PROJETO DE ANALISE ACUSTICA DAS VOGAIS DO DIALETO NHANDEVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE ANALISE ACUSTICA DAS VOGAIS DO DIALETO NHANDEVA"

Transcrição

1 PROJETO DE ANALISE ACUSTICA DAS VOGAIS DO DIALETO NHANDEVA

2 475 (KRAUSS,1992:7). No mesmo artiao prop3e tr8s cateaorias para a situaqao atual das 11nsuas mundiais: "moribund", "endanaered" e "safe". As linsuas ind1aenas brasileiras, que v&o ao encontro desses asravantes acima citados, enquadram~ se na catesoria "endansered".sobre estas linsuas, 0 Prosrama de Pesquisa Cient1fica das L1nsuas Indlsenas Brasileiras, publicado no Boletim da ABRALIN de Janeiro de 1991, explicitou a "necessidade de estabelecer um programa de a9ao coordenada e intensiva para a aquisi~&o e preservaqao do conhecimento cient1fico dessas 11nsuas, nao s6 as que estao amea98das de extin~&o, mas isualmente as que tem melhor situaqao demoarafica, todas igualmente importantes de todos os pontos de vista." (PPCLIB,1991:187). E mais, "nesliaenciar esse estudo enquanto ele ainda pode ser feito significaria n&o s6 perder para 0 conhecimento cient1fico grande numero de especies em vias de extin~&o, mas sobretudo possivelmente perder para sempre a oportunidade de observar a~guns fen8menos lingu1sticos(e cognitivos) {micos no mundo." (PPCLIB,1991: ). Tendo consci~cia da crise das 11nsuas brasileiras e da necessidade de preservaqao daquelas que resistem, 0 estudo que aqui e proposto, sob orienta~&o do Prof. Erasmo d'almeida Maaalh&es e do Prof, Waldemar Ferreira Netto, pretende ser n&o s6 de import&ncia puramente cient1fica, mas tambem de import&ncia social. Os resultados deste trabalho ser&o usados no Projeto do Deparamento de Letras Classicas e Vernaculas / USP, de Alfabetiza9Ao em Lingua Materna na Area Ind1aena Guarani do Ribeir&o Silveira (0 qual pretendemos realizar

3 476 simultaneamente ). Segundo Krauss (1992.p.9). "we should not only be documeting these lansuages. but also working educationally. culturally. and politically to increase their chances of survival. This means working with members of the relevant communities to help produce pedagogical materials and literature and to promote language development in the necessary domains. including television." o nosso objeto de estudo serao as vogais do dialeto Nhandeva dos indios guarani. da A. I. G. do RibeirAo Silveira. no litoral norte do estado de SAo Paulo no municipio de SAo SebastiAo. Os trabalhos ate hoje existentes a respeito do dialeto Nhandeva sao apanas dois: um feito por Curt Nimuendaju Unkel em 1914 (tendo como objetivo registrar 0 dialeto Nhandeva. explicando pela grafia proposta palo pr6pio autor como era falado 0 dialeto no comeqo do saculo). e outro ainda em progresso por Robert Dooley (com 0 prop6sito de fornecer meios lingulsticos pelos quais se podera identificar 0 dialeto falado por determinado falante da lingua guarani no Brasil). cujos apontamentos preliminares foram publicados pelo SIL. em Essa pouquissima quantidade de analise linsuistica a respeito do dialeto Nhandeva comprova que os estudos das linguas brasileiras "t~m esitado consideravelmente aquem do necessario para assegurar a documenta~ao cientifica e a analise das linsuas indigenas faladas no pals." (PPCLIB.1991: ).

4 477 Por isso, sstudos como ssts qus aqui e proposto necsssitam ser rsalizados em carater de ura~ncia. 2.Mstodolosia A intenq!o dsste trabalho e aprofundar os estudos que ja foram fsitos e trazer novos dados do dialeto Nhandeva, dando total atenq!o aos fonemas vocalicos. pretendemos fazer uma analise espectroarafica das vosais em ambientes oral, nasal, anterior e posterior, para obter um valor medio de cada realizaq~o. Por meio dessa analise 3.1.Levantamento biblioarafico Como ja foi dito, existe uma pequena bibliosrafia a respeito de estudos acerca do Nhandeva, mas ha livros, teses e artisos que tratam dos outros dialetos do suarani, que apesar de n~o serem trabalhos especificos, as vezes contem observaq~s sobre 0 Nhandeva. informantes Nhandeva masculinos e femininos, na A. I. G. do Ribsir!o Silveira.

