CAPÍTULO 2 RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 2 RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE"

Transcrição

1 1 CAPÍTULO RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE.1. O ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO O espectro de emissão do sol apresenta intensas variações decorrentes da absorção dos componentes atômicos, como hidrogênio, magnésio, alumínio, etc., presentes na atmosfera solar. Esses espectros de absorção são denominados Linhas de Fraunhofer, em homenagem ao seu descobridor Joseph Fraunhofer ( ), e permitem analisar a composição química do Sol à distância. A emissão ou absorção de um fóton por um átomo se realiza quando um elétron muda de órbita. A emissão ocorre se o nível de energia da órbita de chegada é menor que o do nível de partida, com o contrário ocorrendo na absorção. Quando o equilíbrio termodinâmico é atingido, ou seja quando o fluxo de energia emitido é igual ao absorvido, o elemento passa a atuar como um corpo negro. No caso da fotosfera, a temperatura decresce com a altitude e, portanto, um fóton que escapa atravessa um meio mais frio. Desse modo, ele será absorvido por átomos em temperatura inferior e, por conseqüência, com taxas de emissão inferiores. Há, portanto, um déficit que pode ser traduzido por uma absorção. Pode-se dizer que o Sol emite energia em, praticamente, todos os comprimentos de onda do espectro eletromagnético (figura.1) permeados pelas Figura.1 - O espectro eletromagnético diversas linhas de absorção. 44% de toda essa energia emitida se concentra entre 400 e 700 nm (obs: 1 nm = 10-9 m), denominado espectro visível de energia (tabela.1). O restante é dividido entre radiação ultravioleta (< 400nm) com 7%, infravermelho próximo (entre 700 e 1500nm) com 37% e infravermelho (> 1500nm) com 11%. Menos de 1% da radiação emitida concentra-se acima da região do infravermelho, como seja, microondas e ondas de rádio, e abaixo da região ultravioleta, como raios X e raios γ. Vermelho Laranja Amarelo Verde Azul Violeta Tabela.1 - Comprimento de onda aproximado das cores no espectro visível (em nm)

2 É importante lembrarmos que a radiação emitida pelo sol, assim como toda radiação eletromagnética, viaja a velocidade da luz, isto é, aproximadamente, km/s. Deste modo, pode se estabelecer uma relação entre a velocidade da luz (v [m/s]), o comprimento de onda (λ [m]) e a freqüência da onda (f [Hz]): v = λ f (.1).. GRANDEZAS RADIOMÉTRICAS Nesta seção vamos conhecer algumas das grandezas mais usuais do estudo da radiação. a) Fluxo (F): É a potência radiante. Ou seja, é quantidade de energia (U) observada (ou detectada) por unidade de tempo. (Unidade: W, que corresponde a J/s) ΔU F = (.) Δ t b) Intensidade (P): É o quociente entre o fluxo observado associado a um dado feixe, num dado ponto do espaço, e o ângulo sólido correspondentes à origem ou ao destino deste fluxo. (Unidade: W/sr) ΔU P = (.3) Δ t ΔΩ Mas o que é o ângulo sólido? Um ângulo plano (α) corresponde a um arco de comprimento L sobre um círculo de raio R, tal que α = L/R radianos. Por analogia, um ângulo sólido (Ω) corresponde a uma superfície de área A sobre uma esfera de raio R, tal que Ω = A/R ster radianos. A figura. mostra uma representação do ângulo sólido. figura. - Ângulo sólido c) Irradiância (I): É o quociente entre o fluxo observado num certo elemento de superfície de área deste elemento. (Unidade: W/m ).

3 3 ΔU I = (.4) Δ t Δ A No caso de irradiância emitida por uma fonte, denominamos de emitância (E). d) Radiância (L): É uma medida da quantidade de radiação, recebida por um ponto ou emitida por uma fonte, em uma determinada direção. Isto é, é o quociente entre a intensidade observada num certo elemento de superfície, numa dada direção, e a área da projeção ortogonal deste elemento de superfície num plano perpendicular à direção tratada. (Unidade: W/m sr) P L = (.5) Δ Acos θ Substituindo.3 em.5, tem se que: Δ U = LΔtΔAΔΩcosθ (.6) Por exemplo, se numa determinada situação a radiância é constante, então a quantidade de energia vai diminuir (ΔU < 0), quando: 1) a duração do fluxo for menor (Δt < 0); ou ) quando a área diminuir (ΔA < 0); ou 3) quando o ângulo sólido for mais estreito (ΔΩ < 0); ou ainda, 4) quando o ângulo de inclinação do feixe se aproximar do horizonte (θ for pequeno). Figura.3 radiância e) Dose (D): Integrando-se a irradiância durante um certo intervalo de tempo obtém-se a dose total de energia recebida por um certo alvo. (Unidade: J/m ) D= Idt IΔt (.7) Δt

4 4 ER.1. Uma estrela de raio R tem certa temperatura T. Essa estrela emite energia a uma taxa igual a E o W/m, de forma isotrópica para todo espaço. Calcule o fluxo e a intensidade de energia emitida por essa estrela. Resolução Supondo que a estrela seja uma esfera, um observador receberá a energia emitida por um círculo de área A = 4πR. F F Das equações. e.4, temos que o fluxo será dado por: I = Io F E o4 R ΔA = 4πR = π F Das equações. e.3, tiramos que a intensidade é dada por: P = ΔΩ Como o ângulo sólido é um círculo completo, temos que ΔΩ = 4π, então: P = E o R..3. INTERAÇÃO DA RADIAÇÃO COM OS MATERIAIS A radiação solar interage com os elementos que compõem a atmosfera terrestre, tais como moléculas, gases, nuvens, aerossóis, etc., e, também, com aqueles que estão sobre a superfície terrestre. Isto é, quando a radiação solar atinge o topo da atmosfera e viaja até a superfície, sofre atenuações devidas às interações com estes elementos. Deste modo, definimos a atenuação como a subtração de uma fração de energia do fluxo incidente. A atenuação se dá por meio da absorção ou do espalhamento da radiação em outras direções que não a do alvo em superfície. A absorção é a fração subtraída do fluxo incidente que é incorporada à energia interna do meio atravessado. Portanto, parte da energia é retirada do feixe, causando um aumento da energia interna do elemento de volume (Por esse motivo, é relacionada ao aquecimento de camadas atmosféricas). O espalhamento é a fração subtraída do fluxo incidente que é re-irradiada para diferentes direções do espaço. Parte da radiação não sofre nenhum tipo de interação e é inteiramente transmitida, através do volume de matéria, no mesmo sentido do feixe incidente. Na figura.4 temos um esquema dessas interações com base na energia solar atravessando a atmosfera terrestre. Figura.4 atenuação da radiação incidente por um elemento de matéria

