AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MILHO HÍBRIDO COMERCIAL E DE PROGRAMA TROCA-TROCA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MILHO HÍBRIDO COMERCIAL E DE PROGRAMA TROCA-TROCA"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MILHO HÍBRIDO COMERCIAL E DE PROGRAMA TROCA-TROCA Mateus Tonini Eitelwein 1, Stela Maris Kulczynski 2, Antônio Luis Santi 2, Maurício Roberto Cherubin 3, Juliete Maria Frighetto 4 1 Engenheiro Agrônomo, Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Agronomia - Agricultura e Ambiente da Universidade Federal de Santa Maria, campus Frederico Westphalen, Rio Grande do Sul, Brasil 2 Engenheiro Agrônomo, Doutor (a), Professor (a) Adjunto (a) da Universidade Federal de Santa Maria, campus Frederico Westphalen, Rio Grande do Sul, Brasil 3 Engenheiro Agrônomo, Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Agronomia - Agricultura e Ambiente da Universidade Federal de Santa Maria, campus Frederico Westphalen, Rio Grande do Sul, Brasil 4 Acadêmica do Curso de Agronomia da Universidade Federal de Santa Maria campus Frederico Westphalen, Rio Grande do Sul, Brasil Data de recebimento: 07/10/ Data de aprovação: 14/11/2011 RESUMO O trabalho objetivou avaliar a qualidade fisiológica de sementes de milho oriundas de dois diferentes sistemas de aquisição: Programa Troca-Troca (PTT) e Sistema Comercial (SC). O PTT de sementes é um programa da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio do Rio Grande do Sul que desde 1988 subsidia pequenos produtores com mão-de-obra familiar na aquisição de sementes, fornecendo sementes a um custo reduzido. As sementes do SC foram adquiridas em casas agropecuárias do município de Frederico Westphalen e as do PTT foram fornecidas pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais do mesmo município. O trabalho foi desenvolvido na área experimental e no Laboratório de Sementes da Universidade Federal de Santa Maria, campus de Frederico Westphalen, no ano de Foram selecionadas três cultivares disponíveis nos dois sistemas e submetidas a testes de germinação, e testes de vigor como: primeira contagem, índice de velocidade de emergência, emergência no campo aos 14 dias após a semeadura (DAS), comprimento de parte aérea e raiz aos sete DAS, massa seca de parte aérea aos 21 DAS e teste de envelhecimento acelerado. De acordo com os testes realizados concluiu-se que as sementes oriundas do Programa Troca-Troca apresentaram menor qualidade fisiológica quando comparadas com as adquiridas no Sistema Comercial no município de Frederico Westphalen. PALAVRAS-CHAVE: troca-troca de sementes; Zea mays; germinação; vigor. PHYSIOLOGICAL QUALITY EVALUATION OF HYBRID CORN SEED TRADE AND TROCA-TROCA PROGRAM ABSTRACT This study aims to evaluate the physiological quality of corn seeds from two different acquisition systems: Troca-Troca Program (PTT) and Commercial System (SC). PTT of seeds is a program of the Department of Agriculture, Livestock and Agribusiness at the Rio Grande do Sul since 1988 subsidizes small farmers with labor, family labor in the acquisition of seeds, providing seeds at a reduced cost. The seeds of the SC ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.13; 2011 Pág. 103

2 homes were purchased in the farming town of Frederico Westphalen and the PTT was supplied by the Union of Rural Workers in the same county. The work was conducted in an experimental and in the Seed Laboratory of the Federal University of Santa Maria, Frederico Wesphalen campus, in We selected three cultivars available in both systems and tested for germination, and vigor tests as first count, emergency speed index, field emergence to 14 days after sowing (DAS), length shoot and root at 7 DAS, up to the ground dry mass at 21 DAS and accelerated aging. According to tests carried out concluded that the seeds from the Troca-Troca Program had a lower physiological quality compared with those acquired in Commercial System in Frederico Westphalen. KEYWORDS: troca-troca of seeds; Zea mays; germination; vigor. INTRODUÇÃO A cultura do milho possui um papel fundamental dentro do mercado de commodities agrícolas mundiais, sendo cultivado em todo o país e possuindo uma grande possibilidade de aplicações. Seu cultivo é altamente beneficiado pelas inovações tecnológicas, onde vários programas de melhoramento genético e hibridação agregaram a semente características altamente produtivas. Desta forma, o mercado de sementes de milho tornou-se altamente competitivo e explorado por grandes empresas, forçando os produtores a investirem na compra de sementes híbridas e tecnificação das etapas produtivas para aumento da produtividade, trazendo consigo um aumento nos custos de produção. Neste contexto, o Governo do Estado do Rio Grande do Sul visando incentivar os pequenos agricultores e a agricultura familiar tem criado programas de subsídio para compra de sementes, sendo mais conhecido o Programa Troca-Troca (PTT) de sementes de milho. O programa viabiliza a aquisição de cultivares de milho aos pequenos produtores com predominância de mão-de-obra familiar. Os produtores são beneficiados com até duas sacas de 20 quilos de sementes cada, onde para cada quilograma de semente, fica o produtor comprometido a devolver, após a colheita, onze quilogramas de milho em grãos quando se tratar de semente de híbrido e oito quilogramas quando for de milho variedade. A transformação do débito em moeda corrente tem como indexador o preço mínimo do milho vigente estipulado pelo Governo Federal, sendo esta a forma como se realiza a devolução da parte que cabe ao Estado (SAA, 2011). Dentro do cenário regional, o município de Frederico Westphalen, situado na região Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul está alicerçado na produção em pequenas propriedades (média de 16,81 hectares) com mão-de-obra familiar. A cultura do milho, mais cultivada em área no município, recobriu em 2009 uma área de aproximadamente hectares, gerando uma produção aproximada de toneladas (FEE DADOS, 2011) o que pode ser considerada baixa para os padrões atuais de produtividade. Sendo a semente considerada o mais importante insumo agrícola, por conduzir ao campo as características genéticas determinantes do desempenho da cultivar e contribuindo decisivamente para o sucesso do estabelecimento da cultura, base da produção rentável (GASPAR & NAKAGAWA, 2002; MARCOS FILHO, 2005), faz-se necessário a obtenção de sementes de alta qualidade fisiológica para que se obtenha alta produtividade e rentabilidade. A qualidade fisiológica de sementes pode ser avaliada por métodos padrões, como testes de germinação, que são reconhecidos pelas Regras de Análises de ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.13; 2011 Pág. 104

