Análise dos Elementos Potencializadores e Limitantes do Trabalho de Tutoria/orientação a Distância: lições aprendidas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise dos Elementos Potencializadores e Limitantes do Trabalho de Tutoria/orientação a Distância: lições aprendidas"

Transcrição

1 1 Análise dos Elementos Potencializadores e Limitantes do Trabalho de Tutoria/orientação a Distância: lições aprendidas Taís Rabetti Giannella Laboratório de Tecnologias Cognitivas NUTES/UFRJ Miriam Struchiner Laboratório de Tecnologias Cognitivas NUTES/UFRJ Regina Maria Vieira Ricciardi Laboratório de Tecnologias Cognitivas NUTES/UFRJ Resumo A partir da apresentação de três experiências de educação a distância (EAD), via Internet, enfocam-se os resultados obtidos as lições aprendidas em relação às atividades dos tutores/orientadores, apontando-se os seus principais elementos potencializadores e limitantes. Embora os estudos sobre o papel do tutor/orientador a distância venham sendo amplamente discutidos na literatura, ainda há poucos dados ancorados em pesquisas sobre a prática de tutoria em contextos a distância, mediados pelas novas tecnologias da informação e da comunicação. Este trabalho apresenta a análise realizada a partir do levantamento e caracterização dos principais elementos que potencializam ou limitam do trabalho de tutoria/orientação, com base nos resultados obtidos em três estudos sobre programas de educação a distância, via Web. Palavras-chave: Tutoria/orientação a distância; elementos potencializadores e limitantes 1. O papel do tutor/orientador a distância: competências e estratégias Alguns autores como Gutierrez (1994) questionam o conceito de tutoria e propõem que as atividades do profissional potencializador sejam exercidas pelo assessor pedagógico. O autor enfatiza que este assessor pedagógico, além de complementar e facilitar a mediação pedagógica, deve estabelecer uma comunicação empática com o estudante. Pensar neste mediador ultrapassa o conceito de tutoria e se aproxima de uma concepção de um profissional que facilita a construção de significados por parte dos alunos nas suas interpretações do mundo. Assim, este profissional será mais bem denominado facilitador, orientador pedagógico ou, como optamos neste texto, tutor/orientador. Integrar o conceito de orientação valoriza a idéia de educar pela pesquisa. Portanto, remetendo o contexto universitário, ressalta-se que o professor deve assumir o papel de orientador e, assim como em sua relação com seus orientandos de pesquisa, deve se caracterizar como alguém que, tendo produção própria, motiva o aluno a produzir também (Demo, 1993). Para os tutores/orientadores apoiarem o processo de aprendizagem dos alunos, Jonassen (1998) propõe os seguintes níveis de orientação: o Tutoramento (scaffolding), o Treinamento (coaching) e a Modelagem (modeling). O tutoramento Apoio: CNPq, CAPES, PAPED/SEED/MEC

2 dá um suporte sistemático ao estudante, até que este seja capaz de agir sozinho, como, por exemplo, iniciando uma tarefa, demonstrando os procedimentos e, posteriormente, deixando que o aprendiz dê seguimento à atividade de maneira autônoma. O treinamento objetiva motivar os alunos, analisar suas atividades, promover feedback e dar conselhos, provocar reflexões e articular os conhecimentos adquiridos. A modelagem caracteriza-se por oferecer ao aluno um exemplo do comportamento ou da atividade pretendida, por meio de relato de casos parecidos, mostrando como as soluções foram tomadas ou demonstrando como um especialista perseguiria a solução de um determinado problema. O aluno analisa os procedimentos e as soluções, comparando-os com o problema que precisa resolver, e tenta encontrar suas próprias respostas. Desta maneira, percebe-se a existência de três níveis de atividade e de suporte para o aluno que vão desde um acompanhamento mais estruturado e direto até o mais aberto, que possibilita a livre iniciativa do aluno (Struchiner et al., 1998). Aretio (2001) aponta que a quantidade de características e competências recomendadas para a atividade de orientação a distância é muito extensa e, neste sentido, procura enfatizar quatro principais qualidades, sem as quais todas as demais podem fracassar: Cordialidade: fazer com que os alunos se sintam bem vindos, respeitados e confortáveis; Aceitação: aceitar/compreender a realidade do aluno que, em seus contatos com o tutor/orientador, deve se sentir participante ativo do processo; Honradez: ser verdadeiro e autêntico; não deixar que o aluno crie expectativas falsas sobre o que se pode oferecer; manifestar honestidade, não assumindo uma postura de professor dono da verdade ; Empatia: colocar-se no lugar do outro; envolver-se com os sentimentos dos alunos, aproximando as relações. Aliada a estas qualidades, Aretio (2001) ressalta ainda mais uma: a capacidade de desenvolver uma escuta/leitura inteligente, isto é, o tutor deve escutar/ler o que se diz/escreve intencionalmente, ou inconscientemente. Esta inteligência deve animar o estudante a expressar seus sentimentos e preocupações sem constrangimento. Para o desenvolvimento desta qualidade, Aretio (2001) indica as seguintes recomendações: (1) procurar remeter a idéia dominante que o aluno acabou de dizer/escrever, resumindo ou parafraseando suas palavras, evitando emitir opinião ou crítica, de maneira a estimular sua reflexão e fazendo-o prosseguir; (2) evitar perguntas que podem ser respondidas com sim ou não, ou aquelas iniciadas por Por que ; estas perguntas tendem a quebrar o fluxo natural do pensamento dos alunos, são restritivas e por possuírem uma natureza de interrogatório, podem colocar os alunos em uma postura defensiva; (3) compreender o silêncio; muitas vezes, um espaço de tempo sem diálogo é necessário para a reflexão e a tomada de decisão pelo aluno; o tutor/orientador deve procurar estar atento se o silêncio indica desânimo ou possível desistência, ou tempo necessário para a reflexão/ação individual. O desenvolvimento de todas estas qualidades revela a importância do aspecto humano das relações, que deve ser elevado ao máximo, possibilitando o estabelecimento de um processo educativo onde haja uma relação emocional de confiança, amizade e cumplicidade (Santos, 2002). Segundo Kreling (2001), este 2

