Colecção Algarve PARTE I CARAS&LEILÕES. O Português de D. Manuel I Raridades de Próximo Leilão dia 5 de Julho de 2012 Tiara Park Atlantic Hotel

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Colecção Algarve PARTE I CARAS&LEILÕES. O Português de D. Manuel I Raridades de 2012. Próximo Leilão dia 5 de Julho de 2012 Tiara Park Atlantic Hotel"

Transcrição

1 numisma Revista semestral nº 69 3 MAIO 2012 CARAS&LEILÕES Colecção Algarve PARTE I O Português de D. Manuel I Raridades de 2012 NUMISMA caras & leilões Próximo Leilão dia 5 de Julho de 2012 Tiara Park Atlantic Hotel 1

2 numisma CARAS&LEILÕES Director Javier Sáez Salgado Director Adjunto Jaime Sáez Salgado Chefe de Redacção Ana Miranda Colaboradores José Rodrigues Marinho, Hermínio Santos, José A. Godinho Miranda, Blanca Ramos Jarque, Guilherme Abreu Loureiro Direcção de Arte Ana Miranda Fotografia Manuel Farinha Assistente de Produção Raquel Moura Secretariado Cláudia Leote NUMISMA recebe para o Leilão a realizar no Outono de 2012 moedas raras de ouro, prata e cobre Redacção e Administração Av. da Igreja, 63 C Lisboa Tel.: / Fax: numismaonline.com Impressão Palmigráfica Artes Gráficas, Lda. 2 MAIO 2012

3 EDITORIAL A exposição promete. Tem um título sugestivo: «Signs of Inflation». Mostra a história da inflação desde o século VII antes de Cristo (A.C.) até aos dias de hoje. Inclui quase 200 objectos monetários, desde búzios e notas de banco, até moedas de ouro. Explica o que é a inflação e a razão por que, nesses períodos, algumas moedas e notas cunhadas adquirem um grande simbolismo e significado. Um artigo publicado na revista Newsweek chama-lhe «The Value of Worthless Money» (O valor do dinheiro sem valor). A exposição é organizada pela American Numismatic Society e é possível visitá-la em Nova Iorque, no The Federal Reserve Bank of New York, através de marcação prévia. Certamente que ali estarão muitas raridades e curiosidades da economia mundial, sendo as moedas um símbolo incontornável de prosperidade ou dificuldade. Esse simbolismo está presente na moeda de ouro que a Numisma destaca no seu próximo leilão: o Português. Para os numismatas ela dispensa apresentações. Para os investidores é, mais uma vez, uma oportunidade para apostar no ouro e num valor seguro. Para a História de Portugal, o Português é um dos expoentes máximos do Império. Para a Numisma é mais uma raridade. Desde a sua fundação. em 1976, que a Numisma se assumiu como uma casa de raridades. O caminho para o sucesso começou a ser percorrido há mais de 20 anos quando se realizou o primeiro leilão. Desde a moeda romana até à moeda actual a Numisma sempre se preocupou com a qualidade e raridade dos exemplares em leilão, empenhando-se, com o máximo rigor, na sua classificação. Muitas das moedas que ao longo dos anos foram apresentadas em leilão, poderiam, certamente, figurar numa exposição como a da American Numismatic Society. Javier Sáez Salgado Informações sobre a exposição: NUMISMA caras & leilões 3

4 DESTAQUE A moeda do senhor do mundo Por HERMÍNIO SANTOS Há quase 600 anos Portugal começou a fazer História. A saga começou em 1415, em Ceuta. Expandiu-se em África e o seu primeiro auge foi atingido com as viagens de Vasco da Gama para a Índia. O segundo momento chave foi a descoberta do Brasil que consolidou o estatuto de potência marítima. Portugal tinha a fama e o proveito dos seus feitos alémmar, um rei que se intitulava senhor do mundo e naus a promover o comércio entre a Europa e os continentes africano e asiático. Faltava-lhe um símbolo eterno que projectasse esse poder. Esse símbolo foi o Português, provavelmente a primeira moeda global de todos os tempos. Circulou na Europa e no Oriente e era aceite universalmente como moeda de pagamento. Foi cunhada com o ouro vindo de África, Vasco da Gama levou-a para a Índia e as cidades da liga hanseática, no século XVI, inspiraram-se nela para bater uma moeda com a cruz de Cristo. O Português foi a moeda que simbolizou o poder de um reino e de um rei: D. Manuel I, que reinou entre 25 de Outubro de 1495 e 13 de Dezembro de Sobre a moeda o Português, escreveu Damião de Góis: Mandou lavrar no ano de 1499 os Portugueses de ouro, de 10 cruzados de valor cada um de 24 quilates, que era a mesma lei dos cruzados, os quais Portugueses tinham de uma parte por cunhos a Cruz da Ordem de Cristo, e um letreiro que dizia, IN HOC SIGNO VINCES, e da outra parte tinham o escudo das armas do Reino com uma coroa, e dois letreiros, um na garfilla de fora ao redor que dizia PRIMUS EMANUEL REX PORTUGALIE ALGARBIORUM CITRA VLA RA IN AFRICA DOMINUS GUINEAE, e outro letreiro ao redor das armas que dizia, CONQUISTA, NAVEGAÇÃO, COMÉRCIO, ETHIOPIAE, ARABI AE, PERSIAE, INDIAE. 4 MAIO 2012

5 A moeda do senhor do mundo O Português foi a moeda que simbolizou o poder de um reino e de um rei: D. Manuel I Como recorda Teixeira de Aragão, o monarca juntou aos títulos usados pelos seus antecessores: Senhor da conquista, navegação, commercio, da Ethiopia, Arabia, Persia e India. O Português é considerada a moeda mais representativa do expansionismo nacional. Apresenta, no anverso, em duas legendas envolvendo o escudo coroado, Manuel I, Rei de Portugal e dos Algarves, daquém e além mar em África, Senhor da Guiné, da conquista e navegação e comércio da Etiópia, Arábia, Pérsia e Índia. No reverso, ao centro, a Cruz de Cristo e na orla, a legenda: Com Este Sinal Vencerás. A nível numismático apresenta vários elementos originais. Por exemplo, foi a primeira onde surgiu a Cruz da Ordem de Cristo e D. Manuel I inscreveu os seus novos títulos. Por outro lado, foi uma moeda de grande significado económico, muito apreciada pelo seu peso e toque. Durante cerca de 70 anos foi a maior e mais pesada moeda de ouro cunhada por um país europeu - valia 10 cruzados, ou seja reais e pesava cerca de 35,5 gramas. As primeiras cunhagens do Português terão sido feitas entre 1495 e Um episódio passado com Vasco da Gama na Índia reforça esta teoria. Em 1498, o navegador mandou buscar à sua nau dez moedas de ouro para apresentar a um rei indiano dizendo que se chamavam Portugueses e que cada uma valia 10 dos pequenos cruzados que aquele rei tinha visto nas mãos dos pilotos. A moeda terá sido batida em grandes quantidades já que servia de oferta para as embaixadas e também para assinalar algumas cerimónias especiais. Os exemplares desta moeda que se conhecem distinguem-se pelo seu estilo sóbrio, tamanho e peso, tendo sido batidos num ouro quase puro. Uma das melhores provas é o bem conservado Português que a Numisma levará à praça no seu próximo leilão. Outras moedas de ouro de D. Manuel I, os Cruzados, também prometem ser estrelas principais no mesmo leilão. Um deles, o do Porto, é extremamente raro. O facto de ser uma moeda muito apreciada no estrangeiro ditou o fim dos Portugueses, no reinado de D. João III. Segundo uma publicação do Banco de Portugal, da autoria de Maria Cristina Mota Gomes, já em 1525, nas Cortes de Torres Novas, os procuradores dos concelhos pediram a redução do peso e título das moedas de ouro. A razão era simples: os Portugueses eram desviados para o comércio internacional, NUMISMA caras & leilões 5