3 Sementes (BRASIL, 2009) e por força de lei devem estar impressos nas embalagens comercializadas, ou ainda testes de vigor (não padronizados) (BRASIL, 2011). Desta forma, o vigor da semente é a sua capacidade de apresentar desempenho adequado sob diferentes condições de ambiente (MARCOS FILHO, 1994), sendo objetivo do teste de vigor avaliar ou detectar diferenças na qualidade de lotes com germinação semelhante, complementando as informações fornecidas pelo teste de germinação, distinguindo, com segurança, lotes de alto e de baixo vigor (MARCOS FILHO, 1999). O vigor da semente de milho afeta consistentemente a população de plantas, o crescimento vegetativo e o acúmulo de matéria seca nos estádios iniciais (DURÃES et al., 1994). Dentro das informações fornecidas sobre o sistema troca-troca e a situação real da agricultura no município de Frederico Westphalen, objetivou-se com este trabalho, avaliar a qualidade fisiológica de sementes de milho disponíveis no Programa Troca-Troca (PTT) e pelo Sistema Comercial (SC), visando determinar suas diferenças e apontar qual possui melhor qualidade para o ano e município estudado. MATERIAL E MÉTODOS O trabalho foi desenvolvido na área experimental do Curso de Agronomia e no Laboratório de Sementes da Universidade Federal de Santa Maria, campus de Frederico Westphalen RS, na Região Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, no período de setembro a dezembro de Foram utilizadas sementes de três híbridos de milho que serão identificados como CV1, CV2, CV3, cujas características são descritas no Quadro 1. QUADRO 1 - Características dos híbridos de sementes de milho (Zea mays) utilizados no experimento (Frederico Westphalen RS, 2009). Híbrido Características CV1 Ciclo precoce; indicado para grãos e silagem de planta inteira. CV2 Ciclo precoce; indicado para grãos e silagem de planta inteira. CV3 Ciclo superprecoce; indicado para grãos e silagem de planta inteira. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados, com esquema fatorial 3 x 2, com quatro repetições. Os tratamentos se constituíram pela combinação de três híbridos de milho (Zea mays) e dois sistemas de procedência das sementes, Sistema Comercial (SC) e Programa Troca-Troca (PTT). As sementes procedentes do SC foram obtidas no comércio (casas agropecuárias) e as do PTT através da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do RS (SAA), no Sindicato dos Trabalhadores Rurais da cidade de Frederico Westphalen. As sementes de híbridos de milho das duas procedências são sementes certificadas, produzidas em safras diferentes e, portanto, apresentam períodos de armazenamento distintos (Quadro 2). Para avaliação da qualidade fisiológica das sementes realizaram-se os testes de germinação (teste padrão) e testes de vigor (não padronizados). Os testes de vigor utilizados foram divididos em testes fisiológicos de primeira contagem (PC), índice de velocidade de emergência (IVE), comprimento de parte aérea (CPA) e raiz (CR) aos sete dias após semeadura (DAS), massa seca de parte aérea (MS), emergência em campo (EC) aos 14 DAS e teste de resistência (envelhecimento acelerado (EA), conforme descrito abaixo. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.13; 2011 Pág. 105

4 QUADRO 2 - Safra de origem das sementes de híbridos de milho provenientes do Programa Troca-Troca (PTT) e Sistema Comercial (SC) (Frederico Westphalen RS, 2009). Procedência Sistema Comercial Programa Troca-Troca Tratamento Cultivar Safra Tratamento Cultivar Safra T1 CV2 2009/2009 T2 CV2 2008/2008 T3 CV1 2008/2009 T4 CV1 2007/2008 T5 CV3 2009/2009 T6 CV3 2009/2009 O teste de germinação foi conduzido com quatro repetições de 100 sementes por tratamento, em rolo de papel germitest, umedecido com 2,5 vezes o seu peso utilizando-se água destilada, sendo posteriormente colocadas no germinador regulado com temperatura constante de 25 (±2)ºC, umidade relativa do ar variando entre 80 e 85% e fotoperíodo de 12 horas. As contagens foram realizadas aos quatro e sete DAS, de acordo com os critérios estabelecidos nas Regras para Análise de Sementes (BRASIL, 2009). A primeira contagem foi realizada em conjunto com o teste de geminação, determinando-se a percentagem de plântulas normais no quarto dia após a sua instalação. No teste de envelhecimento acelerado foram utilizadas quatro repetições de 50 sementes por tratamento, distribuídas sobre telas de alumínio fixadas no interior de caixas do tipo gerbox, contendo 40 ml de água destilada. As caixas foram tampadas e mantidas a temperatura de 45 ºC por 72 horas (HAMPTON & TEKRONY, 1995; FESSEL et al., 2000; BITTENCOURT & VIEIRA, 2006). Passado este período, as sementes foram submetidas ao teste de germinação de acordo com RAS (BRASIL, 2009), avaliando-se o número de plantas normais emergidas aos sete DAS. Para o cálculo do índice de velocidade de emergência (IVE) utilizaram-se a campo quatro repetições de 50 sementes por tratamento, semeadas em linha a uma profundidade de 2,5 cm. A velocidade de emergência foi avaliada com base no critério agronômico, o qual consistiu na contagem diária das plantas emergidas por linha até estabelecimento do processo de emergência. Considerou-se planta emergida aquela que apresentou coleóptilo acima do nível do solo. Para determinação do IVE utilizou-se a equação de MAGUIRE (1962), descrita abaixo: IVE = E 1 /N 1 +E 2 /N 2...+E n /N n Onde: IVE= índice de velocidade de emergência; E 1, E 2, E n = número de plântulas normais emergidas no primeiro, segundo... e último dia; N 1, N 2, N n = número de dias da semeadura à primeira, segunda... e última contagem; Obs: para cada repetição calculou-se o IVE empregando-se a fórmula, sendo o IVE final a média aritmética das quatro repetições. A determinação do peso da matéria seca da parte aérea (PMS) das plantas aos 21 DAS foi efetuada juntamente com o IVE onde se coletou aleatoriamente 10 plantas em cada linha, com quatro repetições a campo. O PMS foi determinada em gramas após secagem em estufa a 65 ºC até se obter peso constante. Para a determinação do comprimento da parte aérea (CPA) e radícula (CR) foram utilizadas quatro repetições de 10 plântulas normais aos sete DAS. As ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.13; 2011 Pág. 106

5 medidas foram realizadas com o auxílio de um paquímetro digital e expressa em milímetros. Este procedimento foi realizado conjuntamente com o teste de germinação. A emergência de plântulas a campo foi conduzida juntamente com o IVE. As avaliações foram realizadas através da contagem das plantas emergidas aos 14 DAS de acordo com NAKAGAWA (1994), utilizando-se para tal, quatro repetições de 50 sementes cada. Os dados obtidos em cada teste foram submetidos à análise de variância, determinando-se os valores de F para o fator híbridos de milho, o fator procedências (SC e PTT) e para a interação. A comparação de médias foi realizada pelo teste Tukey a 5% de probabilidade. As análises foram realizadas, utilizando o Programa SISVAR. RESULTADOS E DISCUSSÃO De acordo com os resultados observados, houve diferença na qualidade fisiológica das sementes dos híbridos de milho procedentes dos diferentes sistemas (SC e PTT). A análise estatística dos resultados obtidos pelo estudo demonstrou diferenças significativas para as variáveis: germinação (G); envelhecimento acelerado (EA); índice de velocidade de emergência (IVE); comprimento de parte aérea (CPA), comprimento de raiz (CR) e; peso da matéria seca de parte aérea (MS) (Tabela 1). TABELA 1 - Valores médios de germinação (G) primeira contagem (PC), envelhecimento acelerado (EA), índice de velocidade de emergência (IVE), comprimento de parte aérea (CPA) e raíz (CR), peso da matéria seca de parte aérea (PMS) e emergência a campo (EC) de diferentes híbridos de milho procedentes do Programa Troca-Troca (PTT) e Sistema Comercial (SC) (Frederico Westphalen RS, 2009). Tratamentos Híbridos (%) (mm) IVE G PC EA CPA CR PMS (g) CV1 97,25a 1 98,25a 81,00b 29,39a 86,65a 133,27ab 1,01a CV2 97,50a 98,75a 67,00c 29,26a 69,45b 120,54b 0,92a CV3 95,50a 97,00a 94,25a 30,10a 67,85b 136,15a 0,95a Procedência PTT 94,83b 97,33a 64,50b 28,06b 70,15b 113,17b 0,84b SC 98,66a 98,66a 97,00a 31,11a 79,14a 146,80a 1,08a Valores de F Cultivar 1,71ns 1,76ns 37,14** 0,16ns 35,66** 3,84* 2,15ns Procedência 15,90** 2,89ns 158,48** 5,60* 19,87** 47,16** 52,05** Cult x Proc 0,93ns 0,31ns 34,69** 2,41ns 5,88* 0,15ns 10,88** (1) Médias seguidas pela mesma letra minúscula na coluna não diferem entre sí pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. ns: não significativo, * significativo a 5% de probabilidade, ** significativo a 1% pelo teste de Tukey. CV1,CV2, CV3: híbridos de milho. De acordo com a Tabela 1, pode-se observar que todos os híbridos de milho avaliados apresentaram alto poder germinativo (> 90%), portanto estão aptos para comercialização segundo as exigências do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ( 85%) (BRASIL, 2011). Por outro lado, considerando as diferentes procedências se observou que as sementes oriundas do PTT apresentaram menor percentagem de germinação quando comparadas ao SC. Segundo SPINOLA et al., ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.13; 2011 Pág. 107

