DESAFIOS PARA UMA EMPRESA DE PROJETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESAFIOS PARA UMA EMPRESA DE PROJETO"

Transcrição

1 DESAFIOS PARA UMA EMPRESA DE PROJETO

2

3 A EMPRESA A PLANAVE é uma empresa de engenharia consultiva genuinamente brasileira com 46 anos de existência com sede no Rio de Janeiro. Possui as certificações ISO 9001/2008, ISO /2004 e OHSAS /2007. Adota um Sistema de Gerenciamento de Informações Corporativo, desenvolvido pela empresa que é responsável por gerenciar todos os seus processos de engenharia e comercial. Desenvolveu uma Metodologia própria de gerenciamento de projetos, tendo como referência as boas práticas de Gerenciamento de Projetos e de acordo com a sua cultura organizacional, sendo completamente aderente ao sistema dos clientes.

4 ESTUDOS PORTUÁRIOS E DE INFRAESTRUTURA MEIO AMBIENTE ENGENHARIA PORTUÁRIA, DE INFRAESTRUTURA E ESTALEIROS DESENVOLVIMENTO URBANO PETRÓLEO, GÁS E INDÚSTRIA OFFSHORE E OPERAÇÕES MARÍTIMAS

5 ESTUDOS PORTUÁRIOS E DE INFRAESTRUTURA Há décadas a PLANAVE consolidou uma posição de referência nacional em engenharia portuária, com atuação na implantação e/ou expansão de praticamente todos os portos de relevância no território nacional, além de diversos em países da América Latina e África, para importantes clientes estatais e empresas privadas.

6 ENGENHARIA PORTUÁRIA, DE INFRAESTRUTURA E ESTALEIROS Visando propiciar a seus Clientes respostas às necessidades de movimentação e transporte de cargas através de soluções completas, integradas e otimizadas sob os aspectos técnico, econômico e ambiental, a PLANAVE dispõe de equipe de profissionais especializados para atender a esta necessidade.

7 PETRÓLEO, GÁS E INDÚSTRIA Desde a sua fundação, a PLANAVE desenvolve inúmeros trabalhos no setor de petróleo e seus derivados de uma forma abrangente, contemplando variados segmentos do setor industrial, tendo como preocupação constante a qualidade, o prazo dos serviços prestados e o custo do empreendimento global, atuando sempre de forma responsável, com ênfase no que se refere à preservação ambiental.

8 OFFSHORE E OPERAÇÕES MARÍTIMAS Atuando desde os primórdios da Engenharia Naval e Offshore no Brasil, a PLANAVE tem amplo acervo de projetos de instalações e equipamentos fixos e flutuantes, tais como Plataformas, Jaquetas, Manifolds, Polidutos, etc. A PLANAVE é também certificada e autorizada como empresa de navegação de apoio marítimo, operando e estando capacitada a oferecer serviços de afretamento e operações de embarcações, tais como supply boats, crew boats, etc., bem como de petroleiros para a atividade de bunkering e estocagem de óleo cru. A empresa detém know-how no projeto e execução de operações de embarques ( load outs) no país, tendo realizado mais de duzentas operações dessa natureza.

9 DESENVOLVIMENTO URBANO E SANEAMENTO A implantação de grandes projetos industriais, comerciais, portuários ou de qualquer natureza traz sempre repercussões de ordem espacial, social, econômica e ambiental para a região de assentamento desses empreendimentos. A experiência na avaliação desses impactos habilita a empresa a propor e oferecer ao mercado estudos de desenvolvimento e planejamento urbano integrado e programas de ordenamento e ocupação físico-territorial.

10 MEIO AMBIENTE A PLANAVE integrou os aspectos ambientais às disciplinas de Engenharia desde 1989, incorporando à sua equipe profissionais capazes de propiciar aos Clientes soluções completas e integradas na realização de estudos de viabilidade e projetos, considerando, além de todas as condicionantes técnicas, econômicas e institucionais, também as de ordem ambiental. Estando apta a desenvolver estudos ambientais dos mais variados tipos e a acompanhar empreendimentos em todas as fases de licenciamento junto aos órgãos ambientais governamentais, em todos os níveis.

11 AUTOMAÇÃO DE PROJETOS Na área de Óleo e Gás, os clientes indicam a tecnologia a ser utilizada. A PLANAVE possui um know-how para atender a estas necessidades, de forma integrada desde o projeto até a parceria com os clientes durante a construção e montagem.

12 CONTEXTO DO MOMENTO ATUAL Contratos Reduzidos; Mercado altamente competitivo; Prazos de elaboração de projetos reduzidos; Neste contexto surgiu a necessidade de adotar ferramentas integradas para elaboração dos projetos como um processo corporativo.

