A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos"

Transcrição

1 A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos Fernando G. Branco CICC, Dep. Eng. Civil, Univ. Coimbra Portugal Luís Godinho CICC, Dep. Eng. Civil, Univ. Coimbra Portugal Joana Tavares Dep. Eng. Civil, Univ. Coimbra Portugal Resumo: Os regulamentos e normas europeias mais recentes no âmbito da acústica estabelecem valores máximos aceitáveis para o nível de ruído de impacto máximo que é admissível que atravesse as lajes de pavimento. A imposição destes requisitos técnicos implica a adopção de soluções técnicas adequadas, tais como a utilização de pavimentos flutuantes, com a introdução de uma camada resiliente sob a camada de acabamento do pavimento. O desempenho acústico destas soluções construtivas foi avaliado através de ensaios em laboratório, utilizando uma câmara acústica de pequenas dimensões, que permite comparar diferentes soluções, em idênticas condições, de maneira expedita. Palavras chave: argamassa, percussão, impacto, som. 1. INTRODUÇÃO Os requisitos actuais de conforto acústico em edifícios conduzem a uma crescente exigência de utilização de soluções técnicas que permitam obter o desempenho desejado em termos de isolamento acústico, tanto no que respeita a sons aéreos como a sons de impacto. Em toda a Europa, a legislação tem vindo, progressivamente, a ter em conta estas exigências, através da emissão de regulamentos cada vez mais exigentes, que impõem limites nos valores máximos admissíveis para os índices de isolamento acústico na maioria dos tipos de edifícios. A um nível técnico, a procura de níveis de conforto acústico mais elevados conduz a uma progressiva evolução das técnicas construtivas. Uma das soluções técnicas mais utilizadas para garantir um bom desempenho acústico de pavimentos consiste na aplicação de

2 pavimentos flutuantes. Neste tipo de solução, o pavimento é constituído por um conjunto de camadas de diferentes materiais. A camada visível, o revestimento do piso, encontra-se colocada sobre outras camadas não-estruturais, algumas delas construídas com recurso a materiais resilientes, que permitem dissipar as vibrações devidas a impactos sobre a superfície. Em Portugal, utilizam-se essencialmente dois tipos de pavimentos flutuantes: - Laje flutuante: nesta solução, o revestimento de superfície é colocado sobre uma laje de betão construída sobre uma camada resiliente, constituída, por exemplo, por espumas sintéticas ou fibras naturais. Este sistema é muito versátil, visto que permite a utilização de camadas finais constituídas por materiais rígidos, como por exemplo mosaicos cerâmicos, assegurando simultaneamente que as vibrações produzidas na sua superfície superior não sejam transmitidas aos elementos estruturais. O comportamento desta solução é muito influenciado por eventuais erros durante a construção (é necessário assegurar uma separação efectiva entre os elementos estruturais e a laje flutuante, eliminando todas as ligações rígidas), bem como pelo tipo de material resiliente utilizado. - Elementos de revestimento flutuantes: Este sistema consiste na aplicação da camada de revestimento, geralmente um pavimento em madeira, sobre finas camadas de espuma sintética. Apesar de permitir resultados aceitáveis, este tipo de solução apresenta algumas limitações quando comparada com a anterior. O desempenho acústico de um pavimento flutuante pode ser melhorado através da introdução de camadas de enchimento produzidas com elementos leves e de baixa rigidez sobre a laje de betão estrutural. A energia dissipada no interior desta camada contribuirá para uma redução significativa da transmissão de sons de percussão à estrutura [ver, por exemplo, Ferreira et al. [1]). No entanto, não foi possível identificar trabalhos de referência que estudem este fenómeno, e que quantifiquem a eficiência real desta solução complementar. A análise do desempenho de soluções construtivas na redução da transmissão de sons de percussão requer a aplicação dos métodos de ensaio definidos nas normas EN ISO [2] e ISO [3]. De acordo com estas normas, e também com a norma ISO [4], que estabelece os requisitos a serem observados pelo laboratório, os ensaios devem ser realizados sobre uma laje de betão armado com 140mm de espessura (-40mm, +20mm), com uma dimensão mínima em planta de 10m 2. O provete de ensaio é submetido a sequências de impactos, aplicados em diferentes localizações, sendo registado o nível sonoro na câmara receptora, localizada sob o provete. A redução do som de percussão proporcionada por uma determinada solução construtiva é quantificada como a diferença entre os níveis sonoros registados para duas condições de ensaio: teste realizado sobre a laje de referência sem aplicação de qualquer revestimento e ensaio da solução técnica que se pretende caracterizar. A análise é efectuada em bandas de oitava ou 1/3 de oitava. O procedimento normalizado exige a utilização de câmaras de ensaio de grande volume, bem como provetes de ensaio de dimensão considerável. Assim, os custos associados ao ensaio podem tornar-se significativos, e apenas um número limitado de laboratórios possui capacidade técnica para os realizar. Quando se pretende realizar uma análise rápida para uma caracterização rápida de uma determinada solução técnica, ou para comparar o desempenho de duas soluções alternativas, o recurso a este exigente método de ensaio pode não se justificar. Em alternativa, é possível realizar ensaios em provetes de dimensões reduzidas, utilizando procedimentos simplificados, como o desenvolvido por Masgalos [5]. O método de ensaio de Masgalos utiliza uma câmara reverberante de

3 pequenas dimensões, na qual se podem realizar ensaios de percussão sobre provetes de dimensões reduzidas. Este método permite comparar directamente o desempenho de soluções técnicas alternativas, testadas em condições semelhantes. Mesmo sendo um método simplificado, verificou-se que os valores de redução sonora a sons de impacto, determinados de acordo com a norma ISO 717-2, eram suficientemente próximos dos obtidos em câmaras de maiores dimensões para poderem ser aceites como parâmetros de referência no desenvolvimento de materiais e soluções construtivas. O presente trabalho tem como objectivo avaliar a melhoria na redução da transmissão de sons de impacto proporcionados por diferentes tipos de argamassas leves. Produziram-se argamassas com recurso a diferentes tipos de agregados leves (poliestireno expandido, argila expandida e granulado de cortiça expandida), tendo sido avaliado o seu desempenho na redução dos níveis sonoros provocados por impacto. Os testes realizados envolveram ainda diferentes tipos de revestimentos de pavimento (pavimento em madeira aplicada directamente sobre a argamassa, ou com interposição de uma película resiliente e mosaicos cerâmicos). Os ensaios laboratoriais foram realizados de acordo com o método desenvolvido por Masgalos [5]. O presente documento contém uma breve descrição do método de ensaio e das soluções construtivas testadas. Em seguida, apresentam-se e comentam-se os resultados obtidos nos ensaios das diferentes soluções construtivas, de modo a identificar as possibilidades de utilização prática destas soluções. 2. DEFINIÇÃO DO ESQUEMA DE ENSAIO O equipamento laboratorial é constituído por uma câmara acústica reverberante com dimensões internas 1.4x1.3x1.5 m 3, construída em betão armado e possuindo parede com uma espessura de 0.1 m. A laje utilizada como referência é também em betão armado, possuindo dimensões em planta de 1.5x1.6 m 2 e 0.06 m de espessura. Numa das paredes laterais, a câmara possui uma pequena abertura (0.5x0.5 m 2 ), que permite o acesso ao seu interior. A abertura encontra-se fechada com uma solução sandwich constituída por duas camadas de gesso e uma membrana asfáltica com 4 mm de espessura. Para a separação entre o pavimento da câmara e o pavimento do laboratório, foi utilizada uma membrana de aglomerado de borracha. A face superior das paredes encontra-se separada da laje através de uma camada de aglomerado de cortiça com 5mm de espessura, de modo a reduzir as conexões rígidas entre os dois elementos, reduzindo assim a possibilidade de ocorrência de transmissões sonoras. A Figura 1 ilustra o equipamento utilizado. Uma descrição mais detalhada deste equipamento poderá ser encontrada em Masgalos [5].

