A reforma metrológica nas Ordenações Manuelinas. 17 de Dezembro A Reforma Metrológica nas Ordenações Manuelinas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A reforma metrológica nas Ordenações Manuelinas. 17 de Dezembro A Reforma Metrológica nas Ordenações Manuelinas"

Transcrição

1 A reforma metrológica nas Ordenações Manuelinas 1

2 Sumário: Contexto e antecedentes A reforma metrológica A reforma dos pesos As outras medidas Os padrões nacionais O controlo metrológico A evolução até

3 Contexto e antecedentes Situação no tempo de D. João II: Existiam diversos centros de aferição, cada um com seus padrões (D. Afonso V tinha permitido 6 centros em 1455) Os sistemas de pesos usados para produtos de baixo valor (haver de peso) diferiam dos usados para metais preciosos e moeda, havendo arráteis de 13 onças, de 14 onças, etc. Usavam-se diversos tipos de pesos: marco de Colónia, marco de Tria (de Troyes), marco de marçaria (de mercearia), etc. 3

4 Contexto e antecedentes Medidas tomadas por D. João II: 1482 mandou usar em todo o reino, para os cereais, vinho e azeite, as medidas de Santarém; 1487 pediu à câmara de Lisboa e procuradores dos mesteres parecer sobre a ideia de utilizar marcos de um único tipo; 4

5 Contexto e antecedentes Proposta de D. João II para o sistema de pesos (1487): onça = 6 grãos; marco = 8 onças; arrátel = 2 marcos, ou seja 16 onças; arroba = 32 arráteis; quintal = 4 arrobas 5

6 Contexto e antecedentes Medidas tomadas por D. João II 1488 proibiu a utilização do marco de Tria, obrigando a que tudo se pesasse pelo marco de Colonha 1490 a pedido de alguns concelhos, permitiu que parte do país utilizasse as medidas (os padrões) do Porto e não as de Santarém 6

7 Contexto e antecedentes Fora de Portugal, também noutros países se tentava uniformizar: 1488 na península ibérica, após a unificação dos reinos de Castela e Aragão, os reis católicos mandaram usar um único padrão de pesos; 7

8 Contexto e antecedentes Henrique VII efetuou uma reforma metrológica em Inglaterra, mandando distribuir cópias dos padrões de pesos e medidas por dezenas de cidades; 8

9 A reforma metrológica D. João II faleceu sem aplicar as reformas que propusera (a dos pesos e a dos forais) 1497 D. Manuel convocou representantes dos concelhos para discutir reforma dos pesos 1499 Executaram-se os novos padrões de pesos 1500 O primeiro foral novo baseia-se já nos novos sistemas 1502 Ordenação do rei define a nova estrutura de pesos, manda distribuí-los pelo país e estabelece prazo de 6 meses para obrigação da utilização dos novos padrões 9

10 Os documentos Regimento dos oficiais das cidades Ordenações do reino Editadas em Ordenações do reino Editadas em

11 em nossos reinos se costumava pesar por desvairadas maneiras de pesos, porque uns pesavam por pesos de marçaria e outros por maiores e mais pequenos o que era causa de se fazerem muitos enganos e falsidades ( ) E querendo nós a isto prover em maneira que tais enganos se evitem, Ordenamos e pomos por lei e mandamos que daqui em diante pessoa alguma de qualquer estado e condição que seja não seja ousado de ter desvairados pesos, nem por eles vender, comprar receber nem entregar coisa alguma. E todos comprem vendam e entreguem por arrátel de dezasseis onças. E a este respeito o quintal em que há cento e vinte e oito arráteis das ditas dezasseis onças e por arroba e meia arroba e quarta de arroba segundo os padrões que ora mandamos fazer e dar a todas as cidades vilas e lugares de nossos reinos e senhorios 11

12 A reforma dos pesos 1504? publicação do Regimento dos oficiais das cidades, vilas e lugares destes reinos, que inclui: a Ordenação (1502); o Regimento dos pesos; o título dos Almotacés e cousas que a seus ofícios pertence 12

13 A reforma dos pesos O Regimento dos pesos estabelece: Que as pilhas de pesos mandadas fazer na Flandres são distribuídas pelas cidades, vilas e lugares, conforme necessário; Quem tem que ter pesos ou medidas e quais; Controlo metrológico: prazos de aferição e penas aos que não cumprirem; Como utilizar e onde guardar os padrões municipais 13

14 A reforma dos pesos Os pesos distribuídos pelos concelhos são os seguintes: 1 quintal que pesa 128 arráteis, composto por 16 peças, sendo a maior a caixa que pesa meio quintal; 1 arroba; 1 meia arroba e ¼ de arroba (= 8 arráteis); 1/8 de arroba(= 4 arráteis) e uma peça de 2 arráteis; 1 arrátel; 1 marco (= ½ arrátel, = 8 onças); ¼ de arrátel (= ½ marco, = 4 onças); oitava de arrátel (= 2 onças); 1 onça; ½ de onça; 2 oitavas; 1 oitava (= 1 cruzado) 2 peças de ½ oitava cada uma. 14

15 A reforma dos pesos 15

16 As outras medidas (secos) Cada concelho deveria ter as seguintes medidas de pão : fanga (referido em 1512, não aparece em 1521) alqueire; meio alqueire; quarta de alqueire; Para o azeite, deveriam ter: alqueire; meio alqueire; quarta de alqueire; as outras medidas miúdas que se costumavam usar em cada lugar; 16

17 As outras medidas (líquidos) Cada concelho deveria ter as seguintes medidas de vinho : almude; meio almude; canada; meia canada; quartilho; meio quartilho 17

18 As outras medidas (comprimento) Cada concelho deveria ter padrão de: vara; côvado; 18

19 As outras medidas D. Manuel só mandou distribuir padrões de peso. Quanto às restantes, as Ordenações e o regimento não mencionam os múltiplos do alqueire (excepto a fanga) e do almude, nem outras medidas de comprimento que não o côvado e a vara. No entanto, sabemos que existiam outras medidas: Carga cavalar = 16 alqueires (= 12 almudes), o que supõe uma relação entre o alqueire e o almude 19

