COTIDIANO, LAZER E TRABALHO: Brincadeiras infantis e ofícios tradicionais da Idade Média e do século XXI

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COTIDIANO, LAZER E TRABALHO: Brincadeiras infantis e ofícios tradicionais da Idade Média e do século XXI"

Transcrição

1 COTIDIANO, LAZER E TRABALHO: Brincadeiras infantis e ofícios tradicionais da Idade Média e do século XXI ISAAC ANTUNES BRAGA DE CARVALHO KALINE LORENA SILVA DANTAS SÍNTIQUE RAMALHO SEABRA DE SOUZA RESUMO: Este trabalho é resultado do projeto: Cotidiano, lazer e trabalho: brincadeiras infantis e ofícios tradicionais da Idade Média e do século XXI, realizado no segundo semestre do ano de 2012, na Escola Estadual João Fernandes Machado, Natal/RN, através da intervenção dos bolsistas do PIBID, Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência UFRN (PIBID). O eixo desse projeto girou em torno da temática: brincadeiras e atividades lúdicas infantis; trabalho e ofícios tradicionais, entendendo as mudanças históricas no cotidiano e nas formas de viver da sociedade através de uma observação histórica comparativa, entre o passado da Idade Média europeia e a sociedade presente. O projeto se encaminhou no sentido de abordar o período medieval por meio de uma nova perspectiva teórico-metodológica. Foram utilizados recursos visuais iconográficos como fontes históricas, especificamente pinturas dos autores: Pieter Bruegel e Hieronymus Bosh. Pintores do Renascimento holandês, os quais representaram o medievo a partir do cotidiano. O projeto foi desenvolvido com uma turma de Ensino Médio e contou com realização de pesquisa, e uma oficina de pintura enquanto produtos finais do projeto. Dentre outras funções sociais e políticas das Universidades Federais no Brasil encontra-se a função de propagação, ou divulgação, do conhecimento produzido no Graduandos do curso de História (Licenciatura) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Bolsistas do Programa Institucional d Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID/MEC/CAPES). Orientadora Professora Drª. Fátima Martins Lopes (UFRN).

2 2 âmbito acadêmico; isto é, ser a ponte entre a ciência e a sociedade. Essa função tem sido, no entanto, sobremaneira dificultada por diversos fatores, e o conhecimento científico não tem chegado, como se espera, às escolas públicas e à sociedade em geral. Assim, nós que fazemos parte do PIBID, programa destinado ao aperfeiçoamento dos graduandos em licenciatura e futuros professores, temos dentro de nossas metas a extensão entre a academia e a sociedade, levando para a sociedade o conhecimento desenvolvido na universidade. E com a experiência de formação docente que obtivemos na escola em que trabalhamos percebemos que, pouco, ou mesmo nada, se tem trabalhado nas escolas para mudar a situação que se encontra o ensino de História, que continua a ser ensinado por vias e métodos tradicionalistas, que muito pouco acompanham a pesquisa científica atual. Tendo em vista esse problema pensamos em trabalhar a História para os alunos através de outras maneiras que não a tradicional. Pensando em mudar a abordagem tradicional das escolas, e dos livros didáticos, de uma história econômica e política, para trabalhar uma história em um viés mais sociocultural. Pensando o recorte da Idade média europeia nos interessamos em abordá-la a partir de temas que envolvessem a cultura, o cotidiano e os modos de viver medievais. Pensando nisso limitamos nossa abordagem ao lazer, trabalho e cotidiano medieval. Decidimos então trabalhar essas temáticas a partir de pinturas de autores renascentistas holandeses que, fugindo de uma tendência medievalista de representar em pinturas somente o aspecto religioso, social, ou político - representando a política oficial, reis e a elite social - retrataram temas cotidianos e expressões do homem comum de seu tempo e do passado. Produzindo um documento histórico de aspectos outros da vida medieval do homem do século XVI, que não somente o religioso e político. Aspectos como o trabalho, os ofícios cotidianos, os métodos e objetos de trabalho de pessoas comuns; retratando também as crianças em suas brincadeiras. Nosso projeto, portanto, propõe incentivar os alunos a pensarem esses temas, mais especificamente, as temáticas dos ofícios tradicionais e as brincadeiras infantis medievais, com um olhar reflexivo e crítico possibilitando comparações entre o

3 3 cotidiano presente e o cotidiano passado, incentivando assim, os alunos a pensarem historicamente a sociedade. O respectivo projeto se apresenta como uma solução, e uma possibilidade de mudança para o fosso que existe entre a universidade e o ensino público, bem como, cumpre seu papel social de promover reflexão e conscientização. Dentro da temática do lazer afunilamos a pesquisa em torno da infância, brincadeiras e atividades lúdicas infantis. Dentro da temática do trabalho afunilamos a pesquisa na observação dos ofícios e modos de viver da sociedade. Utilizando o método comparativo entre nossa sociedade e outras sociedades históricas, como sociedades da Idade Média europeia, trabalhamos com os alunos as transformações temporais de nosso cotidiano, tendo em vista conceitos como: cotidiano, infância, cultura e memória. Dentre outros objetivos, trabalhamos a visão histórica sobre a sociedade, fazendo com que o alunato entendesse como a nossa sociedade se transformou ao longo do tempo, e ao mesmo tempo observando as semelhanças do presente com o passado, bem como, entendendo as causas dessas transformações. Dentro da temática do lazer, chamamos a atenção dos alunos sobre as brincadeiras infantis, enfatizando a transformação da infância; observando de que modo as atividades infantis se transformaram; o que mudou na infância, porquê mudou, e como observamos a infância em nossos dias. Procuramos também entender as causas para a configuração atual da infância em nossos tempos, de que modo os homens vivem cotidianamente hoje, e como isso reflete nas brincadeiras infantis; como o mundo infantil se configura como uma reprodução do mundo adulto. Dentro da temática do trabalho, chamamos a atenção dos alunos para os ofícios tradicionais existentes na sociedade medieval europeia, bem como, os modos de viver, as ocupações e o cotidiano dessas pessoas, os quais expressam suas condições de existência e sua cultura; observando a peculiaridade de sua cultura local e os modos de viver de sua região; incentivando assim a pesquisa, e proporcionando aos alunos um contato com outros meios de produção artística e criativa através da pintura. Nosso