4 Figura 1. Equipamento de ensaio: câmara acústica, fonte de ruídos de impacto e microfone. De acordo com a norma ISO , em testes laboratoriais, a melhoria de redução sonora L w proporcionada por uma solução construtiva, é determinada tendo em conta o resultado de ensaios efectuados sobre uma laje de betão armado de referência, com uma espessura de 14 cm. Este cálculo é efectuado segundo a Eq. (1) L = L L (1) w n, r, w,0 n, r, w onde L n,r,w,0 é o nível sonoro normalizado face a sons de impacto para uma laje de referência sem revestimento, enquanto L n,r,w é o nível sonoro normalizado obtido quando a laje de referência se encontra revestida com a solução construtiva em análise. Tendo em conta o âmbito e os objectivos do presente trabalho, não foi calculado o isolamento normalizado Lw, mas apenas a redução de nível sonoro L. Este parâmetro pode ser obtido através da Eq. (2) L= L L (2) n,0 n onde L n,0 é o nível sonoro normalizado proveniente de ruídos de impacto na laje da câmara de pequenas dimensões, testado sem material de revestimento, e L n é o nível sonoro normalizado proveniente de ruídos de impacto sobre a laje revestida com o material a ser ensaiado. De modo a obter as curvas de nível sonoro para ambas as condições de ensaio, o teste foi levado a cabo após uma escolha criteriosa para a localização da fonte normalizada de ruídos de percussão e do microfone. O diagrama de nível sonoro final é calculado a partir da média de cinco medições, realizadas em sequência, com um tempo de aquisição individual de 6 s. Entre cada duas medições consecutivas, a fonte de ruído de impacto era desligada.

5 3. SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS TESTADAS O conjunto de ensaios realizados pretendia comparar o desempenho, em termos de redução sonora de ruídos de impacto, de diferentes tipos de argamassas leves, testadas em idênticas condições. Desenvolveram-se quatro tipos de argamassa, produzidos a partir de diferentes tipos de agregados leves: granulados de argila expandida (ALF) com dimensões 2/4 e massa volúmica 760kg/m 3 ; granulados de argila expandida (ALG) com dimensões 3/8 e massa volúmica de 530kg/m 3 ; granulados de cortiça expandida (AC) com dimensões 3/10 e massa volúmica de 66kg/m 3 e granulados de poliestireno expandido (APE), com massa volúmica de 20kg/m 3. Os resultados obtidos nos ensaios realizados sobre as argamassas leves foram comparados com os obtidos sobre uma lajeta de betão corrente (BET). Todas as argamassas foram produzidas mantendo uma relação água/cimento (W/C) de 0.5, e um traço volumétrico cimento:agregado de 1:6. Uma descrição mais detalhada sobre a definição das argamassas estudadas, bem como as suas características físicas e mecânicas, pode ser consultada em Carvalho [6]. As lajetas de argamassa utilizadas na maior parte dos ensaios realizados possuíam dimensões em planta de 50x50 cm 2, e uma espessura de 40mm. Alguns testes preliminares realizados para avaliar a influência da dimensão dos provetes nos resultados do ensaio foram efectuados sobre lajetas com dimensões em planta de 70x70cm 2 e 90x90cm 2, mantendo a espessura de 40mm. A influência da espessura da lajeta foi estudada comparando em provetes das séries ALF, ALG e AC, tendo sido comparados resultados obtidos sobre lajetas com espessuras de 4 cm e 6 cm. Para cada condição de ensaio, foram testados dois provetes. 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO Diversos tipos de lajetas de argamassa, representando substratos com diferentes características resiliência, foram produzidos e testados em condições semelhantes, utilizando uma câmara reverberantes de dimensões reduzidas. Antes de dar início aos ensaios, avaliou-se a influência da dimensão do provete de ensaio e da posição da fonte sonora no resultado dos ensaios. Em seguida, colocaram-se sobre as lajetas de argamassa diversos tipos de revestimentos de pavimento, tendo sido igualmente ensaiados o conjunto argamass/revestimento. Os resultados obtidos nos ensaios são apresentados e comentados nesta secção. 4.1 Análise do efeito da dimensão e posição do provete Antes de proceder aos ensaios comparativos sobre os diferentes tipos de provetes, torna-se importante quantificar a possível influência da dimensão do provete e posição da fonte nos resultados. Utilizando a argamassa ALF, produziram-se provetes com espessura 4cm e dimensões em planta 50x50 cm 2, 70x70 cm 2 e 90x90 cm 2, tendo sido avaliada a redução sonora proporcionada por estes. A Figura 2 apresenta os resultados obtidos.

6 Os diagramas obtidos para as três condições de ensaio revelam semelhanças na variação ao longo do domínio da frequência em análise para todos os provetes testados. Podem observar-se algumas discrepâncias entre os valores obtidos para os provetes de maior e menor dimensão, em especial para frequências baixas. Estas diferenças eram expectáveis, uma vez que a massa do provete varia. Deste modo, é importante referir que os resultados apresentados no presente trabalho são apenas válidos na medida em que representam comparação directa entre diferentes soluções construtivas com as mesmas dimensões. Não devem ser extrapolados ou tomados como resultados finais de caracterização para as soluções construtivas analisadas. Tendo esta limitação em mente, tomou-se o provete com dimensão 50x50 cm 2 como solução de referência, e os resultados descritos nas secções seguintes foram obtidos sobre provetes com esta dimensão. Redução Sonora - Som de Impacto (db) Figura 2. Influência da dimensão do provete. 50x50 70x70 90x90 Antes de iniciar a análise comparativa entre diferentes soluções construtivas, foi necessário quantificar a possível influência da posição do conjunto fonte/provete nos resultados. Realizaram-se ensaios sobre o mesmo provete (50x50x4 cm 3, argamassa ALF), para diferentes posições da fonte sonora (ver Figura 3a), e o nível sonoro dentro da câmara acústica foi quantificado. A Figura 3b ilustra os resultados obtidos. A análise dos resultados permite verificar que, apesar de o comportamento dinâmico do sistema depender ligeiramente da posição da fonte, especialmente para frequências baixas, esta dependência não conduz a variações significativas nos resultados, mesmo quando se consideram posições extremas. Deste modo, pode concluir-se que pequenas alterações na posição do provete de ensaio, não deverão conduzir a variações significativas nos resultados, especialmente para frequências mais elevadas. Esta conclusão é consistente com os resultados obtidos por Masgalos [5]. Os ensaios descritos nas secções seguintes, para comparar diferentes soluções construtivas, foram realizados com a fonte posicionada na posição AA (ver Figura 3a).