5 DOOLEY, R. A. (1991). Apontamentos Preliminares Sobre Nhandeva Guarani Contempor!neo. Arquivo Lingtlistico, 197. Brasilia, S.I.L. GLEASON JR., H. A. (1970). Introducci6n a la Lingtlistica Descritiva. Madrid, Gredos. GUEDES, M. (1991). Subsidios para uma Analise Fono16gica do Mbya.Campinas, Unicamp. KRAUSS, M. (1992). "The world"s languages in crises". Language, 68 (1): LADEFOGED, P. (1962). Elements of Acoustic Phonetics. Chicago, University of Chicago. LADEIRA, M. I. M. (1984). "Aldeias livres guarani do litoral de S!o Paulo e da periferia da capital". In Borelli, S. H. S. et al. Indios do estado de S!o Paulo: resistencia e transfiguraq!o. S!o Paulo, Yankatu, Comiss!o Pr6- Indio de S!o Paulo. pp LADEIRA, M. I. M. & AZANHA, G. (1988). Os indios da Serra do Mar (A presenqa Mbya-Guarani em S!o Paulo). Sao Paulo, Nova Stella. MATTA, R. (1981). Relativizando: uma introdu~ao a antropologia social. Petr6polis, Vozes. MEADER, R. E. (1976). Nasalization in Guarani. Arquivo LingUistico, 141. Brasilia, S.I. L. Programa de Pesquisa Cientlfica das Linguas Brasileiras. (1991). Abralin, boletim 10. pp RODRIGUES, A. D. (1966). "Tarefas da Lingtllstica no Brasil" In Estudos LngUisticos, 1 (1). S!o Paulo. pp

6 RODRIGUES, A. D. (1986). Linguas Brasileiras (para 0 conhecimento das linguas indlgenas). S!o Paulo, Loyola. SOARES, M. L. C. F. (1984). "Tra90s acfisticos das vogais em Tilll:una".In Cadernos de Estudos LingiUsticos 7. CampinaslUnicamp, pp UNKEL, C. N. (1944). Leyendas de la creaci6n y juicio final del mundo comofundamento de la realidadde los Apapokiiva-Guaranl.S!o Paulo, mimeo.

III Línguas e Culturas Tupí. Histórico dos Encontros Internacionais sobre

III Línguas e Culturas Tupí. Histórico dos Encontros Internacionais sobre III Línguas e Culturas Tupí Histórico dos Encontros Internacionais sobre O III Encontro Internacional sobre Línguas e Culturas dos Povos Tupí foi estimulado pelos resultados positivos dos encontros anteriores

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DA SERRA GAÚCHA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE INTERIORES ATIVIDADE DE PRÁTICA SUPERVISIONADA. Projeto de Pesquisa

FACULDADE DE TECNOLOGIA DA SERRA GAÚCHA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE INTERIORES ATIVIDADE DE PRÁTICA SUPERVISIONADA. Projeto de Pesquisa 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA DA SERRA GAÚCHA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE INTERIORES ATIVIDADE DE PRÁTICA SUPERVISIONADA Projeto de Pesquisa DESIGN VERNACULAR Jeanlucas Paines Martins CAXIAS

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim 0. Considerações iniciais A Relação entre fonética e fonologia compreende uma relação de interdependência,

Leia mais

1 Graduado em Letras pela Universidade de Brasília (UnB), mestre em Linguística pela mesma instituição. Atualmente,

1 Graduado em Letras pela Universidade de Brasília (UnB), mestre em Linguística pela mesma instituição. Atualmente, 1 Graduado em Letras pela Universidade de Brasília (UnB), mestre em Linguística pela mesma instituição. Atualmente, é doutorando em Linguística da USP, com atuação na área de Sintaxe das Línguas Naturais.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM LETRAS PROGRAMA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM LETRAS PROGRAMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM LETRAS PROGRAMA Disciplina Obrigatória FONOLOGIA, VARIAÇÃO E ENSINO Carga horária

Leia mais

Perfil de Linguagem Bilíngue: Português-Inglês

Perfil de Linguagem Bilíngue: Português-Inglês Perfil de Linguagem Bilíngue: - Gostaríamos de lhe pedir que nos ajudasse respondendo às seguintes perguntas que dizem respeito ao seu historial linguístico, utilização, atitudes, assim como competências

Leia mais

O alfabeto A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V X Z ( W, Y)