5 5 No entanto, os corpos que absorvem radiação, emitem parte da mesma em diferentes comprimentos de onda. Deste modo, a radiação recebida pelo alvo sofre um acréscimo de energia devido a emissão do elemento de matéria. Figura.5 interação entre a radiação incidente e um elemento de matéria Finalmente, o elemento de matéria também pode receber energia de outras fontes e espalhar esta energia na direção do alvo. Desta forma, a radiação que atinge o alvo receberá um incremento de energia e temos a seguinte configuração: Figura.6 interação entre a radiação incidente e um elemento de matéria () Assim, num caso típico da radiação solar atravessando a atmosfera, a radiação medida em um determinado alvo à superfície é dada pela relação: Ralvo = RI RE RA+ RM+ RO (.8).3.1. O espalhamento de radiação solar na atmosfera terrestre Parte da radiação solar que atravessa a atmosfera é espalhada, ou seja, tem sua direção e sentido desviados por moléculas e partículas presentes no caminho óptico. A natureza do espalhamento depende do tipo de agente que realiza tal fenômeno. Isto é, o espalhamento causado por uma molécula de um gás tem características distintas do espalhamento causado por um aerossol ou por uma gotícula de nuvem. Além do agente causador, o espalhamento também vai depender do comprimento de onda da radiação. Por exemplo, a

6 6 radiação ultravioleta é espalhada com mais intensidade por uma molécula do que a radiação visível. Deste modo, a medida do espalhamento vai depender destes dois fatores: o comprimento de onda e a natureza do agente espalhador. Espalhamento Rayleigh é nome dado ao espalhamento de radiação por partículas muito pequenas, de forma que o comprimento de onda da radiação incidente seja muitas vezes maior do que a dimensão da partícula (r << λ). Esse tipo de fenômeno para radiação solar é geralmente promovido por moléculas e micropartículas em suspensão na atmosfera e, por esta razão, é também chamado de espalhamento molecular. Esse tipo de interação começou a ser estudado no século XIX, por Lord Rayleigh ( ), em virtude de observações da luz e da coloração do céu. No espalhamento Rayleigh a intensidade do espalhamento molecular é inversamente proporcional à quarta potência do comprimento de onda. Esta relação é a responsável pela coloração azul do céu. Apesar de a cor violeta apresentar o menor comprimento de onda e, portanto, a melhor eficiência de espalhamento, é a cor azul que se faz notar com maior facilidade. Isso acontece pois a radiação de cor azul é transmitida com maior facilidade através da atmosfera e, também, por que o olho humano é mais sensível à comprimentos de onda próximos do azul. No caso de partículas maiores, como aerossóis e gotas em nuvens, o espalhamento recebe o nome de espalhamento Mie, devido ao tratamento físico e matemático adotado para o fenômeno. Ao contrário dos gases, o espalhamento da radiação por partículas possui um grau de complexidade maior. Por exemplo, a variabilidade das características físico-químicas dos aerossóis é tamanha que não se pode generalizar o conhecimento adquirido sobre a forma do espalhamento e suas dependências com o comprimento de onda. Um exemplo dessa heterogeneidade é apresentado na tabela. com uma divisão simplificada das quatro categorias básicas de partículas em suspensão na atmosfera: Nome Raio Forma Índice de refração Aerossóis 0,1 1 μm irregular altamente variável Gotas (nevoeiro) 0,1 1 μm esférica Conhecido Gotas (chuva) 1 10 μm esférica Conhecido Cristais de gelo μm irregular Conhecido Tabela. - Características das partículas em suspensão na atmosfera O tratamento matemático do espalhamento Mie se baseia na hipótese de que as partículas são esferas homogêneas e com intensa descontinuidade do índice de refração em suas superfícies. Neste caso, considerase também que a radiação é espalhada igualmente em todos os comprimentos de onda. Por esta razão, as nuvens parecem brancas. Em dias muito poluídos e, portanto, com alta concentração de aerossóis a névoa também é esbranquiçada. O pôr e o nascer do sol têm cores que tendem para o amarelo e o vermelho. Nestes casos a luz tem que atravessar um caminho óptico bem maior e, portanto, a atenuação de radiação também é maior. Como os comprimentos de onda menores espalham com mais facilidade, resta apenas radiação de comprimentos de onda maiores, portanto, amarelo ou vermelho. Quando o raio das partículas é muito maior que o comprimento de onda da radiação, a distribuição angular da radiação espalhada é descrita pelos princípios da óptica geométrica. Neste caso está o

7 7 espalhamento de luz visível por gotas de chuva ou gotas maiores em nuvens e partículas de gelo. Este tipo de fenômeno explica a formação de arco íris, auréolas, halos, coroas, dentre outros. Sugestão: Realizar uma pesquisa sobre fenômenos ópticos como arco íris, auréolas, halos, coroas, etc..3.. Absorção de radiação solar na atmosfera terrestre Quando um feixe de radiação atravessa um determinado volume de gás, parte de sua energia pode ser absorvida pelas moléculas e átomos presentes nesse volume. Em contrapartida essa mesma massa de gás pode emitir energia em outros comprimentos de onda. Esses fenômenos se refletem tanto no balanço da energia mecânica, relacionada aos modelos de translação, rotação e vibração da molécula, quanto no balanço da energia eletrônica, relacionado à estrutura detalhada do núcleo e dos elétrons. Neste nível, a absorção e a emissão são observadas quando os elétrons sofrem transições de um estado para outro de energia. As primeiras investigações sobre as transições eletrônicas tiveram início no começo do século XX, em estudos sobre o espectro do átomo de hidrogênio, onde se mostrou que as órbitas circulares dos elétrons são quantizadas. Isto é, que seus momentos angulares são múltiplos de um valor básico. Dessa forma, os átomos podem existir em certo estado básico, de nível mínimo de energia, no qual não há emissão de radiação. A mesma só ocorre quando o átomo realiza uma transição de certo estado de energia E i para outro inferior, E i-1. A absorção, por sua vez, ocorre de maneira inversa, quando o elétron salta para uma órbita posterior. Neste caso, se diz que o átomo está em seu estado excitado. Matematicamente tem-se que: I I = hf (.9) i i 1 Onde hf representa o quantum de energia contido no fóton emitido durante a transição (h = constante de Planck = 6, m kg/s). Essa equação é denominada relação de Planck. No espectro solar, os principais gases absorvedores são o vapor d água, o oxigênio, o ozônio, o nitrogênio, o gás carbônico, além das espécies monoatômicas do oxigênio e nitrogênio. Outros espectros de absorção são observados para constituintes menores como o monóxido de carbono, a amônia e o óxido nitroso. Os espectros de absorção devido às transições eletrônicas do oxigênio e nitrogênio, atômicos e moleculares, ocorrem predominantemente na região ultravioleta, enquanto aquelas relacionadas às transições vibracionais de moléculas triatômicas como o vapor d água, ozônio e gás carbônico ocorrem na região do infravermelho. Na figura.7 são apresentados os espectros de absorção. Observa-se que abaixo de 0,3 μm a radiação é completamente absorvida pelo ozônio e oxigênio estratosféricos. Portanto, dizemos que a atmosfera é opaca para a radiação neste intervalo espectral. Entre 0,3 e 0,8 μm, na região visível e no final do espectro UV, a atmosfera é praticamente transparente. Ou seja, quase toda radiação solar atinge a superfície. A região infravermelha é de forte absorção, principalmente pelo vapor d água e pelo gás carbônico. Somente entre 8 e 1 μm é que também há uma grande região transparente, com exceção da banda de 9,6 μm onde o ozônio absorve fortemente. Esta região de transparência é chamada de janela atmosférica.