6 DESTAQUE A MOEDA DO SENHOR DO MUNDO constituindo causa de grande perda para o reino que em retorno recebia numerário de alto valor nominal e baixo valor intrínseco. A diminuição das entradas de ouro da Mina na Casa da Moeda de Lisboa tornou ainda mais urgente que se tomassem medidas para evitar a saída de moedas de ouro do País. Uma lei de Novembro de 1538 proibiu a cunhagem dos Portugueses, embora se tenham registado três excepções a esta proibição. O rei D. Manuel I aproveitou da melhor maneira todo o trabalho feito por monarcas anteriores, principalmente D. João II, para fazer de Portugal uma potência marítima. Vasco da Gama, com a descoberta do caminho marítimo para a Índia e Pedro Álvares Cabral, que descobriu o Brasil, são os exemplos maiores de uma epopeia que ficou para sempre gravada em monumentos como o O facto de ser uma moeda muito apreciada no estrangeiro ditou o fim dos Portugueses, no reinado de D. João III Mosteiro dos Jerónimos e a Torre de Belém. Criou casas da moeda nos territórios de Goa, Malaca e Cochim e durante o seu reinado as finanças do reino iniciaram um período de prosperidade que duraria até ao início do século XVII. De acordo com a História de Portugal coordenada por Rui Ramos, em 1506 e em as receitas de ouro da Mina, das especiarias asiáticas, do pau-brasil e das ilhas do Atlântico, entre outras, representavam cerca de dois terços das receitas régias, superando em muito as rendas fornecidas pelo próprio reino. Talvez por não necessitar de fundos do reino é que o monarca deixou praticamente de convocar Cortes um dos seus objectivos era solicitar mais dinheiro para a Coroa depois de, no início do seu reinado, as ter convocado várias vezes para discutir problemas de sucessão. 6 MAIO 2012

7 CARAS&LEILÕES Os seis magníficos da Numisma Leilões (em cima) e Cristina de Sousa Moraes muito interessada na leitura de um catálogo (à direita) José Carlos Silva e José Marinho a sorrir para o leiloeiro NUMISMA caras & leilões 7

8 LEILÕES NUMISMA Das terras de Friume à Peça de D. João VI Bastaram três leilões à Numisma para apresentar várias pérolas da numismática portuguesa, desde os tempos dos Romanos até aos últimos monarcas que cunharam ouro Entre Outubro do ano passado e Março deste ano foram a leilão 1497 lotes de moedas, medalhas e uma Cruzeta de Angola. O que atingiu o preço mais elevado foi precisamente o tesouro monetário da Casa de Friume, apresentado no leilão 91, realizado em Março deste ano, constituído por cerca de 400 Denários romanos e que foi à praça com um preço base de euros, tendo sido vendido por Segundo Mário Ramires, num texto publicado em 1954 sobre as moedas encontradas em Friume, o achado verificou-se em termos de vila de Ribeira de Pena, numa propriedade do Exmo. Senhor José Augusto Dias, de Sto. Aleixo, situada no Casal, lugar de Friume, freguesia de Salvador. Uma outra moeda encontrada em Friume, um Áureo romano de ouro, foi à praça no leilão 90, ocorrido em Dezembro de 2011, com um preço inicial de euros. Foi vendido por MAIO 2012

9 LEILÕES NUMISMA A segunda moeda mais valiosa dos últimos três leilões da Numisma foi também em Março. Tratavase de um Tremissis Nandolas cunhado na região onde hoje se situa Gondomar, e um belo exemplar das moedas dos Visigodos que circularam em Portugal, onde este povo chegou a ter 15 casas de cunho. O seu preço de catálogo era e foi arrematado por O leilão incluiu ainda mais três moedas de ouro do tempo dos Visigodos e diversas raridades do tempo da monarquia portuguesa. Em Dezembro do ano passado, a Numisma vendeu duas das suas moedas mais valiosas do semestre: um Terço de Soldo Suevo e um Morabitino, de D. Sancho I ( ), a primeira moeda de ouro portuguesa. Foi vendida no leilão por euros. A moeda Sueva duplicou o seu valor inicial, tendo sido vendida por euros. NUMISMA caras & leilões 9

10 LEILÕES NUMISMA Mas o leilão que gerou mais vendas com valores acima dos euros foi o de Outubro de A que merece maior destaque é o Triente, moeda cunhada pelo rei visigodo Hermenegildo, que reinou entre 579 e 584. Foi à praça com preço inicial de euros e atingiu os A segunda moeda mais cara do leilão foi uma Peça 1820, do reinado de D. João VI ( ) que fez euros tinha um preço inicial de euros. Tal como aconteceu em outros leilões da Numisma, os Dobrões de D. João V também entraram para o top ten dos três leilões realizados entre Outubro e Março. Foi no leilão 89 que dois Dobrões 1724 M atingiram os e os euros. O seu valor base foi e euros, respectivamente. Os 3 últimos Leilões Leilão 91 Moeda de Ouro de Portugal e Brasil Colecção Cascais e Carvalhal II 21 e 22 Março 2012 Lotes 395 Leilão 90 Importante Colecção de Moedas de Ouro de Portugal e Brasil Colecção Carvalhal 14 e 15 Dezembro 2011 Lotes 474 Leilão 89 Colecção Arq. Henrique de Castro Mendia e Arcos de Valdevez II 12 e 13 Outubro 2011 Lotes MAIO 2012

11 CARAS&LEILÕES José Godinho Miranda rodeado de bons amigos (em cima) José Manuel Henriques e seu Pai, José Custódio, atentos ao desenrolar do Leilão (à direita) Javier Salgado a conferenciar com Manuel de Mello NUMISMA caras & leilões 11