13 CAMINHO PARA O NOVO PROCESSO Explore a tecnologia para achar opções Conheça a concorrência e aprenda com ela Use ideias dos colaboradores e outros envolvidos Avalie onde será usada Atente para as ameaças e oportunidades

14 Fatores para o sucesso: CAMINHO PARA O NOVO PROCESSO Processo sistemático e organizado; Competências empreendedoras dos envolvidos; Criatividade (orientada e com direcionamento); Compreensão do processo; Equipe afinada; Liderança estratégica; Capacidade de aprendizagem; Atender a um baixo custo de implantação e treinamento

15 OBJETIVOS DO NOVO PROCESSO Proporcionar melhor integração entre as disciplinas; Redução de retrabalhos, gerados por inconsistências; Redução no prazo de execução; Maior controle na padronização; Diminuição das horas necessárias para executar as atividades. REDUÇÃO DE CUSTOS E INCREMENTO DA QUALIDADE.

16 AUTOMAÇÃO DE PROJETOS COMO UM NOVO PROCESSO Dentre as tecnologias disponíveis, a escolhida foram as ferramentas da Autodesk: REVIT Structure, MEP e Architeture; Civil 3D; AutoCAD Plant 3D; NavisWorks; Design Review.

17 ESTRATÉGIA DE IMPLANTAÇÃO PREPARAÇÃO Mapeamento e adequação de hardware; Aquisição de Softwares para projeto piloto; Treinamento da equipe; Setup do Projeto. EXECUÇÃO DO PROJETO PILOTO Customizações no decorrer do trabalho; Interface com ferramentas de terceiros; Mapeamento e documentação dos processos; Lições aprendidas CONSOLIDAÇÃO Instruções de trabalhos das disciplinas; Software para trabalho sistematizado; Treinamento de administração da plataforma.

18 ACOMPANHAMENTO DE IMPLANTAÇÃO Agosto/2013 Levantamento das opções, pesquisa do mercado Novembro/2013 Identificação/Aquisição/ Instalação da Infraestrutura Início dos Treinamentos Outubro/2013 Dezembro/2013 Planejamento da Implantação do novo processo Término dos Treinamentos

19 ACOMPANHAMENTO DE IMPLANTAÇÃO Ferramentas: REVIT Architecture, MEP e NavisWorks

20 ACOMPANHAMENTO DE IMPLANTAÇÃO Agosto/2013 Levantamento das opções, pesquisa do mercado Novembro/2013 Identificação/Aquisição/ Instalação da Infraestrutura Início dos Treinamentos Hands On com toda a equipe Outubro/2013 Dezembro/2013 Término dos Treinamentos Planejamento da Implantação do novo processo

21 Ferramentas: REVIT Architecture, AutoCAD Plant 3D e NavisWorks ACOMPANHAMENTO DE IMPLANTAÇÃO

22 ACOMPANHAMENTO DE IMPLANTAÇÃO Agosto/2013 Levantamento das opções, pesquisa do mercado Novembro/2013 Identificação/Aquisição/ Instalação da Infraestrutura Início dos Treinamentos Hands On com toda a equipe Consolidação de Fluxos Documentação de Lições aprendidas Outubro/2013 Dezembro/2013 Planejamento da Implantação do novo processo Término dos Treinamentos Janeiro/2014 Fevereiro/2014 1º Projeto em PLANT 3D Planejamento dos próximos passos

23 Ferramenta: AutoCAD Plant 3D e NavisWorks ACOMPANHAMENTO DE IMPLANTAÇÃO

24 ACOMPANHAMENTO DE IMPLANTAÇÃO Agosto/2013 Levantamento das opções, pesquisa do mercado Novembro/2013 Identificação/Aquisição/ Instalação da Infraestrutura Início dos Treinamentos Hands On com toda a equipe Consolidação de Fluxos Documentação de Lições aprendidas Abril/2014 1º Projeto Básico - REVIT Outubro/2013 Dezembro/2013 Planejamento da Implantação do novo processo Janeiro/2014 Término dos Treinamentos Fevereiro/2014 1º Projeto em PLANT 3D Planejamento dos próximos passos

25 ACOMPANHAMENTO DE IMPLANTAÇÃO Ferramentas: Civil 3D, REVIT Architecture, AutoCAD Plant 3D, Inventor e NavisWorks

26 ACOMPANHAMENTO DE IMPLANTAÇÃO Agosto/2013 Levantamento das opções, pesquisa do mercado Novembro/2013 Identificação/Aquisição/ Instalação da Infraestrutura Início dos Treinamentos Hands On com toda a equipe Consolidação de Fluxos Documentação de Lições aprendidas Abril/2014 1º Projeto Básico - REVIT Outubro/2013 Dezembro/2013 Planejamento da Implantação do novo processo Término dos Treinamentos Janeiro/2014 Fevereiro/2014 1º Projeto em PLANT 3D Planejamento dos próximos passos Junho/2014 1º Projeto Detalhado em REVIT, MEP e PLANT 3D

27 PROJETO ENTREGUE COM AS INTERFERENCIAS RESOLVIDAS Modelo Arquitetônico de edificação contemplando todas as informações

28 PROJETO ENTREGUE COM AS INTERFERENCIAS RESOLVIDAS Modelo estrutural criado diretamente a partir do modelo arquitetônico em fluxo de trabalho integrado e bidirecional

29 PROJETO ENTREGUE COM AS INTERFERENCIAS RESOLVIDAS A verificação em tempo real de interferências entre sistemas, projetados por diferentes disciplinas permite que os entregáveis representem um projeto que pode ser montado na sua integridade, reduzindo e até eliminando necessidade de ajustes do projeto na fase de montagem o que garante maior segurança para o proprietário da instalação e evita alterações de escopo devido a questões não previstas durante do desenvolvimento do projeto.

