A FARMACOVIGILÂNCIANA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A FARMACOVIGILÂNCIANA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA"

Transcrição

1 Edições Boletim Sobravime n 44/45-3 A FARMACOVIGILÂNCIANA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Murilo Freitas Dias; Nair Ramos de Souza; Patrícia Mandali de Figueiredo; Elenice Lacerda;Janaína de Pina Carvalho;Alessandra Alves da Costa; Márcia Santos Nogueira, Tâmara Pereira de Araújo Góes (Unidade de Farmacovigilância, Gerência Geral de Medicamentos, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa) Intr~dução Embora sejam formulados, indiscutivelmente, para prevenir, curar e aliviar enfermidades, produtos farmacêuticos podem gerar danos. Essa possibilidade, às vezes trágica, é importante para a saúde pública, o que torna a farmacovigilância atividade indispensável na regulação sanitária em qualquer país. A farmacovigilância, ao tratar de reações adversas a medicamentos (RAM), protege as populações de possíveis danos causados por produtos comerciados, por meio de identificação precoce do risco e de oportuna intervenção. Breve história dafarmacovigilância o risco do uso de remédios é conhecido desde a Antiguidade. Entretanto, pode-se afirmar que a farmacovigilância, como atividade institucional, tem 157 anos, ao se considerar que teve início com um episódio de reação adversa grave em uma jovem de 15 anos, morta após de cirurgia de rotina na unha de pododáctilo. Sua morte deveu-se, provavelmente, pelo desenvolvimento de fibrilação ventricular em razão do uso de clorofórmio como anestésico(1). Na época, a revista médica do Reino Unido, The Lancet, solicitou aos médicos que notificassem morte relacionada à anestesia. A notificação espontânea se tornou realidade naquele país e hoje representa fonte expressiva de novas informações sobre reações graves pouco conhecidas ou não descritas na literatura. A farmacovigilância do século 20 ampliou seu escopo, visando a identificação de riscos relativos aos problemas que envolvem produtos no mercado. Ela incorpora não somente as reações adversas, mas perda de eficácia, desvios de qualidade e uso indevido ou abuso de medicamentos. O grande interesse da farmacovigilância está voltado para reações graves, ou seja, as que resultem em morte, risco de vida, internação em hospital ou no prolongamento, incapacidade duradoura ou permanente, anormalidade congênita, e efeitos clinicamente significantes (2). Especial atenção é dada a reações não descritas ou pouco conhecidas, considerando a impossibilidade de se prever e descrever por completo, durante a realização de ensaios clínicos, a variedade de reações adversas de um produto farmacêutico em exame, antes de seu uso na população em geral. A regulaçãofarmacêutica nos dias de hoje Algumas iniciativas impulsionaram a avaliação do risco inerente dos medicamentos em toda parte, ao se utilizar informações provenientes das indústrias farmacêuticas. Exemplo disso é o Periodic Safety Update Report (PSUR) que favorece a avaliação do beneficio-risco pela divulgação de dados mundiais sobre a experiência sobre reações adversas depois do registro. No Brasil, o PSUR está em desenvolvimento quanto a produtos novos. Essa prática intensificará o processo de notificação voluntária e contribuirá para a identificação precoce de risco logo após do lançamento(3). Outra proposta, ainda em discussão, mas em fase final de processo de harmonização entre os EUA, a Europa e o Japão, é o estabelecimento de planejamento em farmacovigilância, que poderá ser muito útil quanto a produtos inovadores, produtos biotecnológicos, vacinas e produtos existentes que apresentem nova concentração, outra via de administração ou novo processo de produção. Sua aplicação ainda pode ser útil quando um novo fármaco for administrado à população, houver novas indicações de uso ou surgirem outras informações relacionadas à segurança desses produtos(4). O novo conceito dafarmacovtgilância Para a Organização Mundial da Saúde, a farmacovigilância é a ciência e as atividades relativas a identificação, avaliação, compreensão e prevenção de efeitos adversos ou qualquer possível problema relacionado a fármacos(2). Esse campo de atividades vem se expandindo e, recentemente, incluiu novos elementos de observação e estudo, quais sejam: plantas medicinais; medicina tradicional e de complemento; produtos derivados de sangue; biológicos; produtos médico-farmacêuticos; vacinas. Muitos subsistemas de acompanhamento, derivados da farmacovigilância, estão em desenvolvimento. Como exemplo, podem ser citados(5): dermatovigilância, para RAM que afetam- pele, membranas e mucosas; fitovigilância, para RAM provenientes de fitoterápicos e plantas medicinais; gerontovigilância, para RAM que ocorrem entre os idosos; hematovigilância, para RAM que dizem respeito ao sangue (células vermelhas, brancas e plaquetas); oncovigilância, para RAM quanto a antineoplásicos citotóxicos; teratovigilância, para acompanhamento de malformação congênita relacionada com uso de medicamentos ou substâncias tóxicas usadas após da concepção, até o fim do período de desenvolvimento embrionário; vacinovigilância, para eventos notificados em consequência de vacinas. Outras questões são relevantes para a farmacovigilância: desvios da qualidade de produtos farmacêuticos; erros de administração de tratamento farmacológico; notificações de perda de eficácia; uso de fármacos para indicaçõe~ não aprovadas uma vez que não possuem adequada base científica de emprego; notificação de casos de intoxicação aguda ou crônica de produtos farmacêuticos; avaliação de mortalidade relacionada a eles; ou abuso e uso errôneo de produtos; interações farmacológicas com substâncias químicas, outros fármacos e alimentos. O fármaco como tecnologia Novas tecnologias em saúde estão em avaliação, nas últimas décadas, não mais por observação empírica, mas por rigorosos ensaios clínicos, especialmente no caso de tecnologia de interesse na assistência sanitária, com a finalidade de comprovar sua eficácia e segurança(6). No entanto, testes pré-registro são insuficientes para a determinação de perfil beneficio/dano dos fármacos, sendo a avaliação de desempenho no comércio a questão básica para instruir validades subseqüentes ou, até mesmo, a retirada de produtos do mercado antes de renovação de registro. O processo de desenvolvimento de um produto farmacêutico não se encerra quando ele é aprovado para o mercado. Os primeiros anos de comércio são particularmente importantes para se identificarem reações adversas desconhecidas (7, 8 e 9). Pode-se dizer que, a partir desse momento, começa a responsabilidade da farmacovigilância, que utiliza, em primeiro lugar, notificações voluntárias de profissionais de saúde para identificação de reações adversas, com o propósito de avaliar a relação beneficio/risco.a farmàcovigilância se envolve, de forma ativa, na identificação precoce de novas reações