7 120 a) Nível Sonoro (db) Figura 3. Influência da posição da fonte: a) diferentes localizações para a fonte de impacto e provete de ensaio; b) nível sonoro originado por ruído de impacto para diferentes posições da fonte. M W N Y AA BB P CC Q b) 4.2 Análise comparativa de soluções construtivas O presente trabalho pretende analisar a melhoria na redução do nível sonoro originado por ruído de impacto devido à presença de camadas resilientes com diferentes espessuras, produzidas com argamassas leves feitas utilizando diferentes tipos de agregados. Esta secção apresenta os resultados obtidos Influência do tipo de agregado leve Tal como referido atrás, testaram-se cinco tipos de argamassas (ALG, ALF, APE, AC e BET), que podem ser utilizadas como camada de regularização. Estas argamassas foram comparadas tendo em conta o seu desempenho na redução do ruído de percussão. A Figura 4 apresenta as curvas de redução sonora obtidas quando testados estes 5 materiais. Pode observar-se que os diferentes tipos de argamassa apresentam comportamentos bastante distintos. A contribuição da argamassa BET para a redução do nível sonoro é muito pequena. Este resultado era esperado, tendo em conta a elevada rigidez do material, que resulta numa baixa capacidade de dissipação de energia. No entanto, nas elevadas frequências, esta solução apresenta uma pequena melhoria de desempenho. As argamassas de argila expandida (ALF e ALG) também apresentam uma influência muito baixa na redução do nível sonoro. Tal como acontece para a argamassa BET, este fraco desempenho pode ser explicado devido à elevada rigidez dos granulados de argila expandida. No entanto, verifica-se que a argamassa contendo granulados de menor dimensão (ALF), apesar de apresentar uma densidade mais elevada, exibe um melhor comportamento do que as anteriores, nas frequências baixas. As argamassas contendo grânulos de cortiça expandida (AC) e poliestireno (APE) mostram um bom desempenho, especialmente nas altas-frequências (acima de Hz). Este bom comportamento é especialmente visível na argamassa AC, para a qual se registaram reduções de nível sonoro atingindo quase 40 db, para a frequência de 0 Hz.

8 Redução Sonora - Som de Impacto (db) Figura 4. Redução de som de impacto para diferentes tipos de argamassa, com 4 cm de espessura. ALF ALG APE AC BET A elevada flexibilidade e resiliência dos granulados de poliestireno e cortiça pode explicar a elevada capacidade de dissipação de energia demonstrada por estes dois materiais. No entanto, é importante observar que os valores apresentados foram obtidos através de ensaios nos quais a fonte sonora aplicava o impacto directamente sobre a argamassa, sem qualquer revestimento. Deste modo, os resultados poderão ser influenciados pela baixa rigidez dos agregados presentes perto da superfície Influência da espessura da camada de argamassa A espessura dos elementos construtivos representa uma variável importante, uma vez que pode influenciar significativamente o desempenho acústico do referido elemento. Sabe-se que o índice de nível sonoro normalizado a sons de impacto de uma laje de betão armado diminui com o aumento da espessura da laje, mostrando que lajes mais espessas, e portanto com maior massa, irão ter um melhor desempenho acústico. Efectuaram-se ensaios para verificar se esta condição era igualmente válida para camadas de argamassas de regularização. Testaram-se provetes produzidos com argamassas ALF, ALG e AC, com espessuras de 4 cm e 6 cm, tendo sido determinado o parâmetro L. A Figura 5 mostra os resultados obtidos.

9 a) Redução Sonora - Som de Impacto (db) Redução Sonora - Som de Impacto (db) Redução Sonora - Som de Impacto (db) ALG-4cm ALG-6cm ALF-4cm ALF-6cm AC-4cm AC-6cm Figura 5. Redução do ruído de impacto originado por camadas de argamassa com diferentes espessuras e materiais: a) ALG; b) ALF; c) AC. b) c) Os resultados mostram que, em geral, as argamassas com espessura mais elevada apresentam um melhor desempenho acústico, principalmente para frequências mais elevadas. Esta melhoria de desempenho foi especialmente visível nos provetes de AC, para os quais se registaram reduções sonoras de 55 db nas frequências mais altas. No entanto, verifica-se que, no domínio das baixas frequências, a melhoria de L foi negligenciável.

10 4.2.3 Influência do tipo de revestimento As lajes em edifícios podem apresentar diferentes níveis de desempenho ao nível do isolamento face a sons de impacto. Este desempenho depende de um número de parâmetros, incluindo os materiais que constituem a laje, as suas condições de suporte, e a qualidade dos procedimentos seguidos na fase de construção. As argamassas leves testadas podem ser utilizadas como material resiliente, colocadas sob o revestimento final do pavimento. De modo a determinar a influência do tipo de revestimento usado sobre a argamassa no comportamento acústico, realizaram-se testes sobre lajes de argamassa que foram previamente revestidas com diferentes tipos de revestimentos. Três tipos de revestimentos foram considerados: um pavimento flutuante em madeira com 12 mm de espessura; um pavimento semelhante, também com 12 mm de espessura, colado sobre um filme de cortiça e mosaicos cerâmicos. Os mosaicos cerâmicos foram fixos à base de argamassa através de um cimento-cola. Os revestimentos foram colocados sobre provetes de argamassa com 40 mm de espessura, tendo sido ensaiados todos os cinco tipos de argamassa descritos atrás. A Figura 6 ilustra os resultados obtidos para os três tipos de revestimentos ensaiados. Pode observar-se que, quando um pavimento flutuante em madeira é colocado sobre uma camada de argamassa, com ou sem filme de cortiça, a correspondente absorção sonora a sons de impacto é, em geral, mais elevada do que quando o revestimento é feito em mosaico cerâmico. Este comportamento deve-se à mais elevada rigidez do material cerâmico, que se encontra colado à camada de argamassa. Também se verifica que, para todos os tipos de revestimento, a redução sonora a sons de impacto aumenta com a frequência do som. Quando um pavimento flutuante em madeira é colocado sobre uma camada de argamassa, o tipo de argamassa irá ter uma considerável influência na redução sonora a sons de impacto resultante no sistema. Verifica-se que, quando se utiliza uma argamassa produzida com granulados de cortiça, a redução sonora é significantemente mais elevada do que para os restantes tipos de argamassa, especialmente acima dos Hz. Soluções construtivas utilizando outros tipos de argamassas (argila expandida e EPS) exibem comportamentos similares entre si. Um pormenor interessante é a pequena diminuição da redução sonora apresentada pela argamassa APE nas proximidades dos 0 Hz, que se encontra patente em todas as soluções testadas. O desempenho menos interessante é o apresentado pela base de betão de peso corrente, BET. Este resultado era de esperar, devido à mais elevada rigidez da argamassa corrente, que conduz a uma reduzida absorção do som proveniente de impacto. Quando a face inferior do pavimento de madeira flutuante é revestida com um filme de cortiça, o desempenho acústico da solução construtiva melhora, especialmente acima dos Hz. Nesta solução, a influência do tipo de argamassa não é tão óbvia. A argamassa de cortiça continua a exibir uma redução sonora mais elevada do que as soluções alternativas, mas a diferença é muito menor do que na situação anterior.