6 a qualidade fisiológica das sementes é máxima por ocasião da maturidade; a partir deste momento processos degenerativos começam a ocorrer. Portanto o tempo elevado e as condições de armazenamento da semente (Quadro 2) podem gerar perda de viabilidade devido ao processo de respiração da semente (REUNIÃO TÉCNICA ANUAL DO MILHO, 2005), ou ainda segundo FESSEL et al. (2003) reações desfavoráveis a germinação das sementes podem ser atribuídos ao efeito do tratamento químico com o prolongamento do período de armazenamento das mesmas. Indicando-se para manutenção da qualidade fisiológica das sementes por longos prazos ter-se um controle de temperatura e umidade relativa do ar no ambiente de armazenamento (BILIA, FANCELLI & MARCOS FILHO, 1994). Os testes de vigor foram realizados com o objetivo de avaliar o potencial de emergência de plântulas no campo, sob condições adversas de germinação. No teste de primeira contagem (PC) não se observou diferença estatística significativa, demonstrando que os híbridos de milho apresentaram o mesmo vigor inicial, independente da procedência (SC e PTT) (Tabela 1). Isso pode ter ocorrido devido ao fato de a contagem ser realizadas aos quatro DAS, onde a diferenciação entre sementes normais e anormais ainda não é totalmente visível, o que ocorre com clareza aos sete DAS e é determinado pelo teste de germinação (G). Através do teste de envelhecimento acelerado a semente é exposta a níveis muito adversos de temperatura e umidade proporcionando aumento na taxa de deterioração. Assim, considera-se que amostras com baixo vigor apresentam queda de sua viabilidade, quando submetidas a essa situação, e as sementes vigorosas, geralmente mantêm sua capacidade de produzir plântulas normais (MARCOS FILHO, 1994). De acordo com a Tabela 1 pelo teste de envelhecimento acelerado as sementes provenientes do SC apresentam maior vigor, sendo o híbrido CV3 o mais vigoroso na média, seguido pelo híbrido CV1 e CV2. Quanto ao comprimento de parte aérea e raiz das plântulas (Tabela 1), verificou-se diferença de vigor entre os híbridos e procedências avaliadas. A CV1 apresentou-se mais vigorosa na média considerando-se PA e não houve diferença desta em relação a CV3 quanto ao comprimento de raiz. Estas variáveis (CPA e CR) indicaram os híbridos do STT como menos vigorosos. Pelos testes fisiológicos de vigor IVE, PMS e EC não se observou diferença estatística quanto ao vigor médio dos híbridos avaliados, entretanto avaliando-se a procedência verificamos que as sementes do PTT foram menos vigorosas quanto ao IVE e PMS (Tabela 1). Considerando-se a interação híbridos versus procedências (Tabela 2), verifica-se que os híbridos de milho dentro de cada procedência (PTT e SC), não diferiram quanto ao potencial germinativo e CR, independente do ano de produção da sementes, entretanto considerando-se as procedências observa-se que as sementes de CV2 e CV3 do PTT apresentam menor geminação. Considerando-se o CPA, as sementes comerciais apresentaram-se maiores e a CV1 como mais vigorosa, em ambas as procedências. Quanto ao CR observa-se que todos os híbridos do PTT tiveram desempenho significativo abaixo dos encontrados no SC. Avaliando-se cada híbrido dentro das procedências (Tabela 3), verificou-se diferença significativa quanto ao IVE somente para CV3 do PTT, a qual apresentou menor velocidade de emergência, portanto, menor vigor. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.13; 2011 Pág. 108

7 TABELA 2 - Análise estatística de sementes de milho híbrido oriundas de duas procedências, Programa Troca-Troca (PTT) e Sistema Comercial (SC), quanto aos testes de germinação (G), comprimento de parte aérea (CPA) e comprimento de raiz (CR) aos 7 dias após a semeadura (Frederico Westphalen RS, 2009). Cultivar G (%) CPA (mm) CR (mm) PTT SC PTT SC PTT CV 1 96,50aA 1 98,50aA 77,37aB 95,92aA 114,62aB CV 2 95,00aB 99,50aA 66,47bA 72,42bA 104,10aB CV 3 93,00aB 98,00aA 66,62bA 69,07bA 120,80aB (1) Médias seguidas pela mesma letra maiúscula nas linhas para mesma variável e minúscula na coluna, não diferem entre sí pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. O peso da matéria seca da parte aérea (PMS), que determina o crescimento e desenvolvimento inicial da planta, apontou um menor peso para as cultivares do PTT (Tabela 1), o que corrobora os resultados encontrados por DURÃES et al. (1994) onde sementes menos vigorosas acumulam menor quantidade de matéria seca no início do seu desenvolvimento. Quanto às diferenças entre as cultivares de acordo com as procedências (Tabela 3) nota-se que as cultivares CV1 e CV3 oriundas do PTT tiveram os piores desempenhos comparadas às obtidas no SC, no entanto a CV2 do PTT não diferiu estatisticamente da obtida no SC. Com relação aos valores do EA, verifica-se que houve diferença entre as cultivares apenas no PTT, sendo a CV3 a mais vigorosa. Entretanto, considerandose cada cultivar dentro das procedências as que apresentaram maior deterioração foram a CV1 e CV2, no PTT e a CV3 não diferiu. TABELA 3 - Análise estatística de sementes de milho híbrido oriundas de Programa troca-troca de sementes e sistema comercial, quanto aos testes de índice de velocidade de emergência (IVE), peso da matéria seca de parte aérea (PMS) e envelhecimento acelerado (EA) (Frederico Westphalen RS, 2009). IVE PMS EA Cultivar (g) (%) PTT SC PTT SC PTT CV1 29,09aA 1 29,69aA 0,77aB 1,25aA 66,00bB CV2 28,50aA 30,03aA 0,87aA 0,97bA 37,00cB CV3 26,59aB 33,60aA 0,86aB 1,04bA 90,50aA (1) Médias seguidas pela mesma letra maiúscula nas linhas para mesma variável e minúscula na coluna, não diferem entre sí pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. CONCLUSÃO De acordo com os dados obtidos nos testes de germinação e vigor, pode-se concluir que as sementes de milho oriundas do Programa Troca-Troca de sementes no município de Frederico Westphalen RS, no ano de 2009, apresentaram menor qualidade fisiológica quando comparadas as sementes adquiridas em casa agropecuárias (sistema comercial). ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.13; 2011 Pág. 109