8 8 Figura.7 Espectros de absorção (adaptado de Varejão-Silva, 005) Observa-se, portanto, características bem marcantes para a radiação. Enquanto a atmosfera é praticamente transparente para a radiação solar, ela é praticamente opaca para a radiação terrestre (com exceção da janela atmosférica). Esse comportamento explica o efeito estufa, que podemos entender fazendo uma analogia com um carro parado sob o sol. A radiação solar penetra o vidro, mas a radiação de onda longa (emissão) não consegue sair. Resultado: aumento excessivo de temperatura dentro do carro. Parte do balanço de radiação do planeta é controlado pelas nuvens que refletem a radiação solar e absorvem fortemente a radiação terrestre, inclusive na região da janela atmosférica. Com isto, evita-se um forte aquecimento diurno e um forte resfriamento noturno..4. CONCEITOS BÁSICOS IMPORTANTES Nesta seção serão definidos alguns conceitos importantes para o estudo da radiação atmosférica. a) Corpo negro (CN): Trata-se de um corpo hipotético capaz de absorver toda radiação incidente sobre ele. b) Emissividade (ε λ ): É definida como a razão entre a energia emitida por um determinado corpo, num determinado comprimento de onda, e a correspondente energia emitida por um CN à mesma temperatura do corpo considerado. Portanto, ε CN = 1. c) Absortância (a λ ): É a razão entre a quantidade de energia absorvida e o total de energia que incide sobre um volume de matéria, para um dado comprimento de onda. Portanto, a CN = 1.

9 9 d) Refletância (r λ ): É a relação entre a energia refletida para o hemisfério de origem e a radiação incidente, para um dado comprimento de onda. Pela definição de CN, r CN = 0. e) Transmitância (t λ ): É a relação entre a energia transmitida e o total incidente, para um dado comprimento de onda. Um CN tem t CN = 0. Pela Lei da Conservação de Energia, temos: aλ + rλ + tλ = 1 (.10).5. LEIS DA RADIAÇÃO.5.1. Lei de Planck (Max Planck, 1900) Estabelece a distribuição espectral associada à máxima radiância espectral que pode ser emitida por um corpo em equilíbrio termodinâmico à uma dada temperatura T. A energia emitida por um corpo negro é depende de sua temperatura e do comprimento de onda em questão. Matematicamente é dada por: L λ = CN hc exp( hc KT) 1 5 λ λ [W m - sr -1 /m] (.11) Onde: c = velocidade da luz no vácuo = m/s m/s; h = constante de Planck = 6, Js; K = constante de Boltzmann = 1, J/K; T = temperatura do corpo negro [K]; λ = comprimento de onda [m]. A equação.11 também pode ser expressa em termos de freqüência (Hz) da onda eletromagnética: L 3 hf = c exp( hf KT) 1 fcn [W m - sr -1 /Ηz] (.1).5.. Lei do deslocamento de Wien (Wilhelm Wien, 1894) Estabelece uma relação de proporcionalidade inversa entre a temperatura de um corpo negro e o comprimento de onda associado ao máximo relativo da respectiva função de Planck. Ou seja, a derivada, em

10 10 função do comprimento de onda, da função de Planck é nula para o comprimento de onda cuja emitância é máxima. Eλ = 0 λ=λ λ máx Portanto, para o comprimento cuja emitância espectral seja máxima, temos: λ = = (.13) 3 máxt cte, mk Esta constante é denominada Constante de Wien. ER.. Considerando que a Terra e o sol emitam como corpos negros a temperaturas aproximada de 300 e 5770 K, aproximadamente, determine o comprimento de onda de máxima emissão destes astros. Resolução Da equação.13, tem-se: 3 6 Para a Terra: λ.300 =, λ = 9, 7 10 = 9, 7μ m T T Para o Sol: λ.5770 =, λ = 5, 0 10 = 0,5μ m S 3 7 S A Terra tem o pico de emissão em torno de 10μm (infra-vermelho), enquanto o sol tem o pico de emissão em 0,5μm (região visível do espectro). Pela lei de Planck, é fácil verificar que a Terra emite radiação entre 3,0 e 00 μm e o sol emite entre 0, e 3,0 μm. Por este motivo, chamamos a radiação solar de radiação de onda curta e a radiação terrestre de radiação de onda longa Lei de Stefan-Boltzmann (Josef Stefan, 1879; Ludwig Boltzmann, 1884) Estabelece uma relação de proporção direta entre a irradiância emitida por um corpo negro, já integrada sobre todo espectro eletromagnético, e a quarta potência da temperatura deste corpo. Se integrarmos a equação.11 em todo espectro eletromagnético, vamos obter a radiância integrada, ou seja: L(T) = L dλ 0 λcn K T x π K 4 λcn 3 x 3 ch (.14) e 1 15ch 0 0 L(T) = L dλ= dλ= T Onde x = hc/λkt. Para determinarmos a emitância devemos integrar L(T) no hemisfério:

11 11 π π E= cosθl(t)senθθφ=π d d L(T) (.15) 0 0 Substituindo.14 em.15, tem-se: 5 4 π K E = T = 5, T 3 15c h A constante é denominada constante de Stefan-Boltzmann (σ) e esta equação é rescrita como: E 4 = σ T (.16) ER.3. Determine a emitância radiante total de um corpo negro à temperatura do sol (~5770K) e à temperatura da Terra (~300 K) Resolução E 4 =σ T E S = 5, (5770) 4 = 6, Wm - = 6,8 MWm - E T = 5, (300) 4 = 459,3 Wm - ER.4. Determine a emitância espectral de um corpo negro à temperatura do Sol (5770 K), na faixa verde do espectro eletromagnético. Resolução De acordo com a tabela.1, o verde está no intervalo espectral entre 49 e 577 nm. Para avaliarmos a emissão neste intervalo espectral, vamos considerar a equação.14 da seguinte forma: K T x L(T) = L dλ= dx ch e 1, para x = hc/λkt. λcn 3 x A fração x não depende só de λ ou de T, mas sim do produto entre ambos. Isto quer dizer que, por exemplo, a fração da intensidade emitida por um corpo negro na região do espectro entre 0 e 10 nm a 1000 K é a mesma que a fração da intensidade emitida entre 0 e 5 nm a 000 K. Para calcular a integral devemos usar o método de Simpson ou a seguinte aproximação: Vamos definir a função F(x) dada por: 3 3 x 15 x 15 x e F(x) = dx = dx π e 1 π 1 e 4 x 4 x x x