O alfabeto A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V X Z ( W, Y) O alfabeto A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V X Z ( W, Y) Sons das palavras juntas : Nha Nhe Nho Nhi Ao Aos Aoes Ae Conversacao - Oi Maria como vao as coisas? - Ora pois vao muito bem e com tu

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

O livro didático nas aulas de alemão como língua estrangeira na universidade: reflexões a partir de uma sondagem

O livro didático nas aulas de alemão como língua estrangeira na universidade: reflexões a partir de uma sondagem 275 O livro didático nas aulas de alemão como língua estrangeira na universidade: reflexões a partir de uma sondagem Raphael da Silveira 1 Titel: The textbook in the classes of German as a foreign language

Leia mais

APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS

APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS UNIVERSIDADE: Universidade Federal de Minas Gerais NÚCLEO DISCIPLINAR/COMITÊ ACADÊMICO: Lingüística, Letras e Artes TÍTULO DO TRABALHO: APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS

Leia mais

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO GHISLANDI, Indianara; OENNING, Micheli email: michelioenning@yahoo.com.br Universidade Estadual

Leia mais

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 Mestranda Neliane Raquel Macedo Aquino (UFT) Resumo: A aprendizagem de uma língua estrangeira LE possibilita transferências

Leia mais

AVALIAÇÃO FONOLÓGICA EM DESTAQUE RESENHA DO LIVRO AVALIAÇÃO FONOLÓGICA DA CRIANÇA, DE YAVAS, HERNANDORENA & LAMPRECHT

AVALIAÇÃO FONOLÓGICA EM DESTAQUE RESENHA DO LIVRO AVALIAÇÃO FONOLÓGICA DA CRIANÇA, DE YAVAS, HERNANDORENA & LAMPRECHT FREITAS, Joselaine Moreira de; OTHERO, Gabriel de Ávila. Avaliação fonológica em destaque resenha do livro Avaliação fonológica da criança, de Yavas, Hernandorena & Lamprecht. ReVEL, v. 3, n. 5, 2005.

Leia mais

O BILINGÜISMO POMERANO-PORTUGUÊS NA REGIÃO DE PELOTAS

O BILINGÜISMO POMERANO-PORTUGUÊS NA REGIÃO DE PELOTAS O BILINGÜISMO POMERANO-PORTUGUÊS NA REGIÃO DE PELOTAS Paulino Vandresen (UCPel) Adriane Rodrigues Corrêa (Bic-UCPel) 1 Introdução Nesta comunicação apresentaremos alguns resultados preliminares do projeto

Leia mais

Conferência / Exposições - 7 e 8 de Maio 2015

Conferência / Exposições - 7 e 8 de Maio 2015 Conferência / Exposições - 7 e 8 de Maio 2015 Arquitetura, Design e Acústica. 7 de Maio 18 horas (Sede da Ordem dos Arquitetos) A Acústica em Portugal por Porfírio e António Pardal Monteiro Conferência:

Leia mais

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) O COMPORTAMENTO SINTÁTICO DOS ELEMENTOS À ESQUERDA 1 Maiane Soares Leite Santos (UFBA) may_leite@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO O objeto de estudo dessa pesquisa são os sintagmas preposicionados

Leia mais

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL Gabriel Weiss Maciel Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil Henrique Cabral Faraco Universidade do Estado de Santa Catarina,

Leia mais

FONÉTICA UMA ENTREVISTA COM LUIZ CARLOS CAGLIARI

FONÉTICA UMA ENTREVISTA COM LUIZ CARLOS CAGLIARI CAGLIARI, Luiz Carlos. Fonética: uma entrevista com Luiz Carlos Cagliari. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 4, n. 7, agosto de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. FONÉTICA UMA

Leia mais

Abordagem da vogal [e] sozinha e em base de ditongo a partir da análise experimental. Adriano de Souza Dias (UERJ e FEUDUC)

Abordagem da vogal [e] sozinha e em base de ditongo a partir da análise experimental. Adriano de Souza Dias (UERJ e FEUDUC) Abordagem da vogal [e] sozinha e em base de ditongo a partir da análise experimental. Adriano de Souza Dias (UERJ e FEUDUC) Introdução Este trabalho que desenvolvemos acerca da vogal [e] sozinha e em posição,

Leia mais

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville CAPÍTULO I Globalização e solidariedade Jean Louis Laville Cadernos Flem V - Economia Solidária 14 Devemos lembrar, para entender a economia solidária, que no final do século XIX, houve uma polêmica sobre

