/z/ depois [+vozeado] Além disso As crianças generalizam automaticamente com base em traços elas não aprendem primeiro de uma base fonema por fonema

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "/z/ depois [+vozeado] Além disso As crianças generalizam automaticamente com base em traços elas não aprendem primeiro de uma base fonema por fonema"

Transcrição

1 Fonética e Fonologia : Introdução à Linguagem anotações das aulas: semana de 04 de Março de 2002 Conjunto de Problemas # 4: Para Segunda-feira, 11/03/02 Apostila sobre o principal para a identificação das partes do trato vocal Em revisão 1 : Suas representações mentais/neurológicas/lingüísticas do sons da fala envolvem categorias sonoras discretas Você ouve os sons da fala principalmente em termos do modo que você pode produzilos. Suas representações dos sons da fala decompõem-se exaustivamente em partes fonológicas ( distintivas ) A. A Lingüística pode fornecer uma explicação especial das três propriedades dos sons da fala observadas acima: Representações fonológicas a forma pela qual você armazena seu conhecimento da estrutura sonora das unidades consistem de estruturas de traços (fonológicos) distintivos Regras fonológicas (princípios, restrições) da gramática operam de acordo com esses traços. B. Os sons da fala são percebidos em termos desses traços. Assim, a percepção da fala está em termos das categorias sonoras discretas, de acordo com a percepção dessas categorias Esses traços distinguem amplamente os sons da fala pela maneira com que na são produzidos. As representações dos constituintes sonoros, tais como os fonemas, são construídas a partir desses traços. 1 A distinção entre fonética e fonologia não é feita de modo consistente na lingüística e envolve algumas disputas realmente científicas sobre o papel da física (para o movimento dos articuladores da fala) e sobre percepção auditiva de baixo nível na da gramática mental. Eu tentarei utilizar fonética consistentemente quando estiver falando sobre a acústica da fala ( fonética acústica ) ou sobre os movimentos dos articuladores da fala ( fonética articulatória ). Eu usarei a fonologia consistentemente quando estiver falando sobre operações gramaticais sobre representações dos sons ( regras fonológicas ) ou sobre a forma pela qual você armazena as informação sonora sobre morfemas ( representações fonológicas ). 1 Nota: Os fonemas não são primitivos no sistema. Eles são construídos. Inicie com o último ponto lip-s rib-z

2 cat-s pad-z back-s bag-z cliff-s cave-z bath-s lathe-z Bach-s chanteur-z Generalização? Plural /s/ vem depois de sons [-vozeado]; plural /z/ vem depois de sons [+vozeado]. Na verdade, /s/ é [-vozeado] e /z/ é [+vozeado], então este é um exemplo de assimilação, na qual os sons compartilham um traço. Adicionalmente: 1. day-z, ball-z, fur-z, cow-z Dois argumentos para os traços como componente dos sons, ao contrário de serem meras propriedades dos sons: A primeira: Declaração formal sobre o que você sabe sobre o plural. Se /s/ e /z/ não se decompuseram em traços, com os dois sons compartilhando os mesmos traços, com exceção de [+/-vozeado], então seria difícil explicar por que você simplesmente alterna entre /s/ e /z/, com /s/ no ambiente [-vozeado] e /z/ no ambiente [+vozeado]. Qual noção de similaridade entre os sons supostamente explicaria esta alteração? Resposta Correta: identidade Isto é, /s/ e /z/ são idênticos, exceto para [vozeado]; eles literalmente se decompõem nos mesmos traços, exceto para o valor de [vozeado] Você obtém /s/ de /z/ pela substituição de [+vozeado] por [-vozeado] Segundo argumento para a decomposição: Classes naturais e a ação de processos fonológicos Traços definem classes todos os segmentos que compartilham um traço constituem uma classe natural Elemento fonológico manifesta-se de acordo com as classes naturais por exemplo, /z/ depois da classe [+vozeado], /s/ depois da classe [-vozeado] Se os traços fossem meras propriedades de fonemas, ao invés de constituintes, seria tão natural quanto dizer /z/ depois de /d/, como seria dizer /z/ depois de [+vozeado] Como os traços são elementos dos fonemas, e fonemas meramente constroem-se 2 1. É muito mais difícil representar a generalização /z/ depois de /d/ do que representar /z/ depois de [+vozeado] Observe a diferença em complexidade: /z/ depois de [+vozeado] [+anterior] [-contínuo] [+coronal] /z/ depois [+vozeado] Além disso As crianças generalizam automaticamente com base em traços elas não aprendem primeiro de uma base fonema por fonema

3 Nós generalizamos com base em traços dos sons da fala que não são parte da nossa língua os quais possivelmente não tenhamos ouvido antes. (observe também, Bach-s, chanteur-z) Diferenciação de categorias fonéticas Percepção de Categorias você ouve sons como se fossem pertencentes a uma categoria distinta você tem dificuldade em discriminar sons dentro de uma categoria distinta Diferenciação do processamento fonológico 2. nem a probabilidade de associações de categorias, nem fusões entre categorias desempenharão uma função na gramática Fonética Pontos principais para hoje: Articuladores Local de articulação Modo de articulação Correlatos acústicos de articulação a. Articuladores Cordas vocais (glote) Palato (cavidade nasal aberta/fechada) Raiz da língua (dorso) Ponta da língua (sons da coroa/coronais) Lábios i. Cordas Vocais/glote [+/-vozeado] (+/- glote aberta e +/- glote fechada) [+vozeado] = -dilatada, -fechada aspiração: t x t h +glote aberta oclusiva glotal +glote fechada Vogais regulares = - glote aberta Vogais sussurradas = +glote aberta [h] = vogal sussurrada ii. Palato Levanta-se o Palato = [-nasal] Abaixa-se o palato = [+nasal] Nota: as vogais, assim como as consoantes oclusivas, podem ser nasais. Em inglês, as vogais que antecedem as consoantes nasais são nasalizadas. Em Francês, as vogais nasais e não nasais contrastam iii. Dorso Pode fazer contato com a úvula (não há sons assim em inglês) ou com o palato sons velares g, k,? [+/-alto] [+/-baixo] para as vogais refere-se à posição do palato g, k,? são [+alto] [-baixo] 4 iv. Coronal/ lâmina da língua

