Utilizando Scrum em projetos off-shore

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Utilizando Scrum em projetos off-shore"

Transcrição

1 Utilizando Scrum em projetos off-shore Jônathas Diógenes Castelo Branco 1,2, Ciro Carneiro Coelho 2, Carlo Giovano S. Pires 1,2 1 Secrel International, Rua Chico Lemos, 946, Fortaleza CE, Brasil 2 Instituto Atlântico, Rua Chico Lemos, 946, Fortaleza CE, Brasil {jonathas, ciro, Resumo As metodologias ágeis para desenvolvimento de software têm recebido grande atenção da indústria devido ao seu foco na obtenção de resultados concretos em curtos espaços de tempo. Entre essas metodologias, uma das mais destacadas é o Scrum, que tem sido largamente utilizado no gerenciamento de projetos de software. Com o aumento da quantidade de projetos com equipes distribuídas, especialmente projetos offshore, essas metodologias tiveram que ser adequadas às novas características desse tipo de projeto. Este artigo apresenta um relato de experiência no uso de Scrum em projetos offshore, ressaltando as vantagens percebidas. 1. Introdução As metodologias ágeis para desenvolvimento de software têm recebido grande atenção da indústria devido ao seu foco na obtenção de resultados concretos em curtos espaços de tempo. Entre essas metodologias, uma das mais destacadas é o Scrum [1]. Devido às suas características de buscar uma comunicação baseada mais na interação entre as pessoas, ao invés de documentação, as metodologias ágeis foram vistas, inicialmente, como inadequadas para uso em projetos com equipes distribuídas [2]. Entretanto, com o crescimento do número de projetos com equipe distribuída, devido principalmente ao crescente mercado de offshore, a necessidade de adequar as metodologias ágeis a essa realidade suscitou uma série de estudos que mostram como suprir essa deficiência [4, 5, 6]. Este artigo apresenta um relato do uso de Scrum em projetos off-shore, com equipes distribuídas, na Secrel International, descrevendo como as práticas de Scrum foram utilizadas nesse contexto específico. O artigo está estruturado em outras quatro seções, além desta introdução: a seção 2 apresenta uma descrição geral do Scrum, a seção 3 descreve o uso de Scrum em projetos off-shore, a seção 4 apresenta algumas conclusões do trabalho e a seção 5 lista as referências utilizadas 2. SCRUM Scrum é uma metodologia ágil para gerenciamento de projetos que utiliza um modelo de ciclo de vida iterativo e incremental [3]. Scrum foi criado por Jeff Sutherland e Ken Schwaber [1] apartir do jogo de rugby e tornou-se mais popular após ter sido utilizado com sucesso pela Toyota [7]. Antes de iniciar a descrição do que consiste o Scrum, é importante salientar que, como uma metodologia ágil, ele valoriza mais princípios e valores do que processos e modelos rígidos. Dentre alguns destes princípios de Scrum, podemos citar: Entregue cedo, Entregue freqüentemente Entregar o mais cedo possível o produto ao cliente para obter seu feedback o mais cedo possível no ciclo de vida do produto, e manter uma alta freqüência de entregas para continuar obtendo um constante feedback do cliente. Timebox Empregar ciclos de tamanho curtos e pré-estabelecidos, nos quais a equipe se compromete a entregar o máximo de funcionalidade e sem interferências externas. Learn as you go / Escopo flexível Mudanças de escopo são bem vindas à medida que o cliente vê o progresso do desenvolvimento do produto e provê feedback à equipe. Nem todos os requisitos são conhecidos no início do projeto, e muitos só são definidos bem posteriormente, em conjunto com o cliente.

2 Aprende-se mais sobre a lógica de negócio à medida que o produto é desenvolvido. Cronograma flexível Metodologias ágeis entendem que risco e mudanças são inevitáveis e podem acontecer a qualquer momento. Equipes pequenas, unidas e auto-gerenciáveis Em geral recomenda-se até 9 membros por equipe, podendo um projeto ter múltiplas equipes. Tais equipes passam a ser mais produtivas com o tempo e à medida que se conhecem. Além disso, são incentivadas a tomar decisões e atuar diretamente na resolução de problemas, ao invés de esperar que seja dito o que fazer. Revisões freqüentes o progresso da equipe é revisado tão freqüentemente quanto a complexidade e os riscos ditarem. Rápidas reuniões, em geral diariamente, chamadas de Scrum meetings, são empregadas para esse efeito. Qualidade A equipe deve se empenhar em realizar toda e qualquer tarefa com a qualidade que é desejada para o produto final. Scrum estabelece atividades e artefatos bem definidos para o gerenciamento do projeto, conforme pode ser visto na Figura 1. Figura 1 Ciclo do SCRUM [8] O principal responsável por guiar a equipe nessas atividades é o Scrum Master. O Scrum Master é o papel responsável por [9]: Enfatizar a visão e os objetivos do projeto e das iterações (sprints); Assegurar que os valores e práticas do Scrum estão sendo seguidos; Fazer a mediação entre a gerência e a equipe do projeto; Acompanhar o progresso e remover os obstáculos; Conduzir as reuniões diárias e as revisões dos sprints. O ponto de partida para o gerenciamento de projetos com Scrum é o estabelecimento de um Product Backlog. O Product Backlog é uma lista de requisitos priorizada pelo Product Owner, que é um especialista no negócio que representa o cliente. Essa lista é elaborada com base na visão e nos objetivos do projeto. Os requisitos no Product Backlog são priorizados de acordo com critérios acordados com o Product Owner, tais como importância do requisito para o negócio do cliente. Entretanto, em certos casos, apesar um item do backlog ser muito importante para o cliente, sua prioridade pode ser revista devido a restrições e dependência relacionadas a fatores nãocontroláveis, tais como legislação, eventos externos ou dependências tecnológicas. A complexidade dos itens do Product Backlog é estimada pela equipe utilizando técnicas colaborativas como o Planning Poker [10] e Wideband Delphi [11]. Tais estimativas tornam-se cada vez mais precisas à medida que a equipe permanece unida e aumenta o conhecimento no campo de negócio do cliente. A partir do Product Backlog, são definidos os Sprints. Os Sprints são iterações de tamanho fixo durante as quais são implementados conjuntos de itens do Product Backlog. Os itens que serão implementados em cada Sprint formam o Sprint Backlog e são escolhidos com base nas seguintes regras: Os itens mais prioritários do Product Backlog devem ser implementados nos Sprints iniciais; Com base nas estimativas feitas pela equipe, deve-se escolher um conjunto de requisitos cujo tempo de implementação não ultrapasse o tempo do Sprint; Caso algum requisito não caiba no tempo restante do Sprint, o requisito seguinte do backlog pode ser selecionado para completar o Sprint Backlog. Definidos os itens que irão compor um Sprint, os itens do Sprint Backlog são decompostos em tarefas pela equipe do projeto. Cada tarefa é atribuída a um membro da equipe, que estima o tempo necessário para a conclusão da mesma. Nesse momento, o planejamento do Sprint pode ser revisto com base em novas estimativas, mais refinadas. As regras citadas anteriormente, entretanto, devem continuar sendo respeitadas.

