Visões para o Desenvolvimento da Indústria Brasileira de Gás Natural. Marco Tavares

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Visões para o Desenvolvimento da Indústria Brasileira de Gás Natural. Marco Tavares"

Transcrição

1 Visões para o Desenvolvimento da Indústria Brasileira de Gás Natural Marco Tavares Maio de 2014

2 1. CONTEXTO INTERNACIONAL DA INDÚSTRIA DE GÁS NATURAL A IEA Agência Internacional de Energia propôs que a Era do Ouro do Gás Natural chegou, com sua crescente participação na matriz energética mundial, com a explosão da produção norte-americana de gás não convencional, novos reservas como na Austrália e com as recentes descobertas de recursos em outros países, destacando-se o Pré-sal brasileiro e a costa leste africana, que se somam aos desenvolvimentos tecnológicos nas operações de exploração, processamento, transporte e no consumo do Gás. Todos estes fatores conjugados levam a uma expectativa de mudança substancial do quadro de oferta e demanda de gás natural, uma verdadeira Revolução. É notável a mudança provocada no mercado de óleo e gás com a nova dinâmica da produção do shale oil & shale gas nos Estados Unidos e também no Canada e seus impactos no mercado mundial de energia, inclusive com mudanças geopolíticas relevantes vindas da potencial autossuficiência energética dos USA em meados da próxima década. O gás natural já representa 24% do consumo de energia primária do mundo e é a fonte com maior expectativa de crescimento até São grandes as incertezas sobre a extensão da exploração de gás não convencional em todo o mundo, visto a forte dependência da indústria do gás de regulação e de pesados investimentos em infraestrutura. Porém, os números potenciais são estratosféricos, e a China, a Austrália e a Argentina, aparecem com enorme potencial, além dos EUA, Canadá e México. Mesmo na Inglaterra são especuladas que as reservas aproveitáveis podem ser de mais de tcf de gás não convencional. Do lado da demanda, o principal driver tem sido e continuará a ser, o aumento do uso do gás na geração de energia, tanto elétrica quanto para climatização. Outro crescimento importante tem sido o uso do gás e líquidos de gás natural como matéria-prima, com importantes projetos anunciados principalmente nos USA. Outro paradigma que vem sendo quebrado é o grande desenvolvimento do uso do gás natural no setor de transportes, com a substituição do diesel nos veículos pesados utilizando o GNL, e a substituição de gasolina utilizando o GNC, inclusive nos carros híbridos. Já no processamento e no transporte de gás natural, a grande disponibilidade está promovendo o crescimento das tecnologias mais econômicas como a liquefação de grande porte, a liquefação de pequeno porte, o gás comprimido, as unidades modulares e flexíveis de processamento e compressão, além de pesquisas em novas fronteiras como o LNG Lite. Tudo isto irá se refletir na competitividade contrariando no futuro a lógica de preços estritamente regional. O aumento gradativo do comércio mundial através do GNL e o inicio efetivo da exportação em grande volume de EUA/Canada e Austrália, tendem a mudar na segunda metade desta década as lógicas até agora observadas no comportamento de preços do gás natural nas diversas regiões, que tenderão a refletir muito mais as diferenças de custos logísticos para se atingir cada mercado do que exclusivamente as particularidades específicas de cada país. 1

3 Este cenário mundial que se descortina é resultante de quatro elementos diferenciados do gás natural como fonte de energia: é o mais limpo dos combustíveis fósseis, além de uma promessa bastante plausível de ser acessível, confiável, eficiente e abundante. 2. SITUAÇÃO ATUAL DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE GÁS NATURAL O gás natural no Brasil é um setor relativamente novo que se iniciou efetivamente a partir da entrada do gás boliviano em Pelo pequeno período de tempo, ainda é um setor composto por uma estrutura contratual, de logística e de produção que ainda carrega os resíduos de um modelo monopolista anteriores à Lei do Petróleo de Essa situação deve ser enfrentada, na busca de um modelo de competição, fundamental para o desenvolvimento da indústria, fortemente dependente de um gás competitivo. Esta não é uma estrutura somente visualizada na indústria de gás natural mas reflete a situação existente do midstream e downstream do petróleo. O modelo estruturado na Lei do Petróleo de 1998 e repetido na Lei do Gás de 2009, não ousou quebrar a estrutura monopolista existente a não ser na exploração e produção do Petróleo e Gás. Mesmo a visão de uma Agência Reguladora fortalecida foi desestruturada nos últimos anos por uma intensificação de um modelo nacionalista e de altíssima intervenção que contaminou os preços relativos desta indústria. Os dutos de transferência e transporte de petróleo e de derivados, os terminais de importação, exportação ou movimentação interna, as refinarias e os preços dos derivados, são exemplos claros de elementos que são barreiras econômicas efetivas para a entrada de novos agentes neste setor e que são repetidos no gás natural. Nessa indústria, a presença do agente praticamente monopolista na estrutura de produção, logística e na participação em praticamente todas as distribuidoras, deriva em um controle do desenvolvimento do mercado e em uma paralização das iniciativas dos agentes, levando a um aumento da concentração e a uma desistência no desenvolvimento das novas descobertas de gás não associado, além de atrasos / desvios na comercialização do gás do 2

4 Pré Sal. Não é por outro motivo que o volume de gás natural consumido na indústria é praticamente o mesmo de 2007, enquanto a produção industrial bruta teve crescimento. O único setor com aumento de demanda foi termoelétrico, todo baseado em fortes desajustes do modelo usado que causam inúmeros problemas ao mercado. Gás natural não pode ser usado em mercados da dimensão tão pequena como a existente no Brasil em complementariedade a algo que ainda por cima é aleatório como a chuva. Este processo levou a um profundo desajuste do setor, a inibição da nova oferta ao mercado e ao encarecimento deste energético para a indústria. E o futuro? Como isto poderia ser alterado? Teremos oferta suficiente? O mercado de gás natural terá uma explosão de crescimento nos próximos anos no Brasil. O Pré-Sal, rico em gás natural associado ao petróleo, necessitará enviar para a costa o equivalente a novos 50 Mm 3 /d até 2020, volume este superior aos atuais 43 Mm 3 /d de todas as outras bacias produtoras, sendo que cerca de 20 Mm3/d de novos players. Adicionalmente, novos volumes a serem confirmados, poderão elevar a participação dos novos produtores para 25% no total de gás disponibilizado (nacional + importação), mudando drasticamente o ambiente deste setor no Brasil. As novas rodadas da ANP de 2013 incorporaram além disto novos players, ampliando o potencial de negócios neste setor, levando a um cenário como o mostrado na figura a seguir. Tendo em vista a ainda baixa participação do gás natural na matriz energética nacional pode-se afirmar que existe um grande potencial para a expansão da demanda de gás natural no Brasil. Entretanto, a realização plena deste potencial depende substancialmente de algumas mudanças na política energética do país e na estruturação de um plano para o setor do gás. 3

5 3. PROPOSTA PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE GÁS NATURAL Para olhar quais seriam as soluções estruturais para a organização de uma indústria saudável, segue um quadro referência da organização do gás natural em países relevantes: * OC = Óleo Combustível Na avaliação detalhada destes exemplos pode-se depreender que: Os processos de unbundling (separação) societário foram fundamentais para garantir a criação de um mercado competitivo e com novos agentes na cadeia; Desverticalização torna mais eficiente e eleva os investimentos em transporte; Tais processos foram os principais elementos facilitadores da criação de uma competição de gás-gás, que, por sua vez, na condição de oferta abundante, tendem a reduzir o preço final do energético; Para uma estrutura ótima de mercado competitivo de gás natural, conforme nos mostra a experiência de outros países, deveríamos trilhar um caminho que combinasse medidas tanto de ajuste regulatório / ações de política energética como de alguns mecanismos de indução / organização do mercado. Na nossa visão, poderíamos recomendar alguns ajustes fundamentais que se baseiam nos modelos de sucesso de mercado competitivo de gás natural em outros países: 1. Governo indeniza a Petrobras pelos ativos de transporte (gasodutos); 2. Petrobras vende as participações nas Distribuidoras de Gás Canalizado e novos produtores não podem ter mais que 25% de participação e não podem ser operadores destas concessões; 3. Governo licita os ativos de transporte e que foram indenizados a Petrobras em, por exemplo, 5 companhias transportadoras (Sul; SP, RJ/MG, NE e NO/CO) pela menor tarifa; 4. Obrigações dos novos proprietários em expandir a rede; 4

6 5. ANP controla a operação, interconexões e swaps de gás garantindo transparência; 6. Implantação em todos os estados das figuras de Consumidor Livre; 7. Petrobras e os demais produtores passam a cobrar somente pela molécula; 8. Petrobras fica proibida de comprar gás de terceiros produtores enquanto detiver mais que 50% da comercialização de gás natural; 9. Petrobras é obrigada a repassar para comercializadores / distribuidores 50% dos direitos dos contratos de importação porventura existentes até a data; 10. Petrobras reduz participação vertical em térmicas e plantas de fertilizantes para menos que 49%; 11. Enquanto Petrobras detém mais de 50% do mercado é obrigado a ser o produtor de última instância (a semelhança dos processos europeus de desverticalização) garantindo o backup aos novos produtores a custo de oportunidade; 12. Organização de clusters na costa e nas regiões potenciais produtoras de gás onshore para atrair os novos produtores, com incentivos para a criação de novos hubs de gás; 13. Regulamentação do serviço de armazenagem de gás (subterrânea); 14. Novas rodadas da ANP voltadas para gás em terra com incentivos fiscais e compromissos de investimento em gasodutos troncais caso descobertas relevantes de gás natural (acima de 30 bilhões de m3 de gás natural ~~1 trilhão pés cúbicos) Detalhando um pouco o que enxergamos como uma solução para a quebra do dilema Chicken and Egg, colocada no item 12 acima, a sugestão é uma estratégia de organizar clusters de consumos âncora de gás natural, que viabilizassem a primeira infraestrutura de gás natural dos novos produtores: Construção de infraestrutura para trazer gás offshore (do mar) para a costa Dutos de transferência offshore, UPGN s Unidades de Processamento de Gás Natural, logística de escoamento dos líquidos, dutos de transferências radiais na produção onshore; Demanda de gás ancorada em: o Projetos Térmicos a serem indicados pelo setor elétrico, o Projetos Químicos e Petroquímicos considerando estratégia de complexos, o Grandes projetos estruturantes (mineração, siderurgia, alumínio, etc..) próximos à costa ou à produção onshore futura. Preços de gás obtidos através de leilões com participação de vários produtores e esquemas organizados de back up de gás (solução para eventuais problemas operacionais de suprimento de gás). 5

7 Considerações Finais O Brasil tem uma enorme oportunidade para desenvolver uma indústria competitiva de Gás Natural. Os elementos estão dados Oferta Potencial e Demanda Potencial. Precisamos buscar um CHOQUE DE OFERTA do Gás Natural no Brasil, para não perdermos a competitividade industrial frente aos movimentos internacionais que estão se consolidando a partir da nova realidade de gás não convencional (EUA, China, Austrália, etc...) Não são simples as medidas a serem tomadas, mas o diagnóstico do setor há tempos está feito e o que não nos parece haver no momento é uma Política Energética que esteja em execução, nem o diagnóstico correto e, consequentemente, nem as medidas em implementação. Está na hora de entrarmos nesta corrida para participarmos da ERA DE OURO DO GÁS NATURAL (The Golden Age of Natural Gas Agência Internacional de Energia). 6

O Gás Não Convencional no Brasil e no Mundo

O Gás Não Convencional no Brasil e no Mundo O Gás Não Convencional no Brasil e no Mundo Sylvie D Apote Sócia-Diretora, Gas Energy 14ºEncontro de Energia da FIESP São Paulo, 05-06 de Agosto de 2013 Gas Energy S.A. A GAS ENERGY S.A. é uma empresa

Leia mais

Gás Natural no Brasil Uma Indústria em Transformação. Workshop COMERC / GAS ENERGY 03 de Outubro de 2012

Gás Natural no Brasil Uma Indústria em Transformação. Workshop COMERC / GAS ENERGY 03 de Outubro de 2012 Gás Natural no Brasil Uma Indústria em Transformação Workshop COMERC / GAS ENERGY 03 de Outubro de 2012 2 GRUPO GAS ENERGY Estrutura do Grupo Negócios Diversificados na Cadeia de Oil&Gas Conselho Consultivo

Leia mais

NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL

NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL Publicação da Área de Negócios de Gás & Energia da Petrobras ÍNDICE Capítulo 01 Panorama da indústria gasífera

Leia mais

Gás Natural - Oportunidades de Crescimento Carlos Gomes da Silva Presidente da AGN Novembro 2014

Gás Natural - Oportunidades de Crescimento Carlos Gomes da Silva Presidente da AGN Novembro 2014 Gás Natural - Oportunidades de Crescimento Carlos Gomes da Silva Presidente da AGN Novembro 214 Procura de energia crescerá 32% até 235 O consumo de GN aumentará 42% reforçando o seu peso relativo no cabaz

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Shale gas é visto hoje como a energia do século XXI, aquela que nos ajudará na transição para uma matriz energética mais limpa. 1. Histórico 1825 - Primeira

Leia mais

Repensando a matriz brasileira de combustíveis

Repensando a matriz brasileira de combustíveis 1 Repensando a matriz brasileira de combustíveis Marcos Sawaya Jank Conselheiro do CDES A matriz energética brasileira se destaca pela grande incidência de fontes renováveis... Ao longo desta década, a

Leia mais

GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO!

GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO! GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO! 14º Encontro de Energia FIESP Matriz Segura e Competitiva Luis Henrique Guimarães São Paulo, 5 de agosto de 2013 1 AGENDA Princípios que norteiam a apresentação O que é Preço

Leia mais

Situação de Oferta e Demanda de Gás Natural no Cone Sul

Situação de Oferta e Demanda de Gás Natural no Cone Sul Situação de Oferta e Demanda de Gás Natural no Cone Sul Prof. Dr. Edmilson Moutinho dos Santos e Flávio Fernandes Congresso Latino-americano GAS SUMMIT São Paulo-SP Maio/2004 1 Tendência Mundial (IEA,

Leia mais

PETRÓLEO E GÁS NATURAL

PETRÓLEO E GÁS NATURAL PANORAMA DOS MERCADOS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL NO BRASIL E NO MUNDO* Ivan Magalhães Júnior** * Novembro de 2004. ** Engenheiro da Área de Planejamento do BNDES. PETRÓLEO E GÁS NATURAL Resumo O objetivo

Leia mais

Brasil como agente global em negociações energéticas

Brasil como agente global em negociações energéticas Brasil como agente global em negociações energéticas Profa. Amalia del Carmen Casas de las Peñas del Corral IBMEC Negociações Internacionais UERJ - Direito do Petróleo MERCADOS INTERNACIONAIS Preços e

Leia mais

Infra-estrutura de Transporte de Gás Natural no Brasil

Infra-estrutura de Transporte de Gás Natural no Brasil Infra-estrutura de Transporte de Gás Natural no Brasil Melissa Cristina Mathias Agência Nacional do Petróleo - Brasil VI Reunião Anual da Associação Ibero-Americana de Entidades Reguladoras de Energia

Leia mais

A evolução do GN como fonte energética Roteiro do GNL no Transporte Rodoviário de Mercadorias em Portugal António Pires Director Executivo da AGN

A evolução do GN como fonte energética Roteiro do GNL no Transporte Rodoviário de Mercadorias em Portugal António Pires Director Executivo da AGN A evolução do GN como fonte energética Roteiro do GNL no Transporte Rodoviário de Mercadorias em Portugal António Pires Director Executivo da AGN Dezembro 215 Procura de energia crescerá 32% até 235 O

Leia mais

Plano de Negócios 2011-2015

Plano de Negócios 2011-2015 PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Companhia Aberta FATO RELEVANTE Plano de Negócios 2011-2015 Rio de Janeiro, 22 de julho de 2011 Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras comunica que seu Conselho de Administração

Leia mais

Mercado de Gás Natural: Evolução e Desafios

Mercado de Gás Natural: Evolução e Desafios Mercado de Gás Natural: Evolução e Desafios APIMEC Agosto 2011 Gás Natural : Conceitos Campos Gás Natural Gás Associado É aquele que, no reservatório, está dissolvido no óleo ou sob forma de capa de gás.

Leia mais

Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento

Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento Agosto/2009 SDS Edifício Eldorado salas 106/109 CEP 70392-901 Brasília DF Telefax: (61) 3225-2288 E-mail: fneng@fne.org.br

Leia mais

Colaborador: Myller Kairo Coelho de Mesquita. Data: 28/04/2012. Compartilhamento de infraestrutura de transporte de gás natural

Colaborador: Myller Kairo Coelho de Mesquita. Data: 28/04/2012. Compartilhamento de infraestrutura de transporte de gás natural Colaborador: Myller Kairo Coelho de Mesquita. Data: 28/04/2012 Compartilhamento de infraestrutura de transporte de gás natural Gás natural: todo hidrocarboneto que permaneça em estado gasoso nas condições

Leia mais

Congresso Minas Petro

Congresso Minas Petro Belo Horizonte / MG - 25 e 26 de Outubro Congresso Minas Petro IX Congresso de Postos Revendedores de Combustíveis de Minas Gerais Painel de Debates sobre Perspectivas da Revenda diante da nova Matriz

Leia mais

PARTICIPAÇÕES CRUZADAS NA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE GÁS NATURAL

PARTICIPAÇÕES CRUZADAS NA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE GÁS NATURAL PARTICIPAÇÕES CRUZADAS NA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE GÁS NATURAL Superintendência de Comercialização e Movimentação de Gás Natural - SCG/ANP * Fevereiro / 2002 1. INTRODUÇÃO A indústria de gás natural, assim

Leia mais

Segunda Rodada de Licitações

Segunda Rodada de Licitações Segunda Rodada de Licitações Aspectos Legais Sônia Maria Agel da Silva Procuradora Geral Agência Nacional do Petróleo Contrato de Concessão Modelo do Contrato de Concessão desenvolvido baseado em: Disposições

Leia mais

Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP

Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP Formação Atual do Preço do Gás Natural no Brasil Superintendência de Comercialização e Movimentação de Petróleo, seus Derivados e Gás Natural SCM Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis

Leia mais

Agenda - 2012: Acompanhamento & Monitoramento da política pública de petróleo e gás

Agenda - 2012: Acompanhamento & Monitoramento da política pública de petróleo e gás REFERÊNCIAS PETRÓLEO E GÁS NATURAL 3ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO-CONSUMIDOR E ORDEM ECONÔMICA SAFS Q. 4 Cj. C Bl. B S/ 301; Brasília/DF, CEP 70050-900, (61)3105-6028 http://3ccr.pgr.mpf.gov.br/, 3camara@pgr.mpf.gov.br

Leia mais

Por: Pedro Arlindo, Anabela Mabota, António Paulo, Cynthia Donovan e David Tschirley 1

Por: Pedro Arlindo, Anabela Mabota, António Paulo, Cynthia Donovan e David Tschirley 1 24 de Março de 2004 flash No 38 P Resultados das Pesquisas do SIMA-DEST e Departamento de Análise de Políticas MADER-Direcção de Economia Mudanças nos Padrões de Consumo na Zona Sul: Que Opções Alimentares

Leia mais

A LEI DO GÁS E OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO MERCADO LIVRE DE GÁS NATURAL NO BRASIL

A LEI DO GÁS E OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO MERCADO LIVRE DE GÁS NATURAL NO BRASIL A LEI DO GÁS E OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO MERCADO LIVRE DE GÁS NATURAL NO BRASIL Guilherme Augusto Duarte de Faria¹ Natália Peixoto Calijorne² Stefani Ferreira de Matos³ ¹ Bacharel em administração

Leia mais

Inteligência Tecnológica

Inteligência Tecnológica Cenários Tecnológicos Vale Inteligência Tecnológica Gestão de Tecnologia e Propriedade Intelectual Diretoria de Tecnologia e Inovação 2014 Agenda Quem somos? Gestão de Tecnologia e Propriedade Intelectual

Leia mais

Retomada do mercado do GNV: Principais Benefícios

Retomada do mercado do GNV: Principais Benefícios Retomada do mercado do GNV: Principais Benefícios Professor Edmar de Almeida Grupo de Economia da Energia Instituto de Economia UFRJ PLANO DA APRESENTAÇÃO Contexto atual do mercado de GNV no Brasil Oportunidades

Leia mais

Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis

Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis 4 e 5 de junho de 2007 World Trade Center São Paulo, Brasil SÃO PAULO ETHANOL SUMMIT Novas Fronteiras do Etanol: Desafios da Energia no Século 21 Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis Arnaldo Walter

Leia mais

Integração gasífera na América do Sul sonho impossível?

Integração gasífera na América do Sul sonho impossível? Integração gasífera na América do Sul sonho impossível? Mercado de Gás na América do Sul Ieda Gomes Energix Strategy Ltd. 5 de agosto de 2013 Definição de mercado e competição George Stigler, define mercado

Leia mais

A INDÚSTRIA PETROQUÍMICA BRASILEIRA NA COMPETICÃO GLOBAL. Salvador, Bahia Setembro de 2014.

A INDÚSTRIA PETROQUÍMICA BRASILEIRA NA COMPETICÃO GLOBAL. Salvador, Bahia Setembro de 2014. A INDÚSTRIA PETROQUÍMICA BRASILEIRA NA COMPETICÃO GLOBAL Salvador, Bahia Setembro de 2014. 1 A INDÚSTRIA PETROQUÍMICA BRASILEIRA NA COMPETICÃO GLOBAL Agenda MaxiQuim: quem somos. Competitividade na petroquímica

Leia mais

Painel: O Papel do Gás Natural na Matriz Energética Brasileira

Painel: O Papel do Gás Natural na Matriz Energética Brasileira Painel: O Papel do Gás Natural na Matriz Energética Brasileira Sylvie D Apote Sócia-Diretora Mesa Redonda sobre Energia no Brasil O início de uma nova era energética? Rio de Janeiro, 23 de outubro de 2015

Leia mais

Avaliação da regulação da distribuição de gás natural no Estado de São Paulo e uma proposta para o terceiro ciclo tarifário, em 2009, da Comgás

Avaliação da regulação da distribuição de gás natural no Estado de São Paulo e uma proposta para o terceiro ciclo tarifário, em 2009, da Comgás Avaliação da regulação da distribuição de gás natural no Estado de São Paulo e uma proposta para o terceiro ciclo tarifário, em 2009, da Comgás Paulo Henrique de Mello Sant Ana. E-mail: phsantana@fem.unicamp.br

Leia mais

AES TIETÊ DAY. 17 de junho de 2011

AES TIETÊ DAY. 17 de junho de 2011 AES TIETÊ DAY 17 de junho de 2011 Manutenção e Modernização Manutenção e modernização do parque gerador Objetivos Assegurar a capacidade de geração de energia e a continuidade das operações Cumprir as

Leia mais

Causas, consequências e busca de soluções para os atrasos em projetos de novos empreendimentos de geração

Causas, consequências e busca de soluções para os atrasos em projetos de novos empreendimentos de geração Texto de Discussão do Setor Elétrico: TDSE 33 Causas, consequências e busca de soluções para os atrasos em projetos de novos empreendimentos de geração Nivalde J. de Castro Roberto Brandão Rio de Janeiro

Leia mais

POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL

POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL POLÍTICA DE PREÇOS PARA O GÁS NATURAL NO BRASIL GRUPO DE TRABALHO Coordenação: GEOBERTO ESPÍRITO SANTO VICE-PRESIDENTE DE PLANEJAMENTO ENERGÉTICO Rio de Janeiro, 1 de junho de 2012. PLANO DECENAL DE EXPANSÃO

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 A Petrobras comunica que seu Conselho de Administração aprovou o Plano Estratégico Petrobras 2030 (PE 2030) e o Plano de Negócios

Leia mais

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012 +Gás Brasil A energia que pode revolucionar a economia brasileira São Paulo, 17 de Outubro de 2012 A hora do gás na agenda nacional Mudanças tecnológicas, econômicas e políticas globais e locais impõem

Leia mais

2. QUATRO CENÁRIOS PARA O RIO GRANDE DO NORTE

2. QUATRO CENÁRIOS PARA O RIO GRANDE DO NORTE 2. QUATRO CENÁRIOS PARA O RIO GRANDE DO NORTE 35 1 Este capítulo apresenta uma síntese de quatro cenários prospectivos elaborados pelo Mais RN. O documento completo, contendo o detalhamento dessa construção,

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 Plano Nacional de Energia 2030 Gás Natural Brasília, 13 de julho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Gás Natural Roteiro Observações Iniciais Gás Natural no Mundo Gás Natural no Brasil Expansão da Geração

Leia mais

Edição 39 (Março/2014)

Edição 39 (Março/2014) Edição 39 (Março/2014) Cenário Econômico: Governo atrasa pagamentos para melhorar situação fiscal Para tornar os dados de fevereiro melhores, governo atrasou os pagamentos às construtoras dos imóveis do

Leia mais

Introdução do GNL na Matriz Energética do Setor Elétrico Brasileiro

Introdução do GNL na Matriz Energética do Setor Elétrico Brasileiro BG Group Introdução do GNL na Matriz Energética do Setor Elétrico Brasileiro Seminário ABRAGET 2007 Luiz Costamilan Rio de Janeiro, 26 de Abril de 2007 Agenda Introdução: Grupo BG Mercado Global de GNL

Leia mais

MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO A QGEP Participações iniciou o ano de 2011 com uma sólida posição financeira. Concluímos com sucesso a nossa oferta pública inicial de ações em fevereiro, com uma captação líquida

Leia mais

Energia em busca de alternativas renováveis 1

Energia em busca de alternativas renováveis 1 Energia em busca de alternativas renováveis 1 Nivalde José de Castro Roberto Brandão Guilherme de A. Dantas Pergunta: É possível haver equilíbrio em um quadro de alta do petróleo, custos pouco atrativos

Leia mais

1.1. Contextualização do problema

1.1. Contextualização do problema 1 Introdução O setor de Petróleo & Gás apresentou nos últimos anos um crescimento vertiginoso no Brasil. Como consequência, o ambiente competitivo das empresas prestadoras de serviços deste segmento tem

Leia mais

PARNAÍBA GÁS NATURAL. Brazil Energy and Power - Setembro 2015

PARNAÍBA GÁS NATURAL. Brazil Energy and Power - Setembro 2015 PARNAÍBA GÁS NATURAL Brazil Energy and Power - Setembro 2015 QUEM SOMOS A PGN é uma empresa independente de E&P, que opera em sete campos e sete blocos exploratórios na Bacia do Parnaíba, no Maranhão Meta

Leia mais

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional Brasília, 18 de setembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional Exmas. Sras. Senadoras e Deputadas

Leia mais

PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DO SETOR PETRÓLEO E GÁS NO BRASIL. Helder Queiroz Pinto Jr Mariana Iootty

PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DO SETOR PETRÓLEO E GÁS NO BRASIL. Helder Queiroz Pinto Jr Mariana Iootty PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DO SETOR PETRÓLEO E GÁS NO BRASIL Helder Queiroz Pinto Jr Mariana Iootty TÓPICOS PARA DISCUSSÃO PANORAMA INTERNACIONAL DA INDÚSTRIA DE PETRÓLEO E DE GÁS: SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Perspectivas Regulatórias para o Gás Natural

Perspectivas Regulatórias para o Gás Natural Perspectivas Regulatórias para o Gás Natural Eduardo Tinoco Superintendência de Comercialização e Movimentação de Gás Natural Agência Nacional do Petróleo Constituição Federal Art. 177, Inciso III: a importação

Leia mais

Desafios para o planejamento e a regulação do mercado de biocombustíveis

Desafios para o planejamento e a regulação do mercado de biocombustíveis VIII CBPE Congresso Brasileiro de Planejamento Energético Curitiba, agosto de 2012 Mesa Redonda: Fronteiras agro-energéticas Desafios para o planejamento e a regulação do mercado de biocombustíveis L.

Leia mais

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 De acordo com os procedimentos estabelecidos no Regulamento Tarifário foi submetida, em outubro, à apreciação do Conselho Tarifário, da Autoridade

Leia mais

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin Panorama do Mercado Brasileiro Richard Nicolas De Jardin Linha do Tempo Falta de Infraestrutura Poucos Postos Segmento de Taxi Privatizações Crescimento da Infraestrutura Novos mercados Aumento das Vendas

Leia mais

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Nos termos regulamentarmente previstos, o Conselho de Administração da ERSE apresenta, a 15 de outubro de cada ano, uma proposta

Leia mais

1 Política Energética: Abrangência, Consistência, Dilemas e Desafios. 3. 2 A Modernização Dependente da Reforma Energética Brasileira...

1 Política Energética: Abrangência, Consistência, Dilemas e Desafios. 3. 2 A Modernização Dependente da Reforma Energética Brasileira... Sumário Parte I - Política Energética & Regulação 1 1 Política Energética: Abrangência, Consistência, Dilemas e Desafios. 3 2 A Modernização Dependente da Reforma Energética Brasileira... 13 3 Mudança

Leia mais

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL BIODIESEL O que é? O biodiesel pode ser produzido a partir de qualquer óleo vegetal - tal como soja, girassol, canola, palma ou mamona -, assim como a partir de gordura

Leia mais

Tendências do Mercado de Petróleo e Gás no Brasil

Tendências do Mercado de Petróleo e Gás no Brasil Tendências do Mercado de Petróleo e Gás no Brasil Adriano Pires Comissão de Infraestrutura do Senado Federal 31/08/2009 1 Tópicos Evolução da Matriz Energética Mercado de Petróleo e Derivados Mercado de

Leia mais

Oportunidades e Riscos

Oportunidades e Riscos 2.4b INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. 1 MOTIVOS (ou VANTAGENS)

Leia mais

Pré-sal: A nova era do petróleo no Brasil. Helder Queiroz Diretor

Pré-sal: A nova era do petróleo no Brasil. Helder Queiroz Diretor Pré-sal: A nova era do petróleo no Brasil Helder Queiroz Diretor Agosto 2013 Agenda 1 2 3 4 Evolução recente do setor de O&G no Brasil Pré-Sal: Desafios e Oportunidades Rodadas de Licitação Considerações

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO 1 A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 Cleidi Dinara Gregori 2 RESUMO Este artigo tem como objetivo analisar a evolução do investimento externo direto, também conhecido

Leia mais

O CONTEXTO QUE PROPRICIOU A PUBLICAÇÃO DA NOVA LEI DO GÁS E OS SEUS PROBLEMAS

O CONTEXTO QUE PROPRICIOU A PUBLICAÇÃO DA NOVA LEI DO GÁS E OS SEUS PROBLEMAS O CONTEXTO QUE PROPRICIOU A PUBLICAÇÃO DA NOVA LEI DO GÁS E OS SEUS PROBLEMAS Aron Abrahão Moreira - UFRN 1 Yanko Marcius de Alencar Xavier - UFRN 2 RESUMO A regulação setorial do gás natural, que se deu

Leia mais

1.6 Têxtil e Confecções. Diagnóstico

1.6 Têxtil e Confecções. Diagnóstico 1.6 Têxtil e Confecções Diagnóstico A indústria de artigos têxteis e confecções é marcada atualmente pela migração da produção em busca de mão-de-obra mais barata ao redor do mundo, facilitada pela baixa

Leia mais

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja.

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Maria Helena M. Rocha Lima Nilo da Silva Teixeira Introdução Quais os fatores

Leia mais

De olho no futuro. 10Minutos Energia

De olho no futuro. 10Minutos Energia 10Minutos Energia Como ganhar impulso no processo de transformação energética De olho no futuro Julho de 2015 Destaques Megatendências e disrupções estão tendo impactos profundos nas estratégias e no papel

Leia mais

Os desafios do Brasil na próxima década Magda Chambriard Diretora-Geral

Os desafios do Brasil na próxima década Magda Chambriard Diretora-Geral Os desafios do Brasil na próxima década Magda Chambriard Diretora-Geral Rio Oil & Gas 2014 Rio de Janeiro, 15 de setembro 2014. 1 Cenário Mundial 2 Cenário Brasil 3 Perspectivas 10 anos Brasil 4 Considerações

Leia mais

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Josué Gomes da Silva IEDI Seminário Internacional: A Hora e a Vez da Política de Desenvolvimento Produtivo BNDES / CNI CEPAL / OCDE 22/09/2009

Leia mais

As relações Rússia e China na primeira década do século XXI 1

As relações Rússia e China na primeira década do século XXI 1 Universidade do Vale do Itajaí Curso de Relações Internacionais LARI Laboratório de Análise de Relações Internacionais Região de Monitoramento: Rússia LARI Fact Sheet Agosto/Setembro de 2010 As relações

Leia mais

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024 As projeções de produção de cana, açúcar e etanol para a safra 2023/24 da Fiesp/MB Agro No Brasil, a cana-de-açúcar experimentou um forte ciclo de crescimento da produção na década passada. A aceleração

Leia mais

O Pré-Sal Brasileiro: Relevância para o Brasil e para o Mundo

O Pré-Sal Brasileiro: Relevância para o Brasil e para o Mundo O Pré-Sal Brasileiro: Relevância para o Brasil e para o Mundo Sylvie D Apote, Sócia-Diretora, 7mo. CONGRESO INTERNACIONAL BOLIVIA GAS & ENERGÍA 2014 Santa Cruz de la Sierra, 20-21 Agosto 2014 AGENDA O

Leia mais

Interface Gás Natural Energia Elétrica: o Papel do Gás Natural. Guilherme de Biasi Cordeiro Superintendência de Comercialização e Movimentação (ANP)

Interface Gás Natural Energia Elétrica: o Papel do Gás Natural. Guilherme de Biasi Cordeiro Superintendência de Comercialização e Movimentação (ANP) Interface Gás Natural Energia Elétrica: o Papel do Gás Natural Guilherme de Biasi Cordeiro Superintendência de Comercialização e Movimentação (ANP) Contexto Energético Escassez no Brasil, abundância no

Leia mais

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito

Leia mais

Desenvolvimento da Indústria de Óleo & Gás: os próximos 10 anos. O Programa Exploratório

Desenvolvimento da Indústria de Óleo & Gás: os próximos 10 anos. O Programa Exploratório Desenvolvimento da Indústria de Óleo & Gás: os próximos 10 anos O Programa Exploratório Magda Chambriard Diretora Geral XII Seminário Internacional de Britcham de Energia Rio de Janeiro, 7 de agosto de

Leia mais

UM NOVO MAPA DA INDÚSTRIA GLOBAL

UM NOVO MAPA DA INDÚSTRIA GLOBAL UM NOVO MAPA DA INDÚSTRIA GLOBAL Raul Sturari (*) Maio de 2013 Nas últimas décadas, os países centrais (EUA e UE) deslocaram grande parte de sua indústria manufatureira para países da Ásia, em especial

Leia mais

INDICADORES EM ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE PARA A CADEIA PRODUTIVA DE GÁS NATURAL

INDICADORES EM ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE PARA A CADEIA PRODUTIVA DE GÁS NATURAL INDICADORES EM ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE PARA A CADEIA PRODUTIVA DE GÁS NATURAL Pedro Duarte Filho 1 José Marta Filho 2 Resumo O setor energético de gás natural vem crescendo rapidamente e tornando-se

Leia mais

Escola Portuguesa de Macau

Escola Portuguesa de Macau Escola Portuguesa de Macau Disciplina de Física e Química A Relatório da Visita de Estudo à Companhia de Electricidade de Macau realizada em 19 de Março de 2010 ELABORAÇÃO: Magda Wu de Vasconcelos e Sá

Leia mais

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade Artigo por: Suani T Coelho, Javier Escobar Como implementar a Biomassa na Matriz Energética Brasileira? 1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade O tema das energias renováveis na matriz

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL Cintia de Souza Oliveira 8662479 Karina Siqueira 8658676 Verônica Carvalho

Leia mais

Transcrição da Teleconferência Resultados do 2T08 Lupatech (LUPA3 BZ) 18 de agosto de 2008

Transcrição da Teleconferência Resultados do 2T08 Lupatech (LUPA3 BZ) 18 de agosto de 2008 Operadora: Bom dia, senhoras e senhores. Sejam bem-vindos à teleconferência dos resultados referentes ao 2T08 da Lupatech. Estão presentes conosco o Sr. Nestor Perini, Diretor Presidente, e o Sr. Thiago

Leia mais

Cetip. Perfil da unidade de financiamentos

Cetip. Perfil da unidade de financiamentos Cetip Perfil da unidade de financiamentos índice Apresentação 4 Atuação 6 História 8 Linha do Tempo 10 Estrutura Organizacional 12 Segurança e Tecnologia 14 Produtos e Serviços - Unidade de Financiamentos

Leia mais

PRINCIPAIS TÓPICOS INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES PRODUÇÃO TRANSPORTE PLANTAS DE PROCESSAMENTO APLICAÇÕES NOVAS TECNOLOGIAS

PRINCIPAIS TÓPICOS INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES PRODUÇÃO TRANSPORTE PLANTAS DE PROCESSAMENTO APLICAÇÕES NOVAS TECNOLOGIAS SEMINÁRIO SOBRE GÁS PRINCIPAIS TÓPICOS INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES PRODUÇÃO TRANSPORTE PLANTAS DE PROCESSAMENTO APLICAÇÕES NOVAS TECNOLOGIAS Introdução Consumo Percentual de Energia Primária no Mundo 1974 1998

Leia mais

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP I WORSHOP SETORIAL DE AVALIAÇÃO DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP OUTUBRO / 2009 1 I..

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

Conselho Estadual de Petróleo e Gás Natural

Conselho Estadual de Petróleo e Gás Natural Conselho Estadual de Petróleo e Gás Natural Programa Paulista de Petróleo e Gás Natural Antonio Henrique Gross Subsecretaria de Petróleo e Gás - Secretaria de Energia 8ª Reunião 06 de Dezembro de 2011

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO Resultados Financeiros e Operacionais 30 de junho de 2015 1 Disclaimer As afirmações contidas neste documento relacionadas a perspectivas sobre os negócios, projeções sobre

Leia mais

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 ARTIGOS Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 Fabiana Karine S. Andrade* Os investimentos industriais

Leia mais

TIGRES ASIÁTICOS e CHINA

TIGRES ASIÁTICOS e CHINA TIGRES ASIÁTICOS e CHINA China Muito importante economicamente para o Brasil e para o mundo. Em muitos produtos vimos escrito: Made In China. O que os produtos chineses podem acarretar à produção dos mesmos

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 10/2013

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 10/2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 10/2013 Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2013-2014 e Parâmetros para o Período de Regulação 2013-2016 O Regulamento Tarifário do

Leia mais

A Integração Energética Brasil-Argentina: Oportunidades e Desafios 1

A Integração Energética Brasil-Argentina: Oportunidades e Desafios 1 A Integração Energética Brasil-Argentina: Oportunidades e Desafios 1 Nivalde José de Castro 2 Guilherme Dantas 3 Rubens Rosental 4 A internacionalização crescente da economia global tem estimulado a formação

Leia mais

OUTLOOK 2012. Lisboa, 29 de Maio de 2008. Carlos Nuno Gomes da Silva

OUTLOOK 2012. Lisboa, 29 de Maio de 2008. Carlos Nuno Gomes da Silva OUTLOOK 2012 Lisboa, 29 de Maio de 2008 Carlos Nuno Gomes da Silva DISCLAIMER Esta apresentação contém declarações prospectivas ( forward looking statements ), no que diz respeito aos resultados das operações

Leia mais

Transcrição da Teleconferência Resultados do 4T12 Contax (CTAX4 BZ) 26 de fevereiro de 2013. Tales Freire, Bradesco:

Transcrição da Teleconferência Resultados do 4T12 Contax (CTAX4 BZ) 26 de fevereiro de 2013. Tales Freire, Bradesco: Tales Freire, Bradesco: Bom dia a todos. Eu sei que a Companhia é bastante criteriosa para definir algum tipo de despesa como não recorrente, mas observando o resultado, vimos que outras despesas operacionais

Leia mais

ESCO COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ESCO COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ESCO COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Ralf Majevski Santos 1 Flávio Tongo da Silva 2 ( 1 Ralf_majevski@yahoo.com.br, 2 ftongo@bitavel.com) Fundamentos em Energia Professor Wanderley

Leia mais

ENERGIA XXI O FUTURO DO SETOR ELÉTRICO

ENERGIA XXI O FUTURO DO SETOR ELÉTRICO SEMINÁRIO ENERGIA XXI O FUTURO DO SETOR ELÉTRICO 5 de novembro de 2015 DISCURSO DE ABERTURA Prof. Vítor Santos Gostaria de começar por agradecer a presença de todos e o interesse por esta iniciativa da

Leia mais

Soluções Energéticas

Soluções Energéticas Soluções Energéticas A EMPRESA DE ENERGIA QUE O BRASIL CONFIA Utilizar a energia de forma eficiente é um desafio mundial. E onde tem desafio, tem Petrobras, realizando grandes investimentos em tecnologia

Leia mais

Nota Técnica n o 201 /SAB. Rio de Janeiro, 1 de agosto de 2014

Nota Técnica n o 201 /SAB. Rio de Janeiro, 1 de agosto de 2014 Nota Técnica n o 201 /SAB Rio de Janeiro, 1 de agosto de 2014 Assunto: Formação e manutenção de estoques semanais médios de GLP pelo produtor/importador e distribuidor. 1. INTRODUÇÃO 1.1. A presente Nota

Leia mais

A Distribuidora do Futuro e a Expansão do Mercado Livre

A Distribuidora do Futuro e a Expansão do Mercado Livre A Distribuidora do Futuro e a Expansão do Mercado Livre Luiz Barroso luiz@psr-inc.com 7º Encontro Anual do Mercado Livre, Novembro de 2015 1 Temário Contexto e propostas Solucionando o passado: Passivos

Leia mais

Pré-Sal: Desafios e Oportunidades Tecnológicas

Pré-Sal: Desafios e Oportunidades Tecnológicas Pré-Sal: Desafios e Oportunidades Tecnológicas Aloisio Nóbrega Superintendente ONIP CCT do Senado Federal Outubro de 2008 Introdução Província Pré-Sal Fonte: Petrobras Situação da Perfuração dos Poços

Leia mais

CHINA e TIGRES ASIÁTICOS

CHINA e TIGRES ASIÁTICOS CHINA e TIGRES ASIÁTICOS Os Tigres Asiáticos Hong kong Os Novos Tigres Asiáticos FAZEM PARTE DOS TIGRES ASIÁTICOS 1º GERAÇÃO ( DÉCADA DE 1970) CINGAPURA, CORÉIA DO SUL, HONG KONG, MALÁSIA E FORMOSA (TAIWAN)

Leia mais

Experiência: VIABILIZANDO O NEGÓCIO DE TRANSPORTE MARÍTIMO NO SISTEMA PETROBRAS

Experiência: VIABILIZANDO O NEGÓCIO DE TRANSPORTE MARÍTIMO NO SISTEMA PETROBRAS Experiência: VIABILIZANDO O NEGÓCIO DE TRANSPORTE MARÍTIMO NO SISTEMA PETROBRAS PETROBRAS TRANSPORTE S.A TRANSPETRO FROTA NACIONAL DE PETROLEIROS FRONAPE EQUIPE : Celso Luiz S. Pereira de Souza Superintendente

Leia mais

NOTA CEMEC 07/2015 FATORES DA DECISÃO DE INVESTIR DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS UM MODELO SIMPLES

NOTA CEMEC 07/2015 FATORES DA DECISÃO DE INVESTIR DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS UM MODELO SIMPLES NOTA CEMEC 07/2015 FATORES DA DECISÃO DE INVESTIR DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS UM MODELO SIMPLES Setembro de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões de compra

Leia mais

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS Eliminação de Barreiras à livre Prestação de Serviços Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Esquema 1. PORTUGAL- UMA ESPECIALIZAÇÃO COM

Leia mais

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS (ELETRICIDADE E GÁS NATURAL) Contexto Regulamentar O enquadramento legal decorre da implementação do designado "Terceiro Pacote Energético", da União Europeia, do qual fazem

Leia mais

AV: Carlos Gomes de sá, nº335, sala 101, ED. Centro Empresarial Plus Office Mata da Praia - Vitória - ES Cep: 29066-040 Tel: + 55 27 2104-0845 /

AV: Carlos Gomes de sá, nº335, sala 101, ED. Centro Empresarial Plus Office Mata da Praia - Vitória - ES Cep: 29066-040 Tel: + 55 27 2104-0845 / SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 JUSTIFICATIVA 04 OBJETIVO 05 OBJETIVO ESPECÍFICO 05 PÚBLICO ALVO 06 RESULTADOS ESPERADOS 08 TURISMO CAPIXABA 09 LOCAL DO EVENTO 10 PROGRAMAÇÃO 10 DADOS DA INSTITUIÇÃO REALIZADORA

Leia mais