O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA"

Transcrição

1 O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA Vanilda Oliveira Coelho 1 ; Maria de Lurdes Nazário 1 ; Shirley Eliany Rocha Mattos 2 1 Pesquisadoras convidadas do Núcleo de Estudos da História Lingüística de Goiás NEHLGO/FL/UFG. 2 Coordenadora do Projeto de Pesquisa Anápolis Centenária: como falam os anapolinos?- 2007/ (UEG). RESUMO Este artigo analisa e discute preliminarmente o processo de assimilação da nasalidade que ocorre com as vogais orais que antecedem as consoantes nasais /m/, /n/ e /ñ/ na variedade lingüística urbana da cidade de Anápolis-GO. Sabe-se que esse processo de assimilação é comum no português arcaico e se conservou de modo geral no português falado no Brasil. Faz-se este estudo partindo dos pressupostos teóricos da Sociolingüística Variacionista, que propõe que o objeto de descrição lingüística é a gramática da comunidade de fala, que é um sistema de comunicação heterogêneo usado na interação social (LABOV, 1982, p. 18). Esperava-se, com a descrição e a análise do fenômeno da nasalidade de vogais orais, compreender seu padrão na fala anapolina. A freqüência geral confirma o caráter conservador do português do Brasil na variação lingüística analisada, que possui 69% de vogais nasalizadas. Palavras-chave: Nasalidade. Assimilação. Vogais Orais. INTRODUÇÃO Este artigo analisa e discute preliminarmente o processo de assimilação da nasalidade que ocorre com as vogais orais que antecedem as consoantes nasais /m/, /n/ e /ñ/ na variedade lingüística urbana de Anápolis. Esse processo de assimilação é comum no português arcaico e se conservou de modo geral no português falado no Brasil em palavras como: cãma, dõno, mãnhã. São assumidos aqui os pressupostos teóricos da Sociolingüística Variacionista que prevê estágios de variação entre estruturas lingüísticas que possuem o mesmo significado referencial, como em cãma x cama. A Sociolingüística Variacionista é uma abordagem de pesquisa lingüística que focaliza a linguagem em uso dentro da comunidade de fala, considerando a relação entre língua e sociedade e reconhecendo o caráter eminentemente social dos fatos lingüísticos (LABOV, 1972). Com isso, os dados de pesquisa são buscados nos usos reais da língua (escrita e oral), nesta

2 pesquisa, dentro da comunidade de fala de Anápolis, pois é nesse contexto sócio-lingüístico que se encontra o sistema lingüístico real o vernáculo. Este estudo feito com 2 informantes da comunidade de fala de Anápolis faz parte do Projeto de Pesquisa Anápolis Centenária: como falam os anapolinos?, coordenado pela professora Ms. Shirley Eliany Rocha Mattos (UEG) no ano de Esse projeto de pesquisa tinha como objetivos iniciais: documentar a fala de sujeitos com mais de 50 anos em Anápolis; descrever fonologicamente a fala anapolina dos mais idosos; depreender o padrão fonológico da fala anapolina do segmento selecionado; e identificar o sotaque dos anapolinos. Com a descrição dos traços fonético-fonológicos da variedade lingüística do cidadão anapolino, espera-se também contribuir para a formação de um futuro mapa lingüístico goiano. Com este artigo sobre o processo de assimilação da nasalidade que ocorre com as vogais orais que antecedem consoantes nasais na variedade lingüística urbana de Anápolis, espera-se contribuir com os propósitos do projeto acima citado e fortalecer a pesquisa sociolingüística sobre o falar urbano goiano, que ainda se encontra em fase inicial. RESULTADOS DA DESCRIÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS O corpus de pesquisa constitui-se de 2 entrevistas semi-estruturas que foram realizadas na comunidade urbana de Anápolis, seguindo a metodologia de pesquisa da Sociolingüística Variacionista (LABOV, 1982; TARALLO, 2001). Os dois informantes são 1 homem e 1 mulher com mais de 60 anos. A seleção ocorreu somente com palavras que tinham as consoantes nasais [m], [n] e [ñ] no início de uma sílaba, com uma vogal oral no final da sílaba antecedente como em [cã-ma]. Optou-se por essa seleção a partir da leitura do artigo Nasalização no Português do Brasil (2002) de Abaurre e Pagotto. Essas autoras constataram, em sua pesquisa com português urbano universitário, que o processo de nasalidade das vogais orais se circunscreve ao limite da palavra. Na análise das entrevistas, 298 dados foram selecionados com a realização de todas as vogais orais (a, e, i, o, u). No resultado geral, das 298 (100%) vogais, 205 (69%) se realizam nasalizadas e 93 (31%) se mantêm orais, conforme pode ser visualizado nos dados abaixo: - Orais: cutumi (cotume) (DEAN); isquina (esquina) (DEAN); denunciá (denunciar) (DEAN); locómoçãu (locomoção) (VTAN); fundamental ( fundamental) (VTAN). - Nasais: mẽmu (mesmo) (DEAN); tardĩa (tardinha) (DEAN); cũnhecê (DEAN); cõmemorassi (comemorasse) (VTAN); mãnhecenu (amanhecendo) (VTAN). Com essa freqüência geral, constatou-se o estágio de variação no timbre das vogais que antecedem consoantes nasais, uma vez que ora se realizam nasais (fãmílias (VTAN)), ora se

