Acústica em Reabilitação de Edifícios

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acústica em Reabilitação de Edifícios"

Transcrição

1 Parte 4-1 Transmissão de vibrações Transmissão em elementos simples => Fraco isolamento Soluções correctivas Material separador flexivel Duplicação do elemento e criação de caixa de ar Separação com material flexível Atenuação directa da percussão Incorrecções frequentes Material separador duro Ligação rígida na caixa de ar Ligação rígida na caixa de ar e/ou el. separador demasiado rígido 2

2 Fontes de ruído típicas 3 Tratamento de vibrações em edifícios 1. Isolamento estrutural Placas flexíveis 2. Pisos e plataformas anti vibratórias Apoios de mola metálicos Apoios discretos 4

3 2. Pisos e plataformas anti vibratórias Apoios discretos sob perfis metálicos Apoio contínuo (em placa ou em rolo) 3. Apoios anti vibratórios de parede 5 3. Tectos falsos com apoios anti vibratórios 4. Aplicações anti vibratórias específicas Fixação de condutas e mangas flexíveis 6

4 4. Aplicações anti vibratórias específicas Elevadores 7 4. Aplicações anti vibratórias específicas Traf. ferroviário 8

5 Apoios anti vibratórios para equipamentos Exemplo de cálculo (simplificado) Dados: Plataforma de apoio de grupo ventilador: -Motor com 400 kg de 10 r.p.m. -Ventilador com 0 kg de 3000 r.p.m. -Bastidor com 100 kg (Peso da Plataforma incluída nas cargas anteriores) Resultados: -10 apoios, distribuídos em função da carga, do tipo AMC 402 (de 130 kg e flexa=7mm) => - Carga efectiva por apoio = 1000/10=100 kg => flexa=5.4mm - Atenuação do motor = 92% (ou 22 db) -Atenuação do ventilador = 98% (ou 34 db) 9 Isolamento de ruídos de percussão em Correntes - Método de avaliação experimental (medição) db Lp-med k 1.25 k 1.6 k 2 k 2.5 k 3.15 k 75 Referência (L=L 0-5dB) T(t) (db) L=30dB e T=1.56s => Tr 30 =3.12s db L' = 55 db Ip= 60 db/oit Lp Tr V Tempo (s) V receptor =?? m 3 A 0 =10 m 2 35 L'n C.Conv Bandas de 1/3 de oitava L' n = L med 10Log A 0 Tr med 0.16V ou T L' = nt, Lmed 10Log T0 10

6 Isolamento de ruídos de percussão em Correntes Soluções Correntes Pavimento flutuante Pavimento flutuante em madeira (parquet flutuante, tacos de madeira com base de cortiça, etc.); Lajeta flutuante em betão (com revestimento de piso normal ); Outros pavimentos (cerâmicos com base flexível, sanduíches de materiais sobre elemento flexível). Revestimento de piso flexível Alcatifas; Vínilicos de base flexível; Revestimento em aglomerado de cortiça; Etc. 11 Lajeta flutuante em betão ou argamassa Lajeta flutuante Erros frequentes na execução Pavimento flutuante em madeira 12

7 Isolamento de ruídos de percussão em Correntes Métodos de previsão Modelo detalhado (norma EN :2000) Determinação das transmissões directas (de preferência com base em resultados laboratoriais) Do elemento de base (laje) Redução devido ao revestimento Determinação das transmissões marginais + directa Modelos simplificados Met. Simplificado previsto na EN :2000 Transmissão directa: Transmissão indirecta => Tabela T. directa T. marginal L ' = Log( m) L + K L ' = Log( m) L + K L' nt, 0,016V = Log( m) L + K 10Log T0 13 Met. Simplificado previsto na EN :2000 Correcção K, devido à transmissão marginal Ex. Prumada de quartos, com o quarto receptor (inferior) c/ V=35 m 3, separados por laje maciça em betão armado com 0.20m de espessura + parquet flutuante (membrana de 3mm +madeira) c/ 2 paredes em tijolo 11+11cm (de canto) e 2 paredes em tijolo de 11cm Massa média dos el. Marginais = ( )/2=235kg/m 2 0, L' = Log(0) = 58,5 59dB => L' nt, = 58,5 10Log( ) = 57,4 58dB 0,5 14

8 Método detalhado Modelo ACOUBAT (de acordo c/ EN :2000) _ 15 Transmissão indirecta (não existem modelos de cálculo simples e fiáveis) O tipo de estrutura e as ligações paredes / Lajes são condicionantes Transmissão lateral (Ex. Z. comum para quarto ou sala) Método empírico Com base em resultados experimentais Piso percutido térreo => Grande atenuação => L nt, normalmente < db Piso percutido não térreo: Lateral => L nt, L nt, (cima p/ baixo) 10 db Baixo p/ cima => L L (cima p/ baixo) 20 db Transmissão de baixo para cima (Ex. Comércio R/C para habitação no 1º andar) Ex. R/C comercial para quarto do 1º - com laje de 20cm + revestimento cerâmico L (cima p/ baixo) => 0,016*35 L' nt, = Log(0) Log = 76dB 0.5 L (baixo p/ cima) 76 (20) = 56 db L (lateral) 76 (10) = 66 db 16

