UM ESTUDO LOGÍSTICO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A EM CURVELO/MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM ESTUDO LOGÍSTICO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A EM CURVELO/MG"

Transcrição

1 3 UM ESTUDO LOGÍSTICO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A EM CURVELO/MG Sérgio Geraldo da Fonseca Carvalho 1 RESUMO A CEMIG Distribuição S.A. tem como principal atividade a distribuição e comercialização de energia elétrica para vários segmentos do mercado consumidor. Mesmo sendo uma empresa com gestão competente, algumas áreas de atividades indiretas, como a distribuição de materiais, não têm uma apuração precisa dos seus custos logísticos e, assim, apresentam falhas que podem ser corrigidas com um estudo de otimização do processo de Logística. O objetivo deste trabalho é o conhecimento destes custos e a elaboração de um novo processo de roteirização da frota de veículos embasado em modernas técnicas da Administração de Materiais. A conclusão do trabalho chega a novo modelo de Gestão de Logística. É sugerida uma roteirização da frota de maneira otimizada e a criação de um Centro de Distribuição Estratégico em Curvelo de onde será redistribuído todo o material para as localidades da Gerência. Neste novo modelo, os conceitos da Logística Empresarial passam a ter uma função muito mais estratégica na estrutura do processo de distribuição de materiais da empresa. PALAVRAS-CHAVES: Gestão de logística, Custos Logísticos, Roteirização. 1 - INTRODUÇÃO Qualquer organização, independente do tamanho e ramo de atividade, tem como principal preocupação a maximização de receitas e a minimização dos custos operacionais, unidos à excelência no atendimento aos seus clientes. Não fugindo a esta regra, a CEMIG Distribuição S.A. tem implementado avançadas técnicas e modernos sistemas para gerenciar uma empresa controlada pelo Estado, mas que vive a realidade de uma empresa privada, na busca por resultados. 1 Acadêmico do Curso de Bacharelado em Administração da Faculdade de Ciências Administrativas de Curvelo. 49

2 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO A logística no Brasil vem sofrendo mudanças que exigiram das empresas decisões estratégicas e urgentes em suas práticas empresariais, quanto à eficiência, qualidade e agilidade dos seus processos, com o objetivo de responder à competitividade do mercado. A CEMIG é uma empresa de dimensões gigantescas e, conseqüentemente, algumas áreas apresentam problemas, precisando de maior atenção, como é o caso do estudo que será contemplado neste trabalho. O processo de distribuição de materiais da CEMIG sofre distorção ao chegar aos almoxarifados regionais, e no caso específico da Gerência de Curvelo, não há estrutura e veículos adequados para a redistribuição destes materiais para as localidades. Diante disso, o desafio é otimizar e integrar os processos logísticos da CEMIG. Assim, os custos logísticos do processo de requisição, transporte, armazenagem e distribuição de materiais e equipamentos podem ser mais bem distribuídos, de maneira a otimizar todo o processo, com roteirização de distribuição destes materiais oferecendo agilidade e aumento do nível de qualidade do serviço. Com a realização deste trabalho foi possível encontrar respostas de como a logística se relaciona com a estratégia empresarial e como obter vantagem competitiva com o gerenciamento da logística. 2- A CEMIG A CEMIG começou a ser planejada no Governo Milton Campos (1945 a 1950), quando foram realizados estudos sobre a questão da energia elétrica, com o objetivo de analisar as condições energéticas do Estado e propor a criação de uma empresa que fosse capaz de dar suporte à implantação de um parque industrial em Minas. Sua criação, no entanto, só ocorreu no dia 22 de maio de 1952, no Governo Juscelino Kubitscheck, com o nome de Centrais Elétricas de Minas Gerais. Em 1984, a CEMIG foi transformada em Companhia Energética, ampliando o seu objetivo social e estendendo as atividades da empresa aos demais campos da energia, em quaisquer de suas fontes, com vistas à sua exploração econômica. 50