3 3 tipo de relação é essencial para o crescimento do aluno, contribuindo para minimizar problemas como a alta evasão nos cursos de EAD. Muito embora estas classificações sobre o papel do tutor/orientador a distância venham sendo amplamente discutidas na literatura (Aretio, 2001; Berge, 1995; Gutierrez, 1994; Jonassen, 1998; Kreling, 2001; Santos, 2002), ainda há poucos dados ancorados em pesquisas sobre a prática de tutoria em contextos a distância, mediados pelas novas tecnologias da informação e da comunicação. Estas informações são de fundamental importância para o planejamento de ambientes e processos educativos a distância. Neste sentido, este trabalho tem como finalidade oferecer subsídios para esta discussão, com base na análise dos resultados obtidos em três estudos sobre programas de EAD, via Web. A presente análise foi realizada a partir do levantamento e caracterização dos principais elementos identificados como potencializadores e limitantes do trabalho de tutoria/orientação, nos cursos investigados. Os estudos analisados contaram com três principais fontes de dados: observação do desenvolvimento dos cursos, realização de questionários e entrevistas (com alunos, tutores/orientadores e coordenadores). 2. Análise das três experiências de EAD A descrição destas três experiências foi construída a partir de dissertações de mestrado desenvolvidas no Laboratório de Tecnologias Cognitivas (LTC/UFRJ). A primeira experiência (A) Uma experiência de um curso que não deu certo (Alcântara, 2001) foi elaborada a partir de um convênio entre o programa de educação a distância da instituição de ensino desenvolvedora e uma associação empresarial. Por razões éticas, o nome da Instituição e do curso da terceira experiência foram omitidos. A segunda experiência (B) Gestão Descentralizada de Recursos Humanos em Saúde (Carvalho, 2000) e a terceira (C) A Internet no Ensino Superior: recursos e aplicações (Giannella, 2002) foram desenvolvidas e implementadas pelo LTC/UFRJ, sendo objetos de projetos de pesquisa. No quadro 2, são apresentadas as características gerais destas três experiências. Características Curso A Curso B Curso C Período de realização Fev/1999 a --* 18/08/2000 a 18/10/ /02/2002 a 25/03/2002 Forma de distribuição Na Internet Na Internet Na Internet Público alvo Profissionais de Profissionais ligados à empresas que área de gestão de gerenciam seus recursos humanos próprios programas de (experiência realizada saúde no Rio Grande do Norte Brasil) Conteúdo do curso gestão e assistência em saúde competências gerencias para a implementação de novas práticas que possam elevar os padrões de qualidade e docentes universitários de universidades públicas brasileiras (âmbito nacional) Potencialidades pedagógicas do uso da Internet no processo de ensino-aprendizagem

4 4 assistência nos serviços no âmbito das reformas do setor saúde. No de 13 (o coordenador não 2 (o coordenador não 3 (o coordenador tutores/orientadores tinha função de tutor) tinha função de tutor) também era tutor) No de alunos Inicial: 300 Final: --* Inicial: 20 Final: 14 Inicial: 37 Final: 13 Quadro 2: Características básicas das experiências descritas *Como a experiência A não teve sucesso, não tendo continuidade, alguns dados não podem ser contemplados neste quadro. O modelo pedagógico e a estrutura do curso que não deu certo, por não possuírem um planejamento sólido, limitaram o desenvolvimento desta experiência. Na primeira tentativa de implementação do curso, este apresentava as seguintes características: 1) ambiente de aprendizagem programado em linguagem HTML; 2) 25% do conteúdo proposto disponível em rede (representando um dos quatro módulos do curso); 3) fórum de discussão única ferramenta comunicacional implementada. Logo no início, o curso enfrentou uma série de dificuldades, de caráter administrativo, institucional, cultural e tecnológico, o que gerou uma crise no processo educativo, levando à paralisação total das atividades e à intervenção da diretoria do programa para uma reformulação geral do ambiente de educação a distância. A coordenação do curso, enfocando os problemas técnicos da primeira versão do site, decidiu pela mudança da tecnologia, não havendo nenhuma transformação na estrutura e dinâmica pedagógica. Segundo o coordenador, a nova versão que estava propondo oferecia mais recursos, o que permitiria que se implementasse a totalidade do conteúdo e as ferramentas de comunicação. Porém, com esta segunda versão, surgiram dois problemas centrais: os alunos não conseguiam acessar o site e/ou não conseguiam navegar por ele e a equipe tecnológica não foi capaz de implementar o restante do conteúdo e das ferramentas. A partir deste panorama, pode-se concluir que a decisão pela mudança da tecnologia foi tomada sem que houvesse um conhecimento real das dificuldades e necessidades de transformação. Essa mudança representou uma tentativa de solucionar os problemas da primeira versão, que, de acordo com a assessora pedagógica, consistiu em um grande erro de avaliação, já que as falhas do sistema nada tinham a ver com a linguagem HTML. Como pôde ser verificado posteriormente, a nova versão, em Shockwave, apresentava os mesmos problemas da versão anterior, com um fator agravante: os alunos não conseguiam ter acesso ao curso e, consequentemente, perdiam a motivação pois, além do sistema de comunicação estar restrito à troca de mensagens por correio eletrônico, a parcela de conteúdo que havia sido implementada passou a ser de difícil acesso. Em relação ao seu modelo de tutoria/orientação, verificou-se que não houve um processo de seleção de tutores/orientadores. Os professores, que integravam o departamento que oferecia o curso, foram convidados a participar da experiência, recebendo remuneração para cada aluno que completasse as atividades do curso. Uma das razões, segundo o coordenador do curso, para utilizar os professores do próprio departamento, era a possibilidade de associar os

