UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS"

Transcrição

1 UM ESTUDO SOBRE A LÍNGUA KAXARARI DA FAMÍLIA PANO: ANÁLISE DE ALGUNS ASPECTOS FONOLÓGICOS Priscila Hanako Ishy 1 ; Gláucia Vieira Cândido 2 ; Lincoln Almir Amarante Ribeiro3 1 Bolsista PBIC /CNPq, graduanda do Curso de Letras, - UEG. 2 Orientador, docente do Curso de Letras, UnUCSEH/Anápolis UEG. 3 Co-orientador, professor aposentado do Departamento de Física da UFMG. Pesquisador do Grupo de Investigação Científica de Línguas Indígenas (GICLI). RESUMO Esta pesquisa tem como objeto de estudo a língua Kaxarari, pertencente à família lingüística Pano. A finalidade principal é estudar e investigar alguns aspectos fonológicos dessa língua, mais especificamente, objetiva-se descrever os inventários de fonemas consonantais e vocálicos, a partir dos discordantes quadros já levantados pelos pesquisadores dessa língua, e retratar alguns possíveis casos de alofonia. O motivo para isso é o fato de haver entre os poucos pesquisadores que estudaram essa língua algumas discordâncias no que se refere aos sistemas de fonemas propostos por cada um para a língua. Em vista disso, o presente trabalho foi proposto para analisar os dados fornecidos por esses estudiosos em suas investigações publicadas e para tentar encontrar, ou ao menos apontar, uma solução para a questão. Além disso, busca-se através deste estudo, indicar algumas outras características lingüísticas ainda não estudadas pelos demais pesquisadores, a saber, algumas ocorrências de alofonia na língua Kaxarari. Palavras-chave: Línguas Indígenas; Fonética e Fonologia; Família Pano; língua Kaxarari. INTRODUÇÃO A intenção desta pesquisa foi estudar a língua Kaxarari, falada por um grupo indígeno de mesmo nome, localizado em regiões do município de Labréa, no sudeste do Estado do Amazonas e no município de Porto Velho, a noroeste do Estado de Rondônia,. 1

2 Há também algumas famílias que vivem isoladamente em outras áreas. No âmbito acadêmico, a língua Kaxarari ainda é pouco conhecida, pois não há muitos estudiosos sobre ela. Ademais, a maioria desses estudiosos fixou seu trabalho na pesquisa fonológica da língua. Dentre os estudos fonológicos do Kaxarari, notou-se a existência de algumas disparidades entre os trabalhos disponíveis. A falta de acordo entre os pesquisadores se encontra nos quadros de sons da língua, o que tornou conveniente uma pesquisa que propusesse a resolução desse problema. Outro detalhe a se mencionar, é que nenhum dos trabalhos utilizados como fontes de informações apresentou dados sobre alofonias nessa língua, tanto no nível consonantal, quanto no vocálico. Dessa forma, os objetivos da pesquisa foram descrever os fonemas da língua Kaxarari e montar o quadro fonológico da mesma, além de investigar algumas possíveis ocorrências de alofones. MATERIAL E MÉTODOS A pesquisa desenvolveu-se na linha descritiva com abordagem sincrônica, visto que para a sua efetuação tomou-se como análise dados fonológicos expostos em trabalhos publicados por outros pesquisadores dessa língua. Os dados utilizados na pesquisa foram retirados de estudos realizados pelos seguintes pesquisadores da língua Kaxarari: Pickering (1973), Souza (1986), Lanes (2000), Sousa (2004) e Couto (2005). Para a obtenção dos resultados, foram utilizados alguns métodos e princípios fundamentais para a análise fonológica, tais como a verificação de ocorrência de contrastes em ambientes idênticos e também chamados de pares mínimos, procedimento este que se caracteriza por ser uma relação lingüística entre dois sons em que a diferença fonética correspondente a uma diferença de significado ou de estrutura fonológica ou gramatical (KINDELL, 1981), ou seja, consiste em investigar pares de palavras em que haja diferença de apenas um som entre ambas, mas que tenham um significado diferente. Para a descrição dos aspectos da fonologia Kaxarari, foi utilizada uma metodologia diferenciada, ainda não empregada por nenhum outro pesquisador, testada durante esse trabalho e à espera de comprovação quanto à sua eficácia. Esse método foi sugerido a fim 2