12 1 O termo 1 e x pode ser expresso como uma soma de potências e x desenvolvendo-se o binômio (1-z)=1+z+z+z+z+... Então: Integrando por partes, temos: 15 3 x 3 4 F(x) = x e (1+z+z +z +z +...)dx π 4 x 15 exp( nx) 3 3x 6x 6 F(x) = x π n= 1 n n n n Usando uma planilha excel ou um fazendo um pequeno programa em Fortran, podemos calcular F(x 49 ) e F(x 577 ). A intensidade total emitida neste espectro será de: E = [F(x ) F(x )] σ T 1 4 Desta equação podemos tirar as seguintes conclusões: A baixas temperaturas praticamente toda radiação é infravermelha. A altas temperaturas a contribuição da radiação UV é cada vez maior e as radiações visível e IV se fazem cada vez menores. A contribuição de radiação visível é máxima em 7100 K. Podemos também tirar conclusões acerca da cor aparente de um corpo a uma data temperatura. Por exemplo, a 000 K um corpo emite luz em todo espectro visível, mas a maior intensidade se dá no vermelho extremo (baixa freqüência e comprimento de onda grande) e o corpo é visto como um vermelho brilhante. A 3000 K, a temperatura aproximada de uma lâmpada incandescente, a quantidade relativa de luz azul aumenta, mas ainda predomina a componente vermelha. Portanto, a vemos num tom amarelado. A 6000 K, que é aproximadamente a temperatura do sol, a distribuição é quase uniforme em todo o visível e o corpo aparece branco brilhante. Acima de K a luz azul é emitida com maior intensidade que a vermelha e o corpo é visto em tom azulado (estrelas quentes). O resultado obtido para a emissão de um corpo negro à temperatura de 5770 K, no espectro de cor verde, é de, aproximadamente, 6, W/m. Sugestão: Reproduza este resultado, faça o mesmo para outros espectros e compare Lei de Kirchhoff (Gustav Kirchhoff, 1859) A emissividade de um corpo, para um dado comprimento de onda, dividida pela absortância deste mesmo corpo, para o mesmo comprimento de onda, é igual a emissividade de um corpo negro. Ou seja, a energia absorvida por um corpo a uma dada temperatura em um determinado comprimento de onda é igual a energia emitida por esse corpo a esta mesma temperatura e a este mesmo comprimento de onda. Ou seja, a λ = ε λ.

13 13 ε λ = 1 =ε CNλ (.17) a λ Para um corpo não-negro (denominado corpo cinza), a emissividade é menor do que 1. Neste caso a emitância é dada pela seguinte equação: ε =. ε (.18) CCλ Onde λ é denominada emissividade. Substituindo essa equação em.16, temos que a emitância radiante total de um corpo cinza (E CC ) é: λ CNλ E 4 = σ T (.19) Na tabela.1 são apresentados alguns valores de emissividade: Material Material Material Concreto 0,9 0,97 Papel preto 0,90 Solo seco 0,9 Vidro 0,9 Papel verde 0,85 Solo saturado 0,95 Gelo 0,97 Papel branco 0,68 Água 0,95 PVC 0,91 0,93 Areia 0,90 Alumínio anodizado 0,77 Neve 0,80 Pele humana 0,98 Alumínio polido 0,05 Tabela.1 Alguns valores de emissividade ER.5. Um planeta de raio R p realiza uma órbita em torno de uma estrela de raio R E. Esta estrela é isotérmica à temperatura T E e emite radiação como um corpo negro. Qual é o fluxo total emitido por essa estrela? Resolução F F Do ER.1 vimos que: E = Eo F E o4 R ΔA = 4πR = π 4 Da equação.16, vimos que: E =σ T. Portanto, para essa estrela, temos: F=σT 4π R 4 E E ER.6. A órbita do planeta em torno da estrela do exercício.5 é excêntrica a ponto da distância que os separa sofrer variações de cerca de 0% em relação à média. Avalie a irradiância incidente no planeta nos pontos de máximo e mínimo afastamento.

14 14 Resolução F 4πR σt R σt E 1,56 ΔA 4 π(0,8d) d 4 4 E E E E mín = = = F 4πR σt R σt E 0,69 ΔA 4 π(1,d) d 4 4 E E E E máx = = = Ou seja, E mín = 1,56 E média, enquanto E máx = 0,69 E média.5.5. Lei de Beer-Bouguer-Lambert (August Beer, Pierre Bouguer, Johann Heinrich Lambert) A lei de Beer é assim definida: Um feixe monocromático de radiação sofre uma atenuação exponencial ao atravessar um meio homogêneo. Matematicamente, a mesma pode ser rescrita como: ks I = λ I e λ (.0) oλ Onde k λ é o coeficiente espectral de extinção e s é o caminho óptico. A lei de Beer, expressa em.0, é representada na figura.8. Figura.8 Representação para a Lei de Beer No entanto, o fluxo de radiação pode incidir de maneira inclinada sobre a superfície. Assim, se redesenharmos a figura.8 levando em consideração o fluxo de radiação, temos:

15 15 Figura.9 Fluxo inclinado na superfície Sobre a superfície, o fluxo incidente é dado por: I N F = A 1 I N é denominada irradiância normal, ou seja, perpendicular à superfície. No entanto, o fluxo atinge perpendicularmente uma determinada área A, cuja irradiância é dada por: Como o fluxo é o mesmo, pode-se escrever que: F I = A I= I N A A 1 Como a relação A 1 /A é o cosseno do ângulo ζ,, então escreve-se que: I= I cosζ (.1) N.6. ESTIMATIVAS DE IRRADIÂNCIA SOLAR DIRETA, GLOBAL E DIFUSA A radiação solar que incide no topo da atmosfera varia basicamente com a latitude e o tempo, isto é, a época do ano e a hora do dia. Ao entrar na atmosfera parte da radiação solar interage com os elementos presentes e parte atinge a superfície sem que haja interações. Assim, denomina-se de Radiação Direta a parte da energia solar que atravessa a atmosfera e não sofre interações com o volume de matéria, chegando diretamente à superfície. Portanto, a densidade de fluxo deste tipo de radiação é chamada de irradiância solar direta (I D ). A Radiação Difusa é a parte da radiação solar que sofreu algum tipo de interação com o volume de matéria e atinge a superfície vinda de outras direções que não aquela do sol. Relativa a este fluxo,