3 Ao longo dos sprints, são realizadas reuniões diárias, normalmente no formato de stand-up meetings [10], para que cada integrante da equipe diga o que foi realizado no dia, o que será realizado no dia seguinte e quais dificuldades foram encontradas. Tal troca de experiência freqüente dentro da equipe facilita a detecção e resolução de problemas um dos princípios fortes do Scrum é que as equipes sejam autogerenciadas, e que, dessa forma, possam dar soluções aos próprios problemas. O Scrum Master é o responsável imediato por incentivar a equipe a buscar soluções, e quando a fonte do problema é de natureza externa, é encarregado de buscar as soluções para tais dificuldades levantadas pela equipe. O planejamento dos sprints é documentado em um quadro de tarefas, normalmente composto de post-its, representando cada tarefa, dispostos em colunas que identificam o estágio atual da tarefa. Ao final de cada Sprint deve ser gerado um produto que, potencialmente, pode ser entregue ao cliente. Além disso, é realizada uma reunião de revisão do sprint, onde é apresentada a versão do produto gerada durante o sprint e é avaliado o cumprimento dos objetivos do sprint. Para o sprint seguinte, a produtividade da equipe no sprint anterior é avaliada para calibrar as estimativas. Para acompanhar o progresso do projeto, o Scrum Master pode utilizar um Gráfico de Burndown [10], que indica a quantidade de trabalho restante ao longo de cada dia ou sprint (Figura 2) ou um Gráfico de Burnup, que permite acompanhamento e comparação entre o custo planejado com o custo real, e uma previsão do custo final real. Figura 2 Gráfico de Burndown [8] 3. Scrum em projetos off-shore Projetos off-shore possuem algumas características próprias, que podem tornar mais complexa a adoção de metodologias ágeis. Esses projetos sofrem com problemas como, por exemplo: Distanciamento entre equipe e cliente dificultando a obtenção de feedback do cliente; Distanciamento entre equipes de projeto, dificultando a colaboração entre equipes; Diferença entre fuso horários, dificultando participação em reuniões nas quais importantes decisões são tomadas; Choque de culturas, que podem gerar ruídos de comunicação; Comunicação de baixo desempenho, considerando que a comunicação face-a-face, sendo a melhor forma de comunicação existente, não é possível entre equipes remotas. Tais problemas são recorrentes a projetos desempenhados por equipes remotas em geral, independente da metodologia ou processo de desenvolvimento adotado, e tornam-se ainda mais visíveis entre equipes situadas entre países distintos e de diferentes idiomas. Apesar de tais adversidades, off-shore é uma prática empregada em larga escala em países como China, Índia, Brasil e países do Leste Europeu, e tem se difundido em uma escala mais acelerada no Brasil nos últimos anos, o que torna imprescindível que esses obstáculos sejam removidos. Outra questão a ser considerada é o tipo de contrato. Serviços baseados em metodologias ágeis não são aderentes ao modelo de contratação de projetos por preço fixo, onde é necessário ter uma visão clara do escopo e requisitos para que uma estimativa e plano de projeto possam ser elaborados em estágios iniciais. Por outro lado, modelos de contratação baseados em Tempo & Recursos (Time&Material) permitem que o fornecedor receba pelo time alocado baseado parâmetros de produtividade e decisões conjuntas com o cliente. Esse modelo é adequado para métodos ágeis e combinado com modelos Semi-Cativos de serviço, nos quais o cliente possui um time dedicado no fornecedor, pode oferecer um serviço eficiente no contexto off-shore. O Scrum, nesse contexto, é uma poderosa metodologia que permite elevar a produtividade aos altos níveis exigidos por clientes estrangeiros. Ainda que pouco empregado no Brasil, tem ampla aceitação nos EUA e na Europa, onde reside a maioria dos potenciais clientes dos serviços off-shore. Alguns

4 clientes europeus da Secrel International, inclusive, determinam o uso de Scrum como termo do contrato do projeto, enquanto outros demandam o emprego de alguma metodologia ágil. O Scrum tem sido adotado na Secrel International por sua ampla difusão no mercado de desenvolvimento europeu, em especial no Reino Unido, grande foco de atuação da empresa. Para a primeira experiência de implementação de Scrum, em um projeto para o mercado financeiro de Londres, foi elaborado um processo de desenvolvimento aos moldes de Scrum, com todos os artefatos, papéis e princípios exigidos. Outras estruturas de gerenciamento e estimativas, boas práticas e processos de engenharia oriundos da arquitetura de processos baseados no CMMI Nível 3 foram incorporados ao processo, tomando cuidado para não descaracterizá-lo No decorrer do projeto, a equipe levantou problemas e as próprias soluções, estabelecendo e seguindo procedimentos próprios para atender as demandas do cliente. Atualmente, no fim do 5º Sprint, com cada Sprint dimensionado em 2 semanas, a satisfação e ganho de produtividade da equipe de desenvolvimento tem sido perceptível, principalmente devido à autonomia que a utilização do Scrum possibilita. Em certos momentos, a produtividade da equipe tem surpreendido o cliente, que não tem conseguido acompanhar o ritmo do desenvolvimento. Nessa implantação, a migração de desenvolvedores habituados a um processo formal CMMI para um processo ágil SCRUM tem envolvido alguns choques de paradigmas e permitido a abertura para inovações dentro da organização. É importante notar que um trabalho de adequação cultural para os desenvolvedores para o entendimento do autogerenciamento, escopo aberto e de atuação do desenvolvedor em vários papéis deve ser realizado. Mesmo com esse trabalho, alguns profissionais podem não ter o perfil para o modelo. Para amenizar os problemas causados pelas características dos projetos off-shore, as seguintes estratégias no uso do Scrum têm sido adotadas: Comunicação sob demanda por telefone ou outro meio multimídia, em horários adequados para ambos os interlocutores; Uso em larga escala de Instant Messengers (skype, msn, live meeting, entre outros); Uso em larga escala de para exprimir conceitos e questionamentos complexos e às vezes difíceis de serem expressos apenas por áudio em outro idioma; Uso de ferramentas e ambiente de desenvolvimento comuns a todas as equipes um único repositório de código e uma única ferramenta de controle de problemas e ações; Utilização de ferramentas como Atlassian JIRA [12] e Scrum for Team System [13] que são perfeitamente adequadas às práticas ágeis; Uso de collocation e near-shore membros da equipe off-shore são colocados no ambiente remoto do cliente e vice-versa. Viagens são comuns e permitem troca de experiências que seria impossível à distância. Em geral, tais membros recebem a denominação de Project Liaison; Uso do modelo de negócio Semi-Captive, que permite que Scrum seja facilmente empregado na equipe off-shore sem significar incompatibilidade entre metodologias, processos com a equipe do cliente e abordagem contratual. Uso de práticas de engenharia já comprovadas como práticas baseadas em CMMI Nível 3 de Análise Arquitetural, Inspeção de código, Integração contínua e Testes, assim como o uso de técnicas de estimativas baseadas em pontos de casos de uso, que são aderentes a contextos ágeis por sua velocidade e permitem alinhar e refinar as estimativas das equipes. A adoção do Scrum trouxe benefícios perceptíveis para o projeto. Entre os principais benefícios obtidos pela Secrel International com a utilização do Scrum, podemos citar: Viabilização de fechamento de contratos com clientes da Europa, evitando discussões extensas sobre os requisitos na pré-venda em um contexto dificultado pela distância, língua, cultura e até desconhecimento por parte dos clientes da capacitado do Brasil em prestar serviços de tecnologia. Diminuição do risco técnico e de escopo do projeto, que é compartilhado com o cliente através de modelo Semi-Cativo e contrato de Tempo&Recursos. Maior integração e comunicação entre cliente e fornecedor que compartilham processos, modelos, boas práticas e experiências. Aumento da produtividade da equipe devido a diminuição de retrabalho proporcionado pelas entregas contínuas e freqüentes que permitem alinhar o entendimento dos requisitos, refinar a estratégia para os requisitos restantes, obter