4 4 projeto, portanto, teve por objetivo levar os alunos a pensar historicamente, percebendo as transformações do cotidiano de nossa sociedade, através de uma breve retrospectiva histórica. A realização de todo o projeto foi divido em quatro etapas. A primeira etapa do projeto consistiu-se na realização de duas aulas. A primeira aula realizou-se enquanto aula dialógica expositiva, sobre lazer, festividades, atividades lúdicas e brincadeiras infantis na Europa medieval, a partir da utilização de fontes iconográficas; pinturas dos autores renascentistas: Pieter Bruegel e Hieronymus Bosh. Pieter Bruegel, conhecido também como "O Velho", nasceu em Breda, nos Países Baixos. É considerado um dos melhores pintores flamengos do século XVI. Foi um pintor de multidões e cenas populares. Além da predileção por paisagens, pintou quadros que expondunham as fraquezas e loucuras humanas. Retratava a vida e costumes dos camponeses e pessoas comuns, sua terra, os rituais da aldeia, a vida no campo, incluindo agricultura, caça, refeições, festas, danças, jogos e lazer. Sua mais nítida influência foi de Hieronymus Bosch. Pieter Bruegel viajou muito pela Itália e lá aprendeu as técnicas da pintura renascentista. Já Hieronymus Bosch foi um pintor holandês dos séculos XV e XVI. Sua obra foi uma das primeiras surrealistas. A maioria de seus quadros são caricaturais e simbólicos. Bosh produziu uma série de composições fantásticas e diabólicas, com um tom satírico e moralizante, representando os vícios, os pecados e os temores de ordem religiosa que afligiam o homem medieval, bem como, cenas da vida medieval. Ambas as aulas tiveram como principal objetivo possibilitar aos alunos a ampliação e reflexão sobre os modos de compreender a sociedade medieval europeia, bem como, trabalhar e desenvolver nos alunos uma análise histórica dos modos de viver do ser humano, observando o lazer e o trabalho dentro dessa análise. A partir da temática do lazer, na primeira aula, afunilamos a abordagem em torno da infância, brincadeiras e atividades lúdicas infantis. Trabalhamos as brincadeiras infantis, chamando a atenção para a transformação da infância, pensando de que modo as atividades infantis se transformaram; o que mudou na infância; porquê mudou, e como observamos a infância em nossos dias. Refletimos também sobre o conceito de infância, a

5 5 luz do pensamento de Philippe Ariés, pensando como as crianças na Idade Média eram vistas e tratadas pelos adultos, pensando esses modos a partir das condições de existência daquela sociedade, como as pessoas viviam e sobreviviam em tal época, bem como, a organização social e os modos de viver de tal sociedade, e como a criança se inseria, e se encaixava dentro dessa organização, e como isso reflete na vida das crianças e nas brincadeiras. Para a explanação do conteúdo utilizamos imagens (apresentadas em slides, através da utilização do suporte visual data-show) como fontes históricas: pinturas medievais e renascentistas que expressam o cotidiano e os modos de viver medievais, mais especificamente festas, celebrações, atividades lúdicas coletivas e brincadeiras infantis do cotidiano do medievo. Utilizando o método comparativo reflexivo entre nossa sociedade e outras sociedades históricas, observamos as transformações temporais do cotidiano e procuramos refletir sobre a configuração da infância em nossos tempos, de que modo os homens vivem cotidianamente hoje, e como isso reflete no mundo infantil. A segunda aula foi uma aula também dialógica expositiva, sobre cotidiano, trabalho e ofícios medievais, utilizando-se de obras dos mesmos autores renascentistas. Dentro da temática do trabalho, abordamos os trabalhos e ofícios tracionais na sociedade europeia medieval, observando como as pessoas viviam cotidianamente nessa sociedade; como se dava a organização social, bem como, os modos de viver de tais indivíduos. Procuramos refletir sobre a configuração e organização de tal sistema social, político e econômico medieval. Observando os trabalhos existentes; de que modo os homens viviam cotidianamente, concomitante às condições de existência da época. Utilizando o mesmo método da aula anterior, de reflexão e comparação entre nossa sociedade e outras sociedades históricas, pensando assim o nosso próprio cotidiano, e observando as transformações ao longo do tempo das diferentes sociedades. Toda a aula se realizou enquanto aula expositiva. Discorremos sobre a temática do trabalho, ofícios tradicionais e modos de viver cotidianos na Europa medieval. Trabalhamos os conceitos de feudalismo, refletimos sobre a composição da sociedade medieval, quais os tipos sociais que a compunham; sua organização e sistema econômico e produtivo; como funcionavam a agricultura, a manufatura e o comércio naquela época; falamos também sobre como se dava a organização das casas medievais, e os modos de viver dentro dos feudos. Para a explanação do

6 6 conteúdo utilizamos imagens (apresentadas em slides, através de data-show): pinturas medievais e renascentistas que expressam o cotidiano e os modos de viver medievais, mais especificamente o trabalho, e a organização social do cotidiano do medievo. Em ambas as aulas, além do conteúdo histórico, os alunos compreenderam e se apoderaram de conceitos básicos sobre infância, cultura e cotidiano. Através desse eixo observativo, procuramos entender as transformações sociais de nossa sociedade. Observando as atividades lúdicas e o trabalho, concomitante a realidade de determinado meio social, entendendo como a sociedade muda e mudam-se os modos de viver. Mostrando aos alunos o cotidiano das pessoas do passado pedimos para que eles observassem e refletissem sobre como se desenvolve o cotidiano das pessoas hoje, a partir da observação do seu próprio cotidiano e das pessoas ao seu redor, partindo dos seguintes questionamentos reflexivos: Quais as atividades que as pessoas de sua comunidade praticam durante todo o dia? Como começa o seu dia? Você trabalha? Se você trabalha, qual sua ocupação? Onde você trabalha? Qual parte do seu dia é reservada a essa ocupação? Quais as pessoas de sua família que trabalham? Que tipo de ofícios as mesmas praticam? Elas trabalham no ambiente doméstico, ou fora? Se trabalham fora, trabalham muito longe de suas moradias? Quais os elementos de lazer e trabalho presentes no seu dia-a-dia?. A cerca das atividades lúdicas infantis, os alunos refletiram a partir dos seguintes questionamentos: Você ainda brinca como brincava quando menor? Quais brincadeiras fizeram parte de sua infância? As crianças de hoje, ainda brincam? Que tipo de brincadeiras e lazer elas praticam hoje? Você partilhava dessas mesmas brincadeiras? As brincadeiras mudaram? O que mudou? Por que você acha que as brincadeiras mudaram? Quais os elementos de lazer presentes em sua casa?. As observações que os alunos fizeram de seu cotidiano foram observações dos modos de viver de sua localidade, sua comunidade ou bairro. Dessa maneira os alunos observaram os ofícios, trabalhos tradicionais existentes em sua localidade, bem como,