16 16 denomina-se irradiância solar difusa (I d ). A soma de ambas irradiâncias é denominada irradiância total (I). Assim, tem-se: I= I + I (.) D d Para uma superfície horizontal, a equação. pode ser rescrita como: I= I cosζ+ I (.3) N d Onde I N é a irradiância normal à superfície e ζ é a distância zenital do sol. Uma vez conhecidas as componentes (direta, difusa e global) da radiação, vamos estudar algumas técnicas empíricas (ou semi-empíricas) para estimativa destas componentes:.6.1. Irradiância solar no topo da atmosfera A irradiância instantânea (I o ) sobre uma superfície horizontal no topo da atmosfera é dada por: d Io = S cosζ d (.4) Onde S é a constante solar, definida como a irradiância solar normal a uma distância média Terra-Sol na d ausência de atmosfera. Seu valor é de, aproximadamente, 1367 Wm -. O valor de é dado pela equação d 1.1 e ζ é a distância zenital do sol. No entanto, para muitos estudos, é de interesse determinar a quantidade total de radiação incidente ao longo de um dia. Ou seja, a irradiância solar diária (ou a dose) sobre a superfície. Para tanto, basta usarmos a equação.7: tp tn d Do = S cosζdt d (.5) Onde t n e t p são os instantes de nascer e do pôr do sol, respectivamente. Combinando as equações.3 e 1.13, temos:

17 17 tp tn d Do = S ( sen ϕ senδ+ cosϕcos δcos H) dt d (.6) Algumas aproximações podem ser feitas em.6. Em um único dia, a distância Terra-Sol (d) e a declinação (δ) são praticamente constantes. Portanto, como a latitude também é constante, podem sair da integral. Isto é: tp tp d Do = S sen ϕ senδ dt + cos ϕ cosδ cos Hdt d (.7) tn tn Para facilitar a integração de cosh, podemos relacionar o tempo (t) com o ângulo horário (H), através da velocidade angular de rotação da Terra (ω), já que: dh 1 dt dh dt =ω = ω (.8) Então,.7 pode ser rescrita como: + H + H S d Do = sen ϕ senδ dh + cos ϕ cosδ cos Hdh d (.9) ω H H Integrando e substituindo os valores de S e de ω temos: d Do = 37, 6 H sen ϕ senδ+ cos ϕ cos δ senh d ( ) (.30) Sendo H em radianos e D o em MJ/m. Tente calcular a irradiância solar diária no topo da atmosfera sobre Itajubá (,41 S; 45,44 W) para hoje..6.. Irradiância global à superfície Normalmente os valores de irradiâncias (global, direta ou difusa) são obtidos através de medidas realizadas por instrumentos instalados em superfície ou a bordo de satélites. Veremos mais detalhes sobre instrumentação meteorológica em um tópico especial. No entanto, é possível avaliar, de uma maneira aproximada, as irradiâncias numa determinada localidade onde não haja instrumentação adequada.

18 18 Dentre muitas aproximações empíricas existentes na literatura, a mais difundida é aquela que utiliza a técnica estatística dos mínimos quadrados. Neste caso, a irradiância global é representada pela seguinte equação: n I= Io a+ b N (.31) Onde, os termos a e b são determinados empiricamente através de regressão linear de medidas prévias realizadas em uma determinada localidade; n é a duração do brilho solar observado e N a duração astronômica do período diurno (n e N em horas). Para determinar a e b, rescreve-se a equação.31 da seguinte forma: Y = a+ bx (.3) Com Y = I/I o e X = n/n. Podemos então escrever o seguinte sistema de equações: Y= K1a+ b X Y= Ka+ b X (.33) Onde o termo K 1 e K indicam o número de pares de valores observados (X,Y) usados. O ajuste da reta é feito pelo coeficiente de regressão linear (r). O valor de r varia de 1 r +1 e a reta é tão melhor quanto r se aproxima de 1. O coeficiente r é dado por: r = K XY X Y { ( ) ( ) } K X X K Y Y (.34) Varejão-Silva (005) destacam algumas observações importantes para uma boa estimativa. Quando existem muitos pares de valores (I, n) diários, é conveniente separá-los em conjuntos relacionados com a quantidade de nebulosidade. Desta forma, obter-se-á um coeficiente de regressão para cada caso e os resultados, por conseqüência, se tornam mais representativos. Estudos mostram que quando há muita nebulosidade (n pequeno), o ajuste tende a ser pior do que aquele observado para céu claro (n grande). Isso ocorre, pois não há como um heliógrafo (sensor que registra o tempo de insolação) diferenciar situações de nuvens que podem influenciar bastante na relação de radiação direta/difusa e, portanto, pode apontar medidas semelhantes para diferentes condições de nebulosidade.

19 Irradiância solar direta à superfície Também existem diversos métodos empíricos para se determinar o valor de irradiância solar direta. Vianello e Alves (1991) apresentam a relação de Brooks para irradiância direta normal (I N ) sob condições de céu limpo: Onde τ é a transmitância atmosférica dada por: I N d = S τ d (.35) 0,75 0,60 pm Wm τ= exp 0, 089 0,174 0, 083(dm) ,90 (.36) Em.36, p é a pressão atmosférica (em hpa) e d é a espessura óptica (parâmetro de atenuação) relacionada aos aerossóis (adimensional). O valor de d depende de quão poluída é a região. Por exemplo, uma localidade urbana apresenta d ~ 0,5 em condições poluídas. m é a massa óptica (também adimensional) dada por: m= 35 1 cos ζ (.37) Repare que m varia de 1 (quando ζ = 0 sol no zênite) até 35 (quando ζ = 90 sol no horizonte). E W é a quantidade de água precipitável na atmosfera, na direção do zênite, (em mm), dada pela fórmula de Hann: W =,5e (.38) Onde e é a pressão de vapor em hpa. Veremos mais sobre esta fórmula no próximo capítulo. Um exemplo de modelo mais complexo e preciso para cálculos de irradiâncias diretas e difusas pode ser visto em Irradiância solar global sobre superfícies inclinadas No caso de superfícies inclinadas, o valor instantâneo da irradiância global para céu claro é dado por: I = I cos θ+ I cos ( α / ) + R(I cos θ+ I )sen ( α / ) (.39) N d N d

Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 1 RADIAÇÃO SOLAR

Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 1 RADIAÇÃO SOLAR Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 1 RADIAÇÃO SOLAR A radiação solar é fonte primária de energia para os processos biológicos e meteorológicos que ocorrem na superfície. A sua importância

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro.

