Plano Estratégico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Estratégico 2008-2020"

Transcrição

1 Plano Estratégico

2 SUMÁRIO Plano Estratégico-02 APRESENTAÇÃO 3 VISÃO SISTÊMICA 6 COMPOSIÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO 8 BASE ESTRATÉGICA 9 Missão 9 Visão 9 Princípios 8 Bandeiras 9 MAPA ESTRATÉGICO DO SEAC-GO 13 Valores para as Empresas e Sociedade 14 Perspectiva Financeira/Organização 12 Perspectivas de Processos Internos 13 Perspectiva de Aprendizado e Crescimento 17 PROJETOS ESTRATÉGICOS 19 2

3 APRESENTAÇÃO Plano Estratégico-02 O SEAC-GO Sindicato das Empresas de Asseio, Conservação, Limpeza Urbana e Terceirização de Mão-de-Obra do Estado de Goiás, tem como principal propósito, legalmente estabelecido, defender interesses nas diferentes instâncias e Poderes, de modo a contribuir para a proteção e a longevidade das empresas representadas e, como papel complementar, oferecer produtos e serviços que permitam melhorar sua sustentabilidade. O Plano Estratégico é uma ferramenta de gestão na qual são definidos e divulgados os anseios do SEAC-GO, desde sua razão de existir e seus princípios éticos até os sonhos de longo prazo, passando por objetivos, metas e ações que devem ser realizadas para que a entidade alcance seus propósitos. No SEAC-GO essa ferramenta foi construída com base no Plano Estratégico da CNC, mantendo alinhamento com as diretrizes fundamentadas nos VI e VII Congressos do Sicomercio, ocorridos em 2002 e 2004, e consolidadas no evento 2020: Um futuro de excelência, que formatou o Mapa Estratégico do Sistema, com a presença das principais lideranças sindicais do setor no Rio de Janeiro, em novembro de O Plano Estratégico foi revisado no dia 13/03/2010, alteração da missão, visão e bandeiras, inserção da política da qualidade, exclusão do objetivo número 7 - Interiorização do SEAC Goiás, atualização projetos e suas metas, dando continuidade ao desafio iniciado em 02 de junho de Edgar Segato Neto - Presidente Lélio Vieira Carneiro - Vice-Presidente Ivan Hermano Filho - Diretor para Assuntos Jurídicos Benedito Sinédrio de Siqueira - Diretor de Assuntos Sindicais Antônio Ailton Mendes Diretor Adjunto Pedro Mariano - Delegado na Federação 3

4 Valdivino Reis de Melo Diretor Executivo Denise Leal de Souza Tannús Assessora Jurídica Neuza Vaz Gonçalves de Melo Assessora Jurídica Rousilene Correa de Carvalho Secretária Executiva Camilla Nóbrega Miranda Lopes Secretária Rogério Antônio Gouvêa Corrêa Suporte de T. I. Helena da Silva Pereira - Associada Alisson de Melo Cavalvante Oliveira - Associado Leonardo Ottoni Vieira - Associado Paulo Gonçalves da Silva - Associado Mauro César Ribeiro - Associado Antônio Pádua Martins - Associado Lídio de Miranda Fagundes Filho - Associado Jevair Batista de Carvalho - Associado REVISÃO O Plano Estratégico foi revisado e alterado nos dias 13/03/2010 e 31/01/2011, dando continuidade ao desafio iniciado em 02 de junho de Responsáveis pelas alterações: Aliomar de Oliveira Castro Associado André Luiz Costa Machado Associado Antônio Maureni de Andrade Associado Danila Lina Assessora de Imprensa Edgar Segato Neto Associado Francisco Antônio Durães de Castro - Associado Ivan Hermano Associado Jorge Tibiriçá Couto Rincon Assessor Jurídico José Elcino R. Bueno Associado 4

5 Lélio Vieira Carneiro Associado Leonardo Ottoni Associado Luciano Hércules Freire - Associado Marilda de Melo Lelis Auxiliar de Serviços Gerais Marta Izabete de Souza Silva Associada Odailton José de Sousa Associado Odílio de França Associado Paulo Gonçalves Associado Pedro Cruz - Associado Rogério Antônio Gouvêa Corrêa Operador de T. I. Rousilene Corrêa de Carvalho Gerente Executiva Sebastião Divino de Souza Associado Valdivino Reis de Melo Diretor Executivo O Plano Estratégico está detalhadamente descrito neste documento, configurando as principais diretrizes do SEAC-GO para o período , que devem servir como orientadoras para a ação das lideranças e dos executivos da entidade. SEAC-GOIÁS/ 2020: EXCELÊNCIA NA GESTÃO SINDICAL 5

6 EDGAR SEGATO NETO PRESIDENTE VISÃO SISTÊMICA O SEAC-GO integra o Sistema CNC, que atua em todo o País representando as empresas do comércio de bens, serviços e turismo, promovendo educação profissional e qualidade de vida para os trabalhadores do setor terciário e para a sociedade por meio das entidades: Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo 34 Federações Estaduais e Nacionais filiadas 878 Sindicatos das empresas do comércio de bens, serviços e turismo 2 Departamentos Nacionais - Sesc e Senac 6

7 54 Departamentos Regionais - Sesc e Senac 851 Unidades Operacionais - Sesc e Senac 7

8 COMPOSIÇÃO DO PLANO ESTRATÉGICO O formato do Plano Estratégico é inspirado nos principais modelos e autores da administração. A Base Estratégica é composta por elementos permanentes que norteiam as ações do SEAC-GO, enquanto o Balanced Scorecard (BSC) descreve e monitora sua estratégia. 8

9 BASE ESTRATÉGICA Plano Estratégico-02 Missão do SEAC Goiás Assegurar às empresas de asseio, conservação, limpeza urbana e terceirização de mão-de-obra do Estado de Goiás as melhores condições para gerarem resultados positivos e contribuir para o desenvolvimento da categoria representada. A partir da assertiva de que o desenvolvimento do País se dá pelo empreendedorismo, a razão de ser do SEAC-GO é assegurar às empresas representadas as condições necessárias para alcançar resultados de excelência com sustentabilidade e crescimento. Visão do SEAC Goiás Liderar a comunidade empresarial do setor de asseio, conservação, limpeza urbana e terceirização de mão-de-obra do Estado de Goiás, atuando com reconhecida influência no desenvolvimento do Estado. Ser líder é estar presente no cotidiano do empresário representado, defendendo seus interesses e os da sociedade civil, superando suas expectativas. A intenção do SEAC-GO é ampliar cada vez mais suas ações com qualidade e abrangência, contribuindo para o desenvolvimento do Estado. 9

