Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 1 RADIAÇÃO SOLAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 1 RADIAÇÃO SOLAR"

Transcrição

1 Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 1 RADIAÇÃO SOLAR A radiação solar é fonte primária de energia para os processos biológicos e meteorológicos que ocorrem na superfície. A sua importância para as plantas é, tanto, quantitativa (densidades de fluxos de energia usada na fotossíntese) como qualitativamente (comprimento de ondas e fotoperíodo, para indução ao florescimento e fotossíntese). O calor pode ser transmitido na atmosfera através de três processos: condução, convecção e radiação. a) condução: processo de transferência de energia de molécula a molécula, porém o ar é um mau condutor de calor, por isso, esse não é o processo preferencial; b) convecção: processo em que há movimentação de uma massa (de ar) em função de diferença de densidade. A elevação do ar quente acontece porque esse é menos denso do que o ar frio (mais denso). Além da convecção vertical existe a convecção horizontal a qual é denominada de ADVECÇÃO que ocorre em conseqüência de diferenças de pressão; c) radiação: processo de transferência de energia entre dois corpos sem haver, necessariamente, um meio de conexão entre eles. Esse é o principal processo de troca de energia entre a Terra e o Sol. Conceitos fundamentais: Radiância: Intensidade de radiação ou, ainda, é a quantidade de energia radiante por unidade de área. 1J/m 2 = 10-4 J/cm 2 = 2, cal/cm 2 Densidade de fluxo de radiação: representa a quantidade de energia radiante que passa através de um certo plano na unidade de tempo e de área, compreendendo as radiações vindas de todas as direções. 1W/m 2 = 0,1 mw/cm 2 = 1, cal/cm 2 min 1W = 1 J/s = 1 W/m 2 = 1 J/m 2 s Irradiância: é a densidade de fluxo de radiação incidente sobre uma superfície LEIS DA RADIAÇÃO 1 LEI DE PLANCK A luz viaja no universo por pequenas partículas chamadas de fótons. Quantum (plural é quanta) é a energia de um fóton. Viaja no espaço formando ondas eletromagnéticas. O comprimento de cada onda é a distância entre uma crista e outra de uma mesma onda.

2 Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 2 A energia de um fóton é diretamente proporcional à freqüência da onda e inversamente proporcional ao comprimento da onda (Lei de Planck). Quanto maior a freqüência de onda, maior a quantidade de energia contida nos fótons. Quanto maior a energia contida menor o comprimento da onda. O comprimento de onda é inversamente proporcional a freqüência, uma vez que o produto entre estes (freqüência x comprimento) é uma constante, a velocidade da luz. E = h f f = c/λ E = h (c/ λ) onde: E é a energia de um fóton de radiação (J); h é constante de Planck 6, J/s f é a freqüência da radiação (Hz ou s): é o número de cristas de ondas que ocorrem na unidade de tempo c é a velocidade da luz ( m/s); λ é o comprimento de onda (µm) Principais unidades de comprimento de onda: µm e nm, onde: 1 µm = 1000nm Comprimentos de ondas emitidas pelo sol: ultravioleta até nm; visível 400 nm a 700 nm; infravermelho acima de 700 nm (infravermelho próximo: 770 nm 2500 nm; infravermelho distante: 2500nm nm). 2 LEI DE KIRCHHOFF Para um dado comprimento de onda e uma dada temperatura, a absortividade de um corpo é igual a sua emissividade, ou seja, para um determinado comprimento de onda o poder emissivo de uma superfície é igual ao poder de absorção. Todo bom absorvedor é um bom emissor aλ = eλ Propriedades de uma superfície: a) toda superfície tem um poder emissivo (eλ); b) toda superfície tem um poder de reflexão (rλ); c) toda superfície tem um poder de absorção (aλ); d) toda superfície tem um poder de transmissão (tλ). CORPO NEGRO: é um material hipotético capaz de absorver integralmente toda a energia incidente sobre ele. O corpo negro tem absortividade e emissividade igual a 1 e refletividade e transmitividade igual a 0. EMISSIVIDADE (eλ): razão entre a emitância monocromática de um corpo e a correspondente emitância monocromática de um corpo a mesma temperatura. ABSORTIVIDADE (aλ): razão entre a quantidade de energia radiante absorvida pela substância ou corpo e o total incidente, para um dado comprimento de onda. REFLETIVIDADE (rλ): razão entre a quantidade de energia radiante refletida pela substância/corpo e o total incidente, para um dado comprimento de onda.

3 Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 3 TRANSMISSIVIDADE (tλ): razão entre a quantidade de energia radiante transmitida e o total incidente, para um dado comprimento de onda. A refletividade de uma cultura depende da sua cor, das condições de umidade, densidade de copa, da disposição das folhas e do ângulo do sol. Os valores da absortividade, da refletividade e da transmitividade para um dado material variam de 0 a 1, sendo que a soma destes terá que ser 1. Pela conservação de energia: aλ + rλ + tλ = 1 3 LEI DE WIEN Essa lei estabelece que o comprimento de onda de máxima emissão (λ max) é inversamente proporcional a temperatura da superfície (T, em K). λ max = 2897/T λ T = 2897 µm K ou 2, nm K (o produto entre λ e T é constante) Exemplo: Terra: temperatura ~ 300 K Sol: temperatura ~ 6000 K λ max = 9,66 µm (radiação infravermelha 9660 nm) λ max = 0,482 µm (radiação visível (verde) 482 nm) 4 LEI DE STEFAN-BOLTZMAN Essa lei diz que a densidade de fluxo de energia (unidade de energia por unidade de área e tempo) emitida, em w/m 2, é proporcional a quarta potência da sua temperatura absoluta, em K. E = eλ σ T 4 E = densidade de fluxo de energia eλ = poder emissivo do corpo (emissividade) σ = constante de Stefan-Boltzman 5, W/m 2 K 4 ou 0, cal/cm 2 K 4 Para a maioria dos objetos o poder emissivo varia entre 0,95 e 1,0. Para fins agrometeorógicos adota-se eλ = 1. Dessa forma, um corpo se aquece e se resfria numa razão proporcional a quarta potência da sua própria temperatura e a quarta potência da temperatura do ambiente que o rodeia. 5 LEI DE LAMBERT A quantidade de energia recebida por uma superfície é função do ângulo de incidência da radiação. Quando um fluxo de energia radiante incide sobre uma superfície formando um ângulo z com a normal a esta superfície, a irradiância sobre a superfície considerada será o produto da irradiância na superfície normal aos raios pelo co-seno do ângulo de incidência.