30 PROJETO ENTREGUE COM AS INTERFERENCIAS RESOLVIDAS A verificação em tempo real de interferências entre sistemas, projetados por diferentes disciplinas permite que os entregáveis representem um projeto que pode ser montado na sua integridade, reduzindo e até eliminando necessidade de ajustes do projeto na fase de montagem o que garante maior segurança para o proprietário da instalação e evita alterações de escopo devido a questões não previstas durante do desenvolvimento do projeto.

31 PROJETO ENTREGUE COM AS INTERFERENCIAS RESOLVIDAS A complexidade da geometria tridimensional de sistemas de tubulações é favorecida pela utilização de sistemas BIM em particular no que tange a identificação de interferências e ao estabelecimento de quantitativos precisos da grande quantidade de itens

32 PROJETO ENTREGUE COM AS INTERFERENCIAS RESOLVIDAS A complexidade da geometria tridimensional de sistemas de tubulações é favorecida pela utilização de sistemas BIM em particular no que tange a identificação de interferências e ao estabelecimento de quantitativos precisos da grande quantidade de itens

33 PROJETO ENTREGUE COM AS INTERFERENCIAS RESOLVIDAS Sistemas de HVAC compostos por dutos usualmente apresentam grande desafios para o projeto de instalações devido ao espaço ocupado. As ferramentas BIM além de garantirem uma contabilização precisa dos componentes do sistema, e a geração de todos os documentos necessários à montagem, permitem resolver previamente problemas de interferência que somente seriam detectados durante a etapa de montagem, evitando retrabalho por parte o construtor e custos para o proprietário da obra.

34 PROJETO ENTREGUE COM AS INTERFERENCIAS RESOLVIDAS Sistemas de HVAC compostos por dutos usualmente apresentam grande desafios para o projeto de instalações devido ao espaço ocupado. As ferramentas BIM além de garantirem uma contabilização precisa dos componentes do sistema, e a geração de todos os documentos necessários à montagem, permitem resolver previamente problemas de interferência que somente seriam detectados durante a etapa de montagem, evitando retrabalho por parte o construtor e custos para o proprietário da obra.

35 PROJETO ENTREGUE COM AS INTERFERENCIAS RESOLVIDAS O projeto de instalações elétricas, iniciando pelo projeto de iluminação, realizado pela PLANAVE dentro das ferramentas de BIM permite o atendimento a todos os critérios normativos relacionados com este tipo de projeto. Inclusive avaliações dos sistemas de iluminação de segurança são feitos em BIM, de maneira a avaliar a adequação aos critérios legais.

36 PROJETO ENTREGUE COM AS INTERFERENCIAS RESOLVIDAS Salas de Telecomunicações e Centros de Processamento de Dados existentes em instalações comerciais ou industriais tem seu projeto favorecido na aplicação de sistemas BIM. Distribuições de cabos e bandejamento ao longo das instalações desenvolvidas de forma integrada com outras instalações eliminam os problemas de interferência, tão comuns em projetos usando metodologias tradicionais permitindo a redução de perdas. Na imagem uma sala de telecomunicações é vista em corte e com o piso elevado removido, para melhor visualização da distribuição do bandejamento inferior aos racks.

37 DOCUMENTOS EXTRAÍDOS DIRETAMENTE DO MODELO 3D

38 PLANEJAMENTO E CUSTOS - FAMÍLIAS CODIFICADAS DE ACORDO COM EAP PADRONIZADA EAP PADRONIZADA FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS FAMÍLIAS MODELO 3D

39 PLANEJAMENTO E CUSTOS - FAMÍLIAS CODIFICADAS DE ACORDO COM EAP PADRONIZADA

40 MODELO 4D

41 ESTUDO DE FACHADAS

42 ACOMPANHAMENTO DE IMPLANTAÇÃO Agosto/2013 Levantamento das opções, pesquisa do mercado Novembro/2013 Identificação/Aquisição/ Instalação da Infraestrutura Início dos Treinamentos Hands On com toda a equipe Consolidação de Fluxos Documentação de Lições aprendidas Abril/2014 1º Projeto Básico - REVIT Processos em Andamento REVIT-MEP-PLANT 3D Setembro/ Outubro/2013 Dezembro/2013 Planejamento da Implantação do novo processo Janeiro/2014 Término dos Treinamentos Fevereiro/2014 1º Projeto em PLANT 3D Planejamento dos próximos passos Junho/2014 1º Projeto Detalhado em REVIT, MEP e PLANT 3D

43 VIZUALIZAÇÃO COMPLETA DO EMPREENDIMENTO

44 PLANAVE S/A Estudos e Projetos de Engenharia Márcia Dóring MUITO OBRIGADA!

Ambiente Autodesk para engenharia multidisciplinar

Ambiente Autodesk para engenharia multidisciplinar Kleber Souza Bastos EngMEX A busca pelo aumento de produtividade e pela melhoria continua de qualidade levou ao largo uso de ferramentas de apoio. Com isso surgiram inúmeras ferramentas para aplicações