20 As outras medidas Para os líquidos, existe documentação do séc. XVI que refere a utilização de múltiplos do almude: Tonel (= 50 almudes de Lisboa?); Pipa (meio tonel); Quarto (1/4 do tonel) Para os secos, a Ordenação de 1512 refere também a fanga (= fanega? = 4 alqueires) 20

21 As outras medidas Em 1575, D. Sebastião mandou distribuir pelos concelhos medidas de volume de secos e de líquidos, segundo os padrões de D. Manuel (iguais às de Lisboa); Alguns autores defendem que o alqueire de Lisboa, que teria pouco mais de 13 l, seria diferente do usado em grande parte do país e poderá ter sido ligeiramente aumentado nesta altura para o aproximar da medida usada em Castela. No entanto, as recolhas efectuadas no séc. XIX provam que, mesmo assim, se encontraram alqueires e almudes com capacidade bastante variável. 21

22 Os padrões nacionais Regimento das Cidades, vilas e lugares destes reinos: Mandam distribuir os pesos (quintal de 128 arráteis, etc) Ordenações de 1512: Entre Douro e Minho, Beiras, Trás os Montes, Algarve e Setúbal seguem medidas (padrões) do Porto; o resto do país mede pelas medidas de Santarém. Mas quanto aos pesos todos e varas serão iguais e tamanhas em um lugar como em outro pelos padrões que ora mandámos fazer. Ordenações de 1521: Todas as medidas, e pesos, e varas, e côvados sejam tamanhas como os da nossa cidade de Lisboa e não sejam maiores nem menores. 22

23 O controlo metrológico As Ordenações (como o Regimento atrás citado) especificam: Os padrões que devem existir nos concelhos; As pessoas, que por razão de seus ofícios devem ter determinados pesos ou medidas; Os prazos de verificação e aferimento; As multas aplicáveis (e quem fica com esse rendimento); Como utilizar e onde guardar os padrões municipais 23

24 O controlo metrológico Que padrões devem existir nos concelhos: Segundo o Regimento: Regimento dos oficiais das cidades Padrão de peso de 1 quintal de 128 arráteis com as 16 peças postos nas cidades, vilas e lugares onde e quantos nos pareceu necessário a cada um lugar 24

25 O controlo metrológico Que padrões devem existir nos concelhos: Segundo as ordenações de 1512: Ordenações do reino Editadas em Além do padrão de peso referido no Regimento, devem ter: Padrão de peso de ouro (especifica quais); Padrão de vara e côvado; Medidas de pão: fanga, alqueire, meio alqueire e quarta; Medidas de vinho: almude, meio almude, canada, meia canada, quartilho e meio quartilho; Medidas de azeite: alqueire e meio alqueire e quarta e medidas miúdas que se costumam usar 25

26 O controlo metrológico Que padrões devem existir nos concelhos: Segundo as ordenações de 1521: Ordenações do reino Editadas em 1521 As medidas de comprimento e capacidade são as mesmas, excepto a fanga, que não é mencionada. Quanto ao peso, não se referem os padrões de peso de ouro e só as cidades e vilas com 400 vizinhos ou mais, terão o peso de 1 quintal de 128 arráteis com 16 peças; os concelhos entre 200 e 400 vizinhos, terão apenas meio quintal e daí para baixo; os concelhos com menos de 200 vizinhos terão somente arroba e daí para baixo 26

27 O controlo metrológico Que padrões devem ter os particulares: Segundo o Regimento, devem ter pesos (descriminados por cada ofício) e afiná-los de 2 em 2 meses pelos padrões do concelho: Regimento dos oficiais das cidades Carniceiros Cirieiros (fazem velas de cera) Os que fazem candeias de sebo Caldeireiros Picheleiros (pichéis, funis) Fazem bestas de aço Boticários Fruteiras Vendem sabão a peso Especieiros Moleiros, atafoneiros e azenheiros 27

28 O controlo metrológico Que padrões devem ter os particulares: Regimento dos oficiais das cidades Segundo o Regimento, devem ter pesos (descriminados por cada ofício) e afiná-los uma vez por ano : Tecelães de panos de linho Tecelães de panos de lã Tintureiros Tecedeiras de veios 28

29 O controlo metrológico Que padrões devem ter os particulares: Segundo as ordenações de 1512: Ordenações do reino Editadas em Passam a incluir-se os vendedores de peixe e ourives, e medidas de comprimento: Mercadores de panos de cor: terão varas e côvados Trapeiros (panos de diversos tipos) terão varas medidas de capacidade: Vendem vinhos a grosso (medidas maiores) Vendem vinho atavernado (medidas mais pequenas) Compram e vendem azeite em grosso (medidas maiores) Vendem azeite pelo miúdo (medidas mais pequenas) 29

30 O controlo metrológico Que padrões devem ter os particulares: Segundo as ordenações de 1521: Ordenações do reino Editadas em 1521 Mantém-se o disposto em 1512, com uma alteração: Só os Regatães de pescado e carniceiros são obrigados a aferir de 2 em 2 meses. Os outros passam a aferir 2 vezes por ano, em Janeiro e Julho; Os tecelães continuam a aferir 1 vez por ano, em Janeiro 30

31 O controlo metrológico Utilização dos padrões municipais: Segundo o Regimento: Regimento dos oficiais das cidades Os padrões municipais devem estar numa arca ou armário com duas fechaduras (procurador e escrivão) Multa para uso indevido dos padrões municipais = 4000 reais 31

32 O controlo metrológico Utilização dos padrões municipais: Nas Ordenações de 1512, Ordenações do reino Editadas em acrescenta-se que devem estar marcados da marca do concelho Multa para uso indevido dos padrões municipais = 2000 reais (metade) 32

33 O controlo metrológico Utilização dos padrões municipais: Nas Ordenações de 1521, Ordenações do reino Editadas em 1521 acrescenta-se que os afinadores terão outros pesos e medidas concordantes com os do concelho, para afinar os pesos inferiores a meia arroba. Daí para cima terão que afinar na Câmara. Multa para uso indevido dos padrões municipais = 1000 reais (metade) 33

34 A evolução até 1521 Regimento dos oficiais das cidades Ordenações do reino Editadas em Ordenações do reino Editadas em