3 realizam orais (famia (DEAN)). Observou-se, também, que há especificidades na realização da nasalidade que se relacionam com a tonicidade das sílabas nas palavras e com o ponto de articulação das consoantes nasais, como pode ser visto a seguir: I- A tonicidade das palavras e a nasalidade: A posição das vogais orais em relação à tonicidade da palavra tem ligação com a maior ou a menor freqüência de nasalidade nessas vogais (SILVA, 2003; ABAURRE & PAGOTTO, 2002). - Sílaba Tônica: a) oral: cutumi (cotume) (DEAN); isquina (esquina) (DEAN); custumi (costume) (DEAN); Anápolis (Anápolis) (DEAN); colunas (colunas) (VTAN); medicina (medicinas) (VTAN); fúnebre (fúnebre) (VTAN). b) nasal: quãnu (quando) (DEAN); cũmu (como) (DEAN); tĩa (tinha) (DEAN); rodĩnha (rodinha) (VTAN); fõmu (fomos) (VTAN); natalĩna (natalina) (VTAN). Nos dados, contabilizou-se um total de 140 (100%) sílabas tônicas, das quais 129 (92%) ocorrem com vogal nasalizada e 11 (8%) com vogal oral. Ou seja, quando a variável ocorre em sílaba tônica, há um emprego quase categórico da nasalidade. - Sílaba Pré-Tônica Adjacente: a) oral: cumigu (comigo) (DEAN); Remundo (Raimundo) (DEAN); minĩnu/a (menino/a) (DEAN); primêra (primeira) (VTAN); amiga (amiga) (VTAN); compromisso (compromisso) (VTAN). b) nasal: rũmá (arrumar) (DEAN); capĩná (capinar) (DEAN); sĩnhora (senhora) (DEAN); jãnero ( Janeiro) (VTAN); apaxõnada (apaixonada) (VTAN); fãmílias (famílias) (VTAN). Nos dados, contabilizou-se um total de 111 (100%) sílabas pré-tônicas adjacentes (Variável + Tônica), das quais, 57 (51%) ocorrem com vogal nasalizada e 54 (49%) com vogal oral. De acordo com Silva (2003, p. 94), quando a variável ocorre em sílaba pré-tônica a nasalidade é opcional. Já Abaurre e Pagotto (2002, p. 507), em sua pesquisa com o corpus do projeto NURC, observaram que contextos mais distantes da sílaba tônica favorecem a nasalidade, enquanto os mais próximos desfavorecem. Nos dados de Anápolis, observa-se uma variação eqüitativa entre a nasal e a oral numa posição adjacente à sílaba tônica. - Sílaba Pré-Tônica (distante mais de uma sílaba da tônica): a) oral: cõmunicação (comunicação) (DEAN); funerária (funerária) (DEAN); dimudadu (dimudado) (DEAN); fundamental (fundamental) (VTAN); amizades (amizades) (VTAN);

4 comercial (comercial) (VTAN). b) nasal: cõmunicação (comunicação) (DEAN); cũnhicidu (conhecido) (DEAN); amãnhecê (amanhecer) (DEAN); ãnapolina (anapolina) (VTAN); Mãnuel (Manuel) (VTAN); ãnalisar (analisar) (VTAN). Nos dados, contabilizou-se um total de 48 (100%) sílabas pré-tônicas mais distantes da tônica, das quais 22 (46%) ocorrem com vogal nasalizada e 26 (54%) com vogal oral. Ainda considerando que Abaurre e Pagotto (2002, p. 507) descreveram que contextos mais distantes da sílaba tônica favorecem a nasalidade, pode-se dizer que, no corpus aqui analisado, esse padrão não se repete, já que há até mesmo uma freqüência relativamente menor de nasalidade nas sílabas mais distantes da tônica (Variável_ Tônica; V T; V _T). - Sílaba Pós-Tônica: a) nasal: érãmus (éramos) (VTAN) nasalizada. Nos corpus, há somente esse dado em que a vogal ocorre na sílaba pós-tônica. A vogal ocorre II - O ponto de articulação e a nasalidade: De acordo com Abaurre e Pagotto (2002, p. 514), há uma relação entre o ponto de articulação das consoantes nasais /m/, /n/ e /ñ/ e o grau de freqüência da nasalidade. As autoras postulam que pode haver uma hierarquização na assimilação da nasalidade conforme o ponto de articulação, do fonema mais posterior para o mais anterior: /ñ/ palatal > /n/ dental > /m/ labial. No corpus desta pesquisa, também se verifica essa hierarquização. Vejamos: A vogal oral sempre se nasaliza quando ocorre a consoante nasal /ñ/ (59 dados); As consoantes dentais favorecem mais a nasalidade que as labiais. Para as dentais, são 86 vogais nasalizadas para 34 não nasalizadas. Para as labiais, são 60 nasalizadas para 59 não nasalizadas. Desse modo tem-se, então: /ñ/ palatal com 100% de nasalidade; /n/ dental com 59%; e /m/ labial com 41%. Com essas considerações já finalizadas, faz-se, então, o cálculo da freqüência geral, retirando todas as palavras que contêm a nasal palatal /ñ/, uma vez que há um uso categórico da nasalidade nesses dados. De um total de 239 dados (com as nasais /n/ e /m/), 146 (61%) vogais se nasalizam e 93 (39%) não se nasalizam. Com esse outro resultado geral, compreende-se que o padrão de nasalidade se mantém, pois há uma freqüência maior de vogais nasalizadas, apesar de a freqüência