12 PUBLICAÇÕES Arte Monetária em Livro Saez Salgado, Javier; Godinho Miranda, José António. Colecção Banco Espírito Santo (Colecção Carlos Marques da Costa) Banco Espírito Santo, Lisboa 2008 Por Miquel Crusafont i Sabater* O Sr. Saez e o amigo e consócio Godinho Miranda foram responsáveis pela apresentação desta monumental Colecção Portuguesa. Os autores tiveram a sorte de que o Banco editor e dono da Colecção não tenha poupado meios do qual resultou um livro esplêndido com excelentes reproduções a cores das moedas e um cuidadoso design gráfico que dá ainda mais brilho à obra. Certamente resulta agradável o facto de poder contemplar as moedas com todo o detalhe e com as suas tonalidades reais, acostumados como estamos ao facto de sempre ter que poupar nas publicações da nossa especialidade. Uma ampla bibliografia apoia a cuidadosa classificação do material. A obra cobre todos os períodos histórico monetário portugueses. Inicia-se com as moedas da Antiguidade de Baessoris, Balsa, Bora, Brutóbriga, Cilpes, Dipo, Ketovion, Ébora, Murtili, e Pax Júlia, estendendo-se imediatamente às moedas Suevas e Visigodas a uma representação das Muçulmanas e a um amplíssimo material Medieval e Moderno, com peças de grande importância e abundância de moedas de ouro. Não faltam as grandes raridades começando pelo Tornêz de Beatriz filha de Fernando I. Os reinados são começados por uma breve introdução histórica achando apenas em falta os pesos dos exemplares. De toda a forma depois de cada reinado faz-se um inventário da correspondência das peças respectivas ao catálogo de referência de Alberto Gomes (2007), com o que se ultrapassa de certa forma esta falta de informação. A Colecção inclui também os territórios coloniais e recolhe igualmente temas complementares como sejam Ensaios Monetários, Contra-marcas, Jetons, Pesos Monetários e Papel Moeda, inclusive de particulares. Estes últimos temas resultam muito difíceis de documentar de forma que apenas este sector já justificava plenamente a obra. Não há dúvida que os editores bem se esforçaram sobretudo para produzir um livro belo onde poderemos desfrutar plenamente de todas as delícias da arte monetária. * Professor Universitário 12 MAIO 2012

13 CARAS&LEILÕES Jesus Vico e alguns ilustres coleccionadores preparam-se para o início do leilão (em cima) Fernando Rocha e Ana Paula Marques da Costa animados com as suas aquisições (à direita) A especial atenção de Carlos Matos e o interesse de Cristiano Bierrenbach pelo IPad (em baixo à esquerda) Carla Mendes e Luis Rodeia com simpatia acedem às solicitações do fotógrafo (em baixo à direita) NUMISMA caras & leilões 13

14 Próximo Leilão 92 Importante Colecção de Moedas de Ouro de Portugal e Brasil Colecção Algarve Parte I CATÁLOGO EM DISTRIBUIÇÃO 14 MAIO 2012

15 5 Julho 2012 Tiara Park Atlantic Hotel Av. da Igreja, 63 C Lisboa Tel / Fax numismaonline.com NUMISMA caras & leilões 15

16 O Conselho Científico da NUMISMA subscreve a filosofia de Bento Morganti «Se não te agradar o estylo, e o methodo, que sigo, terás paciência, porque naõ posso saber o teu genio; mas se lendo encontrares alguns erros, (como pode suceder, que encontres) ficar-tehey em grande obrigação se delles me advertires, para que emendando-os fique o teu gosto mais satisfeito.» Bento Morganti, Nummismalogia, Lisboa, 1737, no Prólogo: «A Quem Ler» 16 MAIO 2012

Newsletter Numisma nº 10 Setembro de 2015

Newsletter Numisma nº 10 Setembro de 2015 Newsletter Numisma nº 10 Setembro de 2015 As palavras e as frases Raridades, Eduard Niepoort, a moeda reproduzida no catálogo, Jorge de Brito, Alexandrino Passos, entre outras são uma constante nos 1345

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA A nível mundial, o primeiro papel moeda surgiu na China, no séc. VII, na dinastia Tang, para facilitar aos comerciantes o transporte de grandes quantidades de moeda de metal,

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

Decreto-Lei nº 104/2005, de 29 de Junho

Decreto-Lei nº 104/2005, de 29 de Junho Decreto-Lei nº 104/2005, de 29 de Junho No âmbito do plano numismático para 2005, é autorizada a cunhagem de cinco moedas de colecção dedicadas a diversas temáticas. Dando seguimento a uma série dedicada

Leia mais

Acta nº 13 Reunião Extraordinária de 31/05/2010

Acta nº 13 Reunião Extraordinária de 31/05/2010 Presidiu a Senhora Presidente da Câmara Municipal, Ana Cristina Ribeiro Vereadores César Manuel Pereira Peixe Maria Margarida Estrela Rodrigues Pombeiro Luís Artur Ribeiro Gomes Jorge Humberto Brardo Burgal

Leia mais

Catarina Bernardina de (...) Cardozo, dos bens que ficaram por falecimento de seu marido e Pai, o Coronel Manuel José Cardozo

Catarina Bernardina de (...) Cardozo, dos bens que ficaram por falecimento de seu marido e Pai, o Coronel Manuel José Cardozo CASA DA BREIA A Casa da Breia situa-se no lugar da Breia, na freguesia de S. Paio de Jolda neste concelho de Arcos de Valdevez. Temos notícias da casa, como propriedade da família, através de um testamento

Leia mais

ANTECEDENTES E EVOLUÇÃO

ANTECEDENTES E EVOLUÇÃO Bandeira Nacional ANTECEDENTES E EVOLUÇÃO 5 D. Afonso Henriques (1143-1185) Segundo a tradição, durante as primeiras lutas pela Independência de Portugal, D. Afonso Henriques teria usado um escudo branco

Leia mais

Cerimónia de Homenagem aos Membros Fundadores. E Entrega de Distinções de Mérito Económico

Cerimónia de Homenagem aos Membros Fundadores. E Entrega de Distinções de Mérito Económico 1 Cerimónia de Homenagem aos Membros Fundadores E Entrega de Distinções de Mérito Económico Sala dos Presidentes da Associação Industrial Portuguesa Lisboa, 14 de Outubro de 2010 Celebramos hoje os primeiros

Leia mais

Oficinas Pedagógicas: Mosteiro dos Jerónimos. Ateliê "Animais do Mundo" (Pré-escolar) - 48 alunos:

Oficinas Pedagógicas: Mosteiro dos Jerónimos. Ateliê Animais do Mundo (Pré-escolar) - 48 alunos: Oficinas Pedagógicas: Mosteiro dos Jerónimos Ateliê "Animais do Mundo" (Pré-escolar) - 48 alunos: Era uma vez um rei chamado Manuel I que gostava de animais... Através da história deste Mosteiro, iremos