3 De acordo com as premissas do novo Modelo do Sistema Elétrico Brasileiro, que estabelece a desverticalização para as Concessionárias de energia, a CEMIG foi obrigada a ser dividida em três empresas distintas. Assim, a CEMIG efetivou a transferência de pessoal, bens, direitos, obrigações e outros ativos e passivos para a CEMIG Distribuição S.A., que passou a responder por tudo o que diz respeito à distribuição de energia elétrica, a CEMIG Geração e Transmissão S.A., que ficou responsável pelos serviços de geração e transmissão de energia e a CEMIG Holding que passou a controlar o grupo CEMIG composto por 11 empresas, nos segmentos de telecomunicações, consultoria energética, gás natural e diversas usinas em parceria com a iniciativa privada. Depois de várias reestruturações, Curvelo é a sede da Gerência de Relacionamento Comercial e Serviços de Curvelo - DO/CV - que engloba em sua área de atendimento 27 municípios, buscando a excelência no atendimento aos seus consumidores pela da qualidade técnica dos seus funcionários e a padronização dos seus processos certificados pela ISO JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS No atual ambiente capitalista e competitivo, a preocupação com a otimização dos lucros e a redução dos custos, aliados à satisfação plena dos clientes, é foco prioritário para a eficiência de uma organização no mercado. Uma logística otimizada é um dos passos para essa eficiência, em que a empresa utiliza sistemas de roteirização eficazes para alcançar objetivos que incluem desde a redução de custos à entrega da mercadoria e /ou serviços onde, quando e como o cliente interno ou externo deseja. Na CEMIG, como cada gerência tem sua contabilidade própria, existe a prioridade de uma otimização da utilização dos recursos, pois estas gerências são avaliadas periodicamente e o seu custo operacional conta como um dos índices mais relevantes. Em face da necessidade da redução de custos em toda a empresa, existe uma urgência de implantar um novo modelo de roteirização, para que a distribuição de materiais e equipamentos fique otimizada, reduzindo os custos e o tempo gasto nesse processo. 51

4 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO A gerência de Curvelo é responsável pela operação e manutenção do sistema elétrico da CEMIG e não possui funcionários específicos para a distribuição de materiais para as localidades. Desta forma, é utilizada mão-de-obra especializada no atendimento do sistema elétrico e veículos impróprios para transporte de cargas. Eletricistas e técnicos executam tarefas de transporte e armazenagem desses materiais e, dessa forma, não executam tarefas específicas da sua atribuição. Este desvio de função, pode comprometer metas de atendimento ao cliente, aumentando o índice de insatisfação dos consumidores. Este trabalho tem como objetivo principal, elaborar um estudo para otimizar a roteirização da distribuição de materiais e equipamentos da Gerência de Curvelo da CEMIG Distribuição S.A., permitindo conhecer os custos logísticos de cada gerência envolvida e em cada etapa do processo. 4 - METODOLOGIA Este trabalho se caracteriza como um Estudo de Caso do processo de distribuição de materiais e equipamentos da CEMIG Distribuição S.A. de Curvelo. Este processo já está consolidado, mas apresenta falhas acarretando custos logísticos desnecessários e o não-aproveitamento eficiente dos recursos de transporte devido à má roteirização da sua frota. A Gerência de Curvelo da CEMIG Distribuição S.A. possui dois almoxarifados (um em Curvelo e outro em Pirapora), que recebem os materiais e equipamentos provenientes de Belo Horizonte e distribuem para as localidades de Três Marias, Corinto e Diamantina. Os custos logísticos foram levantados por pesquisa na Intranet CEMIG, onde constam todos os custos de operação, manutenção e legalização dos veículos. Pela pesquisa de campo e investigação documental em relatórios, foram levantados os custos de contratação de mão-de-obra terceirizada para recepção e armazenagem dos materiais. Para levantar o atual processo de requisição, transporte e recebimento dos materiais e equipamentos e a devolução de sucatas, foi feita pesquisa de campo, quando funcionários da CEMIG Distribuição de Curvelo, por entrevista não estruturada, detalharam como acontecia tal processo. Os custos fixos e variáveis foram calculados de acordo com as seguintes fórmulas: 52