3 de determinar a fonologia de uma língua que já obtenha dados fornecidos por outros pesquisadores. Desse modo, cada pesquisador é considerado como se fosse um informante da língua estudada. Sabendo-se da competência e integridade dos pesquisadores, é aceitável supor que os dados de cada um fossem como que de uma mesma aldeia e de uma mesma época. Diante dessa metodologia, é possível que se faça uma análise lingüística, com todos os dados concedidos pelos pesquisadores, nos moldes tradicionais. Se essa metodologia vier a ser comprovada futuramente, acredita-se que também poderá ser usada no estudo de línguas já extintas, mas que ainda possuam registros confiáveis. Inicialmente, a pesquisa constituiu-se em estudos teóricos sobre análise lingüística, principalmente no que se refere à descrição fonológica de uma língua, tendo como fundamentos os estudos de Kindell (1981), Silva (1999) e Santos e Souza (2003). O segundo passo para a pesquisa foi listar todos os vocábulos descritos nos trabalhos dos estudiosos da língua Kaxarari. Posteriormente, os dados foram analisados a fim de encontrar pares mínimos, dentre todos os vocábulos, que comprovassem a existência de determinados fonemas Kaxarari. A partir da definição dos sons que fazem parte da língua Kaxarari, foi montado o quadro fonológico. Por último, foram apontadas algumas hipóteses de ocorrência de alofones, ou seja, casos em que um fone constitui-se em apenas uma variação de outro som. RESULTADOS E DISCUSSÃO Considerando os objetivos da pesquisa, o resultado foi primeiramente a apresentação de um novo quadro fonológico da língua Kaxarari em que as discordâncias entre os estudiosos da língua pudessem ser neutralizadas, além do início de um estudo sobre uma questão ainda não estudada, como é o caso dos alofones Kaxarari. Diante disso, após a catalogação de todos os fones da língua descritos pelos estudiosos, montou-se o quadro fonético com todos os sons registrados na língua Kaxarari, tanto consonantais, quanto vocálicos, como vistos nos quadros I e II, a seguir: 3

4 BILABIAL LÁBIO- DENTAL ALVEOLAR ÁLVEO- PALATAL RETRO FLEXO PALATAL VELAR GLOTAL OCLUSIVA π β κ / OCLUSIVA ϑ κϑ PALATALIZADA βϑ OCLUSIVA LABIALIZADA κω OCLUSIVA ASPIRADA Η OCLUSIVA PRÉ- VOCALIZADA β NASAL µ ν NASAL PALATALIZADA VIBRANTE TEPE Ρ AFRICADA σ Σ AFRICADA ASPIRADA ΣΗ FRICATIVA FRICATIVA LABIALIZADA Β φ ϖ νϑ ρ σ Σ Χ ξ η ΒΩ FRICATIVA PRÉ- VOCALIZADA Β APROXIMANTE ω ϕ APROX.IMANTE LATERAL λ Quadro I: Quadro Fonético da Língua Kaxarari os fones consonantais. Ω ANTERIOR CENTRAL POSTERIOR NÃO ARREDONDADA NÃO ARREDONDADA ARREDONDADA ORAL NASAL ORAL NASAL ORAL NASAL ORAL NASAL ALTO-FECHADO ι ι) ) ) υ υ) SEMI-FECHADO Ι Ι) MÉDIO-ALTO ε Φ Φ) ο MÉDIO Ε Ε_ ) MÉDIO-BAIXO ) ) SEMI-ABERTO Θ ) BAIXO α α) Quadro II: Quadro Fonético da Língua Kaxarari os fones vocálicos. 4

5 Depois da análise dos pares mínimos e da definição dos sons pertencentes ao sistema de fonemas da língua Kaxarari, pôde-se montar o quadro fonológico, também no nível consonantal e vocálico, o qual é apresentado nos quadros III e IV, a seguir: Quadro Quadro BILABIAL ALVEOLAR ÁLVEO- PALATAL RETRO FLEXO PALATAL VELAR GLOTAL OCLUSIVA π τ κ / NASAL µ ν VIBRANTE ρ AFRICADA τσ τσ FRICATIVA Β σ Σ η APROXIMANTE APROXIMANTE LATERAL ω λ Fonológico da Língua Kaxarari os fonemas consonantais. ϕ III: ARREDONDADO ORAL ORAL ORAL ALTO-FECHADO ι υ MÉDIO-FECHADO MÉDIO-ABERTO BAIXO α Quadro IV: Quadro Fonológico da Língua Kaxarari os fonemas vocálicos. Finalmente tem-se as sugestões dos possíveis casos de alofonia, em que se constatou que os fones [β], [ϖ], [Χ], [ξ], [ ], [φ], [Ρ], [ ] e [ο] poderiam ser alguns prováveis casos de alofonia, visto que estes sons ficaram fora do quadro de fonemas da língua. Isso ocorreu porque não foi possível encontrar pares mínimos e nem análogos que comprovassem sua existência no sistema de sons Kaxarari, impossibilitando suas comprovações como fonemas ou mesmo alofones da língua. Todavia, como se sabe, um dos princípios da análise fonológica é o de que os sons foneticamente semelhantes são, potencialmente, pronúncias alternantes de uma só unidade relevante do sistema de sons, o que os tornam alofones de um fonema (KINDELL, 1981). Tem-se, portanto, que os casos não resolvidos com pares mínimos podem ser alofones do Kaxarari. Visto que nenhum deles ocorre em todos os pesquisadores e, mesmo naqueles em que são descritos, poucas são suas ocorrências. 5