Leia mais

Dia da bandeira Tá na cara que é orgulho

Dia da bandeira Tá na cara que é orgulho Dia da bandeira Tá na cara que é orgulho 19 de novembro Hino à Bandeira Música de Francisco Braga Letra de Olavo Bilac Apresentado pela primeira vez em 15 de agosto de 1906 (Extraído do livro Bandeira

Leia mais

PORTUGAL E OS DESCOBRIMENTOS NA MAXIMAFILIA

PORTUGAL E OS DESCOBRIMENTOS NA MAXIMAFILIA A. EURICO CARLOS ESTEVES LAGE CARDOSO PORTUGAL E OS DESCOBRIMENTOS NA MAXIMAFILIA EDIÇÃO DO AUTOR LISBOA 1998 ÍNDICE A - CAUSAS PARTICULARES DA EXPANSÃO MARÍTIMA.. 7 1. Situação Geográfica e Política do

Leia mais

Decreto-Lei nº 130/2004, de 3 de Junho

Decreto-Lei nº 130/2004, de 3 de Junho Decreto-Lei nº 130/2004, de 3 de Junho No âmbito do plano numismático para o ano 2004 são cunhadas quatro moedas de colecção dedicadas às seguintes temáticas: o património mundial classificado pela UNESCO

Leia mais

ATIVIDADES DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D

ATIVIDADES DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D Nome: n.º 3ª série Barueri, / / 2009 Disciplina: ESTUDOS SOCIAIS 2ª POSTAGEM ATIVIDADES DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D QUEM DESCOBRIU O BRASIL? Foi Pedro Álvares Cabral no dia 22 de abril de 1500!

Leia mais

Senhor Presidente da Distrital de Lisboa do PSD. Senhora Secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade

Senhor Presidente da Distrital de Lisboa do PSD. Senhora Secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade Exmos. Senhor Presidente da Distrital de Lisboa do PSD Senhora Secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente da UGC Cara Coordenadora do

Leia mais

Na entrega dos diplomas de mestrado no Lubango (Angola)

Na entrega dos diplomas de mestrado no Lubango (Angola) Na entrega dos diplomas de mestrado no Lubango (Angola) Senhor Governador da Huíla Senhor Reitor da Universidade Agostinho Neto Senhor Reitor da Universidade Mandume Ya Ndemufayo Senhor Vice-Reitor da

Leia mais

Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil.

Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil. FL 46 ACTA DE / /20 Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil. Acta º12 --------Aos vinte e quatro dias do mês

Leia mais

Câmara Municipal do Concelho de Caminha

Câmara Municipal do Concelho de Caminha 1 ACTA NÚMERO 99/05-09 DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE CAMINHA REALIZADA NO DIA QUATRO DE MAIO DO ANO DOIS MIL E NOVE Aos quatro dias do mês de Maio do ano dois mil e nove, na Galeria

Leia mais

A Direção Municipal da Cultura dispõe de um conjunto de exposições e de apresentações multimédia, sobre diversos temas, que poderá disponibilizar

A Direção Municipal da Cultura dispõe de um conjunto de exposições e de apresentações multimédia, sobre diversos temas, que poderá disponibilizar A Direção Municipal da Cultura dispõe de um conjunto de exposições e de apresentações multimédia, sobre diversos temas, que poderá disponibilizar através de empréstimo, a instituições, nomeadamente, de

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE MUNICÍPIO DE ALCOCHETE ASSEMBLEIA MUNICIPAL N.º 05/08 ACTA DA SESSÃO EXTRAORDINÁRIA DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL REALIZADA EM 19 DE NOVEMBRO DE 2008 1 Aos dezanove dias do mês de Novembro do ano de 2008, nesta

Leia mais

---ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA NÚMERO VINTE E UM.-- ---VINTE E UM DE MAIO DE DOIS MIL E UM. ---------

---ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA NÚMERO VINTE E UM.-- ---VINTE E UM DE MAIO DE DOIS MIL E UM. --------- ---ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA NÚMERO VINTE E UM.-- ---VINTE E UM DE MAIO DE DOIS MIL E UM. --------- ---No dia vinte e um de Maio de dois mil e um, nesta Vila de Estarreja, Edifício dos Paços do Concelho,

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

Beleza. Tá certo. Aleluia. Gloria a Deus e amem. Você está certo e vou fazer tudo o que você está falando. Domingo está chegando e lá na igreja vou

Beleza. Tá certo. Aleluia. Gloria a Deus e amem. Você está certo e vou fazer tudo o que você está falando. Domingo está chegando e lá na igreja vou Consultoria LOG Eu não sei porque cada um de vocês trabalha e está aqui hoje. Se por dinheiro? Se porque está fazendo o que gosta? Se os seus pais não te querem em casa? Até mesmo se você não tem nada

Leia mais

Exmos. Senhores Membros do Governo (Sr. Ministro da Saúde - Prof. Correia de Campos e Sr. Secretário de Estado da Saúde -Dr.

Exmos. Senhores Membros do Governo (Sr. Ministro da Saúde - Prof. Correia de Campos e Sr. Secretário de Estado da Saúde -Dr. Exmos. Senhores Membros do Governo (Sr. Ministro da Saúde - Prof. Correia de Campos e Sr. Secretário de Estado da Saúde -Dr. Francisco Ramos) Ex.mo Senhor Presidente da Comissão Parlamentar da Saúde, representado

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09 INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino Cerimónia de Abertura do WTPF-09 Centro de Congressos de Lisboa, 22 de Abril de 2009 (vale a versão

Leia mais

Ferreira Barros & Filhos, Lda.

Ferreira Barros & Filhos, Lda. Ferreira Barros & Filhos, Lda. Metalomecânica & Manutenção Indústrial O sucesso comercial de uma empresa está efetivamente ligado a um plano estratégico que ajuda os clientes a alcançar a excelência, a

Leia mais

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA NOME OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA ESTABELEÇO RELAÇÕES DE PARENTESCO : avós, pais, irmãos, tios, sobrinhos Quem pertence à nossa família? Observa as seguintes imagens. Como podes observar, nas imagens estão

Leia mais

Acta n.º 13/2010 de 19/05/2010

Acta n.º 13/2010 de 19/05/2010 ------------------------------------- ACTA N.º 13/2010 -------------------------------------- -------- Aos 19 dias do mês de Maio de 2010, pelas 10 horas, no Salão Nobre dos Paços do Município de Celorico

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

ACTA N.º 57/2003 Reunião ordinária do dia 2003.12.15

ACTA N.º 57/2003 Reunião ordinária do dia 2003.12.15 ----------Aos quinze dias do mês de Dezembro do ano dois mil e três, nesta vila de Bombarral e salão nobre do edifício dos Paços do Município, realizou-se uma reunião ordinária da Câmara Municipal de Bombarral,

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 7

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 7 Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 Unidade 7 Nome: Data: 1. Leia o trecho a seguir e faça o que se pede. Depois de estabelecer colônias na África e chegar à Índia e à América, os navegadores

Leia mais

ACTA N.º 07/2010 REUNIÃO ORDINÁRIA DE 06/07/2010

ACTA N.º 07/2010 REUNIÃO ORDINÁRIA DE 06/07/2010 ACTA N.º 07/2010 REUNIÃO ORDINÁRIA DE 06/07/2010 Nos Termos do art.º 91.º da Lei nº.169/99, de 18/09, as actas são publicitadas na íntegra, mediante edital afixado durante 5 dos 10 dias subsequentes à

Leia mais

A lenda do café. Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos)

A lenda do café. Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos) A lenda do café Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos) Provavelmente já se questionou como é que o café foi descoberto. A história parece ser universal, já que tudo aponta para a Lenda de Kaldi,

Leia mais

AS NOSSAS EMBARCAÇÕES

AS NOSSAS EMBARCAÇÕES Trabalho de Projecto AS NOSSAS EMBARCAÇÕES Disciplinas intervenientes: Língua Portuguesa, Língua Estrangeira, História e Geografia de Portugal, Educação Visual e Tecnológica. Tópicos que podem ser tratados

Leia mais

EXPOSIÇÃO DOSSIER CANTANHEDE

EXPOSIÇÃO DOSSIER CANTANHEDE EXPOSIÇÃO DOSSIER CANTANHEDE 2015 Pedras na Praça: arte pública de João Cutileiro A arte pública intervém cidade e no seu conjunto envolvente sob perspectivas culturais, políticas, sociais e cívicas. Hoje

Leia mais

Novos hotéis de 5 estrelas quadruplicaram em três anos

Novos hotéis de 5 estrelas quadruplicaram em três anos Algarve qualifica oferta turística Novos hotéis de 5 estrelas quadruplicaram em três anos Nos últimos três anos, o número de hotéis de cinco estrelas no Algarve cresceu quatro vezes mais do que no triénio

Leia mais

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80 6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º Valor: 80 1. A invasão holandesa no Nordeste brasileiro, ao longo do século XVII, está relacionada com a exploração de um produto trazido para o Brasil pelos portugueses. Que

Leia mais

Salão Nobre dos Paços do Concelho. Reunião Ordinária de 24-07-2013. Acta nº 14

Salão Nobre dos Paços do Concelho. Reunião Ordinária de 24-07-2013. Acta nº 14 Página 1 Salão Nobre dos Paços do Concelho Reunião Ordinária de 24-07-2013 Acta nº 14 Membros da Cargo P/F/S António Rui Esteves Solheiro Presidente da F Manoel Batista Calçada Pombal Vereador P Maria

Leia mais

Acesso à Certidão Permanente Certidão Permanente de Registos Voltar Sair Certidão Permanente Código de acesso: 7011-1542-2878 A entrega deste código a qualquer entidade pública ou privada dispensa a apresentação

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 1. Conjuntura: estabilidade macro económica reforçada 3º Trimestre de 2013 A informação disponível para caracterizar o desempenho da economia de Angola no 3º trimestre de 2013

Leia mais

Terça-feira, 5 de Maio de 2015 I Série A Número 2. da Assembleia Nacional REUNIÃO DA 3.ª COMISSÃO ESPECIALIZADA PERMANENTE DE 4 DE MAIO DE 2015

Terça-feira, 5 de Maio de 2015 I Série A Número 2. da Assembleia Nacional REUNIÃO DA 3.ª COMISSÃO ESPECIALIZADA PERMANENTE DE 4 DE MAIO DE 2015 Terça-feira, 5 de Maio de 2015 I Série A Número 2 DIÁRIO da Assembleia Nacional X LEGISLATURA (2014-2018) 2.ª SESSÃO LEGISLATIVA REUNIÃO DA 3.ª COMISSÃO ESPECIALIZADA PERMANENTE DE 4 DE MAIO DE 2015 Presidente:

Leia mais

COMÉRCIO, TURISMO E ARRENDAMENTO OS DÍNAMOS DA REABILITAÇÃO URBANA

COMÉRCIO, TURISMO E ARRENDAMENTO OS DÍNAMOS DA REABILITAÇÃO URBANA COMÉRCIO, TURISMO E ARRENDAMENTO OS DÍNAMOS DA REABILITAÇÃO URBANA 23 de Outubro 14h30 Comércio, Turismo e Arrendamento. Os Dínamos da Reabilitação Urbana VIVERA REABI LITAÇÃO DE 23 A 25 OUTUBRO 2014 BRAGA

Leia mais

A História de azzeittum

A História de azzeittum A História de azzeittum Azeitão é palavra derivada de azzeittum, vocábulo de origem árabe, que refere os extensos olivais encontrados quando aquele povo chegou a esta região. A primeira delimitação que

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Acta N.º 45/07 Página 1 de 6 Reunião da CMF realizada em 20/12

Acta N.º 45/07 Página 1 de 6 Reunião da CMF realizada em 20/12 -----------------------------ACTA NÚMERO 45/2007----------------------------------- REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DO FUNCHAL, REALIZADA EM VINTE DE DEZEMBRO DO ANO DOIS MIL E SETE.---------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

MESA DA ASSEMBLEIA MU ICIPAL

MESA DA ASSEMBLEIA MU ICIPAL MESA DA ASSEMBLEIA MU ICIPAL ASSEMBLEIA MUNICIPAL * Ruas das Indústrias, 393 * 4786-909 TROFA * Telefone 252 409290 / Fax 252 409299 * E-mail: mesamunicipal@mun-trofa.pt DATA DA REUNIÃO: AOS VINTE E SEIS

Leia mais

Texto: Patricia Lins Ilustrações: Isac Kosminsky e Juliana Santos

Texto: Patricia Lins Ilustrações: Isac Kosminsky e Juliana Santos Texto: Patricia Lins Ilustrações: Isac Kosminsky e Juliana Santos Texto: Patricia Lins Ilustrações: Isac Kosminsky e Juliana Santos Salvador, BA - 2015 Copyright 2015 by Patricia Lins Ilustradores: Isac

Leia mais

REGULAMENTO PARTICULAR

REGULAMENTO PARTICULAR REGULAMENTO PARTICULAR 06 e 07 Novembro 2010 Visa FPAK Nº. : 1 ORGANIZAÇÃO A.C.P. COMISSÃO ORGANIZADORA Carlos Barbosa António Mocho João Torrado DIRECTOR DE PROVA Vasco Corrêa Mendes Lic. Desp. Nº 2557

Leia mais

ACORDO ADMINISTRATIVO RELATIVO À APLICAÇÃO DA CONVENÇÃO SOBRE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DO CHILE

