Baixos níveis de IL-5 e IL-10 contribuem para o desenvolvimento da periodontite agressiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Baixos níveis de IL-5 e IL-10 contribuem para o desenvolvimento da periodontite agressiva"

Transcrição

1 17 Baixos níveis de IL-5 e IL-10 contribuem para o desenvolvimento da periodontite agressiva V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Letícia Grando Mattuella 1, Léder Leal Xavier 1 (orientador) 1 Faculdade de Biociências, PUCRS, 2 Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular Resumo Citocinas derivadas de linfócitos Th1/Th2 desempenham um papel crucial na patogênese de doenças inflamatórias, como as periodontites. O objetivo do presente estudo foi comparar os níveis de citocinas plasmáticas Th1/Th2 (IL-2, IL-4, IL-5, IL-10, TNF-α e IFNγ) em pacientes com periodontite agressiva (n=19), periodontite crônica (n=19) e controles saudáveis (n=18) através de um ensaio multiplex de citometria de fluxo. Médias e desviospadrão foram calculados e comparados pelos testes estatísticos de ANOVA e Tukey. O teste de correlação de Pearson foi utilizado para verificar a relação entre idade e cada citocina individualmente dentro dos três grupos estudados. Os níveis de IL-5 e IL-10 foram significativamente menores em pacientes com periodontite agressiva (0.28±0.57 e 0.55±0.58, respectivamente) quando comparados aos grupos com periodontite crônica (0.86±0.81 e 1.84±2.12, respectivamente) e indivíduos saudáveis (0.68±0.72 e 1.01±1.41, respectivamente) (p=0.04). Nenhuma relação foi observada entre a idade e os níveis de citocinas quando os três grupos estudados foram analisados. Como, as citocinas IL-5 e IL-10 estão envolvidas na regulação das respostas inflamatórias, sugerimos que os baixos níveis destas moléculas, observados entre os pacientes com periodontite agressiva, contribuem para o desenvolvimento de uma manifestação exacerbada da doença. Introdução As periodontites são doenças inflamatórias crônicas, causadas por um grupo de bactérias, principalmente as gram-negativas, que colonizam a área subgengival e podem levar à destruição dos tecidos que suportam os dentes. Apesar de responsáveis pelo início do

2 18 processo, estes microorganismos são insuficientes para causar a doença, sendo essencial a existência de um hospedeiro suscetível (Offenbacher, 1996). Os processos inflamatórios e imunológicos agem nos tecidos periodontais para proteger contra o ataque microbiano. Entretanto, em alguns indivíduos, essas reações de defesa podem ser prejudiciais porque são passíveis de danificar as células e as estruturas vizinhas do tecido conjuntivo. A severidade e a progressão das periodontites são determinadas por fatores ligados à resposta do hospederio, além da presença e da virulência das bactérias (Page, Kornman, 1997). Segundo a Academia Americana de Periodontia (1999), a periodontite crônica é caracterizada como uma doença de progressão lenta, associada ao acúmulo de biofilme bacteriano, que acomete geralmente indivíduos acima de 30/40 anos de idade. Na periodontite agressiva, há rápida destruição periodontal e ocorre, em sua maior parte, em indivíduos jovens saudáveis sistemicamente. Sabe-se que a periodontite, através da inflamação e da destruição dos tecidos periodontais produz diversos sinais, sintomas e sequelas clínicas que acabam por impactar consideravelmente a qualidade de vida dos indivíduos. O maior impacto é, sem dúvida, a perda dos dentes (Ng, Leung, 2006). Uma observação marcante no estudo de Susin e Albandar (2005) foi que o número de dentes perdidos nos portadores de periodontite agressiva foi duas vezes maior que em controles sem periodontite, pareados por sexo e idade. Esta forma de periodontite tende a apresentar uma agregação familiar e, em alguns casos, a gravidade da doença não demonstra compatibilidade com a quantidade de biofilme bacteriano acumulado, sugerindo uma alta susceptibilidade destes indivíduos à doença. Por esta razão, características biológicas, como o perfil de citocinas, tem sido estudado numa tentativa de melhor compreender o comportamento do sistema imune em pacientes susceptíveis. Citocinas, pequenas proteínas solúveis que conduzem informação de uma célula para outra (Callard, George, Stark, 1999), desempenham papéis essenciais nas respostas imune e inflamatória. Além disso, o resultado de uma infecção pode ser atribuído ao balanço entre tais moléculas. Uma definição funcional para citocinas diferencia entre o tipo-1 e tipo-2. Citocinas tipo-1 (IL-2 e IFN-γ) estão envolvidas na ativação de células T citotóxicas e macrófagos, consequentemente, estimulando a imunidade celular e a inflamação. Citocinas tipo-2 (IL-4, IL-5 e IL-10) estão envolvidas na resposta imune Th2 e promovem a imunidade humoral, atuando como moléculas anti-inflamatórias (Belardelli, Ferrantini, 2002; Queiroz et al., 2008).