5 feedback contínuo e do cliente e aumento da qualidade do produto que é construído através de pequenos componentes que são testados pelo time e validados pelo cliente em ciclos de uma ou duas semanas. Aumento da satisfação da equipe por conta da utilização de um processo mais flexível e que concede mais autonomia aos integrantes do projeto, além de incentivar a colaboração entre os mesmos; Maior satisfação do cliente, devido à interação mais freqüente, à maior possibilidade de feedback e às entregas mais constantes; 4. Conclusões A utilização de Scrum em projetos off-shore é, certamente, viável, e pode trazer grandes benefícios em termos de qualidade do produto, produtividade e satisfação da equipe e do cliente. Entretanto, para que Scrum possa ser mais efetivo nessas situações, faz-se necessário o uso de ferramentas e procedimentos para amenizar os problemas característicos de equipes distribuídas, especialmente em projetos off-shore, onde os problemas relativos à distância e à barreira do idioma e das diferenças culturais tendem a ser bem mais evidentes. É importante frisar, ainda, que Scrum não promete resolver os problemas de uma organização. Ele apenas evidencia os problemas que sempre existiram e estabelece regras que incentivam a solução colaborativa dos mesmos, como demostram os benefícios obtidos pela Secrel International. Conference on electrical and Computer Engineer CCECE, [7] Gloger, B., Scrum Delivers, 2006, disponível em pdf [8] Pereira, P., Torreão, P., Marçal, A.S., Entendendo Scrum para Gerenciar Projetos de Forma Ágil, Revista MundoPM, Maio de [9] Larman, C., Agile and Iterative Development, Addison- Wesley, [10] Cohn, M., Agile Estimating and Planning, Prentice- Hall, [11] Liemur Agile thinking, [12] Atlassian JIRA, [13] Scrum for Team System, 5. Referências [1] Schwaber, K., Beedle, M., Agile Software Development with Scrum, Prentice-Hall, [2] Cockburn, A., Agile Software Development, Addison- Wesley, [3] Control Chaos, [4] Kniberg, H., Scrum and XP from the Trenches, InfoQ, 2007, disponível em [5] Sutherland, J., Viktorov, A., Blount, J., Puntikov, N., Distributed Scrum: agile Project Management with Outsourced Development Teams, 40th Annual Hawaii International Conference on System Sciences - HICSS [6] Mak, D., Kruchten, P., Task Coordination in an Agile Distributed Development Environment, Canadian

SCRUM aplicado na Gerência de Projetos

SCRUM aplicado na Gerência de Projetos SCRUM aplicado na Gerência de Projetos Processo Conjunto de atividades ordenadas, restrições e recursos que produzem um resultado de algum tipo. (Pfleeger) Em software: Processo de desenvolvimento Define

Leia mais

Desenvolvendo Projetos com Scrum. Uma visão do Scrum para aplicação na area contábil

Desenvolvendo Projetos com Scrum. Uma visão do Scrum para aplicação na area contábil Desenvolvendo Projetos com Scrum Uma visão do Scrum para aplicação na area contábil 2 Avaliação Secretaria Entregar Impresso no dia da avaliação: Como o Scrum pode ser aplicado a área contábil? Simule

Leia mais

SIGEPRO - Mini Curso sobre Métodos Ágeis de Gestão de Projetos

SIGEPRO - Mini Curso sobre Métodos Ágeis de Gestão de Projetos SIGEPRO - Mini Curso sobre Métodos Ágeis de Gestão de Projetos Jonas Analista de Negócios e Gerente de Projetos Fone:5184298411 Jonas.dc.cardoso@gmail.com 1 PROJETO Esforço temporário* para criar um produto,

Leia mais

Scrum o quê? Gerindo projetos de forma eficiente (e sem perder os cabelos)

Scrum o quê? Gerindo projetos de forma eficiente (e sem perder os cabelos) INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE Campus Tobias Barreto Scrum o quê? Gerindo projetos de forma eficiente (e sem perder os cabelos) Prof. Me. Christiano Lima Santos Que tal começarmos pelo começo? Dã! É Claro!

Leia mais

[...] Mas no Sol, e na Luz, falte a firmeza, Na formosura não se dê constância, E na alegria sinta-se tristeza.

[...] Mas no Sol, e na Luz, falte a firmeza, Na formosura não se dê constância, E na alegria sinta-se tristeza. [...] Mas no Sol, e na Luz, falte a firmeza, Na formosura não se dê constância, E na alegria sinta-se tristeza. Começa o mundo enfim pela ignorância, E tem qualquer dos bens por natureza A firmeza somente

Leia mais

SCRUM na prática com TANGRAN

SCRUM na prática com TANGRAN SCRUM na prática com TANGRAN Prof. Msc. Bruno Andrade da Silva ALTAMIRA/PA 04 de novembro de 2016 Reflexão A ciência, como um todo, não é nada mais do que um refinamento do pensar Albert Einstein SCRUM

Leia mais

4 Processos Ágeis História

4 Processos Ágeis História 4 Processos Ágeis Este capítulo tem como objetivo estabelecer uma visão geral dos métodos ágeis, destacando principalmente o Scrum [11]. Uma vez que o objetivo principal deste estudo envolve a implantação

Leia mais

Uma Experiência no Gerenciamento Ágil de Projetos de Software com Equipes Grandes e Distribuídas

Uma Experiência no Gerenciamento Ágil de Projetos de Software com Equipes Grandes e Distribuídas Uma Experiência no Gerenciamento Ágil de Projetos de Software com Equipes Grandes e Distribuídas Alex N. Borges Júnior, Hugo V. L. Souza, Pablo R. C. Alves, Rodrigo G. C. Rocha, Silvio R. L. Meira Centro

Leia mais

Engenharia de Software. Herbert Rausch Fernandes

Engenharia de Software. Herbert Rausch Fernandes Engenharia de Software Herbert Rausch Fernandes Scrum Não é uma metodologia que fará você desenvolver produtos melhores; Não te dá as respostas e não é uma bala de prata; Scrum é simplesmente um framework;

Leia mais

Análise das áreas de processos do PMBOK sob a ótica do gerenciamento ágil

Análise das áreas de processos do PMBOK sob a ótica do gerenciamento ágil Análise das áreas de processos do PMBOK sob a ótica do gerenciamento ágil Tales P. Nogueira 1, Enyo T. Gonçalves 1,2, Mariela I. Cortés 1, Yrleyjânder S. Lopes 1 1 Grupo de Engenharia de Software e Sistemas