9 LER LE Método simplificado proposto p/ previsão da transmissão de baixo para cima ( et al., 2006) LER 1 se - Para situações sem lajeta flutuante S 100 se E (com revestimento rigidamente ligado à laje de piso) L ', ( ) ( ') 5 LER n sem lajeta flutuante = Log m + Log + 10Log( S R ) S E L < 1 => L E ER ER S > 100 => S E = 1 = 100 L' - Para situações com lajeta flutuante (c/ redução L em laboratório) nt, ( com lajeta flutuante) = L' ( sem lajeta 10Log(0,016V / T ) L + K 0 inv flutuante) SR Kinv = 2 Kinv = 4 Kinv = 7 a a a se se se 63 L' 56 L' 51 L' ( sem lajeta ( sem lajeta ( sem lajeta flutuante) 57dB; flutuante) 52dB; flutuante) 48dB. Em geral L' n, (de baixo p/ cima) < L (de cima p/ baixo em laboratório) LER LER m' SE LE LE 17 Exemplo de aplicação: Loja em R/C para quarto do 1º andar: - Área da loja (S E ) = m 2 - Área do quarto (S R ) = 15 m 2 (pé direito = 2,7 m) - Comprimento de paredes com continuidade (L ER ) = 5+3 m - Massa da laje de piso (m ) = 0 kg/m2 SR 1º Sem qualquer tratamento do piso (com revestimento cerâmico directamente aplicado sobre a laje) LE L (sem lajeta flutuante) 76 10Log(0)+5Log(8/)+10Log(15) m' SE = 56,8 => 57 db ou LER L nt, = 56,8-10 Log(0,016*15*2,7/0,5) = 55,7 => 56 db 2º Com lajeta flutuante (de L=18 db) sob o revestimento cerâmico L (com lajeta flutuante) = 43 db ou L nt, (com lajeta flutuante) = 42 db L ' ( ) ( ') 5 ER n, sem lajeta flutuante = Log m + Log L + 10Log( S R ) S E L' nt, ( com lajeta flutuante) = L' K = 2 a 4 K = 4 a 6 inv inv K inv = 7 a 9 se 63 L' se 51 L' se 56 L' ( sem lajeta flutuante) 10Log(0,016V / T ) L + K 0 inv ( sem lajeta flutuante) 57dB; ( sem lajeta flutuante) 52dB; ( sem lajeta flutuante) 48dB. 18

10 Valores correntes da Redução da Transmissão por Percussão L (dado pelo fabricante) Designação Características L (db) Alcatifa Com cerca de 3mm de espessura Com cerca de 5mm de espessura Com cerca de 8mm de espessura 23 Revestimentos Com cerca de 8mm sobre base de espuma 30 de piso Vínilico de Base Cerca de 2mm de camada de desgaste sobre flexíveis 15 flexível membrana de polietileno reticulado com cerca de 1mm Cortiça Aglomerado de cortiça com cerca de 5mm de espessura 15 Madeira + cortiça Revestimento composto com MDF com folha de madeira de acabamento + Aglomerado de cortiça de 21 5mm Cerâmicos + Ladrilhos cerâmicos (7mm) + Aglomerado de cortiça Pavimentos 14 cortiça de 6mm flutuantes Mármore + Placas de Mármore (20mm) + Aglomerado de cortiça 14 cortiça de 6mm Parquet flutuante Parquet de madeira + Membrana de polietileno reticulado de 3mm 18 Lajeta de betão armado com cerca de 4cm sobre membrana de polietileno reticulado (de célula fechada) 19 Lajeta flutuante com 5mm de espessura Lajeta de betão armado com cerca de 4cm sobre membrana de polietileno reticulado (de célula fechada) 21 com 10mm de espessura 19 Cuidados na execução de uma lajeta flutuante Dessolidarizar totalmente a lajeta da laje de suporte Subir a membrana cerca de 15 a 20 cm nas paredes e pilares; Sobrepor membrana e vedar entre camadas; Escolher um produto resistente (no caso de se rasgar em obra => remendar antes da aplicação do betão; Em zonas de atravessamento de tubagens e/ou de aplicação de caixas de pavimento, envolver e vedar totalmente estes elementos, de forma a desligar os elementos da lajeta flutuante. O betão deve ser muito pouco fluído para minimizar a eventual formação de pontos rígidos 20

11 Aspectos construtivos / Algumas chamadas de atenção: Lajetas flutuantes em betão ou em argamassa (não condicionam o revestimento de piso, podem proporcionar excelentes resultados, mas os pequenos erros, muito frequentes, podem comprometer o resultado final) L'nT [db] Laje sem revestimento (L'nT,=56dB) Laje com lajeta flutuante ligada na soleira (L'nT,=dB) Resultado previsto em condições ideais (L'nT,=34dB) Pedra da soleira da porta 1/3 Oitava (Hz) L'nT [db] Laje com lajeta flutuante ligada no contorno a paredes (L'nT,=59dB) Após arranque do rodapé (L'nT,=45dB) /3 Oitava (Hz) Defeito frequente (ligação rígida através do cimento cola) Revestimento cerâmico Defeito frequente Lajeta flutuante Revestimento cerâmico ou em pedra 21 Defeitos habituais em lajetas flutuantes com revestimentos cerâmicos ou em pedra Origem habitual da ligação rígida na zona do rodapé (ou do arranque do revestimento da parede), quando este é em material cerâmico ou em pedra 1ª Fase de execução Defeito frequente Lajeta flutuante Revestimento cerâmico ou em pedra 2ª Fase de execução Normalmente a lajeta flutuante é bem executada, mas antes da aplicação do revestimento de piso é frequente o corte da membrana e a aplicação do cimento cola no piso e no rodapé Cimento cola entre o piso e o rodapé 3ª Fase de execução 22

12 Aspectos construtivos / Algumas chamadas de atenção: Pavimentos flutuantes em madeira (erros graves pouco frequentes, mas a espessura do material resiliente não deve ser inferior a 3mm) L'nT [db] Laje com membrana de 2mm (L'nT,=58dB) Laje com membrana de 3mm (L'nT,=54dB) /3 Oitava (Hz) Influência, em obra, da sujidade (areia) em materiais resilientes de pequena espessura. 23 Aspectos construtivos / Algumas chamadas de atenção: Revestimentos flexíveis (por vezes, e sobretudo por questões de preço, opta-se por vinílicos de base rígida, em vez de flexível) L'nT [db] Laje com revestimento cerâmico 40 (L'nT,=58dB) 35 Após aplicação de vinílico "corrente" 30 (L'nT,=57dB) Resultado previsto c/ vinílico de 25 base flexível (L'nT,=47dB) /3 Oitava (Hz) Aplicação de revestimentos vinílicos sobre cerâmicos (transmissão de baixo p/ cima). 24

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Diogo Mateus (dm@contraruido.com) Conteúdo da apresentação: Enquadramento e objectivos do trabalho Problemas típicos na execução de soluções construtivas

Leia mais

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS

TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS Universidade do Algarve Instituto Superior de Engenharia TECNOLOGIA DE EDIFÍCIOS ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS António Morgado André UAlg-EST-ADEC aandre@ualg.pt 1 Exercício 2.1 Considere uma sala de aula de 4,5x