2 4 - Boletim Sobravime n 44/45 adversas aos medicamentos para melhoria da prática de terapêutica racional por todo o mundo (10),subsequentemente à introdução de um novo produto no mercado, para dar apoio ao ciclo de gerência de risco inerente ao produto (11,12). Métodos básicos da farmacovigilância 1. Notijicação espontânea Um dos principais métodos urilizados pela farmacovigilância para identif!,ça~ão de reações adversas, raras ou não, é a notificação espontânea (ou voluntária) de suspeitas de reações adversas à' medicamentos, feita por profissionais de saúde (7,8,9 e 13). A notificação é encaminhada às agências que regulam o setor farmacêutico em cada país. Os sistemas de notificação espontânea podem gerar sinais de relação entre o uso do fármaco e o desenvolvimento de RAM. Óutra fonte de informação sobre reações adversas é a própria indústria farmacêutica. O método da notificação espontânea tem como limites a subnotificação e a descrição seletiva de reações produzidas por produtos amplamente conhecidos como causa de determinadas reações adversas, fatores que impedem a avaliação da segurança e da eficácia dos produtos no mercado. Outro transtorno gerado por esse método é o cálculo da incidência das reações adversas, uma vez que, geralmente, falta dado sobre o número de pessoas expostas ao produto. Em hospitais, ocorre a subnotificação de reações adversas, porque, mesmo reconhecidas, não são notificadas(14). Essas situações retardam, por tempo considerável, a identificação de perfil de segurança de produtos farmacêuticos. 2. Classijicação de reações adversas MECANISMO DE REAÇÕES ADVERSAS Apesar de existirem diversas classificações, as reações adversas são, comumente, dispostas em duas categorias(15), resumidas no Quadro 1. Mecanismo das reações adversas a medicamentos do tipo A Há três principais mecanismos de ação das reações do tipo A: - resposta terapêutica exagerada, em decorrência de efeitos farmacológicos primários (mesmo sítio da ação terapêutica desejada). Exemplo: Hemorragia por anticoagulantes; - resposta farmacológica secundária. Exemplo: Cefaléia com uso de vasodilatadores; - ação farmacológica em sítios não associados com a ação terapêutica desejada. Exemplo: Efeito extrapiramidal por neurolépticos (antagonistas de receptores dopaminérgicos) e efeitos carcinogênicos de fármacos citotóxicos. Esses mecanismos podem também ser classificados quanto a suas causas, como descrito a seguir. Causas relacionadas a reações adversas do tipo A a) CAUSAS FARMACÊUTICAS Se o controle de qualidade de uma indústria não identificou erros na produção, podese esperar que existam discrepâncias entre o teor rotulado e a dose do princípio ativo do produto ou mesmo alterações na extensão de sua biodisponibilidade (em razão do tamanho de partículas, natureza e quantidade de excipientes e materiais de revestimento). Quantidades excessivas podem levar a reações adversas, e quantidades insuficientes podem resultar em perda da eficácia. b) CAUSAS FARMACOCINÉTICAS Farmacocinética é o estudo do tempo de curso de quantidades do fármaco e sua ação em tecidos biológicos. São geralmente avaliados os parâmetros no ser humano relativo a absorção, distribuição e eliminação do produto farmacêutico. Muitas, se não quase todas as reações adversas do tipo A, têm base farmacocinética. Alterações quantitativas Edições nesse processo podem levar a aumento exagerado de concentrações de um fármaco no sítio de ação e a exacerbado efeito biológico. Algumas dessas alterações podem ser explicadas por polimorfismo genético ou por efeito de interações farmacológicas. c) CAUSAS FARMACODINÂMICAS Algumas reações do tipo A são explicadas por fatores farmacodinâmicos, tais como estímulo com resposta exacerbada em órgãos ou tecidos alvo ou por interação farmacológica. A resposta quanto aos efeitos de um produto pode ser consequência de diferenças na potência da resposta farmacológica individual, ou alteração de mecanismos compensatórios homeostáticos, e, ainda, por alterações da resposta farmacológica em órgãos e tecidos afetados por doenças. Mecanismo de reações adversas a medicamentos do tipo B Pode-se dizer que reações do tipo B são aberrações, ou seja, quanto a ação farmacológica esperada de um produto, o efeito não é considerado normal, ocorrendo várias reações, heterogêneas. Patogeneticamente, as reações do tipo B são caracterizadas por existência de algumas diferenças qualitativas, tanto relativas ao fármaco, ao paciente ou, possivelmente, a ambos. Causas relacionadas a reações adversas do tipo B a) CAUSAS FARMACÊUTICAS As causas farmacêuticas principais são: - decomposição de princípios ativos. Exemplo:Tetraciclina (conduzindo a aminoacidúria, glicosúria, acetonúria, albuminúria, piúria e fotossensibilidade). Outras decomposições levam a perda de eficácia; - efeitos secundários, subsequentes a aditivos, solubilizantes (ex: propilenoglicol - hipotensão), estabilizantes, corantes (ex: amarelo de tartrazina - reações imunológicas) e excipientes, comumente incorporados a uma preparação farmacêutica; - efeitos de substâncias químicas ativas, Quadro 1. Descrição dos tipos de reações adversas pela Classificação de Rawlins e Thomas, TIPO A Efeito farmacológico aumentado, mas considerado, qualitativamente, como normal Relacionado com a doseprevisivofrequente ocorrência (comum)normalmente reversivopode ser tratado com ajuste da dosemecanismo da reação é conhecidopode ser reproduzido por experimento Hipoglicemia por glibenclamida; Hemorragia por varfarina TIPO B Efeito qualitativamente bizarro quanto aos efeitos farmacológicos Não relacionado com a doseimprevisivoocorrência rara (incomum)pode ser grave e irreversivoé necessário a suspensão do produto Geralmente, o mecanismo de ação é desconhecidoreprodução sob experimento diflcil ou impossível Anafilaxia por penicilinas; Agranulocitose por clozapma