3 19 A doença periodontal é uma condição complexa. O domínio de uma resposta do tipo humoral é clara em lesões crônicas, mas especula-se que nos estágios iniciais da doença, reações mediadas por células interfiram na sua progressão (Lappin et al., 2001). A análise do perfil de citocinas nos tecidos periodontais tem sido realizada utilizando diferentes estratégias, como hibridização in situ e imunohistoquímica (Lappin et al., 2001), ELISA (Górska et al., 2003; Havemose-Poulsen et al., 2005), RT-PCR (Garlet et al., 2003; Suárez et al., 2004) e CBA (Queiroz et al., 2008). Além disso, padrões de citocinas têm sido avaliados em pacientes com periodontite agressiva (Suárez et al., 2004, Havemose-Poulsen et al., 2005), crônica (Górska et al., 2003, Queiroz et al., 2008) ou ambas apresentações (Lappin et al., 2001; Garlet et al., 2003). Objetivando contribuir com a caracterização do perfil de citocinas apresentado por pacientes com periodontite e considerando a disponibilidade de inúmeros métodos para esta análise, avaliamos o perfil de citocinas Th1/Th2, no plasma de pacientes com periodontite agressiva e crônica, utilizando a técnica de citometria de fluxo. Metodologia Um total de 56 pacientes foram selecionados no Departamento de Periodontia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Brasil. Suas idades variavam entre 13 e 64 anos. Após exame clínico, os pacientes que preenchiam os critérios de inclusão foram convidados a participar da presente pesquisa, a qual foi submetida e aprovada pelo comitê de ética da UFRGS (Processo número 47/05). Todos os pacientes e indivíduos do grupo controle foram informados sobre o propósito e a metodologia do estudo e assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido. Os sujeitos foram classificados nos seguintes grupos: periodontite agressiva (n=19), periodontite crônica (n=19) e sem periodontite (n=18). Os pacientes com periodontite agressiva deveriam apresentar 4 ou mais dentes com perda de inserção 4 mm em indivíduos entre 14 e 19 anos de idade e 5 mm em indivíduos entre 20 e 29 anos de idade (Susin, Albandar 2005). Os pacientes com periodontite crônica deveriam ter idade entre 35 e 60 anos e pelo menos 20 dentes, perda de inserção 4 mm em pelo menos 10 dentes, profundidade de sondagem 6 mm em pelo menos 5 dentes e sangramento periodontal em pelo menos 10 dentes. Os controles saudáveis, por sua vez, deveriam ter pelo menos 20 dentes em boca, índice de sangramento gengival menor que 20%, perda de inserção e/ou profundidade de sondagem em sítios proximais 3 mm (Castro et al., 2003).

4 20 Um questionário foi aplicado para todos os participantes em relação ao seu nível educacional, hábito de tabagismo e saúde geral. Para a presente pesquisa, indivíduos diagnosticados com HIV e/ou diabetes, grávidas ou lactantes e que ingeriram medicação imuno-regulatória nos 6 meses prévios ao estudo, foram excluídos. Amostras de sangue (15 ml) foram obtidas por venipunção de cada paciente, utilizando tubos BD Vacutainer TM (BD Diagnostics, NJ, USA), os quais foram imediatamente centrifugados para isolar o plasma. As amostras de plasma, por sua vez, foram aliquotadas e armazenadas em -20ºC até a manipulação. A concentração das citocinas plasmáticas foi determinada por citometria de fluxo utilizando-se o BD TM Cytometric Bead Array (CBA) Human Th1/Th2 Cytokine Kit (BD Biosciences, San Diego, CA), um ensaio multiplex que mensura quantitativamente analitos solúveis com base em suas diferentes intensidades de fluorescência (Queiroz et al., 2008; Brietzke et al., 2009). O kit CBA utilizado permite a distinção das seguintes citocinas: IL-2, IL-4, IL-5, IL-10, TNF-α e IFN-γ. O processamento das amostras e a análise dos dados, adquiridos com um citômetro de fluxo FACSCalibur (BD Bioscences, San Diego, CA), foram realizados de acordo com as instruções do fabricante. Análise Estatística A unidade de análise foi estabelecida como o indivíduo e o nível de significância em 5%. Os dados distribuídos com normalidade foram apresentados como médias e desviospadrão e comparados com os testes estatísticos de ANOVA e Tukey. O teste de correlação de Pearson foi usado para verificar a relação entre idade e cada citocina dentro dos três grupos estudados. O software Statistica 8.0 foi empregado para analisar os dados. Resultados As características gerais dos sujeitos da presente pesquisa estão apresentadas na Tabela 1. A mensuração de citocinas revelou que os níveis de IL-5 e IL-10 foram estatisticamente menores em pacientes com periodontite agressiva em relação aos com periodontite crônica (p=0,04) (Tabela 2). Quando comparados ao controle, pacientes com periodontite agressiva tiveram níveis menores de todas as citocinas. Uma situação semelhante foi encontrada nos pacientes com periodontite crônica, os quais apresentaram menores valores de IFN-γ quando comparados aos sujeitos saudáveis. Não houve diferença estatística nos níveis de IL-2, IL-5, TNF-α and IFN-γ quando os grupos foram comparados.

5 21 A Tabela 3 descreve a frequência (%) de detecção de cada citocina em particular nas amostras de plasma de todos os grupos estudados. Os níveis detectáveis de uma citocina em particular (concentração igual ou acima do menor valor padrão) foram encontrados em, aproximadamente, metade da amostra em todos os grupos, com exceção para o grupo da periodontite agressiva, o qual apresentou uma menor expressão de IL-5 e IL-10. O modelo do perfil de citocinas demonstrou alta variabilidade individual. A análise de correlação de Pearson não detectou qualquer relação entre idade e citocina quando os três grupos estudados foram analisados. Discussão A literatura sugere um recrutamento diferencial de células T na periodontite agressiva e crônica, resultando em diferentes padrões de produção de citocinas, ou seja, uma tendência para o desenvolvimento de uma resposta predominantemente Th1 na primeira e Th2 na segunda (Garlet et al., 2003). Lappin et al. (2001) comparando pacientes com ambas periodontites, observaram um predominante conjunto de células Th2 no grupo com periodontite agressiva e um maior números de células expressando IL-4 e IL-6 do que IL-2 e IFN-γ. Recentemente, foi sugerido que, na periodontite, a alta variabilidade dos níveis de citocinas e a baixa frequência de sua detecção, pode contribuir para determinar a presença e/ou severidade da doença (Queiroz et al., 2008). Embora, Górska et al. (2003) afirmem que os níveis no soro de citocinas não são bons indicadores da doença periodontal e que tais resultados podem conduzir a conclusões controversas, a ocorrência de um aumento no número de células T no sangue periférico e a presença destas células na gengiva estão estabelecidos durante o processo da doença (Lappin et al., 2001). Além disso, o nível de citocinas no plasma pode representar uma possível distribuição para a circulação de citocinas produzidas localmente nos tecidos inflamados (Havemose-Poulsen et al., 2005). No presente estudo, os níveis de IL-5 e IL-10 foram significativamente menores na periodontite agressiva (0.28±0.57 e 0.55±0.58) quando comparados à periodontite crônica (0.86±0.81 e 1.84±2.12) e aos controles saudáveis (0.68±0.72 e 1.01±1.41) (p=0.04). Estes menores níveis de IL-5 and IL-10, os quais são característicos de uma resposta Th2, observados na periodontite agressiva, poderiam sugerir uma deficiência no controle da resposta imune dirigida contra patógenos, consequentemente, resultando em um quadro de inflamação exacerbada. Apesar desta poder conduzir a um aumento nos níveis de citocinas