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS PROCESSOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DE SÃO CARLOS-SP

DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS PROCESSOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DE SÃO CARLOS-SP DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS PROCESSOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DE SÃO CARLOS-SP Raquel Ragonesi Permonian (UFSCAR) raquelrpermonian@hotmail.com Jose da Costa Marques

Leia mais

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos:

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos: [AUBR-83] BIM na Prática: Implementação de Revit em Escritórios de Arquitetura e Engenharia Paulo Henrique Giungi Galvão Revenda TECGRAF Consultor técnico Revit da Revenda TECGRAF AUBR-83 Dicas e Truques

Leia mais

Andrade Gutierrez Experiência em Contratos EPC

Andrade Gutierrez Experiência em Contratos EPC Andrade Gutierrez Experiência em Contratos EPC 3º WORKSHOP NACIONAL DO PROMINP Promoção: Participação: Painel 4: Obtenção de conteúdo local na implantação de projetos de investimentos: Experiência Refino

Leia mais

Implantação e Resultados do BIM CCDI Carlos Cabral Salles Leandro Duarte Marveis

Implantação e Resultados do BIM CCDI Carlos Cabral Salles Leandro Duarte Marveis Implantação e Resultados do BIM CCDI Carlos Cabral Salles Leandro Duarte Marveis Agenda 1 2 3 4 A Empresa Desafio Fases do Processo Sistema Integrado de Gestão de Projetos 5 Hoje na CCDI 6 Conclusão A

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 Propriedade Intelectual Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA

ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA ANEXO 5 ESCOPO DO ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E JURÍDICA O estudo a ser entregue deverá avaliar a viabilidade do projeto de PPP proposto segundo a ótica de todos os fornecedores de capital

Leia mais

COMISSIONAMENTO DE UNIDADES INDUSTRIAIS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS

COMISSIONAMENTO DE UNIDADES INDUSTRIAIS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS COMISSIONAMENTO DE UNIDADES INDUSTRIAIS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS Antonio Prates 1, Luciano Gaete 1, Paulo Garcia de Souza 2 1 Forship Engenharia, 2 ProxyBiz Business Platform. Introdução O comissionamento

Leia mais

Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás. Projeto IV.11

Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás. Projeto IV.11 Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás Projeto IV.11 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento

Leia mais

Estudos para Reorganização do Setor Elétrico

Estudos para Reorganização do Setor Elétrico Programa 0276 Gestão da Política de Energia Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas na área de energia. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es) Órgão(s) 32 - Ministério

Leia mais

Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE

Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE Informações gerais sobre a prática Título Implantação da Norma Iso 9001:2008 no Departamento de Distribuição de Processos

Leia mais

A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você

A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você A Escola A Escola Superior de Redes da RNP privilegia um ensino totalmente prático. Os laboratórios são montados de forma

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa busca definir ações e diretrizes que atendam aos requisitos de infraestrutura e gestão apropriadas às atividades administrativas e judiciais, de forma

Leia mais

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br)

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br) Obrigado por acessar esta pesquisa. Sei como é escasso o seu tempo, mas tenha a certeza que você estará contribuindo não somente para uma tese de doutorado, mas também para a melhoria das práticas da Comunidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2783 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2783 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº Impresso por: ANGELO LUIS MEDEIROS MORAIS Data da impressão: 21/11/2013-18:05:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2783 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO

Leia mais

BIM: Fundamentos básicos e processo de implantação. Apresentador: Sergio Leusin, Arqtº, D.Sc.

BIM: Fundamentos básicos e processo de implantação. Apresentador: Sergio Leusin, Arqtº, D.Sc. BIM: Fundamentos básicos e processo de implantação Apresentador: Sergio Leusin, Arqtº, D.Sc. A GDP, Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos Ltdª, nasceu da convicção de que o projeto deve ser o protagonista

Leia mais

Experiências BIM: Projeto Executivo no Mercado Imobiliário.

Experiências BIM: Projeto Executivo no Mercado Imobiliário. Experiências BIM: Projeto Executivo no Mercado Imobiliário. Palestrantes: Luísa Konzen e Naiara Braghirolli A sessão tem como objetivo mostrar os benefícios e dificuldades enfrentados na implantação e

Leia mais

Processos de gerenciamento de riscos. Planejamento Identificação Análise Resposta Monitoramento

Processos de gerenciamento de riscos. Planejamento Identificação Análise Resposta Monitoramento Gerência de Riscos Processos de gerenciamento de riscos Planejamento Identificação Análise Resposta Monitoramento Gerência de Riscos O Plano de Gerência de Riscos descreve como a identificação, a análise

Leia mais

GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING)

GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) Coordenação Gerenciadora ABEMD Associação Brasileira de Marketing Direto Presidente: Efraim

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Processo Seletivo 2013 CURSOS TÉCNICOS PRESENCIAIS 2 SEMESTRE

