Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Paraíba. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Paraíba. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas"

Transcrição

1 Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 19/2014 Paraíba // Federal IPI Consignação industrial // Estadual ICMS Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) e Documento Auxiliar da NF-e (Danfe) // IOB Setorial Federal Automotivo - IPI - Incentivos fiscais - Inovar-Auto - Medida Provisória nº 638/ // IOB Comenta Municipal (João Pessoa) Concessão de desconto no recolhimento do ITBI quando efetuado em parcela única // IOB Perguntas e Respostas IPI Alíquota - Aplicação do princípio da anterioridade nonagesimal Importação por conta e ordem - Procedimento IOF Operações de crédito - Prazo indeterminado - Alíquota ICMS/PB Base de cálculo - Arbitramento pela fiscalização Diferencial de alíquotas - Aquisição de máquina para a parte produtiva do estabelecimento industrial Operações e prestações - Conversão de moeda nacional por estrangeira Veja nos Próximos Fascículos a IPI Embalagem de apresentação e de transporte a ICMS - Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) a ICMS - Escrituração Fiscal Digital (EFD)

2 2014 by IOB FOLHAMATIC EBS > SAGE Capa: Marketing IOB FOLHAMATIC EBS > SAGE Editoração Eletrônica e Revisão: Editorial IOB FOLHAMATIC EBS > SAGE Telefone: (11) (São Paulo) (Outras Localidades) Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) ICMS, IPI e outros : IPI : consignação industrial ed. -- São Paulo : IOB Folhamatic, (Coleção manual de procedimentos) ISBN Imposto sobre Circulação de Mercadorias - Brasil 2. Imposto sobre Produtos Industrializados - Brasil 3. Tributos - Brasil I. Série CDU-34: (81) Índices para catálogo sistemático: 1. Brasil : Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços : ICMS : Direito tributário 34: (81) 2. Brasil : Imposto sobre Produtos Industrializados : IPI : Direito tributário 34: (81) Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução total ou parcial desta obra, por qualquer meio ou processo, sem prévia autorização do autor (Lei n o 9.610, de , DOU de ). Impresso no Brasil Printed in Brazil Boletim IOB

3 Boletimj Manual de Procedimentos a Federal IPI Consignação industrial SUMÁRIO 1. Introdução 2. Consignação industrial 3. Venda do produto 4. Devolução 5. Exemplos 6. Consideração quanto ao ICMS 1. Introdução A operação de consignação industrial é caracterizada pela remessa de produtos com a finalidade de integração ou consumo em processo industrial, cujo faturamento é processado por ocasião da utilização desses produtos pelo estabelecimento industrial destinatário. A legislação do IPI não prevê de forma expressa os procedimentos a serem adotados nas operações de consignação industrial nem concede nenhum tratamento fiscal diferenciado para essas operações. Com base nas regras comuns previstas no Regulamento do IPI, aprovado pelo Decreto nº 7.212/2010, e por analogia às disposições das operações de consignação mercantil, previstas nos arts. 501 a 504, do referido Regulamento, examinaremos, neste texto, o tratamento fiscal aplicável às operações de consignação industrial. industrial, o consignante deverá emitir nota fiscal com destaque do IPI, se devido, indicando como natureza da operação Remessa em consignação e Código Fiscal de Operações e Prestações (CFOP) ou (ver exemplo no subitem 5.1). (RIPI/2010, arts. 35, II, e 501, I) 2.2 Destinatário A operação de consignação industrial é caracterizada pela remessa de produtos com a finalidade de integração ou consumo em processo industrial, cujo faturamento é processado por ocasião da utilização desses produtos pelo estabelecimento industrial destinatário O estabelecimento consignatário deverá registrar a nota fiscal emitida pelo fornecedor no livro Registro de Entradas com utilização do CFOP ou A escrituração será feita com direito ao crédito do IPI destacado no documento fiscal, caso a mercadoria recebida em consignação industrial seja insumo (matéria-prima, produto intermediário ou material de embalagem) a ser utilizado na industrialização de produto que sairá do estabelecimento tributado pelo imposto ou ainda beneficiado com isenção, tributado à alíquota de 0% ou amparado por imunidade (exportação). (RIPI/2010, arts. 456 e 501, II; Lei nº 9.779/1999, art. 11; Instrução Normativa SRF nº 33/1999; Ato Declaratório Interpretativo SRF nº 5/2006) (RIPI/2010, arts. 501 a 504) 2. Consignação industrial 2.1 Remetente Na saída de produtos de estabelecimento industrial, ou a ele equiparado, a título de consignação 2.3 Reajuste de preço Na hipótese de reajuste do preço contratado por ocasião da saída da mercadoria a título de consignação industrial, deverão ser adotados os procedimentos descritos nos subitens seguintes. Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 PB19-01

4 2.3.1 Remetente O estabelecimento consignante emitirá nota fiscal complementar, com destaque do IPI, se devido, com utilização do CFOP ou e com as seguintes indicações (ver exemplo no subitem 5.2): a) a natureza da operação: Reajuste de preço de produto em consignação - Nota Fiscal nº, de / / ; e b) o valor do reajuste. (RIPI/2010, arts. 407, XIII, e 502, I) Destinatário O estabelecimento consignatário deverá registrar a nota fiscal complementar no livro Registro de Entradas, observando o disposto no subitem 2.2. (RIPI/2010, arts. 456 e 502, II) 3. Venda do produto Por ocasião da venda (faturamento) do produto remetido em consignação industrial (no período contratado pelos estabelecimentos consignante e consignatário), o consignante deverá emitir nota fiscal sem o destaque do IPI (uma vez que esse já foi destacado na nota fiscal de remessa - conforme visto no subitem 2.1), com as seguintes indicações (veja exemplo no subitem 5.3): a) a natureza da operação: Venda ; b) o valor da operação, que será aquele correspondente ao preço do produto efetivamente vendido, incluído o valor do reajuste de preço (subitem 2.3.1), se houver; e c) a expressão Simples faturamento de mercadoria em consignação - Nota fiscal nº, de. / e (se for o caso) Reajuste de preço - Nota fiscal nº, de / /. Essa nota fiscal será escriturada no livro Registro de Saídas do emitente com utilização apenas das colunas Documento Fiscal e Observações, indicando nessa a expressão Venda em consignação - Nota fiscal nº, de / /. (RIPI/2010, arts. 459 e 503, I, parágrafo único) 4. Devolução Na devolução do produto recebido a título de consignação industrial e não utilizado no referido processo pelo consignatário (estabelecimento industrial), deverão ser adotados os procedimentos descritos nos subitens seguintes. 4.1 Remetente O estabelecimento industrial (consignatário) emitirá nota fiscal com utilização do CFOP ou 6.918, indicando (ver exemplo no subitem 5.4): a) a natureza da operação: Devolução de produto recebido em consignação ; b) o valor do produto efetivamente devolvido, sobre o qual foi pago o IPI; c) o valor do imposto, destacado na nota fiscal por ocasião da remessa em consignação; e d) a expressão Devolução (parcial ou total, conforme o caso) de produto recebido em consignação - Nota fiscal nº, de / /. Notas (1) O valor do IPI será apenas indicado no campo Informações Complementares do quadro Dados Adicionais da Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A, e não destacado no campo próprio do documento. (2) Na hipótese de emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), como o sistema não permite a inclusão do valor do IPI, no campo próprio, e até que seja disponibilizada a versão 3.10 do leiaute desse documento fiscal, o recurso a ser utilizado é, a nosso ver, a indicação do respectivo valor no campo Outras Despesas Acessórias, para que os valores das parcelas correspondam ao total do documento fiscal. (RIPI/2010, arts. 231, caput, I, 416, XIV e 504, caput, I; Manual de Orientação do Contribuinte - NF-e, versão 5.0, Anexo I, item 246; Nota Técnica 2013/005, versão 1.03, itens 3.5 e 3.16, B ) Solução de Consulta - Receita Federal A Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB), por meio da Solução de Consulta, a seguir transcrita, entende que a operação de devolução acobertada por NF-e deva ser emitida em conformidade com os arts. 231, I, e 416, XIV do RIPI/2010, ou seja, com indicação do valor do IPI no campo Informações Complementares do documento fiscal: MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 5 de 21 de Janeiro de PB Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 - Boletim IOB

5 ASSUNTO: Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI EMENTA: DEVOLUÇÃO DE PRODUTOS. EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA. A Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) é um documento de existência apenas digital e que contém os mesmos dados da Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A, emitida em papel e a qual substitui. Assim sendo, na operação de devolução de produtos que for acobertada por NF-e e seu documento auxiliar DANFE -o qual acompanha os produtos devolvidos -, o estabelecimento que fizer a devolução deverá emitir tais documentos em conformidade com o disposto no art. 231, inciso I, c/c art. 416, inciso XIV, do Ripi/2010. Embora a Receita Federal tenha se pronunciado na forma ora descrita, em face da validação de regras de negócios da NF-e, constante do item do Manual de Orientação do Contribuinte, versão 5.0, se o total do documento apresentar valor diverso da soma dos valores que o compõe, o sistema informa o status de rejeição por meio da mensagem 610, conforme segue: # Campo Regra de Validação Aplic. Msg. Efeito Descrição Erro GW16 Se NF-e de Saída (tpnf=1): -Total do vnf (id:w16) difere do somatório de: (+) vprod (id:w07) (-) vdesc (id:w10) (+) vst (id:w06) (+) vfrete (id:w08) (+) vseg (id:w09) (+) voutro (id:w15) (+) vii (id:w11) (+) vipi (id:w12) (+) vserv (id:w18) (*3) Facult. 610 Rej. Rejeição: Total da NF difere do somatório dos valores compõe o valor Total da NF (NT 2011/005) Desse modo, para evitar o impasse existente entre as disposições do RIPI/2010 e as do Manual de Orientação da NF-e, versão 5.0, entendemos que o valor do IPI nas operações de devolução poderá ser lançado no campo Outras Despesas Acessórias desse documento fiscal, conforme mencionado na nota 2, do subitem 4.1. (RIPI/2010, arts. 231, I, e 416, XIV; Solução de Consulta RFB nº 5/2011) Devolução simbólica O consignatário deverá emitir nota fiscal indicando, além dos demais requisitos, como natureza da operação, a expressão Devolução simbólica de mercadoria recebida em consignação - CFOP ou e no campo Informações Complementares, a expressão Nota fiscal emitida em função de venda de mercadoria recebida em consignação industrial, pela nota fiscal nº, de / /. No que se refere à emissão de NF-e, convém examinar os subitens 4.1 e anteriores. (RIPI/2010, art. 503, II, b ) 4.2 Destinatário O estabelecimento destinatário da devolução (consignante) deverá escriturar a nota fiscal de devolução no livro Registro de Entradas, utilizando o CFOP ou 2.918, creditando-se do valor do IPI indicado na nota fiscal emitida pelo consignatário. (RIPI/2010, arts. 229, 231, caput, II, 456 e 504, caput, II) Devolução simbólica O estabelecimento destinatário da devolução (consignante) deverá escriturar a nota fiscal de devolução simbólica, no livro Registro de Entradas, utilizando o CFOP ou 2.919, e creditando-se do valor do IPI indicado na nota fiscal emitida pelo consignatário. (RIPI/2010, arts. 229, 231, caput, II, 456 e 504, caput, II) Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 PB19-03