7 7 as atividades lúdicas e os modos de viver das pessoas, apreendendo de forma prática e simples conceitos como cultura. Cultura aqui entendida como toda produção humana material e espiritual, suas crenças e seus modos de viver, cultura entendida enquanto um produto coletivo da vida humana. Pensando assim, as diferentes culturas existentes no mundo, contribuímos no combate a preconceitos, oferecendo uma plataforma para o respeito e a dignidade nas relações humanas, pois a compreensão de cultura exige que pensemos nos diversos povos, nações, sociedades e grupos humanos, seus diferentes modos de viver e conceber o mundo. Em seguida, utilizando o que aprenderam nas aulas anteriores, enquanto a segunda etapa do projeto, fora orientado a realização de uma pesquisa por parte dos alunos. Propomos aos alunos uma atividade de pesquisa, na qual eles aliaram o conhecimento histórico apreendido em sala de aula com a observação do presente vivido. Aplicando a História a uma análise prática da sociedade. Dividimos a turma em duas frentes de pesquisa. A primeira frente trabalhou com a pesquisa sobre a infância na atualidade. Pedimos para que eles, observando as brincadeiras infantis atuais, registrassem através de fotos, ou mesmo relatórios, como se encontra a infância e as atividades infantis em nossos dias, partindo das seguintes questões que os serviram como guia para a realização da pesquisa: Hoje em dia as crianças estão brincando? Quais as brincadeiras infantis atuais? Com quem elas aprenderam essas brincadeiras e atividades? Aonde essas crianças costumam brincar? Você brinca, ou brincou, com essas mesmas brincadeiras? Quais as diferenças de sua infância para a infância atual? E as semelhanças?. A segunda frente de pesquisa trabalhou com registros, também, através de fotos, ou relatórios, dos ofícios e trabalhos tradicionais de sua localidade, partindo das seguintes questões: Quais as formas de trabalho existentes em sua comunidade? Como se desenvolvem esses trabalhos? Quem são os autores?. Os momentos seguintes, na terceira etapa do projeto, fora realizada com a turma uma atividade enquanto oficina de pintura. A oficina fora realizada no horário vespertino

8 8 e teve a duração de 3 horas. Contamos com a orientação de um profissional em artes plásticas, Laércio da Costa Cordeiro, para a elaboração das pinturas, o qual acompanhou a execução de toda a oficina. Durante a oficina os alunos foram orientados a expressar, em suas telas, representações de atividades humanas segundo a temática de suas pesquisas, jogos infantis atuais e/ou ofícios locais de sua comunidade, da maneira como eles soubessem, e como eles aprenderam ao longo da orientação do profissional. O objetivo principal da atividade foi auxiliar os alunos na realização de suas pesquisas. Para àqueles que não fotografaram pudessem registrar suas observações em campo através da pintura. Na oficina proporcionada, tivemos como outros objetivos, possibilitar aos educandos um contato com outros meios de produção, visando explorar e desenvolver as habilidades artísticas dos mesmos, proporcionando-lhes um contato com a arte e com outras formas de atividade criativa. A oficina, no entanto, foi realizada com a presença de toda a turma A pintura se realizou enquanto atividade individual, foram confeccionadas no total 10 telas. A oficina foi realizada com sucesso, começou em seu tempo esperado, com a presença de todos os alunos. A atividade se mostrou um tanto inusitada, pois os mesmos nunca tinham tido contato com a pintura em óleo sobre tela. Percebemos que ao trabalharmos uma atividade diferente da aula expositiva de sala de aula, os alunos se interessaram mais e tiveram a oportunidade de realizar uma atividade diferente exercitando sua liberdade criativa, imaginativa e reflexiva. A oficina auxiliou os alunos no seu trabalho de pesquisa, trazendo uma outra oportunidade de registro. O produto final desta oficina foi exposto na Semana de História da escola juntamente com o trabalho resultante da pesquisa. A quarta e última etapa do projeto foi a elaboração final do relatório da pesquisa e levantamento de dados feito pelos próprios alunos em sua comunidade e bairro, para que finalmente fosse montada uma exposição de fotos e relatórios, juntamente com a

9 exposição das pinturas geradas na oficina de pintura, durante a Semana de História, sendo este o produto final deste projeto. 9 Os recursos materiais utilizados para a execução do projeto, foram: quadro; piloto; computador; data-show; cartolina; fotos impressas; cola; telas; tintas; pincéis; tapume; tecido decorativo, e materiais auxiliares para pintura. Para a avaliação dos alunos ao longo do desenvolvimento do projeto levamos em conta elementos, como: a participação e o interesse dos alunos nas aulas introdutórias; realização e desenvolvimento da pesquisa; participação e produção na oficina de pintura e a participação na montagem e apresentação da exposição de fotos, relatórios e pinturas - o produto final do projeto. Podemos afirmar que a aplicação deste projeto foi um sucesso. No início os alunos se empolgaram com a nova temática, não comumente vista nas aulas de História e nem nos livros didáticos. A abordagem de temas voltados ao cotidiano do passado, produziu nos alunos bastante interesse e curiosidade pelas aulas e pelo projeto. Observamos que trazer novas temáticas para o ensino de História despertou mais a atenção dos alunos, e temáticas ligadas a atividades práticas e cotidianas da vida dos próprios alunos despertaram sua maior participação. O desenvolvimento do projeto contou com o empenho de toda a turma. Tivemos algumas dificuldades na conclusão da realização das pesquisas por parte dos alunos, devido ao trabalho e ao tempo que requeria o desenvolvimento da mesma, pois a maioria dos alunos da turma possuíam trabalhos fora da atividade escolar, o que protelou um pouco a conclusão das pesquisas. Contudo, a oficina realizada, proporcionou uma maior ajuda na conclusão do projeto, pois era uma oportunidade mais imediata de expressar, através da pintura, seu cotidiano e as observações realizadas. Os quadros resultantes da oficina constituíram principal produto do projeto na exposição da Semana de História da escola, juntamente com a pesquisa e a apresentação