5 recursos da instituição ao programa de EAD. Os tutores foram orientados para o desempenho de suas atividades em workshop com duração de dois dias, coordenado pela assessora pedagógica. No início das atividades do curso, havia a proposta de uma reunião mensal com os tutores, o que ocorreu apenas durante os três primeiros meses. Estas reuniões foram interrompidas, pois os tutores não conseguiam mais conciliar seus horários. O modelo pedagógico e a estrutura do curso Gestão Descentralizada de Recursos Humanos em Saúde visaram proporcionar um espaço que oferecesse uma série de materiais e atividades: textos básicos, listas de dúvidas/respostas dos participantes, exercícios, situações problema (casos) geradas a partir do contexto da gestão de RH em saúde a serem analisadas e solucionadas, fórum de discussão, glossário e outros. Esta diversidade tem a finalidade não apenas de acomodar preferências, mas também enriquecer a experiência de aprendizagem com diferentes olhares e formas de representação dos conteúdos abordados. O estudo de casos, ou situações problema, constitui o ponto central do curso, uma vez que se pretende que todo o conteúdo teórico exposto sirva de base para o aluno aprofundar seu conhecimento a partir da discussão/resolução dos casos apresentados. Em relação ao seu modelo de tutoria/orientação, o curso contou com duas tutoras, profissionais com domínio do conteúdo tanto do ponto de vista teórico quanto prático. Vale ressaltar que as tutoras tinham também prática docente no ensino presencial, mas nunca haviam participado de cursos a distância. Foram orientadas pela coordenadora (que participara da elaboração do curso, no LTC), em relação ao modelo do programa, às atividades pedagógicas e ao desenvolvimento de suas funções de orientador/facilitador numa abordagem construtivista de aprendizagem. O modelo pedagógico e a estrutura do curso A Internet no Ensino Superior: recursos e aplicações procuraram considerar o perfil e as necessidades dos docentes (pouco tempo para a realização do curso, provável falta de familiaridade com ferramentas tecnológicas etc) no desenvolvimento dos recursos informacionais ( Textos para reflexão, Materiais de apoio e Leituras complementares ) e das atividades, oferecendo a oportunidade de aliar reflexão e aprendizagem à aplicação imediata em contexto de trabalho. Assim, foram oferecidos textos curtos, especialmente elaborados pela equipe, com uma linguagem simples, enfatizando as questões fundamentais de cada módulo e trazendo muitos exemplos. As atividades propostas sugeriam a análise e a construção de materiais que levassem em consideração a prática profissional de cada professor, podendo, inclusive, virem a se constituir em materiais a serem utilizados em suas aulas. A dinâmica do curso baseou-se em atividades que privilegiavam a cooperação, explorando as experiências de cada docente na construção coletiva de conhecimento; para isso, foram oferecidas diferentes ferramentas comunicacionais: quadro de avisos, interno, fórum de discussão e monitoria (organizada em formato de FAQ). Sendo parte de uma experiência piloto, não se planejou oferecer este curso para um grande número de participantes. Assim, visando estabelecer uma dinâmica aberta e informal, não se previu a existência de um modelo de tutoria/orientação formal, mas sim de um coordenador para orientar as 5

6 6 atividades, preferencialmente por meio de espaços coletivos, como o fórum e a monitoria. Posteriormente, como o curso contou com um grande número de inscrições, optou-se por dividir, aleatoriamente, os alunos entre três orientadoras pesquisadores do LTC - para que os participantes pudessem direcionar aos seus orientadores os problemas ou as dificuldades pessoais que preferissem não publicar na área de monitoria pedagógica, não sobrecarregando assim a coordenação. Neste sentido, o papel das orientadoras foi o de atender e orientar dúvidas e/ou questões mais pessoais provenientes dos alunos. A coordenadora, que era uma das orientadoras, foi quem assumiu o papel de gerenciamento, mobilização e orientação do processo educativo, no sentido coletivo. 3. Lições aprendidas A partir das três experiências relatadas, apresenta-se uma síntese dos elementos que potencializaram ou limitaram as atividades de tutoria/orientação a distância. Elementos que potencializaram as atividades de tutoria/orientação 1 Familiarização dos tutores com todos os elementos e estrutura do curso O habitual, em cursos a distância, é que haja equipes especializadas para as diferentes etapas de desenvolvimento e implementação. Normalmente, este processo envolve especialistas de conteúdo, desenhistas instrucionais, programadores visuais e de informática, além de tutores/orientadores. Os tutores/ orientadores quase nunca participam do processo de concepção e planejamento do curso. Portanto, é necessário que se familiarizem tanto com o conteúdo, como com a metodologia e o ambiente de aprendizagem. Esta familiaridade garante maior segurança e domínio em relação ao processo educativo, o que potencializa a atividade de tutoria/orientação. No curso (A), este elemento foi bem caracterizado, já que os orientadores do curso participaram de todo o seu processo de desenvolvimento e implementação, conhecendo a fundo tanto os seus aspectos pedagógicos como os tecnológicos, o que facilitou muito sua atuação. 2 Liderança da coordenação do curso É fundamental que a coordenação do curso se coloque no papel dos tutores para conhecer e vivenciar o processo educativo e melhor gerenciar a dinâmica do curso. A coordenação deve assumir o papel de integração da equipe, potencializando as atividades dos tutores. O papel de liderança da coordenação foi fundamental para os cursos (A), onde a coordenadora atuou também como tutora, e (B). No curso (C), a coordenação não assumiu um papel ativo e de liderança, não procurando manter os orientadores/tutores integrados e motivados, o que foi um dos fatores limitantes. 3 - Apoio de monitores tecnológicos Tendo em vista as inúmeras dificuldades com o uso da tecnologia, ainda apresentadas pela maioria dos participantes (coordenadores, tutores e alunos), o apoio de monitores especializados é um elemento muito importante para auxiliar as atividades de tutoria. Os monitores não apenas apóiam as dúvidas dos alunos, como as dos próprios tutores. Os tutores, assim, ficam liberados da sobrecarga