6 5. Exemplos 5.1 Remessa em consignação industrial PB Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 - Boletim IOB

7 5.2 Reajuste de preço Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 PB19-05

8 5.3 Venda PB Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 - Boletim IOB

9 5.4 Devolução Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 PB19-07

10 5.5 Devolução simbólica 6. Considerações quanto ao ICMS Os contribuintes deverão observar a legislação do ICMS vigente no Estado onde se realizar a operação, em especial quanto à emissão de nota fiscal de devolução simbólica, no último dia de cada mês, das mercadorias efetivamente utilizadas ou consumidas no processo industrial, além da possibilidade de aplicação dos procedimentos previstos no Protocolo ICMS nº 52/2000 nas operações interestaduais, pelas Unidades da Federação signatárias. (Protocolo ICMS nº 52/2000) N PB Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 - Boletim IOB

11 a Estadual ICMS Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) e Documento Auxiliar da NF-e (Danfe) SUMÁRIO 1. Introdução 2. Definição 3. Contribuintes obrigados ao uso 4. Não aplicabilidade da NF-e 5. Cancelamento da inscrição estadual do contribuinte no Cadastro de Contribuintes do ICMS 6. Credenciamento 7. Contribuinte obrigado à NF-e 8. Emissão da NF-e 9. Documento inidôneo 10. Transmissão da NF-e 11. Danfe 12. Guarda de documentos 13. Cancelamento da NF-e 14. Carta de Correção Eletrônica 15. Consulta à NF-e 16. Utilização de FS para a impressão de Danfe 17. Consulta eletrônica 18. Registro de passagem eletrônico 19. DPEC 1. Introdução Com o objetivo de implantar um modelo nacional de documento fiscal eletrônico que venha a substituir a sistemática atual de emissão do documento fiscal em papel, com validade jurídica garantida pela assinatura digital do remetente, simplificando as obrigações acessórias dos contribuintes e permitindo, ao mesmo tempo, o acompanhamento em tempo real das operações comerciais pelo Fisco, foi instituída a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), por meio do Ajuste Sinief nº 7/2005. O referido Ajuste Sinief foi aprovado pelo Estado da Paraíba por meio do Decreto nº /2007, que alterou o Regulamento do ICMS para dispor sobre o uso da NF-e e do Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica (Danfe). Nesta matéria, trataremos da NF-e, que poderá ser utilizada em substituição à Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A, pelos contribuintes do ICMS e do IPI. Cabe ressaltar que, desde 1º , a NF-e pode ser utilizada pelos contribuintes do ICMS, observado o disposto no art. 166-A do RICMS-PB/1997, em substituição: a) à Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A; b) à Nota Fiscal de Produtor, modelo 4, somente pelos contribuintes que possuem inscrição estadual e estejam inscritos no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ); c) Nota Fiscal de Venda a Consumidor, modelo 2, a critério da Secretaria de Estado da Receita; d) ao Cupom Fiscal emitido por equipamento Emissor de Cupom Fiscal (ECF), a critério da Secretaria da Receita. (Ajuste Sinief nº 7/2005, cláusula primeira; RICMS-PB/1997, art. 166) 2. Definição Considera-se NF-e o documento emitido e armazenado eletronicamente, de existência apenas digital, com o intuito de documentar operações e prestações, cuja validade jurídica é garantida pela assinatura digital do emitente e pela autorização de uso pela Secretaria de Estado da Receita, antes da ocorrência do fato gerador. (RICMS-PB/1997, art. 166, 1º) 3. Contribuintes obrigados ao uso O Ajuste Sinief nº 7/2005, que instituiu a NF-e, não estabeleceu data específica para o início de sua utilização. Entretanto, deixou a critério das Unidades da Federação estabelecer essa determinação, com base em protocolos ICMS, utilizando critérios relacionados à receita de vendas e serviços dos contribuintes ou à atividade econômica por estes exercida. Nesse sentido, foi editado o Protocolo ICMS nº 10/2007, que determinou a obrigatoriedade de uso da NF-e desde 1º para os contribuintes que exercem a atividade de distribuição de combustíveis líquidos classificados no código /01 da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) ou para a indústria de cigarros classificados no código CNAE /01. Ressalte-se que esse protocolo tem sofrido diversas alterações, para incluir segmentos e alterar prazos. A obrigatoriedade aplica-se a todas as operações realizadas pelos contribuintes, ficando-lhes vedada a emissão de Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A. Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 PB19-09

12 Nota A Portaria GSER nº 109/2013 estabeleceu a obrigatoriedade de emissão da NF-e, modelo 55, a partir de 1º , em substituição à Nota Fiscal, modelo 1, 1-A ou 4, para todos os estabelecimentos situados no Estado, independente da atividade exercida. A partir de 1º , as Portarias GSER nºs 78/2009 e 78/2010 ficam revogadas. (RICMS-PB/1997, art. 166-A; Protocolos ICMS nºs 10/2007 e 9/2009; Portaria GSER nº 109/2013) 3.1 Prorrogação em caráter excepcional Importa observar que os contribuintes com as atividades a seguir estão obrigados à utilização da NF-e, a contar de 1º : a) impressão de jornais; b) representantes comerciais e agentes do comércio de jornais, revistas e outras publicações; c) outros representantes comerciais e agentes do comércio de jornais, revistas e outras publicações; d) edição de jornais; e) edição integrada à impressão de jornais. (RICMS-PB/1997, art. 166-A; Protocolo ICMS nº 86/2011) 3.2 Simples Nacional Foram convalidadas as operações realizadas pelos contribuintes optantes do Simples Nacional, acobertadas pela Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A, emitida depois da data-limite para obrigatoriedade de utilização da NF-e, desde que a adequação tenha ocorrido até 90 dias depois da data indicada no Anexo Único da Portaria nº 78/2010. (Portaria GSER nº 21/2011) 4. Não aplicabilidade da NF-e A obrigatoriedade de emissão da NF-e, modelo 55, em substituição à Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A, não se aplica: a) às operações realizadas fora do estabelecimento, relativas às saídas de mercadorias remetidas sem destinatário certo, desde que os documentos fiscais relativos à remessa e ao retorno sejam NF-e; b) aos produtores rurais não inscritos no CNPJ; c) ao microempreendedor individual (MEI), de que trata o art. 18-A da Lei Complementar nº 123/2006. (Portaria GSER nº 109/2013, art. 1º, 2º) 5. Cancelamento da inscrição estadual do contribuinte no Cadastro de Contribuintes do ICMS O descumprimento de utilização da NF-e, quando obrigado, poderá implicar no cancelamento ex officio da inscrição estadual do contribuinte no Cadastro de Contribuintes do ICMS da Paraíba (CCICMS/PB). (Portaria GSER nº 109/2013, art. 1º, 3º) 6. Credenciamento Para a emissão da NF-e, o contribuinte deverá estar previamente credenciado pela Secretaria de Estado da Receita. (Portaria GSER nº 109/2013, art. 2º) 6.1 Forma de credenciamento O contribuinte ativo no CCICMS, que emitir a NF-e, ou seu contador, deverá obter uma senha de acesso aos serviços da Internet e preencher o formulário de credenciamento para uso de NF-e no site www. receita.pb.gov.br. A senha de acesso deverá ser obtida na opção Serviços/Cadastro de Usuários. O formulário de credenciamento encontra-se na opção Serviços/Credenciamento da NF-e. Os contribuintes obrigados à emissão da NF-e que não preencherem o formulário de credenciamento para uso de NF-e até 15 dias antes do prazo da obrigatoriedade, serão credenciados ex officio. (Portaria GSER nº 160/2008, arts. 1º e 2º) 6.2 Contribuintes não obrigados O credenciamento dos contribuintes não obrigados ocorrerá mediante comprovação da aquisição do certificado digital do tipo e-cnpj, e do preenchimento do formulário eletrônico, de que trata o subtópico 6.1. (Portaria GSER nº 160/2008, art. 3º) 6.3 Relação de contribuintes credenciados A relação dos contribuintes credenciados estará disponível no portal da NF-e, no site pb.gov.br. (Portaria GSER nº 160/2008, art. 4º) 6.4 Testes de emissão da NF-e Depois do credenciamento, o contribuinte deverá iniciar os testes de emissão da NF-e, devendo observar os requisitos especificados no Manual de Orienta PB Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 - Boletim IOB

13 ção do Contribuinte, disponível no portal da NF-e, no site Encerrada a fase de testes, o contribuinte deverá comunicar à Secretaria de Estado da Receita e aguardar o credenciamento ao ambiente de produção. (Portaria GSER nº 160/2008, arts. 5º e 6º) 7. Contribuinte obrigado à NF-e Os contribuintes obrigados à emissão da NF-e deverão recolher à repartição do seu domicílio fiscal os talões ou formulários contínuos de Nota Fiscal, modelo 1, 1-A ou 4, até 31 de janeiro de Os estabelecimentos que realizarem operações deverão requerer permissão à repartição do seu domicílio fiscal para continuarem de posse dos talões já autorizados, a qual deverá apor em todas as vias dos documentos fiscais em papel a mensagem: Documento válido apenas se acompanhado com o Danfe da NF-e de remessa à venda. Os contribuintes que realizem operações sujeitas ao ISS e ao ICMS, e que já estejam de posse de documentos fiscais conjugados, poderão requerer à repartição do seu domicílio fiscal a permissão para continuar de posse dos documentos fiscais, para utilizá-los somente como Nota Fiscal de Serviço, desde que ainda não tenha sido autorizado pela prefeitura o uso da NF-e conjugada. (Portaria GSER nº 109/2013, art. 3º) 8. Emissão da NF-e Para emissão da NF-e, o contribuinte deverá solicitar previamente seu credenciamento na Secretaria de Estado da Receita. O contribuinte credenciado para emissão de NF-e deverá observar, no que couber, as disposições relativas à emissão de documentos fiscais por sistema eletrônico de processamento de dados, constantes dos Convênios nºs 57 e 58/1995 e legislação superveniente. É vedada a emissão de Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A, ou da Nota Fiscal de Produtor, modelo 4, por contribuinte obrigado à emissão de NF-e, salvo disposição em contrário. Na hipótese em que o contribuinte credenciado a emitir NF-e exerça atividade sujeita à incidência do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN), poderá utilizar os campos da NF-e relativos ao ISSQN, desde que a legislação municipal assim lhe permita, devendo disponibilizar o arquivo digital da NF-e ou o respectivo Danfe à administração tributária municipal, conforme disposto na respectiva legislação. Desde 1º , ato Cotepe publica o Manual de Orientação - Contribuinte, disciplinando a definição das especificações e critérios técnicos necessários para a integração entre os portais das Secretarias de Fazendas dos Estados e os sistemas de informações das empresas emissoras de NF-e. Nota técnica publicada no Portal Nacional da NF-e poderá esclarecer questões referentes ao Manual de Orientação - Contribuinte. Desde 1º , a NF-e deve ser emitida com base em leiaute estabelecido no Manual de Orientação - Contribuinte, por meio de software desenvolvido ou adquirido pelo contribuinte ou disponibilizado pelo Fisco, observadas as seguintes formalidades: a) o arquivo digital da NF-e deverá ser elaborado no padrão XML (Extended Markup Language); b) a numeração da NF-e será sequencial de 1 a , por estabelecimento e por série, devendo ser reiniciada quando atingido esse limite; Nota As séries serão designadas por algarismos arábicos, em ordem crescente, e a quantidade de séries poderá ser restringida pelo Fisco. É vedada a adoção do algarismo zero e de subséries. c) a NF-e deverá conter um código numérico, gerado pelo emitente, que comporá a chave de acesso de identificação da NF-e, juntamente com o CNPJ do emitente, número e série da NF-e; Nota Para os efeitos da geração do código numérico, na hipótese de a NF-e não possuir série, o campo correspondente deverá ser preenchido com zeros. d) a NF-e deverá ser assinada pelo emitente, com assinatura digital, certificada por entidade credenciada pela Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil), que contenha o CNPJ do estabelecimento emitente ou da matriz, a fim de garantir a autoria do documento digital. A NF-e somente será considerada documento fiscal depois de ter sido transmitida ao Fisco e, consequentemente, ter sido autorizado o seu uso. Nota A Autorização de Uso da NF-e não implica validação das informações nela contidas. Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 PB19-11

