Representa o efeito funcional de uma doença e do seu tratamento sobre o paciente, como é percebido pelo próprio paciente (Schipper, 1990)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Representa o efeito funcional de uma doença e do seu tratamento sobre o paciente, como é percebido pelo próprio paciente (Schipper, 1990)"

Transcrição

1

2

3 Representa o efeito funcional de uma doença e do seu tratamento sobre o paciente, como é percebido pelo próprio paciente (Schipper, 1990)

4 < 10% 10 to < 20% 20%

5

6 Inflamação mucosa nasal Sintomas Consequências Sintomas incomodativos Alterações de humor Perda produtividade trabalho/escola Distúrbios de sono Piora da Qualidade de vida Co-morbidades Otite média com efusão (OME) Hipertrofia de adenoide (HA) Rinossinusite Infecção respiratória Asma

7 Menor frequência Maior frequência Neffen, Solé et al Drugs Today 2009;45:1-19

8 Adultos N=1056 Crianças/Adolescentes N=427

9 Miyazaki et al, 2009

10 Pacientes (%) Intermitente Persistente Obstrução nasal Espirros Rinorreia Irritação nasal Prurido ocular Lacrime jamento Rinorreia posterior Irritação palato Despertar noturno Ronco Cefaleia Tosse Pressão seios Irritação garganta Sibilância Bousquet - Rev Fr Allergol 2008;48:

11 11

12 Pacientes com queixas (%) RAS RAP RAS+RAP Cansaço Irritabilidade Nervosismo/ Tristeza/ ansiedade depressão Má atenção Náusea Outro Nada a Alemanha, França, Itália, Espanha e Reino Unido. Canonica et al Allergy 2007;62(suppl85):17

13 13

14 Alguma 26,0% Pouca 19,0% Sem 48,0% Nao sabe 1,0% Moderada 25,0% Intensa 15,0% Sem 14,0% Impacto da alergia nasal sobre as atividades da vida diária Só perda 10,0% Só interfere 22,0% Ambos 20,0% Interferência com o trabalho Allergies in America, 2007

15 Sono Atividades lar Atividades fora Ter animais Sair/brincar amigos Atividades família Escola Bom aprov escolar Sem alergia N=432 Alergia N=493 Esportes/exerc % 40 Pediatric Allergies in America, 2007

16 Q31. Quanto a alergia de seu filho limita o que ele consegue fazer nas seguintes áreas? Restringe muito, um pouco, bem pouco ou de forma alguma em? N = 439 *Exclui México; # Exclui crianças menores de 5 anos.

17 593 Estresse elevado Cefaleia Depressão Artrite/reumatismo Ansiedade RI Hipertensão Diabetes Asma Doença coroniana Perda média de produtividade/empregado, por ano* ($) p<0,05 para rinite alérgica/polinose vs outras condições Lamb et al Curr Med Res Opin 2006;22:1203

18 21

19 Indivíduos com queixa (%) * Rinite alérgica (n=591) Controles (n=502) *P<0,003 vs controles. * * * Insônia Insônia grave Síndrome apneia sono Hipersônia Leger et al Arch Intern Med 2006;106:1744

20 24

21 Juniper et al J Allergy Clin Immunol 2005;115:S390

22 Juniper et al J Allergy Clin Immunol 2005;115:S390

23 Escore QoL * * * Controle (n=116) RAP (n=111) * * * * * Função física Energia/ fadiga Saúde geral Função social Limitações físicas Limitações emocionais Saúde mental Dor 27 *P 0,0005 vs controles saudáveis Bousquet et al J Allergy Clin Immunol 1994;94:182

24 Escore global RQLQ P < 0,01 P < 0,01 Intermitente leve (n=84) Intermitente Moderada-grave (n=874) Persistente leve (n=64) Persistente Moderada-grave (n=1092) Bousquet et al J Allergy Clin Immunol 2006;117:158-62

25 Escore Médio 80 * 1ª 2ª 3ª * 20 * * * 0 Friedman Escore total Sintomas Problemas Práticos Emoções Atividade Nascimento Silva et al Allergol Immunopathol 2001;29:118

26 30

27 Pacientes com rinossinusite aguda(%) RA (n=54) Controles (n=82) P<0,001 P=0,09 População total (N=136) Pacientes menores de 25 anos (n=35) Ulanovski et al - Am J Rhinol 2008;22:122

28 Porcentagem Sinusite crônica Doença alternobárica Pólipos Perda auditiva condução Necessidade cirurgia ORL Rinite alérgica pacientes Controles indivíduos.. 0 Rinite alérgica Controles Base dados Walker et al - Aviat Space Environ Med 1998;69:

29 Rinite alérgica é fator de risco para asma Muitos pacientes com rinite têm asma O aumento do risco de asma também foi observado em pacientes com rinite nãoalérgica Cruz et al - Allergy 2007;62(suppl 84):1-41

30 FEV 1, % previsto Fluxo nasal r=-0,91 P<0, r=-0,94 P<0, Eosinófilos nasais Ciprandi & Cirillo - J Allergy Clin Immunol 2006;118:1105

31 Incidência cumulativa de asma (%) 4.5 Controle 4.0 Atopia e não rinite Rinite não-alérgica 3.5 Rinite alérgica 3.0 RR ajustado 3,35 2, ,20 1, Seguimento (anos) 6 8 Número em risco Controle Atopia sem rinite Rinte não-alérgica Rinite alérgica Shaaban et al - Lancet 2008;372:1049

32 Rinite alérgica tem alta prevalência na América Latina e determina múltiplas aflições aos pacientes Sintomas incômodos Mudanças de humor Prejuízo na produtividade trabalho/escola Distúrbios de sono Piora da qualidade de vida Comorbidades

33

MUCOSA RINOSSINUSAL. José Ângelo Rizzo IMPACTO DO MANEJO DA RINITE NA OBTENÇÃO DO CONTROLE DA ASMA

MUCOSA RINOSSINUSAL. José Ângelo Rizzo IMPACTO DO MANEJO DA RINITE NA OBTENÇÃO DO CONTROLE DA ASMA José Ângelo Rizzo IMPACTO DO MANEJO DA RINITE NA OBTENÇÃO DO CONTROLE DA ASMA CENTRO DE PESQUISAS EM ALERGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICA EM PEDIATRIA HOSPITAL DAS CLÍNICAS/UFPE MUCOSA RINOSSINUSAL..... 1 MUCOSA

Leia mais

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml Esalerg gotas Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ESALERG GOTAS (desloratadina)

Leia mais

Rinite. Asma. montelucaste. Margarete Arrais MD, Pneumologista

Rinite. Asma. montelucaste. Margarete Arrais MD, Pneumologista Asma Rinite montelucaste Margarete Arrais MD, Pneumologista Introdução A asma apresenta muitas vezes uma estreita relação com a rinite alérgica. Manifestação diferente de uma mesma entidade nosológica.

Leia mais

RESPIRAÇÃO ORAL: UM TEMA QUE PRECISA SER DISCUTIDO PELOS PROFESSORES RESUMO

RESPIRAÇÃO ORAL: UM TEMA QUE PRECISA SER DISCUTIDO PELOS PROFESSORES RESUMO 1 RESPIRAÇÃO ORAL: UM TEMA QUE PRECISA SER DISCUTIDO PELOS PROFESSORES Prof a Dr a Olinda T. Kajihara (UEM/DTP) * Paula Meneguetti Blanco (Bolsista do PIBIC/CNPq-UEM)* Prof a Ms Miriam A. B. Godoy (UEPG/DEMET)*

Leia mais

Sumário. Data: 02/04/2013

Sumário. Data: 02/04/2013 NT 62/2014 Processo: 0512.14.001377-6 Solicitante: Dra. Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira Juíza de Direito do Juizado Especial Comarca de Pirapora Data: 02/04/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Leia mais

Caso Clínico 2. AP Teve dermatite atópica até os 4 anos de idade. CONDIÇÕES AMBIENTAIS Mora em apartamento, tem cachorro.

Caso Clínico 2. AP Teve dermatite atópica até os 4 anos de idade. CONDIÇÕES AMBIENTAIS Mora em apartamento, tem cachorro. Caso Clínico 1. KMA, feminina, 32 anos, casada, natural e procedente de Uberaba, MG, psicóloga. QD Lesões cutâneas e prurido há oito meses HMA Pápulas eritematosas disseminadas, de aparecimento diário,

Leia mais

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles São Paulo, 26 de agosto de 2010 Asma Paula Meireles Doença inflamatória crônica Hiper-responsividade Limitação variável ao fluxo aéreo ASMA Definição Episódios recorrentes de sibilância, dispnéia, aperto

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36. INTRODUÇÃO Autora: Gláucia Golono Salvador G INESUL FISIOTERAPIA LONDRINA PR Orientadora:

Leia mais

Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007

Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007 DISCIPLINA MEDICINA II Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007 DOENÇA RESPIRATÓRIA ALÉRGICA DOCENTE que leccionou: Prof. Dr. Manuel Barbosa DISCENTE que realizou: Ana Isabel Gomes da Silva FISCALIZADOR:

Leia mais

Mitos e Verdades sobre Alergia Alimentar e Otites e Sinusites

Mitos e Verdades sobre Alergia Alimentar e Otites e Sinusites Mitos e Verdades sobre Alergia Alimentar e Otites e Sinusites Dr. Manoel de Nóbrega Alergia alimentar Leite de vaca Alergia ao leite de vaca afeta 2 a 3% das crianças até 34 meses de idade. Ampla variedade

Leia mais

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NA CRIANÇA. Dra. Adriana Vidal Schmidt Serviço de Alergia e Imunologia Hospital Universitário Cajurú PUC-Pr