3 Edições provenientes do processo da síntese do fármaco (impurezas). Ex: Produtos de condensação no processo de síntese de l-triptofano produzindo uma síndrome caracterizada por eosinofilia-mialgia. b) CAUSASFARMACOCINÉTICAS Apesar de as anormalidades na absorção, distribuição, metabolismo e excreção serem, comumente, atribuídas às reações do tipo A, algumas observações hoje em día sugerem que podem ocorrer reações do tip-6 'B. A bioativação de produtos farmacêuticos pode levar a metabolitos reat~vos,que resultam em toxicidade direta ou intercedida pelo sistema imunitário. Exemplo: tacrina e hepatotoxicidade; clozapina e agranulocitose; halotano e hepatotoxicidade; carbamazepina e "reações de hipersensibilidade"., c) CAUSASFARMACODINÂMICAS Anormalidades qualitativas em um órgão alvo ocorrem por muitas razões. Alguns fatores, como peso do corpo, idade, sexo, via de administração e tempo de uso influem na resposta fmal de um paciente a dose de um fármaco. Diferenças qualitativas na resposta a produtos farmacêuticos podem ter causas genéticas e imunológicas, conforme se segue. - Causasgenéticas.Exemplo: deficiência de glicose-6-fosfato desidrogenase (G6PD), reveladas pelo uso de alguns produtos com propriedades oxidantes, pode levar a hemólise. Primaquina, sulfonamidas, sulfonas, nitrofuranos, analgésicos (incluindo-se ácido acetilsalicílico e fenacetina) cloranfenicol podem desencadear o aparecimento desta deficiência. Outros exemplos de causas genéticas e RAM são: metaemoglobinemia hereditária, porfiria, hiperterl1úa maligna, anema aplástica induzida por cloranfenicol e icterícia colestática induzida por contraceptivos hormonais de uso oral. - Causas imunológicas: os antígenos leucocitários humanos (HLA) podem interferir na suscetibilidade a reações adversas e ser determinante de muitas reações do tipo B. Exemplo: Pacientes com artrite reumatóide, reagindo ao uso de leval1úsol ou penicilarnina; ou com hipertensão reagindo à hidralazina. Observe-se que, quando um produto é imunogênico conhecido - p.ex., soro de origem animal- a reação adversa, tal como a doença-do-soro, deve ser considerada do tipo A. Entretanto, outras reações alérgicas a medicamentos não são facilmente classificáveis. Assim, na ausência de mecanismos conhecidos, mesmo que temporariamente, a reação deve ser classificada como de tipo B. Diversas reações são, classicamente, associadas a produtos farmacêuticos, conforme o Quadro 2, e são bons marcadores para avaliação clínica adicional, no caso de ocorrência, a fim de facultar um diagnóstico etiológico, por meio do estabelecimento de relação de causa e de confirmação por exames de complemento. Quadro 2. Exemplo de reações adversas a medicamentos de particular interesse da farmacovigilância. Agranulocitose Alveolite Anafilaxia Anemia aplástica Cegueira Fibrilação atrial Fibrose pulmonar Focomelia Hipertermia maligna Insuficiência hepática Lupus eritematoso sistêmico Miocardite Necrólise epidérmica tóxica Necrose hepática N efrite interstiticial Rabdol1Úólise Síndrome-de-reye Síndrome maligna neuroléptica Síndrome óculo-mucocutânea Síndro me-de-s tevens- j ohnso n Torsade de pointes Alguns produtos farmacêuticos podem aumentar o risco do desenvolvimento de reações adversas(16) e, da mesma forma, servir de marcadores para vigilância rotineira, a fim de prevenir seus efeitos nocivos (Quadro 3). Quadro 3. Exemplos de fármacos, grupos terapêuticos ou hábitos que podem aumentar o risco do desenvolvimento de reações adversas..aminoglicosídios.digoxina.varfarina.lírio. teoftlina.ceroconazol.claritromicina.eritromicina.itraconazol.fluvoxamina.nefazodona. ritonavir.sertralína. troleandomicina.zileutona. carbamazepina. etanol. fenitoína. fenobarbital. griseofulvina. primidona. rifampicina. tabagismo. anticonvulsivantes. contraceptivos orais. corticosteróides. hipoglicemiantes. quinidina. rifampicina Boletim Sobravime n 44/ Problemas relacionados a medicamentos Incluído no novo conceito de farmacovigilância com as RAM, os problemas relácionados a medicamentos (PRM) (2) representam outra forma de identificação de risco pelo uso de produtos farmacêuticos. Os PRM representam um conjunto de situações que compreendem erros de tratamento farmacológico, doses excessivas (em casos de tentativa de suicídio), dependência, não adesão ao tratamento e perda da eficácia. Todas essas circunstâncias envolvem um tratamento farmacológico que, realmente, ou, em potência, interferem com o êxito de ótima condição para o paciente(17). Os PRM, assim como as RAM, são de grande importância e precisam ser identificados, avaliados e preveni dosa. Apresentam-se, a seguir, alguns PRM de destaque. a) INTERAÇÕES FARMACOLÕGICAS E A FAR- MACOVIGILÂNCIA O número de fármacos tomados por um paciente é fator de risco para o desenvolvimento de reações adversas, em particular daquelas produzidas por interação farmacológica (IF). Por várias razões, este consumo é fenômeno comum. Podem estar envolvidos nele, o auto tratamento, a idade avançada e os tratamentos'preventivos, como o uso de anticoagulantes. A identificação automática de interações farmacológicas por meio da reunião de um banco de dados sobre 'IF à prescrição eletrônica está ainda em experimento e é um dos campos de interesse da farmacovigilância (13). As reações adversas resultantes de interações farmacológicas são classificadas Os PRM citados aqui não possuem relação direta com os conceitos propostos para o trabalho desenvolvido na atenção farmacêutica. Os PRM para a farmacovigilância existem em contexto amplo no tocante ao risco que os produtos podem causar.