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

Formação da identidade profissional de enfermagem: uma reflexão teórica

Formação da identidade profissional de enfermagem: uma reflexão teórica COMUNICAÇÃO DE PESQUISA Formação da identidade profissional de enfermagem: uma reflexão teórica Nursing professional identity formation: an ongoing theoretical review Érick Igor* Universidade Gama Filho

Leia mais

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná

Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná Colégio Estadual Vicente Tomazini - Ensino Fundamental, Médio e Normal Francisco Alves - Paraná PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE METODOLOGIA PARA O ENSINO DE PORTUGUÊS E ALFABETIZAÇÃO FORMAÇÃO DE DOCENTES

Leia mais

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição DIFICULDADES INERENTES À COMPILAÇÃO DE UM CORPUS ORAL DE INFORMANTES BRASILEIROS APRENDIZES DE INGLÊS PARA O PROJETO LINDSEI-BR 1. Introdução Predomina, atualmente, a utilização de corpora de falantes

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros Alfabetização e letramento Professora : Jackeline Miranda de Barros O que é alfabetização? O que é letramento? Qual o melhor método? Como alfabetizar? Para início de conversa, vamos exercitar nossa memória...

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina MUS1530T1 - Dicção I

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina MUS1530T1 - Dicção I Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina MUS1530T1 - Dicção I Docente(s) Wladimir Farto Contesini de Mattos Unidade Instituto de Artes Departamento Departamento de Música Créditos 4 60 Carga Horaria

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social. O PAPEL DA PSICOTERAPIA DE CASAL E FAMíLIA EM UM CASO DE ADOçãO

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social. O PAPEL DA PSICOTERAPIA DE CASAL E FAMíLIA EM UM CASO DE ADOçãO O PAPEL DA PSICOTERAPIA DE CASAL E FAMíLIA EM UM CASO DE ADOçãO Bruna Maria Schiavinatto* (Programa de Iniciação Extensionista, Fundação Araucária, Departamento de Psicologia e Psicanálise, Universidade

Leia mais

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados,

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados, Dircurso proferido Pela Dep. Socorro Gomes, na Sessão da Câmara dos Deputados do dia 08 de novembro de 2006 acerca da 19ª edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, promovido pelo Instituto do Patrimônio

Leia mais

FACULDADE DA IGREJA MINISTÉRIO FAMA FAIFA. Projeto de Oficina de Letramento. COORDENAÇÃO DO PROJETO: Profª. Ms.Alessandra Carlos Costa Grangeiro

FACULDADE DA IGREJA MINISTÉRIO FAMA FAIFA. Projeto de Oficina de Letramento. COORDENAÇÃO DO PROJETO: Profª. Ms.Alessandra Carlos Costa Grangeiro FACULDADE DA IGREJA MINISTÉRIO FAMA FAIFA Projeto de Oficina de Letramento COORDENAÇÃO DO PROJETO: Profª. Ms.Alessandra Carlos Costa Grangeiro Goiânia 2010 1 APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 ÀS

Leia mais

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

Procriação Medicamente Assistida: Presente e Futuro Questões emergentes nos contextos científico, ético, social e legal

Procriação Medicamente Assistida: Presente e Futuro Questões emergentes nos contextos científico, ético, social e legal Procriação Medicamente Assistida: Presente e Futuro Questões emergentes nos contextos científico, ético, social e legal Senhor Secretário de Estado da Saúde, Dr. Leal da Costa, Senhora Secretária de Estado

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

Circo-Teatro: É Teatro No Circo

Circo-Teatro: É Teatro No Circo Circo-Teatro: É Teatro No Circo Ermínia Silva Centro de Memória da Unicamp Doutor Pesquisadora Colaboradora do Centro de Memória da Unicamp Resumo: Parte dos estudos sobre circo no Brasil, realizados no

Leia mais

O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA

O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA Vanilda Oliveira Coelho 1 ; Maria de Lurdes Nazário 1 ; Shirley Eliany Rocha Mattos 2 1 Pesquisadoras convidadas do Núcleo de

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS

UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS Priscila Hanako Ishy 1 ; Gláucia Vieira Cândido 2 ; Lincoln Almir Amarante Ribeiro3 1 Bolsista PBIC /CNPq, graduanda

Leia mais

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO INTRODUÇÃO Solange dos Santos (UFS) A leitura tem sido por muito tempo um tema muito debatido

Leia mais

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS:

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS: A Produção de pesquisas sobre Educação Ambiental dos Programas de Pós-graduação (Mestrados e Doutorados) cadastrados na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações BDTD: Educação Ambiental e Educação Infantil