6 22 Th1, acreditamos que este processo seja restrito ao tecido periodontal e não possa ser observado sistemicamente. Interessantemente, através da análise do mrna de citocinas, Suárez et al. (2004) observaram a expressão de IL-5 e IL-10 em biópsias de pacientes com gengivite e saudáveis, embora a expressão estava ausente no tecido doente obtido de pacientes com periodontite agressiva, confirmando nossos dados. O potencial de quimioatração de citocinas produzidas por células Th1 poderia favorecer a reabsorção óssea e a progressão da doença. Segundo Garlet et al. (2003), as características de quimioatração de células produtoras de IL-4 e IL-10 poderia controlar o potencial destrutivo da resposta Th1. Como a IL-10 está associada com a supressão da reabsorção óssea (Kawashima and Stashenko, 1999; Sasaki et al., 2000), a baixa expressão em pacientes com periodontite agressiva estaria relacionada com a forma mais severa da doença.

7 23 Tabelas Tabela 1 - Características dos sujeitos do estudo. Grupo periodontal Indivíduos saudáveis Periodontite agressiva Periodontite crônica N Gênero masculino/ 12/6 (66.7/33.3) 16/3 (84.2/15.8) 14/5 (73.7/26.3) feminino (%) Idade (média ± DP) 28.8 (4.36) 35.6 (8.48) 49.4 (9.76) Grupo étnico (%) Caucasiano 18(100) 16 (84.2) 16 (84.2) Não Caucasiano 0 (0.0) 3 (15.8) 3 (15.8) Tabagismo (%) Não fumante 14 (77.8) 11 (57.9) 11 (57.9) Fumante 2 (11.1) 5 (26.3) 1 (5.2) Ex fumante 2 (11.1) 3 (15.8) 7 (36.9)

8 24 Tabela 2 - Concentração de citocinas em pg/ml (medias e desvios-padrão) nos grupos com periodontite agressiva e crônica comparados com os controles saudáveis. Grupo periodontal Indivíduos Periodontite Periodontite saudáveis agressiva crônica Valor de p N IL (±1.34) 1.07 (±0.90) 1.41 (±1.17) 0.65 IL (±1.33) 1.31 (±1.06) 1.62 (±1.44) 0.69 IL (±0.72) 0.28 (±0.57) 0.86 (±0.81) 0.04* IL (±1.40) 0.55 (±0.98) 1.84 (±2.12) 0.04* TNF-α 1.43 (±1.57) 1.18 (±1.18) 1.76 (±1.42) 0.44 IFN-γ 1.84 (±1.47) 1.27 (±1.46) 1.71 (±2.11) 0.57

9 25 Tabela 3 - Frequência (%) de detecção das citocinas, individualmente, nas amostras de plasma dos grupos com periodontite agressiva e crônica comparados com os controles saudáveis. Grupo periodontal Indivíduos saudáveis Periodontite agressiva Periodontite crônica N 18 (100) 19 (100) 19 (100) IL-2 9 (50) 12 (63) 12 (63) IL-4 10 (56) 13 (68) 12 (63) IL-5 10 (56) 4 (21) 11 (58) IL-10 7 (39) 5 (26) 10 (53) TNF-α 10 (56) 9 (47) 13 (68) IFN-γ 13 (72) 10 (53) 10 (53) Todas as citocinas acima do menor 5 (28) 3 (16) 6 (32) valor padrão Todas as citocinas abaixo do menor valor padrão 5 (28) 3 (16) 1 (5)