4 1 6 - Boletim Sobravime n 44/45 como reações do tipo A(18) e devem ser identificadas e notificadas como qualquer reação adversa em um sistema de notificação espontânea. É preciso atenção especial para a compreender essamodalidade de RAM,pois as informações serão de valor para integrar programas de identificação automática de interações farmaco-fármaco, visando a geração de sinal relacionado com IF (19). As IF não devem ser dissociadas das reações adversas aos medicamentos, e o acompanhamento das RAM e o,s"p'rogramas de notificação devem incluir múltiplos sistemas para identificá-ias. Uma vez que se relacione uma reaçãó adversa a uma IF, ela deve ser avaliada e tratada em um modelo padrão, e métodos para prevenir futuras reações adversas devem ser estabelecidos, considerando o retorno de informação aos prescritores. (20). b) PERDA DA EFICÁCIA Segundo a terminologia de reações adversas da OMS, os termos perda da eficácia terapêutica ou perda da eficácia, sinônimos, podem o na cadeia do fármaco desde o desenvolvimento, distribuição, prescrição, dispensação e o uso. Contudo, outros fatores podem levar à perda da eficácia de um tratamento farmacológico. Pode-se citar a variedade individual, erros de administração no tratamento, diagnóstico errado, seleção de produto ou doses inapropriadas, uso de produtos adulterados ou falsificados (desvio de qualidade), não adesão ao tratamento, baixa biodisponibilidade de produtos e ocorrência de reações adversas. O desvio de qualidade pode ser demonstrado, por exemplo, quando existem testes de teor do produto abaixo do valor rotulado, teores séricos inferiores aos esperados ou mesmo pela observação clínica de perda da eficácia por meio da substituição de diferentes marcas ou lotes de produtos farmacêuticos. Diante dessa realidade, faz-se necessário aplicar, primeiramente, um critério para seleção 'das notificações mais importantes sob o ângulo de intervenção de regulação.assim, a Unidade de Farmacovigilância/Centro Nacional de Monitorização de Medicamentos (UFARM/CNMM) estabeleceu que as notificações graves fossem investigadas prioritariamente. Essas notificações são as que se referem a reações adversas que resultam em morte, ameaça à vida, incapacidade persistente ou significante, anomalia congênita, efeito clinicamente importante, internação em hospital ou seu prolongamento. Além disso, incluem-se as notificações provenientes de produtos injetáveis, genéricos, manipulados e os de referência. A investigação de complemento, executada pela UFARM/CNMM, tem por finalidade: identificar perda da eficácia conhecida, ou seja, grupos ou subgrupos da população que não respondem a um tratamento, em comparação com os dados de eficácia nos ensaios clínicos; identificar suspeita de desvio de qualidade por análise de agrupamento (cluster). Entretanto, muitas variantes podem interferir na obtenção de resultados satisfatórios na farmacoterapia, que dificultam sua análise, por não ser notificadas com os dados de perda da eficácia. Entre eles pode-se citar: a) riscos associados aos característicos dq paciente, que incluem idade, sexo, gravidez, imunodeficiências, alterações na função hepática, renal e cardíaca, estado de nutrição; b) riscos associados à doença, que envolvem avaliação da extensão e da gravidade da doença; c) riscos associados à interação de fármacos, erros de administração e procedimentos. Deve-se lembrar que não existem produtos com total eficácia, condição demonstrado no processo de desenvolvimento do produto farmacêutico, especialmente nos ensaios clínicos na fase H e IH. Em meio à complexa avaliação de perda da eficácia terapêutica de produtos e a perspectiva de atitude preventiva de interesse sanitário, pode-se concluir que se dispõe de poucos dados notificados. Essa situação pode ser explicada pela subnotificação, comum em todos os subsistemas que dependem da participação de profissional de saúde. Entretanto é necessária a consciência dos profissionais de saúde, participantes do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, a fim de se aumentar a chance de identificar, precocemente, problemas relativos a produtos farmacêuticos. Programa da Organização Mundial da Saúde Até o desastre causado pela talidomida em 1961, nenhum esforço internacional foi dirigido ao enfoque quanto a segurança de fármacos. Milhares de crianças com malformação congênita nasceram como consequência de exposição intra-útero, por um produto indicado como antiemético para uso de grávidas. A 16" Assembléia Mundial da Saúde (1963) reafirmou a necessidade de ações precoces, visando a rápida difusão de informação sobre reações adversas a fármacos e conduziu, mais tarde, à criação do Projeto Internacional de Pesquisa Piloto para a Vigilância Farmacológica, em 1968, tendo o comunicado técnico da Organização Mundial da Saúde (OMS) se pautado nas conclusões de uma reunião de consultoria, realizada em 1971 (2). O sistema racional do Programa Internacional de Vigilância de Reações Adversas da OMS consistia em permitir a identificação Edições de reações adversas raras a fármacos que não foram verificadas nos ensaios clínicos. Tornou-se evidente que a manutenção de um banco de dados internacional de RAM e ainda uma rede de instituições e cientistas interessados em questões relacionadas com segurança de produtos farmacêuticos promoveram expressivo ganho adicional, comparando-se com operações isoladas. Dessa forma, o escopo do programa internacional da OMS foi expandido no decorrer do tempo para acolher o crescimento dos campos de vigilância de segurança de fármacos que hoje denominamos farmacovigilância. O centro internacional, conhecido como Centro de Vigilância de Uppsala [The Uppsala Monitoring Centre (UMC)J,mantém o banco de dados internacional de RAM e presta serviço aos centros nacionais de farmacovigilância associados ao programa da OMS(21). Hoje o Programa Internacional de Vigilância de Produtos Farmacêuticos da OMS consiste em uma rede de centros nacionais de farmacovigilância, na sede da OMS, em Genebra, e no Centro Colaborador da OMS para Vigilância Internacional de Produtos Farmacêuticos (The Uppsala Monitoring Centre, em Uppsala, Suécia). Em outubro de 2004 abrangia 75 países, membros oficiais do Programa. Além desses, onze países eram considerados "membros associados" e aguardavam compatibilidade entre formas de notificação entre as esferas nacional e internacional (22) (Figura 1). O Brasil foi admitido nesse Programa em 3 de agosto de 2001, como o 62 paísmembro oficial, quando instituiu um centro nacional de farmacovigilância, por meio da Portaria n 696 do Ministério da Saúde, em 6 de maio de 2001, como Centro Nacional de Monitorização de Medicamentos (CNMM), sediado na Unidade de Farmacovigilância da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) (23 e 24). As funções do Programa Internacional de Vigilância de Produtos Farmacêuticos da OMS são apresentadas a seguir(22). - Identificar e analisarnovos sinaisrelativos a reações adversas dos casos notificados pelos centros nacionais e reunidos no banco de dados da OMS. É utilizada o enfoque de identificação de sinais por meio da rede neural de propagação de confidência, denominada Bayesian Confidence Propagation Neural Network (BCPNN), que permite avaliação de variantes complexas(25) e é utilizada para dar apoio às análises clínicas feitas por reuniões de revisores de sinais. - Promover o banco de dados da OMS como fonte de referência para consolidação de sinais e investigações ad hoc. Dispor de lugar para pesquisa e serviços dirigidos. - Promover a troca de informações entre

