padrão que documentam as atividades da GCS e o conteúdo da configuração básica (baseline) do software são desenvolvidos e disponibilizados para as pessoas e para os grupos afetados. As auditorias na configuração básica (baseline) do software são conduzidas de acordo com um procedimento documentado.

23 Artefatos Considera-se artefato todo conjunto de informações produzidas, modificadas ou utilizadas por um processo. Um artefato pode ser um modelo, um componente de um modelo ou um documento. Um artefato pode conter outros artefatos. Serão apresentados a seguir os artefatos gerados durante o processo de Gerência de Configuração Plano de Gerência de Configuração O Plano de Gerência de Configuração deve descrever todas as atividades relacionadas à gerência de configuração e controle de mudança do projeto a serem realizados ao longo do ciclo de vida do produto. Deve relacionar as responsabilidades dos membros da equipe do projeto e recursos necessários de hardware, software e humanos Itens de Configuração (ICs) São considerados ICs todos os elementos necessários para o desenvolvimento e geração dos produtos de software, conforme lista abaixo. Códigos fonte do projeto Documentos de especificação de requisitos Documentos de análise e projeto Documentos de testes Manuais do produto de software Os ICs com características diferentes dos critérios para seleção, descritos acima, podem ser considerados como IC do projeto usando os seguintes critérios : O item é entregue ao cliente e faz parte do pacote de software do projeto. O item é essencial para a geração do produto de software do projeto.

24 Requisição de Mudança Mudanças nos artefatos desenvolvidos podem ser solicitadas através de uma Requisição de Mudança, conforme definido explicitamente no Plano de Gerência de Configuração do projeto. Este artefato pode ser utilizado para documentar e rastrear defeitos encontrados no produto, solicitações de melhoria ou qualquer outro tipo de solicitação que demande alguma alteração nos produtos do projeto Relatório de Balanço O relatório de balanço de configuração pode ser obtido visualmente através da ferramenta de gerência de configuração ou ser um documento gerado. O conteúdo mínimo do relatório de balanço de configuração das baselines é o seguinte : Nova versão da baseline Versão anterior da baseline Lista de requisitos acordados/implementados Lista de solicitações de alteração acordadas/implementadas Diferença da baseline atual em relação à anterior Release Notes O Release Notes deve ser um documento gerado e considerado parte integrante da release a ser entregue ao cliente. Devem constar na Release Notes no mínimo as seguintes informações: nome do produto versão do produto data de liberação

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Curso de Engenharia da Computação CMM E PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE

Curso de Engenharia da Computação CMM E PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE Curso de Engenharia da Computação CMM E PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE Cristiano Pereira Godoy Itatiba São Paulo Brasil Novembro de 2004 ii Curso de Engenharia da Computação CMM E PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 VANT-EC-SAME Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 17/0/07 1.0 Versão Inicial Douglas Moura Confidencial VANT-EC-SAME, 2007

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE Kleber ALMEIDA Docente da

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software Gerenciamento de Configuração de Software Prof. Ricardo Argenton Ramos [Baseado na apresentação do prof. Masiero ICMC-USP] Contexto para Gerência de Configuração 2 Problema dos Dados Compartilhados Desenvolvedor

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 03 In a calm sea every man is a pilot. Engenharia de Software I Aula 3 Gerenciamento de

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model

Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM. Capability Maturity Model Delfraro Rodrigues Douglas M Gandini José Luiz CMM Capability Maturity Model O que é o CMM? Modelo para avaliação da maturidade dos processos de software de uma organização Identificação das práticas chave

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO Gerência de Mudanças as Objetivos Minimizar o impacto de incidentes relacionados a mudanças sobre

Leia mais

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini Unidade VI GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Capability Maturity Model Integration CMMI SW-CMM (Software Capability Maturity Model): prove informações para o aprimoramento de processos de desenvolvimento

Leia mais

Gerência de Configuração. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br

Gerência de Configuração. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Gerência de Configuração Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Introdução Mudanças durante o desenvolvimento de software são inevitáveis: os interesses

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio CMM Capability Maturity Model Silvia Regina Vergilio Histórico O DoD patrocinou a fundação do SEI (Software Engineering Institute) na Universidade de Carnegie Mellon (Pittsburg) com o objetivo de propor

Leia mais

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP RUP Rational Unified Process ( Unificado de Desenvolvimento da Rational) Conjunto de passos que tem como objetivo atingir uma meta de software na ES, processo que visa a produzir o software - de modo eficiente

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina. Campus da Grande Florianópolis Pedra Branca. CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE ALUNO: Volnei A. Caetano Palhoça 02 de Junho de 2000 C.M.M. Capability

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática www.asrconsultoria.com.br Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade 1 Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

ES06 Especialização em Engenharia de Software Prof.: Misael Santos (misael@gmail.com) Ago/2010

ES06 Especialização em Engenharia de Software Prof.: Misael Santos (misael@gmail.com) Ago/2010 Gestão de Configuração de Software - Conceitos Principais - ES06 Especialização em Engenharia de Software Prof.: Misael Santos (misael@gmail.com) Ago/2010 Agenda Configuração Itens de Configuração Versionamento

