SIMULANDO A DINÂMICA DA TRANSIÇÃO V-V

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIMULANDO A DINÂMICA DA TRANSIÇÃO V-V"

Transcrição

1 Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 ( ) Edson FRANÇOZO (Unicamp) Orlando Bisacchi COELHO (FMU/Unicamp) Eleonora Cavalcante ALBANO (Unicamp) Laudino ROCES (Unicamp) Pablo ARANTES (Unicamp) Renato BASSO (Unicamp) SIMULANDO A DINÂMICA DA TRANSIÇÃO V-V ABSTRACT The current work presents a connectionist model of an aspect of vowel-to-vowel phonotactics, namely the tendency for vowels to share or avoid repetition of phonic properties, known as harmony and OCP constraints, respectively. The simulation presented herein shows that a recurrent network is able to discriminate between the dynamics of contour and OCP. KEYWORDS: connectionism; simple recurrent network; cognition; phonotactics; harmony; OCP. 0. Introdução Duas importantes restrições operam na transição entre vogais: a tendência a compartilhar a repetição de propriedades fônicas ou a evitá-las. Em um conjunto de estudos distribucionais, Albano (2001a., 2001b e 2002) mostrou que, quanto às combinações de segmentos, o léxico do português brasileiro mostra uma tendência à economia articulatória e à saliência auditiva. Em alguns setores do vocabulário, é clara a tendência à harmonia (ou metafonia) como a que foi morfologizada no sistema verbal e, em parte, na flexão de gênero (por exemplo, na alternância novo/nova ). Em outros setores, a harmonia é evitada de forma semelhante ao que acontece no sistema consonantal onde só as posições adjacentes (e.g. nos encontros tauto- e heterossilábicos) tendem à homorganicidade. As seqüências de consoantes com vogais intercaladas são uma versão probabilística do que se conhece na literatura fonológica como o princípio do contorno obrigatório (OCP), i.e., a tendência a evitar a repetição seqüencial de propriedades fônicas. No presente trabalho, perguntamos se as restrições fonotáticas são suficientemente robustas para que a partir dela se infira o padrão fônico de uma lingua. Isto é, perguntamos se a informação fonética é codificada nos viéses distribucionais presentes no léxico. A resposta a essas perguntas, articulada com base na descrição estatística das regularidades distribucionais presentes em uma base lexical do português brasileiro, faz uso de uma simulação conexionista que focaliza um conjunto representativo das interrelações vocálicas que ocorrem, no PB, nas seqüências fônicas da forma V(C). substantivos trissilábicos; especificamente, a simulação conexionista examina as transições intervocálicas que tendem à harmonia ou que operam sob o princípio do contorno obrigatório. 1. O modelo computacional Como a tendência à harmonia e à operação de OCP (doravante, contorno) são restrições que incidem sobre vogais consecutivas em uma palavra, ela é um fenômeno dinâmico que deve ser estudado através de um modelo apto a dar conta das transições entre vogais no curso de seu desenvolvimento temporal. Uma rede recorrente simples (SRN; Elman 1995) é um modelo desse gênero. A rede recorrente simples é uma rede neural (McClelland & Rumelhart 1986; Elman et al. 1996), isto é, um modelo computacional que incorpora algumas das características do sistema nervoso central humano. Ela consiste de unidades (similares ao neurônio) dispostas em camadas extensivamente conectadas entre si. Estas conexões, que podem ser excitatórias ou inibitórias, fazem com que a ativação de uma unidade influencie na ativação de outras unidades, de modo que a computação que ocorre na rede é cooperativa. De modo semelhante ao que ocorre com o ser humano, as redes neurais são capazes de aprender; isto é, elas são capazes de modificar as suas conexões, de forma autoorganizada, de modo a incorporar, nas suas conexões, características relevantes do meio-ambiente. Um dos algoritmos de aprendizagem utilizados em redes neurais, chamado backpropagation (Rumelhart & McClelland 1986), consiste em modificar as conexões da rede de modo a aprender a correspondência correta entre as entradas que a rede recebe, a partir do seu meio ambiente, e as saídas que se espera que a rede produza a partir dessas entradas. A rede recorrente simples é uma rede multicamadas em que existe um grupo de conexões recorrentes. Estas conexões fornecem uma cópia do valor da ativação de cada unidade da camada

2 442 SIMULANDO A DINÂMICA DA TRANSIÇÃO V-V escondida para a unidade correspondente na camada de contexto (veja Figura 1, abaixo). Assim as ativações das unidades da camada de contexto, num dado instante de tempo, correspondem às ativações da camada escondida no instante anterior. Desta forma, toda vez que a rede recorrente simples processa uma nova entrada, ela o faz no contexto das ativações produzidas anteriormente. Treinada com o algorítimo backpropagation esta rede é capaz de capturar informação temporal presente no conjunto de treinamento. Para tal a tarefa de treinamento utilizada é a previsão: a rede aprende a produzir para cada item do conjunto de treinamento o item imediatamente posterior. Desta forma, a rede aprende a focar nas relações temporais existentes entre os elementos do conjunto de treinamento. ACBEDFGB HIJLK MONQPNGR [;\!]#^G_W`a;abc\ S;T UWVGXYZVGT Figura 1 Arquitetura da rede recorrente simples usada na simulação. Na simulação aqui relatada, usamos uma versão modificada da arquitetura básica das redes recorrentes simples. Para reduzir o número de pesos a serem treinados, uma camada de compressão foi usada entre as camadas de entrada e escondida. A rede foi treinada para predizer o próximo fone em uma palavra, a partir de um conjunto de treinamento que incluía apenas substantivos trissilábicos paroxítonos (num total de palavras). Os fones que constituíam cada palavra eram apresentados à rede um a um; ao fim de cada palavra, a camada de ativação era zerada. Os fones foram codificados como 35 vetores ortogonais, de forma que nehuma informação fonética era fornecida à rede nem mesmo informação relativa às fronteiras de sílaba. 2. Procedimentos de Análise Depois do treinamento, dois procedimentos foram usados para testar o desempenho da rede. Primeiro, as ativações desenvolvidas pelas unidades da camada escondida para cada um dos 35 fones (isoladamente) usados na simulação foram estudados com a ferramenta estatística da análise de clusters. Este é um procedimento que verifica quanto conhecimento fonético a rede é capaz de capturar (probabilisticamente), unicamente a partir dos viéses distribucionais incorporados no léxico. Em seguida, para investigar se a rede é capaz de capturar a dinâmica que controla harmonia e contorno, estudamos as ativações das unidades escondidas à medida em que os fones eram apresentados à rede. Neste segundo procedimento, centrado apenas na transição entre pré-tônicas e tônicas, três tipos de seqüências de fones foram usados. Dois deles foram conjuntos de logatomas (/pv.! #"%$& (')*,+ -)./ :;6<,6=> todas as vogais pré-tônicas (i,e,a,o,u) e as tônicas e foram planejados para controlar o efeito das consoantes sobre a transição entre as vogais. O terceiro consistiu em 12 substantivos trissílabos paróxitonos, nunca antes apresentados para a rede, e que foram planejados para maximizar seja a harmonia seja o contorno na transição entre as vogais sob estudo. Usando a ferramenta estatística da análise de componentes principais, investigamos o espaço das ativações das unidades da camada escondida, procurando pelas dimensões em que o espaço dos componentes principais discriminasse entre harmonia e contorno. 3. Resultados `)dfew_g hgg O estudo das ativações das 35 unidades da camada escondida, através de uma análise de clusters hierárquicos, mostra que, mesmo sem dispor de informação sobre propriedades fonéticas em sua camada de entrada, a rede foi capaz de adquirir significativo conhecimento fonético apenas com base nos viéses distribucionais incorporados no léxico. Por exemplo, na Figura 2 1 fica claro que a rede (i) diferencia correntamente entre vogais e consoantes e (ii) distingue, consistentemente, vogais átonas de tônicas. No campo dos segmentos consonantais, contudo, o comportamento da rede é, visivelmente, menos estruturado. 1 Devido a restrições do programa estatístico, não é possível usar as convenções IPA na geração dos gráficos.

3 Edson FRANÇOZO, Orlando Bisacchi COELHO, Eleonora Cavalcante ALBANO, Laudino ROCES, Pablo ARANTES & Renato BASSO 443 Figura 2 Representações dos fones na camada escondida, a partir da análise de clusters hierárquicos. Por outro lado, já que estamos interessados em modelar um fenômeno dinâmico, é necessário utilizar uma ferramenta de análise que nos ajude a entender o que ocorre ao longo das transições entre fones. A análise de componentes principais, aplicada aos vetores de ativação das unidades da camada escondida da rede, permite identificar as dimensões que melhor representam 2 as relações temporais entre fones. A análise do espaço de representação, no nível das ativações das unidades da camada escondida, mostra que alguns dos componentes principais são capazes de codificar informações relativas a harmonia e contorno. Por exemplo, as trajetórias associadas às transições no sub-espaço coberto pelo quinto (PC 5) e pelo décimo (PC 10) componentes (veja a Figura 3) quando a rede processa logatomas formados com /p/ mostram que a dinâmica para harmonia é oposta à relacionada ao contorno. 2 No sentido conexionista de representação distribuída.

4 444 SIMULANDO A DINÂMICA DA TRANSIÇÃO V-V Figura 3 Dinâmica de harmonia e contorno em PC 5 e PC 10 para logatomas em /p/. Examinando-se agora a transição V-V em certos componentes pricipais, pode-se notar que o componente principal 6 (PC 6), que codifica harmonia, é influenciado pela consoante do logatoma nas Figuras 4a-4d estão representadas as transições entre as pré-tônicas (marcadas como V1) e as tônicas (V2) nos componentes PC6 e PC 1. Figura 4a Transição entre V1 e V2 em PC 6 e PC 1 para logatomas em /p/.

5 Edson FRANÇOZO, Orlando Bisacchi COELHO, Eleonora Cavalcante ALBANO, Laudino ROCES, Pablo ARANTES & Renato BASSO 445 Figura 4b Transição entre V1 e V2 em PC 6 e PC 1 para logatomas em /p/. Compare, nas Figuras 4a e 4b, o comportamento da harmonia e do contorno em PC 6 e PC 1 com logatomas formados a partir de /p/ e o comportamento, nas Figuras 4c e 4d, da mesma dinâmica com logatomas formados a partir de /g/: claramente, a trajetória de harmonia muda junto com a vogal. Por outro lado, a codificação de contorno em PC 6 e tanto a de contorno quanto a de harmonia em PC 1 não se alteram devido à mudança da consoante. Figura 4c Transição entre V1 e V2 em PC 6 e PC 1 para logatomas em /g/

6 446 SIMULANDO A DINÂMICA DA TRANSIÇÃO V-V Figura 4d Transição entre V1 e V2 em PC 6 e PC 1 para logatomas em /g/ Vejamos agora uma situação diferente. As Figuras 5a-5d ilustram a dinâmica da rede quando testada com palavras do PB que não pertencem ao conjunto daquelas usadas no treinamento. A codificação de harmonia nos substantivos, em PC 5, é robusta isto é, não se altera pela mudança da palavra. O mesmo não pode ser dito para a codificação de contorno em PC 5 ou a codificação de ambas as restrições em PC 10. Figura 5a Transições entre V1 e V2 em PC 5 e PC 10 para o par fachada/devoto.

7 Edson FRANÇOZO, Orlando Bisacchi COELHO, Eleonora Cavalcante ALBANO, Laudino ROCES, Pablo ARANTES & Renato BASSO 447 Figura 5b Transições entre V1 e V2 em PC 5 e PC 10 para o par fachada/dureza. Note que o sentido e a direção da reta que representa a transição de harmonia em PC 5, nas Figuras 5c e 5d são os mesmos que nas Figuras 5a e 5b, embora abaixo se representa a dinâmica de harmonia de um par diferente de vogais (e/e contra a/a). Figura 5c Transições entre V1 e V2 em PC 5 e PC 10 para o par defesa/devoto.

8 448 SIMULANDO A DINÂMICA DA TRANSIÇÃO V-V Figura 5d Transições entre V1 e V2 em PC 5 e PC 10 para o par defesa/dureza. Esses dados mostram, pois, que a análise de componentes principais é capaz de codificar aspectos relevantes da fonotaxe envolvida na transição entre pré-tônicas e tônicas em português brasileiro, a saber, a discriminação entre harmonia e contorno, sem que tais aspectos tenham sido explicitamente codificados ou marcados no conjunto de treinamento. Conclusão Uma boa maneira de descrever fenômenos fonotáticos é através de viéses não categoriais, probabilísticos, incorporados ao léxico como restrições que operam sobre as formas lexicais. Esses viéses são propriedades emergentes da operação de um conjunto de sistemas dinâmicos que dão forma ao comportamento lingüístico. Portanto, compreender a fonotaxe, da mesma forma que a cognição em geral, depende de adotar um ponto-de-vista dinâmico (Port & van Gelder 1995). O presente trabalho dá suporte à visão de que a estrutura superficial de uma lingua dispõe de informação rica o suficiente, incorporada no léxico, para permitir que uma rede conexionista dinâmica extraia a informação necessária para desempenhar várias tarefas lingüísticas (Elman et al. 1996). Nesse quadro não é de surpreender que a informação fonotática seja incorporada ao léxico por meio de viéses distribucionais, uma vez que a formação do léxico e a cristalização da fonotaxe podem ser vistos como processos que se desenvolvem conjunta e simultaneamente. RESUMO: O presenta trabalho apresenta o modelamento conexionista de um aspecto da fonotaxe da transição entre pré-tônicas e tônicas, isto é, a tendência de as vogais compartilharem ou evitarem a repetição de propriedades fônicas, chamadas de harmonia e princípio do contorno obrigatório (OCP), respectivamente. A simulação aqui apresentada mostra que uma rede recorrente simples é capaz de discriminar a dinâmica de harmonia daquela de OCP. PALAVRAS-CHAVE: conexionismo; rede recorrente simples; cognição; fonotaxe; harmonia; OCP. AGRADECIMENTOS. Pesquisa financiada pela FAPESP (01/ ). Agradecemos a contribuição, a este trabalho, de Beatriz R. de Medeiros, Leonardo C. F. de Oliveira e vários amigos do LAFAPE/IEL/UNICAMP.

9 Edson FRANÇOZO, Orlando Bisacchi COELHO, Eleonora Cavalcante ALBANO, Laudino ROCES, Pablo ARANTES & Renato BASSO 449 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALBANO, Eleonora Cavalcante O gesto e suas bordas. Campinas, Mercado de Letras, 2001a. ALBANO, Eleonora Cavalcante. É possível integrar o discreto e o contínuo em um modelo de produção do rítmo da fala? Cadernos de Estudos Lingüísticos, 40: 29-38, 2001b. ALBANO, Eleonora Cavalcante. V-to-V phonotactics, syllable structure, and morphological productivity. Abstracts of the Eighth Conference on Laboratory Phonology ELMAN, Jay L. Language as a dynamical system. In R. F. Port & T. van Gelder (Eds.), Mind as motion. Cambridge, MA: The MIT Press, ELMAN, Jeff L., BATES, Elizabeth.A., JOHNSON, Mark H., KARMILLOF-SMITH, Annete., PARISI Domenico. & PLUNKETT, Kim. Rethinking innateness. Cambridge, MA: The MIT Press, MCCLELLAND, J.L. & RUMELHART, D.E. (Eds.) Parallel Distributed Distributed, Vol. 2. Cambridge, MA: The MIT Press, PORT, Robert.P. & van GELDER, Tim. (Eds.) Mind as motion. Cambridge, MA: The MIT Press, RUMELHART D.E. & MCCLELLAND, J.L. (Eds.) Parallel Distributed Distributed, Vol 1. Cambridge, MA: The MIT Press, 1986.

Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais

Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais O objetivo desta aula é procurar justificar o modelo de neurônio usado pelas redes neurais artificiais em termos das propriedades essenciais

Leia mais

3DODYUDVFKDYH Visão Computacional, Inteligência Artificial, Redes Neurais Artificiais.

3DODYUDVFKDYH Visão Computacional, Inteligência Artificial, Redes Neurais Artificiais. 80,7(0$'(9, 23$5$5(&21+(&,0(172'(3(d$(080 7$%8/(,52'(;$'5(= Sérgio Faustino Ribeiro Juracy Emanuel M. da França Marcelo Alves de Barros José Homero Feitosa Cavalcanti Universidade Federal da Paraíba CCT/COPIN/NEUROLAB-CT/DTM

Leia mais

Redes Neurais. A IA clássica segue o paradigma da computação simbólica

Redes Neurais. A IA clássica segue o paradigma da computação simbólica Abordagens não simbólicas A IA clássica segue o paradigma da computação simbólica Redes Neurais As redes neurais deram origem a chamada IA conexionista, pertencendo também a grande área da Inteligência

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 3, pág. 2451

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 3, pág. 2451 O PLURAL DAS PALAVRAS TERMINADAS EM -ÃO: MUDANÇA OU VARIAÇÃO ESTÁVEL? Miriam Cristina Almeida Severino (UFRJ) cristinasmiriams@yahoo.com.br Christina Abreu Gomes (UFRJ) christina-gomes@uol.com.br 1. Introdução

Leia mais

Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios

Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios Empresas e outras organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus

Leia mais

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida 27 de maio de 2014 O que é a Neural Networw Toolbox? A Neural Network Toolbox fornece funções e aplicativos para a modelagem de sistemas não-lineares complexos que não são facilmente modelados com uma

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Alexandre Moreira Batista Higor Fernando Manginelli PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Trabalho apresentado para a disciplina Laboratório de Estatística II do curso de graduação em Estatística da

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DESCRIÇÃO E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO SINTÁTICO E SEMÂNTICO DOS ADVÉRBIOS EM - MENTE Coordenador/E-mail: Gessilene Silveira Kanthack/

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

Modelos Pioneiros de Aprendizado

Modelos Pioneiros de Aprendizado Modelos Pioneiros de Aprendizado Conteúdo 1. Hebb... 2 2. Perceptron... 5 2.1. Perceptron Simples para Classificaçãod e Padrões... 6 2.2. Exemplo de Aplicação e Motivação Geométrica... 9 2.3. Perceptron

Leia mais

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças Deise Anne Terra Melgar (UNIPAMPA)¹ Vanessa David Acosta (UNIPAMPA)² Orientadora: Cristina Pureza Duarte Boéssio Temática:

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS

MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIS Como vimos no módulo 1, para que nós possamos extrair dos dados estatísticos de que dispomos a correta análise e interpretação, o primeiro passo deverá ser a correta

Leia mais

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001 47 5 Redes Neurais O trabalho em redes neurais artificiais, usualmente denominadas redes neurais ou RNA, tem sido motivado desde o começo pelo reconhecimento de que o cérebro humano processa informações

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE PODA PARA MÁQUINAS DE APRENDIZADO EXTREMO VIA ALGORITMOS GENÉTICOS

UMA ABORDAGEM DE PODA PARA MÁQUINAS DE APRENDIZADO EXTREMO VIA ALGORITMOS GENÉTICOS UMA ABORDAGEM DE PODA PARA MÁQUINAS DE APRENDIZADO EXTREMO VIA ALGORITMOS GENÉTICOS Alisson S. C. Alencar, Ajalmar R. da Rocha Neto Departamento de Computação, Instituto Federal do Ceará (IFCE). Programa

Leia mais

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware)

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware) Computador Digital SIS17 - Arquitetura de Computadores (Parte I) Máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções que lhe são fornecidas. Executa Programas conjunto de instruções

Leia mais

Classificação da imagem (ou reconhecimento de padrões): objectivos Métodos de reconhecimento de padrões

Classificação da imagem (ou reconhecimento de padrões): objectivos Métodos de reconhecimento de padrões Classificação de imagens Autor: Gil Gonçalves Disciplinas: Detecção Remota/Detecção Remota Aplicada Cursos: MEG/MTIG Ano Lectivo: 11/12 Sumário Classificação da imagem (ou reconhecimento de padrões): objectivos

Leia mais

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO)

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 1 Prof. Cristóvão Cunha Objetivos de aprendizagem

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

O VALOR ASPECTUAL NAS METÁFORAS VERBAIS: (RE)CONHECENDO UM MUNDO CONHECIDO 1

O VALOR ASPECTUAL NAS METÁFORAS VERBAIS: (RE)CONHECENDO UM MUNDO CONHECIDO 1 583 O VALOR ASPECTUAL NAS METÁFORAS VERBAIS: (RE)CONHECENDO UM MUNDO CONHECIDO 1 Thabyson Sousa Dias (UFT) thabyson.sd@uft.edu.br Este estudo tem por objetivo analisar e descrever metáforas com verbo de

Leia mais

Aula3 TALKING ABOUT YOUR ROUTINE. Fernanda Gurgel Raposo

Aula3 TALKING ABOUT YOUR ROUTINE. Fernanda Gurgel Raposo Aula3 TALKING ABOUT YOUR ROUTINE META Apresentar a estrutura gramatical do presente simples, simple present em inglês, nas formas afi rmativa, negativa e interrogativa, para as duas primeiras pessoas do

Leia mais

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo.

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Cinemática Básica: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Velocidade: Consiste na taxa de variação dessa distância

Leia mais

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS Curso: Informática Disciplina: Redes Neurais Prof. Fernando Osório E-mail: osorio@exatas.unisinos.br EXEMPLO DE QUESTÕES DE PROVAS ANTIGAS 1. Supondo que

Leia mais

O professor que ensina matemática no 5º ano do Ensino Fundamental e a organização do ensino

O professor que ensina matemática no 5º ano do Ensino Fundamental e a organização do ensino O professor que ensina matemática no 5º ano do Ensino Fundamental e a organização do ensino Wérica Pricylla de Oliveira VALERIANO 1 Mestrado em Educação em Ciências e Matemática wericapricylla@gmail.com

Leia mais

SISTEMA SERIADO, EXPERIÊNCIA DA UNESP - GUARATINGUETÁ

SISTEMA SERIADO, EXPERIÊNCIA DA UNESP - GUARATINGUETÁ SISTEMA SERIADO, EXPERIÊNCIA DA UNESP - GUARATINGUETÁ José Geraldo Trani Brandão - brandao@feg.unesp.br José Elias Tomazini tomazini@feg.unesp.br UNESP - UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Engenharia

Leia mais

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6 GRUPO 6.1 MÓDULO 6 Índice 1. Metodologia de Alfabetização...3 1.1. Qual o Conhecimento sobre o Sistema de Escrita dos Jovens e Adultos?... 3 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Leia mais

Mensuração de Resultados

Mensuração de Resultados Mensuração de Resultados A Educação Corporativa mais Próxima da Estratégia do Negócio coleção 3 02 olá! A Affero Lab, maior empresa de Educação Corporativa do Brasil, tem se envolvido com todos os aspectos

Leia mais

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha 3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha Antes da ocorrência de uma falha em um equipamento, ele entra em um regime de operação diferente do regime nominal, como descrito em [8-11]. Para detectar

Leia mais

Rede de Elementos Caóticos Acoplados Globalmente

Rede de Elementos Caóticos Acoplados Globalmente Rede de Elementos Caóticos Acoplados Globalmente Rosagela Follmann 1, Elbert E. N. Macau 2 1 Programa de Pós-graduação em Computação Aplicada - CAP Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE 2 Laboratório

Leia mais

Programação em papel quadriculado

Programação em papel quadriculado 4 NOME DA AULA: Programação em papel quadriculado Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10 minutos Objetivo principal: ajudar os alunos a entender como a codificação funciona. RESUMO Ao "programar"

Leia mais

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros Alfabetização e letramento Professora : Jackeline Miranda de Barros O que é alfabetização? O que é letramento? Qual o melhor método? Como alfabetizar? Para início de conversa, vamos exercitar nossa memória...

Leia mais

USO DOS SOFTWARES GEOGEBRA E WXMAXIMA: COMO RECURSO METODOLÓGICO NO ENSINO DE MATEMÁTICA

USO DOS SOFTWARES GEOGEBRA E WXMAXIMA: COMO RECURSO METODOLÓGICO NO ENSINO DE MATEMÁTICA USO DOS SOFTWARES GEOGEBRA E WXMAXIMA: COMO RECURSO METODOLÓGICO NO ENSINO DE MATEMÁTICA Fernanda Caroline de Alcântara da Costa 1 Universidade Federal do Pará Fernandalcantara01@yahoo.com.br Aldo Moreira

Leia mais

Relatório da Aula Prática sobre Redes Neurais Artificiais

Relatório da Aula Prática sobre Redes Neurais Artificiais Relatório da Aula Prática sobre Redes Neurais Artificiais Instituto de Informática UFRGS Carlos Eduardo Ramisch Cartão: 134657 INF01017 Redes Neurais e Sistemas Fuzzy Porto Alegre, 16 de outubro de 2006.

Leia mais

MATEMÁTICA EM TODA PARTE II

MATEMÁTICA EM TODA PARTE II MATEMÁTICA EM TODA PARTE II Episódio: Matemática na Cidade Resumo O Episódio Matemática na Cidade, o segundo da série Matemática em Toda Parte II, vai abordar situações envolvendo fluxo e movimento nas

Leia mais

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 Débora Rana Introdução Participar da seleção do Prêmio Victor Civita, pela segunda vez, é uma experiência bastante interessante, pois permite estabelecer relações entre

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL: SUBESTRATÉGIA METACOGNITIVA DE PLANEJAMENTO

EDUCAÇÃO INFANTIL: SUBESTRATÉGIA METACOGNITIVA DE PLANEJAMENTO EDUCAÇÃO INFANTIL: SUBESTRATÉGIA METACOGNITIVA DE PLANEJAMENTO BATISTA, Giovani de Paula PUCPR giovanip_batista@hotmail.com GUENO, Renata UFPR renata_gueno@hotmail.com PORTILHO, Evelise Maria Labatut PUCPR

Leia mais

2 Fundamentação Conceitual

2 Fundamentação Conceitual 2 Fundamentação Conceitual 2.1 Computação Pervasiva Mark Weiser define pela primeira vez o termo Computação Ubíqua ou Computação Pervasiva (Ubiquitous Computing) em (10). O autor inicia o trabalho com

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP)

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) RESUMO A língua sofre constantemente uma invasão de novos vocábulos que

Leia mais

AVALIAÇÃO. Introdução à Neuropsicologia. Introdução à Neuropsicologia LINGUAGEM: AVALIAÇÃO 25/3/2015 AULA 2

AVALIAÇÃO. Introdução à Neuropsicologia. Introdução à Neuropsicologia LINGUAGEM: AVALIAÇÃO 25/3/2015 AULA 2 AULA 2 LINGUAGEM: AVALIAÇÃO Professor Ms. Gleidis Roberta Guerra - Fonoaudióloga, Pedagoga e Psicopedagoga - Especialista em Distúrbios do Desenvolvimento - Mestre em Distúrbios da Comunicação Humana pela

Leia mais

A VISÃO DO GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS DE SAÚDE

A VISÃO DO GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS DE SAÚDE ROSADAS, L.A. da S.; MACEDO, M.A. da S. 1 A VISÃO DO GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS DE SAÚDE LEANDRO AZEVEDO DA SILVA ROSADAS¹ MARCELO ALVARO DA SILVA MACEDO² 1. Aluno do 7ª período do curso de Ciências

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA

CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA Amanda Aparecida Rocha Machado Universidade Federal do Triângulo Mineiro E-mail: amandamachado_56@hotmail.com

Leia mais

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA Suzana Marssaro do Santos - suzanamarsaro@hotmail.com Priscila Moessa Bezerra - p-moessabezerra@hotmail.com Célia Regina de Carvalho

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ

SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ Dayse Duarte Tenorio Diretoria Acadêmica de Eletrotécnica IFRN Campus Mossoró E-mail: dayse_tenoro_d@hotmail.com Lucas Duarte Almeida Departamento

Leia mais

INVENÇÃO EM UMA EXPERIMENTOTECA DE MATEMÁTICA: PROBLEMATIZAÇÕES E PRODUÇÃO MATEMÁTICA

INVENÇÃO EM UMA EXPERIMENTOTECA DE MATEMÁTICA: PROBLEMATIZAÇÕES E PRODUÇÃO MATEMÁTICA INVENÇÃO EM UMA EXPERIMENTOTECA DE MATEMÁTICA: PROBLEMATIZAÇÕES E PRODUÇÃO MATEMÁTICA Fernanda de Oliveira Azevedo Universidade Federal de Juiz de Fora azevedof.oliveira@gmail.com Resumo: O presente trabalho

Leia mais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais José Moran Pesquisador, Professor, Conferencista e Orientador de projetos inovadores na educação. Publicado em: SILVA, Marco & SANTOS, Edméa (Orgs).

Leia mais

FAQ PROGRAMA BILÍNGUE

FAQ PROGRAMA BILÍNGUE FAQ PROGRAMA BILÍNGUE 1) O que é o bilinguismo? Segundo alguns teóricos, o bilinguismo é qualquer sistema de educação escolar no qual, em dado momento e período, simultânea ou consecutivamente, a instrução

Leia mais

SEGEMENTAÇÃO DE IMAGENS. Nielsen Castelo Damasceno

SEGEMENTAÇÃO DE IMAGENS. Nielsen Castelo Damasceno SEGEMENTAÇÃO DE IMAGENS Nielsen Castelo Damasceno Segmentação Segmentação Representação e descrição Préprocessamento Problema Aquisição de imagem Base do conhecimento Reconhecimento e interpretação Resultado

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA

Leia mais

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização.

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização. Roteiro de Apoio Análise da Sustentabilidade Institucional Antonio Luiz de Paula e Silva alpsilva@fonte.org.br 1 O presente documento apresenta uma série de perguntas para ajudar no levantamento de dados

Leia mais

APRENDIZADO DE COMPORTAMENTO POR REFORÇO DO AMBIENTE

APRENDIZADO DE COMPORTAMENTO POR REFORÇO DO AMBIENTE 4o. SBAr- SimpósioBrasileirode Automação Inteligente, São Paulo, Sp,08-10 de Setembro de 1999 APRENDIZADO DE COMPORTAMENTO POR REFORÇO DO AMBIENTE Leonardo A. Scárdua scardua@pcs.usp.br. José J. da Cruz

Leia mais

Métodos de treino da resistência

Métodos de treino da resistência Métodos de treino da resistência Índice 1. Introdução... 2 2. Noções básicas sobre exercício e sistemas energéticos... 2 2.1. Capacidade e potência dos sistemas energéticos... 3 3. Métodos de Treino da

Leia mais

A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO

A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO DESENVOLVENDO UM PROJETO 1. Pense em um tema de seu interesse ou um problema que você gostaria de resolver. 2. Obtenha um caderno

Leia mais

O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR

O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR III SBA Simpósio Baiano de Arquivologia 26 a 28 de outubro de 2011 Salvador Bahia Políticas arquivísticas na Bahia e no Brasil O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR Poline Fernandes

Leia mais

RNAs, Classificação de Padrões e Motivação Geométrica. Conteúdo

RNAs, Classificação de Padrões e Motivação Geométrica. Conteúdo RNAs, Classificação de Padrões e Motiação Geométrica Conteúdo. O problema do OU-eclusio.... Um problema mais geral de mapeamento não-linear... 0 3. Mapeamentos não-lineares genéricos... 4 4. Redes neurais

Leia mais

Nota Técnica 113/2007 SRD/SRE/ANEEL Metodologia para Projeção de Investimentos para o Cálculo do Fator X Contribuição da Audiência Publica 052/2007

Nota Técnica 113/2007 SRD/SRE/ANEEL Metodologia para Projeção de Investimentos para o Cálculo do Fator X Contribuição da Audiência Publica 052/2007 Nota Técnica 113/2007 SRD/SRE/ANEEL Metodologia para Projeção de Investimentos para o Cálculo do Fator X Contribuição da Audiência Publica 052/2007 1 1. Estrutura do Trabalho : De forma que se pudesse

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO INTRODUÇÃO E HISTÓRICO. Professor Carlos Muniz

CABEAMENTO ESTRUTURADO INTRODUÇÃO E HISTÓRICO. Professor Carlos Muniz CABEAMENTO ESTRUTURADO INTRODUÇÃO O principal objetivo de um ambiente de rede é o compartilhamento de informações e recursos por várias máquinas com qualidade, eficiência, velocidade e segurança. Para

Leia mais

Como o Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais (FDC/POS) pode se integrar com o Guia do PMD-PRO 1?

Como o Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais (FDC/POS) pode se integrar com o Guia do PMD-PRO 1? Como o Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais (FDC/POS) pode se integrar com o Guia do PMD-PRO 1? Esse artigo corresponde ao Anexo 5 do Manual de Planejamento e Avaliação de Projetos Sociais

Leia mais

Modelos não recorrentes RNA Feed-Forward: MLP - Backpropagation, RProp,CasCor (HiperPlanos) RBF Radial Basis Function (Clusters)

Modelos não recorrentes RNA Feed-Forward: MLP - Backpropagation, RProp,CasCor (HiperPlanos) RBF Radial Basis Function (Clusters) Modelos não recorrentes RNA Feed-Forward: MLP - Backpropagation, RProp,CasCor (HiperPlanos) RBF Radial Basis Function (Clusters) 2. Outros modelos Mapas de Kohonen SOM, SOFM (Self-Organizing Feature Maps)

Leia mais

Para entender como funciona um perceptron, vamos continuar considerando um perceptron com somente duas entradas, x 1 e x 2, e uma saída s.

Para entender como funciona um perceptron, vamos continuar considerando um perceptron com somente duas entradas, x 1 e x 2, e uma saída s. Análise do Perceptron Para entender como funciona um perceptron, vamos continuar considerando um perceptron com somente duas entradas, x 1 e x 2, e uma saída s. O neurônio de saída tem limiar b, de maneira

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS Aluno: Maurício Pedro Silva Gonçalves Vieira Orientador: Karla Figueiredo Introdução Uma partida de futebol robótico

Leia mais

Como os Modelos Atuais Podem Combater Novas Formas de Fraude?

Como os Modelos Atuais Podem Combater Novas Formas de Fraude? Como os Modelos Atuais Podem Combater Novas Formas de Fraude? Uma camada adaptativa, que aprende novos padrões de fraude, pode ser adicionada ao modelo para melhorar a sua capacidade de detecção Número

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

MLP (Multi Layer Perceptron)

MLP (Multi Layer Perceptron) MLP (Multi Layer Perceptron) André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Roteiro Rede neural com mais de uma camada Codificação de entradas e saídas Decorar x generalizar Perceptron Multi-Camada (MLP -

Leia mais

Classificação Rápida de Faltas em Sistemas Elétricos Utilizando Redes Neurais Artificiais

Classificação Rápida de Faltas em Sistemas Elétricos Utilizando Redes Neurais Artificiais Proceedings of the IV Brazilian Conference on Neural Networks - IV Congresso Brasileiro de Redes Neurais pp. 281-286, July 2-22, 1999 - ITA, São José dos Campos - SP - Brazil Classificação Rápida de Faltas

Leia mais

Estudo entoacional focalizando o sotaque estrangeiro: o caso do francês canadense

Estudo entoacional focalizando o sotaque estrangeiro: o caso do francês canadense Estudo entoacional focalizando o sotaque estrangeiro: o caso do francês canadense Sara Farias da Silva 1 1 Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC- DLLE) sarafolie@hotmail.com Resumo. Este estudo

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR EM MATEMÁTICA RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PROGRAMA GESTAR II Sidnei Luís da Silva Escola Municipal Vereador Benedito Batista Congatem - MG sidneiluisdasilva@yahoo.com.br Camila

Leia mais

Este trabalho foi motivado basicamente por três fatores:

Este trabalho foi motivado basicamente por três fatores: Introdução à ITIL ITIL vem do inglês IT infra-structure library e, como o próprio nome diz, é uma biblioteca ou um conjunto de livros que apresenta melhores práticas para a gestão dos serviços de TI. Esta

Leia mais

Implantação de um Laboratório de Trabalho Colaborativo e de Simulação no CEFET-RJ

Implantação de um Laboratório de Trabalho Colaborativo e de Simulação no CEFET-RJ Implantação de um Laboratório de Trabalho Colaborativo e de Simulação no CEFET-RJ Antonio José C. Pithon (CEFET-RJ) pithon@cefet-rj.br Marina Rodrigues Brochado (CEFET-RJ) marina@cefet-rj.br Resumo Atualmente

Leia mais

Linear Solver Program - Manual do Usuário

Linear Solver Program - Manual do Usuário Linear Solver Program - Manual do Usuário Versão 1.11.0 Traduzido por: Angelo de Oliveira (angelo@unir.br/mrxyztplk@gmail.com) 1 Introdução Linear Program Solver (LiPS) é um pacote de otimização projetado

Leia mais

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar?

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Letícia M. Sicuro Correa (PUC-Rio/LAPAL) Marina R. A. Augusto (PUC-Rio/LAPAL

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W

Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W José Waldomiro Jiménez Rojas, Anderson Fonini. Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia Capítulo 4 - Metodologia 4. Metodologia Neste capítulo é apresentada a metodologia utilizada na modelagem, estando dividida em duas seções: uma referente às tábuas de múltiplos decrementos, e outra referente

Leia mais

Morfologia Matemática Binária

Morfologia Matemática Binária Morfologia Matemática Binária Conceitos fundamentais: (Você precisa entender bem esses Pontos básicos para dominar a área! Esse será nosso game do dia!!! E nossa nota 2!!) Morfologia Matemática Binária

Leia mais

Design Pedagógico do módulo III Origem dos Movimentos, Variação

Design Pedagógico do módulo III Origem dos Movimentos, Variação Design Pedagógico do módulo III Origem dos Movimentos, Variação Escolha do tópico O que um aluno entre 14 e 18 anos acharia de interessante neste tópico? Que aplicações / exemplos do mundo real podem ser

Leia mais

TONALIDADE X FREQUÊNICA

TONALIDADE X FREQUÊNICA Som, notas e tons TONALIDADE X FREQUÊNICA O violão é um instrumento musical e o seu objetivo é fazer música. Música é a organização de sons em padrões que o cérebro humano acha agradável (ou pelo menos

Leia mais

Como erguer um piano sem fazer força

Como erguer um piano sem fazer força A U A UL LA Como erguer um piano sem fazer força Como vimos na aula sobre as leis de Newton, podemos olhar o movimento das coisas sob o ponto de vista da Dinâmica, ou melhor, olhando os motivos que levam

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PATENTES COM O MODELO VETORIAL DE REPRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS

CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PATENTES COM O MODELO VETORIAL DE REPRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS III SBA Simpósio Baiano de Arquivologia 26 a 28 de outubro de 2011 Salvador Bahia Políticas arquivísticas na Bahia e no Brasil CLASSIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DE PATENTES COM O MODELO VETORIAL DE REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Classificação: Determinístico

Classificação: Determinístico Prof. Lorí Viali, Dr. viali@pucrs.br http://www.pucrs.br/famat/viali/ Da mesma forma que sistemas os modelos de simulação podem ser classificados de várias formas. O mais usual é classificar os modelos

Leia mais

Interpolação de Curvas de Nível por Difusão de Calor

Interpolação de Curvas de Nível por Difusão de Calor Interpolação de Curvas de Nível por Difusão de Calor ROBERTO DE BEAUCLAIR SEIXAS LUIZ HENRIQUE DE FIGUEIREDO CLAUDIO ANTONIO DA SILVA IMPA Instituto de Matemática Pura e Aplicada VISGRAF Laboratório de

Leia mais

Figure 2 - Nós folhas de uma árvore binária representando caracteres ASCII

Figure 2 - Nós folhas de uma árvore binária representando caracteres ASCII A ocorrência tamanho ASCII codificação de Huffman é um A Codificação método de compactação de Huffman caracteres (American e a variável codificação dos usado símbolos Standard para por cada muitas no Code

Leia mais

Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG

Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Agenda - Motivação e Introdução Diagrama de - - Atores - Fluxo de eventos - Relacionamentos Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG - Diagramas de - Exemplos - Meta-modelo MOF -

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

Redes Neurais Artificiais: Funções de Base Radial

Redes Neurais Artificiais: Funções de Base Radial Treinamento COELCE CEFET UFC MÓDULO II 2008.1 Redes Neurais Artificiais: Funções de Base Radial Prof. Dr. Guilherme de Alencar Barreto Depto. Engenharia de Teleinformática (DETI/UFC) URL: www.deti.ufc.br/~guilherme

Leia mais

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA 03070 O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA Resumo Autor: Marcelo Ganzela Martins de Castro Instituições: UNINOVE/Instituto Singularidades/E.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Relatório Final - MS777 Modelagem matemático/probabilística dos módulos acústicos e de linguagem de sistemas

Leia mais

2 Estudo dos Acoplamentos

2 Estudo dos Acoplamentos 24 2 Estudo dos Acoplamentos Um problema acoplado é aquele em que dois ou mais sistemas físicos interagem entre si e cujo acoplamento pode ocorrer através de diferentes graus de interação (Zienkiewicz

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR

REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR Patrícia Lima da Silva¹ Brunna Sordi Stock² RESUMO No segundo semestre do ano de 2009, em uma das disciplinas obrigatórias do currículo de

Leia mais

O ENSINO DE ESTATÍSTICA NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO OFERECIDO NA MODALIDADE À DISTÂNCIA: AVALIAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA

O ENSINO DE ESTATÍSTICA NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO OFERECIDO NA MODALIDADE À DISTÂNCIA: AVALIAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA 1 O ENSINO DE ESTATÍSTICA NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO OFERECIDO NA MODALIDADE À DISTÂNCIA: AVALIAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA Rio Grande/RS, maio de 2009 Suzi Samá Pinto Universidade Federal de Rio Grande (FURG)

Leia mais

UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN

UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN RESUMO DANTAS 1, Leniane Silva DELGADO 2, Isabelle Cahino SANTOS 3, Emily Carla Silva SILVA 4, Andressa

Leia mais

Cinco restrições de desenvolvimento/teste que afetam a velocidade, o custo e a qualidade dos seus aplicativos

Cinco restrições de desenvolvimento/teste que afetam a velocidade, o custo e a qualidade dos seus aplicativos Série de ebooks sobre desenvolvimento em paralelo ágil: Capítulo 2 Cinco restrições de desenvolvimento/teste que afetam a velocidade, o custo e a qualidade dos seus aplicativos Novas pressões, mais restrições

Leia mais

Recursos Humanos. Recursos Humanos -1-

Recursos Humanos. Recursos Humanos -1- Recursos Humanos -1- ÍNDICE Recursos Humanos CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO... 6 HISTÓRIA... 7 CONTEXTO... 8 CAPÍTULO 2 CONCEITO DE ORGANIZAÇÃO... 10 ERAS DA ORGANIZAÇÃO...11 ORGANIZAÇÃO COMO SISTEMAS ABERTOS...

Leia mais

Redes Neurais Construtivas. Germano Crispim Vasconcelos Centro de Informática - UFPE

Redes Neurais Construtivas. Germano Crispim Vasconcelos Centro de Informática - UFPE Redes Neurais Construtivas Germano Crispim Vasconcelos Centro de Informática - UFPE Motivações Redes Feedforward têm sido bastante utilizadas em aplicações de Reconhecimento de Padrões Problemas apresentados

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

mspeed (modelling and Simulation of Emergency Evacuation Dynamics) Modelo Dinâmico de Simulação Pedonal em Emergências

mspeed (modelling and Simulation of Emergency Evacuation Dynamics) Modelo Dinâmico de Simulação Pedonal em Emergências mspeed (modelling and Simulation of Emergency Evacuation Dynamics) João Emílio Almeida (FEUP) Rosaldo J. F. Rossetti (FEUP) António Leça Coelho (LNEC) 1 Estrutura da apresentação Simulação e simuladores

Leia mais