10 da mesma. Como produção individual, cada aluno apresentou sua tela e sua pesquisa em uma exposição conjunta com a turma. 10 Referências: ARIES, Philippe. História social da criança e da família. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara, LIBÂNEO, José Carlos. Didática. ed. Cortez. São Paulo SANTOS, José Luiz dos. O que é cultura. 14 ed. São Paulo: Brasiliense, BRAICK, Patrícia Ramos. História: das cavernas ao terceiro Milênio. 2. ed. - São Paulo: Moderna, ARIES, Philippe. História social da criança e da família. 2 ed - Rio de Janeiro: Guanabara, Imagens galeria de arte Site consultado: Consultado em: 04/09/2012 a 07/09/2012

O PIBID E AS PRÁTICAS EDUCACIONAIS: UMA PERSPECTIVA PARA A FORMAÇÃO INICIAL DA DOCÊNCIA EM GEOGRAFIA

O PIBID E AS PRÁTICAS EDUCACIONAIS: UMA PERSPECTIVA PARA A FORMAÇÃO INICIAL DA DOCÊNCIA EM GEOGRAFIA O PIBID E AS PRÁTICAS EDUCACIONAIS: UMA PERSPECTIVA PARA A FORMAÇÃO INICIAL DA DOCÊNCIA EM GEOGRAFIA Larissa Alves de Oliveira 1 Eixos Temáticos 4. Educação Superior e Práticas educacionais Resumo O Programa

Leia mais

O PIBID-UESB E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA FORMAÇÃO DO FUTURO PEDAGOGO

O PIBID-UESB E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA FORMAÇÃO DO FUTURO PEDAGOGO O PIBID-UESB E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA FORMAÇÃO DO FUTURO PEDAGOGO Elane Porto Campos-UESB Graduanda em Pedagogia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Bolsista do subprojeto de Pedagogia PIBID/UESB-CAPES

Leia mais

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS Evandro Marcelo da Silva 1 - PUCPR Kauana Domingues 2 PUCPR Edinéia Aranha 3 Grupo de Trabalho Educação e Direitos Humanos Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE Stella Maris Pissaia 1 Giseli Dionize Bobato 2 RESUMO: Neste resumo apresentamos uma descrição compreensiva das experiências vivenciadas a partir do contato teórico durante

Leia mais

A IMPORTANCIA DOS RECURSOS DIDÁTICOS NA AULA DE GEOGRAFIA

A IMPORTANCIA DOS RECURSOS DIDÁTICOS NA AULA DE GEOGRAFIA A IMPORTANCIA DOS RECURSOS DIDÁTICOS NA AULA DE GEOGRAFIA GERLANE BEZERRA CAVALCANTE, - ID¹ Graduanda em Geografia. Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência. UEPB E-MAIL: gerlane_miranda@hotmail.com

Leia mais

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Denise Ritter Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos deniseritter10@gmail.com Renata da Silva Dessbesel Instituto

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE PARA O ENSINO DE MATRIZES E DETERMINANTES

UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE PARA O ENSINO DE MATRIZES E DETERMINANTES UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE PARA O ENSINO DE MATRIZES E DETERMINANTES Jailson Lourenço de Pontes Universidade Estadual da Paraíba jail21.jlo@gmail.com Renata Jacinto da Fonseca Silva Universidade Estadual

Leia mais

DAS IMAGENS DAS TELAS ÀS IMAGENS VIVIDAS

DAS IMAGENS DAS TELAS ÀS IMAGENS VIVIDAS DAS IMAGENS DAS TELAS ÀS IMAGENS VIVIDAS Stella Maria Peixoto de Azevedo Pedrosa Doutoranda - Depto. Educação - PUC-Rio Isabel da Silva Lopes dos Santos Professora do Ensino Fundamental INTRODUÇÃO O projeto

Leia mais

RECURSOS DIDÁTICOS E SUA UTILIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA

RECURSOS DIDÁTICOS E SUA UTILIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA RECURSOS DIDÁTICOS E SUA UTILIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA Resumo: Com o enfoque na metodologia de resolução de problemas, nós, bolsistas do PIBID Matemática da UFPR, elaboramos algumas atividades destinadas

Leia mais

Contribuições das brincadeiras infantis de ontem em espaços escolares

Contribuições das brincadeiras infantis de ontem em espaços escolares Contribuições das brincadeiras infantis de ontem em espaços escolares Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Meire Luci Bernardes Silva Machado 1 - UNIUBE Sueli Teresinha de Abreu-Bernardes

Leia mais

JOGOS NAS AULAS DE HISTÓRIA ATRAVÉS DO PIBID: UMA POSSIBILIDADE DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO E DE INTERAÇÃO

JOGOS NAS AULAS DE HISTÓRIA ATRAVÉS DO PIBID: UMA POSSIBILIDADE DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO E DE INTERAÇÃO JOGOS NAS AULAS DE HISTÓRIA ATRAVÉS DO PIBID: UMA POSSIBILIDADE DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO E DE INTERAÇÃO Rayssa Eutália Gurjão Coutinho Borges 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) E-mail: rayssagurjao@hotmail.com

Leia mais

O TRAJE DA CRIANÇA NA IDADE MÉDIA

O TRAJE DA CRIANÇA NA IDADE MÉDIA 11º Colóquio de Moda 8ª Edição Internacional 2º Congresso Brasileiro de Iniciação Científica em Design e Moda 2015 O TRAJE DA CRIANÇA NA IDADE MÉDIA The Child's Costume in The Middle Ages Neotte, Linda