6 CONCLUSÃO Dentro dos limites possíveis para a realização de uma pesquisa com dados retirados de outros trabalhos já realizados sobre a língua Kaxarari, pôde-se definir o sistema de sons como fonemas dessa língua e indicar alguns casos de alofonia. Entretanto, como foram poucas as informações utilizadas e como não se obteve recursos que financiassem uma pesquisa de campo para maior exatidão dos dados, é preciso que se considerem parciais os resultados dessa pesquisa, já que estão passíveis de novas investigações e modificações a serem feitas futuramente em nível de mestrado. Portanto, a conclusão desse trabalho não encerra as investigações sobre o quadro fonológico e os alofones da língua Kaxarari, mas abre oportunidades para novas pesquisas na área. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA COUTO, A. Ortografia Kaxarari uma proposta. Porto Velho: SIL, KINDELL, G. E. Guia de Análise Fonológica. Brasília: Summer Institute of Linguistics, LANES, E. Mudança fonológica em línguas da Família Pano f. Dissertação (Mestrado em Lingüística. Área de concentração: Línguas Indígenas) Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, PICKERING, W. R. Vocabulário Kaxararí. SIL-SLM, v. 1, p , SANTOS, R. S.; SOUZA, P. C. Fonética. In: FIORIN, J. L. (org.) Introdução à Lingüística. II. Princípios de análises. São Paulo: Contexto, p Fonologia. In: FIORIN, J. L. (org.) Introdução à Lingüística. II. Princípios de análises. São Paulo: Contexto, p

7 SILVA, T. C. Fonética e Fonologia do Português. São Paulo: Contexto, SOUSA, G. C. Aspectos da Fonologia da Língua Kaxarari f. Dissertação (Mestrado em Lingüística) Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas: UNICAMP, SOUZA, I. C. de. Kaxarari (Família Pano). ALEM (ms.)

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNU DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS. Priscila Hanako Ishy UMA ANÁLISE FONOLÓGICA DA LÍNGUA KAXARARI (PANO)

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNU DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS. Priscila Hanako Ishy UMA ANÁLISE FONOLÓGICA DA LÍNGUA KAXARARI (PANO) UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNU DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS Priscila Hanako Ishy UMA ANÁLISE FONOLÓGICA DA LÍNGUA KAXARARI (PANO) ANÁPOLIS/GO 2009 2 PRISCILA HANAKO ISHY UMA ANÁLISE DA LÍNGUA

Leia mais

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo

Objetivo. Letras. Análise Linguística? Em que consiste? Estruturas fonológicas da língua portuguesa. Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Letras Prof a : Dr a. Leda Cecília Szabo Estruturas fonológicas da língua portuguesa Objetivo Entrar em contato com as características da análise fonológica. Conhecer os fonemas consonantais e vocálicos

Leia mais

A FONÉTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA

A FONÉTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA A FONÉTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA Ivete Carneiro Braz (Letras _ UEL) Geane Maria Marques Branco Sanches (Letras _ UEL) Dulce Meger Silveira Camargo (Letras _ UEL) Orientador:

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

/z/ depois [+vozeado] Além disso As crianças generalizam automaticamente com base em traços elas não aprendem primeiro de uma base fonema por fonema

/z/ depois [+vozeado] Além disso As crianças generalizam automaticamente com base em traços elas não aprendem primeiro de uma base fonema por fonema Fonética e Fonologia 24.900: Introdução à Linguagem anotações das aulas: semana de 04 de Março de 2002 Conjunto de Problemas # 4: Para Segunda-feira, 11/03/02 Apostila sobre o principal para a identificação

Leia mais

Fonêmica Preliminar da Língua Katukina (Páno)*

Fonêmica Preliminar da Língua Katukina (Páno)* Fonêmica Preliminar da Língua Katukina (Páno)* Flávia Leonel Falchi 1, Maria Suelí de Aguiar 2 Faculdade de Letras UFG flaviafalchi@hotmail.com, aguiarmarias@gmail.com PALAVRAS-CHAVE: Katukina (Páno),