5 ter caído 8 pontos percentuais. CONSIDERAÇÕES FINAIS Neste estudo, pôde-se verificar o estágio de variação em que se encontra o processo de assimilação da nasalidade das vogais orais que antecedem as consoantes nasais na fala de dois informantes anapolinos. Constatou-se que a nasalidade ainda é a preferência na fala dos anapolinos pesquisados. Esse resultado confirma, então, o caráter conservador do português do Brasil na variedade lingüística em estudo, uma vez que esse processo de assimilação é comum no português arcaico. A partir dessa pesquisa preliminar pode-se considerar algumas informações importantes para a depreensão do padrão fonético-fonológico da fala anapolina. No entanto, uma pesquisa com mais informantes da mesma faixa etária e também de outras e com informantes mais e menos escolarizados possibilitará uma melhor compreensão dessa nasalidade; contribuindo, assim, para a constituição de um futuro mapa lingüístico goiano. REFERÊNCIAS ABAURRE, M. B. M.; PAGOTTO, E. G. Nasalização no Português do Brasil. In: KOCH, I. G. V. (Org.). Gramática do Português Falado. Volume VI: Desenvolvimentos. São Paulo: UNICAMP, LABOV, W. Building on empirical foundations. In: LEHMANN, W. P; MALKIEL, Y. Perspectives Historical Linguistics. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, SILVA, T. C. Fonética e Fonologia do Português. Roteiro de Estudos e Guia de Exercícios. São Paulo: Contexto, TARALLO, F. A Pesquisa Sociolingüística. São Paulo: Ática, 2001.

APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS

APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS UNIVERSIDADE: Universidade Federal de Minas Gerais NÚCLEO DISCIPLINAR/COMITÊ ACADÊMICO: Lingüística, Letras e Artes TÍTULO DO TRABALHO: APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS

Leia mais

O ALTEAMENTO DA POSTÔNICA NÃO FINAL /O/ NO FALAR POPULAR DE FORTALEZA: UM OLHAR VARIACIONISTA

O ALTEAMENTO DA POSTÔNICA NÃO FINAL /O/ NO FALAR POPULAR DE FORTALEZA: UM OLHAR VARIACIONISTA O ALTEAMENTO DA POSTÔNICA NÃO FINAL /O/ NO FALAR POPULAR DE FORTALEZA: UM OLHAR VARIACIONISTA Aluiza Alves de Araújo (UECE) 1 aluizazinha@hotmail.com Brenda Kathellen Melo de Almeida (UECE) 2 brendakathellen@yahoo.com.br

Leia mais

VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [E] E [O] NO PORTUGUÊS POPULAR FALADO EM DOURADOS MS

VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [E] E [O] NO PORTUGUÊS POPULAR FALADO EM DOURADOS MS VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [E] E [O] NO PORTUGUÊS POPULAR FALADO EM DOURADOS MS Márcio Palácios de CARVALHO (UEMS) marciopalacios@hotmail.com Elza Sabino da Silva BUENO (UEMS/FUNDECT) elza20@hotmail.com

Leia mais

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino

Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino Prosódia de declarativas e interrogativas totais no falar marianense e belorizontino César Reis (UFMG) Leandra Batista Antunes (UFOP) Leandro Augusto dos Santos (UFOP) Vanessa Pinha (UFMG) Apesar de os

Leia mais

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO GHISLANDI, Indianara; OENNING, Micheli email: michelioenning@yahoo.com.br Universidade Estadual

Leia mais

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Letras Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Estruturas fonológicas da língua portuguesa Objetivo Entrar em contato com as características da análise fonológica. Conhecer os fonemas consonantais e vocálicos

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS

UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS Priscila Hanako Ishy 1 ; Gláucia Vieira Cândido 2 ; Lincoln Almir Amarante Ribeiro3 1 Bolsista PBIC /CNPq, graduanda

Leia mais

Redução do item negativo pré-verbal não: uma abordagem variacionista

Redução do item negativo pré-verbal não: uma abordagem variacionista Redução do item negativo pré-verbal não: uma abordagem variacionista Lílian Teixeira de Sousa Graduada em Letras pela Universidade Federal de Ouro Preto Resumo O presente artigo trata da alternância entre

Leia mais

O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES

O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES Geisa Borges da Costa RESUMO: O presente trabalho, pautando-se nos pressupostos teóricos da sociolingüística quantitativa variacionista,