35 A evolução até 1521 Os padrões nacionais e municipais: Padrões Nacionais: deixam de ser vários, passando a seguir-se os de Lisboa; Os pesos que cada concelho deve ter passam a depender do número de habitantes (nem todos têm que ter até ao quintal); As multas por uso indevido dos padrões municipais, vão descendo de 4000 para 2000 e depois para 1000 reais em 1521; 35

36 A evolução até 1521 O controlo metrológico: Com algumas excepções, a verificação dos pesos e medidas deixa de ser de 2 em 2 meses e passa a ser 2 vezes por ano (em Janeiro e Julho); Incluem-se algumas profissões e medidas não previstas inicialmente (vinho e azeite capacidade; tecidos côvado e vara) Não pagam multa quando vão fazer a aferição; Nas outras situações, se o erro nos pesos ou medidas for culpa do afinador, é este que paga a multa; Efectuam-se algumas clarificações (ex: multa para erro no côvado) Há outras alterações menores 36

37 A evolução até 1521 Parece existir um aperfeiçoamento e ajustamento, conforme determinado pela prática ao longo destas duas décadas, no sentido de tornar o sistema mais rigoroso, mas também mais praticável O sistema manteve-se quase sem alterações até ao séc. XIX, na redação que ficou conhecida por Ordenações Filipinas 37

38 Bibliografia Regimento dos oficiais das cidades, vilas e lugares destes reinos: Edição facsimilada do texto impresso por Valentim Fernandes em 1504 e neste ano de 1955 reimpresso pela Fundação de Casa de Bragança com prefácio do Professor Doutor Marcello Caetano, Lisboa, 1955 Ordenações Manuelinas : Livros I a V : Reprodução em fac-símile da edição de Valentim Fernandes (Lisboa, ) [...] / Introdução e descrição Codicológica de João José Alves Dias. Lisboa : Centro de Estudos Históricos da Universidade Nova de Lisboa,

39 Obrigado pela atenção 39

A Rainha, o guarda do tesouro e o. papel que valia muito ouro

A Rainha, o guarda do tesouro e o. papel que valia muito ouro A Rainha, o guarda do tesouro e o papel que valia muito ouro Há muito, muito tempo atrás, havia uma rainha que governava um reino chamado Portugal. Essa rainha chamava-se D. Maria I e como até tinha acabado

Leia mais

MEMÓRIAS PAROQUIAIS Bemposta Inquérito realizado aos párocos do Reino em 1758

MEMÓRIAS PAROQUIAIS Bemposta Inquérito realizado aos párocos do Reino em 1758 MEMÓRIAS PAROQUIAIS Inquérito realizado aos párocos do Reino em 1758 José Pereira (www.bemposta.net) Na Torre do Tombo estão depositados com a designação de Dicionário Geográfico, as Memórias paroquiais,

Leia mais

A História de azzeittum

A História de azzeittum A História de azzeittum Azeitão é palavra derivada de azzeittum, vocábulo de origem árabe, que refere os extensos olivais encontrados quando aquele povo chegou a esta região. A primeira delimitação que

Leia mais

Cálculo judicial - conceitos

Cálculo judicial - conceitos Cálculo judicial - conceitos Moeda, correção monetária, índices, juros Ministrante: Terushi Kawano Diretor do Núcleo de Contadoria Origem e evolução da moeda: Escambo Moeda-Mercadoria Metal Moeda em forma

Leia mais

DOCUMENTOS DE D. DUARTE (1433-1438) CATÁLOGO

DOCUMENTOS DE D. DUARTE (1433-1438) CATÁLOGO DOCUMENTOS DE D. DUARTE (1433-1438) CATÁLOGO Sumário elaborados por Miguel Gomes Martins Design Joana Pinheiro Arquivo Municipal de Lisboa 2009 1 1433, Setembro, 23, Sintra D. Duarte solicita ao concelho

Leia mais

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria - IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL 2006 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ÍNDICE Introdução Pág. 2 1 Sumário executivo Pág. 5 2 Análise dos resultados 2.1 Situação

Leia mais

Portugal na Grande Guerra de 1914-1918. o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1

Portugal na Grande Guerra de 1914-1918. o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1 Portugal na Grande Guerra de 1914-1918 Nuno Lemos Pires o soldado desconhecido de África é bem mais desconhecido que o da Flandres (Arrifes, 2004: 27) 1 Portugal participou na Grande Guerra em cinco grandes

Leia mais

Contabilidade e Religião: O Caso do Mosteiro de Santa Ana de Viana do Castelo (séc. XVIII e XIX)

Contabilidade e Religião: O Caso do Mosteiro de Santa Ana de Viana do Castelo (séc. XVIII e XIX) Contabilidade e Religião: O Caso do Mosteiro de Santa Ana de Viana do Castelo (séc. XVIII e XIX) Domingos Araújo Delfina Gomes Universidade do Minho 7º Encontro de História da Contabilidade da OTOC Lisboa,

Leia mais

A cobrança de impostos régios pela Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro (1772-1832)

A cobrança de impostos régios pela Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro (1772-1832) A cobrança de impostos régios pela Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro (1772-1832) Fernando de Sousa Francisco Vieira Joana Dias Estudos em Homenagem a Luís António de Oliveira Ramos

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA Atendendo ao aumento de número de viaturas em circulação, à alteração da circulação em algumas vias e locais, à existência

Leia mais

A Reforma Metrológica no reinado de D. Manuel I

A Reforma Metrológica no reinado de D. Manuel I A Reforma Metrológica no reinado de D. Manuel I António Neves Curador do Museu de Metrologia do IPQ Resumo Na Idade Média usavam-se sistemas de medição cujas unidades tinham diversas origens, nomeadamente

Leia mais

ANTECEDENTES E EVOLUÇÃO

ANTECEDENTES E EVOLUÇÃO Bandeira Nacional ANTECEDENTES E EVOLUÇÃO 5 D. Afonso Henriques (1143-1185) Segundo a tradição, durante as primeiras lutas pela Independência de Portugal, D. Afonso Henriques teria usado um escudo branco

Leia mais

Catarina Bernardina de (...) Cardozo, dos bens que ficaram por falecimento de seu marido e Pai, o Coronel Manuel José Cardozo

