Título: Consultoria em Psicologia Organizacional e do Trabalho: desafios e contradições a partir de um enfoque Histórico-Cultural

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Título: Consultoria em Psicologia Organizacional e do Trabalho: desafios e contradições a partir de um enfoque Histórico-Cultural"

Transcrição

1 Título: Consultoria em Psicologia Organizacional e do Trabalho: desafios e contradições a partir de um enfoque Histórico-Cultural Autores: Aline Queiroga, Fernanda Zanin, Germano Pestana, Natacha Sereda Graduandos do Curso de Psicologia da Universidade Federal do Paraná. Orientadora: Prof. a Lis Andrea P. Sobol. Resumo estendido: O presente artigo tem como proposta a discussão da prática psicológica em consultoria empresarial, tendo como referência uma perspectiva histórico-cultural. É possível conciliar abordagens a primeira vista tão antagônicas? Para que se possa começar a pensar tal tema propõe-se, um resgate do conceito de trabalho de Marx aos dias de hoje. Ao longo da história percebe-se como as práticas sociais e a atividade humana vieram a se modificar: o trabalho que era inicialmente uma ação voltada para a satisfação das necessidades humanas mais fundamentais mostra-se hoje uma mercadoria. O homem não tem mais contato com o produto de seu trabalho; trabalhar tornou-se sinônimo de estar empregado. Não mais entendido como a atividade que dignifica, que constrói o homem, o trabalho passa a significar o esforço remunerado, sendo percebido como mais um produto a ser negociado dentro do modelo capitalista. De que forma esta mudança reflete-se na subjetividade do trabalhador? Entendendose a subjetividade enquanto produto das práticas sociais, assim como a consciência humana enquanto construto na e pela ação do homem sobre o meio social, o trabalhador aliena-se. Pensando de forma dialética o indivíduo e a sociedade, as mudanças percebidas nas formas de relação humana notam-se também nas formas como os homens têm se colocado frente ao trabalho, na produção de subjetividades. Trabalhando sem finalidade, em torno da lógica do capital, tem-se o indivíduo que não mais se motiva ao trabalho em virtude dos frutos que ele proporciona ou do prazer inerente à atividade em si, mas que se auto-regula, que se cobra a fim de atingir as metas da empresa fugindo do desemprego e da exclusão social inerentes a este. Dentro do modelo de gestão coorporativa difundido atualmente, a hierarquia empresarial dá lugar às práticas de administração descentralizada, de Gestão por Competências, de maneira que

2 cada trabalhador sente-se impelido a produzir cada vez mais e melhor para alcançar a aprovação da organização, para que seja bem visto pelos outros. Tem-se hoje o empregado que não mais precisa de uma autoridade que o controle; ele mesmo se identifica às práticas empresariais e torna-se o próprio chefe. A divisão do trabalho que girava em torno da finalidade para a qual estava voltada a atividade (dos seus objetivos) é hoje ampliada. O trabalhador não sabe porque, para que, para quem produz; cabe a ele simplesmente produzir. E o psicólogo como consultor organizacional neste conexto de produção atual, o que tem a fazer? A fim de elucidar um pouco mais esta questão, o artigo segue no sentido de retomar a prática em consultoria desde suas origens. Por que surgiu? Qual o trabalho do consultor? Por que o psicólogo envolveu-se neste campo de atuação? Tem-se a consultoria em Psicologia aqui no Brasil como uma prática bastante recente, datando do final dos anos 70. Surgiu logo após o chamado milagre brasileiro período marcado por uma profunda recessão, como uma alternativa ao trabalho do psicólogo organizacional, antes responsável unicamente pelos processos de recrutamento, seleção e treinamento de recursos humanos. Em meio a um período de crise econômica, tal prática expandiu-se rapidamente sem muitos critérios; não se tem muito ao certo qual a finalidade do trabalho do consultor, só o que se sabe é que tal profissional é um especialista em determinada área, auxiliando o administrador na tomada de decisões empresariais. Cabe ao consultor, quando seu trabalho é solicitado, proporcionar à empresa alternativas para a resolução de problemas específicos problemas conhecidos e dominados por ele, situados dentro do seu campo de domínio teórico. A consultoria não é uma prática exclusiva do psicólogo, pelo contrário: mostrase um campo de articulação entre diversos saberes; área onde se encontram diversos profissionais. Enquanto especialista em Psicologia, como pode o consultor conciliar tais interesses do indivíduo aos propósitos da organização? Levando-se em conta o modelo capitalista segundo o qual o lucro norteia a atividade da empresa, de que forma discutir a posição subjetiva do trabalhador neste processo? Há espaço para o psicólogo que trabalha com a perspectiva histórico-cultural dentro das organizações? Pode este psicólogo não se deixar corromper o olhar frente ao molde capitalista? Uma vez que é requisitado pela organização, o psicólogo tem o dever de prestar conta de seu trabalho a esta, o que pode supor que deva, num primeiro momento, trabalhar em favor dos interesses desta. Entretanto, como próprio da Psicologia está o olhar para o indivíduo, sob um enfoque que prioriza a promoção de saúde e bem-estar nos contextos físico, psíquico e social. Situado entre estas duas perspectivas, cabe ao