Leia mais

Sons Vocais do Inglês Americano

Sons Vocais do Inglês Americano Sons Vocais do Inglês Americano Existem mais de 40 sons vocais no inglês americano que podem ser classificados de acordo com a forma básica em que são produzidos. Classe quanto á forma Vogais Fricativas

Leia mais

Caderno de Exercícios de Fonética e Fonologia

Caderno de Exercícios de Fonética e Fonologia Caderno de Exercícios de Fonética - Thaïs Cristófaro Silva - FALE UFMG thaiscristofaro@gmail.com 1 Caderno de Exercícios de Fonética e Fonologia Thaïs Cristófaro Silva Colaboração para elaborar respostas

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática -

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática - PLANO DE ENSINO LETRAS (PORTUGUÊS-INGLÊS) Turno: Noturno Currículo: 2003 INFORMAÇÕES BÁSICAS Período 2013/1 Natureza: Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS Teórica 60 Carga Horária Prática

Leia mais

Linguística 1. Segunda Avaliação (Turma C) Profa. Dra. Adelaide Silva 25 de junho de 2015

Linguística 1. Segunda Avaliação (Turma C) Profa. Dra. Adelaide Silva 25 de junho de 2015 Linguística 1 Segunda Avaliação (Turma C) Profa. Dra. Adelaide Silva 25 de junho de 2015 1. Observe os dados abaixo, relativos ao Guanano, língua falada na região noroeste do Amazonas (Brasil) e na região

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA

O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA O PROCESSO DE ASSIMILAÇÃO DA NASALIDADE DAS VOGAIS ORAIS NA FALA ANAPOLINA Vanilda Oliveira Coelho 1 ; Maria de Lurdes Nazário 1 ; Shirley Eliany Rocha Mattos 2 1 Pesquisadoras convidadas do Núcleo de

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Breve caracterização fonética de sons que

Leia mais

ASSIMILAÇÃO E RESTRIÇÃO: CONDICIONAMENTO DE CODA E ONSET COMPLEXO EM XAVANTE

ASSIMILAÇÃO E RESTRIÇÃO: CONDICIONAMENTO DE CODA E ONSET COMPLEXO EM XAVANTE APOIO: Este artigo está disponível para download no seguinte endereço: http://www.etnolinguistica.org/site:abralin2009 Todos os direitos reservados: ABRALIN EDITORAÇÃO ELETRÔNICA Magno Nicolau REALIZAÇÃO:

Leia mais

Português Brasileiro Cantado Questões técnicas e estéticas relacionadas às normas de pronúncia propostas para o canto erudito no Brasil

Português Brasileiro Cantado Questões técnicas e estéticas relacionadas às normas de pronúncia propostas para o canto erudito no Brasil Português Brasileiro Cantado Questões técnicas e estéticas relacionadas às normas de pronúncia propostas para o canto erudito no Brasil Wladimir Mattos EVPM, FUNDUNESP, Universidade Estadual Paulista Resumo

Leia mais

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 Mestranda Neliane Raquel Macedo Aquino (UFT) Resumo: A aprendizagem de uma língua estrangeira LE possibilita transferências

Leia mais

Índice. 1. A Pesquisa Quantitativa...3 2. A Produção Científica nas Diversas Áreas do Conhecimento...3

Índice. 1. A Pesquisa Quantitativa...3 2. A Produção Científica nas Diversas Áreas do Conhecimento...3 GRUPO 6.3 MÓDULO 17 Índice 1. A Pesquisa Quantitativa...3 2. A Produção Científica nas Diversas Áreas do Conhecimento...3 2.1. A Produção Científica... 3 2.2. Divulgação Científica... 3 2.3. Comunicação

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS E POSTÔNICAS MEDIAIS Fernando Antônio Pereira Lemos (CEFET-MG) RESUMO Este estudo retoma um tema bastante controverso na literatura: o alçamento das vogais médias

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 64 A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 Edson da Silva Santos e-mail: edsonsporte@hotmail.com Bolsista FAPESB, Bacharelando

Leia mais

mas respiratório, fonatório e articulatório e dos órgãos que constituem o aparelho fonador.

mas respiratório, fonatório e articulatório e dos órgãos que constituem o aparelho fonador. D.E.L.T.A., Vol. 16, N. 1, 2000 (183-188) RESENHA/REVIEW SILVA, THAÏS CRISTÓFARO. (1999) Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. São Paulo: Contexto. 254 p. Resenhado

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM LETRAS PROGRAMA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM LETRAS PROGRAMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM LETRAS PROGRAMA Disciplina Obrigatória FONOLOGIA, VARIAÇÃO E ENSINO Carga horária