8 REFERÊNCIAS BILIA, D. A. C.; FANCELLI, A. L.; MARCOS FILHO, J. Comportamento de sementes de milho híbrido durante o armazenamento sob condições variáveis de temperatura e umidade relativa do ar. Scientia Agrícola, Piracicaba, v. 51, n. 1, p , jan./jun BITTENCOURT, S. R. M.; VIEIRA, R. D. Temperatura e período de exposição de sementes de milho no teste de envelhecimento acelerado. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 28, n. 3, p , BRASIL. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/ACS, p. BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Consulta de Legislação. Disponível em: < Acesso em: 19 jun DURÃES, F. O. M.; CHAMMA, H. M. C. P.; COSTA, J. D.; MAGALHÃES, P. C.; BORBA, C. da S. Índices de vigor de sementes de milho (zea mays l.): associação com emergência em campo, crescimento e rendimento de grãos. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 16, n.1, p , FEE DADOS Fundação de Economia e Estatística. Consulta ao banco de dados. Disponível em: <http://www.fee.rs.gov.br/feedados/consulta/sel_modulo_pesquisa. asp>. Acesso em: 19 jun FESSEL, S. A.; MENDONÇA, E. A. F.; CARVALHO, R. V.; VIEIRA, R. D. Efeito do tratamento químico sobre a conservação de sementes de milho durante o armazenamento. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 25, n. 1, pg , FESSEL, S. A. RODRIGUES, T. J. D.; FAGIOLI, M.; VIEIRA, R. D. Temperatura e período no teste de envelhecimento acelerado em sementes de milho. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v.22, n.2, p , GASPAR, C. M.; NAKAGAWA, J. Teste de condutividade elétrica em função do período e da temperatura de embebição para sementes de milheto. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 24, n. 2, p , HAMPTON, J. G.; TEKRONY, D. M. Handbook of vigour test methods. 3. Ed., Zurich: ISTA, p. MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedlig emergence and vigor. Crop Science, Madison, v.2, n.1, p ,1962. MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ, v. 12, 495 p., ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.13; 2011 Pág. 110

9 MARCOS FILHO, J. Teste de envelhecimento acelerado. In: KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, p , MARCOS FILHO, J. Utilização de testes de vigor em programas de controle de qualidade de sementes. Informativo ABRATES, Londrina, v.4, n. 2, p , NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados na avaliação das plântulas. In: VIEIRA, R. D.; CARVALHO, N. M. (Ed.) Testes de vigor em sementes. Jaboticabal: FUNEP, 1994, p REUNIÃO TÉCNICA ANUAL DO MILHO, 50 a ; REUNIÃO TÉCNICA ANUAL DO SORGO, 33., 2005, Porto Alegre. Indicações técnicas para cultivo de milho e sorgo no Rio Grande do Sul /2006. Porto Alegre: FEPAGRO; Emater- RS/ASCAR, p. SAA Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio do Estado do Rio Grande do Sul. Programas. Disponível em: <http://www.agricultura.rs.gov.br/programas. php?cod=20& secao=6>. Acesso em: 20 jun SPINOLA, M. C. M.; CICERO, S. M.; MELO, M. Alterações bioquímicas e fisiológicas em sementes de milho causadas pelo envelhecimento acelerado. Scientia Agrícola, Piracicaba, v. 57, n. 2, Jun Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/sa/v 57n2/v57n2a11.pdf >. Acesso em: 15 out ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, vol.7, N.13; 2011 Pág. 111

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 6 a 0 de Agosto de 0 Qualidade de Sementes Híbridas de Milho Processadas em Separador por Cor Cibele Aparecida Teixeira da Silva, João Almir

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Temperaturas de Secagem no Vigor de Sementes de Milho Geneticamente Modificadas Patrícia Marluci da

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Germinação e Vigor de Sementes de Sorgo Forrageiro Submetidas a Estresse Salino Rosane Borges Mendes 1, Juliana Leite

Leia mais

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho 1 Delineide Pereira Gomes, 2 Érika S. M. Koshikumo, 3 Leandra Matos Barrozo, 4 Breno Marques S. e Silva e 5 Rouverson

Leia mais

A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET.

A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET. A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET. Previero, Conceição Aparecida, CEULP/ULBRA, conceicaopreviero@gmail.com, Moraes, Eriel Dantas

Leia mais

Efeitos da Aeração Resfriada na Qualidade Fisiológica de Sementes de Soja (Glycine max (L.) Merrill)

Efeitos da Aeração Resfriada na Qualidade Fisiológica de Sementes de Soja (Glycine max (L.) Merrill) Efeitos da Aeração Resfriada na Qualidade Fisiológica de Sementes de Soja (Glycine max (L.) Merrill) 84 Zirvaldo Zenid Virgolino, Osvaldo Resende 1, Douglas Nascimento Gonçalves 1, Kaique Alves Ferreira

Leia mais

Dormência em sementes de pata-de-vaca (Bauhinia angulata vell).

Dormência em sementes de pata-de-vaca (Bauhinia angulata vell). Dormência em sementes de pata-de-vaca (Bauhinia angulata vell). Oscar José Smiderle 1 ; Moises Mourão Jr 1 ; Francisco Joaci de Freitas Luz 1. 1 Pesquisador Embrapa Roraima CP 133 CEP 691-97 Boa Vista

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MILHO- CRIOULO SOB ESTRESSE CAUSADO POR BAIXO NÍVEL DE NITROGÊNIO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MILHO- CRIOULO SOB ESTRESSE CAUSADO POR BAIXO NÍVEL DE NITROGÊNIO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MILHO- CRIOULO SOB RESUMO Tânia Cristina de Oliveira Gondim 1 Valterley Soares Rocha 1 Manoel Mota dos Santos 1 Glauco Vieira Miranda 1 Este trabalho teve

Leia mais

Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local

Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local Juliana Leite Ribeiro 1, Sâmmara Emiliana Fonseca Carvalho 2, Marielle Aparecida de

Leia mais

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão The Efficiency of Diatomaceous Earth in Control of Bean Weevil Acanthoscelides

Leia mais

Scientia Agraria ISSN: 1519-1125 sciagr@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil

Scientia Agraria ISSN: 1519-1125 sciagr@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil Scientia Agraria ISSN: 1519-1125 sciagr@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil ALVES, Antonio Carlos; Shong LIN, Hiow TIPO DE EMBALAGEM, UMIDADE INICIAL E PERÍODO DE ARMAZENAMENTO EM SEMENTES DE

Leia mais

Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho.

Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho. Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de 2002 - Florianópolis - SC Magalhães, P. C.1, Durães,

Leia mais

Eficiência do tratamento sementes com produtos alternativos no controle do gorgulho do milho

Eficiência do tratamento sementes com produtos alternativos no controle do gorgulho do milho Eficiência do tratamento sementes com produtos alternativos no controle do gorgulho do milho Efficiency of seed treatment with alternative control of the corn weevil AHRENS, Dirk Claudio 1 ; SILVA, Danilo

Leia mais

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS RAFAEL SOUZA MELO 1 ; JEFFERSON BITTENCOURT VENÂNCIO 2 ; WELLINGTON FARIAS ARAÚJO 3 ; EDVAN ALVES CHAGAS 4 ; NILMA BRITO

Leia mais

Metodologia alternativa do teste de envelhecimento acelerado para sementes de cenoura

Metodologia alternativa do teste de envelhecimento acelerado para sementes de cenoura Metodologia alternativa do teste de envelhecimento acelerado para sementes de cenoura Angelica Brod Rodo 1,3 *; Maristela Panobianco 1,4 ; Júlio Marcos Filho 2,4 1 Pós-Graduando do Depto. de Produção Vegetal

Leia mais

TESTES DE VIGOR NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE TOMATE 1

TESTES DE VIGOR NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE TOMATE 1 VIGOR PARA SEMENTES DE TOMATE 23 TESTES DE VIGOR NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE TOMATE 1 ANGELICA BROD RODO 2, MARIA ÂNGELA ANDRÉ TILLMANN 3 e FRANCISCO AMARAL VILLELA 3 RESUMO- Sementes

Leia mais

EFEITO DE DIFRENTES PERÍODOS E USO DE SOLUÇÃO SALINA NO ENVELHECIMENTO ACELERADO EM SEMENTES DE SALSA

EFEITO DE DIFRENTES PERÍODOS E USO DE SOLUÇÃO SALINA NO ENVELHECIMENTO ACELERADO EM SEMENTES DE SALSA EFEITO DE DIFRENTES PERÍODOS E USO DE SOLUÇÃO SALINA NO ENVELHECIMENTO ACELERADO EM SEMENTES DE SALSA CONCEIÇÃO, Gerusa Massuquini 2 ; ROETHIG, Elisa²; ; ESPINDOLA, Maria Carolina Grigoletto 2 ; BARBIERI,

Leia mais

Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal.

Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal. Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal. Flávia M. V. Teixeira Clemente, Francisco V. Resende, Jairo V. Vieira Embrapa Hortaliças, C. Postal 218, 70.359-970,

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2139

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2139 Página 2139 QUIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) ARMAZENADAS 1 Givanildo Zildo da Silva¹; Joel Martins Braga Júnior¹; Riselane de Alcântara Bruno¹; Cibele dos Santos Ferrari¹;

Leia mais

EFEITO DO ENVELHECIMENTO MAIA, A. ACELERADO R. et al. NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE TRIGO 1

EFEITO DO ENVELHECIMENTO MAIA, A. ACELERADO R. et al. NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE TRIGO 1 678 EFEITO DO ENVELHECIMENTO MAIA, A. ACELERADO R. et al. NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE TRIGO 1 Effect of the accelerated aging in the evaluation of the physiological quality in

Leia mais

AVALIAÇÃO DE TESTES DE VIGOR PARA SEMENTES DE AVEIA-BRANCA (Avena sativa L.) 1

AVALIAÇÃO DE TESTES DE VIGOR PARA SEMENTES DE AVEIA-BRANCA (Avena sativa L.) 1 TESTE DE VIGOR PARA SEMENTES DE AVEIA-BRANCA 163 AVALIAÇÃO DE TESTES DE VIGOR PARA SEMENTES DE AVEIA-BRANCA (Avena sativa L.) 1 AURÉLIO VINICIUS BORSATO 2, ALBERTO SÉRGIO DO REGO BARROS 3, DIRK CLAUDIO

Leia mais

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Microbial Biomass In Lettuce Culture Under Different Organic Fertilizers And Management Of Green Manure

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE

CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE R. M. Torres Faculdade de Agronomia e Engenharia Floresta - FAEF A. C. S.

Leia mais

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Edgar Rodrigues Marques 1 ; Paulo César

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho Agronômico de Híbridos de Sorgo Biomassa Gutemberg de Aquiles Pereira 1, Rafael A. da C. Parrella 2, Nádia

Leia mais

TESTES DE VIGOR EM SEMENTES DE MILHO

TESTES DE VIGOR EM SEMENTES DE MILHO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CÂMPUS DE JABOTICABAL TESTES DE VIGOR EM SEMENTES DE MILHO Willyder Leandro Rocha Peres Engenheiro Agrônomo JABOTICABAL SÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU

QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU Wadson de Menezes Santos 1 ; Maria Priscilla Celestino Silveira 1 ; Raul Santos Macedo 2 ; Christtianno de Lima Rollemberg

Leia mais

CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL cv. Embrapa 122 / V 2000 SUBMETIDO A ESTRESSE SALINO NA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO

CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL cv. Embrapa 122 / V 2000 SUBMETIDO A ESTRESSE SALINO NA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL cv. Embrapa 122 / V 2000 SUBMETIDO A ESTRESSE SALINO NA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO Magaly Morgana Lopes da COSTA 1 ; Guilherme de Freitas FURTADO 1 ; Elysson Marcks Gonçalves ANDRADE

Leia mais

TRATAMENTO DE SEMENTES DE COENTRO CONTAMINADAS POR DIFERENTES NÍVEIS DE Alternaria radicina 1

TRATAMENTO DE SEMENTES DE COENTRO CONTAMINADAS POR DIFERENTES NÍVEIS DE Alternaria radicina 1 TRATAMENTO DE SEMENTES DE COENTRO CONTAMINADAS POR DIFERENTES NÍVEIS DE Alternaria radicina 1 PEDROSO, Daniele 2 ; MUNIZ, Marlove 2 ; TUNES, Lilian 2 ; MULLER, Juceli 2 ; JUNGES Emanuele 2 ; SANTOS, Ricardo

Leia mais

Influência da lignina na germinação de sementes de soja. Gláucia Cristina Moreira¹, Thales Sperger ¹, Ariberto Simon Sperger², Celso Ari Palagi³

Influência da lignina na germinação de sementes de soja. Gláucia Cristina Moreira¹, Thales Sperger ¹, Ariberto Simon Sperger², Celso Ari Palagi³ 175 Influência da lignina na germinação de sementes de soja Gláucia Cristina Moreira¹, Thales Sperger ¹, Ariberto Simon Sperger², Celso Ari Palagi³ ¹Faculdade Assis Gurgacz FAG, Curso de Agronomia. Avenida

Leia mais

INFLUÊNCIA DA INFLORESCÊNCIA NO VIGOR DE SEMENTES DE MAMONA CV BRS- NORDESTINA 1

INFLUÊNCIA DA INFLORESCÊNCIA NO VIGOR DE SEMENTES DE MAMONA CV BRS- NORDESTINA 1 Página 2114 INFLUÊNCIA DA INFLORESCÊNCIA NO VIGOR DE SEMENTES DE MAMONA CV BRS- NORDESTINA 1 Karialane da Silva Berlamino 1 ; Riselane de Lucena Alcântara Bruno 1 ; Joel Martins Braga Júnior 1 ; Tarcísio

Leia mais

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem.

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. DAMASCENO, T. M. 1, WINDER, A. R. da S. 2, NOGUEIRA, J. C. M. 3, DAMASCENO, M. M. 2, MENDES, J. C. da F. 2, e DALLAPORTA, L. N.

Leia mais

TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM FUNÇÃO DO PERÍODO E DA TEMPERATURA DE EMBEBIÇÃO PARA SEMENTES DE MILHETO 1

TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM FUNÇÃO DO PERÍODO E DA TEMPERATURA DE EMBEBIÇÃO PARA SEMENTES DE MILHETO 1 82 C.M. GASPAR & J. NAKAGAWA TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM FUNÇÃO DO PERÍODO E DA TEMPERATURA DE EMBEBIÇÃO PARA SEMENTES DE MILHETO 1 CAROLINA MARIA GASPAR 2, JOÃO NAKAGAWA 3 RESUMO - O presente trabalho

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ANÁLISE DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SEMENTES DE GIRASSOL RENATA PEREIRA LUZ 1, BRUNO OLIVEIRA CARVALHO 2, MARIA LAENE MOREIRA DE CARVALHO 3, VALQUÍRIA DE FÁTIMA FERREIRA 4, CLÁUDIO

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO GIRASSOL (Helianthus annuus L.)