MANUAL DO CANDIDATO. Processo Seletivo 2013 CURSOS TÉCNICOS PRESENCIAIS 2 SEMESTRE MANUAL DO CANDIDATO Processo Seletivo 2013 CURSOS TÉCNICOS PRESENCIAIS 2 SEMESTRE APRESENTAÇÃO Neste Manual, desenvolvido pela Comissão de Processo Seletivo (COPESE) do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Implantação do Sistema SIG/UFRN na UNIFESP

Implantação do Sistema SIG/UFRN na UNIFESP Implantação do Sistema SIG/UFRN na UNIFESP Assessoria de Planejamento Departamento de Tecnologia da Informação DTI Maio/2013 Assessoria de Planejamento - DTI Planejar e gerenciar as atividades de governança

Leia mais

Período: 03, 10, 17 e 24, 31 de julho e 07 e 14 de agosto Sete (7) sábados. Das 8:30 às 17:00 horas

Período: 03, 10, 17 e 24, 31 de julho e 07 e 14 de agosto Sete (7) sábados. Das 8:30 às 17:00 horas 10 CURSO DE QSMS Qualidade Segurança, Meio Ambiente e Saúde Ocupacional nas Áreas de Montagem Industrial, Refinarias, Plataformas de Petróleo, Construção de Navios Petroleiros e Lançamentos de Dutos, ON

Leia mais

Esfera: 10 Função: 20 - Agricultura Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 22101 - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Esfera: 10 Função: 20 - Agricultura Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 22101 - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Programa 0360 Gestão da Política Agropecuária Numero de Ações 11 Ações Orçamentárias 10HD Implantação do Projeto de Melhoria da Infra-estrutura da Sede do MAPA Produto: Projeto implantado Unidade de Medida:

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.2.0 Julho 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui CURSO MASTER In Business Economics Master in Business Economics 1 vire aqui DISCIPLINAs O aluno poderá solicitar a dispensa das disciplinas básicas: Matemática Básica, Estatística Aplicada e Contabilidade.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2367 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº 143/2013 CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2367 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº 143/2013 CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 24/05/2013-17:42:04 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2367 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL

Leia mais

Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy ESCOLA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - ECT

Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy ESCOLA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - ECT Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy ESCOLA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - ECT PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL (EXTRATO) Duque de Caxias 2016 Objetivos do Curso

Leia mais

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Itajubá/MG Fevereiro de 2012 Plano Anual de 2 de 11 Revisão 01 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO GERAL... 4 2

Leia mais

Implantação de Obras

Implantação de Obras Gerenciamento de Projetos Implantação de Obras Planejamento Administração de Empresas Orçamentação Contratos Marketing Apoio Técnico www.bethonico.com.br APRESENTAÇÃO Desde o ano 2000, a Bethonico Planejamento

Leia mais

Presidente da FINEP. Diretores da FINEP. Chefe de Gabinete da Presidência. Presidente da República. Vice-Presidente da República

Presidente da FINEP. Diretores da FINEP. Chefe de Gabinete da Presidência. Presidente da República. Vice-Presidente da República POLÍTICA OPERACIONAL 2012-2014 Presidente da República Dilma Vana Rousseff Vice-Presidente da República Michel Temer Ministro de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação Marco Antonio Raupp Secretário

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 15/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA O PROJETO REGISTRO DE IDENTIDADE CIVIL REPLANEJAMENTO E NOVO PROJETO PILOTO

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 15/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA O PROJETO REGISTRO DE IDENTIDADE CIVIL REPLANEJAMENTO E NOVO PROJETO PILOTO CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 15/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA O PROJETO REGISTRO DE IDENTIDADE CIVIL REPLANEJAMENTO E NOVO PROJETO PILOTO 1. PROJETO SELECIONA PROFISSIONAIS PARA DIVERSOS PERFIS

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Instituto Serzedello Corrêa. Antonio M. Salles Vice-Presidente Gestão

Tribunal de Contas da União. Instituto Serzedello Corrêa. Antonio M. Salles Vice-Presidente Gestão Tribunal de Contas da União Instituto Serzedello Corrêa Antonio M. Salles Vice-Presidente Gestão O papel do gerenciamento nas obras públicas Gerenciamento de Empreendimento Histórico Gerenciamento de Obras

Leia mais

EXCELÊNCIA NOS DETALHES.

EXCELÊNCIA NOS DETALHES. EXCELÊNCIA NOS DETALHES. A SEA Engenharia é uma empresa com foco na prestação de serviços de execução, consultoria em instalações elétricas, mecânica e automação industrial. Nosso objetivo principal é

Leia mais

Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil

Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projetos/turma 149 29 de julho de 2015 Benefícios da Utilização do BIM no desenvolvimento da Orçamentação na Construção Civil Flávia Ciqueira

Leia mais

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 Torna públicas as teses e diretrizes para a elaboração de uma Política Nacional de Empreendedorismo e Negócios PNEN, e dá outras providências. O MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RH

CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RH 1/1 CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RH Todas as disciplinas do curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos têm como critério para aprovação, em conformidade com o capítulo V do regimento escolar:

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

Sobre o Instituto Desenvolve T.I

Sobre o Instituto Desenvolve T.I Sobre o Instituto Desenvolve T.I A empresa Desenvolve T.I foi fundada em 2008, em Maringá, inicialmente focando a sua atuação em prestação de serviços relacionados à Tecnologia da Informação e atendendo