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 09- Parte 8 - Desempenho Acústico de - Soluções Construtivas e Problemas típicos na Execução Reabilitação 09- Conteúdo da apresentação: Problemas típicos de soluções construtivas correntes

Leia mais

INFLUÊNCIA DE PEQUENOS ERROS DE EXECUÇÃO EM OBRA NO DESEMPENHO ACÚSTICO DE EDIFÍCIOS - EXEMPLOS TÍPICOS

INFLUÊNCIA DE PEQUENOS ERROS DE EXECUÇÃO EM OBRA NO DESEMPENHO ACÚSTICO DE EDIFÍCIOS - EXEMPLOS TÍPICOS INFLUÊNCIA DE PEQUENOS ERROS DE EXECUÇÃO EM OBRA NO DESEMPENHO ACÚSTICO DE EDIFÍCIOS - EXEMPLOS TÍPICOS PACS: 43..Rg Diogo M. R. Mateus; Andreia S. C. Pereira CICC, Departamento de Engenharia Civil, Faculdade

Leia mais

ISOLAMENTOS ACÚSTICOS

ISOLAMENTOS ACÚSTICOS ISOLAMENTOS ACÚSTICOS Ruídos de impacto (intra inquilinos): Aplicação em pisos Außer ia02 Außer ia0 Außer ia1 Außer ia Ruídos aéreos: Aplicação em divisórias verticais Außer ia1 Außer ia Außer ia60 Außer

Leia mais

A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos

A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos Fernando G. Branco CICC, Dep. Eng. Civil, Univ. Coimbra Portugal fjbranco@dec.uc.pt Luís Godinho CICC,

Leia mais

... escute o silêncio...

... escute o silêncio... ...TCHUU Nas suas diferentes funções os edifícios encerram um conjunto de exigência funcionais das quais o comportamento acústico é, ao nível do conforto, um dos aspectos centrais. Quer se trate de edifícios

Leia mais

REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS

REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS REQUISITOS ACÚSTICOS NOS EDIFÍCIOS MODELOS DE PREVISÃO Albano Neves e Sousa 22 de Maio de 2009 ÍNDICE QUALIDADE ACÚSTICA DE ESPAÇOS FECHADOS Tempo de reverberação: EN 12354-6:2003 ISOLAMENTO SONORO Ruído

Leia mais

FICHA TÉCNICA Isolamento acústico

FICHA TÉCNICA Isolamento acústico Página 1 de 7 O isolamento acústico é caracterizado por três tipos de isolamento distintos, sendo eles: - Correcção acústica - Isolamento de ruídos aéreos - Isolamento de ruídos de percussão CORRECÇÃO

Leia mais

REINVENTING SUSTAINABLE, GREEN AND ACOUSTIC INSULATION.

REINVENTING SUSTAINABLE, GREEN AND ACOUSTIC INSULATION. REINVENTING SUSTAINABLE, GREEN AND ACOUSTIC INSULATION. Reinventing how cork engages the world. A REINVENÇÃO DO CONFORTO E DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Maximizando o conforto e a eficiência energética com

Leia mais

Soluções Recomendadas

Soluções Recomendadas Cement Wood Board Soluções Recomendadas Fachadas Fichas de Aplicação Fachadas Ventiladas Sistema de s Fachadas Aplicação: Exterior Estrutura de suporte: Madeira ou metal Fixação: s de cabeça externa Espessura:

Leia mais

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS Bastidores das Torres Rolantes Disponíveis em 2 larguras (0,75 e 1,35 m) de 4 degraus (1 m) e 7 degraus (2 m) Os degraus possuem uma superfície estriada antideslizante e a distância entre degraus é de

Leia mais

Informação para Profissionais

Informação para Profissionais Informação para Profissionais O soalho em madeira maciça pode ser aplicado e finalizado de diversas formas. Apresentam-se de seguida aquelas que são mais comuns. 1. Fixação 1.1. Fixação sobre sarrafos

Leia mais

Listagem de Erros e Omissões

Listagem de Erros e Omissões Listagem de Erros e Omissões - No ponto 13 do caderno de encargos - Critérios de adjudicação, factor preço, uma fórmula matemática, em que uma das parcelas, nomeadamente a PREm - o menor preço proposto,

Leia mais

Primário de base epoxi e ligante para argamassas de reparação

Primário de base epoxi e ligante para argamassas de reparação Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 07.502 Versão nº 1 Sikagard 186 Primário de base epoxi e ligante para argamassas de reparação Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

CIMENTOS COLA ADHERE

CIMENTOS COLA ADHERE CIMENTOS COLA ADHERE Cimentos Cola Adhere. Introdução 03 A utilização de revestimentos cerâmicos como elemento decorativo nas paredes e pavimentos remonta à antiguidade, constituindo uma parte integrante

Leia mais

Click to edit Master subtitle style SISTEMA ISOLTERMIX SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO ACÚSTICO

Click to edit Master subtitle style SISTEMA ISOLTERMIX SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO ACÚSTICO SISTEMA ISOLTERMIX SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO ACÚSTICO SISTEMA ISOLTERMIX SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO ACÚSTICO Abílio Azevedo António Chaves 5 de Dezembro 2012 14:00H IPGV ESTGV Viseu Índice Evolução

Leia mais

A Acústica no Interior de Ambientes

A Acústica no Interior de Ambientes 54 Capítulo 7 A Acústica no Interior de Ambientes O projeto acústico de ambientes é um dos maiores desafios enfrentados por Arquitetos e Engenheiros Civis. Isto em razão da rara literatura em língua portuguesa

Leia mais

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011 CONSTRUÇÃO MODULAR SM Rev A 1-7-2011 1 A U.E.M. Unidade de Estruturas Metálicas, SA com 15 anos de actividade, inicialmente direccionada para a fabricação e comercialização dos módulos pré-fabricados que,

Leia mais

Construção de varandas e terraços. Variantes 1-6

Construção de varandas e terraços. Variantes 1-6 Construção de varandas e terraços Variantes 1-6 IMPERMEABILIZAÇÃO, DESACOPLAMENTO E COMPENSAÇÃO DA PRESSÃO DE VAPOR ESTRUTURA DA CONSTRUÇÃO 1 Construção de varandas com Schlüter -DITRA Conjunto impermeável