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS E POSTÔNICAS MEDIAIS Fernando Antônio Pereira Lemos (CEFET-MG) RESUMO Este estudo retoma um tema bastante controverso na literatura: o alçamento das vogais médias

Leia mais

ENTREVISTAS SOCIOLINGÜÍSTICAS COMO FONTES PARA OS ESTUDOS CULTURAIS

ENTREVISTAS SOCIOLINGÜÍSTICAS COMO FONTES PARA OS ESTUDOS CULTURAIS ENTREVISTAS SOCIOLINGÜÍSTICAS COMO FONTES PARA OS ESTUDOS CULTURAIS Raquel Meister Ko Freitag 1 Universidade Federal de Sergipe 1. INTRODUÇÃO Neste texto, apresentamos o Banco de Dados do Grupo de Estudos

Leia mais

ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS

ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ORTOGRAFIA: CONTRADIÇÃO ENTRE CONCEITOS E PROCEDIMENTOS Kelly Priscilla Lóddo CEZAR 1 ; Prof.ª Dr.ª Geiva Carolina

Leia mais

Analysing sociolinguistic variation, de autoria de Sali Tagliamonte (University

Analysing sociolinguistic variation, de autoria de Sali Tagliamonte (University Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n o 39, p. 321-328, 2009 321 ANALYSING SOCIOLINGUISTIC VARIATION, SALI TAGLIAMONTE (2006) Por Humberto Soares da Silva Analysing sociolinguistic

Leia mais

/z/ depois [+vozeado] Além disso As crianças generalizam automaticamente com base em traços elas não aprendem primeiro de uma base fonema por fonema

/z/ depois [+vozeado] Além disso As crianças generalizam automaticamente com base em traços elas não aprendem primeiro de uma base fonema por fonema Fonética e Fonologia 24.900: Introdução à Linguagem anotações das aulas: semana de 04 de Março de 2002 Conjunto de Problemas # 4: Para Segunda-feira, 11/03/02 Apostila sobre o principal para a identificação

Leia mais

A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR

A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR Página94 A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR Cristiane Gonçalves Uliano 1 Maria Fernanda Silva de Carvalho 2 Marina da Costa

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática -

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática - PLANO DE ENSINO LETRAS (PORTUGUÊS-INGLÊS) Turno: Noturno Currículo: 2003 INFORMAÇÕES BÁSICAS Período 2013/1 Natureza: Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS Teórica 60 Carga Horária Prática

Leia mais

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Gerusa PEREIRA (UNISUL) ABSTRACT: The present

Leia mais

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte. MARCAS DA ITÁLIA NA TOPONÍMIA DE BELO HORIZONTE Resumo Zuleide Ferreira Filgueiras 1 Esta comunicação tem como objetivo apresentar os principais resultados da dissertação de mestrado A presença italiana

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

Abordagem da vogal [e] sozinha e em base de ditongo a partir da análise experimental. Adriano de Souza Dias (UERJ e FEUDUC)

Abordagem da vogal [e] sozinha e em base de ditongo a partir da análise experimental. Adriano de Souza Dias (UERJ e FEUDUC) Abordagem da vogal [e] sozinha e em base de ditongo a partir da análise experimental. Adriano de Souza Dias (UERJ e FEUDUC) Introdução Este trabalho que desenvolvemos acerca da vogal [e] sozinha e em posição,

Leia mais

Transdutor de estados finitos para a reconhecimento da nasalidade na pronúncia da variedade potiguar

Transdutor de estados finitos para a reconhecimento da nasalidade na pronúncia da variedade potiguar Transdutor de estados finitos para a reconhecimento da nasalidade na pronúncia da variedade potiguar Cid Ivan da Costa Carvalho 1 1 Campus Caraúbas Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) RN 233,

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

O USO DE FORMAS DO INDICATIVO POR FORMAS DO SUBJUNTIVO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO.

O USO DE FORMAS DO INDICATIVO POR FORMAS DO SUBJUNTIVO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO. O USO DE FORMAS DO INDICATIVO POR FORMAS DO SUBJUNTIVO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO. ANA ALVES NETA Rua Treze de Maio, 1000 Vila Jadete - Januária-MG - CEP 39480-000 aalvesneta@yahoo.com.br Abstract: Under

Leia mais

VOCALISMO: UMA BREVE ABORDAGEM NO PORTUGUÊS DO BRASIL

VOCALISMO: UMA BREVE ABORDAGEM NO PORTUGUÊS DO BRASIL VOCALISMO: UMA BREVE ABORDAGEM NO PORTUGUÊS DO BRASIL Flágila Marinho da Silva Lima Illa Pires Azevedo 1 94 RESUMO O presente trabalho busca refletir sobre o processo de vocalização no português brasileiro.

Leia mais

A VARIAÇÃO NA LINGUAGEM ORAL E SUAS INFLUÊNCIAS NA LINGUAGEM ESCRITA ACADÊMICA

A VARIAÇÃO NA LINGUAGEM ORAL E SUAS INFLUÊNCIAS NA LINGUAGEM ESCRITA ACADÊMICA Trabalho 001 A VARIAÇÃO NA LINGUAGEM ORAL E SUAS INFLUÊNCIAS NA LINGUAGEM ESCRITA ACADÊMICA Sheila Marcelino Izabel; Márcia M. Junkes E-mail: sheilamarcelino@unifebe.edu.br Palavras chave: Textos acadêmicos,

Leia mais

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 Mestranda Neliane Raquel Macedo Aquino (UFT) Resumo: A aprendizagem de uma língua estrangeira LE possibilita transferências

Leia mais

APPENDIX&PROBI!E!VARIAÇÃO!LINGUÍSTICA!NO!PORTUGUÊS!BRASILEIRO! APPENDIX!PROBI!AND&LINGUISTIC&VARIATION&IN&BRAZILIAN&PORTUGUESE&

APPENDIX&PROBI!E!VARIAÇÃO!LINGUÍSTICA!NO!PORTUGUÊS!BRASILEIRO! APPENDIX!PROBI!AND&LINGUISTIC&VARIATION&IN&BRAZILIAN&PORTUGUESE& Curitiba,Vol.2,nº2,jan.2jun.2014ISSN:231821028REVISTA(VERSALETE & & APPENDIX&PROBIEVARIAÇÃOLINGUÍSTICANOPORTUGUÊSBRASILEIRO APPENDIXPROBIAND&LINGUISTIC&VARIATION&IN&BRAZILIAN&PORTUGUESE& KayronCamposBeviláqua

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

Sons Vocais do Inglês Americano

Sons Vocais do Inglês Americano Sons Vocais do Inglês Americano Existem mais de 40 sons vocais no inglês americano que podem ser classificados de acordo com a forma básica em que são produzidos. Classe quanto á forma Vogais Fricativas

Leia mais

POLÍTICAS E PRÁTICAS DE INCLUSÃO ESCOLAR NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO DA UERJ: IMPACTOS SOBRE A CULTURA ESCOLAR

POLÍTICAS E PRÁTICAS DE INCLUSÃO ESCOLAR NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO DA UERJ: IMPACTOS SOBRE A CULTURA ESCOLAR POLÍTICAS E PRÁTICAS DE INCLUSÃO ESCOLAR NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO DA UERJ: IMPACTOS SOBRE A CULTURA ESCOLAR Amanda Carlou; Suzanli Estef; Cristina Mascaro Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ carlou.amanda@gmail.com,

Leia mais

Transdutor de estados finitos para o reconhecimento da nasalidade na pronúncia da variedade potiguar

Transdutor de estados finitos para o reconhecimento da nasalidade na pronúncia da variedade potiguar Transdutor de estados finitos para o reconhecimento da nasalidade na pronúncia da variedade potiguar Cid Ivan da Costa Carvalho 1 1 Campus Caraúbas Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) RN 233,

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES Werena de Oliveira Barbosa Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras FAFIC werena19@hotmail.com Juliana

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS A PARTIR DE JORNAIS DO TRIÂNGULO MINEIRO: CONTRIBUIÇÕES PARA O RESGATE DA SÓCIO- HISTÓRIA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO

ORGANIZAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS A PARTIR DE JORNAIS DO TRIÂNGULO MINEIRO: CONTRIBUIÇÕES PARA O RESGATE DA SÓCIO- HISTÓRIA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO ORGANIZAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS A PARTIR DE JORNAIS DO TRIÂNGULO MINEIRO: CONTRIBUIÇÕES PARA O RESGATE DA SÓCIO- HISTÓRIA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO Juliana Bertucci Barbosa (UFTM, Uberaba / GEVAR / CNPq)

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ESCOLHA DO TEMA - Seja cauteloso na escolha do tema a ser investigado. Opte por um tema inserido no conteúdo programático da disciplina pela qual teve a maior aptidão

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA Emanuelle Camila Moraes de Melo Albuquerque (autora bolsista), Renata

Leia mais

Fonologia Aula # 04 (27/04/09)

Fonologia Aula # 04 (27/04/09) Fonologia Aula # 04 (27/04/09) Capítulo 5. Processos Fonológicos Iniciamos, aqui, o estudo da fonologia dinâmica: processos fonológicos e sua representação através de regras. Assim sendo, ficamos restritos,

Leia mais

Variação linguística nas aulas de língua portuguesa: uma abordagem acerca da eficiência da aplicabilidade dos PCN

Variação linguística nas aulas de língua portuguesa: uma abordagem acerca da eficiência da aplicabilidade dos PCN Variação linguística nas aulas de língua portuguesa: uma abordagem acerca da eficiência da aplicabilidade dos PCN Izete de Souza LIMA 1 Resumo Este trabalho foi realizado a partir de questionamentos em

Leia mais

A influência das variáveis sociais no alçamento das vogais médias pretônicas no interior paulista

A influência das variáveis sociais no alçamento das vogais médias pretônicas no interior paulista A influência das variáveis sociais no alçamento das vogais médias pretônicas no interior paulista Márcia Cristina do Carmo (IBILCE/UNESP)1 Resumo: O presente artigo objetiva analisar a atuação das variáveis