10 POLÍTICA DA QUALIDADE Plano Estratégico-02 1 Representar com excelência os interesses das empresas de asseio, conservação, limpeza urbana e terceirização de mão-deobra do Estado de Goiás; 2 Contribuir pela moralização e respeito da atividade, com ética, credibilidade e resposta rápida às necessidades de seus representados e da sociedade; 3 Prestar serviços com transferência de vantagens aos seus representados; 4 - Desenvolver junto aos representados, ações de responsabilidade social, crescimento sustentável e meio ambiente; 5 Melhorar continuamente o sistema de gestão da qualidade, propiciando a participação e o crescimento das pessoas envolvidas. 10

11 Princípios do SEAC Goiás Ação pelo propósito: Agiremos sempre motivados pelo propósito maior (bem-estar da sociedade como um todo) e nunca pelo medo, que paralisa ou nos leva a distorção em nosso próprio modo de ser (autoproteção e isolamento que nos impedem de honrar a vida em nós e em tudo ao nosso redor). Busca de harmonia: Nossa responsabilidade é contribuir para perfeita harmonia nas organizações e no seu entorno, zerando os conflitos e a competição predatória. Seremos sempre muito criativos na busca de "soluções ganha-ganha", no exercício de nosso trabalho e em nossas relações. Todos os conflitos e divergências sempre resolvemos tendo por base o propósito maior das organizações, o qual será sempre invocado como o principal guia na resolução de diferenças de opinião e de cursos de ação. Sempre prevalecerão a opinião e o curso de ação mais alinhados ao propósito maior. Consciência em ação: Seremos hoje e sempre um exemplo vivo do que há de melhor no ser humano. Nossa consciência é o nosso melhor guia nos momentos decisivos. Em nosso íntimo, nós sempre saberemos o que o nosso "melhor eu" deve fazer. Fazemos tudo com consciência, praticando empatia com todos os envolvidos e todos que poderão ser afetados por nossa decisão. Nosso melhor estado: Atuamos sempre a partir de nosso "melhor eu" e nunca de nosso "menor eu". Nossa responsabilidade é de sempre atuar em nosso melhor estado: físico, mental, emocional, espiritual. E lembramos sempre: nosso "melhor eu" atua sempre pelo bem-estar de todos; o "menor eu", só o melhor para si. Foco na verdade: Atuamos sempre apoiados na verdade, na realidade real, e nunca em ilusões e percepções distorcidas da realidade. Nossa responsabilidade é sempre trazer as verdades à mesa de decisões para assegurar o melhor para a vida e para o todo. Responsabilidade pelo todo: É nossa responsabilidade estarmos conectados, envolvidos (não alienados), participantes e ativos junto ao time maior que constitui a organização. O espírito é de responsabilidade compartilhada , por meio do qual todos assumem 100% da responsabilidade pela resolução dos problemas. Pró-soluções: Somos sempre pró-soluções e canalizamos nossa energia para o construtivo, o antecipativo e o preventivo. Evitamos desperdiçar energia e talento criticando o que não está bom e nos perdendo em diagnósticos após o fato. Saímos do sintomático e vamos sempre à causa das causas. Equilíbrio de interesses: Não permitimos que nenhum interesse pessoal/parcial domine deliberações nem controle decisões. A estrutura de governança delega autoridade para que haja diálogos e deliberações entre iguais. Não tomamos nenhuma decisão até que todos os diretamente afetados por ela tenham sido ouvidos. Autonomia nas pontas: Não tomamos nenhuma decisão nem realizamos nenhuma função se ela puder ser realizada razoavelmente bem por outra parte mais periférica (da "ponta" da organização). Fazemos tudo aquilo que só nós podemos fazer. Auto-organização: Todos os participantes têm o direito de se auto-organizarem a qualquer momento e em qualquer escala em torno de atividades, de acordo com os propósitos e princípios. 11

12 Bandeiras do SEAC Goiás Plano Estratégico-02 Moralização e respeito à atividade Gestão eficaz Fortalecimento da representatividade Racionalização dos tributos Liberdade individual e coletiva na relação de emprego Combate à informalidade e luta pela longevidade das empresas Qualificação profissional Busca constante do equilíbrio capital e trabalho Responsabilidade social 12

13 MAPA ESTRATÉGICO DO SEAC GOIÁS MISSÃO Assegurar às empresas de asseio, conservação, limpeza urbana e terceirização de mão-de-obra do Estado de Goiás as melhores condições para gerarem resultados positivos e contribuir para o desenvolvimento da categoria representada. VALORES PARA AS EMPRESAS E SOCIEDADE Plano Estratégico-02 VISÃO Liderar a comunidade empresarial do setor de asseio, conservação, limpeza urbana e terceirização de mão-de-obra do Estado de Goiás, atuando com reconhecida influência no desenvolvimento do Estado. PROCESSOS INTERNOS 4 1 Defesa dos interesses do setor com ética e independência Atuar em prol das causas do setor representado 5 Ampliar e fortalecer a 6 Oferecer serviços e informações essenciais para a vitalidade das empresas 8 base de empresas associadas Representatividade 2 Serviços e influência sobre Mercado Desenvolvimento de competências empresariais com visão global 7 Desenvolver práticas de gestão para busca da excelência Promover a interação com outras entidades Gestão Interna 3 Garantir estrutura econômica sólida, a fim de assegurar sustentabilidade interna e benefícios para o setor FINANCEIRA E ORGANIZAÇÃO APRENDIZADO E CRESCIMENTO Estimular a participação das Garantir ferramentas de TI Desenvolver adequadas às necessidades empresas associadas o pleno potencial da equipe do dos processos sindicato Gestão de Pessoas Capital da Informação Capital Organizacional 13

14 Valores para as Empresas e Sociedade Plano Estratégico-02 Estabelece as principais expectativas dos clientes do SEAC-GO que serão prioritariamente atendidas. 1 2 Defesa dos interesses Desenvolvimento do setor com ética e independência de competências empresariais com visão global 1 Defesa dos interesses do setor com ética e independência A luta constante por causas justas que se somam em prol do interesse coletivo das empresas representadas é uma marca do SEAC-GO. É expectativa de nossos empresários-acionistas que estejamos sempre à frente nas batalhas necessárias ao alcance da nossa Missão, atuando sob valores éticos inquestionáveis, com próatividade, independência política e de forma convergente. Indicador: Número de ações junto aos poderes constituídos que busquem resultados favoráveis aos interesses das empresas associadas Meta Meta 2011 Meta

15 2 Desenvolvimento de competências empresariais com visão global A busca pela excelência é condição de sustentabilidade no mercado. O SEAC-GO tem o compromisso de contribuir para que as empresas estejam preparadas para a competitividade por meio do desenvolvimento dos empresários executivos e corpo gerencial. Indicadores: Meta 2010 Meta 2011 Meta 2020 Número de eventos para Desenvolvimento de Empresários, Executivos e Gerentes das empresas associadas Quantidade de Promoção de eventos (congressos, workshop, outros) convidando/ facilitando a participação de empresas não associadas da categoria

16 Perspectiva Financeira/Organização Define as expectativas do SEAC-GO em termos de desempenho econômico e financeiro. A carga tributária elevada do País gera pressão da sociedade por racionalização de impostos, taxas e contribuições. Nesse ambiente, o binômio ampliação de serviços x ganhos de produtividade é vital para garantir a auto-sustentação do SEAC-GO, permitindo investimentos e benefícios para as empresas representadas. 3 Garantir estrutura econômica sólida, a fim de assegurar sustentabilidade interna e benefícios para o setor Indicadores: Meta 2010 Meta 2011 Meta 2020 Índice de crescimento do Superávit SEAC-GO 5% 20% 25% 16

17 Perspectivas de Processos Internos Relaciona os processos em que precisamos ser excelentes para satisfazer as expectativas das empresas e da sociedade. 4 Atuar em prol das causas do setor representado 5 Ampliar e fortalecer a base de empresas associadas Representatividade 6 Oferecer serviços e informações essenciais para a vitalidade das empresas Serviços e Influência sobre Mercado 7 Desenvolver práticas de gestão para busca da excelência 8 Promover a interação com outras entidades Gestão Interna 17

18 4 As empresas representadas e a sociedade carecem de Atuar em prol das causas condições mais justas para o desenvolvimento do País. O do setor SEAC-GO tem o dever de contribuir por meio da representado representatividade efetiva, defendendo os interesses dos empresários e da sociedade. Representatividade Plano Estratégico-02 Indicadores: Meta 2010 Meta 2011 Meta 2020 Número de Membros do Sindicato em eventos de Confederações, Federações, Associações de Classe, Políticos, Sociais e outros de interesse da Categoria Número de Entidades com representantes do Sindicato nas Diretorias Número de Representantes do Sindicato nas Diretorias Índice de participação das empresas associadas nas assembléias do sindicato 75% 65% 90% 5 Ampliar e fortalecer a base de empresas associadas Representatividade O ponto-chave para a representação de um sindicato está na composição da sua base de empresas associadas. É necessário que o SEAC-GO promova ações para demonstrar a seus associados às vantagens e resultados a serem obtidos por meio de atuação coletiva, articulada e integrada, sempre agindo com dinamismo e pró-atividade. Indicador: Meta 2010 Meta 2011 Meta 2020 Índice de crescimento do quadro de empresas associadas 10% 5% 20% 18

19 6 Oferecer serviços e informações essenciais para a vitalidade das empresas Serviços e influência sobre Mercado Plano Estratégico-02 O alto nível de competitividade exige que as empresas tenham informações indispensáveis e utilizem serviços essenciais aos negócios. É papel do SEAC-GO mapear necessidades e apoiar o desenvolvimento das empresas, prestando as informações e os serviços requeridos. Indicadores: Meta 2010 Meta 2011 Meta 2020 Número de Convênios disponíveis aos associados do SEAC-GO Quantidade de novos serviços para os associados do SEAC-GO Índice de satisfação das empresas associadas que recebem os serviços oferecidos pelo SEAC-GO 70% 90% 95% 7 A complexidade do Sistema CNC requer um alto nível de Desenvolver autonomia, ancorada na orientação estratégica e no práticas de gestão para busca alinhamento dos processos. Para tanto, o SEAC-GO de excelência utilizará as melhores tecnologias de gestão de forma a contribuir para que o Sistema atinja objetivos comuns de forma harmônica. Gestão Interna Indicador: Meta 2010 Meta 2011 Meta 2020 Quantidade total de pontos alcançados no SEGS 180 Pontos 350 Pontos 500 Pontos 19

20 8 Promover a interação com outras entidades É papel do SEAC-GO estimular a complementariedade das ações pela interação com CNC, federações, sindicatos, entidades do Sistema S, instituições de ensino, fundações, terceiro setor e outras entidades de classe. Gestão Interna Indicador: Meta 2010 Meta 2011 Meta 2020 Número de ações de interação realizadas pelo SEAC-GO envolvendo outras entidades

21 Perspectiva de Aprendizado e Crescimento Plano Estratégico-02 Define os objetivos do SEAC-GO quanto ao desenvolvimento das pessoas, das bases tecnológicas e da cultura organizacional Garantir ferramentas 11 Estimular a participação das de TI adequadas às empresas associadas necessidades dos processos Desenvolver o pleno potencial da equipe do sindicato Gestão de Pessoas Capital da Informação Capital Organizacional 09 Estimular a participação das empresas associadas Gestão de Pessoas A representatividade do SEAC-GO é resultante da atuação voluntária das lideranças empresariais e sindicais. Buscar a participação das empresas associadas nas atividades desenvolvidas é o desafio do SEAC-GO para dar a sustentação requerida à representatividade efetiva. Indicadores: Meta 2010 Meta 2011 Meta 2020 Número de Empresas associadas presentes em eventos do Sindicato