Leia mais

Acustimix. Características: Cor: Dimensões: Aplicações: BARREIRA & ABSORÇÃO ACÚSTICA

Acustimix. Características: Cor: Dimensões: Aplicações: BARREIRA & ABSORÇÃO ACÚSTICA Acustimix BARREIRA & ABSORÇÃO ACÚSTICA ACUSTIMIX é uma lâmina flexível bifásica, formada por dois materiais de densidades diferentes, que confere ao conjunto, além da característica de barreira acústica,

Leia mais

Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos

Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos 132 Eixo Temático ET-03-012 - Gestão de Resíduos Sólidos COMPÓSITO CIMENTÍCIO COM RESÍDUOS DE EVA COMO ALTERNATIVA PARA ATENUAÇÃO DE RUÍDOS DE IMPACTOS ENTRE LAJES DE PISO NAS EDIFICAÇÕES Fabianne Azevedo

Leia mais

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Observações de incêndios reais

Comportamento ao fogo de lajes mistas aço-betão Observações de incêndios reais Comportamento ao lajes mistas aço-betão Conteúdos da apresentação Ensaio a viga com queimadores Ensaio à estrutura com queimadores Ensaios de canto com paletes de madeira Ensaios de demonstração com equipamentos

Leia mais

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA CONDIÇÕES DE INÍCIO Vigas baldrames impermeabilizadas e niveladas,

Leia mais

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS CLT

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS CLT SOLUÇÕES EFICIENTES PARA A ARQUITECTURA E CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS CLT PORTO, JUNHO 2015 ÁREAS DE ACTUAÇÃO: SOLUÇÕES DE ENGENHARIA CERTIFICAÇÃO VERTENTES PRINCIPAIS: INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PARCERIA

Leia mais

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5.1. Introdução O conforto higrotérmico tem motivado o desenvolvimento de tecnologias passivas com

Leia mais

Equipamento para o fabrico de Betões celulares técnicos. BETÕES CELULARES DOSIFICADORES. garcía fernández. Catálogo

Equipamento para o fabrico de Betões celulares técnicos. BETÕES CELULARES DOSIFICADORES. garcía fernández. Catálogo Equipamento para o fabrico de Betões celulares técnicos. garcía fernández DOSIFICADORES R BETÕES CELULARES Catálogo Cada cliente recebe o melhor e sempre o deve exigir O Betão Celular fabricado no local

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE O BETÃO NORMAL E O BETÃO LEVE

1. INTRODUÇÃO 2. PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE O BETÃO NORMAL E O BETÃO LEVE O CONHECIMENTO E AS APLICAÇÕES LECA NA MELHORIA TÉRMICA E ACÚSTICA DOS HABITATS 1. INTRODUÇÃO O Conhecimento e a Experiência acumulados pela Saint-Gobain Weber Portugal SA (S-GWP), no desenvolvimento e

Leia mais

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA

INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA Encontro Nacional Betão Estrutural 2004 1 INSPECÇÃO E REABILITAÇÃO DO SEMINÁRIO CONCILIAR DE BRAGA P.B. LOURENÇO Prof. Associado EEUM Guimarães J. BARBOSA LOURENÇO Eng. Civil GPBL, Lda Porto D.V. OLIVEIRA

Leia mais

Construção de varandas e terraços Variantes 1-8

Construção de varandas e terraços Variantes 1-8 Construção de varandas e terraços Variantes 1-8 CONSTRUÇÃO DE VARANDAS E DE TERRAÇOS ESTRUTURA DE CONSTRUÇÃO 1 Construção de pavimentos com Schlüter -DITRA Conjunto impermeável Desacoplamento conjunto

Leia mais

CHAPAS NATUROCIMENTO P177. Desde 1999 a Cimianto integrou na sua gama standard o NaturoCimento. A sua composição não inclui amianto.

CHAPAS NATUROCIMENTO P177. Desde 1999 a Cimianto integrou na sua gama standard o NaturoCimento. A sua composição não inclui amianto. Chapas NaturoCimento P177 Desde 1999 a Cimianto integrou na sua gama standard o NaturoCimento. A sua composição não inclui amianto. As características técnicas do produto bem como as suas performances

Leia mais

REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL

REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL Reinventing how cork engages the world. A REINVENÇÃO DO CONFORTO E DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Maximizando o conforto e a eficiência energética com ACOUSTICORK.

Leia mais

M7 Estantes para picking

M7 Estantes para picking M7 Estantes para picking 2 PICKING M7 PARA CARGA MÉDIA E GRANDE Sistema de armazenagem de produtos para picking manual que segue o princípio homem a produto. Principais vantagens: - Possibilidade de armazenar

Leia mais

CONDICIONAMENTO ACÚSTICO

CONDICIONAMENTO ACÚSTICO GUIA PARA A REABILITAÇÃO CONDICIONAMENTO ACÚSTICO compartimentação interior, fachadas, coberturas e instalações técnicas PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Diogo Mateus

Leia mais

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis CONCEITO O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis estruturais capazes de resistir às cargas verticais (telhados e pavimentos), perpendiculares

Leia mais

F. REQUISITOS DE EFICIÊNCIAENERGÉTICA E QUALIDADE TÉRMICA

F. REQUISITOS DE EFICIÊNCIAENERGÉTICA E QUALIDADE TÉRMICA F. REQUISITOS DE EFICIÊNCIAENERGÉTICA E QUALIDADE TÉRMICA QUE REQUISITOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E QUALIDADE TÉRMICA ESTOU DISPENSADO(A) DE CUMPRIR? O RERU dispensa as operações urbanísticas nele previstas

Leia mais

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS LISBOA, JULHO 2015 SISTEMA CONSTRUTIVO CLT - CONCEITO CARACTERÍSTICAS GERAIS ESTRATOS ORTOGONAIS

Leia mais

ELEVAÇÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS

ELEVAÇÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ELEVAÇÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS Águas Negras Gama Ecolift - Montagem enterrada Figura Memória Descritiva KESSEL Ecolift 1 Com secção superior com tampa rebaixada e ralo sifonado (X) 2 - Com secção