4 * Os sons coronais podem ser [+/- anterior], lateral, sibilante (s,z,š, ž) v. Lábios/ sons labiais Os sons labiais podem ser [+/-arredondado] Oclusivas/fricativas labiais em inglês são geralmente [- arredondado]: b, p, m, f, v. Mas, diga muu e observe/sinta seus lábios Vogais [+posterior] [-baixo] em inglês são [+arredondado] Em francês, [+/-arredondado] é contrastivo para vogais [-baixo] [- posterior] 2. Lugar de articulação (perto de /contra que você coloca seus articuladores?) Velar (sons dorsais) - contraste: velar X uvular Palatal (-anterior aos sons coronais) Alveolar (+anterior aos sons coronais) - contraste: palatal X alveolar Interdental (+anterior aos sons coronais)?,? Lábio-dental (labial, -sons arredondados) f, v Labial b, p, m 3. Modo de articulação a. Oclusivas Consonantais (versus vocálicas) (nasais e não-nasais), fricativas, glides + Sonorante possível ressonância no trato vocal = vogais, glides, oclusivas nasais, vogais, líquidas. -sonorantes (obstruintes) oclusivas não-nasais e fricativas b. +/- contínuo + contínuo vogais, glides, laterais, fricativas, - contínuas oclusivas c. africadas oclusiva seguida de ação fricativa como um único segmento: tš (c), dž (j) d. Correlatos acústicos de articulação Vibração glotal (ou, se glote aberta, barulho) das cordas vocais direcionam a acústica do trato vocal. 5 A freqüência fundamental da vibração glotal corresponde à entoação da voz. O trato vocal age como um filtro sobre as harmonias da freqüência fundamental. A língua separa a trilha vocal em duas principais câmaras ressonantes conectadas. A altura da língua muda principalmente o volume da câmara posterior vogais baixas têm uma câmara posterior menor e, com isso, uma freqüência de ressonância mais alta para esta câmara, a qual corresponde ao primeiro formante ou banda de freqüência aprimorada do espectro da fala. A posição na anterior ou posterior da língua [+/-posterior] modifica principalmente o tamanho da câmara de ressonância superior do trato vocal. A posição posterior aumenta o tamanho desta câmara e diminui a freqüência do segundo formante ou banda de freqüência no espectro da fala. O sistema perceptivo é particularmente direcionado para a freqüência dos formantes, i.e., o padrão de aprimoramento harmônico da entoação da voz. A percepção dos formantes é a percepção da mudança da forma do aparato vocal e de como ele articula a fala, Isto é, o sistema perceptivo está ouvindo os movimentos dos articuladores e classificando os sons da fala de acordo com esses movimentos.

5 6 6. Diferenças fonéticas interlingüísticas : Estas diferenças incluem aqueles traços (articuladores, modos e locais de articulação) que linguagem escolhe e o modo como essa língua combina esses traços em sons da língua. Alguns exemplos: 1. O francês, mas não o inglês, utiliza a nasalidade nas vogais de maneira contrastante. 2. O francês, mas não o inglês, usa arredondamento nas vogais [-baixo] [-posterior] de maneira contrastante, 3. Em chinês, assim como em outras línguas, as diferenças na entoação das das vogais (na freqüência fundamental das vogais) são contrastantes. 4. O tom lingüístico não envolve absolutamente a entoação se assim fosse, as crianças não poderiam falar as mesmas palavras que os adultos. 5. Preferencialmente, o tom é determinado com relação à média da entoação do som que cada pessoa utiliza a fala. 6. E as mudanças entoação são lingüisticamente relevantes em chinês, mas não em inglês (ou pelo menos não da mesma forma que em inglês). 7. Fonotáticas (para toque sonoro): combinações possíveis de sons em um idioma. Mais precisamente, as fonotáticas referem-se as generalizações sobre a distribuição dos traços fonéticas em uma língua. Essas generalizações incluem quais traços uma língua usa do conjunto universalmente disponível, quais traços co-ocorrem para criar os fonemas e quais co-ocorrem através das marcas de duração (através dos fonemas) a. Por exemplo, ditongos (combinações de vogal e glide) [aw] ocorrem em ambientes limitados. b. [aw] é permitido antes dos sons coronais e no final da palavra: out (fora), loud (alto), town (cidade), house (casa), rouse (alvorada), fowl (galinha), hour (hora). c. [aw] não ocorre antes de sons labiais, palatais ou velares seguidos por limite de palavra: *oub, *oum, *oup, *ouk, *oug, *oung, *oush (veja também Bausch, nome estrangeiro). d. Considere a aspiração de oclusivas desvozeadas em inglês: Top stop Pat spat Cat scat Photograph Photography Qual é a generalização fonotática?? C h no início das sílabas tônicas Em qualquer outro lugar, não pronunciada com som aspirado. -cont é [+glote fechada] / [? -vozeado [+tônica]

6 Distribuição Complementar Oclusivas desvozeadas aspiradas e não aspiradas, em inglês, nunca ocorrem no mesmo ambiente. Assim, a aspiração não é contrastiva para oclusivas desvozeadas em inglês Oclusivas desvozeadas aspiradas e não aspiradas em inglês estão em uma distribuição complementar: oclusivas aspiradas no início das sílabas tônicas; oclusivas desvozeadas sem aspiração em qualquer outro lugar. 8

Sons Vocais do Inglês Americano

Sons Vocais do Inglês Americano Sons Vocais do Inglês Americano Existem mais de 40 sons vocais no inglês americano que podem ser classificados de acordo com a forma básica em que são produzidos. Classe quanto á forma Vogais Fricativas