5 Para compor o Custo Variável, somam-se os custos de operação (custos com combustível e óleo lubrificante) com os custos de manutenção, que compreendem os custos com peças e materiais, mão-de-obra, baterias e pneus, divididos pela quantidade de quilômetros rodados no primeiro semestre do ano de A composição do Custo Fixo é o gasto na legalização do veículo, como IPVA, Seguro Obrigatório e Taxa de Licenciamento no ano de 2005, dividido pela quantidade de quilômetros rodados deste veículo no ano de 2004, utilizado como estimativa para Estes custos representam os custos variáveis e fixos unitários de cada veículo estudado. Utilizando técnicas e conceitos da Logística Empresarial, os dados levantados foram estudados e analisados, servindo de alicerce para a criação de um novo modelo de gestão de logística juntamente com a definição dos seus custos. Dessa forma, foi elaborado o projeto final para sua implantação com as devidas conclusões. 5 RESULTADO E ANÁLISE A Logística na CEMIG A CEMIG opera sua logística com a estrutura de rede de entrega escalonada, com o Almoxarifado Central do Jatobá em Belo Horizonte, pertencente ao Órgão de Movimentação de Suprimentos (MS/LA) e mais cinco Centros de distribuição Avançados (CDA) espalhados pelas regionais Norte, Sul, Mantiqueira, Leste e Triângulo. Os CDAs redistribuem os materiais e equipamentos para todas as localidades da CEMIG e recebem a sucata derivada da operação e manutenção, obras e reformas no sistema elétrico.o atual campo geográfico de roteirização pode ser visualizado na figura a seguir: 53

6 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO O estoque dos Almoxarifados é controlado a partir do sistema de estoque mínimo e máximo de cada material. Quando o estoque de materiais chega ao mínimo, o técnico responsável por cada Almoxarifado faz a requisição por e repassa-o para o responsável da área de Gestão que possui a senha do sistema SAP-R3, um sistema de apoio gerencial muito utilizado em larga escala por muitas áreas da CEMIG. O próprio SAP-R3 verifica a existência de recursos financeiros para atender ao pedido, pois cada gerência arca com suas despesas operacionais. Havendo caixa disponível, o pedido é enviado ao Almoxarifado Central onde é verificado se há disponibilidade no estoque. Havendo esta disponibilidade, o pedido é aceito e o material é separado e enviado para os respectivos almoxarifados. Não havendo estoque disponível, o pedido vai para a Reserva Futura e, assim que o estoque é reconstituído, o lote é liberado. A Gerência de Curvelo (DO/CV) possui dois almoxarifados locais: um em Curvelo e outro em Pirapora. Estes dois almoxarifados recebem materiais diretamente do Almoxarifado Central de Belo Horizonte. O Almoxarifado de Pirapora atende a equipe de operação 54

7 de Pirapora e Três Marias, enquanto que o de Curvelo atende a equipe de operação de Curvelo, Felixlândia, Diamantina e Corinto. O processo de requisição dos Almoxarifados de Curvelo e de Pirapora são totalmente independentes. Assim, saem de Belo Horizonte, caminhões carregados para cada destino, um para Curvelo e outro para Pirapora. Figura 1 - Distribuição de Materiais e Equipamentos na Gerência de Curvelo (DO/CV) O custo de transporte dos materiais de Belo Horizonte até Curvelo e Pirapora com caminhões de carroceria aberta pertence ao MS/LA (Gerência de Movimentação de Suprimentos). Já os custos com o descarregamento e armazenagem nos almoxarifados e a redistribuição destes materiais para as localidades pertencem a DO/CV (Gerência de Curvelo). Não foram considerados os custos de carregamento dos caminhões, pois é feito por mão-de-obra própria e o seu custeio envolve outras variáveis irrelevantes para este estudo. Nesta distribuição, os caminhões vão cheios de materiais, cada um para um destino distinto e retornam vazios. Para descarregar e armazenar o material em Curvelo, são contratados dois ajudantes ao valor de R$ 40,00 e, em Pirapora, é utilizada mão-de-obra própria. 55

8 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO O Custo Total da distribuição dos materiais para as localidades da DO/CV é o custo total apresentado na Tabela 2 mais R$ 40,00 de mão-de-obra, totalizando R$ 621,04. Nesta distribuição de materiais, as caminhonetes vão a Curvelo e Pirapora vazias e retornam cheias destes materiais e equipamentos. Assim, o Custo Total de Distribuição de Materiais e Equipamentos é o custo total apresentado na tabela 1, pertencente ao MS/LA, somado ao custo total da tabela 2 mais a mão de obra que pertence a DO/CV, totalizando o valor de R$2.159, A Devolução da Sucata Nos processos operacionais da CEMIG, sobram resíduos materiais que, freqüentemente, dvem ser devolvidos para serem reciclados para futura utilização, ou mesmo descartados. Esta sucata é enviada para o Almoxarifado Central de Belo Horizonte e para o CDA de Montes Claros, sendo a única utilização do CDA Norte pela DO/ CV. O custo de devolução de sucata é de exclusividade da DO/CV. Realizando um fluxo reverso, as caminhonetes vão cheias de sucata para os Almoxarifados Locais e retornam vazias para as localidades. Ainda são contratados ajudantes, ao custo de R$ 80,00, para carregarem os caminhões. 56