3 profissional direcionar sua linha de trabalho a fim de minimizar o conflito de interesses, buscando em sua atuação reduzir a distância entre indivíduos e organização. Por meio do diagnóstico organizacional pode o psicólogo investigar de que forma estão configuradas as relações interpessoais e qual a cultura da empresa, com a finalidade de intervir nelas. Tomandose o homem como um construto da materialidade, fruto das práticas sociais e como sujeito que se define a partir de sua ação, o caminho de atuação proposto situa-se no campo da intersubjetividade, na relação eu-outro, a partir da apreensão do modo de funcionamento do trabalho institucionalizado. A empresa é composta de indivíduos, não pode ser pensada como uma superestrutura que se impõe a estes, mas enquanto instituição que é formada por indivíduos e participa de suas constituições subjetivas. Quando se percebe de que maneira se configuram as relações em determinado ambiente empresarial, abre-se uma porta para que se busque de que forma os indivíduos que compõem esta empresa se colocam frente a tais práticas organizacionais; se agem afirmando-a e internalizando-a como próprias ou negando-a e reagindo a ela. Da mesma forma, seguindo esta linha de investigação, pode-se pensar maneiras de intervenção e colocá-las como ações que devem ser tomadas não pelo psicólogo, mas por toda a organização. Propõe-se como papel do psicólogo no âmbito do trabalho agir com a finalidade de elucidar o modo de funcionamento e de pensamento que permeia a empresa para que, a partir deles, seja possível promover uma conscientização capaz de tornar os indivíduos profissionais construtores de sua realidade, de forma autônoma e consciente. No espaço deste artigo, não se tem como objetivo delimitar funções ou práticas do psicólogo mas, mais do que isso, tem-se como propósito levantar questões a fim de promover reflexões, debates e de chamar a atenção para um tema ainda pouco explorado.textos de autores da abordagem sócio-histórica e de profissionais especialistas em consultoria foram tomados como base para estas discussões. Eixo: 145 Trabalho. Introdução Enquanto prática psicológica, o campo da Consultoria Organizacional é bastante recente, tendo início no Brasil no final da década de 70. Inserido nas grandes empresas, coube ao psicólogo um importante papel no que diz respeito ao manejo de pessoas; primeiramente contratado para realizar processos de recrutamento, seleção, treinamento, mais tarde torna-se

4 consultor e passa a auxiliar o administrador em sua gestão. Pensando esta entrada no âmbito do trabalho, de que forma os ideais capitalistas de lucratividade, produtividade vêm se contrapondo ao fazer deste psicólogo? A que este profissional vem servindo: aos propósitos da empresa ou aos indivíduos? De que forma este aparente dualismo pode ser trabalhado? 1. Alguns conceitos fundamentais da Psicologia Histórico-Cultural Buscando discutir a possibilidade de inserção do psicólogo como consultor organizacional a partir da teoria Histórico-Cultural, faz-se necessária a elucidação de alguns conceitos e características fundamentais dessa abordagem da Psicologia aplicáveis à área de atuação organizacional. No contexto do materialismo histórico, é acertado dizer que o trabalho é fruto da atividade humana; e que, assim como qualquer atividade humana, está ligado às condições de sua produção (Pino, 2000). Por conseguinte, sendo o sujeito construído historicamente, constituído dentro de um processo constante de trocas simbólicas, percebe-se a impossibilidade de recorte deste sujeito abstendo-se da sua história, seja para qual uso for inclusa aqui a possibilidade de um estudo e planejamento de Consultoria Organizacional pelo psicólogo. É impraticável pensar um trabalhador sem pensar o local de seu trabalho. O local de trabalho, portanto, torna-se também um sítio de inter-subjetividade. E ainda, sendo o empregado um sujeito trabalhador, é também neste mesmo contexto, que ocorrem simultaneamente a composição e reposição de sua identidade. A identidade é conseqüência e ao mesmo tempo condição das/para as relações sociais do sujeito; nestas a identidade é reposta a cada momento. Dentro dos diferentes contextos nos quais o indivíduo - indissociável de sua história - está inserido, manifesta-se uma parte de si como desdobramento das múltiplas determinações a que está sujeito, embora, seja ele uma totalidade (Ciampa, 1995). Papéis sociais (personas), diferentes em diversas situações, são impostos ao indivíduo desde o seu nascimento e adotados na medida em que se comporta de acordo com as expectativas da sociedade personificada sempre em outro indivíduo. Ao se apresentar frente a uma determinada pessoa, comporta-se de uma dada maneira, neste momento as outras identidades pressupostas estão ocultadas. A cada personagem materializado, a identidade tem assegurada sua manifestação enquanto totalidade, mas uma totalidade que não se esgota nem tampouco se resume à concretização de personagens. A identidade é uma totalidade contraditória, múltipla e mutável, no entanto una (CIAMPA, 1995, p. 61).