Leia mais

Desenvolvimento ágil de software

Desenvolvimento ágil de software Desenvolvimento ágil de software Prof. Cristiane Aparecida Lana slide 1 Bibliografia utilizada: Mais opções visite meu site, clique aqui para acessá-lo. slide 2 2011 Pearson 2011 Pearson Prentice Prentice

Leia mais

Comparação entre Metodologias Rational Unified Process (RUP) e extreme Programming(XP)

Comparação entre Metodologias Rational Unified Process (RUP) e extreme Programming(XP) Comparação entre Metodologias Rational Unified Process (RUP) e extreme Programming(XP) Fundamentos de Engenharia de Software PPGIA Carlos G. Vasco, Marcelo H. Vithoft, Paulo R. Estante Design and programming

Leia mais

PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PROF. MSC. EMILIANO MONTEIRO

PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PROF. MSC. EMILIANO MONTEIRO PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PROF. MSC. EMILIANO MONTEIRO CONTEÚDO Conceitos básicos Caracterização de um processo Estágios básicos Linha do tempo Cascata Espiral Prototipação Modelo-V Orientado

Leia mais

Processos Ágeis de Desenvolvimento de Software

Processos Ágeis de Desenvolvimento de Software Processos Ágeis de Desenvolvimento de Software -Focono XP - Rodrigo Rebouças de Almeida rodrigor@rodrigor.com Processo Conjunto de atividades ordenadas, restrições e recursos que produzem um resultado

Leia mais

Processo. Processo unificado. Principais Características do UP. Principais Características do UP RUP. Unified Process (Processo Unificado)

Processo. Processo unificado. Principais Características do UP. Principais Características do UP RUP. Unified Process (Processo Unificado) Processo UP Unified Process (Processo Unificado) Conjunto de passos que tem como objetivo atingir uma meta Processo de software na ES, processo que visa a produzir o software - de modo eficiente e previsível

Leia mais

7ª Conferência da Qualidade de Software e Serviços

7ª Conferência da Qualidade de Software e Serviços 7ª Conferência da Qualidade de Software e Serviços Case de Sucesso Utilização de métodos ágeis em projeto de software Na Prática Apresentação Fundada em 2003, a Enter5 é uma empresa cuja proposta de trabalho

Leia mais

O que ele não é? Um método ou técnica definitiva para desenvolvimento de um produto.

O que ele não é? Um método ou técnica definitiva para desenvolvimento de um produto. Scrum Lucas Roque 1. Visão Geral O que é Scrum? Um framework desenvolvido para que pessoas possam solucionar problemas complexos e adaptativos, ao mesmo tempo que produzem produtos de alto valor. Características?

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SAFE EM UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Vinicius Oliveira 1, Luiz Camargo 2

UTILIZAÇÃO DO SAFE EM UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Vinicius Oliveira 1, Luiz Camargo 2 UTILIZAÇÃO DO SAFE EM UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Vinicius Oliveira 1, Luiz Camargo 2 Resumo: As abordagens ágeis no desenvolvimento de software são uma realidade. A área de TI passou a

Leia mais

Processo de desenvolvimento

Processo de desenvolvimento Processo de desenvolvimento Eduardo Ferreira dos Santos Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB Agosto, 2016 1 / 19 Sumário 1 Desenvolvimento para a Web 2 / 19 1 Desenvolvimento

Leia mais

Desenvolvimento Ágil de Software. Prof. Edjandir Corrêa Costa

Desenvolvimento Ágil de Software. Prof. Edjandir Corrêa Costa Desenvolvimento Ágil de Software Prof. Edjandir Corrêa Costa edjandir.costa@ifsc.edu.br Métodos Ágeis História Na início da década de 90 havia uma visão de que a melhor maneira para se criar software era

Leia mais

MODELAGEM DE UM NOVO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM BASE EM METODOLOGIAS ÁGEIS.

MODELAGEM DE UM NOVO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM BASE EM METODOLOGIAS ÁGEIS. MODELAGEM DE UM NOVO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM BASE EM METODOLOGIAS ÁGEIS. WESLEY NOVAES FIOREZE COSTA 1 RESUMO A maioria das micro e pequenas empresas (MPEs 2 ) não utilizam processos

Leia mais

Ainda que muitos modelos sejam semelhantes entre os modelos de ciclo de vida, existem alguns aspectos que os diferenciam:

Ainda que muitos modelos sejam semelhantes entre os modelos de ciclo de vida, existem alguns aspectos que os diferenciam: Prof. Edson dos Santos Cordeiro 1 Tópico: Objetivo: Introdução a Ciclo de Vida do Software Conhecer os principais conceitos relacionados a ciclo de vida do software. Bibliog. Base: McCONNEL, Steve. Rapid

Leia mais

Class Responsibilities and Collaborators

Class Responsibilities and Collaborators Class Responsibilities and Collaborators Cartões que representam as responsabilidades e as interações das classes Utilizados para estimular o aprendizado do paradigma da orientação a objetos Dimensões

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular LANÇAMENTO DE NOVOS PRODUTOS Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular LANÇAMENTO DE NOVOS PRODUTOS Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular LANÇAMENTO DE NOVOS PRODUTOS Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Marketing e Publicidade 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

Escrevendo Estórias do Usuário Eficazes aula #3

Escrevendo Estórias do Usuário Eficazes aula #3 Escrevendo Estórias do Usuário Eficazes aula #3 www.etecnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Rildo F Santos twitter: @rildosan skype: rildo.f.santos http://rildosan.blogspot.com/ Versão Versão

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS. Profa. Gislaine Stachissini Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Profa. Gislaine Stachissini Modelagem de sistemas A fase do desenvolvimento do sistema exige: esforço; dedicação; envolvimento; um único objetivo. Estilo de desenvolvimento

Leia mais

Como criar, priorizar e manter o Product Backlog

Como criar, priorizar e manter o Product Backlog {aula # 3} Workshop Como criar, priorizar e manter o Product Backlog www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Rildo F Santos twitter: @rildosan skype: rildo.f.santos http://rildosan.blogspot.com/

Leia mais

Luiz Fernando Maurício de Souza Sidemar Fidelis Cezario. FDD Desenvolvimento dirigido a funcionalidades

Luiz Fernando Maurício de Souza Sidemar Fidelis Cezario. FDD Desenvolvimento dirigido a funcionalidades Luiz Fernando Maurício de Souza Sidemar Fidelis Cezario FDD Desenvolvimento dirigido a funcionalidades 2 Agenda FDD; Melhores práticas do FDD; Principais papéis; Processos. FDD Metodologia interativa e

Leia mais

Projeto de Desenvolvimento de Software. Angélica Larissa Análise e Desenvolvimento de Sistemas Engenharia de Software

Projeto de Desenvolvimento de Software. Angélica Larissa Análise e Desenvolvimento de Sistemas Engenharia de Software Projeto de Desenvolvimento de Software Angélica Larissa Análise e Desenvolvimento de Sistemas Engenharia de Software Loja Virtual de Artes Declaração do Escopo do Projeto 1. OBJETIVO DO PROJETO O projeto