4 Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 4 I = Io cos z I é a irradiância incidente sobre uma superfície; Io é a irradiância normal incidente sobre essa superfície; z é o ângulo de incidência (Ver desenho ilustrativo no livro de Vianello e Alves Figura 60, pg. 162). 6 LEI DE BEER Um feixe monocromático de radiação ao atravessar um meio homogêneo, sofrerá uma atenuação exponencial. Indica como obter a radiação solar instantânea incidente em uma superfície horizontal considerando a atmosfera presente. Por essa lei verifica-se que a radiação ao atravessar um meio isotrópico e homogêneo ela sofrerá uma atenuação exponencial a qual é função da espessura e do coeficiente de extinção desse meio. I= Io e -kx I é a irradiância considerada; Io é a irradiância normal k é o coeficiente de extinção que para uma comunidade vegetal com folhas eretas o seu valor varia de 0,3 a 0,5 e para folhas horizontais varia entre 0,7 a 1,0. x = distância na qual o feixe atravessa esse meio ou, no caso de comunidade de plantas, deve ser utilizado índice de área foliar. RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE Acredita-se que a energia solar é produzida pela fusão de 4 átomos de hidrogênio formando um átomo de hélio (do grego helios = sol). 1 Constante solar (F o ) A constante solar é o fluxo de radiação (taxa de transferência de energia = J/s) solar que chega ao topo da atmosfera terrestre e é recebida em uma superfície perpendicular a direção do sol. Ou, ainda, é a quantidade de energia radiante do sol que incide perpendicularmente a uma unidade de superfície na ausência de partículas (topo da atmosfera) a uma distância média Terra-sol. Além desses conceitos, a constante solar pode ser definida como sendo a irradiância solar sobre uma superfície normal aos raios solares, à distância média Terra-Sol, na ausência de atmosfera. 38 km de altura ~ 1373 W/m 2 ~ 1,96 a 1,98 cal/cm 2 min 1 Ou seja, a área (1, m 2 ) da Terra voltada para o sol recebe, no topo da atmosfera, aproximadamente, a irradiância solar de 1, J/s.

5 Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 5 No entanto, a constante solar é influenciada pela variação na atividade solar, pela variação na distância Terra-Sol, pelo ângulo zenital, pela declinação solar (δ), pela latitude (φ) e pelo ângulo horário (h) por isso faz-se algumas correções. Assim, na passagem do sol sobre o meridiano do local, ao meio dia h=0 o. F o c = F o /R 2 cos z R 2 = (d/d) 2 (tabelado) ou (d/d) 2 = 1 + 0,033 cos ( J 360/365 ) R: raio da elipse Terra-Sol F o c = F o (d/d) 2 cos z F o c = F o (d/d) 2 (sen φ sen δ + cos φ cos δ cos h) d= distância média Terra-Sol Tn = tempo ao nascer do sol D= distância Terra-Sol no dia Tp = tempo ao pôr do sol Para o período de um dia integra-se a equação anterior do nascer ao por do sol, fixando-se φ e δ e variando h. Qo = tn tp F o (d/d) 2 (sen φ sen δ + cos φ cos δ cos h) ðt Qo = 37,6 (d/d) 2 [(π/180) hn sen φ sen δ + cos φ cos δ sen hn ] Qo é a radiação solar no topo da atmosfera (MJ m -2 dia -1 ) Total de radiação de onda curta: - ultravioleta: ~ 4% - visível: ~ 44% - infravermelha: ~ 52% 2 Declinação solar É o ângulo formado entre o plano do equador e o vetor posição de um astro que é uma linha imaginária que vai do centro da Terra ao Sol. A Terra sempre gira inclinada com ângulo máximo de 23º 27 entre o plano do equador e o plano da elipse. As posições do sol nas quais a sua declinação é igual aos valores extremos (23º 27 ) são denominadas de solstícios. As posições de declinação nula são denominadas de equinócio, ou seja, quando o sol, em seu movimento aparente, posiciona-se sobre o plano do equador terrestre (δ = 0º). Isto ocorre duas vezes durante o ano (21/03 e 23/09). Cada solstício ou equinócio define o início de uma estação do ano. A posição dos trópicos de Câncer e de Capricórnio foi definida em função da declinação solar de valores extremos (23º 27 N e 23º 27 S), respectivamente. Em nenhum dia do ano, nas latitudes superiores a 23º 27, o sol culmina zenitalmente. Estações do ano data declinação Hemisfério sul Hemisfério norte 22/12 solstício -23º 27 Início do verão Início do inverno