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Centro de Processamento de Dados Universidade Federal

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição Novembro, 2013 Copyright 2013 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

Visão Geral do RUP Rational Unified Process. Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002

Visão Geral do RUP Rational Unified Process. Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002 Visão Geral do RUP Rational Unified Process Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002 Resumo do Artigo de Krutchen O que é o RUP? 6 Práticas Comprovadamente Efetivas Desenvolvimento Interativo Gestão de Requisitos

Leia mais

GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivo Apresentar a GC (Gerencia de Configuração) no contexto da Engenharia de Software Mostrar a importância da GC no controle

Leia mais

Simulado ITIL V3 Português Sicoob

Simulado ITIL V3 Português Sicoob Simulado ITIL V3 Português Sicoob Dezembro 2009 1 de 40 A Implementação do Gerenciamento de Serviços Baseados na ITIL requer preparação e planejamento do uso eficaz e eficiente de quais dos seguintes?

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr.

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Novatec Sumário Agradecimentos... 17 Sobre o autor... 18 Prefácio... 19 Capítulo 1 Desenvolvimento de software para o valor de negócios... 20 1.1 Qualidade

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP Conceitos RUP RUP, abreviação de Rational Unified Process (ou Processo Unificado da Rational), é um processo de Engenharia de software criado pela Rational Software Corporation(a qual foi incorporada pela

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Fundamentos de Gestão de TI

Fundamentos de Gestão de TI Fundamentos de Gestão de TI Tópico V Transição de Serviço (ITIL V3) José Teixeira de Carvalho Neto transição de serviço transição de serviço Objetivo: orientar e coordenar o desenvolvimento e a implantação

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de SCE186-ENGENHARIA DE SOFTWARE Módulo 1 Atividades da Engenharia de GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE Profª Rosely Sanches rsanches@icmc.usp.br 2003 DEFINIÇÃO CONSTRUÇÃO SOFTWARE PRODUTO MANUTENÇÃO

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado B, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Plano de Gerência de Configuração

Plano de Gerência de Configuração Plano de Gerência de Configuração Objetivo do Documento Introdução A aplicação deste plano garante a integridade de códigos-fonte e demais produtos dos sistemas do, permitindo o acompanhamento destes itens

Leia mais

Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software

Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software 167 Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software Josiane Banov Russo 1, Ettore Bresciani Filho 2 1 Gerente da Qualidade Instituto de Pesquisas Eldorado Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 118,5

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Capítulo 6: PSP. Capítulo 6: PSP Personal Software Process

Capítulo 6: PSP. Capítulo 6: PSP Personal Software Process Capítulo 6: PSP Personal Software Process Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6: PSP

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração Durante o processo de desenvolvimento de um software, é produzida uma grande quantidade de itens de informação que podem ser alterados durante o processo Para que

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL v.3

Exame de Fundamentos da ITIL v.3 Exame de Fundamentos da ITIL v.3 Exame de Fundamentos da ITIL v.3 Exame simulado B, versão 3.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Não existem perguntas capciosas.

Leia mais

Melhorias de Processos de Engenharia de Software

Melhorias de Processos de Engenharia de Software Melhorias de Processos de Engenharia de Software CMMI 1 Profa. Reane Franco Goulart O que é CMMI? O Capability Maturity Model Integration (CMMI) é uma abordagem de melhoria de processos que fornece às

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Prof. Júlio Valente Agosto/2015. CV Resumido

Prof. Júlio Valente Agosto/2015. CV Resumido Gerenciamento de Configuração e Aquisição de Software Prof. Júlio Valente Agosto/2015 CV Resumido Autor do livro Prática de Análise e Projeto de Sistemas. Gerente do projeto de Totalização e Divulgação

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Daniel Gonçalves Jacobsen 1 Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Porto Alegre RS Brasil daniel@flete.com.br Abstract. This article describes

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

Qualidade em Projetos aperfeiçoamento de processos Entendimento/Monitoração e Controle. 0 - Generalidades

Qualidade em Projetos aperfeiçoamento de processos Entendimento/Monitoração e Controle. 0 - Generalidades * AMARAL, J.A. Modelos para gestão de projetos: como utilizar adequadamente conceitos, ferramentas e metodologias. São Paulo: Scortecci: 2004 * http://www.rcgg.ufrgs.br/cap14.htm (visitado em 05/2006)

Leia mais

Capability Maturity Model Integration - CMMI

Capability Maturity Model Integration - CMMI Capability Maturity Model Integration - CMMI Para Desenvolvimento Versão 1.2 M.Sc. Roberto Couto Lima ÍNDICE 1. Definição ------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1 Qualidade Plácido A. S. Neto 1 1 Gerência Educacional de Tecnologia da Informação Centro Federal de Educação Tecnologia do Rio Grande do Norte 2006.1 - Planejamento e Gerência de Projetos Agenda Introdução

Leia mais

MOD9 Processos de Transição de Serviços

MOD9 Processos de Transição de Serviços Curso ITIL Foundation MOD9 Processos de Transição de Serviços Service Transiction Professor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.com 1 Curso ITIL Foundation Transição significa

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais