A importância da comunicação organizacional na atuação da equipe multiprofissional de saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A importância da comunicação organizacional na atuação da equipe multiprofissional de saúde"

Transcrição

1 A importância da comunicação organizacional na atuação da equipe multiprofissional de saúde Mariane Mayer Habilitação e Licenciatura em Enfermagem pelo Centro Universitário Franciscano/RS Regina G. Santini Costenaro Professora do Curso de Enfermagem do Centro Universitário Franciscano/RS; Enfermeira Assistencial na UTIRN HUSM Santa Maria/RS; Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Enfermagem Cuidando, Confortando e Educando - GEPECE. Mestre em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria/RS, Doutora em Filosofia da Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina/SC. Melina de Souza Mota Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Maria/RS. Bacharel em Relações Públicas pela UFSM/RS Maria Ivete Trevisan Fossá Professora Adjunta da Universidade Federal de Santa Maria/RS. Mestre em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo/SP, Doutora em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul/RS, na linha de pesquisa Estratégia e Cultura nas Organizações. Atua no Programa de Graduação em Relações Públicas e no Programa de Mestrado em Administração da UFSM/RS na linha de pesquisa Aprendizagem e Cultura Organizacional Resumo O artigo trata do processo comunicativo de uma equipe multidisciplinar de saúde no atendimento aos pacientes que procuram o Pronto Atendimento Municipal de Santa Maria/RS. A pesquisa objetivou analisar a percepção da equipe em relação ao sistema e ao funcionamento da comunicação na instituição, ou seja, evidenciar os principais atributos que favorecem e dificultam a comunicação interpessoal entre a equipe de saúde e os pacientes. Os dados foram coletados por meio de um formulário estruturado com dez questões, abertas e fechadas. A análise da comunicação organizacional sob a ótica da equipe de saúde aponta ser o nível interpessoal fundamental na articulação e mobilização de idéias e conhecimentos e no processo de ação e regulação mútua, no que tange a vivências de situações concretas e a soluções de problemas organizacionais. Palavras-chave: comunicação, saúde, organização.

2 INTRODUÇÃO O setor hospitalar caracteriza-se como parte integrante de um sistema coordenado de saúde. Sua essência está em conferir à sociedade assistências preventiva e curativa. Antecedente a essa distinção organizacional está seu caráter institucional. Ele o revela, devido ao seu atributo social, como um proveitoso centro de investigações dos processos comunicacionais, à medida que permite a análise do papel da comunicação organizacional na atuação das equipes multiprofissionais de saúde. É imperativa a ampliação das discussões das interfaces da comunicação e da saúde, uma vez que a codificação do processo de comunicação interfere diretamente na recuperação do paciente, pois o serviço assistencial de saúde intenciona, através de atributos de eficiência e efetividade técnica, proporcionar um entendimento harmonioso entre ele e a equipe de enfermagem e de médicos e, conseqüentemente, um melhor atendimento. Em outras palavras, a efetividade da comunicação entre a equipe multiprofissional de saúde e o paciente hospitalar possibilita a melhora desse, a qual é alcançada por meio da harmonização dos relacionamentos interpessoais. Nesse sentido, o preparo da equipe de saúde para uma relação de comunicação conexa com o paciente é necessário, pois ela imprescinde estar ciente da importância da comunicação nos resultados de suas ações assistenciais. Nos ambientes institucionais de saúde, quer sejam hospitais ou unidades de pronto atendimento à saúde, as relações interpessoais recebem influências da estrutura hierárquica, do número de pessoas envolvidas por turno de trabalho, do grau de resolução que cada pessoa é capaz de oferecer aos problemas enfrentados, dos cargos ocupados, do poder exercido pelas chefias, do grau de flexibilidade permitido entre as pessoas, da satisfação com a tarefa desempenhada, da relevância dada pelos membros da equipe ao trabalho, das condições satisfatórias de trabalho, da relevância social do trabalho executado pelos profissionais da saúde, entre outros fatores. A análise dos dados, coletados por meio de um formulário estruturado, com dez questões abertas e fechadas, teve por objetivo organizar e sumariar os dados de forma a possibilitar o fornecimento de resposta aos problemas propostos para a investigação. As informações expressas pelos respondentes foram relatadas por meio da descrição, caracterizando a abordagem proposta, de cunho fenomenológico.