7 7 das dúvidas dos alunos em relação ao uso da tecnologia e podem se concentrar na orientação pedagógica. A presença de monitores com o papel específico de atender as dúvidas técnicas, no curso (A), foi apontada como um elemento potencializador do trabalho de tutoria. 4 - Diversidade de ferramentas comunicacionais A possibilidade de utilizar ferramentas comunicacionais com funções específicas (quadro de avisos, e fórum de discussão, por exemplo) facilita o trabalho do tutor, pois permite atender diferentes estilos de conversação (interação mais pessoal ou coletiva, por exemplo). As ferramentas comunicacionais possibilitam diminuir a sensação de isolamento nos cursos de EAD, potencializando a construção coletiva de conhecimento. Tanto no curso (A) como no (B), a ampla exploração das ferramentas comunicacionais em muito contribuiu com o processo de tutoria/orientação. No curso (C), apenas a ferramenta de fórum foi implementada e, mesmo assim, foi subutilizada, limitando a interação entre os participantes. A interação neste curso restringiu-se à troca de s. 5 - Acompanhamento das atividades do curso por meio de ferramentas gerenciais Uma vez que todas as atividades acontecem a distância, as ferramentas gerenciais facilitam as atividades dos tutores, criando estratégias de organização do trabalho e acompanhamento das atividades dos alunos. Assim, a partir destas ferramentas, os tutores podem visualizar o número de acessos, os caminhos percorridos, os materiais consultados e enviados etc. No curso (A), os tutores podiam acompanhar as atividades a partir do histórico de navegação dos alunos. Embora facilitasse o trabalho, esta ferramenta inda deverá ser aperfeiçoada, já que sua leitura e interpretação não é tão amigável. No curso (B), os tutores/orientadores contaram com a ferramenta de Alunos por orientador (cadastro dos alunos relacionados ao orientador), Controle de Acesso (disponibiliza os dados sobre a rotina de utilização do curso pelos alunos sob sua orientação) e Análise dos trabalhos (dá acesso à visualização e correção dos trabalhos dos alunos). No curso (C) os tutores não contaram com qualquer ferramenta de gerência. 6 Estratégia pedagógica baseada na resolução de situações-problema Este modelo pedagógico, utilizado no curso (B), permitiu envolver as experiências dos alunos, estimulando o desenvolvimento de uma aprendizagem ativa e autônoma; ao mesmo tempo em que exigia maior dedicação e elaboração por parte do tutor/orientador, tornou a atividade de tutoria/orientação mais aberta e flexível. Esta estratégia não é a única que propicia os elementos acima citados, mas configura um exemplo oportuno para o desenvolvimento de ambientes construtivistas de aprendizagem. Elementos que limitaram as atividades de tutoria/orientação 1 - Falta de experiência com a prática de orientação a distância As atividades de EAD ainda são uma novidade para a maioria dos professores, lançando inúmeros desafios para as suas práticas docentes. Dificilmente será possível transferir os mesmos hábitos/estratégias da sala de aula para as atividades de EAD, o que traz, de início, uma certa insegurança para os

8 professores. Com a prática, novas competências são desenvolvidas para o melhor aproveitamento das atividades de tutoria/orientação. 2 Desafios do modelo pedagógico que privilegia uma postura mais ativa e autônoma dos alunos (limitação cultural) A cultura da transmissão do conhecimento ainda está enraizada em nossa sociedade, dificultando o desenvolvimento de propostas educativas mais abertas que estimulem uma postura ativa e autônoma dos alunos. Geralmente, os alunos mantêm uma postura passiva, esperam que o professor dite todo o andamento do processo educativo e desejam receber sempre respostas prontas para as suas dúvidas. Um dos papéis dos orientadores/tutores é procurar transformar esta visão, redirecionando suas práticas para uma ação de apoio ao aprendizado. 3 Limitações técnicas do uso da tecnologia As limitações tecnológicas de nossa rede de computadores ainda são bastante intensas, o que dificulta muito as atividades a distância pela Internet; dentre as limitações, pode-se citar a lentidão da rede e o seu custo de uso. A dificuldade de acesso à Internet é um dos elementos que mais provoca a desistência e o insucesso desta modalidade de EAD. 4 - Limitações culturais do uso da tecnologia O primeiro passo para o orientador passar confiança e segurança para os seus alunos a distância é demonstrar conforto com a tecnologia, procurando conhecer a fundo todo o ambiente, seus recursos e ferramentas. Isto também facilitará o atendimento às dúvidas técnicas dos alunos. 5 - Dificuldade de lidar com situações onde os alunos apresentam maior conhecimento sobre determinado conteúdo Pela facilidade de enviar comentários diversos e perguntas (a qualquer hora, quando desejar) e pela abertura e flexibilidade propostas em muitos ambientes de aprendizagem, pode acontecer de os orientadores receberem comentários e/ou perguntas que não saibam responder. Isto pode ser embaraçoso para os professores, que devem aprender a lidar com estas situações. É sempre bom poder relembrar que a atividade educativa é uma atividade de construção social, que se dá por meio da troca e cooperação de diferentes conhecimentos e expertises. 6 - Dificuldade de exposição, devido à linguagem escrita A falta de familiaridade com o formato de interação viabilizado pela Internet, onde idéias e posicionamentos são registrados de forma permanente, através da expressão escrita, pode ser um fator de inibição que explica a participação de caráter mais observador de alguns participantes. Esta postura mais observadora pode acabar limitando as atividades dos tutores, que devem procurar alternativas para orientar estes alunos. 7 Capacitação de tutores limitada aos aspectos técnicos do curso Grande parte dos cursos de capacitação para tutores se limita aos aspectos técnicos relacionados ao uso das ferramentas do curso. Os aspectos pedagógicos e os elementos e estratégias peculiares da EAD são, muitas vezes, deixados em segundo plano ou nem abordados, o que acaba prejudicando o desempenho dos tutores. Isto se deve a dois principais motivos: 1) à familiaridade ainda pequena em relação aos aspectos pedagógicos envolvidos na EAD e 2) ao fato de se 8

9 9 considerar que, sendo professores, estes já são competentes na prática pedagógica. 8 - Pequeno tempo de dedicação dos tutores A falsa idéia de que a EAD exige menos tempo de dedicação dos professores ainda persiste. Na verdade, as atividades de EAD, quando realizadas com seriedade, acabam requerendo dos professores um tempo de dedicação maior do que o planejado. Isto pode acabar trazendo conflitos e desorganização para o processo educativo, dificultando as atividades de tutoria/orientação. É necessário ter sempre em mente que as atividades de EAD requerem, além das demandas normais de qualquer atividade educativa, uma reorganização das relações de ensino-aprendizagem, o que é um grande desafio e exige maior tempo de dedicação e compromisso. 9 - Problemas nas ferramentas comunicacionais limitação da interatividade entre os participantes. Como as ferramentas comunicacionais são o principal meio de contato e diálogo entre os participantes, quando há problemas técnicos as atividades de tutoria ficam prejudicadas, limitando a interatividade e distanciando a comunidade. Este foi um dos elementos que mais limituou o trabalho de tutoria no curso (A). 4. Conclusões Como pode ser observado em nossas Lições aprendidas, uma série de elementos estão envolvidos no trabalho de tutoria/orientação a distância, desde aqueles relativos à concepção pedagógica do curso, passando pelos recursos e ferramentas disponíveis para auxiliar o seu trabalho, pela postura e expectativa dos alunos, indo até a sua visão sobre o processo de ensino-aprendizagem. O tutor/orientador possui um papel fundamental, direcionando seus esforços na personalização da EAD, mediante um apoio sistemático e organizado, que ajude os alunos na utilização dos materiais educativos oferecidos, que propicie o estímulo e a orientação individual e coletiva, facilitando e motivando as situações de aprendizagem. De um modo geral, o aluno a distância deve encontrar em si mesmo as motivações e as necessidades para aprender, sendo capaz de fazer opções sobre seu próprio processo de educação. Portanto, apresenta-se um grande desafio para a EAD, que é o de estabelecer pedagogia menos diretiva, onde os alunos possam definir seus ritmos, preferências curriculares e de metodologias de aprendizagem. O planejamento do processo educativo deve levar em conta as habilidades e competências dos participantes, assim como suas condições sócio-culturais (situação familiar, profissional, social, ambiental). Como discutem Struchiner et al. (1998), a mediação pedagógica construtivista pode ser traduzida em competências do tutor/orientador, que deverá compreender a construção do conhecimento como um processo dinâmico e relacional; deverá ter uma visão clara da metodologia a ser realizada, dos processos adequados de avaliação e desenvolver uma postura de atuação compatível com esta visão. Vale ressaltar que a literatura define tantas listas de qualidades e recomendações para o trabalho de tutoria/orientação a distância que, para alcançá-las, precisaríamos de perfeitos super-homens (Aretio, 2001); na verdade, mais do que procurar seguir recomendações é necessário ter a oportunidade de refletir sobre elas, com a prática e com os possíveis erros.