5 O sujeito transforma e é transformado nessa relação sócio-cultural. Segundo Gonçalves e Bock (2003, p. 44), o homem é ativo (o homem da ação, do trabalho), social (o trabalho só se realiza em sociedade) e histórico (a ação, em sociedade, do homem sobre a natureza transforma a natureza e o próprio homem, dentro de condições determinadas). E a realidade, a natureza, não pode ser pensada sem a presença do homem que a transforma". O homem se define e é definido a partir de sua ação, e, no caso aqui discutido, a partir do trabalho institucionalizado. O psicólogo organizacional munido da abordagem Histórico-Cultural pode, por exemplo, trabalhar com os indivíduos inseridos em determinado contexto empresarial as múltiplas facetas da identidade que emergem neste âmbito. Dentro de uma instituição, o trabalhador é sujeito que modifica e é modificado, inserido em uma cultura particular, a cultura da empresa. As relações sociais sejam elas dentro ou não de uma instituição são, por definição, culturais. Considerando a sociabilidade indispensável ao ser humano assim como é atributo de certas formas de vida - pode-se dizer que o que diferencia os homens de outros animais é a sua ação criadora que transforma a sociabilidade biológica sob formas humanas. Pino (2000, p.53) define que (...) o social é, ao mesmo tempo, condição e resultado do aparecimento da cultura. É condição porque sem essa sociabilidade natural a sociabilidade humana seria historicamente impossível e a emergência da cultura seria impensável. É porém resultado porque as formas humanas de sociabilidade são produções do homem, portanto obras culturais. Pensando o homem como um construto social, suas relações no ambiente de trabalho mostrar-se-ão imprescindíveis à compreensão de sua subjetividade. Enquanto forma de atividade criadora, o trabalho possibilita ao homem adentrar a teia de significações construída culturalmente Trabalho: atividade construtora Segundo a teoria marxista materialista, histórica e dialética 1, que fundamenta a abordagem Histórico-Cultural, o trabalho do homem pode ser definido como uma atividade conscientemente produtiva, criativa e transformadora da natureza. O trabalho orienta-se a um fim, apropria-se do natural e satisfaz as necessidades humanas biológicas e sociais (MARX, 2003). Nessa atividade, o homem age sobre a natureza e o produto do seu trabalho modifica a si próprio (LEONTIEV, 1978). Esta ação dialética de transformação permite ao homem constituir 1 Ver Marx (2003, 2004)

6 sua subjetividade - seu modo de ser, a sua compreensão do mundo e a forma de relação com este. Portanto, nesta perspectiva a subjetividade é entendida como produto social pois, além de transformar e ser transformado pela natureza, o homem também interage com os demais seres humanos que com ele compartilham o ambiente e aquela atividade criadora. Assim, a consciência humana não emerge de uma condição inata e alheia ao indivíduo, mas é construída na e pela ação do homem sobre o meio social (VYGOTSKY, 2003a, 2003b). Essa relação social não deve ser vista como uma ação mecanicista de apropriação de conteúdos sociais que determina a construção do indivíduo, mas enquanto ação modificadora que age sobre o meio e simultaneamente reflete sobre a consciência do sujeito, transformando-o. Sendo o ser humano constituído através do trabalho e das relações que estabelece com o social, o que o diferencia dos demais seres humanos que compartilham desse meio é a divisão do trabalho, a função que cada homem cumprirá frente à atividade a ser realizada coletivamente. Leontiev (1978) ilustra a capacidade especificamente humana de divisão social do trabalho estudando a atividade de caça para um grupo de indivíduos. Se o objetivo do trabalho é a satisfação de necessidades biológicas, neste caso alimentar-se, então o processo lógico pelo qual a atividade seria realizada envolve tão-somente um indivíduo que, tendo atingido o objetivo de capturar a presa, reterá para si o fruto de sua atividade. Porém, sozinho o homem não é eficiente em sua meta. Para que se torne competente na tarefa de alimentar o grupo e a si próprio, ele se reúne com outros caçadores para realizar a atividade. Assim, a necessidade para qual a tarefa está orientada (alimentar-se) se desvincula da ação prática (caçar); temos, pois, a divisão entre o batedor que espanta a caça para que outros membros do grupo possam abatê-la no local planejado Trabalho hoje Ao estudarmos o desenvolvimento histórico do trabalho produzido pelo homem, percebemos que esta atividade enquanto uma ação que visa satisfação da necessidade transformou-se em mercadoria, que possibilita troca por correspondentes e, por sua vez, irá suprir as necessidades do trabalhador. Com esta lógica, o homem não mais vê o produto do seu trabalho, de onde decorre uma ruptura entre ação e sobrevivência. O homem vende seu trabalho em troca do salário, enquanto 2 O processo descrito é denominado cooperação e pode ser encontrado em Marx (2003).