ACORDO ADMINISTRATIVO RELATIVO À APLICAÇÃO DA CONVENÇÃO SOBRE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DO CHILE Decreto n.º 57/99 Acordo Administrativo Relativo à Aplicação da Convenção sobre Segurança Social entre a República Portuguesa e a República do Chile, assinado em Lisboa em 25 de Março de 1999 Nos termos

Leia mais

ESTATÍSTICAS, O ABECEDÁRIO DO FUTURO

ESTATÍSTICAS, O ABECEDÁRIO DO FUTURO ESTATÍSTICAS, O ABECEDÁRIO DO FUTURO Maria João Valente Rosa Membro do Conselho Superior de Estatística; Professora Universitária da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/ Universidade Nova de Lisboa;

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE O CONTROLO INTERNO DE CONSUMÍVEIS, MATÉRIAS E PRODUTOS ACABADOS E PROGRAMA DE GESTÃO DE STOCKS

RELATÓRIO SOBRE O CONTROLO INTERNO DE CONSUMÍVEIS, MATÉRIAS E PRODUTOS ACABADOS E PROGRAMA DE GESTÃO DE STOCKS Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte RELATÓRIO SOBRE O CONTROLO INTERNO DE CONSUMÍVEIS, MATÉRIAS E PRODUTOS ACABADOS E PROGRAMA DE GESTÃO DE STOCKS Trabalho efectuado ao abrigo do Plano de

Leia mais

PRESENÇAS E FALTAS -----------------------------------------------------------------------------------

PRESENÇAS E FALTAS ----------------------------------------------------------------------------------- DATA DA REUNIÃO: AOS SETE DIAS DO MÊS DE DEZEMBRO DO ANO DE DOIS MIL E CINCO. ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- LOCAL

Leia mais

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Português A2 Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Direção de Serviços de Língua e Cultura Composição Gráfica: Centro Virtual Camões

Leia mais

A Toponímia da Freguesia de Ourique. Henrique Figueira Vitor Encarnação Valter Bento

A Toponímia da Freguesia de Ourique. Henrique Figueira Vitor Encarnação Valter Bento A Toponímia da Freguesia de Ourique Henrique Figueira Vitor Encarnação Valter Bento Edição ORIK - Associação de Defesa do Património de Ourique Texto Henrique Figueira e Vítor Encarnação Fotografia Valter

Leia mais

Ata N.º 3 /16 Página 1 de 8 Reunião da CMF realizada em 21/01

Ata N.º 3 /16 Página 1 de 8 Reunião da CMF realizada em 21/01 -----------------------------ATA NÚMERO 3/2016------------------------------------- REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DO FUNCHAL, REALIZADA EM VINTE E UM DE JANEIRO DO ANO DOIS MIL E DEZASSEIS.------------------------------------------------------------------

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MINERAÇÃO NO COMPORTAMENTO POLÍTICO NOS MUNICÍPIOS DO CIRCUITO TURÍSTICO DO OURO Fernando Guimarães Esteves Ottoni 1

A INFLUÊNCIA DA MINERAÇÃO NO COMPORTAMENTO POLÍTICO NOS MUNICÍPIOS DO CIRCUITO TURÍSTICO DO OURO Fernando Guimarães Esteves Ottoni 1 A INFLUÊNCIA DA MINERAÇÃO NO COMPORTAMENTO POLÍTICO NOS MUNICÍPIOS DO CIRCUITO TURÍSTICO DO OURO Fernando Guimarães Esteves Ottoni 1 RESUMO A mineração marcou a história de Minas Gerais e até hoje se apresenta

Leia mais

Associação Casa Veva de Lima

Associação Casa Veva de Lima 1 1 é Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa (1968/72). Tem o Curso de especialização em Ciências Documentais da Faculdade de Letras de Lisboa, vertente de arquivos (1988/89). É Magistrado judicial;

Leia mais

ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE BELMONTE, REALIZADA NO DIA SEIS DE AGOSTO DE DOIS MIL E QUINZE

ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE BELMONTE, REALIZADA NO DIA SEIS DE AGOSTO DE DOIS MIL E QUINZE 06-08-2015 131 Acta número quinze ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE BELMONTE, REALIZADA NO DIA SEIS DE AGOSTO DE DOIS MIL E QUINZE Aos seis dias do mês de Agosto do ano dois mil e quinze,

Leia mais

-----------NORMAS DE ATRIBUIÇÃO DA CHAVE DA CIDADE E MEDALHA MUNICIPAL: - Pelo Sr. Presidente foi apresentada a seguinte proposta:...

-----------NORMAS DE ATRIBUIÇÃO DA CHAVE DA CIDADE E MEDALHA MUNICIPAL: - Pelo Sr. Presidente foi apresentada a seguinte proposta:... -----------NORMAS DE ATRIBUIÇÃO DA CHAVE DA CIDADE E MEDALHA MUNICIPAL: - Pelo Sr. Presidente foi apresentada a seguinte proposta:... ----------- PREÂMBULO... -----------A Câmara Municipal de Bragança,

Leia mais

Tendo em vista: Que as Partes desejam criar uma nova estrutura de cooperação, mais ampla, em benefício dos Países Beneficiários;

Tendo em vista: Que as Partes desejam criar uma nova estrutura de cooperação, mais ampla, em benefício dos Países Beneficiários; Decreto n.º 13/99 Convénio entre o Governo de Portugal e o Banco Interamericano de Desenvolvimento com o Propósito de Estabelecer Um Fundo Português de Cooperação Técnica, assinado em Washington, em 5

Leia mais

500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV

500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV 500 anos: O Brasil- Um novo mundo na TV Episódio 3: Encontro no além-mar Resumo A série discute temas históricos, alternando a narrativa com encenações de bonecos animados que resgatam o contexto da época

Leia mais

Experiências Algarve Nature Week

Experiências Algarve Nature Week Experiências Algarve Nature Week Passeios todo-o-terreno Algarve Discovery Jeep Trip Low Cost Passeio de jipe até à Fóia, com visita ao Parque da Mina. Vistas maravilhosas, numa experiência inesquecível.

Leia mais

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE LOUSA ACTA N.º 01/2007

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE LOUSA ACTA N.º 01/2007 1/8 ACTA N.º 01/2007 Aos dezanove dias do mês de Abril de dois mil e sete, pelas vinte horas e trinta minutos reuniu, em Sessão Ordinária, a Assembleia de Freguesia de Lousa, no salão anexo à Junta de

Leia mais

A reforma metrológica nas Ordenações Manuelinas. 17 de Dezembro A Reforma Metrológica nas Ordenações Manuelinas

A reforma metrológica nas Ordenações Manuelinas. 17 de Dezembro A Reforma Metrológica nas Ordenações Manuelinas A reforma metrológica nas Ordenações Manuelinas 1 Sumário: Contexto e antecedentes A reforma metrológica A reforma dos pesos As outras medidas Os padrões nacionais O controlo metrológico A evolução até

Leia mais

NOTAS PARA A HISTORIA DOS PILOTOS EM PORTUGAL

NOTAS PARA A HISTORIA DOS PILOTOS EM PORTUGAL ISSN 0870-6735 CENTRO DE ESTUDOS DE HISTÓRIA E CARTOGRAFIA ANTIGA SÉRIE SEPARATAS 231 NOTAS PARA A HISTORIA DOS PILOTOS EM PORTUGAL POR MARIA EMILIA MADEIRA SANTOS INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR?