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Raul Vidal, João Pascoal Faria, Ademar Aguiar, Gil Gonçalves FEUP/LEIC/LGP 2003-04 Processos de Desenvolvimento Software 1 Controlo de Projectos Quatro variáveis

Leia mais

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DO MÉTODO SCRUM NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EM UMA PEQUENA EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DO MÉTODO SCRUM NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EM UMA PEQUENA EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DO MÉTODO SCRUM NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EM UMA PEQUENA EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA Miriam Alessandra Garcia Santos (UNIARA) magsgarcia@gmail.com Aleander Pitta dos Anjos

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciências da Computação ÉRICSEN RODRIGUES LUCAS

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciências da Computação ÉRICSEN RODRIGUES LUCAS Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciências da Computação ÉRICSEN RODRIGUES LUCAS MÉTODOS ÁGEIS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE CRÉDITO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Leia mais

TAP Termo de Abertura do Projeto

TAP Termo de Abertura do Projeto GESTÃO DE PESSOAS E PROJETOS TAP Termo de Abertura do Projeto Prof. Luciel H. de Oliveira ELABORAÇÃO DO POS PROJECT OVERVIEW STATEMENT OU PROJECT CHARTER Termo de Abertura do Projeto (TAP) Prof. Luciel

Leia mais

O VALOR DOS PROCESSOS NA GESTÃO DE PROJETOS (MESMO ÁGEIS) 1 Charlene Silva de Almeida

O VALOR DOS PROCESSOS NA GESTÃO DE PROJETOS (MESMO ÁGEIS) 1 Charlene Silva de Almeida O VALOR DOS PROCESSOS NA GESTÃO DE PROJETOS (MESMO ÁGEIS) 1 Charlene Silva de Almeida Resumo: Ter processos definidos significa ter a possibilidade de medir e acompanhar o desempenho de projetos de forma

Leia mais

XP EXTREME PROGRAMMING. AGO106 - Gestão

XP EXTREME PROGRAMMING. AGO106 - Gestão XP EXTREME PROGRAMMING AGO106 - Gestão de Processos de Desenvolvimento de Software DESENVOLVIMENTO TRADICIONAL Sequencial: Análise, Design, Implementação, Teste, Implantação e Manutenção Características:

Leia mais

Abordagens para Análise de Negócio

Abordagens para Análise de Negócio Terceiro Módulo: Parte 2 Abordagens para Análise de AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Abordagens para Análise

Leia mais

Engenharia de Software. Arthur Mariano L NETO Aula 04

Engenharia de Software. Arthur Mariano L NETO Aula 04 Engenharia de Software Arthur Mariano L NETO Aula 04 Tópicos apresentados Métodos ágeis Desenvolvimento ágil e dirigido a planos Metodologias Ágeis Gerenciamento ágil de projetos Escalamento de métodos

Leia mais

ADOÇÃO DE METODOLOGIAS ÁGEIS DE DESENVOLVIMENTO COM ÊNFASE NA QUALIDADE DO PROJETO

ADOÇÃO DE METODOLOGIAS ÁGEIS DE DESENVOLVIMENTO COM ÊNFASE NA QUALIDADE DO PROJETO DOI: 10.5748/9788599693100-11CONTECSI/RF-892 ADOPTING AGILE SOFTWARE DEVELOPMENT WITH EMPHASIS ON QUALITY PROJECT Diego Noronha (Instituto Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, Brasil) - diegonoronhas@gmail.com

Leia mais

PMO ÁGIL: UM MODELO DE ATUAÇÃO

PMO ÁGIL: UM MODELO DE ATUAÇÃO PMO ÁGIL: UM MODELO DE ATUAÇÃO Luis Gustavo Araujo Ferreira Priscila Bibiana Viegas RESUMO Em um mundo altamente conectado, cercado de diversas mudanças, as empresas precisam se adaptar para continuarem

Leia mais

Como criar, priorizar e manter o Product Backlog

Como criar, priorizar e manter o Product Backlog {aula # 4} Workshop Como criar, priorizar e manter o Product www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Rildo F Santos twitter: @rildosan skype: rildo.f.santos http://rildosan.blogspot.com/ Todos

Leia mais

DATA TEST: GERAÇÃO DE DADOS PARA O APOIO DO PROCESSO DE TESTE

DATA TEST: GERAÇÃO DE DADOS PARA O APOIO DO PROCESSO DE TESTE DATA TEST: GERAÇÃO DE DADOS PARA O APOIO DO PROCESSO DE TESTE Andressa R. Siqueira dos Santos, Emerson R. Eduardo, Judemir B. da Silva Júnior, Michele Bravo Faculdade de Tecnologia (FATEC) Av. Presidente

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O TREINAMENTO SCRUM.

INFORMAÇÕES SOBRE O TREINAMENTO SCRUM. INFORMAÇÕES SOBRE O TREINAMENTO SCRUM. OBJETIVOS DO TREINAMENTO: 1. Transmitir os conceitos do Scrum. 2. Aplicar os conceitos aprendidos em dinâmicas de grupo utilizando LEGO entre outras. 3. Preparação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Tecnologia em Sistemas de Informação DISCIPLINA: SOFT Engenharia de Software DATA: AULA NÚMERO: 01 PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Software...1 2.2 Engenharia

Leia mais

SIMPLe: uma abordagem simples

SIMPLe: uma abordagem simples SIMPLe: uma abordagem simples orientada a problemas para o desenvolvimento de software Rafael Sabbagh Parte I!! Problemas e Soluções Aceitar Feature Request gera desperdício! Feature Request! Converse

Leia mais

Monitoramento e Controle de Projetos com e-kanban e Burndown: Um Relato de Experiência

Monitoramento e Controle de Projetos com e-kanban e Burndown: Um Relato de Experiência Monitoramento e Controle de Projetos com e-kanban e Burndown: Um Relato de Experiência Marcius Gomes Brandão 1, Mariela I. Cortés 1, Enyo J. T. Gonçalves 2, Helio Augusto Saboia Moura 1 1 Universidade

Leia mais

Agile DMAIC: Um Método para Avaliar e Melhorar o Uso do Scrum em Projetos de Software

Agile DMAIC: Um Método para Avaliar e Melhorar o Uso do Scrum em Projetos de Software Agile DMAIC: Um Método para Avaliar e Melhorar o Uso do Scrum em Projetos de Software Thiago Ferraz V. da Cunha, Rossana M. C. Andrade 1 Grupo de Redes de Computadores, Engenharia de Software e Sistemas

Leia mais

MODELOS DE PROCESSOS (PARTE 2)

MODELOS DE PROCESSOS (PARTE 2) MODELOS DE PROCESSOS (PARTE 2) Introdução a Computação e Engenharia de Software Profa. Cynthia Pinheiro Recordando nossas Datas Provas (novas datas): 3ª Prova (1ª chamada): 03/07 2ª Prova (2ª chamada):

Leia mais

Definição de um método que estabelece critérios para priorização de novos projetos e aplicação em um processo de desenvolvimento de software

Definição de um método que estabelece critérios para priorização de novos projetos e aplicação em um processo de desenvolvimento de software Pós-Graduação em Ciência da Computação Definição de um método que estabelece critérios para priorização de novos projetos e aplicação em um processo de desenvolvimento de software AURENÉIA BARBOSA DE SANTANA

Leia mais

Fábrica de Software.