3 COMUNICAÇÃO: CONCEITO, PROCESSO E CONTEXTO ORGANIZACIONAL Em consonância com Peruzzolo (2002, p. 20), comunicação é diálogo e partilha. A convivência social é um modo de se comunicar, pois ela é a respiração de uma sociedade, sendo também ressaltada como um processo de influências. Comunicar-se implica a existência de um relacionamento entre uma pessoa e outra pessoa, através de um meio material (PERUZZOLO, 2002, p. 28). Logo, a comunicação é uma relação de um ser (emissor, o que produz e emite a mensagem) com outro ser (receptor, o qual recebe a mensagem, a percebe e, assim, deve emitir uma resposta para que se tenha a certeza de que a comunicação ocorreu), por um elemento que os relaciona (mensagem, aquilo que é transmitido, de modo verbal ou não-verbal. Possui um significado comum tanto para o emissor quanto ao receptor). O modelo comunicacional Emissor Mensagem Receptor destaca, portanto, a ligação de E e R por M. Consecutivamente, há um canal, por meio do qual a mensagem é transmitida (PERUZZOLO, 2002; STEFANELLI, 1993). Para Paim (1978, p. 92), comunicar é provocar uma resposta do recebedor. Toda fonte, ao se comunicar, pretende que o recebedor faça alguma coisa e passe a saber alguma coisa, aceite alguma coisa. Já Stefanelli (1993), diz que a comunicação é um processo de compreender, compartilhar mensagens enviadas e recebidas, sendo que as próprias mensagens e o modo que se dá seu intercâmbio exercem influência no comportamento das pessoas nele envolvidas, a curto, médio ou longo prazo. A contribuição de BERLO (1960) está no destaque da persuasão como meta principal da comunicação, ou seja, a tentativa do emissor em levar o receptor a adotar seu ponto de vista. O ser humano, desde a sua infância, aprende ou pratica essas técnicas de afetar ou manipular o ambiente, tanto de forma oral, como não-oral. ARGYLE & TROWER (1981), em complemento a Berlo (1960), afirmam que a comunicação serve para a troca de informações ou para simplesmente desfrutar de um relacionamento. No âmbito organizacional, comunicação é entendida por Kunsch (2003, p. 71) como um processo relacional entre indivíduos, departamentos, unidades e organizações. Envolve, num contexto, necessariamente, um emissor e um receptor, bem como os demais elementos intermediários constituintes do processo comunicacional (codificador, canal, mensagem e decodificador). Diante dessa definição

4 de cunho organizacional, as influências dos ambientes interno e externo devem ser consideradas como um modo subjetivo para alcançar uma comunicação mais interpretativa, que, segundo Kunsch (2003), deixou de ser de caráter mecanicista. A comunicação organizacional interna é definida como aquela voltada para o público interno à organização, a qual objetiva, de acordo com Torquato (2002), informá-lo, persuadi-lo e envolvê-lo. Sua missão básica é contribuir para o desenvolvimento e a manutenção de um clima positivo, propício ao cumprimento das metas estratégicas da organização e ao crescimento continuado de suas atividades e serviços e à expansão de suas linhas de produtos (TORQUATO, 2002, p. 54). Faz-se necessário ressaltar que ela objetiva o acompanhamento investigativo de comportamentos, atitudes e cognições do público interno, já que a manutenção de agentes informados visa a contribuir com a ação planificada do estrategista organizacional, que busca, nessa instância diretiva, reforçar a identidade institucional (SOUZA, 2004). A comunicação, no domínio organizacional interno, ocorre através de duas redes interdependentes: a formal e a informal. A primeira refere-se à comunicação administrativa, a qual utiliza os canais e meios preestabelecidos pela organização para delinear formalmente sua arquitetura. Já na rede informal, a comunicação flui de maneira mais rápida, baseada nas relações sociais entre os funcionários, que buscam nessa forma de comunicação, a velocidade nas respostas para as suas dúvidas e anseios (KUNSCH, 2003; TORQUATO, 1986). Para a condução dessas comunicações na organização, existem os meios descendentes e ascendentes, orientados, respectivamente, da direção aos subordinados e dos subordinados à direção. Somam-se a esses os meios horizontal e diagonal de comunicação, os quais ocorrem no mesmo nível ou em posições semelhantes e entre superior e subordinado de áreas distintas, respectivamente (TORQUATO, 2002). Comunicação organizacional: sua importância na atuação da equipe multiprofissional de saúde Para Dugas (1990), a característica mais importante a ser desenvolvida no profissional da saúde, além do respeito mútuo, é a empatia. Considerada como a