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática -

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática - PLANO DE ENSINO LETRAS (PORTUGUÊS-INGLÊS) Turno: Noturno Currículo: 2003 INFORMAÇÕES BÁSICAS Período 2013/1 Natureza: Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS Teórica 60 Carga Horária Prática

Leia mais

Exemplos de Telas de Supervisórios

Exemplos de Telas de Supervisórios Exemplos de Sistemas Especiais Exemplos de Sistemas Especiais Exemplos de Sistemas Especiais Exemplos de Sistemas Especiais Exemplos de Sistemas Especiais Exemplos de Sistemas Especiais Exemplos de Sistemas

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Estabelece normas para o andamento das disciplinas de Trabalho de Graduação I e II referentes ao trabalho de conclusão de curso. Aprovado em reunião de colegiado

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR

A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR Página94 A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR Cristiane Gonçalves Uliano 1 Maria Fernanda Silva de Carvalho 2 Marina da Costa

Leia mais

INVESTIGANDO O OLHAR DOS PROFESSORES EM RELAÇÃO AS PESQUISAS EM CIÊNCIAS

INVESTIGANDO O OLHAR DOS PROFESSORES EM RELAÇÃO AS PESQUISAS EM CIÊNCIAS INVESTIGANDO O OLHAR DOS PROFESSORES EM RELAÇÃO AS PESQUISAS EM CIÊNCIAS Lidiana dos Santos; Valter Costa de Vasconcelos; Vanessa Batista da Costa Universidade Estadual da Paraíba; Lidiana_santos18@hotmail.com;valteritbaiana@hotmail.com;nessa.costa@yahoo.com.br

Leia mais

Coordenação: Profª Vera Rodrigues

Coordenação: Profª Vera Rodrigues III Oficina Técnica da Chamada CNPq/MDS - 24/2013 Seminário de Intercâmbio de pesquisas em Políticas Sociais, Combate à Fome e à Miséria no Brasil Projeto E agora falamos nós: mulheres beneficiárias do

Leia mais

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar.

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar. Curso de Formação de Professores Primários da Escola Normal de Caetité Ba no Período de 1925 a 1940: Análise das Transformações Curriculares do Ensino de Matemática. Márcio Oliveira D Esquivel 1 GD5 História

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BOTÂNICA)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BOTÂNICA) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares seis orientadores plenos credenciados no programa, representantes de cada linha de

Leia mais

O ENSINO DE COMPREENSÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE

O ENSINO DE COMPREENSÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE O ENSINO DE COMPREENSÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE MEIRELES, Mirelly Karolinny de Melo/UNIDERC 1 mirellyk@yahoo.com.br NASCIMENTO, Kaline Brasil Pereira/UEPB 2 k.aline.brasil@hotmail.com

Leia mais

QUINTA DO ANJO EM IMAGENS,

QUINTA DO ANJO EM IMAGENS, Separata do boletim do Museu Municipal de Palmela nº10 QUINTA DO ANJO EM IMAGENS, NOS 80 ANOS DA FREGUESIA Comemora-se, em 2008, o 80º aniversário da criação das freguesias de Pinhal Novo e Quinta do Anjo.

Leia mais

CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS

CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS DOMINGUEZ RODRIGUES CHAVES, C. (1) Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza. USP - Universidade de

Leia mais

XIX Encontro Regional de História da ANPUH São Paulo

XIX Encontro Regional de História da ANPUH São Paulo XIX Encontro Regional de História da ANPUH São Paulo Autor: Profa Dra Sandra Leila de Paula Título do Trabalho: Análise Sociológica de Desenhos Infantis: uma nova perspectiva de análise para grupos de

Leia mais

A EDUCAÇÃO INDÍGENA, TRABALHO LINGÜÍSTICO E O LINGÜISTA, TODOS DEVEM CAMINHAR JUNTOS?