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro. Radiação de Corpo Negro Uma amostra metálica como, por exemplo, um prego, em qualquer temperatura, emite radiação eletromagnética de todos os comprimentos de onda. Por isso, dizemos que o seu espectro

Leia mais

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I Radiação Solar Prof. Dr. Emerson Galvani Laboratório de Climatologia e Biogeografia LCB Na aula anterior verificamos que é

Leia mais

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução Apostila da Disciplina Meteorologia Física II ACA 0326, p. 40 4. Medição de Irradiância 4.1 Introdução Das grandezas radiométricas definidas no capítulo 1, os instrumentos convencionais utilizados em estudos

Leia mais

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Radiação Radiação é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas são constituídas de um campo elétrico e um campo magnético que variam harmonicamente, um

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar Prof. Dr. Luiz Gonsaga de Carvalho Núcleo Agrometeorologia e Climatologia DEG/UFLA Absorção seletiva de radiação Absorção seletiva

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO CAPÍTULO 2 AS INTERAÇÕES ENTRE A ENERGIA E A MATÉRIA 1.0. Introdução No Capítulo 1 vimos que o sensoriamento remoto é o ramo da ciência que retrata a obtenção e análise de informações sobre materiais (naturais

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Contatos : Felipe da Silva Cardoso professorpetrobras@gmail.com www.professorfelipecardoso.blogspot.com skype para aula particular online: felipedasilvacardoso

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais As transições atômicas individuais (das quais falaremos mais adiante) são responsáveis pela produção de linhas espectrais. O alargamento das linhas

Leia mais

Controle Primário rio do tempo e do clima

Controle Primário rio do tempo e do clima Controle Primário rio do tempo e do clima Condução entre corpos em contato físico direto. Transferência de energia entre as moléculas Convecção Somente ocorre em líquidos e gases. Transferência de calor

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta XXII Encontro Sergipano de Física Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta Prof. Dr. Milan Lalic Departamento de Física Universidade Federal de Sergipe

Leia mais

Radiação Solar Balanço de Energia

Radiação Solar Balanço de Energia LCE 306 Meteorologia Agrícola Prof. Paulo Cesar Sentelhas Prof. Luiz Roberto Angelocci Aula # 5 Radiação Solar Balanço de Energia ESALQ/USP 2009 Radiação Solar Radiação solar maior fonte de energia para

Leia mais

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR META Apresentar alguns fenômenos radioativos como fontes de energia do sistema atmosférico e as formas de transmissão de calor, para que o aluno compreenda a instabilidade

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 1 2 PROCESSAMENTO DE IMAGENS espectro visível

Leia mais

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível.

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Radiação eletromagnética componentes de campo elétrico e de campo magnético, os quais são perpendiculares

Leia mais

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S D E S E N S O R I A M E N T O R E M O T O E l i s a b e t e C a r i a d e M o r a e s 1 INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS-INPE 1 e.mail : bete@ltid.inpe.br

Leia mais

Biofísica Bacharelado em Biologia

Biofísica Bacharelado em Biologia Biofísica Bacharelado em Biologia Prof. Dr. Sergio Pilling PARTE A Capítulo 4 Luz como uma onda, refração, polarização, difracão e interferência. Formação de imagens e instrumentos óticos. Objetivos: Nesta

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ONDAS, Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica

FUNDAMENTOS DE ONDAS, Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica FUNDAMENTOS DE ONDAS, RADIAÇÕES E PARTÍCULAS Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica Questões... O que é uma onda? E uma radiação? E uma partícula? Como elas se propagam no espaço e nos meios materiais?

Leia mais

Radiação Solar como forçante climática

Radiação Solar como forçante climática Radiação Solar como forçante climática O Sol fornece 99,97 % Emite 2,34 x10 22 MJ/min. Terra intercepta apenas 1,06 x 10 13 MJ (milionésimo) Milhares de vezes maior que consumo anual de energia no planeta.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-MN12 DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO

Leia mais

Radiação solar disponível

Radiação solar disponível Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Radiação solar disponível 2 º. semestre, 2015 Radiação solar disponível na superfície terrestre: Medidas

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO Peterson Ricardo Fiorio Definição: Sensoriamento Remoto É a ciência ou a arte de se obterem informações sobre um objeto, área ou fenômeno, através de dados coletados

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA Prof. Fabio Reis 2004 FUNDAMENTOS BÁSICOS DA METEOROLOGIA ATMOSFERA E AQUECIMENTO DA TERRA pg.- 02 VAPOR DE ÁGUA - NUVENS pg.- 20 PRESSÃO CARTA SINÓTICA

Leia mais

TEMA 2 ENERGIA DA ATMOSFERA

TEMA 2 ENERGIA DA ATMOSFERA Meteorologia Geral 21 TEMA 2 ENERGIA DA ATMOSFERA 2.1 Introdução A principal fonte de energia da Terra (Vide a Figura 2.1) é o Sol (Vide a Figura 2.1). Uma pequena quantidade de energia provém do interior

Leia mais

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE 1.0. O Universo O Universo que pode ser observado pelo homem abrange milhões e milhões de quilômetros. Dentro desse Universo existem incontáveis galáxias, destacando-se

Leia mais

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O SOL E O SISTEMA SOLAR SE ENCONTRA NA VIA-LÁCTEA SIMPLES GRAUM DE AREIA ENTRE AS INCONTAVEIS GALÁXIAS DO UNIVERSO VISÍVEL

Leia mais

~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js. Comprimento de Onda (nm)

~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js. Comprimento de Onda (nm) Ultravioleta e Visível ~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js Se, c = λ υ, então: E fóton = h c λ Espectro Contínuo microwave Luz Visível Comprimento

Leia mais

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico.

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. Introdução Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. A confecção do experimento permitirá também a observação da dispersão

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Física Óptica 1

Projeto CAPAZ Básico Física Óptica 1 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso a alguns conceitos que fazem parte da física óptica. Refletiu sobre o conceito de luz, seus efeitos, de que forma ela está relacionada à nossa visão e

Leia mais

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas.

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas. Teoria básica das ondas eletromagnéticas Geração de ondas eletromagnéticas Um condutor elétrico que esteja sobre a influência dum campo magnético variável gera uma corrente elétrica. Esta corrente elétrica

Leia mais

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização Polarização: Propriedade das ondas transversais Ondas em uma corda Oscilação no plano vertical. Oscilação no plano horizontal. Onda

Leia mais

Prof. Eduardo Loureiro, DSc.

Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Transmissão de Calor é a disciplina que estuda a transferência de energia entre dois corpos materiais que ocorre devido a uma diferença de temperatura. Quanta energia é transferida

Leia mais

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni Colégio Zaccaria TELEFAX: (0 XX 21) 3235-9400 www.zaccaria.g12.br Lista de exercícios Física II (Recuperação) 2º Período 2014 Aluno(a): N.º Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni QUESTÃO 1

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária.

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária. Luz: é uma onda eletromagnética, que tem comprimento de onda (do espectro visível) na faixa de 400 nm a 700 nm (nm = nanômetros = 10-9 m). Além da luz visível, existem outras onda eletromagnéticas om diferentes

Leia mais

REFRAÇÃO DA LUZ - Definições ÂNGULOS - Incidência - Reflexão - Refração Índice de Refração Absoluto de um Meio (n) Analisando as Grandezas

REFRAÇÃO DA LUZ - Definições ÂNGULOS - Incidência - Reflexão - Refração Índice de Refração Absoluto de um Meio (n) Analisando as Grandezas ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação REFRAÇÃO DA LUZ - Definições ÂNGULOS - Incidência - Reflexão - Refração Índice de Refração Absoluto de um Meio (n)

Leia mais

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14 17/Abr/2015 Aula 14 Introdução à Física Quântica Radiação do corpo negro; níveis discretos de energia. Efeito foto-eléctrico: - descrições clássica e quântica - experimental. Efeito de Compton. 22/Abr/2015