5 capacidade de reconhecer e entender os sentimentos da outra pessoa em determinada situação, ela contribui para a criação de um clima interpessoal de confiança, elemento básico no relacionamento de assistência à saúde e desenvolvido lentamente e à medida que uma pessoa conhece a outra. Arndt & Huckabay (1983) enfatizam o desenvolvimento da confiança e, conseqüentemente, da segurança como a base de um processo contínuo de elaboração das relações interpessoais. Mais ainda, como uma condição necessária para que esses relacionamentos interdependentes tenham efetividade, já que confiança e segurança não podem ser impostas, mas sim construídas. A comunicação interpessoal, segundo Kunsch (2003, p. 81), é a forma mais extensa e básica da comunicação humana, somando outra pessoa à situação comunicativa, definição introdutória da dupla relação. Esse nível de análise do processo comunicacional considera de que forma os indivíduos se afetam mutuamente, seja por meio de regulação ou controle de atitudes e comportamentos. A contribuição de Kobayashi & Leite (2002) está na referência à potencialidade da comunicação organizacional, se adequadamente praticada no ambiente de trabalho, na construção e na manutenção de relacionamentos interpessoais menos conflitantes entre a equipe multiprofissional de saúde e o paciente hospitalar. Já para ROGERS (1986), o valor do bom relacionamento é vislumbrado como de interesse central, ao evidenciar a idéia de que a principal barreira à comunicação interpessoal é a tendência humana natural de julgar, avaliar, aprovar ou desaprovar outra pessoa/outro grupo. Frente a essas idéias, contempla-se a importância do nível interpessoal da comunicação organizacional no contexto formal e informal de um sistema comunicacional (TORQUATO apud KUNSCH, 2003). A equipe multiprofissional de saúde imprescinde considerar esse nível, pois é através dessa consciência organizacional que poderá trabalhar a eficiência de seu relacionamento com o paciente hospitalar. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS O presente trabalho é uma abordagem fenomenológica de caráter descritivoexploratório. Está enquadrado na linha de pesquisa Administração em saúde, sub-linha de pesquisa Comunicação organizacional em saúde. A população foi constituída de técnicos de enfermagem, enfermeiros e médicos que atuam no Pronto Atendimento Municipal da cidade de Santa Maria, região central do estado do Rio Grande do Sul. A

6 amostragem foi a aleatória simples, sendo que dos 59 formulários entregues individualmente a cada profissional da saúde com atuação no Pronto Atendimento Municipal de Santa Maria, retornaram trinta, compreendendo um percentual de 51 %. Os dados foram coletados, durante o período de outubro a novembro de 2004, por meio de um formulário estruturado, com dez questões abertas e fechadas, respondidos por técnicos de enfermagem, enfermeiros e médicos atuantes neste Pronto Atendimento. A análise dos dados teve por objetivo organizar e sumariar os dados de forma a possibilitar o fornecimento de resposta aos problemas propostos para a investigação (Gil, 1994). As informações expressas pelos respondentes foram relatadas por meio da descrição, caracterizando a abordagem proposta, de cunho fenomenológico. Quanto às questões éticas da intervenção, foi feita uma explicação prévia do que se tratava a mesma para os possíveis respondentes, enfatizando a participação voluntária. Foi apresentado o termo de consentimento livre e esclarecido, de modo a assegurar-lhes o direito de interrupção de sua participação em quaisquer etapas do formulário, sem nenhuma penalidade ou prejuízo, em benefício da preservação da imagem e da auto-ética dos sujeitos da pesquisa. Da mesma forma, foi assegurado para os sujeitos do estudo sigilo e anonimato quanto aos dados pessoais, respeitando todos os itens da resolução sobre pesquisas em seres humanos, conforme anexo padronizado pelo curso de enfermagem da UNIFRA (BRASIL, 1996, resolução 196/96). APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS Trinta, dos cinqüenta e nove profissionais de saúde componentes da equipe multiprofissional do Pronto Atendimento responderam ao formulário. O instrumento foi aplicado no próprio local de trabalho e foi respondido por doze, dos 23 técnicos em enfermagem, por oito, dos onze enfermeiros e por dez, dos 25 médicos. Esses primeiros dados possibilitaram a inferência de que, não obstante os médicos serem em maior quantidade dentre a equipe de saúde do Pronto Atendimento (25, no total), foi a categoria que menos participou da pesquisa (10 respondentes). A área que teve a maior participação foi a de enfermagem, seguida pela área de técnicos em enfermagem.