9 Figura 2 - Devolução de Sucatas na Gerência de Curvelo (DO/CV) Os Custos Logísticos Totais O custo logístico total compreende os custos que a Gerência de Curvelo (DO/CV) e a Gerência de Movimentação de Materiais (MS/LA), em Belo Horizonte, têm para distribuir os materiais e equipamentos e efetuar o fluxo reverso desses materiais na forma de sucata. Devido à variação da demanda de utilização dos materiais ao longo do ano, o custo total foi levantado baseado no ciclo logístico que compreende desde a requisição dos materiais até a devolução da sucata. Assim o Custo Total é a soma do Custo de Distribuição e do Custo de Devolução de Sucata, fazendo com que as gerências envolvidas, neste estudo, gastem R$ 4.498,26 por ciclo logístico. 57

10 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO Os Custos das Caminhonetes de Curvelo Os custos das caminhonetes com carroceria fechada de Curvelo também foram levantados, pois estes serão necessários para futuras análises de melhoria do processo Análise de Resultados Com os dados acima discriminados, foi possível chegar a algumas análises que serão mostradas em gráficos para melhor compreensão. Verificou-se o problema, que envolve o alto custo médio dos veículos utilizados nestes processos e o mau aproveitamento da frota: veículos saindo cheios e voltando vazios. Ainda foi identificada a má distribuição dos custos entre as gerências, sendo que a DO/CV absorve grande parte deste custo. 58

11 Gráfico 1 Situação atual Gráfico 2 - Custos Levantados Análise da Rota mais Eficiente Foram feitas análises de cinco modelos de rotas, sendo avaliados, a distância percorrida, os recursos utilizados e o custo total. Serão apresentadas as diferenças de cada rota, mas apenas a melhor rota será visualizada. 59

12 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO Gráfico 3 - Custo Total das Rotas Propostas A Rota nº 5 se apresenta como a melhor opção para ser implantada na nova Gestão de Otimização da Logística na CEMIG Distribuição. A rota não é a menor, mas apresenta o custo mais baixo e significativa praticidade, pois envolve menos recursos materiais do que a atual rota utilizada. O caminhão sai carregado de Belo Horizonte e descarrega em Curvelo. O veículo GMC 3906, que apresentou o menor custo, conforme a tabela 4, distribui os materiais nas localidades e recolhe a sucata. Para Chopra & Meindl (2004, p.289), A decisão operacional mais importante relacionada ao transporte na cadeia de suprimento diz respeito a rotas e cronogramas de entregas. 60

13 5.7 - Implantação do Modelo de Gestão de Otimização de Logística O planejamento de uma rede de logística de distribuição deve ser cuidadosamente elaborado para disponibilizar o produto onde, como e quando o mercado exige, agregando valor ao produto e, assim, tendo papel fundamental e indispensável na economia com o objetivo de atingir o que se espera, com o menor acréscimo possível no custo final do produto.a Logística Empresarial estuda como a Administração pode gerar melhor nível de rentabilidade nos serviços de distribuição aos clientes, pelo de planejamento, organização e controle efetivos para as atividades de distribuição e armazenagem que visam a facilitar o fluxo de produtos. É a fusão da Administração de Materiais com a Distribuição Física, aliada à Administração do Transporte que trata de servir a demanda com produtos e serviços da organização. Seguindo as premissas da Logística Empresarial, o Almoxarifado de Curvelo passará a ser denominado CDE (Centro de Distribuição Estratégico). O CDE Curvelo receberá todo o material requisitado de Belo Horizonte. Nele serão reservados locais para se alocarem os sub-lotes das localidades (Três Marias, Diamantina, Corinto e Pirapora); local para alocar os materiais de Curvelo e para um estoque de utilização emergencial para suprir as necessidades de Curvelo e localidades. 61