Leia mais

Descrição e análise do sistema consonantal do português arcaico no Pergaminho Vindel

Descrição e análise do sistema consonantal do português arcaico no Pergaminho Vindel Descrição e análise do sistema consonantal do português arcaico no Pergaminho Vindel Daniel Soares da sta Av. Ferroviária nº 1420 Centro Ibitinga SP Brasil esumo. Este artigo descreve e analisa o sistema

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim 0. Considerações iniciais A Relação entre fonética e fonologia compreende uma relação de interdependência,

Leia mais

ENVIO DE TRABALHOS - APRESENTAÇÃO EM BANNER

ENVIO DE TRABALHOS - APRESENTAÇÃO EM BANNER XVII JORNADA DE BIOLOGIA BIOLOGIA A CIÊNCIA DA VIDA 11, 12 13 E 14 de novembro de 2009 Universidade de Rio Verde - Goiás ENVIO DE TRABALHOS - APRESENTAÇÃO EM BANNER NORMAS PARA FORMATAÇÃO E ENVIO DE TRABALHOS

Leia mais

Nonato, Rafael Bezerra. (2006). Fonética e fonologia do bororo 1.

Nonato, Rafael Bezerra. (2006). Fonética e fonologia do bororo 1. Nonato, Rafael Bezerra. (2006). Fonética e fonologia do bororo 1. 1. Introdução Neste artigo descrevo a fonética e a fonologia segmental, silábica e acentual da língua bororo. Tomo como base um banco de

Leia mais

APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS

APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS UNIVERSIDADE: Universidade Federal de Minas Gerais NÚCLEO DISCIPLINAR/COMITÊ ACADÊMICO: Lingüística, Letras e Artes TÍTULO DO TRABALHO: APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA: O CASO DA NASALIZAÇÃO DE VOGAIS

Leia mais

O ALTEAMENTO DA POSTÔNICA NÃO FINAL /O/ NO FALAR POPULAR DE FORTALEZA: UM OLHAR VARIACIONISTA

O ALTEAMENTO DA POSTÔNICA NÃO FINAL /O/ NO FALAR POPULAR DE FORTALEZA: UM OLHAR VARIACIONISTA O ALTEAMENTO DA POSTÔNICA NÃO FINAL /O/ NO FALAR POPULAR DE FORTALEZA: UM OLHAR VARIACIONISTA Aluiza Alves de Araújo (UECE) 1 aluizazinha@hotmail.com Brenda Kathellen Melo de Almeida (UECE) 2 brendakathellen@yahoo.com.br

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

Palavras chave: Interferência fonético/fonológica, Xerente, português, interlíngua, ensino, aquisição

Palavras chave: Interferência fonético/fonológica, Xerente, português, interlíngua, ensino, aquisição INTERFERÊNCIAS FONÉTICAS/FONOLÓGICAS DO XERENTE NA AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA Jeronilson de O. França, UnB Orientadora: Daniele Marcelle Grannier, UnB Resumo: O trabalho descreve, resumidamente,

Leia mais

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

Sociedade Educacional da Paraíba - SEDUP Faculdades de Ensino Supeior da Paraíba - FESP

Sociedade Educacional da Paraíba - SEDUP Faculdades de Ensino Supeior da Paraíba - FESP Sociedade Educacional da Paraíba - SEDUP Faculdades de Ensino Supeior da Paraíba - FESP REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TCC CURSO DE DIREITO DA FESP FACULDADES Ultima versão 21/08/2012 CAPÍTULO

Leia mais

definido, cujas características são condições para a expressão prática da actividade profissional (GIMENO SACRISTAN, 1995, p. 66).

definido, cujas características são condições para a expressão prática da actividade profissional (GIMENO SACRISTAN, 1995, p. 66). A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES PROFISSIONAIS DE ESTUDANTES DE PEDAGOGIA Rita de Cássia de Alcântara Braúna UFV/MG - rbrauna@ufv.br Agência Financiadora: FAPEMIG e CNPq Introdução Pesquisas na área da formação

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA A PARTIR DA VIVÊNCIA NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO

EVASÃO ESCOLAR EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA A PARTIR DA VIVÊNCIA NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO EVASÃO ESCOLAR EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA A PARTIR DA VIVÊNCIA NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO Everton Pereira da Silva Departamento de Geografia

Leia mais

ESTUDO DOS FUNDAMENTOS PSICOLÓGICOS DO ENSINO NAS PRODUÇÕES ACADÊMICAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: O CASO DA UNICAMP

ESTUDO DOS FUNDAMENTOS PSICOLÓGICOS DO ENSINO NAS PRODUÇÕES ACADÊMICAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: O CASO DA UNICAMP ESTUDO DOS FUNDAMENTOS PSICOLÓGICOS DO ENSINO NAS PRODUÇÕES ACADÊMICAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: O CASO DA UNICAMP Roberta Gurgel Azzi UNICAMP Ana Paula Américo da Silva UNICAMP Priscila Larocca UEPG

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes R E P U B L I C A Ç Ã O R E S O L U Ç Ã O N.º 143/2011 CI / CCH CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 27/08/2012. João Carlos Zanin, Secretário

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes e Alto Douro Artigo 1º Objeto O presente regulamento define um conjunto de normas e orientações dos Cursos de Língua Estrangeira

Leia mais

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO.