10 26 Conclusão Nossos resultados sugerem que pacientes com periodontite agressiva têm menores valores de citocinas circulantes IL-5 e IL-10 no plasma quando comparados aos pacientes com periodontite crônica e controles saudáveis. Como IL-5 e IL-10 desempenham papéis importantes na regulação da resposta inflamatória, os baixos níveis de tais citocinas observados na periodontite agressiva podem contribuir para a manifestação exacerbada da doença. Referências American Academy of Periodontology. Consensus Report on the Classification of Periodontal Diseases. Ann Periodontol. Vol. 4, Nº 1 (1999), pp Belardelli, F., Ferrantini, M. Cytokines as a link between innate and adaptative antitumor immunity. Trends Immunol. Vol. 23, Nº 4 (2002), pp Brietzke, E., Stertz, L., Fernandes, B.S., Kauer-Sant'Anna, M., Mascarenhas, M., Vargas, A.E., Chies, J.A., Kapczinski, F. Comparison of cytokine levels in depressed, manic and euthymic patients with bipolar disorder. J Affect Disord. Vol. 116, N º 3 (2009), pp Callard, R., George, A.J.T., Stark, J. Cytokines, chaos, and complexity. Immunity. Vol. 11, Nº 5 (1999), pp Castro, G.D.C., Oppermann, R.V., Haas, A.N., Winter, R., Alchieri, J.C. Association between psychosocial factors and periodontitis: a case-control study. J Clin Periodontol. Vol. 33, Nº 2 (2006), pp Garlet, G.P., Martins, Jr.W., Ferreira, B.R., Milanezi, C.M., Silva, J.S. Patterns of chemokines and chemokine receptors expression in different forms of human periodontal disease. J Periodontal Res. Vol. 38, Nº 2 (2003), pp Górska, R., Gregorek, H., Kowalski, J., Laskus-Perendyk, A., Syczewska, M., Madaliński, K. Relationship between clinical parameters and cytokine profiles in inflamed gingival tissue and serum samples from patients with chronic periodontitis. J Clin Periodontol. Vol. 30, Nº 12 (2003), pp Havemose-Poulsen, A., SØrensen, L.K., Stoltze, K., Bendtzen, K., Holmstrup P. Cytokine profiles in peripheral blood and whole blood cell cultures associated with aggressive periodontitis, juvenile idiopathic arthritis, and rheumatoid arthritis. J Periodontol. Vol. 76, Nº 12 (2005), pp Kawashima, N., Stashenko, P. Expression of bone-resorptive and regulatory cytokines in murine periapical inflammation. Arch Oral Biol. Vol. 44, Nº 1 (1999), pp Lappin, D.F., Macleod, C.P, Kerr, A., Mitchell, T. Kinane, D.F. Anti-inflammatory cytokine IL-10 and T cell cytokine profile in periodontitis granulation tissue. Clin Exp Immunol. Vol. 123, Nº 2 (2001), pp Ng, S.K., Leung, W.K., Oral Health-Related Quality of Life and Periodontal Status. Community Dent Oral Epidemiol. Vol. 34, Nº 2 (2006), pp Offenbacher, S. Periodontal Diseases: Pathogenesis. Ann Periodontol. Vol. 1, Nº 1 (1996), pp Page, R.C., Kornman, K.S. The Pathogenesis of Human Periodontitis: an Introduction. Periodontol Vol. 14 (1997), pp

11 27 Queiroz, A.C., Taba, M., O`Connell, P.A., Nóbrega, P.B., Costa, P.P., Kawata, V.K.S., Trevisan, G.L., Novaes, A.B., Souza, S.L.S., Palioto, D.B., Grisi, M.F.M. Inflammation markers in healthy and periodontitis patients. A preliminary data screening. Braz Dent J. Vol. 19, Nº 1 (2008), pp Sasaki, H., Hou, L., Belani, A., Wang, C., Uchiyama, T., Müller, R., Stashenko, P. IL-10, but not IL-4, suppresses infection-stimulated bone resorption in vivo. J Immunol. Vol. 165, Nº 7 (2000), pp Suárez, L.J., Ocampo, A.M., Dueñas, R.E., Rodríguez, A. Relative proportions of T-cell subpopulations and cytokines that mediate and regulate the adaptive immune response in patients with aggressive periodontitis. J Periodontol. Vol. 75, Nº 9 (2004), pp Susin, C., Albandar, J.M. Aggressive Periodontitis in an Urban Population in Southern Brazil. J Periodontol. Vol. 76, Nº 3 (2005), pp

Doenças gengivais induzidas por placa

Doenças gengivais induzidas por placa Doenças gengivais induzidas por placa Definição Inflamação dos tecidos gengivais sem afetar irreversivelmente o aparato de inserção Classificação (AAP 1999) Doenças Gengivais Induzidas por placa Não

Leia mais

Imunidade aos microorganismos

Imunidade aos microorganismos Imunidade aos microorganismos Características da resposta do sistema imune a diferentes microorganismos e mecanismos de escape Eventos durante a infecção: entrada do MO, invasão e colonização dos tecidos

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

Bone Resorption in Periodontal Disease: the Role of Cytokines and Prostaglandins

Bone Resorption in Periodontal Disease: the Role of Cytokines and Prostaglandins Atividade ósteo-reabsortiva na doença periodontal: o papel das citocinas e prostaglandinas Bone Resorption in Periodontal Disease: the Role of Cytokines and Prostaglandins Recebido em 04/10/2006 Aprovado

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU- USP

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU- USP PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Título da Pesquisa: TERAPIA FOTODINÂMICA ANTIMICROBIANA NO TRATAMENTO DA DOENÇA PERIODONTAL EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN Pesquisador: Carla

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

ANÁLISE DA POPULAÇÃO DE CÉLULAS T REGULADORAS EM PACIENTES PORTADORES DE TUBERCULOSE PULMONAR

ANÁLISE DA POPULAÇÃO DE CÉLULAS T REGULADORAS EM PACIENTES PORTADORES DE TUBERCULOSE PULMONAR ANÁLISE DA POPULAÇÃO DE CÉLULAS T REGULADORAS EM PACIENTES PORTADORES DE TUBERCULOSE PULMONAR Saara Barros Nascimento (bolsista do PIBIC/CNPQ), Raimundo Nonato da Silva (colaborador, UFPI), Rubens de Sousa

Leia mais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Bibliografia e tópicos para a prova de seleção 2013 (Mestrado / Doutorado) Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Tópicos - Mestrado e Doutorado (prova teórica*) *O candidato poderá excluir um número

Leia mais

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL 1 ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL Ana Carolina Borghesi Marques Branco Mariah Martins da Silva Josiane Correia Juliana Ferreira

Leia mais

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas ODONTOLOGIA PERIODONTIA I 5º Período / Carga Horária: 90 horas 1. PRÉ-REQUISITO: Biossegurança e Orientação Profissional Odontológica; Diagnóstico por Imagem I; Patologia Buço Denta. 2. EMENTA: O aluno

Leia mais

ASPECTOS MICROBIOLÓGICOS DAS DOENÇAS PERIODONTAIS

ASPECTOS MICROBIOLÓGICOS DAS DOENÇAS PERIODONTAIS ASPECTOS MICROBIOLÓGICOS DAS DOENÇAS PERIODONTAIS Prof. Dr. Cláudio Galuppo Diniz O termo doença periodontal descreve uma diversidade de entidades clínicas distintas que afetam o periodonto, incluindo

Leia mais

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Lesões Periodontais Doença inflamatória dos tecidos de suporte dos