Leia mais

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão LETRAS 1º PERÍODO Disciplina A Disciplina B 62961 Língua Portuguesa A 68 Língua Portuguesa A 68 Ementa: Estuda os fundamentos Ementa: Estudo da base fonéticofonológica teóricos da análise lingüística,

Leia mais

mas respiratório, fonatório e articulatório e dos órgãos que constituem o aparelho fonador.

mas respiratório, fonatório e articulatório e dos órgãos que constituem o aparelho fonador. D.E.L.T.A., Vol. 16, N. 1, 2000 (183-188) RESENHA/REVIEW SILVA, THAÏS CRISTÓFARO. (1999) Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. São Paulo: Contexto. 254 p. Resenhado

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

A ELEVAÇÃO DAS VOGAIS MÉDIAS ÁTONAS FINAIS NO PORTUGUÊS FALADO POR DESCENDENTES DE IMIGRANTES POLONESES EM VISTA ALEGRE DO PRATA RS

A ELEVAÇÃO DAS VOGAIS MÉDIAS ÁTONAS FINAIS NO PORTUGUÊS FALADO POR DESCENDENTES DE IMIGRANTES POLONESES EM VISTA ALEGRE DO PRATA RS A ELEVAÇÃO DAS VOGAIS MÉDIAS ÁTONAS FINAIS NO PORTUGUÊS FALADO POR DESCENDENTES DE IMIGRANTES POLONESES EM VISTA ALEGRE DO PRATA RS THE FINAL UNSTRESSED MID VOWELS HEIGHTENING IN PORTUGUESE SPOKEN BY DESCENDANTS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM LETRAS PROGRAMA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM LETRAS PROGRAMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM LETRAS PROGRAMA Disciplina Obrigatória FONOLOGIA, VARIAÇÃO E ENSINO Carga horária

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Variação e mudança linguística: a emergência do artigo definido na língua latina

Variação e mudança linguística: a emergência do artigo definido na língua latina Revista de Linguística e Teoria Literária ISSN 2176-6800 Variação e mudança linguística: a emergência do artigo definido na língua latina Linguistic variation and change: the emergence of definite article

Leia mais

Palavras-chave: Fonologia; variação; alteamento; vogal tônica; Geometria de Traços.

Palavras-chave: Fonologia; variação; alteamento; vogal tônica; Geometria de Traços. O fenômeno do alteamento do [o] > [u] das tônicas, na cidade de Breves/Pa, na perspectiva da Geometria de Traços Valena Regina da Cunha DIAS Mestranda em Linguística pelo PPGL/UFPA (valenadias@hotmail.com)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 SOUZA, Murilo M. O. 2 ; COSTA, Auristela A. 2 ; SANT ANNA, Thiago S. 3 ; SILVA, Fábio

Leia mais

Estudos sobre Educação Bilíngue e Escolarização em Cenários de Minorias Linguísticas

Estudos sobre Educação Bilíngue e Escolarização em Cenários de Minorias Linguísticas Estudos sobre Educação Bilíngue e Escolarização em Cenários de Minorias Linguísticas Jefferson Machado BARBOSA 1 CAVALCANTI, M. Estudos sobre Educação Bilíngue e Escolarização em contextos de minorias

Leia mais

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLETRAS UFGRS) acssuems@gmail.com Reúno aqui a resenha de três textos que foram muito importantes para a minha formação sociolinguística.

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais

A PALATALIZAÇÃO DAS OCLUSIVAS DENTAIS EM SÃO BORJA

A PALATALIZAÇÃO DAS OCLUSIVAS DENTAIS EM SÃO BORJA PIRES, Lisiane Buchholz. A palatalização das oclusivas dentais em São Borja. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. Edição especial n. 1, 2007. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. A PALATALIZAÇÃO

Leia mais

VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA.

VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA. VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA. Maria de Fátima Silva Araújo (bolsista do PIBIC/ UFPI), Catarina de Sena Sirqueira Mendes da Costa (Orientadora,

Leia mais

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA 3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA Uma língua viva, apesar da unidade que a torna comum a uma nação, apresenta variedades quanto à pronúncia, à gramática e ao vocabulário. Chama-se variação linguística

Leia mais

Projeto O COLUNIsta. PROJETO DE PESQUISA PIBIC/CNPq. Orientador: Vanessa Lacerda da Silva Rangel

Projeto O COLUNIsta. PROJETO DE PESQUISA PIBIC/CNPq. Orientador: Vanessa Lacerda da Silva Rangel PROJETO DE PESQUISA PIBIC/CNPq Projeto O COLUNIsta Orientador: Vanessa Lacerda da Silva Rangel Bolsista: Cleiton Paulo Venâncio Ferreira Matrícula: 002205/06 Bolsista: Camila Rodrigues dos Santos Matrícula:

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA FONOAUDIOLOGIA PARA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL

CONTRIBUIÇÕES DA FONOAUDIOLOGIA PARA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTRIBUIÇÕES DA FONOAUDIOLOGIA PARA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL Ana Claudia Tenor Secretaria Municipal de Educação de Botucatu e-mail: anatenor@yahoo.com.br Comunicação Oral