14 Desde 1º , a identificação das mercadorias comercializadas com a utilização da NF-e deve conter, também, o seu correspondente código estabelecido na Nomenclatura Comum do Mercosul - Sistema Harmonizado (NCM/SH), nas operações: a) realizadas por estabelecimento industrial ou a ele equiparado, nos termos da legislação federal; b) de comércio exterior. Nas operações não alcançadas pelos estabelecimentos citados, será obrigatória somente a indicação do correspondente capítulo da NCM/SH. Nos casos em que o remetente esteja obrigado à emissão da NF-e, é vedada ao destinatário a aceitação de qualquer outro documento em sua substituição, exceto nos casos previstos na legislação estadual. Desde 1º , quando da utilização do leiaute definido na versão 5.0 do Manual de Orientação - Contribuinte, devem ser indicados na NF-e o Código de Regime Tributário (CRT) e, quando for o caso, o Código de Situação da Operação no Simples Nacional (CSOSN), conforme definido no Anexo Códigos de Detalhamento do Regime e da Situação. Desde 1º , é obrigatório o preenchimento dos campos cean e ceantrib da NF-e, quando o produto comercializado possuir código de barras com Numeração Global de Item Comercial (GTIN). (RICMS-PB/1997, arts. 166-B, 166-B1, 166-C e 166-T) 9. Documento inidôneo Ainda que formalmente regular, não será considerada documento fiscal idôneo a NF-e que tiver sido emitida ou utilizada com dolo, fraude, simulação ou erro, que possibilite, mesmo que a terceiro, o não pagamento do imposto ou qualquer outra vantagem indevida. Para os efeitos fiscais, estes vícios atingem também o respectivo Danfe, que não será considerado documento fiscal idôneo. (RICMS-PB/1997, art. 166-D, 1º e 2º) 10. Transmissão da NF-e A transmissão do arquivo digital da NF-e deverá ser efetuada via Internet, por meio de protocolo de segurança ou criptografia, com utilização de software desenvolvido ou adquirido pelo contribuinte ou disponibilizado pelo Fisco. A transmissão implica solicitação de concessão de Autorização de Uso da NF-e. Previamente à concessão da Autorização de Uso da NF-e, a Secretaria de Estado da Receita, por meio do sistema da Sefaz virtual do RS, deve analisar os seguintes elementos: a) a regularidade fiscal do emitente; b) o credenciamento do emitente, para emissão de NF-e; c) a autoria da assinatura do arquivo digital da NF-e; d) a integridade do arquivo digital da NF-e; e) desde 1º , a observância ao leiaute do arquivo estabelecido no Manual de Orientação - Contribuinte; f) a numeração do documento. A autorização de uso poderá ser concedida pela Secretaria de Estado da Receita por meio da infraestrutura tecnológica da Receita Federal do Brasil (RFB) ou de outra Unidade da Federação, na condição de contingência. Do resultado da análise, o emitente será informado pela Secretaria de Estado da Receita, por meio do sistema de autorização da NF-e: a) da rejeição do arquivo da NF-e, em virtude de: a.1) falha na recepção ou no processamento do arquivo; a.2) falha no reconhecimento da autoria ou da integridade do arquivo digital; a.3) remetente não credenciado para emissão da NF-e; a.4) duplicidade de número da NF-e; a.5) falha na leitura do número da NF-e; a.6) outras falhas no preenchimento ou no leiaute do arquivo da NF-e; b) da denegação da Autorização de Uso da NF-e, em virtude da: b.1) irregularidade fiscal do emitente; b.2) irregularidade fiscal do destinatário; c) da concessão da Autorização de Uso da NF-e. Depois da concessão da Autorização de Uso, a NF-e não poderá ser alterada. No caso de rejeição do arquivo digital, o mesmo não será arquivado pelo Fisco para consulta, sendo permitida ao interessado nova transmissão do arquivo da NF-e nas hipóteses das letras a.1, a.2 e a.5 mencionadas anteriormente PB Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 - Boletim IOB

15 No caso de denegação da Autorização de Uso da NF-e, o arquivo digital transmitido ficará arquivado pelo Fisco para consulta, identificado como Denegada a Autorização de Uso. Com a denegação da Autorização de Uso da NF-e, não será possível sanar a irregularidade e solicitar nova Autorização de Uso da NF-e que contenha a mesma numeração. A cientificação será efetuada mediante protocolo disponibilizado ao emitente ou a terceiro autorizado pelo emitente, via Internet, contendo, conforme o caso, a chave de acesso, o número da NF-e, a data e a hora do recebimento da solicitação pela Secretaria de Estado da Receita e o número do protocolo, podendo ser autenticado mediante assinatura digital gerada com certificação digital da Secretaria de Estado da Receita ou outro mecanismo de confirmação de recebimento. Nos casos de rejeição do arquivo da NF-e e de denegação da Autorização de Uso da NF-e, o protocolo conterá informações que justifiquem de forma clara e precisa o motivo pelo qual a autorização de uso não foi concedida. Desde 1º , deve, obrigatoriamente, ser encaminhado ou disponibilizado download do arquivo da NF-e e seu respectivo Protocolo de Autorização de Uso: a) ao destinatário da mercadoria, pelo emitente da NF-e, imediatamente depois do recebimento da Autorização de Uso da NF-e; b) ao transportador contratado, pelo tomador do serviço, antes do início da prestação correspondente. Desde 1º , as empresas destinatárias podem informar o seu endereço de correio eletrônico no Portal Nacional da NF-e, conforme padrões técnicos estabelecidos no Manual de Orientação - Contribuinte. (RICMS-PB/1997, arts. 166-E a 166-G) 10.1 Impossibilidade técnica Quando, em decorrência de problemas técnicos, não for possível transmitir a NF-e para a Unidade da Federação do emitente, ou obter resposta à solicitação de Autorização de Uso da NF-e, o contribuinte poderá operar em contingência, gerando arquivos que indiquem este tipo de emissão, conforme definições constantes no Manual de Orientação - Contribuinte, mediante a adoção de uma das seguintes alternativas: a) transmitir a NF-e para o Sistema de Contingência do Ambiente Nacional (Scan) - RFB ou para o Sistema de Sefaz Virtual de Contingência (SVC), nos termos dos arts. 166-D, 166-E e 166-F do RICMS-PB/1997; b) transmitir Declaração Prévia de Emissão em Contingência (DPEC) - NF-e, para a RFB, nos termos do art. 166-S do RICMS-PB/1997; c) imprimir o Danfe em Formulário de Segurança (FS), observado o disposto no art. 166-P do RICMS-PB/1997; d) imprimir o Danfe em Formulário de Segurança para Documentos Auxiliares de Documentos Fiscais Eletrônicos (FS-DA), observado o disposto no Convênio ICMS nº 110/2008. Na hipótese da letra b, o Danfe deverá ser impresso em, no mínimo, 2 vias, constando no corpo a expressão Danfe impresso em contingência - DPEC regularmente recebido pela Receita Federal do Brasil, tendo as vias a seguinte destinação: a) uma das vias permitirá o trânsito das mercadorias e deverá ser mantida em arquivo pelo destinatário, pelo prazo estabelecido na legislação tributária para a guarda de documentos fiscais; b) outra via deverá ser mantida em arquivo pelo emitente, pelo prazo estabelecido na legislação tributária para a guarda dos documentos fiscais. Presume-se inábil o Danfe impresso, quando não houver a regular recepção da DPEC pela RFB, nos termos do art. 166-S do RICMS-PB/1997. Na hipótese das letras c ou d, o FS ou FS-DA deverá ser utilizado para impressão de, no mínimo, 2 vias do Danfe, constando no corpo a expressão Danfe em contingência - Impresso em decorrência de problemas técnicos, tendo as vias a seguinte destinação: a) uma das vias permitirá o trânsito das mercadorias e deverá ser mantida em arquivo pelo destinatário, pelo prazo estabelecido na legislação tributária para a guarda de documentos fiscais; b) outra via deverá ser mantida em arquivo pelo emitente, pelo prazo estabelecido na legislação tributária para a guarda dos documentos fiscais. Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 PB19-13