14 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO Cada local irá receber um kit básico de materiais quando, então, será feito um controle criterioso pelos encarregados da requisição, caso o seu estoque mínimo seja atingido.dessa forma, enviarão a requisição para o técnico responsável do CDE Curvelo, que terá a sua própria senha do SAP-R3. O sistema registrará as requisições por localidade e liberará os sub-lotes designados para a sua distribuição. Do Almoxarifado de Belo Horizonte sairá um caminhão carregado com estes sub lotes devidamente identificados com o seu destino, os quais serão entregues no CDE de Curvelo. Chegando os materiais a Curvelo, o técnico do CDE, juntamente com os ajudantes contratados, irão descarregar o material, alocando-os de forma a respeitar o layout de armazenagem temporária dos sub lotes de materiais e, desta forma, ganhando tempo na transposição da carga sem afetar o estoque local de Curvelo. Esta prática, chamada Transit Point, evita a armazenagem desnecessária, já que reduz os estoques, e aumenta o fluxo de materiais e o espaço físico, melhoria nos recursos financeiros e diminuição do Lead Time. Para Pires (2004, p.112): A prática do Transit Point pode ser considerada como uma forma racional de aumentar a efetividade e a capilaridade de um sistema de distribuição sem necessariamente ter que incorrer em custos logísticos adicionais, especialmente custos de armazenagem. O objetivo é atender a determinada região distante da fonte de abastecimento ou de difícil acesso a partir do envio de cargas consolidadas em um veículo maior (como uma carreta) que serão repassadas em um local predeterminado para outros veículos menores que operam localmente. A operação de Transit Point é localizada em um CDA de forma a atender a um mercado distante dos depósitos centrais e opera como uma instalação de passagem, recebendo carregamentos consolidados e separando-os para entregas locais a clientes individuais. A capacidade de planejamento antecipado e seu cumprimento rigoroso permitem que a passagem do estoque pela instalação seja a mais breve possível. O CDE vai se beneficiar com esta prática, pois não mais precisará alocar materiais das localidades por um período maior, reduzindo os custos de armazenagem e, dessa forma, ganhando espaço que poderá ser utilizado para outros fins. 62

15 Na distribuição dos materiais às localidades, diariamente, o técnico do CDE carregará a caminhonete de acordo com a sua carga máxima (no caso da GMC 3906, 3500Kg) e levará o material.os encarregados terão que aguardar a entrega do material previamente agendada e já deixar disponível a sucata devidamente organizada para ser recolhida e trazida para Curvelo. Segundo Moura (1998), a Logística reversa é aquela que se preocupa com a responsabilidade pelos produtos ou materiais no final da cadeia de suprimentos, encaminhando o que sobrou deles a um processo de reutilização ou descarte. Seguindo esta definição, a sucata será armazenada em lugar próprio (pátio da Sub Estação Curvelo 2), quando o caminhão da MS/LA trouxer novamente material a Curvelo, levará as sucatas para o Almoxarifado Central em Belo Horizonte. De acordo com o Gráfico 3, o custo da Rota 5 é de R$ 890,02. O Custo da mão de obra para descarregamento dos materiais e condicionamento nas docas é de R$ 40,00. A soma destes custos perfaz o Custo Total do Novo Modelo de Gestão de Logística. 63

16 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO O CDE Curvelo utilizará técnicas da Logística Empresarial Moderna como o Trunking ou Distribuição Primária, que é a movimentação de cargas completas em veículos geralmente de carroceria, levando uma carga consolidada e a Distribuição Secundária ou Entregas Locais, que é a utilização eficiente de veículos menores a fim de chegar ao uso máximo da capacidade do veículo e de forma a agilizar a distribuição desses materiais. Gráfico 4 - Comparação dos Custos da Situação Atual e Novo Modelo O Estudo de Otimização de Logística apresenta vantagens como a redução do custo logístico, agilidade no processo, utilização de menos veículos, melhor aproveitamento do espaço físico de armazenamento de materiais e concentração do quadro de funcionários especializados em suas áreas de atuação.ainda foi percebida uma melhor divisão dos custos entre as gerências em comparação ao Gráfico Gráfico 5 - Novo Modelo