5 Edições a OMS e os centros nacionais, principalmente por meio do "Vigimed", sistema de troca de informações por . - Editar periódicos (WHO Pharmaceuticals Newsletter and Uppsala Reports), diretrizes e livros sobre farmacovigilância e gerência de risco. - Fornecer instrumentos para gerência clínica da informação, incluindo-se descrição de casos sobre reações adversas a fármacos. Os principais produt9~,.~ão o dicionário de farmacos da O~S (The WHO Drug Dictionary) e aterminologia de Reações Adversas da OMS (The WHO Adverse R 'action Terminology). - Promover aperfeiçoamento e apoio por consultoria para os centros nacionais e países que tenham sistemas de farmacovigilância. - Prover programas de computador para gerência de casos notificados, planejado para servir às necessidades de centros nacionais (Vigibase on-line). - Promover reuniões anuais dos representantes dos centros nacionais, para da Constituição Federal: "Executar as ações de vigilância sanitária e epidemiológica, bem como as de saúde do trabalhador". A execução das ações de vigilância sanitária faz parte do campo de atuação do SUS - Art. 6, inciso I, alínea a, da Lei n 8.080, de 19 de setembro de e integra o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, definido pela Lei n 9.782, de 26 de janeiro de 1999, que instituiu a Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Outros instrumentos legais são imprescindíveis para o desenvolvimento da farmacovigilância: - Lei n 6.360, de 23 de setembro de 1976, art. 79, e Decreto n , de 5 de janeiro de 1977, art. 139, que tratam da notificação dos acidentes ou reações nocivas causados por medicamentos ao órgão de vigilância sanitária competente; - Portaria MS n 577, de 20 de dezembro de 1978, estabelece que o país, como Estado-Membro da Organização Mundial de Saúde, deve "comunicar-lhe a adoção de qualquer medida limitativa ou proibitiva Figura 1. Mapa de distribuição dos países participantes do Programa Internacional de Vigilância de Produtos Farmacêuticos da OMS (até outubro de 2004)(22). ~. """"'" '181 I :~. /~ \. ""'~~..,..' Boletim Sobravime n 44/45-7 saúde, que possam escapar do controle da direção estadual do Sistema Único de Saúde - SUS ou que representem risco de disseminação nacional"; - Portaria MS n 3.916, de 30 de outubro de 1998 (define a Política Nacional de Medicamentos), que inclui a farmacovigilância no desenvolvimento das ações prioritárias, com a finalidade de promover o uso racional de fármacos; - Lei n 9.782, de 26 de janeiro de 1999 também prevê, no art. 7, inciso XVIII, a competência da Anvisa para" estabelecer, coordenar e monitorar os sistemas de vigilância toxicológica e farmacológica", e, no art. 8, dispõe que os medicamentos de uso humano são produtos que envolvem risco à saúde pública e devem ser submetidos a regulação, controle e fiscalização por parte da Anvisa; - Resolução RDC n 328,22 de julho de 1999 (Exigências para a dispensa de produtos de interesse à saúde em farmácias e drogarias), no tópico Responsabilidades e Atribuições (6.2f) dispõe que o farmacêutico deve "participar de estudos de farmacovigilância com base em análises de reações adversas e interações medicamentosas, informando à autoridade sanitária local"; - PortariaMS n 696, de 7 de maio de 2001, que instituiu o Centro Nacional de Monitorização de Medicamentos (CNMM), sediado na Unidade de Farmacovigilância, Gerência Geral de Medicamentos da Anvisa. No Plano Plurianual ,elaborado pelo governo federal, o indicador escolhido para acompailhamento dasatividadesdaanvisa, no tocante àvigilância Sanitária de Produtos, Serviços earnbientes,foi ataxa de Notificação de Reação Adversa Grave a Medicamento, a ser obtida pela UFARM, sendo a previsão de índice em torno de 20% por ano..países Membros 06ciais discussões científicas dos centros. e de organização - Promover pesquisa metodológica para desenvolvimento da farmacovigilância como ciência. Baseslegais dajarmacovigilância no Brasil As atribuições da Vigilância Sanitária incluem-se nas competências do Sistema Único de Saúde (SUS), art. 200, inciso li, '4;/ do emprego de um medicamento que tenha efeitos prejudiciais graves adotada em consequência de avaliação nacional"; - Lei n 8.080, de 19 de setembro de 1990, que, além do art. 6, já mencionada, prevê, no artigo 16, parágrafo único, que "a União poderá executar ações de vigilância epidemiológica e sanitária em circunstâncias especiais como na ocorrência de agravos inusitados à Unidade de Farmacovigilância/ GGMED / A NVISA A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) desde sua criação, em 1999, estabeleceu aunidade de Farmacovigilância (UFARM), integrante da Gerência Geral de Medicamentos (GGMED). A UFARM é responsável pelo planejamento, coordenação e supervisão do processo de formulação e desenvolvimento das diretrizes e normas técnicas de operação sobre uso seguro e vigilância de medicamentos (Figura 2). Para o desenvolvimento do trabalho algumas estratégias foram estabelecidas para , descritas a seguir: 1) Manutenção do Brasil na Rede Internacional de Vigilância da OMS 2) Promoção da notificação espontânea

Farmacovigilância no Brasil

Farmacovigilância no Brasil Agência Nacional de Vigilância Sanitária Farmacovigilância no Brasil Unidade de Farmacovigilância Brasília, May 2002 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Diretor Presidente Substituto da ANVISA Cláudio

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano.

Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano. Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 4 ANVISA de 10 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos de uso humano. A Diretoria Colegiada

Leia mais

Fontes de Notificação em Farmacovigilância Murilo Freitas Dias, Nair Ramos de Souza, Milena Oliveira Bittencourt e Marcia Santos Nogueira

Fontes de Notificação em Farmacovigilância Murilo Freitas Dias, Nair Ramos de Souza, Milena Oliveira Bittencourt e Marcia Santos Nogueira Fontes de Notificação em Farmacovigilância Murilo Freitas Dias, Nair Ramos de Souza, Milena Oliveira Bittencourt e Marcia Santos Nogueira Um dos principais objetivos da Farmacovigilância, seja qual for

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Sanitária PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP-O-SNVS-014

Sistema Nacional de Vigilância Sanitária PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Número: POP-O-SNVS-014 1/13 1. INTRODUÇÃO A garantia da segurança, eficácia e qualidade de produtos sujeitos a controle sanitário é uma preocupação constante dos serviços de vigilância sanitária. De forma a aperfeiçoar o monitoramento