7 mercadoria que aliena de si essa característica fundante de sua humanização. Este, pois, não mais o pertence. Vendido ao detentor dos meios de produção, o trabalho se adentra à lógica da maior eficiência no menor tempo possível, características essas que possibilitam a emergência da maisvalia (MARX, 2003). O capital, que já alienara o homem do produto de seu trabalho, agora rouba-lhe o gesto, o movimento do seu braço é algo que não lhe pertence, e que não é determinado pelo trabalhador (CODO, 1994, p. 147). Estas ações (roubo do gesto e desconhecimento da origem ou destino do produto do trabalho) iniciam um processo de alienação naturalização da perda do domínio do seus movimentos e do rompimento da distância entre a produção e a finalidade do produto do seu trabalho, como se estes acontecimentos fossem naturais ao homem e, consequentemente, nada de diferente e criativo deveria ser realizado (MARX, 2003). Portanto, a obrigação do trabalhador em cumprir as exigências decorrentes da venda de seu trabalho limita-o na sua capacidade de manifestar-se criativamente no processo desempenhado, pois o produto do trabalho humano (singular) torna-se restrito pela demanda do capital (MARX, 2003). Nas palavras de Palangana: com as técnicas tayloristas/fordistas implanta-se a produção de massa. Mas, ao que tudo indica, o indivíduo segue na posição de instrumento, substituível como outro qualquer (2002, p. 10). Não mais autor de seu trabalho, o homem torna-se um mero instrumento, torna-se coisa. Inserido no ambiente de trabalho, como pode o psicólogo intervir de maneira a reduzir os efeitos desta esteira de produção subjetiva, restituindo ao trabalhador sua atividade criativa? A prática em Consultoria Organizacional pode mostrar-se uma alternativa de intervenção da Psicologia neste contexto. 3. Consultoria O que vem a ser o termo consultoria? Para que se entenda a atuação do psicólogo em consultoria e o que vem a ser esta prática, é importante revisar de que forma surgiu este campo de atuação, em que contexto, qual a importância para a época, enfim: que se examine o significado social, político e econômico que motivou e ainda tem motivado a inserção da psicologia no contexto do trabalho.

8 Não é fácil definir o que cabe ao psicólogo fazer em um processo de consultoria. Segundo Grassi (2006, p. 74), o termo consultoria vem sendo utilizado para caracterizar uma ampla gama de atividades desenvolvidas em campos de conhecimento diferenciados. Não é, portanto, uma prática exclusiva do psicólogo, bem como não existem regras ou definições dentro deste processo. Ao próprio consultor cabe definir sua forma de trabalho sendo que, o único consenso entre aqueles que atuam na área, é que o consultor deve ser um especialista. A Psicologia como campo de atuação na área do trabalho emergiu no Brasil nos anos 70, quando o país viveu uma profunda expansão econômica de mercado. Retomando a história podemos nos lembrar do chamado milagre brasileiro que impulsionou indústrias, fábricas, promovendo o aumento das contratações (consequentemente, a redução do desemprego) e a ascensão econômica da classe média (aumento do consumo). Percebe-se neste ponto um terreno propício ao desenvolvimento da Psicologia Organizacional voltada aos campos de recrutamento, seleção e treinamento de pessoas (ZANELLI & BASTOS, 2004). A partir deste marco histórico, o psicólogo foi chamado a integrar empresas constituindo o setor de Recursos Humanos, a fim de otimizar a colocação de pessoas em cargos específicos: o homem certo no lugar certo, cada um desempenhando sua parte dentro do processo de construção do todo. O psicólogo foi chamado, portanto, a atender os moldes capitalistas de maior rendimento em menor tempo. Pode-se, já neste ponto do percurso, perceber um dos primeiros dilemas colocados ao profissional: trabalhar em função das pessoas que compõem a organização ou em favor da própria organização? Primar pelo bem-estar do funcionário ou pela lucratividade da empresa? Seria função do psicólogo organizacional escolher o homem certo a preencher a vaga designada. Trabalharia não no sentido do encaixe profissional do trabalhador, mas no sentido de fornecer à organização um homem que pudesse mostrar-se eficiente no serviço que lhe fosse comandado (GRASSI, 2006; ZANELLI & BASTOS, 2004). Como já se deve saber, o milagre não durou muito tempo. Seguido a este período de extrema produção e consumo, deu-se a fase da recessão. A máquina tomou o lugar do homem, as empresas precisaram reduzir custos de produção para melhorar o índice de vendas, o desemprego voltou a crescer. E o psicólogo? O que fazer se não havia mais vagas a preencher dentro da empresa? De que adiantariam os processos de recrutamento, seleção, treinamento? Grassi (2006) coloca que para evitar o desemprego, o psicólogo tornou-se consultor. Mais uma vez seguindo a demanda do mercado, a Psicologia mudou seu enfoque a fim de manter-se