16 Na hipótese das letras c ou d deste tópico, existindo a necessidade de impressão de vias adicionais do Danfe, dispensa-se a exigência do uso do FS ou FS-DA. Na hipótese das letras b, c e d, imediatamente depois da cessação dos problemas técnicos que impediram a transmissão ou recepção do retorno da autorização da NF-e, e até o prazo-limite de 168 horas da emissão da NF-e, contado a partir da emissão da NF-e, o emitente deverá transmitir à administração tributária de sua jurisdição as NF-e geradas em contingência. Se, depois de decorrido o prazo-limite anteriormente mencionado, o destinatário não puder confirmar a existência da Autorização de Uso da NF-e correspondente, deverá comunicar imediatamente o fato ao Fisco. Se a NF-e transmitida conforme parágrafo anterior vier a ser rejeitada pela administração tributária, o contribuinte deverá: a) gerar novamente o arquivo com a mesma numeração e série, sanando a irregularidade, desde que não se altere: a.1) as variáveis que determinam o valor do imposto, tais como: base de cálculo, alíquota, diferença de preço, quantidade, valor da operação ou da prestação; a.2) a correção de dados cadastrais que implique mudança do remetente ou do destinatário; a.3) a data de emissão ou de saída; b) solicitar Autorização de Uso da NF-e; c) imprimir o Danfe correspondente à NF-e autorizada, no mesmo tipo de papel utilizado para imprimir o Danfe original; d) providenciar, junto ao destinatário, a entrega da NF-e autorizada bem como do novo Danfe impresso nos termos da letra c, caso a geração saneadora da irregularidade da NF-e tenha promovido alguma alteração no Danfe. O destinatário deverá manter em arquivo, pelo prazo decadencial estabelecido pela legislação tributária, a via do Danfe recebida nos termos da letra d. Na hipótese das letras b, c e d anteriores, as seguintes informações farão parte do arquivo da NF-e, devendo ser impressas no Danfe: a) o motivo da entrada em contingência; b) a data, e a hora, com minutos e segundos, do seu início. Considera-se emitida a NF-e em contingência, tendo como condição resolutória a sua autorização de uso: a) na hipótese de transmissão de DPEC (NF-e), no momento da regular recepção da DPEC pela RFB, conforme previsto no art. 166-S do RICMS-PB/1997; b) na hipótese de impressão de Danfe em FS ou o Danfe em FS-DA, no momento da impressão do respectivo Danfe em contingência. Na hipótese de venda ocorrida fora do estabelecimento, havendo problemas técnicos, o contribuinte deverá emitir em, no mínimo, 2 vias, o Danfe Simplificado em contingência, com a expressão Danfe Simplificado em Contingência, sendo dispensada a utilização de FS. Em relação às NF-e que foram transmitidas antes da contingência e ficaram pendentes de retorno, o emitente deverá, depois da cessação das falhas: a) solicitar o cancelamento das NF-e que retornaram com autorização de uso e cujas operações não se efetivaram ou foram acobertadas por NF-e emitidas em contingência; b) solicitar a inutilização da numeração das NF-e que não foram autorizadas nem denegadas. É vedada a reutilização, em contingência, de número de NF-e transmitida com tipo de emissão normal. (RICMS-PB/1997, art. 166-J) 11. Danfe É obrigatório o uso do Danfe, conforme leiaute estabelecido no Manual de Orientação - Contribuinte, para acompanhar o trânsito das mercadorias acobertado por NF-e ou para facilitar a consulta da NF-e. O Danfe somente poderá ser utilizado para transitar com as mercadorias depois da concessão da Autorização de Uso da NF-e. Desde 1º , a concessão da autorização de uso é formalizada por meio do fornecimento do correspondente número de protocolo, o qual deverá ser impresso no Danfe, conforme definido no Manual de Orientação - Contribuinte, ressalvada a hipótese de NF-e emitida em contingência. No caso de destinatário não credenciado para emitir NF-e, a sua escrituração poderá ser efetuada com base nas informações contidas no Danfe, observado que deverá ser mantido em arquivo o Danfe rela PB Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 - Boletim IOB

17 tivo à NF-e da operação, devendo ser apresentado ao Fisco, quando solicitado. O Danfe utilizado para acompanhar o trânsito de mercadorias acobertado por NF-e será impresso em uma única via. O Danfe deverá ser impresso em papel, exceto papel jornal, no tamanho mínimo A4 (210 x 297 mm) e máximo ofício 2 (230 x 330 mm), podendo ser utilizadas folhas soltas, FS, FS-DA, formulário contínuo ou formulário pré-impresso. Desde 1º , o Danfe deve conter código de barras, conforme padrão estabelecido no Manual de Orientação - Contribuinte. O Danfe poderá conter outros elementos gráficos, desde que não prejudiquem a leitura do seu conteúdo ou do código de barras por leitor óptico. As alterações de leiaute do Danfe permitidas são as previstas no Manual de Orientação - Contribuinte. Os títulos e as informações dos campos constantes no Danfe devem ser grafados de modo que seus dizeres e suas indicações estejam bem legíveis. A aposição de carimbos no Danfe, quando do trânsito da mercadoria, deve ser feita em seu verso. É permitida a indicação de informações complementares de interesse do emitente, impressas no verso do Danfe, hipótese em que sempre será reservado espaço, com a dimensão mínima de 10 x 15 cm, em qualquer sentido, para atendimento ao disposto no parágrafo anterior. Desde 1º , na hipótese de venda ocorrida fora do estabelecimento, o Danfe pode ser impresso em qualquer tipo de papel, exceto papel jornal, em tamanho inferior ao A4 (210 x 297 mm), caso em que será denominado Danfe Simplificado, devendo ser observadas as definições constantes do Manual de Orientação - Contribuinte. Em relação ao Danfe e à NF-e, aplicam-se, no que couber, as normas previstas para os demais documentos fiscais. (RICMS-PB/1997, arts. 166-H e 166-U) 12. Guarda de documentos O emitente e o destinatário deverão manter a NF-e em arquivo digital, sob sua guarda e responsabilidade, mesmo que fora da empresa, pelo prazo estabelecido na legislação tributária para a guarda dos documentos fiscais, devendo ser disponibilizada ao Fisco, quando solicitada. O destinatário deverá verificar a validade e a autenticidade da NF-e e a existência de Autorização de Uso da NF-e. Caso o destinatário não seja contribuinte credenciado para a emissão de NF-e, alternativamente ao disposto anteriormente, deverá manter em arquivo o Danfe relativo à NF-e da operação, devendo ser apresentado ao Fisco, quando solicitado. O emitente de NF-e deverá guardar, pelo prazo estabelecido na legislação tributária, o Danfe que acompanhou o retorno de mercadoria não entregue ao destinatário e que contenha o motivo do fato em seu verso. (RICMS-PB/1997, art. 166-I) 13. Cancelamento da NF-e Desde 1º , depois da concessão de Autorização de Uso da NF-e, o emitente pode solicitar o cancelamento da NF-e, em prazo não superior ao máximo definido no Manual de Orientação - Contribuinte, contado do momento em que foi concedida a respectiva Autorização de Uso da NF-e, desde que não tenha havido a circulação da mercadoria ou a prestação de serviço. O cancelamento somente poderá ser efetuado mediante pedido de cancelamento de NF-e, transmitido ao Fisco. Desde 1º , o pedido de cancelamento de NF-e deve atender ao leiaute estabelecido no Manual de Orientação - Contribuinte. A transmissão do pedido de cancelamento de NF-e será efetivada via Internet, por meio de protocolo de segurança ou criptografia. O pedido de cancelamento de NF-e deverá ser assinado pelo emitente com assinatura digital certificada por entidade credenciada pela ICP-Brasil, contendo o número do CNPJ de qualquer dos estabelecimentos do contribuinte, a fim de garantir a autoria do documento digital. A transmissão poderá ser realizada por meio de software desenvolvido ou adquirido pelo contribuinte ou disponibilizado pela Secretaria de Estado da Receita. A cientificação do resultado do pedido de cancelamento de NF-e será feita mediante protocolo, disponibilizado ao emitente via Internet e autenticado Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 PB19-15

18 por meio de assinatura digital gerada com certificação digital ou outro mecanismo de confirmação de recebimento, contendo: a) a chave de acesso; b) o número da NF-e; c) a data e a hora do recebimento da solicitação pelo Fisco; d) o número do protocolo. As NF-e canceladas, denegadas, e os números inutilizados devem ser escriturados, sem valores monetários, de acordo com a legislação tributária vigente. (RICMS-PB/1997, arts. 166-K, 166-L e 166-T) 13.1 Cancelamento de NF-e mediante processo administrativo O pedido de cancelamento de NF-e, formulado mediante requerimento assinado pelo representante legal ou pelo contador cadastrado na Ficha de Atualização Cadastral (FAC) da empresa requerente, narrando, minuciosamente, os fatos que o justifique, deverá ser protocolizado na repartição fiscal do domicílio do contribuinte, fazendo juntada dos seguintes documentos: a) cópia do Danfe da NF-e a ser cancelada; b) cópia do novo Danfe emitido em substituição à NF-e a ser cancelada, se for o caso; c) na hipótese de o pedido de cancelamento se referir à NF-e emitida para órgão público, também será exigido documento expedido pela instituição pública, justificando os motivos da recusa ou da devolução do documento fiscal emitido anteriormente; d) cópia do Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas (CTRC) ou do Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e), bem como declaração da empresa de transporte de que a operação não foi realizada, na hipótese de cancelamento de NF-e. No caso de requerimento assinado por procurador, deverão ser anexadas ao processo cópias da procuração expedida pelo titular ou por um dos sócios da empresa, bem como da identidade e do CPF do procurador. O processo do pedido de cancelamento da NF-e será encaminhado ao Núcleo de Análise e Planejamento de Documentos Fiscais (NAPDF), para análise e parecer. Caso o parecer seja favorável, a autoridade fiscal responsável pela emissão do parecer liberará, de imediato, no Sistema da Sefaz Virtual, para o contribuinte efetuar o cancelamento da NF-e. Depois do retorno do processo à repartição fiscal de origem, esta deverá notificar o contribuinte sobre o resultado do processo. (Portaria GSER nº 49/2011) 13.2 Pedido de inutilização O contribuinte deverá solicitar, mediante pedido de inutilização de número da NF-e, até o 10º dia do mês subsequente, a inutilização de número de NF-e não utilizado, na eventualidade de quebra de sequência da numeração da NF-e. A transmissão do pedido de inutilização de número da NF-e será efetivada via Internet, por meio de protocolo de segurança ou criptografia. A cientificação do resultado do pedido de inutilização de número da NF-e será feita mediante protocolo disponibilizado ao emitente, via Internet, contendo, conforme o caso, os números das NF-e, a data e a hora do recebimento da solicitação pela Secretaria de Estado da Receita e o número do protocolo, podendo ser autenticado mediante assinatura digital gerada com certificação digital da Secretaria de Estado da Receita ou outro mecanismo de confirmação de recebimento. (RICMS-PB/1997, art. 166-M) 14. Carta de Correção Eletrônica Depois da concessão da Autorização de Uso da NF-e, durante o prazo estabelecido no Manual de Orientação - Contribuinte, o emitente poderá sanar erros em campos específicos da NF-e, observado o disposto no 1º-A do art. 7º do Convênio Sinief s/nº de 1970, por meio de Carta de Correção Eletrônica (CC-e), transmitida à Secretaria de Estado da Receita. Desde 1º , a CC-e deve atender ao leiaute estabelecido no Manual de Orientação - Contribuinte e ser assinada pelo emitente com assinatura digital certificada por entidade credenciada pela ICP-Brasil, contendo o nº do CNPJ de qualquer dos estabelecimentos do contribuinte, a fim de garantir a autoria do documento digital. A transmissão da CC-e será efetivada via Internet, por meio de protocolo de segurança ou criptografia. A cientificação da recepção da CC-e será feita mediante protocolo disponibilizado ao emitente, via Internet, contendo, conforme o caso, a chave PB Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 - Boletim IOB