A EDUCAÇÃO INDÍGENA, TRABALHO LINGÜÍSTICO E O LINGÜISTA, TODOS DEVEM CAMINHAR JUNTOS? A EDUCAÇÃO INDÍGENA, TRABALHO LINGÜÍSTICO E O LINGÜISTA, TODOS DEVEM CAMINHAR JUNTOS? Rogério Vicente Ferreira Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Resumo: O estudo das línguas indígenas vem ao encontro

Leia mais

Dois idiomas, uma criança

Dois idiomas, uma criança REVISTA EDUCAÇÃO - EDICAO 174 - OUTUBRO 2011 Educação Infantil Letramento Tamanho do Texto A+ A- Dois idiomas, uma criança Estudos apontam que alunos bilíngues apresentam ganhos cognitivos, mas o diálogo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 36 / 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Línguas Estrangeiras

Leia mais

HABILIDADES INFANTIS RELACIONADAS À PRÁTICA DE LEITURA E SUAS IMPLICAÇÕES ORTOGRÁFICAS NA ESCRITA

HABILIDADES INFANTIS RELACIONADAS À PRÁTICA DE LEITURA E SUAS IMPLICAÇÕES ORTOGRÁFICAS NA ESCRITA HABILIDADES INFANTIS RELACIONADAS À PRÁTICA DE LEITURA E SUAS IMPLICAÇÕES ORTOGRÁFICAS NA ESCRITA Humberto Pires Junior 1 Milene Peixer Loio 2 Introdução A presente pesquisa 3 busca relacionar habilidades

Leia mais

VOCABULÁRIOS DE LÍNGUAS INDÍGENAS NA REVISTA DO IHGB: O PROCESSO DE GRAMATIZAÇÃO

VOCABULÁRIOS DE LÍNGUAS INDÍGENAS NA REVISTA DO IHGB: O PROCESSO DE GRAMATIZAÇÃO Resumo VOCABULÁRIOS DE LÍNGUAS INDÍGENAS NA REVISTA DO IHGB: O PROCESSO DE GRAMATIZAÇÃO Dantielli Assumpção GARCIA. UNESP-IBILCE (São José do Rio Preto) FAPESP (proc. n 07/58250-1). dantielligarcia@gmail.com

Leia mais

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística.

WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. RESENHAS WEEDWOOD, B. História Concisa da Lingüística. Tradução: Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2002. Ronaldo de Oliveira BATISTA Centro Universitário Nove de Julho Um número crescente de livros a

Leia mais

A comunicação de sites de clínicas de cirurgia plástica

A comunicação de sites de clínicas de cirurgia plástica Departamento de Comunicação Social A comunicação de sites de clínicas de cirurgia plástica Aluna: Juliana d Arêde Orientador: José Carlos Rodrigues Introdução A evolução de técnicas estéticas acompanha

Leia mais

1. Normas para inscrição de trabalhos

1. Normas para inscrição de trabalhos I CONGRESSO DE ENFERMAGEM DA FACULDADE ASCES DESAFIOS DO CUIDADO INTEGRAL: UM OLHAR PARA OS CENÁRIOS DE TRANSFORMAÇÃO 25 e 26/09/2014 FACULDADE ASCES, CAMPUS II NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA SUBMISSÃO, SELEÇÃO

Leia mais

Normas Específicas da CPG da Faculdade de Educação

Normas Específicas da CPG da Faculdade de Educação Normas Específicas da CPG da Faculdade de Educação I Taxas: 1. Valor da taxa de inscrição ao processo seletivo é de R$ 50,00 (cinqüenta reais). 2. A taxa de matrícula de aluno especial, por disciplina

Leia mais

Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras

Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras Entrevista Margarida Kunsch Margarida Maria Krohling Kunsch, entrevistada desta edição da Revista Comunicação & Informação, é uma das principais pesquisadoras no campo das relações públicas e da comunicação

Leia mais

ERROS NA ESCRITA: ESTADOS NÃO DETERMNINATES

ERROS NA ESCRITA: ESTADOS NÃO DETERMNINATES ERROS NA ESCRITA: ESTADOS NÃO DETERMNINATES Paula da Silva Vidal Cid Lopes Este artigo pretende apresentar contribuições ao campo de formação de professores em Educação de Jovens e Adultos, no que concerne

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 605, DE 2015 (Do Sr. Lobbe Neto)

PROJETO DE LEI N.º 605, DE 2015 (Do Sr. Lobbe Neto) *C0051703A* C0051703A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 605, DE 2015 (Do Sr. Lobbe Neto) Define diretrizes para a política de atenção integral aos portadores da doença de Parkinson no âmbito do Sistema

Leia mais

Jo 15.2 = Toda vara em mim que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto.