9 na empresa. Ao invés de selecionar e treinar, agora o psicólogo também pode ajudar na manutenção dos vínculos empresariais, tornando-se o profissional que irá auxiliar no sentido de capacitar homens na adaptação ao novo modelo produtivo. Seguindo o processo de terceirização que acompanhou este período, o setor de Recursos Humanos (parte integrante da empresa) deu lugar às firmas especializadas. O psicólogo não mais ocupa um papel de funcionário, não se tem mais o vínculo empregatício formal. Agora, se necessário, ele é chamado pela empresa num momento determinado, para lidar com uma questão específica ligada à gestão de pessoas. O processo de consultoria surge como externo à empresa e assume a função de auxiliar executivos na tomada de decisões administrativas (GRASSI, 2006). Desta forma, pode-se estabelecer como chave no processo de consultoria a especialização. Contrata-se um saber específico que, ainda nos moldes capitalistas, serve à empresa e precisa promover resultados em um tempo cada vez menor. Por mais que tenha deixado o ambiente físico da organização, não mais se apresentando como funcionário, o psicólogo especializado em consultoria é chamado a trabalhar no sentido de contribuir com os objetivos da organização que o contrata, muitas vezes deixando em segundo plano seu primeiro enfoque em Psicologia: o indivíduo. Como conciliar a Psicologia e a prática em consultoria empresarial sem que se corrompa o olhar do psicólogo? É possível exercer Psicologia sem que se caia no idealismo acadêmico pensando drásticas mudanças organizacionais ou no funcionalismo empresarial, renegando o fator humano? Algumas reflexões devem nortear o psicólogo na prática de consultoria, entre elas o objetivo da empresa e a saúde mental do trabalhador. A existência da empresa está diretamente relacionada aos objetivos do capital, visando primariamente a obtenção do lucro. Se o psicólogo busca desconstruir essa lógica, estará movendo as bases que fundamentam a instituição, correndo o risco de abolir sua própria existência. Cabe questionarmos a maneira que essa instituição encontrou para realizar seus objetivos. Se a saúde do trabalhador é colocada em risco devido ao seu relacionamento com a instituição, então o psicólogo deve intervir para promover a saúde do trabalhador foco imediato de seu trabalho Consultoria em Psicologia Histórico-Cultural. Compete, neste momento, que se faça uma ressalva teórica: ao utilizar-se da abordagem Histórico-Cultural, não se intenciona negar ou anular a importância do trabalho aos moldes

10 capitalistas, mas percebê-lo, assumi-lo e propor uma reflexão crítica sobre a forma como esta atividade tem se utilizado do homem. Nas palavras de Palangana (2002, p. 10): ajustando e reajustando continuamente as forças produtivas à sua lógica, o sistema sobrevive. Porém, é preciso indagar a que preço humano. Compreende-se que o lucro é o objetivo que sustenta a criação e manutenção de uma organização neste modo de produção, porém a forma como a lógica capitalista retifica o homem enquanto alheio ao produto do seu trabalho é questionada. Desde a década de 70 o jugo do capital encontra barreiras que, dada sua própria configuração histórica e social (o capital responde ao momento em que nos situamos), mostramse transponíveis pela capacidade adaptativa de sua estrutura. O Estado de Bem-Estar Social, base para a proliferação moderna do capitalismo, entra em crise devido à incapacidade do próprio Estado em manter a proposta de centralização dos subsídios sociais em si mesmo. Diante do conflito que transcende as raias da economia e se acumula aos movimentos sociais de reivindicação de uma nova forma de sociedade, o modelo econômico-social adequa-se. Pensando a configuração do trabalho nas grandes empresas, percebe-se que de uma estrutura piramidal de controle administrativo, onde cada indivíduo deve obediência ao cargo diretamente acima de sua posição no organograma da instituição, surge uma nova formação que se configura mais como um círculo, onde todos coordenam suas próprias produções enquanto as realizam. Tira-se o agente de controle externo e trabalha-se no sentido de internalizar no trabalhador a cultura e objetivos, metas da empresa. Trabalha-se diretamente a subjetividade. Conhecedor da dinâmica do grupo, compete ao psicólogo manejar certo grau de dissociação instrumental (BLEGER, 1984), ou seja, reconhecer os processos que regem aquela instituição, sem com isso inserir-se nela, mantendo assim uma distância que possibilite o trabalho de consultoria. Considerações Finais Tratamos o aspecto de consultoria em uma organização inserida nos moldes capitalistas que se baseiam na premissa da mais-valia, focando atenção no produto do trabalho e esquecendo-se do processo que leva a este fim, sobretudo no que tange aos trabalhadores que movem esta maquinaria lucrativa. Entretanto, nascidos sob a égide de uma Sociedade cronometrada, não é adentrando à dinâmica organizacional que o sujeito inicia o sofrimento. A lógica do capital transcende a organização do trabalho, interferindo na própria dinâmica do