A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR? A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR? Esse texto é um dos mais preciosos sobre Davi. Ao fim de sua vida,

Leia mais

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Turismo Ex.mo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma, dos Açores Com a intenção de contrariar a desertificação, fenómeno preocupante nas ilhas pequenas com especial incidência na

Leia mais

A crise e as escolhas políticas em saúde 17 Adalberto Campos Fernandes. O ajustamento sem bússola 25 Alberto Regueira

A crise e as escolhas políticas em saúde 17 Adalberto Campos Fernandes. O ajustamento sem bússola 25 Alberto Regueira Um Projecto Nacional: A avaliação da Troika 11 Eduardo Paz Ferreira A crise e as escolhas políticas em saúde 17 Adalberto Campos Fernandes O ajustamento sem bússola 25 Alberto Regueira O resgate da Pátria

Leia mais

Acta n.º 6 /2006 de 22/03/2006

Acta n.º 6 /2006 de 22/03/2006 -----------------------------------ACTA N.º 6/2006 ------------------------------------------ --------Aos vinte e dois dias do mês de Março de dois mil e seis, pelas quinze horas, no Salão Nobre dos Paços

Leia mais

MEU BRASIL BRASILEIRO. Fui ao Brasil pela primeira vez para assistir ao Carnaval. do Rio. Era o tempo de Salazar em Portugal e em que se falava

MEU BRASIL BRASILEIRO. Fui ao Brasil pela primeira vez para assistir ao Carnaval. do Rio. Era o tempo de Salazar em Portugal e em que se falava MEU BRASIL BRASILEIRO por Mário Soares Fui ao Brasil pela primeira vez para assistir ao Carnaval do Rio. Era o tempo de Salazar em Portugal e em que se falava ainda de Getúlio Vargas no Brasil. Tempos

Leia mais

Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos Mosteiro dos Jerónimos Guia de visita dos 6 aos 12 anos Serviço Educativo do Mosteiro dos Jerónimos/ Torre de Belém Bem-vindo ao Mosteiro dos Jerónimos A tua visita de estudo começa logo no Exterior do

Leia mais

Visita ao Castelo de Silves

Visita ao Castelo de Silves Sábado, 5 outubro 2013 museu municipal de n.º 101 faro uma ponte para a comunidade m l a as fe s tó com rias Visita ao Castelo de Silves Olá amiguinhos! O Famílias com Estórias está de volta depois de

Leia mais

Recenseamento Geral da População e Habitação 2014

Recenseamento Geral da População e Habitação 2014 Census 2014 Angola Informação Geral:- Recenseamento Geral da População e Habitação 2014 A República de Angola vai efectuar, de 16 a 31 de Maio de 2014, o Recenseamento Geral da População e Habitação, aquela

Leia mais

I Reunião de Ministros das Finanças da CPLP Lisboa, 29 de Junho 2009. Informações úteis

I Reunião de Ministros das Finanças da CPLP Lisboa, 29 de Junho 2009. Informações úteis I Reunião de Ministros das Finanças da CPLP Lisboa, 29 de Junho 2009 Informações úteis Centro dos Media O Centro dos Media está instalado no Ministério das Finanças e da Administração Pública (MFAP), Av.

Leia mais

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL 1. Analise os quesitos a seguir e assinale, nos itens I e II, a única opção correta: (1,0 ponto) I. Observe a tirinha do Hagar e o texto de Alberto Caeiro: Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode

Leia mais

CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA

CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA Instituição Particular de Solidariedade Social Pessoa Colectiva de Utilidade Pública Fundada a 8 de Agosto de 1995 FUNDAÇÃO A ideia nasce através de um grupo de amigos

Leia mais

A história do açúcar

A história do açúcar A história do açúcar Século VI a.c. O berço de uma cana muito doce Antes de existir o açúcar, tal como o conhecemos hoje, existiam apenas duas fontes de sabor doce no mundo: o mel e a cana-de-açúcar. No

Leia mais

O Presidente da República Portuguesa, S. Ex.ª o Sr. Prof. Francisco de Paula Leite Pinto, presidente da Junta de Energia Nuclear; e

O Presidente da República Portuguesa, S. Ex.ª o Sr. Prof. Francisco de Paula Leite Pinto, presidente da Junta de Energia Nuclear; e Decreto-Lei n.º 46907 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo dos Estados Unidos do Brasil para a cooperação na utilização da energia nuclear para fins pacíficos, assinado na cidade

Leia mais

Guia de Codificação. Projeto de Leitura Online

Guia de Codificação. Projeto de Leitura Online Guia de Codificação Projeto de Leitura Online A AVENTURA DOS DESCOBRIMENTOS Processo Localizar e retirar informação explícita Itens de seleção Escolha múltipla (1 ponto) Associação (1 ponto) Itens de construção

Leia mais

Junta de Freguesia da Marinha Grande ACTA NÚMERO DOIS

Junta de Freguesia da Marinha Grande ACTA NÚMERO DOIS ACTA NÚMERO DOIS Aos vinte e um dias do mês Janeiro de dois mil e dez, pelas vinte e uma horas e quarenta e cinco minutos, deu-se início à reunião ordinária do Executivo da Junta de Freguesia, sob a presidência

Leia mais

EsoAuction - Nova Proposta. Proposta

EsoAuction - Nova Proposta. Proposta Clique aqui com o botão direito do rato para transferir imagens. Para ajudar a proteger a sua privacidade, o Outloo k impediu a transferência auto mática desta imagem a De: esoauction

Leia mais

«FRANCISCO VIEIRA MACHADO»

«FRANCISCO VIEIRA MACHADO» «FRANCISCO VIEIRA MACHADO» O ilustre Governador do BNU Francisco Vieira Machado foi um dos mais ilustres políticos e banqueiros do tempo do Estado Novo. De entre a sua vasta biografia destaca-se a sua

Leia mais

(Só faz fé a versão proferida)

(Só faz fé a versão proferida) Exmo. Senhor Presidente do Centro Desportivo e Cultural de Londres, Exmo. Senhor Embaixador, Exmo. Senhor Cônsul Geral, Exmo. Senhor Adido Social, Exmo. Senhor Conselheiro das Comunidades Madeirenses,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 10 RELAÇÕES DIPLOMÁTICAS AGRADECIMENTO

Leia mais

2 Grupos com Necessidades Especiais Programa de actividades criadas para grupos com necessidades educativas especiais. 3 Passaporte Escolar