Jo 15.2 = Toda vara em mim que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto. A Responsabilidade dos Filhos de Deus Texto Base: 1º João 2.6 = Aquele que diz que está nele também deve andar como ele andou. Introdução: O nosso dever é andar como Ele (Jesus) andou.. Todos que O aceitam

Leia mais

- CURSO DE DIREITO -

- CURSO DE DIREITO - REGULAMENTO AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES - CURSO DE DIREITO - FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC SUMÁRIO... 3 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3... 3 DA CARGA HORÁRIA NO CURSO... 3... 3 DAS ATIVIDADES

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL CURSO DE ENFERMAGEM EDUCAÇÃO EM SAÚDE: O ADOLESCENTE CONHECENDO A SI MESMO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL CURSO DE ENFERMAGEM EDUCAÇÃO EM SAÚDE: O ADOLESCENTE CONHECENDO A SI MESMO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL CURSO DE ENFERMAGEM EDUCAÇÃO EM SAÚDE: O ADOLESCENTE CONHECENDO A SI MESMO DOURADOS-MS 2011 Douglas de Lima Schautz Frederico Jorge Pontes de Moraes Indianara

Leia mais

Letras 2.0. Monitoria nos cursos de línguas para a comunidade. Ultimas notícias: apresentação do curso. Assessora: Márcia Magarinos

Letras 2.0. Monitoria nos cursos de línguas para a comunidade. Ultimas notícias: apresentação do curso. Assessora: Márcia Magarinos Letras 2.0 Assessora: Márcia Magarinos Monitoria nos cursos de línguas para a comunidade Ultimas notícias: apresentação do curso Proposta: - Oferecer ambiente de orientação e formação de monitores de modo

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS?

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? Nível de Ensino/Faixa Etária: Série indicada para o Ensino Fundamental Final Áreas Conexas: Biologia, Linguística, Sociologia, Geografia, História, Artes, Gramática, Filosofia.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES CURSO DE HISTÓRIA (LICENCIATURA/BACHARELADO)

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES CURSO DE HISTÓRIA (LICENCIATURA/BACHARELADO) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES CURSO DE HISTÓRIA (LICENCIATURA/BACHARELADO) CENTRO DE PESQUISA E DOCUMENTAÇÃO HISTÓRICA RELATÓRIO FINAL PROCESSO INICIAL

Leia mais

Programa da Unidade Curricular

Programa da Unidade Curricular Unidade Curricular: ECTS: Carga horária: Ano Lectivo: Semestre(s): Docente(s): O Estudo da Linguagem Humana 6 ECTS 4h/semana 2014-2015 S1 Marina Vigário Objectivos de aprendizagem: Esta disciplina visa

Leia mais

Consagração a Maria. como filho de Deus. Ajude-me a amar a mim mesmo como filho de Deus.

Consagração a Maria. como filho de Deus. Ajude-me a amar a mim mesmo como filho de Deus. mim mim mim mim mim mim mim mim Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu

Leia mais

O IMPACTO DOS DISTÚRBIOS DE DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM NA APRENDIZAGEM NOEMI TAKIUCHI*

O IMPACTO DOS DISTÚRBIOS DE DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM NA APRENDIZAGEM NOEMI TAKIUCHI* O IMPACTO DOS DISTÚRBIOS DE DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM NA APRENDIZAGEM NOEMI TAKIUCHI* * Professora Adjunta da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Doutora em Semiótica e Linguística

Leia mais

Consultoria em Websites Responsivos

Consultoria em Websites Responsivos Consultoria em Websites Responsivos A seguir, uma breve descrição sobre a consultoria focada em aproveitar a maior tendência do desenvolvimento de websites responsivos. A consultoria proposta é de grande

Leia mais

UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN

UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN RESUMO DANTAS 1, Leniane Silva DELGADO 2, Isabelle Cahino SANTOS 3, Emily Carla Silva SILVA 4, Andressa

Leia mais

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL INTRODUÇÃO Patrícia Palhares Tupinambá FERNANDES DE

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391 ENSINO E APRENDIZAGEM DE LATIM NA URCA: UM ESTUDO DE CASO SOUZA, Yascara Simão 1 ARRUDA, Francisco Edmar Cialdine 2 RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar análises colhidas de materiais como

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ BILÍNGUE E INTERCULTURAL

A EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ BILÍNGUE E INTERCULTURAL A EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ BILÍNGUE E INTERCULTURAL Francisco Edviges Albuquerque¹ ¹Universidade Federal do Tocantins fedviges@uol.com.br ÁREA TEMÁTICA: Educação escolar indígena INTRODUÇÃO A Educação

Leia mais

N 01 MATO GROSSO DO SUL Pesquisa de Opinião - Quantitativa 02 Localidade / codigo do local e nome