Fábrica de Software. ábrica de Software 3layer@2016 ÁBRICA DE SOTWARE OUTSOURCING MENTORIA CONSULTORIA ATLASSIAN JBOSS POWERLOGIC SPARXSYSTEMS Sumário PARTE 1 Introdução 3layer e serviço de fábrica PARTE 2 uncionamento da

Leia mais

Gestão de Projetos com SCRUM

Gestão de Projetos com SCRUM Gestão de Projetos com SCRUM Av. Carvalho Leal, N. 1336 Térreo Edifício Empresarial Objetiva Cachoeirinha. Tel (92) 3631.9081 WWW.DIVUS.COM.BR SUMÁRIO FIGURAS... 4 Liderança... 5 1.1. Entendendo Coaching...

Leia mais

FERRAMENTA PARA GESTÃO ÁGIL DE PROJETOS DE SOFTWARE

FERRAMENTA PARA GESTÃO ÁGIL DE PROJETOS DE SOFTWARE UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BACHARELADO ROBSON RICARDO GIACOMOZZI FERRAMENTA PARA GESTÃO ÁGIL DE PROJETOS DE SOFTWARE Proposta

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO 31/03/2015 GESTÃO DO TEMPO CRONOGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS DEFINIÇÃO DA ATIVIDADE DEFINIÇÃO DA ATIVIDADE

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO 31/03/2015 GESTÃO DO TEMPO CRONOGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS DEFINIÇÃO DA ATIVIDADE DEFINIÇÃO DA ATIVIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL INTRODUÇÃO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof. : Heloisa Campos GESTÃO DO TEMPO GESTÃO DO ESCOPO DEFINIDA Definir as atividade; Sequenciar

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 4 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 4-03/05/2006 1 Modelos Prescritivos de Processo Modelo em cascata Modelos incrementais Modelo incremental Modelo RAD Modelos

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático desta aula Fases do Processo. Ciclo de vida do processo. Processo Unificado Orientado por Casos de Uso, surgiu para realizar o

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Alameda: https://fenix.ist.utl.pt/disciplinas/sdis-5/2009-2010/2-semestre leic-alameda-sod@disciplinas.ist.utl.pt Tagus: https://fenix.ist.utl.pt/disciplinas/sdis4/2009-2010/2-semestre

Leia mais

Agenda da Aula. Arquitetura de Software e Padrões Arquiteturais. Elementos de um Padrão. Arquitetura de Software. Arquitetura de Software

Agenda da Aula. Arquitetura de Software e Padrões Arquiteturais. Elementos de um Padrão. Arquitetura de Software. Arquitetura de Software Reuso de Software Aula 04 Agenda da Aula Arquitetura de Software e Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo reuso.software@gmail.com 14 Março 2012 Arquitetura de Software Padrões arquiteturais

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE EMENTA ENGENHARIA DE SOFTWARE DISCIPLINA: Estrutura e Fluxo de Informação EMENTA: A disciplina Estrutura e Fluxo de Informação se propõe a capacitar o aluno sobre os fundamentos da Gestão da Informação

Leia mais

São eventos Time-box do Scrum, ou seja, não podem ultrapassar o limite de tempo estabelecido no processo Scrum.

São eventos Time-box do Scrum, ou seja, não podem ultrapassar o limite de tempo estabelecido no processo Scrum. 1) O que é correto afirmar sobre eventos Time Box no Scrum? A) Uma Reunião de Retrospectiva do Sprint é Time-boxed em 4 horas para um Sprint de um mês; Uma Reunião Diária é Time-boxed em 15 minutos; Um

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Prof. Sales Filho GERÊNCIA DE PROJETOS AULA 04 1 Objetivos Apresentar a gerência de projetos de software e descrever as suas características particulares; Discutir o planejamento

Leia mais

Entenda as idéias do movimento que está revolucionando a indústria de desenvolvimento de software mundial. Alisson Vale

Entenda as idéias do movimento que está revolucionando a indústria de desenvolvimento de software mundial. Alisson Vale Entenda as idéias do movimento que está revolucionando a indústria de desenvolvimento de software mundial Alisson Vale Revoluções Científicas 1900 William Tomson (Lord Kelvin) Não há nada novo na física

Leia mais

FERRAMENTA WEB PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE SOFTWARE BASEADO NO SCRUM

FERRAMENTA WEB PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE SOFTWARE BASEADO NO SCRUM UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO FERRAMENTA WEB PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE SOFTWARE BASEADO NO SCRUM VANESSA DE MELLO

Leia mais

Estágio II. Aula 04 Testes Ágeis. Prof. MSc. Fred Viana

Estágio II. Aula 04 Testes Ágeis. Prof. MSc. Fred Viana Estágio II Aula 04 Testes Ágeis Prof. MSc. Fred Viana Agenda Manifesto dos Testes Ágeis Testes Ágeis x Testes Tradicionais Sinais de que os Testes Não São Ágeis Testador Ágil Testador Ágil em Equipe Independente

Leia mais

METHODOLOGY FOR PROJECT MANAGEMENT SOFTWARE DEVELOPMENT

METHODOLOGY FOR PROJECT MANAGEMENT SOFTWARE DEVELOPMENT 1 PS-182 METHODOLOGY FOR PROJECT MANAGEMENT SOFTWARE DEVELOPMENT Carla de Almeida Martins Basso (Orientadora, UNOESC Chapeco/SC, Brasil) - carla.basso@unoesc.edu.br Valdicir Anzolin (UNOESC Chapeco/SC,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE GESTÃO DE BOLSAS E ESTÁGIOS DO IFC

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE GESTÃO DE BOLSAS E ESTÁGIOS DO IFC DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE GESTÃO DE BOLSAS E ESTÁGIOS DO IFC Braz, Fernando José 1 ; Mota, Joice Seleme 1 ; Schmelzer, Vilmar 1 ; Silva, Caroline Gonçalves Dias 1 ; Silva, Nicole Oliveira da 1 ; Instituto

Leia mais

Descrição Competências Organizacionais

Descrição Competências Organizacionais Descrição Competências Organizacionais Orientação para Resultados Sustentáveis Disciplina Operacional Competência Técnica Adaptabilidade e Flexibilidade Relacionamento e Colaboração Realiza tarefas dentro

Leia mais

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Prof. Elias Ferreira Elaborador por: Prof. Edison A. M. Morais Objetivo (1/1) Conceituar PROCESSO E CICLO DE VIDA, identificar e conceituar

Leia mais

MÉTODOS ÁGEIS E GOVERNANÇA NO SETOR PÚBLICO

MÉTODOS ÁGEIS E GOVERNANÇA NO SETOR PÚBLICO Tecnologia da Informação WORKSHOP MÉTODOS ÁGEIS E GOVERNANÇA 20 e 21 de Outubrode 2016 - Brasília Realização: Workshop MÉTODOS ÁGEIS E GOVERNANÇA Objetivos - Introduzir os conceitos de gerenciamento ágil