11 sujeito que, perante as exigências de um tempo que estabelece uma produção ágil, é doutrinado desde a infância a responder aos padrões sociais pré-definidos: falar aos 2 anos, escrever aos 6, trabalhar aos 18 e produzir sempre. Para se entender a atuação do psicólogo em uma perspectiva Histórico-Cultural, podemos criticar a simples causalidade entre busca incessante de lucro e produção subjetiva, para pensarmos o sujeito que já nasce em uma sociedade que exige apresentações de respostas fast food, pré-determinadas pela demanda da produção de normalidade e consumo compulsivo. Percebendo as práticas sociais e a cultura organizacional, o psicólogo adquire ferramentas para uma intervenção que vai além do trabalho com a organização propriamente dita, atingindo a subjetividade dos trabalhadores, resgatando, assim, o objeto próprio da Psicologia, qual seja, o indivíduo. Referências Bibliográficas ATHAYDE, M. Psicologia e trabalho: que relações? In: VILELA, A. M. J.; MANCEBO, D. (orgs.). Psicologia social: abordagens sócio-históricas e desafios contemporâneos. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, BLEGER, J. Psico-higiene e Psicologia Institucional. Trad.: DIEHL, E. O. 2a. edição. Porto Alegre: Artmed, BOCK, A. M. B. e GONÇALVES, M. G. Indivíduo-sociedade: uma relação importante na Psicologia social. In: BOCK, A. M. B. (org). A perspectiva Sócio-Histórica na formação em Psicologia. Petrópolis : Vozes, CIAMPA, A. C. Identidade. In: LANE, S. T. M.; CODO, W. (Eds.) Psicologia social: o homem em movimento. São Paulo: Brasiliense, CODO, W. Relações de trabalho e transformação social. In: LANE, S. T. M.; CODO, W. (orgs.) Psicologia Social: o homem em desenvolvimento. São Paulo: Brasiliense, 1994.

12 FREITAS, S. M. P.; GUARESCHI, N. M. F. A construção da pluralidade do conhecimento na formação e na prática do psicólogo no contexto do trabalho. In: Aletheia 19, jan/jun GRASSI, V. A Construção das práticas de consultoria em Psicologia Organizacional e do Trabalho. Porto Alegre: Tese (Mestrado em Psicologia Social e Institucional) Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Horizonte Universitário, MARX, K. O capital: crítica da economia política. Trad.: SANT ANNA. R. Livro I. 21ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Manuscritos Econômicos Filosóficos. São Paulo: Boitempo Editorial, PALANGANA, I. C. Individualidade: afirmação e negação na sociedade capitalista. 2ª. Edição. São Paulo: Summus, PINO, A. O social e o cultural na obra de Vigotski. In: Educação & Sociedade. São Paulo, ano XXI, nº 71, julho/2000. VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2003a.. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2003b. ZANELLI, J. C. & BASTOS, A. V. B. Inserção profissional do psicólogo em organizações e no trabalho. In: ZANELLI, J. C. & cols. (org.) Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1

CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1 CULTURA ORGANIZACIONAL, PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E A SAÚDE DO TRABALHADOR (2012) 1 SILVEIRA, J.F²; BRANDT, B. O²; CORRÊA, D. M. W²; POTRICH, A. C. G³; ROHDE, C. L. C 4. 1 Trabalho de Pesquisa 2 Psicóloga,

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA Roberta Ferreira Cavalcanti Solange Regina Silva Almeida Rosangela Alves de Godoy Nilson Fernandes Dinis (Universidade

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br

Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br Oficinas para Atividades com Grupos Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br I - OBJETO DO TRABALHO: 1. Analisar as principais questões metodológicas dos processos grupais, a partir

Leia mais

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL ANTUNES, Clarice Filipin de Castro (UNIOESTE) 1 ROSSETTO, Elisabeth (Orientadora/UNIOESTE)

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO.