22 10 Garantir ferramentas de TI adequadas às necessidades dos processos Capital da Informação A tecnologia da informação (TI) está em constante evolução. O SEAC-GO pretende que o uso das ferramentas de TI seja intensificado, acompanhando as tendências de mercado e gerando cultura organizacional. Plano Estratégico-02 Indicador: Meta 2010 Meta 2011 Meta 2020 Índice de processos do Sindicato com tecnologia adequada 65% 65% 100% 11 Desenvolver o pleno potencial da equipe do sindicato Capital Organizacional Quanto mais capacitados e vocacionados estiverem os colaboradores do SEAC-GO, maior o grau de precisão na execução de seus processos, assegurando o atendimento às expectativas dos clientes e a efetiva contribuição para o cumprimento da sua Missão. Cabe ao SEAC-GO fomentar o desenvolvimento das capacidades e o direcionamento adequado das vocações das pessoas, com base nas melhores práticas do mercado. Indicadores: Meta 2010 Meta 2011 Meta 2020 Quantidade Média de horas de treinamento por funcionário do sindicato 48 H 58 H 60 H Índice de Cumprimento do Plano Anual de Treinamento 80% 80% 100% Quantidade de Benefícios disponibilizados para os colaboradores do sindicato

23 PROJETOS ESTRATÉGICOS As ações que o SEAC-GO deve implementar para atingir os objetivos e metas traçados estão divididas em Projetos (desdobrados da CNC). Projetos 01 - Código de Ética 02 - Ações empreendedoras de interesse coletivo 03 - Treinamentos / Aperfeiçoamento - Especialização 04 - Sustentabilidade Econômica 05 - Satisfazendo Clientes 06 - Rumo a excelência 07 - Melhoria da Tecnologia da Informação 23

24 Projetos Projeto Nº: 01 Título do Projeto: Código de Ética Descrição do Projeto: Comissão de Ética para Código de Ética Responsável: Presidência / Comissão de Ética a ser definida Data Início: 11 / 08 /08 Data Conclusão: 31/12 /2012 Projeto Nº: 02 Título do Projeto: Ações Empreendedoras de Interesse Coletivo Descrição do Projeto: Presença nos eventos de Confederações, Federações, Associações de Classe, Políticos, Sociais e outros de interesse da Categoria Presença nas Diretorias de Confederações, Federações e Associações de Classe e, representação junto a órgãos governamentais Promoção de eventos (congressos, workshop, outros) convidando/ facilitando a participação de empresas não associadas da categoria. Responsável: Presidência Data Início: 11 / 08 /08 Data Conclusão: 30/04/

25 Projeto Nº: 03 Título do Projeto: Treinamentos / Aperfeiçoamento - Especialização Descrição do Projeto: Capacitação dos Funcionários do Sindicato Valorização dos funcionários do Sindicato por meio da disponibilização de benefícios oferecidos, abrangendo: plano de saúde, plano/ serviço odontológico e outros. Responsável: Presidência / Diretoria Data Início: 11 / 08 /08 Data Conclusão: 31/12/2020 Projeto Nº: 04 Título do Projeto: Sustentabilidade Econômica Descrição do Projeto: 4.1. Garantia da adimplência associativa por tempo indeterminado Garantia do equilíbrio custo X benefício dos serviços oferecidos pelo Sindicato. Responsável: Diretoria Data Início: 11/08/08 Data Conclusão: 31/12/

26 Projeto Nº: 05 Título do Projeto: Satisfazendo Clientes Descrição do Projeto: 5.1. Criação do Site do SEAC-GO para divulgar informações visando integrar a participação das empresas Ampliação da Assessoria Jurídica; 5.3. Criação de convênios com empresas que venham oferecer produtos e serviços relacionados à categoria; 5.4. Criação de novos serviços a serem oferecidos aos associados. Responsável: Diretoria Data Início: 11/ 08/08 Data Conclusão: 31/12/2020 Projeto Nº: 06 Título do Projeto: Rumo a Excelência Descrição do Projeto: 6.1. Implementação do SEGS Sistema de Excelência em Gestão Sindical nos sindicatos. Responsável: Secretária Executiva e Diretoria Data Início: 11/08/2008 Data Conclusão: 31/12/2020 Projeto Nº: 07 Título do Projeto: Melhoria da Tecnologia da Informação Descrição do Projeto: 7.1. Implementação dos processos, equipamentos e softwares necessários para a otimização da gestão do Sindicato. Responsável: Diretoria Data Início: 01/09/2008 Data Conclusão 31/12/

27 Existe um tempo para melhorar, para se preparar e planejar; igualmente existe um tempo para partir para a ação. Amyr Klink Consultora Responsável: Magda de Paula Explain Institute Consultoria Organizacional Ltda CRA PJ Goiânia/Goiás. 27

Sindicato do Comércio Varejista de Veículos e de Peças e Acessórios para Veículos no Estado de Goiás CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO SINCOPEÇAS-GO

Sindicato do Comércio Varejista de Veículos e de Peças e Acessórios para Veículos no Estado de Goiás CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO SINCOPEÇAS-GO CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO SINCOPEÇAS-GO SUMÁRIO APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO 1. MISSÃO, VISÃO E PRINCÍPIOS 2. VALORES PARA AS EMPRESAS E SOCIEDADE 3. PERSPECTIVAS FINANCEIRA E ORGANIZAÇÃO 4. PERSPECTIVAS DE

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4 Planejamento Estratégico do Sindicato Caderno de Orientações para Outubro de 2008 Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Leia mais

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13 A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas 15 ago 13 Associação Iniciativa formal ou informal que reúne pessoas físicas ou jurídicas com objetivos comuns, visando superar

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

O Sistema de Excelência em Gestão Sindical (Segs)

O Sistema de Excelência em Gestão Sindical (Segs) em Gestão Rumo à em Gestão 2014 Confederação Nacional do Comércio Qualquer parte desta publicação pode ser reproduzida, desde que citada a fonte. Disponível também em: http://www.cnc.org.br/servicos/servicos-para-sindicatos-e-federacoes/