7 84% 10% 6% Menos de 1 ano De 1 a 3 anos Mais de 3 anos Figura 01 Tempo de exercício profissional dos respondentes no local de trabalho. Santa Maria, Conforme a figura 1, a maioria dos respondentes trabalha no Pronto Atendimento há mais de três anos, seguidos por profissionais com tempo médio de atuação e por profissionais recém absorvidos no quadro funcional. Tais dados comprovam o tempo de atuação e, conseqüentemente, a experiência profissional na instituição, fatores determinantes para a análise das relações interpessoais entre o profissional da saúde e o paciente hospitalar. Turno N % Manhã 3 10 Tarde 3 10 Noite Manhã e noite 2 07 Manhã e tarde 5 17 Manha, tarde e noite 6 20 Total Tabela 01 Turno de trabalho dos profissionais entrevistados Ao partir do pressuposto de que o formulário foi respondido de acordo com o interesse individual, aliado à peculiaridade de sua aplicabilidade (restrita ao local de trabalho), foi possível inferir que o grande fluxo de pacientes hospitalizados, característico desse tipo de instituição, foi o principal determinante de participação dos respondentes. Em função de que, no fluxo da noite as atividades são em menor intensidade, houve uma maior participação de profissionais atuantes nesse período. Logo, pôde-se inferir que o fluxo de pacientes foi o fator motivador da participação dos componentes da equipe de saúde, que necessitava de disponibilidade de tempo para o preenchimento do formulário.

8 Questões (%)* A comunicação é fundamental nas relações interpessoais. 97 A comunicação é fundamental no contorno a mal-entendidos. 20 A comunicação é fundamental para uma assistência adequada. 17 * Percentual calculado sobre 30 profissionais respondentes. Tabela 02 Percepções dos respondentes em relação à comunicação. Quando se tratou de pontuar a percepção pessoal sobre a importância da comunicação, as manifestações foram as mais diversas possíveis. A mais citada, com 97% de concordância entre os entrevistados foi a de que a comunicação é um processo fundamental no relacionamento interpessoal. Em detrimento a essa porcentagem, a característica essencial de resolução de crises organizacionais foi pouco considerada, bem como a pouca importância a outro aspecto, não menos importante, a comunicação como determinante de eficiência, eficácia e efetividade da atuação técnica dos profissionais da saúde. Condutas Inadequadas (%)* Deficiência no processo de comunicação. 21 A grande demanda de pacientes. 11 A falta de atenção do profissional. 09 Estresse, sensibilidade e equilíbrio. 06 Deficiência do relacionamento entre a equipe. 06 Não responderam. 20 * Percentual calculado sobre 30 profissionais respondentes. Tabela 03 Motivações às condutas profissionais inadequadas de assistência à saúde existentes no Pronto Atendimento A análise das motivações a condutas profissionais inadequadas de assistência à saúde no Pronto Atendimento, sob a ótica dos participantes da pesquisa, possibilitou o diagnóstico de que essa inadequação no ambiente de trabalho deve-se à deficiência do processo de comunicação organizacional. Há, portanto, uma visível insatisfação com o processo comunicacional instituído, o que possibilita planejá-lo de modo estratégico para a efetiva condução do serviço de assistência à saúde aos pacientes hospitalares. A omissão à resposta é algo que não se pôde desconsiderar, à medida que os dados revelam um número bastante expressivo de respondentes desinteressados em opinar no que tange às motivações em relação às condutas profissionais inadequadas no Pronto Atendimento. Da mesma forma, foi possível verificar um grau considerável de