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO GIRASSOL (Helianthus annuus L.) Iniciação Científi ca CESUMAR Jan./Jun. 2009, v. 11, n. 1, p. 23-27 INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO GIRASSOL (Helianthus annuus L.) Gessé Almeida Santos* Patricia da Costa

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton 64 Nitrogênio na cultura do Algodão Helton Aparecido Rosa 1, Reginaldo Ferreira Santos 1, Maycon Daniel Vieira 1, Onóbio Vicente Werner 1, Josefa Moreno Delai 1, Marines Rute de Oliveira 1 1 Universidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE Jatropha curcas L. PROVENIENTES DE SEMENTES SUBMETIDAS A DIFERENTES AMBIENTES E TEMPO DE ARMAZENAMENTO

DESENVOLVIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE Jatropha curcas L. PROVENIENTES DE SEMENTES SUBMETIDAS A DIFERENTES AMBIENTES E TEMPO DE ARMAZENAMENTO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE Jatropha curcas L. PROVENIENTES DE SEMENTES SUBMETIDAS A DIFERENTES AMBIENTES E TEMPO DE ARMAZENAMENTO Jailson Vieira Aguilar (1), Renata Capistrano Moreira Furlani

Leia mais

Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja

Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja 53 Marcos César Colacino 1 ; Carolina Maria Gaspar de Oliveira 2 RESUMO A antecipação da colheita da soja resulta em uma grande quantidade de vagens verdes

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE TOMATE PELO TESTE DE ESTRESSE HÍDRICO 1

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE TOMATE PELO TESTE DE ESTRESSE HÍDRICO 1 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL FISIOLÓGICO DE SEMENTES DE TOMATE PELO TESTE DE ESTRESSE HÍDRICO SALVADOR BARROS TORRES 2 RESUMO - Com o objetivo de estudar a eficiência do teste de estresse hídrico na avaliação

Leia mais

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP.

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Roberto Andreani Junior 1 Pedro Galbiati Neto 1 UNICASTELO-Faculdade de Ciências

Leia mais

Qualidade fisiológica de sementes de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae Caesalpinioideae) envelhecidas artificialmente 1

Qualidade fisiológica de sementes de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae Caesalpinioideae) envelhecidas artificialmente 1 Qualidade fisiológica de sementes de Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae Caesalpinioideae) envelhecidas artificialmente 1 Physiological seed quality of Copaifera langsdorffii Desf. (Leguminosae Caesalpinioideae)

Leia mais

Influência da profundidade e da posição de semeadura na emergência e desenvolvimento de plântulas de moringa.

Influência da profundidade e da posição de semeadura na emergência e desenvolvimento de plântulas de moringa. Influência da profundidade e da posição de semeadura na emergência e desenvolvimento de plântulas de moringa. Adalberto Hipólito de Sousa¹; Victor Hugo de Carvalho Mendes¹; Daniel Medeiros da Costa¹; Aurélio

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 INTRODUÇÃO

PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 INTRODUÇÃO PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 Leonardo Pereira da Silva Brito 2, Ítalo Herbert Lucena Cavalcante 2, Márkilla Zunete Beckmann-Cavalcante

Leia mais

Capacidade de Expansão do Milho Pipoca Crioulo cultivado no Cerrado Goiano em Sistema Agroecológico.

Capacidade de Expansão do Milho Pipoca Crioulo cultivado no Cerrado Goiano em Sistema Agroecológico. Capacidade de Expansão do Milho Pipoca Crioulo cultivado no Cerrado Goiano em Sistema Agroecológico. Teixeira, W. G. (1), Matteucci, M. B. A. (2), Malta, C. G. (1), Barbosa, S. C. (1) e Leandro, W. M.

Leia mais

Testes de vigor para sementes de arroz e sua relação com o comportamento de hidratação de sementes e a emergência de plântulas

Testes de vigor para sementes de arroz e sua relação com o comportamento de hidratação de sementes e a emergência de plântulas Testes de vigor para sementes de arroz e sua relação com o comportamento de hidratação de sementes e a emergência de plântulas Vigor tests to evaluate rice seeds behavior during hydration and germinative

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO

PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO L. G. Silva 1 ; E. F. Fraga Júnior 2 ; R. A. Santos 3 RESUMO: O Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar,

Leia mais

Efeito do substrato no processo de germinação em duas variedades de mamão Effect of substrate in the process of two varieties germination papaya

Efeito do substrato no processo de germinação em duas variedades de mamão Effect of substrate in the process of two varieties germination papaya MENEZES, A. S.; MOREIRA, F. J. C.; SOUZA, M. C. M. R.; SILVA, M.C.B.; Efeito do substrato no processo de germinação em duas variedades de mamão. Revista Agrogeoambiental / Instituto Federal do Sul de Minas

Leia mais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais César Ferreira Santos¹; Antônio Augusto Rocha Athayde²; Geann Costa Dias 1 ; Patrícia Fernades Lourenço¹

Leia mais

Influência Do Envelhecimento Acelerado Na Germinação E Vigor De Sementes De Ipê-Roxo Tabebuia impetiginosa (Mart. Ex DC) Standl.

Influência Do Envelhecimento Acelerado Na Germinação E Vigor De Sementes De Ipê-Roxo Tabebuia impetiginosa (Mart. Ex DC) Standl. Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 10 a 12 de novembro de 2010 Influência Do Envelhecimento Acelerado Na Germinação E

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Época de Aplicação de N em Cobertura no Milho em Sucessão ao Consórcio Ervilhaca/Aveia Preta Laís Corrêa Miozzo 1,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA LARANJEIRA PÊRA EM FUNÇÃO DE PORTAENXERTOS NAS CONDIÇÕES DE CAPIXABA, ACRE.

DESENVOLVIMENTO DA LARANJEIRA PÊRA EM FUNÇÃO DE PORTAENXERTOS NAS CONDIÇÕES DE CAPIXABA, ACRE. DESENVOLVIMENTO DA LARANJEIRA PÊRA EM FUNÇÃO DE PORTAENXERTOS NAS CONDIÇÕES DE CAPIXABA, ACRE. ROMEU DE CARVALHO ANDRADE NETO 1 ; ANA MARIA ALVES DE SOUZA RIBEIRO 2 ; CAROLINY IZABEL ARAÚJO DE FREITAS

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

Germinação das Sementes de Soja Contaminadas com Ferrugem Asiática e sem Contaminação

Germinação das Sementes de Soja Contaminadas com Ferrugem Asiática e sem Contaminação das Sementes de Soja Contaminadas com Ferrugem Asiática e sem Contaminação Colli, A. M. T 1 1 Faculdades Integradas Fafibe Bebedouro SP aureacolli@linkway.com.br Basso, L. P. 2 2 Graduação - Faculdades

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO Cícero José da Silva¹; Benjamim de Melo²; César Antônio da Silva³; Carlos Eduardo Mesquita Pode 4 ;

Leia mais

Produção de cultivares de alface em três sistemas de cultivo em Montes Claros-MG

Produção de cultivares de alface em três sistemas de cultivo em Montes Claros-MG Produção de cultivares de alface em três sistemas de cultivo em Montes Claros-MG Cândido Alves da Costa; Sílvio Júnio Ramos; Simone Nassau Zuba; Wagner Fabian. UFMG-Núcleo de Ciências Agrárias, C. Postal

Leia mais

Temperatura na emergência de quatro variedades de mamoeiro

Temperatura na emergência de quatro variedades de mamoeiro Comunicata Scientiae 4(4): 401-406, 2013 Nota Científica e-issn: 2177-5133 www.ufpi.br/comunicata Temperatura na emergência de quatro variedades de mamoeiro Renata Aparecida de Andrade*, Samir Paulo Jasper

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DE NÍVEIS DE RUÍDO EMITIDOS POR TRATORES EM DIFERENTES OPERAÇÕES AGRÍCOLAS Josué Gomes Delmond 1,3, Elton Fialho dos Reis 2,3 1 Bolsista PIBIC/CNPQ 2 Eng Agrícola, Prof. DSc, Orientador. 3 Curso

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

EFEITO DO ESTRESSE HÍDRICO E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA NA EMERGÊNCIA DE BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MG-5

