PRINCIPAIS TÓPICOS INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES PRODUÇÃO TRANSPORTE PLANTAS DE PROCESSAMENTO APLICAÇÕES NOVAS TECNOLOGIAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRINCIPAIS TÓPICOS INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES PRODUÇÃO TRANSPORTE PLANTAS DE PROCESSAMENTO APLICAÇÕES NOVAS TECNOLOGIAS"

Transcrição

1 SEMINÁRIO SOBRE GÁS

2 PRINCIPAIS TÓPICOS INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES PRODUÇÃO TRANSPORTE PLANTAS DE PROCESSAMENTO APLICAÇÕES NOVAS TECNOLOGIAS

3 Introdução Consumo Percentual de Energia Primária no Mundo carvão 30,1% nuclear 1,1% gás natural 17,6% nuclear 7,4% gás natural 23,7% hidroéletrica 2,8% petróleo 48,5% carvão 26,2% hidroéletrica 2,7% petróleo 40,0% Fonte: BP Statistical Review of World Energy

4 Introdução Mercado Mundial do Gás Natural Consumo Mundial de Gás Natural (bilhões de metros cúbicos) Reservas provadas de hidrocarbonetos no mundo (bilhões de metros cúbicos equivalentes em gás) gás natural 47% bmce petróleo 53% bmce ano Equivalente Energético: 1m 3 de óleo 1000 m 3 de gás natural Fonte: Roe, D. (2001) LNG Trade: A review of markets, projects and issues in the changing world of LNG SMI Business to Bussines Publishing Fonte:BP statistical review, 2000

5 RESERVAS DE GÁS Reservas de GN no Mundo ( x 10 9 m 3 ) Fonte: OLADE, 1995 Europa Oriente Médio AL Ásia e Austrália América do Norte África

6 RESERVAS DE GN Reservas de GN na AL (7.400 x 10 9 m 3 ) Fonte: OLADE, 1995 Venezuela Trinidad Outros Argentina Equador México

7 FORMAS DE UTILIZAÇÃO DE GN PRODUÇÃO DE GLP MATÉRIA-PRIMA PARA PETROQUÍMICA MATÉRIA-PRIMA PARA FERTILIZANTE REDUTOR SIDERÚRGICO COMBUSTÍVEL INDUSTRIAL GERAÇÃO DE ELETRICIDADE USO AUTOMOTIVO USO RESIDENCIAL E COMERCIAL

8 Características do Mercado Mundial de Gás Natural Introdução Tendência de crescimento devido aos seguintes fatores: apresenta uma queima mais eficiente reduz custos de manutenção combustível mais limpo baixas emissões de CO, SO x, particulados e hidrocarbonetos Centros consumidores e reservas encontram-se afastados. Geralmente em diferentes continentes. Exemplo: Centros Consumidores: Japão, Austrália, Europa, etc. Reservas: Argélia, Nigéria, Trinidad e Tobago, Indonésia, etc. Comércio de longa distância de gás natural. O transporte de combustíveis gasosos é economicamente menos viável que o transporte de combustíveis líquidos gás apresenta baixa densidade energética

9 DEFINIÇÕES: HIDROCARBONETOS: São compostos orgânicos constituídos de átomos de carbono e hidrogênio. PETRÓLEO: É uma mistura constituída, predominantemente, de hidrocarbonetos, que ocorre na natureza nos estados sólido, líquido ou gasoso.

10 PETRÓLEO: COMPONENTES (HIDROCARBONETOS): CH4 => METANO C2H6 => ETANO C3H8 => PROPANO C4H10 => BUTANO GÁS C5H12 => PENTANO C6H14 => HEXANO (...) C20H42+ LÍQUIDO

11 DEFINIÇÕES GÁS NATURAL: É a porção do petróleo (mistura de hidrocarbonetos) que existe na fase gasosa ou em solução no óleo, nas condições de reservatório, e que permanece no estado gasoso nas condições atmosféricas de pressão e temperatura.

12 TERMINOLOGIA GÁS NATURAL LIQUEFEITO GNL (LIQUEFIED NATURAL GAS LNG) LÍQUIDO DE GÁS NATURAL LGN (NATURAL GAS LIQUID - NGL) GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO GLP (LIQUEFIED PETROLEUM GAS - LPG) GÁS NATURAL COMPRIMIDO GNC (COMPRESSED NATURAL GAS CNG) GAS NATURAL VEICULAR - GNV

13 CLASSIFICAÇÃO DOS HC s P E T R Ó L E O LÍQUIDO ÓLEO SÓLIDO BETUME GASOSO GÁS NATURAL (PODE SER ASSOCIADO E NÃO ASSOCIADO)

14 PROPRIEDADES GÁS NATURAL Composição Típica do Gás Natural Elementos Associado (1) Não Associado (2) Processado (3) Metano Etano Propano I-Butano N-Butano I-Pentano N-Pentano Hexano Heptano e Maiores Nitrogênio Dióxido de Carbono Total Densidade Poder Calorif. Inf. (Kcal/m 3 ) Poder Calorif. Super. (Kcal/m 3 ) Fonte: PETROBRAS - CONPET, Gás do campo de Garoupa, Bacia de Campos 2- Gás do campo de Miranga, na Bahia 3- Saída da UPGN Candeias, na Bahia

15 GÁS RICO - BOLÍVIA COMPOSIÇÃO (%) N2 1,36 CO2 0,84 CH4 85,67 C2H6 7,03 C3H8 3,05 C4H10 1,27 C5H12 0,46 C6H14+ 0,32

16 COMPOSIÇÃO DO GÁS DA BOLÍVIA COMPOSIÇÃO (%) METANO - CH4 91,80 ETANO C2H6 5,58 PROPANO C3H8 0,97 i-butano ic4h10 0,03 n-butano nc4h10 0,02 PENTANO(+) C5H12 + 0,10 NITROGÊNIO N2 1,42 DIÓXIDO CARBONO CO2 APÓS TRATAMENTO 0,08

