Java RMI e Web Services na Implementação de um Jogo Multiusuário Distribuído para Desktop

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Java RMI e Web Services na Implementação de um Jogo Multiusuário Distribuído para Desktop"

Transcrição

1 Java RMI e Web Services na Implementação de um Jogo Multiusuário Distribuído para Desktop Eduardo Bastian, Beatriz Terezinha Borsoi, Omero Francisco Bertol UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, câmpus Pato Branco. GETIC (Grupo de Estudos e Pesquisa em Tecnologias de Informação e Comunicação) Via do Conhecimento, Km 01, Caixa Postal 571, , Pato Branco, PR, Brazil RESUMO Os jogos são utilizados com objetivos distintos, incluindo entretenimento, aprendizagem e terapia, e nas diversas fases da vida do ser humano. As redes de computadores, destacando-se a Internet, têm ampliado o mercado de jogos computacionais, especialmente os multiusuário e voltados para entretenimento. A diversidade de aplicabilidade dos jogos e de público usuário, motivou o desenvolvimento deste trabalho, que se refere ao uso de web services e RMI no desenvolvimento de um jogo multiusuário distribuído. É jogo para ambiente desktop implementado utilizando a linguagem Java. Palavras-chave: Java RMI. Jogos computacionais. Jogo multiusuário. Jogo para desktop. Jogos em Java. 1. INTRODUÇÃO Jogos, como atividades lúdicas, são utilizados com objetivos distintos e estão presentes nas diversas atividades e fases da vida do ser humano. De maneira geral, para as crianças, as atividades lúdicas são fontes de socialização; para os jovens podem estar voltadas ao entretenimento; e para os adultos podem estar relacionadas ao passatempo. Os jogos também podem ser utilizados com objetivos de aprendizagem e terapêuticos. Como instrumento de aprendizagem, os jogos são utilizados por instituições de ensino e empresas para auxílio no aprendizado e socialização. Como terapia, eles são utilizados em aplicações e com objetivos diversos, incluindo o auxílio no tratamento de problemas físicos e psicológicos. Eles podem, assim, ser utilizados para auxiliar na correção de dificuldades motoras, de fala, de audição, cognitivas e para terapia ocupacional, dentre outras. Os jogos eletrônicos ou computacionais podem ser encontrados em dispositivos diversos, como computadores pessoais, consoles domésticos e dispositivos móveis [1]. As redes de computadores, destacando-se a Internet, desempenham um papel relevante no uso dos jogos, inclusive pela possibilidade de unir jogadores geograficamente separados. A grande disseminação dos jogos computacionais em rede fundamenta-se em alguns fatores, destacando-se [2]: a competição que se mostra mais atraente e desafiadora; e o fato de os jogos promoverem aspectos sociais interessantes ao permitirem a interação entre os participantes. A diversidade de aplicabilidade dos jogos e usuários motivou o desenvolvimento de um jogo multiusuário distribuído. Exemplificar o uso de Java RMI (Remote Method Invocation) e web services é o objetivo principal deste trabalho, visando apresentar como o desenvolvimento de jogos pode beneficiar-se de cada um deles. A linguagem Java foi utilizada pelos seus recursos e características que facilitam o controle de usuários e o uso de RMI e web services. A tecnologia de web services foi utilizada para implementar controles, como a contagem da pontuação de cada jogador. RMI é uma interface de programação utilizada para executar chamadas remotas. No jogo desenvolvido essa interface foi utilizada para fazer a troca de mensagens e o controle da competição entre os jogadores. Este texto está organizado em seções. Esta é a primeira e apresenta o contexto do trabalho e o seu objetivo. Na Seção 2 está o referencial teórico que é sobre jogos eletrônicos. A seção 3 apresenta o jogo desenvolvido enfatizando a sua implementação. E na Seção 4 está a conclusão. 2. JOGOS ELETRÔNICOS Um jogo, com objetivos lúdicos, de entretenimento ou de apoio à aprendizagem, é caracterizado como uma atividade que possui uma meta ou um objetivo a ser alcançado pelos seus participantes. Essa atividade é controlada por regras preestabelecidas visando prover interatividade ou competição entre os jogadores. Para este trabalho um jogo eletrônico ou computacional é definido como uma simulação visual e interativa exibida em uma tela de um dispositivo eletrônico computacional [3]. Os jogos eletrônicos podem ser categorizados por critérios distintos. Em relação ao tipo de dispositivo eletrônico utilizado, os jogos podem ser categorizados em: a) em rede; b) não em rede; c) para dispositivos móveis; d) para console. Considerando a estratégia de jogo, para o IMPA [4] existem os jogos cooperativos e os