EFEITO DO ESTRESSE HÍDRICO E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA NA EMERGÊNCIA DE BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MG-5 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CANOLA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FONTES E PARCELAMENTOS DA FERTILIZAÇÃO NITROGENADA

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CANOLA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FONTES E PARCELAMENTOS DA FERTILIZAÇÃO NITROGENADA 213 QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE CANOLA EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FONTES E PARCELAMENTOS DA FERTILIZAÇÃO NITROGENADA Jonas Francisco Egewarth 1, Vandeir Francisco Guimarães 1, Artur Soares Pinto

Leia mais

Manejos da Cobertura do Solo e da Adubação Nitrogenada na Cultura do Milho para Silagem em Sistema de Integração Lavoura Pecuária

Manejos da Cobertura do Solo e da Adubação Nitrogenada na Cultura do Milho para Silagem em Sistema de Integração Lavoura Pecuária XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Manejos da Cobertura do Solo e da Adubação Nitrogenada na Cultura do Milho para Silagem em Sistema de Integração

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG- campus Bambuí VIII Jornada Científica

VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG- campus Bambuí VIII Jornada Científica VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG- campus Bambuí VIII Jornada Científica Casca de café carbonizada para produção de mudas de alface Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira (1), Fábio Pereira

Leia mais

COMPARAÇÃO DE SONDAS DE AMOSTRAGEM PARA ANÁLISE DA CANA EM DUAS SAFRAS SAMPLES PROBES COMPARISON FOR SUGARCANE ANALYSIS ON TWO SEASON

COMPARAÇÃO DE SONDAS DE AMOSTRAGEM PARA ANÁLISE DA CANA EM DUAS SAFRAS SAMPLES PROBES COMPARISON FOR SUGARCANE ANALYSIS ON TWO SEASON COMPARAÇÃO DE SONDAS DE AMOSTRAGEM PARA ANÁLISE DA CANA EM DUAS SAFRAS SAMPLES PROBES COMPARISON FOR SUGARCANE ANALYSIS ON TWO SEASON Leonardo Lucas Madaleno (1) Reginaldo Soares Santos (2) Juliana Freire

Leia mais

Teresa Cristina Castilho Gorayeb 1 ; Juliana Arakaki Takemoto 2 ; Yara Paula de Oliveira Nishiyama 2 ; João Cláudio Thoméo 3

Teresa Cristina Castilho Gorayeb 1 ; Juliana Arakaki Takemoto 2 ; Yara Paula de Oliveira Nishiyama 2 ; João Cláudio Thoméo 3 Estudo da Secagem de Vagens de Amendoim - Runner IAC 886, em Monocamada. 71 Teresa Cristina Castilho Gorayeb 1 ; Juliana Arakaki Takemoto 2 ; Yara Paula de Oliveira Nishiyama 2 ; João Cláudio Thoméo 3

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

USO DE GRAUS-DIA PARA DETERMINAR O PONTO DE SILAGEM DO MILHO

USO DE GRAUS-DIA PARA DETERMINAR O PONTO DE SILAGEM DO MILHO USO DE GRAUS-DIA PARA DETERMINAR O PONTO DE SILAGEM DO MILHO Jackson Silva e Oliveira 1, Emerson José Dornelas de Almeida 2, Fausto de Souza Sobrinho 3, Éder Cristian Malta de Lanes 4, Sarita Gonçalves

Leia mais

INFLUÊNCIA DO AMBIENTE A MEIA SOMBRA E A CÉU ABERTO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DE FRUTOS DO TOMATEIRO, CV. VIRADORO

INFLUÊNCIA DO AMBIENTE A MEIA SOMBRA E A CÉU ABERTO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DE FRUTOS DO TOMATEIRO, CV. VIRADORO INFLUÊNCIA DO AMBIENTE A MEIA SOMBRA E A CÉU ABERTO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DE FRUTOS DO TOMATEIRO, CV. VIRADORO Francisco Rodrigues Leal 1 ; Jopson Carlos Borges de Moraes 2. 1 Universidade Federal do

Leia mais

Germinação e viabilidade de sementes de pupunha em diferentes ambientes e tipos de embalagens

Germinação e viabilidade de sementes de pupunha em diferentes ambientes e tipos de embalagens Germinação e viabilidade de sementes de pupunha em diferentes ambientes e tipos de embalagens Maria das Graças Conceição Parada Costa Silva 1, José Roberto Vieira da Melo 2 1 Engª Agrônoma, MSc, Centro

Leia mais

Efeito da densidade de plantas no rendimento de bulbos com diferentes cultivares de cebola.

Efeito da densidade de plantas no rendimento de bulbos com diferentes cultivares de cebola. Efeito da densidade de plantas no rendimento de bulbos com diferentes cultivares de cebola. Marie Yamamoto Reghin; Rosana Fernandes Otto; Carlos Felipe Stülp Jacoby; Jean Ricardo Olinik; Rafael Pagano

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Utilização de dejetos e resíduos de origem animal como alternativa na adubação de feijão irrigado Lilian Christian Domingues de Souza 1, Alício

Leia mais

TESTES DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA E DE LIXIVIAÇÃO DE POTÁSSIO NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GIRASSOL 1

TESTES DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA E DE LIXIVIAÇÃO DE POTÁSSIO NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GIRASSOL 1 CONDUTIVIDADE ELÉTRICA E LIXIVIAÇÃO DO POTÁSSIO PARA AVALIAR SEMENTES DE GIRASSOL 1 TESTES DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA E DE LIXIVIAÇÃO DE POTÁSSIO NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE GIRASSOL

Leia mais

098-Efeito alelopático de plantas de cobertura na germinação de sementes de alface

098-Efeito alelopático de plantas de cobertura na germinação de sementes de alface 098-Efeito alelopático de plantas de cobertura na germinação de sementes de alface Allelopathic effect of cover crops on the germination of seeds of lettuce MEINERZ, Cristiane Cláudia. UNIOESTE, crismeinerz@hotmail.com;

Leia mais

TRATAMENTO QUÍMICO E NATURAL SOBRE A QUALIDADE FISIOLÓGICA E SANITÁRIA EM SEMENTES DE FEIJÃO (Phaseolus vulgaris L.) ARMAZENADAS

TRATAMENTO QUÍMICO E NATURAL SOBRE A QUALIDADE FISIOLÓGICA E SANITÁRIA EM SEMENTES DE FEIJÃO (Phaseolus vulgaris L.) ARMAZENADAS Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004 For Evaluation Only. TRATAMENTO QUÍMICO E NATURAL SOBRE A QUALIDADE FISIOLÓGICA E SANITÁRIA EM SEMENTES DE FEIJÃO (Phaseolus vulgaris

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho de Híbridos Simples de Milho no Estado do Maranhão na Safra de 2010 1 Cinthia Souza Rodrigues 1, Hélio

Leia mais

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com Teores de óleo e proteína em grãos de soja, com diferentes manejos de percevejo, da colheita ao armazenamento, utilizando a espectroscopia no infravermelho próximo (NIR) 59 Marcelo Alvares de Oliveira

Leia mais

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES DENIS AUGUSTO DE SOUSA 1,4, ROBERLI RIBEIRO GUIMARÃES 2,4, ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,4 RESUMO: À exceção de alguns trabalhos

Leia mais

INFLUÊNCIA DE TRATAMENTOS QUÍMICOS E FÍSICOS NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES CRAMBE

INFLUÊNCIA DE TRATAMENTOS QUÍMICOS E FÍSICOS NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES CRAMBE INFLUÊNCIA DE TRATAMENTOS QUÍMICOS E FÍSICOS NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES CRAMBE Felipe Pianna Costa, Lima Deleon Martins, Jose Carlos Lopes Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Espírito