11 Redução Sonora - Som de Impacto (db) Redução Sonora - Som de Impacto (db) k 1.25k 1k 1.25k 1.6k 2k 2.5k 3.15k 1.6k 2k 2.5k 3.15k ALF ALG APE AC BET ALF ALG APE AC BET a) b) Redução Sonora - Som de Impacto (db) k 1.25k 1.6k 2k 2.5k 3.15k Figura 6. Redução do ruído de percussão obtido por diferentes tipos de revestimento, colocados sobre camadas de argamassa (4cm de espessura) de diferentes tipos: a) Pavimento de madeira flutuante; b) Pavimento de madeira flutuante sobre filme de cortiça; c) Mosaicos cerâmicos. Quando o revestimento do piso é constituído por mosaicos cerâmicos, o sistema torna-se mais rígido. O tipo de argamassa da base assume, nesta solução, uma maior importância. Uma vez mais, é visível que a argamassa contendo cortiça proporciona uma maior absorção a ruídos de impacto que as outras soluções. O melhor desempenho da argamassa de cortiça em relação às outras é mais visível à medida que a frequência aumenta. A argamassa APE apresenta o segundo melhor comportamento, com uma redução inferior em 5 db, para altas-frequências, em relação à argamassa com cortiça. Todos os tipos de ALF ALG APE AC BET c)

12 argamassa apresentam um mau comportamento na vizinhança de Hz, provavelmente devido à proximidade com uma frequência de ressonância do sistema. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente trabalho comparou a redução sonora a sons de impacto proporcionada por diferentes soluções de pavimento. Vários tipos de argamassas de enchimento produzidas com agregados leves e diferentes materiais de pavimentação foram analisados. Os ensaios laboratoriais foram realizados numa câmara acústica de pequenas dimensões. Para todos os provetes, sem revestimento final, verificou-se uma sensível redução sonora a ruídos de impacto, em particular para as frequências mais elevadas. O uso de granulados de cortiça demonstrou proporcionar um melhor desempenho, devido principalmente à alta flexibilidade e resiliência do material. Os ensaios realizados sobre provetes com revestimento em madeira ou mosaicos cerâmicos seguiram a mesma tendência. No entanto, é importante referir que quando se utilizou uma camada resiliente (lâmina de cortiça) sob o pavimento final, atenuaram-se as diferenças no comportamento entre os diferentes tipos de argamassas. Este comportamento indica que a presença de uma camada resiliente tem uma influência dominante no desempenho global do sistema. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] Ferreira, A.; Brito, J.; Branco, F. Desempenho Relativo das Argamassas de Argila Expandida na Execução de Camadas de Forma. 2º Congresso Nacional de Argamassas de Construção, Lisboa, 22 e 23 de Novembro de 7 (em CD-Rom). [2] ISO 140-8: 1997 Acoustics. Measurement of sound insulation in buildings and of building elements Part 8: Laboratory measurements of the reduction of transmitted impact noise by floor coverings on a heavyweight standard floor, [3] EN ISO 717-2: 1996 Acoustics. Rating of Sound Insulation in Buildings and of Building Elements Part 2: Impact Sound Insulation, [4] ISO 140-1:1997 Acoustics. Measurement of sound insulation in buildings and of building elements Part 1: Requirements for laboratory test facilities with suppressed flanking transmission, [5] Masgalos, R. Análise de um Sistema de Dimensões Reduzidas para Ensaio de Isolamento a Sons de Percussão. Dissertação apresentada para a obtenção do grau de Mestre em Engenharia Civil na Especialidade de Construções, Mestrado Integrado em Engenharia Civil, FCTUC, Coimbra, 8. [6] Carvalho, A.C. Avaliação do processo de secagem em argamassas leves. Dissertação apresentada para a obtenção do grau de Mestre em Engenharia Civil na Especialidade de Construções, Mestrado Integrado em Engenharia Civil, FCTUC, Coimbra, 8.

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS Universidade do Algarve Instituto Superior de Engenharia TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS António Morgado André UAlg-EST-ADEC aandre@ualg.pt 1 Exercício 2.1 Considere uma sala de aula de 4,5x

Leia mais

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 Relatório técnico nº 00412 Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 SINDUSCON- Grande Florianópolis End.: Avenida Rio Branco,1051- Centro, Florianópolis, SC Contato:

Leia mais

Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos

Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos 132 Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos COMPÓSITO CIMENTÍCIO COM RESÍDUOS DE EVA COMO ALTERNATIVA PARA ATENUAÇÃO DE RUÍDOS DE IMPACTOS ENTRE LAJES DE PISO NAS EDIFICAÇÕES Fabianne Azevedo

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Parte 4-1 Transmissão de vibrações Transmissão em elementos simples => Fraco isolamento Soluções correctivas Material separador flexivel Duplicação do elemento e criação de caixa de ar Separação com material

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO No. RT002-062010 AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA AÉREA DE PAINEL DE FIBROCIMENTO E GESSO ACARTONADO

RELATÓRIO TÉCNICO No. RT002-062010 AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA AÉREA DE PAINEL DE FIBROCIMENTO E GESSO ACARTONADO Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Laboratório de Acústica Av. Roraima 1000, Campus Universitário, Bloco 10, Sala 439, Camobi, CEP 97105-900, Santa Maria/RS, Brasil Tel.: 55-55 -

Leia mais

... escute o silêncio...

... escute o silêncio... ...TCHUU Nas suas diferentes funções os edifícios encerram um conjunto de exigência funcionais das quais o comportamento acústico é, ao nível do conforto, um dos aspectos centrais. Quer se trate de edifícios

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE O BETÃO NORMAL E O BETÃO LEVE

1. INTRODUÇÃO 2. PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE O BETÃO NORMAL E O BETÃO LEVE O CONHECIMENTO E AS APLICAÇÕES LECA NA MELHORIA TÉRMICA E ACÚSTICA DOS HABITATS 1. INTRODUÇÃO O Conhecimento e a Experiência acumulados pela Saint-Gobain Weber Portugal SA (S-GWP), no desenvolvimento e

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE ENGENHARIA NOVA GEOMETRIA DE BLOCOS DE ALIGEIRAMENTO EM LAJES FUNGIFORMES A. Serra Neves NOTA TÉCNICA NOVA GEOMETRIA DE BLOCOS DE ALIGEIRAMENTO EM LAJES FUNGIFORMES Por:

Leia mais

Desempenho Acústico de Sistemas de Piso: Estudos de Caso Para Isolamento ao Ruído Aéreo e de Impacto

Desempenho Acústico de Sistemas de Piso: Estudos de Caso Para Isolamento ao Ruído Aéreo e de Impacto 13 Desempenho Acústico de Sistemas de Piso: Estudos de Caso Para Isolamento ao Ruído Aéreo e de Impacto Nunes, M.F.O.; Zini, A.; Pagnussat, D.T. *Laboratório de Tecnologia Construtiva, Universidade de

Leia mais

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Diogo Mateus (dm@contraruido.com) Conteúdo da apresentação: Enquadramento e objectivos do trabalho Problemas típicos na execução de soluções construtivas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO PAVIMENTO NO RUÍDO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO.

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO PAVIMENTO NO RUÍDO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO. AVALIAÇÃO DO EFEITO DO PAVIMENTO NO RUÍDO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO. CARLOS GUERRA AUTO-ESTRADAS DO ATLANTICO, S.A.. FERNANDO PALMA RUIVO DIRECTOR TÉCNICO, CERTIPROJECTO, Lda. DIVISÃO DE ACÚSTICA APLICADA

Leia mais

BLOCOS DE CONCRETO CELULAR PRECON. VENDAS NA REGIÃO SUL: 51 8124-1720tim - 51 9829-0119vivo

BLOCOS DE CONCRETO CELULAR PRECON. VENDAS NA REGIÃO SUL: 51 8124-1720tim - 51 9829-0119vivo BLOCOS DE CONCRETO CELULAR PRECON. LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC ENDEREÇO: Av. Roraima, 1000 Prédio 10, Campus Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105-900 TELEFONE: (55) 3220.8608 (Fax) Direção

Leia mais

FICHA TÉCNICA Isolamento acústico

FICHA TÉCNICA Isolamento acústico Página 1 de 7 O isolamento acústico é caracterizado por três tipos de isolamento distintos, sendo eles: - Correcção acústica - Isolamento de ruídos aéreos - Isolamento de ruídos de percussão CORRECÇÃO

Leia mais

DESEMPENHO ACÚSTICO - RUÍDO AÉREO

DESEMPENHO ACÚSTICO - RUÍDO AÉREO DESEMPENHO ACÚSTICO - RUÍDO AÉREO DETERMINAÇÃO DO ISOLAMENTO SONORO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES EM LABORATÓRIO itt PERFORMANCE UNISINOS Av. Unisinos, 9 Cristo Rei, São Leopoldo APRESENTAÇÃO Único instituto da

Leia mais

REINVENTING SUSTAINABLE, GREEN AND ACOUSTIC INSULATION.