Leia mais

Framework para Geração de Testes

Framework para Geração de Testes Universidade de Brasília FGA Engenharia de Software Framework para Geração de Testes Unitários Autores: Tomáz Felipe Rodrigues Martins e Thaiane Ferreira Braga Orientadora: Prof a. Dra. Milene Serrano

Leia mais

Uma Proposta para o Desenvolvimento Ágil de Ambientes Virtuais

Uma Proposta para o Desenvolvimento Ágil de Ambientes Virtuais Uma Proposta para o Desenvolvimento Ágil de Ambientes Virtuais Fernando E. R. Mattioli, Edgard A. Lamounier Jr., Alexandre Cardoso Universidade Federal de Uberlândia Uberlândia-MG, Brasil mattioli.fernando@gmail.com,

Leia mais

BENEFITS OF AGILE METHODOLOGIES IN MANAGING PROJECTS INFORMATION TECHNOLOGY (IT)

BENEFITS OF AGILE METHODOLOGIES IN MANAGING PROJECTS INFORMATION TECHNOLOGY (IT) 1 DOI: 10.5748/9788599693124-13CONTECSI/RF-3782 BENEFITS OF AGILE METHODOLOGIES IN MANAGING PROJECTS INFORMATION TECHNOLOGY (IT) Greick Roger de C. Lima - Instituto de Pós-graduação e Graduação Goiás Brasil

Leia mais

Fábricas de Software. Processos de Software. Fábricas de Software. Fábricas de Software 17/08/2010. Jorge Dias

Fábricas de Software. Processos de Software. Fábricas de Software. Fábricas de Software 17/08/2010. Jorge Dias Fábricas de Software Processos de Software Jorge Dias Um processo estruturado, controladoe melhoradode forma contínua, considerando abordagens de engenharia industrial, orientado para o atendimento a múltiplas

Leia mais

FACULDADE ENIAC BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO KARYNE MARIA DA SILVA LIMA SOFIA ALVES MARQUES

FACULDADE ENIAC BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO KARYNE MARIA DA SILVA LIMA SOFIA ALVES MARQUES FACULDADE ENIAC BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO KARYNE MARIA DA SILVA LIMA SOFIA ALVES MARQUES DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: Abordagens Clássicas e Metodologias Ágeis com ênfase em Scrum Guarulhos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA PARA O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DA COMPANHIA DOCAS DO PARÁ

INSTRUÇÃO NORMATIVA PARA O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DA COMPANHIA DOCAS DO PARÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA PARA O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DA COMPANHIA DOCAS DO PARÁ Instrução Normativa TÍTULO Capítulo 3 Diretoria Administrativa Financeira 8 Tecnologia da Informação Seção

Leia mais

Modelagem da Interação do Usuário no Desenvolvimento Ágil

Modelagem da Interação do Usuário no Desenvolvimento Ágil Modelagem da Interação do Usuário no Desenvolvimento Ágil Cecília E. Giuffra 1, Patrícia Vilain 1 1 Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis

Leia mais

Scrum: Uma aplicação em uma software house

Scrum: Uma aplicação em uma software house Scrum: Uma aplicação em uma software house Diego Brunhera 1, Alexandre Lazaretti Zanatta 2 Instituto de Ciências Exatas e Geociências Universidade de Passo Fundo (UPF) Caixa Postal 611 99.052-900 Passo

Leia mais

PROVAS DISCURSIVAS P 3 (questões) e P 4 (parecer) RASCUNHO QUESTÃO 1

PROVAS DISCURSIVAS P 3 (questões) e P 4 (parecer) RASCUNHO QUESTÃO 1 PROVAS DISCURSIVAS P (questões) e P (parecer) Nestas provas, faça o que se pede, usando, caso deseje, os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para o CADERNO

Leia mais

COMBINAÇÃO DE MÉTODOS ÁGEIS NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UM ESTUDO DE CASO

COMBINAÇÃO DE MÉTODOS ÁGEIS NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UM ESTUDO DE CASO COMBINAÇÃO DE MÉTODOS ÁGEIS NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UM ESTUDO DE CASO Deisy Braz dos Santos 1 Paulo Roberto Córdova 2 RESUMO Este artigo apresenta o resultado de uma experiência de

Leia mais

Project Builder: Apoio a Gestão de Projetos do Nível G ao C do MPS.BR

Project Builder: Apoio a Gestão de Projetos do Nível G ao C do MPS.BR Project Builder: Apoio a Gestão de Projetos do Nível G ao C do MPS.BR Bernardo Grassano 1, Analia Irigoyen Ferreiro Ferreira 2, Mariano Montoni 3 1 Project Builder Av. Rio Branco 123, grupo 612, Centro

Leia mais

Computação Aplicada. Graduanda em Ciência da Computação pela Universidade Guarulhos. 2

Computação Aplicada. Graduanda em Ciência da Computação pela Universidade Guarulhos. 2 Computação Aplicada METODOLOGIAS ÁGEIS PARA O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: APLICAÇÃO E O USO DA METODOLOGIA SCRUM EM CONTRASTE AO MODELO TRADICIONAL DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS AGILE METHODOLOGIES FOR

Leia mais

Desenvolvimento Ágil no Governo. Produtos de Software. Luís Dosso. Outubro/2011. Sistemas e aplicações sob medida para as necessidades do seu negócio.

Desenvolvimento Ágil no Governo. Produtos de Software. Luís Dosso. Outubro/2011. Sistemas e aplicações sob medida para as necessidades do seu negócio. Desenvolvimento Ágil no Governo Luís Dosso Outubro/2011 Produtos de Software Sistemas e aplicações sob medida para as necessidades do seu negócio. A Dextra Soluções de Software Projetos de software complexos

Leia mais

MÉTODOS ÁGEIS NO BRASIL: ESTADO DA PRÁTICA EM TIMES E ORGANIZAÇÕES

MÉTODOS ÁGEIS NO BRASIL: ESTADO DA PRÁTICA EM TIMES E ORGANIZAÇÕES Relatório Técnico RT-MAC-2012-03 MÉTODOS ÁGEIS NO BRASIL: ESTADO DA PRÁTICA EM TIMES E ORGANIZAÇÕES Claudia de O. Melo; Viviane A. Santos; Hugo Corbucci; Eduardo Katayama; Alfredo Goldman; Fabio Kon. Métodos

Leia mais

UTILIZATION LEVEL OF THE SCRUM FRAMEWORK: a survey among Project Management professionals and team of a software development company

UTILIZATION LEVEL OF THE SCRUM FRAMEWORK: a survey among Project Management professionals and team of a software development company GRAU DE UTILIZAÇÃO DO FRAMEWORK SCRUM: um survey entre profissionais e equipe de Gerenciamento de Projetos de uma empresa de desenvolvimento de software Fernando Queiroz de Lira Alexandrino (Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO. Semestre letivo. 1. Identificação Código

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO. Semestre letivo. 1. Identificação Código MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2016 2 1. Identificação Código 1.1 Disciplina: Engenharia da Informação 1640066 1.2

Leia mais

Sistemas de Informação (SI) Gestão da informação e de banco de dados (II)

Sistemas de Informação (SI) Gestão da informação e de banco de dados (II) Sistemas de Informação (SI) Gestão da informação e de banco de dados (II) Prof.ª Dr.ª Symone Gomes Soares Alcalá Universidade Federal de Goiás (UFG) Regional Goiânia (RG) Faculdade de Ciências e Tecnologia

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Curso: Engenharia de Software Arquitetura de Software Prof.: Fabrízzio A A M N Soares Aula 1 - Apresentação Ementa Definição de arquitetura de software. Importância e impacto

Leia mais

CICLO DE VIDA DO SOFTWARE. Nas empresas também é difícil adotar apenas um ciclo de vida, na maioria das vezes possui mais de um.