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O TESTE DE DETERIORAÇÃO CONTROLADA E O DESEMPENHO DE SEMENTES DE MILHO EM DIFERENTES CONDIÇÕES DE ESTRESSE 1

RELAÇÃO ENTRE O TESTE DE DETERIORAÇÃO CONTROLADA E O DESEMPENHO DE SEMENTES DE MILHO EM DIFERENTES CONDIÇÕES DE ESTRESSE 1 198 RELAÇÃO ENTRE O TESTE DE DETERIORAÇÃO CONTROLADA E O DESEMPENHO DE SEMENTES DE MILHO EM DIFERENTES CONDIÇÕES DE ESTRESSE 1 LILIAN PADILHA 2 ; MARIA DAS GRAÇAS GUIMARÃES CARVALHO VIEIRA 3 ; ÉDILA VILELA

Leia mais

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA - ISSN 1677-0293 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO 08, DEZEMBRO DE 2005. PERIODICIDADE:

Leia mais

EFEITO DO ÁCIDO GIBERÉLICO NO TRATAMENTO DE SEMENTES DE ARROZ SUBMETIDO A ESTRESSE POR BAIXA TEMPERATURA

EFEITO DO ÁCIDO GIBERÉLICO NO TRATAMENTO DE SEMENTES DE ARROZ SUBMETIDO A ESTRESSE POR BAIXA TEMPERATURA EFEITO DO ÁCIDO GIBERÉLICO NO TRATAMENTO DE SEMENTES DE ARROZ SUBMETIDO A ESTRESSE POR BAIXA TEMPERATURA Daniele Brandstetter Rodrigues 1 ; Thaís D Avila Rosa 2 ; Diogo Balbé Helgueira 2, Jonas Gularte

Leia mais

VIABILIDADE DA SUCESSÃO GIRASSOL/SORGO GRANÍFERO NA REGIÃO DO PLANALTO MÉDIO DO RIO GRANDE DO SUL

VIABILIDADE DA SUCESSÃO GIRASSOL/SORGO GRANÍFERO NA REGIÃO DO PLANALTO MÉDIO DO RIO GRANDE DO SUL VIABILIDADE DA SUCESSÃO GIRASSOL/SORGO GRANÍFERO NA REGIÃO DO PLANALTO MÉDIO DO RIO GRANDE DO SUL RIZZARDI 1, Mauro A.; ARGENTA 1, Gilber; PIRES 1, João L.F.; NEVES 1 ; Rodrigo 1 UPF, Faculdade de Agronomia

Leia mais

Qualidade de Grãos de Soja, com Diferentes Teores de Água, Aerados com Ar Natural e Ar Esfriado Artificialmente

Qualidade de Grãos de Soja, com Diferentes Teores de Água, Aerados com Ar Natural e Ar Esfriado Artificialmente Qualidade de Grãos de Soja, com Diferentes Teores de Água, Aerados com Ar Natural e Ar Esfriado Artificialmente 05 Adilio Flauzino de Lacerda Filho 1 ; Roberta Jimenez de Alameida Rigueira 2 ; Kaio Kauê

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA Jorge Ricardo Moura 3 ; Elton Fialho dos Reis 1,4 ; João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha 2,4 ; 1 Pesquisador Orientador

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

TRATAMENTO DE SEMENTES DE GIRASSOL COM ÁCIDO SALICÍLICO

TRATAMENTO DE SEMENTES DE GIRASSOL COM ÁCIDO SALICÍLICO TRATAMENTO DE SEMENTES DE GIRASSOL COM ÁCIDO SALICÍLICO André Pich Brunes 1 ; Letícia Winke Dias 2 ; Igor Dias Leitzke 3 ; Anderson Severo da Silva 3 ; Vanessa Nogueira Soares 4 1 Engenheiro agrônomo Doutorando

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Considerações Finais Todos os tratamentos testados apresentaram teores foliares de N inferiores ao recomendado para a cultura da soja. As aplicações isoladas de BIOMOL (0,3 L/ha), KALIBRE (1,5 L/ha) e

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Aplicação de Adubo em Milho Verde Orgânico Irrigado Leandro Barradas Pereira 1, Lauro Kenji Komuro 1, Neli Cristina

Leia mais

COMPORTAMENTO GERMINATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE GIRASSOL SUBMETIDAS NO REGIME DE SEQUEIRO

COMPORTAMENTO GERMINATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE GIRASSOL SUBMETIDAS NO REGIME DE SEQUEIRO COMPORTAMENTO GERMINATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE GIRASSOL SUBMETIDAS NO REGIME DE SEQUEIRO Autor 1 Renata Fernandes de Matos Autor 2 Edilza Maria Felipe Vásquez Autor 3 Leonardo Lenin Marquez de Brito

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTO DE MANGUEIRA EM SUBSTRATO COMPOSTO POR RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA

PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTO DE MANGUEIRA EM SUBSTRATO COMPOSTO POR RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTO DE MANGUEIRA EM SUBSTRATO COMPOSTO POR RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA Luiz Augusto Lopes Serrano 1 ; André Guarçoni M. 2 ; Cesar

Leia mais

INFLUÊNCIA DO HORÁRIO DE COLETA DE ESTACAS E DA NEBULIZAÇÃO INTERMITENTE NA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ALECRIM-PIMENTA

INFLUÊNCIA DO HORÁRIO DE COLETA DE ESTACAS E DA NEBULIZAÇÃO INTERMITENTE NA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ALECRIM-PIMENTA INFLUÊNCIA DO HORÁRIO DE COLETA DE ESTACAS E DA NEBULIZAÇÃO INTERMITENTE NA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ALECRIM-PIMENTA Wellington Geraldo Oliveira Carvalho Júnior 1* ; Marco Túlio Pinheiro de Melo 1 ; Ernane

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

TEMPO DE GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INICIAL NA PRODUÇÃO DE MUDAS Tamarindus indica L.

TEMPO DE GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INICIAL NA PRODUÇÃO DE MUDAS Tamarindus indica L. TEMPO DE GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INICIAL NA PRODUÇÃO DE MUDAS Tamarindus indica L. Gerarda Beatriz Pinto da Silva Graduanda em Agronomia/UFERSA. Mossoró- RN. E-mail: gerardabeatriz@hotmail.com Geovânio

Leia mais

Recomendações para o Controle Químico da Mancha Branca do Milho

Recomendações para o Controle Químico da Mancha Branca do Milho ISSN 1679-1150 Recomendações para o Controle Químico da Mancha Branca do Milho 167 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2011 A mancha branca (Pantoea ananatis) é considerada, atualmente, uma das principais doenças

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS COMO SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO RESUMO ABSTRACT Juliano Tadeu Vilela de Resende 1 Elisabete Domingues Salvador 1 Marcos Ventura Faria 1 Nicolau Mallmann

Leia mais

Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil

Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil Leite de Lima, Grace Kelly; Liberalino Filho, João; Ferreira Linhares, Paulo César; Borges Maracajá,

Leia mais

GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE MILHO-PIPOCA SUBMETIDAS AO ESTRESSE TÉRMICO E HÍDRICO

GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE MILHO-PIPOCA SUBMETIDAS AO ESTRESSE TÉRMICO E HÍDRICO Original Article 687 GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE MILHO-PIPOCA SUBMETIDAS AO ESTRESSE TÉRMICO E HÍDRICO GERMINATION AND VIGOR OF POPCORN SEEDS SUBMITTED TO THERMAL AND WATER STRESS Aurélio VAZ-DE-MELO

Leia mais