Catarina Bernardina de (...) Cardozo, dos bens que ficaram por falecimento de seu marido e Pai, o Coronel Manuel José Cardozo CASA DA BREIA A Casa da Breia situa-se no lugar da Breia, na freguesia de S. Paio de Jolda neste concelho de Arcos de Valdevez. Temos notícias da casa, como propriedade da família, através de um testamento

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA A nível mundial, o primeiro papel moeda surgiu na China, no séc. VII, na dinastia Tang, para facilitar aos comerciantes o transporte de grandes quantidades de moeda de metal,

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Lei de Prevenção e Combate a Lavagem de Dinheiro

Lei de Prevenção e Combate a Lavagem de Dinheiro Lei de Prevenção e Combate a Lavagem de Dinheiro Lei nº 9.613/1998 A Lei nº 9.613/1998, dispõe sobre os crimes de lavagem de dinheiro Estabelece ainda, procedimentos para a prevenção da utilização do sistema

Leia mais

Teorias de Comércio Internacional. Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2)

Teorias de Comércio Internacional. Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Teorias de Comércio Internacional Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Causas do Comércio Internacional Os países comerciam por que? São diferentes uns dos outros, isto é apresentam diferenças

Leia mais

A cultura da medição em Portugal ao longo da história

A cultura da medição em Portugal ao longo da história Educação e Matemática, nº 84, Associação de Professores de Matemática, 2005, p. 42-48. A cultura da medição em Portugal ao longo da história Luís Seabra Lopes 1 1. Introdução A medição faz parte da actividade

Leia mais

A FESTA DE CORPUS CHRISTI

A FESTA DE CORPUS CHRISTI 1 A FESTA DE CORPUS CHRISTI Lia Carolina Prado Alves Mariotto Essa cerimônia religiosa foi criada em 1264 por breve 1 do papa Urbano IV. Seu enredo era baseado em passagens bíblicas (Segundo Livro de Samuel

Leia mais

Literacia Estatística ao serviço da Cidadania. Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem

Literacia Estatística ao serviço da Cidadania. Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem Serviço de Difusão Literacia Estatística ao serviço da Cidadania Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem Rede de Bibliotecas Escolares Formação para Professores fevereiro - maio.2012 Itinerário

Leia mais

Boletim meteorológico para a agricultura

Boletim meteorológico para a agricultura CONTEÚDOS Boletim meteorológico para a agricultura Nº 49, janeiro 2015 IPMA,I.P. 01 Resumo 02 Situação Sinóptica 03 Descrição Meteorológica 05 Informação Agrometeorológica 12 Previsão 12 Situação agrícola

Leia mais

Os Arquivos da Inquisição

Os Arquivos da Inquisição A/495306 Maria do Carmo Jasmins Dias Farinha Os Arquivos da Inquisição Série IDD's Arquivo Nacional da Torre do Tombo Serviço de Publicações e Divulgação Lisboa -1990 Nota prévia 7 Prefácio Introdução

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1012/XII/4.ª PROIBIÇÃO DO ABATE COMPULSIVO DE ANIMAIS NOS CENTROS DE RECOLHA

PROJETO DE LEI Nº 1012/XII/4.ª PROIBIÇÃO DO ABATE COMPULSIVO DE ANIMAIS NOS CENTROS DE RECOLHA Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI Nº 1012/XII/4.ª PROIBIÇÃO DO ABATE COMPULSIVO DE ANIMAIS NOS CENTROS DE RECOLHA Exposição de motivos Com a criminalização dos maus-tratos a animais de companhia, Portugal

Leia mais

Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache

Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache CAPÍTULO I Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache Aos dezessete dias do mês de junho de 1527 partiu do porto de San Lúcar de Barrameda 1 o governador Pánfilo de Narváez, 2 com poder e mandato de Vossa

Leia mais

REGULAMENTO CORRIDA SÃO SEBASTIÃOZINHO

REGULAMENTO CORRIDA SÃO SEBASTIÃOZINHO REGULAMENTO CORRIDA SÃO SEBASTIÃOZINHO I PROVA Artigo 1º. A 1ª Corrida De São Sebastiãozinho 2016 Montes Claros será realizada no Domingo, dia 17 de Janeiro de 2016. Artigo 2º. A concentração da prova

Leia mais

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes.

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Deolinda Alberto 1, José Pedro Fragoso Almeida 2 1 Professor Adjunto, Escola Superior Agrária de Castelo Branco,

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO

REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO Julho 2013 PREÂMBULO A Barragem de Vascoveiro foi construída com o objetivo de fornecer água à cidade de Pinhel e a algumas freguesias do Concelho.

Leia mais

Cadernos BC Série Educativa. O que são os bancos?

Cadernos BC Série Educativa. O que são os bancos? Cadernos BC Série Educativa O que são os bancos? Cadernos BC Série Educativa O que são os bancos? Banco Central do Brasil Editada em dezembro de 2002. Com certeza, você já foi alguma vez a um banco e

Leia mais

Liuro dos Foraes Nouos da Comarqua de Trallos Montes: abordagem histórica, cultural, discursiva e edição interpretativa

Liuro dos Foraes Nouos da Comarqua de Trallos Montes: abordagem histórica, cultural, discursiva e edição interpretativa Liuro dos Foraes Nouos da Comarqua de Trallos Montes: abordagem histórica, cultural, discursiva e edição interpretativa 2 Maria Olinda Rodrigues Santana Liuro dos Foraes Nouos da Comarqua de Trallos Montes:

Leia mais

Serviços de Documentação da Universidade do Minho Casa de Sarmento - Centro de Estudos do Património. Pesos & Medidas Metrologia e História

Serviços de Documentação da Universidade do Minho Casa de Sarmento - Centro de Estudos do Património. Pesos & Medidas Metrologia e História Serviços de Documentação da Universidade do Minho Casa de Sarmento - Centro de Estudos do Património Pesos & Medidas Metrologia e História Catálogo da Exposição Espaço b in Universidade do Minho Guimarães

Leia mais

Federação Portuguesa de Minigolfe UPD REGULAMENTO GERAL DE PROVAS. Aprovado na Assembleia Geral de 2013-12-07

Federação Portuguesa de Minigolfe UPD REGULAMENTO GERAL DE PROVAS. Aprovado na Assembleia Geral de 2013-12-07 Federação Portuguesa de Minigolfe UPD REGULAMENTO GERAL DE PROVAS Aprovado na Assembleia Geral de 2013-12-07 REGULAMENTO GERAL DE PROVAS DESPORTIVAS 1. PROVAS FEDERATIVAS 1.1. São consideras Provas Federativas

Leia mais

Ata da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em dez de outubro de dois mil e doze.

