CONTEÚ DO LOCAL NAS RODADAS DE LICITAÇÕ ES DE BLOCOS PARA O&G

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTEÚ DO LOCAL NAS RODADAS DE LICITAÇÕ ES DE BLOCOS PARA O&G"

Transcrição

1 CONTEÚ DO LOCAL NAS RODADAS DE LICITAÇÕ ES DE BLOCOS PARA O&G Lauro Doniseti Bogniotti Departamento de Política de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural Tegucigalpa Honduras, 16 julho 2013

2 SUMÁ RIO Atividades de E&P no Brasil Histórico/Evolução das exigências de Conteúdo Local nas s Conteúdo Local na Cessão Onerosa e na Partilha (Pré-Sal) Considerações Finais 2

3 Atividades de E&P no Brasil

4 Atividades de E&P no Brasil ,5 milhões km²de bacias sedimentares 2,8 milhões km² com potencial para óleo e gás 321,4 mil km² de área concedida (campos e blocos) 287 blocos concedidos em fase de exploração 7 blocos da cessão onerosa 417 campos em fase de produção 77 empresas de E&P Fonte: ANP,

5 Descobertas de O&G no Pré-Sal 5 Á rea polígono: 149 mil km² Á rea concessão: 42 mil km² (28%) Á rea Cessão: 3,74 mil km² (2,5%) VOLUMES ESTIMADOS (06/2012) 24,5 a 35,1 bilhões de boe Parque das Baleias 1,5 a 2 bi boe Reservas Provadas (2012): 18,2 bi boe Florim 0,1 a 0,4 bi boe Sapinhoá 2,1 bi boe Sul de Guará 0,1 a 0,3 bi boe Franco 2,0 a 5,5 bi boe Libra 4 a 8 bi boe Peroba 1,1 a 1,8 bi boe Entorno de Iara 0,6 a 0,8 bi boe Iara 3 a 4 bi boe Sul e NE de Tupi 0,5 a 0,7 bi boe Lula 8,3 bi boe Pão de Açúcar 1,2 bi boe Fonte: Petrotras, ANP e MME, junho/2012 5

6 Previsão de Investimentos Investimentos no Setor de P&G* Investimentos em E&P US$ 43 bi 15% US$ 31 bi 19% US$ 234 bi 85% US$ 142 bi 82% Petrobras Outras Petrobras Outras US$ 277 bi US$ 162 bi *Observações: Investimentos em biocombustíveis não incluídos Investimentos de outras empresas até 2016 Fonte: IBP (2012) e Petrobras (2013) 6

7 Histórico/Evolução do Conteúdo Local

8 Histórico do Conteúdo Local Condições Iniciais das s de Licitações P51 e 52 Resolução CNPE 08/2003 PROMINP 5 Novas Regras: 6 Cartilha Descoberta apuração do Pré-Sal 7 Contrato de Cessão Onerosa 8 Ações e estudos em andamento Ago/ Zero Cessão Onerosa Partilha 1 11 Curva de aprendizagem 12 (gás) 11

9 Exigência de CL na Concessão No momento da licitação, o interessado entrega preenchida uma tabela de CL, de acordo com a localização do bloco, juntamente com sua oferta (bônus + PEM + percentual de CL), contendo: Valores de Conteúdo Local específicos por item e subitem nunca inferiores aos mínimos estabelecidos O percentual de custo relativo do item ou subitem no custo total do projeto Caso a oferta seja vencedora, esta tabela com os valores de CL integrarão o Contrato de Concessão

10 Apuração de CL na Concessão Cartilha PROMINP: Documento de apuração único, a partir 7ª R (elaboração MME, ANP, BNDES, Concessionários, e Indústrias) Aprimora a apuração do cumprimento do CL pelo concessionário Baseada em custos, documentação e informações de caráter exclusivo e sigiloso de fabricantes, fornecedores, subfornecedores e prestadores de serviços Pode abranger toda a cadeia produtiva do setor, desde a matéria prima até o produto final Permite quantificar a evolução da capacidade de atendimento da indústria nacional de bens e serviços: Seleção de itens a serem considerados para o cumprimento do CL em cada edital. Uniformidade, transparência, estabilidade e credibilidade aos agentes atuantes no setor de petróleo e gás natural no Brasil.

11 Resumo dos Critérios - Concessão Exploração Desenvolvimento Peso Multa* Medição Editais 1 a 4 0<CL<=50% 0<CL<=70% Limite máximo 15% R1 e R2 200% R3 e R4 50% a 200% Declaração de Origem Editais 5 e Limite mínimo por tipo de bloco Á guas profundas 30% Á guas rasas 50% Terra 70% Á guas profundas 30% Á guas rasas 60% Terra 70% 15% exploração 25% desenvolvimento 20% a 50% Declaração de Origem Limites mínimos e máximos por tipo de bloco Editais 7 a Aprovação conjunta com Associações de Classe m? m? Terra 70% 80% 햓 uas Rasas <100m 51% 60% 햓 uas Rasas m 37% 55% 햓 uas Profundas 37% 55% m? m? Terra 77% 85% 햓 uas Rasas <100m 63% 70% 햓 uas Rasas m 55% 65% 햓 uas Profundas 55% 65% 5% exploração 15% desenvolvimento 60% a 100% Cartilha de Conteúdo Local *sobre a diferença entre o CL ofertado e atingido 14