2 não-cooperativos. Considerando o número de jogadores simultâneos, eles são classificados em: a) monousuário; e b) multiusuário. Em relação à jogabilidade, definida por Porto [5] e Castilho [`6] como o grau de interatividade, os jogos são basicamente divididos em: a) de simulação; b) de tabuleiro. Jogos multiusuário são simulações de ambientes em que cada jogador busca alcançar determinado objetivo por meio de interação com outros jogadores e com o ambiente [7]. Esse ambiente representa o espaço de realização do jogo que é compartilhado pelos jogadores. Assim, é fundamental manter o estado global consistente entre os jogadores. Para isso as ações de cada jogador devem ser repassadas de forma confiável e ordenadas para garantir a correta execução dos eventos do jogo. Helin [8] aponta três grandes problemas dos jogos multiusuário em rede: a) a infraestrutura de rede que pode afetar o andamento e a consistência do jogo; b) a arquitetura de comunicação que cria obstáculos para a escalabilidade desses jogos; c) a necessidade de garantia de um jogo justo, por meio da prevenção de trapaça. A arquitetura cliente/servidor é usada para jogos por possuir implementação simples e auxiliar a resolver problemas de inconsistência e segurança. Isso ocorre porque as mensagens enviadas aos jogadores (clientes) são validadas e determinadas pelo servidor. Contudo, nessa arquitetura há concentração do processamento e das conexões. O uso de diferentes estruturas e técnicas de distribuição de mensagens permite definir arquiteturas de comunicação, de controle e de dados, que ajudam a atenuar os efeitos limitadores relativos à plataforma física para jogos multiusuário. Esses efeitos são [9]: distribuição de mensagens, arquiteturas de comunicação, compressão e agregação de mensagens e gerenciamento de áreas de interesse. a) Distribuição de mensagens - a largura de banda necessária para um jogo multiusuário depende do número de jogadores e das técnicas de distribuição de mensagens utilizadas. As principais formas de distribuição das mensagens nesse tipo de jogo são: a.1) Broadcast - repassa a mensagem de um jogador para todos os que estão participando da mesma sessão de jogo; a.2) Unicast - determina que cada mensagem possua um único emissor e um único receptor; a.3) Multicast - permite que uma única mensagem seja distribuída para um grupo de destinatários, propiciando melhor utilização da rede. b) Arquiteturas de comunicação - a arquitetura de comunicação de um jogo multiusuário baseia-se nas diferentes formas como os computadores interagindo em um jogo estão interconectados. As arquiteturas para jogos multiusuário mais conhecidas são [8]: ponto a ponto, cliente/servidor, replicação e grade de servidores. b.1) Ponto a ponto - a topologia de comunicação entre jogadores é formada por um conjunto de nós, todos possuem características iguais em relação ao software necessário para participação no jogo. b.2) Cliente/servidor - um nó da rede realiza o papel de servidor do jogo e é responsável pela comunicação entre os jogadores. O servidor mantém o estado do jogo centralizado e recebe notificações sobre as atualizações de cada jogador. O servidor atualiza o estado do jogo e repassa as atualizações para os jogadores. b.3) Replicação de servidores - é um modelo híbrido entre as arquiteturas ponto a ponto e cliente/servidor. A infraestrutura de comunicação dos jogadores pode ser vista como uma arquitetura ponto a ponto de servidores de arquiteturas cliente/servidor. Se houver necessidade, jogadores podem ser realocados para um outro servidor. b.4) Grade de servidores - o estado do jogo é distribuído entre os vários servidores. O uso de grade computacional permite balancear a carga entre servidores. c) Compressão e agregação de mensagens - a compressão de mensagens diminui o tamanho das mensagens transmitidas pela redução do número de bits necessários para representar a informação enviada. A agregação de mensagens mescla informações de várias mensagens em uma única, diminuindo a sobrecarga gerada com cabeçalhos de mensagens. Essas duas técnicas têm o objetivo de reduzir o consumo da banda utilizada. d) Gerenciamento de áreas de interesse - uma área de interesse é a parte do mundo virtual que o usuário pode interagir. O gerenciamento dessas áreas permite que os jogadores expressem seus interesses em subconjuntos de informações do jogo. 3. JOGO DESENVOLVIDO Para a implementação do jogo objeto deste trabalho foi utilizada a linguagem Java para a lógica de negócio e para interface que foi agregada por Java RMI e web services, com o ambiente de desenvolvimento NetBeans; o Firebird como banco de dados com o IBExpert como administrador; e o Hibernate para o mapeamento objeto relacional entre as classes Java e as tabelas do banco de dados. Em um jogo de campo minado tradicional um jogador deve descobrir e marcar onde estão as minas em um tabuleiro, sem que elas sejam ativadas. Para os objetivos deste trabalho o jogo foi adaptado visando torná-lo multiusuário. O jogador que descobrir o maior número de minas vence a partida. O jogo inicia pela tela de login. Para conectar-se ao jogo, o usuário, com um computador conectado em rede, deve digitar seu nome de usuário e senha. Se o jogador não possui uma conta, ele pode cadastrar-se. A senha não é definida no cadastro. É gerada automaticamente e enviada para o do jogador. O cadastro do usuário é importante, pois é por meio dele que são registradas as informações de desempenho do jogador, como número de jogos, vitórias, derrotas e desistências. Com essas informações é calculada a pontuação de cada jogador e a

3 respectiva classificação no jogo. Essa classificação pode ser vista em uma tela que lista os jogadores e suas respectivas estatísticas. Além do jogo em si, o sistema oferece opções de troca de mensagens entre jogadores que não estão jogando uma mesma partida. Essas mensagens são como s internos do sistema. Elas podem ser utilizadas para, por exemplo, convidar outros jogadores para jogar. Para jogar, um jogador deve criar um jogo (iniciar um servidor) indicando uma porta de acesso, um nome para a partida e o total de jogadores pretendidos para o jogo (Figura 1). já conectados no mesmo jogo. Essa janela permanecerá até que o usuário que criou o servidor inicie o jogo. Durante o jogo é possível trocar mensagens entre os jogadores. Essas mensagens são mostradas para todos os jogadores conectados no jogo, não havendo a possibilidade de envio de mensagens para determinados jogadores. É uma forma de prevenção de trapaça. A Figura 3 apresenta a tela de criação do jogo (essa figura foi segmentada para facilitar a visualização). Na parte inferior dessa janela há uma caixa de texto na qual o servidor apresenta informações sobre o jogo como: o jogador que inicia o jogo; o jogador que deve efetuar a jogada atual; o resultado de uma jogada. O resultado indica se o jogador localizou ou não uma mina e quantos pontos foram obtidos na jogada. Figura 1. Criação de um jogo novo É por meio dessas informações que outros jogadores se conectam ao jogo (Figura 2). Figura 2. Conexão a um jogo Além da configuração do servidor é possível alterar as configurações do jogo, (Figura 1). Essas configurações se referem ao número de colunas e linhas do tabuleiro e o número de minas existentes. Depois do jogo criado, o servidor fica aguardando até que os outros jogadores se conectem para que a partida seja iniciada. Para se conectar a um jogo, o jogador deve saber o nome do jogo, porta e o IP (Internet Protocol) do computador que iniciou o servidor (Figura 2). Caso obtenha êxito na conexão, uma janela será mostrando listando os jogadores Figura 3. Tela de criação de um novo jogo Na parte central da tela do jogo está o tabuleiro (área quadriculada na Figura 3). No lado direito, parte superior, está um painel que exibe os nomes dos jogadores

4 conectados ao jogo, como sua pontuação e na parte inferior está uma área para troca de mensagens entre os jogadores. Um dos jogadores é sorteado para iniciar o jogo e apenas esse jogador pode efetuar a jogada. Os tabuleiros dos demais jogadores ficam inativos. O jogador da vez deve clicar no campo do tabuleiro desejado para tentar encontrar uma mina. Caso o jogador encontre uma mina ele deve jogar novamente. Uma mensagem é enviada para todos os jogadores informando o êxito da jogada e o número de minas que ainda restam. Ao errar, a vez passa para o próximo jogador. O fim do jogo é alcançado quando: a) o número de minas restante é zero; b) o número de minas restante é menor que a diferença de pontos entre o primeiro e o segundo colocado; c) os jogadores desistem do jogo. Caso um jogador desista do jogo é incrementada uma desistência em suas estatísticas e ele perde 25 pontos na classificação. O jogador vencedor incrementa seu número de vitórias recebendo 32 pontos. O jogador que perde uma partida tem um decréscimo de 17 pontos. Caso haja empate, os jogadores perdem 17 pontos na classificação. Essa é uma forma de impedir que jogadores forcem empate para ambos incrementarem sua classificação. É uma forma de controle para evitar trapaça Implementação do Jogo Para o desenvolvimento desse jogo, a implementação foi dividida em dois projetos: a) WSJogo - elaboração dos web services que fazem o acesso ao banco de dados Firebird por meio do framework Hibernate; b) CampoMinado - criação do jogo utilizando a tecnologia RMI da linguagem Java e um cliente para consumo dos web services. No projeto WSJogo foi criada a base de dados com o IBExpert utilizando o banco de dados Firebird. A persistência dos dados é feita pelo framework Hibernate, que possibilita a criação de objetos relacionais, que são objetos da linguagem Java convertidos para registros em tabelas relacionais. Para utilizar o Hibernate é necessário baixar suas bibliotecas disponíveis no formato.jar (arquivo compactado usado para distribuir um conjunto de classes Java) e adicioná-las no projeto que fará a persistência no banco de dados. Em seguida, deve-se criar o arquivo hibernate.cfg no diretório raiz das classes do projeto. Esse arquivo é responsável pela configuração do framework Hibernate. Nele são definidas as informações necessárias para a conexão ao banco de dados como driver, diretório, usuário e senha do banco. Além disso, são mapeadas as classes que serão persistidas no banco. Para controlar os acessos ao banco por meio de sessões foi definida uma classe responsável por criar e recuperar sessões, para salvar, atualizar e excluir objetos e também para criar as sentenças de consulta. Com essa classe foi possível eliminar a utilização de classes DAO (Data Access Object) que seriam responsáveis pelo acesso a base de dados específica. Cada classe mapeada no arquivo hibernate.cfg deve ter sua estrutura definida de acordo com a tabela do banco de dados que ela representa. Esse mapeamento é feito com as Hibernate Annotations que pertencem ao pacote de classes javax.persistence. Na implementação do jogo Campo Minado foram criadas três classes que representam entidades do banco de dados: Jogador, , Jogador. A classe Jogador representa a entidade Jogadores do banco de dados. As classes e Jogador são responsáveis pela representação das entidades s e sJogadores da mesma base de dados. e Jogador controlam o armazenamento das mensagens que são enviadas entre os jogadores, simulando uma conta de interna do sistema. Ressalta-se que o envio de mensagens não ocorre por meio de serviço de correio eletrônico. Depois de concluir e testar o mapeamento do banco de dados foi iniciado o desenvolvimento da classe ServicosBaseJogo responsável por disponibilizar os web services. Ela possui uma que especifica que esta é uma classe de serviços web. Ao criar uma classe desse tipo é necessário definir pelo menos uma operação, caso contrário ela não terá utilidade. Nessa classe foram criadas todas as operações necessárias para acesso e manipulação das informações dos usuários do jogo. Para o envio dos s contendo as informações de login para o usuário foi utilizado o Commons que fornece uma API (Application Programming Interface). Ela é construída a partir da Java Mail API que oferece uma API independente de plataforma e de protocolo para criar mensagens de correio eletrônico. Ao enviar um , utilizando a operação enviar , o Hibernate insere o objeto na tabela s. Uma trigger é disparada após essa inserção. Essa trigger é responsável por criar um registro com o código da mensagem enviada para cada jogador. Assim, tanto o jogador que envia a mensagem quanto a que a recebe tem acesso à mensagem. O projeto CampoMinado é a implementação do jogo em si. Esse projeto utiliza um cliente de web services para consumir os serviços do projeto WSJogo e para ter acesso ao banco de dados. Esse projeto foi desenvolvido separando as interações em camadas visando melhor organização e reutilização das classes. Cada camada é divida em threads para que o processamento de uma não interfira no processamento de outra. Desta forma, há uma thread para o objeto que controla o servidor, outra para o cliente e uma outra para a interface. A implementação do projeto CampoMinado foi iniciada pelas classes responsáveis pela comunicação entre os usuários, utilizando a interface RMI do Java. Para que essa comunicação fosse possível foi necessário criar um