Leia mais

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Letras Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Estruturas fonológicas da língua portuguesa Objetivo Entrar em contato com as características da análise fonológica. Conhecer os fonemas consonantais e vocálicos

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Breve caracterização fonética de sons que

Leia mais

A FONÉTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA

A FONÉTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA A FONÉTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA Ivete Carneiro Braz (Letras _ UEL) Geane Maria Marques Branco Sanches (Letras _ UEL) Dulce Meger Silveira Camargo (Letras _ UEL) Orientador:

Leia mais

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO

A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO A NASALIZAÇÃO VOCÁLICA NA AQUISIÇÃO DO ITALIANO COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA POR FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO GHISLANDI, Indianara; OENNING, Micheli email: michelioenning@yahoo.com.br Universidade Estadual

Leia mais

Fonética Articulatória: Consoantes

Fonética Articulatória: Consoantes 1. Conceitos Básicos Fonética Articulatória: Consoantes Seung Hwa Lee Introdução aos Estudos linguísticos I 1) Estudos de sons Fonética vs. Fonologia Fonética articulatória Produção Fonética acústica Fonética

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim 0. Considerações iniciais A Relação entre fonética e fonologia compreende uma relação de interdependência,

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS

UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS Priscila Hanako Ishy 1 ; Gláucia Vieira Cândido 2 ; Lincoln Almir Amarante Ribeiro3 1 Bolsista PBIC /CNPq, graduanda

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática -

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática - PLANO DE ENSINO LETRAS (PORTUGUÊS-INGLÊS) Turno: Noturno Currículo: 2003 INFORMAÇÕES BÁSICAS Período 2013/1 Natureza: Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS Teórica 60 Carga Horária Prática

Leia mais

Linguística 1. Segunda Avaliação (Turma C) Profa. Dra. Adelaide Silva 25 de junho de 2015

Linguística 1. Segunda Avaliação (Turma C) Profa. Dra. Adelaide Silva 25 de junho de 2015 Linguística 1 Segunda Avaliação (Turma C) Profa. Dra. Adelaide Silva 25 de junho de 2015 1. Observe os dados abaixo, relativos ao Guanano, língua falada na região noroeste do Amazonas (Brasil) e na região

Leia mais

APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS

APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS UNIVERSIDADE: Universidade Federal de Minas Gerais NÚCLEO DISCIPLINAR/COMITÊ ACADÊMICO: Lingüística, Letras e Artes TÍTULO DO TRABALHO: APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS

Leia mais

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 Mestranda Neliane Raquel Macedo Aquino (UFT) Resumo: A aprendizagem de uma língua estrangeira LE possibilita transferências

Leia mais

Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa. Escola Superior de Saúde do Alcoitão da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa

Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa. Escola Superior de Saúde do Alcoitão da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa Escola Superior de Saúde do Alcoitão da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (Agosto, 2007) PROCESSOS FONOLÓGICOS NA FALA DA CRIANÇA DE

Leia mais

INSTRUCIONAL. Língua Portuguesa Fonologia. Conteudista: Profa. Ana Lúcia dos Prazeres Costa. Titulação: Doutorado em Lingüística / UFRJ

INSTRUCIONAL. Língua Portuguesa Fonologia. Conteudista: Profa. Ana Lúcia dos Prazeres Costa. Titulação: Doutorado em Lingüística / UFRJ INSTRUCIONAL Língua Portuguesa Fonologia Conteudista: Profa. Ana Lúcia dos Prazeres Costa Titulação: Doutorado em Lingüística / UFRJ SUMÁRIO Quadro-síntese do conteúdo programático Contextualização da

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

Fonologia Aula # 04 (27/04/09)

Fonologia Aula # 04 (27/04/09) Fonologia Aula # 04 (27/04/09) Capítulo 5. Processos Fonológicos Iniciamos, aqui, o estudo da fonologia dinâmica: processos fonológicos e sua representação através de regras. Assim sendo, ficamos restritos,

Leia mais

ASSIMILAÇÃO E RESTRIÇÃO: CONDICIONAMENTO DE CODA E ONSET COMPLEXO EM XAVANTE

ASSIMILAÇÃO E RESTRIÇÃO: CONDICIONAMENTO DE CODA E ONSET COMPLEXO EM XAVANTE APOIO: Este artigo está disponível para download no seguinte endereço: http://www.etnolinguistica.org/site:abralin2009 Todos os direitos reservados: ABRALIN EDITORAÇÃO ELETRÔNICA Magno Nicolau REALIZAÇÃO:

Leia mais

Vogais Altas e Glides no Português Brasileiro e no Inglês Britânico

Vogais Altas e Glides no Português Brasileiro e no Inglês Britânico Luci Kikuchi Vogais Altas e Glides no Português Brasileiro e no Inglês Britânico Belo Horizonte 2001 Universidade Federal de Minas Gerais Luci Kikuchi Vogais Altas e Glides no Português Brasileiro e no

Leia mais

Fonética e Fonologia. Profa. Me. Luana Lemos. llemos@salesiano.org.br

Fonética e Fonologia. Profa. Me. Luana Lemos. llemos@salesiano.org.br Fonética e Fonologia Profa. Me. Luana Lemos 1 Fonética e Fonologia Fonética é a parte da gramática que estuda os sons da fala (física) Fonologia estuda os fonemas da língua nas diversas combinações (linguística)

Leia mais

Fonêmica Preliminar da Língua Katukina (Páno)*

Fonêmica Preliminar da Língua Katukina (Páno)* Fonêmica Preliminar da Língua Katukina (Páno)* Flávia Leonel Falchi 1, Maria Suelí de Aguiar 2 Faculdade de Letras UFG flaviafalchi@hotmail.com, aguiarmarias@gmail.com PALAVRAS-CHAVE: Katukina (Páno),

Leia mais

mas respiratório, fonatório e articulatório e dos órgãos que constituem o aparelho fonador.