19 de acesso, o número da NF-e, a data e a hora do recebimento da solicitação pela Secretaria de Estado da Receita e o número do protocolo, podendo ser autenticado mediante assinatura digital gerada com certificação digital da Secretaria de Estado da Receita ou outro mecanismo de confirmação de recebimento. Havendo mais de uma CC-e para a mesma NF-e, o emitente deverá consolidar na última todas as informações anteriormente retificadas. O protocolo mencionado não implica validação das informações contidas na CC-e. Desde 1º , não poderá ser utilizada carta de correção em papel para sanar erros em campos específicos de NF-e. (RICMS-PB/1997, arts. 166-M, 1º, e 166-M1) 15. Consulta à NF-e Depois da concessão de Autorização de Uso da NF-e, a Secretaria de Estado da Receita disponibilizará na Internet consulta relativa à NF-e pelo prazo mínimo de 180 dias. Decorrido o prazo anteriormente mencionado, a consulta à NF-e poderá ser substituída pela prestação de informações parciais que identifiquem a NF-e (número, data de emissão, CNPJ do emitente e do destinatário, valor e sua situação), que ficarão disponíveis pelo prazo decadencial. A consulta à NF-e poderá ser efetuada pelo interessado mediante informação da chave de acesso da NF-e. A consulta poderá ser efetuada também, subsidiariamente, no ambiente nacional disponibilizado pela RFB. Desde 1º , a Secretaria de Estado da Receita pode, observados os padrões estabelecidos no Manual de Orientação - Contribuinte, exigir informações do destinatário, do recebimento das mercadorias e serviços constantes da NF-e, a saber: a) confirmação do recebimento da mercadoria documentada por NF-e; b) confirmação de recebimento da NF-e, nos casos em que não houver mercadoria documentada; c) declaração do não recebimento da mercadoria documentada por NF-e; d) declaração de devolução total ou parcial da mercadoria documentada por NF-e. Desde 1º , a informação de recebimento, quando exigida, deve observar o prazo máximo estabelecido no Manual de Orientação - Contribuinte. A informação de recebimento será efetivada via Internet. A cientificação do resultado da informação de recebimento será feita mediante arquivo, contendo, no mínimo, as chaves de acesso das NF-e, a data e a hora do recebimento da solicitação pela Secretaria de Estado da Receita, a confirmação ou declaração realizada, conforme o caso, e o número do recibo, podendo ser autenticado mediante assinatura digital gerada com certificação digital da administração tributária ou outro mecanismo que garanta a sua recepção. A Secretaria de Estado da Receita deverá transmitir para a RFB as informações de recebimento das NF-e. A RFB disponibilizará acesso às Unidades da Federação do emitente e do destinatário e à Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), quando for o caso, aos arquivos de informações de recebimento. (RICMS-PB/1997, arts. 166-N e 166-O) 16. utilização de FS para a impressão de Danfe Nas hipóteses de utilização de FS para a impressão de Danfe, deverá ser observado o seguinte: a) as características do FS deverão atender ao disposto da cláusula segunda do Convênio ICMS nº 58/1995; b) deverão ser observados os 3º, 4º, 6º, 7º e 8º da cláusula quinta do Convênio ICMS nº 58/1995, para a aquisição do FS, dispensando-se a exigência da Autorização para Impressão de Documentos Fiscais (AIDF) e a exigência de Regime Especial; c) não poderá ser impressa a expressão Nota Fiscal, devendo, em seu lugar, constar a expressão Danfe. É vedada a utilização de FS para outra destinação que não para a impressão de Danfe. O fabricante do FS deverá observar as disposições das cláusulas quarta e quinta do Convênio ICMS nº 58/1995. Até , a Secretaria de Estado da Receita podia autorizar o Pedido de Aquisição de Formulário de Segurança (PAFS), de que trata a cláusula quinta Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 PB19-17

20 do Convênio ICMS nº 58/1995, quando os formulários se destinassem à impressão de Danfe, sendo permitido aos contribuintes utilizarem os formulários autorizados até o final do estoque. (RICMS-PB/1997, art. 166-P) 17. Consulta eletrônica Desde 1º , a Secretaria de Estado da Receita disponibiliza, às empresas autorizadas à emissão da NF-e, consulta eletrônica referente à situação cadastral dos contribuintes do ICMS de seu Estado, conforme padrão estabelecido no Manual de Orientação - Contribuinte. (RICMS-PB/1997, art. 166-Q) 18. Registro de passagem eletrônico Toda NF-e que acobertar operação interestadual de mercadoria ou relativa ao comércio exterior estará sujeita ao registro de passagem eletrônico em sistema instituído por meio do Protocolo ICMS nº 10/2003. (RICMS-PB/1997, art. 166-R) 19. DPEC Desde 1º , a DPEC (NF-e) deve ser gerada com base em leiaute estabelecido no Manual de Orientação - Contribuinte, observadas as seguintes formalidades: a) o arquivo digital da DPEC deverá ser elaborado no padrão XML; b) a transmissão do arquivo digital da DPEC deverá ser efetuada via Internet; c) a DPEC deverá ser assinada pelo emitente com assinatura digital certificada por entidade credenciada pela ICP-Brasil, contendo o número do CNPJ de qualquer dos estabelecimentos do contribuinte, a fim de garantir a autoria do documento digital. O arquivo da DPEC conterá informações sobre a NF-e e conterá, no mínimo: a) a identificação do emitente; b) as informações das NF-e emitidas, contendo, no mínimo, para cada NF-e: b.1) chave de acesso; b.2) CNPJ ou CPF do destinatário; b.3) Unidade da Federação de localização do destinatário; b.4) valor da NF-e; b.5) valor do ICMS; b.6) valor do ICMS retido por substituição tributária. Desde 1º , recebida a transmissão do arquivo da DPEC, a RFB analisará: a) o credenciamento do emitente para emissão de NF-e; b) a autoria da assinatura do arquivo digital da DPEC; c) a integridade do arquivo digital da DPEC; d) a observância ao leiaute do arquivo estabelecido no Manual de Orientação - Contribuinte; e) outras validações previstas no Manual de Orientação - Contribuinte. Do resultado da análise, a RFB cientificará o emitente: a) desde 1º , da rejeição do arquivo da DPEC, em virtude de: a.1) falha na recepção ou no processamento do arquivo; a.2) falha no reconhecimento da autoria ou da integridade do arquivo digital; a.3) remetente não credenciado para emissão da NF-e; a.4) duplicidade de número da NF-e; a.5) outras falhas no preenchimento ou no leiaute do arquivo da DPEC; b) da regular recepção do arquivo da DPEC. Desde 1º , a cientificação é efetuada via Internet, contendo o motivo da rejeição na hipótese da letra a ou o arquivo da DPEC, número do recibo, data, hora e minuto da recepção, bem como assinatura digital da RFB, na hipótese da letra b do parágrafo anterior. Presumem-se emitidas as NF-e referidas na DPEC, quando de sua regular recepção pela RFB, observado que não será considerada documento fiscal idôneo a NF-e que tiver sido emitida ou utilizada com dolo, fraude, simulação ou erro que possibilite, mesmo que a terceiro, o não pagamento do imposto ou qualquer outra vantagem indevida. A RFB disponibilizará acesso às Unidades da Federação e à Suframa aos arquivos da DPEC recebidos. Em caso de rejeição do arquivo digital, o mesmo não será arquivado na RFB para consulta. (RICMS-PB/1997, art. 166-S) N PB Manual de Procedimentos - Maio/ Fascículo 19 - Boletim IOB

ANEXO IX - DOS DOCUMENTOS FISCAIS ELETRÔNICOS E AUXILIARES

ANEXO IX - DOS DOCUMENTOS FISCAIS ELETRÔNICOS E AUXILIARES ANEXO IX - DOS DOCUMENTOS FISCAIS ELETRÔNICOS E AUXILIARES CAPÍTULO I DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-e E DO DOCUMENTO AUXILIAR DA NF-e DANFE Art. 1º A Nota Fiscal Eletrônica - NF-e, modelo 55, poderá ser

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Sergipe. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Sergipe. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 19/2014 Sergipe // Federal IPI Consignação industrial... 01 // Estadual ICMS Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) e o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica

Leia mais

CAPÍTULO III-A DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA E DO DOCUMENTO AUXILIAR DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA. Seção I Da Nota Fiscal Eletrônica

CAPÍTULO III-A DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA E DO DOCUMENTO AUXILIAR DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA. Seção I Da Nota Fiscal Eletrônica CAPÍTULO III-A DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA E DO DOCUMENTO AUXILIAR DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Seção I Da Nota Fiscal Eletrônica Vê Portaria n. 027/2010-SEFAZ, que dispõe sobre as especificações técnicas da

Leia mais

Referência: Decreto Estadual-RJ nº 44.785/14 - ICMS - NFC-e - Emissão, autorização, contingência e outros Alterações.

Referência: Decreto Estadual-RJ nº 44.785/14 - ICMS - NFC-e - Emissão, autorização, contingência e outros Alterações. Rio de Janeiro, 13 de maio de 2014. Of. Circ. Nº 137/14 Referência: Decreto Estadual-RJ nº 44.785/14 - ICMS - NFC-e - Emissão, autorização, contingência e outros Alterações. Senhor Presidente, Fazendo

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Ceará. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Ceará. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 19/2014 Ceará // Federal IPI Consignação industrial... 01 // Estadual ICMS Nota Fiscal Eletrônica (NF-e).... 09 // IOB Setorial Federal Automotivo - IPI -

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Piauí. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Piauí. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 19/2014 Piauí // Federal IPI Consignação industrial... 01 // Estadual ICMS Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) e Documento Auxiliar à Nota Fiscal Eletrônica (Danfe)....

Leia mais

119ª CONFAZ Manaus, AM, 30.09.05 P. AJ. 07/05

119ª CONFAZ Manaus, AM, 30.09.05 P. AJ. 07/05 119ª CONFAZ Manaus, AM, 30.09.05 P. AJ. 07/05 AJUSTE SINIEF /05 Institui a Nota Fiscal Eletrônica e o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica. O Conselho Nacional de Política Fazendária CONFAZ e o

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA DECRETO Nº 13450, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2008 PUBLICADO NO DOE Nº 0936, DE 15.02.2008 Incorpora alterações oriundas da 127ª reunião ordinária, da 108ª, 112ª e 113ª reuniões extraordinárias do CONFAZ, e

Leia mais

ANEXO V. DOS DOCUMENTOS E LIVROS FISCAIS (a que se referem os artigos 130, 131 e 160 deste Regulamento) SUMÁRIO

ANEXO V. DOS DOCUMENTOS E LIVROS FISCAIS (a que se referem os artigos 130, 131 e 160 deste Regulamento) SUMÁRIO RICMS (Decreto nº 43.080/2002) Anexo V ANEXO V DOS DOCUMENTOS E LIVROS FISCAIS (a que se referem os artigos 130, 131 e 160 deste Regulamento) SUMÁRIO ARTIGOS PARTE 1 DAS DISPOSIÇÕES RELATIVAS AOS DOCUMENTOS

Leia mais

1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e?

1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e? 1. O que é a Nota Fiscal Eletrônica - NF-e? Podemos conceituar a Nota Fiscal Eletrônica como sendo um documento de existência apenas digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar,

Leia mais

Emissão e autorização da NF-e 2. Quais são as validações realizadas pela Secretaria de Fazenda na autorização de uma NF-e?