10 10 5. Referências Bibliográficas ALCÂNTARA, M. Análise dos Fatores que Influenciam o Planejamento e a Implementação de Ambientes de Aprendizagem a Distância: um Estudo de um Caso de um Programa que não deu certo. (dissertação de mestrado) Dissertação (Mestrado em Tecnologia Educacional para a Saúde) Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde. Universidade Federal do Rio de janeiro. ARETIO, L.G.. La educación a distancia. Barcelona: Ariel SA, BERGE, Z.L. Facilitating Computer Conferencing: recommendations from the field. Educational technology. 35(1) 22-30, CARVALHO, M.A. P. Análise de um ambiente construtivista de aprendizagem a distância: um estudo da interatividade, de cooperação e da autonomia no curso de gestão descentralizada de recursos humanos em saúde. (dissertação de mestrado) Dissertação (Mestrado em Tecnologia Educacional para a Saúde) Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde. Universidade Federal do Rio de janeiro. ALCÂNTARA, M. Análise dos Fatores que Influenciam o Planejamento e a Implementação de Ambientes de Aprendizagem a Distância: um Estudo de um Caso de um Programa que não deu certo. (dissertação de mestrado) Dissertação (Mestrado em Tecnologia Educacional para a Saúde) Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde. Universidade Federal do Rio de janeiro. GIANNELLA, T.R. A Teoria da Atividade como Abordagem Teórico-Metodológica para o Desenvolvimento e Análise de um Curso Virtual para Docentes Universitáros: A Internet no Ensino Superior: recursos e aplicações.(dissertação de mestrado) Dissertação (Mestrado em Tecnologia Educacional para a Saúde) Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde. Universidade Federal do Rio de janeiro. GUTIÉRREZ, F. La mediación pedagógica y la tecnología educativa. Tecnología Educacional, v.25 (132/133), Set/Out/Nov, JONASSEN, D. H. Designing Constructivist Learning Environments. In: REIGELUTH, C. M. (Ed). Instructional theories and models. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum, KRELLING, P.C.L.. Ação tutorial: redesenho de uma ação. In: Congresso virtual educa. Madrid. Atas de la Conferencia Internacional sobre Educación, Formación y Nuevas Tecnologias. CD-ROM, SANTOS, H. Formação e prática do tutor-orientador na educação a distância mediada pelas tecnologias da informação e comunicação Dissertação (Mestrado em Tecnologia Educacional para a Saúde) Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde. Universidade Federal do Rio de janeiro. STRUCHINER, M., REZENDE, F., RICCIARDI, R.M. & CARVALHO, M.A. (1998) Elementos Fundamentais para o Desenvolvimento de ambientes Construtivistas de Aprendizagem a Distância. Tecnologia Educacional, 26(142):.3-11.

FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA DE PROFESSOES DE FÍSICA DO NÍVEL MÉDIO: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE UM CURSO PILOTO COM SUPORTE NA INTERNET

FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA DE PROFESSOES DE FÍSICA DO NÍVEL MÉDIO: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE UM CURSO PILOTO COM SUPORTE NA INTERNET 1 FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA DE PROFESSOES DE FÍSICA DO NÍVEL MÉDIO: DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE UM CURSO PILOTO COM SUPORTE NA INTERNET Área Temática: Formación y nuevas tecnologías en los países

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Nos últimos anos, a educação a distância via telemática ganhou uma nova dimensão,

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (Área de Língua Portuguesa)

FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (Área de Língua Portuguesa) 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Universidade de Brasília Proposta NNS/FUB n.º 017/2006. Referência: Edital de Licitação SEB/MEC Processo n.º 23.000005051/2006-27 Programa de Incentivo à Formação Continuada

Leia mais

FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD

FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO NA EaD PROFª Mª MARIA DA GRAÇA GONÇALVES VINHOLI- GT-EAD E SENACmgvinholi@yahoo.com.br mariadagraca@ms.senac.br QUEM É O TUTOR? Mantendo a essência do termo e, transpondo

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

E-LEARNING NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA

E-LEARNING NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA E-LEARNING NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA Maio / 2005 154-TC-C3 Ilene Figueiredo Pessoa UVA - Universidade Veiga de Almeida ilene@uva.br Denise Paiva D Ávila Melo UVA - Universidade

Leia mais

UNIVERSITÁRIOS EM DISCIPLINA A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA A DISCENTES RELATO DE EXPERIÊNCIA

UNIVERSITÁRIOS EM DISCIPLINA A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA A DISCENTES RELATO DE EXPERIÊNCIA UNIVERSITÁRIOS EM DISCIPLINA A DISTÂNCIA: ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA A DISCENTES RELATO DE EXPERIÊNCIA Fortaleza Ce Maio 2011 Graziella Batista de Moura Universidade de Fortaleza graziella@unifor.br Vandalina

Leia mais

A tutoria na Educação a Distância

A tutoria na Educação a Distância XII Workshop NPT em Educação a Distância A tutoria na Educação a Distância AMALI DE ANGELIS MUSSI UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA UEFS 06 de novembro de 2015 TUTORIA... QUANDO PENSAMOS EM PRÁTICAS