Ata da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em dez de outubro de dois mil e doze. FL_110 ATA DE 10/10/2012 Ata da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em dez de outubro de dois mil e doze. Ata º21 A os dez dias do mês de outubro de

Leia mais

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL Ineficiência energética agrava a crise económica e social em Portugal Pág. 1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL RESUMO DESTE ESTUDO A baixa eficiência como é utilizada

Leia mais

JORNADAS EUROPEIAS DO PATRIMÓNIO. 28, 29 e 30 set 2012 FUTURO DA MEMÓRIA

JORNADAS EUROPEIAS DO PATRIMÓNIO. 28, 29 e 30 set 2012 FUTURO DA MEMÓRIA JORNADAS EUROPEIAS DO PATRIMÓNIO 28, 29 e 30 set 2012 O FUTURO DA MEMÓRIA OS REGISTOS DAS MEMÓRIAS: Permanências e Intermitências Permanências Da Chancelaria Régia ao Diário da República Chancelaria de

Leia mais

Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa

Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa A/490020 JOAQUIM DE ASSUNÇÃO FERREIRA Estatuto Jurídico dos Judeus e Mouros na Idade Média Portuguesa (Luzes e Sombras, na convivência entre as três religiões) UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2006

Leia mais

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos ÍNDICE Introdução.. 3 PORTOS NACIONAIS trocas comerciais com os países lusófonos Trocas comerciais com os países lusófonos em 2003... 9

Leia mais

26-09-12-230 fundações avaliadas, das quais bastantes vão ver reduzidos os apoios financeiros

26-09-12-230 fundações avaliadas, das quais bastantes vão ver reduzidos os apoios financeiros Apoios 26-09-12-230 fundações avaliadas, das quais bastantes vão ver reduzidos os apoios financeiros Foi aprovada a proposta final com as decisões relativas ao processo de censo às fundações, de extinção,

Leia mais

2.º Encontro de História da Contabilidade ASPECTOS DA CONTABILIDADE EM PORTUGAL NOS PRIMÓRDIOS DO SÉCULO XX:

2.º Encontro de História da Contabilidade ASPECTOS DA CONTABILIDADE EM PORTUGAL NOS PRIMÓRDIOS DO SÉCULO XX: 2.º Encontro de História da Contabilidade CTOC ASPECTOS DA CONTABILIDADE EM PORTUGAL NOS PRIMÓRDIOS DO SÉCULO XX: O CASO DA EMPRESA CONSERVEIRA JÚDICE FIALHO ANA RITA SILVA SERRA FARIA ESGHT-UALG LISBOA/PORTO,

Leia mais

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE O início da mineração no Brasil; Mudanças sociais e econômicas; Atuação da Coroa portuguesa na região mineira; Revoltas ocorridas pela exploração aurífera;

Leia mais

Regulamento de Execução 2012

Regulamento de Execução 2012 Regulamento de Execução 2012 Campanha de Vacinação Antirrábica, de Controlo de outras Zoonoses e de Identificação Eletrónica Direção Geral de Alimentação e Veterinária Maio 2012 Página 1 de 10 1 - O n.º

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA RCTS

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA RCTS POLÍTICA DE SEGURANÇA DA RCTS ACTA DA REUNIÃO Nº 1 Data: 27/01/2011 10:00 Ordem de trabalhos: Ponto um: Enquadramento do trabalho a desenvolver neste grupo Ponto dois: Definição do âmbito da política de

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO Instrução Normativa RFB Nº 1246 DE 03/02/2012 (Federal) Data D.O.: 06/02/2012 Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício de 2012, ano-calendário

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.613, DE 3 DE MARÇO DE 1998. Dispõe sobre os crimes de "lavagem" ou ocultação de bens, direitos e valores; a prevenção da utilização

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA SKY TE DÁ UMA FORÇA

REGULAMENTO DA CAMPANHA SKY TE DÁ UMA FORÇA REGULAMENTO DA CAMPANHA SKY TE DÁ UMA FORÇA 1. DADOS DA EMPRESA PROMOTORA: 1.1. SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA., sediada na Avenida das Nações Unidas, 12.901, Torre Norte, 14º e 15º andares, Brooklin Novo, São

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA 2 Preâmbulo Considerando que o progressivo aumento do parque automóvel e, consequentemente, da procura de estacionamento para satisfação

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 317, DE 27 DE SETEMBRO DE 2002. PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO MÓVEL PESSOAL PGMQ-SMP

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 317, DE 27 DE SETEMBRO DE 2002. PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO MÓVEL PESSOAL PGMQ-SMP ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 317, DE 27 DE SETEMBRO DE 2002. PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO MÓVEL PESSOAL PGMQ-SMP Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º Este Plano estabelece as metas de

Leia mais

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais... 3. 2 - Ensino Básico... 4. 3 - Ensino Secundário... 4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais...