5 servidor que é responsável por tornar acessíveis os métodos do jogo. Assim, cada usuário pode acessar os métodos do jogo de forma remota. Os objetos que serão enviados entre os métodos devem ser instâncias de classes serializáveis, para isso essas classes devem implementar a interface Serializable. A classe Servidor é responsável pela criação e publicação do jogo e é utilizada apenas pelo jogador que cria uma partida e é executada em uma thread separada da que executa a interface. Ela utiliza a classe LocateRegistry para obter uma referência a um objeto remoto em um determinado host ou para criar um objeto remoto que aceita chamadas em uma porta específica. Nessa classe, o LocateRegistry foi utilizado para criar um objeto remoto instanciado da classe JogoImpl que implementa a interação do jogo. Para definir um nome de referência ao objeto remoto e torná-lo acessível foi utilizado o método rebind(). Esses comandos podem ser vistos no código da classe servidor para criar o objeto remoto, como mostram as instruções na Figura 4. registry = LocateRegistry.createRegistry(porta); jogo = new JogoImpl(config); //config = objeto com configurações do jogo registry.rebind(this.nomejogo, jogo); //nome do jogo = nome de referência ownerform.servidoriniciado(); //avisa a thread com a interface Figura 4. Classe para criar objeto remoto A classe JogoImpl implementa a interface IJogo que define o cabeçalho dos métodos que os jogadores acessam para manipular o jogo como iniciarjogo (método acessado pelo jogador que criou o servidor que inicia o jogo em todos os clientes), enviarjogada (método acessado pelo jogador da vez para enviar as coordenadas de sua jogada), registrar (método que serve para permitir que o servidor possa acessar o cliente através do objeto remoto que o cliente instancia ao se conectar ao servidor). Esse método registrar da classe JogoImpl está representado no código que está na Figura 5. public int registrar(ijogador callback, String nome) throws RemoteException { conexaojogador[jogadoresconectados] = callback; nomejogadores[jogadoresconectados] = nome; pontosjogadores[jogadoresconectados] = 0; conexaojogador[jogadoresconectados].setid(jogad oresconectados); jogadoresconectados++; enviarmensagem("servidor", nomejogadores[jogadoresconectados-1] + " se conectou."); for(int i = 0;i<jogadoresConectados;i++) { conexaojogador[i].listarjogadoresconectados(nom ejogadores); } return jogadoresconectados; } Figura 5. Método registrar da classe JogoImpl Cada chamada de método por um cliente é processada no servidor e a resposta que resulta em uma interação do jogo é repassada a todos os clientes (jogadores) conectados, tornando a comunicação do tipo broadcasting. Cada jogador, inclusive o que criou o servidor, instancia um objeto da classe Cliente que é responsável por procurar o objeto remoto do jogo utilizando sua referência, porta e host. Esse objeto é executado em uma outra thread e seus principais comandos estão apresentados no código a seguir. Esse código (Figura 6) é parte da classe Cliente para procurar o objeto remoto do servidor. Registry registry = LocateRegistry.getRegistry(host, this.porta); jogo = (IJogo) registry.lookup(nomejogo); //procura o objeto pela referência jogador = new JogadorImpl(jogo, this.ownerform); //objeto remoto do cliente int id = jogo.registrar(jogador, nomejogador); //registra-se no servidor Figura 6. Código para procura do objeto remoto no servidor Quando o jogador da vez invoca o método enviarjogada vários testes são realizados para que seja obtido o resultado da jogada e para determinar o prosseguimento do jogo. Apenas após serem realizados todos os testes é que o servidor envia os resultados para os jogadores conectados, inclusive o jogador da vez. Desta forma, garante-se que todos os jogadores recebam a mesma informação. O primeiro teste realizado se refere ao valor no tabuleiro da coordenada que o jogador marcou. Se na coordenada jogada não houver uma mina, o jogador que jogou perde a vez e o próximo jogador fica com o tabuleiro habilitado para jogar. Caso o jogador da vez encontre uma mina, é verificado se o número de minas restante é zero. Se for, é verificada a pontuação do primeiro colocado e se essa pontuação é maior que a pontuação do segundo colocado, a vitória é definida para o jogador com mais pontos. Porém, se o primeiro colocado tiver o mesmo número de pontos que o segundo colocado o jogo é declarado empatado. Se ainda restarem mais minas no tabuleiro, verifica-se se a diferença entre o primeiro colocado e o segundo. Se essa diferença é maior que o número de minas restantes no tabuleiro, o jogo é finalizado e o jogador com mais pontos torna-se o vencedor. Caso contrário o jogador da vez deve jogar novamente, pois encontrou uma mina. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Um dos objetivos dos jogos é divertir e envolver o usuário em uma competição e exigir raciocínio lógico ou treinamento de habilidades. Assim, no desenvolvimento do jogo objeto deste trabalho alguns incrementos foram realizados em relação aos jogos de campo minando comumente encontrados. Esses incrementos visam

6 motivar o jogador a permanecer no jogo e minimizar formas de trapaça. Embora o RMI nativo tenha implementação bastante complexa se utilizado na implementação de sistemas para execução na rede Internet, sua implementação para uma rede local é bastante simplificada. E é útil pela facilidade de compartilhar métodos e objetos remotos. Os web services permitem que várias operações em um mesmo banco de dados sejam compartilhados por usuários conectados. Os controles fornecidos pelo framework Hibernate, como concorrência de acesso e limite de conexões simultâneas, foram muitos úteis no desenvolvimento do jogo. Facilitando, assim, o controle das jogadas e do jogador ativo. A criação da interface utilizando o pacote de componentes javax.swing do Java no Netbeans pode ser tornar complexa para desenvolvedores sem muita experiência. No desenvolvimento do jogo objeto deste trabalho, parte da interface foi implementada manualmente, inclusive pelo fato de os componentes swing nem sempre fornecem a mesma visualização em tempo de projeto e de execução. O desenvolvimento do jogo Campo Minado foi uma oportunidade de exemplificar o uso de Java, web services e RMI no desenvolvimento desse tipo de aplicativo. Como perspectiva futura está o desenvolvimento de uma versão para Internet. Distribuídos, Dissertação, Instituto de informática, UFRGS, [8] V. Helin, Development of Modern Multiplayer Games, Dissertação, Helsinki University of Technology, [9] J. Smed, T. Kaukoranta e H. Hakonen, Aspects of Networking in Multiplayer Computer Games, In: International Conference on Application and Development of Computer Games in the 21st Century, p , REFERÊNCIAS [1] D. C. Barboza, Ambiente Visual para Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos, Monografia, Curso de Bacharelado em Ciência da Computação do Centro Universitário Serra dos Órgãos, [2] F. Trinta, e F. R. Cecin, Jogos Multiusuário Distribuídos: Modelos, Suporte, Variações e Estado da Arte, In: VI Brazilian Symposium on Games and Digital Entertainmen, [3] J. M. Silveira Neto, Desenvolvimento de Jogos, gos.pdf, [4] IMPA - Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada, Teoria dos Jogos Não Cooperativos, l, [5] S. A. Porto, Planejamento em Redes de Tarefas Hierárquicas com Aplicação em Jogos, Dissertação, Universidade Federal do Paraná, [6] M. A. Castilho, Planejamento Aplicado a Jogos de Computador: uma Implementação Baseada em Redes de Tarefas Hierárquicas, In: XXVII Congresso da SBC, Encontro Nacional de Inteligência Artificial, Rio de Janeiro, p , [7] F. R. Cecin, FreeMMG: uma Arquitetura Cliente- Servidor e Par-a-Par de Suporte a Jogos Maciçamente

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Soquetes Um soquete é formado por um endereço IP concatenado com um número de porta. Em geral, os soquetes utilizam uma arquitetura cliente-servidor. O servidor espera por pedidos

Leia mais

Manual de Instalação ProJuris8

Manual de Instalação ProJuris8 Manual de Instalação ProJuris8 Sumário 1 - Requisitos para a Instalação... 3 2 - Instalação do Firebird.... 4 3 - Instalação do Aplicativo ProJuris 8.... 8 4 - Conexão com o banco de dados.... 12 5 - Ativação

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles:

Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles: Instalação do Netz Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles: Instalação do Java SE 6, que pode ser instalado através da JDK.

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02 Prof. André Lucio Competências da aula 2 Instalação e configuração dos sistemas operacionais proprietários Windows (7 e

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Facilitando Negócios Conectando softwares com Magento Plataforma de E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Este documento

Leia mais

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor Cliente/Servidor Desenvolvimento de Sistemas Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor As metodologias clássicas, tradicional ou orientada a objeto, são aplicáveis

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa Manual do Usuário Sistema Financeiro e Caixa - Lançamento de receitas, despesas, gastos, depósitos. - Contas a pagar e receber. - Emissão de cheque e Autorização de pagamentos/recibos. - Controla um ou

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos

Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos Elder de Macedo Rodrigues, Guilherme Montez Guindani, Leonardo Albernaz Amaral 1 Fábio Delamare 2 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE OS SERVIDORES DE E-MAILS MAIS UTILIZADOS ATUALMENTE

COMPARAÇÃO ENTRE OS SERVIDORES DE E-MAILS MAIS UTILIZADOS ATUALMENTE COMPARAÇÃO ENTRE OS SERVIDORES DE E-MAILS MAIS UTILIZADOS ATUALMENTE Mayara Dos Santos Marinho¹, Julio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR - Brasil mayara-marinho@hotmail.com

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE TÉCNICAS DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE UM AMBIENTE PARA O JOGO DE XADREZ

INTEGRAÇÃO DE TÉCNICAS DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE UM AMBIENTE PARA O JOGO DE XADREZ INTEGRAÇÃO DE TÉCNICAS DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE UM AMBIENTE PARA O JOGO DE XADREZ Acadêmico: Antonio Carlos Bambino Filho Orientador: Prof. Marcel Hugo SUMÁRIO Introdução;

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange Versão: 4.1 Service pack: 4B SWD-313211-0911044452-012 Conteúdo 1 Gerenciando contas de usuários... 7 Adicionar uma conta de usuário... 7 Adicionar

Leia mais

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha!

INTRODUÇÃO. A Claireconference agradece pela escolha! 1 ÍNDICE 1. IMPLEMENTAÇÃO 4 1.1 PAINEL DE CONTROLE 4 1.1.1 SENHA 4 1.1.2 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS DO LYNC 5 1.1.3 REDEFINIR SENHA 7 1.1.4 COMPRAR COMPLEMENTOS 9 1.1.5 UPGRADE E DOWNGRADE 10 1.1.5.1 UPGRADE

Leia mais

Manual de Administração

Manual de Administração Manual de Administração Produto: NDDigital n-access Versão: 4.2 Versão do Doc.: 1.1 Autor: Lucas Santini Data: 27/04/2011 Aplica-se à: NDDigital n-billing Detalhamento de Alteração do Documento Alterado

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico

Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico Tecnologia da Informação Aplicada a Gerenciamento de Acervo Documental Histórico Kayo Delgado Medeiros de Almeida¹, Elon Gomes Vieira 2, Carlos Vitor de Alencar Carvalho 3, Magno Fonseca Borges 4, José

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

Manual Software CMS. Introdução:

Manual Software CMS. Introdução: Introdução: O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa eletrônico

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos O conceito de rede segundo Tanenbaum é: um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

O serviço de Gateway Remoto é instalado em um computador, onde um ou diversos rádios móveis Hytera podem ser conectados via cabo USB e áudio.