6 Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 6 21/03 equinócio 0º Início do outono Início da primavera 23/06 solstício +23º 27 Início do inverno Início do verão 23/09 - equinócio 0º Início da primavera Início do outono 22/12 solstício -23º 27 Início do verão Início do inverno MOVIMENTOS DE ROTAÇÃO E DE TRANSLAÇÃO DA TERRA O sol apresenta dois movimentos aparentes em relação a Terra, um no sentido leste-oeste (E-W), decorrente da rotação (responsável pelo ciclo noite/dia) do planeta, e outro no sentido norte-sul (N-S) devido ao movimento de translação. Em seu movimento de translação, a Terra descreve uma elipse com excentricidade muito pequena. Dessa maneira, durante uma época do ano a Terra está mais próxima do Sol, enquanto que seis meses mais tarde estará no ponto mais distante. Define-se AFÉLIO quando a Terra está mais afastada do Sol ~ 1, km, no dia 04/07. PERIÉLIO é quando a Terra está na posição mais próxima do Sol ~ 1, km, no dia 03/01. A distância média da Terra-Sol é tomada como 1, km (unidade astronômica). Equinócio (21/03) Solstício (21/6) AFÉLIO PERIÉLIO (03/01) (04/07) ) Solstício (22/12) Equinócio (23/09) Figura 1. Início das estações do ano e plano da eclíptica ilustrando a excentricidade do Sol. Raio vetor = d/d onde: D é a distância instantânea Terra-Sol e d é a distância média Terra sol. Os movimentos aparentes do sol em torno da Terra originam uma variação espacial (no sentido latitudinal) e temporal (durante o ano) da duração do período em que o Sol permanece acima do plano do horizonte em um ponto sobre a superfície da Terra (fotoperíodo). Durante os equinócios, quando o sol está sobre o plano do equador, em todos os locais da Terra a área iluminada terá a mesma duração, ou seja, cerca de 12 horas de fotoperíodo. No solstício de verão para o hemisfério sul (22/12) este hemisfério fica iluminado por mais tempo do que o hemisfério norte. Percebe-se que nessa data a região do círculo polar sul fica iluminada continuamente (o sol não se põe abaixo do horizonte). Por outro lado, no círculo polar norte o sol

7 Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 7 não aparece acima da linha do horizonte por seis meses. Seis meses depois, em 23/06, a situação é invertida com sol brilhando no círculo polar norte e sempre abaixo do horizonte no pólo sul. A declinação solar (δ) pode ser estimada por δ = 23,45 sen { (360/365) (284+J) } onde J é o dia juliano LATITUDE (φ) é um valor constante para um local, pois é o ângulo formado pela vertical do local com o plano do equador, podendo variar de 0º a 90º equador φ = 0º; pólo sul φ = -90º; pólo norte φ = +90º TRIÂNGULO ASTRONÔMICO é caracterizado pelos pontos zenital, solar, prolongamento do equador terrestre e pólo sul. cos z = cos (90 - φ) cos (90 - δ) + sen (90 - φ) sen (90 - δ) sen h cos z = sen δ sen δ + cos δ cos δ cos h (Ver desenho ilustrativo no livro de Vianello & Alves Figura 49, pg. 141). ÂNGULO ZENITAL (z): É o ângulo formado pela linha vertical do local e a linha que une o centro da Terra ao centro do Sol. Assim, ao nascer e ao pôr do sol z = 90º. Esse ângulo é importante, por exemplo, para alinhar placas solares para captação de energia, para calcular a irradiação solar incidente sobre uma superfície, entre outras. Relação entre o ângulo zenital (z) e os ângulos horários, declinação solar e latitude. Cos z = (sen φ sen δ + cos φ cos δ cos h) O ângulo zenital varia durante o dia. No início e no fim do dia z = 90 o. O ângulo horário varia durante o dia. Ao meio-dia solar h = 0 o, logo: z = φ - δ A declinação solar varia a cada dia, considera-se constante durante o período de um dia. A latitude é constante para um local determinado. Equador φ = 0 o, Pólo Sul φ = -90 o. ÂNGULO DE ELEVAÇÃO DO SOL (A): É o ângulo formado pela linha que une o centro da Terra ao sol e o plano do horizonte do observador. A = 90 z ÂNGULO HORÁRIO (h): É o ângulo formado pelo plano do meridiano local (do observador) com o plano do meridiano do sol. Meio dia solar é quando o sol culmina sobre a cabeça do observador (quando passa pelo meridiano do lugar). Por convenção, ao meio dia h = 0 o, h é negativo no período da manhã e positivo no período da tarde. Esse ângulo horário diminui 15 o por hora (360 o /24h = 15 o /h) antes do meio dia e aumenta

8 Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 8 15 o por hora após o meio dia solar. Deve-se considerar que o ângulo horário descreve, entre o nascer e o pôr do sol, dois semi-arcos (H) idênticos. H H Assim, h pode ser calculado por h= (TS 12) 15 onde TS é o tempo solar. ex. 10h h = (10-12) 15 h = h =- 30 o.. FOTOPERÍODO (N) é o intervalo de tempo decorrido entre o nascer e o ocaso do sol. Depende apenas da latitude do local e do ângulo de declinação solar na data da observação. H = arc cos (tg δ tg φ) N= H + H N= 2 H 1hora = 15 o. Assim o fotoperíodo (N, em horas) pode ser determinado através de: N = 2H/15 N =(2/15) arc cos (tg δ tg φ) Ex. φ = 22º 42 S no dia 03/03 N = (2/15) arc cos (tg 22,7 tg 6,85) = 12, 38 h Em locais de baixa latitude a variação do fotoperíodo é pequena durante o ano, promovendo um período de iluminação mais ou menos uniforme durante o ano (região tropical). Com o aumento da latitude aumenta a variação do fotoperíodo durante o ano. BALANÇO DE RADIAÇÃO Interação da radiação solar com a atmosfera Durante o seu movimento anual de translação a Terra ora se fasta ora se aproxima do sol, portanto, a quantidade de energia interceptada diminui ou aumenta, respectivamente. A radiação que atinge um determinado ponto da superfície terrestre pode vir diretamente do disco solar (radiação direta Rd), ou indiretamente (Rc), pela ação do espalhamento e da reflexão de nuvens, poeiras, vapor d água, etc., existentes na atmosfera. A primeira constitui a radiação direta (Rd) e a segunda chama-se radiação difusa (Rc). A radiação solar global (Rs ou Rg) é a soma dessas duas contribuições. Rs ou Rg = Rd + Rc