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019. Versão 0 1.0

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019. Versão 0 1.0 PETI Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019 Versão 0 1.0 Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019 Presidente Luiz Otávio Pimentel Vice-Presidente Mauro Sodré

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Este material resulta da reunião de fragmentos do módulo I do Curso Gestão Estratégica com uso do Balanced Scorecard (BSC) realizado pelo CNJ. 1. Conceitos de Planejamento Estratégico

Leia mais

Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração

Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração Marta Suplicy Ministra da Cultura Ana Cristina Wanzeler Secretária-Executiva Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração Paulo Cesar Kluge Coordenador-Geral de Tecnologia

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS MENSAGEM DO PRESIDENTE O cooperativismo vive seu momento de maior evidência. O Ano Internacional das Cooperativas, instituído

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DO MAPA

GESTÃO ESTRATÉGICA DO MAPA GESTÃO ESTRATÉGICA DO MAPA Apresentação Geral Brasília, Setembro de 2006 1 AGENDA ORIGEM E OBJETIVOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA NO MAPA PARTICIPANTES DO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO FASES E CRONOGRAMA DO PROJETO

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional

Associativismo a modernização do sindicalismo nacional A união faz a força O dito popular encaixa-se como uma luva quando o assunto é associativismo o assunto em pauta no meio sindical. As principais confederações patronais do País estão investindo nessa bandeira

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução Nossos Valores Artigo 1º Premissa Artigo 2º Objetivos e Valores Artigo 3º Sistema de Controle Interno Artigo 4º Relação com os Stakeholders / Partes Interessadas 4.1 Acionistas

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DO PRESIDENTE O Código de Conduta Ética das Empresas Concremat contempla os princípios que devem estar presentes nas relações da empresa com seus colaboradores, clientes,

Leia mais

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL 1) INTRODUÇÃO SUGESTÕES Ao longo dos seus vinte e oito anos e com a experiência de centenas de administrações que

Leia mais

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares Capítulo 4 Balanced Scorecard Disciplina : Avaliação de Desempenho Prof. Robson Soares À medida que são verificados os diversos conceitos e concepções ligados a avaliação de desempenho, torna-se necessário

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO Atualizado em 30/12/2015 GESTÃO DE DESEMPENHO A gestão do desempenho constitui um sistemático de ações que buscam definir o conjunto de resultados a serem alcançados

Leia mais

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras VAMOS ACABAR COM A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NAS RODOVIAS BRASILEIRAS parceria estratégica parceria técnica Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com 1. Introdução Após décadas de incontáveis promessas sobre como aumentar à produtividade e qualidade de software,

Leia mais

MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014.

MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014. MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014. OBJETIVO O presente manual se destina a orientar a diretoria da ACIBALC, quanto à administração de suas pastas, o gerenciamento

Leia mais

Balanced Scorecard INTRODUÇÃO

Balanced Scorecard INTRODUÇÃO Balanced Scorecard Transformando a teoria em prática Nairson de Oliveira Drª Rosemeire Guzzi Sampaulo INTRODUÇÃO Somente 10% das empresas conseguem executar suas estratégias Fortune Na maioria dos fracassos

Leia mais

Módulo 5. Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios

Módulo 5. Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios Módulo 5 Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios Implementando BSC para um negócio específico O BSC é uma estrutura para desenvolvimento

Leia mais

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO 6. DIRETRIZES

Leia mais

Educação Corporativa no TCU. Vilmar Agapito Teixeira Diretor de Desenvolvimento de Competências Instituto Serzedello Corrêa

Educação Corporativa no TCU. Vilmar Agapito Teixeira Diretor de Desenvolvimento de Competências Instituto Serzedello Corrêa Educação Corporativa no TCU Vilmar Agapito Teixeira Diretor de Desenvolvimento de Competências Instituto Serzedello Corrêa Programa de Formação AUFC-TEFC 2009 Blog de concurseiro Para consultores, combinar

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Atualização do Regimento de 2012 Porto Alegre, março de 2015 Faculdade de Tecnologia de Porto Alegre Av. Julio de Castilhos,

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

Prof. João Peres joao.peres@fgv.br 55 11 99744-6880

Prof. João Peres joao.peres@fgv.br 55 11 99744-6880 Prof. João Peres joao.peres@fgv.br 55 11 99744-6880 SUMÁRIO Abertura Planejamento Estratégico Inteligência Estratégica Preditiva Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI Gestão e Governança As imagens

Leia mais

O GERENTE DE PROJETOS

O GERENTE DE PROJETOS O GERENTE DE PROJETOS INTRODUÇÃO Autor: Danubio Borba, PMP Vamos discutir a importância das pessoas envolvidas em um projeto. São elas, e não os procedimentos ou técnicas, as peças fundamentais para se

Leia mais

Planejamento Estratégico 2014-2023. Autores Diretoria da Anpcont com base em consulta aos Programas Associados

Planejamento Estratégico 2014-2023. Autores Diretoria da Anpcont com base em consulta aos Programas Associados Planejamento Estratégico 2014-2023 Autores Diretoria da Anpcont com base em consulta aos Programas Associados Objetivos Clarificar as novas diretrizes e objetivos da Associação, face aos crescentes desafios

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2.

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2. Aprovado ' Elaborado por Renata Filardi/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Verificado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Aprovado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 ÁREA DGL Tipo MANUAL Número

Leia mais

Gestão de Economias com o Serviço de Tratamento de Esgoto Melhorias no Processo para a Universalização do Saneamento.

Gestão de Economias com o Serviço de Tratamento de Esgoto Melhorias no Processo para a Universalização do Saneamento. Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS Gestão de Economias com o Serviço de Tratamento de Esgoto Melhorias no Processo para a Universalização do Saneamento.

