Relatório de Auditoria Energética

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Auditoria Energética"

Transcrição

1 Relatório de Auditoria Energética Relatório de Certificação Energética Local: 0 Today()

2 Índice 1. Objectivos da Certificação Energética 2. escrição do Imóvel 3. Resultados da Auditoria Energética 4. Análise de Eficiência Energética 5. Propostas de Medidas de Melhoria 6. Recomendações Comportamentais

3 1. Objectivos da Certificação Energética Reduzir o consumo de energia do seu imóvel. Redução da energia despendida para aquecimento e arrefecimento do ar e redução de energia na preparação de águas quentes sanitárias. Reduzir as emissões de gases de efeito de estufa, associado ao consumo de energia utilizada para aquecimento, arrefecimento e preparação de águas quentes sanitárias. Aumentar o Conforto Térmico do seu Imóvel. Implementação de medidas de melhoria 2. escrição do Imóvel Edifício de Habitação colectivo, situado em Interior de uma zona urbana, no Continente, zona climática I 1 - V 3-N, em Aljustrel, a uma altitude de 20 metros, com distância à costa Superior a 5 km, composto por 2 pisos. O objecto em estudo situa-se no Piso 1, corresponde à fracção e é constituído por 3 divisões. A inércia térmica da construção é Média e tem fachadas exteriores orientadas a: Sul,. A construção em estudo, tem elementos proxímos no espaço vizinho envolvente, do tipo edifícios, com altura de obstrução (metros) 20 a uma distância aproximada de (metros) 25, na orientação Norte;, do tipo edifícios, com altura de obstrução (metros) 15 a uma distância aproximada de (metros) 1, na orientação Este;, do tipo árvores, com altura de obstrução (metros) 16 a uma distância aproximada de (metros) 2, na orientação Sudeste;. O imóvel não tem instalado sistema de climatização para aquecimento e não tem instalado sistema de climatização para arrefecimento. A ventilação é Natural e não tem instalado aparelho para preparação de AQS,, em zona abrangida por Gás natural.

4 3. Resultados da Auditoria Energética Quantidade de energia necessária, expressa em KWh. Valores de cálculo do seu imóvel Valores limites de referência para um imóvel novo Necessidade de energia para aquecimento é a quantidade de energia necessária para manter o ambiente interior do seu imóvel a uma temperatura de conforto térmico de 20 ºCelcius durante o Inverno KWh KWh Necessidade de energia para arrefecimento é a quantidade de energia anual necessária para manter o ambiente interior do seu imóvel a uma temperatura de conforto térmico de 25º Celcius durante o Verão. 572 KWh 650 KWh Necessidade de energia para preparação de Águas Quentes Sanitárias é a quantidade de energia necessária para aquecer a quantidade de água quente estimada do seu imóvel, KWh KWh considerando um consumo de 40 litros por ocupante, 365 dias por ano. Quantidade de emissões de gases de efeito estufa, expresso em Kg. Valores de cálculo do seu imóvel Valores limites de referência para um imóvel novo Emissões de gases de efeito de estufa associado ao consumo de energia do sue imóvel Numero de árvores necessárias para compensar a emissão de gases de efeito de estufa. 2 1

5 4. Análise de Eficiência Energética Custo anual estimado de energia despendida, expresso em Euros O cálculo realizado estima que são necessários Euros para aquecer o seu imóvel e mante-lo nas condições de conforto térmico durante todo o ano. Custo anual de energia do seu imóvel Custo anual de energia de referência para um imóvel novo Este valor corresponde a 296 % do valor limite de referência para um imóvel novo. O cálculo realizado estima que são necessários 69 Euros para arrefecer o seu imóvel e mante-lo nas condições de conforto térmico durante todo o ano Este valor corresponde a 88 % do valor limite de referência para um imóvel novo. O cálculo realizado estima que são necessários 774 Euros para preparacação de águas quentes santárias do seu imóvel durante todo o ano Este valor corresponde a 162 % do valor limite de referência para um imóvel novo. O cálculo realizado permite estimar uma para o seu imóvel. Esta significa que o seu imóvel consome 168 % do consumo de referência para um imóvel novo.o cálculo das necessidades anuais globais de energia primária considera 10% das necessidades de energia para aquecimento e arrefecimento e a totalidade das necessidades de energia para preparação de águas quentes sanitárias, o que permite estimar que o seu imóvel terá um custo de energia anual total de 944 Euros. O cálculo realizado permite estimar que serão emitidos anualmente Kg de gases de efeito de estufa associados ao consumo de energia do seu imóvel. Esta valor corresponde a 183 % do valor limite para um imóvel novo. Numero de árvores necessárias para compensar a emissão de gases de efeito de estufa é igual a 2.

6 4.1 Análise de Eficiência Energética - istribuição de perdas de energia do imóvel istribuição de perdas de energia na estação de Aquecimento (Inverno) Perdas associadas à Envolvente em 17% 11% 12% 60% contacto com o Exterior Perdas associadas à Envolvente em contacto com Zonas não aquecidas Perdas associadas aos vão envidraçados Perdas associadas à Renovação de ar Perdas associadas Perdas associadas Perdas associadas Perdas associadas Perdas associadas Perdas associadas Perdas associadas Perdas associadas Perdas associadas à Envolvente em contacto com o Exterior Perdas associadas às Paredes Exteriores Perdas associadas à Envolvente em contacto com Zonas não aquecidas Perdas associadas às Paredes em contacto com zonas não aquecidas istribuição de ga Ganhos solares pe Ganhos solares pe Ganhos internos Perdas associadas aos Pavimentos Exteriores Perdas associadas às Coberturas Exteriores Perdas associadas às Paredes e Pavimentos em Contacto com o solo Perdas associadas às Pontes Térmicas Lineares 16% 10% 40% 28% 6% 3% 13% 17% 9% 58% Perdas associadas aos Pavimentos sobre zonas não aquecidas Perdas associadas às Cobertura sob zonas não aquecidas Perdas associadas aos vão envidraçados em Contacto com zonas não aquecidas Perdas associadas às Pontes Térmicas Lineares em constacto com zonas não aquecidas istribuição de ganhos de energia na estação de Arrefecimento (Verão) 20% 51% 29% Ganhos solares pelos vãos envidraçados exteriores Ganhos solares pela envolvente opaca exterior Ganhos internos

7 5. Medidas de Melhoria estudadas medida proposta Medida associada a Equipamento de Preparação de Águas Quentes Sanitárias esignação susinta: Substituição do equipamento actual e/ou instalação de esquentador de elevado rendimento para preparação de águas quentes sanitárias. escrição da Medida de Melhoria estudada Instalação de um esquentador estanque com tecnologia de condensação, para produção de AQS,alimentada a Gás propano, com 23,6 kw de potência nominal e eficiência de 1,0 (100 %) a 30% de carga nominal. eve dispor de ignição electrónica e modulação automática de chama. O controlo do equipamento deve ser efectuado através de um display digital LC para selecção de temperatura, funcionamento solar e diagnóstico de anomalia. O controlo remoto e receptor deverão estar incluídos (requer instalação). everá ser garantida a manutenção períodica ao equipamento de acordo com a legislação em vigor. O custo de investimento estimado para esta medida de melhoria será de 900, para uma redução anual da factura energética de 430 e período de retorno simples do investimento de 2 anos. Redução Total Anual de emissão de Gases de efeito de estufa associados a Energia primária para climatização e águas quentes é de 0,3 Toneladas de CO2. A implementação isolada desta medida de melhoria permite estimar uma C para o seu imóvel. Esta significa que o seu imóvel consumiria 117 % do consumo de referência para um imóvel novo em vez dos actuais 168 %. Substituição do equipamento actual e/ou instalação de esquentador de elevado rendimento para preparação de águas quentes sanitárias. Medida de melhoria destinada ao aumento da eficiência do sistemas energético de preparação de água quentes sanitárias. O custo de investimento inclui valor do equipamento de preparação de águas quentes bem como o valor da mão-deobra para a sua instalação. A forma de energia considerada: Gás propano. Custo da Energia considerada: 0,135 ( /KWh). A medida de melhoria estudada prevê um consumo diário de 120 litros, 365 dias por ano, ou seja um consumo de referência de 40 litros por habitante e por dia. eve ser verificado a compatibilidade com eventuais limitações resultantes do RGEU ou qualquer outro regulamento ou especificação municipal, bem como assegurar as eventuais autorizações da Câmara Municipal, ou qualquer outra entidade. Custo da Energia Sistema de AQS previsto ou instalado Rede distribuição de água quente isolada zona abrangida por Gás natural. Ap= área de pavimento em m2 Eficiência do sistema de AQS em % Forma de Energia do equipamento Factor de conversão Fp Nac (kwh/m2.ano) Nac x Ap = (kwh/ano) Esquentador a gás Sistema de AQS previsto ou instalado Não sim Esquentador a gás Não 75,00 Ap= área de pavimento 75,00 sim 40 Eficiência do sistema de AQS 90 Gás propano Gás propano 0,135 Custo da Energia 0,135 0,086 Factor de conversão Fp 0,086 76,41 Nac (kwh/m2.ano) 33, Nac x Ap = (kwh/ano) Custo anual estimado para AQS ( ) 774 Custo anual estimado para AQS ( ) 344 1,68 1,17 C 900 P1 = Redução Anual da Factura Energética para AQS em Euros Rede distribuição de água quente isolada zona abrangida por Gás natural. Forma de Energia do equipamento calculada após implementação de medida de melhoria ,3 C

8 5. Medidas de Melhoria estudadas Medida associada a Equipamento de Preparação de Águas Quentes Sanitárias esignação susinta: Substituição do equipamento actual e/ou instalação de caldeira de condensação para preparação de águas quentes sanitárias. escrição da Medida de Melhoria estudada Instalação de uma caldeira mural com câmara de combustão estanque, com tecnologia de condensação e microacumulação, para produção de AQS,alimentada a Gás propano, com 26,8 kw de potência nominal e eficiência de 1,09 (109 %) a 30% de carga nominal. eve dispor de ignição electrónica e modulação automática de chama, bem como de pré mistura de ar/gás no abastecimento ao queimador. O controlo do equipamento deve ser efectuado através de um display digital LC para selecção de temperatura, funcionamento solar e diagnóstico de anomalia. O controlo remoto e receptor deverão estar incluídos (requer instalação). everá ser garantida a manutenção períodica ao equipamento de acordo com a legislação em vigor. O custo de investimento estimado para esta medida de melhoria será de 2.250, para uma redução anual da factura energética de 461 e período de retorno simples do investimento de 5 anos. Redução Total Anual de emissão de Gases de efeito de estufa associados a Energia primária para climatização e águas quentes é de 0,4 Toneladas de CO2. A implementação isolada desta medida de melhoria permite estimar uma C para o seu imóvel. Esta Classe Energética significa que o seu imóvel consumiria 113 % do consumo de referência para um imóvel novo em vez dos actuais 168 %. Sistema de AQS previsto ou instalado Rede distribuição de água quente isolada Zona Abrangida por gás natural Ap= área de pavimento em m2 Eficiência do sistema de AQS em % Forma de Energia do equipamento Custo da Energia Factor de conversão Fp Nac (kwh/m2.ano) Nac x Ap = (kwh/ano) Substituição do equipamento actual e/ou instalação de caldeira de condensação para preparação de águas quentes sanitárias. Medida de melhoria destinada ao aumento da eficiência do sistemas energético de preparação de água quentes sanitárias. O custo de investimento inclui valor do equipamento de preparação de águas quentes bem como o valor da mão-de-obra para a sua instalação. A forma de energia considerada: Gás propano. Custo da Energia considerada: 0,135 ( /KWh). A medida de melhoria estudada prevê um consumo diário de litros, 365 dias por ano, ou seja um consumo de referência de 40 litros por habitante e por dia. eve ser verificado a compatibilidade com eventuais limitações resultantes do RGEU ou qualquer outro regulamento ou especificação municipal, bem como assegurar as eventuais autorizações da Câmara Municipal, ou qualquer outra entidade Esquentador a gás Sistema de AQS previsto ou instalado Não não Esquentador a gás Não não 75,00 Ap= área de pavimento 75,00 40 Eficiência do sistema de AQS 99 Gás propano Gás propano 0,135 Custo da Energia 0,135 0,086 Factor de conversão Fp 0,086 76,41 Nac (kwh/m2.ano) 30, Nac x Ap = (kwh/ano) Custo anual estimado para AQS ( ) 774 Custo anual estimado para AQS ( ) 313 1,68 1,13 C 2250 P1 = Redução Anual da Factura Energética para AQS em Euros Rede distribuição de água quente isolada Zona Abrangida por gás natural Forma de Energia do equipamento calculada após implementação de medida de melhoria ,4 C

9 5. Medidas de Melhoria estudadas Medida associada a Envolvente opaca - Paredes Exteriores esignação susinta: Aplicação de isolamento Térmico pelo interior com revestimento leve em paredes exteriores. escrição da Medida de Melhoria estudada Aplicação de 4 cm de isolamento térmico poliestireno expandido moldado (EPS), em placas em paredes exteriores (incluindo pontes térmicas planas e caixas de estore se aplicável), reduzindo o valor do coeficiente de transmissão térmica em 0,90 W/(m2.ºC). A solução é constituída por aplicação mecânica e colagem de placas de isolamento pelo interior das paredes em conctacto com o exterior, à qual se sobrepoe uma estrutura leve perfis de aço galvanizado, revestidos com dupla placa de gesso cartonado de 13mm fixadas mecânicamente à estrutura metálica (as características ignífugas e higrotérmicas das placas de gesso cartonado devem ser adequadas aos locais a que se destinam), e acabamento em pintura ou material cerâmico colado. O custo de investimento estimado para esta medida de melhoria será de 1.540, para uma redução anual da factura energética de 230 e período de retorno simples do investimento de 7 anos. Redução Total Anual de emissão de Gases de efeito de estufa associados a Energia primária para climatização e águas quentes é de 0,07 Toneladas de CO2. A perda térmica associada a este elemento da envolvente é responsável por 17 % do total das perdas térmicas do imóvel. A implementação isolada desta medida de melhoria permite estimar uma para o seu imóvel. Esta significa que o seu imóvel consumiria 157 % do consumo de referência para um imóvel novo em vez dos actuais 168 %. Aplicação de isolamento Térmico pelo interior com revestimento leve em paredes exteriores. Medida de melhoria destinada à redução das necessidades de energia de aquecimento por perdas pela envolvente e prevenção ou correcção de patologias construtivas. O custo de investimento inclui valor dos materiais bem como o valor da mão-de-obra para a sua aplicação. A forma de energia considerada:. Custo da Energia considerada: 0,1211 ( /KWh). A espessura do isolamento considerado é de 4 cm. O coeficiente de condutibilidade térmica do isolante é de 0,04 W/(m.ºC).O custo unitário estimado por m2 de aplicação de isolamento e respectivo acabamento (inclui mão de obra) é de 35 Euros por m2. A área do elemento da envolvente a isolar é de 44 m2. eve ser verificado a compatibilidade com eventuais limitações resultantes do RGEU ou qualquer outro regulamento ou especificação municipal, bem como assegurar as eventuais autorizações da Câmara Municipal, ou qualquer outra entidade. U ( W/(m2.ºC) médio ponderado do Elemento 1,50 U ( W/(m2.ºC) do Elemento da envolvente 0,60 Área total do elemento da envolvente 44 Área total do elemento da envolvente 44 Graus ias 1260 Graus ias 1260 Custo unitário por m2 da intervenção em Euros 35 Custo unitário por m2 da intervenção em Euros 35 Custo anual de Aquec. por perdas do elemento 327 Custo anual de Aquec. por perdas do elemento 97 Forma de Energia do equipamento de Aquec. Forma de Energia do equipamento de Aquec. Custo da Energia 0,1211 Custo da Energia 0,1211 Factor de conversão Fp 0,29 Factor de conversão Fp 0,29 Nic (kwh/m2.ano) 180,33 Nic (kwh/m2.ano) 154,96 Nic x Ap = (kwh/ano) Nic x Ap = (kwh/ano) Custo anual estimado para Aquecimento ( ) 1638 Custo anual estimado para Aquecimento ( ) ,68 1,57 P1 = Redução Anual da Factura Energética em Euros ,07 calculada após implementação de medida de melhoria

10 5. Medidas de Melhoria estudadas Medida associada a Envolvente opaca - Paredes Interiores esignação susinta: Aplicação de isolamento Térmico pelo interior com revestimento leve em paredes interiores. escrição da Medida de Melhoria estudada Aplicação de 4 cm de isolamento térmico poliestireno expandido moldado (EPS), em placas em paredes interiores em contacto com locais não aquecidos (incluindo pontes térmicas planas), reduzindo o valor do coeficiente de transmissão térmica em 1,33 W/(m2.ºC). A solução é constituída por aplicação mecânica e colagem de placas de isolamento pelo interior das paredes interiores, à qual se sobrepoe uma estrutura leve perfis de aço galvanizado, revestidos com dupla placa de gesso cartonado de 13mm fixadas mecânicamente à estrutura metálica (as características ignífugas e higrotérmicas das placas de gesso cartonado devem ser adequadas aos locais a que se destinam), e acabamento em pintura ou material cerâmico colado. O custo de investimento estimado para esta medida de melhoria será de 875, para uma redução anual da factura energética de 139 e período de retorno simples do investimento de 6 anos. Redução Total Anual de emissão de Gases de efeito de estufa associados a Energia primária para climatização e águas quentes é de 0,04 Toneladas de CO2. A perda térmica associada a este elemento da envolvente é responsável por 10 % do total das perdas térmicas do imóvel. A implementação isolada desta medida de melhoria permite estimar uma para o seu imóvel. Esta significa que o seu imóvel consumiria 161 % do consumo de referência para um imóvel novo em vez dos actuais 168 %. Aplicação de isolamento Térmico pelo interior com revestimento leve em paredes interiores. Medida de melhoria destinada à redução das necessidades de energia de aquecimento por perdas pela envolvente e prevenção ou correcção de patologias construtivas. O custo de investimento inclui valor dos materiais bem como o valor da mão-de-obra para a sua aplicação. A forma de energia considerada:. Custo da Energia considerada: 0,1211 ( /KWh). A espessura do isolamento considerado é de 4 cm. O coeficiente de condutibilidade térmica do isolante é de 0,04 W/(m.ºC).O custo unitário estimado por m2 de aplicação de isolamento e respectivo acabamento (inclui mão de obra) é de 35 Euros por m2. A área do elemento da envolvente a isolar é de 25 m2. eve ser verificado a compatibilidade com eventuais limitações resultantes do RGEU ou qualquer outro regulamento ou especificação municipal, bem como assegurar as eventuais autorizações da Câmara Municipal, ou qualquer outra entidade. U ( W/(m2.ºC) médio ponderado do Elemento Área total do elemento da envolvente Graus ias Custo unitário por m2 da intervenção em Euros Custo anual de Aquec. por perdas do elemento Forma de Energia do equipamento de Aquec. Custo da Energia Factor de conversão Fp Nic (kwh/m2.ano) Nic x Ap = (kwh/ano) 2,00 U ( W/(m2.ºC) do Elemento da envolvente 0,67 25 Área total do elemento da envolvente Graus ias Custo unitário por m2 da intervenção em Euros Custo anual de Aquec. por perdas do elemento 61 0,1211 Custo da Energia 0,1211 0,29 Factor de conversão Fp 0,29 180,33 Nic (kwh/m2.ano) 164, Nic x Ap = (kwh/ano) Custo anual estimado para Aquecimento ( ) 1638 Custo anual estimado para Aquecimento ( ) ,68 1, P1 = Redução Anual da Factura Energética em Euros calculada após implementação de medida de melhoria Forma de Energia do equipamento de Aquec ,04

11 5. Medidas de Melhoria estudadas Medida associada a Envolvente opaca - Coberturas Exteriores esignação susinta: Aplicação de isolamento térmico sob a cobertura exterior. escrição da Medida de Melhoria estudada Aplicação de 6 cm de isolamento térmico poliestireno expandido moldado (EPS), em placas sob a cobertura em contacto com o exterior, reduzindo o valor do coeficiente de transmissão térmica em 4,41 W/(m2.ºC). A solução é constituída por aplicação mecânica e colagem de placas de isolamento pelo interior das coberturas exteriores, à qual se sobrepoe uma estrutura leve de perfis de aço galvanizado (tecto falso), revestidos com dupla placa de gesso cartonado de 13mm fixadas mecânicamente à estrutura metálica (as características ignífugas e higrotérmicas das placas de gesso cartonado devem ser adequadas aos locais a que se destinam), e acabamento final em pintura. O custo de investimento estimado para esta medida de melhoria será de 1.000, para uma redução anual da factura energética de 404 e período de retorno simples do investimento de 2 anos. Redução Total Anual de emissão de Gases de efeito de estufa associados a Energia primária para climatização e águas quentes é de 0,12 Toneladas de CO2. A perda térmica associada a este elemento da envolvente é responsável por 24 % do total das perdas térmicas do imóvel. A implementação isolada desta medida de melhoria permite estimar uma C para o seu imóvel. Esta significa que o seu imóvel consumiria 150 % do consumo de referência para um imóvel novo em vez dos actuais 168 %. Aplicação de isolamento térmico sob a cobertura exterior. Medida de melhoria destinada à redução das necessidades de energia de aquecimento por perdas pela envolvente e prevenção ou correcção de patologias construtivas. O custo de investimento inclui valor dos materiais bem como o valor da mão-de-obra para a sua aplicação. A forma de energia considerada:. Custo da Energia considerada: 0,1211 ( /KWh). A espessura do isolamento considerado é de 6 cm. O coeficiente de condutibilidade térmica do isolante é de 0,04 W/(m.ºC).O custo unitário estimado por m2 de aplicação de isolamento e respectivo acabamento (inclui mão de obra) é de 40 Euros por m2. A área do elemento da envolvente a isolar é de 25 m2. eve ser verificado a compatibilidade com eventuais limitações resultantes do RGEU ou qualquer outro regulamento ou especificação municipal, bem como assegurar as eventuais autorizações da Câmara Municipal, ou qualquer outra entidade. U ( W/(m2.ºC) médio ponderado do Elemento Área total do elemento da envolvente Graus ias Custo unitário por m2 da intervenção em Euros Custo anual de Aquec. por perdas do elemento Forma de Energia do equipamento de Aquec. Custo da Energia Factor de conversão Fp Nic (kwh/m2.ano) Nic x Ap = (kwh/ano) 5,00 U ( W/(m2.ºC) do Elemento da envolvente 0,59 25 Área total do elemento da envolvente Graus ias Custo unitário por m2 da intervenção em Euros Custo anual de Aquec. por perdas do elemento 54 0,1211 Custo da Energia 0,1211 0,29 Factor de conversão Fp 0,29 180,33 Nic (kwh/m2.ano) 135, Nic x Ap = (kwh/ano) Custo anual estimado para Aquecimento ( ) 1638 Custo anual estimado para Aquecimento ( ) ,68 1,50 C 1000 P1 = Redução Anual da Factura Energética em Euros calculada após implementação de medida de melhoria Forma de Energia do equipamento de Aquec ,12 C

12 5. Medidas de Melhoria estudadas Medida associada a Envolvente opaca - Coberturas Interiores esignação susinta: Aplicação de isolamento térmico sob a cobertura interior. escrição da Medida de Melhoria estudada Aplicação de 6 cm de isolamento térmico poliestireno expandido moldado (EPS), em placas sob a cobertura interior em contacto com locais não aquecidos, reduzindo o valor do coeficiente de transmissão térmica em 1,5 W/(m2.ºC). A solução é constituída por aplicação mecânica e colagem de placas de isolamento pelo interior das coberturas exteriores, à qual se sobrepoe uma estrutura leve de perfis de aço galvanizado (tecto falso), revestidos com dupla placa de gesso cartonado de 13mm fixadas mecânicamente à estrutura metálica (as características ignífugas e higrotérmicas das placas de gesso cartonado devem ser adequadas aos locais a que se destinam), e acabamento final em pintura. O custo de investimento estimado para esta medida de melhoria será de 400, para uma redução anual da factura energética de 41 e período de retorno simples do investimento de 10 anos. Redução Total Anual de emissão de Gases de efeito de estufa associados a Energia primária para climatização e águas quentes é de 0,01 Toneladas de CO2. A perda térmica associada a este elemento da envolvente é responsável por 3 % do total das perdas térmicas do imóvel. A implementação isolada desta medida de melhoria permite estimar uma para o seu imóvel. Esta Classe Energética significa que o seu imóvel consumiria 166 % do consumo de referência para um imóvel novo em vez dos actuais 168 %. Aplicação de isolamento térmico sob a cobertura interior. Medida de melhoria destinada à redução das necessidades de energia de aquecimento por perdas pela envolvente e prevenção ou correcção de patologias construtivas. O custo de investimento inclui valor dos materiais bem como o valor da mão-de-obra para a sua aplicação. A forma de energia considerada:. Custo da Energia considerada: 0,1211 ( /KWh). A espessura do isolamento considerado é de 6 cm. O coeficiente de condutibilidade térmica do isolante é de 0,04 W/(m.ºC).O custo unitário estimado por m2 de aplicação de isolamento e respectivo acabamento (inclui mão de obra) é de 40 Euros por m2. A área do elemento da envolvente a isolar é de 10 m2. eve ser verificado a compatibilidade com eventuais limitações resultantes do RGEU ou qualquer outro regulamento ou especificação municipal, bem como assegurar as eventuais autorizações da Câmara Municipal, ou qualquer outra entidade. U ( W/(m2.ºC) médio ponderado do Elemento Área total do elemento da envolvente Graus ias Custo unitário por m2 da intervenção em Euros Custo anual de Aquec. por perdas do elemento Forma de Energia do equipamento de Aquec. Custo da Energia Factor de conversão Fp Nic (kwh/m2.ano) Nic x Ap = (kwh/ano) 2,00 U ( W/(m2.ºC) do Elemento da envolvente 0,50 10 Área total do elemento da envolvente Graus ias Custo unitário por m2 da intervenção em Euros Custo anual de Aquec. por perdas do elemento 18 0,1211 Custo da Energia 0,1211 0,29 Factor de conversão Fp 0,29 180,33 Nic (kwh/m2.ano) 175, Nic x Ap = (kwh/ano) Custo anual estimado para Aquecimento ( ) 1638 Custo anual estimado para Aquecimento ( ) ,68 1, P1 = Redução Anual da Factura Energética em Euros calculada após implementação de medida de melhoria Forma de Energia do equipamento de Aquec ,01

13 5. Medidas de Melhoria estudadas Medida associada a Envolvente opaca - Pavimentos Exteriores esignação susinta: Aplicação de isolamento térmico sob o pavimento exterior. escrição da Medida de Melhoria estudada Aplicação de 4 cm de isolamento térmico poliestireno expandido moldado (EPS), em placas sob o Pavimento em contacto com o exterior, reduzindo o valor do coeficiente de transmissão térmica em 1,33 W/(m2.ºC). A solução é constituída por aplicação mecânica e colagem de placas de isolamento pelo interior das coberturas exteriores, à qual se sobrepoe uma estrutura leve de perfis de aço galvanizado (tecto falso), revestidos com dupla placa de gesso cartonado de 13mm fixadas mecânicamente à estrutura metálica (as características ignífugas e higrotérmicas das placas de gesso cartonado devem ser adequadas aos locais a que se destinam), e acabamento final em pintura. O custo de investimento estimado para esta medida de melhoria será de 350, para uma redução anual da factura energética de 49 e período de retorno simples do investimento de 7 anos. Redução Total Anual de emissão de Gases de efeito de estufa associados a Energia primária para climatização e águas quentes é de 0,01 Toneladas de CO2. A perda térmica associada a este elemento da envolvente é responsável por 4 % do total das perdas térmicas do imóvel. A implementação isolada desta medida de melhoria permite estimar uma para o seu imóvel. Esta significa que o seu imóvel consumiria 166 % do consumo de referência para um imóvel novo em vez dos actuais 168 %. Aplicação de isolamento térmico sob o pavimento exterior. Medida de melhoria destinada à redução das necessidades de energia de aquecimento por perdas pela envolvente e prevenção ou correcção de patologias construtivas. O custo de investimento inclui valor dos materiais bem como o valor da mão-de-obra para a sua aplicação. A forma de energia considerada:. Custo da Energia considerada: 0,1211 ( /KWh). A espessura do isolamento considerado é de 4 cm. O coeficiente de condutibilidade térmica do isolante é de 0,04 W/(m.ºC).O custo unitário estimado por m2 de aplicação de isolamento e respectivo acabamento (inclui mão de obra) é de 35 Euros por m2. A área do elemento da envolvente a isolar é de 10 m2. eve ser verificado a compatibilidade com eventuais limitações resultantes do RGEU ou qualquer outro regulamento ou especificação municipal, bem como assegurar as eventuais autorizações da Câmara Municipal, ou qualquer outra entidade. U ( W/(m2.ºC) médio ponderado do Elemento Área total do elemento da envolvente Graus ias Custo unitário por m2 da intervenção em Euros Custo anual de Aquec. por perdas do elemento Forma de Energia do equipamento de Aquec. Custo da Energia Factor de conversão Fp Nic (kwh/m2.ano) Nic x Ap = (kwh/ano) 2,00 U ( W/(m2.ºC) do Elemento da envolvente 0,67 10 Área total do elemento da envolvente Graus ias Custo unitário por m2 da intervenção em Euros Custo anual de Aquec. por perdas do elemento 25 0,1211 Custo da Energia 0,1211 0,29 Factor de conversão Fp 0,29 180,33 Nic (kwh/m2.ano) 174, Nic x Ap = (kwh/ano) Custo anual estimado para Aquecimento ( ) 1638 Custo anual estimado para Aquecimento ( ) ,68 1, P1 = Redução Anual da Factura Energética em Euros calculada após implementação de medida de melhoria Forma de Energia do equipamento de Aquec ,01

14 5. Medidas de Melhoria estudadas Medida associada a Envolvente opaca - Pavimentos Interiores esignação susinta: Aplicação de isolamento térmico sob o pavimento interior. escrição da Medida de Melhoria estudada Aplicação de 4 cm de isolamento térmico poliestireno expandido moldado (EPS), em placas sob o Pavimento em contacto com locais não aquecidos, reduzindo o valor do coeficiente de transmissão térmica em 1,33 W/(m2.ºC). A solução é constituída por aplicação mecânica e colagem de placas de isolamento pelo interior das coberturas exteriores, à qual se sobrepoe uma estrutura leve de perfis de aço galvanizado (tecto falso), revestidos com dupla placa de gesso cartonado de 13mm fixadas mecânicamente à estrutura metálica (as características ignífugas e higrotérmicas das placas de gesso cartonado devem ser adequadas aos locais a que se destinam), e acabamento final em pintura. O custo de investimento estimado para esta medida de melhoria será de 175, para uma redução anual da factura energética de 18 e período de retorno simples do investimento de 10 anos. Redução Total Anual de emissão de Gases de efeito de estufa associados a Energia primária para climatização e águas quentes é de 0,01 Toneladas de CO2. A perda térmica associada a este elemento da envolvente é responsável por 1 % do total das perdas térmicas do imóvel. A implementação isolada desta medida de melhoria permite estimar uma para o seu imóvel. Esta Classe Energética significa que o seu imóvel consumiria 167 % do consumo de referência para um imóvel novo em vez dos actuais 168 %. Aplicação de isolamento térmico sob o pavimento interior. Medida de melhoria destinada à redução das necessidades de energia de aquecimento por perdas pela envolvente e prevenção ou correcção de patologias construtivas. O custo de investimento inclui valor dos materiais bem como o valor da mão-de-obra para a sua aplicação. A forma de energia considerada:. Custo da Energia considerada: 0,1211 ( /KWh). A espessura do isolamento considerado é de 4 cm. O coeficiente de condutibilidade térmica do isolante é de 0,04 W/(m.ºC).O custo unitário estimado por m2 de aplicação de isolamento e respectivo acabamento (inclui mão de obra) é de 35 Euros por m2. A área do elemento da envolvente a isolar é de 5 m2. eve ser verificado a compatibilidade com eventuais limitações resultantes do RGEU ou qualquer outro regulamento ou especificação municipal, bem como assegurar as eventuais autorizações da Câmara Municipal, ou qualquer outra entidade. U ( W/(m2.ºC) médio ponderado do Elemento Área total do elemento da envolvente Graus ias Custo unitário por m2 da intervenção em Euros Custo anual de Aquec. por perdas do elemento Forma de Energia do equipamento de Aquec. Custo da Energia Factor de conversão Fp Nic (kwh/m2.ano) Nic x Ap = (kwh/ano) 2,00 U ( W/(m2.ºC) do Elemento da envolvente 0,67 5 Área total do elemento da envolvente Graus ias Custo unitário por m2 da intervenção em Euros Custo anual de Aquec. por perdas do elemento 12 0,1211 Custo da Energia 0,1211 0,29 Factor de conversão Fp 0,29 180,33 Nic (kwh/m2.ano) 178, Nic x Ap = (kwh/ano) Custo anual estimado para Aquecimento ( ) 1638 Custo anual estimado para Aquecimento ( ) ,68 1, P1 = Redução Anual da Factura Energética em Euros calculada após implementação de medida de melhoria Forma de Energia do equipamento de Aquec ,01

15 Medidas de Melhoria estudadas Medida associada a Vão Envidraçados esignação susinta: Substituição de caixilharias existentes dos vão envidraçados exteriores e dos vão envidraçados em contacto com locais não aquecidos (se existirem). As novas caixilharias deverão ter uma classe de permeabilidade ao ar do tipo classe 3, constituídas por aros, travessas e montantes em PVC, com sistema de abertura e configuração idênticos aos originais, vidros duplos incolores 6mm + 6mm de baixa emissividade, com caixa de ar de 16 mm em que 90% do espaço de ar deve ser preenchido por gás àrgon, com sistema de oclusão exterior do tipo persianas metálicas ou plásticas de cor clara (nos vãos que não possuirem), resultando um coeficiente de transmissão térmica (U) de 2,0 W/(m2.ºC) e factor solar do vidro de 0,41. O custo estimado do trabalho é de 265 /m2, e inclui material e mão-de-obra e a remoção das caixilharias existentes e 50 por isolamento de contorno de cada porta exterior opaca de acesso ao imóvel. urante a operação de montagem, que deverá decorrer em apenas um dia, deverá ser tida em especial atenção a junta entre os caixilhos e as paredes, de forma a garantir o seu correcto isolamento e estanquicidade sem micro-fissuras que originem pontes térmicas ou infiltrações. everá ser isolado, em todo o seu perímetro, os restantes vãos exteriores opacos (portas de acesso ao imóvel). O custo de investimento estimado para esta medida de melhoria será de 3.230, para uma redução anual da factura energética de 150 e período de retorno simples do investimento de 22 anos. Redução Total Anual de emissão de Gases de efeito de estufa associados a Energia primária para climatização e águas quentes é de 0,04 Toneladas de CO2. Medida de melhoria proposta com periodo de retorno de investimento elevado e viabilidade económica limitada, esta deve ser adoptada numa prespectiva de melhoria das condições de conforto térmico. Esta medida reduz as perdas térmicas e elimina as condensações verificadas no interior da habitação, melhorando as condições de conforto dos espaços e deve ser considerada em contexto de uma intervenção de reabilitação ou remodelação do imóvel. A perda térmica associada a este elemento da envolvente é responsável por 12 % do total das perdas térmicas do imóvel. A implementação isolada desta medida de melhoria permite estimar uma para o seu imóvel. Esta significa que o seu imóvel consumiria 161 % do consumo de referência para um imóvel novo em vez dos actuais 168 %. Substituição de caixilharia existente por uma nova caixilharia, melhoria das características solares dos vidros e introdução de protecção solar exterior nos vãos envidraçados que não possuirem. Medida de melhoria destinada à redução das necessidades de energia de aquecimento e arrefecimento por perdas pela envolvente, à redução de perdas associadas à renovação do ar interior e prevenção ou correcção de patologias construtivas. O custo de investimento inclui valor dos materiais bem como o valor da mão-de-obra para a sua aplicação. A forma de energia considerada para aquecimento:. Custo da Energia considerada para aquecimento: 0,1211 ( /KWh). A forma de energia considerada para arrefecimento:. Custo da Energia considerada para arrefecimento: 0,1211 ( /KWh). O factor solar do vidro é de 0,41. O factor solar do vão envidraçado com os dispositivos de protecção solar 100% activados é de 0,03, a que corresponde a protecção solar exterior em persianas metálicas ou plásticas de cor clara. O coeficiente de transmissão térmica dos vãos envidraçados propostos é de 2,0 W/(m2.ºC). O custo unitário estimado por m2 de vão envidraçado (inclui mão de obra e material) é de 265 Euros por m2. A área do elemento da envolvente a isolar é de 12 m2. eve ser verificado a compatibilidade com eventuais limitações resultantes do RGEU ou qualquer outro regulamento ou especificação municipal, bem como assegurar as eventuais autorizações da Câmara Municipal, ou qualquer outra entidade. Factor solar do vidro (médio ponderado) Portas e janelas bem vedadas U ( W/(m2.ºC) médio ponderado do Elemento Área total do elemento da envolvente Classe da caixilharia Custo unitário por m2 da intervenção em Euros Factor solar protecção 100% activada(médio ponderado) Taxa de renovação horária Nic (kwh/m2.ano) Nvc (kwh/m2.ano) Substituição de caixilharia existente por uma nova caixilharia, melhoria das características solares dos vidros e introdução de protecção solar exterior nos vãos envidraçados que não possuirem. escrição da Medida de Melhoria estudada 5,28 U ( W/(m2.ºC) do Elemento da envolvente 2 12 Área total do elemento da envolvente 12 Sem classificação Classe da caixilharia Custo unitário por m2 da intervenção em Euros 265 0,63 Factor solar protecção 100% activada 0,03 0,66 Factor solar do vidro 0,41 Não Portas e janelas bem vedadas Sim 1,00 Factor de conversão Fp 0,8 180 Nic (kwh/m2.ano) Nvc (kwh/m2.ano) 17 Custo anual estimado para Aquec. e Arref. ( ) 1707 Custo anual estimado para Aquec. e Arref. ( ) ,68 1, P1 = Redução Anual da Factura Energética em Euros calculada após implementação de medida de melhoria ,04

16 Medidas de Melhoria estudadas Medida associada a Vão Envidraçados esignação susinta: Instalação de uma segunda caixilharia pelo interior mantendo a actual protecção exterior solar nos vãos envidraçados e introdução de protecção solar interior nos vãos que não possuirem. escrição da Medida de Melhoria estudada Instalação de uma segunda caixilharia pelo interior mantendo a actual protecção exterior solar nos vãos envidraçados e introdução de protecção solar interior nos vãos que não possuirem. As novas caixilharias deverão ter uma classe de permeabilidade ao ar do tipo classe 3, constituídas por aros, travessas e montantes em alumínio com corte térmico, com sistema de abertura e configuração idênticos aos originais, vidro simples incolor de 6mm, factor solar do vidro de 0,60, aplicação de oclusão interior do tipo cortinas opacas de cor clara (nos vãos que não possuirem), com espaçamento entre caixilhos de pelo menos 100mm, resultando um redução média ponderada do coeficiente de transmissão térmica (U) de 67 %. O custo estimado do trabalho é de 100 /m2 para a caixilharia, 25 /m2 para a cortina opaca e 50 por isolamento de contorno de cada porta exterior opaca de acesso ao imóvel. Estes valores incluem material e mão-de-obra e a limpeza e isolamento das caixilharias existentes. urante a operação de montagem, que deverá decorrer em apenas um dia, deverá ser tida em especial atenção a junta entre os caixilhos e as paredes, de forma a garantir o seu correcto isolamento e estanquicidade sem micro-fissuras que originem pontes térmicas ou infiltrações. everá ser isolado, em todo o seu perímetro, os restantes vãos exteriores opacos (portas de acesso ao imóvel). O custo de investimento estimado para esta medida de melhoria será de 1.425, para uma redução anual da factura energética de 140 e período de retorno simples do investimento de 10 anos. Redução Total Anual de emissão de Gases de efeito de estufa associados a Energia primária para climatização e águas quentes é de 0,04 Toneladas de CO2. A perda térmica associada a este elemento da envolvente é responsável por 12 % do total das perdas térmicas do imóvel. A implementação isolada desta medida de melhoria permite estimar uma para o seu imóvel. Esta significa que o seu imóvel consumiria 161 % do consumo de referência para um imóvel novo em vez dos actuais 168 %. Instalação de uma segunda caixilharia pelo interior mantendo a actual protecção exterior solar nos vãos envidraçados e introdução de protecção solar interior nos vãos que não possuirem. Medida de melhoria destinada à redução das necessidades de energia de aquecimento e arrefecimento por perdas pela envolvente, à redução de perdas associadas à renovação do ar interior e prevenção ou correcção de patologias construtivas. O custo de investimento inclui valor dos materiais bem como o valor da mão-de-obra para a sua aplicação. A forma de energia considerada para aquecimento:. Custo da Energia considerada para aquecimento: 0,1211 ( /KWh). A forma de energia considerada para arrefecimento:. Custo da Energia considerada para arrefecimento: 0,1211 ( /KWh). O factor solar do vidro é de 0,60. O factor solar do vão envidraçado com os dispositivos de protecção solar 100% activados é de pelo menos 0,33, a que corresponde a protecção solar interior em cortinas opacas de cor clara. O coeficiente de transmissão térmica dos vãos envidraçados propostos é de 3,6 W/(m2.ºC), sendo o coeficiente de transmissão térmica do conjunto formado pelas duas caixilharias calculado de acordo com expresso no ponto 4.5 do ITE50. O custo unitário estimado por m2 de vão envidraçado (inclui mão de obra e material) é de 125 Euros por m2. A área do elemento da envolvente a isolar é de 11 m2. eve ser verificado a compatibilidade com eventuais limitações resultantes do RGEU ou qualquer outro regulamento ou especificação municipal, bem como assegurar as eventuais autorizações da Câmara Municipal, ou qualquer outra entidade. Custo unitário por m2 da intervenção em Euros Factor solar protecção 100% activada(médio ponderado) Factor solar do vidro (médio ponderado) Portas e janelas bem vedadas Taxa de renovação horária Nic (kwh/m2.ano) Nvc (kwh/m2.ano) U ( W/(m2.ºC) médio ponderado do Elemento Área total do elemento da envolvente Classe da caixilharia 5,28 U ( W/(m2.ºC) médio ponderado do Elemento 1,95 11 Área total do elemento da envolvente 11 ver solterm ou calculoclasse da caixilharia Custo unitário por m2 da intervenção em Euros 125 0,63 Factor solar protecção 100% activada 0,33 0,66 Factor solar do vidro 0,6 Não Sim 1,00 Factor de conversão Fp 0,8 180 Nic (kwh/m2.ano) Nvc (kwh/m2.ano) 22 Custo anual estimado para Aquec. e Arref. ( ) 1707 Custo anual estimado para Aquec. e Arref. ( ) ,68 1, P1 = Redução Anual da Factura Energética em Euros Portas e janelas bem vedadas calculada após implementação de medida de melhoria ,04

17 Medidas de Melhoria estudadas Medida associada a Vão Envidraçados esignação susinta: Instalação de protecção solar exterior do tipo, persiana metálica ou plástica de cor clara nos vãos envidraçados que não possuirem. escrição da Medida de Melhoria estudada Instalação de protecção solar exterior do tipo, persiana metálica ou plástica de cor clara nos vãos envidraçados que não possuirem. Resultando um facto solar do envidraçado com a protecção 100% activa de 0,07 para situação de vidro simples e de 0,04 para vãos envidraçados com vidro duplo e uma redução média ponderada do coeficiente de transmissão térmica (U) de 33 %. O custo estimado do trabalho é de 55 /m2. Estes valores incluem material e mão-de-obra e a limpeza e isolamento das caixilharias existentes. urante a operação de montagem, que deverá decorrer em apenas um dia, deverá ser tida em especial atenção a junta entre os caixilhos e as paredes, de forma a garantir o seu correcto isolamento e estanquicidade sem micro-fissuras que originem pontes térmicas ou infiltrações. O custo de investimento estimado para esta medida de melhoria será de 600, para uma redução anual da factura energética de 85 e período de retorno simples do investimento de 7 anos. Redução Total Anual de emissão de Gases de efeito de estufa associados a Energia primária para climatização e águas quentes é de 0,02 Toneladas de CO2. A perda térmica associada a este elemento da envolvente é responsável por 12 % do total das perdas térmicas do imóvel. A implementação isolada desta medida de melhoria permite estimar uma para o seu imóvel. Esta significa que o seu imóvel consumiria 164 % do consumo de referência para um imóvel novo em vez dos actuais 168 %. U ( W/(m2.ºC) médio ponderado do Elemento Área total de vão envidraçados Classe da caixilharia Factor solar protecção 100% activada vidro duplo Nic x Ap = (kwh/ano) Nvc x Ap = (kwh/ano) Nic (kwh/m2.ano) Nvc (kwh/m2.ano) Instalação de protecção solar exterior do tipo, persiana metálica ou plástica de cor clara nos vãos envidraçados que não possuirem. Medida de melhoria destinada à redução das necessidades de energia de aquecimento e arrefecimento por perdas pela envolvente, e prevenção ou correcção de patologias construtivas. O custo de investimento inclui valor dos materiais bem como o valor da mão-de-obra para a sua aplicação. A forma de energia considerada para aquecimento:. Custo da Energia considerada para aquecimento: 0,1211 ( /KWh). A forma de energia considerada para arrefecimento:. Custo da Energia considerada para arrefecimento: 0,1211 ( /KWh). O facto solar do envidraçado com a protecção 100% activa é de 0,07 para situação de vidro simples e de 0,04 para vãos envidraçados com vidro duplo e uma redução média ponderada do coeficiente de transmissão térmica (U) de 33 %. O custo unitário estimado por m2 de vão envidraçado (inclui mão de obra e material) é de 55 Euros por m2. A área do elemento da envolvente a isolar é de 10 m2. eve ser verificado a compatibilidade com eventuais limitações resultantes do RGEU ou qualquer outro regulamento ou especificação municipal, bem como assegurar as eventuais autorizações da Câmara Municipal, ou qualquer outra entidade. Custo unitário por m2 da intervenção em Euros Factor solar protecção 100% activada vidro simples 5,28 U ( W/(m2.ºC) médio ponderado do Elemento 4,04 11,00 Área total do elemento de vão sem protecção 11 Sem classificação Classe da caixilharia Sem classificação 55 Custo unitário por m2 da intervenção em Euros 55 0,63 Factor solar protecção 100% activada vidro simples 0,07 0,70 Factor solar protecção 100% activada vidro duplo 0, Nic x Ap = (kwh/ano) Nvc x Ap = (kwh/ano) Nic (kwh/m2.ano) Nvc (kwh/m2.ano) 16 Custo anual estimado para Aquec. e Arref. ( ) 1707 Custo anual estimado para Aquec. e Arref. ( ) ,68 1, P1 = Redução Anual da Factura Energética em Euros calculada após implementação de medida de melhoria ,02

18 Medidas de Melhoria estudadas Medida associada a Ventilação esignação susinta: Instalação, nas fachadas, de aberturas permanentes auto-reguláveis e instalação de dispositivos de passagem de ar entre os compartimentos. escrição da Medida de Melhoria estudada Instalação, nas fachadas, de aberturas permanentes auto-reguláveis e instalação de dispositivos de passagem de ar entre os compartimentos. O custo estimado do trabalho para instalação de aberturas permanentes na caixilharia exterior é de 70 /m2. O custo estimado do trabalho para instalação de dispositivos de passagem entre compartimentos é de 40 /m2. Estes valores incluem material e mão-de-obra e a limpeza e isolamento das caixilharias existentes. urante a operação de montagem, que deverá decorrer em apenas um dia, deverá ser tida em especial atenção a junta entre os caixilhos e as paredes, de forma a garantir o seu correcto isolamento e estanquicidade sem micro-fissuras que originem pontes térmicas ou infiltrações. O custo de investimento estimado para esta medida de melhoria será de 440, para uma redução anual da factura energética de 22 e período de retorno simples do investimento de 20 anos. Redução Total Anual de emissão de Gases de efeito de estufa associados a Energia primária para climatização e águas quentes é de 0,01 Toneladas de CO2. Medida de melhoria proposta com periodo de retorno de investimento elevado e viabilidade económica limitada, esta deve ser adoptada numa prespectiva de melhoria das condições de conforto térmico e melhoria da qualidade do ar interior. Esta medida reduz as perdas térmicas e elimina as condensações verificadas no interior da habitação, melhorando as condições de conforto dos espaços e deve ser considerada em contexto de uma intervenção de reabilitação ou remodelação do imóvel. A perda térmica associada a este elemento da envolvente é responsável por 12 % do total das perdas térmicas do imóvel. A implementação isolada desta medida de melhoria permite estimar uma para o seu imóvel. Esta significa que o seu imóvel consumiria 167 % do consumo de referência para um imóvel novo em vez dos actuais 168 %. Instalação, nas fachadas, de aberturas permanentes auto-reguláveis e instalação de dispositivos de passagem de ar entre os compartimentos. Medida de melhoria destinada à redução das necessidades de energia de aquecimento e arrefecimento por perdas pela renovação de ar interior, melhoria da qualidade do ar interior e prevenção ou correcção de patologias construtivas. O custo de investimento inclui valor dos materiais bem como o valor da mão-de-obra para a sua aplicação. A forma de energia considerada para aquecimento:. Custo da Energia considerada para aquecimento: 0,1211 ( /KWh). A forma de energia considerada para arrefecimento:. Custo da Energia considerada para arrefecimento: 0,1211 ( /KWh). O numero de renovações de ar interior por hora considerado, com esta medida de melhoria, é de 0,9 em vez de 1. O custo unitário estimado por compartimento (inclui mão de obra e material) é de 110 Euros. O numero de compartimentos considerado é de 4. eve ser verificado a compatibilidade com eventuais limitações resultantes do RGEU ou qualquer outro regulamento ou especificação municipal, bem como assegurar as eventuais autorizações da Câmara Municipal, ou qualquer outra entidade. Numero de renovações horárias do ar interior N.º de compartimentos Graus dias (ºC.dias) Custo unitário da instalação de aberturas interiores Custo unitário da instalação de aberturas exteriores Perda total anual por renovação do ar interior (kwh/ano) Nic x Ap = (kwh/ano) Nvc x Ap = (kwh/ano) Nic (kwh/m2.ano) Nvc (kwh/m2.ano) 1,00 Numero de renovações horárias do ar interior 0,90 4,00 N.º de compartimentos Graus dias (ºC.dias) Custo unitário da instalação de aberturas interiores Custo unitário da instalação de aberturas exteriores Perda total anual por renovação do ar interior (kwh/ano) Nic x Ap = (kwh/ano) Nvc x Ap = (kwh/ano) Nic (kwh/m2.ano) Nvc (kwh/m2.ano) 23 Custo anual estimado para Aquec. e Arref. ( ) 1707 Custo anual estimado para Aquec. e Arref. ( ) ,68 1, P1 = Redução Anual da Factura Energética em Euros calculada após implementação de medida de melhoria ,01

19 5. Medidas de Melhoria estudadas Medida associada a Cimatização - Sistema de Aquecimento esignação susinta: Extensão da instalação de caldeira de condensação para aquecimento ambiente. escrição da Medida de Melhoria estudada Extensão da instalação da caldeira mural com câmara de combustão estanque, com tecnologia de condensação e microacumulação, para aquecimento ambiente por convecção,alimentada a Gás propano, com 26,8 kw de potência nominal e eficiência de 1,09 (109 %) a 30% de carga nominal. O controlo do equipamento deve ser efectuado através de um display digital LC para selecção de temperatura de aquecimento ambiente e diagnóstico de anomalia. O controlo remoto e receptor deverão estar incluídos (requer instalação). Instalação de radiadores em alumínio fundido, com tratamento anti-corrosivo nos compartimentos principais, estes devem possuir válvulas termostática para controlo de passagem de água e instalação de circuito fechado de água quente isolada com pelo menos 10mm de material isolante entre os radiadores e a caldeira. everá ser garantida a manutenção períodica ao equipamento de acordo com a legislação em vigor. O custo de investimento estimado para esta medida de melhoria será de 1.400, para uma redução anual da factura energética de -37 e período de retorno simples do investimento de -38 anos. Redução Total Anual de emissão de Gases de efeito de estufa associados a Energia primária para climatização e águas quentes é de 0,4 Toneladas de CO2. A implementação isolada desta medida de melhoria permite estimar uma C para o seu imóvel. Esta significa que o seu imóvel consumiria 115 % do consumo de referência para um imóvel novo em vez dos actuais 168 %. Sistema de Aquecimento de cálculo ou instaladoresistência eléctricasistema de Aquecimento proposto Numero de compartimentos Zona Abrangida por gás natural Ap= área de pavimento em m2 Caldeira 4 Numero de compartimentos 4 sim 75,00 Ap= área de pavimento 75,00 Eficiência do sistema de Aquecimento em % 100 Eficiência do sistema de Aquecimento em % 109 Forma de Energia do equipamento Custo da Energia Factor de conversão Fp Ntc (kgep/m².ano) Nt (kgep/m².ano) Extensão da instalação de caldeira de condensação para aquecimento ambiente. Medida de melhoria destinada ao aumento da eficiência do sistemas energético de climatização para aquecimento. O custo de investimento inclui valor dos equipamentos (radiadores e respectivas tubagens) bem como o valor da mão-de-obra para a sua instalação. A forma de energia considerada para aquecimento:. Custo da Energia considerada para aquecimento: 0,1211 ( /KWh). O custo unitário estimado por compartimento para material e mão de obra é de 300 Euros e 50 Euros, respectivamente. O numero de compartimentos considerado é de 4. eve ser verificado a compatibilidade com eventuais limitações resultantes do RGEU ou qualquer outro regulamento ou especificação municipal, bem como assegurar as eventuais autorizações da Câmara Municipal, ou qualquer outra entidade. sim Gás propano 0,1211 Custo da Energia em Euros 0,135 0,29 Factor de conversão Fp 0,086 12,02 Ntc (kgep/m².ano) 8,22 7,17 Nt (kgep/m².ano) 7,17 Custo anual estimado para Aquecimento ( ) 1638 Custo anual estimado para Aquecimento ( ) ,68 1,15 C 1400 P1 = Redução Anual da Factura Energética para AQS em Euros Zona Abrangida por gás natural Forma de Energia do equipamento calculada após implementação de medida de melhoria ,4 C

20 5. Medidas de Melhoria estudadas Medida associada a Cimatização - Sistema de Aquecimento e Arrefecimento esignação susinta: Substituição do equipamento actual e/ou instalação de sistema de ar condicionado multisplit reversível com bomba de calor tipo inverter com classe energética A, para climatização escrição da Medida de Melhoria estudada Substituição do equipamento actual e/ou instalação de sistema de ar condicionado multisplit reversível com bomba de calor tipo inverter com classe energética A, para climatização, composto por unidade(s) exterior com uma potência nominal de Arrefecimento 8,0 Kw, consumo 2,19 Kw, EER de 3,45, potência nominal de Aquecimento 9,4 Kw, consumo 1,93 Kw, COP de 4,56 e capacidade máxima das unidades interiores até 13,6 KW, unidades interiores tipo mural com 2,5 Kw e outra com 3,5. istribuição de fluído refrigerante R140a em tubagem cobre isolada 10mm O controlo do equipamento deve ser efectuado através de um display digital LC para selecção de temperatura ambiente e diagnóstico de anomalia. O controlo remoto e receptor deverão estar incluídos (requer instalação). everá ser garantida a manutenção períodica ao equipamento de acordo com a legislação em vigor. O custo de investimento estimado para esta medida de melhoria será de 4.790, para uma redução anual da factura energética de e período de retorno simples do investimento de 4 anos. Redução Total Anual de emissão de Gases de efeito de estufa associados a Energia primária para climatização e águas quentes é de 0,5 Toneladas de CO2. A implementação isolada desta medida de melhoria permite estimar uma B- para o seu imóvel. Esta significa que o seu imóvel consumiria 99 % do consumo de referência para um imóvel novo em vez dos actuais 168 %. Substituição do equipamento actual e/ou instalação de sistema de ar condicionado multisplit reversível com bomba de calor tipo inverter com classe energética A, para climatização Medida de melhoria destinada ao aumento da eficiência do sistemas energéticos de climatização para aquecimento e arrefecimento. O custo de investimento inclui valor dos equipamentos bem como o valor da mão-de-obra para a sua instalação. A forma de energia considerada para aquecimento e arrefecimento:. Custo da Energia considerada para aquecimento e arrefecimento: 0,1211 ( /KWh). O custo unitário de unidade interior estimado por compartimento para material e mão de obra é de 450 Euros e 85 Euros, respectivamente. O custo unitário de unidade exterior estimado para material e mão de obra é de 2400 Euros e 250 Euros, respectivamente O numero de compartimentos considerado é de 4. eve ser verificado a compatibilidade com eventuais limitações resultantes do RGEU ou qualquer outro regulamento ou especificação municipal, bem como assegurar as eventuais autorizações da Câmara Municipal, ou qualquer outra entidade. Sistema de Aquecimento de cálculo ou instaladoresistência eléctricasistema de Arrefecimento proposto Sistema de Arrefecimento de cálculo ou instalado Multisplit -Bomba de Sistema calor (arrefecimento) de Aquecimento proposto Numero de compartimentos Ap= área de pavimento em m2 Eficiência do sistema de Aquecimento em % Forma de Energia do equipamento Multisplit Multisplit 4 Numero de compartimentos 4 75,00 Ap= área de pavimento 75, Eficiência do sistema de Aquecimento COP 4,56 3,00 EficiênEficiência do sistema de Arrefecimento EER 3,45 Custo da Energia 0,1211 Custo da Energia em Euros 0,1211 Ntc (kgep/m².ano) Nt (kgep/m².ano) Eficiência do sistema de Arrefecimento EER Forma de Energia do equipamento 12,02 Ntc (kgep/m².ano) 7,10 7,17 Nt (kgep/m².ano) 7,17 Custo anual estimado para Aquec e Arref. ( ) 1707 Custo anual estimado para Aquec e Arref. ( ) 419 1,68 0,99 B P1 = Redução Anual da Factura Energética para AQS em Euros calculada após implementação de medida de melhoria B ,5

21 5. Medidas de Melhoria estudadas Medida associada a Sistemas de Energias Renováveis - Colectores Solares Térmicos esignação susinta: instalação de Sistema Solar Térmico individual escrição da Medida de Melhoria estudada Instalação de um Sistema solar individual, compacto, do tipo termo sifão em Kit ou monobloco, para produção de águas quentes sanitárias, composto por colectores solares planos perfazendo uma área total de 4 m2, instalado na cobertura ou terraço, evitando obstruções do horizonte, com azimute sul e inclinação 40º. O depósito de acumulação deve possuir 240 litros de capacidade com permutador de calor em camisa, com eficácia de 35%, localizado no exterior do imóvel e instalado na posicão horizontal, construído em aço vitrificado e possuindo isolamento térmico em espuma rígida de poliuretano com 50mm de espessura. A rede de transporte de fluído deve ser isolada e protegida mecanicamente. O controlo do sistema é efectuado por comando diferencial ligado a sondas de temperatura. O painél deve ter certificação Solar Keymark e contracto de manutenção do sistema por um período mínimo de 6 anos e ser instalado por técnicos acreditados pela GGE. O custo de investimento estimado para esta medida de melhoria será de 2.900, para uma redução anual da factura energética de 294 e período de retorno simples do investimento de 10 anos. Redução Total Anual de emissão de Gases de efeito de estufa associados a Energia primária para climatização e águas quentes é de 0,3 Toneladas de CO2. A implementação isolada desta medida de melhoria permite estimar uma C para o seu imóvel. Esta significa que o seu imóvel consumiria 130 % do consumo de referência para um imóvel novo em vez dos actuais 168 %. Sistema de AQS previsto ou instalado Rede distribuição de água quente isolada Zona Abrangida por gás natural Ap= área de pavimento em m2 Eficiência do sistema de AQS em % Forma de Energia do equipamento Custo da Energia Factor de conversão Fp Nac (kwh/m2.ano) Nac x Ap = (kwh/ano) instalação de Sistema Solar Térmico individual Medida de melhoria destinada ao aumento da eficiência do sistemas energético de preparação de água quentes sanitárias. O custo de investimento inclui valor do equipamento bem como o valor da mão-de-obra para a sua instalação. A forma de energia considerada: Gás propano. Custo da Energia considerada: 0,135 ( /KWh). A medida de melhoria estudada prevê um consumo diário de litros, 365 dias por ano, ou seja um consumo de referência de 40 litros por habitante e por dia. O numero de ocupantes considerado é de 4. O Valor da contribuição do sistema de colectores solares calculado é de 2178 (KWh/ano). eve ser verificado a compatibilidade com eventuais limitações resultantes do RGEU ou qualquer outro regulamento ou especificação municipal, bem como assegurar as eventuais autorizações da Câmara Municipal, ou qualquer outra entidade Esquentador a gás Área de colector solar a instalar em m2 4 Não Volume do depósito em litros 240 não E solar calculado (KWh/ano) ,00 Ap= área de pavimento 75,00 40 Eficiência do sistema de AQS 40 Gás propano Forma de Energia do equipamento Gás propano 0,135 Custo da Energia 0,135 0,086 Factor de conversão Fp 0,086 76,41 Nac (kwh/m2.ano) 47, Nac x Ap = (kwh/ano) Custo anual estimado para AQS ( ) 774 Custo anual estimado para AQS ( ) 480 1,68 1,30 C 2900 P1 = Redução Anual da Factura Energética para AQS em Euros calculada após implementação de medida de melhoria ,3 C