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

O papel da IL-1β em pacientes com comprometimento periodontal

O papel da IL-1β em pacientes com comprometimento periodontal 257 O papel da IL-1β em pacientes com comprometimento periodontal Fúlvio B. Miguel * Ana Karina Cardoso ** Luciana R. Koser ** Patrícia M. Alves ** Rhyna C. Costa ** Resumo As citocinas, em especial a

Leia mais

Disciplina de Imunologia. Curso de Biomedicina. Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular

Disciplina de Imunologia. Curso de Biomedicina. Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular Disciplina de Imunologia Curso de Biomedicina Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular Como o sistema imune exerce sua função fisiológica principal = Proteger o hospedeiro de infecções por agentes

Leia mais

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 660 ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Camila Rodrigues Costa 1, 2 Matheus

Leia mais

Relatório Global da Sétima Avaliação Externa da Qualidade dos Testes de CD 4 / CD 8

Relatório Global da Sétima Avaliação Externa da Qualidade dos Testes de CD 4 / CD 8 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria Executiva Coordenação Nacional de DST e Aids Relatório Global da Sétima Avaliação Externa da Qualidade dos Testes de CD 4 / CD 8 Série C. Projetos, Programas e Relatórios

Leia mais

Fumo e doença periodontal nos pacientes da Clínica Odontológica PIAZZA, Maitê (1); MEUZEL, Dayse, Rita (2); MEUZEL, Luiza (3)

Fumo e doença periodontal nos pacientes da Clínica Odontológica PIAZZA, Maitê (1); MEUZEL, Dayse, Rita (2); MEUZEL, Luiza (3) Fumo e doença periodontal nos pacientes da Clínica Odontológica IMED PIAZZA, Maitê (1); MEUZEL, Dayse, Rita (2); MEUZEL, Luiza (3) 1 - Aluna de graduação da Faculdade Meridional-IMED, Brasil. E-mail: maitepiazza@gmail.com

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 295/08 CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a regionalização dos serviços de saúde no Sistema Único de Saúde conforme PDR/RS; a

Leia mais

Doença Periodontal e Diabetes A influência do tratamento periodontal no controle glicêmico

Doença Periodontal e Diabetes A influência do tratamento periodontal no controle glicêmico Doença Periodontal e Diabetes A influência do tratamento periodontal no controle glicêmico O Diabetes é uma doença metabólica, caracterizada pelo aumento do nível glicêmico no sangue, a hiperglicemia.

Leia mais

Eficácia da Suplementação de Ômega-3 como Agente Modulador da Periodontite Crônica. Reduz o Sangramento e a Inflamação Gengival

Eficácia da Suplementação de Ômega-3 como Agente Modulador da Periodontite Crônica. Reduz o Sangramento e a Inflamação Gengival Eficácia da Suplementação de Ômega-3 como Agente Modulador da Periodontite Crônica Reduz o Sangramento e a Inflamação Gengival Novo Tratamento para Estomatite Aftosa Recorrente Ômega-3 Reduz os Sinais

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Avaliação clínico-laboratorial do paciente alérgico RAST Silvia Daher Apoio: Phadia Diagnósticos Ltda HISTÓRIA TESTE CUTÂNEO RAST SD Diagnóstico de

Leia mais

Carlos Heitor Cunha Moreira 1, Tiago Fernandes 2, Raquel Antoniazzi 3, Cassiano Kuchenbecker Rösing 4

Carlos Heitor Cunha Moreira 1, Tiago Fernandes 2, Raquel Antoniazzi 3, Cassiano Kuchenbecker Rösing 4 RECURSOS DIAGNÓSTICOS DE DOENÇAS PERIODONTAIS UTILIZADOS POR CIRURGIÕES DENTISTAS DE TRÊS CIDADES DO RIO GRANDE DO SUL Diagnosis tools of periodontal disease used by dentists from 3 cities in Rio Grande

Leia mais

Doença Periodontal Orientações para manter uma boca saudável Anatomia Estrutura saudável Gengivas A A figura mostra as gengivas de uma pessoa que tenha a constituição clara. As pessoas de pele escura têm

Leia mais

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1 Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1 1. Um homem de 42 anos sabe que está com HIV/AIDS. Qual

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 124 ARTIGOS COMPLETOS(RESUMOS)... 128

RESUMOS DE PROJETOS... 124 ARTIGOS COMPLETOS(RESUMOS)... 128 123 RESUMOS DE PROJETOS... 124 ARTIGOS COMPLETOS(RESUMOS)... 128 RESUMOS DE PROJETOS 124 A GENÉTICA E NEUROFISIOLOGIA DO AUTISMO... 125 PAPEL DO POLIMORFISMO IL17A (RS7747909) NA TUBERCULOSE.... 126 PAPEL

Leia mais

I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB

I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB 29 de setembro, 09 e 10 de outubro de 2012 MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO TRABALHO: Título do trabalho Perfil do paciente portador de Diabetes Mellitus tipo 2 atendidos no projeto

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 7 Samuel. Fundamentação Teórica: Doenças periodontais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 7 Samuel. Fundamentação Teórica: Doenças periodontais CASO COMPLEXO 7 Samuel : Ilíria Salomão Feist Dividiremos nosso conteúdo referencial em duas partes: na primeira definiremos, segundo a Academia Americana de Periodontia (AAP), os itens que devem ser seguidos

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

Alterações da polpa, do periápice e do periodonto

Alterações da polpa, do periápice e do periodonto Disciplina: Patologia Oral Alterações da polpa, do periápice e do periodonto Parte 2 Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2º Semestre - 2012 ALTERAÇÕES DA POLPA, DO PERIÁPICE E DO PERIODONTO PATOLOGIA

Leia mais

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DO CÂNCER BUCAL NO HC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, ATRAVÉS DO CID 10