Leia mais

Premissas conceituais e abordagem

Premissas conceituais e abordagem Premissas conceituais e abordagem EDUCAÇÃO CORPORATIVA: CONSTRUINDO A PONTE ENTRE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS (competências humanas) E ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIO (competências organizacionais) Instituto Sindipeças

Leia mais

Melhorando a governança: Umaexperiênciapráticade evoluçãoinstitucional. Novembro de 2015

Melhorando a governança: Umaexperiênciapráticade evoluçãoinstitucional. Novembro de 2015 Melhorando a governança: Umaexperiênciapráticade evoluçãoinstitucional Novembro de 2015 CONCEITO DE GOVERNANÇA A governança pública é a capacidade que os governos têm de avaliar, direcionar e monitorar

Leia mais

Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014

Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014 Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Outubro 2014 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. BADESUL Desenvolvimento S.A- Agência de Fomento 0800 642 6800 - Rua Gen. Andrade Neves, 175 - Porto Alegre - RS - CEP: 90010-210

CÓDIGO DE ÉTICA. BADESUL Desenvolvimento S.A- Agência de Fomento 0800 642 6800 - Rua Gen. Andrade Neves, 175 - Porto Alegre - RS - CEP: 90010-210 CÓDIGO DE ÉTICA Introdução O Código de Ética do BADESUL explicita os valores éticos que regem o desempenho de sua missão: Contribuir para o desenvolvimento econômico e social do Rio Grande do Sul, através

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

A base do BIM para engenharia estrutural. Autodesk Revit. Structure 2010

A base do BIM para engenharia estrutural. Autodesk Revit. Structure 2010 A base do BIM para engenharia estrutural. Autodesk Revit Structure 2010 Melhore a Eficácia, a Precisão e a Coordenação O software Autodesk Revit Structure oferece modelagem simultânea para projeto estrutural,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2015 (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação

Leia mais

Capacitação de Usuários no uso de Sistemas de Informação

Capacitação de Usuários no uso de Sistemas de Informação Capacitação de Usuários no uso de Sistemas de Informação Projeto Básico (pdf) A Gerência de Sistemas GESIS, da Gerência Geral de Gestão do Conhecimento e Documentação- GGCON, tem como objetivo Implantar

Leia mais

Organização, Processos e Tomada de Decisão

Organização, Processos e Tomada de Decisão Organização, Processos e Tomada de Decisão Planejamento e Programação na Administração Pública Administração Estratégica Elaboração e Gestão de Projetos 59 Empreendedorismo Governamental Um plano de gestão

Leia mais

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Metrologia é a Ciência da Medida Uma reputação de qualidade é um dos bens de mais alto valor de uma empresa. A grande importância de uma alta

Leia mais

GT de Economia Criativa

GT de Economia Criativa GT de Economia Criativa Santa Maria, 02 de outubro de 2012 Pauta da reunião 1) Ações após a 1ª reunião do GT 2) Apresentação do Projeto de Mapeamento Georreferenciado da Economia Criativa 3) Apresentação

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda.

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Rua Alfredo da Silva, 11B 1300-040 Lisboa Tlf. +351 213 619 380 Fax. +351 213 619 399 profico@profico.pt www.profico.pt INDICE 1. DESCRIÇÃO GERAL DA PROFICO...

Leia mais

MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA AO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL.

MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA AO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL. MILLS, UMA HISTÓRIA ENTRELAÇADA AO DESENVOLVIMENTO DO BRASIL. CONSTRUÇÃO SERVIÇOS INDUSTRIAIS JAHU RENTAL Fundada em 1952, a Mills tornou-se líder na prestação de serviços e soluções de engenharia nas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. Dispõe sobre o processo de contratação de serviços de Tecnologia da Informação pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional. O SECRETÁRIO

Leia mais

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6.

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6. Sumário Resumo de Qualificações... 2 Atuação no Mercado... 3 Formação Profissional... 5 Contatos... 6 Página 1 de 6 Resumo de Qualificações Consultora responsável pela organização e gestão da RHITSolution,

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA Alessandra Luize Fontes SALES Eng.ª Civil, Universidade Federal do Ceará, Rua Quintino Cunha, nº 994, CEP 60425.780, Benfica, Fortaleza (Ce)

Leia mais

O SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO, no uso da atribuição que lhe é conferida pelo Decreto n 15.348, de 06 de agosto de 2014, resolve expedir a seguinte,

O SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO, no uso da atribuição que lhe é conferida pelo Decreto n 15.348, de 06 de agosto de 2014, resolve expedir a seguinte, INSTRUÇÃO Nº 011/2015 Orienta os órgãos e entidades da Pública do Poder Executivo Estadual sobre os procedimentos referentes às contratações de serviços da Companhia de Processamento de Dados do Estado

Leia mais

PLATAFORMA PANDORA: SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE DADOS DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNEB

PLATAFORMA PANDORA: SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE DADOS DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNEB PLATAFORMA PANDORA: SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE DADOS DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNEB Resumo Kellen L. Gomes 1, Pedro A. H. Ramirez 2 Grupo de Trabalho: Comunicação e Tecnologias Agência Financiadora:

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Luís Henrique Piovezan (SENAI-SP, Uniban e Escola Politécnica da USP) lhpiovezan@aol.com Adalberto

Leia mais

METODOLOGIA DA PESQUISA (20 horas/aula) Objetivo: Apoiar, auxiliar e estimular a elaboração da monografia de conclusão do curso.