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais... 3. 2 - Ensino Básico... 4. 3 - Ensino Secundário... 4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais... MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA NORMAS DE PROCEDIMENTO DE CANDIDATURA AO SUBSÍDIO DE TRANSPORTE ÍNDICE 1 - Disposições Gerais... 3 2 - Ensino Básico... 4 3 - Ensino Secundário... 4 4 - Alunos com Necessidades

Leia mais

Âmbito. 2 - Um «transportador» é qualquer pessoa física ou jurídica ou qualquer empresa autorizada, quer na República Portuguesa, quer na

Âmbito. 2 - Um «transportador» é qualquer pessoa física ou jurídica ou qualquer empresa autorizada, quer na República Portuguesa, quer na Decreto do Governo n.º 18/86 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federal da Áustria Relativo ao Transporte Rodoviário Internacional de Passageiros e Mercadorias O Governo

Leia mais

Sistema de Informação de Mercados Agrícolas

Sistema de Informação de Mercados Agrícolas Sistema de Informação de Mercados Agrícolas Sistema de Normalização Contabilística Sistema de Normalização Contabilística Normativo Específico para Agricultura Activo Biológico Justo Valor Nas Normas contabilisticas

Leia mais

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE E FORO Artigo 1º - A FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA, cuja instituição foi autorizada pela Lei Complementar nº

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil - Seção de Goiás Casa do Advogado Jorge Jungmann

Ordem dos Advogados do Brasil - Seção de Goiás Casa do Advogado Jorge Jungmann REGULAMENTO DO CEL DA OAB-GO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SEÇÃO I Da Conceituação e da Freqüência Art. 1º. O Centro de Cultura, Esporte e Lazer da Advocacia de Goiás é um espaço reservado aos profissionais

Leia mais

o Vereador que firma o presente vem pelas prerrogativas garantidas na Lei Orgânica Municipal

o Vereador que firma o presente vem pelas prerrogativas garantidas na Lei Orgânica Municipal .. CÂMARA MUNICIPAL DA SERRA ESTADO DO ESPIRITO SANTO Aos Excelentíssimos Senhores Vereadores da Câmara Municipal de Serra o Vereador que firma o presente vem pelas prerrogativas garantidas na Lei Orgânica

Leia mais

REGRAS JOGO CHINCUI. Um baralho de 40 cartas constituído por 4 naipes de 10 cartas (ÀS,REI,VALETE,DAMA,SETE,SEIS,CINCO,QUATRO,TERNO e DUQUE).

REGRAS JOGO CHINCUI. Um baralho de 40 cartas constituído por 4 naipes de 10 cartas (ÀS,REI,VALETE,DAMA,SETE,SEIS,CINCO,QUATRO,TERNO e DUQUE). 1 - MATERIAL REGRAS JOGO CHINCUI Um baralho de 40 cartas constituído por 4 naipes de 10 cartas (ÀS,REI,VALETE,DAMA,SETE,SEIS,CINCO,QUATRO,TERNO e DUQUE). 2 - NÚMERO DE PARTICIPANTES Jogam 5 companheiros

Leia mais

Cadernos BC Série Educativa. O que é um Banco Central?

Cadernos BC Série Educativa. O que é um Banco Central? Cadernos BC Série Educativa O que é um Banco Central? Cadernos BC Série Educativa O que é um Banco Central? Banco Central do Brasil Editada em dezembro de 2002. Se você olhar com atenção as cédulas que

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

PERÍODO ATÉ AO TELÉGRAFO ELECTRICO

PERÍODO ATÉ AO TELÉGRAFO ELECTRICO PERÍODO ATÉ AO TELÉGRAFO ELECTRICO l. Introdução Este Período corresponde a cerca de 70 anos, entre o princípio do século XIX (1807) e 1873, data da criação da primeira sede telegráfica eléctrica militar

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e NORMAS DE CONDUTA REVOLUTYON

CÓDIGO DE ÉTICA e NORMAS DE CONDUTA REVOLUTYON CÓDIGO DE ÉTICA e NORMAS DE CONDUTA REVOLUTYON A Revolutyon é uma Empresa regida por uma escala de valores, que se orgulha da qualidade e do caráter de todos os seus Membros. O presente Código de Ética

Leia mais

Termos de Venda da Groupon Portugal

Termos de Venda da Groupon Portugal Termos de Venda da Groupon Portugal Esta página estabelece as condições para a venda de Vouchers por nós. 1. NOÇÕES BÁSICAS QUE DEVE TER CONHECIMENTO SOBRE ESTES TERMOS DE VENDA 1.1 O que é este documento

Leia mais

O que mudou na agricultura portuguesa nos últimos dez anos

O que mudou na agricultura portuguesa nos últimos dez anos RECENSEAMENTO AGRÍCOLA DADOS PRELIMINARES 15 Dezembro 2010 15 de Dezembro de 2010 O que mudou na agricultura portuguesa nos últimos dez anos O INE divulga os primeiros resultados do Recenseamento Agrícola

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Regulamento do Programa de Pós-graduação em FILOSOFIA

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Regulamento do Programa de Pós-graduação em FILOSOFIA Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Regulamento do Programa de Pós-graduação em FILOSOFIA I - Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) A CCP terá 6

Leia mais

Não é permitido o uso de corrector. Em caso de engano, deve riscar, de forma inequívoca, aquilo que pretende que não seja classificado.

Não é permitido o uso de corrector. Em caso de engano, deve riscar, de forma inequívoca, aquilo que pretende que não seja classificado. Teste Intermédio de Matemática B 2010 Teste Intermédio Matemática B Duração do Teste: 90 minutos 13.04.2010 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Utilize apenas caneta ou esferográfica

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 565/XII/2.ª

Projeto de Resolução n.º 565/XII/2.ª Projeto de Resolução n.º 565/XII/2.ª Recomenda ao Governo que aprove, para o período de vigência do Programa de Assistência Financeira a Portugal, uma moratória para as ações de despejo que tiverem fundamento

Leia mais

Elias UM PROFETA EM BUSCA DE REFORMAS

Elias UM PROFETA EM BUSCA DE REFORMAS Elias UM PROFETA EM BUSCA DE REFORMAS Conhecendo o profeta e o seu contexto Elias = O Senhor é Deus Natural de Tisbe, cidade localizada na região de Gileade, situada a leste do Jordão, uma área de poucos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER

REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER PREÂMBULO O Estatuto do PSDB, aprovado em 1988, previu em sua Seção V, art. 73, 2º a criação do Secretariado da Mulher como parte integrante da Executiva

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIFICA DE ECONOMIA 2014/06/14 GRUPO A1

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIFICA DE ECONOMIA 2014/06/14 GRUPO A1 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DE MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIFICA DE ECONOMIA 2014/06/14 (Cotações: 6 x 1,0 = 6 valores) GRUPO A1 1- O sector de atividade que agrupa as atividades relacionadas com o aproveitamento

