1.1. Contextualização do problema

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1.1. Contextualização do problema"

Transcrição

1 1 Introdução O setor de Petróleo & Gás apresentou nos últimos anos um crescimento vertiginoso no Brasil. Como consequência, o ambiente competitivo das empresas prestadoras de serviços deste segmento tem se mostrado cada vez mais acirrado, com um número cada vez maior de novos entrantes que, em busca de participação no mercado, pressionam os preços e as margens de lucro do setor. A gestão de valor para o cliente, sobretudo neste cenário, assume um papel de relevância para o crescimento sustentável das empresas, pela sua contribuição ao processo de formulação das estratégias competitivas. A implementação de uma estratégia orientada para o cliente é uma preocupação constante dos gestores em diferentes segmentos de mercado. Entender, criar, comunicar, entregar e extrair valor das relações entre fornecedores e clientes tornou-se vital para a sustentabilidade das empresas no curto, médio e longo prazo. Desta forma, o conhecimento dos atributos formadores do valor percebido pelo cliente é fundamental (CHURCHILL JR., 2003; GALE, 1996; KOTLER e ARMSTRONG, 1999; ZEITHAML, 1988). Além disso, ao reconhecerem a importância estratégica de se estabelecer um bom relacionamento com o mercado fornecedor, as empresas mudaram substancialmente a forma como gerenciam seu relacionamento com os fornecedores. O modelo de gestãobaseadoem um relacionamento marcado pelo confronto com uma vasta lista de fornecedores foi substituído por uma visão baseada na construção de relacionamentos de longo prazo com fornecedores estrategicamente selecionados (ULAGA e EGGERT, 2006). Nesta nova visão, o número de fornecedores principais é reduzido, sendo encarados como aliados ou parceiros estratégicos que contribuem para o aumento da competitividade e sustentabilidade da empresa no mercado em que atua.

2 Contextualização do problema O setor de Petróleo & Gás brasileiro sofreu profundas transformações nas últimas duas décadas devido à desregulamentação do setor de Exploração e Produção de Petróleo & Gás Natural ocorrido na década de 90. Até o ano de 1997, a Petrobras detinha a exclusividade do monopólio para executar, em nome da União, as atividades de exploração e produção em território brasileiro. Com a edição da Lei 9.478/97, conhecida como a Lei do Petróleo, novas bases foram estabelecidas no que tange à relação entre a União e as empresas operadoras de petróleo, denominadas Oil Companies (OCs), por meio da quebra do monopólio da Petrobras pela desregulamentação do setor. Desde então, foram realizadas Rodadas de Licitação para Exploração, Desenvolvimento e Produção de Petróleo e Gás Natural para outorga do direito de exercício dessas atividades no setor. A abertura do setor contribuiu positivamente para o crescimento da atividade, permitindo um intenso processo de amadurecimento no setor, com crescente presença de empresas multinacionais em diversas partes da cadeia de valor, e com substancial fortalecimento da Petrobras. Os principais objetivos do Governo (ONIP, 2010) com a abertura do mercado foram: A promoção do crescimento do setor, com a garantia de fornecimento do petróleo e o compartilhamento do risco exploratório atraindo investimentos privados e; O aumento da competitividade, incentivando à competição de mercado para benefício dos consumidores, além do desenvolvimento e capacitação do mercado de trabalho e da transferência de tecnologias e melhores práticas. De acordo com a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis ANP (ANP, 2012), após dez rodadas licitatórias para concessão de blocos exploratórios, 745 áreas estavam sob concessão, sendo 344 blocos na fase de exploração, 82 campos em desenvolvimento da produção e 319 campos na etapa de produção, com 62 empresas concessionárias realizando atividades exploratórias nas bacias sedimentares brasileiras. Estes grupos

3 16 econômicos possuem investimentos de pequeno e grande porte, com uma extensa cadeia produtiva. Mesmo assim, apesar do maior número de empresas atuantes no país, o grau de concentração da produção ainda é muito elevado. Segundo a ANP (2012), a Petrobras ainda sustenta uma posição de liderança no mercado de petróleo e gás no Brasil, tendo sido responsável em 2010 por mais de 90% da produção de petróleo, operando aproximadamente 50% dos blocos exploratórios e aproximadamente 85% dos campos em produção e desenvolvimento. O movimento de desregulamentação da indústria de petróleo e gás brasileira e o consequente aumento da competição entre as empresas é um fenômeno comum identificado em processos de desregulamentação de mercados, seja em âmbito nacional ou internacional. A maior parte do petróleo brasileiro (aproximadamente 90%) é produzida no mar (offshore), sendo as Bacias de Campos, Santos e Espírito Santo as principais bacias brasileiras. O fato da exploração e produção de petróleo e gás no Brasil serem majoritariamente realizados em poços marítimos (atividade offshore) faz com que o tema apoio logístico ocupe uma posição de destaque. O novo ciclo de investimentos associado à perspectiva do pré-sal criam condições para um novo estágio de desenvolvimento industrial, com geração crescente de demanda por serviços e ativos logísticos offshore. Desta forma, é necessário que toda a cadeia produtiva de petróleo e gás esteja capacitada para suportar o crescimento esperado e para desenvolver uma indústria capaz de competir globalmente no médio/longo prazo com os players mundiais do setor. Neste sentido, DOYLE (2000) afirma que a ênfase na criação de valor nem sempre foi necessária no passado, onde as empresas ainda atingiam alta rentabilidade devido a fatores como a regulamentação de mercados, recursos de produção escassos, controle dos canais de distribuição, ou aquisição de empresas mal geridas para racionalização. Com as transformações observadas no contexto mercadológico nas últimas décadas, as oportunidades de obtenção de alta rentabilidade estão mais escassas, devido, dentre outros fatores, aos efeitos da globalização que permitiram a competição de empresas em escala global, maior acesso às informações proporcionadas pelos avanços na área de tecnologia de informação, desregulamentação de mercados com aumento da competição, aumento da expectativa do mercado consumidor, somente para citar alguns.