Leia mais

JAIME CÉSAR DE MOURA OLIVEIRA

JAIME CÉSAR DE MOURA OLIVEIRA Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 27, de 06 de abril de 2015 D.O.U de 08/04/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS Proposta Final Salvador, Agosto de 2011 1 PROTOCOLO DE AÇÃO PARA AS SITUAÇÕES DE SURTOS CLASSIFICADOS COMO EMERGÊNCIA EM SAÚDE PÚBLICA O conceito de emergência de

Leia mais

Experiência: PROJETO HOSPITAIS SENTINELA: UMA ESTRATÉGIA DE VIGILÂNCIA PARA A PÓS-COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE

Experiência: PROJETO HOSPITAIS SENTINELA: UMA ESTRATÉGIA DE VIGILÂNCIA PARA A PÓS-COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE Experiência: PROJETO HOSPITAIS SENTINELA: UMA ESTRATÉGIA DE VIGILÂNCIA PARA A PÓS-COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE Agência Nacional de Vigilância Sanitária Ministério da Saúde Responsável: Clarice

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Medicamentos Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Guia para Registro de Novas Associações

Leia mais

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Assunto: Fluxo para solicitação, distribuição e dispensação do medicamento Palivizumabe para o tratamento profilático do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) no Estado

Leia mais

Pesquisa Clínica e Regulamentação da Importação de Medicamentos. Revisoras da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe

Pesquisa Clínica e Regulamentação da Importação de Medicamentos. Revisoras da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe Pesquisa Clínica e Regulamentação da Importação de Medicamentos Autoras: Grazielle Silva de Lima e Letícia Figueira Freitas Revisoras da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe Revisoras

Leia mais

CONCEITOS EM FARMACOVIGILÂNCIA

CONCEITOS EM FARMACOVIGILÂNCIA CONCEITOS EM FARMACOVIGILÂNCIA Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG (CEFAL) Departamento de Farmácia Universidade Federal de Alfenas - MG (UNIFAL-MG) 1. ALERTA RÁPIDO: alerta que deve ser feito de

Leia mais

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil IX Encontro Internacional de Farmacovigilância das Américas Painel: Comunicação do Risco em Farmacovigilância: o que fazer para a informação chegar a quem interessa? Desafios para a Comunicação Efetiva

Leia mais

Farmacovigilância na Indústria Farmacêutica no Brasil

Farmacovigilância na Indústria Farmacêutica no Brasil Farmacovigilância na Indústria Farmacêutica no Brasil Marina Azevedo de Souza, Farmacêutica pela Universidade Federal de Minas Gerais, Especialização em Vigilância Sanitária pela Universidade Católica

Leia mais

Conceitos de Farmacovigilância

Conceitos de Farmacovigilância Conceitos de Farmacovigilância Glossário 1. ALERTA RÁPIDO: alerta que deve ser feito de maneira urgente para iniciar um procedimento de recolhimento de um medicamento ou outros. 2. ALERTA RESTRITO: alerta

Leia mais

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Medicamentos e Produtos Gerência de Investigação

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 2, de 13 de janeiro de 2009. D.O.U de 17/02/09 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica

O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica Renato Alencar Porto Diretor 22 de junho de 2015 Bases legais para o estabelecimento do sistema de regulação Competências na Legislação Federal

Leia mais

Farmacêutica Priscila Xavier

Farmacêutica Priscila Xavier Farmacêutica Priscila Xavier A Organização Mundial de Saúde diz que há USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS: quando pacientes recebem medicamentos apropriados para suas condições clínicas, em doses adequadas às

Leia mais

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013.

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. Assessoria da Presidência Assessoria técnica Grupo de consultores ad hoc Conselho Federal de

Leia mais

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Introdução Em 2009, o Ministério da Saúde (MS) do Brasil mudou seu esquema de tratamento

Leia mais

Folha de Londrina (PR) 02/02/2006 Saúde Vigilância Sanitária Vigilância Sanitária Anvisa Saúde Saúde Anvisa Anvisa Saúde Anvisa Saúde

Folha de Londrina (PR) 02/02/2006 Saúde Vigilância Sanitária Vigilância Sanitária Anvisa Saúde Saúde Anvisa Anvisa Saúde Anvisa Saúde Folha de Londrina (PR) Geral Saúde investiga mortes de bebês no Paraná Sete crianças teriam morrido em circunstâncias parecidas em hospitais de Curitiba e Apucarana Curitiba- A Vigilância Sanitária Estadual,

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br Conteúdo: legislação sanitária Professor (a): Paulo Nogueira Mini currículo: Fiscal Sanitário Municipal de Nível Superior da Vigilância Sanitária Municipal de Belo Horizonte. Biólogo

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

18/2/2013. Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS

18/2/2013. Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO MÉDICA Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECÉITA MÉDICA CONCEITO Solicitação escrita, com instruções detalhadas, sobre o medicamento a ser dado ao paciente: Quantidade

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

Sistema Nacional de Biovigilância

Sistema Nacional de Biovigilância Marcelo A. N. Medeiros GEMOR/GGMON/SUCOM/ANVISA Gerência de Monitoramento do Risco Gerência-Geral de Monitoramento de Produtos Sujeitos a Vigilância Sanitária Superintendência de Fiscalização, Controle

Leia mais

Farmacovigilância: Por que fazer?

Farmacovigilância: Por que fazer? 11ª Jornada de Controle de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto Farmacovigilância: Por que fazer? Luci Rodrigues da Silva Farmacêutica Divisão de Vigilância Sanitária Secretaria Municipal de Saúde de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA, O DIRETOR PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL DE

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 44, de 18 de junho de 2014 D.O.U de 20/06/2014

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 44, de 18 de junho de 2014 D.O.U de 20/06/2014 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 44, de 18 de junho de 2014 D.O.U de 20/06/2014 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário: os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente

Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário: os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário: os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente Eduardo Hage Carmo Superintendente de Fiscalização, Controle e Monitoramento 15 Encontro da

Leia mais

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS Informações gerais Estado Amazonas Organizadores (sindicato e Sindicato dos Farmacêuticos

Leia mais

Consulta Pública n. 72, de 14 de julho de 2010. Estabelece os critérios de aceitabilidade de nomes comerciais de medicamentos.