mas respiratório, fonatório e articulatório e dos órgãos que constituem o aparelho fonador. D.E.L.T.A., Vol. 16, N. 1, 2000 (183-188) RESENHA/REVIEW SILVA, THAÏS CRISTÓFARO. (1999) Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. São Paulo: Contexto. 254 p. Resenhado

Leia mais

Língua Portuguesa I: Fonética e Fonologia

Língua Portuguesa I: Fonética e Fonologia Língua Portuguesa I: Fonética e Fonologia Autora Adelaide H. P. Silva 1.ª edição Livro_Fonética_e_Fonologia.indb - pg: 1 - QUARTA PROVA 09/11/2007 08:19:29 2007 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução,

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E LIBRAS TEORIAS E PRÁTICAS 2

LÍNGUA PORTUGUESA E LIBRAS TEORIAS E PRÁTICAS 2 LÍNGUA PORTUGUESA E LIBRAS TEORIAS E PRÁTICAS 2 LETRAS LIBRAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA reitor RÔMULO SOARES POLARI vice-reitora MARIA YARA CAMPOS MATOS pró-reitor de graduação VALDIR BARBOSA BEZERRA

Leia mais

Abordagem da vogal [e] sozinha e em base de ditongo a partir da análise experimental. Adriano de Souza Dias (UERJ e FEUDUC)

Abordagem da vogal [e] sozinha e em base de ditongo a partir da análise experimental. Adriano de Souza Dias (UERJ e FEUDUC) Abordagem da vogal [e] sozinha e em base de ditongo a partir da análise experimental. Adriano de Souza Dias (UERJ e FEUDUC) Introdução Este trabalho que desenvolvemos acerca da vogal [e] sozinha e em posição,

Leia mais

Fonética articulatória. Fones consonantais

Fonética articulatória. Fones consonantais Fonética articulatória Fones consonantais Consoantes Segmentos/fones que são produzidos por meio de alguma constrição no aparelho fonador impedindo momentaneamente ou dificultando a passagem da corrente

Leia mais

FONÉTICA E FONOLOGIA

FONÉTICA E FONOLOGIA VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA FONÉTICA E FONOLOGIA Rio de Janeiro / 2007 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO UNIVERSIDADE

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

1. Início de conversa

1. Início de conversa UCHOA, J.A.C. Os sons da fala. Fortaleza: UFC Virtual, 2010 Os sons da fala J.A.C. Uchoa 1 Resumo Estudo dos sons da fala com atenção ao português nordestino, para alunos de Letras com poucos contatos

Leia mais

Caderno de Exercícios de Fonética e Fonologia

Caderno de Exercícios de Fonética e Fonologia Caderno de Exercícios de Fonética - Thaïs Cristófaro Silva - FALE UFMG thaiscristofaro@gmail.com 1 Caderno de Exercícios de Fonética e Fonologia Thaïs Cristófaro Silva Colaboração para elaborar respostas

Leia mais

Palavras-chave: Fonética e fonologia; Ensino da língua materna; Curso de Letras.

Palavras-chave: Fonética e fonologia; Ensino da língua materna; Curso de Letras. 1 O ENSINO DE FONÉTICA E FONOLOGIA NO CURSO DE LETRAS/ PORTUGUÊS: uma experiência com alunos da Universidade Estadual do Piauí UESPI Lucirene da Silva CARVALHO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ UESPI luciarvalho@ibest.com.br

Leia mais

A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR

A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR Página94 A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR Cristiane Gonçalves Uliano 1 Maria Fernanda Silva de Carvalho 2 Marina da Costa

Leia mais

O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA

O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA Vanilda Oliveira Coelho 1 ; Maria de Lurdes Nazário 1 ; Shirley Eliany Rocha Mattos 2 1 Pesquisadoras convidadas do Núcleo de

Leia mais

DEMERVAL DA HORA OLIVEIRA

DEMERVAL DA HORA OLIVEIRA 1 FONÉTICA E FONOLOGIA DEMERVAL DA HORA OLIVEIRA APRESENTAÇÃO Este capítulo introduz uma visão acerca de Fonética e Fonologia, tendo como objetivos: - conceituar Fonética; - explicar a natureza e produção

Leia mais

Oralidade e alfabetização. Linguagem Oral e escrita 1

Oralidade e alfabetização. Linguagem Oral e escrita 1 Oralidade e alfabetização Linguagem Oral e escrita 1 Para começar vamos definir alguns termos ligados à linguagem oral: Dialeto- vamos entender dialeto aqui como as variedades de uma língua (geográficas

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS E POSTÔNICAS MEDIAIS Fernando Antônio Pereira Lemos (CEFET-MG) RESUMO Este estudo retoma um tema bastante controverso na literatura: o alçamento das vogais médias

Leia mais

Nonato, Rafael Bezerra. (2006). Fonética e fonologia do bororo 1.

Nonato, Rafael Bezerra. (2006). Fonética e fonologia do bororo 1. Nonato, Rafael Bezerra. (2006). Fonética e fonologia do bororo 1. 1. Introdução Neste artigo descrevo a fonética e a fonologia segmental, silábica e acentual da língua bororo. Tomo como base um banco de

Leia mais

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano

Literatura Portuguesa Idade Média e Classicismo Renascentista. 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano Literatura Idade Média e Classicismo Renascentista 6 ECTS BA Semestre de inverno / 2º.ano história e da cultura de Portugal no período estudado, domínio da língua portuguesa A unidade curricular Literatura

Leia mais

Disciplina Fonética e Fonologia

Disciplina Fonética e Fonologia Disciplina Fonética e Fonologia material didático elaboração do conteúdo Alzerinda de Oliveira Braga Marilucia Barros de Oliveira revisão Maria Risolêta Silva Julião coordenação de edição Maria Cristina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS ANTONIO SERGIO DA COSTA PINTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS ANTONIO SERGIO DA COSTA PINTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS ANTONIO SERGIO DA COSTA PINTO SUBSTITUIÇÃO NA PRODUÇÃO DE /Ɵ/ E /ð/ POR FALANTES DO PORTUGUÊS: UMA ANÁLISE