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Versão 3 (Nov/2011) Manual de Utilização Índice 1. Introdução... 2 2. Instalação do programa... 2 Instalar programa e criar atalho... 2 Instalar a chave HASP (de protecção ao programa)... 3 Registar componentes

Leia mais

A partir de 300. Aqueça um chão frio. Warmup PLC Av. das Comunidades Europeias, Lote V - R/C - A, 2750-658 Cascais, Portugal

A partir de 300. Aqueça um chão frio. Warmup PLC Av. das Comunidades Europeias, Lote V - R/C - A, 2750-658 Cascais, Portugal Aqueça um chão frio CONTACTO DO VENDEDOR A partir de 300 a t f e w Warmup PLC Av. das Comunidades Europeias, Lote V - R/C - A, 2750-658 Cascais, Portugal 800 812 080 800 812 063 portugal@warmup.com warmup.com

Leia mais

FABRICAÇÃO. Certificação: ISO 9001 Impacto das esferas de acordo com DIN 18032 Isolamento acústico de acordo com DIN 52210

FABRICAÇÃO. Certificação: ISO 9001 Impacto das esferas de acordo com DIN 18032 Isolamento acústico de acordo com DIN 52210 FABRICAÇÃO A construção dos painéis realiza-se de acordo com o sistema sanduíche, com uma espessura total de 100 milímetros, formada por duas placas de partículas de 19 milímetros de espessura, unidas

Leia mais

NOX SISTEMAS CONSTRUTIVOS

NOX SISTEMAS CONSTRUTIVOS LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105 900 TELEFONE: (55) 3220 8608 (Fax) Direção 3220 8313 Secretaria E-MAIL: lmcc@ct.ufsm.br

Leia mais

Manual técnico de instalação de sistemas em gesso laminado Do laboratório à obra. Liliana Sousa Patrícia Ferreira www.itecons.uc.

Manual técnico de instalação de sistemas em gesso laminado Do laboratório à obra. Liliana Sousa Patrícia Ferreira www.itecons.uc. Manual técnico de instalação de sistemas em gesso laminado Do laboratório à obra Liliana Sousa Patrícia Ferreira www.itecons.uc.pt ITECONS Vocação para a prestação de serviços na área das ciências da construção

Leia mais

CHAPAS E ACESSÓRIOS P177

CHAPAS E ACESSÓRIOS P177 Chapas onduladas P177 As chapas de fibrocimento fazem parte da paisagem tradicional do nosso país há mais de 60 anos. De norte a sul é comum encontrá-las nos locais mais recônditos e nas mais variadas

Leia mais

PLACA GYPCORK. Reabilitação Sustentável

PLACA GYPCORK. Reabilitação Sustentável PLACA GYPCORK Reabilitação Sustentável PLACA GYPCORK A nova placa GYPCORK reúne dois produtos portugueses de excelência: as placas de gesso Gyptec produzidas na Figueira da Foz, utilizando matérias primas

Leia mais

ETICS e argamassas térmicas: novos desafios de desempenho e sustentabilidade. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Sofia Malanho smalanho@lnec.

ETICS e argamassas térmicas: novos desafios de desempenho e sustentabilidade. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Sofia Malanho smalanho@lnec. e argamassas térmicas: novos desafios de desempenho e sustentabilidade Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Sofia Malanho smalanho@lnec.pt Isolamento térmico pelo exterior Vantagens O isolamento térmico

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE ENGENHARIA NOVA GEOMETRIA DE BLOCOS DE ALIGEIRAMENTO EM LAJES FUNGIFORMES A. Serra Neves NOTA TÉCNICA NOVA GEOMETRIA DE BLOCOS DE ALIGEIRAMENTO EM LAJES FUNGIFORMES Por:

Leia mais

veneza Armário de automação IP 55

veneza Armário de automação IP 55 Armário de automação IP 55 Armário de automação IP 55 veneza A solução flexível para compor A oferta da Hager acaba de ser ampliada com a nova série veneza, a solução ideal para realizar armários de automação,

Leia mais

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO Manuel Baião ANIPB Seminário sobre Marcação CE das vigotas Coimbra, CTCV, 9 de Dezembro de 2010 ENSAIOS DE TIPO INICIAIS

Leia mais

U45 - Suspensa indirecta

U45 - Suspensa indirecta RAL 01 10 00 Características técnicas Luminária linear suspensa de luz indirecta. Perfil de alumínio, com difusor em perfil de policarbonato frost com duplo sistema de encaixe, à face ou recuado. Equipada

Leia mais

Descrição Geral...2. Aplicação em Obra...2. Pontos Singulares... 3. Manutenção... 4. Ambiente... 4. Segurança... 4. Sistemas de Impermeabilização...

Descrição Geral...2. Aplicação em Obra...2. Pontos Singulares... 3. Manutenção... 4. Ambiente... 4. Segurança... 4. Sistemas de Impermeabilização... ÍNDICE Descrição Geral...2 Aplicação em Obra...2 Pontos Singulares... 3 Manutenção... 4 Ambiente... 4 Segurança... 4 Sistemas de Impermeabilização... 5 Coberturas Acessíveis... 5 Coberturas de Acessibilidade

Leia mais

CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA

CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA 1. ÂMBITO DA NOTA TÉCNICA A presente nota técnica diz respeito aos princípios gerais orientadores

Leia mais

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível,

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível, TIJOLOS ECOLÓGICOS Casa construída com tijolos ecológicos Fonte: paoeecologia.wordpress.com TIJOLOS ECOLÓGICOS CARACTERÍSTICAS São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que

Leia mais

! ESTÚDIO!DE!ARQUITETURA:!SUSTENTABILIDADE!AMBIENTAL!! FERNANDA MOURA !!!!!!!!!!!!!!! PESQUISA' DRYWALL' PORTAS' !!!!!!!!!!!! !!! ! 1!