N 01 MATO GROSSO DO SUL Pesquisa de Opinião - Quantitativa 02 Localidade / codigo do local e nome Questionário de Entrevista Pessoal Mod. RR 0107.14 - Proj. E2014 N 01 MATO GROSSO DO SUL Pesquisa de Opinião - Quantitativa 02 Localidade / codigo do local e nome 03 Rota de campo Nome do P.A. (ponto de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS NOME DA DISCIPLINA: FONÉTICA E FONOLOGIA TURMAS D e E PROFESSOR RESPONSÁVEL: ISRAEL ELIAS TRINDADE CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 64 CARGA

Leia mais

ANÁLISE!ACÚSTICA!DA!VIBRANTE!MÚLTIPLA!/r/!NO!ESPANHOL!E!EM! DADOS!DE!UM!APRENDIZ!CURITIBANO!DE!ESPANHOL!COMO!LÍNGUA! ESTRANGEIRA!

ANÁLISE!ACÚSTICA!DA!VIBRANTE!MÚLTIPLA!/r/!NO!ESPANHOL!E!EM! DADOS!DE!UM!APRENDIZ!CURITIBANO!DE!ESPANHOL!COMO!LÍNGUA! ESTRANGEIRA! Curitiba,Vol.2,nº2,jan.2jun.2014ISSN:231821028REVISTA(VERSALETE ANÁLISEACÚSTICADAVIBRANTEMÚLTIPLA/r/NOESPANHOLEEM DADOSDEUMAPRENDIZCURITIBANODEESPANHOLCOMOLÍNGUA ESTRANGEIRA ACOUSTIC(ANALYSIS(OF(THE(MULTIPLE(VIBRANT(/r/(IN(SPANISH(AND(

Leia mais

PROCESSOS DE DESIGUALDADE RACIAL ATRAVÉS DA EXCLUSÃO ESCOLAR: a necessidade de políticas públicas educacionais adequadas às terras de preto

PROCESSOS DE DESIGUALDADE RACIAL ATRAVÉS DA EXCLUSÃO ESCOLAR: a necessidade de políticas públicas educacionais adequadas às terras de preto 1 PROCESSOS DE DESIGUALDADE RACIAL ATRAVÉS DA EXCLUSÃO ESCOLAR: a necessidade de políticas públicas educacionais adequadas às terras de preto Ana Stela de Almeida Cunha * Paulo Jeferson Pilar Araújo **

Leia mais

TEMAS E CONTEÚDOS ABORDADOS POR PROFESSORES INDÍGENAS EM OFICINAS DE PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA TERENA

TEMAS E CONTEÚDOS ABORDADOS POR PROFESSORES INDÍGENAS EM OFICINAS DE PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA TERENA TEMAS E CONTEÚDOS ABORDADOS POR PROFESSORES INDÍGENAS EM OFICINAS DE PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA TERENA Ingrid Joyce de Lima Patrocínio 1 ; Sandra Cristina de Souza 2 1 Estudante do Curso de Letras da

Leia mais

Pesquisa Bibliográfica: Primeiras Evidências da Base de Dados. Maurício Jorge Pinto de Souza Rosane Nunes de Faria

Pesquisa Bibliográfica: Primeiras Evidências da Base de Dados. Maurício Jorge Pinto de Souza Rosane Nunes de Faria Pesquisa Bibliográfica: Primeiras Evidências da Base de Dados Maurício Jorge Pinto de Souza Rosane Nunes de Faria Agenda Levantamento da literatura econômica sobre o BNDES PESQUISA BIBLIOGRÁFICA Construção

Leia mais

Comunicação e meios de comunicação a Escola de Toronto Por J. Paulo Serra.

Comunicação e meios de comunicação a Escola de Toronto Por J. Paulo Serra. Comunicação e meios de comunicação a Escola de Toronto Por J. Paulo Serra. Mais ou menos na mesma época em que, na sociologia da comunicação americana se afirmava o paradigma dominante, funcionalista e

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA

CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA uff UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SELEÇÃO DE ALUNOS ESTRANGEIROS PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

P L A N ODE C U R S O LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO: CIÊNCIAS DA NATUREZA - CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DISCIPLINA ANTROPOLOGIA CAMPONESA

P L A N ODE C U R S O LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO: CIÊNCIAS DA NATUREZA - CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DISCIPLINA ANTROPOLOGIA CAMPONESA P L A N ODE C U R S O LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO: CIÊNCIAS DA NATUREZA - CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CÓDIGO CSC 03 CRÉDITOS 06 DISCIPLINA ANTROPOLOGIA CAMPONESA CARGA HORÁRIA TU: 50 horas TC: 30

Leia mais