Leia mais

ENSINO DA MATEMÁTICA EM DIFERENTES ESPAÇOS ESCOLARES

ENSINO DA MATEMÁTICA EM DIFERENTES ESPAÇOS ESCOLARES ENSINO DA MATEMÁTICA EM DIFERENTES ESPAÇOS ESCOLARES Resumo Luana Cristina Pauliv de Araújo Scheleider 1 - PUCPR Francielle Leiroz Rodrigues 2 - PUCPR Lucas Andrei das Neves 3 - PUCPR Grupo de Trabalho

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

12 DE JUNHO, DIA DE COMBATE A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PIBID DE GEOGRAFIA

12 DE JUNHO, DIA DE COMBATE A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PIBID DE GEOGRAFIA 12 DE JUNHO, DIA DE COMBATE A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PIBID DE GEOGRAFIA Resumo O presente trabalho tem como objetivo relatar uma experiência desenvolvida no Programa

Leia mais

Travel guides: apresentando Porto Alegre através da língua inglesa

Travel guides: apresentando Porto Alegre através da língua inglesa Travel guides: apresentando Porto Alegre através da língua inglesa Ana Carolina Rosa Posuelo de Oliveira Bruna Souza Passos Introdução É de conhecimento geral que o ensino de línguas na escola é principal

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Sheila Valéria Pereira da Silva (UFPB Campus-IV) sheilavaleria88@yahoo.com.br

Leia mais

O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID RESUMO

O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID RESUMO O JOGO NO ENSINO FUNDAMENTAL: EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DOCENTE EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO PIBID Heloisa Braga dos Santos Christian Vieira de Souza RESUMO Este artigo foi elaborado com o objetivo de relatar a

Leia mais

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano)

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano) Arte Ensino Fundamental Fase Final (6º a 9º ano) 2012 APRESENTAÇÃO Caro(a) professor(a), (...) Protege-me das incursões obrigatórias que sufocam o prazer da descoberta e com o silêncio ( intimamente sábio

Leia mais

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre

Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre Ao longo deste 2 semestre, a turma dos 1 anos vivenciaram novas experiências e aprendizados que contemplaram suas primeiras conquistas do semestre anterior, dentro de contextos que buscavam enfatizar o

Leia mais

APRENDENDO NOS MUSEUS. Exposição no Bloco do estudante: O brinquedo e a rua: diálogos

APRENDENDO NOS MUSEUS. Exposição no Bloco do estudante: O brinquedo e a rua: diálogos APRENDENDO NOS MUSEUS Exposição no Bloco do estudante: O brinquedo e a rua: diálogos Este material foi desenvolvido a fim de ajudar alunos e professores a tirar maior proveito de suas experiências museais.

Leia mais

A prática da Educação Patrimonial:

A prática da Educação Patrimonial: A prática da Educação Patrimonial: uma experiência no município de Restinga Sêca / RS HELIANA DE MORAES ALVES E LAURO CÉSAR FIGUEIREDO Introdução O presente trabalho é um breve relato sobre uma prática

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO MELQUÍADES VILAR

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO MELQUÍADES VILAR SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO MELQUÍADES VILAR PROJETO LER (Leitura, Escrita e Redação) Ana Paula Correia Taperoá - PB 2014 Ana Paula Correia PROJETO LER

Leia mais

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL Márcio Henrique Laperuta 1 Rodrigo Santos2 Karina Fagundes2 Erika Rengel2 UEL- Gepef-Lapef-PIBID RESUMO

Leia mais

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA.

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Autor (1)Suzânia Maria Pereira de Araújo; Autor (2) Eleilde de Sousa Oliveira; Orientador (1)Denise Silva

Leia mais

OLIMPIADAS DE MATEMÁTICA E O DESPERTAR PELO PRAZER DE ESTUDAR MATEMÁTICA

OLIMPIADAS DE MATEMÁTICA E O DESPERTAR PELO PRAZER DE ESTUDAR MATEMÁTICA OLIMPIADAS DE MATEMÁTICA E O DESPERTAR PELO PRAZER DE ESTUDAR MATEMÁTICA Luiz Cleber Soares Padilha Secretaria Municipal de Educação de Campo Grande lcspadilha@hotmail.com Resumo: Neste relato apresentaremos

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS. Danielli da Silva Almeida Universidade Estadual de Londrina danii-geo@hotmail.

O ENSINO DE GEOGRAFIA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS. Danielli da Silva Almeida Universidade Estadual de Londrina danii-geo@hotmail. O ENSINO DE GEOGRAFIA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Danielli da Silva Almeida Universidade Estadual de Londrina danii-geo@hotmail.com RESUMO Este artigo tem como objetivo refletir sobre as abordagens do

Leia mais

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL RESUMO Luana da Mata (UEPB) 1 Patrícia Cristina de Aragão Araújo (UEPB) 2 Este artigo tem como objetivo refletir como as brincadeiras

Leia mais

ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA

ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA ESTEQUIMETRIA LÚDICA: RESSIGNIFICANDO A APRENDIZAGEM POR MEIO DE UMA MARATONA QUÍMICA Patrícia Severiano de Oliveira* (1) (1) Universidade Federal de Alagoas Campus Arapiraca *patríciaufal2011@gmail.com

Leia mais

O PROJETO UNIMONTES SOLIDÁRIA

O PROJETO UNIMONTES SOLIDÁRIA RELATO DA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE INFORMÁTICA PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES DURANTE O PROJETO UNIMONTES SOLIDÁRIA NA ALDEIA INDÍGENA XACRIABÁ Josué Batista Antunes 1 Gislane Silva Cardoso Cerqueira

Leia mais

PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE

PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE Gilmara Gomes MEIRA 1 1 Departamento de Matemática Mestrado em Ensino de Ciências

Leia mais

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA DAV- DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS Curso: Licenciatura em Artes Visuais Disciplina: Cultura Visual Professora: Jociele Lampert Acadêmica: Cristine Silva Santos

Leia mais

Palavras-chave: jogos de matemática, aprendizagem, dinamicidade

Palavras-chave: jogos de matemática, aprendizagem, dinamicidade O JOGO COMO MÉTODO DE ENSINO NAS AULAS DE MATEMÁTICA Ana Carla da Silva Santos i Ana Paula Araújo da Silva Cledineide Medeiros de Araújo Joedna Loyse de Souza Morais O presente trabalho denominado "O jogo

Leia mais

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS Mais informações: Site PIBID: http://www.pibid.ufrn.br/ Site LEM/UFRN: http://www.ccet.ufrn.br/matematica/lemufrn/index.html E-mail do LEM/UFRN: lem2009ufrn@yahoo.com.br

Leia mais

Bingo Químico em Braille.

Bingo Químico em Braille. Bingo Químico em Braille. Carine Fernanda Drescher * (IC), Julieta Saldanha Oliveira (PQ) e Liana da Silva Fernandes (PQ). E-mail: carinedrescher@gmail.com Rua Riachuelo, CEP- 97050011, 115, apto 305.

Leia mais

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina.

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina. 12 18 Anos ESTAS IMAGENS SÃO UM RODOPIO!/////////////////////////////////////// 3 CINEMA EM CASA!////////////////////////////////////////////////////////////////////// 4 BRINQUEDOS ÓPTICOS///////////////////////////////////////////////////////////////

Leia mais

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina.

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina. 7 12 Anos ESTAS IMAGENS SÃO UM RODOPIO!///////////////////// 3 CINEMA EM CASA!//////////////////////////////////////////////////// 4 QUE FEITIÇO É ESTE?/////////////////////////////////////////////////

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA ESCOLA

SUSTENTABILIDADE NA ESCOLA SUSTENTABILIDADE NA ESCOLA Yam de Sousa Santos¹; Aclébia Alves Quaresma¹; Ronier Pereira da Silva¹; Maria do Socorro Pereira 2. 1 Bolsistas ID da CAPES, Pibid/UFCG da Universidade Federal de Campina Grande/Centro

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância e necessidade do uso de tecnologias no trabalho escolar

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

ESCOLAS PIBIDIANAS NO TEATRO

ESCOLAS PIBIDIANAS NO TEATRO ESCOLAS PIBIDIANAS NO TEATRO Bianca Ebeling Barbosa Murilo Furlan Jade Garisto Ramos Allan Luis Correia Leite 1 Taís Ferreira 2 EIXO TEMÁTICO: Ações com a comunidade. Palavras chave: Escolas; Carência;

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE ALUNOS EM FORMAÇÃO INICIAL EM MATEMÁTICA: MONITORIAS E JOGOS CONTRIBUINDO PARA ALIAR TEORIA E PRÁTICA

EXPERIÊNCIAS DE ALUNOS EM FORMAÇÃO INICIAL EM MATEMÁTICA: MONITORIAS E JOGOS CONTRIBUINDO PARA ALIAR TEORIA E PRÁTICA EXPERIÊNCIAS DE ALUNOS EM FORMAÇÃO INICIAL EM MATEMÁTICA: MONITORIAS E JOGOS CONTRIBUINDO PARA ALIAR TEORIA E PRÁTICA Adriana Andrade Bastos Aluna da Especialização em Docência na Educação Técnica, Profissional

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Londrina 2010 1 Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Relatório final

Leia mais

JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO INICIAL COM A DISCIPLINA OFICINA DE MATEMÁTICA EM PARCERIA COM O PIBID

JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO INICIAL COM A DISCIPLINA OFICINA DE MATEMÁTICA EM PARCERIA COM O PIBID JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO INICIAL COM A DISCIPLINA OFICINA DE MATEMÁTICA EM PARCERIA COM O PIBID Cléia Ferreira da Costa da Matta Universidade Federal do Acre - UFAC libriana34@hotmail.com

Leia mais

HORTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA

HORTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA HORTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA Raquel Alves de Oliveira, Vânia Galindo Massabni ESALQ - USP Eixo: 03 Ciências Agrárias Resumo O presente trabalho trata a respeito do projeto desenvolvido

Leia mais

O(s) Uso(s) de Documentos de Arquivo na Sala de Aula

O(s) Uso(s) de Documentos de Arquivo na Sala de Aula O(s) Uso(s) de Documentos de Arquivo na Sala de Aula SEQUÊNCIA DIDÁTICA Milton Garcia Silva São Paulo 2012 TEMA Modos de Morar em São Paulo Séculos XIX e XX. JUSTIFICATIVA Nota-se que os alunos possuem

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ-VESTIBULAR UNE-TODOS SOBRE A TEORIA DA ORIGEM DA VIDA

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ-VESTIBULAR UNE-TODOS SOBRE A TEORIA DA ORIGEM DA VIDA PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ-VESTIBULAR UNE-TODOS SOBRE A TEORIA DA ORIGEM DA VIDA Reniel Chaves de Paula, Graciele Neves, Marinez Cargnin-Stieler Universidade do Estado do Mato Grosso, campus de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

Narrativa reflexiva sobre planejamento de aulas

Narrativa reflexiva sobre planejamento de aulas Narrativa reflexiva sobre planejamento de aulas Jefferson Ebersol da Silva 1 Contexto da narrativa O projeto PIBID, Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica à Docência da FURG, foi desenvolvido

Leia mais

Intervalo dirigido com experimentos e o ensino de modelos atômicos.

Intervalo dirigido com experimentos e o ensino de modelos atômicos. Intervalo dirigido com experimentos e o ensino de modelos atômicos. Ana Paula Scheeren¹*(IC), Angélica Schossler¹ (IC), Vânia Beatriz Dreyer¹ (IC), Andréia Spessato De Maman¹ (PQ), Jane Herber¹(PQ) * apscheeren@univates.br

Leia mais

Dança na Educação Infantil: analisando a influência da ludicidade na construção do conhecimento artístico

Dança na Educação Infantil: analisando a influência da ludicidade na construção do conhecimento artístico Dança na Educação Infantil: analisando a influência da ludicidade na construção do conhecimento artístico Alba Pedreira Vieira 1 Guilherme Fraga da Rocha Teixeira 2 Letícia Oliveira Teixeira 3 Resumo:

Leia mais

O LÚDICO: SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL

O LÚDICO: SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL O LÚDICO: SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental : Anos iniciais e anos finais Maria Christina Schettert Moraes UNICRUZ

Leia mais

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 369 PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Jorge Leonardo Garcia (Uni-FACEF) Sílvia Regina Viel Rodrigues (Uni-FACEF) O Ensino da Matemática Hoje As aulas típicas

Leia mais

DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA.

DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA. DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA. Amanda Pathiely Serrânia Faria UFG/FEFD 1 Orientador e Coautor: Prof. Dr. Alexandre Ferreira UFG/FEFD 2 Graduanda do curso de Licenciatura

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

Instituto de Educação Marista Nossa Senhora das Graças Viamão RS USBEE União Sul Brasileira de Educação e Ensino. Tecnologias para Aprender e Ensinar

Instituto de Educação Marista Nossa Senhora das Graças Viamão RS USBEE União Sul Brasileira de Educação e Ensino. Tecnologias para Aprender e Ensinar Instituto de Educação Marista Nossa Senhora das Graças Viamão RS USBEE União Sul Brasileira de Educação e Ensino Tecnologias para Aprender e Ensinar Apresenta uma experiência na construção de jogos infantis

Leia mais

Folhas de papel, Xerox com figuras e palavras de frutas e legumes, tesoura, lápis de cor, cola, fita adesiva.

Folhas de papel, Xerox com figuras e palavras de frutas e legumes, tesoura, lápis de cor, cola, fita adesiva. ALGUNS MODELOS DE PLANOS DE AULA NVOLVNDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL Áreas do conhecimento: Educação ambiental Agricultura familiar Educação artística Objetivos Treinar a ortografia, Exercitar a memória. Estratégias

Leia mais

TEXTURAS E SENSAÇÕES COM PINTURAS DE AMILCAR DE CASTRO: REFLEXÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA EDUCAÇÃO INFANTIL.

TEXTURAS E SENSAÇÕES COM PINTURAS DE AMILCAR DE CASTRO: REFLEXÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA EDUCAÇÃO INFANTIL. TEXTURAS E SENSAÇÕES COM PINTURAS DE AMILCAR DE CASTRO: REFLEXÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA EDUCAÇÃO INFANTIL. Arachele Maria Santos 1 Maria Joseilda da Silva Oliveira 2 RESUMO Este projeto

Leia mais

UMA ABORDAGEM DIFERENCIADA DA APRENDIZAGEM DE SISTEMÁTICA FILOGENÉTICA E TAXONOMIA ZOOLÓGICA NO ENSINO MÉDIO

UMA ABORDAGEM DIFERENCIADA DA APRENDIZAGEM DE SISTEMÁTICA FILOGENÉTICA E TAXONOMIA ZOOLÓGICA NO ENSINO MÉDIO UMA ABORDAGEM DIFERENCIADA DA APRENDIZAGEM DE SISTEMÁTICA FILOGENÉTICA E TAXONOMIA ZOOLÓGICA NO ENSINO MÉDIO ARAÚJO, Lenon Oliveira de PUCPR lenon_tdp@hotmail.com COSTA, Ana Lúcia da PUCPR analuciacosta_7@hotmail.com

Leia mais

PAINEL GURUPI COMICS ESTÓRIAS DE GURUPI

PAINEL GURUPI COMICS ESTÓRIAS DE GURUPI PAINEL GURUPI COMICS ESTÓRIAS DE GURUPI João Paulo de Oliveira Maciel Graduando do Curso de Licenciatura em Artes Cênicas IFTO Prof. Pablo Marquinho Pessoa Pinheiro (Orientador) Instituto Federal de Educação,

Leia mais

RE-ENCONTRANDO COM O ENSINO DA ARTE EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO ENSINO FUNDAMENTAL

RE-ENCONTRANDO COM O ENSINO DA ARTE EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO ENSINO FUNDAMENTAL RE-ENCONTRANDO COM O ENSINO DA ARTE EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO ENSINO FUNDAMENTAL Joelma Cellin Escola Estadual de Ensino Fundamental Eliseu Lofego, Cachoeiro de Itapemirim-ES 1 INTRODUÇÃO Após um período

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA E A INTERNET MÓVEL. Palavras-chave: Modelagem Matemática; Educação de Jovens e Adultos (EJA); Internet móvel.

A MODELAGEM MATEMÁTICA E A INTERNET MÓVEL. Palavras-chave: Modelagem Matemática; Educação de Jovens e Adultos (EJA); Internet móvel. A MODELAGEM MATEMÁTICA E A INTERNET MÓVEL Márcia Santos Melo Almeida Universidade Federal de Mato Grosso do Sul marciameloprofa@hotmail.com Marcos Henrique Silva Lopes Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

PLANO DE CELULAR: UMA EXPERIÊNCIA DE MODELAGEM MATEMÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO

PLANO DE CELULAR: UMA EXPERIÊNCIA DE MODELAGEM MATEMÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO PLANO DE CELULAR: UMA EXPERIÊNCIA DE MODELAGEM MATEMÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO GT 06 Formação de professores de matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Ana Queli Mafalda Reis

Leia mais

APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre. Aula 13

APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre. Aula 13 APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre Aula 13 Identidade Visual Embora você possa nunca ter ouvido falar em identidade visual, todos nós estamos sempre sendo bombardeados pelas identidades

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA Avaliação Da Prática Docente A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA PRÁTICA DOCENTE Autora: Maria Peregrina de Fátima Rotta Furlanetti Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Estadual

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA Tamara Nomura NOZAWA 1 Telma Lúcia Aglio GARCIA 2 Edmárcia Fidelis ROCHA

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

JOGOS MATEMÁTICOS: EXPERIÊNCIAS COMPARTILHADAS

JOGOS MATEMÁTICOS: EXPERIÊNCIAS COMPARTILHADAS JOGOS MATEMÁTICOS: EXPERIÊNCIAS COMPARTILHADAS Denise da Costa Gomes denisedacosta11@hotmail.com Dalila Regina da Silva Queiroz dalilazorieuq@hotmail.com Alzenira Oliveira de Carvalho oliveiraalzenira@hotmail.com