! ESTÚDIO!DE!ARQUITETURA:!SUSTENTABILIDADE!AMBIENTAL!! FERNANDA MOURA !!!!!!!!!!!!!!! PESQUISA' DRYWALL' PORTAS' !!!!!!!!!!!! !!! ! 1! ! ESTÚDIO!DE!ARQUITETURA:!SUSTENTABILIDADE!AMBIENTAL!! FERNANDA MOURA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! PESQUISA'!!! DRYWALL' E'' PORTAS'! 1! !!! SUMÁRIO!!! PAREDES!DRYWALL! 1. 'FABRICANTE:'KNAUF 1. 1 PAREDE

Leia mais

O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO

O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO Reforço Estrutural de Edifícios Antigos Rita BENTO e Mário LOPES IST, Lisboa, Março 2007 1. DESCRIÇÃO 2. MODELAÇÃO DE UM EDIFÍCIO

Leia mais

NOVO. ENKETOP O sistema de pavimentação monocomponente para varandas e terraços. O sistema de pavimentação monocomponete. para varandas e terraços

NOVO. ENKETOP O sistema de pavimentação monocomponente para varandas e terraços. O sistema de pavimentação monocomponete. para varandas e terraços P Reabilitação com garantia duradoira... porque a qualidade vale a pena! NOVO O sistema de pavimentação monocomponete para varandas e terraços ENKETOP O sistema de pavimentação monocomponente para varandas

Leia mais

Projecto para um conjunto de habitações unifamiliares São Luís, Maranhão, Brasil. Projecto

Projecto para um conjunto de habitações unifamiliares São Luís, Maranhão, Brasil. Projecto O sistema construtivo é simples, tendo sido dada preferência a materiais correntes, ou seja, de utilização mais frequente no local, com soluções técnicas enquadradas na mão-de-obra local e adequadas ao

Leia mais

2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014. Passive House com Cross Laminated Timber - CLT

2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014. Passive House com Cross Laminated Timber - CLT 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 Passive House com Cross Laminated Timber - CLT AVEIRO, NOVEMBRO 2014 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO DA TISEM, LDA 2. SISTEMA CONSTRUTIVO CLT (CROSS LAMINATED TIMBER) 3.

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO Sistema Construtivo Fabricado de acordo com a ISO 9002 Conforto as normas ASTM( EUA) e ABNT (Brasil). Comprovada em testes de desempenho realizados pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo

Leia mais

Localizador de cabos avançado AT-7000-EUR

Localizador de cabos avançado AT-7000-EUR Localizador de cabos avançado AT-7000-EUR Localização de cabos reinventada Obtenha resultados precisos em minutos com novas funcionalidades e tecnologias que simplificam a localização de cabos e a identificação

Leia mais

THE SAVANNAHS. Contrato-Promessa Anexo II Especificações + Planta da Fracção

THE SAVANNAHS. Contrato-Promessa Anexo II Especificações + Planta da Fracção (LOTES 7 e 9) 1 ESTRUTURA 1.1 A estrutura é constituída por pilares e vigas de betão armado assentes em fundações do mesmo material. 1.2 A lage do rés-do-chão é é constituída por uma placa prefabricada

Leia mais

epotech aqua Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características

epotech aqua Ficha técnica Aplicações recomendadas Materiais Suportes Características Ficha técnica epotech aqua epotech aqua é uma nova linha de massas de base epoxídica para a selagem de juntas em ladrilhos cerâmicos. Massa bicomponente isenta de solventes orgânicos, caracteriza-se pela

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 009- Parte 1 - Conceitos Básicos 1 Reabilitação 009- Acústica de edifícios / Áreas de Estudo 1 - Condicionamento acústico interior - Isolamento sonoro Sons aéreos Sons de percussão De fachada

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE EXECUÇÃO: 1. Condições para o início dos serviços A alvenaria deve estar concluída e verificada. As superfícies

Leia mais

Fachadas Fichas de Aplicação

Fachadas Fichas de Aplicação Fichas de Aplicação Ventiladas - Sistema de s Ventiladas - Viroclin Ventiladas - Virocnail Ventiladas - Sistema Misto Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads.

Leia mais

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS ESPECIFICAÇÃO PARA CADERNO DE ENCARGOS. Sistemas de enchimento leve Leca

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS ESPECIFICAÇÃO PARA CADERNO DE ENCARGOS. Sistemas de enchimento leve Leca CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS ESPECIFICAÇÃO PARA CADERNO DE ENCARGOS Sistemas de enchimento leve Leca 1. Sistemas de enchimento leve Leca...2 1.1. Coberturas...2 1.1.1. Coberturas acessíveis...2 1.1.2.

Leia mais

ROTEX Monopex : Sistema de aquecimento pelo pavimento para um aquecimento agradável e um arrefecimento suave. O aquecimento!

ROTEX Monopex : Sistema de aquecimento pelo pavimento para um aquecimento agradável e um arrefecimento suave. O aquecimento! ROTEX Monopex : O aquecimento pelo chão de baixa temperatura. ROTEX Monopex : Sistema de aquecimento pelo pavimento para um aquecimento agradável e um arrefecimento suave. O aquecimento! Conforto todo

Leia mais

Placa Cimentícia. Impermeabilizada GUIA DO MONTADOR

Placa Cimentícia. Impermeabilizada GUIA DO MONTADOR Placa Cimentícia Impermeabilizada GUIA DO MONTADOR Placa Cimentícia Impermeabilizada RECOMENDAÇÃO INICIAL civil para o dimensionamento de qualquer tipo de reforma ou construção, principalmente aquelas

Leia mais

VIGAS HT 20 E HT 12. + / - 2,0 mm - 1,5 % - 1,5 % + / - 0,5 mm. Características da capacidade de carga. Q adm. = 7 kn M adm.

VIGAS HT 20 E HT 12. + / - 2,0 mm - 1,5 % - 1,5 % + / - 0,5 mm. Características da capacidade de carga. Q adm. = 7 kn M adm. VIGAS HT 20 E HT 12 TABELA DE MEDIÇÃO Dimensões HT 12plus Tolerâncias Altura da viga Altura da mesa Largura da mesa Espessura da alma 120 mm 35 mm 65 mm 26,6 mm + / - 2,0 mm - 1,5 % - 1,5 % + / - 0,5 mm

Leia mais

Existe uma maneira melhor de você reduzir os ruídos.