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NA CRIANÇA. Dra. Adriana Vidal Schmidt Serviço de Alergia e Imunologia Hospital Universitário Cajurú PUC-Pr DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NA CRIANÇA Dra. Adriana Vidal Schmidt Serviço de Alergia e Imunologia Hospital Universitário Cajurú PUC-Pr TOSSE NA INFÂNCIA PRINCIPAL SINTOMA RESPIRATÓRIO SEGUNDA QUEIXA MAIS FREQUENTE

Leia mais

Eduardo Henrique Teixeira Professor da Faculdade de Medicina PUC - Campinas

Eduardo Henrique Teixeira Professor da Faculdade de Medicina PUC - Campinas Eduardo Henrique Teixeira Professor da Faculdade de Medicina PUC - Campinas A ansiedade é uma vivência normal que todos os seres humanos experimentam com freqüência. Estado afetivo caracterizado por uma

Leia mais

Quem acredita em vacina alérgica?

Quem acredita em vacina alérgica? Ano 2 - Número 2 - Abril de 2008 Quem acredita em vacina alérgica? Dr. Raul Emrich Melo Dr. Raul Emrich Melo Especialista em Alergia pela Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia Mestre e Doutor

Leia mais

desloratadina EMS S/A Comprimido Revestido 5 mg

desloratadina EMS S/A Comprimido Revestido 5 mg desloratadina EMS S/A Comprimido Revestido 5 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO desloratadina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos de 5 mg. Embalagem contendo 10 ou 30 comprimidos revestidos.

Leia mais

The impact on quality of life and satisfaction with the treatment of allergic rhinitis among children and adolescents followed in a reference center*

The impact on quality of life and satisfaction with the treatment of allergic rhinitis among children and adolescents followed in a reference center* 0103-2259/11/34-05/203 Rev. bras. alerg. imunopatol. Copyright 2011 by ASBAI Artigo Original Impacto sobre a qualidade de vida e o nível de satisfação com o tratamento da rinite alérgica por crianças e

Leia mais

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para o encaminhamento: 1. Déficit Visual; 2. Cefaléia acompanhada de baixa acuidade visual 3. Retinopatia Diabética 4. Inflamação Ocular;

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml

Esalerg gotas. Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml Esalerg gotas Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. solução oral 1,25 mg/ml BULA PARA PROFISSIONAL DE SAÚDE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ESALERG GOTAS (desloratadina)

Leia mais

CONHEÇA A SENSIBILIZAÇÃO CENTRAL / DOR DISFUNCIONAL

CONHEÇA A SENSIBILIZAÇÃO CENTRAL / DOR DISFUNCIONAL CONHEÇA A SENSIBILIZAÇÃO CENTRAL / DOR DISFUNCIONAL Comitê de Desenvolvimento Mario H. Cardiel, MD, MSc Reumatologista Morelia, México Andrei Danilov, MD, DSc Neurologista Moscou, Rússia Smail Daoudi,

Leia mais

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Gripe A Dr. Basil Ribeiro Medicina Desportiva Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Vírus H1N1 - Introdução Gripe dos porcos altamente

Leia mais

PARTICIPANTES. David Kennedy Filadélfi a, EUA. Jean Michel Klossek Poitiers, França. Marck Kowalski Lodz, Polônia

PARTICIPANTES. David Kennedy Filadélfi a, EUA. Jean Michel Klossek Poitiers, França. Marck Kowalski Lodz, Polônia GUIA DE BOLSO Consenso Europeu sobre Rinossinusite e Pólipos Nasais 2007 PARTICIPANTES Wytske Fokkens Presidente Departamento de Otorrinolaringologia Amsterdam Medical Center PO Box 22660 1100 DD Amsterdam

Leia mais

ÍNDICE DE FIGURAS. Pág.

ÍNDICE DE FIGURAS. Pág. Índice de Figuras ÍNDICE DE FIGURAS Pág. Figura 3.1 - Sexo dos inquiridos..... Figura 3.2 - Existência de seguro de saúde dos inquiridos. Figura 3.3 - Inquiridos com o hábito de fumar... Figura 3.4 - Inquiridos

Leia mais

Sinusite em Pediatria

Sinusite em Pediatria Sinusite em Pediatria Scott C. Manning e Luíz Bellízia Neto Introdução Luiz Bellízia Neto Tem sido sugerido que a sinusite é uma complicação decorrente de 0.5 to 5% das infecções de vias aéreas superiores.

Leia mais

Artigo de Revisão Review Article

Artigo de Revisão Review Article Artigo de Revisão Review Article Cidália Rodrigues 1 Michele de Santis 1 Ana Maria Arrobas 2 Rinite alérgica e doenças associadas Allergic rhinitis and related diseases Recebido para publicação/received

Leia mais

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca DOENÇAS RESPIRATÓRIAS Professora: Sabrina Cunha da Fonseca Os locais de trabalho têm oferecido, cada vez mais, ambientes poluídos por diversos elementos, gasosos e sólidos, presentes no ar como gases e

Leia mais

Ana Cláudia Ribeiro Corti 1, Patrícia Tamy Miyazaki 1, Marcia C. Mallozi 2, Dirceu Solé 3. Artigo Original. Abstract. Resumo

Ana Cláudia Ribeiro Corti 1, Patrícia Tamy Miyazaki 1, Marcia C. Mallozi 2, Dirceu Solé 3. Artigo Original. Abstract. Resumo 0103-2259/10/33-06/229 Rev. bras. alerg. imunopatol. Copyright 2010 by ASBAI Artigo Original Rinite alérgica e sua interferência na vida de crianças e adolescentes acompanhados em serviço de referência:

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 34 Departamentos Científicos da SPSP, gestão 2007-2009. Departamento de Alergia e Imunologia Tratamento farmacológico da rinite alérgica Departamento de Nefrologia

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR SINGULAIR 10 mg comprimidos revestidos por película montelucaste Leia com atenção todo este folheto antes de tomar este medicamento. - Conserve este folheto.

Leia mais

Quinta Edição/2015 Quinta Região de Polícia Militar - Quarta Companhia Independente

Quinta Edição/2015 Quinta Região de Polícia Militar - Quarta Companhia Independente GRIPE X RESFRIADO GRIPE e RESFRIADO são as mesmas coisas? Não. A gripe é uma doença grave, contagiosa, causada pelo vírus Influenza (tipos A,B e C) e o resfriado é menos agressivo e de menor duração, causado

Leia mais

desloratadina EMS S/A xarope 0,5 mg/ml

desloratadina EMS S/A xarope 0,5 mg/ml desloratadina EMS S/A xarope 0,5 mg/ml IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO desloratadina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Xarope: - 0,5 mg/ml em embalagem com 1 frasco com 60 ou 100 ml acompanhado de uma seringa

Leia mais

Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim. Ceará, 2009

Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim. Ceará, 2009 Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim Ceará, 2009 Influenza Vírus - RNA Vírus A, B e C Família Orthomyxoviridae Fonte: Los Alamos National Laboratory Fonte: CDC Vírus Influenza Antígenos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MÉDICAS ANGELO FERREIRA DA SILVA JÚNIOR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MÉDICAS ANGELO FERREIRA DA SILVA JÚNIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MÉDICAS ANGELO FERREIRA DA SILVA JÚNIOR Prevalência de asma e rinoconjuntivite por meio da aplicação

Leia mais

INVENTÁRIO DE SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA (AVALIADO POR CLÍNICOS) (IDS-C)

INVENTÁRIO DE SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA (AVALIADO POR CLÍNICOS) (IDS-C) INVENTÁRIO DE SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA (AVALIADO POR CLÍNICOS) (IDS-C) NOME: DATA: Faça um círculo na resposta de cada item que melhor descreva seu paciente nos últimos 7 dias. 1. Insônia Inicial: 0 Nunca

Leia mais

Page 1 EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM ASMA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE

Page 1 EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM ASMA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE COMUNICAÇÃO ABERTA DESENVOLVIMENTO DE PLANO DE TRATAMENTO CONJUNTO ESTIMULAR O ESFORÇO DO PACIENTE E DA FAMÍLIA NO SENTIDO DA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DOS SINTOMAS EDUCAÇÃO DA EQUIPE

Leia mais

Esalerg. Aché Laboratórios Farmacêuticos comprimidos revestidos 5 mg

Esalerg. Aché Laboratórios Farmacêuticos comprimidos revestidos 5 mg Esalerg Aché Laboratórios Farmacêuticos comprimidos revestidos 5 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ESALERG (desloratadina) APRESENTAÇÕES

Leia mais

Terapia com pressão positiva na via aérea (PAP): indicações, O Problema Complacência da Via Aérea. tipos de equipamentos e seguimento

Terapia com pressão positiva na via aérea (PAP): indicações, O Problema Complacência da Via Aérea. tipos de equipamentos e seguimento Terapia com pressão positiva na via aérea (PAP): indicações, tipos de equipamentos e seguimento Simone Chaves Fagondes Hospital de Clínicas de Porto Alegre LabSono- Clínica Lavinsky O Problema Complacência

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 06 Ergonomia dos Sistemas de Produção FADIGA Mario S. Ferreira Abril, 2012 Caráter Multidisciplinar da Abordagem: produtividade, condições de saúde, segurança e

Leia mais

DISTÚRBIOS DA ATM. Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo

DISTÚRBIOS DA ATM. Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo Dra.SUSANA C. FOGAÇA Prof. Faculdade Medicina da Universidade de Passo Fundo SINAIS E SINTOMAS 3 SINAIS CARDINAIS DA DTM: DOR OROFACIAL BARULHOS NA ATM RESTRIÇÃO FC. MANDIBULAR OUTROS SINTOMAS CEFALÉIA

Leia mais

ANSIEDADE? O QUE SAO TRANSTORNOS DE ANSIEDADE O QUE SAO TRANSTORNOS DE ANSIEDADE? SINTOMAS PSICOLÓGICOS SINTOMAS FÍSICOS

ANSIEDADE? O QUE SAO TRANSTORNOS DE ANSIEDADE O QUE SAO TRANSTORNOS DE ANSIEDADE? SINTOMAS PSICOLÓGICOS SINTOMAS FÍSICOS PRESENTS O QUE SAO TRANSTORNOS DE ANSIEDADE? stress preocupação dor de cabeça ANSIEDADE pagamentos trabalho contas O QUE SAO TRANSTORNOS DE ANSIEDADE? Indivíduos que sofrem de transtorno de ansiedade podem

Leia mais

Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET. Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes

Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET. Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes Fernando Klein Outubro/2010 Caso 1 Fridundino Eulâmpio, 6 anos. Há

Leia mais

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência:

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência: Kit informativo Gripe Sazonal A gripe Sazonal é uma doença respiratória infeciosa aguda e contagiosa, provocada pelo vírus Influenza. É uma doença sazonal benigna e ocorre em todo o mundo, em especial,

Leia mais

Sonolência Excessiva Diurna (SED)

Sonolência Excessiva Diurna (SED) Sonolência Excessiva Diurna (SED) A sonolência é queixa comum, principalmente, entre adolescentes, quase sempre por não desfrutarem de sono satisfatório. Eles dormem poucas horas à noite e, no dia seguinte,

Leia mais

PERDA AUDITIVA RELACIONADA COM O TRABALHO *DIRETRIZES DE ATENDIMENTO * IDENTIFICAÇÃO ANAMNESE

PERDA AUDITIVA RELACIONADA COM O TRABALHO *DIRETRIZES DE ATENDIMENTO * IDENTIFICAÇÃO ANAMNESE PERDA AUDITIVA RELACIONADA COM O TRABALHO *DIRETRIZES DE ATENDIMENTO * IDENTIFICAÇÃO Data: / / Nº Registro: Tipo de exame: Nome: Documento: Idade: Data Nascimento: / / Sexo: Etnia: Estado civil Endereço:

Leia mais

15ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe

15ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe 15ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe O que é a gripe? A influenza (gripe) é uma infecção viral que afeta principalmente nariz, garganta, brônquios e, ocasionalmente, os pulmões. A infecção

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3 VACINA ANTIALÉRGICA UM TRATAMENTO DE EXCELÊNCIA A imunoterapia é o tratamento preventivo para impedir as reações alérgicas provocadas por substâncias como ácaros

Leia mais

ALERGIAS NA INFÂNCIA

ALERGIAS NA INFÂNCIA ALERGIAS NA INFÂNCIA Tema: Alergias na Infância Objetivos Conceituar alergia, classificar os principais tipos e indutores das doenças alérgicas. Identificar e relacionar os fatores de risco associados

Leia mais

Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A H1N1, Influenza A

Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A H1N1, Influenza A Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A H1N1, Influenza A H3N2 e Influenza B): Relembrando... A gripe é uma doença

Leia mais

Evidências em Otorrinolaringologia. Índice Temático 2014

Evidências em Otorrinolaringologia. Índice Temático 2014 Evidências em Otorrinolaringologia Temático 2014 Temático OTOLOGIA 3 RINOLOGIA 4 BUCO-FARINGO-LARINGOLOGIA 5 MEDICINA DO SONO 6 CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO 7 MEDICINA GERAL 8 http://www.evidenciasemorl.com.br

Leia mais

RILAN UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. SOLUÇÃO NASAL. 20 mg/ml

RILAN UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. SOLUÇÃO NASAL. 20 mg/ml RILAN UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. SOLUÇÃO NASAL 20 mg/ml I) IDENTIFICAÇÃO DO RILAN NASAL 2% SPRAY cromoglicato dissódico FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO RILAN NASAL 2% SPRAY: cartucho com

Leia mais

Tratamento no período inter-crise

Tratamento no período inter-crise 1º Curso Itinerante de Alergia e Imunologia da Sociedade Brasiuleira de Pediatria Salvador - Bahia 07 a 09 de abril de 2011 Avanços no tratamento da alergia respiratória: Tratamento no período inter-crise

Leia mais

ASMA ASMA ASMA SINTOMAS. Page 1

ASMA ASMA ASMA SINTOMAS. Page 1 ASMA SUBSTÂNCIAS IRRITANTES: produtos de limpeza, sprays, tintas, inseticida, perfumes, poluição atmosférica REMÉDIOS:aspirina, certos anti-inflamatórios bloqueadores beta adrenérgicos Asma é uma inflamação

Leia mais

Gripe H1N1 ou Influenza A

Gripe H1N1 ou Influenza A Gripe H1N1 ou Influenza A A gripe H1N1 é uma doença causada por vírus, que é uma combinação dos vírus da gripe normal, da aviária e da suína. Essa gripe é diferente da gripe normal por ser altamente contagiosa

Leia mais

Caracteristicas Clínicas dos Pacientes Alérgicos que Vivem em Cidade de Clima Tropical

Caracteristicas Clínicas dos Pacientes Alérgicos que Vivem em Cidade de Clima Tropical Artigo Original Caracteristicas Clínicas dos Pacientes Alérgicos que Vivem em Cidade de Clima Tropical Clinical Characteristics of Allergic Patients Living in a Topical Climate City Adriano Santana Fonseca*,

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Montelucaste Generis 10 mg Comprimidos Montelucaste de sódio Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento -Conserve este folheto. Pode

Leia mais

Tosse e resfriado comum em crianças e adolescentes

Tosse e resfriado comum em crianças e adolescentes Tosse e resfriado comum em crianças e adolescentes 1. DEFINIÇÂO A tosse é um dos mais frequentes motivos de consultas em unidades de pronto atendimento e impacta em bilhões de dólares gastos anualmente

Leia mais

FADIGA, NEURASTENIA ou. Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo

FADIGA, NEURASTENIA ou. Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo FADIGA, NEURASTENIA ou TRANSTORNOS SOMATOFORMES Paulo Lessa IAMMG Instituto de Acupuntura Médica de Minas Gerais IVN SP Instituto Van Nghi São Paulo Sinais e sintomas relatados por pacientes com fadiga

Leia mais

Ebastel. Bula para paciente. Comprimido revestido. 10 mg

Ebastel. Bula para paciente. Comprimido revestido. 10 mg Ebastel Bula para paciente Comprimido revestido 10 mg EBASTEL ebastina Comprimido revestido FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Embalagens com 10 comprimidos revestidos contendo 10 mg de ebastina USO

Leia mais

Guia de manejo das pessoas com RINITE ALÉRGICA

Guia de manejo das pessoas com RINITE ALÉRGICA Guia de manejo das pessoas com RINITE ALÉRGICA Guia de manejo das pessoas com RINITE ALÉRGICA Elaboração Ana Cristina de Carvalho Fernández Fonseca Corina Toscano Sad Márcia Rocha Parizzi Marisa Lages

Leia mais

Dr. Luis Quintino Hospital da Horta. Horta 24 Acidentes. P Delgada 5 Acidentes

Dr. Luis Quintino Hospital da Horta. Horta 24 Acidentes. P Delgada 5 Acidentes Dr. Luis Quintino Hospital da Horta Horta 24 Acidentes P Delgada 5 Acidentes ANOS: 1992 / 2009 PROVENIÊNCIA Casos Casos 2008 2006 2004 2002 2000 1998 1996 1994 1992 12 10 8 6 4 2 0 Horta Terceira Pico

Leia mais

Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência

Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência 1 - Forte desejo ou compulsão para usar a substância. 2 - Dificuldade em controlar o consumo da substância, em termos de início, término e quantidade.

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR SINGULAIR 4 mg Granulado montelucaste Leia com atenção todo este folheto antes da sua criança tomar este medicamento. - Conserve este folheto. Pode ter

Leia mais

O TRABALHO DAS CENTRAIS DE TELEATENDIMENTO E AS REPERCUSSÕES NA SAÚDE DOS OPERADORES. Profa. Dra. Lys Esther Rocha

O TRABALHO DAS CENTRAIS DE TELEATENDIMENTO E AS REPERCUSSÕES NA SAÚDE DOS OPERADORES. Profa. Dra. Lys Esther Rocha O TRABALHO DAS CENTRAIS DE TELEATENDIMENTO E AS REPERCUSSÕES NA SAÚDE DOS OPERADORES Profa. Dra. Lys Esther Rocha O que é telemarketing? É toda e qualquer atividade desenvolvida através de sistemas de

Leia mais

CONSULTA EM PNEUMOLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM PNEUMOLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM PNEUMOLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Dor torácica 3. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica 4. Nódulo pulmonar 5. Pneumonia Adquirida na Comunidade 6. Tosse

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. SINGULERGY 10 mg comprimidos revestidos por película montelucaste

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. SINGULERGY 10 mg comprimidos revestidos por película montelucaste FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR SINGULERGY 10 mg comprimidos revestidos por película montelucaste APROVADO EM Leia com atenção todo este folheto antes de tomar este medicamento. - Conserve

Leia mais

Conheça alguns mitos e verdades sobre a tosse

Conheça alguns mitos e verdades sobre a tosse Uol - SP 28/04/2015-12:43 Conheça alguns mitos e verdades sobre a tosse Da Redação Tosse pode ser transmitida de pessoa para pessoa. VERDADE: porém, isso só é possível se a tosse for causada por um agente

Leia mais

EDITORIAL EDITORIAL ÍNDICE

EDITORIAL EDITORIAL ÍNDICE EDITORIAL EDITORIAL 1 Sérgio Butka Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba Desde a primeira cartilha lançada pelo Departamento de Saúde do SMC vários problemas que fazem parte do cotidiano

Leia mais

MODELO DE TEXTO DE BULA. FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO FUNED Dexclorfeniramina comprimido de 2 mg - blister com 10 comprimidos.

MODELO DE TEXTO DE BULA. FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO FUNED Dexclorfeniramina comprimido de 2 mg - blister com 10 comprimidos. MODELO DE TEXTO DE BULA FUNED Dexclorfeniramina maleato de dexclorfeniramina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO FUNED Dexclorfeniramina comprimido de 2 mg - blister com 10 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO

Leia mais

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NO ADULTO. Dra. Adriana Vidal Schmidt

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NO ADULTO. Dra. Adriana Vidal Schmidt DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NO ADULTO Dra. Adriana Vidal Schmidt TOSSE Principal queixa respiratória Fumantes não reclamam! Porque vão ao médico por tosse? Prevalência de 3 a 40% Problema terapêutico Thorax

Leia mais

ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO AGO/13

ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO AGO/13 A emergência do Hospital Cristo Redentor é referência para atendimento ao trauma e neurocirurgia, atendendo sob os preceitos de acolhimento com classificação de risco. A classificação de risco deve se

Leia mais

Portuguese Summary. Resumo

Portuguese Summary. Resumo Portuguese Summary Resumo 176 Resumo Cerca de 1 em 100 indivíduos não podem comer pão, macarrão ou biscoitos, pois eles têm uma condição chamada de doença celíaca (DC). DC é causada por uma das intolerâncias

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

Vibrocil ActilongDuo, 0,5 mg/ml + 0,6 mg/ml, solução para pulverização nasal Cloridrato de xilometazolina + Brometo de ipratrópio

Vibrocil ActilongDuo, 0,5 mg/ml + 0,6 mg/ml, solução para pulverização nasal Cloridrato de xilometazolina + Brometo de ipratrópio Folheto informativo: Informação para o utilizador Vibrocil ActilongDuo, 0,5 mg/ml + 0,6 mg/ml, solução para pulverização nasal Cloridrato de xilometazolina + Brometo de ipratrópio Leia com atenção todo

Leia mais

Anexo II. Conclusões científicas e fundamentos para a alteração dos termos das Autorizações de Introdução no Mercado

Anexo II. Conclusões científicas e fundamentos para a alteração dos termos das Autorizações de Introdução no Mercado Anexo II Conclusões científicas e fundamentos para a alteração dos termos das Autorizações de Introdução no Mercado 10 Conclusões científicas Resumo da avaliação científica de Nasonex e nomes associados

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

LORAX lorazepam I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Nome comercial: Lorax Nome genérico: lorazepam

LORAX lorazepam I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Nome comercial: Lorax Nome genérico: lorazepam LORAX lorazepam I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Lorax Nome genérico: lorazepam APRESENTAÇÕES Lorax 1 mg ou 2 mg em embalagens contendo 30 comprimidos. VIA DE ADMINISTRAÇÃO: USO ORAL USO

Leia mais

PROTOCOLO DA RINITE ALÉRGICA

PROTOCOLO DA RINITE ALÉRGICA PROTOCOLO DA RINITE ALÉRGICA RINITE ALÉRGICA Prefeito Municipal Marcio Araujo de Lacerda Secretário Municipal de Saúde Marcelo Gouvêa Teixeira Secretário Municipal Adjunto de Saúde Fabiano Pimenta Júnior

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006

CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA I Curso de Pneumologia na Graduação DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO Carlos Alberto de Assis Viegas Universidade de Brasília Faculdade de Medicina da Bahia

Leia mais

de elite podem apresentar essas manifestações clínicas. ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA

de elite podem apresentar essas manifestações clínicas. ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA ATIVIDADES FÍSICAS E ALERGIA É inquestionável que a melhora na aptidão física, com os conseqüentes benefícios físicos e fisiológicos, permite as pessoas portadoras de reações alérgicas suportar com mais tranqüilidade os seus agravos

Leia mais

ANEXO I - ENPI DEFINIÇÕES DE MCGEER PARA AS INFEÇÕES EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS

ANEXO I - ENPI DEFINIÇÕES DE MCGEER PARA AS INFEÇÕES EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS ANXO I - NPI Nota: Dia 20 de Abril de 2012, após realização de todas as sessões de formação, foram introduzidas pequenas alterações neste protocolo que estão realçadas a sombreado. DFINIÇÕS D MCGR PARA

Leia mais

Aula 12: Doenças do sistema respiratório

Aula 12: Doenças do sistema respiratório Aula 12: Doenças do sistema respiratório Doenças do sistema respiratório Doenças respiratórias são aquelas que atingem órgãos do sistema respiratório (pulmões, boca, faringe, fossas nasais, laringe, brônquios,

Leia mais

Dr. Flavio Serpa Jr.

Dr. Flavio Serpa Jr. Dr. Flavio Serpa Jr. Caso Clínico Identificação: C.J.P.(H-976);Fem.;DN 28/09/86;Parda;Natural de São Paulo. QA e HPMA: Paciente tabagista desde os 10 anos de idade (1 maço/dia);parou de

Leia mais

cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda.

cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO cloridrato

Leia mais

Respiração bucal em pacientes com rinite alérgica: fatores associados e complicações

Respiração bucal em pacientes com rinite alérgica: fatores associados e complicações 06/29-04/183 Rev. bras. alerg. imunopatol. Copyright 2006 by ASBAI ARTIGO ORIGINAL Respiração bucal em pacientes com rinite alérgica: fatores associados e complicações Mouth breathing in patients with

Leia mais

DISFUNÇÕES SEXUAIS MASCULINAS

DISFUNÇÕES SEXUAIS MASCULINAS DISFUNÇÕES SEXUAIS MASCULINAS - Disfunção do desejo - Disfunção das ereções - Disfunção da ejaculação - Disfunção do orgasmo - Doença de Peyronie DISFUNÇÕES SEXUAIS MASCULINAS INTRODUÇÃO DISFUNÇÕES SEXUAIS

Leia mais

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA OBJETIVOS Classificação dos distúrbios do sono Classificação dos distúrbios respiratórios do sono Definições: ronco, ravas (rera),

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 62 Departamentos Científicos SPSP - gestão 2010-2013 Outubro 2012 Departamento de Otorrinolaringologia Obstrução nasal na infância Departamento de Dermatologia Cuidados

Leia mais

Plurair propionato de fluticasona

Plurair propionato de fluticasona Plurair propionato de fluticasona APRESENTAÇÕES Spray nasal contendo suspensão tópica com 50 mcg de propionato de fluticasona em cada dose liberada. Frasco spray nebulizador com 6 ml (equivalente a 60

Leia mais

Disfunção Ocupacional no Transtorno Bipolar

Disfunção Ocupacional no Transtorno Bipolar Disfunção Ocupacional no Transtorno Bipolar Cristiano Alvarez Ambulatório de Transtornos do Humor e Ansiedade PROTH A/HNSL Noite Estrelada Disciplina de Psiquiatria Baseada em Evidências Residência de

Leia mais

Eficácia clínica da imunoterapia nasal comparada com imunoterapia sublingual em pacientes com rinite alérgica

Eficácia clínica da imunoterapia nasal comparada com imunoterapia sublingual em pacientes com rinite alérgica 09/32-01/13 Rev. bras. alerg. imunopatol. Copyright 2009 by ASBAI ARTIGO ORIGINAL Eficácia clínica da imunoterapia nasal comparada com imunoterapia sublingual em pacientes com rinite alérgica Clinical

Leia mais

As principais causas das perdas condutivas são:

As principais causas das perdas condutivas são: Perda auditiva: Existem três partes principais da orelha envolvidas no processo de audição: a orelha externa, a orelha média e a orelha interna. O processo auditivo começa quando as ondas sonoras entram

Leia mais

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites na Criança Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites Quadro Clínico Inflamação de estruturas faríngeas com: Eritema Edema Exsudato faríngeo Úlcera

Leia mais

Condições de saúde dos consumidores

Condições de saúde dos consumidores Condições de saúde dos consumidores Pesquisa global GfK Outubro 2015 1 Pesquisa global GfK: A condição de saúde dos consumidores 1 Metodologia 2 Resultado global 3 Resultado do Brasil 2 Metodologia 3 Abrangência,

Leia mais

A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal. Paulo Pimentel

A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal. Paulo Pimentel A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal Paulo Pimentel Sistema Estomatognático Mastigação, fala, digestão e deglutição Paladar, respiração Defesa e reconhecimento imunológico Estética,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

Gerência de Vigilância em Saúde e Informação Secretaria Municipal de Saúde Informe técnico: Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)

Gerência de Vigilância em Saúde e Informação Secretaria Municipal de Saúde Informe técnico: Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) Nº de amostras Nº casos Gerência de Vigilância em Saúde e Informação VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA: SRAG Em 213, até a SE 3/213, foram notificados 1325 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) sendo

Leia mais

Martins Pereira, S. Moreira, F.; Breda, M.; Pratas, R.; Dias, L. Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial Hospital de Braga

Martins Pereira, S. Moreira, F.; Breda, M.; Pratas, R.; Dias, L. Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial Hospital de Braga Martins Pereira, S. Moreira, F.; Breda, M.; Pratas, R.; Dias, L. Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial Hospital de Braga Introdução Hipertrofia de adenóides e amígdalas como principal

Leia mais

Saúde do Paciente. Dados Referentes à Identificação Pessoal do Paciente e Responsáveis

Saúde do Paciente. Dados Referentes à Identificação Pessoal do Paciente e Responsáveis Exame Clínico Em Ortodontia Dados Referentes à Identificação Pessoal do Paciente e Responsáveis Nome Gênero Dt Data de Nascimento; Pêso Altura; Endereço Telefone (recados); Pai Mãe Profissões Telefones;

Leia mais

Palavra de especialista

Palavra de especialista Palavra de especialista O eczema do bebé: uma urgência terapêutica Dr Jacques Robert Palavra de especialista O eczema do bebé: uma urgência terapêutica L ECZEMA DU NOURRISSON : UNE URGENCE THERAPEUTIQUE

Leia mais