REINVENTING SUSTAINABLE, GREEN AND ACOUSTIC INSULATION. REINVENTING SUSTAINABLE, GREEN AND ACOUSTIC INSULATION. Reinventing how cork engages the world. A REINVENÇÃO DO CONFORTO E DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Maximizando o conforto e a eficiência energética com

Leia mais

Reabilitação Acústica e Higrotérmica de Edifícios com Placa GYPCORK Avaliação do desempenho em laboratório

Reabilitação Acústica e Higrotérmica de Edifícios com Placa GYPCORK Avaliação do desempenho em laboratório Reabilitação Acústica e Higrotérmica de Edifícios com Placa GYPCORK Avaliação do desempenho em laboratório J. Ávila e Sousa 1, D. Carvalho 2, P. Amado Mendes 3,4 1 Grupo Preceram, Travasso, Apt. 31, 3101-901

Leia mais

ÁREA DE ENSAIOS ACÚSTICA RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 82636 Amostra nº: 092013 Data de entrada: 25 / 09 / 2013

ÁREA DE ENSAIOS ACÚSTICA RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 82636 Amostra nº: 092013 Data de entrada: 25 / 09 / 2013 LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC 1/8 ENDEREÇO: Av. Roraima, 1000 Prédio 10, Campus Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105-900 TELEFONE: (55) 3220.8608 (Fax) Direção 3220.8313 Secretaria 3220.8461

Leia mais

REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS

REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS MODELOS DE PREVISÃO Albano Neves e Sousa 22 de Maio de 2009 ÍNDICE QUALIDADE ACÚSTICA DE ESPAÇOS FECHADOS Tempo de reverberação: EN 12354-6:2003 ISOLAMENTO SONORO Ruído

Leia mais

LIGHT STEEL FRAMING. Em Portugal o sistema é vulgarmente conhecido por Estrutura em Aço Leve.

LIGHT STEEL FRAMING. Em Portugal o sistema é vulgarmente conhecido por Estrutura em Aço Leve. Light Steel Framing PORTEFÓLIO 2 QUEM SOMOS A INSIDEPLAN foi criada com o intuito de responder às exigências do mercado no âmbito da prestação de serviços a nível de projecto e obra. Na execução de projectos

Leia mais

DESEMPENHO DE ARGAMASSAS LEVES EM ISOLAMENTO A SONS DE PERCUSSÃO

DESEMPENHO DE ARGAMASSAS LEVES EM ISOLAMENTO A SONS DE PERCUSSÃO Acústica 2008 20-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra DESEMPENHO DE ARGAMASSAS LEVES EM ISOLAMENTO A SONS DE PERCUSSÃO F. G. Branco 1, L. Godinho 1, R. Masgalos 2 1 CICC, Dep. Eng.

Leia mais

INFLUÊNCIA DE PEQUENOS ERROS DE EXECUÇÃO EM OBRA NO DESEMPENHO ACÚSTICO DE EDIFÍCIOS - EXEMPLOS TÍPICOS

INFLUÊNCIA DE PEQUENOS ERROS DE EXECUÇÃO EM OBRA NO DESEMPENHO ACÚSTICO DE EDIFÍCIOS - EXEMPLOS TÍPICOS INFLUÊNCIA DE PEQUENOS ERROS DE EXECUÇÃO EM OBRA NO DESEMPENHO ACÚSTICO DE EDIFÍCIOS - EXEMPLOS TÍPICOS PACS: 43..Rg Diogo M. R. Mateus; Andreia S. C. Pereira CICC, Departamento de Engenharia Civil, Faculdade

Leia mais

CONTRAPISOS FLUTUANTES

CONTRAPISOS FLUTUANTES MANUAL PROACÚSTICA DE RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA CONTRAPISOS FLUTUANTES Associação Brasileira para a Qualidade Acústica PREFÁCIO Foi com grande satisfação que recebi o convite para prefaciar o Manual de

Leia mais

SISTEMAS DE SOLO COMPÓSITO/BETÃO: CARACTERIZAÇÃO DA INTERFACE GEOCOMPÓSITO-SOLO

SISTEMAS DE SOLO COMPÓSITO/BETÃO: CARACTERIZAÇÃO DA INTERFACE GEOCOMPÓSITO-SOLO SISTEMAS DE SOLO COMPÓSITO/BETÃO: CARACTERIZAÇÃO DA INTERFACE GEOCOMPÓSITO-SOLO SOIL COMPOSITE /CONCRETE SYSTEMS: CHARACTERIZATION OF THE GEOCOMPOSITE- SOIL INTERFACE Carlos, Karina Gonçalves, UM, Guimarães,

Leia mais

ESTUDO ACÚSTICO DE BANCOS DE IGREJA

ESTUDO ACÚSTICO DE BANCOS DE IGREJA 42º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND ON BUILDINGS ACOUSTICALLY SUSTAINABLE ESTUDO ACÚSTICO DE BANCOS DE IGREJA PACS: 43.55.EV

Leia mais

PAVIMENTO FLUTUANTE COM AGLOMERADO DE CORTIÇA, DE DESEMPENHO ACÚSTICO OPTIMIZADO

PAVIMENTO FLUTUANTE COM AGLOMERADO DE CORTIÇA, DE DESEMPENHO ACÚSTICO OPTIMIZADO PAVIMENTO FLUTUANTE COM AGLOMERADO DE CORTIÇA, DE DESEMPENHO ACÚSTICO OPTIMIZADO António P. O. Carvalho, Vítor C. M. Rocha, Francisco J. C. X. Carvalho Laboratório de Acústica, Faculdade de Engenharia,

Leia mais

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Foto autor 2 José Costa CIARGA Argamassas Secas Portugal jdcosta@cimpor.pt Catarina Coelho CIMPOR Indústria de Cimentos

Leia mais

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões 1. Introdução A mensuração, mitigação e controlo do nível de risco assumido pelos investidores institucionais (e

Leia mais

Conforto Acústico em edifícios residenciais

Conforto Acústico em edifícios residenciais ARTIGO Conforto Acústico em edifícios residenciais Maria de Fatima Ferreira Neto, pesquisadora e professora da UNIP-Sorocaba; Stelamaris Rolla Bertoli, professora Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura

Leia mais

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS ESPECIFICAÇÃO PARA CADERNO DE ENCARGOS. Sistemas de enchimento leve Leca

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS ESPECIFICAÇÃO PARA CADERNO DE ENCARGOS. Sistemas de enchimento leve Leca CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS ESPECIFICAÇÃO PARA CADERNO DE ENCARGOS Sistemas de enchimento leve Leca 1. Sistemas de enchimento leve Leca...2 1.1. Coberturas...2 1.1.1. Coberturas acessíveis...2 1.1.2.