Leia mais

EM BUSCA DA MELHORIA DA QUALIDADE DA INTERAÇÃO ASSÍNCRONA: SNAPP OS SEUS FÓRUNS

EM BUSCA DA MELHORIA DA QUALIDADE DA INTERAÇÃO ASSÍNCRONA: SNAPP OS SEUS FÓRUNS EM BUSCA DA MELHORIA DA QUALIDADE DA INTERAÇÃO ASSÍNCRONA: SNAPP OS SEUS FÓRUNS Brasília, maio de 2012 Iara Carneiro Tabosa Pena - Universidade de Brasília (iarapena@yahoo.com.br) Wilsa Maria Ramos Universidade

Leia mais

EaD como estratégia de capacitação

EaD como estratégia de capacitação EaD como estratégia de capacitação A EaD no processo Ensino Aprendizagem O desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação (tics) deu novo impulso a EaD, colocando-a em evidência na última

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: AS NOVAS TECNOLOGIAS E O PAPEL DO TUTOR NA PERSPECTIVA DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: AS NOVAS TECNOLOGIAS E O PAPEL DO TUTOR NA PERSPECTIVA DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: AS NOVAS TECNOLOGIAS E O PAPEL DO TUTOR NA PERSPECTIVA DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Campo Grande MS abril de 2011 Ari Gonçalves Silva Universidade Anhanguera Uniderp laquicho13@yahoo.com.br

Leia mais

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD 1 FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD Elisangela Lunas Soares UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar elisangela.soares@unicesumar.edu.br Alvaro Martins Fernandes Junior UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar

Leia mais

Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz.

Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz. Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz. Objeto Desenvolver Projeto para a implementação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo no Cecal. Introdução:

Leia mais

Escola Virtual ENAP: Relato de Experiência

Escola Virtual ENAP: Relato de Experiência 1 Escola Virtual ENAP: Relato de Experiência Maio/2005 190-TC-A5 Tarcilena Polisseni Cotta Nascimento Escola Nacional de Administração Pública ENAP Tarcilena.Nascimento@enap.gov.br Maria Fernanda Borges-Ferreira

Leia mais

Projeto, Implementação e Avaliação de um Espaço Virtual para Apoiar a Disciplina Introdução às Redes.

Projeto, Implementação e Avaliação de um Espaço Virtual para Apoiar a Disciplina Introdução às Redes. Projeto, Implementação e Avaliação de um Espaço Virtual para Apoiar a Disciplina Introdução às Redes. Abril/2004 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET sallesantonio@aol.com Ana Paula Morgado Carneiro

Leia mais

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet 57 Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet Hoje em dia ter a Internet como aliada é um recurso indispensável para qualquer educador ou responsável por treinamento corporativo que atue em qualquer

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral. Introdução

TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral. Introdução TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral Introdução Buscando no dicionário a palavra tutor vamos encontrar como primeira definição o jurídico: indivíduo que exerce uma tutela (dita tutoria)

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

Como ter sucesso na educação a distância

Como ter sucesso na educação a distância Metodologia Diferenciada Ambiente de Aprendizagem Moderno Inovação Continuada e Empreendedorismo Como ter sucesso na educação a distância 1 Regulamento 2 1 Como ter sucesso na educação a distância Para

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR 1 IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR Ribeirão Preto-SP - 05/2009 Edilson Carlos Caritá - Universidade de Ribeirão Preto UNAERP

Leia mais

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE APRENDIZAGEM NO PORTAL ESPAÇO

UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE APRENDIZAGEM NO PORTAL ESPAÇO 1 UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE APRENDIZAGEM NO PORTAL ESPAÇO Luciana Guimarães Rodrigues de Lima Mestranda em Lingüística Aplicada - LATEC- UFRJ, lucianagrlima@globo.com Cristina

Leia mais

Ofício Circular n.º 12/2009 - DET/SEED Curitiba, 15 de Abril de 2009. Referência: Informações e-tec Brasil

Ofício Circular n.º 12/2009 - DET/SEED Curitiba, 15 de Abril de 2009. Referência: Informações e-tec Brasil SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E TRABALHO Ofício Circular n.º 12/2009 - DET/SEED Curitiba, 15 de Abril de 2009. Referência: Informações e-tec Brasil

Leia mais

Metodologias Utilizadas na Educação a Distância no Brasil

Metodologias Utilizadas na Educação a Distância no Brasil Metodologias Utilizadas na Educação a Distância no Brasil Resumo Autores: Bruno Antônio de Oliveira Yuri Cravo Fernandes Rodrigues de Oliveira O recente avanço das tecnologias de informação e comunicação

Leia mais

Guia de Acesso Rápido AVA Ambiente Virtual de Aprendizagem Aluno

Guia de Acesso Rápido AVA Ambiente Virtual de Aprendizagem Aluno Guia de Acesso Rápido AVA Ambiente Virtual de Aprendizagem Aluno Introdução O Ambiente de Aprendizagem, ou AVA, é um aplicativo web onde os educadores e alunos podem disponibilizar materiais didáticos,

Leia mais

A sala virtual de aprendizagem

A sala virtual de aprendizagem A sala virtual de aprendizagem Os módulos dos cursos a distância da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza decorrem em sala virtual de aprendizagem que utiliza o ambiente de suporte para ensino-aprendizagem

Leia mais

Guia do Tutor de EaD

Guia do Tutor de EaD Guia do Tutor de EaD Cursos na modalidade a distância NEAD Núcleo de Educação a Distância Bento Gonçalves, Novembro de 2008. Apresentação Olá! Seja bem vindo(a) ao Curso de Formação de Tutores para EaD

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Curso de Formação Continuada em Videoconferência. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Curso de Formação Continuada em Videoconferência. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

DESIGN INSTRUCIONAL: APLICABILIDADE DOS DESENHOS PEDAGÓGICOS NA EAD ON-LINE BRASILIA-DF, MAIO, 2009

DESIGN INSTRUCIONAL: APLICABILIDADE DOS DESENHOS PEDAGÓGICOS NA EAD ON-LINE BRASILIA-DF, MAIO, 2009 1 DESIGN INSTRUCIONAL: APLICABILIDADE DOS DESENHOS PEDAGÓGICOS NA EAD ON-LINE BRASILIA-DF, MAIO, 2009 Karine Xavier Freire Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal karine.xavier@gmail.com Categoria

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

Manual do Aluno. O Moodle é um sistema que gerencia ambientes educacionais de aprendizagem que podem ser denominados como:

Manual do Aluno. O Moodle é um sistema que gerencia ambientes educacionais de aprendizagem que podem ser denominados como: Manual do Aluno É com muita satisfação que apresentamos o Reunir Unopar. Ambiente Virtual de Aprendizagem Colaborativa que tem por objetivo principal ser um espaço colaborativo de construção do conhecimento

Leia mais

Autor Equipe do moodlebrasil.net Copyright Creative Commons Edição Setembro 2008. Guia do Aluno Online. Abril 2008 2

Autor Equipe do moodlebrasil.net Copyright Creative Commons Edição Setembro 2008. Guia do Aluno Online. Abril 2008 2 Guia do aluno Título Autor Equipe do moodlebrasil.net Copyright Creative Commons Edição Setembro 2008 Abril 2008 2 Índice 1. Introdução... 4 2. Metodologia... 4 3. Aulas online... 5 4. A avaliação... 5

Leia mais

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL 1 ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL Florianópolis - SC - abril/2015 Júlio César da Costa Ribas IFSC julio@ifsc.edu.br Andreza Regina

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

FAÇA PARTE DESSE GRUPO MANUAL DO TUTOR

FAÇA PARTE DESSE GRUPO MANUAL DO TUTOR FAÇA PARTE DESSE GRUPO MANUAL DO TUTOR MANUAL DO TUTOR EAD Facinter SUMÁRIO Assuntos 1. Introdução 2. O que é o tutor na Facinter Páginas 04 05 3. A importância do trabalho do tutor no processo de educação

Leia mais

O Monitoramento e a Tutoria como Promotor da Aprendizagem

O Monitoramento e a Tutoria como Promotor da Aprendizagem O Monitoramento e a Tutoria como Promotor da Aprendizagem Dr. Rubem Mário F. Vargas - engenharia- rvargas@pucrs.br Dra Marilú F.Medeiros - educação- marilu@pucrs.br Dra Maria Bernadette P.Herrlein - educação-

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Avaliação do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas em EAD Ifes, na Ótica do Polo de Apoio Presencial.

Avaliação do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas em EAD Ifes, na Ótica do Polo de Apoio Presencial. 1 Avaliação do Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas em EAD Ifes, na Ótica do Polo de Apoio Presencial Serra, 05/2009 Isaura Alcina Martins Nobre, MSc Ifes isaura@ifes.edu.br

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

FAQ Estude Sem Dúvidas

FAQ Estude Sem Dúvidas FAQ Estude Sem Dúvidas Núcleo de Educação a Distância Faculdade Flamingo São Paulo Atualizado em: Outubro/2015 2 Estude sem dúvidas FAQ para os alunos de Pedagogia Presencial Caros alunos e alunas do curso

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem Trilhas de desenvolvimento Foco no desenvolvimento de competências Foco no desenvolvimento de carreiras O Sebrae O Serviço

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Educação a Distância: a oportunidade vai ao seu encontro

Educação a Distância: a oportunidade vai ao seu encontro DICAS PARA ESTUDAR A DISTÂNCIA Educação a Distância: a oportunidade vai ao seu encontro Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção.

Leia mais

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD 1 Curso Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD Unidade I Material Instrucional - Texto 1. Introdução Qualquer que seja

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Tonini José Luiz Padilha Damilano Vera Lucia Marostega Universidade Federal de Santa Maria RS RESUMO A UFSM vem ofertando Cursos de Formação

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

PLANO DE AÇÃO Nº 2 LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM GOVERNO

PLANO DE AÇÃO Nº 2 LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM GOVERNO PLANO DE AÇÃO Nº 2 LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM GOVERNO 1 I. CONTEXTUALIZAÇÃO O presente documento detalha o Plano de Trabalho 2013/2015 do CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM, e se enquadra dentre as Ações

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SEU PLANEJAMENTO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SEU PLANEJAMENTO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E SEU PLANEJAMENTO Curso de Formação de Profissionais para Atuarem no Ensino a Distância Autor: Marilaine Oliveira Casonatti Porto Alegre, Fevereiro de 2012. Introdução Veremos que

Leia mais

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso:

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso: Com carga horária de 720 horas o curso Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem...

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem... 1 2 Sumário Bem Vindo... 4 A Disciplina de Dependência Interativa... 5 A Organização da Disciplina... 7 O Processo de Ensino e Aprendizagem... 10 Sua Semana no Curso... 11 O apoio local ao Ensino Semipresencial...

Leia mais

EDITAL 01/2015 NEaD-TO Seleção de Tutores a distância e presencial EaD Doctum TO

EDITAL 01/2015 NEaD-TO Seleção de Tutores a distância e presencial EaD Doctum TO EDITAL 01/2015 NEaD-TO Seleção de Tutores a distância e presencial EaD Doctum TO A Diretoria das Faculdades Unificadas de Teófilo Otoni (doravante Doctum-TO) e seu Núcleo de Educação a Distância (doravante

Leia mais

O PROGRAMA DE NIVELAMENTO INTEGRADO DA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI

O PROGRAMA DE NIVELAMENTO INTEGRADO DA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI O PROGRAMA DE NIVELAMENTO INTEGRADO DA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Abril/2004 Suely Trevisan Araújo Universidade Anhembi Morumbi - trevizam@anhembi.br Fábio Laurenti Universidade Anhembi Morumbi - falanti@anhembi.br

Leia mais

Tutoria e Monitoramento Eletrônico das Atividades de Estudo em Ambientes Virtuais de Ensino- Aprendizagem

Tutoria e Monitoramento Eletrônico das Atividades de Estudo em Ambientes Virtuais de Ensino- Aprendizagem Tutoria e Monitoramento Eletrônico das Atividades de Estudo em Ambientes Virtuais de Ensino- Aprendizagem Santa Maria RS Maio 2010 Elena Maria Mallmann UFSM - elenamaria@smail.ufsm.br Fábio da Purificação

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

José Moran Orientador de Projetos Educacionais Inovadores com metodologias ativas

José Moran Orientador de Projetos Educacionais Inovadores com metodologias ativas Desafios que as tecnologias digitais nos trazem José Moran Orientador de Projetos Educacionais Inovadores com metodologias ativas nas modalidades presencial e a distância Do livro Novas Tecnologias e Mediação

Leia mais

EMPREGABILIDADE E MARKETING PESSOAL

EMPREGABILIDADE E MARKETING PESSOAL EMPREGABILIDADE E MARKETING PESSOAL 1 2 Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. Leonardo da Vinci CARO ALUNO Não existem limites para a educação a distância. Seus desafios

Leia mais

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Beatriz Regina Tavares Franciosi * bea@inf.pucrs.

ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Beatriz Regina Tavares Franciosi * bea@inf.pucrs. ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Beatriz Regina Tavares Franciosi * bea@inf.pucrs.br * Anamaria Lopes Colla acolla@pucrs.br Marco Aurélio Souza Mangan * mangan@inf.pucrs.br

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ.

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ. 223 3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ. Andréia Bulaty 70 GT2: Mídia e Educação à Distância Modalidade: Pôster Resumo: O presente trabalho

Leia mais

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015 1. PERFIL DO CURSO O Curso de da Unijorge (UJ), instalado no Comércio, está fundamentado em mecanismos efetivos de interdisciplinaridade e flexibilização curricular que permitem a formação de profissionais

Leia mais

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Temos literatura abundante sobre comunidades de aprendizagem, sobre a aprendizagem em rede, principalmente na aprendizagem informal. A sociedade conectada

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Competência pedagógica do professor universitário Copyright 2003, 2012 by Marcos Tarciso Masetto Direitos desta edição reservados

Leia mais

Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD

Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD Autor: Robson da Silva Lopes 1, Orientadora: Prof a. Dr a. Márcia Aparecida Fernandes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da

Leia mais

NOVAS PERSPECTIVAS DE DIDÁTICA NO ENSINO SUPERIOR

NOVAS PERSPECTIVAS DE DIDÁTICA NO ENSINO SUPERIOR NOVAS PERSPECTIVAS DE DIDÁTICA NO ENSINO SUPERIOR 1 2 Para estar junto não é preciso estar perto, e sim do lado de dentro. Leonardo da Vinci CARO ALUNO Não existem limites para a educação a distância.

Leia mais

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ Ana Caroline Lazaro Stoppa², Idalci Cruvinel dos Reis³ ¹Pesquisa realizada por acadêmica

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Telma Aparecida de Souza Gracias Faculdade de Tecnologia Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP telmag@ft.unicamp.br

Leia mais

DIDÁTICA E COMPETÊNCIAS DOCENTES: UM ESTUDO SOBRE TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DIDÁTICA E COMPETÊNCIAS DOCENTES: UM ESTUDO SOBRE TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA N 429 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes, SANTOS Lázaro, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da. DIDÁTICA E COMPETÊNCIAS DOCENTES: UM ESTUDO SOBRE TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA O conhecimento, bem como os demais

Leia mais

Manual do aluno online

Manual do aluno online Manual do aluno online Os 10 mandamentos do aluno de educação online 1 1. Acesso à Internet: ter endereço eletrônico, um provedor e um equipamento adequado é prérequisito para a participação nos cursos

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: proposta para avaliação do desempenho do tutor na educação a distância

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: proposta para avaliação do desempenho do tutor na educação a distância 1 EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: proposta para avaliação do desempenho do tutor na educação a distância Maio 2008 Alessandra de Paula - Universidade Católica do Paraná Alessandra_rs1@hotmail.com Nelson Pereira

Leia mais

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES Marcia Regiane Miranda Secretaria Municipal de Educação de Mogi das Cruzes marcia.sme@pmmc.com.br

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS Resolução do colegiado de Pedagogia nº 03/2014 Regulamenta Estágio supervisionado do curso de Pedagogia, fixados no Projeto Pedagógico do Curso de Pedagogia, Licenciatura, do Centro de Ensino Superior

Leia mais

Tutoria em EAD. CF(T) Biagiotti

Tutoria em EAD. CF(T) Biagiotti Tutoria em EAD CF(T) Biagiotti Introdução A presente apresentação pretende destacar a importância da ação do tutor na Educação a Distância abordando em especial as competências que lhe são necessárias.

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

KARLA PATRÍCIA RAMOS DA COSTA; JULIANA FALCÃO; MARIA LÚCIA GURGEL DA COSTA; WANILDA MARIA ALVES CAVALCANTI.

KARLA PATRÍCIA RAMOS DA COSTA; JULIANA FALCÃO; MARIA LÚCIA GURGEL DA COSTA; WANILDA MARIA ALVES CAVALCANTI. RESUMO DEPOIMENTOS DE ALUNOS UNIVERSITÁRIOS SURDOS SOBRE SUA INCLUSÃO NA SOCIEDADE. KARLA PATRÍCIA RAMOS DA COSTA; JULIANA FALCÃO; MARIA LÚCIA GURGEL DA COSTA; WANILDA MARIA ALVES CAVALCANTI. Karla_fono@yahoo.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO (BÁSICA) A DISTÂNCIA - POSSIBILIDADES

EDUCAÇÃO (BÁSICA) A DISTÂNCIA - POSSIBILIDADES EDUCAÇÃO (BÁSICA) A DISTÂNCIA - POSSIBILIDADES Rio de Janeiro - RJ - abril de 2010 Vanessa do Carmo Marinho - Colégio Pedro II - vanessacp2@gmail.com Mônica Repsold - Colégio Pedro II - mrepsold@gmail.com

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação 1. Identificação PLANO DE ENSINO Curso: A INTERNET E SUAS FERRAMENTAS Disciplina: A Internet e suas Ferramentas Período Ministrado/Semestre- Bimestre- Mês/Ano: 03 de setembro a 08 de outubro/2º Semestre

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PATRÍCIA LORENA QUITÉRIO patylorenaq@gmail.com PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PROPED/UERJ) 1 INTRODUÇÃO A oficina

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: Graduados em nível superior que atuam ou pretendem atuar na docência em instituições de ensino superior.

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: Graduados em nível superior que atuam ou pretendem atuar na docência em instituições de ensino superior. A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

MBA Executivo. Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça

MBA Executivo. Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça Coordenação Acadêmica: Prof. Marcos Avila Apoio em EaD: Prof a. Mônica Ferreira da Silva Coordenação Executiva: Silvia Martins Mendonça 1 O Instituto COPPEAD: O Instituto COPPEAD oferece o curso de especialização

Leia mais

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS

A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS A atuação do TecSaúde e da Fundação do Desenvolvimento Administrativo para a formação em EAD de trabalhadores do SUS São Paulo SP Maio 2012 Setor Educacional Educação Corporativa Classificação das Áreas

Leia mais