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA É a parte da Física que estuda os fenômenos relacionados com a luz e sua interação com meios materiais quando as dimensões destes meios é muito maior que o

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

TÍTULO: : ANÁLISE DO ESPECTRO DE RADIAÇÃO SOLAR E SUA IMPORTÂNCIA NO CORRETO DIMENSIONAMENTO DE TECNOLOGIAS PARA CONVERSÃO FOTOVOLTAICA DE ENERGIA

TÍTULO: : ANÁLISE DO ESPECTRO DE RADIAÇÃO SOLAR E SUA IMPORTÂNCIA NO CORRETO DIMENSIONAMENTO DE TECNOLOGIAS PARA CONVERSÃO FOTOVOLTAICA DE ENERGIA TÍTULO: : ANÁLISE DO ESPECTRO DE RADIAÇÃO SOLAR E SUA IMPORTÂNCIA NO CORRETO DIMENSIONAMENTO DE TECNOLOGIAS PARA CONVERSÃO FOTOVOLTAICA DE ENERGIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA:

Leia mais

www.ideiasdemarte.com.br

www.ideiasdemarte.com.br www.ideiasdemarte.com.br INTRODUÇÃO Esta apostila foi criada com intuito de levar algum material sobre a meteorologia para pesquisadores do campo e pesquisadores de ufologia, devido à procura sem sucesso

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 1.º Teste sumativo de FQA 21. Out. 2015 Versão 1 10.º Ano Turma A e B Professora: Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 9 páginas e termina na palavra

Leia mais

Aula 3 ORIGEM DA TEORIA QUÂNTICA. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes

Aula 3 ORIGEM DA TEORIA QUÂNTICA. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes Aula 3 ORIGEM DA TEORIA QUÂNTICA META Apresentar a origem da mecânica quântica e suas conseqüências. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: a. a hipótese quântica de Max Planck e sua aplicação

Leia mais

TEORIA INFRAVERMELHO

TEORIA INFRAVERMELHO TEORIA INFRAVERMELHO Irradiação ou radiação térmica é a propagação de ondas eletromagnética emitida por um corpo em equilíbrio térmico causada pela temperatura do mesmo. A irradiação térmica é uma forma

Leia mais

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR. No vácuo, todas as ondas eletromagnéticas. independentemente de sua frequência.

Física PRÉ VESTIBULAR / / Aluno: Nº: Turma: PRÉ-VESTIBULAR. No vácuo, todas as ondas eletromagnéticas. independentemente de sua frequência. PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: ONDAS Física Dudu 01. F.M. Triângulo Mineiro MG. III) No vácuo, todas as ondas eletromagnéticas caminham com uma mesma velocidade, independentemente

Leia mais

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar.

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. PRINCÍPIOS DA ÓPTICA A luz do Sol percorre a distância de 150 milhões de quilômetros com uma velocidade

Leia mais

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores F 609A Tópicos de Ensino de Física Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores Aluno: Bruno Gomes Ribeiro RA: 059341 onurbrj@hotmail.com Orientador: Professor Doutor Flavio

Leia mais

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA

COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA COMO OS LIVROS DIDÁTICOS DE ENSINO MÉDIO ABORDAM O EFEITO ESTUFA Elizabeth Cristina Tavares Veloso 1, Juracy Regis de Lucena Junior 2. 1 Departamento de Química, Universidade Estadual da Paraíba -UEPB,

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria 5 a série 5.1) O filamento de tungsténio de uma lâmpada incandescente está à temperatura de 800 C. Determine o comprimento de onda da radiação emitida

Leia mais

Material Extra de Física

Material Extra de Física Material Extra de Física ONDAS 01. (F. M. Triângulo Mineiro MG) ENTÃO MAFALDA, O QUE ESTÁ ACHANDO DO MAR? ATÉ AGORA, UM INDECISO f (10 14 m) λ (10-7 m) 6,7 Violeta Azul 4,8 5,6 Verde x Amarelo 5,8 5,0

Leia mais

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos 3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos A espectroscopia estuda a interação da radiação eletromagnética com a matéria, sendo um dos seus principais objetivos o estudo dos níveis de energia

Leia mais

Ficha Formativa Energia do Sol para a Terra

Ficha Formativa Energia do Sol para a Terra ACTIVIDADE PRÁCTICA DE SALA DE AULA FÍSICA 10.º ANO TURMA A Ficha Formativa Energia do Sol para a Terra 1. Na figura seguinte estão representados os espectros térmicos de dois corpos negros, na zona do

Leia mais

ANALÍTICA V 2S 2012. Aula 4: 10-12-12 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

ANALÍTICA V 2S 2012. Aula 4: 10-12-12 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan ANALÍTICA V 2S 2012 Aula 4: 10-12-12 ESPECTROSCOPIA Espectrofotometria no UV-Vis Vis - Parte I Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

Leia mais

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas Biofísica 1 Ondas Eletromagnéticas Ondas Ondas são o modo pelo qual uma perturbação, seja som, luz ou radiações se propagam. Em outras palavras a propagação é a forma na qual a energia é transportada.

Leia mais

Introdução aos métodos espectrométricos. Propriedades da radiação eletromagnética

Introdução aos métodos espectrométricos. Propriedades da radiação eletromagnética Introdução aos métodos espectrométricos A espectrometria compreende um grupo de métodos analíticos baseados nas propriedades dos átomos e moléculas de absorver ou emitir energia eletromagnética em uma

Leia mais

Espectros de radiação descontínuos e a composição do Universo. Espectros de emissão e de absorção

Espectros de radiação descontínuos e a composição do Universo. Espectros de emissão e de absorção Espectros de radiação descontínuos e a composição do Universo Espectros de emissão e de absorção O Espetro Eletromagnético 2 Auguste Comte A propósito dos astros, no séc. XIX afirma Poderemos determinar

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber SENSORIAMENTO REMOTO Revisão de conteúdo Prof. Marckleuber Engenharia de Agrimensura - 2013 SENSORIAMENTO REMOTO - Conceitos De um modo geral, o Sensoriamento Remoto pode ser definido como: O conjunto

Leia mais

Sistema de Radiação Térmica

Sistema de Radiação Térmica Sistema de Radiação Térmica Londrina-Paraná 16 de maio de 2013 Aluna: Thais Gomes Venâncio Sistema de Radiação Térmica Relatório de Laboratório de Moderna I, feito pela aluna Thais Gomes Venancio, ministrado

Leia mais

Lista de refração e reflexão Ondulatória - Prof. Flávio

Lista de refração e reflexão Ondulatória - Prof. Flávio 1. (Ufu 2006) João corre assoviando em direção a uma parede feita de tijolos, conforme figura a seguir. A frequência do assovio de João é igual a f(inicial). A frequência da onda refletida na parede chamaremos

Leia mais

XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar

XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar Gabarito Primeira Fase Cruzadinha 3 6 1 V Ê N U S E 2 L U A 8 1 S N M 3 E S P E C T R O S C O P I A Q 2 R R U T E 4 É I 4 E C L Í P T I C A 7 N R