12 Percentuais de CL para projetos em águas profundas > 400 m Sistemas Exploração Desenvolvimento CL sistema (%) Mínimo 37 Má ximo Obs 2: Na composição dos sistemas auxiliares devem ser considerados os seguintes itens: Equipamentos CL (%) Sistema Elétrico 60 Sistema de Automação 60 Sistema de Telecomunicações 40 Sistema de Medição Fiscal 60 Instrumentação de Campo Á GUAS PROFUNDAS > 400 metros Subsistemas Obs 1: Na composição do CL médio para Perfuração, Avaliação e Completação, devem ser considerados os seguintes equipamentos: Equipamentos CL (%) Perfuração, Cabeça de Poço 45 Revestimento 80 Avaliação e Coluna de Produção 80 Completação Equipamentos do Poço 30 Brocas 5 Geologia e Geofísica Perfuração, Avaliação e Completação Interpretação e Processamento Aquisição Afretamento Sonda Perfuração + Completação (obs 1) Sistemas Auxiliares (obs 2) Apoio Operacional Apoio Logístico (Marítimo/Aéreo/Base) 15 Sistema de Coleta da Produção Obs 3: Na composição do CL médio para os equipamentos da UEP devem ser considerados os seguintes equipamentos: Tipos Equipamentos CL (%) Vasos de Pressão 85 Calderaria Fornos 80 Tanques Torres De Processo 85 De Resfriamento 85 Trocadores de Calor 80 Bombas 70 Turbinas a Vapor 90 Mecânicos Compressores Parafuso 70 Rotativos Compressores Alternativos 70 Motores a Diesel (até 600 hp) 90 Válvulas (até 24") 90 Mecânicos Filtros 85 Estáticos Queimadores 80 UEP Proteção Catódica 90 Sistema Elétrico 60 Sistema de Automação 60 Sistema de Telecomunicações 40 Sistema de Medição Fiscal 60 Instrumentação de Campo 40 Obs 4: Este item é composto por: Planta de Processo, Planta de Movimentação de Gás e Planta de Injeção de Á gua Afretamento Sonda Item Perfuração + Completação (obs 1) Sistemas Auxiliares (obs 2) Apoio Logístico Á rvore de Natal Umbilicais Manifolds Linhas de Produção/Injeção Flexíveis (Flowlines, Linhas de Produção/Injeção Rígidas Dutos de Escoamento Sistema de Controle Submarino Engenharia Básica Engenharia de Detalhamento Gerenciamento, Construção e Montagem Engenharia Básica Engenharia de Detalhamento Gerenciamento, Construção e Montagem Casco Sistemas Navais Sistema Multiplo de Ancoragem Sistema simples de ancoragem Instalação e Integração dos Módulos CL minimo item (%) Pré-Instalação e Hook-up das Linhas de Ancoragem 85 Engenharia Básica 50 Engenharia de Detalhamento 95 Plantas (obs 4) Gerenciamento de Serviço 90 Materiais (obs 3) 75 Construção & Montagem 95 95

13 Conteúdo Local na Cessão Onerosa e na Partilha da Produção

14 CL - Contrato de Cessão Onerosa Principais alterações, em relação à concessão: Previsão contratual de evolução do CL com o tempo, conforme Art. 2º, Inciso III da Lei de 2010; Art. 2 o O contrato que formalizará a cessão de que trata o art. 1 o deverá conter, entre outras, cláusulas que estabeleçam: III - valores mínimos, e metas de elevação ao longo do período de execução do contrato, do índice de nacionalização dos bens produzidos e dos serviços prestados para execução das atividades de pesquisa e lavra referidas no caput do art. 1 o ; Apuração dos resultados por módulo e não somente após a conclusão de toda a fase de desenvolvimento da Produção. Abordagem do TLD de forma destacada. Prevista a revisão (início imediatamente após a declaração de comercialidade)

15 CL Partilha (Pré-Sal) Não é critério de julgamento na licitação ( valores mínimos fixos no contrato) - Cabe ao MME propor o CL mínimo e outros critérios relacionados ao desenvolvimento da indústria nacional Realização de diagnóstico sobre a competitividade e capacidade de atendimento da indústria local (PROMINP) Evolução ao longo do tempo - conforme previsto na Lei /2010 (Partilha - Art. 9º, Inciso I): Seção II Das Competências do Conselho Nacional de Política Energética CNPE: Art. 9 o O Conselho Nacional de Política Energética - CNPE tem como competências, entre outras definidas na legislação, propor ao Presidente da República: I - o ritmo de contratação dos blocos sob o regime de partilha de produção, observandose a política energética e o desenvolvimento e a capacidade da indústria nacional para o fornecimento de bens e serviços;

16 Considerações Finais

17 Considerações Finais As regras possibilitaram o aumento da participação da indústria nacional de bens e serviços nas atividades do setor de petróleo e gás natural no Brasil, permitindo o incentivo a setores específicos A política de fomento à indústria nacional para o setor permite o monitoramento da evolução da capacidade de atendimento desta indústria, considerando preço, prazo e qualidade A política de Conteúdo Local permanecerá com o objetivo de ampliar a participação da indústria nacional no fornecimento de bens e serviços, em bases competitivas e sustentáveis As companhias estrangeiras estão encorajadas em buscar parcerias com fornecedores locais e em estabelecer suas operações no Brasil

18 Muchas Gracias! Lauro Doniseti Bogniotti Departamento de Política de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural Tegucigalpa Honduras, 16 julho 2013

Assunto: 13ª Rodada de Licitações de Blocos e de Campos Marginais - Alterações no Conteúdo Local para sondas.

Assunto: 13ª Rodada de Licitações de Blocos e de Campos Marginais - Alterações no Conteúdo Local para sondas. 48380.001019/2015-00 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Política de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural NOTA TÉCNICA

Leia mais

Assunto: 13ª Rodada de Licitações de Blocos e de Campos Marginais - Aprimoramento da sistemática de Conteúdo Local.