2 Grupos com Necessidades Especiais Programa de actividades criadas para grupos com necessidades educativas especiais. 3 Passaporte Escolar ACTIVIDADES 2014-2015 Público Escolar de Actividades 2014-2015 Actividades de Ano Lectivo de actividades desenvolvidas de acordo com os objectivos preconizados nos programas escolares em vigor para cada

Leia mais

Sumário. UMA LEITURA DA RELAÇÃO DA VIAGEM DE VASCO DA GAMA, ATRIBUÍDA A ÁLVARO VELHO Ana Paula Pedroso Fernandes 11

Sumário. UMA LEITURA DA RELAÇÃO DA VIAGEM DE VASCO DA GAMA, ATRIBUÍDA A ÁLVARO VELHO Ana Paula Pedroso Fernandes 11 Sumário NOTA INTRODUTÓRIA 7 UMA LEITURA DA RELAÇÃO DA VIAGEM DE VASCO DA GAMA, ATRIBUÍDA A ÁLVARO VELHO Ana Paula Pedroso Fernandes 11 A CARTA DE CAMINHA NA LITERATURA E NA PINTURA DO BRASIL E DE PORTUGAL:

Leia mais

M U N I C Í P I O D E S Á T Ã O

M U N I C Í P I O D E S Á T Ã O DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÁTÃO REALIZADA NO DIA 17-04-2015 PRESENTES ATA Nº. 8/2015 PRESIDENTE VEREADORES Alexandre Vaz Zélia Silva Rosa Carvalho Fernando Gomes Catarina Almeida Silvério

Leia mais

Roteiro semanal. 3º ano Matutino. Entregue o seu caminho ao Senhor, confie Nele, e Ele agirá. (Salmo 37:5) Segunda-feira 23/03/2015

Roteiro semanal. 3º ano Matutino. Entregue o seu caminho ao Senhor, confie Nele, e Ele agirá. (Salmo 37:5) Segunda-feira 23/03/2015 Roteiro semanal 3º ano Matutino De 23 a 27 de março Colégio Guilherme Ramos. Goiânia, 23 de março de 2015. Professora: Nome: Segunda-feira 23/03/2015 Matemática - no caderno 1 - O diagrama a seguir possibilita

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Sessão Pública: Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento Auditório Novo da Assembleia da República 19 de Janeiro de 2011 Apresentação Pública do Exame

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO Passatempo de casa do programa NÃO HÁ BELA SEM JOÃO

REGULAMENTO CONCURSO Passatempo de casa do programa NÃO HÁ BELA SEM JOÃO REGULAMENTO CONCURSO Passatempo de casa do programa NÃO HÁ BELA SEM JOÃO 1. OBJECTIVOS. 1.1. O passatempo de casa do programa NÃO HÁ BELA SEM JOÃO é um concurso publicitário que decorre no programa NÃO

Leia mais

Cálculo judicial - conceitos

Cálculo judicial - conceitos Cálculo judicial - conceitos Moeda, correção monetária, índices, juros Ministrante: Terushi Kawano Diretor do Núcleo de Contadoria Origem e evolução da moeda: Escambo Moeda-Mercadoria Metal Moeda em forma

Leia mais

ANÁLISE DO MERCADO DE REMESSAS PORTUGAL/BRASIL

ANÁLISE DO MERCADO DE REMESSAS PORTUGAL/BRASIL Banco Interamericano de Desenvolvimento Fundo Multilateral de Investimentos Financiado pelo Fundo Português de Cooperação Técnica ANÁLISE DO MERCADO DE REMESSAS PORTUGAL/BRASIL SUMÁRIO EXECUTIVO Equipa

Leia mais

Caderno Sistemas Totobola II

Caderno Sistemas Totobola II J rnal 1X2 1X2 INTERNET - http://www.jornal1x2.com SEMANÁRIO DO APOSTADOR Director: Joaquim Rosa da Silva Director-adjunto: Rui Santos ANO XXXIV - EDIÇÃO ESPECIAL Caderno Sistemas Totobola II Condicionados

Leia mais

Strategic Public Relations

Strategic Public Relations www.iirangola.com MASTERCLASS Estratégias, Gestão e Avaliação de Relações Públicas & Assessoria de Imprensa Strategic Public Relations O que vai conseguir assistindo a este evento de alto nível? Um conhecimento

Leia mais

ALCATEIA ACAGRUP 2014 - SIERRA NORTE - MADRID - ESPANHA PARTICIPANTES: 26 60% INCIDÊNCIA NO GRUPO 20%

ALCATEIA ACAGRUP 2014 - SIERRA NORTE - MADRID - ESPANHA PARTICIPANTES: 26 60% INCIDÊNCIA NO GRUPO 20% ALCATEIA Sec NIN NOME NIN NOME Lob 1215050143005 Alice Neto Santos Nascimento 1215050143015 Afonso da Fonseca Machado Lob 1215050143010 Amélia Maria Mesquita Aleixo Alves 1115050143010 Afonso Jesus Dias

Leia mais

Instituto Português de Reumatologia

Instituto Português de Reumatologia I 28 29 Novembro 2013 NOVO LOCAL EPIC SANA LISBOA HOTEL AMOREIRAS Programa Provisório I Presidente das Jornadas José Vaz Patto Comissão Organizadora Presidente Ana Assunção Teixeira Coordenadora Maria

Leia mais

UMA REVISTA EDITADA PELA GERIL INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LDA. www.pessoas.com.pt

UMA REVISTA EDITADA PELA GERIL INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LDA. www.pessoas.com.pt UMA REVISTA EDITADA PELA GERIL INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LDA. www.pessoas.com.pt Bem-vindo a um mundo de estilo e comodidade. O Edifício Fernando Pessoa, no Parque das Nações, oferece-lhe a possibilidade

Leia mais

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE O início da mineração no Brasil; Mudanças sociais e econômicas; Atuação da Coroa portuguesa na região mineira; Revoltas ocorridas pela exploração aurífera;

Leia mais

SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12

SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12 SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12 A SALVAÇÃO É A PRÓPRIA PESSOA DE JESUS CRISTO! VOCÊ SABE QUAL É O ENDEREÇO DE JESUS! MAS ISSO É SUFICIENTE? Conhecer o endereço de Jesus, não lhe garantirá

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 126/VIII REELEVAÇÃO DE ANÇÃ À CATEGORIA DE VILA. I - Introdução

PROJECTO DE LEI N.º 126/VIII REELEVAÇÃO DE ANÇÃ À CATEGORIA DE VILA. I - Introdução PROJECTO DE LEI N.º 126/VIII REELEVAÇÃO DE ANÇÃ À CATEGORIA DE VILA I - Introdução A freguesia de Ançã foi outrora sede do município do mesmo nome, provavelmente desde a segunda metade do século XIV, usufruindo

Leia mais