Leia mais

A CONCORDÂNCIA VERBAL NO PORTUGUÊS POPULAR DE SALVADOR Welton Rodrigues Santos (UFBA) weltonsantos83@gmail.com

A CONCORDÂNCIA VERBAL NO PORTUGUÊS POPULAR DE SALVADOR Welton Rodrigues Santos (UFBA) weltonsantos83@gmail.com A CONCORDÂNCIA VERBAL NO PORTUGUÊS POPULAR DE SALVADOR Welton Rodrigues Santos (UFBA) weltonsantos83@gmail.com 1. Introdução A língua pode tomar formas diversas a depender da faixa etária do falante, sexo/gênero,

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas AS VOGAIS MÉDIAS ÁTONAS NO SUL DO BRASIL Maria José Blaskovski VIEIRA 1 RESUMO Neste trabalho, pretende-se apresentar resultados de análise quantitativa que apontou os fatores lingüísticos e extralingüísticos

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 64 A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 Edson da Silva Santos e-mail: edsonsporte@hotmail.com Bolsista FAPESB, Bacharelando

Leia mais

Mariléia Reis 1 Almerinda Bianca Batti Dias 2. marileiareis@unisul.br bbd@unesc.net

Mariléia Reis 1 Almerinda Bianca Batti Dias 2. marileiareis@unisul.br bbd@unesc.net REIS, Mariléia; DIAS, Almerinda Bianca Batti. A vibrante final de infinitivo na fala de crianças em fase final de aquisição da linguagem: o efeito cumulativo de natureza fonomorfossintática sobre o fonema

Leia mais

SOBRE A QUEBRA DE ENCONTROS CONSONANTAIS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

SOBRE A QUEBRA DE ENCONTROS CONSONANTAIS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO SOBRE A QUEBRA DE ENCONTROS CONSONANTAIS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO Thaïs CRISTÓFARO-SILVA (UFMG) ABSTRACT: Branching onsets reduction in Brazilian Portuguese was analysed as a phonological process. The condition

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Índice. 1. Metodologia de Alfabetização...3. 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6 GRUPO 6.1 MÓDULO 6 Índice 1. Metodologia de Alfabetização...3 1.1. Qual o Conhecimento sobre o Sistema de Escrita dos Jovens e Adultos?... 3 2. Aprendizagem da Escrita...3 3. Aprendizagem da Leitura...6

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 COMPLEXIDADE EM AMBIENTES DE SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 COMPLEXIDADE EM AMBIENTES DE SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES Ana Claudia Tenor

Leia mais

MANUSCRITOS: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA. PALAVRAS-CHAVE: desvios da norma; ensino de língua portuguesa; manuscritos.

MANUSCRITOS: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA. PALAVRAS-CHAVE: desvios da norma; ensino de língua portuguesa; manuscritos. MANUSCRITOS: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA Vanessa Lini (Especialização em Língua Portuguesa -UEL) Joyce Elaine de Almeida Baronas (co-autor - UEL) PALAVRAS-CHAVE: desvios da norma;

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Letrinhas Mágicas. 2. EPISÓDIO TRABALHADO As Letrinhas no Trem. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Nesse emocionante episódio, as vogais saem de

Leia mais

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A SOCIOLINGUÍSTICA COMO ATIVIDADE NO CURRICULO ESCOLAR DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia Furtado de Mendonça Cyranka (UFJF) lucia.cyranka@uol.com.br Lívia Nascimento Arcanjo (UFJF) Simone Rodrigues Peron (UFJF)

Leia mais

CÓD. 4930 - CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS-INGLÊS MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 02

CÓD. 4930 - CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS-INGLÊS MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 02 Aprovado no CONGRAD: 25.08.15 Vigência: ingressos a partir de 2016/1 4930 - CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS-INGLÊS MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 02 I NÚCLEO DE FORMAÇÃO BÁSICA 19389 Educação Inclusiva 02 30

Leia mais

Vogais mediais pretônicas no noroeste paulista: o papel das variáveis sociais no alçamento vocálico

Vogais mediais pretônicas no noroeste paulista: o papel das variáveis sociais no alçamento vocálico LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE Vogais mediais pretônicas no noroeste paulista: o papel das variáveis sociais no alçamento vocálico

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES RESUMO Cleuma Regina Ribeiro da Rocha Lins (UEPB) cleumaribeiro@yahoo.com.br Orientador: Prof. Dr. Juarez Nogueira

Leia mais

Fundação Universidade Federal De Rondônia Núcleo De Ciências Humanas Programa De Pós-Graduação Stricto Sensu Em Letras Mestrado Acadêmico Em Letras

Fundação Universidade Federal De Rondônia Núcleo De Ciências Humanas Programa De Pós-Graduação Stricto Sensu Em Letras Mestrado Acadêmico Em Letras Fundação Universidade Federal De Rondônia Núcleo De Ciências Humanas Programa De Pós-Graduação Stricto Sensu Em Letras Mestrado Acadêmico Em Letras RELAÇÃO DE DISCIPLINAS E DOCENTES RESPONSÁVEIS LP DISCIPLINAS