Emissão e autorização da NF-e 2. Quais são as validações realizadas pela Secretaria de Fazenda na autorização de uma NF-e? O QUE MUDA COM A NF-e 1. Como funciona o modelo operacional da NF-e? De maneira simplificada, a empresa emissora de NF-e, previamente credenciada segundo as normas ditadas pela Secretaria de Fazenda de

Leia mais

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE JULHO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2013

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE JULHO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2013 ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE JULHO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2013 IPI LIVRO DE ENTRADA - NORMAS PARA ESCRITURAÇÃO DETERMINADAS PELO RIPI... Pág. 407 ICMS MS/MT/RO CONHECIMENTO DE TRANSPORTE ELETRÔNICO

Leia mais

AJUSTE SINIEF 07/05 A J U S T E

AJUSTE SINIEF 07/05 A J U S T E AJUSTE SINIEF 07/05 Publicado no DOU de 05.10.05. Republicado no DOU de 07.12.05. Alterado pelos Ajustes 11/05, 02/06, 04/06. Ato Cotepe 72/05 dispõe sobre as especificações técnicas da NF-e e do DANFE.

Leia mais

DECRETO Nº 21.584, DE 23 DE MARÇO DE 2010

DECRETO Nº 21.584, DE 23 DE MARÇO DE 2010 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Gabinete Civil Coordenadoria de Controle dos Atos Governamentais DECRETO Nº 21.584, DE 23 DE MARÇO DE 2010 Altera o Regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto nº

Leia mais

SUBSEÇÃO IV Da Nota Fiscal Eletrônica - NF-e e do Documento Auxiliar da NF-e - DANFE

SUBSEÇÃO IV Da Nota Fiscal Eletrônica - NF-e e do Documento Auxiliar da NF-e - DANFE SUBSEÇÃO IV Da Nota Fiscal Eletrônica - NF-e e do Documento Auxiliar da NF-e - DANFE Art. 182-A. A Nota Fiscal Eletrônica - NF-e que poderá ser utilizada em substituição a Nota Fiscal modelo 1 ou 1-A,

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 28.06.2012. Sumário:

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 28.06.2012. Sumário: NOTA FISCAL AVULSA ELETRÔNICA (NFA-e) - Preenchimento por não Contribuinte do ICMS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 28.06.2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - NOTA FISCAL AVULSA ELETRÔNICA

Leia mais

ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE JULHO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2015

ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE JULHO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2015 ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE JULHO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 28/2015 IPI SUSPENSÃO DO IPI NAS SAÍDAS DE INSUMOS PARA A INDUSTRIALIZAÇÃO DE PRODUTOS DIVERSOS... Pág. 168 ICMS PA MANIFESTO ELETRÔNICO

Leia mais

NFe Nota Fiscal Eletrônica. Helder da Silva Andrade

NFe Nota Fiscal Eletrônica. Helder da Silva Andrade Nota Fiscal Eletrônica Helder da Silva Andrade 23/08/2010 SPED SUBSISTEMAS Escrituração Contábil Digital EFD ECD Escrituração Fiscal Digital Nota Fiscal Eletrônica CTe Conhecimento Transporte Eletrônico

Leia mais

1 de 6 12-04-2013 11:27

1 de 6 12-04-2013 11:27 (*) ESTE TEXTO NÃO SUBSTITUI O ORIGINAL PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO. Decreto Nº 13.537, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012. Altera, acrescenta e revoga dispositivos do Subanexo XIII - Do Conhecimento

Leia mais

Respostas - Perguntas Frequentes - versão 02/2009

Respostas - Perguntas Frequentes - versão 02/2009 Conhecimento de Transporte Eletrônico CTe Respostas Perguntas Frequentes versão 02/2009 I. Conceito, uso e obrigatoriedade da CTe 1. O que é o Conhecimento de Transporte Eletrônico CTe? Podemos conceituar

Leia mais

Portaria CAT 102, de 10-10-2013

Portaria CAT 102, de 10-10-2013 Publicado no D.O.E. (SP) de 11/10/2013 Portaria CAT 102, de 10-10-2013 Dispõe sobre a emissão do Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais - MDF-e, do Documento Auxiliar do Manifesto Eletrônico de Documentos

Leia mais

Altera o Livro VI do Regulamento do ICMS (RICMS/00), aprovado pelo Decreto n.º 27.427, de 17 de novembro de 2000, e dá outras providências.

Altera o Livro VI do Regulamento do ICMS (RICMS/00), aprovado pelo Decreto n.º 27.427, de 17 de novembro de 2000, e dá outras providências. Decreto Publicado no D.O.E. de 13.05.2014, pág. 01 Este texto não substitui o publicado no D.O.E Índice Remissivo: Letra R - RICMS DECRETO N.º 44.785 DE 12 DE MAIO DE 2014 Altera o Livro VI do Regulamento

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE UTILIZAÇÃO. DE NFe (Nota Fiscal Eletrônica) Protocolo ICMS 42/2009 Alterado pelo Protocolo ICMS 193/2010

ORIENTAÇÃO SOBRE UTILIZAÇÃO. DE NFe (Nota Fiscal Eletrônica) Protocolo ICMS 42/2009 Alterado pelo Protocolo ICMS 193/2010 ORIENTAÇÃO SOBRE UTILIZAÇÃO DE NFe (Nota Fiscal Eletrônica) Protocolo ICMS 42/2009 Alterado pelo Protocolo ICMS 193/2010 É um novo modelo de documento fiscal: modelo 55; de existência apenas digital cuja

Leia mais

DECRETO Nº 31.246, DE 12 DE JANEIRO DE 2010 DODF de 13.01.2010

DECRETO Nº 31.246, DE 12 DE JANEIRO DE 2010 DODF de 13.01.2010 DECRETO Nº 31.246, DE 12 DE JANEIRO DE 2010 DODF de 13.01.2010 Altera o Decreto nº 18.955, de 22 de dezembro de 1997, que regulamenta o Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre

Leia mais

Pergunte à CPA. Nota Fiscal Eletrônica Modalidades de Contingência

Pergunte à CPA. Nota Fiscal Eletrônica Modalidades de Contingência 30/04/2013 Pergunte à CPA Nota Fiscal Eletrônica Modalidades de Contingência Apresentação: Helen Mattenhauer Oliveira 2 Conceito de Contingência para a NF- e A contingência é apenas de comunicação ou de

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Paraná. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Paraná. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 20/2014 Paraná // Federal IPI Embalagem de apresentação e de transporte.... 01 // Estadual ICMS Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) e Documento Auxiliar

Leia mais

COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA Portaria CAT 12, de 04-02-2015

COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA Portaria CAT 12, de 04-02-2015 COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA Portaria CAT 12, de 04-02-2015 Dispõe sobre a emissão da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica - NFC-e (NF-e, modelo 65) e do Documento Auxiliar da Nota Fiscal

Leia mais

DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011

DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011 DECRETO Nº. 1336/11, DE 01 DE SETEMBRO DE 2011 Regulamenta a Lei Complementar nº. 92/07 de 13 de Dezembro de 2007, que dispõe sobre o Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza (ISSQN) - que altera o sistema

Leia mais

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628 LEI N 812 de 12 de maio de 2014. Institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e, a Ferramenta de Declaração Eletrônica de Serviços - DES, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUAPIMIRIM,,

Leia mais

DECRETO Nº 1.180, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014

DECRETO Nº 1.180, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 DECRETO Nº 1.180, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 Publicado no DOE(Pa) de 23.12.14. Altera dispositivos do Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestação de Serviços

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota Fiscal Complementar de quantidade e valor

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota Fiscal Complementar de quantidade e valor Nota Fiscal Complementar de quantidade e valor 28/11/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 6 4. Conclusão...

Leia mais

NOVA REGRA (alterações em vermelho) CONVÊNIO ICMS 38, DE 22 DE MAIO DE 2013 REVOGADO

NOVA REGRA (alterações em vermelho) CONVÊNIO ICMS 38, DE 22 DE MAIO DE 2013 REVOGADO REVOGADO AJUSTE SINIEF 19, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2012 Publicado no DOU de 09.11.12, pelo Despacho 223/12. Prorrogado, para 01.05.13, o início da obrigatoriedade de preenchimento e entrega da FCI, pelo Ajuste

Leia mais

Portaria CAT-147, de 05-11-2012

Portaria CAT-147, de 05-11-2012 Página 1 de 7 Portaria CAT-147, de 05-11-2012 (DOE 06-11-2012) Dispõe sobre a emissão do Cupom Fiscal Eletrônico - CF-e-SAT por meio do Sistema de Autenticação e Transmissão - SAT, a obrigatoriedade de

Leia mais

1 de 22 12-04-2013 11:25

1 de 22 12-04-2013 11:25 (*) ESTE TEXTO NÃO SUBSTITUI O ORIGINAL PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO. Subanexo 12 ao Anexo 015 (Versão Atual) DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA (NF-e) E O DOCUMENTO AUXILIAR DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE, no uso das atribuições que lhe confere o art. 78, inciso IV da Constituição Estadual, e

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE, no uso das atribuições que lhe confere o art. 78, inciso IV da Constituição Estadual, e DECRETO Nº 5.257, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013. Publicado no DOE nº 10.993, de 22-02-2013. Institui a Nota Fiscal Eletrônica para Consumidor Final - NFC-e e o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica

Leia mais

GOIEF Gerencia Operacional de Informações Econômico-Fiscais. NAPDF Núcleo de Análise e Planejamento de Documentos Fiscais

GOIEF Gerencia Operacional de Informações Econômico-Fiscais. NAPDF Núcleo de Análise e Planejamento de Documentos Fiscais Manual SERVIRTUAL (Usuário Interno) SER - SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA - PARAÍBA GOIEF Gerencia Operacional de Informações Econômico-Fiscais NAPDF Núcleo de Análise e Planejamento de Documentos Fiscais

Leia mais

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MARÇO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 13/2013

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MARÇO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 13/2013 ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MARÇO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 13/2013 IPI ESTABELECIMENTOS EQUIPARADOS A INDUSTRIAIS - CONCEITO PARA CARACTERIZAÇÃO COMO CONTRIBUINTE DO IPI... Pág. 79 ICMS ES MANIFESTAÇÃO

Leia mais

ALTERAÇÕES RECENTES NA LEGISLAÇÃO DO ICMS

ALTERAÇÕES RECENTES NA LEGISLAÇÃO DO ICMS ALTERAÇÕES RECENTES NA LEGISLAÇÃO DO ICMS PROGRAMA Utilização da carta de correção Ajuste SINIEF 01/07 e Decreto n. 51.801/07 Nota Fiscal Eletrônica NF-e (Estadual) Obrigatoriedade de uso em 2008 Ajuste

Leia mais

AJUSTE SINIEF 9, DE 25 DE OUTUBRO DE 2007. Nota: vide alterações desta norma pelos Ajuste SINIEF 10/2008 e Ajuste SINIEF 04/2009.