9 insatisfação com a deficiência na comunicação em nível de análise grupal, quando 6% dos respondentes dizem ser a deficiência de relacionamento entre a equipe outra motivação às condutas profissionais inadequadas. Por fim, a insatisfação dos respondentes com a falta de atenção do profissional deve-se ao fato de a instituição possui uma grande demanda de pacientes, o que torna o ambiente superlotado, o que prejudica à conduta adequada de assistência à saúde. 20% Sim 80% Não Figura 02 Dificuldades em se comunicar com a equipe multiprofissional. A figura 02 representa a indagação quanto às dificuldades do respondente em se comunicar com a equipe multiprofissional de saúde atuante no Pronto Atendimento. A grande maioria diz não ter dificuldades em se comunicar com os demais componentes da equipe, atributo bastante importante que revela a habilidade da equipe, sob a ótica dos entrevistados, na compreensão e transmissão de idéias. Dificuldades (%)* Falta de união 45 Alta rotatividade de pacientes 21 Falta de organização 11 Falta de experiência 11 Área física 11 Fatores pessoais 01 * Percentual calculado sobre os profissionais respondentes (seis). Tabela 04 Manifestações dos respondentes relativas às dificuldades em se comunicar com a equipe multiprofissional Os profissionais que responderam encontrar dificuldades na comunicação grupal da equipe destacam a falta de união da própria equipe como a maior dificuldade percebida. Isso ocorre, na maioria das vezes, devido à inexistência de motivação, de confiança entre os pares, ou até mesmo a diferenças pessoais de objetivos e valores, os

10 quais colocam as pessoas do grupo em desacordo e levam à desestruturação da organização, refletindo na efetividade dos resultados. Poucos visualizam a desintegração na equipe, justificando-a como um prejuízo aos pacientes e a todos os componentes da própria equipe. A segunda maior dificuldade manifestada pelos respondentes em relação às dificuldades em se comunicar com a equipe caracteriza-se pela alta rotatividade de pacientes, pois interfere não só no atendimento prestado aos pacientes, mas também no relacionamento com os colegas de trabalho, que desempenha suas tarefas, na opinião dos respondentes sob pressão, no intuito de dar atenção a todos os pacientes. Essa peculiaridade institucional leva, na maioria das vezes, à desorganização da equipe. Atributos (%) Comunicação 37 Honestidade 23 Espírito de grupo 17 Criatividade 07 Cooperação 07 Sensibilidade 03 Bom senso 03 Experiência 03 Total 100 Tabela 05 Atributos importantes para uma harmoniosa relação interpessoal entre a equipe multiprofissional de saúde e os pacientes, na visão dos participantes Os dados possibilitaram inferir que o atributo considerado pela grande maioria dos respondentes como o mais importante para uma harmoniosa relação interpessoal entre a equipe multiprofissional de saúde e os pacientes do Pronto Atendimento foi a comunicação. Nesse sentido, é permissível dizer que a comunicação organizacional interna, na visão dos entrevistados, é considerada algo além de um processo básico na efetividade da atuação profissional na saúde, sendo, portanto, visualizada como um processo essencialmente estratégico no desenvolvimento de relacionamentos interpessoais harmoniosos e no processo terapêutico de recuperação do Pronto Atendimento. O espírito de grupo, situado em terceiro lugar na pesquisa em respeito aos atributos importantes para o bom relacionamento interpessoal na equipe multiprofissional de saúde esclarece a importância da interação para os respondentes.