Leia mais

A EXPLICITAÇÃO DA INTERFONOLOGIA NO ENSINO DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

A EXPLICITAÇÃO DA INTERFONOLOGIA NO ENSINO DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (1411-1419) A EXPLICITAÇÃO DA INTERFONOLOGIA NO ENSINO DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Ubiratã Kickhöfel ALVES (PG - UCPel / FAPERGS) ABSTRACT: This

Leia mais

Fonologia da Língua Portuguesa. Denise Porto Cardoso

Fonologia da Língua Portuguesa. Denise Porto Cardoso Fonologia da Língua Portuguesa Denise Porto Cardoso São Cristóvão/SE 2009 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário de Educação a Distância Carlos

Leia mais

Exp 8. Acústica da Fala

Exp 8. Acústica da Fala Exp 8. Acústica da Fala 1. Objetivos Estudar o modelo fonte-filtro da produção da fala; Medir os formantes e relacionar com manobras articulatórias em vogais e ditongos; Utilizar espectrografia de banda

Leia mais

PROCESSOS FONOLÓGICOS NA AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM

PROCESSOS FONOLÓGICOS NA AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM OTHERO, Gabriel de Ávila. Processos fonológicos na aquisição da linguagem pela criança. ReVEL, v. 3, n. 5, 2005. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. PROCESSOS FONOLÓGICOS NA AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PELA

Leia mais

Temática 4: Lingüística Geral

Temática 4: Lingüística Geral Curso de Licenciatura em Letras-Libras-UFSC Introdução aos Estudos Lingüísticos Temática 4: Lingüística Geral Até o momento, em nossa disciplina Introdução aos Estudos Lingüísticos, vimos o que é lingüística,

Leia mais

Língua Portuguesa I: fonética e fonologia. Língua Portuguesa I: fonética e fonologia

Língua Portuguesa I: fonética e fonologia. Língua Portuguesa I: fonética e fonologia 9 788576 387640 IESDE Brasil S.A. Al. Dr. Carlos de Carvalho, 1482. CEP: 80730-200 Batel - Curitiba - PR. 0800 708 88 88 www.iesde.com.br Língua Portuguesa I: fonética e fonologia Fundação Biblioteca Nacional

Leia mais

SÍLABA TÔNICA NÃO FINAL E EM ONSET DE SÍLABA PÓS- TÔNICA FINAL

SÍLABA TÔNICA NÃO FINAL E EM ONSET DE SÍLABA PÓS- TÔNICA FINAL MEDIDAS DO VOT DE CONSOANTES OCLUSIVAS SURDAS EM ONSET DE SÍLABA TÔNICA NÃO FINAL E EM ONSET DE SÍLABA PÓS- TÔNICA FINAL EM DADOS DO DIALETO CURITIBANO VOICE ONSET TIME MEASUREMENT FOR VOICELESS PLOSIVES

Leia mais

Luci Kikuchi Veloso Luiz Alves de Souza FONÉTICA E FONOLOGIA DO INGLÊS

Luci Kikuchi Veloso Luiz Alves de Souza FONÉTICA E FONOLOGIA DO INGLÊS Luci Kikuchi Veloso Luiz Alves de Souza FONÉTICA E FONOLOGIA DO INGLÊS Montes Claros - MG, 2010 Copyright : Universidade Estadual de Montes Claros UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS - UNIMONTES REITOR

Leia mais

Estudo do pré-vozeamento, frequência do burst e locus de F2 das oclusivas orais do português europeu 1. Introdução 2.

Estudo do pré-vozeamento, frequência do burst e locus de F2 das oclusivas orais do português europeu 1. Introdução 2. Estudo do pré-vozeamento, frequência do burst e locus de F2 das oclusivas orais do português europeu Marisa Lousada ; Paula Martins ; Luis M. T. Jesus Escola Superior de Saúde da Universidade de Aveiro

Leia mais

A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO. Ano 02 Unidade 03

A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO. Ano 02 Unidade 03 CONCURSO DA EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE CARGO: PROFESSOR 1 / 2015 A APROPRIAÇÃO DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA E A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Ano 02 Unidade 03 ( F

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos REPAROS DE EMPRÉSTIMOS AO VERNÁCULO Bismarck Zanco de Moura (UFRJ) dezanco@hotmail.com Gean Nunes Damulakis (UFRJ) damulakis@gmail.com RESUMO Este trabalho investiga a inserção envolvida no reparo de empréstimos

Leia mais

Processamento Auditivo (Central)

Processamento Auditivo (Central) Processamento Auditivo (Central) O QUE É PROCESSAMENTO AUDITIVO (CENTRAL)? É o conjunto de processos e mecanismos que ocorrem dentro do sistema auditivo em resposta a um estímulo acústico e que são responsáveis

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO FONOLÓGICO ENTRE AS LÍNGUAS: MAKUXI E PORTUGUESA.

ESTUDO COMPARATIVO FONOLÓGICO ENTRE AS LÍNGUAS: MAKUXI E PORTUGUESA. ESTUDO COMPARATIVO FONOLÓGICO ENTRE AS LÍNGUAS: MAKUXI E PORTUGUESA. TANIA VALÉRIA DE CARVALHO BARROS FELIPE (INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO). Resumo Esta comunicação

Leia mais

MONOTONGAçãO: UM METAPLASMO PRESENTE NA AQUISIçãO DA ESCRITA DE CRIANçAS NAS SéRIES INICIAIS

MONOTONGAçãO: UM METAPLASMO PRESENTE NA AQUISIçãO DA ESCRITA DE CRIANçAS NAS SéRIES INICIAIS MONOTONGAçãO: UM METAPLASMO PRESENTE NA AQUISIçãO DA ESCRITA DE CRIANçAS NAS SéRIES INICIAIS Jozenilda Buarque de Morais Elias 1 resumo: O objetivo deste trabalho é fazer um breve diagnóstico e refletir