9 Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 9 Quando o céu está sem nuvens à proporção de radiação difusa que atinge a superfície é muito pequena. Quando o céu está totalmente incoberto, toda a radiação que chega à superfície é difusa. Entre as diversas equações empíricas para estimar a irradiância solar global ao nível do solo a equação de Angstron é uma das mais utilizadas: Rg = Ra* (a + b n/n) Onde: a e b são coeficientes obtidos por análise de regressão linear para uma determinada localidade e época do ano e indicam a transmissividade da atmosfera; n é número de horas de brilho solar; N é o fotoperíodo, ou seja, n/n é um índice de claridade (razão de insolação). O espalhamento proporcionado pela atmosfera terrestre é maior quanto menor for o comprimento de onda de radiação. Na faixa do visível do espectro, a radiação violeta é que sofre maior espalhamento, seguindo-se do azul. O céu apresenta coloração azulada (ao invés de violeta) porque a transmissividade da atmosfera para o azul é maior do que para o violeta, além do fato do olho humano ser mais sensível a cor azul. Topo da atmosfera 100 % 24% 40% 17% 20% 7% nuvem CO 2, O 3, H 2 O Gases e partículas 16% 23% 4% 13% 48% Figura2. Representação esquemática do balanço de radiação de ondas curtas na superfície terrestre. Enquanto o espalhamento atmosférico da radiação solar é uma função contínua do comprimento de onda, a absorção é, em geral, seletiva, sendo o vapor d água, o ozônio e o gás carbônico os principais absorvedores. O ozônio atua na região do ultravioleta e os outros dois na faixa infravermelha do espectro. Além desses gases, outros elementos atuam na absorção da energia solar, como: CH 4, N 2 O, O 2, poeiras, gotículas de nuvens, fuligem, etc. Espalhamento = f (1/λ 4 )

10 Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 10 A atmosfera é praticamente transparente (absorção nula) aos comprimentos de onda na faixa entre 300 a 800 nm (nessa faixa se encontra a radiação visível). Entre 8000 a nm (infravermelho) a absorção atmosférica, também, é mínima. Essa região é conhecida como JANELA ATMOSFÉRICA, porque, em condições de céu claro, parte da radiação emitida pela Terra perde-se para o espaço. Sendo a atmosfera praticamente transparente a radiação solar, e praticamente opaca a radiação terrestre (exceto na região da janela atmosférica), o efeito resultante é denominado de Efeito Estufa, o qual permite a entrada de radiação solar, mas impede a saída da radiação emitida pela superfície. Para cada instante haverá um balanço de radiação característico da superfície (solo coberto com restos culturais ou plantas vivas ou qualquer outro material, solo nu, animal, etc.). Esse balanço de radiação é composto pelo balanço de ondas curtas (BOC) e balanço de ondas longas (BOL), podendo ser representada por: Rn = BOC + BOL Balanço de radiação Ra ou Q o * BOC Rd Rc Qs BOL rrs Qa Qg ou Rs Figura 3. Balanço global de radiação em uma superfície. Ra* é a constante solar ou quantidade de radiação solar no topo da atmosfera; Rs total de radiação solar que atinge a superfície. Uma parte dessa radiação solar global que atinge a superfície é refletida (rrs) em direção a atmosfera, sendo o restante utilizada para o aquecimento do solo e do ar (calor sensível), para evaporação da água (calor latente) e na fotossíntese. A fração de Rs que é refletida é chamada de albedo (r), portanto, é um coeficiente de reflexão. r = rrs/rs

11 Prof. Dr. Edgar Ricardo Schoffel Agrometeorologia 11 O valor de r varia entre as diferentes superfícies e espécies vegetais, umidade da superfície, etc. Alguns valores de r: soja 14 a 18%; milho 16 a 23%; gramado 23%; água 5%; areia seca 35 a 45%; areia úmida 20 a 30%, animal de pêlo branco 50%; animal de pêlo preto 10%. BOL Qa =fluxo de energia radiante emitido pela atmosfera em direção a superfície (contra radiação atmosférica), que depende da quantidade de nuvens e de vapor de água presente na atmosfera e da temperatura do ar. Qs = fluxo de energia emitido pela superfície em direção a atmosfera, que depende da temperatura e da emissividade da superfície (lei de Stefan-Boltzman). Adotando-se como positivo o sentido dos fluxos que entram no sistema e negativo o dos que saem, verifica-se que: BOC = Rs rrs BOC = Rs (1-r) BOL = Qa-Qs BOL = - σ T 4 (0,56 0,092 e) (0,1 + 0,9 n/n) Rn = BOC BOL Rn = Rs (1-r) + Qa Qs ou Rn = Rs (1-r) + [- σ T 4 (0,56 0,092 e) (0,1 + 0,9 n/n)] Dessa maneira, Rn poderá ser positivo ou negativo, dependendo dos valores dos fluxos envolvidos. O BOC é positivo durante o período diurno e nulo no período noturno (ausência da fonte - sol). O valor diário do BOL, normalmente, é negativo. Isso faz com que nas superfícies naturais, o valor diurno do BOC torne Rn positivo (ganho líquido de energia sobre a superfície), enquanto que a noite BOC = 0 tendo-se, então, Rn negativo. Essa é a maneira da superfície liberar parte da energia absorvida em calor sensível.