11 ANÁLISE DOS RESULTADOS E CONCLUSÕES A pesquisa objetivou analisar a percepção da equipe multiprofissional de saúde do Pronto Atendimento Municipal de Santa Maria em relação ao sistema e ao funcionamento da comunicação organizacional numa instituição hospitalar. Ela permitiu evidenciar os principais atributos favorecedores e inibidores do processo de comunicação organizacional interpessoal entre a equipe saúde e os pacientes hospitalares, sob a ótica desse público interno. O material empírico coletado, apoiado pelo referencial teórico, oportunizou uma reflexão sobre a díade comunicação e saúde e a compreensão da importância da comunicação organizacional no setor hospitalar. A análise da comunicação organizacional sob a ótica dos componentes da equipe multiprofissional de saúde aponta ser o nível interpessoal de comunicação uma capacidade fundamental entre os indivíduos organizacionais, introduzidos nessa dupla relação, para a articulação e mobilização de idéias e conhecimentos. É ela que os condiciona a um processo de ação e regulação mútua, tanto no que tange a vivências de situações concretas, como a soluções de problemas de caráter organizacional. O processo comunicativo, por si só, interfere na relação interpessoal entre os pares organizacionais, uma vez que, em situações normais do cotidiano, a comunicação recebe interferência das mais variadas formas, sendo vislumbrada, pois, como fundamental no contorno ou superação dos momentos de crises organizacionais. Ou seja, o conteúdo das mensagens emitidas é atravessado por uma gama de fatores que vão desde o momento da sua emissão até sua chegada, no respectivo receptor. E é justamente nesse espaço entre o Emissor e o Receptor, que ocorrem as distorções, muito comuns em organizações hospitalares como o Pronto Atendimento, devido, em maior instância, ao grande número de pessoas que nele circulam, diariamente. A deficiência no processo de comunicação organizacional imediatamente pôde ser diagnosticada no próprio regime de trabalho da equipe multiprofissional de saúde do Pronto Atendimento. Por possuírem três turnos diferentes, a pesquisa não contemplou o universo da pesquisa de maneira uniforme, uma vez que houve uma maior participação de profissionais do turno noturno, em detrimento dos períodos diurnos, devido, da mesma forma, ao fluxo de pacientes hospitalizados, típico desse tipo de instituição, concentrar-se em menor número pela parte da noite. Nesse contexto, a comunicação, se realizada eficazmente no âmbito institucional, pela ótica dos entrevistados, auxiliará na

12 construção de relacionamentos efetivos, amenizando esses inconvenientes peculiares dessa profissão, causadores de desconforto entre a equipe de saúde e os pacientes, bem como entre os próprios membros organizacionais. Ainda assim, ela já possui um significativo respaldo entre os entrevistados, os quais se dizem satisfeitos, à medida que afirmam não ter dificuldades na comunicação organizacional grupal, situando a comunicação interpessoal como o mais importante atributo organizacional para a efetividade, eficiência e eficácia da relação interpessoal entre a equipe multiprofissional de saúde e os pacientes. Referências bibliográficas ARGYLE, M.; TROWER, P. Você e os outros: formas de comunicação. São Paulo: São Paulo Indústria Gráfica e Editora S.A, ARNDT, C.; HUCKABAY, L. M. D. Administração em enfermagem. Rio de Janeiro: Interamericana, BERLO, D. K. O Processo da comunicação. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, DUGAS, B. W. Enfermagem prática. 5 ed. Rio de Janeiro, KOBAYASHI, R. M.; LEITE, M. M. Dificuldades no estágio de administração em enfermagem sob a ótica dos alunos de nível técnico. Nursing, Santa Catarina, n 50. ano 5, p.29-34, jul KUNSCH, M. M. K. Planejamento de relações públicas na comunicação integrada. 4 ed. São Paulo: Summus, PAIM, R. Problemas de enfermagem e a terapia centrada nas necessidades do paciente. Rio de Janeiro: Editora Gráfica Luna Ltda PERUZZOLO, A. C. A estratégia dos signos: quando aprender é fazer. Santa Maria: Imprensa Universitária, 2002.

13 RIBEIRO, L. Comunicação global: a mágica da influência. 19 ed. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, ROGERS, C. R. A perspectiva centrada no cliente. São Paulo: Harbra SOUZA, J. P. Planificando comunicação em relações públicas. Florianópolis: Secco, STEFANELLI, M. C. Comunicação com o paciente: teoria e ensino. 2 ed. São Paulo: TORQUATO, F. G. Tratado de comunicação organizacional e política. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, Comunicação empresarial, comunicação institucional: conceitos, estratégias, sistemas, estrutura, planejamento e técnicas. São Paulo: Summus, 1986.

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I Comunicação e relações humanas no trabalho de Enfermagem

Leia mais

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas.