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO. O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO. Duarte, Karina. Rossi, Karla. Discentes da faculdade de ciências Humanas/FAHU. Rodrigues, Fabiana. Docente da faculdade de ciências Humanas/FAHU.

Leia mais

A influência da escrita na pronúncia do português falado por japoneses

A influência da escrita na pronúncia do português falado por japoneses A influência da escrita na pronúncia do português falado por japoneses (The influence of writing on the pronunciation of Portuguese spoken by Japanese) Gustavo Massami Nomura 1 1 Departamento de Letras

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

ANÁLISE!ACÚSTICA!DA!VIBRANTE!MÚLTIPLA!/r/!NO!ESPANHOL!E!EM! DADOS!DE!UM!APRENDIZ!CURITIBANO!DE!ESPANHOL!COMO!LÍNGUA! ESTRANGEIRA!

ANÁLISE!ACÚSTICA!DA!VIBRANTE!MÚLTIPLA!/r/!NO!ESPANHOL!E!EM! DADOS!DE!UM!APRENDIZ!CURITIBANO!DE!ESPANHOL!COMO!LÍNGUA! ESTRANGEIRA! Curitiba,Vol.2,nº2,jan.2jun.2014ISSN:231821028REVISTA(VERSALETE ANÁLISEACÚSTICADAVIBRANTEMÚLTIPLA/r/NOESPANHOLEEM DADOSDEUMAPRENDIZCURITIBANODEESPANHOLCOMOLÍNGUA ESTRANGEIRA ACOUSTIC(ANALYSIS(OF(THE(MULTIPLE(VIBRANT(/r/(IN(SPANISH(AND(

Leia mais

3.2 MATERIAL DIDÁTICO

3.2 MATERIAL DIDÁTICO A comparação do presencial e do virtual: um estudo de diferentes metodologias e suas implicações na EAD André Garcia Corrêa andregcorrea@gmail.com Universidade Federal de São Carlos Resumo. O presente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS NOME DA DISCIPLINA: FONÉTICA E FONOLOGIA TURMAS D e E PROFESSOR RESPONSÁVEL: ISRAEL ELIAS TRINDADE CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 64 CARGA

Leia mais

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição DIFICULDADES INERENTES À COMPILAÇÃO DE UM CORPUS ORAL DE INFORMANTES BRASILEIROS APRENDIZES DE INGLÊS PARA O PROJETO LINDSEI-BR 1. Introdução Predomina, atualmente, a utilização de corpora de falantes

Leia mais

AS INTERFERÊNCIAS FONOLÓGICAS NO INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA OS FALANTES DO PORTUGUÊS DO BRASIL

AS INTERFERÊNCIAS FONOLÓGICAS NO INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA OS FALANTES DO PORTUGUÊS DO BRASIL Eliana Vogel Jaeger AS INTERFERÊNCIAS FONOLÓGICAS NO INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA PARA OS FALANTES DO PORTUGUÊS DO BRASIL Resumo Magali Rosa de Sant Anna Este texto baseia-se na análise fonológica contrastiva

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES Karem Nacostielle EUFRÁSIO Campus Jataí karemnacostielle@gmail.com Sílvio Ribeiro DA SILVA

Leia mais

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática

A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática A importância dos Registros de Representação Semiótica no Ensino da Matemática PROF. MS. JOSÉ JOÃO DE MELO (josejoaomelo@gmail.com) PROF ESP. AUGUSTO RATTI FILHO (gutoratti@outlook.com.br) PROF DR. ROGERIO

Leia mais

Fonética Articulatória: Consoantes

Fonética Articulatória: Consoantes 1. Conceitos Básicos Fonética Articulatória: Consoantes Seung Hwa Lee Introdução aos Estudos linguísticos I 1) Estudos de sons Fonética vs. Fonologia Fonética articulatória Produção Fonética acústica Fonética

Leia mais

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Gerusa PEREIRA (UNISUL) ABSTRACT: The present