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS, ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: ANÁLISES E PERSPECTIVAS Mirian Vieira Batista Dias Universidade Federal de São Carlos/Secretaria

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM DIFERENTES CONTEXTOS SOCIAIS

DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM DIFERENTES CONTEXTOS SOCIAIS DESENVOLVIMENTO INFANTIL EM DIFERENTES CONTEXTOS SOCIAIS Coordenadoras: Karla da Costa Seabra (Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Educação) Susana Engelhard Nogueira (Instituto Federal

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

O parâmetro da cliticização fonológica e os pronomes átonos no Português do Brasil e no Português Europeu

O parâmetro da cliticização fonológica e os pronomes átonos no Português do Brasil e no Português Europeu O parâmetro da cliticização fonológica e os pronomes átonos no Português do Brasil e no Português Europeu Silvia Rodrigues Vieira 1 1 Faculdade de Letras Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) silviavieira@letras.ufrj.br

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA

AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA Marciel Alan Freitas de CASTRO (PIBIC CNPq/UERN) RESUMO: O referido trabalho constitui, antes, numa análise das atividades

Leia mais

A SITUAÇÃO ATUAL DOS ESTUDOS VARIACIONISTAS SOBRE A SÍNCOPE DAS PROPAROXÍTONAS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

A SITUAÇÃO ATUAL DOS ESTUDOS VARIACIONISTAS SOBRE A SÍNCOPE DAS PROPAROXÍTONAS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO A SITUAÇÃO ATUAL DOS ESTUDOS VARIACIONISTAS SOBRE A SÍNCOPE DAS PROPAROXÍTONAS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO Tatiane de Araújo Almeida Studart Guimarães(UECE) tatianeasguimaraes@gmail.com Aluiza Alves de Araújo(UECE)

Leia mais

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998.

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 1) Comentar a citação inicial de William Labov. R:

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

Compreensão de escalas representadas em gráficos por alunos adultos pouco escolarizados

Compreensão de escalas representadas em gráficos por alunos adultos pouco escolarizados Compreensão de escalas representadas em gráficos por alunos adultos pouco escolarizados Bezerra, Lucicleide 1; Guimarães, Gilda 2 UFPE Resumo Este estudo investigou a compreensão de alunos da Educação

Leia mais

INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS NÃO LINGUÍSTICAS NO PROCESSO DE ACOMODAÇÃO DIALETAL DO /S/ EM CODA SILÁBICA POR PARAIBANOS EM RECIFE

INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS NÃO LINGUÍSTICAS NO PROCESSO DE ACOMODAÇÃO DIALETAL DO /S/ EM CODA SILÁBICA POR PARAIBANOS EM RECIFE Letrônica, Porto Alegre, v. 6, n. 1, p. 161-178, jan./jun., 2013 INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS NÃO LINGUÍSTICAS NO PROCESSO DE ACOMODAÇÃO DIALETAL DO /S/ EM CODA SILÁBICA POR PARAIBANOS EM RECIFE INFLUENCE OF

Leia mais

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA Neide Cesar CRUZ Universidade Federal de Campina Grande Resumo: Este estudo de pequeno porte focaliza as crenças que graduandos

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Luã Carvalho Resplandes², Renata Fonseca Bezerra³, Francisco Cleiton da Rocha 4

Leia mais

REVITALIZAÇÃO LINGUÍSTICA E CULTURAL SATERÉ-MAWÉ

REVITALIZAÇÃO LINGUÍSTICA E CULTURAL SATERÉ-MAWÉ REVITALIZAÇÃO LINGUÍSTICA E CULTURAL SATERÉ-MAWÉ José de Oliveira dos S. da Silva (Nek i Satere Mawe) OPISMA 1 Dulce do Carmo Franceschini UFU / LALI-UNB 2 Denize de Souza Carneiro UFU 3 Introdução Com

Leia mais

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA Cristiane Toffanello Mestranda UniRitter/Laureate International Universities Cristoffi@hotmail.com SOCIOLINGUÍSTICA

Leia mais

A DITONGAÇÃO EM SÍLABAS TRAVADAS POR /S/ EM FLORIANÓPOLIS

A DITONGAÇÃO EM SÍLABAS TRAVADAS POR /S/ EM FLORIANÓPOLIS A DITONGAÇÃO EM SÍLABAS TRAVADAS POR /S/ EM FLORIANÓPOLIS Carine Haupt (Universidade Federal de Santa Catarina) ABSTRACT: In this paper we analyzed the occurrences of diphthongs in syllables with /S/ in

Leia mais

Estudo entoacional focalizando o sotaque estrangeiro: o caso do francês canadense

Estudo entoacional focalizando o sotaque estrangeiro: o caso do francês canadense Estudo entoacional focalizando o sotaque estrangeiro: o caso do francês canadense Sara Farias da Silva 1 1 Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC- DLLE) sarafolie@hotmail.com Resumo. Este estudo

Leia mais