Leia mais

ISOLAMENTOS ACÚSTICOS

ISOLAMENTOS ACÚSTICOS ISOLAMENTOS ACÚSTICOS Ruídos de impacto (intra inquilinos): Aplicação em pisos Außer ia02 Außer ia0 Außer ia1 Außer ia Ruídos aéreos: Aplicação em divisórias verticais Außer ia1 Außer ia Außer ia60 Außer

Leia mais

A equipa desenvolveu dois sistemas de pré-fabricação pensando num desenho atrativo e amável, do qual a parede curva é o testemunho desse compromisso.

A equipa desenvolveu dois sistemas de pré-fabricação pensando num desenho atrativo e amável, do qual a parede curva é o testemunho desse compromisso. Construção Modular Conceito A equipa técnica da dreamdomus aprofundou o conceito de pré-fabricação, levando ao limite a noção de economia habitualmente associada a este tipo de construção, conseguindo

Leia mais

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA Encontro Nacional Betão Estrutural 2004 1 INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA P.B. LOURENÇO Prof. Associado EEUM Guimarães J. BARBOSA LOURENÇO Eng. Civil GPBL, Lda Porto D.V. OLIVEIRA

Leia mais

Click to edit Master subtitle style SISTEMA ISOLTERMIX SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO ACÚSTICO

Click to edit Master subtitle style SISTEMA ISOLTERMIX SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO ACÚSTICO SISTEMA ISOLTERMIX SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO ACÚSTICO SISTEMA ISOLTERMIX SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO ACÚSTICO Abílio Azevedo António Chaves 5 de Dezembro 2012 14:00H IPGV ESTGV Viseu Índice Evolução

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 09- Parte 8 - Desempenho Acústico de - Soluções Construtivas e Problemas típicos na Execução Reabilitação 09- Conteúdo da apresentação: Problemas típicos de soluções construtivas correntes

Leia mais

Reabilitação de revestimentos de pisos correntes com recurso a argamassas

Reabilitação de revestimentos de pisos correntes com recurso a argamassas Reabilitação de revestimentos de pisos correntes com recurso a argamassas A. Jorge Sousa Mestrando IST Portugal a.jorge.sousa@clix.pt Jorge de Brito ICIST/IST Portugal jb@civil.ist.utl.pt Fernando Branco

Leia mais

Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas

Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas Comparação de programas comerciais de cálculo automático para estruturas porticadas António F. M. Oliveira 1, Paulo B. Lourenço 2 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS DE PLACA

CARACTERIZAÇÃO E COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS DE PLACA Coimbra, Portugal, 2012 CARACTERIZAÇÃO E COMPORTAMENTO SÍSMICO DE EDIFÍCIOS DE PLACA Paula R. C. Lamego 1,2 *, Paulo B. Lourenço 2 1: GuITTS, Área Departamental de Engenharia Civil Instituto Superior de

Leia mais

REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL

REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL Reinventing how cork engages the world. A REINVENÇÃO DO CONFORTO E DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Maximizando o conforto e a eficiência energética com ACOUSTICORK.

Leia mais

PLACA GYPCORK. Reabilitação Sustentável

PLACA GYPCORK. Reabilitação Sustentável PLACA GYPCORK Reabilitação Sustentável PLACA GYPCORK A nova placa GYPCORK reúne dois produtos portugueses de excelência: as placas de gesso Gyptec produzidas na Figueira da Foz, utilizando matérias primas

Leia mais

DIVISÃO DE ACÚSTICA. 2 - Equipamento SONÔMETRO, medidor do nível de pressão sonora (NPS)

DIVISÃO DE ACÚSTICA. 2 - Equipamento SONÔMETRO, medidor do nível de pressão sonora (NPS) ENSAIO DE DESEMPENHO DE LAJE PARA ISOLAMENTO DE RUÍDO DE IMPACTO NBR 15575-3:2013 2 - Equipamento SONÔMETRO, medidor do nível de pressão sonora (NPS) deve estar de acordo com as exigência da norma IEC

Leia mais

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica NBR 15575:2013 Desempenho de edificações habitacionais Professora Dra. Maria

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil, Materiais de Construção I 3º Ano 1º Relatório INDÍCE

Departamento de Engenharia Civil, Materiais de Construção I 3º Ano 1º Relatório INDÍCE INDÍCE 1- Introdução/ Objectivos... 2- Análise Granulométrica... 2.1- Introdução e descrição dos ensaios... 2.2- Cálculos efectuados, resultados encontrados e observações... 2.3- Conclusão... 3- Ensaio

Leia mais

ESTUDO E ESPECIFICAÇÕES PARA REVESTIMENTO E ISOLAMENTO ACÚSTICO DA SALA DE PENEIRAS DO LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO DO CTU

ESTUDO E ESPECIFICAÇÕES PARA REVESTIMENTO E ISOLAMENTO ACÚSTICO DA SALA DE PENEIRAS DO LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO DO CTU ESTUDO E ESPECIFICAÇÕES PARA REVESTIMENTO E ISOLAMENTO ACÚSTICO DA SALA DE PENEIRAS DO LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO DO CTU Referência PACS: 43.50.Gf Barbosa Miriam Jerônimo; Zeballos Adachi Andrea

Leia mais

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL M.T. BRAZ CÉSAR Assistente IPBragança Bragança Portugal

Leia mais

Pré-Certificado Energético Edifício de Habitação SCE84144829 PROVISÓRIO

Pré-Certificado Energético Edifício de Habitação SCE84144829 PROVISÓRIO Válido até IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DOS ESCUTEIROS,, Localidade RIBAMAR Freguesia RIBAMAR Concelho LOURINHÃ GPS 39.197874, -9.330633 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória do Registo Predial

Leia mais

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO. Abr. 2007, rev. 16 1 EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO. Abr. 2007, rev. 16 1 EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO Abr. 2007, rev. 16 1 EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO EPS - SOLUÇÕES INOVADORAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DIA DO DEC -

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão Disciplina ministrada ao IX semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT OBJETIVOS DA DISCIPLINA

Leia mais

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO Manuel Baião ANIPB Seminário sobre Marcação CE das vigotas Coimbra, CTCV, 9 de Dezembro de 2010 ENSAIOS DE TIPO INICIAIS

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA Válido até 19/01/2015 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA Freguesia AVENIDAS NOVAS Concelho LISBOA GPS 39.700000, -8.000000 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5.1. Introdução O conforto higrotérmico tem motivado o desenvolvimento de tecnologias passivas com

Leia mais

Índice Geral Índice Geral Pág.Pág.

Índice Geral Índice Geral Pág.Pág. VELFAC - Vidros Índice Geral Pág. Pág. Vidros VELFAC VELFAC ENERGY VELFAC SUN VELFAC VELFAC DÉCOR VELFAC SOUND VELFAC SAFETY VELFAC SECURE VELFAC Fachada VELFAC FIRE Termos Técnicos p/ Protecção Térmica

Leia mais

CIMENTOS COLA ADHERE

CIMENTOS COLA ADHERE CIMENTOS COLA ADHERE Cimentos Cola Adhere. Introdução 03 A utilização de revestimentos cerâmicos como elemento decorativo nas paredes e pavimentos remonta à antiguidade, constituindo uma parte integrante

Leia mais

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho. ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.pt 1 Mestranda e Bolseira de investigação do Departamento

Leia mais

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Fernando Pardo de Santayana Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), Lisboa, Portugal RESUMO:

Leia mais

Análise de soluções construtivas com recurso à Metodologia de Avaliação Relativa da Sustentabilidade

Análise de soluções construtivas com recurso à Metodologia de Avaliação Relativa da Sustentabilidade DESAFIO CINCOS 10 Análise de soluções construtivas com recurso à Metodologia de Avaliação Relativa da Sustentabilidade Outubro de 2010 Fábio Ribas Fernandes» fabio.ribas@ua.pt « ÍNDICE I. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Gestão de Energia As fontes de energia, as melhores técnicas disponíveis e os novos produtos

Gestão de Energia As fontes de energia, as melhores técnicas disponíveis e os novos produtos centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Gestão de Energia As fontes de energia, as melhores técnicas disponíveis e os novos produtos António Baio Dias, CTCV Coimbra, Portugal 1 Coimbra

Leia mais

CYPEVAC. Rua Comendador Santos da Cunha, 304, Ap. 2330 4701-904 Braga Tel: 00 351 253 20 94 30 Fax: 00 351 253 20 94 39 http://www.topinformatica.