Consulta Pública n. 72, de 14 de julho de 2010. Estabelece os critérios de aceitabilidade de nomes comerciais de medicamentos. Consulta Pública n. 72, de 14 de julho de 2010. Estabelece os critérios de aceitabilidade de nomes comerciais de medicamentos. Versão Consolidada n. 07, de 27 de maio de 2013. Para Audiência Pública Resolução

Leia mais

Atribuições Clínicas do Farmacêutico

Atribuições Clínicas do Farmacêutico Atribuições Clínicas do Farmacêutico Evolução dos gastos com medicamentos do Ministério da Saúde 650% crescimento R$ Atualizado: 10/02/2014 Fonte: Fundo Nacional de Saúde FNS e CGPLAN/SCTIE/MS Hospitalizações

Leia mais

PARECER COREN-SP 023/2014 CT PRCI n 2480/2014 Tickets nº 340.457 e 340.883

PARECER COREN-SP 023/2014 CT PRCI n 2480/2014 Tickets nº 340.457 e 340.883 PARECER COREN-SP 023/2014 CT PRCI n 2480/2014 Tickets nº 340.457 e 340.883 Ementa: Emissão e assinatura do Certificado Internacional de Vacinação por profissionais de enfermagem. 1. Do fato Auxiliar de

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Rede Sentinela Desde 2011, 192 hospitais da Rede Sentinela monitoram

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº 20/2011 Orientações de procedimentos relativos ao controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição isoladas ou em associação.

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012

RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012 RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012 Dispõe sobre a obrigatoriedade de execução e notificação de ações de campo por detentores de registro de produtos para a saúde no Brasil. A Diretoria Colegiada

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS. luciene@fortalnet.com.br 1

POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS. luciene@fortalnet.com.br 1 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS luciene@fortalnet.com.br 1 POLÍTICA? luciene@fortalnet.com.br 2 Política É um compromisso oficial expresso em um documento escrito. São decisões de caráter geral, destinadas

Leia mais

PORTARIA CVS 05 de 05 de fevereiro de 2010

PORTARIA CVS 05 de 05 de fevereiro de 2010 PORTARIA CVS 05 de 05 de fevereiro de 2010 Atualização do fluxo de notificações em farmacovigilância para os Detentores de Registro de Medicamentos no Estado de São Paulo e dá providências correlatas;

Leia mais

NVRAnB/ DVAS/ CEVS/SES

NVRAnB/ DVAS/ CEVS/SES ÁREAS CONTAMINADAS : RISCOS À SAÚDE HUMANA Seminário Sul-Brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas 3 e 4 de setembro de 2012, Porto Alegre RS NVRAnB/ DVAS/ CEVS/SES P R O M O Ç Ã O DETERMINANTES

Leia mais

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 Agência Nacional de Vigilância Sanitária GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIGENTE A PARTIR DE 09/10/2015

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL HEMOCENTRO DE BELO HORIZONTE 2015 TRANFUSÃO SANGUÍNEA BREVE RELATO Atualmente a transfusão de sangue é parte importante da assistência à saúde. A terapia transfusional

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Formação Profissional. Análises Clínicas.

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Formação Profissional. Análises Clínicas. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21/3/2001 - Decreto 3990 de 30/10/2001

Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21/3/2001 - Decreto 3990 de 30/10/2001 Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21/3/2001 - Decreto 3990 de 30/10/2001 Ementa: Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21 de março de 2001, que dispõe sobre a coleta, processamento, estocagem,

Leia mais

Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL

Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL Lima, Perú 27 noviembre de 2007 Sistema Único de Saúde - SUS Estabelecido

Leia mais

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 OBJETIVO: ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Este Roteiro estabelece a sistemática para a avaliação do cumprimento das ações do Programa de Controle de Infecção

Leia mais

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE Erro de Medicação Complexidade do sistema de saúde Ambientes especializados e dinâmicos Condições que

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos Atualizado: 10 / 05 / 2013 FAQ AI 1. Controle de medicamentos antimicrobianos (antibióticos) 1.1. Informações gerais 1.2. Uso contínuo (tratamento prolongado) 1.3. Retenção da segunda via da receita médica

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP:

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: APS SANTA MARCELINA INTRODUÇÃO EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: UM PROCESSO EM CONSTRUÇÃO Parceria com a Prefeitura de São Paulo no desenvolvimento de ações e serviços voltados

Leia mais

Inês Ribeiro Vaz Unidade de Farmacovigilância do Norte

Inês Ribeiro Vaz Unidade de Farmacovigilância do Norte Sistema Nacional de Farmacovigilância Notificação Espontânea de RAM Inês Ribeiro Vaz Unidade de Farmacovigilância do Norte SISTEMA NACIONAL DE FARMACOVIGILÂNCIA Elixir de Sulfanilamida (1937) Defeito de

Leia mais

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1 Portaria Credenciamento IES: Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01. Portaria Autorização Administração : Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01 Portaria Reconhecimento Administração : Portaria 3.519 D.O.U.14/10/05. Portaria

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE RESOLUÇÃO Nº 251, DE 07 DE AGOSTO DE 1997

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE RESOLUÇÃO Nº 251, DE 07 DE AGOSTO DE 1997 CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE RESOLUÇÃO Nº 251, DE 07 DE AGOSTO DE 1997 Plenário do Conselho Nacional de Saúde em sua Décima Quinta Reunião Extraordinária, realizada no dia 05 de agosto de 1997, no uso de

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária PROPOSTA DE UMA NOVA RESOLUÇÃO PARA OS MEDICAMENTOS ISENTOS DE PRESCRIÇÃO Brasília, 06 de junho de 2008. Medicamento Isento de Prescrição MIPs Podem ser adquiridos

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Café com Debate Escola Nacional de Administração Pública Brasília, 31 de agosto de 2006 Dirceu Raposo de Mello Diretor-Presidente da Anvisa A ANVISA Autarquia sob

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 Aprova o regulamento

Leia mais

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa COMEMORAÇÃO DOS 29 ANOS DO ICICT/FIOCRUZ Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa O papel da COSAPI no incentivo de experiências exitosas de

Leia mais

Prescrição Médica. Medicina. Prática Médica. Prática Médica. Do latim ars medicina : arte da cura.

Prescrição Médica. Medicina. Prática Médica. Prática Médica. Do latim ars medicina : arte da cura. Medicina Do latim ars medicina : arte da cura. Prescrição Médica Surge de reações instintivas para aliviar a dor ou evitar a morte. Prof. Dr. Marcos Moreira Prof. Adjunto de Farmacologia, ICB/UFJF Prof.