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica O BOM PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA E A SUA RELAÇÃO COM OS MÉTODOS DE ENSINO Ângela Cristina de Jesus Jancitsky 1 ; Marília Moreira de Souza 1 ; Pollyanna Morais Espíndola 2 ; Ms. Marcelo da Silva Pericoli

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

permanência dos alunos na escola e as condições necessárias para garantir as aprendizagens indispensáveis para o desenvolvimento dos alunos e sua

permanência dos alunos na escola e as condições necessárias para garantir as aprendizagens indispensáveis para o desenvolvimento dos alunos e sua DESATANDO NÓS DA ORTOGRAFIA: um estudo com alunos da Educação de Jovens e Adultos Profa. Dra. Maria José dos Santos; Profa. Ms. Lívia Abrahão do Nascimento; Graduanda Ionice Barbosa de Campos; Graduanda

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR

A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR Página94 A DITONGAÇÃO DAS SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS NOS FALARES BLUMENAUENSE E PORTO-ALEGRENSE: UMA ANÁLISE PRELIMINAR Cristiane Gonçalves Uliano 1 Maria Fernanda Silva de Carvalho 2 Marina da Costa

Leia mais

CALENDÁRIO - PED ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA INGLESA Grupo 096 - Maio/2012 CursoID 423 - GradeID 521

CALENDÁRIO - PED ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA INGLESA Grupo 096 - Maio/2012 CursoID 423 - GradeID 521 Grupo 85 - CALENDÁRIO - PED ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA INGLESA CursoID 423 - GradeID 521 Estrutura do Calendário Antes de utilizar o Calendário do Curso, leia atentamente o Manual do Aluno de EAD para que

Leia mais

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Laureilton José Almeida BORGES¹; Warley Alves Coutinho CHAVES¹; Júlio César Benfenatti FERREIRA 2 ; Adriana Giarolla VILAMAIOR 2 ¹ Estudante de Engenharia

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA nº 01/2011 Conselho Setorial / Colegiado do Curso

RESOLUÇÃO CONJUNTA nº 01/2011 Conselho Setorial / Colegiado do Curso UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FACULDADE DE DIREITO RESOLUÇÃO CONJUNTA nº 01/2011 Conselho Setorial / Colegiado do Curso Regulamenta a elaboração e a defesa de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. O Colegiado

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1

CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1 CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1 Carla Cristina MARINHO 2. Sadao OMOTE 3. Faculdade de Filosofia e Ciências,

Leia mais

Fonética articulatória. Fones consonantais

Fonética articulatória. Fones consonantais Fonética articulatória Fones consonantais Consoantes Segmentos/fones que são produzidos por meio de alguma constrição no aparelho fonador impedindo momentaneamente ou dificultando a passagem da corrente

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO

A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO Vilmara Luiza Almeida Cabral UFPB/Campus IV Resumo: O presente relato aborda o trabalho desenvolvido no projeto de intervenção

Leia mais

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA PAULO, João Pedro Antunes de Universidade Estadual de Goiás UnU de Iporá jpadepaula@hotmail.com RESUMO Esta pesquisa foi feita

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

Abordagem da vogal [e] sozinha e em base de ditongo a partir da análise experimental. Adriano de Souza Dias (UERJ e FEUDUC)

Abordagem da vogal [e] sozinha e em base de ditongo a partir da análise experimental. Adriano de Souza Dias (UERJ e FEUDUC) Abordagem da vogal [e] sozinha e em base de ditongo a partir da análise experimental. Adriano de Souza Dias (UERJ e FEUDUC) Introdução Este trabalho que desenvolvemos acerca da vogal [e] sozinha e em posição,

Leia mais

NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA NA UEPG

NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA NA UEPG 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

Aula 8 Circuitos Integrados

Aula 8 Circuitos Integrados INTRODUÇÃO À ENGENHRI DE COMPUTÇÃO PONTIFÍCI UNIVERSIDDE CTÓLIC DO RIO GRNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHRI ula Circuitos Integrados Introdução Portas Lógicas em Circuitos Integrados Implementação de Funções

Leia mais

A revista científica Mercatus Digital convida a comunidade acadêmica a enviar trabalhos para a publicação de seu primeiro número.