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DO CÂNCER BUCAL NO HC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, ATRAVÉS DO CID 10 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos ESTUDO DA PREVALÊNCIA DO CÂNCER BUCAL NO HC DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, ATRAVÉS DO CID 10 Leana

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS Universidade Bandeirante de São Paulo Comitê de Pós-Graduação e Pesquisa COMISSÃO DE ÉTICA (Resolução CONSEPE-UNIBAN nº 17/06 de 11/02/2006) FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO

Leia mais

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa Reação Ag-Ac in vitro Testes sorológicos Uso de soro ou outros fluidos biológicos de paciente p/ diagnóstico laboratorial Demonstração de anticorpos específicos

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

ONCICREM A. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Orabase 1mg/g

ONCICREM A. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Orabase 1mg/g ONCICREM A Geolab Indústria Farmacêutica S/A Pomada Orabase 1mg/g MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Oncicrem

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE VELOCIDADE DE HEMOSSEDIMENTAÇÃO E PROTEÍNA C REATIVA EM UM GRUPO DE IDOSOS.

CORRELAÇÃO ENTRE VELOCIDADE DE HEMOSSEDIMENTAÇÃO E PROTEÍNA C REATIVA EM UM GRUPO DE IDOSOS. CORRELAÇÃO ENTRE VELOCIDADE DE HEMOSSEDIMENTAÇÃO E PROTEÍNA C REATIVA EM UM GRUPO DE IDOSOS. Autor: ANA LUIZADA SILVA Orientador: Sâmia Macedo Queiroz Mota Castellão Tavares Coautor(es): Ana Luiza da Silva,

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS. Prof. Aline Aguiar de Araujo

RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS. Prof. Aline Aguiar de Araujo RESPOSTA IMUNE AOS MICRORGANISMOS Prof. Aline Aguiar de Araujo INTRODUÇÃO Número de indivíduos expostos à infecção é bem superior ao dos que apresentam doença, indicando que a maioria das pessoas tem condições

Leia mais

Definição. Definição. Características clínicas e laboratoriais. Características Clínicas e Microbiológicas. Doença Periodontal Agressiva:

Definição. Definição. Características clínicas e laboratoriais. Características Clínicas e Microbiológicas. Doença Periodontal Agressiva: Doença Periodontal Agressiva Características Clínicas e Microbiológicas Prof. Dr. Marcelo de Faveri Doença Periodontal Agressiva: Definição As doenças periodontais agressivas são consideradas d infecções

Leia mais

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A IMUNOEXPRESSÃO DO PCNA, KI-67 E CICLINA B1 SPÍNDULA FILHO, José Vieira de ;

Leia mais

A DEPRESSÃO COMO FATOR DE RISCO PARA PERIODONTITE REVISÃO DE LITERATURA Depression as a risk factor for periodontitis literature review

A DEPRESSÃO COMO FATOR DE RISCO PARA PERIODONTITE REVISÃO DE LITERATURA Depression as a risk factor for periodontitis literature review Braz J Periodontol - March 2013 - volume 23 - issue 01 A DEPRESSÃO COMO FATOR DE RISCO PARA PERIODONTITE REVISÃO DE LITERATURA Depression as a risk factor for periodontitis literature review Fabiano Araújo

Leia mais

LEGIONELLA COMO MINIMIZAR RISCOS. Marcos d Avila Bensoussan SETRI Consultoria em Sustentabilidade

LEGIONELLA COMO MINIMIZAR RISCOS. Marcos d Avila Bensoussan SETRI Consultoria em Sustentabilidade LEGIONELLA COMO MINIMIZAR RISCOS Marcos d Avila Bensoussan SETRI Consultoria em Sustentabilidade SUSTENTABILIDADE PESSOAS PLANETA - PRODUTIVIDADE Ter práticas sustentáveis, também é prover menos riscos

Leia mais

EFEITO BIFIDOGÊNICO DO FRUTOOLIGOSSACARÍDEO NA MICROBIOTA INTESTINAL DE PACIENTES COM NEOPLASIA HEMATOLÓGICAS

EFEITO BIFIDOGÊNICO DO FRUTOOLIGOSSACARÍDEO NA MICROBIOTA INTESTINAL DE PACIENTES COM NEOPLASIA HEMATOLÓGICAS EFEITO BIFIDOGÊNICO DO FRUTOOLIGOSSACARÍDEO NA MICROBIOTA INTESTINAL DE PACIENTES COM NEOPLASIA HEMATOLÓGICAS TELMA BÚRIGO; REGINA LÚCIA MARTINS FAGUNDES; ERASMO BENICIO SANTOS DE MORAES TRINDADE; HELENA

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE RESUMOS PARA A VI JORNADA CIENTÍFICA DO HOSPITAL DE DOENÇAS TROPICAIS HDT/HAA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE RESUMOS PARA A VI JORNADA CIENTÍFICA DO HOSPITAL DE DOENÇAS TROPICAIS HDT/HAA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE RESUMOS PARA A VI JORNADA CIENTÍFICA DO HOSPITAL DE DOENÇAS TROPICAIS HDT/HAA Período de envio dos resumos: 08/10/15 à 10/11/15. Envio dos resumos: os resumos deverão ser enviados

Leia mais

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos.