Assunto: 13ª Rodada de Licitações de Blocos e de Campos Marginais - Aprimoramento da sistemática de Conteúdo Local. 483.000879/2015-00 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Política de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural NOTA TÉCNICA N

Leia mais

RESOLUÇÃO ANP Nº 39, DE 13.11.2007

RESOLUÇÃO ANP Nº 39, DE 13.11.2007 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO ANP Nº 39, DE 13.11.2007 O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GAS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS ANP, no uso de suas atribuições

Leia mais

Pré-Sal: Desafios e Oportunidades Tecnológicas

Pré-Sal: Desafios e Oportunidades Tecnológicas Pré-Sal: Desafios e Oportunidades Tecnológicas Aloisio Nóbrega Superintendente ONIP CCT do Senado Federal Outubro de 2008 Introdução Província Pré-Sal Fonte: Petrobras Situação da Perfuração dos Poços

Leia mais

Conteúdo Local. Lauro Doniseti Bogniotti Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis ABIMAQ/COG 06/07/2011

Conteúdo Local. Lauro Doniseti Bogniotti Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis ABIMAQ/COG 06/07/2011 1 Política Governamental de Conteúdo Local Lauro Doniseti Bogniotti Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis ABIMAQ/COG 06/07/2011 2 PROCESSO DE APRENDIZAGEM Histórico do Conteúdo

Leia mais

Conteúdo Local na Construção Naval e Offshore Brasileira: O papel da ANP

Conteúdo Local na Construção Naval e Offshore Brasileira: O papel da ANP Conteúdo Local na Construção Naval e Offshore Brasileira: O papel da ANP Coordenadoria de Conteúdo Local Marintec South America / 12ª Navalshore, 12/08/15 A Política de Conteúdo Local Definição: Política

Leia mais

Exigências de Conteúdo Local no Setor de Petróleo e Gás

Exigências de Conteúdo Local no Setor de Petróleo e Gás Exigências de Conteúdo Local no Setor de Petróleo e Gás São Paulo, 12/04/2013 Estrutura da Política de CL MME/CNPE Estratégias e Política de Conteúdo Local ANP Regulamentação Monitoramento Fiscalização

Leia mais

Andrade Gutierrez Experiência em Contratos EPC

Andrade Gutierrez Experiência em Contratos EPC Andrade Gutierrez Experiência em Contratos EPC 3º WORKSHOP NACIONAL DO PROMINP Promoção: Participação: Painel 4: Obtenção de conteúdo local na implantação de projetos de investimentos: Experiência Refino

Leia mais

Desenvolvimento da Indústria de Óleo & Gás: os próximos 10 anos. O Programa Exploratório

Desenvolvimento da Indústria de Óleo & Gás: os próximos 10 anos. O Programa Exploratório Desenvolvimento da Indústria de Óleo & Gás: os próximos 10 anos O Programa Exploratório Magda Chambriard Diretora Geral XII Seminário Internacional de Britcham de Energia Rio de Janeiro, 7 de agosto de

Leia mais

O Pré-sal: oportunidades para o Brasil

O Pré-sal: oportunidades para o Brasil Simpósio de Geologia do Sudeste O Pré-sal: oportunidades para o Brasil Ricardo Latgé Milward de Azevedo Petrobras DE&P Estância de São Pedro, 17 de outubro de 2009 Informações A apresentação pode conter

Leia mais

PANORAMA DA EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL NO BRASIL

PANORAMA DA EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL NO BRASIL PANORAMA DA EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL NO BRASIL Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis spg@mme.gov.br Agosto de 2014 SUMÁRIO Atividades de E&P no Brasil Contratos

Leia mais

Sistema de Cadastramento de Fornecedores ONIP

Sistema de Cadastramento de Fornecedores ONIP Sistema de Cadastramento de Fornecedores ONIP Apresentação para Oil & Gas Day FEIMEC - 03/05/2016 Agenda I. ONIP II. Cadastros ONIP existentes 2 Agenda I. ONIP II. Cadastros ONIP existentes 3 ONIP ONIP

Leia mais

2. Definições e metodologia de cálculos

2. Definições e metodologia de cálculos Certificação de Conteúdo Local Thereza Moreira Agenda 1. Introdução 2. Definições e metodologia de cálculos 3. Exemplos 4. Dúvidas Conteúdo local no mundo Angola Líbia Azerbaijão Malasia Brasil Nigéria

Leia mais

Os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País

Os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País Os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País Os desafios geológicos: qual o tamanho da riqueza que temos em mãos? José Alberto Bucheb Universidade Petrobras 4 de junho de 2014 Gestor: RH/UP

Leia mais

Pré-sal: A nova era do petróleo no Brasil. Helder Queiroz Diretor

Pré-sal: A nova era do petróleo no Brasil. Helder Queiroz Diretor Pré-sal: A nova era do petróleo no Brasil Helder Queiroz Diretor Agosto 2013 Agenda 1 2 3 4 Evolução recente do setor de O&G no Brasil Pré-Sal: Desafios e Oportunidades Rodadas de Licitação Considerações

Leia mais

Modelo Regulatório de Exploração e Produção Pré-sal e áreas estratégicas. José Sergio Gabrielli de Azevedo Presidente

Modelo Regulatório de Exploração e Produção Pré-sal e áreas estratégicas. José Sergio Gabrielli de Azevedo Presidente Modelo Regulatório de Exploração e Produção Pré-sal e áreas estratégicas José Sergio Gabrielli de Azevedo Presidente 1 1 PROPRIEDADE DAS RESERVAS MUNDIAIS A propriedade das reservas de petróleo e gás natural

Leia mais

Oportunidades para a cadeia de suprimentos em E&P

Oportunidades para a cadeia de suprimentos em E&P Oportunidades para a cadeia de suprimentos em E&P Seminário BNDES: Desenvolvimento da cadeia de fornecedores de petróleo e gás Guilherme Estrella Diretor de E&P Rio Rio de de Janeiro, 1º 1º de de setembro

Leia mais

Certificação de Conteúdo Local Serviços de Petróleo e Gás

Certificação de Conteúdo Local Serviços de Petróleo e Gás Certificação de Conteúdo Local Serviços de Petróleo e Gás O que é? Conteúdo Local é a relação entre o valor dos bens produzidos e serviços prestados no país para executar o contrato e o valor total dos

Leia mais

Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis Painel 1: Aspectos Regulatórios: Qual a Estrutura Apropriada para o Pré-Sal?

Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis Painel 1: Aspectos Regulatórios: Qual a Estrutura Apropriada para o Pré-Sal? Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis Painel 1: Aspectos Regulatórios: Qual a Estrutura Apropriada para o Pré-Sal?" Álvaro Alves Teixeira Secretário Executivo IBP Brasil: 11 anos de Sucesso

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Painel: A CADEIA PRODUTIVA - desenvolvimento da indústria do petróleo e gás no Brasil e o desenvolvimento da indústria de equipamentos e ferramentas

Leia mais

Certificação de Conteúdo Local. Thereza Moreira

Certificação de Conteúdo Local. Thereza Moreira Certificação de Conteúdo Local Thereza Moreira Agenda 1. Introdução 2. Definições e metodologia de cálculos 3. Exemplos 4. Dúvidas Conteúdo local no mundo Angola Líbia Azerbaijão Malasia Brasil Nigéria

Leia mais

Serviços de Aquisição e Engenharia Global, Reino Unido. Experiência e Visão. Gestão de Concepção de Engenharia, Aquisição e Projectos. www.gepuk.co.

Serviços de Aquisição e Engenharia Global, Reino Unido. Experiência e Visão. Gestão de Concepção de Engenharia, Aquisição e Projectos. www.gepuk.co. Serviços de Aquisição e Engenharia Global, Reino Unido Experiência e Visão Gestão de Concepção de Engenharia, Aquisição e Projectos Introdução Como uma empresa de gestão de engenharia global, aquisição

Leia mais

RESOLUÇÃO ANP Nº 36, DE 13.11.2007

RESOLUÇÃO ANP Nº 36, DE 13.11.2007 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO ANP Nº 36, DE 13.11.2007 O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GAS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS ANP, no uso de suas atribuições

Leia mais

O financiamento da pesquisa e do ensino superior pelo petróleo

O financiamento da pesquisa e do ensino superior pelo petróleo O financiamento da pesquisa e do ensino superior pelo petróleo Florival Carvalho Diretor Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Exposição para a ANDIFES Evolução histórica do setor

Leia mais

Cenários de Investimento Ex-Petrobras. e desafios para a Industria Nacional na próxima década

Cenários de Investimento Ex-Petrobras. e desafios para a Industria Nacional na próxima década 8º ENCONTRO DO PROMINP Cenários de Investimento Ex-Petrobras 18% e desafios para a Industria Nacional na próxima década São Luís, 23 de Novembro 2011 CENÁRIO PREVISTO ATÉ 2020 Produção: atual de 2,3 milhões

Leia mais

O Marco Regulatório do Pré-Sal e a Cadeia Produtiva da Industria: Desafios e Oportunidades

O Marco Regulatório do Pré-Sal e a Cadeia Produtiva da Industria: Desafios e Oportunidades O Marco Regulatório do Pré-Sal e a Cadeia Produtiva da Industria: Desafios e Oportunidades Construção de uma Política Industrial Setorial Eloi Fernández y Fernández Diretor Geral ONIP Brasilia, 3 de outubro

Leia mais

DECRETO Nº 5.567 DECRETA

DECRETO Nº 5.567 DECRETA DECRETO Nº 5.567 O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, e considerando o disposto no Convênio ICMS 130/2007, DECRETA Art.

Leia mais

Conteúdo local e neoliberalismo neodesenvolvimentista: a indústria da construção naval e a política de compras da Petrobras durante os governos Lula.

Conteúdo local e neoliberalismo neodesenvolvimentista: a indústria da construção naval e a política de compras da Petrobras durante os governos Lula. Conteúdo local e neoliberalismo neodesenvolvimentista: a indústria da construção naval e a política de compras da Petrobras durante os governos Lula. Julia Gomes e Souza 1 O presente trabalho busca contribuir

Leia mais

QUEM DECIDE, CONSULTA! MAPAS TN PETRÓLEO. Imprescindíveis.

QUEM DECIDE, CONSULTA! MAPAS TN PETRÓLEO. Imprescindíveis. QUEM DECIDE, CONSULTA! MAPAS TN PETRÓLEO Bacias do Espírito Santo, Campos e Santos: Infraestrutura e logística offshore, 2015 Bacia de Campos 2015 Projeto Papa-terra: P-61 e P-63 Rodadas da ANP: 11ª, 12ª

Leia mais

L e n o r a P e r e i r a H u p s e l d e O l i v e i r a I n g l ê s - P o r t u g u ê s

L e n o r a P e r e i r a H u p s e l d e O l i v e i r a I n g l ê s - P o r t u g u ê s Tradução J11832/10 O documento entregue para tradução é uma Carta Relatório------------------------------------------------------ 31 de agosto de 2010 ---------------------------------------- Petróleo

Leia mais

Plano de Negócios 2011-2015

Plano de Negócios 2011-2015 PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Companhia Aberta FATO RELEVANTE Plano de Negócios 2011-2015 Rio de Janeiro, 22 de julho de 2011 Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras comunica que seu Conselho de Administração

Leia mais

Terceiro nível Quarto nível Quinto nível

Terceiro nível Quarto nível Quinto nível SEMINÁRIO JURÍDICO-FISCAL E WORKSHOP TÉCNICO DA 4 a RODADA DE LICITAÇÕES DA ANP CAPACIDADE Clique para editar NACIONAL os estilos do texto DA mestre CADEIA Segundo DE nível SUPRIMENTO PARA PETRÓLEO E GÁS

Leia mais

Painel I: Os investimentos necessários para seguirmos crescendo

Painel I: Os investimentos necessários para seguirmos crescendo Painel I: Os investimentos necessários para seguirmos crescendo José Sergio Gabrielli de Azevedo Presidente da Petrobras São Paulo, 24 de novembro de 2010 1 Plano de Negócios 2010-2014 Grandes Oportunidades

Leia mais

Paulínia Petróleo, Gás e Energia. Cenários e Oportunidades do Setor de Petróleo e Gás Natural

Paulínia Petróleo, Gás e Energia. Cenários e Oportunidades do Setor de Petróleo e Gás Natural Paulínia Petróleo, Gás e Energia Como tornar-se fornecedor da cadeia produtiva Cenários e Oportunidades do Setor de Petróleo e Gás Natural Paulínia 25/out/2011 Agenda 1) O CIESP 2) PETROBRAS - Plano de

Leia mais

Os resultados da política de conteúdo local nas atividades de exploração e produção de petróleo e de gás natural para a indústria