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE SÃO JACINTO

JUNTA DE FREGUESIA DE SÃO JACINTO 1 Acta nº 10/2008 JUNTA DE FREGUESIA DE SÃO JACINTO Acta da Reunião ordinária de 30 de Julho de 2008 -------No dia trinta de Julho de dois mil e oito, nesta freguesia de São Jacinto, edifício da Junta

Leia mais

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO ANA MARIA MAGALHÃES ISABEL ALÇADA [ ILUSTRAÇÕES DE CARLOS MARQUES ] O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO COLEÇÃO SEGUROS E CIDADANIA SUGESTÃO PARA LEITURA ORIENTADA E EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO

Leia mais

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 34(Versão Adaptada) 1

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 34(Versão Adaptada) 1 AHU, Alagoas Avulsos, Documento 34(Versão Adaptada) 1 Documento 34 Requerimento do Padre António Correia Pais, sacerdote do habito de São Pedro e morador do termo da vila de Alagoas, ao ouvidor e auditor-geral

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇO Nº 008/2016 PROCESSO LICITATORIO Nº 028/2016 PREGÃO PRESENCIAL Nº 008/2016.

ATA DE REGISTRO DE PREÇO Nº 008/2016 PROCESSO LICITATORIO Nº 028/2016 PREGÃO PRESENCIAL Nº 008/2016. ATA DE REGISTRO DE PREÇO Nº 008/2016 PROCESSO LICITATORIO Nº 028/2016 PREGÃO PRESENCIAL Nº 008/2016. VALIDADE: 12 meses Aos dezoito dias do mês de março de 2016, na sala de reuniões da Prefeitura Municipal,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DIRF Rendimento Tributável Nota Fiscal Cooperativa Médica

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DIRF Rendimento Tributável Nota Fiscal Cooperativa Médica DIRF Rendimento Tributável Nota Fiscal Cooperativa Médica 24/10/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão...

Leia mais

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA NOME OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA ESTABELEÇO RELAÇÕES DE PARENTESCO : avós, pais, irmãos, tios, sobrinhos Quem pertence à nossa família? Observa as seguintes imagens. Como podes observar, nas imagens estão

Leia mais

VIII FEIRA HISTÓRICA E TRADICIONAL DE SERPA 21,22 e 23 de agosto de 2015

VIII FEIRA HISTÓRICA E TRADICIONAL DE SERPA 21,22 e 23 de agosto de 2015 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Entidades extra concelhias O presente normativo tem por objetivo a regulação do funcionamento da Feira Histórica e Tradicional de Serpa, ao nível da componente histórica, no que

Leia mais

CAMPEONATO DE PORTUGAL DO CAVALEIRO DE OBSTÁCULOS 28JUNHO a 1 JULHO 2012

CAMPEONATO DE PORTUGAL DO CAVALEIRO DE OBSTÁCULOS 28JUNHO a 1 JULHO 2012 Campeonato de Portugal do Cavaleiro de Obstáculos Local: Sociedade Hípica Portuguesa Data: 28 Junho a 1 de Julho CONDIÇÕES GERAIS Este Concurso realiza-se de acordo com: - Estatutos da FEP, aprovados em

Leia mais

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação A defesa militar da Amazônia Celso Castro e Adriana Barreto de Souza Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação independente? A pergunta, contraditória em seus próprios termos,

Leia mais

1. DA FORMA DE ASSOCIAÇÃO

1. DA FORMA DE ASSOCIAÇÃO Por este Termo de Associação, o(a) PROPONENTE qualificado(a) através do site: , manifesta sua vontade de adesão ao quadro social, ou de benefícios, do ESPORTE CLUBE ARACRUZ,

Leia mais

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE BENS MÓVEIS, IMÓVEIS E DE SERVIÇOS

REGULAMENTO GERAL DE BENS MÓVEIS, IMÓVEIS E DE SERVIÇOS REGULAMENTO GERAL DE BENS MÓVEIS, IMÓVEIS E DE SERVIÇOS Registrado no 4º Oficial de Registro de Títulos e Documentos e Civil de Pessoa Jurídica de São Paulo SP, sob nº 5132069, em 10 de janeiro de 2011.

Leia mais

Orientações gerais. Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física DIRPF e Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior CBE

Orientações gerais. Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física DIRPF e Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior CBE Orientações gerais Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física DIRPF e Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior CBE Exercício 2016 Ano base 2015 Exercício É o ano de apresentação da declaração Ano-Base

Leia mais

programa da consulta e regulamento de participação

programa da consulta e regulamento de participação viagem medieval em terra de santa maria 29.jul a 9. ago 15 santa maria da feira www.viagemmedieval.com programa da consulta e regulamento de participação para a exploração de espaços [ ] conquiste a história

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES- EDUCAÇÃO BÁSICA E ESCOLA TÉCNICAS 2014/2015

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES- EDUCAÇÃO BÁSICA E ESCOLA TÉCNICAS 2014/2015 PAUTA DE REIVINDICAÇÕES- EDUCAÇÃO BÁSICA E ESCOLA TÉCNICAS 2014/2015 1 - Manutenção de todas as cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho 2014/2015, celebrados entre Sinproep-DF e Sinepe-DF com os seguintes

Leia mais

OS FORAIS DA ERICEIRA. (No quinto centenário do foral jagoz manuelino do derradeiro dia de Agosto de 1513)

OS FORAIS DA ERICEIRA. (No quinto centenário do foral jagoz manuelino do derradeiro dia de Agosto de 1513) OS FORAIS DA ERICEIRA (No quinto centenário do foral jagoz manuelino do derradeiro dia de Agosto de 1513) A partir de 1229, o Rei D. Sancho I concedeu, aos prelados, donatários, mestres de ordens militares

Leia mais

MOBILIDADE EM CIDADES DE MÉDIA DIMENSÃO O CASO DA CIDADE DE FARO. M. C. B. Gameiro, M. M. P. Rosa, J. I. J. Rodrigues e R. M. A.