17 Neste trabalho, não foi considerado o custo de mão-de-obra própria, pois este custo é considerado fixo para toda a empresa, mesmo que não realizem serviços de logística. O foco do estudo é a otimização do custo de movimentação de equipamentos e materiais e devolução de sucatas pelos veículos e forma de utilização. 6- CONCLUSÃO No encalço de uma gestão moderna, em que a minimização dos custos e a busca da eficiência do produto e, conseqüentemente, a satisfação plena do cliente são relevantes para a sobrevivência de qualquer organização, a implantação criteriosa da Gestão de Otimização de Logística na CEMIG Distribuição S.A. reafirma o compromisso da Gerência de Curvelo com os objetivos de toda a CEMIG: a de uma gestão voltada para a eficiência corporativa embasada em sua visão de negócio e sua missão. Este trabalho propõe evidenciar, pela análise dos dados e dos modelos de rotas propostos, a interpretação e compreensão dos princípios relacionados ao problema de estudo. É fundamental repensar novos conceitos nas cadeias logísticas, principalmente em seus subsistemas, aonde, às vezes, não chegam as informações necessárias para o efetivo gerenciamento logístico. Dessa forma, descobriu-se um custo elevadíssimo do processo de Logística, indireto ao ramo principal da empresa. Com a melhor roteirização da frota de veículos e a utilização de métodos eficientes de armazenagem, é possível a otimização do processo de logística da Gerência de Curvelo da CEMIG Distribuição. Se implantado, trará redução expressiva dos custos logísticos a curto prazo e ainda, oferecerá vantagens que a gestão moderna e eficiente de Logística Empresarial pode oferecer. Qualquer otimização da gestão logística, integrando todos os elementos, passa necessariamente pelo direcionamento e gerenciamento das metas e da empresa. Por este motivo, a implantação da nova gestão de otimização deverá ser mais bem apreciada e analisada pelos responsáveis das gerências envolvidas: o MS/LA e a DO/CV. 65

18 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO Uma Logística Empresarial consolidada é uma sinergia entre a Administração de Materiais, da Distribuição Física e dos Transportes. Este estudo é o primeiro passo para a implantação de um sistema de logística moderno e profissional nas regionais da CEMIG. Mas, é preciso realizar estudos que explorem profundamente o tema. O desenvolvimento do benchmarking é essencial para se conhecer as tendências de mercado e interagir com elas e, assim, conduzir a orientação da empresa na tomada de decisões que possibilitem a otimização da Logística Empresarial. 7- BIBLIOGRAFIA ARNOLD, I. R. Tony Administração de Materiais. 1ª ed São Paulo: Editora Atlas, BALLOU, Ronald H. Logística Empresarial. 1ª ed São Paulo: Editora Atlas, BANZATO, Eduardo et al Atualidades na Armazenagem. 1ª ed São Paulo: Editora IMAN, BOWERSOX, D. J.; CLOSS, D.J. Logística Empresarial: O Processo de Integração da Cadeia de Suprimentos. 1ª ed São Paulo: Editora Atlas, CAIXETA-FILHO, José Vicente & MARTINS, Ricardo Silveira (Org.) Gestão Logística do Transporte de Cargas. 1ª Edição São Paulo: Editora Atlas, CEMIG - COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS. CHING, Hong Yuh Gestão de Estoques na Cadeia de Logística Integrada: Supply Chain. 1ª ed São Paulo: Editora Atlas, CHOPRA, Sunil; MEINDL, Peter Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: Estratégia, Planejamento e Operação. 1ª ed São Paulo: Editora Pearson-Prentice Hall, CHRISTOPHER, Martin Logística e Gerenciamento de Cadeias de Suprimentos: Estratégias para Redução de Custos e Melhoria dos Serviços. São Paulo: Editora Pioneira, CHRISTOPHER, Martin O Marketing da Logística: Otimizando Processos para Aproximar Fornecedores e Clientes. 1ª ed São Paulo: Editora Futura,