Leia mais

PROCESSOS FONOLÓGICOS SEGMENTAIS NA LÍNGUA PORTUGUESA

PROCESSOS FONOLÓGICOS SEGMENTAIS NA LÍNGUA PORTUGUESA Número 04-2011 Departamento de Letras Universidade Federal do Maranhão PROCESSOS FONOLÓGICOS SEGMENTAIS NA LÍNGUA PORTUGUESA Fernando Moreno da Silva 1 Resumo: O objetivo principal do artigo é sistematizar

Leia mais

Estudo fonético-acústico dos róticos no português e no espanhol para uma aplicação pedagógica

Estudo fonético-acústico dos róticos no português e no espanhol para uma aplicação pedagógica Estudo fonético-acústico dos róticos no português e no espanhol para uma aplicação pedagógica Kelly Cristiane Henschel Pobbe de Carvalho 1 Faculdade de Ciências e Letras de Assis Universidade Estadual

Leia mais

Olimpíadas de Linguística e técnicas de resolução de problemas. Ivan Tadeu Ferreira Antunes Filho

Olimpíadas de Linguística e técnicas de resolução de problemas. Ivan Tadeu Ferreira Antunes Filho Olimpíadas de Linguística e técnicas de resolução de problemas Ivan Tadeu Ferreira Antunes Filho 18 de setembro de 2012 Resumo Este manual pretende cobrir de forma rápida e sucinta algumas das principais

Leia mais

MANUAL DE FONÉTICA ACÚSTICA EXPERIMENTAL

MANUAL DE FONÉTICA ACÚSTICA EXPERIMENTAL é doutor na área da fala França, e mestre em Engenharia Eletrônica pelo ITA. É livre-docente em Fonética e Fonologia e professor do departamento de Linguística do IEL, UNICAMP. Sua área de atuação é a

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Modelos fonológicos de herança gerativa convencionaram classificar PELA INCORPORAÇÃO DE INFORMAÇÃO FONÉTICA AOS MODELOS FONOLÓGICOS*

Modelos fonológicos de herança gerativa convencionaram classificar PELA INCORPORAÇÃO DE INFORMAÇÃO FONÉTICA AOS MODELOS FONOLÓGICOS* PELA INCORPORAÇÃO DE INFORMAÇÃO FONÉTICA AOS MODELOS FONOLÓGICOS* Adelaide H. P. Silva Introdução Modelos fonológicos de herança gerativa convencionaram classificar os fatos concernentes aos sons das línguas

Leia mais

Descrição e análise do sistema consonantal do português arcaico no Pergaminho Vindel

Descrição e análise do sistema consonantal do português arcaico no Pergaminho Vindel Descrição e análise do sistema consonantal do português arcaico no Pergaminho Vindel Daniel Soares da sta Av. Ferroviária nº 1420 Centro Ibitinga SP Brasil esumo. Este artigo descreve e analisa o sistema

Leia mais

Un ramo de rosas rojas: as dificuldades do lusofalante na emissão dos fonemas /rr/ e /x/ do espanhol 1

Un ramo de rosas rojas: as dificuldades do lusofalante na emissão dos fonemas /rr/ e /x/ do espanhol 1 Un ramo de rosas rojas: as dificuldades do lusofalante na emissão dos fonemas /rr/ e /x/ do espanhol 1 Carlos Alberto Della Paschoa (Instituto Cervantes Río de Janeiro) INTRODUÇÃO Os lusofalantes, ao iniciarem

Leia mais

ANÁLISE VARIACIONISTA DA VOCALIZAÇÃO DE /l/ EM PORTO ALEGRE

ANÁLISE VARIACIONISTA DA VOCALIZAÇÃO DE /l/ EM PORTO ALEGRE COSTA, Cristine Ferreira. Análise variacionista da vocalização de /l/ em Porto Alegre. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. Vol. 5, n. 9, agosto de 2007. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. ANÁLISE

Leia mais

Língua Portuguesa I: fonética e fonologia

Língua Portuguesa I: fonética e fonologia Língua Portuguesa I: fonética e fonologia Autora Adelaide H. P. Silva 2009 2007 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores

Leia mais

AS INTERFERÊNCIAS FONOLÓGICAS NO INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA OS FALANTES DO PORTUGUÊS DO BRASIL

AS INTERFERÊNCIAS FONOLÓGICAS NO INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA OS FALANTES DO PORTUGUÊS DO BRASIL Eliana Vogel Jaeger AS INTERFERÊNCIAS FONOLÓGICAS NO INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA OS FALANTES DO PORTUGUÊS DO BRASIL Resumo Magali Rosa de Sant Anna Este texto baseia-se na análise fonológica contrastiva

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA PRISCILA DE JESUS RIBEIRO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA PRISCILA DE JESUS RIBEIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA PRISCILA DE JESUS RIBEIRO O PAPEL DA FREQUÊNCIA FUNDAMENTAL NA PERCEPÇÃO DO TIMBRE VOCÁLICO: UMA AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DAS VOGAIS MÉDIAS LINHA DE PESQUISA: DESCRIÇÃO

Leia mais

FABÍOLA ADRIANA RODRIGUES DE OLIVEIRA CASTILHO

FABÍOLA ADRIANA RODRIGUES DE OLIVEIRA CASTILHO FABÍOLA ADRIANA RODRIGUES DE OLIVEIRA CASTILHO QUESTÕES DE PRONÚNCIA EM LÍNGUA INGLESA: FATORES DESENCADEANTES DA PERCEPÇÃO DO SOTAQUE DO FALANTE BRASILEIRO DE LÍNGUA INGLESA EM RELAÇÃO À PRODUÇÃO DOS

Leia mais

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar?