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico nº 1 MERCÚRIO METÁLICO Diante da exposição por Mercúrio metálico de moradores do Distrito de Primavera, Município de Rosana, SP, a DOMA/CVE presta o seguinte Informe Técnico. Breve histórico

Leia mais

Cosmetovigilância. Impacto na Inspeção. Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Maria do Carmo Lopes Severo - UINSC

Cosmetovigilância. Impacto na Inspeção. Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Maria do Carmo Lopes Severo - UINSC Cosmetovigilância Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Roberto Wagner Barbirato Gerência Geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos - GGIMP Maria do Carmo Lopes Severo

Leia mais

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. Institui o elenco de medicamentos e aprova o regulamento dos procedimentos de aquisição e dispensação de medicamentos especiais para tratamento ambulatorial

Leia mais

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007 Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios Brasília, 1º de outubro de 2007 A ANVISA Autarquia sob regime especial Independência administrativa e

Leia mais

Farmacovigilância: Programa Farmácias Notificadoras

Farmacovigilância: Programa Farmácias Notificadoras Farmacovigilância: Programa Farmácias Notificadoras Núcleo de Farmacovigilância Centro de Vigilância Sanitária CVS SP The Uppsala Monitoring Centre (UMC) Esse programa foi criado pela World Health Organization

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 MEDICAMENTOS CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 Parceria: Farmácia Escola da UFRGS - Programa Farmácia Popular Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N 525/2013

RESOLUÇÃO CFN N 525/2013 Página 1 de 7 RESOLUÇÃO CFN N 525/2013 Regulamenta a prática da fitoterapia pelo nutricionista, atribuindo-lhe competência para, nas modalidades que especifica, prescrever plantas medicinais, drogas vegetais

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

Implicações Legais Relacionadas ao Processamento de Artigos que RE 2605/2606

Implicações Legais Relacionadas ao Processamento de Artigos que RE 2605/2606 Implicações Legais Relacionadas ao Processamento de Artigos que Constam da Lista de Proibições RE 2605/2606 Luciana Pereira de Andrade Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária Gerência Geral de

Leia mais

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010.

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010. Fracionamento de medicamentos para dispensadores Parcerias: Defensoria Pública do Estado do Ceará; Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA Conselho Regional de Farmácia - CRF- CE Sindicato do

Leia mais

Dirceu Barbano Diretor-Presidente São Paulo, 16 de abril de 2014

Dirceu Barbano Diretor-Presidente São Paulo, 16 de abril de 2014 3º CIMES - Congresso de Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde Regulação, Normalização e Certificação Dirceu Barbano Diretor-Presidente São Paulo, 16 de abril de 2014 Aspectos a considerar no

Leia mais

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Regulamenta as condições para o funcionamento de empresas sujeitas

Leia mais

Page 1. Objetivos da investigação. Surtos de infecção de sítio cirúrgico por micobactérias de crescimento rápido Brasil, 2003/2008

Page 1. Objetivos da investigação. Surtos de infecção de sítio cirúrgico por micobactérias de crescimento rápido Brasil, 2003/2008 Surtos de infecção de sítio cirúrgico por micobactérias de crescimento rápido Brasil, 2003/2008 Gerência de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos Gerência Geral de Tecnologia em

Leia mais

SNGPC versão 2.0 Antimicrobianos

SNGPC versão 2.0 Antimicrobianos SNGPC versão 2.0 Antimicrobianos Farm. Adam Macedo Adami Especialista em Dependências Químicas e Farmacologia Gerente de Medicamentos e Produtos da VISA Estadual Gestor Estadual do SNGPC de Mato Grosso

Leia mais

CARTA ABERTA SOBRE PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA

CARTA ABERTA SOBRE PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA CARTA ABERTA SOBRE PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA A garantia da provisão de serviços e produtos para o cuidado das pessoas é um problema de saúde coletiva. A dimensão da necessidade de acesso e utilização a recursos

Leia mais

(http://www.anvisa.gov.br/institucional/faleconosco/faleconosco.asp ).

(http://www.anvisa.gov.br/institucional/faleconosco/faleconosco.asp ). No Brasil as legislações que tratam da proteção e direitos do sujeito de pesquisa são Documento das Américas de Boas Práticas Clínicas, Resolução 196/1996 do Conselho Nacional de Saúde e Resolução RDC

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 Reunião ILSI São Paulo, 5 de dezembro de 2013 ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 William Cesar Latorre Gerente de Inspeção e Controle de Riscos em Alimentos Gerência Geral

Leia mais

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014

PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 PORTARIA MS Nº 1.271, DE 6 DE JUNHO DE 2014 Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo.

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo. ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de acesso expandido, uso compassivo e fornecimento de medicamento pósestudo. Apresentação: Biól. Andréia Rocha RELEMBRANDO

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br

www.grupoidealbr.com.br www.grupoidealbr.com.br Programa Nacional de Segurança do Paciente Introdução Parágrafo 12 do primeiro livro da sua obra Epidemia: "Pratique duas coisas ao lidar com as doenças; auxilie ou ao menos não

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 16 de Outubro de 2012 18:05 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

Leia mais

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Aspectos a serem abordados: Reflexões sobre: O contexto da Aliança Mundial para Segurança do Paciente. Panorama da Regulamentação

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

CONGRESSO ENQUALAB-RESAG/2014

CONGRESSO ENQUALAB-RESAG/2014 Ministério da Saúde CONGRESSO ENQUALAB-RESAG/2014 A QUALIDADE DA ÁGUA NO ÂMBITO DA SAÚDE São Paulo,SP 31 de outubro de 2014 Por Mariângela Torchia do Nascimento Gerência de Laboratórios de Saúde Pública/GELAS/ANVISA

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA A MELHORIA DA SAÚDE DA POPULAÇÃO Jonas Ricardo Munhoz 1 Johnny Trovó Rota 1 Raquel Soares Tasca 2 Marco Antonio Costa 2 Os estudos da utilização

Leia mais

REGISTRO DE MEDICAMENTOS

REGISTRO DE MEDICAMENTOS REGISTRO DE MEDICAMENTOS Deborah Masano Cavaloti Manira Georges Soufia 1 Como a Anvisa avalia o registro de medicamentos novos no Brasil Brasília, 20 de janeiro de 2005 No Brasil, os medicamentos são registrados

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

Remediadores Ambientais Situação atual das exigências para Registro

Remediadores Ambientais Situação atual das exigências para Registro MESA REDONDA: Produtos Remediadores Associação Brasileira de Empresas de Consultoria e Engenharia AESAS Federação das Industrias do Estado de São Paulo - FIESP Remediadores Ambientais Situação atual das

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA NOTA TÉCNICA 05 2007 POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA Versão preliminar Brasília, 20 de março de 2007. POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA 1. Antecedentes

Leia mais