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE EXPERIÊNCIAS COM ALFABETIZAÇÃO ATRAVÉS DA LETRA BASTÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL NO INTERIOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Rafael da Silva da Cunha* - Autor rafael.dudu.r@gmail.com Mayane Ferreira de Farias*

Leia mais

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES TIERRE OTIZ ANCHIETA 1 MÔNICA HEITLING 2 TAINAN SILVA DO

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

A produção de leituras da obra A maior flor do mundo

A produção de leituras da obra A maior flor do mundo Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Educação Escola de Educação Básica e Profissional da UFMG - Centro Pedagógico Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) A produção

Leia mais

Educação Patrimonial Centro de Memória

Educação Patrimonial Centro de Memória Educação Patrimonial Centro de Memória O que é história? Para que serve? Ambas perguntas são aparentemente simples, mas carregam uma grande complexidade. É sobre isso que falarei agora. A primeira questão

Leia mais

Objetivos. 1. A organização e o sentido da sociabilidade entre os homens: noções gerais

Objetivos. 1. A organização e o sentido da sociabilidade entre os homens: noções gerais Objetivos Mostrar maneira de organização dos grupos humanos: apresentação de diferentes realidades culturais; O uso da Antropologia como interlocutora das realidades simbólicas e materiais dos grupos humanos:

Leia mais

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Michele Gomes Felisberto; Micheli de Oliveira; Simone Pereira; Vagner Lean dos Reis Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha Introdução O mundo em que vivemos

Leia mais

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES Rogério Sousa AZEVEDO (1); Iara M Cavalcante NOLETO (2) (1 e 2) Instituto Federal de

Leia mais

TURMA DO TUBARÃO GRUPO II A

TURMA DO TUBARÃO GRUPO II A II A Escolha do nome da Turma TURMA DO TUBARÃO GRUPO II A No grupo II, escolhemos um nome para identificar cada turma. A escolha desse nome fica a critério das crianças, feito por votação e, geralmente,

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL PROFESSORA ANA GUEDES VIEIRA PROJETO CONTAGEM, AGOSTO/2015. 1.1 Denominação do Projeto: CADÊ A ÁGUA QUE ESTAVA AQUI?

ESCOLA MUNICIPAL PROFESSORA ANA GUEDES VIEIRA PROJETO CONTAGEM, AGOSTO/2015. 1.1 Denominação do Projeto: CADÊ A ÁGUA QUE ESTAVA AQUI? ESCOLA MUNICIPAL PROFESSORA ANA GUEDES VIEIRA PROJETO Cadê a água que estava aqui? 1. Dados Básicos CONTAGEM, AGOSTO/2015 1.1 Denominação do Projeto: CADÊ A ÁGUA QUE ESTAVA AQUI? 1.2 Resumo do projeto:

Leia mais

EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS MATRICULADAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS/PB

EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS MATRICULADAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS/PB EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS MATRICULADAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS/PB LINS SANTOS 1, Carlos Augusto MARINHO DA SILVA FILHO 2, Carlos Roberto ARAÚJO SILVA 3, Débora

Leia mais

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO QUESTÃO 4 a) O conteúdo do diálogo a ser completado deve manifestar que as colocações da aluna não constituem aquilo

Leia mais

AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA AS VIVÊNCIAS DURANTE A FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM PROCESSO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA GT 01 Educação matemática no ensino fundamental: anos iniciais e anos finais. Anderson de Almeida Antunes, Universidade

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013

OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013 OS PROJETOS DE TRABALHO E SUA PRODUÇÃO ACADÊMICA NOS GT07 E GT12 DA ANPED ENTRE OS ANOS 2000/2013 Resumo Indira Aparecida Santana Aragão 1 - FCT/UNESP Grupo de Trabalho Educação da Infância Agência Financiadora:

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS Andreza Olivieri Lopes Carmignolli1 UNESP Eva Poliana Carlindo2 UNESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Relatório referente ao encontro realizado no Departamento de educação física (03/06/2015)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Relatório referente ao encontro realizado no Departamento de educação física (03/06/2015) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PAULO CÉSAR DUTRA JUNIOR PIBID SUBPROJETO EDUCAÇÃO FÍSICA 0 física (03/06/2015) O primeiro assunto pautado na reunião foi sobre o V SEMINÁRIO INSTITUCIONAL PIBID/UFPR 2015,

Leia mais

Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) Subprojeto-Biologia

Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) Subprojeto-Biologia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) Subprojeto-Biologia ATIVIDADE LÚDICA COMO INSTRUMENTO DE DIVULGAÇÃO E

Leia mais

Avaliação-Pibid-Metas

Avaliação-Pibid-Metas Bolsista ID: Claines kremer Avaliação-Pibid-Metas A Inserção Este ano o reingresso na escola foi diferente, pois já estávamos inseridas na mesma há praticamente um ano. Fomos bem recepcionadas por toda

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL: UMA POSSIBILIDADE PARA REFLETIR, INFORMAR, EDUCAR E PRESERVAR.

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL: UMA POSSIBILIDADE PARA REFLETIR, INFORMAR, EDUCAR E PRESERVAR. 25 a 27 de maio de 2010 Facom-UFBa Salvador-Bahia-Brasil EDUCAÇÃO PATRIMONIAL: UMA POSSIBILIDADE PARA REFLETIR, INFORMAR, EDUCAR E PRESERVAR. Ana Maria Garcia Moura 1 Cristiane Batista dos Santos 2 Resumo:

Leia mais

USO DE JOGOS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE BOTÃNICA

USO DE JOGOS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE BOTÃNICA USO DE JOGOS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE BOTÃNICA Resumo FREITAS, Rafaela de Lima PUCPR raffa_16@ig.com FURLAN, Ana Laura Diniz PUCPR ana.ldf@hotmail.com KUNZE, Jean Carlos PUCPR jeancarloskunze@hotmail.com

Leia mais

Guia do Professor As Fases da Lua

Guia do Professor As Fases da Lua Guia do Professor As Fases da Lua Introdução A difusão dos sistemas digitais pelos mais diferentes ramos do conhecimento é uma realidade, que indiscutivelmente facilitou todas as tarefas do dia-a-dia,

Leia mais