MOBILIDADE EM CIDADES DE MÉDIA DIMENSÃO O CASO DA CIDADE DE FARO. M. C. B. Gameiro, M. M. P. Rosa, J. I. J. Rodrigues e R. M. A. MOBILIDADE EM CIDADES DE MÉDIA DIMENSÃO O CASO DA CIDADE DE FARO M. C. B. Gameiro, M. M. P. Rosa, J. I. J. Rodrigues e R. M. A. Alves RESUMO Em Portugal, no final de 2013, no âmbito do projeto de investigação

Leia mais

Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 2015

Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 2015 Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 215 14 de julho de 215 Transporte de mercadorias mantém crescimento por via marítima e aérea. Continua a diminuir no modo rodoviário Transporte de passageiros

Leia mais

51 ANOS DA LEI N.º 4.320, DE 17 DE MARÇO DE 1964

51 ANOS DA LEI N.º 4.320, DE 17 DE MARÇO DE 1964 51 ANOS DA LEI N.º 4.320, DE 17 DE MARÇO DE 1964 Conselheiro Inaldo da Paixão Santos Araújo Presidente do Tribunal de Contas do Estado da Bahia (TCE/BA) Campo Grande, 12 de junho de 2015 Ontem Hoje Amanhã

Leia mais

O Antigo Regime europeu: regra e exceção

O Antigo Regime europeu: regra e exceção PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XVII E XVII O Antigo Regime europeu: regra e exceção Meta: Conhecer e compreender o Antigo Regime europeu a nível político e social ANTIGO REGIME Regime político,

Leia mais

Assembleia Popular Nacional

Assembleia Popular Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Popular Nacional Lei 2-81 Aprova e põe em vigor o OGE para o ano económico de 1981 A Assembleia Popular Nacional, no uso da competência que lhe é

Leia mais

Inventário do Arquivo Documental da Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Inventário do Arquivo Documental da Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior 2015 1 Inventário do Arquivo Documental da Secretaria-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (PTSGMCTES) 1 Direção de Serviços de Documentação e de Arquivo Av. 5 de Outubro, 107 1069-018

Leia mais

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL Índice de Pagamentos 2004 191 2005 184 2006 183 2007 182 2008 183 Desenvolvimento Económico (%) UE 27 - Média PIB per capita US 21.800 (2007) Crescimento do PIB 1,9 2,9

Leia mais

Matemática Régis Cortes PORCENTAGEM ACRÉSCIMO E DESCONTO

Matemática Régis Cortes PORCENTAGEM ACRÉSCIMO E DESCONTO PORCENTAGEM ACRÉSCIMO E DESCONTO 1 PORCENTAGEM, ACRÉSCIMOS E DESCONTOS. 01) Calcule: a) 15% de $3.000 b) 32% de 1500 c) 40% de 180 kg Resp. : a) $ 450 b) 480 c) 72kg 02) Num concurso com 200 candidatos,

Leia mais

Venda exclusiva para pessoa jurídica. Condições Gerais EMPRESARIAL

Venda exclusiva para pessoa jurídica. Condições Gerais EMPRESARIAL Venda exclusiva para pessoa jurídica. Condições Gerais O IDEAL CAP Empresarial é um título de capitalização de pagamento mensal que ajuda você a guardar dinheiro para tirar os projetos do papel. Além disso,

Leia mais

Assembléia Geral - Reapresentação

Assembléia Geral - Reapresentação Dia: 03/02/2010 Horas: 20hs Local: Terminal Rita Maria Espaço Cultural Assembléia Geral - Reapresentação CONVIDADOS: Todos os integrantes do EA Assuntos: 1 RETROSPECTIVA DE 2009: a) - Pedido de desculpas

Leia mais

FALSIDADE DOCUMENTAL

FALSIDADE DOCUMENTAL FALSIDADE DOCUMENTAL E objetivo da proteção legal, em todos os casos, a fé pública que a lei atribui aos documentos como prova e autenticação de fatos jurídicos. Certos selos e sinais públicos, documentos

Leia mais

A introdução da moeda nas transações comerciais foi uma inovação que revolucionou as relações econômicas.

A introdução da moeda nas transações comerciais foi uma inovação que revolucionou as relações econômicas. Módulo 14 O Mercado Monetário 14.1. A Moeda A introdução da moeda nas transações comerciais foi uma inovação que revolucionou as relações econômicas. Moeda é um ativo com o qual as pessoas compram e vendem

Leia mais

O Som do Silêncio. quando Deus age e ninguém percebe

O Som do Silêncio. quando Deus age e ninguém percebe PALESTRA 04 MELHOR IMPOSSÍVEL Livro de ESTER capítulos 7 e 8 O rei e Hamã foram ao banquete com a rainha Ester, e, enquanto estavam bebendo vinho no segundo dia, o rei perguntou de novo: "Rainha Ester,

Leia mais

REGIÃO NORTE E A ALTA VELOCIDADE

REGIÃO NORTE E A ALTA VELOCIDADE REGIÃO NORTE E A ALTA VELOCIDADE Rui Rodrigues Site: www.maquinistas.org (Ver Opinião) Email rrodrigues.5@netcabo.pt Data: Público, 0 de Outubro de 003 A REGIÃO NORTE E A ALTA VELOCIDADE Independentemente

Leia mais

Regulamento de Actividade de Comércio a Retalho exercida pelos Feirantes na Área do Município do Sabugal

Regulamento de Actividade de Comércio a Retalho exercida pelos Feirantes na Área do Município do Sabugal Regulamento de Actividade de Comércio a Retalho exercida pelos Feirantes na Área do Município do Sabugal Preâmbulo A regulamentação municipal sobre a actividade de comércio a retalho exercida por feirantes

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA Porto Velho - Fórum Cível Av Lauro Sodré, 1728, São João Bosco, 76.803-686 e-mail:

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DE RONDÔNIA Porto Velho - Fórum Cível Av Lauro Sodré, 1728, São João Bosco, 76.803-686 e-mail: Vara: 1ª Vara Cível Processo: 0023257-48.2012.8.22.0001 Classe: Procedimento Ordinário (Cível) Requerente: Renata Terezinha Souza de Moraes Paschoal Rodrigues Requerido: Banco Bradescard S.A; Makro Atacadista

Leia mais

DISPOSIÇÕES GERAIS APLICAÇÃO DO INSTRUMENTO COLETIVO

DISPOSIÇÕES GERAIS APLICAÇÃO DO INSTRUMENTO COLETIVO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PE001155/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/10/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR061115/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46213.019465/2013-62 DATA

Leia mais