Controle Primário rio do tempo e do clima

Controle Primário rio do tempo e do clima Controle Primário rio do tempo e do clima Condução entre corpos em contato físico direto. Transferência de energia entre as moléculas Convecção Somente ocorre em líquidos e gases. Transferência de calor

Leia mais

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I Radiação Solar Prof. Dr. Emerson Galvani Laboratório de Climatologia e Biogeografia LCB Na aula anterior verificamos que é

Leia mais

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Elementos de Astronomia Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Rogemar A. Riffel Sol, Terra e Lua Movimento Diurno do Sol Relembrando a aula passada De leste para oeste; O círculo diurno do Sol

Leia mais

Radiação Solar Balanço de Energia

Radiação Solar Balanço de Energia LCE 306 Meteorologia Agrícola Prof. Paulo Cesar Sentelhas Prof. Luiz Roberto Angelocci Aula # 5 Radiação Solar Balanço de Energia ESALQ/USP 2009 Radiação Solar Radiação solar maior fonte de energia para

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 3 ESTAÇÕES DO ANO E INSOLAÇÃO SOLAR. Movimento Anual do Sol e as Estações do Ano. Estação em diferentes latitudes. Insolação Solar. Recapitulando a aula anterior: Capítulo 2 Trigonometria Esférica

Leia mais

TEMA 2 ENERGIA DA ATMOSFERA

TEMA 2 ENERGIA DA ATMOSFERA Meteorologia Geral 21 TEMA 2 ENERGIA DA ATMOSFERA 2.1 Introdução A principal fonte de energia da Terra (Vide a Figura 2.1) é o Sol (Vide a Figura 2.1). Uma pequena quantidade de energia provém do interior

Leia mais

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses FIS02010 Professora Ana Chies Santos IF/UFRGS https://anachiessantos.wordpress.com/ensino/fis02010/ Facebook #AstroUFRGS Relembrando... Sistemas de Coordenadas

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

Relações Astronômicas Terra - Sol

Relações Astronômicas Terra - Sol Universidade de São Paulo Departamento de Geografia FLG 0253 - Climatologia I Relações Astronômicas Terra - Sol Prof. Dr. Emerson Galvani Laboratório de Climatologia e Biogeografia LCB Radiação Solar -

Leia mais

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves)

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) INTRODUÇÃO A Radiação Solar é a maior fonte de energia para a Terra, sendo o principal elemento meteorológico,

Leia mais

Radiação Solar como forçante climática

Radiação Solar como forçante climática Radiação Solar como forçante climática O Sol fornece 99,97 % Emite 2,34 x10 22 MJ/min. Terra intercepta apenas 1,06 x 10 13 MJ (milionésimo) Milhares de vezes maior que consumo anual de energia no planeta.

Leia mais

Movimentos da Terra e suas consequências

Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra A Terra descreve, como todos os outros planetas principais do Sistema Solar: Movimento de rotação movimento em torno de si própria, em volta

Leia mais

CAPÍTULO 2 RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE

CAPÍTULO 2 RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE 1 CAPÍTULO RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE.1. O ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO O espectro de emissão do sol apresenta intensas variações decorrentes da absorção dos componentes atômicos, como hidrogênio, magnésio,

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução Apostila da Disciplina Meteorologia Física II ACA 0326, p. 40 4. Medição de Irradiância 4.1 Introdução Das grandezas radiométricas definidas no capítulo 1, os instrumentos convencionais utilizados em estudos

Leia mais

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar

GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar GNE 109 AGROMETEOROLOGIA Características Espectrais da Radiação Solar Prof. Dr. Luiz Gonsaga de Carvalho Núcleo Agrometeorologia e Climatologia DEG/UFLA Absorção seletiva de radiação Absorção seletiva

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

Estações do Ano e Fases da Lua

Estações do Ano e Fases da Lua ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Estações do Ano e Fases da Lua Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Movimentos da Terra Quais são os movimentos da Terra? 1. Rotação 2. Revolução 3. Precessão

Leia mais

NOÇÕES DE COSMOGRAFIA RELAÇÕES ASTRONÔMICAS ENTRE A TERRA E O SOL

NOÇÕES DE COSMOGRAFIA RELAÇÕES ASTRONÔMICAS ENTRE A TERRA E O SOL UIVERIDADE FEDERAL DE LAVRA DEPARTAMETO DE EGEHARIA ÚCLEO DE AGROMETEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA GE109 Agrometeorologia OÇÕE DE COMOGRAFIA RELAÇÕE ATROÔMICA ETRE A TERRA E O OL Prof. Antônio Augusto Aguilar

Leia mais

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Radiação Radiação é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas são constituídas de um campo elétrico e um campo magnético que variam harmonicamente, um

Leia mais

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR META Apresentar alguns fenômenos radioativos como fontes de energia do sistema atmosférico e as formas de transmissão de calor, para que o aluno compreenda a instabilidade

Leia mais

XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar

XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar Gabarito Primeira Fase Cruzadinha 3 6 1 V Ê N U S E 2 L U A 8 1 S N M 3 E S P E C T R O S C O P I A Q 2 R R U T E 4 É I 4 E C L Í P T I C A 7 N R

Leia mais

Qual o motivo das estações do ano?

Qual o motivo das estações do ano? Qual o motivo das estações do ano? Estações do Ano: W Início da Primavera 23 set Hemisfério Sul Início do Inverno 22 jun Início do Verão 22 dez g Início do Outono 21 mar Estações do Ano: Hemisfério Norte

Leia mais

Radiação solar disponível

Radiação solar disponível Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Radiação solar disponível 2 º. semestre, 2015 Radiação solar disponível na superfície terrestre: Medidas

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

Sistema Sol-Terra-Lua

Sistema Sol-Terra-Lua Sistema Sol-Terra-Lua Parte 1 As estações do ano Parte 2 As fases da Lua Parte 3 Eclipses Parte 4 - Marés 1 Parte 1 As estações do ano A latitudes medianas (como a nossa) há variações significativas de

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 1 2 PROCESSAMENTO DE IMAGENS espectro visível

Leia mais

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária.