22 Medidas de Melhoria consideradas para recálculo da classe energética O custo de investimento estimado para o conjunto de medidas de melhorias será de 4.715, para uma redução anual da factura energética de e período de retorno simples do investimento de 4 anos. Redução Total Anual de emissão de Gases de efeito de estufa associados a Energia primária para climatização e águas quentes é de 0,6 Toneladas de CO2. A implementação isolada desta medida de melhoria permite estimar uma B- para o seu imóvel. Esta significa que o seu imóvel consumiria 80 % do consumo de referência para um imóvel novo em vez dos actuais 168 %. Classe actual Nova Classe B-

23 6. Medidas Comportamentais Melhores práticas e pequenas acções para poupar energia Aquecimento No Inverno, a temperatura no interior da habitação deve situar-se nos 20 C: por cada grau adicional consumimos entre 7% a 10% da energia total necessária para aquecer toda a casa. Quando o aquecimento está ligado, deve manter sempre as janelas e portas fechadas. Recomendamos que aqueça apenas as áreas da casa que realmente utiliza e que feche as portas das salas e quartos que não estão a ser utilizados.uma boa forma de prevenir a entrada de ar frio, implicando uma pequena despesa, consiste em instalar um painel isolante nas caixas dos estores de enrolar para reduzir as entradas de ar frio e evitar desperdícios desnecessários de energia. À noite, manter os estores de enrolar fechados sempre que possível. Nos dias de sol, aproveitar ao máximo a entrada de radiação solar na habitação, para aquecê-la gratuitamente. Se não achar conveniente substituir as janelas com vidros simples por vidros duplos e caixilhos com isolamento, recomenda-se a aplicação de fita de isolamento nos caixilhos das janelas. Ventile regularmente a habitação, abrindo as janelas apenas alguns minutos de cada vez. Ar Condicionado evem ser instalados aparelhos de ar condicionado de Classe A: Estes aparelhos são mais eficientes em termos de desempenho e poupança de energia. Prefira sempre modelos inverter que ajustam a potência do sistema de acordo com as variações da temperatura da divisão e verifique o valor EER expresso na etiqueta: quanto maior, melhor. Seleccione uma temperatura que seja cerca de 5 graus inferior à temperatura exterior, para evitar variações bruscas que são prejudiciais para a saúde. Em geral, um aparelho regulado para 24 a 26 C é suficiente para combater os efeitos do calor excessivo. Seguindo algumas sugestões simples pode evitar situações de sobreaquecimento da sua habitação no Verão ao mesmo tempo que reduz a utilização do ar condicionado: ventile a habitação à noite, evite a entrada de ar quente durante a tarde, use os estores para proteger as janelas da habitação, etc. Água Quente Com uma simples operação do tipo faça você-mesmo e com um custo razoável, pode instalar redutores do caudal de água nos chuveiros e nas torneiras. Mantendo o mesmo nível de conforto, poderá reduzir o consumo de água e da energia necessária para a aquecer. e qualquer forma, deverá sempre fechar a torneira nos intervalos em que não precisa da água quente. Prefira tomar duche em vez de banho de imersão: para um duche normal são necessários cerca de 30 a 50 litros de água enquanto que para encher uma banheira são necessários cerca de 150 litros. Os esquentadores a gás são mais eficientes que os termoacumuladores eléctricos. Frigoríficos e Congeladores Se tiver de substituir o seu frigorífico ou congelador, sugerimos que compre um da Classe A+ ou Classe A++, com baixo consumo que utiliza cerca de metade da energia consumida por um dos antigos modelos. eve regular sempre o controlo de temperatura do frigorífico para um valor médio para evitar desperdícios inúteis de energia. As temperaturas ideais variam entre os +4 C no compartimento mais frio e os +10 C no compartimento mais quente e podem ser obtidas colocando o botão de controlo numa posição intermédia entre as temperaturas minima e média. As temperaturas inferiores a estas levam a um aumento do consumo de energia de 10 a 15%. Limpe o condensador, que é a serpentina instalada na parte de trás do frigorífico, pelo menos uma vez por ano, para manter a eficiência do aparelho e evitar um aumento do consumo de energia. Máquina de lavar e secar roupa Considere a possibilidade de substituir a sua velha máquina de lavar por um novo modelo de Classe A (ou superior). Estes modelos consomem cerca de metade da energia consumida por modelos mais antigos. Utilize a máquina de lavar sempre com carga completa. uas lavagens utilizando a meia carga gastam mais energia do que uma lavagem com carga completa. Seleccione programas de lavagem a baixa temperatura (30-40 C): os detergentes actualmente disponíveis no Mercado garantem excelentes resultados de lavagem mesmo a baixas temperaturas.

24 6. Medidas Compotamentais Melhores práticas e pequenas acções para poupar energia Máquinas de Lavar Loiça Considere a possibilidade de substituir a sua máquina de lavar loiça antiga por um novo modelo da Classe A. Utilize a máquina de lavar loiça apenas com uma carga completa. Se tiver pouca loiça para lavar, utilize um ciclo rápido ou ciclo de lavagem a frio para fazer uma espécie de pré-lavagem. Pode deixar, em seguida, a loiça na máquina até que tenha uma carga completa sem que isso cause problemas de mau cheiro. Seleccione uma temperatura da água que não seja demasiado alta, por exemplo colocando o botão de controlo nos 50 ºC. Sugerimos que evite utilizar o programa de secagem. Abrindo a porta e permitindo uma boa ventilação, poderá obter o mesmo resultado e poupar 45% de energia. Fornos Eléctricos Os fornos eléctricos dispõem de uma etiqueta energética que podem auxiliá-lo na selecção do modelo mais eficiente (Classe A). evem ser preferidos os fornos eléctricos com ventilação em vez dos fornos tradicionais pois ao fazerem a circulação do ar quente, estabelecem uma temperatura homogénea no interior do forno, reduzindo o consumo de energia. Além disso, devido à ventilação interna, é possível cozinhar diferentes alimentos ao mesmo tempo, poupando assim tempo e energia. esligue o forno alguns minutos antes de concluída a cozedura para utilizar o calor residual. Fornos de micro-ondas Sugerimos que utilize o forno de micro-ondas sempre que as características dos alimentos a cozinhar o permitam. Os fornos de micro-ondas consomem metade da energia consumida pelos fornos tradicionais pois cozinham os alimentos mais rapidamente e não necessitam de qualquer préaquecimento (o tempo de cozedura é reduzido em 25%). Equipamentos eléctricos e electrónicos Alguns electrodomésticos (TV, gravadores de vídeo, computadores, fornos de micro-ondas, etc.) podem ser deixados na posição de stand by (modo de espera), o que é indicado por uma pequena lâmpada acesa no painel do aparelha. Esta posição reduz o consumo de energia mas não o elimina totalmente. Numa casa, o consumo total em stand by pode ser equivalente a ter uma lâmpada de 60 Watts ligada continuamente. A forma mais simples de eliminar qualquer desperdício de energia quando os aparelhos não estão a ser utilizados é ligar todos os aparelhos a uma tomada de corrente múltipla equipada com um interruptor: desligando o interruptor da tomada de corrente, todos os aparelhos que estejam ligados a essa tomada deixam de consumir energia. Sistemas de iluminação Utilize sempre que possível lâmpadas economizadoras de energia. Em comparação com as lâmpadas tradicionais, uma lâmpada economizadora de energia consome até 80% menos energia, mantendo o mesmo nível de iluminação. As lâmpadas economizadoras são mais caras mas duram muito mais (cerca de horas em vez das horas das lâmpadas incandescentes). Recomendamos que substitua as lâmpadas incandescentes tradicionais por lâmpadas economizadoras de energia especialmente nas salas em que estão acesas mais tempo: quanto mais tempo as utilizar maior será a sua redução de custos. Medidas comportamentais extraídas do Guia Informativo Eficiência Energética, EnerBuilding.eu, Textos: Pieraldo Isolani, edição ECO, Maio de 2008

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE72617225 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (EXISTENTE) Morada / Localização Rua

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA Válido até 08/05/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AV. COMBATENTES 15, RCH DRT,, Localidade SESIMBRA Freguesia SESIMBRA (SANTIAGO) Concelho SESIMBRA GPS 38.444432, -9.105156 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO Válido até 29/03/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO Freguesia MONTEMOR-O-VELHO E GATÕES Concelho MONTEMOR-O-VELHO GPS 40.173269, -8.685544 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DA CARAPINHEIRA, 14 E 16, Localidade CARAPINHEIRA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DA CARAPINHEIRA, 14 E 16, Localidade CARAPINHEIRA Válido até 05/05/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DA CARAPINHEIRA, 14 E 16, Localidade CARAPINHEIRA Freguesia CARAPINHEIRA Concelho MONTEMOR-O-VELHO GPS 40.206620, -8.649000 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação

Certificado Energético Edifício de Habitação Válido até 22/07/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada TRAVESSA DOS GALINHEIROS, 17, 2ºDIR Localidade GANDRA PRD Freguesia GANDRA Concelho PAREDES GPS 41.186242, -8.449825 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

Pré-Certificado Energético Edifício de Habitação SCE84144829 PROVISÓRIO

Pré-Certificado Energético Edifício de Habitação SCE84144829 PROVISÓRIO Válido até IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DOS ESCUTEIROS,, Localidade RIBAMAR Freguesia RIBAMAR Concelho LOURINHÃ GPS 39.197874, -9.330633 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória do Registo Predial

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE53106823 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (NOVO) Morada / Localização Vila Utopia,

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG Válido até 09/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA PADRE AMÉRICO, 131, 2.º ANDAR - AP. 25 Localidade CAMPO VLG Freguesia CAMPO E SOBRADO Concelho VALONGO GPS 41.181981, -8.473370 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. WENCESLAU BALSEIRO GUERRA,, 115, 2º B Localidade PAREDE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AV. WENCESLAU BALSEIRO GUERRA,, 115, 2º B Localidade PAREDE Válido até 11/06/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AV. WENCESLAU BALSEIRO GUERRA,, 115, 2º B Localidade PAREDE Freguesia CARCAVELOS E PAREDE Concelho CASCAIS GPS 38.688617, -9.434011 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM Válido até 04/11/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada MONTE STO ANTONIO - CASA FELIZ, CAIXA POSTAL 2010P, Localidade BENSAFRIM Freguesia BENSAFRIM E BARÃO DE SÃO JOÃO Concelho LAGOS GPS 37.157682, -8.742078

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO AREAL, 35, 1.º DRT.º TRÁS Localidade TRAVASSÔ

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO AREAL, 35, 1.º DRT.º TRÁS Localidade TRAVASSÔ Válido até 08/08/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO AREAL, 35, 1.º DRT.º TRÁS Localidade TRAVASSÔ Freguesia TRAVASSÔ E ÓIS DA RIBEIRA Concelho AGUEDA GPS 40.592482, -8.504090 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA Válido até 19/01/2015 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA Freguesia AVENIDAS NOVAS Concelho LISBOA GPS 39.700000, -8.000000 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE0000045965837 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (NOVO) Morada / Localização Vila

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA D. GLÓRIA DE CASTRO, Nº 141,, Localidade VILA NOVA DE GAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA D. GLÓRIA DE CASTRO, Nº 141,, Localidade VILA NOVA DE GAIA Válido até 22/08/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA D. GLÓRIA DE CASTRO, Nº 141,, Localidade VILA NOVA DE GAIA Freguesia VILAR DE ANDORINHO Concelho VILA NOVA DE GAIA GPS 41.099916, -8.587908 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO Válido até 28/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO Freguesia ALDOAR, FOZ DO DOURO E NEVOGILDE Concelho PORTO GPS 41.160004, -8.682547 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação

Certificado Energético Edifício de Habitação Válido até 22/01/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada LARGO DE ÂMBAR, 126, R/C ESQº Localidade SÃO DOMINGOS DE RANA Freguesia S. DOMINGOS DE RANA Concelho CASCAIS GPS 38.711198, -9.326610 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Válido até 16/01/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Freguesia ÁGUEDA E BORRALHA Concelho AGUEDA GPS 40.577121, -8.439516 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO Válido até 14/04/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA MÁRTIRES DO TARRAFAL, Nº375, 1º ESQ Localidade MONTIJO Freguesia MONTIJO E AFONSOEIRO Concelho MONTIJO GPS 38.710800, -8.986600 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS Válido até 13/03/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS Freguesia SALVATERRA DE MAGOS E FOROS DE SALVATERRA Concelho SALVATERRA DE

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS Válido até 04/11/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA GENERAL HUMBERTO DELGADO, BLOCO F, 181, 3.º DIR. Localidade MATOSINHOS Freguesia MATOSINHOS E LEÇA DA PALMEIRA Concelho MATOSINHOS GPS 41.193776, -8.698345

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE54401115 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: PEQUENO EDIFÍCIO DE SERVIÇOS SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO Morada / Localização Travessa

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 811, R/C ESQUERDO Localidade VILA NOVA DE GAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 811, R/C ESQUERDO Localidade VILA NOVA DE GAIA Válido até 11/02/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CHOUPELO, 811, R/C ESQUERDO Localidade VILA NOVA DE GAIA Freguesia VILA NOVA DE GAIA (SANTA MARINHA) Concelho VILA NOVA DE GAIA GPS 41.070000, -8.360000

Leia mais

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Fonte: ADENE O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DAS SILÉNIAS, 7, Localidade CHARNECA DA CAPARICA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DAS SILÉNIAS, 7, Localidade CHARNECA DA CAPARICA Válido até 10/12/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DAS SILÉNIAS, 7, Localidade CHARNECA DA CAPARICA Freguesia CHARNECA DE CAPARICA E SOBREDA Concelho ALMADA GPS 38.571492, -9.180781 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

REH Regulamento dos Edifícios de Habitação

REH Regulamento dos Edifícios de Habitação Questão 6 Considere as peças desenhadas anexas correspondentes ao projeto de uma moradia a construir no concelho de Alcochete, a uma altitude de 22 m. Todos os vãos envidraçados serão constituídos por:

Leia mais

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local.

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local. ANEXO I CONCEITOS E DEFINIÇÕES (A) Águas quentes sanitárias (AQS) é a água potável a temperatura superior a 35ºC utilizada para banhos, limpezas, cozinha e outros fins específicos, preparada em dispositivo

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL Válido até 05/08/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA JOSÉ GUSTAVO PIMENTA, LOJA N.º 15, RC NORTE Localidade ÁGUEDA Freguesia ÁGUEDA E BORRALHA Concelho AGUEDA GPS 40.576546, -8.447543 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Certificação energética dos edifícios existentes

Certificação energética dos edifícios existentes Certificação energética dos edifícios existentes Metodologias simplificadas, vantagens, dificuldades e inconvenientes Helder Gonçalves e Laura Aelenei 8ª Jornadas de Climatização Lisboa, 15 de Outubro

Leia mais

O palácio de Belém Um exemplo pioneiro

O palácio de Belém Um exemplo pioneiro O palácio de Belém Um exemplo pioneiro Workshop - TIC e Eficiência Energética: O Estado deve dar o exemplo Teresa Ponce de Leão 23 de Junho de 2010 Extracto do relatório 2009 O processo que conduziu à

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER 1234567/2007 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE TIPO DE EDIFÍCIO: EDIFÍCIO HABITAÇÃO UNIFAMILIAR / FRACÇÃO AUTÓNOMA DE EDIF. MULTIFAMILIAR Morada / Situação: Localidade Freguesia

Leia mais

22-03-2010. 1. Enquadramento do Sistema de Certificação Energética SUMÁRIO

22-03-2010. 1. Enquadramento do Sistema de Certificação Energética SUMÁRIO Take a week to change tomorrow A Certificação Energética e o Sector da Construção SUMÁRIO 1. Enquadramento do Sistema de Certificação Energética 2. As Novas Exigências Regulamentares 3. As Principais mudanças

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER 1234567/2007 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Morada / Situação: Localidade Concelho Data de emissão do certificado Nome

Leia mais

Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos

Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos Workshop Formar para Reabilitar a Europa PAINEL 3: TECNOLOGIAS E IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos Vítor Cóias, GECoRPA Susana Fernandes,

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Válido até 26/05/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada SESMARIA DO PAU QUEIMADO,, Localidade SANTO ESTEVÃO BNV Freguesia SANTO ESTEVÃO Concelho BENAVENTE GPS 38.888944, -8.723055 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

NOTA TÉCNICA NT-SCE-01. Método de cálculo para a certificação energética de edifícios existentes no âmbito do RCCTE

NOTA TÉCNICA NT-SCE-01. Método de cálculo para a certificação energética de edifícios existentes no âmbito do RCCTE Método de cálculo para a certificação energética de edifícios existentes no âmbito do RCCTE De acordo com o previsto no despacho n.º 10250/2008 de 8 de Abril, publicado pelo Presidente da Agência para

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE REGULAMENTAR

DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE REGULAMENTAR Nº DCR DCR0000001082617 DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE REGULAMENTAR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: PEQUENO EDIFÍCIO DE SERVIÇOS COM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO Morada / Localização Apresentação exemplo RSECE Localidade

Leia mais

O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO

O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO VASCO PEIXOTO DE FREITAS Faculdade Engenharia Universidade do Porto Laboratório de Física das Construções /FEUP - AdePorto SUMÁRIO 1. Introdução 2. Tipificação

Leia mais

Ficha de identificação da entidade participante

Ficha de identificação da entidade participante Ficha de identificação da entidade participante Instituição Designação Instituto Superior Técnico Professor responsável João Toste Azevedo Contacto 218417993 Email toste@ist.utl.pt Técnico responsável

Leia mais

Aquecimento Doméstico

Aquecimento Doméstico Aquecimento Doméstico Grande variedade de escolha Dos cerca de 4.000 kwh de energia consumidos por uma família portuguesa durante o ano, 15% é destinado ao aquecimento ambiente. A zona climática, o tipo

Leia mais

Saber mais sobre Energia

Saber mais sobre Energia Saber mais sobre Energia Energia Está sempre presente nas nossas actividades. Mas usamos uma fonte que se está a esgotar. Situação Actual Cerca de 83% da energia consumida no nosso país é importada e de

Leia mais

PROJECTO DE INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00

PROJECTO DE INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00 Mod. (09) CP1_00 SOCIEDADE POLIS LITORAL RIA FORMOSA, SA Elaboração de Projectos de Execução para a requalificação de espaços ribeirinhos, de parques públicos e percursos pedonais - Parque Ribeirinho de

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA Válido até 11/02/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CHOUPELO, 833, 1º DTO Localidade VILA NOVA DE GAIA Freguesia VILA NOVA DE GAIA (SANTA MARINHA) Concelho VILA NOVA DE GAIA GPS 41.070000, -8.360000

Leia mais

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011

Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções. Sertã, 06 de Junho 2011 Seminário Eficiência Energética : Políticas, Incentivos e Soluções Promover a eficiência energética É tornar o mundo melhor e mais assustentável tá e ADENE Agência para a Energia Paulo Nogueira Auditório

Leia mais

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir?

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? A nova legislação estabelece as seguintes exigências relativamente à envolvente do edifício: Limite máximo dos coeficientes de transmissão térmica

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL Válido até 09/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO SOBREIRO, 290, LOJA AC-56 Localidade SENHORA DA HORA Freguesia SÃO MAMEDE DE INFESTA E SENHORA DA HORA Concelho MATOSINHOS GPS 41.191499, -8.652745

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO. Freguesia PADORNELO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO. Freguesia PADORNELO Válido até 30/03/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DE PARADELHAS, 273, Localidade PADORNELO Freguesia PADORNELO Concelho PAREDES DE COURA GPS 41.927754, -8.540848 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

estudo paramétrico para otimização do projeto térmico de pequenos edifícios parte ii

estudo paramétrico para otimização do projeto térmico de pequenos edifícios parte ii 39_ 43 projeto térmico estudo paramétrico para otimização do projeto térmico de pequenos edifícios parte ii Albano Neves e Sousa Professor Auxiliar do Departamento de Engenharia Civil Arquitetura e Georrecursos

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS REABILITADSOS

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS REABILITADSOS CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS REABILITADSOS Vasco Peixoto de Freitas LFC Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Vasco Peixoto de Freitas OASRN_2008-1

Leia mais

Artigo. Condensações em Edifícios. Publicado na revista Arquitectura & Vida, nº 63, Set. 2005, pp. 71-74. Maio 2005 AC05103LIS/ENG

Artigo. Condensações em Edifícios. Publicado na revista Arquitectura & Vida, nº 63, Set. 2005, pp. 71-74. Maio 2005 AC05103LIS/ENG Artigo Publicado na revista Arquitectura & Vida, nº 63, Set. 2005, pp. 71-74 Maio 2005 AC05103LIS/ENG Condensações em Edifícios Luís Viegas Mendonça Condensações em Edifícios Luís Viegas Mendonça* Sumário

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE. Avaliação do desempenho energético de edifício de habitação Primeiro CE após DCR

RELATÓRIO SÍNTESE. Avaliação do desempenho energético de edifício de habitação Primeiro CE após DCR RELATÓRIO SÍNTESE Avaliação do desempenho energético de edifício de habitação Primeiro CE após DCR realizada no âmbito do Sistema de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior dos Edifícios(SCE),

Leia mais

iii REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO

iii REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO iii REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO Guia de Termos de Referência para o Desempenho Energético-Ambiental 1 2 REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO Guia de Termos

Leia mais

F. REQUISITOS DE EFICIÊNCIAENERGÉTICA E QUALIDADE TÉRMICA

F. REQUISITOS DE EFICIÊNCIAENERGÉTICA E QUALIDADE TÉRMICA F. REQUISITOS DE EFICIÊNCIAENERGÉTICA E QUALIDADE TÉRMICA QUE REQUISITOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E QUALIDADE TÉRMICA ESTOU DISPENSADO(A) DE CUMPRIR? O RERU dispensa as operações urbanísticas nele previstas

Leia mais

Energias renováveis. Fontes de financiamento e utilização em projectos de I&D. Edifício Inovisa II

Energias renováveis. Fontes de financiamento e utilização em projectos de I&D. Edifício Inovisa II Energias renováveis Fontes de financiamento e utilização em projectos de I&D Edifício Inovisa II I Ciclo de Conferências do Centenário da AEISA GreenISA 11 ISA, Lisboa, 25 Março 2011 Mapa da apresentação

Leia mais

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5.1. Introdução O conforto higrotérmico tem motivado o desenvolvimento de tecnologias passivas com

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA (nova edição)

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA (nova edição) CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA (nova edição) MÓDULO RCCTE OBJECTIVOS Formação de peritos qualificados no âmbito da Certificação Energética de Edifícios no que respeita à aplicação do novo Regulamento das Características

Leia mais

ANEXO: PROGRAMA DO CURSO 1º Módulo: Fundamentos de Térmica de Edifícios FTE

ANEXO: PROGRAMA DO CURSO 1º Módulo: Fundamentos de Térmica de Edifícios FTE ANEXO: PROGRAMA DO CURSO 1º Módulo: Fundamentos de Térmica de Edifícios FTE 1. O BALANÇO ENERGÉTICO NOS EDIFÍCIOS (1,0 H.) 1.1. Condução através da envolvente; 1.2. Renovação de ar; 1.3. Ganhos Internos;

Leia mais

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011

CONSTRUÇÃO MODULAR. Rev A 1-7-2011 CONSTRUÇÃO MODULAR SM Rev A 1-7-2011 1 A U.E.M. Unidade de Estruturas Metálicas, SA com 15 anos de actividade, inicialmente direccionada para a fabricação e comercialização dos módulos pré-fabricados que,

Leia mais

STC 6 Modelos de Urbanismo e mobilidade

STC 6 Modelos de Urbanismo e mobilidade STC 6 Modelos de Urbanismo e mobilidade Certificação energética da minha habitação Descrição da minha habitação de Sonho 1 Introduça o Simulação da certificação energética da casa Situação Atual classe

Leia mais

Reabilitação Urbana. Eixo Prioritário IV Coesão Local e Urbana

Reabilitação Urbana. Eixo Prioritário IV Coesão Local e Urbana Reabilitação Urbana Eixo Prioritário IV Coesão Local e Urbana Alteração ao Aviso de Abertura de Concurso para apresentação de Candidaturas em regime de Overbooking 2014 - EP IV (Overbooking) - Reabilitação

Leia mais

Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31

Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31 1 de 9 Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31 NOTÍCIAS A substituição de janelas antigas por janelas eficientes pode gerar na indústria, um potencial de negócio

Leia mais

Decreto - Lei nº 118/2013 de 20 de Agosto

Decreto - Lei nº 118/2013 de 20 de Agosto Sistema de Certificação Energética Decreto - Lei nº 118/2013 de 20 de Agosto Actualização 2013 O Decreto Lei nº 118/2013 de 20 de Agosto tem como objectivo assegurar e promover a melhoria do desempenho

Leia mais

Eficiência Energética em Edifícios. Faculdade de Engenharia Universidade do Porto EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS

Eficiência Energética em Edifícios. Faculdade de Engenharia Universidade do Porto EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS Faculdade de Engenharia Universidade do Porto Engenharia Electrotécnica e Computadores Gestão de Energia A Eficiência Energética em projecto de edifícios tem sempre presente que existem questões importantes

Leia mais

CALDEIRAS A LENHA AQUASOLID. Página 1

CALDEIRAS A LENHA AQUASOLID. Página 1 CALDEIRAS A LENHA AQUASOLID Página 1 Índice Caldeiras a Lenha - Todo o conforto com a máxima economia Uma solução de aquecimento eficiente 03 Principais Características 04 Componentes e Benefícios 05 Princípio

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DOS EDIFÍCIOS - NOVA LEGISLAÇÃO

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DOS EDIFÍCIOS - NOVA LEGISLAÇÃO SISTEMA E CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA OS EIFÍCIOS - NOVA LEGISLAÇÃO ecreto-lei n.º 118/2013..R. n.º 159, Série I de 2013-08-20 Ministério da Economia e do Emprego Aprova o Sistema de Certificação Energética

Leia mais

Comissão Ministerial de Coordenação dos PO Regionais

Comissão Ministerial de Coordenação dos PO Regionais Comissão Ministerial de Coordenação dos PO Regionais Orientações para a Tipologia de Intervenção Melhoria da Eficiência Energética em Habitações de Famílias de Baixos Rendimentos no âmbito de Intervenções

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA Freguesia ALVALADE Concelho LISBOA GPS 38.754048, -9.138450 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES RADIANTES PRODUTOS E ACESSÓRIOS. www.rehau.com. Construção Automóvel Indústria

ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES RADIANTES PRODUTOS E ACESSÓRIOS. www.rehau.com. Construção Automóvel Indústria ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES RADIANTES PRODUTOS E ACESSÓRIOS www.rehau.com Construção Automóvel Indústria ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES RADIANTES UMA GRANDE INOVAÇÃO PARA O MÁXIMO CONFORTO GAMA DE PRODUTOS

Leia mais

CATÁLOGO CATÁLOGO. 03/2011 Caldeiras a gás e tecnologia de condensação

CATÁLOGO CATÁLOGO. 03/2011 Caldeiras a gás e tecnologia de condensação CATALOGUE CATÁLOGO CATÁLOGO 03/2011 Caldeiras a gás e tecnologia de condensação ÍNDICE BOMBAS DE CALOR AUDAX bombas de calor ar/água, monofásicas, com inversão de ciclo NOVO p. 6 Integrador de sistemas,

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS

SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS LISBOA, 10 DE MAIO DE 2012 ADENE Agencia para a Energia

Leia mais

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012 TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios Cascais, 19 de Abril de 2012 INDICE Lisboa E-Nova Enquadramento Conceitos Metodologia Oportunidades de Melhoria

Leia mais

Portugal 2020, oportunidades para a eficiência energética nas empresas

Portugal 2020, oportunidades para a eficiência energética nas empresas Portugal 2020, oportunidades para a eficiência energética nas empresas SEMINÁRIO: EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA / OPORTUNIDADES Carlos Almeida, Diretor-Geral de Energia e Geologia 5 de março de 2015

Leia mais

EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO

EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO EDIFÍCIOS DE HOJE OS SISTEMAS SOLARES CONVERTERAM-SE EM MAIS UMA PARTE DAS INSTALAÇÕES DE ÁGUA QUENTE. O DESAFIO ACTUAL E FUTURO É CONTINUAR A CONCEBER EQUIPAMENTOS E SISTEMAS QUE PROPORCIONEM O MÁXIMO

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CONDE SABUGOSA, 27, 7º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CONDE SABUGOSA, 27, 7º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA CONDE SABUGOSA, 27, 7º ESQ. Localidade LISBOA Freguesia ALVALADE Concelho LISBOA GPS 38.748515, -9.140355 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

Novembro 2014 Reabilitação Energética de uma Moradia Unifamiliar

Novembro 2014 Reabilitação Energética de uma Moradia Unifamiliar Novembro 2014 Reabilitação Energética de uma Moradia Unifamiliar Soluções de isolamento térmico Lã Mineral Natural * con ECOSE Technology Eficiência energética e sustentabilidade A ECOSE Technology é uma

Leia mais

Perguntas & Respostas RCCTE

Perguntas & Respostas RCCTE sobre a no âmbito do RCCTE Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios Decreto-Lei n.º 80/2006, de 4 de Abril Um dia todos os edifícios serão verdes Versão 1.0 Fevereiro de 2010

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Válido até 20/04/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Freguesia PARANHOS Concelho PORTO GPS 41.163993, -8.604853 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações Livro de actas do XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR. O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes

SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR. O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO PELO EXTERIOR O sistema de acabamento leve para isolamento térmico e protecção de paredes O SISTEMA DE ISOLAMENTO TÉRMICO DA VIERO O sistema de isolamento térmico da VIERO

Leia mais

Seminário ENERGIA Construção Sustentável. Programa RCCTE-STE. Universidade Lusíada, V.N. Famalicão - 14 de Abril 2010

Seminário ENERGIA Construção Sustentável. Programa RCCTE-STE. Universidade Lusíada, V.N. Famalicão - 14 de Abril 2010 Programa RCCTE-STE Álvaro Ferreira Ramalho RCCTE-STE - 1 Introdução Esta aplicação (RCCTE-STE) permite efectuar os cálculos necessário à aplicação do RCCTE (Dec.Lei 80/2006) bem como, a requerida no RSECE

Leia mais

SOLUÇÕES DE AQUECIMENTO

SOLUÇÕES DE AQUECIMENTO SOLUÇÕES DE AQUECIMENTO Escolha o sistema de aquecimento que melhor se adapta a sua casa, deve ter em conta a utilização que vai ter, a área a aquecer, assim assim como a energia que cada aparelho consome

Leia mais

IMPLICAÇÕES CONSTRUTIVAS DO NOVO RCCTE NA CONCEPÇÃO DE PAREDES DE ALVENARIA

IMPLICAÇÕES CONSTRUTIVAS DO NOVO RCCTE NA CONCEPÇÃO DE PAREDES DE ALVENARIA Seminário sobre Paredes de Alvenaria, P.B. Lourenço et al. (eds.), 2007 87 IMPLICAÇÕES CONSTRUTIVAS DO NOVO RCCTE NA CONCEPÇÃO DE PAREDES DE ALVENARIA Vasco Peixoto de FREITAS Professor Catedrático Faculdade

Leia mais

FICHA TÉCNICA Isolamento acústico

FICHA TÉCNICA Isolamento acústico Página 1 de 7 O isolamento acústico é caracterizado por três tipos de isolamento distintos, sendo eles: - Correcção acústica - Isolamento de ruídos aéreos - Isolamento de ruídos de percussão CORRECÇÃO

Leia mais

Índice. Aquecimento e Climatização Bombas de Calor Pedra Natural Biomassa Recuperadores Calor Biomassa - Pellets

Índice. Aquecimento e Climatização Bombas de Calor Pedra Natural Biomassa Recuperadores Calor Biomassa - Pellets Climatização 1 Índice e Climatização Bombas de Calor Pedra Natural Biomassa Recuperadores Calor Biomassa - Pellets 3 5 6 7 2 Bomba de calor Central A bomba de calor tem como finalidade produzir água a

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de

Leia mais

Albaenergy Solutions, Lda. Ar Condicionado

Albaenergy Solutions, Lda. Ar Condicionado Ar Condicionado Recorrendo à movimentação do ar estes equipamentos permitem, num curto espaço de tempo, climatizar um determinado espaço. Com estes sistemas podemos aquecer ou arrefecer o ambiente por

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição da Directiva

Leia mais

O aquecimento das piscinas www.psa-zodiac.com

O aquecimento das piscinas www.psa-zodiac.com As Bombas de calor O aquecimento das piscinas www.psa-zodiac.com Bomba de calor, a solução ideal Desempenho e economia Hoje a bomba de calor é a solução a mais económica para aquecer eficazmente uma piscina

Leia mais

CIMENTOS COLA ADHERE

CIMENTOS COLA ADHERE CIMENTOS COLA ADHERE Cimentos Cola Adhere. Introdução 03 A utilização de revestimentos cerâmicos como elemento decorativo nas paredes e pavimentos remonta à antiguidade, constituindo uma parte integrante

Leia mais

CONSTRUÇÃO. Boas práticas para uma construção ambientalmente correta devem ser consideradas ao longo do seu Ciclo de Vida:

CONSTRUÇÃO. Boas práticas para uma construção ambientalmente correta devem ser consideradas ao longo do seu Ciclo de Vida: Boas práticas para uma construção ambientalmente correta devem ser consideradas ao longo do seu Ciclo de Vida: 1. Fase de Projeto, além de todas as considerações com o contexto do lugar (clima, topologia,

Leia mais

... escute o silêncio...

... escute o silêncio... ...TCHUU Nas suas diferentes funções os edifícios encerram um conjunto de exigência funcionais das quais o comportamento acústico é, ao nível do conforto, um dos aspectos centrais. Quer se trate de edifícios

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA fracção de habitação eistente localizada no piso 2, com rede pública de gás Estrada de Cima, Nº 1-1ºA Bloco C Lisboa 2013-03-01 Software dentherm - Registrado a Densare Lda - Pág

Leia mais

Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra

Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra Bolsa de Integração à Investigação Bolseiro: Tiago Pereira da Silva Monteiro Professor Coordenador: Prof. Doutor João António Esteves Ramos

Leia mais

1. NECESSIDADES NOMINAIS ANUAIS DE ENERGIA ÚTIL PARA AQUECIMENTO

1. NECESSIDADES NOMINAIS ANUAIS DE ENERGIA ÚTIL PARA AQUECIMENTO Diário da República, 2.ª série N.º 234 3 de dezembro de 2013 35088-(41) Despacho (extrato) n.º 15793-I/2013 Nos termos e para os efeitos do Decreto -Lei n.º 118/2013 de 20 de agosto e respetiva regulamentação,

Leia mais

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Diogo Mateus (dm@contraruido.com) Conteúdo da apresentação: Enquadramento e objectivos do trabalho Problemas típicos na execução de soluções construtivas

Leia mais

Pós-Copenhaga E o ambiente? Francisco Ferreira

Pós-Copenhaga E o ambiente? Francisco Ferreira Pós-Copenhaga E o ambiente? Francisco Ferreira Alterações climáticas Emissão de gases de efeito de estufa -> agravamento do efeito de estufa -> aquecimento global -> alterações climáticas 4 relatórios

Leia mais

ELEGANTE w w w. w b. e b s e s s a s l a e l i e t i e t o e f o fi f c fi e c s e. s c. o c m

ELEGANTE w w w. w b. e b s e s s a s l a e l i e t i e t o e f o fi f c fi e c s e. s c. o c m THE PERFECT FIT ELEGANTE O ambiente de trabalho e a envolvente dos espaços de escritórios são cada vez mais um factor crucial de satisfação que condiciona a motivação, produtividade e o sucesso das empresas.

Leia mais

Domitop MISTA INSTANTÂNEA. Domitop H SÓ AQUECIMENTO MEMBRO DE FEGECA

Domitop MISTA INSTANTÂNEA. Domitop H SÓ AQUECIMENTO MEMBRO DE FEGECA Domitop MISTA INSTANTÂNEA Domitop H SÓ AQUECIMENTO MEMBRO DE FEGECA CALDEIRA MURAL DOMITOP R A Férroli desenvolveu e lança uma nova gama de caldeiras murais a gás DOMITOP. Caldeiras mistas para e produção

Leia mais

ESQUENTADORES SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

ESQUENTADORES SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE ESQUENTADORES Sensor Compacto SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Sensor Compacto O novo grau de exigência Tecnologia, conforto e poupança Há um novo grau de exigência na gama de esquentadores Vulcano: o Sensor Compacto.

Leia mais

Isolamento Térmico Protecção Solar Ventilação Natural QUALIDADE TÉRMICA DOS EDIFÍCIOS...E QUALIDADE DE VIDA

Isolamento Térmico Protecção Solar Ventilação Natural QUALIDADE TÉRMICA DOS EDIFÍCIOS...E QUALIDADE DE VIDA Isolamento Térmico Protecção Solar Ventilação Natural QUALIDADE TÉRMICA DOS EDIFÍCIOS...E QUALIDADE DE VIDA Qualidade térmica dos edifícios... e qualidade de vida O quadro legislativo sobre o comportamento

Leia mais