19 DIAS, Marco Aurélio P. Administração de Materiais: uma abordagem logística. São Paulo: Editora Atlas, DIAS, Marco Aurélio P. Transportes e Distribuição Física. 1ª Edição São Paulo: Editora Atlas, FIGUEIREDO, Kleber Fossati, FLEURY, Paulo Fernando & WANKE. Peter (Org.) Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: Planejamento do Fluxo de Produtos e dos Recursos. 1ª ed São Paulo: Editora Atlas, FLEURY, Paulo Fernando; WANKE, Peter & FIGUEIREDO, Kleber Fossati (Org.) Logística Empresarial: A Perspectiva Brasileira. 1ª ed São Paulo: Editora Atlas, GASNIER, Daniel Georges A Dinâmica dos Estoques: Guia Prático para Planejamento, Gestão de Materiais e Logística. 1ª ed São Paulo: Editora IMAN, IMAM - INSTITUTO DE MOVIMENTÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, Gerenciamento da Logística e Cadeia de Abastecimento. 1ª ed São Paulo: Editora IMAM, MARTINS, Petrônio Garcia & ALT, Paulo Renato Campos Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais. 1ª ed São Paulo: Editora Saraiva, MOURA, Reinaldo A. Sistemas e Técnicas de Movimentação e Armazenagem de Materiais: Manual de Logística 1. 1ª ed São Paulo: Editora IMAN,1998. PIRES, Silvio R. I. Gestão da Cadeia de Suprimentos: Conceitos, Estratégias, Práticas e Casos. 1ª ed São Paulo: Editora Atlas, Revista CEMIG 35 ANOS. Belo Horizonte: 1987 ROESCH, Sylvia Maria A. Projetos de Estágio e de Pesquisa em Administração. 2ª ed São Paulo: Editora Atlas, VERGARA, Sylvia Constant Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. 1ª ed São Paulo: Editora Atlas, VIANA, João José Administração de Materiais: Um Enfoque prático. 1ª ed São Paulo: Editora Atlas, WANKE, Peter Gestão de e stoques na Cadeia de Suprimentos: Decisões e Modelos Quantitativos. 1ª ed São Paulo: Editora Atlas,

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO INTEGRADA DA LOGISTICA SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI ANNA KAROLINE DINIZ CAMILA MOURA FAVARO FERNANDO DOS ANJOS REINALDO FRANCISCO TIAGO SOUZA

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL MOREIRA, Fabiano Greter (FANOVA) BORGHI, Wagner (FANOVA) INTRODUÇÃO Quando pensamos em produtos para consumo ou matéria prima para industrialização, não importando sua

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

O que é uma Empresa Líder em Logística?

O que é uma Empresa Líder em Logística? 133 O que é uma Empresa Líder em Logística? É aquela que oferece maior agregação de valor aos seus clientes em relação aos seus concorrentes a partir de uma combinação harmônica de práticas logísticas

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Plano Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico Nível

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Por que escolher a Oplay Logística?

Por que escolher a Oplay Logística? Por que escolher a Oplay Logística? Porque a Oplay Logística tem soluções completas e inovadoras que a sua empresa precisa. Porque a Oplay Logística oferece serviços diferenciados desenhados de acordo

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA Plano de Trabalho Docente 2010 ETEC RODRIGUES DE ABREU Ensino Técnico Código: 135 Município: BAURU/SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação: TÉCNICO

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais

Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais Curso Superior de Tecnologia em Logística Disciplina: Gestão de Recursos Materiais e Patrimoniais Professor: Roberto Cézar Datrino Carga horária semanal: 4 h/a

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS.

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. Carolina Salem de OLIVEIRA 1 Cristiane Tarifa NÉSPOLIS 2 Jamile Machado GEA 3 Mayara Meliso

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso SUPERIOR DE TECNOLOGIA

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS.

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. Marcelo ARAUJO (1); Luís Felipe SANTOS (2); Diego SOUSA (3); Wemerton Luis EVANGELISTA (4). 1Graduando do Curso Superior Tecnológico em

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

Processamento de Pedidos na Mira Transportes

Processamento de Pedidos na Mira Transportes Processamento de Pedidos na Mira Transportes Sumário 1 Apresentação da empresa... 3 1.1 Histórico... 3 1.2 Diferenciais... 3 2 Processamento de pedidos: revisão teórica... 4 2.1 Preparação... 4 2.2 Transmissão...

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão da Cadeia

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo.

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CCJE Departamento de Administração Prof. Marcos Paulo Valadares de Oliveira marcos.p.oliveira@ufes.br ADM 2179 - Administração de Materiais - Programa 1 Semestre

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

A Excelência no Supply Chain Management Como Vantagem Competitiva no Mercado Nacional de Flores

A Excelência no Supply Chain Management Como Vantagem Competitiva no Mercado Nacional de Flores A Excelência no Supply Chain Management Como Vantagem Competitiva no Mercado Nacional de Flores Ana Cristina de Oliveira Souza Assunto: Introdução e Conclusão Patrícia Francisca de Souza Assunto: Conceito,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Logística em Agronegócio CÓDIGO: DP 0092 PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 1 03/03/2016 Logística

Leia mais

Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica

Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica 1 Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica Alexandre Valentim 1 Dário Pinto Júnior 2 Fausto Kunioshi 2 Heloisa Nogueira 1 alexandrevalentim@uol.com.br dariompj@yahoo.com.br fausto.kunioshi@csn.com.br

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC. RODRIGUES DE ABREU Código: 135 Município: BAURU/SP Área Profissional: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação:

Leia mais

Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício.

Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício. Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício. Daniel Davi Boff ddboff@gmail.com Unochapecó Moacir Francisco Deimling moacir@unochapeco.edu.br Unochapecó Rodrigo Barichello rodrigo.b@unochapeco.edu.br

Leia mais

CMI Centro de Memória e Informação CMI. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI Centro de Memória e Informação CMI. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Coordenador do Projeto: Endereços para contato: Setor: Data: Gestão de suprimento em instituições

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS O QUE É LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO? LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS Prof., Ph.D.????? DEFINIÇÃO DEFINIÇÃO Logística é o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo eficiente e economicamente eficaz

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial Página 1 de 5. 05/09/2011 ORÇAMENTO BASE ZERO uma ferramenta gerencial para redução de custos e otimização de resultados, distribuição de dividendos e nível de retorno dos investimentos Prof. Ricardo Ferro

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068 Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Programa da Disciplina I Unidade II Unidade Logística Visão geral e funções Suprimentos

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Parte 1 Marcos Benzecry e Paulo Nazário Introdução Desde o início de 2008 o mundo vive a mais grave crise dos últimos 80 anos, uma

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Agilidade, segurança e flexibilidade nos processos são os compromissos da Sistema Informática com seus clientes. Sediada em Criciúma,

Leia mais

MÓDULO IX - CUSTOS. A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão

MÓDULO IX - CUSTOS. A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão MÓDULO IX - CUSTOS A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão 1 Conteúdo Objetivo do custeio Conceito de valor Gestão de Custos versus Gestão Estratégica Componentes básicos de custos

Leia mais

SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA

SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA Amanda Acacia Rodrigues (UNIPAM) amandaacacia.r@gmail.com Andressa Moreira Soares

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO SOBRE O CUSTO DE TRANSPORTE DE CARGAS.

GESTÃO DE CUSTOS LOGÍSTICOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO SOBRE O CUSTO DE TRANSPORTE DE CARGAS. XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A TERCEIRIZAÇÃO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIOS DE CARGA E A REDUÇÃO DO CUSTO AGREGADO À LOGÍSTICA Por: Cristiane de Paula Silva Orientador

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS. Desafios de Supply Chain e Logística. Impacto da Logística nos Resultados do Negócio: O caso Visanet

CICLO DE PALESTRAS. Desafios de Supply Chain e Logística. Impacto da Logística nos Resultados do Negócio: O caso Visanet CICLO DE PALESTRAS Desafios de Supply Chain e Logística Impacto da Logística nos Resultados do Negócio: O caso Visanet AGENDA Breve Apresentação Sergio R. Bio Palestra Inicial Marco Aurélio Ferrari Comentários

Leia mais

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista.

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Romão del Cura Lopéz (OPET) romao_dcl@ig.com.br Rodrigo Perez Guerra (OPET) rodrigoguerra@softall.com.br Mari Regina Anastácio (PUCPR)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 31 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Professor do curso ESAMI

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Curso de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP.

Leia mais

Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício

Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício Análise de terceirização de frota para empresa do ramo alimentício Leonardo Maluta (POLI-USP) leonardo.maluta@poli.usp.br Enrico Barnaba Ferri (POLI-USP) enrico.ferri@poli.usp.br Hugo Yoshizaki (POLI-USP)

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP. Curso Administração

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP. Curso Administração Disciplina: Administração Recursos Materiais e PLANO DE ENSINO - 2 o SEMESTRE/2013 Curso Administração Turno/Horário 3ª Feira 3 o e 4 o h 4ª Feira 3º e 4ºh Professor(a) Nazaré da Silva Dias Ferrão Turma:

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Título: De Olho na Produção

Título: De Olho na Produção Título: De Olho na Produção Resumo O De Olho na Produção trata-se de um sistema inovador de gestão de informação que tem por premissas: projetar a chegada dos vagões até os pontos de carregamento e descarga,

Leia mais