Os resultados da política de conteúdo local nas atividades de exploração e produção de petróleo e de gás natural para a indústria Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Seminário: CONTEÚDO LOCAL NO SETOR PETRÓLEO Painel: Os resultados da política de conteúdo local nas atividades de exploração e produção de petróleo

Leia mais

Os desafios do Brasil na próxima década Magda Chambriard Diretora-Geral

Os desafios do Brasil na próxima década Magda Chambriard Diretora-Geral Os desafios do Brasil na próxima década Magda Chambriard Diretora-Geral Rio Oil & Gas 2014 Rio de Janeiro, 15 de setembro 2014. 1 Cenário Mundial 2 Cenário Brasil 3 Perspectivas 10 anos Brasil 4 Considerações

Leia mais

Apoio do BNDES para a Cadeia de Fornecedores de P&G -Programa BNDES P&G -

Apoio do BNDES para a Cadeia de Fornecedores de P&G -Programa BNDES P&G - Apoio do BNDES para a Cadeia de Fornecedores de P&G -Programa BNDES P&G - Departamento da Cadeia Produtiva de Petróleo e Gás Área de Insumos Básicos Outubro de 2011 1 Agenda 1.OBNDESeaIndústriadeP&G 2.ACadeiadeFornecedoresdeP&G

Leia mais

Willis Latin American Energy Conference

Willis Latin American Energy Conference Willis Latin American Energy Conference Planejamento Financeiro e Gestão de Riscos outubro 2012 Cátia Diniz Gerente Setorial de Seguros Internacionais Estas apresentações podem conter previsões acerca

Leia mais

Paulínia Petróleo & Gás

Paulínia Petróleo & Gás CADEIA PRODUTIVA DO SETOR PETRÓLEO E GÁS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Paulínia Petróleo & Gás Alfredo Renault Paulínia, São Paulo, 21 de agosto de 2013 Sumário I ESTIMATIVAS DE INVESTIMENTO NO SETOR PETRÓLEO

Leia mais

As feiras são um dos meios de maior efetividade na criação e manutenção de relações comerciais.

As feiras são um dos meios de maior efetividade na criação e manutenção de relações comerciais. As feiras são um dos meios de maior efetividade na criação e manutenção de relações comerciais. Em uma era cada vez mais digital, é o único canal onde o comprador, o vendedor e o produto se encontram fisicamente.

Leia mais

Segunda Rodada de Licitações

Segunda Rodada de Licitações Segunda Rodada de Licitações Aspectos Legais Sônia Maria Agel da Silva Procuradora Geral Agência Nacional do Petróleo Contrato de Concessão Modelo do Contrato de Concessão desenvolvido baseado em: Disposições

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS ANP EDITAL DE LICITAÇÃO PARA A OUTORGA DO CONTRATO DE PARTILHA DE PRODUÇÃO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS ANP EDITAL DE LICITAÇÃO PARA A OUTORGA DO CONTRATO DE PARTILHA DE PRODUÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS ANP EDITAL DE LICITAÇÃO PARA A OUTORGA DO CONTRATO DE PARTILHA DE PRODUÇÃO DISPOSIÇÕES APLICÁVEIS ÀS ATIVIDADES DE: EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DE

Leia mais

3 Contextualização do mercado

3 Contextualização do mercado 3 Contextualização do mercado 3.1. A cadeia de suprimentos do setor de exploração e produção de Petróleo A produção brasileira de petróleo registrou crescimento substancial nos últimos anos. Em 2007, o

Leia mais

ANP Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis GEOF Programa Gerador de Ofertas

ANP Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis GEOF Programa Gerador de Ofertas Procedimento de Geração de Ofertas SPL - Superintendência de Promoção de Licitações NIN - Núcleo de Informática ANP Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e - Página 1 de 18 SUMÁRIO I. INFORMAÇÕES GERAIS

Leia mais

RBNA Sociedade Classificadora

RBNA Sociedade Classificadora Prezado Concessionário e Fornecedor de Concessionário da ANP O Concessionário é o responsável pelas informações referentes ao, devendo prever em seus contratos de compra de bens e serviços que os fornecedores

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Davidson Magalhães) Dispõe sobre alienação de ativos por empresas estatais de que trata o art. 177, 1º, da Constituição Federal. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º

Leia mais

Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor Petróleo e Gás

Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor Petróleo e Gás Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor Petróleo e Gás Santos Offshore Alfredo Renault Santos, 10 de abril de 2014. Sumário I PERSPECTIVAS E INVESTIMENTOS DO SETOR II A CADEIA DE FORNECEDORES III

Leia mais

11ª Rodada de Licitações para

11ª Rodada de Licitações para 11ª Rodada de Licitações para exploração & produção de óleo e gás Magda Chambriard Diretora-Geral Sumário 1 2 3 4 5 6 Retomada das Rodadas de Licitações da ANP Cenário Atual e Perspectivas de Investimentos

Leia mais

[ Soluções ] Manutenção de unidades e painéis

[ Soluções ] Manutenção de unidades e painéis Manutenção de unidades e painéis A Transcontrol realiza serviços de manutenção preventiva e corretiva em unidades hidráulicas e painéis de comando tanto de fabricação própria quanto de terceiros. Estes

Leia mais

Empresa de classe global, concebida para honrar a excelência em operação portuária capixaba, alinhada com as justas expectativas dos clientes,

Empresa de classe global, concebida para honrar a excelência em operação portuária capixaba, alinhada com as justas expectativas dos clientes, Empresa de classe global, concebida para honrar a excelência em operação portuária capixaba, alinhada com as justas expectativas dos clientes, sociedade, profissionais, governos e investidores. O Mercado

Leia mais

Panorama do setor de construção naval e offshore: balanço e perspectivas.