O serviço de Gateway Remoto é instalado em um computador, onde um ou diversos rádios móveis Hytera podem ser conectados via cabo USB e áudio. Visão Geral O Gateway Remoto Hytracks tem por objetivo atuar como uma extensão do Servidor principal, visando atender regiões muito distantes do servidor através de um link IP. O serviço de Gateway Remoto

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

Personata Recorder. Manual de Instalação e Configuração

Personata Recorder. Manual de Instalação e Configuração Personata Recorder Manual de Instalação e Configuração Julho / 2013 1 Índice 1- Pré-requisitos......3 2 Verificação do Hardware......3 3 Instalação......5 4 Configuração Inicial......8 4.1 Localização......8

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 21: 06 de julho de 2010 1 2 3 (RFC 959) Sumário Aplicação de transferência de arquivos de/para um host remoto O usuário deve prover login/senha O usa duas conexões TCP em

Leia mais

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

SCIM 1.0. Guia Rápido. Instalando, Parametrizando e Utilizando o Sistema de Controle Interno Municipal. Introdução

SCIM 1.0. Guia Rápido. Instalando, Parametrizando e Utilizando o Sistema de Controle Interno Municipal. Introdução SCIM 1.0 Guia Rápido Instalando, Parametrizando e Utilizando o Sistema de Controle Interno Municipal Introdução Nesta Edição O sistema de Controle Interno administra o questionário que será usado no chek-list

Leia mais

... MANUAL DO MODERADOR SERVIÇOS DE WEB

... MANUAL DO MODERADOR SERVIÇOS DE WEB ... MANUAL DO MODERADOR SERVIÇOS DE WEB ÍNDICE 1. IMPLEMENTAÇÃO 4 1.1 PAINEL DE CONTROLE 4 1.2 SENHA 4 1.3 INSTALAÇÃO 4 1.3.1 INSTALAÇÃO PARA MODERADOR 4 1.3.2 INSTALAÇÃO PARA PARTICIPANTES 8 1.3.2.1 PELO

Leia mais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Será utilizado o seguinte critério: Atende / Não atende (Atende em parte será considerado Não atende) Item Itens a serem avaliados conforme

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015

EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015 Londrina, 07 de outubro de 2015. EDITAL CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO 009/2015 OBJETO: Art.1º. Constitui objeto desta licitação a aquisição de 01 (uma) Plataforma de Solução

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões.

1.1. Gerenciamento de usuários e permissões. Suporta vários níveis de gerenciamento, gerenciamento de usuários e configuração de permissões. CAMERA IP SERIE AV O CMS é uma central de gerenciamento de DVRs, é responsável por integrar imagens de DVRs distintos, com ele é possível realizar comunicação bidirecional, vídeo conferência, função mapa

Leia mais

Manual de utilização do STA Web

Manual de utilização do STA Web Sistema de Transferência de Arquivos Manual de utilização do STA Web Versão 1.1.7 Sumário 1 Introdução... 3 2 Segurança... 3 2.1 Autorização de uso... 3 2.2 Acesso em homologação... 3 2.3 Tráfego seguro...

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLOGIA FEDERAL DO PARANÁ. Owncloud SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO EM NUVEM. Manual

UNIVERSIDADE TECNOLOGIA FEDERAL DO PARANÁ. Owncloud SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO EM NUVEM. Manual UNIVERSIDADE TECNOLOGIA FEDERAL DO PARANÁ Owncloud SERVIÇO DE COMPARTILHAMENTO EM NUVEM Manual DIRETORIA DE GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIRGTI 2015 Sumário 1. Introdução... 3 2. Acessando o serviço...

Leia mais

ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais

ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais PRERELEASE 03/07/2011 Avisos legais Avisos legais Para consultar avisos legais, acesse o site http://help.adobe.com/pt_br/legalnotices/index.html.

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Curso: Sistemas de Informação Arquitetura de Software Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 4 Estilos Arquitetônicos Estilos Arquiteturais Dataflow

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

Manual do e-dimed 4.0

Manual do e-dimed 4.0 Manual do e-dimed 4.0 Instalação e Configuração - Módulo Cliente Após a instalação do e-dimed ser efetuada, clique no atalho criado no desktop do computador. Será exibida a janela abaixo: A instalação

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA Autores: Claudiléia Gaio BANDT; Tiago HEINECK; Patrick KOCHAN; Leila Lisiane ROSSI; Angela Maria Crotti da ROSA Identificação autores: Aluna do Curso

Leia mais

16. Assinale a alternativa que NÃO apresenta uma vantagem dos Sistemas Operacionais com interface gráfica:

16. Assinale a alternativa que NÃO apresenta uma vantagem dos Sistemas Operacionais com interface gráfica: ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO 7 INFORMÁTICA QUESTÕES DE 16 A 35 16. Assinale a alternativa que NÃO apresenta uma vantagem dos Sistemas Operacionais com interface gráfica: a) Possibilita a ativação de vários

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Roteiro 11: Roteamento /acesso remoto / redirecionamento de diretórios

Roteiro 11: Roteamento /acesso remoto / redirecionamento de diretórios Roteiro 11: Roteamento /acesso remoto / redirecionamento de diretórios Objetivos: Ativar e gerenciar o serviço de roteamento; Ativar e gerenciar serviços de terminal remoto; Redirecionar diretórios através