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária. Luz: é uma onda eletromagnética, que tem comprimento de onda (do espectro visível) na faixa de 400 nm a 700 nm (nm = nanômetros = 10-9 m). Além da luz visível, existem outras onda eletromagnéticas om diferentes

Leia mais

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro.

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro. Radiação de Corpo Negro Uma amostra metálica como, por exemplo, um prego, em qualquer temperatura, emite radiação eletromagnética de todos os comprimentos de onda. Por isso, dizemos que o seu espectro

Leia mais

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O SOL E O SISTEMA SOLAR SE ENCONTRA NA VIA-LÁCTEA SIMPLES GRAUM DE AREIA ENTRE AS INCONTAVEIS GALÁXIAS DO UNIVERSO VISÍVEL

Leia mais

www.ideiasdemarte.com.br

www.ideiasdemarte.com.br www.ideiasdemarte.com.br INTRODUÇÃO Esta apostila foi criada com intuito de levar algum material sobre a meteorologia para pesquisadores do campo e pesquisadores de ufologia, devido à procura sem sucesso

Leia mais

Biofísica Bacharelado em Biologia

Biofísica Bacharelado em Biologia Biofísica Bacharelado em Biologia Prof. Dr. Sergio Pilling PARTE A Capítulo 4 Luz como uma onda, refração, polarização, difracão e interferência. Formação de imagens e instrumentos óticos. Objetivos: Nesta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA NÚCLEO DE AGROMETEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA GNE109 Agrometeorologia RADIAÇÃO SOLAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA NÚCLEO DE AGROMETEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA GNE109 Agrometeorologia RADIAÇÃO SOLAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA NÚCLEO DE AGROMETEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA GNE109 Agrometeorologia RADIAÇÃO SOLAR Prof. Antônio Augusto Aguilar Dantas Prof. Luiz Gonsaga de Carvalho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO CAPÍTULO 2 AS INTERAÇÕES ENTRE A ENERGIA E A MATÉRIA 1.0. Introdução No Capítulo 1 vimos que o sensoriamento remoto é o ramo da ciência que retrata a obtenção e análise de informações sobre materiais (naturais

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas.

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas. Teoria básica das ondas eletromagnéticas Geração de ondas eletromagnéticas Um condutor elétrico que esteja sobre a influência dum campo magnético variável gera uma corrente elétrica. Esta corrente elétrica

Leia mais

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Contatos : Felipe da Silva Cardoso professorpetrobras@gmail.com www.professorfelipecardoso.blogspot.com skype para aula particular online: felipedasilvacardoso

Leia mais

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular.

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular. Irradiação térmica È o processo de troca de calor que ocorre através da radiação eletromagnética, que não necessitam de um meio material para isso. Ondas eletromagnéticas é uma mistura de campo elétrico

Leia mais

SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO

SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO Respostas breves: 1.1) 9,063 N 1.2) norte, pois é positiva. 1.3) São José (Costa Rica). 2) Não, porque Santa Maria não está localizada sobre ou entre os dois

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas UC História e Geografia de Portugal II Geografia de Portugal 3. O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas IPS-ESE ME12C André Silva O Clima Português: Elementos

Leia mais

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta XXII Encontro Sergipano de Física Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta Prof. Dr. Milan Lalic Departamento de Física Universidade Federal de Sergipe

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível.

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Radiação eletromagnética componentes de campo elétrico e de campo magnético, os quais são perpendiculares

Leia mais

A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais. sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de

A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais. sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de A U A U L L A A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de rotação. É esse movimento que dá origem à sucessão dos dias

Leia mais

Atividade de Reforço2

Atividade de Reforço2 Professor(a): Eliane Korn Disciplina: Física Aluno(a): Ano: 1º Nº: Bimestre: 2º Atividade de Reforço2 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A ATIVIDADE I. Leia atentamente o resumo da teoria. II. Imprima a folha com

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

Janine Coutinho Canuto

Janine Coutinho Canuto Janine Coutinho Canuto Termologia é a parte da física que estuda o calor. Muitas vezes o calor é confundido com a temperatura, vamos ver alguns conceitos que irão facilitar o entendimento do calor. É a

Leia mais

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo)

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo) Os métodos de estimativa da evapotranspiração estão divididos em métodos diretos, por meio do balanço de água no solo e pelos métodos indiretos, por meio do uso de dados meteorológicos. Os métodos diretos

Leia mais

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização Polarização: Propriedade das ondas transversais Ondas em uma corda Oscilação no plano vertical. Oscilação no plano horizontal. Onda

Leia mais

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano.

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. PROFESSORA NAIANE As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. A este movimento dá-se o nome de movimento

Leia mais

A Geometria no Globo Terrestre.

A Geometria no Globo Terrestre. A Geometria no Globo Terrestre. 1. Introdução. Neste trabalho pretendemos desenvolver o estudo da esfera e seus elementos explorando sua associação com o globo terrestre. O estudo da posição relativa de

Leia mais

Prof. Eduardo Loureiro, DSc.

Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Transmissão de Calor é a disciplina que estuda a transferência de energia entre dois corpos materiais que ocorre devido a uma diferença de temperatura. Quanta energia é transferida

Leia mais

Prof. Franco Augusto

Prof. Franco Augusto Prof. Franco Augusto Astros São corpos que giram no espaço, classificados de acordo com a luminosidade. Iluminados ou opacos não possuem luz própria, recebendo luz das estrelas. São os planetas, asteroides,

Leia mais

ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO

ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO QUESTÃO 01 - Sobre as características gerais dos movimentos terrestres, julgue os itens: a) É incorreto dizer que o Sol nasce a leste e se põe a oeste,

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

Luz no ambiente marinho

Luz no ambiente marinho IOB 0127 Fitoplâncton e a Produção Primária Luz no ambiente marinho Profa. Dra. Sônia M. F. Gianesella Equipe do curso: Dra. Flávia M. P. Saldanha Corrêa Dr. Juan José Barrera Alba MSc.Melissa Carvalho

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: Movimentos da Terra: movimento de Translação e as estações do ano. Aula 2: Solstícios e Equinócios FORTALECENDO SABERES

Conteúdo: Aula 1: Movimentos da Terra: movimento de Translação e as estações do ano. Aula 2: Solstícios e Equinócios FORTALECENDO SABERES A Conteúdo: Aula 1: Movimentos da Terra: movimento de Translação e as estações do ano. Aula 2: Solstícios e Equinócios 2 A Habilidades: Aula 1: Entender como ocorre o movimento de Translação da Terra e

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

RESUMO O trabalho apresenta resultados de um estudo sobre o texto A Geometria do Globo Terrestre

RESUMO O trabalho apresenta resultados de um estudo sobre o texto A Geometria do Globo Terrestre Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 43 O ÂNGULO DE ELEVAÇÃO DO SOL E A ENERGIA SOLAR Antonio da Silva Gomes Júnior 1, José Paulo Rodrigues da Silveira,

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Aula 1. O Sistema Solar e o Planeta Terra. Disciplina: Geografia A Profª.: Tamara Régis

Aula 1. O Sistema Solar e o Planeta Terra. Disciplina: Geografia A Profª.: Tamara Régis Aula 1. O Sistema Solar e o Planeta Terra. Disciplina: Geografia A Profª.: Tamara Régis A origem do Universo A teoria do Big Bang foi anunciada em 1948 pelo cientista russo naturalizado estadunidense,

Leia mais

TÍTULO: : ANÁLISE DO ESPECTRO DE RADIAÇÃO SOLAR E SUA IMPORTÂNCIA NO CORRETO DIMENSIONAMENTO DE TECNOLOGIAS PARA CONVERSÃO FOTOVOLTAICA DE ENERGIA

TÍTULO: : ANÁLISE DO ESPECTRO DE RADIAÇÃO SOLAR E SUA IMPORTÂNCIA NO CORRETO DIMENSIONAMENTO DE TECNOLOGIAS PARA CONVERSÃO FOTOVOLTAICA DE ENERGIA TÍTULO: : ANÁLISE DO ESPECTRO DE RADIAÇÃO SOLAR E SUA IMPORTÂNCIA NO CORRETO DIMENSIONAMENTO DE TECNOLOGIAS PARA CONVERSÃO FOTOVOLTAICA DE ENERGIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA:

Leia mais

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24 Sumário Os planetas do Sistema Solar e as suas principais características. (BI dos Planetas do Sistema Solar). Atividade Prática de Sala de Aula Características dos planetas. Preenchimento de tabelas,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA Prof. Fabio Reis 2004 FUNDAMENTOS BÁSICOS DA METEOROLOGIA ATMOSFERA E AQUECIMENTO DA TERRA pg.- 02 VAPOR DE ÁGUA - NUVENS pg.- 20 PRESSÃO CARTA SINÓTICA

Leia mais

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2 OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

A TERRA E SEUS MOVIMENTOS. A ESFERA CELESTE

A TERRA E SEUS MOVIMENTOS. A ESFERA CELESTE 17 A TERRA E SEUS MOVIMENTOS. A ESFERA CELESTE 17.1 A TERRA 17.1.1 FORMA E DIMENSÕES. A ESFERA TERRESTRE Primeiramente, o homem imaginou a Terra como uma superfície plana, pois era assim que ele a via.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-MN12 DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 1 ESFERA CELESTE E O SISTEMA DE COORDENADAS Esfera Celeste. Sistema de Coordenadas. Coordenadas Astronómicas. Sistema Horizontal. Sistema Equatorial Celeste. Sistema Equatorial Horário. Tempo

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA É a parte da Física que estuda os fenômenos relacionados com a luz e sua interação com meios materiais quando as dimensões destes meios é muito maior que o

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 5 LUA E SUAS FASES. ECLIPSES. Lua. Fases da Lua. Sombra de um Corpo Extenso. Linha dos Nodos. Eclipses do Sol. Eclipses da Lua. Temporada de Eclipses. Saros. Recapitulando a aula anterior: Capítulo

Leia mais

Prof.: Juliano Óptica geométrica lista1

Prof.: Juliano Óptica geométrica lista1 01 - (UFRN/2010/1ª Fase) A coloração das folhas das plantas é determinada, principalmente, pelas clorofilas a e b nelas presentes, que são dois dos principais pigmentos responsáveis pela absorção da luz

Leia mais

SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA

SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA Apresentado por Thays Barreto Março de 2014 TERRA TERRA Terceiro planeta do Sistema Solar, pela ordem de afastamento do Sol; Diâmetro equatorial: 12.756 Km; Diâmetro polar:

Leia mais

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL O regime térmico de Portugal acompanha a variação da radiação solar global ao longo do ano. Ao longo do ano, os valores da temperatura média mensal

Leia mais

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO 4.1 O Processo da Evaporação Para se entender como se processa a evaporação é interessante fazer um exercício mental, imaginando o processo

Leia mais

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni

Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni Colégio Zaccaria TELEFAX: (0 XX 21) 3235-9400 www.zaccaria.g12.br Lista de exercícios Física II (Recuperação) 2º Período 2014 Aluno(a): N.º Turma: 2201 Turno: Manhã Professor: Douglas Baroni QUESTÃO 1

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor:

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: TESTES 1 MECÂNICA CELESTE 3º ANO Questão 01) Sobre o movimento de rotação, pode-se afirmar que: I. consiste na volta

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ONDAS, Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica

FUNDAMENTOS DE ONDAS, Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica FUNDAMENTOS DE ONDAS, RADIAÇÕES E PARTÍCULAS Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica Questões... O que é uma onda? E uma radiação? E uma partícula? Como elas se propagam no espaço e nos meios materiais?