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Letícia M. Sicuro Correa (PUC-Rio/LAPAL) Marina R. A. Augusto (PUC-Rio/LAPAL

Leia mais

abertura openess configuração de abertura da boca para caracterizar a abertura vocálica de uma vogal. O termo se refere também à abertura

abertura openess configuração de abertura da boca para caracterizar a abertura vocálica de uma vogal. O termo se refere também à abertura abaixamento lowering fenômeno fonológico caracterizado pelo abaixamento da posição da língua na articulação de uma vogal. Relaciona-se, portanto, ao abaixamento da propriedade de altura dos segmentos vocálicos.

Leia mais

A DITONGAÇÃO EM SÍLABAS TRAVADAS POR /S/ EM FLORIANÓPOLIS

A DITONGAÇÃO EM SÍLABAS TRAVADAS POR /S/ EM FLORIANÓPOLIS A DITONGAÇÃO EM SÍLABAS TRAVADAS POR /S/ EM FLORIANÓPOLIS Carine Haupt (Universidade Federal de Santa Catarina) ABSTRACT: In this paper we analyzed the occurrences of diphthongs in syllables with /S/ in

Leia mais

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Gerusa PEREIRA (UNISUL) ABSTRACT: The present

Leia mais

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Oi! Meu nome é David. Atualmente estou em Imperatriz, Maranhão ajudando pessoas como você aprenderem inglês. Já faz

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

Ana Sofia Ferreira Silva Mendes Fernandes

Ana Sofia Ferreira Silva Mendes Fernandes Universidade do Minho Instituto de Educação Desempenho Fonético e Fonológico em Crianças com Perturbações da Linguagem e Fala: Um Estudo Exploratório no Concelho de Fafe Ana Sofia Ferreira Silva Mendes

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 2, pág. 1897.

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 2, pág. 1897. ESTRUTURA FONOLÓGICA DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E DA LÍNGUA PORTUGUESA: QUESTÕES SOBRE A (IN)DEPENDÊNCIA NA ESTRUTURA LINGUÍSTICA Robevaldo Correia dos Santos (UFRB) bem_fsa@hotmail.com Geisa Borges

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Curso:Bacharelado e Licenciatura Educação a Distancia FONÉTICA E FONOLOGIA. Professora :Lodernir Karnopp

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Curso:Bacharelado e Licenciatura Educação a Distancia FONÉTICA E FONOLOGIA. Professora :Lodernir Karnopp UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Curso:Bacharelado e Licenciatura Educação a Distancia FONÉTICA E FONOLOGIA Professora :Lodernir Karnopp Unidade 1 INTRODUÇÃO Ementa: A variação lingüística nos falares

Leia mais

VOCALISMO: UMA BREVE ABORDAGEM NO PORTUGUÊS DO BRASIL

VOCALISMO: UMA BREVE ABORDAGEM NO PORTUGUÊS DO BRASIL VOCALISMO: UMA BREVE ABORDAGEM NO PORTUGUÊS DO BRASIL Flágila Marinho da Silva Lima Illa Pires Azevedo 1 94 RESUMO O presente trabalho busca refletir sobre o processo de vocalização no português brasileiro.

Leia mais

"... um ponto de referência fixo e imutável estabelecido dentro do limite da

... um ponto de referência fixo e imutável estabelecido dentro do limite da O Método das Vogais Cardeais e as Vogais do Português Brasileiro Thaïs Cristófaro Silva 1 Universidade Federal de Minas Gerais Kings College London Abstract This paper presents an analysis of the vocalic

Leia mais

Desvios de fala ocorridos em palavra isolada e em frases em idade pré-escolar

Desvios de fala ocorridos em palavra isolada e em frases em idade pré-escolar ! Cátia Teresa Faria Félix Desvios de fala ocorridos em palavra isolada e em frases em idade pré-escolar Universidade Fernando Pessoa FCS Porto, 2013! !! ii ! Cátia Teresa Faria Félix Desvios de fala ocorridos

Leia mais

Psicologia Experimental Psicologia Cognitiva Aplicada. Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br

Psicologia Experimental Psicologia Cognitiva Aplicada. Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Interface Homem/Máquina Aula 5 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-00.184 Roteiro da Aula de Hoje

Leia mais

A experiência lingüística prévia do aprendiz tem sido considerada como fator importante na

A experiência lingüística prévia do aprendiz tem sido considerada como fator importante na Relação fone-fonema-grafema na produção oral de aprendizes de PLE Carlos da Silva Sobral Mônica Maria Rio Nobre Myrian Azevedo de Freitas Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil Resumo: Este artigo

Leia mais

TODAS AS CODAS SÃO FRÁGEIS EM PORTUGUÊS EUROPEU?

TODAS AS CODAS SÃO FRÁGEIS EM PORTUGUÊS EUROPEU? RODRIGUES, Maria Celeste. Todas as codas são frágeis em português europeu? Revista LinguíStica / Revista do Programa de Pós- Graduação em Linguística da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Volume 8,

Leia mais

A percepção da produção vocal pelo regente coral

A percepção da produção vocal pelo regente coral A percepção da produção vocal pelo regente coral Snizhana Drahan snid@terra.com.br Resumo: O presente trabalho considera o conceito percepção vocal, incluindo suas funções e recursos, como a capacidade

Leia mais

A ORIGINALIDADE DAS LÍNGUAS INDÍGENAS BRASILEIRAS

A ORIGINALIDADE DAS LÍNGUAS INDÍGENAS BRASILEIRAS A ORIGINALIDADE DAS LÍNGUAS INDÍGENAS BRASILEIRAS Conferência feita na inauguração do Laboratório de Línguas Indígenas do Instituto de Letras da Universidade de Brasília, em 8 de julho de 1999 Aryon Dall

Leia mais

Transdutor de estados finitos para a reconhecimento da nasalidade na pronúncia da variedade potiguar

Transdutor de estados finitos para a reconhecimento da nasalidade na pronúncia da variedade potiguar Transdutor de estados finitos para a reconhecimento da nasalidade na pronúncia da variedade potiguar Cid Ivan da Costa Carvalho 1 1 Campus Caraúbas Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) RN 233,