AJUSTE SINIEF 9, DE 25 DE OUTUBRO DE 2007. Nota: vide alterações desta norma pelos Ajuste SINIEF 10/2008 e Ajuste SINIEF 04/2009. AJUSTE SINIEF 9, DE 25 DE OUTUBRO DE 2007 Data D.O.U.: 30.10.2007 republicado no D.O.U. de 31.10.2007 Nota: vide alterações desta norma pelos Ajuste SINIEF 10/2008 e Ajuste SINIEF 04/2009. Institui o Conhecimento

Leia mais

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE JULHO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2013

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE JULHO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2013 ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE JULHO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 30/2013 - IPI LIVRO DE ENTRADA - NORMAS PARA ESCRITURAÇÃO DETERMINADAS PELO RIPI... Pág. 198 ICMS RS CONHECIMENTO DE TRANSPORTE ELETRÔNICO

Leia mais

3.3. Nota Fiscal Eletrônica e o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica AJUSTE SINIEF 07/05 de 30.09.2005

3.3. Nota Fiscal Eletrônica e o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica AJUSTE SINIEF 07/05 de 30.09.2005 3.3. Nota Fiscal Eletrônica e o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica AJUSTE SINIEF 07/05 de 30.09.2005 A Emenda Constitucional nº 42/03, com o objetivo de promover a racionalização e a modernização

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Estorno de NF-e Complementar fora do prazo determinado pela SEFAZ

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Estorno de NF-e Complementar fora do prazo determinado pela SEFAZ Estorno de NF-e Complementar fora do prazo determinado pela SEFAZ 06/09/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Amazonas...

Leia mais

1 de 28 12-04-2013 11:26

1 de 28 12-04-2013 11:26 (*) ESTE TEXTO NÃO SUBSTITUI O ORIGINAL PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO. Subanexo 13 ao Anexo 015 (Versão Atual) DO CONHECIMENTO DE TRANSPORTE ELETRÔNICO (CT-e) E DO DOCUMENTO AUXILIAR DO CONHECIMENTO

Leia mais

DECRETO Nº 29.041, DE 26 DE OUTUBRO DE 2007

DECRETO Nº 29.041, DE 26 DE OUTUBRO DE 2007 DECRETO Nº 29.041, DE 26 DE OUTUBRO DE 2007 * Publicado no DOE em 31/10/2007. Acresce dispositivos ao Decreto nº 24.569, de 31 de julho de 1997, que regulamenta e consolida a legislação do Imposto sobre

Leia mais

AJUSTE SINIEF Nº 09, 25 DE OUTUBRO DE 2007 Publicado no DOU de 30.10.07, pelo Despacho 91/07. Manual de Integração do Contribuinte do Conhecimento de Transporte Eletrônico - CT-e: Atos COTEPE/ICMS 08/08

Leia mais

PRODUTOR PRIMÁRIO - Apuração e Recolhimento do ICMS em Santa Catarina. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 17.07.2014.

PRODUTOR PRIMÁRIO - Apuração e Recolhimento do ICMS em Santa Catarina. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 17.07.2014. PRODUTOR PRIMÁRIO - Apuração e Recolhimento do ICMS em Santa Catarina Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 17.07.2014. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - PRODUTOR PRIMÁRIO 2.1 - Extensão da Atividade

Leia mais

Capítulo II. Da Adesão. Capítulo III

Capítulo II. Da Adesão. Capítulo III Decreto do Estado do Amazonas nº 33.405 de 16.04.2013 DOE-AM: 16.04.2013 Disciplina a emissão da Nota Fiscal Eletrônica a Consumidor Final, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS,

Leia mais

Manual do Registro de Saída da Nota Fiscal Eletrônica. Procedimentos e Especificações Técnicas

Manual do Registro de Saída da Nota Fiscal Eletrônica. Procedimentos e Especificações Técnicas Manual do Registro de Saída da Nota Fiscal Eletrônica Procedimentos e Especificações Técnicas Versão 1.01 Maio 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO GERAL... 3 MODELO OPERACIONAL... 4 REGISTRO DE SAÍDA - SITUAÇÃO NORMAL...

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURO BRANCO ESTADO DE MINAS GERAIS Procuradoria Geral DECRETO Nº 6.487, DE 27 DE OUTUBRO DE 2011.

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURO BRANCO ESTADO DE MINAS GERAIS Procuradoria Geral DECRETO Nº 6.487, DE 27 DE OUTUBRO DE 2011. DECRETO Nº 6.487, DE 27 DE OUTUBRO DE 2011. REGULAMENTA A UTILIZAÇÃO DA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFSE E DECLARAÇÃO FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NO MUNICÍPIO DE OURO BRANCO, E DÁ OUTRAS PRIVIDÊNCIAS.

Leia mais

Evento Especial da Área Fiscal 29 de maio de 2013. Samyr Qbar

Evento Especial da Área Fiscal 29 de maio de 2013. Samyr Qbar Evento Especial da Área Fiscal 29 de maio de 2013 Apresentadores: Helen Mattenhauer Oliveira Samyr Qbar NF-e Legislação Ajuste Sinief 07/05 Institui a NF-e e o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica;

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA 1. Comprei mercadoria com NF-e denegada. Qual o procedimento para regularizar essa situação? Resposta: Preliminarmente, temos que esclarecer o que é uma NF-e Denegada:, A Denegação

Leia mais

CF-e SAT Cupom Fiscal Eletrônico

CF-e SAT Cupom Fiscal Eletrônico CIRCULAR Nº 05/2013 São Paulo, 02 de Janeiro de 2013. Prezado Cliente, CF-e SAT Cupom Fiscal Eletrônico A Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo deu início a substituição dos tradicionais ECF Equipamentos

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota fiscal de devolução com ICMS e IPI na NF-e

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Nota fiscal de devolução com ICMS e IPI na NF-e Nota fiscal de devolução com ICMS e IPI na NF-e 03/10/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão...

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR DECRETO Nº 4.048, DE 19 DE AGOSTO DE 2008. ALTERA O REGULAMENTO DO ICMS, APROVADO PELO DECRETO Nº 35.245, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1991, IMPLEMENTANDO AS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Sumário: 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EFD 1. 1 APRESENTAÇÃO 1. 2 LEGISLAÇÃO 1. 3 DA APRESENTAÇÃO DO ARQUIVO DA EFD 1. 4

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPOÁ CHEFIA DE GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPOÁ CHEFIA DE GABINETE DO PREFEITO DECRETO MUNICIPAL Nº 1388/2011 Data: 27 de outubro de 2011 INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS - NF-E NO MUNICÍPIO DE ITAPOÁ. ERVINO SPERANDIO, Prefeito Municipal de Itapoá (SC),

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011

ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011 ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SP - NF-e 01/2011 ORIENTAÇÃO AOS AGENTES PÚBLICOS COM RELAÇÃO ÀS DISPOSIÇÕES PREVISTAS PELA PORTARIA CAT 162/08 A RESPEITO DA OBRIGATORIEDADE DE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA. ÍNDICE

Leia mais

UNICOM / SEFAZ-MS / Jan. 2015 - Versão 1.00

UNICOM / SEFAZ-MS / Jan. 2015 - Versão 1.00 UNICOM / SEFAZ-MS / Jan. 2015 - Versão 1.00 Manual para Emissão da Carta de Correção eletrônica (CT-e) Este Manual tem como finalidade a apresentação do procedimento operacional de uma Carta de Correção

Leia mais

Atenção: Em Destaque, os artigos relacionados ao CT-e DECRETO Nº 21.584, DE 23 DE MARÇO DE 2010

Atenção: Em Destaque, os artigos relacionados ao CT-e DECRETO Nº 21.584, DE 23 DE MARÇO DE 2010 DOE Nº 12.176 Data: 24/03/2010 Atenção: Em Destaque, os artigos relacionados ao CT-e DECRETO Nº 21.584, DE 23 DE MARÇO DE 2010 Altera o Regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto nº 13.640, de 13 de novembro

Leia mais

DOE Nº 12.927 Data: 11/04/2013 PORTARIA Nº 036/2013-GS/SET, DE 10 DE ABRIL DE 2013.

DOE Nº 12.927 Data: 11/04/2013 PORTARIA Nº 036/2013-GS/SET, DE 10 DE ABRIL DE 2013. DOE Nº 12.927 Data: 11/04/2013 PORTARIA Nº 036/2013-GS/SET, DE 10 DE ABRIL DE 2013. Institui o Projeto Piloto da Nota Fiscal Eletrônica para Consumidor Final (NFC-e), que possibilita a emissão da Nota

Leia mais

ESTADO DO ACRE DECRETO N.º 3.497 DE 7 DE MARÇO DE 2012

ESTADO DO ACRE DECRETO N.º 3.497 DE 7 DE MARÇO DE 2012 DECRETO N.º 3.497 DE 7 DE MARÇO DE 2012. Publicado no DOE nº 10.752, de 8-3-2012.. Retificação da data publicada no DOE nº 10753, de 12-3-2012 Acrescenta dispositivos ao Regulamento do ICMS, aprovado pelo

Leia mais

DECRETO Nº 5.067 DE 2 DE JANEIRO DE 2013

DECRETO Nº 5.067 DE 2 DE JANEIRO DE 2013 DECRETO Nº 5.067 DE 2 DE JANEIRO DE 2013. Publicado no DOE nº 10.969, de 16-01-2013.. Republicado por Incorreção no DOE nº 10.973 de 22-01-2013 Altera e acrescenta dispositivos ao Regulamento do ICMS,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Conhecimento de Transporte Eletrônico Estado Bahia

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Conhecimento de Transporte Eletrônico Estado Bahia 22/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Ajuste Sinief nº09/2007... 3 3.2. Resolução n 95/1966... 5 3.3. Lei nº

Leia mais

Portaria CAT- 162, de 29-12-2008

Portaria CAT- 162, de 29-12-2008 Portaria CAT- 162, de 29-12-2008 Dispõe sobre a emissão da Nota Fiscal Eletrônica - NF-e e do Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica - DANFE, o credenciamento de contribuintes e dá outras providências.

Leia mais

DECRETO Nº 767, DE 21 JANEIRO DE 2008

DECRETO Nº 767, DE 21 JANEIRO DE 2008 DECRETO Nº 767, DE 21 JANEIRO DE 2008 Publicado no DOE(Pa) de 22.01.08. Retificação no DOE(Pa) de 15.02.08 e 15.04.08. Altera dispositivos do Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação

Leia mais

Vinicius Pimentel de Freitas. Julho de 2010

Vinicius Pimentel de Freitas. Julho de 2010 Nota Fiscal Eletrônica no Rio Grande do Sul Vinicius Pimentel de Freitas Julho de 2010 SPED ECD EFD NF-e CT-e MC-e NFS-e... Contextualizando: Documentos Fiscais Eletrônicos no Brasil Comunicações e Energia

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operação de Venda Presencial com Entrega Interestadual

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Operação de Venda Presencial com Entrega Interestadual Operação de Venda Presencial com Entrega Interestadual 24/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 4 3. Análise da Legislação... 9 4. Conclusão... 10 5.