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos. Questão 1 Você é um imunologista que quer ficar rico e decide deixar o mundo da ciência, conseguindo um emprego como consultor de roteiro em um novo seriado de drama médico. Você avalia o conhecimento

Leia mais

A doença periodontal e o fumo

A doença periodontal e o fumo A doença periodontal e o fumo Hubert Chamone Gesser ( h_gesser@hotmail.com ) - Cirurgião Dentista - Especialista em Odontologia em Saúde Coletiva pela ABO-SC - Mestrando em Engenharia de Produção Bioestatística

Leia mais

Análise da história de pacientes HIV positivos: abordagem de modelos markovianos multi-estados

Análise da história de pacientes HIV positivos: abordagem de modelos markovianos multi-estados Análise da história de pacientes HIV positivos: abordagem de modelos markovianos multi-estados Silvia Shimakura Raquel V.C. de Oliveira Dayse Campos mailto:silvia.shimakura@ufpr.br Universidade Federal

Leia mais

Instituição Educacional: Universidade de São Paulo USP Ribeirão Preto

Instituição Educacional: Universidade de São Paulo USP Ribeirão Preto PESQUISA 1º colocado Título do Trabalho: Avaliação dos conhecimentos relativos aos cuidados com as escovas dentais, após sua utilização, em adultos, crianças e pacientes especiais. Autor (a): Dr. Jerônimo

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS

AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE E DOENÇA E ASPECTOS CLÍNICOS DE PESSOAS COM HIV/AIDS ABAIXO E ACIMA DE 50 ANOS Regina Lígia Wanderlei de Azevedo FIP regina.azevedo@gmail.com Josevânia da Silva UNIPÊ josevaniasco@gmail.com

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura?

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura? Volume1 O que é? O que é Hemofilia? Hemofilia é uma alteração hereditária da coagulação do sangue que causa hemorragias e é provocada por uma deficiência na quantidade ou qualidade dos fatores VIII (oito)

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar:

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: 22 PROVA DE BIOLOGIA II QUESTÃO 40 A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: a) Se não existisse o processo inflamatório, os microorganismos

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA GERAL

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO AOS CANDIDATOS A TRANSPLANTE HEPÁTICO HC-FMUFG TRABALHO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 2010/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA GERAL

Leia mais

MODELO DE FORMATO DE BULA

MODELO DE FORMATO DE BULA APRESENTAÇÃO OMCILON-A ORABASE é apresentado em bisnaga contendo 10 g. USO ORAL TÓPICO USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada grama de OMCILON-A ORABASE contém 1mg de triancinolona acetonida. Ingredientes inativos:

Leia mais

CITOLOGIA EM MEIO LÍQUIDO

CITOLOGIA EM MEIO LÍQUIDO CITOLOGIA EM MEIO LÍQUIDO CITOLOGIA EM MEIO LÍQUIDO CITOLOGIA EM MEIO LÍQUIDO O DB Diagnósticos do Brasil oferece a seus clientes o que há de mais moderno e eficiente no diagnóstico preventivo de câncer

Leia mais

Os efeitos da alimentação sobre a saúde oral dos cães e gatos. Ananda P. Félix e Mariana Scheraiber Universidade Federal do Paraná

Os efeitos da alimentação sobre a saúde oral dos cães e gatos. Ananda P. Félix e Mariana Scheraiber Universidade Federal do Paraná Os efeitos da alimentação sobre a saúde oral dos cães e gatos Ananda P. Félix e Mariana Scheraiber Universidade Federal do Paraná Periodontite Problema mais comum, que afeta 80% dos cães e 70% dos gatos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DAS CITOCINAS IL-4, IL- 6, IL-8, IL-10 E DO TGF-Β, PRESENTES NA SALIVA DE PACIENTES COM PERIODONTITE, ANTES E APÓS A SUBMISSÃO

Leia mais

Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção

Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infecção Título Fonte Definição Nível Informação Dimensão da Qualidade Taxa de infecção de sítio cirúrgico incisional profunda/ órgão/ cavidade

Leia mais

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia História

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

SAÚDE PERIODONTAL NAS FASES DA VIDA DA MULHER

SAÚDE PERIODONTAL NAS FASES DA VIDA DA MULHER Girlene E.P.Villa. Especialista em Periodontia, Mestre e Doutora pela FORP-USP Lorene Pereira de Queiroz Casali CD SAÚDE PERIODONTAL NAS FASES DA VIDA DA MULHER As variações hormonais alem de afetarem

Leia mais

DOS TECIDOS BUCAIS. Periodontopatias. Pulpopatias. Periapicopatias TIPOS: -INCIPIENTE -CRÔNICA -HIPERPLÁSICA. Causada pelo biofilme bacteriano

DOS TECIDOS BUCAIS. Periodontopatias. Pulpopatias. Periapicopatias TIPOS: -INCIPIENTE -CRÔNICA -HIPERPLÁSICA. Causada pelo biofilme bacteriano LESÕES INFLAMATÓRIAS DOS TECIDOS BUCAIS PERIODONTOPATIAS PERIODONTOPATIAS DOENÇAS DO PERIODONTO Periodontopatias Pulpopatias Periapicopatias Inflamação limitada aos tecidos moles que circundam os dentes(tec.peridentais).

Leia mais

ANÁLISE POR FLUORESCÊNCIA DE RAIOS-X DA COMPOSIÇÃO DA SUPERFÍCIE DO CÁLCULO DE DENTES EXTRAÍDOS POR DOENÇA PERIODONTAL

ANÁLISE POR FLUORESCÊNCIA DE RAIOS-X DA COMPOSIÇÃO DA SUPERFÍCIE DO CÁLCULO DE DENTES EXTRAÍDOS POR DOENÇA PERIODONTAL ANÁLISE POR FLUORESCÊNCIA DE RAIOS-X DA COMPOSIÇÃO DA SUPERFÍCIE DO CÁLCULO DE DENTES EXTRAÍDOS POR DOENÇA PERIODONTAL Eliane Aparecida Braine 1, Ana Cristina de Oliveira Solis 1,2 Luís Eduardo Silva Soares

Leia mais

RESUMO EXPANDIDO SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE DAS PROVAS MONOTERMAIS NO DIAGNÓSTICO OTONEUROLÓGICO

RESUMO EXPANDIDO SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE DAS PROVAS MONOTERMAIS NO DIAGNÓSTICO OTONEUROLÓGICO RESUMO EXPANDIDO Título SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE DAS PROVAS MONOTERMAIS NO DIAGNÓSTICO OTONEUROLÓGICO Palavras Chave Eletronistagmografia; Vertigem; Tontura. Autores Mercia Castro Lima 1, Tatiane

Leia mais

EVOLUÇÃO TEMPORAL DE MANIFESTAÇÕES ORAIS NOTIFICAÇÃO EM PORTADORES DE AIDS

EVOLUÇÃO TEMPORAL DE MANIFESTAÇÕES ORAIS NOTIFICAÇÃO EM PORTADORES DE AIDS EVOLUÇÃO TEMPORAL DE MANIFESTAÇÕES ORAIS NOTIFICAÇÃO EM PORTADORES DE AIDS Bárbara Letícia de Queiroz Xavier. Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. Email: barbaraleticiaqx@hotmail.com Eliane de

Leia mais

Ciência & Saúde Coletiva ISSN: 1413-8123 cecilia@claves.fiocruz.br. Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva.