Leia mais

BSC Balance Score Card

BSC Balance Score Card BSC (Balance Score Card) BSC Balance Score Card Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Uma das metodologias mais visadas na atualidade éobalanced ScoreCard, criada no início da década de 90 por Robert

Leia mais

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 Processo de Avaliação e Acompanhamento de Empreendimentos Pré-Incubados Utilizando Balanced Scorecard Perez, Celso Roberto Instituto

Leia mais

RESUMO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO SESCOOP/AM

RESUMO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO SESCOOP/AM RESUMO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO SESCOOP/AM MISSÃO DO SESCOOP Promover o desenvolvimento do Cooperativismo de forma integrada e sustentável, por meio da formação profissional, da promoção social e

Leia mais

PROGRAMA: GRAVIDEZ SAUDÁVEL, PARTO HUMANIZADO

PROGRAMA: GRAVIDEZ SAUDÁVEL, PARTO HUMANIZADO PROGRAMA: GRAVIDEZ SAUDÁVEL, PARTO HUMANIZADO BOM PROGRESSO- RS 2009 PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM PROGRESSO Administração: Armindo Heinle CNPJ. 94726353/0001-17 End. Av. Castelo Branco, n 658 Centro CEP:

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 017/2008

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 017/2008 DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 017/2008 Regulamenta a criação de Empresas Juniores na Universidade de Taubaté. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, na conformidade do Processo n R-057/2007, nos Artigos 6 a 8, 81 ( 1 ) e

Leia mais

O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean. I. Círculo de Kaizen: objetivos, estrutura, vínculos com os negócios e benefícios

O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean. I. Círculo de Kaizen: objetivos, estrutura, vínculos com os negócios e benefícios O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean Marino Kishida* As empresas que iniciaram a jornada lean frequentemente empolgam-se com os ganhos iniciais de produtividade, produção, qualidade, redução

Leia mais

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL MANUAL DE RESPONSABILIDADE Definição: A responsabilidade socioambiental é a responsabilidade que uma empresa ou organização tem com a sociedade e com o meio ambiente além das obrigações legais e econômicas.

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

Código de Ética LLTECH

Código de Ética LLTECH Código de Ética LLTECH Quem somos A LLTECH é uma empresa que oferece soluções inovadoras para automação e otimização de processos industriais, fornecendo toda a parte de serviços e produtos para automação

Leia mais

MANUAL DE GOVERNANÇA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO COMPETITIVO PARA A CADEIA DE VALOR DA INDÚSTRIA NACIONAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL

MANUAL DE GOVERNANÇA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO COMPETITIVO PARA A CADEIA DE VALOR DA INDÚSTRIA NACIONAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL 1 MANUAL DE GOVERNANÇA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO COMPETITIVO PARA A CADEIA DE VALOR DA INDÚSTRIA NACIONAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL OBJETIVOS DO MANUAL Elaborar Manual de Governança Específico para cada

Leia mais

As principais competências que farão a diferença para os líderes 2016-17. KM Coaching Desenvolvendo Performance para Aumento de Resultados

As principais competências que farão a diferença para os líderes 2016-17. KM Coaching Desenvolvendo Performance para Aumento de Resultados As principais competências que farão a diferença para os líderes 2016-17 KM Coaching Desenvolvendo Performance para Aumento de Resultados Katya Mangili Atua como Coach de Carreira e Liderança. É sócia

Leia mais

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF.

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

Rio de Janeiro Avenida General Justo, 307 CEP: 20021-130 Rio de Janeiro PABX (21) 3804-9200 E-mail: cncrj@cnc.com.br

Rio de Janeiro Avenida General Justo, 307 CEP: 20021-130 Rio de Janeiro PABX (21) 3804-9200 E-mail: cncrj@cnc.com.br Rio de Janeiro 2011 2010 Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo Qualquer parte desta publicação pode ser reproduzida, desde que citada a fonte. Confederação Nacional do Comércio

Leia mais

Contador 2.0 CONTADOR 2.0: MODELOS DE NEGÓCIOS CONTÁBEIS DE ALTO VALOR. Imagens: depositphotos.com. Roberto Dias Duarte

Contador 2.0 CONTADOR 2.0: MODELOS DE NEGÓCIOS CONTÁBEIS DE ALTO VALOR. Imagens: depositphotos.com. Roberto Dias Duarte Contador 2.0 CONTADOR 2.0: MODELOS DE NEGÓCIOS CONTÁBEIS DE ALTO VALOR Imagens: depositphotos.com www.robertodiasduarte.com.br facebook.com/imposticida contato@robertodiasduarte.com.br Nossa "prosa" SPED

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

Unidade Ribeirão Preto -SP

Unidade Ribeirão Preto -SP Unidade Ribeirão Preto -SP Gestão Estratégica de Controladoria O papel da controladoria na gestão estratégica de uma empresa Curriculum Luís Valíni Neto Técnico Contábil Administrador de Empresas pela

Leia mais

MANIFESTO ABENEFS: Alinhando a formação inicial em Educação Física às necessidades do setor saúde

MANIFESTO ABENEFS: Alinhando a formação inicial em Educação Física às necessidades do setor saúde Associação Brasileira de Ensino da Educação Física para a Saúde MANIFESTO : Alinhando a formação inicial em Educação Física às necessidades do setor saúde INTRODUÇÃ O A Associação Brasileira de Ensino

Leia mais

Plano de Comunicação: Projeto Tecnologias Sociais Para Empreendimentos Solidários da UNISINOS 1

Plano de Comunicação: Projeto Tecnologias Sociais Para Empreendimentos Solidários da UNISINOS 1 Plano de Comunicação: Projeto Tecnologias Sociais Para Empreendimentos Solidários da UNISINOS 1 Cassandra BRUNETTO 2 Deisi BUENO 3 Marina MARTINS 4 Tatiane FLORES 5 Vera Regina SCHMITZ 6 Universidade do

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg Valores & Princípios Grupo Freudenberg C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o Nossos Princípios & Conduta e Comportamento 3 Os Nossos Princípios e o documento de

Leia mais

Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho?

Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho? Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho? Nossa Empresa A MasterQual é uma consultoria brasileira que tem como principal

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CAMARAS TEMÁTICAS

ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CAMARAS TEMÁTICAS ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CONSELHOR CONSULTIVO CONSELHO FISCAL CAMARAS TEMÁTICAS COMÉRCIO VAREJISTA ALIMENTAÇÃO SAÚDE HABITAÇÃO SERVIÇOS TURISMO E HOSPITALIDADE

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V.