Panorama do setor de construção naval e offshore: balanço e perspectivas. 12ª Navalshore Maritech South America Panorama do setor de construção naval e offshore: balanço e perspectivas. Enseada Indústria Naval S.A. Humberto Rangel - Diretor de Relações Institucionais e de Sustentabilidade

Leia mais

PROJETO IND P&G 6.1 PROMINP. Workshop Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores SP 25/outubro/2011

PROJETO IND P&G 6.1 PROMINP. Workshop Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores SP 25/outubro/2011 PROJETO IND P&G 6.1 PROMINP Workshop Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores SP 25/outubro/2011 AGENDA 1 O SETOR DE PETRÓLEO E GÁS 2 O CONVÊNIO PETROBRAS-SEBRAE 3 GESTÃO E RESULTADOS DOS PROJETOS CENÁRIO

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL (PNPB)

PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL (PNPB) PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL (PNPB) 1. Biodiesel no Brasil No Brasil, biodiesel é o biocombustível derivado de biomassa renovável para uso em motores a combustão interna com ignição

Leia mais

2. Subárea: Instalações e Equipamentos de Processos Industriais

2. Subárea: Instalações e Equipamentos de Processos Industriais SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 04, de

Leia mais

PETRÓLEO NO BRASIL E SEUS IMPACTOS ECONÔMICOS E SOCIAS

PETRÓLEO NO BRASIL E SEUS IMPACTOS ECONÔMICOS E SOCIAS III Mesa Redonda Brasil-Rússia Conselho do Desenvolvimento Econômico e Saociab A EXPLORAÇÃ ÇÃO O E PRODUÇÃ ÇÃO O DE PETRÓLEO NO BRASIL E SEUS IMPACTOS ECONÔMICOS E SOCIAS Ricardo Brasília, Latgé11 Milward

Leia mais

Regulamentação da utilização de raquetes e "Figuras 8" para liberação segura de equipamento para serviços de manutenção

Regulamentação da utilização de raquetes e Figuras 8 para liberação segura de equipamento para serviços de manutenção Regulamentação da utilização de raquetes e "Figuras 8" para liberação segura de equipamento para serviços de manutenção Objetivos Determinar práticas de raqueteamento de liberação de unidades de processo

Leia mais

PARNAÍBA GÁS NATURAL. Brazil Energy and Power - Setembro 2015

PARNAÍBA GÁS NATURAL. Brazil Energy and Power - Setembro 2015 PARNAÍBA GÁS NATURAL Brazil Energy and Power - Setembro 2015 QUEM SOMOS A PGN é uma empresa independente de E&P, que opera em sete campos e sete blocos exploratórios na Bacia do Parnaíba, no Maranhão Meta

Leia mais

O PAPEL DO QUÍMICO NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO

O PAPEL DO QUÍMICO NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO O PAPEL DO QUÍMICO NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO AERENTON FERREIRA BUENO Químico de Petróleo - Consultor PETROBRAS Refinaria Henrique Lage (REVAP) São José dos Campos SP Um pouco sobre a PETROBRAS... Exploração

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Outubro de 2012 Agenda Missão e Visão Tipos de Inovação Financiáveis Áreas

Leia mais

4º CONGRESSO SIMEPETRO

4º CONGRESSO SIMEPETRO 4º CONGRESSO SIMEPETRO POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LOGÍSTICA REVERSA Walter Françolin SINDIRREFINO - Agosto 2011 LEI nº 12.305 de 02 de Agosto de 2.010. institui a Política Nacional de Resíduos

Leia mais

DEDICADA AOS DEZ TRABALHADORES MORTOS EM ACIDENTES, ATÉ JUNHO DE 2015

DEDICADA AOS DEZ TRABALHADORES MORTOS EM ACIDENTES, ATÉ JUNHO DE 2015 DEDICADA AOS DEZ TRABALHADORES MORTOS EM ACIDENTES, ATÉ JUNHO DE 2015 São estes trabalhadores que deram e dão o sangue para transformar a Petrobrás na quarta maior empresa petrolífera do mundo, enquanto

Leia mais

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores de Petróleo e Gás/BNDES

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores de Petróleo e Gás/BNDES Oportunidades e Desafios da Agenda de Competitividade para Construção de uma Política Industrial na Área de Petróleo: Propostas para um Novo Ciclo de Desenvolvimento Industrial Carlos Soligo Camerini Desenvolvimento

Leia mais

Oportunidades para a Cadeia. 8º Encontro Nacional do PROMINP São Luís, 24/11/2011

Oportunidades para a Cadeia. 8º Encontro Nacional do PROMINP São Luís, 24/11/2011 Oportunidades para a Cadeia de Suprimentos de E&P 8º Encontro Nacional do PROMINP São Luís, 24/11/2011 Aviso Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem

Leia mais

Auditoria Energética

Auditoria Energética Auditoria Energética Função das Auditorias Energéticas Como estamos? Quanta energia está sendo utilizada? Onde a energia está sendo utilizada? Quando a energia está sendo utilizada? Como e em qual equipamentos

Leia mais

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo?

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? BRDE INOVA O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? Contextualização Primeiro Agente Financeiro do País credenciado junto ao BNDES Primeiro Agente Financeiro do País credenciado

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O&G NÃO- CONVENCIONAL NO BRASIL

PERSPECTIVAS PARA O&G NÃO- CONVENCIONAL NO BRASIL PERSPECTIVAS PARA O&G NÃO- CONVENCIONAL NO BRASIL Lauro Doniseti Bogniotti Departamento de Política de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural depg@mme.gov.br OLADE Montevidéu, 25/07/2012 SUMÁRIO

Leia mais

Tendências do Mercado de Petróleo e Gás no Brasil

Tendências do Mercado de Petróleo e Gás no Brasil Tendências do Mercado de Petróleo e Gás no Brasil Adriano Pires Comissão de Infraestrutura do Senado Federal 31/08/2009 1 Tópicos Evolução da Matriz Energética Mercado de Petróleo e Derivados Mercado de

Leia mais

Pré-sal, Desenvolvimento Industrial e Inovação

Pré-sal, Desenvolvimento Industrial e Inovação Pré-sal, Desenvolvimento Industrial e Inovação André Tosi Furtado Departamento de Política Científica e Tecnológica Instituto de Geociências UNICAMP VIII Congresso Brasileiro de Planejamento Energético