Leia mais

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA Service Desk Sumário Apresentação O que é o Service Desk? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation

3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation 29 3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation A participação na competição Agent Reputation Trust (ART) Testbed [10] motivou o estudo do domínio

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

G-Bar IGV. Instalação Versão 4.0

G-Bar IGV. Instalação Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço IGV Software Interpretador/ Gerenciador/ Visualizador de dados digitais de projetos CAD-TQS Instalação Versão 4.0 Manual do Usuário

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Compra Direta - Guia do Fornecedor PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Página As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis referências a web sites, estão sujeitas

Leia mais

Projeto Arquitetural do IEmbedded

Projeto Arquitetural do IEmbedded Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Departamento de Sistemas e Computação Disciplina: Projeto I Professora: Francilene Garcia Equipe: Carolina Nogueira de

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 22 - ( ESAF - 2004 - MPU - Técnico Administrativo ) O

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

Restart Informática Ltda. Equipe de Suporte [E-CAFI] Manual da equipe de Suporte. Proibida a reprodução e distribuição não autorizada.

Restart Informática Ltda. Equipe de Suporte [E-CAFI] Manual da equipe de Suporte. Proibida a reprodução e distribuição não autorizada. 2012 Restart Informática Ltda. Equipe de Suporte [E-CAFI] Manual da equipe de Suporte. Proibida a reprodução e distribuição não autorizada. Sumário Instalando o ecafi... 2 Instalando o Serviço de E-mail...

Leia mais

ANEXO 01 GUIA PASSO A PASSO

ANEXO 01 GUIA PASSO A PASSO ANEXO 01 GUIA PASSO A PASSO Conteúdo 1 TELA DE ACESSO... 3 1.1 Enviar e-mail... 4 2 INTEGRANDO CONTAS COM OUTLOOK... 5 3 DREAMSPARK... 6 4 SKYDRIVE... 12 4.1 Organização do ambiente criar pastas... 13

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Gerência de Configuração

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS Servidor: O servidor é todo computador no qual um banco de dados ou um programa (aplicação) está instalado e será COMPARTILHADO para outros computadores,

Leia mais

Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Windows

Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Windows Inicialização Rápida do Aplicativo de Desktop Novell Filr 1.2 para Windows Abril de 2015 Inicialização rápida O Novell Filr permite que você acesse facilmente todos os seus arquivos e pastas do desktop,

Leia mais

Sistemas Cliente-Servidor

Sistemas Cliente-Servidor Sistemas Cliente-Servidor Disciplina Bancos de Dados II (INE 5616 2006-1) Curso de Sistemas de Informação Prof. Renato Fileto INE/CTC/UFSC 1 1 Cliente - Servidor Arquitetura cliente/servidor: Os servidores

Leia mais

Manual do usuário. isic 5 - Android

Manual do usuário. isic 5 - Android Manual do usuário isic 5 - Android isic 5 - Android Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O novo aplicativo Intelbras isic 5 possui tecnologia capaz de visualizar

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Programa de Evolução Contínua Versão 1.84

DOCUMENTAÇÃO. Programa de Evolução Contínua Versão 1.84 DOCUMENTAÇÃO Programa de Evolução Contínua Versão 1.84 SUMÁRIO RESUMO DAS NOVIDADES... 3 CONFIGURAÇÃO DAS NOVIDADES... 6 Resolução de Conflitos de Integração de Pedidos de Marketplaces... 6 Configurações

Leia mais

Marco A. M. de Melo e Fernando S. P. Gonçalves MANAGER

Marco A. M. de Melo e Fernando S. P. Gonçalves MANAGER Marco A. M. de Melo e Fernando S. P. Gonçalves MANAGER S.O.S BACKUP - MANAGER. Nenhuma porção deste livro pode ser reproduzida ou transmitida em qualquer forma ou por qualquer meio eletrônico ou mecânico,

Leia mais

GUIA RÁPIDO SISTEMA ANTIFURTO THEFT DETERRENT

GUIA RÁPIDO SISTEMA ANTIFURTO THEFT DETERRENT GUIA RÁPIDO SISTEMA ANTIFURTO THEFT DETERRENT SUMÁRIO Prefácio... 1 A quem se destina... 1 Nomenclatura utilizada neste documento... 1 Tela de login... 2 Tela Inicial... 4 Gestão de Dispositivo Acompanhar

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Manual do AP_Conta. Manual do AP_Conta. Aplicativo para digitação e envio de contas médicas no padrão TISS

Manual do AP_Conta. Manual do AP_Conta. Aplicativo para digitação e envio de contas médicas no padrão TISS 2014 Manual do AP_Conta Aplicativo para digitação e envio de contas médicas no padrão TISS 0 Sumário 1. Sobre esse manual... 3 2. Habilitando e Configurando o AP_Conta... 4 3. Habilitação e Licenciamento...

Leia mais