Ciência & Saúde Coletiva ISSN: 1413-8123 cecilia@claves.fiocruz.br. Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Ciência & Saúde Coletiva ISSN: 1413-8123 cecilia@claves.fiocruz.br Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Brasil Chambrone, Leandro; Bassit Macedo, Sergio; Cardoso Ramalho, Francisco;

Leia mais

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO DA SÍNDROME S DE BURNOUT EM TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AUTORES: KALINE LÍGIA F. CAUDURO VICTOR N. FONTANIVE PAULO V. N. FONTANIVE INTRODUÇÃO A saúde do trabalhador

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS SUBPOPULAÇÕES DE MONÓCITOS EXPRESSANDO CD14 E CD16 EM PACIENTES COM LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA

AVALIAÇÃO DAS SUBPOPULAÇÕES DE MONÓCITOS EXPRESSANDO CD14 E CD16 EM PACIENTES COM LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA AVALIAÇÃO DAS SUBPOPULAÇÕES DE MONÓCITOS EXPRESSANDO CD14 E CD16 EM PACIENTES COM LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA Ledice I A PEREIRA, Hélio GALDINO Jr, Ildefonso Alves DA SILVA Jr, Valéria Bernadete

Leia mais

IRM na Esclerose Múltipla

IRM na Esclerose Múltipla IRM na Esclerose Múltipla Índice Autor: Dr. David Araújo Neurorradiologista do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo e do Instituto de Diagnóstico por Imagem da Santa Casa

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

TÍTULO: EFEITO DA TERAPIA PERIODONTAL NÃO CIRÚRGICA SOBRE O CONTROLE GLICÊMICO EM INDIVÍDUOS COM DIABETES TIPO2 E PERIODONTITE CRÔNICA: ENSAIO CLÍNICO

TÍTULO: EFEITO DA TERAPIA PERIODONTAL NÃO CIRÚRGICA SOBRE O CONTROLE GLICÊMICO EM INDIVÍDUOS COM DIABETES TIPO2 E PERIODONTITE CRÔNICA: ENSAIO CLÍNICO 16 TÍTULO: EFEITO DA TERAPIA PERIODONTAL NÃO CIRÚRGICA SOBRE O CONTROLE GLICÊMICO EM INDIVÍDUOS COM DIABETES TIPO2 E PERIODONTITE CRÔNICA: ENSAIO CLÍNICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

Leia mais

MARCADORES CARDÍACOS

MARCADORES CARDÍACOS Maria Alice Vieira Willrich, MSc Farmacêutica Bioquímica Mestre em Análises Clínicas pela Universidade de São Paulo Diretora técnica do A Síndrome Coronariana Aguda MARCADORES CARDÍACOS A síndrome coronariana

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS PERIODONTAIS PERIODONTIA

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS PERIODONTAIS PERIODONTIA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS PERIODONTAIS Cirurgiã-Dentista CONCEITO: PERIODONTIA Especialidade Odontológica que estuda os tecidos normais e as doenças do sistema de implantação e sustentação dos

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

Os efeitos do controle farmacológico no comportamento futuro de pacientes menores de três anos no consultório odontológico

Os efeitos do controle farmacológico no comportamento futuro de pacientes menores de três anos no consultório odontológico Os efeitos do controle farmacológico no comportamento futuro de pacientes menores de três anos no consultório odontológico Denise Espíndola ANTUNES; Luciane Ribeiro de Rezende Sucasas da COSTA; Cristiana

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial de Chikungunya

Diagnóstico Laboratorial de Chikungunya Diagnóstico Laboratorial de Chikungunya Fernanda Montenegro de Carvalho Araújo Dezembro/2014 Introdução A febre do CHIKUNGUNYA é uma doença endêmica nos países do Sudeste da Ásia, África e Oceania e emergente

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Aliança para um Futuro Livre de Cárie

Aliança para um Futuro Livre de Cárie Creme dental com alto teor de fluoreto Resumo completo Descrição: Os dentifrícios fluoretados foram introduzidos pela primeira vez na década de 1950. [1] O primeiro dentifrício fluoretado continha fluoreto

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores

Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores Gestão em Saúde e Segurança a no Trabalho em Serviços de Saúde Gerenciamento de Riscos em Serviços de Saúde e a Segurança a dos Trabalhadores 2007 As invenções do homem, em busca do bem estar e de melhores

Leia mais

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento Epidemiologia Profa. Heloisa Nascimento Medidas de efeito e medidas de associação -Um dos objetivos da pesquisa epidemiológica é o reconhecimento de uma relação causal entre uma particular exposição (fator

Leia mais

O Sistema do Complemento

O Sistema do Complemento UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Programa de Pós- Graduação em Imunologia Básica e Aplicada Disciplina- Integração Imunologia Básica- Clínica O Sistema do Complemento Elyara

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Os participantes no estudo devem preencher o questionário de follow-up com intervalos regulares de - meses. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado.

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE PERIODONTIA CLÍNICA

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE PERIODONTIA CLÍNICA INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação Graduação em Odontologia Disciplina de Periodontia Clínica 6 o período APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE PERIODONTIA CLÍNICA Profs. Lucinei Roberto de Oliveira

Leia mais