Leia mais

ASPECTOS PRAGMÁTICOS DA TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA. - SUBSISTEMAS DE INOVAÇÃO

ASPECTOS PRAGMÁTICOS DA TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA. - SUBSISTEMAS DE INOVAÇÃO ASPECTOS PRAGMÁTICOS DA TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA. - SUBSISTEMAS DE INOVAÇÃO FERNANDO BARATELLI JUNIOR Gerente de Informação Técnica e Propriedade Intelectual Centro de Pesquisas & Desenvolvimento Leopoldo

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Orientador Empresarial Administração Pública Contratação de Bens e Serviços de Informática e Automação p Regulamentação

Leia mais

Agentes Governamentais. Indústria Nacional. Operadoras de P&G

Agentes Governamentais. Indústria Nacional. Operadoras de P&G Agentes Governamentais Indústria Nacional Operadoras de P&G Missão Promover a maximização dos benefícios decorrentes da expansão da indústria petrolífera para toda a sociedade brasileira Estimular novos

Leia mais

Cartilha de Conteúdo Local do Prominp. Rio de Janeiro Julho 2008

Cartilha de Conteúdo Local do Prominp. Rio de Janeiro Julho 2008 Cartilha de Conteúdo Local do Prominp Rio de Janeiro Julho 2008 Necessidades Uniformidade; Simplicidade; Confiabilidade. Benefícios Padronização; Acompanhamento da evolução do CL; Oportunidades de Nacionalização;

Leia mais

Oportunidades e atração de investimentos para o setor de P&G no Estado de São Paulo. Luciano Almeida Presidente 22 de agosto de 2013

Oportunidades e atração de investimentos para o setor de P&G no Estado de São Paulo. Luciano Almeida Presidente 22 de agosto de 2013 Oportunidades e atração de investimentos para o setor de P&G no Estado de São Paulo Luciano Almeida Presidente 22 de agosto de 2013 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos ou expansão dos

Leia mais

A atuação da EBP no desenvolvimento da infraestrutura

A atuação da EBP no desenvolvimento da infraestrutura A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para o desenvolvimento econômico e social brasileiro criando

Leia mais

EDITAL 02/2014 - SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PARA ATUAÇÃO NO PRH-PB203

EDITAL 02/2014 - SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PARA ATUAÇÃO NO PRH-PB203 EDITAL 02/2014 - SELEÇÃO DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PARA ATUAÇÃO NO PRH-PB203 1) Programa de Fomento à Formação de recursos humanos em Tecnologia de Equipamentos para

Leia mais

Linhas de Pesquisa ENGENHARIAS III

Linhas de Pesquisa ENGENHARIAS III Projeto Isolado Descrição: de Projetos Isolados Área de Concentração: Acústica Submarina e Instrumentação Oceanográfica: Descrição: Estudos sobre a propagação do som no oceano e sua aplicação a problemas

Leia mais

Conselho Estadual de Petróleo e Gás Natural

Conselho Estadual de Petróleo e Gás Natural Conselho Estadual de Petróleo e Gás Natural Programa Paulista de Petróleo e Gás Natural Antonio Henrique Gross Subsecretaria de Petróleo e Gás - Secretaria de Energia 8ª Reunião 06 de Dezembro de 2011

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Projetos da Comgas no Setor de Climatização e Cadeia do Gás Natural

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Projetos da Comgas no Setor de Climatização e Cadeia do Gás Natural COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO Projetos da Comgas no Setor de Climatização e Cadeia do Gás Natural Alexandre Breda Gerente de Cogeração & Climatização 26 de Maio de 2010. Matriz Energética Brasileira 2

Leia mais

PROFFISSIONAL DA ÁREA DE ENGENHARIA

PROFFISSIONAL DA ÁREA DE ENGENHARIA ROBERTO AUGUSTO DOS REIS Rua Roberval Froes, 390 apto 74B - Jd Esplanada II - São José dos Campos SP - 12242-460 Fone: (012) 3209-8488 / (12) 8246-7399 E-mail: roberto.engenharia@yahoo.com.br PROFFISSIONAL

Leia mais

Inserção competitiva e sustentável de micro e pequenas empresas na cadeia produtiva do petróleo, gás e energia.

Inserção competitiva e sustentável de micro e pequenas empresas na cadeia produtiva do petróleo, gás e energia. CONVÊNIO Convênio PETROBRAS Petrobras X / SEBRAE Sebrae Inserção competitiva e sustentável de micro e pequenas empresas na cadeia produtiva do petróleo, gás e energia. Lançamento dos Fóruns Regionais do

Leia mais

Conselho de Defesa e Segurança da FIRJAN Comitê Naval de Defesa. Por que desenvolver um Arranjo Produtivo Local Naval de Defesa no Rio de Janeiro?

Conselho de Defesa e Segurança da FIRJAN Comitê Naval de Defesa. Por que desenvolver um Arranjo Produtivo Local Naval de Defesa no Rio de Janeiro? Conselho de Defesa e Segurança da FIRJAN Comitê Naval de Defesa Por que desenvolver um Arranjo Produtivo Local Naval de Defesa no Rio de Janeiro? Nos últimos anos, o planejamento governamental, tendo como

Leia mais

O PRÉ SAL E SEUS DESAFIOS. Carlos Tadeu da Costa Fraga Gerente Executivo do Centro de Pesquisas da PETROBRAS

O PRÉ SAL E SEUS DESAFIOS. Carlos Tadeu da Costa Fraga Gerente Executivo do Centro de Pesquisas da PETROBRAS O PRÉ SAL E SEUS DESAFIOS Carlos Tadeu da Costa Fraga Gerente Executivo do Centro de Pesquisas da PETROBRAS 1 Pré-sal História geológica 164 130 122 108 152 Milhões Milhões Milhões Forma atual de de anos

Leia mais

PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DO SETOR PETRÓLEO E GÁS NO BRASIL. Helder Queiroz Pinto Jr Mariana Iootty

PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DO SETOR PETRÓLEO E GÁS NO BRASIL. Helder Queiroz Pinto Jr Mariana Iootty PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DO SETOR PETRÓLEO E GÁS NO BRASIL Helder Queiroz Pinto Jr Mariana Iootty TÓPICOS PARA DISCUSSÃO PANORAMA INTERNACIONAL DA INDÚSTRIA DE PETRÓLEO E DE GÁS: SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E S 31 MATRIZ DE INDICADORES e S Indicador 1 - Visão Visão: Ser reconhecido como um dos 10 Regionais mais céleres e eficientes na prestação jurisdicional, sendo considerado

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE FERJ ANEXO I AO EDITAL 34/2011 DISCIPLINAS PARA O PROCESSO SELETIVO EXTERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE FERJ ANEXO I AO EDITAL 34/2011 DISCIPLINAS PARA O PROCESSO SELETIVO EXTERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE FERJ ANEXO I AO EDITAL 34/2011 DISCIPLINAS PARA O PROCESSO SELETIVO EXTERNO CURSO (S) DISCIPLINA(S) EMENTA(S) Perícia Contábil Contabilidade Fiscal I Contabilidade

Leia mais

Prospecção de demanda de trabalhadores para a infraestrutura

Prospecção de demanda de trabalhadores para a infraestrutura 1 Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base Prospecção de demanda de trabalhadores para a infraestrutura Colóquio Tendências e Desafios da Formação de Trabalhadores para o Desenvolvimento

Leia mais

Regulamento Técnico do Sistema de Gerenciamento de Segurança Operacional de Sistemas Submarinos. Proposição PETROBRAS

Regulamento Técnico do Sistema de Gerenciamento de Segurança Operacional de Sistemas Submarinos. Proposição PETROBRAS Regulamento Técnico do Sistema de Gerenciamento de Segurança Operacional de Sistemas Submarinos Proposição PETROBRAS PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES 1. INTERFACE COM OUTROS REGULAMENTOS 2. ABRANGÊNCIA DO REGULAMENTO

Leia mais

Workshop Sistema Indústria Núcleos de Petróleo e Gás nos Estados

Workshop Sistema Indústria Núcleos de Petróleo e Gás nos Estados Workshop Sistema Indústria Núcleos de Petróleo e Gás nos Estados Maurício Reis Santos AIB/DECAPEG Área de Insumos Básicos Departamento da Cadeia Produtiva de Petróleo e Gás DEMANDA POR PETRÓLEO: aumento

Leia mais

ROTEIRO DE INFORMAÇÕES MÍNIMAS PARA CONSULTA PRÉVIA. Financiamento à Compradora para a Aquisição

ROTEIRO DE INFORMAÇÕES MÍNIMAS PARA CONSULTA PRÉVIA. Financiamento à Compradora para a Aquisição Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI Anexo IV à Circular SUP/AOI nº 12/2015-BNDES, de 08.05.2015 I. INSTRUÇÕES ROTEIRO DE INFORMAÇÕES MÍNIMAS PARA CONSULTA PRÉVIA Financiamento à Compradora

Leia mais

A Petrobras e o Desenvolvimento Nacional de Fornecedores de Bens e Serviços

A Petrobras e o Desenvolvimento Nacional de Fornecedores de Bens e Serviços A Petrobras e o Desenvolvimento Nacional de Fornecedores de Bens e Serviços Pré-sal e áreas estratégicas José Sergio Gabrielli de Azevedo Presidente 1 Brasília, 20/10/09 - CDES AVISO As apresentações podem

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º WORKSHOP PLATAFORMAS TECNOLÓGICAS FPSO Automação e Instrumentação

Leia mais

Política de Conteúdo Local na Cadeia de Petróleo e Gás

Política de Conteúdo Local na Cadeia de Petróleo e Gás Política de Conteúdo Local na Cadeia de Petróleo e Gás: Uma visão sobre a evolução do instrumento e a percepção das empresas investidoras e produtoras de bens Março de 2012 1 Política de Conteúdo Local

Leia mais

O governo do PT quer vender Libra para entrar na farra do Banco Brics

O governo do PT quer vender Libra para entrar na farra do Banco Brics O governo do PT quer vender Libra para entrar na farra do Banco Brics Nosso dever é nos envolver e nos compromissar com as mobilizações e construir a Greve do Dia 17 de Outubro (Dalton F. Santos). A verdade

Leia mais

CONEL CONEL Construções e Engenharia LTDA

CONEL CONEL Construções e Engenharia LTDA CONEL CONEL Construções e Engenharia LTDA http://www.conelengenharia.com.br 10-11-2015 1 A EMPRESA A CONEL ENGENHARIA é uma empresa fundada em 2004, cujo SGI Sistema de Gestão Integrada é Certificado nas

Leia mais

Regulamento de Compras Organização Social de Saúde Associação Lar São Francisco de Assis na Providência de Deus

Regulamento de Compras Organização Social de Saúde Associação Lar São Francisco de Assis na Providência de Deus Regulamento de Compras Organização Social de Saúde Associação Lar São Francisco de Assis na Providência de Deus Regulamento de Compras da Organização Social de Saúde Associação Lar São Francisco de Assis

Leia mais

ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008)

ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008) ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008) ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETO LEI Nº 11.484/2007 CAPÍTULO II PATVD I INTRODUÇÃO O presente roteiro orienta a elaboração

Leia mais

Modelo de Atenção às. Coordenação de Informação

Modelo de Atenção às. Coordenação de Informação Modelo de Atenção às Condições Crônicas Nilza Teresinha Faoro Coordenação de Informação É uma aliança voluntária entre duas ou mais entidades legais, entendidas como pessoas físicas, morais ou jurídicas

Leia mais

Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis

Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis Comissão de Serviços de Infra-Estrutura Desafios para um país emergente Luis Eduardo Duque Dutra Chefe de Gabinete da Diretoria Geral Professor Adjunto EQ/UFRJ

Leia mais

Correspondência entre a CNAE e a CNAE 1.0 (sintética)

Correspondência entre a CNAE e a CNAE 1.0 (sintética) Correspondência entre a CNAE e a CNAE 1.0 (sintética) A tabela de correspondência, a seguir, indica apenas os códigos que sofreram alterações na CNAE 1.0. Todas as classes não listadas têm o mesmo conteúdo

Leia mais