METODOLOGIA DA PESQUISA (20 horas/aula) Objetivo: Apoiar, auxiliar e estimular a elaboração da monografia de conclusão do curso. EMENTA DAS DISCIPLINAS PARA O EDITAL N.º 002/2012 PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO NOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DE PROCESSOS UPSTREAM E ENGENHARIA DE PROCESSAMENTO DE GÁS NATURAL, DA ESCOLA DE

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 105-CEPE/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. ESTA RESOLUÇÃO ESTÁ REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 99/2011- GR/UNICENTRO. Aprova o Curso de Especialização em Cooperativismo e Desenvolvimento de

Leia mais

Uma Visão da Carreira em Áreas Tecnológicas

Uma Visão da Carreira em Áreas Tecnológicas Uma Visão da Carreira em Áreas Tecnológicas Prof. Paulo César Crepaldi UNIFEI Coordenação Prof. Dr. Evaldo Cintra 26/02/2013 Tecnologia - Definição A palavra Tecnologia (s. f.) tem a seu significado baseado

Leia mais

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA

Art. 1º Definir o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelecer diretrizes e normas para o seu funcionamento. DA NATUREZA UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 07/04 Define o ensino de graduação na UNIVILLE e estabelece diretrizes e normas para seu funcionamento.

Leia mais

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias. Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias. Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos Soluções Autodesk na ENG AutoCAD 2010 - o software AutoCAD para arquitetos. Criação, coordenação e colaboração

Leia mais

Prospecção de demanda de trabalhadores para a infraestrutura

Prospecção de demanda de trabalhadores para a infraestrutura 1 Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base Prospecção de demanda de trabalhadores para a infraestrutura Colóquio Tendências e Desafios da Formação de Trabalhadores para o Desenvolvimento

Leia mais

Sustentabilidade do Setor Florestal

Sustentabilidade do Setor Florestal Sustentabilidade do Setor Florestal Quem somos o Somos o resultado da União de duas empresas brasileiras com forte presença no mercado global de produtos florestais renováveis. o Uma nova empresa com

Leia mais

NOVOS LÍDERES EVOLUEM. SEMPRE.

NOVOS LÍDERES EVOLUEM. SEMPRE. NOVOS LÍDERES EVOLUEM. SEMPRE. CONHEÇA TODOS OS CURSOS DE MBA E PÓS-GRADUAÇÃO DA ESPM. 540h MBA EXECUTIVO INTERNACIONAL O MBA Executivo Internacional forma líderes com visão estratégica e atitudes adequadas

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

OFICINA: MONITORAMENTO DO PAC

OFICINA: MONITORAMENTO DO PAC OFICINA: MONITORAMENTO DO PAC Maurício Muniz SEPAC Secretaria do Programa de Aceleração do Crescimento Brasília, 29 de janeiro de 2013 OBJETIVO DA OFICINA Apresentar o modelo de monitoramento do PAC no

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING (Extrato do Projeto Pedagógico)

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING (Extrato do Projeto Pedagógico) CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING (Extrato do Projeto Pedagógico) PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO São habilidades e competências gerais trabalhadas no projeto pedagógico: Visão Holística e Cultural:

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015*

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015* PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015* 1 SINOPSE. Um dos maiores desafios atuais para as empresas é ter um sistema de gestão documental de fácil entendimento entre todos profissionais da organização.

Leia mais

Orçamento de Obras. Introdução. Resumo

Orçamento de Obras. Introdução. Resumo Orçamento de Obras Introdução O orçamento é uma das mais importantes áreas no negócio da construção civil e pode determinar o sucesso ou fracasso de uma empresa construtora ou construtor. É um documento

Leia mais

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa.

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. 1. INTRODUÇÃO Prof. Carlos Maurício Duque dos Santos Mestre e Doutorando em Ergonomia pela Escola Politécnica

Leia mais

REGULAMENTO DO NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO

REGULAMENTO DO NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO REGULAMENTO DO NUPE NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO A Direção Geral da Faculdade ESUP, torna público o presente Regulamento do NUPE Núcleo de Pesquisa e Extensão que tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

ANÁLISE DA SITUAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DO ESTADO DO CEARÁ QUANTO À IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DA QUALIDADE.