CYPEVAC. Rua Comendador Santos da Cunha, 304, Ap. 2330 4701-904 Braga Tel: 00 351 253 20 94 30 Fax: 00 351 253 20 94 39 http://www.topinformatica. VAC IMPORTANTE: ESTE TEXTO REQUER A SUA ATENÇÃO E A SUA LEITURA A informação contida neste documento é propriedade da Ingenieros, S.A. e nenhuma parte dela pode ser reproduzida ou transferida sob nenhum

Leia mais

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis CONCEITO O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis estruturais capazes de resistir às cargas verticais (telhados e pavimentos), perpendiculares

Leia mais

Associação ProAcústica Office Solution

Associação ProAcústica Office Solution Tecnologia Trabalhando a favor do bem-estar. Qualidade de vida Conforto acústico é saúde para todos. Sustentabilidade Respeito à vida, ao ser humano e ao planeta. ABNT NBR 15.575:2-13 Edificações habitacionais

Leia mais

44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING

44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING 44º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EAA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND NOISE MAPPING AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DA REDUÇÃO SONORA DE SISTEMAS DE PISOS FLUTUANTES

Leia mais

N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO. Estudo Comparativo.

N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO. Estudo Comparativo. N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO Estudo Comparativo Mafalda Ramalho EDIÇÃO: Construlink, SA Tagus Park, - Edifício Eastecníca 2780-920 Porto

Leia mais

AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DO COMPORTAMENTO DE FRONTAIS POMBALINOS SOB ACÇÃO DE CARGAS HORIZONTAIS

AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DO COMPORTAMENTO DE FRONTAIS POMBALINOS SOB ACÇÃO DE CARGAS HORIZONTAIS Revista da Associação Portuguesa de Análise Experimental de Tensões ISSN 1646-7078 AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DO COMPORTAMENTO DE FRONTAIS POMBALINOS SOB ACÇÃO DE CARGAS HORIZONTAIS Maria João Teixeira 1,

Leia mais

A Groz-Beckert adaptou a geometria e a precisão de todas as agulhas das máquinas de bordar às exigências do mercado.

A Groz-Beckert adaptou a geometria e a precisão de todas as agulhas das máquinas de bordar às exigências do mercado. info INFORMAÇÃO TÉCNICA SEWING 14 AGULHAS PARA MÁQUINAS DE BORDAR COM UMA E MAIS CABEÇAS Graças às máquinas actuais utilizadas no mercado de máquinas de bordar com uma e mais cabeças, praticamente já não

Leia mais

AMORIM ISOLAMENTOS S.A. www.amorimisolamentos.com

AMORIM ISOLAMENTOS S.A. www.amorimisolamentos.com AMORIM ISOLAMENTOS S.A. www.amorimisolamentos.com LÍDER MUNDIAL EM CORTIÇA EM MAIS DE 100 PAISES FACTURAÇÃO SUPERIOR A 540 MILHÕES DE EUROS 3350 FUNCIONÁRIOS UNIDADES DE NEGÓCIO: AMORIM & IRMÃO: Rolhas

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À. AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO DE FACHADAS EXPOSTAS À AMBIENTE MARINHO Avaliação da Aderência Por: Regina Helena Ferreira de Souza Professora Dra., Titular de Estruturas, Departamento de Engenharia Civil Universidade

Leia mais

Projecto para um conjunto de habitações unifamiliares São Luís, Maranhão, Brasil. Projecto

Projecto para um conjunto de habitações unifamiliares São Luís, Maranhão, Brasil. Projecto O sistema construtivo é simples, tendo sido dada preferência a materiais correntes, ou seja, de utilização mais frequente no local, com soluções técnicas enquadradas na mão-de-obra local e adequadas ao

Leia mais

14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS

14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS 14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS Aplicam-se a todos os materiais as disposições constantes do capítulo 14.00 deste caderno de encargos, nomeadamente 14.00.1, 14.00.2, 14.00.3 e 14.00.4 e

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

1 Desempenho térmico

1 Desempenho térmico Desempenho térmico 1 2 Desempenho térmico A norma NBR 15575 não trata de condicionamento artificial. Todos os critérios de desempenho foram estabelecidos com base em condições naturais de insolação, ventilação

Leia mais

Maio 2011 Recife Fabio Villas Bôas

Maio 2011 Recife Fabio Villas Bôas Maio 2011 Recife Fabio Villas Bôas 1 FULL SERVICE - INCORPORAÇÃO / CONSTRUÇÃO / VENDAS 34 ANOS DE MERCADO; 1851 COLABORADORES PRÓPRIOS; 6415 COLABORADORES TERCEIROS; MAIS DE 2,7 MILHÃO DE M 2 LANÇADOS

Leia mais

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução 3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de 3.1.Introdução Neste capítulo serão apresentadas diversas configurações que possibil itam a realização do transformador de impedância

Leia mais

Aglomerado de cortiça expandida - ICB

Aglomerado de cortiça expandida - ICB Aglomerado de cortiça expandida - ICB Características Técnicas Características essenciais Massa Volúmica / Densidade Coeficiente de Condutibilidade Térmica Tensão de Ruptura à Flexão Tensão de Compressão

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 Í N D I C E INTRODUÇÃO Págs. 1. Conceito 2. Objectivos. Destinatários 4. Serviços prestados 5. Capacidade 6. Recursos Humanos 7. Organização

Leia mais

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS Hélder Maurício Antunes Cruz * a40472@alunos.uminho.pt José Barroso de Aguiar aguiar@civil.uminho.pt Resumo A presente comunicação reflecte um estudo na

Leia mais

Palavras-chave: Acústica, Controle de Ruído, Ruído Estrutural, Pisos Flutuantes

Palavras-chave: Acústica, Controle de Ruído, Ruído Estrutural, Pisos Flutuantes USO COMBINADO DE POLIETILENO EXPANDIDO E CALÇOS DE BORRACHA EM PISOS FLUTUANTES Moysés Zindeluk COPPE/Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Engenharia Mecânica Laboratório de Acústica e Vibrações

Leia mais

G R U P O Painéis Ventilados em G.F.R.C. damos forma ao progresso Painéis Ventilados em G.F.R.C. A Pavicentro apresenta uma solução inovadora de painéis para tamponamento de edifícios - o PAINEL VENTILADO

Leia mais

Notas Sobre o Reforço Estrutural de Edifícios Antigos

Notas Sobre o Reforço Estrutural de Edifícios Antigos Boletim Lisboa Urbanismo - Ano 1999 Boletim nº 3 Fernando Domingues* Notas Sobre o Reforço Estrutural de Edifícios Antigos A acção e, cumulativamente, a falta de acção do Homem tem conduzido e agravado

Leia mais

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio Aprova o Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio Aprova o Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 129/2002, de 11 de Maio, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio

Leia mais

46º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EUROPEAN SYMPOSIUM ON VIRTUAL ACOUSTICS AND AMBISONICS

46º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EUROPEAN SYMPOSIUM ON VIRTUAL ACOUSTICS AND AMBISONICS ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS COM PLACAS DE GESSO ACARTONADO: ESTUDO COMPARATIVO DE ISOLAMENTO ACÚSTICO PACS: 43.55.TI Sérgio Klipell Filho¹; Josiane Reschke Pires¹; Maria Fernanda de O. Nunes¹ 1. Instituto

Leia mais

Espessuras disponíveis (mm)!" #$

Espessuras disponíveis (mm)! #$ Composição constituídas por uma base de poliestireno extrudido (Roofmate) e uma camada de betonilha em argamassa de cimento e inertes seleccionados, reforçada com aditivos e fibras de polipropileno; Campo

Leia mais

CHAPAS E ACESSÓRIOS P177

CHAPAS E ACESSÓRIOS P177 Chapas onduladas P177 As chapas de fibrocimento fazem parte da paisagem tradicional do nosso país há mais de 60 anos. De norte a sul é comum encontrá-las nos locais mais recônditos e nas mais variadas

Leia mais

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA INTRODUÇÃO À ACÚSTICA 1. Introdução As sociedades industriais com o seu desenvolvimento tecnológico têm contribuído para o aumento dos níveis de ruído, sendo um dos principais factores de risco para a

Leia mais

Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida. Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS

Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida. Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS Workshop Ciclo de Vida dos Edifícios 31 de janeiro de 2012 ENQUADRAMENTO A nível mundial, há uma

Leia mais

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 RELATÓRIO FINAL 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO A publicação das normas ISO 24500 (ISO 24510, ISO 24511 e ISO 24512), que constituem o primeiro conjunto de normas

Leia mais

SERC WWW.SERC-EUROPE.COM

SERC WWW.SERC-EUROPE.COM SERC O decreto de 22 de Março de 2004 publicado no "Jornal Oficial" do 1 Abril de 2004 põe em aplicação o sistema de classificação de resistência ao fogo dos produtos de construção definido à escala europeia.

Leia mais

CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 1)

CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 1) CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

CHAPAS NATUROCIMENTO P177. Desde 1999 a Cimianto integrou na sua gama standard o NaturoCimento. A sua composição não inclui amianto.

CHAPAS NATUROCIMENTO P177. Desde 1999 a Cimianto integrou na sua gama standard o NaturoCimento. A sua composição não inclui amianto. Chapas NaturoCimento P177 Desde 1999 a Cimianto integrou na sua gama standard o NaturoCimento. A sua composição não inclui amianto. As características técnicas do produto bem como as suas performances

Leia mais

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 4 de Fevereiro de 2008. Registado com o n.º DL 35/2008 no livro de registo de diplomas

Ministério d. da Presidência do Conselho, em 4 de Fevereiro de 2008. Registado com o n.º DL 35/2008 no livro de registo de diplomas Registado com o DL 35/2008 no livro de registo de diplomas da Presidência do Conselho, em 4 de Fevereiro de 2008 O -Lei 129/2002, de 11 de Maio, aprovou o Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº002. Ensaio de resistência ao fogo em paredes interiores GYP 48/13x2L A

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº002. Ensaio de resistência ao fogo em paredes interiores GYP 48/13x2L A RELATÓRIO DE ENSAIO Nº002 Ensaio de resistência ao fogo em paredes interiores GYP 48/13x2L A Requerente: Gyptec Ibérica. Data: 24 de Novembro 2009-1 - 1. OBJECTIVO O principal objectivo do ensaio realizado

Leia mais

Construction. Argamassa cimentosa fluída SCC reforçada com fibras para reparação de betão armado, pavimentação e ancoragem de varões de aço

Construction. Argamassa cimentosa fluída SCC reforçada com fibras para reparação de betão armado, pavimentação e ancoragem de varões de aço Ficha de Produto Edição de julho de 2014 Nº de identificação: 02.007 Versão nº 1 Sika Grout-312 RFA Argamassa cimentosa fluída SCC reforçada com fibras para reparação de betão armado, pavimentação e ancoragem

Leia mais

FOMENTAR O QUE É NACIONAL E FORTALECER A ECONOMIA ANGOLANA APOIO AO CLIENTE

FOMENTAR O QUE É NACIONAL E FORTALECER A ECONOMIA ANGOLANA APOIO AO CLIENTE CERÂMICA CIC Feito em Angola FOMENTAR O QUE É NACIONAL E FORTALECER A ECONOMIA ANGOLANA APOIO AO CLIENTE +244 933 055 981 CERÂMICA CIC MARCA DE QUALIDADE FEITO EM ANGOLA DESCRIÇÃO A Unidade Industrial

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO ESTRUTURAL DO CORO ALTO DA IGREJA DO PÓPULO EM BRAGA

CONSOLIDAÇÃO ESTRUTURAL DO CORO ALTO DA IGREJA DO PÓPULO EM BRAGA A Intervenção no Património. Práticas de Conservação e Reabilitação 173 CONSOLIDAÇÃO ESTRUTURAL DO CORO ALTO DA IGREJA DO PÓPULO EM BRAGA ESMERALDA PAUPÉRIO Engenheira IC-FEUP ANÍBAL COSTA Engenheiro Prof.

Leia mais

Informação para Profissionais

Informação para Profissionais Informação para Profissionais O soalho em madeira maciça pode ser aplicado e finalizado de diversas formas. Apresentam-se de seguida aquelas que são mais comuns. 1. Fixação 1.1. Fixação sobre sarrafos

Leia mais

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL João F. Almeida Júlio Appleton Tiago Abecassis João N. Silva José N. Camara Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil JSJ, IST AP, IST TALPROJECTO AP JSJ,

Leia mais

P812 BAVIERA EXPO. Projecto de Execução da Reparação da impermeabilização da cobertura

P812 BAVIERA EXPO. Projecto de Execução da Reparação da impermeabilização da cobertura P812 BAVIERA EXPO Projecto de Execução da Reparação da Abril 2014 MEMÓRIA DESCRITIVA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MEDIÇÕES ANEXOS ÍNDICE DE PEÇAS DESENHADAS ÍNDICE Memória Descritiva... 6 1 Introdução...

Leia mais

NORMA TÉCNICA 10/2014 Controle de Materiais de Acabamento e Revestimento

NORMA TÉCNICA 10/2014 Controle de Materiais de Acabamento e Revestimento É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 10/2014 Controle de Materiais de Acabamento e Revestimento SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas

Leia mais

tesa ACX plus o mundo das aplicações estruturais adesivas

tesa ACX plus o mundo das aplicações estruturais adesivas o mundo das aplicações estruturais adesivas Baseado em 75 anos de experiência na produção de fitas e soluções adesivas, a tesa tornou-se num dos fornecedores líderes mundiais em muitos campos de aplicação

Leia mais

Relatório de Auditoria Energética

Relatório de Auditoria Energética Relatório de Auditoria Energética Relatório de Certificação Energética Local: 0 Today() www.classe-energetica.com Índice 1. Objectivos da Certificação Energética 2. escrição do Imóvel 3. Resultados da

Leia mais

TECTUM Soluções Integrais para telhados. A solução na reabilitação de coberturas.

TECTUM Soluções Integrais para telhados. A solução na reabilitação de coberturas. TECTUM Soluções Integrais para telhados. A solução na reabilitação de coberturas. TELHADOS TECTUM UMA SOLUÇÃO QUE MELHORA A FORMA TRADICIONAL DE CONSTRUIR TELHADOS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Das diversas

Leia mais