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V. REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP SEÇÃO I Da Estrutura Organizacional e Funcionamento da Subseção I Da Direção Subseção II Das Gerências Executivas Subseção III Do

Leia mais

A Gestão por Competências (Conhecimentos, Habilidades e Resultados) no Ambiente de Trabalho

A Gestão por Competências (Conhecimentos, Habilidades e Resultados) no Ambiente de Trabalho A Gestão por Competências (Conhecimentos, Habilidades e Resultados) no Ambiente de Trabalho (*) Karine Luiza Rezende Silva Araújo e (**) Marco Antônio Vieira Gomes 1. INTRODUÇÃO: A Gestão por Competências

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SOROCABA

UNIVERSIDADE DE SOROCABA UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO EM RECURSOS HUMANOS Alessandra dos Santos Silva Helenice Moraes Rosa Roseneia Farias Gazoli Valdilene Batista de Lima O QUE PODEMOS APRENDER

Leia mais

Aplicativo. Inteligência de Mercado para a Indústria

Aplicativo. Inteligência de Mercado para a Indústria Aplicativo Inteligência de Mercado para a Indústria VERSÃO II ANO/2012 O aplicativo Inteligência de Mercado da Indústria, produzido pela Fiesp, é uma ferramenta para potencializar o sucesso nos negócios!

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DR.SOLON TAVARES PLANO DE AÇÃO PARA DIREÇÃO DA ESCOLA TRIÊNIO 2016/2018 LÚCIO RENATO DE OLIVEIRA

ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DR.SOLON TAVARES PLANO DE AÇÃO PARA DIREÇÃO DA ESCOLA TRIÊNIO 2016/2018 LÚCIO RENATO DE OLIVEIRA ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DR.SOLON TAVARES PLANO DE AÇÃO PARA DIREÇÃO DA ESCOLA TRIÊNIO 2016/2018 LÚCIO RENATO DE OLIVEIRA GUAIBA 2015 APRESENTAÇÃO Lúcio Renato de Oliveira Licenciatura

Leia mais

Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC)

Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC) ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gestão da Estratégia com uso do BSC Conteúdo para impressão Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC) Brasília 2014

Leia mais

Unidade III ORIENTAÇÃO E PRÁTICA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO EM AMBIENTES ESCOLARES E NÃO ESCOLARES. Prof. Tarciso Oliveira

Unidade III ORIENTAÇÃO E PRÁTICA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO EM AMBIENTES ESCOLARES E NÃO ESCOLARES. Prof. Tarciso Oliveira Unidade III ORIENTAÇÃO E PRÁTICA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO EM AMBIENTES ESCOLARES E NÃO ESCOLARES Prof. Tarciso Oliveira 7. A gestão da educação em ambientes não escolares A pedagogia como ciência da educação

Leia mais

AGENDA. 5ª Edição. Hotel Staybridge. Realização:

AGENDA. 5ª Edição. Hotel Staybridge. Realização: AGENDA 5ª Edição D? 06 de Maio de 2015 Hotel Staybridge Realização: w w w.c o r p b us i n e s s.c o m.b r Patrocínio Gold Patrocínio Bronze Apoio Realização: APRESENTAÇÃO C GESTÃO DE PESSOAS: DESAFIOS

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

PROGRAMA TV ESCOLA - PROJETO DE GESTÃO COMPARTILHADA 1999/2000

PROGRAMA TV ESCOLA - PROJETO DE GESTÃO COMPARTILHADA 1999/2000 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA-SEED DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA -DEPEAD COORDENAÇÃO DE PLANEJAMENTO EM EAD/COPEAD. PROGRAMA TV ESCOLA - PROJETO DE

Leia mais

Ações Empresariais com Agregação de Valor

Ações Empresariais com Agregação de Valor GESTÃO CORPORATIVA Ações Empresariais com Agregação de Valor Heleni de Mello Fonseca Diretora de Gestão Empresarial 1 ESTRATÉGIA EMPRESARIAL DA CEMIG 2003/2006 Alinhada ao direcionamento do Sócio Majoritário,

Leia mais

De 2014 a 2016 Relatório do Planejamento Estratégico

De 2014 a 2016 Relatório do Planejamento Estratégico De 2014 a 2016 Relatório do Planejamento Estratégico Presidente Renan Tibúrcio presidencia@fejemg.org.br (35) 9961-9256 Vice-Presidente Pedro Vargas vicepresidencia@fejemg.org.br (31) 9287-6437 Assessor

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL

GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL Renato Paraquett Fernandes Mestrando do Programa de Pós-Graduação e Engenharia Civil/Produção da Universidade

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável

Desenvolvimento Sustentável Desafios para as lideranças na criação de ambientes favoráveis à leitura Lucila Martínez Cáceres Educadora, Mestre em Biblioteconomia e Informação Especialização em Desenvolvimento Sustentável Local e

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO E TECNOLÓGICO CONSELHO DIRETOR

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO E TECNOLÓGICO CONSELHO DIRETOR PROGRAMA DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO E TECNOLÓGICO CONSELHO DIRETOR TERMO DE ABERTURA Preparado por: Cláudio França de Araújo Gestor do Programa CD Aprovado por: Ricardo Antônio de Arruda Veiga Representante

Leia mais

Como se viu, a base dessa estruturação foram os Eixos Referenciais, que passaremos a descrever:

Como se viu, a base dessa estruturação foram os Eixos Referenciais, que passaremos a descrever: Conforme se pode inferir da publicação Planejamento Estratégico do Sistema Profissional 2009-2014: O Sistema Profissional é composto por organizações - com identidade e características próprias que devem

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional ROTEIRO PPT DICA: TREINE ANTES O DISCURSO E AS PASSAGENS PARA QUE A APRESENTAÇÃO FIQUE BEM FLUIDA E VOCÊ, SEGURO COM O TEMA E COM A FERRAMENTA. Para acessar cada uma das telas,

Leia mais

2012 Diretoria de Planejamento. Sara Cecin - Padrão Consultoria e Treinamento cecin@terra.com.br 51 9806 7169

2012 Diretoria de Planejamento. Sara Cecin - Padrão Consultoria e Treinamento cecin@terra.com.br 51 9806 7169 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO da SBGC-RS 2012 Diretoria de Planejamento Tema Estratégico x Visão e Missão Reconhecimento nacional como referência na transformação de conhecimento em valor Desenvolvimento de

Leia mais

RELATÓRIO EXECUTIVO. 1. Objetivos da pesquisa (geral e específicos).