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. Betânia Maria Oliveira de Amorim UFCG betânia_maria@yahoo.com.br Polliany de Abrantes Silva UFCG pollianyabrantes_psico@hotmail.com

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

Palavras-chave: Educação; Funções Psicológicas Superiores; Consciência

Palavras-chave: Educação; Funções Psicológicas Superiores; Consciência AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PSICOLÓGICA SÓCIO HISTÓRICA PARA A EDUCAÇÃO E A CONSTITUIÇÃO DOS PROCESSOS E FUNÇÕES PSICOLÓGICAS SUPERIORES E DA CONSCIÊNCIA Mara Silvia Cabral de Melo Kato marakatto@yahoo.com.br

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE.

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. Juliana de Castro Chaves 1 ; Zuzy dos Reis Pereira 2 1 Professora Doutora da UnUCSEH-UEG

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE Inicialmente faz-se necessário entender o que é grupo social, a sua importância e contribuição na vida de uma pessoa, para posteriormente

Leia mais

Módulo 11 Socialização organizacional

Módulo 11 Socialização organizacional Módulo 11 Socialização organizacional O subsistema de aplicação de recursos humanos está relacionado ao desempenho eficaz das pessoas na execução de suas atividades e, por conseguinte, na contribuição

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas.

Docente do Programa de Mestrado em Educação da Universidade de Uberaba. Membro do grupo de pesquisa Formação de Professores e suas Práticas. 1 AÇÕES E ATIVIDADES FORMATIVAS: UM ESTUDO SOBRE PROCESSOS DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES LONGAREZI, Andréa Maturano UNIUBE GT-08: Formação de Professores Agência Financiadora: PAPE e UNIUBE O presente

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

LEV VIGOTSKY 1. VIDA E OBRA

LEV VIGOTSKY 1. VIDA E OBRA LEV VIGOTSKY 1. VIDA E OBRA Casou-se em 1924. Pesquisou profundamente sobre o comportamento e desenvolvimento humanos. Dizia que o conhecimento é decorrente da interação da história social e pessoal. Escreveu

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD)

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) PADILHA, Emanuele Coimbra; SELVERO, Caroline Mitidieri Graduada em Letras-Espanhol pela Universidade Federal de Santa Maria UFSM. E-mail: emanuelecp@hotmail.com

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

A formação inicial e continuada de professores de crianças pequenas

A formação inicial e continuada de professores de crianças pequenas A formação inicial e continuada de professores de crianças pequenas Linha de Pesquisa: LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE) Área de Concentração:

Leia mais

ENSINAR E APRENDER GEOMETRIA PLANA COM E A PARTIR DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA UMA VIVÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR

ENSINAR E APRENDER GEOMETRIA PLANA COM E A PARTIR DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA UMA VIVÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR ENSINAR E APRENDER GEOMETRIA PLANA COM E A PARTIR DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA UMA VIVÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR Por: André Forlin Dosciati - UNIJUÍ Vanessa Faoro - UNIJUÍ Isabel Koltermann Battisti UNIJUÍ

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

A Alienação (Karl Marx)

A Alienação (Karl Marx) A Alienação (Karl Marx) Joana Roberto FBAUL, 2006 Sumário Introdução... 1 Desenvolvimento... 1 1. A alienação do trabalho... 1 2. O Fenómeno da Materialização / Objectivação... 2 3. Uma terceira deterninação

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL

FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL Regina Lúcia Maciel De Sousa RESUMO As constantes mudanças econômicas e sociais configuram um novo cenário de valorização

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL Autor: Adalberto de Carvalho Júnior CPFL Paulista, uma empresa do Grupo CPFL Energia RESUMO A promoção do entendimento do indivíduo com relação a sua

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E AS CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS PARA A TOMADA DE DECISÃO

A GESTÃO ESCOLAR E AS CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS PARA A TOMADA DE DECISÃO 159 A GESTÃO ESCOLAR E AS CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS PARA A TOMADA DE DECISÃO Valdir Alves de Godoy 1 Severino Bertino Neto 2 Tatiana de Almeida Menicucci 3 Rosana de Oliveira Nunes Neto 4 RESUMO Este

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas EDUCAÇÃO FÍSICA Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

2014 Setembro Ed. 16 1

2014 Setembro Ed. 16 1 1 Editorial Caros assinantes, tudo o que fazemos na vida tem por objetivo nossa felicidade. Quando ajudamos outra pessoa sentimos um forte prazer, felicidade. A filosofia nos convida a refletir se fazemos

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição.

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição. A FAMÍLIA E ESCOLA Profa.Dra.Claudia Dechichi Instituto de Psicologia Universidade Federal de Uberlândia Contatos: (34) 9123-3090 (34)9679-9601 cdechichi@umnuarama.ufu.br A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO

Leia mais

Origens da Teoria de Sistemas: O biólogo alemão Ludwig von Bertalanffy a elaborou na década de 1950. Conceito de Sistemas:

Origens da Teoria de Sistemas: O biólogo alemão Ludwig von Bertalanffy a elaborou na década de 1950. Conceito de Sistemas: Origens da Teoria de Sistemas: O biólogo alemão Ludwig von Bertalanffy a elaborou na década de 1950. Conceito de Sistemas: Sistema é um conjunto de elementos dinâicamente relacionados entre si, formando

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

Trabalho, logo existo!