ANÁLISE DA SITUAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DO ESTADO DO CEARÁ QUANTO À IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DA QUALIDADE. ANÁLISE DA SITUAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DO ESTADO DO CEARÁ QUANTO À IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DA QUALIDADE. João Adriano Ponciano NOBRE Graduando de Eng.º Civil, Universidade Federal do Ceará, Rua Waldery

Leia mais

Inovação aberta na indústria de software: Avaliação do perfil de inovação de empresas

Inovação aberta na indústria de software: Avaliação do perfil de inovação de empresas : Avaliação do perfil de inovação de empresas Prof. Paulo Henrique S. Bermejo, Dr. Prof. André Luiz Zambalde, Dr. Adriano Olímpio Tonelli, MSc. Pamela A. Santos Priscila Rosa LabGTI Laboratório de Governança

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético C. Penna, A. P. C. Paraguassu, C. M. Matos ENERSUL; I. S. Escobar

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

Conselho de Defesa e Segurança da FIRJAN Comitê Naval de Defesa. Por que desenvolver um Arranjo Produtivo Local Naval de Defesa no Rio de Janeiro?

Conselho de Defesa e Segurança da FIRJAN Comitê Naval de Defesa. Por que desenvolver um Arranjo Produtivo Local Naval de Defesa no Rio de Janeiro? Conselho de Defesa e Segurança da FIRJAN Comitê Naval de Defesa Por que desenvolver um Arranjo Produtivo Local Naval de Defesa no Rio de Janeiro? Nos últimos anos, o planejamento governamental, tendo como

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA BNDES 01/2008 QUESTIONAMENTOS DA EMPRESA SAS

CONSULTA PÚBLICA BNDES 01/2008 QUESTIONAMENTOS DA EMPRESA SAS 1 CONSULTA PÚBLICA BNDES 01/2008 QUESTIONAMENTOS DA EMPRESA SAS QUESTÃO 1 2. DESCRIÇÃO DO OBJETO 2.1. Aquisição do SISTEMA DE RISCO 2.1.1. Fornecimento e cessão de direito de uso definitivo, não exclusivo,

Leia mais

Kit de Robótica Modelix - Programa Mais Educação 2015

Kit de Robótica Modelix - Programa Mais Educação 2015 CNPJ 56.233.497/0001-42 1 CNPJ 56.233.497/0001-42 O que é Robótica Educacional? É uma metodologia de ensino que tem como objetivo fomentar no aluno a investigação e materialização dos conceitos aprendidos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO A disciplina aborda o estudo da área de Informática como um todo, e dos conceitos fundamentais,

Leia mais

ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS. Modalidade Subseqüente

ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS. Modalidade Subseqüente Serviço Público Federal Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Campus Belém Processo Seletivo Técnico Subseqüente 2012/2 ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO

Leia mais

CLEUSA REGINA HALFEN Presidente do TRT da 4ª Região/RS

CLEUSA REGINA HALFEN Presidente do TRT da 4ª Região/RS 1624/2014 Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região 2 A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições, e considerando o que consta no PA nº 0008096-80.2014.5.04.0000,

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR DATASUS Maio 2013 Arquivo: Política de Gestão de Riscos Modelo: DOC-PGR Pág.: 1/12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...3 1.1. Justificativa...3 1.2. Objetivo...3 1.3. Aplicabilidade...4

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 008/2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM 08 DE MAIO DE 2015 Dispõe sobre a metodologia

Leia mais

MODELAGEM E COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS COM O USO DO BIM Emily Almeida Beltrão 1 Emerson de Andrade Marques Ferreira 2

MODELAGEM E COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS COM O USO DO BIM Emily Almeida Beltrão 1 Emerson de Andrade Marques Ferreira 2 MODELAGEM E COMPATIBILIZAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS COM O USO DO BIM Emily Almeida Beltrão 1 Emerson de Andrade Marques Ferreira 2 Resumo A grande quantidade de falhas encontradas em projetos,

Leia mais

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 151 30 de novembro 2015 Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Renata Maciel da Silva renata.maciel55@gmail.com

Leia mais

quem somos ...otimiza o ambiente de trabalho, adapta as diversas possibilidades do empreendimento... Solução completa para espaços corporativos.

quem somos ...otimiza o ambiente de trabalho, adapta as diversas possibilidades do empreendimento... Solução completa para espaços corporativos. 2006/2009 quem somos Solução completa para espaços corporativos. A Std Office traz toda expertise do Grupo Stadia, com novas tecnologias, aplicada a arquitetura e engenharia otimiza o ambiente de trabalho,

Leia mais

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013/2015

PLANO DE AÇÃO 2013/2015 PLANO DE AÇÃO 2013/2015 INTRODUÇÃO: Os planos de formação previstos na alínea b) do n.º 2 do artigo 20.º e na alínea d) do artigo 33.º, ambos do Decreto -Lei n.º 75/2008, de 22 de Abril, devem conter,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Case Promon: uma metodologia de Gerenciamento de Projetos. Setembro de 2012

Case Promon: uma metodologia de Gerenciamento de Projetos. Setembro de 2012 Case Promon: uma metodologia de Gerenciamento de Projetos Setembro de 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2004 2000 1997 1990 1979 1965 Hors concours no Top of Mind no Fórum Nacional de Benchmarking em

Leia mais

Licenciamento Ambiental e Municipal

Licenciamento Ambiental e Municipal Curso de Treinamento - ABLP Licenciamento Ambiental e Municipal Simone Paschoal Nogueira 14 de outubro de 2008 Sede da ABLP Procedimento pelo qual o órgão ambiental competente permite a localização, instalação,

Leia mais