Leia mais

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( )

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( ) Aula Óptica Luz visível A luz que percebemos tem como característica sua freqüência que vai da faixa de 4.10 14 Hz ( vermelho) até 8.10 14 Hz (violeta). Esta faixa é a de maior emissão do Sol, por isso

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

Acção de Formação de Radiocomunicações. Prof. José Sá (CT1EEB) (Docente do programa Aveiro-Norte da Universidade de Aveiro)

Acção de Formação de Radiocomunicações. Prof. José Sá (CT1EEB) (Docente do programa Aveiro-Norte da Universidade de Aveiro) PROPAGAÇÃO E ONDAS Acção de Formação de Radiocomunicações Prof. José Sá (CT1EEB) (Docente do programa Aveiro-Norte da Universidade de Aveiro) Prof. Teresa Ferrinho (CT2JQI) (Docente de Ciências Físico-Químicas)

Leia mais

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves)

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) INTRODUÇÃO A Radiação Solar é a maior fonte de energia para a Terra, sendo o principal elemento meteorológico,

Leia mais

Propriedades Corpusculares da. First Prev Next Last Go Back Full Screen Close Quit

Propriedades Corpusculares da. First Prev Next Last Go Back Full Screen Close Quit Propriedades Corpusculares da Radiação First Prev Next Last Go Back Full Screen Close Quit Vamos examinar dois processos importantes nos quais a radiação interage com a matéria: Efeito fotoelétrico Efeito

Leia mais

1 Bases experimentais da Mecânica Quântica.

1 Bases experimentais da Mecânica Quântica. 1-1 1 Bases experimentais da Mecânica Quântica. 1.1 A radiação térmica No último ano do século XIX, e especialmente no ano 1900, Max Planck (1858-1947) procurou encontrar uma fórmula, com a qual se poderia

Leia mais

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015 RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA Daniel C. Zanotta 23/03/2015 O QUE É A REM? A radiação eletromagnética é uma oscilação, em fase, dos campos elétricos e magnéticos. As oscilações dos campos magnéticos e elétricos

Leia mais

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015 SENSORES REMOTOS Daniel C. Zanotta 28/03/2015 ESTRUTURA DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 COMPONENTES DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 LANÇAMENTO FOGUETES DE LANÇAMENTO SISTEMA SENSOR TIPOS DE SENSORES

Leia mais

Introdução à Óptica Luz

Introdução à Óptica Luz Introdução à Óptica Luz A luz é uma forma de energia que se propaga nos meios materiais e também no vácuo. A luz emitida pelo Sol estrela mais próxima da Terra chega a nós em 8 minutos e 20 segundos, percorrendo

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

I- INTRODUÇÃO. 1- Luz A luz é uma onda eletromagnética capaz de sensibilizar nossos órgãos visuais

I- INTRODUÇÃO. 1- Luz A luz é uma onda eletromagnética capaz de sensibilizar nossos órgãos visuais I- INTRODUÇÃO 1- Luz A luz é uma onda eletromagnética capaz de sensibilizar nossos órgãos visuais 2- Raio de luz: linha orientada que representa, graficamente, a direção e o sentido de propagação da luz.

Leia mais

Atividade de Reforço2

Atividade de Reforço2 Professor(a): Eliane Korn Disciplina: Física Aluno(a): Ano: 1º Nº: Bimestre: 2º Atividade de Reforço2 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A ATIVIDADE I. Leia atentamente o resumo da teoria. II. Imprima a folha com

Leia mais

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO 4.1 O Processo da Evaporação Para se entender como se processa a evaporação é interessante fazer um exercício mental, imaginando o processo

Leia mais

CONSTANTE DE PLANCK 739EE

CONSTANTE DE PLANCK 739EE 1 T E O R I A 1. INTRODUÇÃO Segundo Studart (2000).. A invenção do quantum de energia é um dos muitos exemplos na historia da ciência que revela que conceitos científicos são criados por ações da imaginação

Leia mais

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2 OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

Astrofotografia do sistema solar

Astrofotografia do sistema solar Astrofotografia do sistema solar Jéssica de SOUZA ALVES 1 ; Mayler MARTINS 2 1 Estudante do curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio, Bolsista de Iniciação Científica Júnior (PIBICJr) FAPEMIG.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA NÚCLEO DE AGROMETEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA GNE109 Agrometeorologia RADIAÇÃO SOLAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA NÚCLEO DE AGROMETEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA GNE109 Agrometeorologia RADIAÇÃO SOLAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA NÚCLEO DE AGROMETEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA GNE109 Agrometeorologia RADIAÇÃO SOLAR Prof. Antônio Augusto Aguilar Dantas Prof. Luiz Gonsaga de Carvalho

Leia mais

EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA

EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA Questão 1 O molibdênio metálico tem de absorver radiação com frequência mínima de 1,09 x 10 15 s -1 antes que ele emita um elétron de sua superfície via efeito fotoelétrico.

Leia mais

Exercícios Refração Dudu Física

Exercícios Refração Dudu Física Exercícios Refração Dudu Física 1.(UFPR-10) Descartes desenvolveu uma teoria para explicar a formação do arco-íris com base nos conceitos da óptica geométrica. Ele supôs uma gota de água com forma esférica

Leia mais

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano.

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. PROFESSORA NAIANE As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. A este movimento dá-se o nome de movimento

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 5 PROPRIEDADES ONDULATÓRIAS DA MATÉRIA Primeira Edição junho de 2005 CAPÍTULO 5 PROPRIEDADES ONDULATÓRIAS DA MATÉRIA ÍNDICE 5.1- Postulados

Leia mais

Mineralogia Óptica, Nardy, A.J.R; Machado, F.B, cap.i, pag.1

Mineralogia Óptica, Nardy, A.J.R; Machado, F.B, cap.i, pag.1 Mineralogia Óptica, Nardy, A.J.R; Machado, F.B, cap.i, pag.1 I- Introdução Conceitos Básicos Luz: É a parte visível do espectro eletromagnético, que compreende desde os raios γ até as ondas longas de rádio,

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2 2- Câmaras Fotogramétricas Generalidades (fotografia) Elementos Fotografia aérea Espectro Eletromagnético 1 Fotogrametria é a arte, ciência, e tecnologia de obtenção

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 14 de Abril de 2010 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B.

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B. 04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A e m B, sendo m A < m B, afirma-se que 01. Um patrulheiro, viajando em um carro dotado de radar a uma

Leia mais

O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções

O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções 1. O polarímetro Polarímetros são aparelhos que medem directamente a rotação de polarização, através da medição do ângulo de rotação de um analisador.

Leia mais

Física Experimental - Óptica - luz policromática e laser - EQ045B.

Física Experimental - Óptica - luz policromática e laser - EQ045B. Índice Remissivo... 5 Abertura... 8 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos algarismos 199 são destinadas ao professor.... 8 All of the basic

Leia mais