Trabalho, logo existo! Trabalho, logo existo! Maurício Santos da Luz Graduando em filosofia pela Unioeste Introdução A filosofia se debateu durante muitos séculos, e ainda se debate, para responder a seguinte questão: de onde

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM.

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. Maria Rafaela de Oliveira Graduanda FECLESC/UECE Géssica Cryslânia da Silva Graduanda FECLESC/UECE Janete Rodrigues de Lima

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO

PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO 1 PSICOLOGIA DO TRABALHO E PSICANÁLISE: UMA POSSIBILIDADE DE COMPREENSÃO DO SOFRIMENTO PSÍQUICO Daniele Almeida Duarte Mariana Devito Castro Francisco Hashimoto Resumo: É fato que o indivíduo, quando é

Leia mais

GOULART *, Nelson PUCPR nelsongoulart@hotmail.com

GOULART *, Nelson PUCPR nelsongoulart@hotmail.com O EDUCADOR FILÓSOFO: DE COMO SAVIANI E MORAN DEMONSTRAM QUE A FILOSOFIA É A LIGAÇÃO NECESSÁRIA ENTRE AS DIVERSAS DISCIPLINAS, HUMANIZANDO E SENDO PONTE ENTRE O DENTRO E O FORA, ENTRE O SINGULAR E O COMPLEXO

Leia mais

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil O Projeto Pedagógico na Educação Infantil Renata Lopes de Almeida Rodrigues (UERJ) A cada ano letivo a história se repete: a busca por um tema norteador do trabalho em sala de aula durante o ano o tema

Leia mais

A DIALÉTICA DA SUBJETIVIDADE VERSUS OBJETIVIDADE DESVELANDO O MOVIMENTO DE SE TORNAR PROFESSOR

A DIALÉTICA DA SUBJETIVIDADE VERSUS OBJETIVIDADE DESVELANDO O MOVIMENTO DE SE TORNAR PROFESSOR A DIALÉTICA DA SUBJETIVIDADE VERSUS OBJETIVIDADE DESVELANDO O MOVIMENTO DE SE TORNAR PROFESSOR Terezinha Gomes da Silva-UFPI 1 Cruzando Olhares A compreensão do homem como ser ativo, agente de mudanças

Leia mais

TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS

TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Gustavo Henrique Lopes Machado Vimos nos dois artigos iniciais desta série o conceito preciso de mercadoria, assim como dos ditos serviços. Sendo que,

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Resumo. Palavras chave: Atividade Psicomotora. Funções Psicológicas Superiores. Imaginação. Pré-Escola.

Resumo. Palavras chave: Atividade Psicomotora. Funções Psicológicas Superiores. Imaginação. Pré-Escola. A CRIANÇA EM IDADE PRÉ-ESCOLAR E AS FUNÇÕES PSICOLÓGICAS SUPERIORES: FOCANDO A ATIVIDADE LUDO- PEDAGÓGICA PARA O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DA IMAGINAÇÃO Janaína Pereira Duarte Bezerra Irineu A. Tuim

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

O PAPEL DO ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

O PAPEL DO ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 119 O PAPEL DO ESTÁGIO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Andreia Maria Cavaminami Lugle 2 Cassiana Magalhães 3 RESUMO: Esse artigo tem como objetivo refletir sobre o papel

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E SOCIEDADE CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA Nova

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Missão Capacitar Administradores, propiciando uma base técnico-científica que lhes permita um aprendizado hábil a absorver, processar e adequar informações

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Administração das Operações Produtivas Prof. Rodolpho Antonio Mendonça WILMERS São Paulo 2009 Administração das Operações Produtivas Introdução Nada

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Refere-se ao conjunto de atividades desenvolvidas pelo professor/pesquisador no âmbito das relações estabelecidas com a instituição de ensino, considerando seus fins

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN 1 A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN Heraldo Simões Ferreira 1 José Jackson Coelho Sampaio 2 Laryssa Sampaio Praciano 3 RESUMO Este artigo possui como objetivo trazer

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail. Título: Desafios da Orientação Profissional Um caso prático no SPA da UERJ Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.com

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

5 Considerações Finais

5 Considerações Finais 5 Considerações Finais Neste capítulo serão apresentadas as considerações finais do estudo. Quando necessário, serão feitas referências ao que já foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores, dispondo,

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO PARADIGMA PARA A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA.

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO PARADIGMA PARA A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO DE UM NOVO PARADIGMA PARA A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. INTRODUÇÃO A democratização da economia, as frequentes mudanças que se processam

Leia mais