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA AS ONDAS DE CALOR 2008 RECOMENDAÇÕES SOBRE VESTUÁRIO APROPRIADO EM PERÍODOS DE TEMPERATURAS ELEVADAS Nº: 21/DA DATA: 07/08/08 Para: Contacto na DGS: Todos os Estabelecimentos

Leia mais

2 conceitos gerais de heliotecnia ÍNDICE

2 conceitos gerais de heliotecnia ÍNDICE ÍNDICE radiação solar - movimento terra-sol -3 coordenadas e trajectória solar -4 sombreamento -6 orientação e inclinação de superfícies absorsoras -7 curvas de penalização -10 para saber mais... -1-1

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE 1.0. O Universo O Universo que pode ser observado pelo homem abrange milhões e milhões de quilômetros. Dentro desse Universo existem incontáveis galáxias, destacando-se

Leia mais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais As transições atômicas individuais (das quais falaremos mais adiante) são responsáveis pela produção de linhas espectrais. O alargamento das linhas

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

Temperatura do solo e do ar

Temperatura do solo e do ar LCE 306 Meteorologia Agrícola Prof. Paulo Cesar Sentelhas Prof. Luiz Roberto Angelocci Aula # 6 Temperatura do solo e do ar ESALQ/USP 2009 Temperatura do ar e do solo Como vimos na aula de balanço de radiação

Leia mais

Física 3 Professor: Rodolfo DATA: / /

Física 3 Professor: Rodolfo DATA: / / Física 3 Professor: Rodolfo DATA: / / 1. A condição para que ocorra um Eclipse é que haja um alinhamento total ou parcial entre Sol, Terra e Lua. A inclinação da órbita da Lua com relação ao equador da

Leia mais

Ano: 6º Turma: 6.1 / 6.2

Ano: 6º Turma: 6.1 / 6.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: Geografia Professor (a): Fernando Parente Ano: 6º Turma: 6.1 / 6.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico.

Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico. Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico. Por: Vânia Palmeira Campos UFBA IQ -Dpto Química Analítica

Leia mais

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO Peterson Ricardo Fiorio Definição: Sensoriamento Remoto É a ciência ou a arte de se obterem informações sobre um objeto, área ou fenômeno, através de dados coletados

Leia mais

Avaliação 1 o Bimestre

Avaliação 1 o Bimestre Avaliação 1 o Bimestre NOME: N º : CLASSE: 1. Complete as frases com as expressões abaixo: a) A Terra é dividida em duas partes pela linha do. b) A parte que vai do ao pólo Norte é chamada de. c) A parte

Leia mais

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores 1 Conhecer a influência do sol, terra e lua nas estações do ano (exs: culturas, flores, frutos, árvores, entre outros) 2 Conhecer

Leia mais

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B.

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B. 04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A e m B, sendo m A < m B, afirma-se que 01. Um patrulheiro, viajando em um carro dotado de radar a uma

Leia mais

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S D E S E N S O R I A M E N T O R E M O T O E l i s a b e t e C a r i a d e M o r a e s 1 INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS-INPE 1 e.mail : bete@ltid.inpe.br

Leia mais

Para ajudá-los nos estudos, após resolver o exercício de revisão faça a correção a partir deste documento. Bons Estudos!

Para ajudá-los nos estudos, após resolver o exercício de revisão faça a correção a partir deste documento. Bons Estudos! EXERCÍCIO DE REVISÃO - GEOGRAFIA 6º ano Profª. Ms. Graziella Fernandes de Castro Queridos alunos, Para ajudá-los nos estudos, após resolver o exercício de revisão faça a correção a partir deste documento.

Leia mais

FCTA 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES

FCTA 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES Nestes tipos de fechamento podem ocorrer três tipos de trocas térmicas: condução, convecção e radiação. O vidro comum é muito

Leia mais

Iluminação Natural. Construção de Diagramas Solares. Maio de 2007

Iluminação Natural. Construção de Diagramas Solares. Maio de 2007 Iluminação Natural Construção de Diagramas Solares Maio de 2007 arquitectura e artes do espectáculo lda. Rua Julião Quintinha, 1A tel: +351 217 157 502 email: etu@etu.pt 1500-381 Lisboa fax: +351 217 157

Leia mais

Acção de Formação de Radiocomunicações. Prof. José Sá (CT1EEB) (Docente do programa Aveiro-Norte da Universidade de Aveiro)

Acção de Formação de Radiocomunicações. Prof. José Sá (CT1EEB) (Docente do programa Aveiro-Norte da Universidade de Aveiro) PROPAGAÇÃO E ONDAS Acção de Formação de Radiocomunicações Prof. José Sá (CT1EEB) (Docente do programa Aveiro-Norte da Universidade de Aveiro) Prof. Teresa Ferrinho (CT2JQI) (Docente de Ciências Físico-Químicas)

Leia mais

Sol. O Balanço de Energia do Planeta

Sol. O Balanço de Energia do Planeta Sol O Balanço de Energia do Planeta Aquecimento desigual do Planeta...no tempo:...no espaço: BALANÇO DA RADIAÇÃO À ESCALA MENSAL Rad. de pequeno c.d.o. (recebida) Balanço da radiação (recebida-emitida)

Leia mais