Leia mais

APPENDIX&PROBI!E!VARIAÇÃO!LINGUÍSTICA!NO!PORTUGUÊS!BRASILEIRO! APPENDIX!PROBI!AND&LINGUISTIC&VARIATION&IN&BRAZILIAN&PORTUGUESE&

APPENDIX&PROBI!E!VARIAÇÃO!LINGUÍSTICA!NO!PORTUGUÊS!BRASILEIRO! APPENDIX!PROBI!AND&LINGUISTIC&VARIATION&IN&BRAZILIAN&PORTUGUESE& Curitiba,Vol.2,nº2,jan.2jun.2014ISSN:231821028REVISTA(VERSALETE & & APPENDIX&PROBIEVARIAÇÃOLINGUÍSTICANOPORTUGUÊSBRASILEIRO APPENDIXPROBIAND&LINGUISTIC&VARIATION&IN&BRAZILIAN&PORTUGUESE& KayronCamposBeviláqua

Leia mais

Voz: Atuação do Fonoaudiólogo e do Preparador Vocal

Voz: Atuação do Fonoaudiólogo e do Preparador Vocal Voz: Atuação do Fonoaudiólogo e do Preparador Vocal Apresentação: Millena Vieira (Fonoaudióloga) Joel Pinheiro (Preparador Vocal) Bárbara Camilo (3ºano) Daniele Istile (2º ano) Orientação: Profª Drª Kelly

Leia mais

MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO

MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) SIGNO FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO SUBSTÂNCIA DE EXPRESSÃO (semioticamente formada) MATÉRIA DE EXPRESSÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA. Carla Ferrante. AQUISIÇÃO FONOLÓGICA EM CRIANÇAS DE 3 a 8 ANOS DE CLASSE SÓCIO ECONÔMICA ALTA

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA. Carla Ferrante. AQUISIÇÃO FONOLÓGICA EM CRIANÇAS DE 3 a 8 ANOS DE CLASSE SÓCIO ECONÔMICA ALTA UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA Carla Ferrante AQUISIÇÃO FONOLÓGICA EM CRIANÇAS DE 3 a 8 ANOS DE CLASSE SÓCIO ECONÔMICA ALTA Rio de Janeiro 2007 1 Carla Ferrante AQUISIÇÃO FONOLÓGICA EM CRIANÇAS DE 3 a 8

Leia mais

DESENVOLVIMENTO LINGUISTICO NA PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO - EYE TRACKING METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA PERCEÇÃO DA FALA

DESENVOLVIMENTO LINGUISTICO NA PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO - EYE TRACKING METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA PERCEÇÃO DA FALA LABFON - CLUL EXCL/MHC-LIN/0688/2012 DESENVOLVIMENTO LINGUISTICO NA PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO - EYE TRACKING METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA PERCEÇÃO DA FALA Bandeira de Lima 1,2, C., Severino,C.

Leia mais

Ultrassonografia aplicada na produção de fala: análise da produção das. fricativas /s/ e /ʃ/

Ultrassonografia aplicada na produção de fala: análise da produção das. fricativas /s/ e /ʃ/ fricativas /s/ e /ʃ/ Ultrassonografia aplicada na produção de fala: análise da produção das Autores: DANIRA TAVARES FRANCISCO, LUCIANA DE OLIVEIRA PAGAN- NEVES, HAYDÉE FISZBEIN WERTZNER, Descritores: ultrassonografia;

Leia mais

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas AS VOGAIS MÉDIAS ÁTONAS NO SUL DO BRASIL Maria José Blaskovski VIEIRA 1 RESUMO Neste trabalho, pretende-se apresentar resultados de análise quantitativa que apontou os fatores lingüísticos e extralingüísticos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE HUMANIDADES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGÜÍSTICA APLICADA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE HUMANIDADES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGÜÍSTICA APLICADA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE HUMANIDADES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGÜÍSTICA APLICADA SILVIA REGINA CHAVES BARREIRA O DESENVOLVIMENTO DA COMPREENSÃO ORAL POR MEIO DE INSTRUÇÃO EXPLÍCITA

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes R E P U B L I C A Ç Ã O R E S O L U Ç Ã O N.º 143/2011 CI / CCH CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 27/08/2012. João Carlos Zanin, Secretário

Leia mais

TEXTO. Visual texto em que a comunicação se dá apenas por meio de imagens. Verbal - texto em que a comunicação se dá por meio de palavras escritas.

TEXTO. Visual texto em que a comunicação se dá apenas por meio de imagens. Verbal - texto em que a comunicação se dá por meio de palavras escritas. Língua Portuguesa 1º trimestre Temas para estudo Em nossas primeiras aulas, vimos que, conforme sua configuração/diagramação, um TEXTO pode ser classificado como: Visual texto em que a comunicação se dá

Leia mais

UM NOVO OLHAR SOBRE A FISSURA PALATINA

UM NOVO OLHAR SOBRE A FISSURA PALATINA UM NOVO OLHAR SOBRE A FISSURA PALATINA Rita TONOCCHI 1 Gustavo NISHIDA 2 Adelaide H.P. SILVA 3 RESUMO: Analisando acusticamente dados de fala de um sujeito portador de fissura palatina e de um sujeito

Leia mais

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998.

48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA. BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 48 QUESTÕES E RESPOSTA DISCUTIDAS A PARTIR DO LIVRO LÍNGUA DE EULÁLIA BAGNO, Marcos. A língua de Eulália novela sociolinguística. Ed. Contexto, 1998. 1) Comentar a citação inicial de William Labov. R:

Leia mais

A PRONÚNCIA DAS CONSOANTES INGLESAS MAGALI ROSA DE SANT ANNA

A PRONÚNCIA DAS CONSOANTES INGLESAS MAGALI ROSA DE SANT ANNA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE LINGÜÍSTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SEMIÓTICA E LINGÜÍSTICA MAGALI ROSA DE SANT ANNA A PRONÚNCIA DAS CONSOANTES

Leia mais