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas. A INTERAÇÃO DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA COM AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO PEDAGÓGICO Heloisa Galdino Gumueiro Ribeiro 1, Prof. Dirce Aparecida Foletto De Moraes 2

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Penélope da Silva Almeida SANTOS Universidade Sagrado Coração

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas

Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas Gerenciamento de Projetos Liderança, Coaching e Gestão de Pessoas Aula 05 Prof. Esp. Gladimir Ceroni Catarino gccatarino@senacrs.edu.br gladimir@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Sistema de Informações Professores: Izolema Maria Atolini izolema@hotmail.com Período/ Fase: 5ª. Semestre:

Leia mais

Capítulo II. Treinamento & Desenvolvimento

Capítulo II. Treinamento & Desenvolvimento Capítulo II Treinamento & Desenvolvimento QUESTÃO 01. (SERPRO/2005) A respeito do diagnóstico de necessidades de treinamento e desenvolvimento, julgue os itens seguintes. Avaliação de necessidades de treinamento

Leia mais

Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS. Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.

Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS. Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com. Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.br MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS Alinhadas às Diretrizes

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES Julianny de Vasconcelos Coutinho Universidade Federal da Paraíba; email: juliannyvc@hotmail.com Zirleide

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 15 - Sugestões que podem melhorar a coordenação organizacional O objetivo final da coordenação é obter a sinergia organizacional. Não existem regras mágicas

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família. Líder em soluções de TI para governo

Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família. Líder em soluções de TI para governo Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família Líder em soluções de TI para governo MOTIVAÇÃO A ação constou do Plano de Ação da 5ª Edição do

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE

ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE Rosimery Cruz de Oliveira Dantas Universidade Federal de Campina Grande Campus Cajazeiras. Symara Abrantes Albuquerque

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

Esta é uma história sobre 4 (quatro) pessoas: TODO MUNDO, ALGUÉM, QUALQUER UM e NINGUÉM.

Esta é uma história sobre 4 (quatro) pessoas: TODO MUNDO, ALGUÉM, QUALQUER UM e NINGUÉM. Faculdade de Enfermagem - Departamento de Enfermagem Básica Disciplina: Administração em Enfermagem I Docente: Bernadete Marinho Bara De Martin Gama Assunto: Métodos de Trabalho em Enfermagem. Objetivos:

Leia mais

Universidade Estadual da Paraíba Mestrado em Saúde Coletiva. Rosana Farias Batista Leite Thelma Maria Grisi Velôso

Universidade Estadual da Paraíba Mestrado em Saúde Coletiva. Rosana Farias Batista Leite Thelma Maria Grisi Velôso Universidade Estadual da Paraíba Mestrado em Saúde Coletiva Limites e Perspectivas do Trabalho em Equipe no Programa Saúde da Família de Campina Grande PB: as Representações Sociais dos Profissionais Rosana

Leia mais

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PEDROTTI, Ana Paula Floss²; GRASSI, Marília Guedes²; FERREIRA, Marilise²; MOREIRA, Nathana Coelho²; NOAL,

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

A INFLUÊNCIA DO RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO A INFLUÊNCIA DO RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO Micaele Rodrigues Feitosa 3, Agna Ligia Pinheiro Máximo 1. Correspondência para: micaele-melo@hotmail.com Palavras-chave:

Leia mais

Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico

Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO - NAP CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as ações do

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO Valesca Boarim da Silva 1 Regina Célia Gollner Zeitoune 2 Introdução:Trata-se de nota prévia de estudo que tem como

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial

Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial Ana Rita Marinho Machado. UFG/ Campus Goiânia. anaritamachado.doutorado@yahoo.com.br Denize Bouttelet MUNARI.

Leia mais

DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA

DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA Identificação do Cargo Departamento / Área Cargo a que reporta (Liderança direta) Cargos sob sua dependência (Liderança direta) Organograma Diretoria de

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

Comunicação Interna e Externa

Comunicação Interna e Externa Comunicação Interna e Externa Comunicação A origem da palavra comunicar está no latim communicare, que significa pôr em comum. Ela implica em compreensão, pressupondo entendimento entre as partes e, não

Leia mais

Concurso: Aula 8 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR

Concurso: Aula 8 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Concurso: SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Aula 8 LEONARDO FERREIRA Comunicação Introdução (1) Toda organização funciona a partir dos processos de comunicação. A dinâmica organizacional somente é possível

Leia mais

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL INTRODUÇÃO Amara Holanda Fabiane Romana Fernanda Oliveira Karen Trage Máuren Mássia

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular talvez seja um dos primeiros grandes desafios do acadêmico que optou pelo Curso de licenciatura em Educação Física. As situações