A revista científica Mercatus Digital convida a comunidade acadêmica a enviar trabalhos para a publicação de seu primeiro número. Mercatus Digital Chamada de Trabalhos Volume 1, Número 1 A revista científica Mercatus Digital convida a comunidade acadêmica a enviar trabalhos para a publicação de seu primeiro número. O objetivo principal

Leia mais

EDITAL 001/2015 SIMPÓSIO REGIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - RESÍDUOS SÓLIDOS MOSTRA DE PROJETOS

EDITAL 001/2015 SIMPÓSIO REGIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - RESÍDUOS SÓLIDOS MOSTRA DE PROJETOS EDITAL 001/2015 SIMPÓSIO REGIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - RESÍDUOS SÓLIDOS Tema: TRATAMENTO DE RESÍDUOS MOSTRA DE PROJETOS As Universidades parceiras: FATEC de Mogi Mirim- Arthur de Azevedo, Faculdade

Leia mais

Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015

Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015 Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015 1. Descrição Este programa procura desenvolver nos estudantes de graduação

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina MUS1530T1 - Dicção I

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina MUS1530T1 - Dicção I Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina MUS1530T1 - Dicção I Docente(s) Wladimir Farto Contesini de Mattos Unidade Instituto de Artes Departamento Departamento de Música Créditos 4 60 Carga Horaria

Leia mais

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLETRAS UFGRS) acssuems@gmail.com Reúno aqui a resenha de três textos que foram muito importantes para a minha formação sociolinguística.

Leia mais

Contribuçoes para o projeto de revitalizaçao da lingua indigena kyikatêjê na amazônia paraense

Contribuçoes para o projeto de revitalizaçao da lingua indigena kyikatêjê na amazônia paraense Pereira Machado Soares, Eliane; Rodrigues Brito, Áustria Contribuçoes para o projeto de revitalizaçao da lingua indigena kyikatêjê na amazônia paraense V Jornadas Internacionales de Investigación en Filología

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia RESOLUÇÃO Nº 023/2010-CTC CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 26/03/2010. Maria Celenei de Oliveira Secretária Aprova Regulamento do componente

Leia mais

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO

Leia mais

Metodologia Científica Aula 1. Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com

Metodologia Científica Aula 1. Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com Metodologia Científica Aula 1 Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com Bibliografia: http://pesquisaemeducacaoufrgs.pbworks. com/w/file/fetch/64878127/willian%20cost a%20rodrigues_metodologia_cientifica

Leia mais

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça Metodologia Científica Metodologia Científica Conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas de aquisição

Leia mais

Proposta de um software para geração de arranjos físicos planejados

Proposta de um software para geração de arranjos físicos planejados Proposta de um software para geração de arranjos físicos planejados Débora Cristina de Souza RODRIGUES1; Matheus Soares NAMETALA2; Rafaela Leite das CHAGAS3.Ciniro Aparecido Leite NAMETALA4; Wemerton Luís

Leia mais

Língua Portuguesa I: fonética e fonologia. Língua Portuguesa I: fonética e fonologia

Língua Portuguesa I: fonética e fonologia. Língua Portuguesa I: fonética e fonologia 9 788576 387640 IESDE Brasil S.A. Al. Dr. Carlos de Carvalho, 1482. CEP: 80730-200 Batel - Curitiba - PR. 0800 708 88 88 www.iesde.com.br Língua Portuguesa I: fonética e fonologia Fundação Biblioteca Nacional

Leia mais

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS Mais informações: Site PIBID: http://www.pibid.ufrn.br/ Site LEM/UFRN: http://www.ccet.ufrn.br/matematica/lemufrn/index.html E-mail do LEM/UFRN: lem2009ufrn@yahoo.com.br

Leia mais

OS JOGOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÌNGUA ESTRANGEIRA

OS JOGOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÌNGUA ESTRANGEIRA OS JOGOS E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÌNGUA ESTRANGEIRA Flávio de Ávila Lins Teixeira Universidade Federal da Paraíba/ PIBID/ Letras-Inglês/ Supervisor Resumo: Esse trabalho objetiva analisar algumas

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRAS CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES E PROGRAMA Edital nº 74, de NOVEMBRO de 2015, publicado no Diário Oficial da União nº 211, de 05

Leia mais

Estudos sobre Educação Bilíngue e Escolarização em Cenários de Minorias Linguísticas

Estudos sobre Educação Bilíngue e Escolarização em Cenários de Minorias Linguísticas Estudos sobre Educação Bilíngue e Escolarização em Cenários de Minorias Linguísticas Jefferson Machado BARBOSA 1 CAVALCANTI, M. Estudos sobre Educação Bilíngue e Escolarização em contextos de minorias

Leia mais

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás COSTA, Bianca Ribeiro Morais OLIVEIRA, Eliane Carolina de Universidade Federal de Goiás- UFG Programa de

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO UNIDADE ACADÊMICA: CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO UNIDADE ACADÊMICA: CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO UNIDADE ACADÊMICA: CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO LETRAS DISCIPLINA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ÍNGUA PORTUGUESA II PROFESSOR: ANO LETIVO: RONALDO

Leia mais