CICLO DE VIDA DO SOFTWARE. Nas empresas também é difícil adotar apenas um ciclo de vida, na maioria das vezes possui mais de um. Aula 02 CICLO DE VIDA DO SOFTWARE O ciclo de vida de um software é uma estrutura contendo todos os processos e tarefas envolvendo o desenvolvimento e finalização, ou seja, as etapas de operação e manutenção

Leia mais

Projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Relato de experiências, lições aprendidas, melhores práticas e dificuldades da IOGE SOFTSUL (RS)

Projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Relato de experiências, lições aprendidas, melhores práticas e dificuldades da IOGE SOFTSUL (RS) Projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Relato de experiências, lições aprendidas, melhores práticas e dificuldades da IOGE SOFTSUL (RS) Campinas - SP, Outubro 2008 Agenda Informações sobre o projeto Resultados

Leia mais

RATIONAL UNIFIED PROCESS RUP

RATIONAL UNIFIED PROCESS RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS RUP Criado na década de 90 (a partir do Objectory [ver Jacobson, 1990] e utilizando os conceitos do Modelo em Espiral [ver Boehm, 1988]) como alternativa para resolução dos problemas

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS CÓDIGO: EXA832 DISCIPLINA: SISTEMAS DISTRIBUÍDOS CARGA HORÁRIA: 60h EMENTA: Conceitos e

Leia mais

Extreme Programming: Valores e Práticas

Extreme Programming: Valores e Práticas Programação Extrema Extreme Programming: Valores e Práticas Prof. Mauro Lopes 1-31 34 Objetivos Anteriormente trabalhamos os conceitos do Desenvolvimento Tradicional e do Desenvolvimento Ágil. Trouxemos

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO FA7 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO ÁGIL DE SOFTWARE TÁSSSIO GUERREIRO ANTUNES VIRGÍNIO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO FA7 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO ÁGIL DE SOFTWARE TÁSSSIO GUERREIRO ANTUNES VIRGÍNIO FACULDADE 7 DE SETEMBRO FA7 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO ÁGIL DE SOFTWARE TÁSSSIO GUERREIRO ANTUNES VIRGÍNIO FIRST STEP IN AGILE: UMA FERRAMENTA DE GESTÃO ÁGIL PARA EQUIPES INICIANTES FORTALEZA

Leia mais

Disciplined Agile Delivery, indo além do Scrum. Adriano Tavares

Disciplined Agile Delivery, indo além do Scrum. Adriano Tavares Disciplined Agile Delivery, indo além do Scrum Adriano Tavares Adriano Tavares SoEware Architect, Agile Coach adriano.tavares@gmail.com hbp://adrianotavares.com @adrianotavares hbp://br.linkedin.com/in/adrianotavares

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Este trabalho estuda a prática dos valores Ágeis em equipes de desenvolvimento de software praticantes do Scrum. Assim, as teorias em torno dos valores Ágeis e do Scrum, embora não

Leia mais

Desenvolvimento dirigido por Funcionalidades(FDD), Desenvolvimento de Software Enxuto(LSD) e Processo Unificado Agil (AUP)

Desenvolvimento dirigido por Funcionalidades(FDD), Desenvolvimento de Software Enxuto(LSD) e Processo Unificado Agil (AUP) Desenvolvimento dirigido por Funcionalidades(FDD), Desenvolvimento de Software Enxuto(LSD) e Processo Unificado Agil (AUP) José Cláudio Moretti Junior - GRR20093177 Será apresentado os conceitos de desenvolvimento

Leia mais

PROPOSTA DE UM NOVO MODELO DE APLICAÇÃO DA METODOLOGIA ÁGIL SCRUM PARA DOCUMENTAÇÃO

PROPOSTA DE UM NOVO MODELO DE APLICAÇÃO DA METODOLOGIA ÁGIL SCRUM PARA DOCUMENTAÇÃO PROPOSTA DE UM NOVO MODELO DE APLICAÇÃO DA METODOLOGIA ÁGIL SCRUM PARA DOCUMENTAÇÃO Área temática: Gestão do Conhecimento Organizacional Nilton Freitas Junior niltonfjunior@gmail.com Davi Rocha davicandidorocha92@gmail.com

Leia mais

FRAMEWORK SCRUM: EFICIÊNCIA EM PROJETOS DE SOFTWARE

FRAMEWORK SCRUM: EFICIÊNCIA EM PROJETOS DE SOFTWARE Revista de Gestão e Projetos - GeP e-issn: 2236-0972 DOI: 10.5585/gep.v7i2.330 Data de recebimento: 02/10/2015 Data de Aceite: 15/03/2016 Organização: Comitê Científico Interinstitucional Editor Científico:

Leia mais

Times de alto desempenho no contexto das metodologias Scrum e Kanban

Times de alto desempenho no contexto das metodologias Scrum e Kanban ISSN 2316-2872 T.I.S. São Carlos, v. 4, n. 3, p. 200-208, set-dez 201 5 Tecnologias, Infraestrutura e Software Times de alto desempenho no contexto das metodologias Scrum e Kanban João Otavio Sakai Genari,

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Tecnologia em Sistemas para Internet Aula04 - Arquiteturas de Objetivos Conhecer as principais arquiteturas de sistemas distribuídos e seu funcionamento; 2 Introdução Sistemas distribuídos muitas vezes

Leia mais

GESTÃO ÁGIL DE PROJETOS DE SOFTWARE

GESTÃO ÁGIL DE PROJETOS DE SOFTWARE GESTÃO ÁGIL DE PROJETOS DE SOFTWARE Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia da Computação Nome do Aluno: Gilson Pereira da Silva Orientador: Prof. Genésio Gomes Cruz Neto Universidade de Pernambuco Escola

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS ADAPTADA AOS MODELOS DE MELHORIA DE PROCESSOS CMMI-DEV E MPS-BR

GESTÃO DE PROJETOS ADAPTADA AOS MODELOS DE MELHORIA DE PROCESSOS CMMI-DEV E MPS-BR http://dx.doi.org/10.4025/revtecnol.v25i1.27385 GESTÃO DE PROJETOS ADAPTADA AOS MODELOS DE MELHORIA DE PROCESSOS CMMI-DEV E MPS-BR PROJECT MANAGEMENT ADAPTED TO MODELS OF PROCESS IMPROVEMENT CMMI-DEV AND

Leia mais