Existe uma maneira melhor de você reduzir os ruídos. Existe uma maneira melhor de você reduzir os ruídos. um produto que une efi ciência técnica com preocupação ambiental EcoSilenzio é um produto que traz ao mercado um novo conceito para a absorção das vibrações

Leia mais

Catálogo de apresentação Divisórias Deslizantes

Catálogo de apresentação Divisórias Deslizantes Catálogo de apresentação Divisórias Deslizantes Adaptar o espaço à necessidades Acabamentos Variados Fácil Manuseamento Inovação Calha de Deslizamento Superior Mono - direccional e Multi - direccional

Leia mais

entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR

entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR José Maria Almeida Pedro.almeida@ineti.pt Jorge Cruz Costa Cruz.costa@ineti.pt Esquema unifilar utilização 8 INÍCIO Slides 4 a 12 9 7 1 CD 4 5 6 7 7

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora.

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. TRANSMISSÃO Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. PAREDES HOMOGÊNEAS obedecem à LEI DA MASSA : o isolamento sonoro aumenta de db a cada vez que

Leia mais

Coeficientes de transmissão térmica de elementos opacos da envolvente dos edifícios

Coeficientes de transmissão térmica de elementos opacos da envolvente dos edifícios Coeficientes de transmissão térmica de elementos opacos da envolvente dos edifícios Valores por defeito para aplicação do previsto no Despacho n.º 15793-E/2013 relativo às regras de simplificação a utilizar

Leia mais

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO. Abr. 2007, rev. 16 1 EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO

ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO. Abr. 2007, rev. 16 1 EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO ACEPE ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO POLIESTIRENO EXPANDIDO Abr. 2007, rev. 16 1 EPS POLIESTIRENO EXPANDIDO EPS - SOLUÇÕES INOVADORAS DE ISOLAMENTO TÉRMICO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DIA DO DEC -

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE PEQUENOS DEFEITOS DE CONSTRUÇÃO NO DESEMPENHO ACÚSTICO DE PAVIMENTOS FLUTUANTES

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE PEQUENOS DEFEITOS DE CONSTRUÇÃO NO DESEMPENHO ACÚSTICO DE PAVIMENTOS FLUTUANTES Acústica 8 20-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra ESTUDO DA INFLUÊNCIA DE PEQUENOS DEFEITOS DE CONSTRUÇÃO NO DESEMPENHO ACÚSTICO DE PAVIMENTOS FLUTUANTES Diogo Mateus 1, Andreia Pereira

Leia mais

PARA INSCRIÇÃO >> IMPRESSOS E INFORMAÇÕES ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS COMERCIANTES DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

PARA INSCRIÇÃO >> IMPRESSOS E INFORMAÇÕES ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS COMERCIANTES DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO PR. FRANCISCO SÁ CARNEIRO, 219-3º - Tel.: 225 074 210 - Fax: 225 074 218-4200-313 PORTO E-mail : geral@apcmc.pt - Site: www.apcmc.pt NIPC 500 969 221 >> IMPRESSOS E INFORMAÇÕES PARA INSCRIÇÃO >> BOLETIM

Leia mais

Reflectherm, Lda. Parque Industrial do Tortosendo Rua H Lote 73 C 6200-823 Tortosendo PORTUGAL

Reflectherm, Lda. Parque Industrial do Tortosendo Rua H Lote 73 C 6200-823 Tortosendo PORTUGAL Reflectherm, Lda. Parque Industrial do Tortosendo Rua H Lote 73 C 6200-823 Tortosendo PORTUGAL Tel. / Fax: (+351) 275 950 286 Tlm: (+351) 918 556 077 E-mail: geral@reflectherm.com Resistência térmica (m².

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt topeca glass block argamassa para

Leia mais

14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS

14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS 14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS Aplicam-se a todos os materiais as disposições constantes do capítulo 14.00 deste caderno de encargos, nomeadamente 14.00.1, 14.00.2, 14.00.3 e 14.00.4 e

Leia mais

Decreto - Lei nº 118/2013 de 20 de Agosto

Decreto - Lei nº 118/2013 de 20 de Agosto Sistema de Certificação Energética Decreto - Lei nº 118/2013 de 20 de Agosto Actualização 2013 O Decreto Lei nº 118/2013 de 20 de Agosto tem como objectivo assegurar e promover a melhoria do desempenho

Leia mais

Mantas de Isolamento termoacústico

Mantas de Isolamento termoacústico Espessura Manta 5 mm (400gr/m²) Manta 10 mm (500gr/m²) Manta Duto Manta 20 mm (700gr/m²) Capacidade de isolamento térmica elevada. Maior rendimento do ar condicionado. Cinta Duto metálico MANTA DUTO 03

Leia mais

MÓDULO 4 4.10 - DIMENSIONAMENTODE ISOLAMENTO TÉRMICO

MÓDULO 4 4.10 - DIMENSIONAMENTODE ISOLAMENTO TÉRMICO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS - ABPE 203 MÓDULO 4 4.0 - DIMENSIONAMENTODE ISOLAMENTO TÉRMICO Isolamento Térmico (Transmissão de Calor) A transmissão de calor em tubulações plásticas adquire particular interesse

Leia mais

02/06/2014. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais

02/06/2014. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais. Elementos Estruturais 02/06/2014 Pré--Dimensionamento Pré Estacas: elementos utilizados quando o solo tem boa capacidade de suporte apenas a grandes profundidades e precisa suportar cargas pequenas a médias; Prof. Dr. Rafael

Leia mais

1 - PAREDES EXTERIORES

1 - PAREDES EXTERIORES 1 - PAREDES EXTERIORES 1.3. PAREDES ELEVADAS 1.3.2. PEE8 - PAREDE ELEVADA DE ENVOLVENTE EXTERIOR EM ALVENARIA SIMPLES DE BLOCO TÉRMICO LECA COM ETICS E REVESTIMENTO CERÂMICO I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Ficha Técnica. Construção/Promoção Edisar, Construções Lda. Projecto Classe A+, Projectos e Certificação Energética de Edifícios.