Leia mais

MANIFESTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS FISCAIS (MDF-e) NO TRC

MANIFESTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS FISCAIS (MDF-e) NO TRC MANIFESTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS FISCAIS (MDF-e) NO TRC 1 Conceito do MDF-e: MDF-e é o documento emitido e armazenado eletronicamente por contribuinte credenciado pela Secretaria da Fazenda como emitente

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA- PROCEDIMENTO FISCAL. Apresentação: Helen Mattenhauer Samyr Qbar

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA- PROCEDIMENTO FISCAL. Apresentação: Helen Mattenhauer Samyr Qbar INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA- PROCEDIMENTO FISCAL Apresentação: Helen Mattenhauer Samyr Qbar 27/09/2013 CONCEITO DE INDUSTRIALIZAÇÃO Art. 4 o Caracteriza industrialização qualquer operação que modifique

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO ICMS - COMPRAS GOVERNAMENTAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO ICMS - COMPRAS GOVERNAMENTAIS GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA AUDITORIA-GERAL DO ESTADO COORD. DE PROCEDIMENTOS E CAPACITAÇÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO ICMS - COMPRAS GOVERNAMENTAIS Elaboração: Adhemar

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital

Escrituração Fiscal Digital Escrituração Fiscal Digital Secretarias de Fazenda Evolução 2003 2004 2005 2006 2007 Emenda Constitucional nº 42 19/12/03 Art. 37 da Constituição Federal... XXII - as administrações tributárias da União,

Leia mais

ANEXO 30 PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELO DEPOSITÁRIO ESTABELECIDO EM RECINTO ALFANDEGADO.

ANEXO 30 PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELO DEPOSITÁRIO ESTABELECIDO EM RECINTO ALFANDEGADO. ANEXO 30 PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELO DEPOSITÁRIO ESTABELECIDO EM RECINTO ALFANDEGADO. Acrescentado pelo Decreto 24.441 de 14 de agosto de 2008. Publicado no DOE de 14.08.2008 Convênio ICMS nº 143/02 e

Leia mais

M D F -e CONSIDERAÇÕES INICIAIS

M D F -e CONSIDERAÇÕES INICIAIS M D F -e CONSIDERAÇÕES INICIAIS Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) é o documento emitido e armazenado eletronicamente, de existência apenas digital, para vincular os documentos fiscais

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRIPÁ ESTADO DA BAHIA C.N.P.J. 13.694.658/0001-92

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRIPÁ ESTADO DA BAHIA C.N.P.J. 13.694.658/0001-92 Decreto n 015/2015 Piripá, 19 de maio de 2015. Regulamenta o gerenciamento da Nota Fiscal Eletrônica de Serviços - NFS-e Sped, sua escrituração, a emissão de guia de recolhimento do Imposto sobre Serviços

Leia mais

Nota Fiscal eletrônica NF-e

Nota Fiscal eletrônica NF-e Secretaria de Estado da Fazenda do Paraná Coordenação da Receita do Estado Inspetoria Geral de Fiscalização Nota Fiscal eletrônica NF-e Maringá, 24 de Maio de 2011 Setor de Documentação Fiscal eletrônica

Leia mais

COMUNICADO IMPORTANTE

COMUNICADO IMPORTANTE COMUNICADO IMPORTANTE Rio de Janeiro, 17 de julho de 2009. Sr. Responsável pelo recebimento das Notas Fiscais REF.: NOTA FISCAL ELETRÔNICA (NF-e) Prezado Cliente, Informamos que, a partir do dia 1º de

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Rio de Janeiro. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Rio de Janeiro. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 19/2014 Rio de Janeiro // Federal IPI Consignação industrial... 01 // Estadual ICMS Nota Fiscal Eletrônica (NF-e).... 09 // IOB Setorial Federal Automotivo

Leia mais

NFA-e. Manual do usuário

NFA-e. Manual do usuário Manual do usuário 24 de setembro de 2015 2 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 3 PARTE I INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 4 1. O que é a 4 2. Legislação 4 3. Quem pode emitir e quando 4 4. Quais operações são possíveis com a 6

Leia mais

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas NFC-e NOTA FISCAL DE CONSUMIDOR ELETRÔNICA Perguntas e Respostas Versão 1.1 Atualizada em 03/2016 SUMÁRIO I) INFORMAÇÕES INICIAIS... 3 1. O que é a Nota Fiscal De Consumidor Eletrônica - NFC-e?... 3 2.

Leia mais

WORKSHOP CARTA CORREÇÃO ELETRONICA

WORKSHOP CARTA CORREÇÃO ELETRONICA WORKSHOP CARTA CORREÇÃO ELETRONICA Sistema JAD NOTA FISCAL ELETRÔNICA OBJETIVO: O objetivo deste WORKSHOP é apresentar a nova ferramenta do Sistema JAD, conforme o Ajuste Sinief 10 de 30/09/2011, que altera

Leia mais

Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Reunião SINDMAT 04/2013

Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Reunião SINDMAT 04/2013 Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Reunião SINDMAT 04/2013 Agenda 1. Requisitos gerais MDF-e 2. Contribuintes obrigados a emissão MDF-e 3. Encerramento MDF-e 4. DAMDF-e 5. Descrição Simplificada

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012.

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. DECRETO N 1427/2012 Regulamenta a Lei municipal nº 8748/2010, que institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) e dá outras providências.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Endereço de entrega diferente do endereço principal da empresa - EFD ICMS-IPI - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Endereço de entrega diferente do endereço principal da empresa - EFD ICMS-IPI - SP empresa - EFD ICMS-IPI - SP 08/09/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais

PARECER UNATRI/SEFAZ Nº 206/2014

PARECER UNATRI/SEFAZ Nº 206/2014 ASSUNTO: CONCLUSÃO: Tributário. ICMS. Operações de Remessa para Venda Fora do Estabelecimento. Operações de Retorno de Remessa para Venda Fora do Estabelecimento. Obrigação Acessória. Emissão de Nota Fiscal.

Leia mais

DECRETO Nº 5627, de 10 de janeiro de 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 5627, de 10 de janeiro de 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 5627, de 10 de janeiro de 2013. Introduz as alterações que menciona no Decreto Municipal nº 1751/2004, de 29 de junho de 2004 e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO,

Leia mais

APOSTILA DE INTEGRAÇÃO CONTROLLER

APOSTILA DE INTEGRAÇÃO CONTROLLER APOSTILA DE INTEGRAÇÃO CONTROLLER A integração de dados do Controller com a contabilidade, seja com o sistema Contábil ou com qualquer outro sistema, é feita através de lotes. Os lançamentos seguem a estrutura

Leia mais

Acesso a NFA-e para não contribuinte:

Acesso a NFA-e para não contribuinte: Acesso a NFA-e para não contribuinte: Através da pagina da Secretaria de Estado da Fazenda (www.sef.sc.gov.br) o contribuinte não credenciado no Sistema de Administração Tributária (S@T) poderá emitir

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Rio Grande do Sul. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Rio Grande do Sul. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 25/2014 Rio Grande do Sul Federal IOF Operações de seguro.... 01 Estadual ICMS Regime especial - Venda de mercadorias por meio de máquinas de autoatendimento.......................................

Leia mais

Contudo, o Manual de Integração versão 3.0, que define a versão 1.10 da NF-e, continuará em vigor até 31 de dezembro de 2010.

Contudo, o Manual de Integração versão 3.0, que define a versão 1.10 da NF-e, continuará em vigor até 31 de dezembro de 2010. Principais Mudanças da NF-e XML 2.0 Um dos temas em mais relevantes no cenário empresarial para 2010 é a chamada Segunda Geração da NF-e, cujas especificações técnicas tiveram inicio em 1º de abril, de

Leia mais

VII - quatro por cento, nas operações interestaduais com bens e mercadorias importados do exterior, observado o disposto no art. 71-B.

VII - quatro por cento, nas operações interestaduais com bens e mercadorias importados do exterior, observado o disposto no art. 71-B. efeitos a partir de 1 Art. 71. As alíquotas do imposto são: VII - quatro por cento, nas operações interestaduais com bens e mercadorias importados do exterior, observado o disposto no art. 71-B. 2.º Nas

Leia mais

DEPÓSITO FECHADO. atualizado em 06/08/2015 alterados os itens 1 a 5

DEPÓSITO FECHADO. atualizado em 06/08/2015 alterados os itens 1 a 5 atualizado em 06/08/2015 alterados os itens 1 a 5 2 ÍNDICE 1. CONCEITO...5 2. SISTEMA DE TRIBUTAÇÃO...5 3. OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS...5 4. ESQUEMA OPERACIONAL...6 4.1. Remessa do Depositante para o Depósito

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. São Paulo. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. São Paulo. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 19/2014 São Paulo // Federal IPI Consignação industrial... 01 // Estadual ICMS Nota Fiscal Eletrônica (NF-e).... 09 // IOB Setorial Federal Automotivo - IPI

Leia mais

DECRETO Nº 47.350, DE 6 DE JUNHO DE 2006

DECRETO Nº 47.350, DE 6 DE JUNHO DE 2006 DECRETO Nº 47.350, DE 6 DE JUNHO DE 2006 Regulamenta a Lei nº 14.097, de 8 de dezembro de 2005, que institui a Nota Fiscal Eletrônica de Serviços e dispõe sobre a geração e utilização de créditos tributários

Leia mais

ICMS -RESOLUÇÃO SENADO FEDERAL Nº 13/2012

ICMS -RESOLUÇÃO SENADO FEDERAL Nº 13/2012 ICMS -RESOLUÇÃO SENADO FEDERAL Nº 13/2012 DRT-05 RESOLUÇÃO DO SENADO 13/2012 ABRANGÊNCIA Será de 4% a alíquota do ICMS nas operações interestaduais com bens e mercadorias importados do exterior que, após

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Goiás. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Goiás. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 19/2014 Goiás // Federal IPI Consignação industrial... 01 // Estadual ICMS NF-e e Danfe... 09 // IOB Setorial Federal Automotivo - IPI - Incentivos fiscais

Leia mais

IPI TABELAS PRÁTICAS ICMS - PA ANO XXI - 2010-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2010

IPI TABELAS PRÁTICAS ICMS - PA ANO XXI - 2010-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2010 IPI ANO XXI - 2010-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2010 DIF PAPEL IMUNE - ANO-BASE 2010 - NOVAS DISPOSIÇÕES Introdução - Obrigatoriedade - Apresentação - Prazos - Retificação - Penalidades

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Alagoas. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Alagoas. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 50/2013 Alagoas Federal IPI Construção civil - Edificação - Exclusão do conceito de industrialização.... 01 Estadual ICMS Leilão de mercadorias apreendidas

Leia mais

CIRCULAR Nº 11/2016 São Paulo, 16 de Março de 2016. MDF-e

CIRCULAR Nº 11/2016 São Paulo, 16 de Março de 2016. MDF-e CIRCULAR Nº 11/2016 São Paulo, 16 de Março de 2016. MDF-e MANIFESTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS FISCAIS Prezado Cliente, A Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo publicou no dia 09 de Março de 2016

Leia mais

INSCRIÇÃO ESTADUAL 2ª ETAPA Últimas Alterações

INSCRIÇÃO ESTADUAL 2ª ETAPA Últimas Alterações ICMS - PARANÁ INSCRIÇÃO ESTADUAL 2ª ETAPA Últimas Alterações CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO 2. DILIGENCIA FISCAL 3. CONCESSÃO DE APENAS UMA INSCRIÇÃO 4. COMPETÊNCIA DECISÓRIA 5. RESPONSABILIDADE DA AGENCIA DE

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Recibo Provisório de Serviço - EFD Contribuições Bloco A

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Recibo Provisório de Serviço - EFD Contribuições Bloco A Recibo Provisório de Serviço - EFD Contribuições Bloco A 07/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Instrução Normativa

Leia mais