RELATÓRIO EXECUTIVO. 1. Objetivos da pesquisa (geral e específicos). RELATÓRIO EXECUTIVO Este relatório executivo mostra resumidamente a pesquisa realizada pelo mestrando JOSÉ BEZERRA MAGALHÃES NETO, com forma de atender à exigência acadêmica como requisito complementar

Leia mais

RECURSOS HUMANOS COMO FATOR DE EFICÁCIA ORGANIZACIONAL

RECURSOS HUMANOS COMO FATOR DE EFICÁCIA ORGANIZACIONAL RECURSOS HUMANOS COMO FATOR DE EFICÁCIA ORGANIZACIONAL Por quê o lado humano dos negócios está emergindo como uma indispensável vantagem competitiva? Era Industrial Taylor e Fayol Era do Conhecimento Tecnologia

Leia mais

Gestão Estratégica de Pessoas

Gestão Estratégica de Pessoas Gestão Estratégica de Pessoas MBA FGV 1 Grandes Decisões sobre Pessoas Fatores que Garantem o Resultado As Tendências e Perspectivas de Gestão de Pessoas em Saúde Gestão de Pessoas e o Balanced Score Card

Leia mais

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Módulo 2 Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Origem do BSC Cenário Competitivos CONCORRENTE A CONCORRENTE C VISÃO DE FUTURO ESTRATÉGIA

Leia mais

Automação de back-office Estratégia e gestão financeira Melhoria de processos e indicadores

Automação de back-office Estratégia e gestão financeira Melhoria de processos e indicadores Automação de back-office Estratégia e gestão financeira Melhoria de processos e indicadores 01 A Inside foi fundada com o objetivo de levar fundamentos de estratégia e gestão às empresas que buscam crescer

Leia mais

NEGOCIANDO MELHOR & VENDENDO MAIS

NEGOCIANDO MELHOR & VENDENDO MAIS O mundo NEGOCIANDO MELHOR & VENDENDO MAIS 1 O - TREINAMENTO INTERATIVO DO BRASIL corporativo vem se transformando de uma forma acelerada e contínua, fazendo com que executivos, gestores e empresários se

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. BADESUL Desenvolvimento S.A- Agência de Fomento 0800 642 6800 - Rua Gen. Andrade Neves, 175 - Porto Alegre - RS - CEP: 90010-210

CÓDIGO DE ÉTICA. BADESUL Desenvolvimento S.A- Agência de Fomento 0800 642 6800 - Rua Gen. Andrade Neves, 175 - Porto Alegre - RS - CEP: 90010-210 CÓDIGO DE ÉTICA Introdução O Código de Ética do BADESUL explicita os valores éticos que regem o desempenho de sua missão: Contribuir para o desenvolvimento econômico e social do Rio Grande do Sul, através

Leia mais

Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2

Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Índice Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Prefácio --------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Os Conceitos Fundamentais da Excelência

Os Conceitos Fundamentais da Excelência Os Conceitos Fundamentais da Excelência Os Conceitos Fundamentais são princípios que estão subjacentes ao Modelo de Excelência e esboçam o alicerce da excelência organizacional. Alcançar Resultados Equilibrados

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 07/2011 - CFA - Plenário

ACÓRDÃO Nº 07/2011 - CFA - Plenário ACÓRDÃO Nº 07/2011 - CFA - Plenário 1. PARECER TÉCNICO CETEF Nº 04/2011, de 20/07/2011. 2. EMENTA: Obrigatoriedade de registro das empresas de Treinamento nos Conselhos Regionais de Administração. 3. RELATOR:

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica

Planejamento e Gestão Estratégica Planejamento e Gestão Estratégica O Governo de Minas estabeleceu como um dos eixos norteadores da suas políticas públicas a eficiência na utilização dos recursos e a oferta de serviços com qualidade cada

Leia mais

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe O guia do profissional de Recursos Humanos Como melhorar o desenvolvimento da equipe 1 Introdução 03 Conhecendo as dores do seu time 05 Investir nos colaboradores! 08 Estabelecendo metas 11 A meditação

Leia mais

GESTÃO DO DESEMPENHO EM GESTÃO DE PESSOAS NA ESFERA PÚBLICA

GESTÃO DO DESEMPENHO EM GESTÃO DE PESSOAS NA ESFERA PÚBLICA GESTÃO DO DESEMPENHO EM GESTÃO DE PESSOAS NA ESFERA PÚBLICA SONIA RIOS Economista / Administradora de Empresas Gestão Privada e Pública / Psicóloga Consultora Empresarial Especialista em Gestão Estratégica

Leia mais

Caro(a)s voluntário(a)s. é

Caro(a)s voluntário(a)s. é Os Caro(a)s voluntário(a)s. é com satisfação que apresentamos cinco na temática do empreendedorismo que vocês poderão implementar junto aos alunos das escolas parceiras: Introdução ao Mundo dos Negócios,

Leia mais

Melhorando a governança: Umaexperiênciapráticade evoluçãoinstitucional. Novembro de 2015

Melhorando a governança: Umaexperiênciapráticade evoluçãoinstitucional. Novembro de 2015 Melhorando a governança: Umaexperiênciapráticade evoluçãoinstitucional Novembro de 2015 CONCEITO DE GOVERNANÇA A governança pública é a capacidade que os governos têm de avaliar, direcionar e monitorar

Leia mais

DECRETO Nº 56.074, DE 9 DE AGOSTO DE 2010

DECRETO Nº 56.074, DE 9 DE AGOSTO DE 2010 DECRETO Nº 56.074, DE 9 DE AGOSTO DE 2010 Institui o Programa Paulista de Petróleo e Gás Natural, cria o Conselho Estadual de Petróleo e Gás Natural do Estado de São Paulo e dá providências correlatas

Leia mais