Ficha Técnica. Construção/Promoção Edisar, Construções Lda. Projecto Classe A+, Projectos e Certificação Energética de Edifícios. Ficha Técnica Construção/Promoção Edisar, Construções Lda. Projecto Classe A+, Projectos e Certificação Energética de Edifícios Design Bruno Rito Junho 2009 imagens 3D exterior interiores Cozinha da

Leia mais

SANEAMENTO Aula 5 - Sumário AULA 5. Constituição dos sistemas de abastecimento e de distribuição de água. Saneamento [55]

SANEAMENTO Aula 5 - Sumário AULA 5. Constituição dos sistemas de abastecimento e de distribuição de água. Saneamento [55] SANEAMENTO Aula 5 - Sumário AULA 5 Constituição dos sistemas de abastecimento e de distribuição de água. Saneamento [55] SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Adução / Dimensionamento Hidráulico

Leia mais

Construção do 2º andar sobre a recepção da AEAARP

Construção do 2º andar sobre a recepção da AEAARP Construção do 2º andar sobre a recepção da AEAARP 2ª Semana de Tecnologia da Construção Abril 2011 1 1-) Premissas Construtivas: 1-1) Manutenção do andar existente 1-2) Executar estruturas de apoio independentes

Leia mais

Damper Corta Fogo. Séries FKA-TA-BR-90, FKA-TI-BR-60/120, TNR-F-BR-90/120 e FKR-D-BR-45/60 C4-004 TROX DO BRASIL LTDA.

Damper Corta Fogo. Séries FKA-TA-BR-90, FKA-TI-BR-60/120, TNR-F-BR-90/120 e FKR-D-BR-45/60 C4-004 TROX DO BRASIL LTDA. C4-004 Damper Corta Fogo Séries FKA-TA-BR-90, FKA-TI-BR-60/120, TNR-F-BR-90/120 e FKR-D-BR-45/60 TROX DO BRASIL LTDA. Rua Alvarenga, 2025 05509-005 São Paulo SP Fone: (11) 3037-3900 Fax: (11) 3037-3910

Leia mais

ao ouvido de um reclamante, em I,a 1, 65m do piso, é dado pela fórmula dba=20log( );

ao ouvido de um reclamante, em I,a 1, 65m do piso, é dado pela fórmula dba=20log( ); CALCULO DE ATENUAÇÃO SONORA, RESULTANTE DA CONSTRUÇÃO DE BARREIRAS ACÚSTICAS, PARA O CHILLER E PARA AS TORRES DO SISTEMA DE CONDICIONAMENTO DE AR, DA CÂMARA MUNICIPAL, DE BELO HORIZONTE, MG. I.INTRODUÇÃO:

Leia mais

ANEXO 1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA

ANEXO 1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA ANEXO CÓDIGO NT-4 S S/S2 PRÉDIO DA NOVA SEDE DA SEÇÃO JUDICIÁRIA - VITÓRIA MATERIAL PVC mm de espessura pendente no forro com S e S2 em cada face da placa, fundo verde, DIMENSÕES MÍNIMAS (mm) TEXTO LOCAL

Leia mais

Pré-Certificado Energético Edifício de Habitação SCE84144829 PROVISÓRIO

Pré-Certificado Energético Edifício de Habitação SCE84144829 PROVISÓRIO Válido até IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DOS ESCUTEIROS,, Localidade RIBAMAR Freguesia RIBAMAR Concelho LOURINHÃ GPS 39.197874, -9.330633 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória do Registo Predial

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO PAVIMENTO NO RUÍDO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO.

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO PAVIMENTO NO RUÍDO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO. AVALIAÇÃO DO EFEITO DO PAVIMENTO NO RUÍDO DE TRÁFEGO RODOVIÁRIO. CARLOS GUERRA AUTO-ESTRADAS DO ATLANTICO, S.A.. FERNANDO PALMA RUIVO DIRECTOR TÉCNICO, CERTIPROJECTO, Lda. DIVISÃO DE ACÚSTICA APLICADA

Leia mais

REGULAMENTO 1/2005. Maria Jorge Correia Divisão de Bem Estar Animal

REGULAMENTO 1/2005. Maria Jorge Correia Divisão de Bem Estar Animal BEM ESTAR DOS ANIMAIS EM TRANSPORTE REGULAMENTO 1/2005 Maria Jorge Correia Divisão de Bem Estar Animal DGV REGULAMENTO 1/2005 DECRETO-LEI Nº 265/07 REGRAS DO TRANSPORTE DE ANIMAIS VERTEBRADOS TRANSPORTES

Leia mais

soluções inteligentes isolamento

soluções inteligentes isolamento soluções inteligentes Isolamento com película Óptima resistência à deformação Não contém freon o gás freon é altamente nocivo para o meio ambiente visto que destrói a camada de ozono. Temperatura de utilização

Leia mais

Chapa colada na alvenaria. Corte Vertical. Alvenaria-Pilar. Corte Horizontal - Revestimento do Pilar. Revestimento Knauf W611 Detalhes Técnicos 00-01

Chapa colada na alvenaria. Corte Vertical. Alvenaria-Pilar. Corte Horizontal - Revestimento do Pilar. Revestimento Knauf W611 Detalhes Técnicos 00-01 Revestimento Knauf W611 Detalhes Técnicos Corte Vertical Chapa colada na alvenaria Fita para juntas Alvenaria existente Massa Perlfix Chapa Knauf Massa Perlfix Chapa Knauf Chapa Knauf Massa Perlfix Corte

Leia mais

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos

Instruções de Instalação Pisos Vinílicos Instruções de Instalação Pisos Vinílicos LinhadePisosLaminadosemPVC 2,3mmeClick Recomendações e Responsabilidades Os serviços de colocação devem ser repassados a profissionais instaladores de pisos com

Leia mais

Novo painel FERMACELL greenline

Novo painel FERMACELL greenline Novo painel FERMACELL greenline Neutraliza de forma duradoura as substâncias nocivas presentes no ar ambiente Ao desenvolver novos produtos, com o objectivo de reduzir os efeitos nocivos que resultam de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSTRUÇÃO CIVIL II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSTRUÇÃO CIVIL II REVEST. EM Ministério ARGAMASSA da Educação e GESSO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Construção Civil II ( TC-025) EXECUÇÃO EM ARGAMASSAS E GESSO Chapisco; Emboço; Reboco; Pintura. Etapas

Leia mais