17 CARACTERÍSTICAS DO GN COMBUSTÍVEL FÓSSIL, ASSOCIADO OU NÃO AO PETRÓLEO APRESENTA BAIXOS TEORES DE CONTAMINANTES (NITROGÊNIO, COMPOSTOS DE ENXOFRE, CO2, ÁGUA, PARTICULADO) MAIS LEVE QUE O AR TEMPERATURA DE AUTO-IGNIÇÃO: C (GASOLINA: C ) INCOLOR E INODORO ODORIZADO COM ENXOFRE

18 GÁS ASSOCIADO

19 GÁS NÃO ASSOCIADO

20 PLANTA DE PRODUÇÃO

21 TRANSPORTE DE GN GASODUTO LIQUEFAÇÃO ELETRICIDADE TRANSFORMAÇÃO EM SÓLIDO E LÍQUIDO COMPRIMIDO

22 GNL Gás natural Liqüefeito (GNL ou LNG) vs Gasoduto A tecnologia GNL é cara se comparada ao gasoduto O GNL é aplicado quando o gasoduto não é viável técnico-economicamente: a tecnologia de gasodutos ainda não é apropriada para águas profundas o gasoduto não é viável economicamente acima de 3000 km pelo mar e 6000 km por terra 75% do GN comercializado é transportado por gasoduto apenas 25% é transportado por navios na forma de gás natural liqüefeito. O GNL também é usado, em menor escala, para armazenar gás natural para atender picos de demanda da rede de distribuição de gás muito comum em países onde o inverno é rigoroso.

23 A Cadeia do GNL O gás é transportado por gasoduto até a planta de GNL onde é liqüefeito a aproximadamente 160 o C e armazenado em tanques isolados, a pressão atmosférica. Um metro cúbico de GNL comporta em média 600 metros cúbicos de gás natural. O GNL segue de navio para o terminal de descarga, onde é armazenado para posterior regaseificação. Os terminais de carga e descargas e os navios são especialmente projetados para minimizar as trocas térmicas e com isso reduzir custos associados a reliquefação do GNL. A planta de liquefação o elemento mais caro dessa cadeia. O desafio principal desse mercado é o de reduzir custos em uma cadeia de suprimento que deve operar a aproximadamente 160 o C.

24 GNV GÁS NATURAL VEICULAR UTILIZAÇÃO DE COMPRESSOR ALTERNATIVO COMPRESSÃO EM 3 OU 4 ESTÁGIOS PRESSÃO DE DESCARGA ENTRE 200 E 250 BAR POTÊNCIA DE COMPRESSÃO ENTRE 110 E 180 kw METANO POSSUI MAIOR RELAÇÃO H/C QUEIMA MAIS LIMPA (MENOR EMISSÃO CO 2 ) EXCEPCIONAL CARACTERÍSTICA ANTI-DETONANTE => MELHOR PERFORMANCE DO MOTOR TAXAS DE COMPRESSÃO MAIS ELEVADAS COMBUSTÍVEL GASOSO => CARBURAÇÃO MAIS SIMPLES

25 GTL GAS TO LIQUID TRANSFORMAR QUIMICAMENTE GÁS NATURAL (C1) EM FRAÇÕES LÍQUIDAS (C5+) RESERVAS MUNDIAIS REMOTAS DE GÁS NATURAL PODEM PRODUZIR 250 BILHÕES DE BARRIS DE ÓLEO SINTÉTICO (PEREIRA E SANTIAGO, 1998) RESERVAS DE HIDRATOS DE GÁS SÃO SUPERIORES AO DOBRO DAS RESERVAS MUNDIAIS DE GÁS NATURAL E PETRÓLEO SOMADAS RESTRIÇÕES AMBIENTAIS À QUEIMA DE GÁS ASSOCIADO TÊM AUMENTADO DE FORMA SIGNIFICATIVA REDUÇÃO DO TEOR DE ENXOFRE NA GASOLINA E NO DIESEL ABAIXO DE CERTO PATAMAR TEM CUSTO EXTREMAMENTE ELEVADO

26 GTL Os combustíveis GTL são limpos enxofre zero (< 1 ppm) aromáticos zero (< 1% vol) alta relação H/C (CO 2 ) emissões reduzidas

27 GTL OS COMBUSTÍVEIS E LUBRIFICANTES GTL TÊM ALTA QUALIDADE índice cetano > 70 enxofre zero aromáticos zero enxofre zero alto ponto de fuligem aromáticos zero enxofre zero aromáticos zero altíssimo índice de viscosidade

28 GTL A Tecnologia GTL (ou LSGN) Gerador do Syngas Conversão Fisher - Tropsch Refino Gás Natural O 2 Syngas Gás Sintético Hidrocarbonetos Parafínicos Líquidos Vapor D água Fonte: U.S. Department of Energy

29 GTL ETAPAS DO GTL: GERAÇÃO DE GÁS DE SÍNTESE SÍNTESE DE FISCHER-TROPSCH HIDROISOMERIZAÇÃO

30 GTL AS TECNOLOGIAS EXISTENTES DE GTL SÃO ECONOMICAMENTE VIÁVEIS DESDE QUE: A PRODUÇÃO SEJA SUPERIOR A B/D O PREÇO DO BARRIL ESTIVER ACIMA DE US$ 20 O GÁS NATURAL TIVER BAIXO CUSTO DE PRODUÇÃO ESCALA, LOCALIZAÇÃO E PREÇO SÃO AS CHAVES PARA A VIABILIDADE ECONÔMICA

O Estado da Arte do GNL em Portugal

O Estado da Arte do GNL em Portugal O Estado da Arte do GNL em Portugal Patrícia Baptista, Gonçalo Duarte, Rui Couchinho, Amílcar Arantes Instituto Superior Técnico 11 de Dezembro de 2015 EU Statistical pocketbook 2015 O papel do transporte

Leia mais

Desafios Tecnológicos para o Gás Natural. Newton Reis de Moura Petrobras

Desafios Tecnológicos para o Gás Natural. Newton Reis de Moura Petrobras Desafios Tecnológicos para o Gás Natural Newton Reis de Moura Petrobras Novembro de 2007 Objetivo Apresentar o estado da arte das diversas tecnologias para o segmento Gás Natural, destacando: tecnologias

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Aula 17 Combustíveis e inflamáveis Núcleo

Leia mais

Introdução do GNL na Matriz Energética do Setor Elétrico Brasileiro

Introdução do GNL na Matriz Energética do Setor Elétrico Brasileiro BG Group Introdução do GNL na Matriz Energética do Setor Elétrico Brasileiro Seminário ABRAGET 2007 Luiz Costamilan Rio de Janeiro, 26 de Abril de 2007 Agenda Introdução: Grupo BG Mercado Global de GNL

Leia mais

INSTITUCIONAL. Versão 2014 Data: Março / 2014

INSTITUCIONAL. Versão 2014 Data: Março / 2014 1 INSTITUCIONAL Versão 2014 Data: Março / 2014 1.1. A COMGÁS... 1.3 1.1.1. A empresa... 1.3 1.1.2. COMGÁS: uma combinação de competências e princípios... 1.3 1.1.3. COMGÁS: área de concessão... 1.3 1.1.3.1.

Leia mais

nome de Química do C1. De uma maneira geral é possível dividir estes produtos em três categorias:

nome de Química do C1. De uma maneira geral é possível dividir estes produtos em três categorias: ,1752'8d 2 O gás natural é composto, principalmente, de metano (até 98%) e por alguns hidrocarbonetos de maior peso molecular (de C 2 a C 6 ) além dos diluentes N 2 e CO 2. Com o uso crescente de petróleo

Leia mais

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis.

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. GNV Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. REUNIÃO DE ESPECIALISTAS SOBRE TRANSPORTE URBANO SUSTENTÁVEL MODERNIZAR E TORNAR ECOLÓGICA A FROTA DE TÁXIS NAS CIDADES LATINO AMERICANAS

Leia mais

14/02/2014 O QUE É ENERGIA? HISTÓRICO FONTES DE ENERGIA. Não Renováveis: Renováveis:

14/02/2014 O QUE É ENERGIA? HISTÓRICO FONTES DE ENERGIA. Não Renováveis: Renováveis: O QUE É ENERGIA? Definição em Física: energia é a capacidade de realizar trabalho, porém esse significado não retrata com exatidão a definição de energia devido as suas limitações conceituais. Assim, a

Leia mais

INDICADORES EM ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE PARA A CADEIA PRODUTIVA DE GÁS NATURAL

INDICADORES EM ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE PARA A CADEIA PRODUTIVA DE GÁS NATURAL INDICADORES EM ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE PARA A CADEIA PRODUTIVA DE GÁS NATURAL Pedro Duarte Filho 1 José Marta Filho 2 Resumo O setor energético de gás natural vem crescendo rapidamente e tornando-se

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 DESEMPENHO DE UM GRUPO GERADOR OPERANDO COM MOTOR DIESEL CONVERTIDO PARA FUNCIONAR APENAS COM GÁS NATURAL Jaguaribe,

Leia mais

Capítulo 2. Caracterização dos gases Combustíveis

Capítulo 2. Caracterização dos gases Combustíveis Capítulo 2 Caracterização dos gases Combustíveis 1 Caracterização dos gases combustíveis... 1 2 Principais características dos gases... 2 2.1 Gases da 1ª família gás de cidade... 2 2.2 Gases da 2ª família

Leia mais

Conceitos e definições do setor de gás natural

Conceitos e definições do setor de gás natural Conceitos e definições do setor de gás natural O que é o gás natural O gás natural é um combustível fóssil que se encontra na natureza, associado ou não ao petróleo, formado por hidrocarbonetos com predominância

Leia mais

Mercado de Gás Natural: Evolução e Desafios

Mercado de Gás Natural: Evolução e Desafios Mercado de Gás Natural: Evolução e Desafios APIMEC Agosto 2011 Gás Natural : Conceitos Campos Gás Natural Gás Associado É aquele que, no reservatório, está dissolvido no óleo ou sob forma de capa de gás.

Leia mais

PETRÓLEO E GÁS NATURAL

PETRÓLEO E GÁS NATURAL PANORAMA DOS MERCADOS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL NO BRASIL E NO MUNDO* Ivan Magalhães Júnior** * Novembro de 2004. ** Engenheiro da Área de Planejamento do BNDES. PETRÓLEO E GÁS NATURAL Resumo O objetivo

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

Curso Engenharia Mecânica REDES DE GÁS

Curso Engenharia Mecânica REDES DE GÁS Curso Engenharia Mecânica REDES DE GÁS Luís Mesquita, 2007 Índice Geral CAPÍTULO 1: Enquadramento Energético e Introdução do Gás Natural em Portugal (1) CAPÍTULO 2: Caracterização dos gases Combustíveis

Leia mais

CUSTOS E BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DE TECNOLOGIAS DE TRANSPORTE DE GÁS NATURAL NO BRASIL

CUSTOS E BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DE TECNOLOGIAS DE TRANSPORTE DE GÁS NATURAL NO BRASIL CUSTOS E BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DE TECNOLOGIAS DE TRANSPORTE DE GÁS NATURAL NO BRASIL Clarissa ANDRADE SANTARÉM Universidade Federal do Rio de Janeiro LORDE (Brasil) Rosemarie BRÖKER BONE Universidade Federal

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 10 - Gás Natural. Sorocaba, Abril de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 10 - Gás Natural. Sorocaba, Abril de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 10 - Gás Natural Sorocaba, Abril de 2015. Terminologia Líquidos de Gás Natural LGN - Hidrocarbonetos

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

Química Geral Materiais Homogêneos e Heterogêneos

Química Geral Materiais Homogêneos e Heterogêneos Química Geral Materiais Homogêneos e Heterogêneos 1. (Uepg 2013) Quanto às características das substâncias puras e das misturas, assinale o que for correto. 01) Misturas sólidas homogêneas não podem ser

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, MEIO AMBIENTE E MINORIAS PROJETO DE LEI Nº 576, DE 1999 PARECER REFORMULADO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, MEIO AMBIENTE E MINORIAS PROJETO DE LEI Nº 576, DE 1999 PARECER REFORMULADO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, MEIO AMBIENTE E MINORIAS PROJETO DE LEI Nº 576, DE 1999 PARECER REFORMULADO Proíbe a instalação de aquecedores a gás no interior de banheiros. Autor: Deputado Simão Sessim

Leia mais

Estrutura da Indústria do Petróleo e Gás

Estrutura da Indústria do Petróleo e Gás Estrutura da Indústria do Petróleo e Gás Professora Elaine Ribeiro EMENTA Origem do petróleo e do gás natural. Estrutura da Indústria do Petróleo, Gás e Biocombustível Origem do Petróleo e Gás Petróleo:

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 Plano Nacional de Energia 2030 Gás Natural Brasília, 13 de julho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Gás Natural Roteiro Observações Iniciais Gás Natural no Mundo Gás Natural no Brasil Expansão da Geração

Leia mais

FRACIONAMENTO DO GÁS NATURAL

FRACIONAMENTO DO GÁS NATURAL MESTRADO EM ENGENHARIA DE PROCESSOS FRACIONAMENTO DO GÁS NATURAL DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL Prof. André Luis Dantas Ramos e Prof. Alexandre Ferreira Santos, PEP/NDTR/UNIT 1 Regulamentação

Leia mais

Utilização do óleo vegetal em motores diesel

Utilização do óleo vegetal em motores diesel 30 3 Utilização do óleo vegetal em motores diesel O óleo vegetal é uma alternativa de combustível para a substituição do óleo diesel na utilização de motores veiculares e também estacionários. Como é um

Leia mais

Situação de Oferta e Demanda de Gás Natural no Cone Sul

Situação de Oferta e Demanda de Gás Natural no Cone Sul Situação de Oferta e Demanda de Gás Natural no Cone Sul Prof. Dr. Edmilson Moutinho dos Santos e Flávio Fernandes Congresso Latino-americano GAS SUMMIT São Paulo-SP Maio/2004 1 Tendência Mundial (IEA,

Leia mais

EXPERIÊNCIA ARGENTINA EM EXPLORAÇÃO E USO DE GLP E OUTROS ENERGÉTICOS

EXPERIÊNCIA ARGENTINA EM EXPLORAÇÃO E USO DE GLP E OUTROS ENERGÉTICOS EXPERIÊNCIA ARGENTINA EM EXPLORAÇÃO E USO DE GLP E OUTROS ENERGÉTICOS ENG. RAUL DELLATORRE PRESIDENTE DA AXLE S.A AUDITORIA E PROJETOS EM GLP E COMBUSTIVEIS LIQUIDOS A ARGENTINA ESTA ATRAVESSANDO UM SERIO

Leia mais

Operador de Processo e Produção. Módulo V

Operador de Processo e Produção. Módulo V Operador de Processo e Produção Módulo V GÁS NATURAL O Gás Natural é uma mistura de hidrocarbonetos leves, que permanece em estado gasoso nas condições normais de pressão e temperatura. Assim como o Petróleo,

Leia mais

PRODUÇÃO DE ECO-COMBUSTÍVEIS POR CONVERSÃO TERMOQUÍMICA DE RESÍDUOS LIGNOCELULÓSICOS E POLIMÉRICOS

PRODUÇÃO DE ECO-COMBUSTÍVEIS POR CONVERSÃO TERMOQUÍMICA DE RESÍDUOS LIGNOCELULÓSICOS E POLIMÉRICOS PRODUÇÃO DE ECO-COMBUSTÍVEIS POR CONVERSÃO TERMOQUÍMICA DE RESÍDUOS LIGNOCELULÓSICOS E POLIMÉRICOS Andrei Longo 1*, Margarida Gonçalves 1, Paulo Brito 2. 1 Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade

Leia mais

Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O uso do gás natural. Sobre a ANP. O uso do gás natural

Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O uso do gás natural. Sobre a ANP. O uso do gás natural Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos gasosos, dentre os quais se destacam o metano, o etano e o propano, resultantes

Leia mais

Revisão bibliográfica

Revisão bibliográfica 17 2 Revisão bibliográfica Miranda e Moura (2000) apresentaram o resultado de um experimento feito cujo objetivo era analisar o comportamento de um motor Diesel após ter o óleo vegetal de dendê in natura

Leia mais

Plano de Negócios 2011-2015

Plano de Negócios 2011-2015 PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Companhia Aberta FATO RELEVANTE Plano de Negócios 2011-2015 Rio de Janeiro, 22 de julho de 2011 Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras comunica que seu Conselho de Administração

Leia mais

NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL

NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL NOVAS MODALIDADES DE CONTRATAÇÃO DE GÁS NATURAL Publicação da Área de Negócios de Gás & Energia da Petrobras ÍNDICE Capítulo 01 Panorama da indústria gasífera

Leia mais

PROVEIT APROVEIT MENT

PROVEIT APROVEIT MENT l (GMI) TECNOLOGIAS PARA O APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DO BIOGÁS Frederico Ferreira de Vasconcelos SCAI Automação Ltda. Consultor da Agência de Proteção Ambiental dos EUA (US EPA) Brasilia, DF 8 de Novembro

Leia mais

Eng. Rosiane Albuquerque

Eng. Rosiane Albuquerque Eng. Rosiane Albuquerque NR - 20 Definição e Classes: - Líquidos e Combustíveis Inflamáveis Tanques de Armazenagem e suas Características Salas de armazenamento de Líquidos Inflamáveis NR - 23 Classes

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico Cayo César Lopes Pisa Pinto Usinas Termelétricas Vitória 2008 Usinas Termelétricas Trabalho Apresentado à disciplina

Leia mais

O Petróleo é um fonte de energia não renovável, e no momento uma das maiores fontes de energia para a humanidade.

O Petróleo é um fonte de energia não renovável, e no momento uma das maiores fontes de energia para a humanidade. PETRÓLEO Atualmente o Petróleo é um dos recursos naturais de que a nossa sociedade mais depende, pois diversos produtos que conhecemos e utilizamos são derivados desse combustível que move o mundo. O Petróleo

Leia mais

* CESP - Cia Energética de São Paulo Rua da Consolação 1875-15º andar, São Paulo - SP - 01301-100 fone (011) 234-6080 - fax (011) 234-6326

* CESP - Cia Energética de São Paulo Rua da Consolação 1875-15º andar, São Paulo - SP - 01301-100 fone (011) 234-6080 - fax (011) 234-6326 GIA / 09 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO XI GRUPO DE IMPACTOS AMBIENTAIS (GIA) AS EMISSÕES DE POLUENTES NAS USINAS TERMOELÉTRICAS A GÁS NATURAL: UM ESTUDO DE CASO Jean Cesare

Leia mais

Soluções em energia. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: Iluminação LED

Soluções em energia. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: Iluminação LED Soluções em energia EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: Iluminação LED ENERGIA Insumo fundamental para garantir o desenvolvimento econômico e social do país ENERGIA ÓLEO COMBUSTÍVEL GÁS NATURAL GLP BIOMASSA ELÉTRICA

Leia mais

QUÍMICA 12.º ANO UNIDADE 2 COMBUSTÍVEIS, ENERGIA E AMBIENTE 12.º A

QUÍMICA 12.º ANO UNIDADE 2 COMBUSTÍVEIS, ENERGIA E AMBIENTE 12.º A QUÍMICA 12.º ANO UNIDADE 2 COMBUSTÍVEIS, ENERGIA E AMBIENTE 12.º A 14 de Janeiro de 2011 2 Combustíveis fósseis O que são combustíveis fósseis? 3 Substâncias formadas, em tempos geológicos recuados, por

Leia mais

Monitoramento de Biogás Manual de aplicação

Monitoramento de Biogás Manual de aplicação / engezer@engezer.com.br Monitoramento de Biogás Manual de aplicação O biogás constitui uma fonte de energia renovável verdadeiramente sustentável. A utilização do biogás cresceu de forma exponencial nos

Leia mais

Workshop sobre Marco Regulatório do Pré-Sal. A Cadeia Produtiva da Indústria Desafios e Oportunidades

Workshop sobre Marco Regulatório do Pré-Sal. A Cadeia Produtiva da Indústria Desafios e Oportunidades Workshop sobre Marco Regulatório do Pré-Sal A Cadeia Produtiva da Indústria Desafios e Oportunidades CNI Brasília, 01/10/2009 Marco Regulatório do Pré-Sal A Cadeia Produtiva da Indústria A Visão da Indústria

Leia mais

CHILE. 2. Classificação de veículos : 2.1. Veículos Leves. 2.2. Veículos Médios. 2.3. Veículos Pesados

CHILE. 2. Classificação de veículos : 2.1. Veículos Leves. 2.2. Veículos Médios. 2.3. Veículos Pesados CHILE CHILE 1. Introdução : No Chile são aplicados, alternativamente, os limites de emissões americanos ou europeus, com seus respectivos ciclos de ensaio. Para veículos leves, os ensaios de homologação

Leia mais

Composição. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos leves, que, à temperatura ambiente e pressão atmosfé

Composição. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos leves, que, à temperatura ambiente e pressão atmosfé Composição O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos leves, que, à temperatura ambiente e pressão atmosfé Na natureza, ele é encontrado acumulado em rochas porosas no subsolo, frequentemente acompanhad

Leia mais

Prática sobre ponto de fulgor de combustíveis líquidos

Prática sobre ponto de fulgor de combustíveis líquidos Química e Energia - Prof. Barbieri ICET Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Quando um corpo combustível é aquecido, atinge diferentes estágios da temperatura, os quais são conhecidos por: Ponto de

Leia mais

GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO!

GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO! GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO! 14º Encontro de Energia FIESP Matriz Segura e Competitiva Luis Henrique Guimarães São Paulo, 5 de agosto de 2013 1 AGENDA Princípios que norteiam a apresentação O que é Preço

Leia mais

Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica

Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica Semana de Atividades Científicas 2012 Associação Educacional Dom Bosco Faculdade de Engenharia de Resende Engenharia Elétrica Eletrônica UTILIZAÇÃO DA ANÁLISE DE GASES DISSOLVIDOS EM ÓLEO MINERAL ISOLANTE

Leia mais

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...4. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 46 - Janeiro 2012

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...4. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 46 - Janeiro 2012 Sumário...4 Expediente Conselho Deliberativo ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Presidente: Luis Domenech Vice-Presidente: Aldo Guedes Conselheiros: Bruno Armbrust,

Leia mais

A questão energética. Capítulo 28

A questão energética. Capítulo 28 A questão energética Capítulo 28 Balanço energético mundial Energia é a capacidade de produzir trabalho; Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo Necessidade de novas fontes de energia Ciclos

Leia mais

Tecnologia de Tração Elétrica

Tecnologia de Tração Elétrica REV.00 01 Tecnologia de Tração Elétrica Veículos a Bateria Trólebus Híbridos Hidrogênio Fuel Cel ou Pilha a Combustível 02 Veículos a Bateria VANTAGENS 1. TOTALMENTE ELÉTRICO. POLUIÇÃO PRATICAMENTE ZERO.

Leia mais

Mercado brasileiro de gás natural e fontes de gás não convencionais

Mercado brasileiro de gás natural e fontes de gás não convencionais UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Mercado brasileiro de gás natural e fontes de gás não convencionais

Leia mais

III CNEG Niterói, RJ, Brasil, 17, 18 e 19 de agosto de 2006.

III CNEG Niterói, RJ, Brasil, 17, 18 e 19 de agosto de 2006. COMPARAÇÃO ENTRE OS RESULTADOS DECLARADOS POR FORNECEDORES DE MISTURAS PADRÕES DE GÁS NATURAL COM MEDIÇÕES REALIZADAS SEGUINDO PADRÕES METROLÓGICOS DO INMETRO Leandro Joaquim Rodrigues Pereira (UFF) -

Leia mais

Gás Liquefeito de Petróleo. Informações Técnicas

Gás Liquefeito de Petróleo. Informações Técnicas Informações Técnicas 1. Definição e composição... 3 2. Principais aplicações... 3 3. Tipos de Gases Liquefeitos... 4 4. Requisitos de qualidade e especificação... 5 4.1. Pressão de vapor Reid... 5 4.2.

Leia mais

Sistema de Descarga Baseado em Dióxido de Carbono (CO 2 ) Líquido. White Martins Gases Industriais S.A. IVIG - COPPE

Sistema de Descarga Baseado em Dióxido de Carbono (CO 2 ) Líquido. White Martins Gases Industriais S.A. IVIG - COPPE Sistema de Descarga Baseado em Dióxido de Carbono (CO 2 ) Líquido White Martins Gases Industriais S.A. IVIG - COPPE Grupo de Análise de Risco Tecnológico Ambiental - GARTA Grupo de pesquisa aplicada do

Leia mais

Cadeias Carbônicas hidrocarbonetos

Cadeias Carbônicas hidrocarbonetos Resoluções Segmento: Pré-vestibular Coleção: Alfa, Beta e Gama. Disciplina: Química Caderno de Exercícios 1 Série: 12 Cadeias Carbônicas hidrocarbonetos 1. Pode-se distinguir uma amostra sólida de um composto

Leia mais

Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001; Membro do GT Tripartite da NR-33, publicada em 27/12/2006.

Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001; Membro do GT Tripartite da NR-33, publicada em 27/12/2006. Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001; Membro do GT Tripartite da NR-33, publicada em 27/12/2006. Al. Iraé, 620 conjunto 56 Indianópolis São Paulo SP Tel: (11)

Leia mais

Visões para o Desenvolvimento da Indústria Brasileira de Gás Natural. Marco Tavares

Visões para o Desenvolvimento da Indústria Brasileira de Gás Natural. Marco Tavares Visões para o Desenvolvimento da Indústria Brasileira de Gás Natural Marco Tavares Maio de 2014 1. CONTEXTO INTERNACIONAL DA INDÚSTRIA DE GÁS NATURAL A IEA Agência Internacional de Energia propôs que a

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 9 - Petróleo. Sorocaba, Março de 2015

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 9 - Petróleo. Sorocaba, Março de 2015 Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 9 - Petróleo Sorocaba, Março de 2015 PETRÓLEO Componente básico de mais de 6.000 produtos, utilizado

Leia mais

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Índice 1. Grupo Dourogás 2. O Gás Natural 3. UE: mobilidade sustentável 4.

Leia mais

Gás Natural Parte VI. Fernando Borges AB-LO/OL/MD Julho/2012

Gás Natural Parte VI. Fernando Borges AB-LO/OL/MD Julho/2012 Gás Natural Parte VI Fernando Borges AB-LO/OL/MD Julho/2012 Conceito, Definições Básicas e Propriedades. Mistura de hidrocarbonetos (CnH2n+2) com predominância de metano - CH4 - (percentual mínimo aproximado

Leia mais

Aplicabilidade da Matriz de Combustíveis no Desenvolvimento de Novas Tecnologias

Aplicabilidade da Matriz de Combustíveis no Desenvolvimento de Novas Tecnologias MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MME SECRETÁRIA DE PETRÓLEO, GÁS NATURAL E COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS SPG DEPARTAMENTO DE COMBUSTÍVEIS DERIVADOS DE PETRÓLEO - DCDP Aplicabilidade da Matriz de Combustíveis no

Leia mais

Análises Energética e Exergética de um Motor de Combustão Interna Operando com Mistura de Diesel e Gás Natural

Análises Energética e Exergética de um Motor de Combustão Interna Operando com Mistura de Diesel e Gás Natural UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DOUTORADO EM ENGENHARIA DE PROCESSOS Análises Energética e Exergética de um Motor de Combustão Interna Operando com Mistura de Diesel

Leia mais

Economia política do gás natural

Economia política do gás natural Economia política do gás natural Fundamentos Hidrocarboneto Duas formas -associado (ao petróleo) -não associado Composição:metano, propano, butano, outros Usos: industrial (calor); geração elétrica, transporte,

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013 001 Qual a legislação que disciplina a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e a comercialização de petróleo e seus derivados,

Leia mais

Eficiência Energética Fundação Santo André - Professor Mario Pagliaricci

Eficiência Energética Fundação Santo André - Professor Mario Pagliaricci Fundação Santo André - Professor Mario Pagliaricci FONTES DE ENERGIA 1 Um pouco de Física (I, II, III e IV) 2 O Problema dos Transportes 3 Fontes de Energia de Grande Porte 4 Fontes Alternativas 5 E o

Leia mais

Painel: O Papel do Gás Natural na Matriz Energética Brasileira

Painel: O Papel do Gás Natural na Matriz Energética Brasileira Painel: O Papel do Gás Natural na Matriz Energética Brasileira Sylvie D Apote Sócia-Diretora Mesa Redonda sobre Energia no Brasil O início de uma nova era energética? Rio de Janeiro, 23 de outubro de 2015

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Comparação da eficiência ambiental de caldeira operada com gás natural e caldeira operada com casca de coco babaçu Gustavo Godoi Neves (Eng. de Produção - FAJ) gustavo_g_n@hotmail.com Dra Ângela Maria

Leia mais

COMBUSTÍVEIS. Classificação. Sólido Líquido Gasoso

COMBUSTÍVEIS. Classificação. Sólido Líquido Gasoso COMBUSTÍVEIS COMBUSTÍVEIS Combustível é toda substância, natural ou artificial, na fase sólida, líquida ou gasosa, capaz de reagir com o oxigênio do ar, mediante escorvamento, liberando calor e luz. Classificação

Leia mais

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais.

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Robson

Leia mais

ENERGIA. Em busca da sustentabilidade

ENERGIA. Em busca da sustentabilidade ENERGIA Em busca da sustentabilidade Quais formas de energia você consegue identificar nesta cena? Características de uma boa fonte de combustível i) Fornecer grande quantidade de energia por unidade de

Leia mais

Reservas de Óleo e Gás Natural na Amazônia Ocidental Uso Industrial e Polo Gás Químico. As potencialidades do uso do gás natural nas indústrias

Reservas de Óleo e Gás Natural na Amazônia Ocidental Uso Industrial e Polo Gás Químico. As potencialidades do uso do gás natural nas indústrias Reservas de Óleo e Gás Natural na Amazônia Ocidental Uso Industrial e Polo Gás Químico As potencialidades do uso do gás natural nas indústrias Clovis Correia Júnior Diretor Técnico Comercial 29 de novembro

Leia mais

PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DO SETOR PETRÓLEO E GÁS NO BRASIL. Helder Queiroz Pinto Jr Mariana Iootty

PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DO SETOR PETRÓLEO E GÁS NO BRASIL. Helder Queiroz Pinto Jr Mariana Iootty PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DO SETOR PETRÓLEO E GÁS NO BRASIL Helder Queiroz Pinto Jr Mariana Iootty TÓPICOS PARA DISCUSSÃO PANORAMA INTERNACIONAL DA INDÚSTRIA DE PETRÓLEO E DE GÁS: SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.019.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Informações sobre a comercialização de combustíveis

Informações sobre a comercialização de combustíveis ABASTECIMENTO EM NÚMEROS ANO 8 * Nº 4 * MARÇO DE 213 BOLETIM GERENCIAL Superintendência de Abastecimento Informações sobre a comercialização de combustíveis A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

Fontes não-renováveis

Fontes não-renováveis PRODUÇÃO DE ENERGIA Fontes não-renováveis RENOVÁVEIS NÃO-RENOVÁVEIS Têm a possibilidade de se renovar, como as energias solar, hidráulica, eólica (ventos), marés e biomassa. Podem se renovar naturalmente

Leia mais

Retomada do mercado do GNV: Principais Benefícios

Retomada do mercado do GNV: Principais Benefícios Retomada do mercado do GNV: Principais Benefícios Professor Edmar de Almeida Grupo de Economia da Energia Instituto de Economia UFRJ PLANO DA APRESENTAÇÃO Contexto atual do mercado de GNV no Brasil Oportunidades

Leia mais

Informações sobre a comercialização de combustíveis

Informações sobre a comercialização de combustíveis ABASTECIMENTO EM NÚMEROS ANO 4 * Nº 21 * FEVEREIRO DE 29 BOLETIM GERENCIAL Superintendência de Abastecimento Informações sobre a comercialização de combustíveis A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

Estudo do Desempenho de um Motor Multicombustível Operando Simultaneamente com GNV e Álcool Etílico em Diferentes Proporções

Estudo do Desempenho de um Motor Multicombustível Operando Simultaneamente com GNV e Álcool Etílico em Diferentes Proporções Estudo do Desempenho de um Motor Multicombustível Operando Simultaneamente com GNV e Álcool Etílico em Diferentes Proporções Paulo Roberto Bomfim Burger 1, José Guilherme Coelho Baeta 2, Ramón Molina Valle

Leia mais

Recursos energéticos e os desafios ambientais. Professor: Jonathan Kreutzfeld

Recursos energéticos e os desafios ambientais. Professor: Jonathan Kreutzfeld Recursos energéticos e os desafios ambientais Professor: Jonathan Kreutzfeld Energia Elétrica Aula fundamentada nos dados do Atlas da ANEEL ENERGIA As fontes de energia dividem-se em dois tipos: - fontes

Leia mais

ANÁLISE DA PARTICIPAÇÃO DO GÁS NATURAL NA MATRIZ ENERGÉTICA E A APLICAÇÃO DESSE COMBUSTÍVEL NO PROCESSO DE PELOTIZAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

ANÁLISE DA PARTICIPAÇÃO DO GÁS NATURAL NA MATRIZ ENERGÉTICA E A APLICAÇÃO DESSE COMBUSTÍVEL NO PROCESSO DE PELOTIZAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ANÁLISE DA PARTICIPAÇÃO DO GÁS NATURAL NA MATRIZ ENERGÉTICA E A

Leia mais

REFINO E TRANSPORTE DE HIDROCARBONETOS. José Wellington de Paiva Gerente da Operação de Processamento de Fluidos dezembro/2005

REFINO E TRANSPORTE DE HIDROCARBONETOS. José Wellington de Paiva Gerente da Operação de Processamento de Fluidos dezembro/2005 REFINO E TRANSPORTE DE HIDROCARBONETOS José Wellington de Paiva Gerente da Operação de Processamento de Fluidos dezembro/2005 UN-RNCE - UNIDADE DE NEGÓCIO DO RN E CEARÁ LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA PRODUÇÃO-MAR

Leia mais

Instalações de Gás. Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências.

Instalações de Gás. Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências. Instalações de Gás Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências. Tipos de Gases: Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são: GLP (Gás Liquefeito de Petróleo)

Leia mais

COMBUSTÃO E QUEIMADORES

COMBUSTÃO E QUEIMADORES COMBUSTÃO E QUEIMADORES Ricardo Serfaty CENPES/Engenharia Básica/ Equipamentos Tel: 8126209 / +55 21 38656209 Fax: 8127147 / +55 21 38657147 Chave BR08 email: rserfaty@cenpes.petrobras.com.br Índice COMBUSTÍVEIS...

Leia mais

Exercícios sobre Termoquímica- variação de entalpia

Exercícios sobre Termoquímica- variação de entalpia Exercícios sobre Termoquímica- variação de entalpia 01. (Cesgranrio) Quando se adiciona cal viva (CaO) à água, há uma liberação de calor devida à seguinte reação química: CaO + H 2O Ca(OH) 2 + X kcal/mol

Leia mais

ANÁLISE DAS EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA POR USINAS TERMELÉTRICAS

ANÁLISE DAS EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA POR USINAS TERMELÉTRICAS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GIA - 19 16 a 21 Outubro de 25 Curitiba - Paraná GRUPO XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS - GIA ANÁLISE DAS EMISSÕES DE GASES

Leia mais

AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DO PROCESSO DE CARGA PARA O ARMAZENAMENTO DE GÁS NATURAL POR ADSORÇÃO

AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DO PROCESSO DE CARGA PARA O ARMAZENAMENTO DE GÁS NATURAL POR ADSORÇÃO Copyright 2004, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE MATRIZ ENERGÉTICA FÓSSIL

UMA ABORDAGEM SOBRE MATRIZ ENERGÉTICA FÓSSIL UMA ABORDAGEM SOBRE MATRIZ ENERGÉTICA FÓSSIL Bruna de Souza Melo 1 ; Lara Caldas Batista Teixeira 2 ; Adriana Cláudia Câmara da Silva 3 1 Discente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...03. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 50 - Julho 2012

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...03. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 50 - Julho 2012 Sumário...03 Expediente Conselho Deliberativo ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Presidente: Luis Domenech Vice-Presidente: Aldo Guedes Conselheiros: Bruno Armbrust,

Leia mais

Recursos Atmosfericos

Recursos Atmosfericos Recursos Atmosfericos Professor: Neyval Costa Reis Jr. Departamento de Engenharia Ambiental Centro Tecnológico UFES Programa Detalhado Atmosfera Camadas Constituintes Balanço de energia Ventos na atmosfera

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

TERMOQUÍMICA. Desta forma podemos dizer que qualquer mudança química geralmente envolve energia.

TERMOQUÍMICA. Desta forma podemos dizer que qualquer mudança química geralmente envolve energia. TERMOQUÍMICA 1 Introdução A sociedade moderna depende das mais diversas formas de energia para sua existência. Quase toda a energia de que dependemos é obtida a partir de reações químicas, como a queima

Leia mais

Química 2. Módulo 9: Termoquímica ATIVIDADE III

Química 2. Módulo 9: Termoquímica ATIVIDADE III Química Módulo 9: Termoquímica 1. (UNESP/010) A tabela apresenta informações sobre as composições químicas e as entalpias de combustão para três diferentes combustíveis que podem ser utilizados em motores

Leia mais

Exercícios sobre Termoquímica- lei de hess

Exercícios sobre Termoquímica- lei de hess Exercícios sobre Termoquímica- lei de hess 01. (Unesp - adaptada) Definir, ou conceituar, e discutir, usando exemplos quando julgar conveniente: a) entalpia molar padrão de formação de uma substância;

Leia mais

ENERGIAS FÓSSEIS O GÁS

ENERGIAS FÓSSEIS O GÁS ENERGIAS FÓSSEIS O GÁS Lisboa, 10 de Abril de 2008 Paula Barbeitos GÁS NATURAL O QUE É? DE ONDE PROVÉM? QUAIS AS SUAS APLICAÇÕES? COMO SE GUARDA? COMO SE TRANSPORTA? VANTAGENS SEGURANÇA O QUE É O GÁS NATURAL?

Leia mais

O futuro da energia. Apresentação. OPUS Solutions & Pro2. Hendrik Wernick - Sócio Diretor Gunther Wernick - Sócio Diretor

O futuro da energia. Apresentação. OPUS Solutions & Pro2. Hendrik Wernick - Sócio Diretor Gunther Wernick - Sócio Diretor O futuro da energia Apresentação OPUS Solutions & Pro2 Hendrik Wernick - Sócio Diretor Gunther Wernick - Sócio Diretor Apresentação da Empresa UNIDADES DE NEGÓCIO: OPUS INTERNATIONAL - Importação & Exportação;

Leia mais

Combustão Industrial

Combustão Industrial Combustão Industrial JOSÉ EDUARDO MAUTONE BARROS Professor Adjunto da Universidade Federal de Minas Gerais Coordenador do Laboratório de Combustíveis e Combustão Doutor em Engenharia Mecânica - Térmica

Leia mais

48 CONGRESSO BRASILEIRO DE CERÂMICA CURITIBA PR 29/06/04

48 CONGRESSO BRASILEIRO DE CERÂMICA CURITIBA PR 29/06/04 48 CONGRESSO BRASILEIRO DE CERÂMICA CURITIBA PR 29/06/04 2 OS BENEFÍCIOS DO GÁS NATURAL PARA A INDÚSTRIA CERÂMICA HUDSON BRITO 3 COMGÁS - Fundada em 28/08/1872 Segunda distribuidora mais antiga do Brasil

Leia mais

A FASE P-7 DO PROCONVE E OS SEUS IMPACTOS NO SETOR DE TRANSPORTE

A FASE P-7 DO PROCONVE E OS SEUS IMPACTOS NO SETOR DE TRANSPORTE A FASE P-7 DO PROCONVE E OS SEUS IMPACTOS NO SETOR DE TRANSPORTE III Encontro anual da Equipe Técnica do Despoluir Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Rio de Janeiro, novembro de 2010. Proconve Programa

Leia mais

Poluição e necessidade de ventilação dos edifícios

Poluição e necessidade de ventilação dos edifícios Poluição e necessidade de ventilação dos edifícios CO Ruídos Fungos Poluição industrial Umidade Bactéria Ozônio Produtos químicos Particulados Odores Poluição de tráfego VOCs Pólen Fumaça de tabaco CO

Leia mais

GENERALIDADES. Versão 2014 Data: Março / 2014

GENERALIDADES. Versão 2014 Data: Março / 2014 2 GENERALIDADES Versão 2014 Data: Março / 2014 2.1. Principais características... 2.3 2.1.1. Poder calorífico superior (PCS)... 2.3 2.1.2. Poder calorífico inferior (PCI)... 2.3 2.1.3. Densidade relativa...

Leia mais