4 17 Considerando os desafios impostos, torna-se fundamental o desenvolvimento de um profundo conhecimento dos elementos geradores de valor, permitindo o desenvolvimento deestratégias que visem à melhoria da gestão de valor para o cliente, por meio da oferta de valor superior aos da concorrência, aumentando a fidelidade e a satisfação dos mesmos. (GALE, 1996; ZEITHAML, 1988). Neste contexto, os aspectos envolvendo qualidade e competitividade são fundamentais para a perenidade das empresas no mercado. A criação e entrega de valor superior para os clientes tem sido foco de estudos no meio acadêmico e de um amplo conjunto de análises no meio empresarial desde a década de 1990 (PAYNE e HOLT, 2001). Apesar da relevância do tema, muitas empresas não sabem como definir o valor, ou como utilizar ferramentas que permitam a medição do valor (ANDERSON e NARUS, 1998). A maioria dos estudos relacionados ao tema possui como elemento central o mercado empresa-consumidor (B2C), buscando identificar a percepção de valor de clientes individuais na aquisição e utilização de produtos. Segundo WOODRUFF (1997), é a forma como os clientes enxergam valor que influenciará suas ações no mercado. Desta forma, a gestão do valor para o cliente é fundamental para que a empresa obtenha vantagem competitiva e ofereça valor superior ao cliente, crescendo de forma estratégica e sustentável. Desta maneira, devido à complexidade e ao nível de especialização do setor em análise, é primordial para as empresas pertencentes ao mercado de apoio logístico offshore, o entendimento da capacidade deutilização de seus recursos e competências para o desenvolvimento de estratégias que propiciem vantagem competitiva, garantindo sua sustentabilidade no mercado (GASPARINI, 2005) Formulação das questões de pesquisa Considerando o contexto apresentado, foram elaboradas as seguintes questões de pesquisa: 1. Quais são os atributos levados em consideração pelas empresas atuantes na atividade de exploração e produção de petróleo e gás natural brasileiro na seleção de prestadores de serviços de apoio logístico?

5 18 2. De todos os atributos valorizados pelos clientes, quais devem ser os atributos-chave a serem levados em consideração pelos prestadores de serviços de apoio logístico na formulação de estratégias que possibilitem a geração de vantagem competitiva? 3. De que forma os atributos relacionam-se entre si na constituição do valor global percebido pelo cliente? 1.3. Objetivos da pesquisa A presente pesquisa tem como objetivo analisar quais são os principais atributos que compõem o valor percebido pelas empresas atuantes na atividade de exploração e produção de petróleo e gás natural no mercado brasileiro em relação aos serviços prestados pelos fornecedores de serviços de apoio logístico, identificando especificamente: 1. Os atributos levados em consideração na seleção de prestadores de serviços de apoio logístico. 2. Os atributos-chave a serem levados em consideração pelos prestadores de serviços de apoio logístico na formulação de estratégias que possibilitem a geração de vantagem competitiva; 3. De que forma os atributos relacionam-se entre si na constituição do valor global pelo cliente Delimitação do estudo Neste trabalho serão explorados conceitos de valor e a teoria de valor percebido, expressos por autores como ZEITHAML (1988), WOODRUFF (1997), ANDERSON e NARUS (1998), KOTLER e ARMSTRONG (1999), GALE (1996) e TREACY e WIERSEMA (1993), dentre outros. Além disso, serão analisados os conceitos intrínsecos ao tema, como: qualidade, preço percebido, relacionamento e satisfação do cliente, que serão aprofundados na seção de revisão da literatura.

6 19 A delimitação do estudo ocorreu em duas grandes divisões: o mercado consumidor (clientes) ficou limitado às empresas nacionais e estrangeiras de exploração e produção de petróleo offshore do mercado brasileiro, denominadas OCs, excluindo as empresas com atuação em campos terrestres (onshore) e a Petrobras. A exclusão das empresas atuantes em campos terrestres (onshore) deve-se à baixa representatividade do volume de petróleo produzido no Brasil, uma vez que mais de 90% da produção nacional é oriunda de campos offshore (ONIP, 2011). A opção do autor pela exclusão da Petrobras do presente estudo justifica-se pela adoção de procedimento licitatório simplificado específicopor esta empresa, aprovado pelodecreto nº 2.745/98, para contratação de obras, serviços, compras e alienações, que tem por objetivo selecionar a proposta mais vantajosa para realização da obra, serviço ou fornecimento pretendido pela Petrobras. São modalidades de licitação: a concorrência, a tomada de preços, o convite, o concurso e o leilão. No segmento analisado, as modalidades mais comuns utilizadas são a concorrência e o convite. No caso das OCs, cada uma possui o seu próprio processo seletivo de fornecedores, onde o fator preço é somente um dos aspectos levados em consideração. Já o mercado fornecedor ficou limitado às empresas prestadoras de serviços de apoio logístico do segmento de Petróleo & Gás, com atuação no mercado brasileiro, englobando as empresas atuantes nos segmentos de embarcações de apoio offshore, helicópteros e bases de apoio logístico. O presente estudo adota uma visãoda avaliação do valor percebido pelas empresas do setor de Petróleo & Gás em relação aos prestadores de serviços logísticos atuantes no mercado brasileiro. Por meio de entrevistas qualitativas realizadas com executivos das empresas contratantes de serviços de apoio logístico, realizou-se um corte transversal, não sendo pretendido pelo autor do estudo que os resultados desta pesquisa sejam considerados como referência do valor percebido para o segmento de forma ampla.

7 Justificativa e relevância da pesquisa Relevância prática A relevância prática deste estudo está na compreensão das expectativas e das percepções dos serviços prestados no segmento de apoio logístico offshore. Espera-se que o resultado deste trabalho possa, portanto, contribuir para que as empresas fornecedoras de serviços logísticos do segmento desenvolvam estratégias que propiciem a melhoria de seus serviços, um aumento de sua competitividade no mercado e melhoria no relacionamento com os clientes, com consequente elevação do valor percebido, permitindo a geração de vantagem competitiva e sustentabilidade do negócio no longo prazo Relevância teórica A relevância teórica do tema escolhido pode ser observada pela abrangência dos conceitos presentes na revisão de literatura, envolvendo temas como geração de valor, valor percebido, qualidade, preço, relacionamento com cliente e satisfação de clientes. Além, disso, o tema faz-se presente através de estudos e publicações de diferentes autores, que buscam através de diferentes pontos de observação, avaliar a percepção de valor do mercado consumidor em relação aos produtos e serviços oferecidos pelos fornecedores. Desde a década de 1990, houve um ressurgimento do interesse no constructo da geração de valor e conceitos associados, como pôde ser verificado em diversos congressos realizados como a Conferência Anual da Academy of Marketing Science e a Conferência Anual do IMP (Industrial Marketing and Purchasinggroup), ambas em 1998, que deram grande ênfase a este tema (ULAGA e CHACOUR, 2001). E, por fim, mas não menos importante, o estudo pode contribuir para ampliar o conhecimento da relação entre clientes e fornecedores do mercado de petróleo e gás natural no Brasil..

8 Organização do trabalho O presente estudo está estruturado em sete capítulos. O primeiro capítulo contém a introdução e contextualização da importância do tema estudado, sendo apresentados também o objeto e objetivos do estudo. No segundo capítulo, apresenta-se a revisão de literatura contemplando todo o arcabouço teórico necessário ao estudo de geração de valor para o cliente, incluindo temas complementares como qualidade, relacionamento, preço e satisfação. Os aspectos metodológicos da pesquisa são apresentados no terceiro capítulo do estudo, justificando-se a escolha do método e a estratégia utilizada para coleta de dados. No quarto capítulo, apresenta-se uma breve descrição do mercado de Exploração e Produção, com destaque para o segmento de apoio logístico. Os resultados da coleta de dados são analisados no quinto capítulo, que contempla a discussão dos resultados oriundos da pesquisa. As conclusões e sugestões para estudos futuros são apresentados no capítulo seis. E, por fim, no sétimo e último capítulo, são apresentadas as referências bibliográficas que serviram de base para o desenvolvimento do presente estudo.

3 Contextualização do mercado

3 Contextualização do mercado 3 Contextualização do mercado 3.1. A cadeia de suprimentos do setor de exploração e produção de Petróleo A produção brasileira de petróleo registrou crescimento substancial nos últimos anos. Em 2007, o

Leia mais

INFORMAÇÃO ORGÂNICA COMO INSUMO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL

INFORMAÇÃO ORGÂNICA COMO INSUMO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL INFORMAÇÃO ORGÂNICA COMO INSUMO DO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL 1 LOUSADA, Mariana marianalousada@hotmail.com 2 VALENTIM, Marta Lígia Pomim valentim@marilia.unesp.br Resumo: O foco desta pesquisa

Leia mais

Sistema de Cadastramento de Fornecedores ONIP

Sistema de Cadastramento de Fornecedores ONIP Sistema de Cadastramento de Fornecedores ONIP Apresentação para Oil & Gas Day FEIMEC - 03/05/2016 Agenda I. ONIP II. Cadastros ONIP existentes 2 Agenda I. ONIP II. Cadastros ONIP existentes 3 ONIP ONIP

Leia mais

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1. DESTAQUES A Receita dos Serviços de Locação da Ouro Verde registrou novamente crescimento significativo, de 25,0% na comparação com o 1S13. A receita líquida total, incluindo

Leia mais

Rita/João Abril -2014

Rita/João Abril -2014 Rita/João Abril -2014 Conteúdo Programático (Qui)10/04 Estratégia de gerenciamento de pessoas com foco em resultado e gestão por competências Rita (Qui)17/04 - Conceitos de liderança, equipes eficazes,

Leia mais

1. O Contexto do SBTVD

1. O Contexto do SBTVD CT 020/06 Rio de Janeiro, 27 de janeiro de 2006 Excelentíssimo Senhor Ministro Hélio Costa MD Ministro de Estado das Comunicações Referência: Considerações sobre o Sistema Brasileiro de Televisão Digital

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais A dissertação traz, como foco central, as relações que destacam os diferentes efeitos de estratégias de marca no valor dos ativos intangíveis de empresa, examinando criticamente

Leia mais

Plano de Negócios 2011-2015

Plano de Negócios 2011-2015 PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Companhia Aberta FATO RELEVANTE Plano de Negócios 2011-2015 Rio de Janeiro, 22 de julho de 2011 Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras comunica que seu Conselho de Administração

Leia mais

WHITEPAPER EXPORTE MAIS COM A AJUDA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

WHITEPAPER EXPORTE MAIS COM A AJUDA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO WHITEPAPER EXPORTE MAIS COM A AJUDA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ONDE HÁ CRISE HÁ OPORTUNIDADES ATUALMENTE EMPRESAS PASSAM POR DIFICULDADES EM GARANTIR O CRESCIMENTO QUANDO VOLTADO SOMENTE AO MERCADO INTERNO.

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

participação de mercado em território estrangeiro. No caso da Suzano, o produto exportado foi a celulose. Por ser commodity, não requer certo padrão

participação de mercado em território estrangeiro. No caso da Suzano, o produto exportado foi a celulose. Por ser commodity, não requer certo padrão 5 Conclusão A partir deste estudo, foi possível observar como as teorias de internacionalização puderam explicar diferentes aspectos da expansão para a China das empresas estudadas. A teoria Poder de Mercado

Leia mais

Visões para o Desenvolvimento da Indústria Brasileira de Gás Natural. Marco Tavares

Visões para o Desenvolvimento da Indústria Brasileira de Gás Natural. Marco Tavares Visões para o Desenvolvimento da Indústria Brasileira de Gás Natural Marco Tavares Maio de 2014 1. CONTEXTO INTERNACIONAL DA INDÚSTRIA DE GÁS NATURAL A IEA Agência Internacional de Energia propôs que a

Leia mais

1 Introdução. 1.1 O Problema

1 Introdução. 1.1 O Problema 1 Introdução 1.1 O Problema Diante do cenário da globalização e da constante necessidade de expansão das empresas, muitas organizações em todo o mundo, já no início do século XX, intensificaram seus esforços

Leia mais

Padronização de Fundo Fixo de Materiais para Parceiros do STC

Padronização de Fundo Fixo de Materiais para Parceiros do STC XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Padronização de Fundo Fixo de Materiais para Parceiros do STC André Luiz Mello de

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Atuação estratégica dos departamentos jurídicos Marco Antonio P. Gonçalves A atuação estratégica de departamentos jurídicos é um dos principais temas de interesse dos advogados que

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO Cecília, Pereira¹ Rosalina, Batista¹ Cruz, Paulo Emílio² RESUMO Através deste artigo iremos abordar de forma objetiva,

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

ABRAPP Relatório Social 2010 PARA A

ABRAPP Relatório Social 2010 PARA A 75 AGENDA FUTURA PARA A SUSTENTABILIDADE Como o tema Sustentabilidade pode contribuir para o objetivo último dos Fundos de Pensão, que é o de zelar pela aposentadoria de milhões de trabalhadores? Esta

Leia mais

AV: Carlos Gomes de sá, nº335, sala 101, ED. Centro Empresarial Plus Office Mata da Praia - Vitória - ES Cep: 29066-040 Tel: + 55 27 2104-0845 /

AV: Carlos Gomes de sá, nº335, sala 101, ED. Centro Empresarial Plus Office Mata da Praia - Vitória - ES Cep: 29066-040 Tel: + 55 27 2104-0845 / SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 JUSTIFICATIVA 04 OBJETIVO 05 OBJETIVO ESPECÍFICO 05 PÚBLICO ALVO 06 RESULTADOS ESPERADOS 08 TURISMO CAPIXABA 09 LOCAL DO EVENTO 10 PROGRAMAÇÃO 10 DADOS DA INSTITUIÇÃO REALIZADORA

Leia mais

FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR

FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR FINOM- FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS WOLTER FRANCISCO NEVES LIBERATO DE MATOS JUNIOR QUALIDADE DO ATENDIMENTO NO SISTEMA BANCÁRIO BRASILEIRO Wolter Francisco Neves Liberato de Matos Júnior ESPERA FELIZ

Leia mais

ACoordenação da Pós-Graduação da Faculdade São Luís

ACoordenação da Pós-Graduação da Faculdade São Luís O PROFISSIONAL-PESQUISADOR. O PERFIL ATUAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA FACULDADE SÃO LUÍS Mônica Cairrão Rodrigues* ACoordenação da Pós-Graduação da Faculdade São Luís acredita que o diferencial na postura do

Leia mais

Cenários de Investimento Ex-Petrobras. e desafios para a Industria Nacional na próxima década

Cenários de Investimento Ex-Petrobras. e desafios para a Industria Nacional na próxima década 8º ENCONTRO DO PROMINP Cenários de Investimento Ex-Petrobras 18% e desafios para a Industria Nacional na próxima década São Luís, 23 de Novembro 2011 CENÁRIO PREVISTO ATÉ 2020 Produção: atual de 2,3 milhões

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

RELATÓRIO EXECUTIVO. 1. Objetivos da pesquisa (geral e específicos).

RELATÓRIO EXECUTIVO. 1. Objetivos da pesquisa (geral e específicos). RELATÓRIO EXECUTIVO Este relatório executivo mostra resumidamente a pesquisa realizada pelo mestrando JOSÉ BEZERRA MAGALHÃES NETO, com forma de atender à exigência acadêmica como requisito complementar

Leia mais

ESTUDO DE PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA EMPRESA PETROLEO BRASILEIRO S.A. COM ÊNFASE EM RELAÇÕES COM INVESTIDORES

ESTUDO DE PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA EMPRESA PETROLEO BRASILEIRO S.A. COM ÊNFASE EM RELAÇÕES COM INVESTIDORES CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ESTUDO DE PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA EMPRESA PETROLEO BRASILEIRO S.A. COM ÊNFASE EM RELAÇÕES COM

Leia mais

Ainda na visão dos entrevistados, as razões para profissionalização envolvem benefícios esperados, como a otimização da utilização de recursos, e

Ainda na visão dos entrevistados, as razões para profissionalização envolvem benefícios esperados, como a otimização da utilização de recursos, e 7 Conclusão No mundo de negócios, as organizações constantemente buscam melhorias e aperfeiçoamento de suas gestões para sobreviver e crescer em face de um mercado competitivo. Nesse movimento, percebe-se

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Outubro de 2012 Agenda Missão e Visão Tipos de Inovação Financiáveis Áreas

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP I WORSHOP SETORIAL DE AVALIAÇÃO DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP OUTUBRO / 2009 1 I..

Leia mais

AULA 11 Marketing de Serviços

AULA 11 Marketing de Serviços AULA 11 Marketing de Serviços Pessoal de serviço da linha de frente: fonte de fidelidade de clientes e vantagem competitiva A linha de frente é uma fonte importante de diferenciação e vantagem competitiva.

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2/11 Sumário 1. Conceito... 3 2. Objetivo... 3 3. Áreas de aplicação... 3 4. Diretrizes... 4 4.1 Princípios... 4 4.2 Estratégia de e Responsabilidade

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP SUSTENTABILIDADE

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP SUSTENTABILIDADE QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP SUSTENTABILIDADE ÍNDICE INTRODUÇÃO 03 PARA PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO 04 QUESTIONÁRIO 05 CAPÍTULO P PERFIL DA EMPRESA 05 CAPÍTULO

Leia mais

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação 2.1 OBJETIVO, FOCO E CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Os Sistemas de Informação, independentemente de seu nível ou classificação,

Leia mais

SERVIÇO DE DRAGAGEM NA NOVA LEI DOS PORTOS

SERVIÇO DE DRAGAGEM NA NOVA LEI DOS PORTOS SERVIÇO DE DRAGAGEM NA NOVA LEI DOS PORTOS Fernão Justen de Oliveira Doutor em Direito do Estado pela UFPR Sócio da Justen, Pereira, Oliveira e Talamini 1. A disciplina jurídica brasileira sobre dragagem

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios

Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios 2 OBJETIVO Levantar informações e mapear percepções sobre questões relacionadas às Mudanças

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

Anexo II TERMO DE REFERÊNCIA 25833/2014

Anexo II TERMO DE REFERÊNCIA 25833/2014 Anexo II TERMO DE REFERÊNCIA 25833/2014 Projeto BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização e de fomento a ações voltadas ao desenvolvimento humano local. 1. JUSTIFICATIVA

Leia mais

Planejamento Estratégico 2014-2023. Autores Diretoria da Anpcont com base em consulta aos Programas Associados

Planejamento Estratégico 2014-2023. Autores Diretoria da Anpcont com base em consulta aos Programas Associados Planejamento Estratégico 2014-2023 Autores Diretoria da Anpcont com base em consulta aos Programas Associados Objetivos Clarificar as novas diretrizes e objetivos da Associação, face aos crescentes desafios

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Contextualização do problema e questão-problema

1. Introdução. 1.1 Contextualização do problema e questão-problema 1. Introdução 1.1 Contextualização do problema e questão-problema A indústria de seguros no mundo é considerada uma das mais importantes tanto do ponto de vista econômico como do ponto de vista social.

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Palavras-Chave: Fusão e Aquisição, Comportamento do Consumidor, Produto, Satisfação, Lealdade.

Palavras-Chave: Fusão e Aquisição, Comportamento do Consumidor, Produto, Satisfação, Lealdade. Nome do Aluno: Clara Montagnoli Neves Nome do Orientador: Carla Ramos Tema: Estudo do impacto no comportamento do consumidor resultante de fusão ou aquisição de empresas. Palavras-Chave: Fusão e Aquisição,

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos

Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Sessão 4: Avaliação na perspectiva de diferentes tipos de organizações do setor sem fins lucrativos Avaliação Econômica como instrumento para o aprimoramento da gestão das ações sociais 26/09/2013 Fundação

Leia mais

Programa de Gestão de Fornecedores. da White Martins. Sua chave para o sucesso

Programa de Gestão de Fornecedores. da White Martins. Sua chave para o sucesso Programa de Gestão de Fornecedores da White Martins Sua chave para o sucesso Quem Somos A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 5 CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 7 CAPACITAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR DE DO GRUPO INVEPAR PÁGINA Nº 2/5 1. INTRODUÇÃO Desenvolver a gestão sustentável e responsável nas suas concessões é um componente fundamental da missão Invepar de prover e operar sistemas de mobilidade

Leia mais

Otimizada para Crescimento:

Otimizada para Crescimento: Quinta Pesquisa Anual de Mudança na Cadeia de Suprimentos RESUMO REGIONAL: AMÉRICA LATINA Otimizada para Crescimento: Executivos de alta tecnologia se adaptam para se adequar às demandas mundiais INTRODUÇÃO

Leia mais

O governo do PT quer vender Libra para entrar na farra do Banco Brics

O governo do PT quer vender Libra para entrar na farra do Banco Brics O governo do PT quer vender Libra para entrar na farra do Banco Brics Nosso dever é nos envolver e nos compromissar com as mobilizações e construir a Greve do Dia 17 de Outubro (Dalton F. Santos). A verdade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 63 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

Prof. Murillo Sapia Gutier. www.murillogutier.com.br

Prof. Murillo Sapia Gutier. www.murillogutier.com.br Prof. Murillo Sapia Gutier www.murillogutier.com.br é acordo firmado entre Administração Pública e pessoa do setor privado; Objetivo: implantação ou gestão de serviços públicos, com eventual execução de

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS SUSTENTABILIDADE E M P R E S A R I A L Política de Sustentabilidade Empresarial das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras,

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2010 SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO FINANCEIRA EM CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA. Contatos Luiz Augusto Gonçalves de

Leia mais

COMO FOMENTAR MAIS E MELHOR NAS EMPRESAS?

COMO FOMENTAR MAIS E MELHOR NAS EMPRESAS? UM OLHAR DA INVENTTA: COMO FOMENTAR MAIS E MELHOR NAS EMPRESAS? Rafael Augusto, Marina Loures e Vitor Bohnenberger 1. INTRODUÇÃO As empresas sempre nos perguntam Como obter recursos para desenvolver projetos

Leia mais

A decisão de fazer um projeto Universidade-Empresa: uma simples decisão de comprar ou fazer?

A decisão de fazer um projeto Universidade-Empresa: uma simples decisão de comprar ou fazer? A decisão de fazer um projeto Universidade-Empresa: uma simples decisão de comprar ou fazer? José Luiz Moreira de Carvalho (UFSCar) pjlmc@iris.ufscar.br José Carlos de Toledo (UFSCar) toledo@power.ufscar.br

Leia mais

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS Eliminação de Barreiras à livre Prestação de Serviços Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Esquema 1. PORTUGAL- UMA ESPECIALIZAÇÃO COM

Leia mais

INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO: UMA GESTÃO FAMILIAR DIFERENCIADA, NO RESTAURANTE VERA CRUZ DE SANTA MARIA/RS

INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO: UMA GESTÃO FAMILIAR DIFERENCIADA, NO RESTAURANTE VERA CRUZ DE SANTA MARIA/RS INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO: UMA GESTÃO FAMILIAR DIFERENCIADA, NO RESTAURANTE VERA CRUZ DE SANTA MARIA/RS Silva, Aline 1 ; BOEIRA; Bruno 2 ; FROZZA, Mateus 3. Palavras - Chaves: Gestão, Planejamento, Empresas

Leia mais

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR Andressa Silva Silvino 1 Jadson do Prado Rafalski 2 RESUMO O objetivo deste artigo é analisar

Leia mais

I Efetivação do compromisso social do IFAL com o Estado de Alagoas;

I Efetivação do compromisso social do IFAL com o Estado de Alagoas; PROGRAMA DE APOIO AO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES INTEGRADAS PROIFAL 1. OBJETIVO Apoiar o Instituto Federal de Alagoas IFAL nas atividades de ensino, pesquisa e extensão

Leia mais

O sistema de saúde que queremos ter em 10 anos: único, complementar ou suplementar?

O sistema de saúde que queremos ter em 10 anos: único, complementar ou suplementar? O sistema de saúde que queremos ter em 10 anos: único, complementar ou suplementar? O conceito básico de valor na perspectiva do cliente é a relação entre os benefícios percebidos pelo cliente e o esforço

Leia mais

ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI CE

ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI CE ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI

Leia mais

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES Por Caio Fiuza Nos últimos 10 anos, a gestão das áreas de apoio nas grandes organizações brasileiras vem passando por importantes transformações. A principal delas

Leia mais

Conselho de Tecnologia ABIMAQ. GT Da Porta pra Dentro

Conselho de Tecnologia ABIMAQ. GT Da Porta pra Dentro Conselho de Tecnologia ABIMAQ GT Da Porta pra Dentro 10/08/2015 Premissas para uma POLÍTICA INDUSTRIAL Permitir o crescimento contínuo e sustentado do investimento produtivo do país. Política macroeconômica

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A influência da Tecnologia da Informação e Telecomunicação na Contabilidade - A Era do Contador Digital

A influência da Tecnologia da Informação e Telecomunicação na Contabilidade - A Era do Contador Digital A influência da Tecnologia da Informação e Telecomunicação na Contabilidade - A Era do Contador Digital Núcleo Interdisciplinar de Estudos Independentes Brayan Christian B. de Oliveira Abril 2012 Introdução

Leia mais

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL MANUAL DE RESPONSABILIDADE Definição: A responsabilidade socioambiental é a responsabilidade que uma empresa ou organização tem com a sociedade e com o meio ambiente além das obrigações legais e econômicas.

Leia mais

Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA. Weverton Santos de Jesus João Paulo Mendonça Lima

Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA. Weverton Santos de Jesus João Paulo Mendonça Lima Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA META Apresentar e descrever a construção de um projeto de pesquisa e seus elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais; OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis Painel 1: Aspectos Regulatórios: Qual a Estrutura Apropriada para o Pré-Sal?

Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis Painel 1: Aspectos Regulatórios: Qual a Estrutura Apropriada para o Pré-Sal? Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis Painel 1: Aspectos Regulatórios: Qual a Estrutura Apropriada para o Pré-Sal?" Álvaro Alves Teixeira Secretário Executivo IBP Brasil: 11 anos de Sucesso

Leia mais

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE O foco da Cartilha Função de Compliance é integrar as atividades de compliance com as boas práticas de governança corporativa e de Gestão de Riscos, os quais os bancos têm buscado

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Auditor No que diz respeito às Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público, a Demonstração Contábil cuja apresentação é obrigatória apenas pelas empresas estatais

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE ANÁLISE ESTRATÉGICA COM ENFOQUE EM MARKETING PARA EMPRESAS DE SERVIÇOS

PROPOSTA DE UM MODELO DE ANÁLISE ESTRATÉGICA COM ENFOQUE EM MARKETING PARA EMPRESAS DE SERVIÇOS PROPOSTA DE UM MODELO DE ANÁLISE ESTRATÉGICA COM ENFOQUE EM MARKETING PARA EMPRESAS DE SERVIÇOS Rogério Chimionato Escola de Engenharia de São Carlos - USP - Área de Engenharia de Produção - Av. Dr. Carlos

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 3 - AS PERSPECTIVAS DO BSC - FINANCEIRA E CLIENTES PLANEJAMENTO E GESTÃO ESTRATÉGICA

Leia mais

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Metrologia é a Ciência da Medida Uma reputação de qualidade é um dos bens de mais alto valor de uma empresa. A grande importância de uma alta

Leia mais

SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ

SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ Slide 1 INVESTIMENTO SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ Iniciar O objetivo da apresentação é demonstrar que o investimento em PCH s é uma oportunidade muito interessante de negócio. A primeira

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Júlio César de Almeida (FASA) julioc.almeida@hotmail.com Gisele Figueiredo Braz

Leia mais

Entenda o que é a camada pré-sal

Entenda o que é a camada pré-sal Adaptado por RH para o Site do GDPAPE Grupo em Defesa dos Participantes da Petros Tupi Bem-Te-Vi Carioca Júpiter - Iara 02/09/2008-11h48 da Folha Online Entenda o que é a camada pré-sal A chamada camada

Leia mais

CompuStream. Como enfrentar a concorrência e tornar sua organização mais lucrativa. Maximilian Immo Orm Gorissen COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream. Como enfrentar a concorrência e tornar sua organização mais lucrativa. Maximilian Immo Orm Gorissen COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. Como enfrentar a concorrência e tornar sua organização mais lucrativa Maximilian Immo Orm Gorissen Com a recente explosão de projetos de compra e venda de produtos

Leia mais

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENai SESi de inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES 3 1)

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS NA RECENTE EXPERIÊNCIA DE FURNAS EM P&D

AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS NA RECENTE EXPERIÊNCIA DE FURNAS EM P&D SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPD - 07 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XV GRUPO DE INOVAÇÃO TECONOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO - GPD AVALIAÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Este material resulta da reunião de fragmentos do módulo I do Curso Gestão Estratégica com uso do Balanced Scorecard (BSC) realizado pelo CNJ. 1. Conceitos de Planejamento Estratégico

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*)

OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*) OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*) Joilson Oliveira Malta Administrador público e Assistente técnico da Diretoria Legislativa da Câmara Municipal de Salvador Mat.2031 Este artigo tem

Leia mais

DIAGNÓSTICO EMPRESARIAL E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM UMA (HIPOTÉTICA) INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR GERSON SEABRA LUIZ FERNANDO MEDEIROS VERA ALONSO

DIAGNÓSTICO EMPRESARIAL E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM UMA (HIPOTÉTICA) INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR GERSON SEABRA LUIZ FERNANDO MEDEIROS VERA ALONSO DIAGNÓSTICO EMPRESARIAL E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM UMA (HIPOTÉTICA) INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR GERSON SEABRA LUIZ FERNANDO MEDEIROS VERA ALONSO MARCIA COSTA ERNESTO MICELI JANAINA S. ITABORAÍ EDVALDO

Leia mais

Práticas de. Responsabilidade Social. nas Organizações da. Economia social. Pós-Graduação Gerir Projectos em Parceria. Lucinda Maria Pereira Lopes

Práticas de. Responsabilidade Social. nas Organizações da. Economia social. Pós-Graduação Gerir Projectos em Parceria. Lucinda Maria Pereira Lopes Práticas de Responsabilidade Social nas Organizações da Economia social Pós-Graduação Gerir Projectos em Parceria Lucinda Maria Pereira Lopes A responsabilidade social das empresas é, essencialmente, um

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

Diagnóstico do Turismo de Aventura no Brasil

Diagnóstico do Turismo de Aventura no Brasil Diagnóstico do Turismo de Aventura no Brasil Fevereiro de 2007 Realização Aos dinossauros, sempre Qual é o horizonte das empresas de turismo de aventura? Elas continuam investindo? Param, fecham. Qual

Leia mais

E-mail: murfaga@iee.usp.br Cursos com 1. Multidisciplinar em Sistemas Energéticos com Ênfase ênfase no setor em Petróleo e Gás

E-mail: murfaga@iee.usp.br Cursos com 1. Multidisciplinar em Sistemas Energéticos com Ênfase ênfase no setor em Petróleo e Gás PRH 04 - Multidisciplinar em Sistemas Energéticos com Ênfase no Estudo da Regulação, Economia e Política do Petróleo e Gás Natural Instituição: USP - Universidade do Estado de São Paulo Reitor: Dr. Adolpho

Leia mais

,;;-CADE. Em 19 de março de 2014.

,;;-CADE. Em 19 de março de 2014. ,;;-CADE ( ~Ad~!nl!ilrativo de Defesa Econômlc:a Parecer Técnico n.º 082 Superintendência-Geral Em 19 de março de 2014. EMENTA: Ato de Concentração. Lei nº 12.529/2011. OMNI Helicopters International S.A.,

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores de Petróleo e Gás/BNDES

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores de Petróleo e Gás/BNDES Oportunidades e Desafios da Agenda de Competitividade para Construção de uma Política Industrial na Área de Petróleo: Propostas para um Novo Ciclo de Desenvolvimento Industrial Carlos Soligo Camerini Desenvolvimento

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável

Desenvolvimento Sustentável Desafios para as lideranças na criação de ambientes favoráveis à leitura Lucila Martínez Cáceres Educadora, Mestre em Biblioteconomia e Informação Especialização em Desenvolvimento Sustentável Local e

Leia mais

Marcelo Bruno de Araújo Lacerda. O papel do propagandista como agente operacional das estratégias de marketing no segmento cardiovascular em Salvador.

Marcelo Bruno de Araújo Lacerda. O papel do propagandista como agente operacional das estratégias de marketing no segmento cardiovascular em Salvador. Marcelo Bruno de Araújo Lacerda O papel do propagandista como agente operacional das estratégias de marketing no segmento cardiovascular em Salvador. Artigo científico apresentado para conclusão do curso

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento

Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento Nota técnica produzida para o projeto Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento Agosto/2009 SDS Edifício Eldorado salas 106/109 CEP 70392-901 Brasília DF Telefax: (61) 3225-2288 E-mail: fneng@fne.org.br

Leia mais

Connections with Leading Thinkers

Connections with Leading Thinkers Instituto de Alta Performance Connections with Leading Thinkers O especialista em inovação Bruno Moreira analisa as dificuldades que impedem um maior nível de colaboração por parte das empresas brasileiras

Leia mais