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 ALUNOS TURNOS

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ADMINISTRAÇÃO DE ENFERMAGEM AVALIANDO O QUE ESTUDAMOS 1. A Supervisão de Enfermagem é fundamental para o desenvolvimento dos recursos humanos, através da educação

Leia mais

PAF Programa de Acompanhamento Funcional

PAF Programa de Acompanhamento Funcional PAF Programa de Acompanhamento Funcional MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR Márcio de Moura Pereira Motivação do Projeto SITUAÇÃO PROBLEMA Necessidade de atender a demandas já existentes de servidores e membros

Leia mais

A importância da comunicação como instrumento. de gestão de pessoas. Glaucia Falcone Fonseca

A importância da comunicação como instrumento. de gestão de pessoas. Glaucia Falcone Fonseca como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca Todos sabem que a comunicação é vital para a organização, mas nem todos são capazes de criar o tipo de ambiente de trabalho rico em informações

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

Verônica A. Pereira Souto

Verônica A. Pereira Souto COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Verônica A. Pereira Souto VITÓRIA-ES 11 de julho 2009 VERÔNICA APARECIDA PEREIRA SOUTO MINI-CURRÍCULO PSICÓLOGA GRADUADA EM LETRAS/INGLÊS PÓS-GRADUADA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE Nazaré do Socorro Moraes da Silva Universidade do Estado do Para/UEPA Secretaria Executiva de Educação/SEDUC nazaresocorro@hotmail.com Elise Cristina Pinheiro

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL?

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? Aline Fernanda Sartori Kanegusuku¹; Marina Tiemi Kobiyama Sonohara 1 ; Angélica Aparecida Valenza¹; Nemerson José Jesus¹; Sandra Diamante² RESUMO Para compreender

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro

PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO Maria da Conceição Muniz Ribeiro I - CENTRO CIRÚRGICO CONJUNTO DE ELEMENTOS DESTINADOS AS ATIVIDADES CIRÚRGICAS, BEM COMO À RECUPERAÇÃO PÓS ANESTÉSICA

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

Objetivos Metodologia

Objetivos Metodologia O Sistema de Gestão Ambiental como impulsor da Educação Ambiental: um estudo de caso em uma empresa do Polo Industrial de Manaus PIM a partir da percepção de seus colaboradores Ádria de Azevedo Araújo,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Marketing Pessoal. Manuel Joaquim de Sousa Pereira

Marketing Pessoal. Manuel Joaquim de Sousa Pereira Marketing Pessoal Manuel Joaquim de Sousa Pereira Índice Introdução Geral 1 Capítulo I Parte I Da massificação à individualização da comunicação 1 Introdução...................... 21 2 A comunicação....................

Leia mais

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências José Roberto Gomes da Silva Os desafios de gestão das IES Maior Complexidade Mudanças na sociedade Competitividade Novo papel Nova identidade

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

GESTÃO HOSPITALAR NA BUSCA DE MUDANÇAS: INFLUÊNCIA DE UM ESTÁGIO EM PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL PARA GESTORES DE UM HOSPITAL

GESTÃO HOSPITALAR NA BUSCA DE MUDANÇAS: INFLUÊNCIA DE UM ESTÁGIO EM PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL PARA GESTORES DE UM HOSPITAL 1 GESTÃO HOSPITALAR NA BUSCA DE MUDANÇAS: INFLUÊNCIA DE UM ESTÁGIO EM PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL PARA GESTORES DE UM HOSPITAL Edelvais Keller 1; Dorli Terezinha de Mello Rosa 2; Jovani Antonio Se 1 cchi

Leia mais

Relatório de Resultado Pesquisa de Clima Organizacional

Relatório de Resultado Pesquisa de Clima Organizacional CONSIDERAÇÕES INICIAIS Este relatório apresenta os resultados da de 2013 em contraste com os dados levantados em 2012. ASSUNTOS ABORDADOS Motivação Identifica os setores dos colaboradores que responderam

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 UMA ANÁLISE DA PERSPECTIVA DOS GRADUANDOS DO CURSO DE MATEMÁTICA DAS MODALIDADES DE LICENCIATURA E BACHARELADO DA UFRN SOBRE A FORMAÇÃO CONTINUADA STRICTO SENSU Claudianny Noronha Amorim Universidade Federal

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais