Arquivos Catarinenses de Medicina

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arquivos Catarinenses de Medicina"

Transcrição

1 Arquivos Catarinenses de Medicina ISSN (impresso) ISSN (online) ARTIGO ORIGINAL Grau de conhecimento sobre HIV/Aids e adesão às medidas preventivas entre alunos de uma Universidade no sul do Brasil Level of knowledge about HIV/Aids and accession to preventive measures among university students in southern Brazil Renan Cardoso Candemil 1, Viviane Ivani Martins Coelho 2, Rosemeri Maurici da Silva 3 Resumo Introdução: A transmissão do HIV pode ser evitada através do conhecimento sobre a doença, associado às práticas preventivas. Objetivo: Mensurar o grau de conhecimento sobre HIV/Aids, e o grau de adesão às medidas preventivas entre alunos de uma Universidade no Sul do Brasil. Métodos: Foi realizado um estudo observacional, com delineamento transversal, por amostragem sistemática aleatória na coleta de dados. Foi aplicado um questionário aos participantes após a assinatura de um termo de consentimento livre e esclarecido. Resultados: Foram avaliados 229 alunos, com média de idade de 22 anos, e 67,2% do gênero feminino. Entre os participantes, 37,1% pertenciam à área da Saúde. Quase a totalidade dos participantes (93,4%) acreditava possuir os conhecimentos suficientes para a prevenção da Aids. Sexo vaginal sem preservativo foi apontado como fator de risco por 99,6% dos participantes, porém 19,2% acreditavam que o sexo anal e 41% que sexo oral sem preservativo não transmite o HIV. Apesar do conhecimento sobre os fatores de risco, 78,2% dos participantes não usaram preservativo em todas as vezes que tiveram relações sexuais com penetração. Usar camisinha com parceiros casuais, mas não com parceiros de confiança foi mais comum em homens. Apenas 23,1% dos entrevistados já fizeram o teste de HIV, sendo que 49,1% o fizeram por indicação médica. Conclusão: Apesar de conhecer as principais formas de transmissão e prevenção da doença, a maioria dos participantes não se previne adequadamente, justificando a necessidade de maior esclarecimento neste sentido. Abstract Introduction: The HIV transmission can be prevented through knowledge about the disease, associated with preventive practices. Objective: To measure the degree of knowledge about HIV/AIDS, and the degree of adherence to preventive measures among students of a university in southern Brazil. Methods: We conducted an observational, cross-sectional, and random sample systematic data collection. A questionnaire was given to participants after the signing of a term of informed consent. Results: 229 students were consecutively evaluated, the average age was 22 years old, and 67.2% were female. Among the participants, 37.1% belonged to the Health area. Almost all participants (93.4%) believed they have sufficient knowledge for the prevention of AIDS. Vaginal sex without a condom was appointed as a risk factor for 99.6% of participants, but 19.2% believed that anal sex and 41% that oral sex without a condom do not transmits the HIV. Despite the knowledge about risk factors, 78.2% of participants did not use condoms at all times they had sex with penetration. Using condoms with casual partners but not with trusted partners was more common in men. Not using condoms was more prevalent in women. Only 23.1% of participants have already been tested for HIV, while 49.1% did so under a doctor orientation. Conclusion: Despite knowing the main forms of transmission and prevention of the disease, most participants don t adequately prevented, justifying the need for further clarification in this regard. Descritores: Prevenção. HIV. AIDS. Keywords: Prevention. HIV. AIDS. 1. Médico. Hospital Santa Isabel. 2. Mestra em Ciências da Saúde. Universidade do Sul de Santa Catarina. 3. Doutora em Ciências Pneumológicas. Universidade do Sul de Santa Catarina. 60

2 Introdução A infecção pelo HIV/Aids constitui uma crise na saúde global de magnitude sem precedentes (1). Quase todos os países relatam casos da doença, e pode-se afirmar que as comunidades ainda não atingidas, um dia a enfrentarão, pois a Aids até agora não encontrou barreiras que detivessem sua disseminação (2). Desde os primeiros casos descritos em 1981, o HIV infectou aproximadamente 67 milhões de pessoas com 25 milhões de mortes, ofuscando a peste negra do século XIV na Europa, e a pandemia de influenza em 1918 e 1919, como a pandemia mais letal da história da humanidade (1). Os números fornecidos pela UNAIDS (Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids), indicam que, em dezembro de 2006, viviam 39,5 milhões de pessoas infectadas pelo HIV em todo o mundo. Dessas, 4,3 milhões adquiriram o vírus em No Brasil estão 1/3 dos infectados de toda a América Latina, sendo que apenas 1 de cada 3 infectados conhece seu estado sorológico (3). No Brasil, desde a identificação do primeiro caso de Aids, em 1980, até junho de 2006, já foram identificados cerca de 433 mil casos da doença. Em 2004, uma pesquisa de abrangência nacional estimou que no Brasil, cerca de 593 mil pessoas, entre 15 a 49 anos de idade, viviam com HIV/Aids (0,61% de toda a população desta faixa etária). Deste número, cerca de 208 mil eram mulheres (0,42% das mulheres desta idade), e 385 mil eram homens (0,8% dos homens desta idade) (4). Em Santa Catarina, foram identificados casos de Aids de 1982 a junho de 2006 (5). A transmissão do HIV ocorre sob condições que facilitem a troca de sangue ou líquidos corporais contendo o vírus ou células infectadas pelo vírus. Dessa forma, as principais vias de transmissão são o contato sexual, a inoculação parenteral e a passagem do vírus das mães infectadas para os recém-nascidos. Todas as formas de transmissão sexual de HIV são potencializadas pela coexistência de doenças sexualmente transmissíveis, principalmente aquelas associadas a ulcerações genitais (6). Os modos de transmissão da Aids tornaram-se conhecidos antes da identificação de seu agente etiológico. Ao se associar a Aids a um determinado estilo de vida, impôs-se a noção de grupo de risco, com o intuito de facilitar a compreensão da distribuição dos casos, e também de auxiliar o monitoramento da nova doença. Essa conceituação, no entanto, trouxe mais problemas do que soluções ao intento do controle da epidemia, e propiciou um pesado estigma para os portadores da doença. Em vários países onde se divulgou a noção dos grupos de risco, inclusive o Brasil, a população não identificada com esses grupos tem subestimado seu verdadeiro risco de infectar-se com o HIV (2). Atualmente, essa expressão entrou em desuso, falando-se, modernamente, em comportamento de risco. Alguns aspectos se tornam decisivos para fazer com que uma pessoa se mantenha livre do HIV: conhecimento, prevenção, atitude e adesão. Existem várias razões para a ocorrência de comportamentos de risco. Um dos fatores levados em consideração é a desinformação, na medida em que os adolescentes parecem desconhecer fatores de risco para o HIV e os métodos de prevenção (7,8). O presente estudo propõe-se a descrever, entre os universitários de uma instituição no sul do Brasil, não só o conhecimento geral sobre HIV/Aids, seu modo de prevenção e de transmissão, mas também se eles os colocam em prática. A identificação prévia desses conhecimentos é importante para que no desenvolvimento de programas educativos específicos a esta comunidade, possa-se reforçar os aspectos positivos e trabalhar intensivamente com os negativos, de forma a prepará-los para o autocuidado e, no caso de profissionais da saúde, prestar assistência e orientação aos seus clientes (9). Métodos Foi realizado um estudo observacional, com delineamento transversal, por amostragem na coleta de dados. A população-alvo foi constituída por acadêmicos da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), do Campus Tubarão SC. Os acadêmicos foram identificados a partir dos dados fornecidos pela administração da Instituição. O número total de acadêmicos era de 7652, sendo que a amostra estudada foi de 229 indivíduos, considerada satisfatória para detectar uma prevalência de acadêmicos com bom conhecimento sobre HIV/Aids estimada em 50%, com um erro de ± 5%, no nível de confiança estatística de 95% (p < 0,05). Foi feita amostragem sistemática aleatória, onde o número total da população foi distribuído proporcionalmente entre as quatro Unidades Acadêmicas (UnAs ) em que a Unisul agrupa os cursos oferecidos. Quando a casa decimal do número encontrado foi menor do que 5, o mesmo foi convertido para anterior, e quando foi igual ou maior do que cinco, para posterior. A UnA Educação, Comunicação e Expressão EECO tem 1345 acadêmicos, que corresponde a 17,57%, onde foram entrevistadas 64 pessoas. A UnA Gestão e Jurídicas tem 2298 acadêmicos, que corresponde a 30,03%, onde foram entrevistadas 109 pessoas. A UnA Saúde tem 2478 acadêmicos, que corresponde a 61

3 32,38%, onde foram entrevistadas 117 pessoas. A UnA Tecnológicas UNITEC tem 1531 acadêmicos, que corresponde a 20%, onde foram entrevistadas 72 pessoas. Em cada UnA, a amostra foi dividida igualitariamente entre os cursos que a compõe. Os acadêmicos participantes da pesquisa foram sorteados a partir da lista de matrícula total de cada curso. Os questionários auto-aplicáveis foram distribuídos aos acadêmicos no horário de intervalo das aulas, e foram preenchidos sob supervisão dos pesquisadores. Todos os participantes foram informados sobre os objetivos e métodos que seriam utilizados no estudo, concordando em participar por assinatura de termo de consentimento livre e esclarecido. Seriam excluídos do estudo aqueles que não preenchessem corretamente o questionário e os que não concordassem em participar. Todos os excluídos seriam substituídos por novos participantes que preenchessem os critérios de inclusão, respeitando a área de estudo e o critério de aleatoriedade. Os dados foram sumarizados como percentagem ou média e testes de significância estatística foram aplicados de acordo com os grupos de interesse em um nível de significância de 95%. A análise dos dados foi realizada com o auxílio do software SPSS O projeto de pesquisa foi submetido ao Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul) e aprovado sob o código III. Resultados A amostra foi composta de 229 acadêmicos da Unisul, sendo 67,2% do sexo feminino (Tabela 1). A média de idade foi de 22 anos (DP±4). 93,4% dos participantes referiram ter os conhecimentos suficientes para a prevenção da Aids, e 23,6% afirmaram ter vida sexual ativa. A Tabela 2 demonstra a distribuição dos participantes de acordo com as respostas à pergunta Como se pode pegar Aids?. Todos os participantes demonstraram saber que usar camisinha nas relações sexuais evita o contágio pelo HIV. Quando perguntados se a prática de coito interrompido é um método de prevenção, 97,8% dos alunos responderam não, e 17,5%, acham que limpando seringas antes de compartilhá-las evita Aids. A Tabela 3 demonstra a distribuição dos participantes que assinalaram como verdadeiras as assertivas referentes à pergunta Com relação à camisinha. A afirmação de que presença de outras DST s influencia na transmissão do HIV, foi apontada como verdade por 48,5% dos indivíduos, e 37,6% acreditam que o vírus HIV é muito resistente e pode sobreviver por muito tempo fora do hospedeiro facilitando a contaminação. Uma boa parte dos acadêmicos 43,7% acredita que uma vez contraindo o vírus, a pessoa já tem Aids, e 87,3% sabe que casais soropositivos devem usar camisinha nas relações sexuais. Apenas 23,1% dos entrevistados já fizeram o teste de HIV. O motivo da realização do teste foi ter praticado sexo sem camisinha (26,4%), porque a camisinha já rompeu (13,2%), porque já tiveram comportamento de risco (17%), porque achavam importante mesmo não tendo um comportamento de risco (32,1%), porque o (a) parceiro (a) exigiu (5,7%), e porque já entraram em contato com sangue de outra pessoa, ou sofreram acidente perfurocortante (17%). Aproximadamente a metade (49,1%) fez o teste porque o médico indicou. A maioria dos participantes (76,9%) nunca fez o teste de HIV, sendo os motivos assinalados: 37,5% nunca ter pensado no assunto (37,5%), já pensaram em fazer o teste, mas sabem que jamais pegariam Aids (2,8%). nunca fizeram nada que os levasse a ter dúvida do resultado negativo (47,7%), já fizeram algo que os levasse a ter dúvida e tem receio do resultado (2,8%), forem soropositivos, preferem não saber no momento (5,7%), acham que não há nenhuma vantagem de saber o resultado positivo com antecedência (1,7%), 14,8% têm certeza que são soronegativos (14,8%), e tem medo de sua própria reação se o resultado for positivo (6,2%). Apesar dos resultados acima descritos, 99,6% acha que é importante que as pessoas façam o teste de HIV. A Tabela 4 demonstra a distribuição dos participantes que assinalaram como verdadeiras as assertivas referentes à pergunta O que você entende por janela imunológica. Ao se comparar as respostas de alunos da área da Saúde com os de outras áreas, os primeiros afirmam com maior frequência que sexo oral sem camisinha transmite o HIV (p=0,037), que sexo anal sem camisinha transmite o HIV (p=0,045), e que compartilhar seringas transmite o HIV (p=0,037). Pode-se pegar Aids através da transmissão vertical (de mãe para filho durante a gravidez, parto ou aleitamento), por outro lado, foi mais assinalado por representantes das outras áreas (p=0,048). Pode-se pegar Aids durante a confecção de tatuagens em ambientes suspeitos, foi mais apontado por alunos da área da Saúde (p=0,019), da mesma forma, acertaram mais ao responder que se pode pegar Aids em transplantes de órgãos (p=0,048). Os alunos da saúde sabem mais que os outros que a 62

4 presença de outras DST`s influencia na transmissão do HIV (p=0,023), e também acertaram mais o que é janela imunológica (p=0,018). Ao se fazer a comparação das respostas dos entrevistados por gênero, o feminino afirma mais que se pode pegar Aids em transfusão de sangue (p=0,039). Os homens afirmam mais que se pode evitar a Aids não fazendo sexo (p<0,000). A prevalência de homens com vida sexual ativa é maior (p=0,040), e é mais prevalente em homens o fato de ter usado camisinha em todas as relações sexuais, mas ela já ter estourado alguma vez (p=0,002). Usar camisinha com parceiros casuais, mas não com parceiros de confiança, é mais comum em homens (p<0,000). Uma vez contraindo o vírus o teste de HIV já resulta positivo, é mais assinalado por mulheres (p=0,037). Discussão O presente estudo foi realizado em estudantes de uma universidade pública de direito privado, isto sugere que, além de terem um alto grau de instrução, os participantes tenham uma boa condição financeira. Tais características são altamente relacionadas a um bom conhecimento sobre HIV/Aids, uma maior atitude de prevenção, e uma menor prevalência de soropositividade (10,11). Com relação ao conhecimento sobre os métodos de transmissão do HIV, os acadêmicos demonstraram ter um conhecimento aquém do ideal, pois embora 99,6% saibam que relação sexual genital sem preservativo pode transmitir o HIV, esse número cai para 80,8% no sexo anal, e para 59% no sexo oral. Esses resultados concordam com estudos feitos em adolescentes, como o estudo de Camargo et al. (12) onde a transmissão nas relações sexuais foi apontada por 99,8%; e o de Romero et al. (13), onde ao se estudar o conhecimento sobre formas de transmissão da Aids em adolescentes femininas, encontraram que sexo vaginal é mais citado que sexo anal, que é mais citado que sexo oral. Segundo Trani et al. (14), apenas 14,2% dos entrevistados sabiam da infecção sexualmente transmissível e que esta pode ser transmitida através de relações sexuais com parceiros soropositivos para o HIV, este conhecimento foi significativamente maior entre os adolescentes que tiveram um maior número de parceiros sexuais em sua vida, e que tinham recebido informações dos médicos sobre doenças sexualmente transmissíveis (DST). Com relação à transmissão pela via sanguínea, os acadêmicos também não demonstraram bom conhecimento, pois embora 96,9% saibam que se pode pegar Aids compartilhando seringas e 86,5% recebendo sangue; 27,5% equivocadamente acham que se pode adquirir o HIV doando sangue. Números semelhantes foram encontrados num estudo realizado em adolescentes escolares de Santa Catarina: compartilhando seringas 99,4%; 89,2% recebendo sangue, e 34% doando sangue (12). Também era pouco esperado que 17,5% não soubessem que a mãe pode transmitir o HIV para seu feto, ou durante o parto e amamentação. Menos ainda, que os acadêmicos da área da saúde soubessem menos, quando comparados com os de outras áreas (p=0,048). Não obstante, quase a totalidade dos entrevistados sabia da importância do uso de preservativo para se proteger do HIV, a frequência do uso é muito baixa. O uso de preservativo foi apontado como método de prevenção para a Aids em 95,6% (9). Com relação ao estudo de Camargo et al. (12), a conduta de risco para transmissão sexual do HIV (relação desprotegida) foi muito comum entre os adolescentes (58,5% dos casos tiveram uma relação sexual nos últimos 12 meses). Quanto mais experiências sexuais com penetração, maior a proporção daqueles que assumiram ter praticado sexo sem preservativo. No estudo de Gubert et al. (15), o não uso de camisinha não esteve relacionado com a falta de conhecimento sobre os benefícios do mesmo, o mesmo observado no presente estudo. Apenas 21% dos entrevistados referiram utilizar preservativo em todas as vezes em que praticaram sexo com penetração. No estudo de Camargo et al. (12), mais de metade dos participantes (51,1%) declarou pelo menos uma experiência sexual arriscada. Apenas 49,1% das universitárias da área da saúde praticavam sexo seguro de acordo com Moser et al. (16). No estudo de Trani et al. (14), a prevalência do uso de preservativos durante a relação sexual foi de 51,8%, e esse comportamento era mais provável em adolescentes mais jovens e do sexo masculino. No presente estudo, 44,1% usam preservativos normalmente, mas já fizeram sexo sem camisinha; 9,6% usam com parceiros casuais, mas não com os de confiança, sendo este comportamento mais comum em homens (p<0,000); 10,9% usam somente fora de relações estáveis, e 8,7% usaram camisinha em todas as relações sexuais, mas ela já rompeu alguma vez, o que também é mais comum entre os homens (p=0,002). Para Berquó et al. (17), dentre os sexualmente ativos no último ano, 81,5% estavam em relações estáveis, 6,0% apenas em relações eventuais, e 12,5% em ambas. Para os homens, 30,3% não se encontravam em relações só estáveis, o que para as mulheres esta situação ocorreu em apenas 5% dos casos. É no grupo dos jovens de 16 a 25 anos que a presença de relações eventuais ou ambas, assume o maior valor (35,9%), ascendendo a 56,7% para os homens. 63

5 No estudo de Roupa et al. (18), 80% responderam que o uso de preservativos é uma forma de proteção, e que não há perigo de contrair a doença por aperto de mão. No estudo de Berquó et al. (17), o uso do preservativo na primeira relação sexual foi observado em 48% da população estudada, valor que ascendeu a 57% nos estratos sócio-econômicos mais altos, e a 71% nos níveis mais altos de instrução. Os homens se baseiam em algumas características para determinar se uma mulher é de confiança, como o número de parceiros que ela já teve, a performance sexual dela, a timidez, e a desenvoltura na cama, o que o faz dispensar o uso de preservativo (19). Muitos homens se protegem nas relações extra- -conjugais para evitar a gravidez e não contaminar a esposa, com quem não usam preservativo (19). Dentre as explicações para o não uso de camisinha por homens, estão a falta dela no momento do ato sexual (falta de planejamento sexo ocasional), o desconforto causado, e a diminuição da sensibilidade e do prazer (15,19). Entre jovens é comum a dispensa do preservativo quando esses se julgam saudáveis e confiam no parceiro (20). Embora 99,6% dos entrevistados achem importante que as pessoas façam o teste de HIV, a maioria dos participantes (76,9%) nunca o fez. O principal motivo porque ele não é realizado por este grupo (47%) é o fato de afirmarem nunca terem feito nada que o levassem a ter dúvidas do resultado negativo, o que contrasta com fato de a grande maioria já ter realizado sexo desprotegido. No estudo de Berquó et al. (17), 98% dos entrevistados disseram que informariam seu (sua) parceiro(a) caso fossem HIV positivos, e o mesmo percentual declarou que deveriam ser informados caso seu(sua) parceiro(a) fosse HIV positivo. Oito de cada dez pessoas entrevistadas consideram que todas as pessoas deveriam ser obrigadas a fazer o teste do HIV. Esta posição encontra mais força nas regiões Norte e Nordeste, onde este percentual atinge 90,3%, e entre as mulheres 86,7%. Apenas 23,1% dos entrevistados já fizeram o teste de HIV. Os principais motivos da realização do teste foi ter praticado sexo sem camisinha, porque a camisinha já estourou, e porque já teve comportamento de risco e se sentia como se tivesse um peso nas costas. Esses motivos são interessantes, pois revelam que ao ter um comportamento de risco, uma parte dos acadêmicos procurou saber se houve contaminação com o HIV. Para Berquó et al. (17), de cada 100 pessoas entrevistadas, 20 já haviam feito o teste do HIV. Esta percentagem é maior para homens (26,1%) do que para mulheres (14,8%). Ela atinge o valor de 25,0% na região Sul contrastando com 9,6% nas regiões Norte e Nordeste. Entre os jovens de 16 a 25 anos, 10,7% já fizeram o teste, proporção que cresce para 29,6% no grupo etário de 26 a 40 anos. No estudo de Camargo et al. (12) foi demonstrado que o sentimento de vulnerabilidade esteve diretamente associado ao sentimento de medo da Aids, e à intenção em fazer um teste sorológico para HIV. Segundo Berquó et al. (17), a razão mais apontada pelos homens para fazer o teste foi doação de sangue (40,8%), seguida da iniciativa própria (26,2%), e por motivos de trabalho (15,2%). Para as mulheres, a consulta pré-natal levou 27,2% a fazerem o teste, e 33,8% deram outras razões de saúde. As pessoas que fizeram o teste para o HIV apresentaram um valor médio maior do indicador de conhecimento sobre as formas de transmissão do HIV. Com relação à janela imunológica, apenas 26,6% acertaram ao responder que é o tempo em que o paciente já está contaminado, mas o teste ainda não resulta positivo (3 a 6 meses). Os alunos da área da saúde sabem mais do que os de outras áreas o que é janela imunológica (p=0,018). Ter esse conhecimento é importante, uma vez que se deve saber que se uma pessoa tem um teste de HIV negativo, não quer dizer que ela não tenha o vírus. Devido a esse desconhecimento de janela imunológica, 35,4 % acha que uma vez contraindo o vírus o teste de HIV já resulta positivo. Os alunos da Saúde demonstraram um maior conhecimento sobre HIV e Aids em relação aos de outras áreas, principalmente com relação aos métodos de transmissão e janela imunológica. Porém não se encontrou nenhuma significância estatística com relação à maior adesão às medidas preventivas, ou à realização do teste anti-hiv. No estudo de Moser et al. (16) foi descrito que o fato de serem universitários da área da saúde não garante uma conduta sexual segura. O sexo sem uso do preservativo, mesmo que estes adolescentes declarem intenção em utilizá-lo, o desconhecimento dos riscos, a desinformação, e a falta de programas de prevenção na maioria das escolas brasileiras, constituem-se em fatores promotores do aumento de adolescentes portadores de HIV (12). Para Trani et al. (14), há evidência para desenvolver e implementar estratégias com a esperança de melhorar o nível do conhecimento dos adolescentes e reduzir práticas sexuais inseguras. Para Sabone et al. (21), há uma necessidade de abordar as questões mais amplas relativas ao HIV e Aids. Alunos e alunas precisam de oportunidades para ensaiar a tomada de decisão e negociação para sexo seguro. A equipe de ensino pode ser uma abordagem ideal para o curso, de modo que um conjunto de pontos fortes de cada professor e conhecimento podem aumentar a sua eficácia. Este estudo observou que o curso sobre HIV e Aids deveria ser obrigatório para todos os alunos. Os resultados do presente estudo mostram que 64

6 o fato de ser universitário e ter uma boa condição financeira não garantem que o indivíduo tenha um bom conhecimento sobre uma doença, mesmo que ela seja a doença infecciosa mais importante da atualidade, tampouco que saibam se proteger devidamente. Este estudo demonstrou, ainda, que conhecer métodos de prevenção não significa colocá-los em prática, ou seja, a informação é fundamental, mas por si só parece que não garantirá a controle sobre a pandemia da Aids. Gir et al. (9) também concluíram em seu estudo que o conhecimento dos universitários estudados é precário. Diante de todo esse conhecimento sobre a doença, observou-se a necessidade de uma proposta educativa dos formuladores de políticas de saúde, que norteie a atuação desses alunos e de toda a população, que contemple as estratégias necessárias para a prevenção à saúde. Somente através do conhecimento é que as pessoas tomarão consciência de seu papel na sociedade e a execução desses conhecimentos para convertê-las em práticas de segurança de saúde. Ao vislumbrar todo esse contexto, precisamos atentar para a importância da conscientização de toda a população diante dos riscos à saúde que todos nós estamos susceptíveis. Necessita-se de um maior enfoque através da existência de novas pesquisas e sensibilização das instituições de saúde e educacionais, para introdução de disciplinas voltadas a essa temática, evitando assim, o desconhecimento da população sobre uma doença que está atingindo cada vez mais a nossa sociedade. Dentre outras coisas, precisamos ansiar por uma mudança do comportamento, e adotar condutas preventivas e de adesão na mudança de atitudes sobre a saúde, contribuindo assim com medidas capazes de diminuir/prevenir riscos à saúde, visando uma melhor proteção da população, garantindo uma prática saudável e segura. Diante dos dados obtidos e analisados neste estudo, a maioria dos participantes não se previne adequadamente, apesar de conhecer as principais formas de transmissão e prevenção da doença, justificando a necessidade de maior esclarecimento neste sentido. O conhecimento sobre o HIV/Aids e a adesão às medidas preventivas, continua sendo o primeiro passo para a prevenção da síndrome. Portanto, a educação em saúde é um item que precisa ser enfatizado. Acredita- -se que assim, a transformação de conceitos e condutas passa pela educação. Educar para aprender, deve passar a ser o objetivo para que ocorram mudanças de comportamento e de atitudes, a fim de despertar a população para a importância da disseminação do HIV/Aids. Concluímos que precisamos reforçar a necessidade de programas de estratégias na prevenção da epidemia do HIV/Aids na prática cotidiana, para a redução e controle da doença. É preciso que a população se apodere do conhecimento para possibilitar a transformação, a sensibilização e o envolvimento com o outro, para a disseminação de ações imprescindíveis para a saúde de toda a sociedade. Referências 1. Goldman L, Ausiello D (editores). Cecil, tratado de medicina interna. 22ª ed. Rio de Janeiro (RJ): Elsevier; Focaccia R (editor). Veronesi: tratado de infectologia. 3ª ed. São Paulo (SP): Atheneu; WHO. UNAIDS. Aids epidemic update: december Genebra: ONUAIDS; BRASIL. Ministério da Saúde. Aids no Brasil. Disponível em: 13F4BF21ITEMID61A4A499808A4774BA4BB32A- 19F36450PTBRIE.htm [acessado em 18/11/2013]. 5. BRASIL. Disponível em: tabcgi.exe.tabnet/sc.def [acessado em 18/11/2013]. 6. Kumar V, Abbas A, Fausto N (editores). Robbins e Cotran Patologia - Bases patológicas das doenças. 7ªed. Rio de Janeiro (RJ): Elsevier; Camargo BV, Bárbara A. Efeito de panfletos informativos sobre a Aids em adolescentes. Psicologia: Teoria e Pesquisa 2004; 20(3): BRASIL. Ministério da Saúde. Disponível em: asp[acessado em 18/11/2013]. 9. Gir E, Moriya TM, Hayashida M, Duarte G, Machado AA. Medidas preventivas contra a AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis conhecidas por universitários da área de saúde. Rev Lat Am Enf 1999;7(1): Villela WV, Doreto DT. Sobre a experiência sexual dos jovens. Cad Saúde Pública 2006; 22(11): Cardoso AJC, Griep RH, Carvalho HB, Barros A, Silva SB, Remien RH. Infecção pelo HIV entre gestantes atendidas nos centros de testagem e aconselhamento em Aids. Rev Saúde Pública 2007; 41(Supl. 2): Camargo BV, Botelho LJ. Aids, sexualidade e atitudes de adolescentes sobre proteção contra o HIV. Rev Saúde Pública 2007; 41(1): Romero KT, Medeiros EHGR, Vitalle MSS, Wehba J. O conhecimento das adolescentes sobre questões relacionadas ao sexo. Rev Assoc Med Bras 2007; 53(1):

7 14. Trani F, Gnisci F, Angelillo CN. Adolescents and sexually transmitted infections: knowledge and behaviour in Italy. J Paediatr Child Health 2005; 41: Gubert D, Madureira VSF. Iniciação sexual de homens adolescentes. Ciência & Saúde Coletiva 2009; 14(4): Moser AM, Reggiani C, Urbanetz A. Comportamento sexual de risco entre estudantes universitárias dos cursos de ciências da saúde. Rev Assoc Med Bras 2007;53(2): Berquó E, Loyola MAR, Pinho MDG, et al. Comportamento sexual da população brasileira e percepções do HIV/AIDS. Ministério da saúde-sps-cndst/hiv/ AIDS Roupa Z, Mylona E, Sotiropoulou P, et al. Knowledge of students training to be health care professionals about aids transmission. Health Science Journal 2007; 1(2): Madureira VSF, Trentini M. Da utilização do preservativo masculino à prevenção de DST/Aids. Ciência & Saúde Coletiva 2008; 13(6): Taquette SR, Andrade RB, Vilhena MM, Paula MC. A relação entre as características sociais e comportamentais da adolescente e as doenças sexualmente transmissíveis. Rev Assoc Med Bras 2005; 51(3): Sabone M, Ntsayagae E, Brown M.S. et al. Perceptions of undergraduate students not participating in HIV/AIDS prevention activities in Botswana. Int Nurs Rev 2007; 54(4): Tabela 2. Distribuição dos participantes que assinalaram como verdadeiras as assertivas referentes à pergunta Como se pode pegar Aids?. Tabela 3. Distribuição dos participantes que assinalaram como verdadeiras as assertivas referentes à pergunta Com relação à camisinha. Tabela 4. Distribuição dos participantes que assinalaram como verdadeiras as assertivas referentes à pergunta O que você entende por janela imunológica. Tabela 1. Distribuição dos participantes de acordo com a UnA a que pertencem. Endereço para correspondência Profa. Dra. Rosemeri Maurici da Silva Rodovia Virgílio Várzea, 2236, 601-A Florianópolis SC

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

O retrato do comportamento sexual do brasileiro

O retrato do comportamento sexual do brasileiro O retrato do comportamento sexual do brasileiro O Ministério da Saúde acaba de concluir a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. Entre os meses de setembro e novembro de

Leia mais

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 11, n. 11, p. 10 20 O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS GONÇALVES, B.F.da S.¹; DE BRITO, D.M.¹; PEDRO, E. M. ¹; CALVO, F.L.M.¹; SPERLICH,

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2

Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2 Gisane kelly Silva de Miranda 1 Rosimere Pessoa de Souza 2 Resumo: O presente trabalho tem por intuito analisar os fatores que condicionam o aumento da vulnerabilidade da transmissão do vírus do HIV entre

Leia mais

Autor(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Co-Autor(es) JOSÉ EDUARDO DA FONSECA MARIA IMACULADA DE LIMA MONTEBELLO. 1. Introdução

Autor(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Co-Autor(es) JOSÉ EDUARDO DA FONSECA MARIA IMACULADA DE LIMA MONTEBELLO. 1. Introdução 9º Congresso de Pesquisa AIDS: AVALIANDO COMPORTAMENTOS E VULNERABILIDADE EM ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA: IDENTIFICAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE O CONTROLE, DISSEMINAÇÃO,

Leia mais

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids 1 a Aids reduz a imunidade A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids ou SIDA) não é a doença. Ela reduz a imunidade devido à ação

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

CONHECIMENTOS, ATITUDES E PERCEPÇÃO DE RISCO: A VISÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PSICOLOGIA SOBRE A AIDS

CONHECIMENTOS, ATITUDES E PERCEPÇÃO DE RISCO: A VISÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PSICOLOGIA SOBRE A AIDS CONHECIMENTOS, ATITUDES E PERCEPÇÃO DE RISCO: A VISÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE PSICOLOGIA SOBRE A AIDS DALILA CASTELLIANO DE VASCONCELOS YANA THAMIRES MENDES FELIX Universidade Federal da Paraíba (UFPB),

Leia mais

O GÊNERO FEMININO E AS FORMAS DE PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

O GÊNERO FEMININO E AS FORMAS DE PREVENÇÃO DO HIV/AIDS O GÊNERO FEMININO E AS FORMAS DE PREVENÇÃO DO HIV/AIDS MARIA THEREZA ÁVILA DANTAS COELHO 1 VANESSA PRADO DOS SANTOS 2 GLEICE KELLY SANTOS ALMEIDA 3 RESUMO O objetivo deste trabalho é discutir as mudanças

Leia mais

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida 1 Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida O PROJETO VERÃO SEM AIDS VALORIZANDO A VIDA foi idealizado por João Donizeti Scaboli, Diretor do da FEQUIMFAR. Iniciamos de forma pioneira em 1994, quando o

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS

RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS RELAÇÃO ENTRE OS GÊNEROS E O NÍVEL DE INFORMAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS EM RELAÇÃO AO HIV/AIDS Maria Thereza Ávila Dantas Coelho 1 Vanessa Prado Santos 2 Márcio Pereira Pontes 3 Resumo O controle

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP

TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP TÍTULO: PERFIL SÓCIO DEMOGRÁFICO E PROVÁVEL FONTE DE INFECÇÃO DE MULHERES COM HIV/AIDS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Homens que fazem sexo com homens: vulnerabilidades a partir de comportamentos sexuais

Homens que fazem sexo com homens: vulnerabilidades a partir de comportamentos sexuais Homens que fazem sexo com homens: vulnerabilidades a partir de comportamentos sexuais Elisabeth Anhel Ferraz César Schwenck Inês Quental Palavras-chave: homossexualidade; comportamento sexual; Aids; risco.

Leia mais

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO Jader Dornelas Neto 1 ; Daniel Antonio Carvalho dos Santos 2 ; Guilherme Elcio Zonta 3 ; Simone Martins Bonafé 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE

CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE CARACTERISTICAS DA FEMINIZAÇÃO DA AIDS EM TRÊS LAGOAS 1 ANDRESSA MARQUES FERREIRA 2 MARIA ANGELINA DA SILVA ZUQUE 1 Discente de graduação do curso de Biomedicina 2 Doutoranda Docente das Faculdades Integradas

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO

INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Comunicação e Mídia Pesquisa Instituto Patrícia Galvão IBOPE, em parceria com o UNIFEM ATITUDES FRENTE AO CRESCIMENTO DA AIDS NO BRASIL Aumento da AIDS em mulheres está entre

Leia mais

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que estava em tratamento para tuberculose. A mulher informa que

Leia mais

Saúde Pública e Sexualidade: Fatores de risco, prevenção e enfrentamento contra as Doenças Sexualmente Transmissíveis.

Saúde Pública e Sexualidade: Fatores de risco, prevenção e enfrentamento contra as Doenças Sexualmente Transmissíveis. Saúde Pública e Sexualidade: Fatores de risco, prevenção e enfrentamento contra as Doenças Sexualmente Transmissíveis. ARRUDA NETO, Orlando de Paula CAMARGO, Cristina Bianca CANO, Ana Patrícia Fleitas

Leia mais

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea O que é AIDS? Sinônimos: hiv, síndrome da imunodeficiência adquirida, sida É uma doença que ataca o sistema imunológico devido à destruição dos glóbulos brancos (linfócitos T CD4+). A AIDS é considerada

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

Autor(es) TAINAH BARBOSA ALVES DE MORAES. Orientador(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) TAINAH BARBOSA ALVES DE MORAES. Orientador(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 18º Congresso de Iniciação Científica AIDS AVALIANDO COMPORTAMENTOS E VULNERABILIDADE EM ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO: IDENTIFICAÇÃO CONHECIMENTO SOBRE O CONTROLE, DISSEMINAÇÃO, RISCOS E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

Autor(es) PATRÍCIA GONÇALVES SILVEIRA. Orientador(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) PATRÍCIA GONÇALVES SILVEIRA. Orientador(es) MIRIAM RIBEIRO CAMPOS. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica AIDS: AVALIANDO COMPORTAMENTOS E VULNERABILIDADE EM ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA: IDENTIFICAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE O CONTROLE,

Leia mais

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 Talita da Conceição de Oliveira Fonseca. Economista Doméstica. Endereço: Rua João Valadares Gomes nº 210, bairro JK, Viçosa-MG. E-mail:

Leia mais

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO SATO, Camila Massae 1 Palavras-chave: Idoso, AIDS, conhecimento Introdução A população idosa brasileira

Leia mais

Bate papo sobre a AIDS, com o Prof. Geraldo Duarte

Bate papo sobre a AIDS, com o Prof. Geraldo Duarte Bate papo sobre a AIDS, com o Prof. Geraldo Duarte No dia 1º de dezembro, é comemorado o Dia Mundial de Luta Contra a AIDS. Para ressaltar a importância deste dia, a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

Leia mais

ESSA CAMPANHA VAI COLAR!

ESSA CAMPANHA VAI COLAR! ESSA CAMPANHA VAI COLAR! O selo postal é um importante veículo de comunicação dos valores de uma sociedade. Com a emissão dos 8 (oito) selos apresentados nesta Cartilha, os Correios, por meio da Filatelia,

Leia mais

ANÁLISE DA PESQUISA DE CONHECIMENTOS, ATITUDES E PRÁTICAS NA POPULAÇÃO CAMPOGRANDENSE.

ANÁLISE DA PESQUISA DE CONHECIMENTOS, ATITUDES E PRÁTICAS NA POPULAÇÃO CAMPOGRANDENSE. ANÁLISE DA PESQUISA DE CONHECIMENTOS, ATITUDES E PRÁTICAS NA POPULAÇÃO CAMPOGRANDENSE. GISELE MARIA BRANDÃO DE FREITAS 1 INTRODUÇÃO Campo Grande é um município brasileiro, capital do estado de Mato Grosso

Leia mais

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS A prática do aconselhamento desempenha um papel importante no diagnóstico da infecção pelo HIV/ outras DST e na qualidade da atenção à saúde. Contribui para a promoção

Leia mais

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM Prof. Rivaldo lira 1 2 Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas. a) São corretas apenas as afirmativas 1 e 2. b) São corretas

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010.

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. Larissa de Oliveira Abrantes 1 ; Amanda Cristina Souza

Leia mais

AIDS DST. cartilha. Saúde: eu cuido. Sexo: só seguro. Camisinha: EU USO. 1º DE DEZEMBRO DIA MUNDIAL DE COMBATE À AIDS. sistema:

AIDS DST. cartilha. Saúde: eu cuido. Sexo: só seguro. Camisinha: EU USO. 1º DE DEZEMBRO DIA MUNDIAL DE COMBATE À AIDS. sistema: Saúde: eu cuido. Sexo: só seguro. Camisinha: EU USO. 1º DE DEZEMBRO DIA MUNDIAL DE COMBATE À AIDS cartilha AIDS DST e S sistema: FEDERAÇÕES E SINDICATOS VINCULADOS O que são DSTs As doenças sexualmente

Leia mais

AIDS / Uma epidemia em expansão

AIDS / Uma epidemia em expansão A negociação da divisão de trabalho, no cuidado com a casa, com os filhos, com a alimentação e etc.. vem sendo um dos grandes assuntos debatidos entre casais nos tempos modernos. Ainda assim, freqüentemente

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO

ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO TÍTULO: PRÁTICAS E ATITUDES DE ESTUDANTES DE UMA ESCOLA PÚBLICA RELACIONADOS AS DSTS/AIDS AUTORES: Aline Salmito Frota, Luciana Soares Borba, Débora Silva Melo, José Ueides Fechine Júnior, Viviane Chave

Leia mais

VulneRabilidade ao HiV em estudantes de ensino médio de uma escola pública do interior de são paulo

VulneRabilidade ao HiV em estudantes de ensino médio de uma escola pública do interior de são paulo VulneRabilidade ao HiV em estudantes uma escola pública do interior de são paulo Vulnerability to HIV in students of a public high school located in the inner state of São Paulo 1 Mestrando em Psicologia

Leia mais

CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C

CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C 1 Vieira, E. S.; 2 Cardoso E. M.; 3 Souza, J. R.; 4 Filipini. S. M., 5 Giaretta, V. M. A Faculdade de Ciências da Saúde, Curso de

Leia mais

Palavras-chave: Comportamento sexual de risco; Psicologia da Saúde; Universitários; Prevenção.

Palavras-chave: Comportamento sexual de risco; Psicologia da Saúde; Universitários; Prevenção. COMPORTAMENTO SEXUAL DE RISCO EM ESTUDANTES DE PSICOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Ellidja Evelyn de Sousa Barbalho Lúcia Maria de Oliveira Santos Departamento de Psicologia GEPS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS RELATO DE EXPERIÊNCIA COMPEEX: CAMPANHAS SÓCIO EDUCATIVAS NAS ESCOLAS DE GOIÂNIA PARA PREVENÇÃO DE DST/AIDS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS RELATO DE EXPERIÊNCIA COMPEEX: CAMPANHAS SÓCIO EDUCATIVAS NAS ESCOLAS DE GOIÂNIA PARA PREVENÇÃO DE DST/AIDS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS RELATO DE EXPERIÊNCIA COMPEEX: CAMPANHAS SÓCIO EDUCATIVAS NAS ESCOLAS DE GOIÂNIA PARA PREVENÇÃO DE DST/AIDS GONDIM, Bruno Ferreira 1 ; CARDOSO, Bruno Freitas 1 ; MESQUITA,

Leia mais

NÍVEL DE INFORMAÇÃO RELATIVO AO HIV/AIDS ENTRE UNIVERSITÁRIOS E PRESENÇA DE OPINIÕES EXCLUDENTES EM RELAÇÃO AO CONVÍVIO SOCIAL COM SOROPOSITIVOS

NÍVEL DE INFORMAÇÃO RELATIVO AO HIV/AIDS ENTRE UNIVERSITÁRIOS E PRESENÇA DE OPINIÕES EXCLUDENTES EM RELAÇÃO AO CONVÍVIO SOCIAL COM SOROPOSITIVOS NÍVEL DE INFORMAÇÃO RELATIVO AO HIV/AIDS ENTRE UNIVERSITÁRIOS E PRESENÇA DE OPINIÕES EXCLUDENTES EM RELAÇÃO AO CONVÍVIO SOCIAL COM SOROPOSITIVOS Vanessa Prado dos Santos¹ Maria Thereza Ávila Dantas Coelho²

Leia mais

AUTOR(ES): JESSICA LOPES DE SOUZA, BRUNA KASAKEVICIUS ARCARI, EDPAULA BATISTA DE SOUZA, GRAZIELE SILVA ALESSANDRO

AUTOR(ES): JESSICA LOPES DE SOUZA, BRUNA KASAKEVICIUS ARCARI, EDPAULA BATISTA DE SOUZA, GRAZIELE SILVA ALESSANDRO TÍTULO: AIDS E HIV: INORMAÇÃO, COMPREENSÃO E ATITUDE DOS IDOSOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU AUTOR(ES): JESSICA LOPES

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Prevenção PositHIVa. junho 2007. Ministério da Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Prevenção PositHIVa. junho 2007. Ministério da Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Programa Nacional de DST e Aids Prevenção PositHIVa junho 2007 Contexto 25 anos de epidemia; 10 anos de acesso universal à terapia anti-retroviral; Exames e insumos de

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL Tacilla Maria Rodrigues Pereira¹(tacilla90@hotmail.com) Milene Evaristo Pereira¹(Milene.trab@gmail.com) Nicole Cristine Diniz de Medeiros Dutra¹ (nicole_dutra@hotmail.com)

Leia mais

O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de

O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de transmissão... 6 Acidentes ocupacionais com materiais

Leia mais

PLANEJANDO A GRAVIDEZ

PLANEJANDO A GRAVIDEZ dicas POSITHIVAS PLANEJANDO A GRAVIDEZ Uma pessoa que vive com HIV/aids pode ter filhos biológicos? Pode. As pessoas que vivem com HIV/aids não devem abandonar seus sonhos, incluindo o desejo de construir

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB

CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB CONSCIENTIZAÇÃO DA IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DAS DST s/aids NO MUNICÍPIO DE PITIMBU/PB Macilene Severina da Silva 1 (merciens@zipmail.com.br); Marcelo R.da Silva 1 (tcheillo@zipmail.com.br); Analice M.

Leia mais

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase.

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase. O que são DSTs? DSTs significa, doenças sexualmente transmissíveis, que são passadas nas relações sexuais com pessoas que estejam com essas doenças. São DSTs, a gonorréia, a sífilis, a clamídia, o herpes

Leia mais

Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil.

Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil. É legal saber! Gravidez Transar uma única vez, pode engravidar? Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil. Minha menstruação na desceu. Estou grávida? Depende. É importante cada mulher

Leia mais

Estimativa do número de crianças (0-14 anos) infectadas pelo HIV, Brasil, 2000

Estimativa do número de crianças (0-14 anos) infectadas pelo HIV, Brasil, 2000 Estimativa do número de crianças (0-14 anos) infectadas pelo HIV, Brasil, 2000 Introdução Célia Landmann Szwarcwald (1), Aristides Barbosa Júnior(2) e Maria Goretti P. Fonseca(2) A epidemia de aids no

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº / 2007 (do Deputado Sandes Júnior PP/GO)

PROJETO DE LEI Nº / 2007 (do Deputado Sandes Júnior PP/GO) PROJETO DE LEI Nº / 2007 (do Deputado Sandes Júnior PP/GO) Dispõe sobre a oferta de outras opções no combate as Doenças Sexualmente Transmissíveis DST e AIDS além do uso dos preservativos, como forma de

Leia mais

COMPORTAMENTO SEXUAL SOBRE O USO DOS PRESERVATIVOS ENTRE OS GRADUANDOS DO CURSO DE BIOLOGIA EM CAMPINA GRANDE-PB

COMPORTAMENTO SEXUAL SOBRE O USO DOS PRESERVATIVOS ENTRE OS GRADUANDOS DO CURSO DE BIOLOGIA EM CAMPINA GRANDE-PB COMPORTAMENTO SEXUAL SOBRE O USO DOS PRESERVATIVOS ENTRE OS GRADUANDOS DO CURSO DE BIOLOGIA EM CAMPINA GRANDE-PB SEXUAL BEHAVIOR ON CONDOM USE AMONG UNDERGRADUATE STUDENTS OF BIOLOGY IN CAMPINA GRANDE-PB

Leia mais

O Carnaval está aí é hora de se prevenir!

O Carnaval está aí é hora de se prevenir! O Carnaval está aí é hora de se prevenir! O Carnaval está aí! Uma das festas populares mais animadas e representativas do mundo. A festa que chegou ao Brasil tem sua origem no entrudo português, em que,

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F.

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. BRASÍLIA DF 2009 PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL

Leia mais

Aconselhamento não é dar conselhos! Como fazer o aconselhamento? A importância do teste anti-hiv e do aconselhamento nas Unidades Básicas de Saúde

Aconselhamento não é dar conselhos! Como fazer o aconselhamento? A importância do teste anti-hiv e do aconselhamento nas Unidades Básicas de Saúde Sumário 05 07 07 07 09 10 12 12 12 14 17 17 17 18 19 19 21 21 Apresentação O que é aconselhamento? Aconselhamento não é dar conselhos! Como fazer o aconselhamento? A importância do teste anti-hiv e do

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Porto Alegre, 21-24 de outubro 2008 Célia Landmann Szwarcwald celials@cict.fiocruz.br

Leia mais

com HIV/Aids no Brasil:

com HIV/Aids no Brasil: Aborto induzido entre mulheres vivendo com HIV/Aids no Brasil: aspectos analíticos e metodológicos Equipe de pesquisa: Regina M. Barbosa Adriana A. Pinho Naila S. Seabra Elvira Filipe Wilza V. Vilella

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello DSTs Como é contraída; Como evitar; Como tratar PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello O que são DSTs? A sigla DSTs quer dizer doenças sexualmente transmissíveis;ou

Leia mais

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.

E X P E D I E N T E. GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org. 1 2 E X P E D I E N T E GIV Grupo de Incentivo à Vida Rua Capitão Cavalcanti, 145 Vila Mariana São Paulo Fone: 5084-0255 giv@giv.org.br www.giv.org.br Diretoria: Gilvane Casimiro Edson Arata Luiz Donizete

Leia mais

UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS

UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS UMA REVISÃO SISTEMÁTICA: O PROFISSIONAL DE SAÚDE E SEU OLHAR SOBRE O IDOSO E A AIDS Nayara Ferreira da Costa¹; Maria Luisa de Almeida Nunes ²; Larissa Hosana Paiva de Castro³; Alex Pereira de Almeida 4

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE: PREVENÇÃO DA HEPATITE B NO MINI PRESÍDIO EM PONTA GROSSA - PR

EDUCAÇÃO EM SAÚDE: PREVENÇÃO DA HEPATITE B NO MINI PRESÍDIO EM PONTA GROSSA - PR Resumo EDUCAÇÃO EM SAÚDE: PREVENÇÃO DA HEPATITE B NO MINI PRESÍDIO EM PONTA GROSSA - PR ZARPELLON, Lídia Dalgallo UEPG ldzarpellon@yahoo.com.br SILVA, Carla Luiza da UEPG clsilva21@hotmail.com ZIMMERMANN,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE HIV/AIDS NA POPULAÇÃO MAIOR DE 50 ANOS EM CIDADES DO VALE DO PARAÍBA

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE HIV/AIDS NA POPULAÇÃO MAIOR DE 50 ANOS EM CIDADES DO VALE DO PARAÍBA AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE HIV/AIDS NA POPULAÇÃO MAIOR DE 50 ANOS EM CIDADES DO VALE DO PARAÍBA Silva, J. L.¹; Gomes, R. S.²; Filipini S. M. 3 ; Ferreira, F. C. 4 ; Univap/Enfermagem. Rua Alcides

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: Uma visão geral

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: Uma visão geral DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS: Uma visão geral Franciely de Souza dos Santos Graduanda em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Mayza Alves Dias Graduanda em Farmácia Faculdades

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Fabiana Medeiros de Brito (NEPB/UFPB). E-mail: fabianabrito_@hotmail.com Eveline de Oliveira Barros (NEPB/UFPB). E-mail: evinhabarros@gmail.com

Leia mais

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714

Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Terceira Idade: não leve um baile do HIV! Alexandre Ramos Lazzarotto alazzar@terra.com.br 9808-5714 Número de casos de AIDS no Brasil 77.639 433.067 37.968 13.200 572 Região Sul RS POA NH Localidades BRASIL.

Leia mais

Autor(es) ANNA FLÁVIA SALOMÃO SANTOS. Orientador(es) THAIS ADRIANA DO CARMO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) ANNA FLÁVIA SALOMÃO SANTOS. Orientador(es) THAIS ADRIANA DO CARMO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 18º Congresso de Iniciação Científica AIDS AVALIANDO COMPORTAMENTO E VULNERABILIDADE EM ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO: IDENTIFICAÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE O CONTROLE, DISSEMINAÇÃO, RISCOS E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

Leia mais

Novas e velhas epidemias: os vírus

Novas e velhas epidemias: os vírus Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Novas e velhas epidemias: os vírus A UU L AL A - Maria, veja só o que eu descobri nesta revista velha que eu estava quase jogando fora! - Aí vem coisa. O que é, Alberto?

Leia mais

TÍTULO: HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA COMPARAÇÃO DE SUA INCIDÊNCIA NACIONAL E COMPORTAMENTO DA TERCEIRA IDADE NO MUNICÍPIO DE CATANDUVA

TÍTULO: HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA COMPARAÇÃO DE SUA INCIDÊNCIA NACIONAL E COMPORTAMENTO DA TERCEIRA IDADE NO MUNICÍPIO DE CATANDUVA TÍTULO: HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA COMPARAÇÃO DE SUA INCIDÊNCIA NACIONAL E COMPORTAMENTO DA TERCEIRA IDADE NO MUNICÍPIO DE CATANDUVA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

O conhecimento e o uso de preservativo por adolescentes: estudo comparativo em uma escola particular e pública

O conhecimento e o uso de preservativo por adolescentes: estudo comparativo em uma escola particular e pública O conhecimento e o uso de preservativo por adolescentes: estudo comparativo em uma escola particular e pública Victória Maria Jardim e Jardim 1, Leonardo Trindade Nominato 1, Pedro Angelo Oliveira Ghetti

Leia mais

Positivo Negativo. Um guia sobre o teste do HIV. Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Fones (71) 3321-1848 / 3322-2552. Apoio:

Positivo Negativo. Um guia sobre o teste do HIV. Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Fones (71) 3321-1848 / 3322-2552. Apoio: Positivo Negativo Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Fones (71) 3321-1848 / 3322-2552 Um guia sobre o teste do HIV Apoio: SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE Coordenação Estadual de DST/AIDS Onde fazer exames

Leia mais

PARTE A. Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV

PARTE A. Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV DEPARTAMENTO DE SAÚDE DO ESTADO DE NOVA YORK Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV O exame de HIV é voluntário. O consentimento pode ser revogado a qualquer momento, mediante

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

Palavras-chave: Doenças Sexualmente Transmissíveis, saúde do adolescente, comportamento sexual.

Palavras-chave: Doenças Sexualmente Transmissíveis, saúde do adolescente, comportamento sexual. NÍVEL DE CONHECIMENTO DE MEDIDAS PREVENTIVAS E DE TRANSMISSÃO DE DST/AIDS ENTRE ADOLESCENTES CONCLUINTES DO ENSINO FUNDAMENTAL DE ESCOLAS PÚBLICAS, DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ, PARANÁ Valéria Miranda Avanzi

Leia mais

PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA ADOTADAS POR MANICURES/PEDICURES NA PREVENÇÃO DE HEPATITE B E C

PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA ADOTADAS POR MANICURES/PEDICURES NA PREVENÇÃO DE HEPATITE B E C PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA ADOTADAS POR MANICURES/PEDICURES NA PREVENÇÃO DE HEPATITE B E C Renato Nelson Sasso 1, Lauyze Dall"ago Barbosa 2, Janete Lane Amadei 3 RESUMO: As hepatites emergem com problema

Leia mais

HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares

HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares HIV / Aids Orientações para pacientes e familiares Serviço de Enfermagem Cirúrgica Este manual contou com a colaboração de: professora enfermeira Isabel Cristina Echer; enfermeiras Beatriz Guaragna, Ana

Leia mais

Palavras-chave: HIV/AIDS; Maturidade; Velhice; Cotidiano; Discurso.

Palavras-chave: HIV/AIDS; Maturidade; Velhice; Cotidiano; Discurso. ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DO COTIDIANDO DE PESSOAS SOROPOSITIVAS AO HIV/AIDS NA MATURIDADE E NA VELHICE Josevânia da Silva; Ana Alayde Werba Saldanha Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa PB, Brasil.

Leia mais

Rochele Farioli Bertoni 1, Karoline Bunn 2, Jane da Silva 3, Jefferson Traebert 4

Rochele Farioli Bertoni 1, Karoline Bunn 2, Jane da Silva 3, Jefferson Traebert 4 0004-2773/10/39-04/75 Arquivos Catarinenses de Medicina Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 39, n o. 4, de 2010 75 Perfil demográfico e socioeconômico dos portadores de HIV/AIDS do Ambulatório de Controle

Leia mais

Caderno de Informações Epidemiológicas das DST/HIV/Aids do Município de Uberaba-MG

Caderno de Informações Epidemiológicas das DST/HIV/Aids do Município de Uberaba-MG SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROGRAMA MUNICIPAL DE DST/AIDS DE UBERABA Caderno de Informações Epidemiológicas das DST/HIV/Aids do Município de Uberaba-MG Gerente: Maria Clara de Vasconcelos Afonso Elaboração:

Leia mais

Respostas frente à AIDS no Brasil: Aprimorando o Debate II

Respostas frente à AIDS no Brasil: Aprimorando o Debate II Respostas frente à AIDS no Brasil: Aprimorando o Debate II Estudo parturientes soropositivas para HIV: implicações para políticas de assistência Daniela Riva Knauth Regina Maria Barbosa Kristine Hopkins

Leia mais

Uso do preservativo masculino por adolescentes no início da vida sexual

Uso do preservativo masculino por adolescentes no início da vida sexual ARTIGO ORIGINAL 37 Dulcilene Pereira Jardim 1 Enir Ferreira dos Santos 2 Uso do preservativo masculino por adolescentes no Condom use by male adolescents when becoming sexually active RESUMO Objetivo:

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA MULHERES PROFISSIONAIS DO SEXO: SUBSÍDIOS PARA O CONTROLE E PREVENÇÃO DAS DST/HIV/AIDS EM GOIÂNIA-GOIÁS E ENTORNO FAGUNDES,

EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA MULHERES PROFISSIONAIS DO SEXO: SUBSÍDIOS PARA O CONTROLE E PREVENÇÃO DAS DST/HIV/AIDS EM GOIÂNIA-GOIÁS E ENTORNO FAGUNDES, EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA MULHERES PROFISSIONAIS DO SEXO: SUBSÍDIOS PARA O CONTROLE E PREVENÇÃO DAS DST/HIV/AIDS EM GOIÂNIA-GOIÁS E ENTORNO FAGUNDES, Penélope Bueno 1 ; MORAES, Paula Ávila 1 SANTOS, Paulie

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA Dr. Robinson Fernandes de Camargo Interlocução de DST/Aids da Coordenadoria Regional de Saúde - Sudeste CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA No início

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Avaliação do projeto de intervenção de Educação em Saúde em uma escola do município de Santos. * Lourdes Conceição Martins Profa.

Leia mais

COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES DE UM PROJETO FRENTE AOS PORTADORES DE HIV/AIDS

COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES DE UM PROJETO FRENTE AOS PORTADORES DE HIV/AIDS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA COMPORTAMENTO DE PARTICIPANTES

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Saúde do adolescente; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; HIV.

RESUMO. Palavras-chave: Saúde do adolescente; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; HIV. SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE: A EPIDEMIA DA AIDS EM ADOLESCENTES NO BRASIL, 2001-2010. KOGLIN, Ilivelton Martins 1 ; TASSINARI, Tais Tasqueto 2 ; ZUGE, Samuel Spiegelberg 3 ; BRUM, Crhis Netto de 3 ;

Leia mais

DIREITOS HUMANOS PREVENÇÃO

DIREITOS HUMANOS PREVENÇÃO DIREITOS HUMANOS PREVENÇÃO GIV - Grupo de Incentivo à Vida Somos um grupo de ajuda mútua para pessoas com sorologia positiva ao HIV. Não temos finalidades lucrativas e somos destituídos de quaisquer preconceitos

Leia mais

CONTRACEPÇÃO, ADOLESCÊNCIA E AS RELAÇÕES DE GÊNERO

CONTRACEPÇÃO, ADOLESCÊNCIA E AS RELAÇÕES DE GÊNERO 0 CONTRACEPÇÃO, ADOLESCÊNCIA E AS RELAÇÕES DE GÊNERO Lidianny do Nascimento Gonçalves Braga Íria Raquel Borges Wiese Ana Alayde Werba Saldanha Universidade Federal da Paraíba-UFPB Resumo As diferenças

Leia mais